You are on page 1of 46

IMPARAVEL

im.pa.rá.vel
adj.m. e adj.f.

1. Refere-se ao que não para;


2. Aquilo que não é possível parar ou suspender;
3. Qualquer pessoa que alcançou sucesso significativo na vida.
Dicas de Restaurantes
Nos intervalos, aproveite para repor as energias na nossa praça de alimentação da área externa. Lá
temos opções variadas, como espetinho, hambúrguer, pastel, churros, açaí, sorvete e lanches naturais.
Contamos também com os seguintes restaurantes nas proximidades:

Sertão e Mar Restaurante

Esquina do lago - Espetinho e Restaurante

Casarão Restaurante
Programação

• 08:00• 08:15 | Abertura • Gabriel Granjeiro e Rodrigo Calado

• 08:15 • 09:00 | Língua Portuguesa • Claiton Natal 7

• 09:00• 09:40 | Raciocínio Lógico e Matemático • Luis Telles 12

• 09:40 • 10:05 | Intervalo

• 10:05 • 10:45 | Redação Discursiva • Tereza Cavalcanti 14

• 10:45 • 10:55 | Técnicas para lidar com a ansiedade com Juliana Gebrim

• 10:55 • 11:35 | Matemática e Matemática Financeira • Márcio Flávio 17

• 11:35 • 12:20 | Qualidade no Atendimento e Diversidade • Kátia Lima 19

• 12:20 • 13:50 | Almoço

• 13:50 • 14:35 | Os Bancos na Era Digital • Amanda Aires 21

• 14:35 • 16:05 | Conhecimentos Bancários (Parte 1) • Cid Roberto 28

• 16:05 • 16:50 | Inovação • Weskley Rodrigues 33

• 16:50 • 17:00 | Momento com os coaches

• 17:00 • 17:25 | Intervalo

• 17:25 • 18:20 | Conhecimentos Bancários (Parte 2) • Claudio Zorzo 37

• 18:20 • 19:05 | Uso de Tecnologias e Confidencialidade • Fabrício Melo 41

• 19:05 • 19:10 | Sorteio + Encerramento


INTRODUÇÃO
Bem-vindo(a) ao Gran Dicas para o Banco de Brasília

“Atuar como banco público voltado ao crescimento econômico e ao


desenvolvimento sustentável do Distrito Federal e regiões de influência,
com soluções inovadoras e atendimento de excelência”
– Missão do BRB

Muito, muito OBRIGADO, por ter escolhido o Gran Cursos Online para fazer sua
revisão de véspera – Mega Gran Dicas – rumo à conquista do cargo de Escriturário do
Banco de Brasília – BRB, sociedade de economia mista cujo acionista majoritário é o
Governo do Distrito Federal. O BRB tem como visão ser reconhecido como instituição
financeira de referência no Centro-Oeste.
A proposta do nosso aulão é a de revisar os principais e mais importantes tópicos
ou conteúdos do edital do seu certame e assegurar, com isso, a feitura de uma exce-
lente prova. É nosso propósito, também, passar valiosas dicas, detalhes e bizus que
Gabriel Granjeiro
poderão garantir preciosos pontos e fazer a diferença entre a aprovação e a reprova-
Presidente
ção, com a sonhada classificação no concurso organizado pela banca IADES.
Sobre o autor: Escalamos, para este evento, um time de professores especialistas em Conheci-
Empreendedor apaixonado mentos Bancários, Matemática e Matemática Financeira, Raciocínio Lógico-Matemá-
pelo ensino a distância. tico, Língua Portuguesa e Redação Discursiva, Qualidade no Atendimento e Diversi-
Começou a atuar na área dade, Inovação, entre outros; enfim, só feras, só craques nas suas posições! Todos com
de concursos aos 14 anos a única e exclusiva missão de tentar acertar o que será cobrado, como muito já ocorrera
de idade. em outros eventos realizados pelo Gran em várias capitais e grandes cidades do País.
Fundador e Aconselhamos que, humildemente, ouça tudo, registre tudo, não perca nenhuma
Diretor-Presidente do dica, nenhuma sugestão dos nossos professores. Aproveite o momento, curta a ener-
Gran Cursos Online e da gia do evento, ganhe força, motivação e confiança para ser merecedor(a) de uma das
GG Educacional. vagas em disputa. Lembrando, por oportuno, que a aprovação é resultado de prepa-
ração adequada, prática, revisão e merecimento. Quem está por aqui, sacrificando um
dia de final de semana, por certo é digno ser um empregado público, um servidor do público.
Por derradeiro, listamos a seguir os valores que nortearão a vida funcional de você, futuro empregado do BRB:
I – Foco no cliente;
II – Ética e transparência;
III – Valorização das pessoas e respeito à diversidade;
IV – Sustentabilidade;
V – Inovação;
VI – Comprometimento com o resultado e com a gestão de riscos.

Bons estudos e GRAN sucesso,


Você é imparável.
Conte conosco!
ARTIGO MOTIVACIONAL
SEJA IMPARÁVEL!
POR GABRIEL GRANJEIRO

Ano passado, estava eu navegando pela web quando vi uma palavra que
me chamou a atenção: “imparável”. Naturalmente, eu sabia o significado dela,
mas nunca havia empregado a expressão em meus textos ou em minha fala e
logo pensei que ela poderia render um artigo. Afinal, qual é o principal motivo
pelo qual as pessoas fracassam em qualquer empreitada e, em particular, na
preparação para concursos públicos? Porque PARAM! Elas fracassam não
por serem incapazes ou menos inteligentes; fracassam não porque não há
oportunidades para elas, mas porque, em algum momento, param. Abra qual-
quer livro de história e você verá que o mundo pertence aos IMPARÁVEIS.
Pense comigo. O que teria acontecido se Thomas Edison tivesse parado
após fracassar na primeira tentativa de inventar a lâmpada elétrica? Pergunto
ainda: como seria o mundo de hoje se ele houvesse desistido após 999 tenta-
tivas sem êxito? Estima-se que Edison tentou milhares de vezes antes de ser bem-sucedido e mudar por completo
o rumo da história. Atribui-se a ele a frase “Eu não falhei. Apenas descobri 10 mil maneiras que não funcionam”.
E como seria o mundo da tecnologia deste início de século se Steve Jobs tivesse parado de empreender
após ter sido expulso de maneira vexatória da Apple, empresa que ele mesmo fundou e atualmente a organiza-
ção mais valiosa do mundo? Certamente não existiriam nem iPhones, nem iPads, nem iPods, entre tantos outros
produtos que revolucionaram a forma como nos comunicamos e interagimos uns com os outros.
O que teria sido da África do Sul e de Nelson Mandela se este tivesse desistido depois de condenado à
prisão perpétua? Com certeza, ele não teria se tornado presidente do seu país, nem ganhado o Prêmio Nobel da
Paz, nem contribuído para a promoção da igualdade racial na África. Enfim, esse que se tornou um dos maiores
líderes do mundo não teria inspirado milhões de pessoas mundo afora.
Como estaria Gisele Bündchen se tivesse parado de tentar se tornar modelo após ter sido rejeitada 42 vezes
no início da carreira, ouvindo absurdos como que o seu nariz era “grande” e os seus olhos “pequenos”? Decerto,
ela não seria a celebridade mundial que conhecemos nem a mais bem paga modelo da história, sem falar a ati-
vista que atua em causas nobres, especialmente de cunho ambiental.
Será que a autora J.K. Rowling teria conseguido reunir sua fortuna de mais de um bilhão de dólares se
tivesse parado de insistir na história de Harry Potter depois de ter a ideia rejeitada doze vezes por diferentes edi-
toras? Quão próxima de desistir de tudo que conquistou ela esteve? Bastava ela ter parado, e nunca teríamos
ouvido falar no bruxinho ou em “trouxas”. Já pensou?
Por onde andaria o professor Weslei Machado, hoje Promotor de Justiça do Estado do Amazonas e nosso
mestre de Direito Eleitoral, se ele tivesse parado após encarar mais de vinte reprovações em concurso?
Qual seria a profissão do hoje juiz do Trabalho Fábio Augusto Branda, se ele tivesse parado após a 42ª
tentativa frustrada de ingressar na magistratura? Detalhe: ele foi aprovado na 43ª, depois de 10 anos de estudo.
E o que teria sido de mim e do meu sócio, Rodrigo, se houvéssemos parado de empreender ao enfrentar
os primeiros dos inúmeros e inimagináveis problemas que surgiram em nossa trajetória empresarial? Hoje não
existiria esta máquina de realizações chamada Gran Cursos Online, que emprega centenas de pessoas, movi-
menta a economia da cidade e do País de maneira significativa e tem colaborado na concretização dos sonhos
daqueles que confiam em nosso trabalho.
Acho que você entendeu aonde eu quero chegar.
Em absolutamente TODAS essas histórias, nenhum dos protagonistas se arrependeu de não ter parado.
Ser imparável faz parte do DNA de cada um desses personagens, mas quero aqui ressaltar: também faz parte
do sangue de você que me lê. É próprio do ser humano ser imparável, mas, às vezes, por imposição de crenças
alheias ou em decorrência de pensamentos equivocados que desenvolvemos a respeito de nós mesmos, come-
çamos a duvidar da nossa capacidade e a nos culpar por falhas do passado.
Um dos maiores erros que uma pessoa comete é ficar remoendo o que já aconteceu e não pode mais ser
alterado. Se já é bastante nocivo permanecer se culpando indefinidamente pelo que não deu certo lá atrás, é
igualmente ruim atribuir a culpa a terceiros e se conformar com
o pensamento de que a vida é assim mesmo e de que é essa a
A verdade é que todos nós somos
vontade de Deus. A maioria das pessoas não consegue perseve-
imperfeitos, e é justamente em
rar porque foca no erro, e não na possibilidade futura de acertar
nossas fragilidades – após o come-
– possibilidade que, aliás, é concreta e só depende de tempo para
timento de cada um dos nossos
acontecer, a não ser que a pessoa desista e, simplesmente, pare.
erros – que encontramos as armas
A verdade é que todos nós somos imperfeitos, e é justamente
para alcançarmos o nosso destino
grandioso. em nossas fragilidades – após o cometimento de cada um dos
nossos erros – que encontramos as armas para alcançarmos o
nosso destino grandioso. É precisamente nos momentos de falha
que plantamos as melhores sementes. E é especificamente a colheita posterior aos períodos de dificuldade que
costuma ser a mais farta. Às vezes, precisamos estar com as mãos vazias para segurar algo novo.
Sem sombra de dúvida, é preferível errar a vida inteira, mas não parar nunca. Inevitavelmente acerta-se no fim,
desde que nunca se deixe de tentar fazer algo significativo e de perseguir o sucesso por toda a existência aqui, na
Terra. Quem age diferente disso para de viver, mesmo que esteja respirando. Passa a simplesmente existir.
Portanto, amigo leitor, anote a palavra “imparável” em seu caderno, em seu mural dos sonhos ou em sua
mente. E lembre-se sempre: enquanto houver vida, há possibilidade de continuar e de evoluir.
Quando surgir um obstáculo muito difícil à frente, repita para si mesmo: “Eu sou imparável!”
Quando você cair, mesmo que ainda esteja em meio a
fortes dores, levanta-se e grite: “Eu sou imparável!” …lembre-se sempre: enquanto
Quando experimentar uma grande decepção, conforte-se: houver vida, há possibilidade de
“Eu sou imparável!” continuar e de evoluir.
Quando você acordar amanhã, olhe no espelho e pense,
convicto: "Eu sou imparável! O IADES não vai me parar!"
Sua obstinação em nunca parar o levará a superar tudo que vier pela frente. Muros serão derrubados, bar-
reiras quebradas, inimigos derrotados, mares abertos. O que hoje parece impossível de resolver, de alguma
forma, será solucionado, desde que você carregue consigo o mantra de que é imparável.
Se você acredita nessa mensagem, pense com convicção ou até mesmo diga para o colega: “Eu sou
imparável!”
Vamos juntos, imparáveis, rumo ao BRB, porque nada é capaz de nos impedir de seguir em frente. NADA!
Combinado?
“O que não me mata, me torna mais forte”
– Friedrich Nietzsche, filósofo
LÍNGUA PORTUGUESA
Claiton Natal

Claiton Natal
Bacharel e licenciado em Língua Portuguesa, é conhecido principalmente por ser especialista em
provas para concursos públicos. Já lecionou em escolas, cursos pré-vestibulares e faculdades. Atu-
almente, atua em preparatórios para concursos públicos e ministra cursos e palestras em empresas,
órgãos públicos e faculdades.

