You are on page 1of 2

CONCEPÇÕES SOBRE A NATUREZA DA LUZ NO

SÉCULO XVIII EM PORTUGALTÍTULO DO ARTIGO

LUÍS MIGUEL BERNARDONOME DO


AUTOR, EM ORDEM DIRETA

Resumo – Até meados do século XVIII, as teorias sobre a natureza da luz que se
ensinavam nas Universidades e nos Colégios em Portugal eram, salvo raras excepções,
as peripatéticas. Só a partir da Reforma Pombalina de 1772 é que o ensino das novas
ciências foi imposto oficialmente em Portugal. A partir daí, as teorias modernas sobre
a luz, com predominância para a teoria corpuscular newtoniana, ganharam um
significativo número de adeptos, embora outros movimentos incluindo os eclécticos
continuassem a ter alguma relevância na cultura científica portuguesa. Serão aflorados
e brevemente discutidos, neste artigo, alguns dos factores culturais, políticos e
religiosos, que terão contribuído para o atraso da introdução em Portugal das novas
ciências e teorias. Serão apresentadas as concepções sobre a natureza da luz de alguns
autores conhecidos e influentes assim como as de outros menos conhecidos mas que
exemplificam o estado da cultura científica portuguesa do séc. XVIII.Escrever aqui o
resumo do artigo, em português.
Abstract – Until the middle of the 18th century, the theories of the light taught at the
universities and schools in Portugal were, with rare exceptions, the peripatetic theories.
Only after the Reform made by Marquis of Pombal in 1772, the study of modern science
was officially established in Portugal. Since then, the modern theories of light,
especially the Newtonian emission theory, got an important number of followers,
although other movements including eclectic movements were still relevant within the
Portuguese scientific culture. In this paper some of the cultural, political and religious
factors, partially responsible for the late introduction of modern science and theories,
will be identified and briefly discussed. The concepts about the nature of light,
expressed by known and influent authors and by others exemplifying the state of the
Portuguese scientific culture of the 18th century, will be presented.Write here the
abstract of the paper, in English.

1 PRIMEIRA SEÇÃO
Escreva a partir deste ponto o texto do seu artigo. Ou, se ele já está escrito, simplesmente “cole”
aqui o texto. Mas preste atenção no “estilo” de cada parte do artigo, para poder aproveitar a formação
deste arquivo.
Não deixe linhas em branco entre os parágrafos.
2 TÍTULO DA SEGUNDA SEÇÃO
Nos títulos das seções, os números serão inseridos automaticamente.
Se você precisar subdividir o artigo em sub-seções, utilize os seguintes estilos:

Revista da SBHC, série 2, vol. 1, n. y, pp. xx-xx, 2002


1
2.1 Sub-seção

2.1.1 Sub-sub-seção
2.1.1.1 Sub-sub-sub-seção

Cada parágrafo do texto (estilo “normal”) já tem o recuo necessário, na primeira linha. Não é
preciso utilizar tabulação.

Coloque citações longas utilizando este estilo, que cria uma margem diferente para as
citações.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
SILVA, José da. Nome do livro, em itálico. Cidade: Editora, Ano.
––––. Nome do segundo livro deste mesmo autor, em itálico. Cidade: Editora, Ano.

.
Trabalho recebido em xx de yyy de 2001.

.
Coloque nesta nota de rodapé, que aparecerá no final do artigo, o seu nome, titulação, endereço, etc., como por exemplo:
Fulano de Tal é Doutor em XXX pela Universidade de YYY. Professor da Universidade ZZZ, Instituto de WWW. Endereço:
Rua AAA, n° BBB. CEP: 1111-111 – Rio de Janeiro – RJ, Brasil. Telefone: (022) 999-9999. E-mail: ccccc@ddd.uuuuuu.br

Revista da SBHC, série 2, vol. 1, n. y, pp. xx-xx, 2002


2