You are on page 1of 14

O comércio mundial de alimentos e a

estrutura fundiária brasileira.


“A experiência não é o que acontece a um
homem; é aquilo que um homem faz com o
que lhe acontece”
(Aldous Huxley)
 Em questão tecnológica existe uma
igualdade entre países pobres e
emergentes;
 Commodities: cotação de um produto
agrícola no mercado internacional;
A desigualdade se processa nas trocas
comerciais;
 Osprodutos de países emergentes tendem
a encontrar barreiras protecionistas
 Subsídios:financiamentos e empréstimos
concedidos aos agricultores locais com o
objetivo de baratear a produção
(dumping);
 Fixação de cotas: limitar o número de
produtos estrangeiros que podem entrar na
economia local;
 Barreira alfandegária: elevar a carga de
tributos (impostos) sobre o produto
estrangeiro;
 Política Agrícola Comum (PAC): fixar
preço único para os commodities
produzidos na Europa e estabelecer uma
tarifa para exportação e importação;

 Lei Agrícola – Farm Bill (EUA):


fornecimento de altos créditos agrícolas
aos agricultores locais, barateando a
produção.
 Organização Mundial do Comércio (OMC):
objetivo de estimular a livre concorrência no
mercado mundial;
 Funciona como um tribunal para julgar questões
envolvendo comércio desleal;
 Na questão agrícola julga as políticas
protecionistas existentes nos países.
 Rodada Doha: negociações entre países para
solucionar conflitos referentes aos entraves
comerciais (2001 à 2006).
 Modo como as propriedades rurais estão
distribuídas, segundo suas dimensões;
 Estrutura fundiária brasileira:
predomínio de grandes propriedades,
concentradas em uma pequena parcela da
população;
 Causa: a distribuição de terras aos
donatários é apontada como a causa da
concentração fundiária.
 Primeiros latifúndios
brasileiros;

 Dividiu a colônia em
quinze lotes entre doze
donatários;

 Funcionava com o
sistema de plantation
com base de trabalho
escravista.
 A terra deixa de ser símbolo de prestígio social
e adquire caráter mercadológico;
 1822: Dom Pedro rompe com o sistema de
doação de terras e coloca em prática o princípio
de ocupação;
 Lei de Terras (1850): as terras devolutas
pertenciam ao Estado poderiam ser obtidas
mediante a compra;
 Consequência: segregação social do imigrante
europeu e do negro e conflitos no campo.
 Estatuto da Terra (1964): cria a função
social da terra (produtividade e bem estar
social no campo);
 Constituição de 1988: define os tipos de
propriedade com base no conceito de
módulo rural;
 Módulo rural: tamanho da propriedade
definido de acordo com as características
que influem na produtividade (solo, clima,
entre outros).
 Reforma Agrária: mudança na estrutura
produtiva do espaço agrícola;

 Aspectos quantitativos: redistribuição de


terras improdutivas;

 Aspectos qualitativos: deve acontecer com um


auxílio técnico e financeiro por parte do
governo;

 Objetivos: conter o êxodo rural, diminuir a


desigualdade no campo e diminuir o inchaço
urbano.
 Surgem a partir da década de 1940 com o
objetivo de implantar a Reforma Agrária,
durando até 1964;
 MST: surge em 1984 com a redemocratização
do país, contando com o auxílio de partidos e
da Igreja Católica (Comissão Pastoral da
Terra);
 Seus objetivos são a aceleração da Reforma
Agrária e o auxílio técnico-financeiro do
governo;
 Os principais focos de conflito são as áreas de
fronteira agrícola do país.