LÍNGUA PORTUGUESA

DICA 1 – CRASE (fusão/mistura) d. A redação Lembre-se de que farmácia não é mais


apenas comércio! não poderia ser empregada no
lugar do trecho “Lembre-se: farmácia não é mais
a + a(s) = à(s)
apenas comércio!” (linha 18), pois a forma verbal
“Lembre-se” impede o uso da preposição de.
Advogados dizem que ele se entregará à polícia espon-
e. A construção aonde não poderia ocupar o lugar do
taneamente. vocábulo “onde” (linha 16), pois, na oração origi-
nal, o verbo descarta o uso da preposição “a”.
Tive acesso à novidade.
DICA 2 – ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS
Tive acesso a novidades.
1 – Restritivas (em regra, não há vírgula)
Tive acesso às novidades. 2 – Explicativas (há vírgula)

IMPORTANTE! Bolsonaro assina decreto que facilita a posse de arma


de fogo.
1) Antes de pronome possessivo adjetivo, o uso do
artigo será facultativo. O ministro Celso de Mello, que é decano da mais Alta
Corte do País, votou contra o HC.
A minha história é triste ou minha história é triste.
APLICAÇÃO
Obedeço à minha tia ou obedeço a minha tia.
TEXTO
Visitei a minha tia. Equipe não é somente o conjunto de pessoas que
atuam juntas em determinado projeto, cada qual na
Obedeço às minhas tias. própria função. O significado é mais profundo: a ideia é
que cada integrante saiba qual é a sua parte no grupo,
APLICAÇÃO mas que leve em consideração o todo, valorizando o
processo inteiro e colaborando com ideias e sugestões.
1. (IADES/2019) De acordo com a norma-padrão, a Temos de ser e não esperar ser, ou seja, as pes-
respeito da relação entre os verbos e os nomes empre- soas têm de estar dispostas, principalmente para dis-
gados no texto e os seus respectivos complementos, cutir diferentes assuntos. Além disso, é necessário
assinale a alternativa correta. que cada um tenha também flexibilidade, capacidade
a. O trecho “o farmacêutico está autorizado a reali- de tratar as informações racionalmente e emocional-
zar” (título) deveria ser substituído pela construção mente. [...]
o farmacêutico está autorizado à realizar. Equipes que encorajam esse tipo de prática vão
b. O uso do sinal indicativo de crase é opcional no aproveitar ao máximo as habilidades individuais dos
trecho “unidade de assistência à saúde” (linha 11). respectivos membros. E, se quisermos que as nossas
c. O sinal indicativo de crase poderia ter sido empre- equipes sejam melhores e cumpram os próprios objeti-
gado na passagem “a uma assistência terapêutica vos, cada integrante deve se preparar para ser, indivi-
integral” (linhas 14 e 15). dualmente, o melhor.

www.grancursosonline.com.br 7
LÍNGUA PORTUGUESA
Claiton Natal

2. (IADES/ALEGO/2019) Com relação ao domínio da a. Conjunção coordenativa aditiva


estrutura morfossintática do período, assinale a alter- b. Pronome indefinido
nativa correta. c. Pronome relativo
a. Na linha 2, é correto substituir os dois-pontos por d. Conjunção subordinativa integrante
e. Partícula de realce
travessão, visto que ambos são empregados na
introdução de uma explicação.
DICA 4 – CONCORDÂNCIA.
b. No trecho “cada integrante saiba qual é a sua par-
te no grupo” (linha 2), o sinal indicativo de crase é
1) O verbo concorda em número e pessoa com o
opcional no termo sublinhado.
sujeito, precisamente com o núcleo.
c. Em “Trata-se de uma sensação de comunidade
em que todos se conhecem”, tem-se um caso de
a) Assim, as condições de acesso crítico ao texto
próclise e outro de ênclise, nessa ordem.
escrito, possibilitando a existência de um leitor ativo
d. Na linha 20, no período “Temos de ser e não es-
que dialogue com o texto, a ponto de essa leitura inter-
perar ser” (linha 5), verifica-se uma relação de co-
ferir em sua vida, pressupõe uma rede complexa de
ordenação sindética conclusiva entre as orações.
inter-relações que vão da questão macroeconômica,
e. Na oração “Equipes que encorajam esse tipo de
social, educacional e cultural até à micropessoal.
prática” (linha 8), a oração sublinhada é explicativa.
b) "Grandes escândalos são estes, mas a circunstân-
DICA 3 – CARACTERÍSTICAS DO PRONOME RELA- cia os fazem ainda maiores".
TIVO “QUE”
APLICAÇÃO
1) Introduz oração subordinada adjetiva.
2) Admite substituição lexical por “o qual” ou variações. 4. (IADES/AL/GO/2019) Em “Isso significa que pas-
3) É um termo anafórico. sam pelos Parlamentos das diferentes esferas quase
4) Possui função sintática. todas as iniciativas tomadas pelo presidente da Repú-
blica, pelo governador do estado ou pelo prefeito muni-
cipal, cabendo a senadores, deputados federais e es-
Agora que você já conhece as características do
taduais, além de vereadores, a aprovação ou não das
pronome relativo, vamos identificá-lo na construção
questões em discussão.” (linhas de 8 a 13), o verbo
seguinte.
“passar” está flexionado no plural porque
a. concorda com o núcleo do sujeito posposto, “ini-
a) Humberto Eco homenageia os cientistas, que com- ciativas”, que está no plural.
batem o obscurantismo fundamentalista. b. o pronome demonstrativo “isso” pode concordar
com singular e plural.
Característica 1 – A oração “que combatem o obs- c. o respectivo complemento “pelos Parlamentos das
diferentes esferas” também está no plural.
curantismo fundamentalista” é subordinada adjetiva
d. “iniciativas” se refere ao “presidente da República”,
explicativa. Nós já a classificamos na aula anterior. ao “governador do estado” ou ao “prefeito municipal”.
Característica 2 – Neste exemplo, o pronome “que” e. concorda com “senadores, deputados federais e
pode ser substituído por “os quais”. A construção ficará estaduais, além de vereadores”.
assim: “Humberto Eco homenageia os cientistas, os
quais combatem o obscurantismo fundamentalista”. DICA 5 – PONTUAÇÃO (PERÍODO SIMPLES)

APLICAÇÃO Ordem direta = Sujeito + Verbo + Complemento verbal


+ Adjunto adverbial
Cidades, casas, edifícios, lojas, parques e as mais
O ministro desmembrou o processo na última sessão.
diversas soluções de arquitetura e urbanismo que
transformam vidas. Soluções que fazem bem para
Na última sessão o ministro desmembrou o processo.
todos”, dizem os anúncios.
O ministro na última sessão desmembrou o processo.
3. (IADES/CAU/AC/2019) No que tange à classificação
do vocábulo “que” na oração “‘Soluções que fazem bem O presidente do STF, José Dias Toffoli, votou contra.
para todos’” (linhas 15 e 16), assinale a alternativa correta.

8 www.grancursosonline.com.br
LÍNGUA PORTUGUESA
Claiton Natal

APLICAÇÃO APLICAÇÃO

(IADES/APEX/2019) No trecho “Atualmente, o Brasil 6. (IADES/2019) Em “Todos se unem em um campo


registra” (linha 7), o emprego da vírgula é obrigatório, simbólico de aliança perante a opinião pública.” (linhas
pois ela está separando um termo deslocado de sua 19 e 20),
posição normal na referida oração. a. a posição mesoclítica do pronome seria obrigató-
ria com o verbo no futuro do presente ou no futuro
5. (IADES/2019) Em “Para que nenhum estado se so- do pretérito, independentemente de “Todos”.
breponha ao outro, todos eles elegem três senadores b. seria facultativo deslocar o pronome “se” para a
pelo sistema majoritário, para mandatos de oito anos, posição enclítica, caso a frase não se iniciasse
com renovação de 1∕3 e 2∕3 em cada eleição.” (linhas de com “Todos”.
36 a 39), justifica-se o emprego de vírgula obrigatória c. seria obrigatório deslocar o pronome “se” para a
a. em todas as ocorrências porque o período é muito posição enclítica, caso a frase inicie com outras
longo e precisa de pausas que marquem a ento- palavras quaisquer.
nação da leitura. d. a posição proclítica do pronome é obrigatória em
b. pois o período é composto por subordinação, o razão da presença do pronome “Todos”.
que configura quebras sintáticas e obrigatoriedade e. seria facultativo deslocar o pronome “se” para a
no uso de vírgulas. posição enclítica, caso a frase se iniciasse com
c. na primeira ocorrência porque há uma inversão da “Jamais”.
ordem lógica do período, e estilística nos demais
casos para que haja clareza. QUESTÕES DE PROVAS
d. em todos os casos porque as quatro orações não
se apresentam em ordem canônica em período É vedado ao nutricionista prescrever, indicar,
composto por subordinação. manifestar preferência ou associar a própria imagem
e. no primeiro caso em razão da ordem direta, e fa- intencionalmente para divulgar marcas de produtos ali-
cultativa nos demais casos de inversão das ora- mentícios, suplementos nutricionais, fitoterápicos, de
ções subordinadas.
modo a não direcionar escolhas, visando a preservar a
autonomia do cliente e a idoneidade dos serviços pres-
DICA 6 – COLOCAÇÃO PRONOMINAL tados pelo profissional.
Se houver a necessidade de mencionar as marcas
1 – Próclise (pronome antes do verbo)
dos produtos, as empresas ou indústrias, o nutricionista
deverá apresentar mais de uma opção, quando dispo-
O Senado Federal se compõe de representantes dos
nível. Nos raros casos onde não há outra opção que
Estados e do Distrito Federal, eleitos segundo o prin-
tenha a mesma composição ou que atenda à mesma
cípio majoritário
finalidade, é permitido indicar o único existente, apre-
sentando justificativa técnica para essa indicação.
2 – Mesóclise (pronome intercalado no verbo)

7. (IADES/CRN/ADVOGADO/2019) Considerando a
O Congresso Nacional reunir-se-á, anualmente, na
regência, as regras para o uso do sinal indicativo de
Capital Federal, de 15 de janeiro a 30 de junho e de 1
crase e as estruturas gramaticais do texto, assinale a
de agosto a 15 de dezembro.
alternativa correta.
a. A construção “É vedado ao nutricionista” (linha 1)
3 – Ênclise (pronome depois do verbo)
poderia ser substituída pela redação É vedado à
todo nutricionista.
Cuidado! b. No lugar do trecho “visando a preservar a autono-
A próclise será obrigatória quando houver fator de atra- mia do cliente e a idoneidade dos serviços presta-
ção (advérbios; palavras negativas; conjunções subor- dos pelo profissional” (linhas 2 e 3), o autor poderia
dinativas; pronomes relativos, indefinidos, demonstrati- empregar a redação com vistas a preservação da
vos e interrogativos). autonomia do cliente e da idoneidade dos serviços
prestados pelo profissional.

www.grancursosonline.com.br 9
LÍNGUA PORTUGUESA
Claiton Natal

c. Outra redação correta para o trecho “Se houver a Ele então providenciou a escavação do grande
necessidade de mencionar” (linha 4) seria Se for buraco, e pediu para que cada morador contribuísse
necessário de mencionar. com apenas um copo de leite, já que, com a coopera-
d. No lugar do trecho “mencionar as marcas dos pro- ção de todos, o lago seria facilmente preenchido.
dutos, as empresas ou indústrias” (linha 4), seria Na manhã seguinte, entusiasmado, o rei caminhou
correto empregar a redação fazer menção as mar- até o lago para admirar o resultado, mas qual não foi a
cas dos produtos, empresas ou indústrias.
sua surpresa, quando viu o lago cheio de água e não
e. A passagem “Nos raros casos onde” (linha 6) po-
de leite.
deria ser substituída por apenas uma das seguin-
Intrigado, ao consultar o seu conselheiro, este
tes redações: Nos raros casos aonde ou Nos raros
comentou que o problema ocorrera porque todos os
casos em que.
moradores tiveram o mesmo pensamento: “No meio
de tanta gente, se apenas o meu copo de leite estiver
Quem está doente precisa de cuidados médicos,
cheio de água, não vai fazer muita diferença, e nin-
mas isso não significa o trabalho exclusivo dos dou-
guém vai notar”.
tores em medicina. Para ajudar os médicos a cuida-
rem dos enfermos, outra categoria profissional tem um
9. (IADES/AL/GO/2019) Com relação à ideia principal
papel decisivo: a dos enfermeiros, que têm no dia 12 de
do texto, assinale a alternativa correta.
maio o dia internacional que comemora sua profissão.
a. A mensagem principal trata da importância do tra-
A data lembra e homenageia o nascimento da britâ-
balho em equipe, aspecto este ilustrado pela coo-
nica Florence Nightingale, uma pioneira da enfermagem
peração dos moradores ao levarem o copo de leite
moderna, que nasceu em 12 de maio de 1820. [...] Ela se
ao lago.
destacou por organizar e chefiar uma equipe de 38 enfer- b. O propósito dessa mensagem é esclarecer que
meiras voluntárias que partiram para o front da Guerra a falta de envolvimento de alguns indivíduos da
da Crimeia (1853-1856), na qual tratavam dos soldados equipe não compromete o resultado final.
feridos. Depois, na volta a seu país natal, também desen- c. A ideia do texto remete ao comportamento das
volveu grandes esforços para melhorar as condições de pessoas que estão sempre à disposição para aju-
tratamentos médicos dados a pobres e indigentes. dar o próximo.
No Brasil, entre 12 e 20 de maio, comemora-se a d. O texto retrata, no trabalho em equipe, a relevân-
Semana da Enfermagem, que relembra outra mulher cia do comportamento individual em relação ao
que se dedicou à mesma profissão, pioneiramente, em resultado coletivo.
nossa terra. e. O intuito do texto é mostrar que, em grupos gran-
des, a sinergia é dispensável e não afeta o traba-
lho da equipe.
8. (IADES/SES/DF/2018) Quanto à formação, à clas-
se e ao emprego de palavras do texto, assinale a alter-
[3/9/2018] Apesar do pessimismo generalizado em
nativa correta.
a. O advérbio “pioneiramente” (linha 23), no texto relação à guerra comercial entre os Estados Unidos da
apresentado, expressa circunstância de lugar. América (EUA) e a China, as barreiras impostas de um
b. O vocábulo “pobres” (linha 9), conforme emprega- lado a outro contribuíram para aumentar as exporta-
do no texto, exemplifica a derivação imprópria. ções brasileiras para os dois países em alguns setores.
c. A palavra “médicos” (linha 9), no texto, classifica- Um levantamento feito pelo Ministério da Indús-
-se em substantivo comum, concreto, simples e tria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) mostra que,
primitivo. de janeiro a julho deste ano, aumentaram as vendas
d. A forma verbal “relembra” (linha 10) é formada por para esses países de produtos como siderúrgicos, pro-
derivação regressiva. teína animal e soja. Os setores atribuem o crescimento
e. O pronome “que” (linha 3) é demonstrativo e reto- das exportações, em parte, à imposição de barreiras
ma o termo “papel decisivo” (linha 4). comerciais entre americanos e chineses.
Em retaliação às sobretaxas impostas pelos ame-
Em algum lugar do Oriente, um rei resolveu criar ricanos, a China também aumentou as tarifas de impor-
um lago diferente para as pessoas do seu país. Ele tação de produtos dos EUA, o que trouxe um efeito
decidiu criar um lago de leite! colateral positivo para a venda de produtos brasileiros

