You are on page 1of 3

Correção da Fertilidade do Solo – maior produtividade

agropecuária e proteção do meio ambiente


(Minuta de Folder informativo)

Amostragem de solo para análise

Porque analisar o seu solo

A análise do solo é o principal meio para se fazer a avaliação da sua fertilidade


química. Com base nos resultados da análise é possível determinar as doses
adequadas de calcário e adubos necessários para melhorar a produção e a
produtividade das atividades agropecuárias de forma tecnicamente correta e
economicamente adequada.
A calagem, por exemplo, é uma prática que visa reduzir a acidez do solo, ajustando
o seu pH para faixas mais adequadas para a absorção de nutrientes pelas plantas e
eleva os teores de Ca e MG, promovendo o aumento da saturação de bases do solo
e, consequentemente, melhora o potencial de respostas à adubação, com ganhos de
produtividade.
Com base nesses resultados, e de outras informações como o histórico de uso da
área, o tipo de manejo adotado na propriedade e na cultura a ser plantada, os
engenheiros agrônomos poderão fazer as recomendações de correção de solo e
adubação específicas para a sua área.
Para obter bons resultados com a análise, é fundamental retirar as amostras
corretamente. Seguindo as instruções desse folheto você terá uma análise que
represente a condição atual de fertilidade de seu solo, e com a correção das
deficiências nutricionais você terá maiores chances de obter lucratividade em sua
atividade.

A escolha das glebas para amostragem

Divida sua propriedade em glebas homogêneas, nunca superiores a 20 hectares, e


amostre cada área isoladamente. Separe as glebas com condições topográficas
semelhantes (seja solo de morro, de meia encosta, de baixadas etc.), também as
áreas que apresentem cores semelhantes (solo vermelho, amarelo, cinza), e textura
(solos argilosos, solos de textura média, solos arenosos), devem ser agrupadas
separadamente. Também devem ser coletadas separadas amostras de solos com
cultura (café, milho, soja) ou vegetação (pastagem, capoeira) e as que receberam
adubação e calagem em anos anteriores. Em culturas perenes, leve em conta a idade
e a variedade das plantas. Áreas com uma mesma cultura, mas com produtividades
muito diferentes, devem ser amostradas separadamente. Identifique essas glebas de
maneira definitiva, fazendo um mapa ou croqui para o acompanhamento da
fertilidade desses solos com o passar dos anos.

Local da área a ser corrigida

Demarcar as áreas a serem corrigidas dentro da propriedade (fazer um croqui da


mesma)

Seleção das glebas para a retirada das amostras de solo

Para cada uma das glebas semelhantes, recomenda-se retirar, no mínimo, 20 sub-
amostras para formar uma amostra composta, sendo essa amostra composta,
representativa de uma área de cerca de 20 ha. Em caso de grandes áreas, sugere-se
retirar sub-amostras de 20 em 20 ha, que formarão tantas amostras compostas para
representar essa área maior, ainda que essa área maior seja bastante semelhante.

Figura de caminhamento em ziguezague para a retirada das amostras

É importante retirar as sub-amostras em ziguezague. Não retirar sub-amostras


próximas de cupim, formigueiro, estrada, cerca, casa, galpão, depósito, curral e em
sulco de plantio de cultura anterior.

Em área estabelecida com o sistema de plantio direto e adubações no sulco de


plantio, as sub-amostras são feitas transversalmente às linha de plantio, com largura
igual ao espaçamento da cultura, sendo que nesse corte, o ponto central é da linha
de semeadura

Material necessário para a coleta das amostras de solo

O material a ser utilizado para a coleta das amostras compõe-se de enxadão, trados
ou pá reta, balde e sacos plásticos, que devem estar limpos. Nunca utilize
embalagens de defensivos, adubos, sacos de supermercados.

Procedimento para retirar as amostras

1. com um enxadão ou enxada, retire o capim, pedras, folhas secas e outros


materiais da superfície do local escolhido, deixando o limpo
2. cave um buraco em forma de cunha, com um palmo de profundidade
(20cm). Retire toda a terra solta do buraco e ponha-a de lado
3. com o enxadão ou uma pá reta, corte em uma das paredes do buraco uma
fatia de terra com cerca de 2 dedos de espessura. Essa fatia deve ser
retirada de toda a extensão da parede, ou seja, da superfície até o fundo do
buraco.
4. com um facão, e ainda com a terra no enxadão, corte a fatia em três
partes. Coloque a parte do meio (± 300g) dentro de um balde limpo e
descarte o restante da terra.
5. a sub-amostra pode também ser retirada com um trado. Para tanto, basta
aprofundar o mesmo até 20 cm no solo para extrair a terra. Profundidades
maiores poderão ser amostradas, desde que separadamente, uma vez que
uma representa uma sub-amostra de solo e a outra do subsolo.
6. repita essa operação em ziguezague, em 20 lugares diferentes de uma
gleba homogênea Coloque todas as sub-amostras no balde e misture bem.
7. quando a terra (sub-amostras), estiver bem misturada no balde, retirar
uma amostra colocando-a em um saco plástico (± 300 g). Amarre bem a
boca do saco e identifique-o.
8. na etiqueta escrever o seu nome, o nome da propriedade, o endereço, a
cultura ou a cobertura vegetal existente, a cultura a ser plantada e o
número da amostra.
9. anote em um caderno o número de cada amostra e a gleba de onde foi
retirada. Essas anotações são importantes, pois quando de posse das
recomendações, você deverá consultar o caderno para identificar o local a
ser feita a calagem e a adubação.
10. jogue fora a terra que sobrou no balde, limpe-o, e repita a mesma
operação para as outras glebas (áreas homogêneas).
11. retirada todas as amostras de solo, remetê-las ao laboratório indicado pelo
técnico.

Observação: as amostras de solo deverão ser retiradas com antecedência, para que
os resultados cheguem a tempo e as recomendações possam ser aplicadas no
campo. O ideal é coletar as amostras no início do período da seca.

Resultado das análises de solo

Depois de analisada as amostras, o laboratório emitirá os resultados das análises.


De posse desses resultados, procure um Engenheiro Agrônomo habilitado, que irá
orientá-lo, e indicar a dosagem correta de calcário e de fertilizantes para corrigir a
fertilidade de seu solo e atingir um nível de produtividade desejada.

Atenção: o solo deve ser analisado pelo menos a cada 2 anos ou, com maior
freqüência, em solos com problemas de fertilidade ou solos intensamente
cultivados.