10 www.grancursosonline.com.br
LÍNGUA PORTUGUESA
Claiton Natal

para aquele mercado. Com isso, de janeiro a julho, 3 – Condicionais (orações subordinadas adverbiais):
houve alta de 18% na venda de soja para a China, se, caso, contanto que, salvo se, sem que, dado que,
o que já é visto como um sinal de que o Brasil pode desde que, a menos que, a não ser que.
ocupar o espaço dos EUA no fornecimento do grão ao
país asiático. A venda de carne de porco aumentou em 4 – Temporais (orações subordinadas adverbiais):
199% para a China nesse período. quando, antes que, depois que, até que, logo que,
Já a exportação de siderúrgicos subiu 38% no sempre que, assim que, desde que, todas as vezes que,
período para os EUA, passando de US$ 1,3 bilhão para cada vez que, que (desde que), primeiro que, enquanto.
US$ 1,8 bilhão. Em volume, as vendas crescem 14,2%
no ano, acima do patamar de alta permitido pelos ame- 5 – Consecutivas (orações subordinadas adverbiais):
ricanos para este ano. Em maio, os EUA estabelece- que, de forma que, de modo que, de sorte que, tanto que.
ram tarifas de 25% para a importação de aço de países
como a China e os da União Europeia. O Brasil ficou 6 – Comparativas (orações subordinadas adverbiais):
fora da sobretaxa, mas foi estabelecida uma cota anual que, do que (depois de mais, menos, maior, menor,
com base na média das vendas do produto brasileiro melhor e pior), qual (depois de tal), quanto (depois de
nos últimos três anos, o que, na prática, permite uma tanto), como, assim como, bem como, como se, que nem.
alta de cerca de 7% sobre 2017.
7 – Conformativas (orações subordinadas adverbiais):
10. (IADES/APEX/2018) Com relação à tipologia textu- conforme, como (conforme), segundo, consoante.
al, assinale a alternativa certa.
a. O primeiro parágrafo do texto poderia ser conside- 8 – Proporcionais (orações subordinadas adverbiais): à
rado como a introdução de um texto argumentati- medida que, ao passo que, à proporção que, enquanto,
vo, em que se apresenta uma ideia que será defen- quanto mais...mais, quanto mais...tanto mais, quanto
dida: o aumento das exportações brasileiras para
mais...menos, quanto mais...tanto menos.
os Estados Unidos da América (EUA) e a China.
b. O terceiro parágrafo do texto é predominantemen-
9 – Finais (orações subordinadas adverbiais): para que
te narrativo, visto que narra fatos que se sucede-
ram ao longo do tempo nos EUA e na China. (a fim de que, que, porque).
c. O quarto parágrafo do texto descreve objetivamen-
te a exportação de siderúrgicos, pelo que pode ser CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
considerado como essencialmente descritivo.
d. O texto mescla características de texto argumen- 1 – Adversativas: mas, porém, entretanto, no entanto,
tativo e de texto descritivo. contudo, não obstante, senão, todavia.
e. O texto é predominantemente informativo.
2 – Alternativas: ora (a única conjunção que pode apa-
DICA 6 – CONJUNÇÕES/LOCUÇÕES CONJUNTIVAS recer apenas na última oração), ora...ora, já...já, quer...
quer, seja...seja.
CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS
3 – Conclusivas: logo, portanto, então, assim, por isso,
Observe as principais conjunções e locuções. por conseguinte, pois (posposta ao verbo), de modo
1 – Causais (orações subordinadas adverbiais): que, em vista disso.
porque, como (porque), pois, pois que, por isso que,
já que, uma vez que, visto que, visto como, que, por- 4 – Explicativas: porque, pois (anteposta ao verbo),
quanto. porquanto, que.

2 – Concessivas (orações subordinadas adverbiais): 5 – Aditivas: e, nem, não só...mas, mas (também).
embora, conquanto, bem que, se bem que, posto,
posto que, sem que, apesar de que, nem que, por
menos que, por mais que, nem que, ainda que, em que
pese, quando mesmo.

www.grancursosonline.com.br 11
RACIOCÍNIO LÓGICO E MATEMÁTICO
Luis Telles

Luis Telles
Servidor do Superior Tribunal Militar, formado como melhor aluno em Matemática pela UFRN, ex-professor
do Colégio Militar de Brasília e atuando na área de concursos há mais de 10 anos, especializou-se, princi-
palmente, em bancas como CESPE/ESAF/CESG/FUNIVERSA/FCC. Foi classificado em vários concursos
e, após uma análise criteriosa das questões de diversas bancas, construiu uma teoria simples, inovadora
e bastante objetiva, que ajuda os alunos a responderem algumas questões em segundos. Buscou desen-
volver um método claro e fácil, voltado para ajudar não só àqueles que já possuem alguma base, mas prin-
cipalmente àqueles que possuem “medo” da disciplina. Procura mostrar que várias questões de concur-
sos podem ser respondidas com poucos segundos e com um conhecimento mínimo de teoria. Enfatiza a
importância da objetividade e da lógica na forma de pensar, algo que o serviço publico busca na atualidade.

RACIOCÍNIO LÓGICO E MATEMÁTICO

1. (IADES/CRF-TO/2019) Assinale a alternativa que b. Se João não gozará de suas férias em janeiro, en-
corresponde à negação de “Todos os analistas de tec- tão Maria não gozará de suas férias em fevereiro.
nologia da informação são bons desenvolvedores”. c. Se João gozará de suas férias em janeiro, então
a. Pelo menos um analista de tecnologia da informa- Maria não gozará de suas férias em fevereiro.
ção não é bom desenvolvedor. d. João gozará de suas férias em janeiro e Maria não
b. Nenhum analista de tecnologia da informação é gozará de suas férias em fevereiro.
bom desenvolvedor. e. João não gozará de suas férias em janeiro ou Ma-
c. Todos os analistas de tecnologia da informação ria não gozará de suas férias em fevereiro.
não são bons desenvolvedores.
d. Alguns analistas de tecnologia da informação são 4. (IADES/CRF-TO/2019) Assinale a alternativa que é
bons desenvolvedores. logicamente equivalente à sentença “Se Manoel insta-
e. Todos os desenvolvedores não são analistas de lou a rede de computadores, então Joaquim configurou
tecnologia da informação. a rede de computadores”.
a. Manoel instalou a rede de computadores ou Joa-
2. (IADES/CRF-TO/2019) Assinale a alternativa que quim configurou a rede de computadores.
corresponde à negação lógica da proposição: “Pedro b. Manoel instalou a rede de computadores ou Joa-
não é farmacêutico e João não é analista de sistemas”. quim não configurou a rede de computadores.
a. Pedro é farmacêutico ou João é analista de siste- c. Se Joaquim não configurou a rede de computado-
mas. res, então Manoel não instalou a rede de compu-
b. Pedro não é farmacêutico ou João não é analista tadores.
de sistemas. d. Se Manoel instalou a rede de computadores, então
c. Se Pedro é farmacêutico, então João é analista de Joaquim não configurou a rede de computadores.
sistemas. e. Se Manoel não instalou a rede de computadores,
d. Pedro é farmacêutico e João é analista de siste- então Joaquim não configurou a rede de compu-
mas. tadores.
e. Pedro é farmacêutico ou não é analista de siste-
mas. 5. (IADES/CRF-TO/2019) Suponha que Pedro, Paulo
e José são três analistas de tecnologia da informação,
3. (IADES/CRF-TO/2019) João e Maria são assisten- que trabalham no desenvolvimento de uma nova rede
tes administrativos, trabalham no CAU/BR, e a chefia de computadores para o Conselho Regional de Farmá-
imediata de ambos fez a seguinte afirmação: se João cia do Brasil. A respeito dos três, foram feitas as se-
gozará de suas férias em janeiro, então Maria gozará guintes afirmações:
de suas férias em fevereiro.
Do ponto de vista da lógica matemática, qual é a nega- I – Se Pedro não projetou a rede, então Paulo
ção dessa proposição? configurou a rede; 
a. Se João não gozará de suas férias em janeiro, en- II – Se Pedro projetou a rede, então José não ins-
tão Maria gozará de suas férias em fevereiro. talou a rede. 

12 www.grancursosonline.com.br
RACIOCÍNIO LÓGICO E MATEMÁTICO
Luis Telles

Considerando-se que José instalou a rede de compu- b. O instrumento não estava afinado.
tadores, é correto concluir que c. Eu não consegui dinheiro.
a. Pedro projetou a rede. d. Eu não toquei bem.
b. Pedro não projetou a rede e Paulo não configurou e. Eu não comprei uma bicicleta.
a rede.
c. Pedro projetou a rede ou José não instalou a rede. 9. (IADES/CAU-AC/2019) Considere as seguintes
d. Pedro projetou a rede e José instalou a rede. proposições: 
e. Paulo configurou a rede.
A: O número 10 é ímpar;
6. (IADES/CAU-AC/2019) Considere as proposições B: A raiz quadrada de 16 é um número inteiro. 
a seguir. 
Com base no exposto, assinale a alternativa correta.
p: Tony fala inglês; a. A conjunção entre as duas proposições tem valor
q: Antônio fala português.  lógico verdade.
b. A disjunção entre as duas proposições tem valor
Qual é a tradução para a linguagem corrente da propo- lógico falso.
sição ˜(p ∧ ~q)? c. A condicional entre as duas proposições tem valor
a) Não é verdade que Tony fala inglês e que Antônio lógico verdade.
não fala português. d. A bicondicional entre as duas proposições tem va-
b) Tony fala inglês e Antônio não fala português. lor lógico verdade.
e. A negação de ambas as proposições tem valor ló-
c) Não é verdade que Tony fala inglês e que Antônio
gico falso.
fala português.
d) Tony fala inglês ou Antônio não fala português.
e) Se Tony fala inglês, então Antônio fala português.

7. (IADES/CAU-AC/2019) Considere as proposições


a seguir.

p: Ricardo é arquiteto;
q: Fernando é acreano.

A proposição “Ricardo não é arquiteto e Fernando é


acreano” é representada por
a. ~p ∨ ~q.
b. ~p ∧ ~q.
c. ~p ∨ q.
d. ~p ∧ q.
e. p ∧ ~q.

8. (IADES/CAU-AC/2019) Considere as premissas a


seguir.

1) Se o instrumento está afinado, eu toco bem.


2) Se o público aplaude, eu fico feliz.
3) Se eu toco bem, consigo dinheiro.
4) Se eu consigo dinheiro, compro uma bicicleta
ou me caso.

Sabendo-se que eu não me casei e não fiquei feliz,


assinale a alternativa correta.
a. O público não aplaudiu.

www.grancursosonline.com.br 13
REDAÇÃO DISCURSIVA
Tereza Cavalcanti

Tereza Cavalcanti
Professora de língua portuguesa desde 1984. Formada pela Universidade de Brasília em 1986 (Letras
– Português), com especialização em Literatura Brasileira pela mesma instituição e em Docência para
Ensino Superior pelo IESB. Trabalhou em educação regular (ensino médio e superior) e em cursos prepa-
ratórios para vestibular durante vinte e cinco anos. Há vinte anos, dedica-se à preparação para concurso
público, ministrando aulas de gramática, interpretação de texto, redação oficial e redação discursiva. Apro-
vada em diversos concursos (Secretaria de Educação, Tribunal de Justiça do Distrito Federal, Colégio
Militar, Correios, IF-DF, Supremo Tribunal Federal, Superior Tribunal Militar), encontrou nas aulas para
concurso sua verdadeira vocação e tem-se dedicado exclusivamente a essa área há dez anos.

REDAÇÃO DISCURSIVA

PASSO A PASSO
1. LEIA O TEMA E, DEPOIS, O(S) TEXTO(S) MOTIVADOR(ES);
2. MONTE O QUADRO DE PLANEJAMENTO ESTRUTURAL;
3. DURANTE A PROVA OBJETIVA, ANOTE AS IDEIAS (CONCEITOS, DATAS, DADOS, RELAÇÕES DE CAUSA
E EFEITO, COMPARAÇÕES, CITAÇÕES, EXEMPLOS);
4. DEPOIS DA PROVA OBJETIVA, SELECIONE E ORDENE OS DADOS DA REDAÇÃO;
5. ESCREVA;
6. REVISE (OBSERVE OS ASPECTOS GRAMATICAIS E ESTRUTURAIS);
7. PASSE A LIMPO (CAPRICHE NA APRESENTAÇÃO).

TEMA 1
Bancos digitais: surgimento, benefícios e desafios.

Todos sabem que ______________________________________________________________________.

Sobre isso, eu acho que _________________________________________________________________.

Nesse cenário, é inegável que os bancos


Entretanto, ainda há muitos
digitais promovem muitos benefícios,
desafios nesse cenário.
tanto às instituições quanto aos clientes.

Portanto, _____________________________________________. Sendo assim, é preciso _____________


_______________________, a fim de _____________________________.

14 www.grancursosonline.com.br
REDAÇÃO DISCURSIVA
Tereza Cavalcanti

TEMA 2
Redija um texto expositivo/argumentativo sobre a importância da inovação para o sucesso das empresas.
Ao elaborar seu texto, aborde necessariamente os seguintes aspectos:
• Diferença entre invenção e inovação.
• Importância da percepção das oportunidades pelo gestor.
• Desafios no processo de inovação.

Todos sabem que ___________________________________________________________.


Sobre isso, eu acho que ______________________________________________________.

Portanto, _____________________________________________. Dessa forma, é preciso


____________________________________, a fim de _____________________________.

TEMA 3
Promoção da satisfação: condição para retenção e fidelização do cliente bancário.
Em seu texto, aborde necessariamente os seguintes aspectos:
• Discorra sobre a responsabilidade individual do colaborador da empresa na promoção da satisfação do
cliente bancário.
• Indique os principais desafios para promover a satisfação do cliente bancário.

Todos sabem que ___________________________________________________________.


Sobre isso, eu acho que ______________________________________________________.

Primeiramente, destaca-se _____________ Além disso, é importante mencionar _____

___________, portanto, __________. Dessa forma, cabe ___________________________


_________________________________________________________________________
(promover/incentivar) _________________________________, por meio de ___________, a
fim de _______________________________________________.

www.grancursosonline.com.br 15
REDAÇÃO DISCURSIVA
Tereza Cavalcanti

TEMA 4
A importância do respeito à diversidade na prestação de serviços.

16 www.grancursosonline.com.br
MATEMÁTICA E MATEMÁTICA FINANCEIRA
Márcio Flávio

Márcio Flávio
Márcio Flávio é graduado e mestrando em Matemática, servidor público, professor desde 1997 atuando
em escolas públicas e particulares e desde 2001 em cursos preparatórios para vestibular e concursos
públicos. Destaca-se pela sua excelente didática e linguagem acessível que possibilita apresentar os con-
teúdos de forma fácil e prazerosa. É reconhecido por aliar qualidades como carisma e comprometimento,
alimentando permanentemente o interesse e a satisfação por parte do aluno.

MATEMÁTICA E MATEMÁTICA FINANCEIRA

1. Um lojista aumentou o preço dos próprios produ- 4. Três irmãos, João, Luiz e Olavo, ganharam R$
tos em 20% e, em seguida, anunciou um desconto de 2.000,00 de herança. João tem 2 filhos; Luiz, 3 filhos;
10%. Esse procedimento é equivalente a e Olavo, 5 filhos. Eles resolveram dividir a herança de
a. aumentar 10% nos preços. modo proporcional ao número de filhos de cada um.
b. aumentar 15% nos preços. Assim, as partes da herança, em reais, que ficaram
c. diminuir 10% nos preços.
para João, Luiz e Olavo são iguais, respectivamente, a
d. aumentar 8% nos preços.
a. 400, 700 e 900.
e. diminuir 12% nos preços.
b. 200, 600 e 1.200.
c. 300, 500 e 1.200.
2. Considere que 20 servidores realizam 1/3 de um
d. 200, 300 e 500.
projeto em 4 dias, trabalhando 9 horas por dia. Quan-
e. 400, 600 e 1.000.
tos dias faltam para se terminar o projeto, se foram dis-
pensados 2 servidores e a jornada diária passou para
5. Uma duplicata é descontada em um banco 4 me-
8 horas?
a. 5 ses antes de seu vencimento, segundo uma opera-
b. 8 ção de desconto comercial simples, com uma taxa de
c. 10 desconto de 24% ao ano. O valor do desconto dessa
d. 12 operação foi de R$ 1.800,00. Caso a taxa de desconto
e. 15 utilizada tivesse sido de 18% ao ano, o valor presente
teria sido, em R$, de
3. A figura apresenta um cilindro e um cone, de raios a. 20.680,00.
iguais a R1 e R2, respectivamente, e com mesma altu- b. 22.560,00.
ra H. Sabendo que R2 = 2 R1, infere-se que a razão c. 20.700,00.
entre o volume do cilindro e o do cone é d. 23.500,00.
e. 21.150,00.

6. Uma pessoa aplica, junto a uma instituição fi-


nanceira, durante 2 anos, um capital no valor de R$
25.000,00. Verifica-se que, no final desses 2 anos, a
taxa real de juros dessa aplicação foi igual a 3/10 da
taxa aparente de juros desse período. Se a taxa de
inflação correspondente nesses 2 anos foi de 25%, en-
tão a taxa real de juros no período de aplicação foi de
a. 12,6%.
a. 1/4. b. 14,4%.
b. 3/4. c. 12,0%.
c. 1/2. d. 15,0%.
d. 3/2. e. 18,0%.
e. 1.

www.grancursosonline.com.br 17
MATEMÁTICA E MATEMÁTICA FINANCEIRA
Márcio Flávio

7. Suponha que um empréstimo de $ 600.000 deve-


rá ser pago em 12 parcelas semestrais pelo sistema
de amortização constante (SAC). Sabendo que a taxa
de juros da operação foi de 12% a.a, o saldo devedor,
após o pagamento da sétima parcela, é de
A) $ 250.000.
B) $ 275.000.
C) $ 300.000.
D) $ 330.000.
E) $ 335.000.

18 www.grancursosonline.com.br
QUALIDADE NO ATENDIMENTO E DIVERSIDADE
Kátia Lima

Kátia Lima
Formada em Psicologia pela Universidade de Brasília e pós-graduada em Gestão de Pessoas, é ser-
vidora pública há 17 anos. Atualmente é Analista – especialidade Psicologia no Tribunal de Justiça do
Distrito Federal e Territórios. Grande conhecimento teórico e prático na área de Gestão de Pessoas e
de concursos públicos.

QUALIDADE NO ATENDIMENTO E DIVERSIDADE (TÓP. 1 A 3 E 5 A 11)

Pontos importantes dos direitos étnicos individuais, coletivos e difusos


e o combate à discriminação e às demais formas
1. Qualidade no atendimento de intolerância étnica.
a. Variáveis: organização/atendente/usuário. • Conceitos importantes:
Organização: ambiente físico, informações, su- – Discriminação racial ou étnico racial: toda
porte. distinção, exclusão, restrição ou preferên-
Atendente: competência técnica e interpessoal cia baseada em raça, cor, descendência ou
(inclui a inteligência emocional). origem nacional ou étnica que tenha por objeto
Usuário: expectativas e feedback. anular ou restringir o reconhecimento, gozo ou
O valor percebido pelo cliente é a diferença, exercício de direitos.
para ele, entre o valor total (social, emocional – Desigualdade: toda situação injustificada de
e funcional) e o custo total (psíquico, monetá- diferenciação de acesso e fruição de bens,
rio, temporal).
serviços e oportunidades.
b. Atendimento telefônico
– Políticas públicas: somente o Estado.
• Profissionalismo.
– Ações Afirmativas: Estado e iniciativa pri-
• Cuidado com ruídos.
vada.
• Fale no ritmo certo. Não seja ansioso demais.
e. Programa Nacional para Mulheres
• Tenha equilíbrio (inteligência emocional) Importante: A transversalidade das políticas de
• Nunca diga “alô” ... gênero.
• Tenha postura empática e prestativa. Organizado em 10 capítulos:
c. Marketing de relacionamento. 1) trata de igualdade no mundo do trabalho e au-
Marketing: conjunto de variáveis controláveis tonomia econômica;
que influenciam a forma como os consumidores 2) educação para igualdade e cidadania;
respondem ao mercado. Consiste naquilo que a 3) a saúde integral das mulheres, os direitos se-
empresa pode fazer no sentido de influenciar a xuais e os direitos reprodutivos;
procura pelo seu produto visando alcançar o nível 4) enfrentamento a toda as formas de violência;
desejado de vendas junto do seu mercado-alvo. 5) participação da mulher nos espaços de poder
• Marketing Mix: 4 Ps – Produto (pode englobar os e decisão;
serviços oferecidos), Preço, Praça (como o cliente 6) desenvolvimento sustentável com igualdade
chega até a empresa) e Promoção (promover a econômica e social;
marca). 7) promover o fortalecimento econômico e o di-
• O marketing de relacionamentos: estratégias de reito à vida de qualidade das mulheres no
marketing que representem um conjunto de esfor- meio rural;
ços para manter um relacionamento comercial 8) cultura, esporte, comunicação e mídia, para a
duradouro e estável com seus clientes. Possibili- construção de uma cultura igualitária, democráti-
ca e não reprodutora de estereótipos de gênero;
tou que os relacionamentos entre as organizações
9) racismo, sexismo e lesbofobia;
e os clientes passassem a ter um caráter mais
10) igualdade para as mulheres jovens, idosas e
duradouro do que simples transações eventuais.
mulheres com deficiência.
d. Estatuto da Igualdade Racial
f. Política Nacional de Enfrentamento à Violência
• Objetivo geral: garantir à população negra a efe- contra as Mulheres
tivação da igualdade de oportunidades, a defesa

www.grancursosonline.com.br 19
QUALIDADE NO ATENDIMENTO E DIVERSIDADE
Kátia Lima

• Enfrentar todas as formas de violência contra as emissoras de televisão, deverá ser adotada a
mulheres a partir de uma perspectiva de gênero e prática de conferir oportunidades de emprego
de uma visão integral deste fenômeno. para atores, figurantes e técnicos negros, inclusi-
• Lembre-se de que aborda todas as formas de vio- ve quando se tratar de programas que abordem
lência contra as mulheres, não somente a violên- especificidades de grupos étnicos determinados,
cia doméstica; sendo vedada toda e qualquer discriminação de
natureza política, ideológica ou étnica.
• A violência doméstica também tem uma definição
c. Serão assegurados à população negra a assistên-
ampla e abrangente (violência física, violência psi-
cia técnica rural, a simplificação do acesso ao cré-
cológica, violência sexual, violência patrimonial e
dito agrícola e o fortalecimento da infraestrutura
violência moral).
de logística para a comercialização da produção.
d. É assegurada a assistência religiosa aos pratican-
Questões importantes tes de religiões de matrizes africanas internados
em hospitais ou em outras instituições de interna-
1. A Política Nacional pelo Enfrentamento à Violência ção coletiva, exceto àqueles submetidos a pena
contra as Mulheres, como implementação da Lei Maria privativa de liberdade.
da Penha, propõe uma intervenção pública articulada e. A fim de integrar a população negra que vive em
com diferentes setores para desenvolver ações que áreas urbanas subutilizadas, degradadas ou em
a. possibilitem o encaminhamento da vítima ao ór- processo de degradação, é assegurado o direito à
gão policial. moradia adequada, que inclui, para efeitos dessa
b. combatam as discriminações de gênero e constru- lei, exclusivamente o provimento habitacional.
am as diferenças.
c. garantam um atendimento qualificado e estritamen- 4. Ao selecionar um determinado banco para abrir
te personalizado àquelas em situação de violência. uma conta, um empresário analisou os benefícios que
d. promovam a cura a todas as formas de violência a instituição lhe proporcionaria em relação aos custos
contra as mulheres. que lhe seriam cobrados pelos serviços prestados. En-
e. promovam as mudanças e atitudes que elevem a tre os atributos de sua análise, constavam a solidez do
evolução e o fortalecimento das mulheres. banco, as conveniências proporcionadas, a qualidade
dos serviços prestados e o relacionamento interpesso-
2. No atendimento ao cliente, é fundamental haver al estabelecido. Essa análise realizada pelo empresá-
um profissional que saiba controlar as próprias emo- rio compõe o que se denomina
ções, pois ele geralmente também consegue conter as a. lealdade do cliente.
emoções do cliente insatisfeito e nervoso. Com rela- b. valor percebido pelo cliente.
ção a reclamações do cliente, uma atitude adequada c. benevolência.
do profissional é d. análise de marketing.
a. envolver-se com as emoções do cliente. e. potencial de mercado.
b. reconhecer o estado emocional do cliente.
c. não perder tempo e interromper o cliente irado an- Boa sorte e boa prova!!!
tes que ele expresse a própria indignação.
d. deixar o cliente desabafar, mas evitar escutá-lo
para inibir o desgaste emocional.
e. prometer resolver o problema, mesmo sem condi-
ções de cumprir o prometido.

3. De acordo com a Lei n. 12.288/2010 (Estatuto da


Igualdade Racial), é correto afirmar:
a. Os programas de ações afirmativas serão imple-
mentados, excepcionalmente e apenas na esfera
pública, para reparar as desigualdades sociais e
demais práticas discriminatórias adotadas durante
o processo de formação social do País.
b. Nos programas destinados à veiculação pelas

20 www.grancursosonline.com.br
OS BANCOS NA ERA DIGITAL
Amanda Aires

Amanda Aires
Assessora de Economia do Governo do Estado de Pernambuco. Autora de livros em economia. Comen-
tarista de Economia da rádio CBN. Doutora em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco com
extensão na Université Laval, Canadá. Mestra em Economia também pela UFPE com dissertação pre-
miada no III Prêmio de Economia Bancária pela Federação Brasileira de Bancos. Economista pela UFPE,
com extensão universitária na Universität Zürich, na Suíça.

OS BANCOS NA ERA DIGITAL

Edital BRB 2019 Uma lógica com base no mobile banking

2 OS BANCOS NA ERA DIGITAL (presente e tendências).


2.1. Internet banking, banco virtual e “dinheiro de
plástico”. 2.2. Mobile banking. 2.3. Open banking. 2.4.
O comportamento do consumidor na relação com o
banco. 2.5. A experiência do usuário. 2.6. Segmentação
e interações digitais. 2.7. Inteligência artificial cognitiva.
2.8. Banco digitalizado x banco digital. 2.9. Fintechs e
startups. 2.10. Soluções mobile e service design. 2.11.
O dinheiro na era digital: Blockchain, Bitcoin e demais
criptomoedas. 2.12. O desafio dos bancos na era digital.

As agências bancárias tradicionais

Com maior comodidade para efetuar transações (com


e sem movimentação financeira) pelos canais digi-
tais, as agências estão se transformando em locais
especializados e voltados ao relacionamento e a
operações mais complexas. Esse movimento se soma
a uma tendência de aquisições na indústria finan-
ceira, que leva a uma busca por mais eficiência nas
operações físicas, e à abertura de agências digitais.
Nesse cenário multifacetado, houve queda no número
de agências, que passou de 23,4 mil em 2016 para
21,8 mil em 2017. Consulta e
Abertura de resolução de
contas problemas
As agências bancárias digitais
Acesso
a canais
Seus profissionais, por exemplo, interagem com os eletrônicos
clientes por meio de ferramentas de comunicação, para todas as
Processo não consultas e
como chat, videochamadas, telefone e outras tecno- presencial, com contratação de
logias. captura digital produtos
“Banco de documentos
digital” e informações e Resolução
coleta eletrônica de problemas
de assinatura por múltiplos
canais sem a
necessidade
de ida à
agência

www.grancursosonline.com.br 21
OS BANCOS NA ERA DIGITAL
Amanda Aires

Consulta e
Abertura de • Internet Banking x Mobile Banking
resolução de
contas –– Internet banking: acesso aos serviços bancários
problemas
pelo computador/navegador.
Contato com
Processo o gerente –– Mobile banking: acesso aos serviços bancários
presencial na vinculado à pelo celular, geralmente por app.
agência (onde conta para
a conta fica resolução de
vinculada) – problemas com • “Em 2017, os investimentos e as despesas em
cadastro remoto necessidade tecnologia cresceram 5%, para R$ 19,5 bilhões,
nos canais de presença na com grande destaque para os recursos alocados
“Banco eletrônicos agência pelo
cliente em softwares.”
digitalizado”
• “Primeiro, houve o crescimento do internet banking
Canais
eletrônicos e, em 2017, o mobile banking se consolidou como
para consultas grande destaque. São 59 milhões de contas ativas
Fluxo físico de
e transações
documentos e
não complexas nesse canal – o mesmo número das contas de
assinaturas
– dúvidas internet banking. Só no ano passado, foram aber-
canalizadas tas 1,6 milhão de contas por mobile no Brasil,
para gerente
quase três vezes mais do que em 2016.”
• “O avanço do mobile banking também confirma a
O Banco Digital lógica de que, quanto mais os bancos avançarem
para enriquecer a experiência do usuário, mais
• Para atender a essas expectativas, um banco digi- esses consumidores estarão dispostos a expe-
tal deve construir uma nova forma de se relacio- rimentar as inovações. Por isso mesmo, a maior
nar com o cliente, baseando-se na análise do seu parte das instituições está investindo fortemente
comportamento e de suas necessidades, através em tecnologias, tais como inteligência artificial,
de dados oferecidos por suas transações financei- computação cognitiva e analytics, que estão no
ras, interações com canais digitais ou atividades de topo da lista de investimentos de 80% dos bancos.
mídia social. Além disso, 75% investem em blockchain, 55%
• O banco digital representa uma evolução na forma em NFC (near field communication, na sigla em
de se relacionar com o cliente, tendo como base a inglês) e 45% em Internet das Coisas (IoT). Cada
inovação tecnológica. Ou seja, busca uma relação uma dessas tecnologias está em um nível de
mais personalizada e próxima do consumidor a adoção diferente e permitirá aprimorar a oferta de
fim de atender uma nova geração de clientes mais serviços em alguma frente.”
exigentes e conectados. • “A Pesquisa mostra que, em 2017, havia 373
agências digitais – três vezes mais do que no ano
anterior. A figura da agência é um dos aspectos
mais tradicionais das redes bancárias. Quando
também a agência evolui e acompanha as
transformações dos hábitos, o que se vê é uma
cadeia inteira, em toda a sua lógica de negócios,
transformando-se de acordo com o mercado.”

Investimentos com foco na


experiência do consumidor

A importância da tecnologia

• Nominalmente menor do que entre 2013 e 2014,


quando houve grandes investimentos de alguns

22 www.grancursosonline.com.br
OS BANCOS NA ERA DIGITAL
Amanda Aires

bancos na construção de datacenters no Brasil, nesse tipo de relação que repousa uma das princi-
o volume de investimentos e despesas em 2017 pais transformações desse relacionamento, assim
cresceu basicamente calcado na aquisição e como uma das maiores oportunidades dos bancos
manutenção de softwares. Houve um ligeiro de satisfazer e também estimular os novos hábitos
aumento nos investimentos em infraestrutura, mas dos consumidores.
o foco esteve em adquirir e desenvolver novas
soluções e serviços, capazes de levar experiências A revolução tecnológica e a experiência do usuário
melhores e também mais qualidade aos consumi-
dores. Assim, os recursos destinados a softwares • Antes, olhava-se para as ferramentas tecnológicas
em 2017 aumentaram 17%, em relação ao ano como soluções internas que trariam mais eficiência
anterior, somando R$ 9,8 bilhões, e já respondem aos processos, mais segurança aos dados, mais
por metade do total dos investimentos e despesas força à estratégia e mais robustez à capacidade
feitas pelos bancos em tecnologia. de atendimento. Esta foi a primeira etapa. Agora,
não só os bancos, como todo o mercado, centram
• Informações importantes: os esforços em pesquisa e desenvolvimento para
–– Investimentos em softwares: R$ 3,5 bilhões em fora: nas soluções que fortalecem a fidelidade e a
2017 satisfação dos consumidores.
-- Comparável a 2013 • Dentro dessa lógica, 80% dos bancos consulta-
-- Maior volume: 2012 – R$ 4 bilhões dos pela Pesquisa afirmam investir em inteligência
-- 59% do total de investimentos e 47% do artificial e em computação cognitiva – tecnolo-
total de despesas gias que se complementam. Ambas estão dire-
–– Despesas:
tamente ligadas à entrega de maior comodidade
-- SaaS
e assertividade aos consumidores no momento
–– Hardware e Telecom:
em que eles utilizam os serviços disponíveis. A
-- Despesas decrescentes
mesma parcela, de 80%, afirma estar investindo
-- Hardware – 36% dos investimentos e
em analytics, tecnologia que vem ganhando matu-
30% das despesas
ridade para aplicação. O objetivo dos bancos,
-- Telecom – 5% dos investimentos e 23%
agora, é ampliar o leque de maneiras pelas quais
das despesas
o analytics pode ser utilizado no dia a dia. Trata-se
de uma evolução dos esforços feitos no passado
O mobile banking ganha a com o big data, uma tecnologia, hoje, já bastante
preferência dos consumidores madura entre os bancos e que, por isso, já pouco
aparece entre os focos de novos investimentos.
• 1,6 milhão é o número de contas abertas por
mobile banking em 2017 no Brasil – três vezes Tendências dos bancos na era digital
mais do que no ano anterior.
• Em 2017, foram abertas 1,6 milhão de contas • 1. Centralidade do consumidor
por meio do canal mobile no Brasil. É quase três • 2. Regulamentação
vezes mais do que o registrado no ano anterior, • 3. Portfólio de tecnologias
quando foram abertas 591 mil contas por mobile. • 4. Riscos cibernéticos
Os números passam com facilidade à frente dos • 5. Parcerias
registrados no internet banking: foram 26 mil • 6. Força de trabalho
contas abertas em 2017 nesse canal, quase 30 • 7. Mobile banking no centro da experiência do
vezes menos do que as 776 mil contas de internet consumidor
banking abertas no ano anterior.
• O mobile banking não apenas traz maior comodi- –– De certa forma, ver o mobile banking como
dade, como proporciona um novo tipo de contato apenas um canal é miopia. Trata-se de uma fer-
ramenta para aprimorar a experiência do usuário,
do consumidor com seu banco: mais frequente,
mas também para ampliar a produtividade dos
mais prático e, principalmente, mais cômodo. É demais canais. As agências digitais são um

www.grancursosonline.com.br 23
OS BANCOS NA ERA DIGITAL
Amanda Aires

exemplo claro. Um profissional pode atender a –– Elas surgiram em meio à escassez de crédito e
consumidores presencialmente – mas também à alta dos juros nos produtos bancários, tendo
tirar dúvidas de muitos outros, por meio de video como proposta desafiar os  bancos oferecendo
chat intermediado por canais online. serviços mais baratos, de melhor qualidade, com
maior tecnologia e menos burocracia.
• 8. A transformação digital
O que são criptomoedas?
Open Banking
• Moedas Digitais.
• O Open Banking é um modelo de negócios que • Criadas para funcionar em rede própria.
funciona de uma forma diferente. A empresa passa • Bitcoin – criptomoeda mais famosa.
a ter foco maior nos seus processos críticos, libe- –– Moeda: Meio de troca. Facilita o processo de
trocas. Possui escassez programada;
rando interfaces baseadas em APIs (Interface de
–– Cripto: criptografia – garantias matemáticas.
Programação de Aplicações ou  Application Pro-
-- Criptografia: matemática para proteger/
gramming Interface) para que outras empresas
esconder informações.
possam criar aplicativos que agreguem valor aos
-- Escrever por enigmas/escondido.
serviços do negócio. –– Recursos básicos de criptografia:
• Início da regulamentação: -- HASH: resumo numérico;
Diretrizes publicadas em 24/04/2019 -- Assinatura digital: autenticação das tran-
sações.
Open Banking – benefícios e desafios • CPF: 879.235.177.
–– Dígitos verificadores: 43.
• HASH: garante integridade da mensagem enviada.
• Melhoria da experiência do usuário:
–– Netflix e Spotify • Mensagem original – cálculo fácil de realizar – HASH.
–– HASH: Função matemática unidirecional;
• Diversificação das fontes de receitas.
–– Ex.: Resto da divisão de 298 por 14.
• Desafios:
-- HASH
–– Regulação;
–– Padronização; -- Qual o número que dividido por 14 gera
–– Segurança. um resto 4?
• Mensagens de texto – 0 e 1.
Fintechs –– Qualquer mínima alteração em um texto – altera
o HASH.
• Função do HASH
• Empresas que utilizam um viés tecnológico para
–– Resume informações digitais para garantir o seu
oferecer serviços financeiros. conteúdo;
• Classificação: –– Função matemática unidirecional (não é possível
• Sociedade de Crédito Direto (SCD): revertê-la);
–– diz respeito àquelas que utilizam um capital pró- –– Extremamente sensível a alterações;
prio para conceder empréstimos por meio de uma –– Confirmar o HASH é o mesmo que confirmar a
plataforma eletrônica. mensagem em si.
• Sociedade de Empréstimos entre Pessoas (SEP):
–– abrange as empresas que funcionam como Criptografia e assinatura digital
mediadoras para empréstimos feitos entre pes-
soas via plataforma.
• CPB UBSEF, BNJHPT.
• Áreas de atuação: –– Mensagem cifrada:
–– cotação de seguros pela internet;
-- Para cada letra escrita, substitua pela
–– gestão financeira (controle fiscal e contábil);
–– pagamentos; letra anterior no alfabeto.
–– segurança de operações financeiras; -- Algoritmo (conjunto de operações mate-
–– transações em bitcoin e blockchain; máticas) + chave (substitua por uma letra).
–– financiamento e negociação de dívidas; • Boa tarde, amigos.
–– investimentos; –– Mensagem decifrada.
–– crowdfunding;

24 www.grancursosonline.com.br
OS BANCOS NA ERA DIGITAL
Amanda Aires

• Mensagem original + chave = mensagem cripto- – Transação: registro de transferência de valor.


grafada. - Origem: de onde parte o valor;
– Criptografia simétrica. - Destino: para onde vai o valor;
- Mesma chave para cifrar e decifrar a - Quantia: o valor em si;
mesagem; - Credenciais: dados que validam a tran-
- É mais rápida, usada na cifra dos e-mails sação.
e páginas via HTTPS;
- Vulnerável, pois a chave precisa trafegar Taxa: valor cobrado pela entidade que valida a transação
para o destinatário;
- Objetivo: confidencialidade (sigilo).
– Criptografia de chave pública (assimétrica).
- Chave privada/Chave pública
- Chave privada – sorteada no seu com-
putador;
- Criada inicialmente – dela deriva a chave
pública.
– Chave pública – embaralha a mensagem que só
é desembaralhada pela chave privada.
• Assinatura digital.
– Usa-se a chave privada para embaralhar.
• Transação autoverificável
A chave pública é usada para desembaralhar.

Tamanhos
• Como abrir uma mala com 3 engrenagens de 0 a 9?
– Tentativas e erros (força bruta).
• Chaves e Hash têm tamanho. Exemplo de transação
– Medidos em bits;
• Tamanho é documento.
– Bitcoin: 256 bits.
• 1,15*1077;
– Pega mensagem + testa chave = pega o resul-
tado.
• Por que eu preciso achar a chave?
– Para abrir a mensagem.
• HASH também possui 256 bits.

Transações
• Bitcoin: moeda digital que se baseia em criptografia.
• Bitcoin: uma rede descentralizada de notariza-
ção de transações por meio da internet.
– Rede descentralizada: vários servidores com a
mesma importância.

www.grancursosonline.com.br 25
OS BANCOS NA ERA DIGITAL
Amanda Aires

Confirmações para a Transação

• Blockchain: “Livro-razão” no qual são registradas


todas as transações do sistema bitcoin. Total-
mente aberta e auditável.
O nó minerador • Bloco gênese: primeiro bloco minerado pela rede
Bitcoin em jan/2009 por Satoshi Nakamoto, cria-
dor do Bitcoin.

• Transação gênese: gera “novo dinheiro” para o


endereço de destino.
• Bloco: conjunto de transações devidamente con-
firmadas. Bitcoin: confirmação da transação
• Hash: resumo matemático com os dados contidos
naquele bloco.

26 www.grancursosonline.com.br
OS BANCOS NA ERA DIGITAL
Amanda Aires

Como acontece a mineração dos bitcoins?

• Mineração – competição
– Proof of work
– Cálculo do hash do bloco.

Encontra o resultado e propaga na rede.

Regra alterada a cada 2.016 blocos.


Hash: possui 77 dígitos.
Cada bloco é verificável a cada 10 minutos.

Proof of work: por que demora?

www.grancursosonline.com.br 27
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS (PARTE 1)
Cid Roberto

Cid Roberto
O professor Cid Roberto é profissional da atividade bancária desde 1968. Ministra aulas de Conheci-
mentos Bancários para concursos de instituições financeiras públicas em vários cursinhos do Brasil.
Atua como Educador Corporativo na Universidade Corporativa do Banco do Brasil desde 1987. Possui
as certificações profissionais da ANBIMA – Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Finan-
ceiro e de Capitais CPA-10 e CPA-20. Aposentado desde 2005, por tempo de serviço, após 30 anos
no Banco do Brasil e três anos em banco particular. É bacharel em Ciências Contábeis pela Faculdade
Morais Júnior, do Sindicato dos Contabilistas do Rio de Janeiro, e em Administração pela Universidade
de Brasília – UnB. Fez o curso de especialização “Financial Markets” na Yale University (Connecticut) –
2014, “Bank Management for Superior Results” na University of Texas (Austin) e DePaul University (Chi-
cago) e “Engenharia Financeira, Produtos e Serviços” no Citibank (Fort Lauderdale e New York). Cursou
o MBA – Executivo em Finanças do Ibmec – Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Brasília-DF).

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS (PARTE 1)

I. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional 2. O Sistema Financeiro Nacional é composto por


um conjunto de instituições normativas, supervisoras e
Dicas de Prova: SFN operacionais que, em última análise, objetivam:
1ª Há bancas que dividem o SFN em três grupos: órgãos a. possibilitar a circulação dos recursos pela nação
brasileira, possibilitando o encontro dos superavi-
normativos, entidades supervisoras e operadores.
tários e os deficitários.
2ª Há bancas que dividem o SFN em dois grupos:
b. controlar o Produto Interno Bruto das instituições
órgãos normativos e entidades supervisoras.
financeiras e bancárias.
3ª O órgão normativo nunca executa coisa alguma. c. estruturar as atividades relativas ao desenvolvi-
4ª A entidade supervisora tem o caráter de execução, mento socioeconômico do País, apoiando, no que
mas, de vez em quando, elabora alguma norma. couber, os produtores rurais.
d. ser elemento dinâmico no processo de crescimen-
1. O Sistema Financeiro Nacional é composto por órgãos to econômico pelo fato de permitir a elevação das
de regulação, instituições financeiras, instituições auxilia- taxas de poupança e de reinvestimento.
res públicas e privadas, que atuam na intermediação de e. permitir que os governos federal, estadual e muni-
recursos dos agentes econômicos (pessoas, empresas, cipal obtenham recursos financeiros por meio da
governo). Com relação ao SFN, podemos afirmar que arrecadação impostos e tributos.
a. há dois grandes grupos de entidades no SFN: o
subsistema normativo, que trata da regulação e da II. Caderneta de Poupança
fiscalização, e o subsistema operativo, que cuida
da intermediação e das atividades operacionais. Dicas de Prova: Caderneta de Poupança
b. administra os títulos da dívida pública interna. 1ª Investimento de renda fixa com taxa pós-fixada.
c. as instituições financeiras públicas federais, por 2ª A taxa pós-fixada é composta de duas partes: juros
sua personalidade jurídica, não estão sujeitas às + indexador.
mesmas disposições relativas às instituições fi-
3ª Não importa qual seja a Selic, o indexador é sempre
nanceiras privadas.
a TR – Taxa Referencial.
d. a Constituição Federal dispõe que será regulado
4ª Quando a Selic é maior que 8,5% a.a., os juros são
por leis ordinárias com o objetivo de atender os in-
0,5% a.m.
teresses da coletividade e a promoção do desen-
volvimento econômico e social do País. 5ª Quando a Selic é menor ou igual a 8,5 a.a., os juros
e. é estruturado por três subsistemas: um normativo, são 70% da Selic mensalizada.
outro especulativo e outro de intermediação finan-
ceira, sendo este último composto pelo Bacen e a 3. A caderneta de poupança é a aplicação mais sim-
CVM, entre outros. ples e tradicional, sendo uma das poucas, senão a úni-
ca, em que se podem aplicar pequenas somas e ter
liquidez, apesar da perda de rentabilidade para saques
fora da data de aniversário da aplicação. Supondo que,

28 www.grancursosonline.com.br
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS (PARTE 1)
Cid Roberto

no dia 19 de agosto, uma pessoa física tenha deposi- III. Letra de Câmbio
tado R$ 3.000,00 numa caderneta de poupança e que,
no dia 3 de setembro, tenha sacado R$ 1.000,00, está Dicas de Prova: Letra de Câmbio
correto afirmar que 1ª Título de renda fixa, com taxa pré ou pós-fixada.
a. o cliente receberá rendimentos proporcionais rela- 2ª Título do mercado financeiro, não faz parte do mer-
tivos ao depósito inicial de R$ 3.000,00. cado de capitais.
b. o BRB remunerará, em 19 de setembro, o saldo 3ª Título emitido pelo credor.
remanescente de R$ 2.000,00. 4ª Sempre uma ordem de pagamento, nunca uma pro-
c. está incorreta a afirmação dando conta do saque messa de pagamento.
em 3 de setembro, visto que a caderneta de pou-
pança não admite saques antes do primeiro ani- 6. A letra de câmbio é um instrumento de captação
versário da aplicação inicial. muito utilizado pelas Sociedades de Crédito, Financia-
d. como o cliente fez saque antes da data do aniver- mento e Investimento. Trata-se de um instrumento de
câmbio muito antigo na história e que sofreu, ao longo
sário, não receberá rendimento algum em 19 de
dos tempos, variações em seu regulamento legislati-
setembro.
vo, bem como na prática de sua utilização. Gladston
e. o cliente receberá rendimentos em 19 de setem-
Mamede. Títulos de Crédito. São Paulo: Atlas, 3ª ed.,
bro que estarão sujeitos à tributação do Imposto
2003, p. 187. Entende-se por Letra do Câmbio:
de Renda. a. um título de crédito em que o aceite é compulsório,
haja vista ser um requisito essencial para a sua
4. A caderneta de poupança é a aplicação mais sim- validade como Letra de Câmbio.
ples e tradicional, sendo uma das poucas, senão a úni- b. uma promessa de pagamento emitida pelo devedor.
ca, em que se podem aplicar pequenas somas e ter c. ordem de pagamento emitida pelo credor.
liquidez, apesar da perda de rentabilidade para saques d. o título em que conste o nome do sacado, a ex-
fora da data de aniversário da aplicação. Em 2012, os pressão “letra de câmbio” e o mandato condicional
de pagar quantia determinada.
depósitos realizados a partir de quatro de maio passa-
e. aquele título pertencente ao mercado futuro de ca-
ram a ter rendimento vinculado à Taxa Selic Meta. Des-
pitais, com renda variável e nominativo.
de então, se essa meta for igual ou menor que 8,5% ao
ano, os rendimentos da Caderneta de Poupança serão 7. João quer comprar um carro e não tem dinheiro.
a. de 130% da Selic. João, então, vai até a financeira Só-Crédito e solicita o
b. de 130% da Selic mais a TR. financiamento do carro. Para financiar o carro no valor
c. de 100% da Selic. de R$ 20.000,00, a Só-Crédito precisa ter esse valor em
d. de 70% da Selic. seu caixa. A fim de obter os R$ 20.000,00, a Só-Crédito
e. de 70% da Selic mais a TR. emite uma Letra de Câmbio, ordenando a João que pa-
gue essa Letra de Câmbio em determinada data. Emiti-
5. Na reunião do Comitê de Política Monetária do Ban- da a Letra de Câmbio no valor de R$ 20.000,000, que, a
co Central (Copom), encerrada em 20 de março 2019, princípio, cabe a João pagar, a Só-Crédito oferece essa
a taxa de juros básicos da economia (Selic) foi mantida Letra de Câmbio no mercado. Aparece Antônio, que
em 6,5% ao ano. Diante desse cenário, os juros da Ca- possui sobra de recursos, e compra a Letra de Câmbio.
derneta de Poupança, em abril de 2019, foram de Com essa compra, Antônio coloca, dentro da Só-Crédi-
to, os R$ 20.000,00 que ela necessita para financiar o
a. 6,5% ÷ 12 + TR.
carro de João. Antônio sentiu-se motivado a comprar a
b. 70% de 6,5% mensalizada + 0,5%.
Letra de Câmbio ofertada no mercado financeiro porque
c. 0,37%, que é a taxa equivalente ao mês de 70%
a. se trata de um título de crédito de renda variável, per-
de 6,5% a.a. mitindo que o beneficiário, no vencimento, receba seu
d. 70% de 6,5% mensalizada + TR. dinheiro de volta, acrescido da remuneração combi-
e. 0,37%, que é a taxa equivalente ao mês de 70% nada, ou converta o valor em ações da Só-Crédito.
de 6,5% a.a. + TR. b. sendo um título de crédito de renda variável, permiti-
rá que Antônio, no vencimento, receba seus capitais

www.grancursosonline.com.br 29
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS (PARTE 1)
Cid Roberto

investidos acrescidos de rendimentos corresponden- a. pessoas físicas, no Brasil, não podem realizar
tes à variação no período no preço das ações da Só- contratos de leasing.
-Crédito negociadas na bolsa de valores. b. o prazo do contrato é inferior ao mínimo estabele-
c. sendo título de crédito de renda fixa, caso João cido em normas do BACEN.
não pague as parcelas do financiamento, o veículo c. o bem, no fim do contrato, tem de ser restituído ao
será tomado de João e entregue a Antônio como arrendador.
forma de recuperar o capital investido. d. microcomputadores não podem ser objeto de leasing,
d. se trata de um título de crédito de renda fixa pois sua obsolescência tecnológica é muito rápida.
que, no vencimento, restituirá a Antônio os R$ e. não incide IOF sobre operações de leasing.
20.000,00 acrescidos dos rendimentos acertados,
correspondentes à taxa de juros combinada. V. Bancos Comerciais
e. é um título de crédito de renda variável que, no
vencimento, restituirá a Antônio os R$ 20.000,00 Dicas de Prova: Bancos Comerciais
acrescidos dos rendimentos acertados, corres- 1ª Devem ser constituídos na forma de sociedade anô-
pondentes à taxa de juros combinada.
nima.
2ª São especialistas em fazer operações financeiras,
IV. Leasing operações bancárias, de curto e médio prazo.
3ª Captam depósitos a vista de depósitos a prazo.
Dicas de Prova: Leasing
4ª Não captam depósitos de caderneta de poupança.
1ª Só existem duas modalidades: financeiro ou opera-
cional.
10. Os bancos comerciais são instituições financeiras
2ª Só pode ser feito por sociedade de arrendamento
privadas ou públicas que têm como objetivo principal
mercantil ou banco múltiplo com carteira de leasing.
proporcionar suprimento de recursos necessários para
3ª Pode ser feito por PJ ou PF.
financiar, a curto e a médio prazos, o comércio, a in-
4ª Podem ser arrendados bens novos ou usados, de
dústria, as empresas prestadoras de serviços, as pes-
fabricação nacional ou estrangeira, móvel ou imóvel.
soas físicas e terceiros em geral. No que se refere aos
5ª Não é operação financeira, é prestação de serviços.
bancos comerciais, aponte a alternativa correta.
a. A captação de recursos em depósitos à vista é atri-
8. A operação de Leasing é uma operação conside- buição exclusiva dos bancos comerciais.
rada um aluguel de equipamentos por um período es- b. O financiamento na modalidade de crédito direto
tabelecido, com algumas características especiais. Em ao consumidor é atribuição dos bancos comerciais.
relação a essa operação, aponte a alternativa correta. c. A captação de depósitos à vista, livremente movi-
a. O leaseback, ou leasing de retomo, é a modalida- mentáveis, é atividade típica dos bancos comerciais.
de de arrendamento mercantil em que o bem é, d. Os bancos comerciais não podem captar depósi-
inicialmente, do próprio arrendatário. tos a prazo.
b. Bens de produção estrangeira não podem ser ob- e. Os bancos comerciais não podem realizar opera-
jeto de arrendamento mercantil (leasing). ções de abertura de crédito simples ou em conta-
c. O leaseback, ou leasing de retorno, é uma varia- -corrente.
ção do leasing operacional e só pode ser contrata-
do com a pessoa jurídica. 11. De acordo com o Manual de Normas e Instruções
d. As operações de leasing são sempre tributadas (MNI), do Banco Central do Brasil, pode-se afirmar que
pelo ISS, e nunca pelo ISSQN. os bancos comerciais têm autorização para
e. A exemplo da pessoa jurídica, o cidadão, na con-
dição de pessoa física, não pode contratar leasing. I – captar à vista e a prazo fixo;
II – descontar títulos;
9. Na qualidade de pessoa física, um cidadão con- III – realizar operações de crédito rural, de câmbio
tratou o leasing de seu microcomputador, por um prazo e comércio internacional;
de 36 meses. Pagou R$ 42,35 de IOF pela transação. IV – obter recursos externos para repasse;
No fim do contrato, optou por permanecer com o bem. V – realizar operações de abertura de crédito sim-
Na situação hipotética apresentada acima, consoante as ples ou em conta-corrente.
normas vigentes sobre o tema no país, há incorreção, pois

30 www.grancursosonline.com.br
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS (PARTE 1)
Cid Roberto

Quais operações estão corretas? Os recursos liberados no crédito rural para o custeio da
a. Apenas a I, a II e a III. produção destinam-se
b. Apenas a I, a II e a IV. a. ao atendimento das despesas normais do ciclo
c. Apenas a I, a III e a V. produtivo de lavouras periódicas, da entressafra
d. Apenas a II, a III e a V. de lavouras permanentes ou da extração de pro-
e. A I, a II, a III, a IV e a V. dutos vegetais espontâneos ou cultivados; bem
como de exploração pecuária.
VI. Crédito Rural b. à pessoa física ou jurídica, que, mesmo não sendo
produtor rural, se dedique à extração de água mine-
Dicas de Prova: Crédito Rural ral de fontes localizadas em sua propriedade rural.
1ª Operação ativa. c. à aquisição de bens ou serviços que serão usufru-
2ª É a disponibilização de recursos para aplicação ídos em vários períodos de produção.
d. aos investimentos em bens ou serviços cujo apro-
exclusiva nas atividades agropecuárias (setor rural).
veitamento se estenda por um único ciclo produti-
3ª Financia o custeio, o investimento, a comercializa-
vo, também denominado de uma única safra.
ção e a industrialização de produtos agropecuários,
e. a melhorar a qualidade de vida no campo com
quando efetuada por cooperativas ou pelo produtor. o financiamento de áreas de lazer para a família
4ª Para produtor rural (PF ou PJ), cooperativa de pro- camponesa na sua propriedade rural.
dutores rurais e PF ou PJ que, mesmo não sendo pro-
dutor rural, se dedique a atividade que contribua com a VII. Garantias Pessoais
melhoria da produtividade.
Dicas de Prova: Garantias Pessoais
12. O crédito rural foi institucionalizado pela Lei n. 1ª Aval – sempre em título de crédito, nunca em contrato.
4.829/1965, que o considera como suprimento de re- 2ª Fiança – sempre em contrato, nunca em título de
cursos financeiros por entidades públicas e estabele- crédito.
cimentos de crédito particulares e produtores rurais ou 3ª Dos casados é exigida outorga uxória, exceto no
suas cooperativas para aplicação exclusiva em ativi- regime de separação total de bens.
dades que se enquadrem nos objetivos indicados na 4ª A fiança bancária não é operação financeira, mas
legislação em vigor. Com relação aos aspectos tributá- está sujeita ao risco de crédito.
rios do crédito rural, aponte a alternativa na qual consta
corretamente a alíquota de IOF – imposto sobre opera- 14. Alfredo contraiu uma dívida com o Banco X e assi-
ções de crédito, câmbio e seguro, ou relativas a títulos nou uma cédula de crédito bancário com o aval de João.
ou valores mobiliários, mais conhecido como imposto Em relação ao aval, é correto afirmar que o avalista:
sobre operações financeiras – a que atualmente estão a. passa a ser o único responsável pelo pagamento,
sujeitos os tomadores de crédito rural. exonerando o avalizado Alfredo de responsabilidade.
a. 0,08%. b. responderá subsidiariamente pelo pagamento, na
b. 0,18%. ausência de bens suficientes de Alfredo para pa-
c. 0,28%. gar a dívida.
d. 0,38%. c. torna-se devedor solidário pelo pagamento peran-
e. 0,48%. te o Banco X, podendo esse cobrar a dívida tanto
dele quanto do avalizado.
13. O agronegócio BRB atende às necessidades do d. não se obriga pelo pagamento porque é nulo aval
produtor, desde o preparo do solo até a comercialização prestado em favor de instituição financeira, caso
dos produtos, além de investimentos em benfeitorias, do Banco X.
máquinas e equipamentos. Para atender aos anseios e. responderá pelo pagamento solidariamente com
dos pecuaristas, o BRB financia o custeio da produ- Alfredo, desde que este celebre simultaneamente
ção, a compra de animais e demais investimentos. contrato de fiança com o Banco X.
No BRB, o produtor rural dispõe de crédito fácil e rápi-
do para investir na produção.

(https://portal.brb.com.br/para-voce/emprestimos-e-
-financiamentos/correntista/credito-agronegocio)

www.grancursosonline.com.br 31
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS (PARTE 1)
Cid Roberto

15. Durante a prestação de fiança bancária, deve ser c. alienação fiduciária em garantia;
verificada a documentação apresentada pelo fiador, d. hipoteca;
especialmente se este for casado, porque: e. anticrese.
a. é proibida a prestação de fiança por pessoa casa-
da, ainda que com autorização do cônjuge, exceto 18. (BNB/FGV/2014) Os seguintes bens podem ser
no regime da separação absoluta de bens. oferecidos como garantia na modalidade penhor:
b. se o fiador se divorciar dentro do prazo de vigência
do contrato garantido, ficará desobrigado da fiança. I – joias e relógios;
c. se o fiador casado for sócio de sociedade empre- II – imóveis;
sária, não poderá prestar fiança. III – aeronaves;
d. nenhum dos cônjuges pode prestar fiança sem au- IV – navios.
torização do outro, exceto no regime da separação
absoluta de bens. Assinale se:
e. o fiador casado não poderá renunciar ao benefício a. somente I e III estiverem corretas;
de ordem, salvo no regime da separação absoluta b. somente II e IV estiverem corretas;
de bens. c. somente I estiver correta;
d. somente II estiver correta;
VIII. Garantias Reais e. somente II, III e IV estiverem corretas.

Dicas de Prova: Garantias Reais


1ª Penhor – bem móvel, de propriedade do devedor ou
de terceiro.
2ª Alienação fiduciária – bem móvel ou imóvel, de pro-
priedade do devedor.
3ª Hipoteca – bem móvel, de propriedade do devedor
ou de terceiro.

16. (BANPARÁ/FADESP/2018) O pagamento da dívida é


garantido com um bem imóvel. Embora conserve a posse
do bem, a empresa só readquire sua propriedade após
a quitação integral da dívida. Se a dívida não for paga
ou se for paga apenas uma parte dela, ao fim do prazo
contratado, a instituição pode assumir a propriedade do
bem. Essas características referem-se à garantia do tipo
a. aval.
b. fiança.
c. alienação fiduciária.
d. penhora.
e. hipoteca.

17. (BANESTES/FGV/2018) Em garantia de emprésti-


mo concedido pelo Banco W, Tereza deu um imóvel de
sua propriedade ao credor. A garantia constituída abran-
ge todas as acessões, melhoramentos ou construções
do imóvel e não impede a proprietária de aliená-lo.
Com base nessas informações, a garantia prestada
por Tereza é:
a. aval;
b. fiança bancária;

32 www.grancursosonline.com.br
INOVAÇÃO
Weskley Rodrigues

Weskley Rodrigues
Pós-graduado em Administração Pública e graduado em Administração com foco em Comércio Exterior.
Servidor público federal desde 2010. Possui certificação internacional em Gestão de Processos de Negó-
cios CBPP® (Certified Business Process Professional) pela ABPMP® International (Association of Busi-
ness Process Management Professionals). Professor e palestrante na área de Gestão Pública. Possui
experiência em ensino presencial e a distância em Administração Geral e Pública, bem como ampla expe-
riência em Governança Pública, Gerenciamento de Projetos e em Planejamento Estratégico. Orientador
pedagógico nos cursos de Gestão de Projetos e Indicadores de Desempenho da ESMPU – Escola Supe-
rior do Ministério Público da União. Atualmente, ocupa o cargo de Secretário de Gestão Estratégica do
Conselho Nacional do Ministério Público.

INOVAÇÃO
Tópico do edital: Empreendedorismo. Autoco- c. identifica o proprietário dos recursos financeiros
como o líder do processo de inovação.
nhecimento e percepção de oportunidades.
d. considera a adaptação contínua, passo a passo,
dos processos produtivos de cada empresa como
1. Empreender significa promover a inovação. Se-
básica para o desenvolvimento.
gundo a PINTEC 2014, inovação consiste em e. considera fundamental para o desenvolvimento
a. introduzir bens com sucesso no mercado nacional. a facilidade de captação de recursos financeiros
b. implementar produtos (bens ou serviços) ou pro- pelo empresário inovador.
cessos novos ou substancialmente aprimorados.
c. aprimorar tecnologicamente métodos e processos
4. O conceito de concorrência schumpeteriana faz
que sejam resultado de Pesquisa e Desenvolvi-
alusão ao economista austríaco Joseph Schumpeter,
mento (P&D).
para quem a inovação figura como o fator mais impor-
d. registrar patentes ou cultivares formalmente no
Brasil. tante para explicar o aumento da participação de uma
e. introduzir, em um mercado preexistente, produtos empresa em um determinado mercado (market share).
ou processos que contêm algum grau de novidade. Sendo assim, NÃO constitui exemplo de concorrência
schumpeteriana a(o)
2. O BRB está promovendo uma política de inovação, a. substituição dos aparelhos celulares convencio-
nais pelos smartphones.
a fim de desenvolver a organização em busca de me-
b. introdução da linha de montagem e de produção
lhores resultados.
em massa pelo fordismo.
Acerca da relação de causa e efeito entre inovações e
c. disseminação de produtos transgênicos na agri-
desenvolvimento, assinale a opção correta. cultura brasileira.
a. O desenvolvimento técnico é capaz de gerar inova- d. redução de preços num mercado, resultante da
ções técnicas, que geram conhecimentos técnicos. entrada de empresas concorrentes.
b. As inovações são fruto de processos de desenvol- e. aparecimento de serviços técnicos impulsionados
vimento e geram progresso social. pela indústria de informática.
c. Conhecimentos científicos geram inovações tecno-
lógicas, que geram desenvolvimento tecnológico.
5. Na Teoria do Desenvolvimento Econômico de Jo-
d. O progresso social gera inovações técnicas que,
sef Alois Schumpeter, o desenvolvimento é desenca-
por sua vez, geram desenvolvimento.
deado pela:
e. O desenvolvimento econômico gera inovações de
a. Exploração da classe trabalhadora, que possibilita
natureza também econômica.
a acumulação de riquezas pelo capitalista.
b. Ampliação dos gastos públicos para construção
3. Segundo a visão de Schumpeter sobre o processo
de infraestrutura.
de desenvolvimento econômico, a inovação desempe- c. Inovação tecnológica que, promovida pelo empre-
nha um papel central nesse processo. A teoria shum- sário inovador, pode desencadear um ciclo de de-
peteriana, em especial, senvolvimento econômico.
a. enfatiza o lado da demanda e o papel inovador do d. Ampliação do volume de moeda que, ceteris pari-
consumidor. bus, reduz a taxa de juros.
b. enfatiza a expansão da base de exportação e a e. As alternativas (a) e (d) estão corretas.
abertura de novos mercados externos.

www.grancursosonline.com.br 33
INOVAÇÃO
Weskley Rodrigues

6. Para que seja possível desenvolver a cultura em- c. seja qualitativamente melhor que a tecnologia en-
preendedora dentro de uma organização, é importante tão vigente.
criar as condições necessárias para estimulá-la e es- d. seja tecnicamente viável, ainda que seja inviável
tabelecê-la. Correspondem às combinações de dimen- economicamente.
sões de uma orientação empreendedora: e. seja resultado de atividade de pesquisa e desen-
a. reatividade, capacidade de inovação, autonomia e volvimento (P&D).
aversão a riscos.
b. agressividade competitiva, reatividade, assunção 10. É inegável o papel que a inovação exerce sobre
de riscos e capacidade de inovação. as organizações. A função tecnologia, no âmbito de
c. pouca autonomia, proatividade, capacidade de qualquer organização e, em especial, no âmbito de
inovação e aversão a riscos. uma Instituição de Ciência e Tecnologia, como a UFRJ,
d. capacidade de inovação, aversão a riscos, reativi- exerce um papel importante. Como desafio à busca por
dade e agressividade competitiva. produção de conhecimentos novos, requer uma gestão
e. assunção de riscos, capacidade de inovação, pro- estratégica que possa compreender e dar conta de toda
atividade e autonomia.
a complexidade presente no processo de inovação, ou
mesmo, da Cadeia de Conhecimento. Pensar a função
7. A prática da inovação constante, como eixo central
tecnologia e realizar a sua gestão é um dos maiores de-
para a diferenciação no mercado, leva empresas de
safios da função tecnologia. Assinale a opção que apre-
sucesso a apresentarem soluções criativas constante-
senta os tipos de inovação, segundo o Manual de Oslo.
mente. Todavia, essa estratégia não se efetiva sem um
a. Inovação de Produto, Inovação de Serviços, Ino-
estilo gerencial pautado em vação de Processos e Inovação Organizacional.
a. baixa tolerância ao erro e estilo coercitivo. b. Inovação de Produto, Inovação de Processos, Ino-
b. baixa tolerância ao erro e estilo controlador. vação de Marketing e Inovação Organizacional.
c. alta tolerância ao erro e estilo autocrático. c. Inovação de Produto, Inovação de Processos, Ino-
d. alta tolerância ao erro e estilo democrático.
vação de Serviços e Inovação de Pessoas.
e. baixa tolerância ao erro e estilo perfeccionista.
d. Inovação de Produto, Inovação de Pessoas, Ino-
vação de Marketing e Inovação Organizacional.
Tópico do edital: Inovação x Invenção. Tipos de e. Inovação de Processos, Inovação de Serviços,
inovação. Inovação de Pessoas e Inovação Organizacional.

8. A respeito de invenção e inovação, assinale a op- 11. Um novo equipamento foi desenvolvido e instala-
ção correta. do na linha de montagem de determinado componente
a. Define-se invenção como tecnologia que atinge eletrônico, o que permite a produção em escala com a
resultado no mercado, e inovação como tecnolo- consequente ampliação de sua venda em um mesmo
gia com grau de novidade significativo em relação
nicho de mercado.
à oferta anterior.
Nessa situação, a inovação é classificada como ino-
b. Inovações se referem a novos produtos, enquanto
vação
invenções podem se referir a novos processos.
a. de posição.
c. Invenções podem ter caráter incremental, enquan-
b. de processo.
to inovações são necessariamente radicais.
c. de produto.
d. Inovação é uma solução economicamente viável,
d. radical.
ainda que não haja domínio técnico para sua pro-
e. de paradigma.
dução.
e. A invenção exige uma solução tecnicamente viá-
vel, mas não considera a viabilidade econômica. 12. Inovações que rompem com a trajetória tecnológi-
ca vigente são conhecidas como inovações
9. Para que se confirme como inovação, é necessário a. incrementais.
que a mudança tecnológica lançada por uma organiza- b. de melhoria.
c. tecnológicas.
ção no mercado
d. radicais.
a. tenha valor de troca e valor de uso.
e. técnicas.
b. tenha valor de uso, ainda que não tenha valor de
troca.

34 www.grancursosonline.com.br
INOVAÇÃO
Weskley Rodrigues

13. Acerca de sistema de inovação, assinale a opção Tópico do edital: Lei n. 10.973/2004
correta.
a. O processo de inovação é interativo, envolvendo 17. O caput do artigo 15 da Lei n. 10.973/2004 impõe
relações entre atores como empresas, bancos e
que o critério da administração pública, na forma do
universidades.
regulamento, poderá ser concedido ao pesquisador
b. Em sistemas de inovação, o papel mais importan-
público, desde que não esteja em estágio probatório,
te é o de instituições privadas, cabendo ao Estado
licença sem remuneração para constituir empresa com
um papel secundário.
c. A atuação das organizações limita-se às relações a finalidade de desenvolver atividade empresarial rela-
no nível microeconômico. tiva à inovação. Nesse sentido, assinale a alternativa
d. Essa abordagem permite a análise individual do CORRETA.
papel isolado de uma instituição que esteja conti- a. A licença a que se refere o caput desse artigo dar-
da no sistema. -se-á pelo prazo de até 1 (um) ano consecutivo,
e. Tal abordagem analisa a estratégia própria de uma renovável por igual período.
firma de forma individualizada, embora adote uma b. A licença a que se refere o caput desse artigo dar-
perspectiva dinâmica. -se-á pelo prazo de até 3 (três) anos consecutivos,
renovável por igual período.
14. Assinale a opção que apresenta um exemplo de c. A licença a que se refere o caput desse artigo dar-
-se-á pelo prazo de até 5 (cinco) anos consecuti-
inovação radical.
vos, renovável por igual período.
a. substituição dos serviços de atendimento presen-
d. A licença a que se refere o caput desse artigo dar-
cial por plataformas digitais.
-se-á pelo prazo de até 5 (cinco) anos consecuti-
b. lançamento de um sistema mais avançado de di-
vos, não renovável.
reção elétrica para automóveis.
e. A licença a que se refere o caput desse artigo dar-
c. aprimoramento das marchas de uma bicicleta.
-se-á pelo prazo de até 2 (anos) consecutivos, re-
d. lançamento de modelo sedan de um carro hatch já
novável por igual período.
existente no mercado.
e. aumento da potência de uma bomba de água.
18. Sabe-se que a Lei n. 10.973/2004 dispõe sobre in-
Tópico do edital: O processo de inovação. Gera- centivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica
no ambiente produtivo e dá outras providências. Nesse
ção de ideias e o processo criativo. Ecossiste-
sentido, de acordo com o artigo 2º, para os efeitos dessa
mas complexos de informação.
Lei, considera-se Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT):
a. Organização ou estrutura que objetiva estimular ou
15. O processo de inovação envolve:
prestar apoio logístico, gerencial e tecnológico ao
a. Ruptura, seleção, sustentação.
empreendedorismo inovador e intensivo em conheci-
b. Procura, resolução, estratégia.
mento, com o objetivo de facilitar a criação e o desen-
c. Planejamento, aquisição, implementação.
volvimento de empresas que tenham como diferen-
d. Procura, seleção, implementação.
cial a realização de atividades voltadas à inovação.
e. Desenvolvimento, operação, implementação.
b. Órgão ou entidade da administração pública dire-
ta ou indireta ou pessoa jurídica de direito privado
16. No contexto do processo de inovação, a ferramen- sem fins lucrativos legalmente constituída sob as
ta que permite que um grupo de trabalho desenvolva leis brasileiras, com sede e foro no País, que inclua,
um processo criativo com a geração de novas ideias, em sua missão institucional ou em seu objetivo so-
explorando a participação de cada um no grupo, é de- cial ou estatutário, a pesquisa básica ou aplicada
nominada: de caráter científico ou tecnológico ou o desenvol-
a. kaizen. vimento de novos produtos, serviços ou processos.
b. benchmarking funcional. c. Estrutura instituída por uma ou mais ICTs, com ou
c. reengenharia. sem personalidade jurídica própria, que tenha por
d. brainstorming. finalidade a gestão de política institucional de ino-
e. benchmarking interno. vação e por competências mínimas as atribuições
previstas nessa Lei.

www.grancursosonline.com.br 35
INOVAÇÃO
Weskley Rodrigues

d. Complexo planejado de desenvolvimento empre-


sarial e tecnológico, promotor da cultura de inova-
ção, da competitividade industrial, da capacitação
empresarial e da promoção de sinergias em ativi-
dades de pesquisa científica, de desenvolvimento
tecnológico e de inovação, entre empresas e uma
ou mais ICTs, com ou sem vínculo entre si.
e. Conhecimento acumulado pelo pessoal da organi-
zação, passível de aplicação em projetos de pes-
quisa, desenvolvimento e inovação.

19. Conforme a Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de


2004, as medidas de incentivo à inovação e à pesqui-
sa científica e tecnológica no ambiente produtivo, com
vistas à capacitação tecnológica, ao alcance da auto-
nomia tecnológica e ao desenvolvimento do sistema
produtivo nacional e regional do País, devem observar
os seguintes princípios, exceto:
a. promoção das atividades científicas e tecnológi-
cas como estratégicas para o desenvolvimento
econômico e social.
b. promoção e continuidade dos processos de de-
senvolvimento científico, tecnológico e de inova-
ção, assegurados os recursos humanos, econômi-
cos e financeiros para tal finalidade.
c. redução das desigualdades regionais.
d. descentralização das atividades de ciência, tecno-
logia e inovação em cada esfera de governo, com
desconcentração em cada ente federado.
e. promoção da cooperação e interação apenas en-
tre os entes públicos.

36 www.grancursosonline.com.br
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS (PARTE 2)
Claudio Zorzo

Claudio Zorzo
Bacharel em Ciências Contábeis, pós-graduado em Análise Gerencial; Docência para Nível Superior; Audi-
toria e Perícia Contábil. É ex-servidor público do Executivo Federal – Ministério do Exército e ex-servidor
público do Legislativo Federal. Assessor Parlamentar. Atualmente é professor de Contabilidade e Auditoria
Pública e Privada.

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS (PARTE 2)

3. Commercial Papers são títulos de créditos emitidos


Mercado Financeiro
visando a captação pública de recursos para o capital
de giro das empresas. Está correto dizer que
O mercado financeiro está basicamente segmentado
a. a colocação de Commercial Papers junto a investi-
em quatro grandes mercados: mercado monetário,
dores de mercado jamais poderá ser feita através
mercado de crédito, mercado de câmbio e mercado de
de um intermediador.
capitais.
b. a vantagem da utilização de Commercial Papers
em relação às operações convencionais de em-
Mercado de Capital préstimos é o baixo custo financeiro e a maior agi-
lidade em tomar recursos no mercado, explicados
• S/As pela eliminação da intermediação bancária uma
• Intermediadores vez que não exige nenhum documento formal.
• Underwriting c. além dos juros recebidos, a empresa emitente in-
• Mercado primário e secundário corre também em despesas de emissão, tais como
• Títulos registro na CVM, publicações etc.
d. Commercial Papers são negociados no mercado
por um valor descontado chamado deságio, sendo
1. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) é um ór-
recomprados pela empresa emitente pelo seu va-
gão do SFN que regula e fiscaliza o mercado de capi-
lor de face, valor nominal.
tais no Brasil, sendo
e. Commercial Papers são negociados sem garan-
a. empresa pública subordinada ao CMN.
b. responsável pela custódia e negociação do títulos tia real e não podem oferecer garantia de fiança
no mercado de capital. bancária.
c. vinculada para fins de subordinação operacional à
Bolsa de Valores. 4. O mercado à vista de ações permite que os investi-
d. independente do poder público. dores comprem ou vendam esses títulos mobiliários no
e. autarquia de direito público, vinculada ao Ministé- seu pregão diário.
rio da Economia. No Brasil, a(s)
a. liquidação financeira das transações (crédito em
2. No mercado de capitais, as operações de distribui- reais ao vendedor das ações) no mercado à vista
ção pública de ações (underwriting) acontecem ocorre no mesmo dia da operação.
a. com a intermediação de qualquer instituição parti- b. compras e vendas de derivativos se dá no merca-
cipante do Sistema Financeiro Nacional. do à vista.
b. por meio de esforços de venda direta da emissora c. liquidação física das transações (entrega de ações
junto a investidores institucionais. ao comprador) no mercado à vista ocorre no mes-
c. sem obrigatoriedade do registro na Comissão de
mo dia da operação.
Valores Mobiliários.
d. única maneira de comprar e vender ações de com-
d. de acordo com os termos e condições previstos no
panhias abertas é no mercado à vista.
respectivo prospecto.
e. operações de “day trade” no mercado à vista são
e. desde que a companhia já tenha ações negocia-
permitidas.
das em bolsa de valores.

www.grancursosonline.com.br 37
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS (PARTE 2)
Claudio Zorzo

5. No mercado de debêntures, underwriting é (são) IV – A principal função do mercado secundário é


a. um mecanismo utilizado pelas companhias emis- proporcionar liquidez aos ativos financeiros
soras de debêntures — quando previsto na escri- adquiridos pelos investidores.
tura de emissão — para adequar seus títulos, pe- V – A emissão de títulos ou valores mobiliários
riodicamente, às condições vigentes no mercado. pela empresa para se capitalizar ou para se
b. operações de compra e venda de debêntures pe- financiar, com o objetivo de cobrir gastos ou
realizar investimentos, é efetuada no mercado
los investidores identificados.
primário.
c. um mecanismo de consulta prévia ao mercado
para definição da remuneração das debêntures ou
Estão certos apenas os itens
do ágio/deságio no preço de subscrição, tendo em
a. I, II, III e IV.
vista a quantidade de debêntures, para diferentes
b. I, II, III e V.
níveis de taxa, que cada investidor tem disposição c. I, II, IV e V.
de adquirir. d. I, III, IV e V.
d. a operação de distribuição primária de debêntu- e. II, III, IV e V.
res, ou seja, a primeira venda dos títulos após a
sua emissão. 8. As ações preferenciais admitidas à negociação no
e. uma classificação efetuada por empresa especiali- mercado de valores mobiliários, de acordo com a lei,
zada independente (agência de rating) que reflete devem proporcionar direito a dividendos
sua avaliação sobre o grau de risco envolvido em a. idênticos aos distribuídos às ações ordinárias.
determinado instrumento de dívida. b. fixos anuais, não cumulativos, de 10% sobre o Pa-
trimônio Líquido da emissora.
6. Em relação às sociedades por ações pode-se afir- c. variáveis anuais, não cumulativos, em igualdade
mar que de condições aos distribuídos às ações ordinárias.
d. no mínimo 25% superiores aos distribuídos às
a. para os efeitos da lei, a companhia é aberta ou
ações ordinárias.
fechada conforme sua atuação comercial, no ata-
e. no mínimo 10% superiores aos distribuídos às
cado ou varejo.
ações ordinárias.
b. são também chamadas de sociedades anônimas,
podendo apenas ser de capital aberto.
9. A plena abertura de capital acontece quando a
c. a Lei das Sociedades Anônimas estabelece que o
empresa lança suas ações ao público, ou seja, emite
capital social das companhias pode ser de até 50
ações e as negocia nas Bolsas de Valores ou no mer-
% de ações ordinárias.
cado de balcão. Assinale a afirmativa correta.
d. as sociedades anônimas de capital fechado têm
a. Na distribuição de dividendos, as ações preferen-
as ações nas mãos de pessoas físicas e jurídicas
ciais recebem, no mínimo, 30% a mais que as or-
determinadas, mas são comercializadas em bol-
dinárias.
sas de valores.
b. Quando a administração decide diminuir o número
e. a sociedade anônima tem o capital dividido em
de ações negociadas e compra as suas próprias
ações, ordinárias e preferenciais, e a responsabi-
ações no mercado secundário essas ações serão
lidade dos sócios é limitada ao preço das ações
denominadas de ações em tesouraria.
subscritas ou adquiridas.
c. Ações são títulos nominativos, não negociáveis,
que representam, para quem as possui, uma fra-
7. Com relação aos conceitos de mercado primário e ção do capital social de uma empresa.
de mercado secundário, julgue os itens que se seguem. d. As ações podem ser preferenciais, que concedem
àqueles que as possuem o poder de voto nas as-
I – O mercado primário é indiferente à existência sembleias deliberativas da companhia; ou ordiná-
do mercado secundário. rias, que oferecem preferência na distribuição de
II – No mercado primário, é negociado o ativo fi- resultados ou no reembolso do capital em caso de
nanceiro pela primeira vez, com a obtenção de liquidação da companhia, não concedendo o direi-
recursos pelo emissor do título. to de voto, ou restringindo-o.
III – No mercado secundário, há a negociação dos e. Ações ordinárias concedem a quem as possui o
títulos existentes, emitidos anteriormente no direito idêntico ao dos debenturista com opção de
mercado, que têm a sua propriedade transferi- conversão.
da entre os participantes.

38 www.grancursosonline.com.br
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS (PARTE 2)
Claudio Zorzo

10. Com relação aos conceitos utilizados no mercado O Banco Central pode atuar diretamente no mercado,
de capitais, julgue os itens que se seguem. comprando e vendendo moeda estrangeira de forma
ocasional e limitada, com o objetivo de conter movi-
I – O mercado primário é onde os investidores mentos desordenados da taxa de câmbio.
lançam seus títulos na Bolsa de Valores.
II – No mercado secundário, há a negociação dos a) Câmbio Fixo/ Flutuante
títulos existentes, emitidos anteriormente no b) Câmbio Manual/sacado
mercado, que têm a sua propriedade transferi- c) Câmbio Primário/secundário
da entre os investidores. d) Posição comprada/vendida
III – O underwriting firme ocorre quando o interme- e) Operação pronta/futura
diador lança os títulos da emitente no mercado f) ACC/ACE
e ele mesmo os adquire, assumindo os risco
de mercado. 11. Uma valorização cambial da moeda brasileira (real)
IV – As sociedades anônimas de capital fechado frente à moeda norte-americana (dólar), implica
não possuem ações. a. importações maiores que as exportações.
V – As debêntures são títulos emitidos pelas Socie- b. diminuição do estoque de dólares no mercado in-
dades Anônimas para captar recursos junto aos terno.
investidores, exigem uma garantia pelo emiten- c. posição de câmbio vendida.
te e terão o prazo máximo de resgate de 5 anos. d. estímulo às exportações brasileiras para os EUA.
e. aumento das cotações das ações das empresas
Estão certos apenas os itens importadoras na bolsa de valores.
a. II, III.
b. I, II, III e V. 12. Em relação ao mercado de câmbio, é correto afir-
c. II, IV e V. mar que
d. III, IV e V. a. é regulamentado e fiscalizado pelo CMN.
e. II, III e IV. b. bancos de desenvolvimento e agências de fomen-
to NÃO podem operar no mercado de câmbio.
c. as pessoas físicas e as jurídicas podem comprar e
Mercado de Câmbio vender moeda estrangeira ou realizar transferên-
cias internacionais em reais somente no mercado
Podem ser autorizados pelo Banco Central a operar no secundário.
mercado de câmbio as seguintes IFs: d. nas operações de compra ou de venda de moeda
a) bancos, exceto de desenvolvimento, e a Caixa Eco- estrangeira de até US$ 10 mil, ou seu equivalente
nômica Federal: todas as operações previstas para o em outras moedas estrangeiras, não é obrigatória
mercado de câmbio; a formalização do contrato de câmbio.
b) bancos de desenvolvimento; sociedades de crédito, e. as corretoras de títulos e valores mobiliários po-
dem realizar todas as operações previstas para o
financiamento e investimento e agências de fomento:
mercado de câmbio.
operações específicas autorizadas pelo Banco Central;
c) sociedades corretoras de títulos e valores mobili-
ários; sociedades distribuidoras de títulos e valores 13. Um contrato de câmbio celebrado entre um banco
mobiliários e sociedades corretoras de câmbio com e um cliente, exportador brasileiro,
a. implica a exigência de o exportador trazer, para o
operações de câmbio com clientes para liquidação
Brasil, os dólares provenientes de suas vendas no
pronta de até US$100 mil ou o seu equivalente em
exterior, diminuindo a reserva interna.
outras moedas; e
b. nunca implica possibilidade de antecipação dos
d) por meio dos vales postais internacionais, a ECT
valores do contrato de exportação.
também pode dar curso a recebimentos ou pagamen-
c. Caracteriza uma operação no câmbio primário.
tos conduzidos sob a sistemática de câmbio simpli-
d. consiste na compra de dólares pela empresa ex-
ficado de exportação ou de importação, observado
portadora.
o limite de US$50 mil, ou seu equivalente em outras
e. Pode gerar uma antecipação tipo ACC, acordada
moedas, por operação.
após o embarque dos produtos.

www.grancursosonline.com.br 39
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS (PARTE 2)
Claudio Zorzo

14. Assinale a opção correta a respeito das operações Em referência ao mercado de câmbio, estão corretas
realizadas no mercado de câmbio brasileiro. as afirmativas
a. As operações de câmbio não podem ser cancela- a. I, II, III, IV e V.
das, mesmo que exista consenso entre as partes, b. I, III e V, apenas.
com exceção das operações de câmbio simplifica- c. II e IV, apenas.
do e interbancárias. d. I, II e III, apenas.
b. Os agentes autorizados a operar no mercado de e. I e II, apenas.
câmbio devem observar as regras e os limites de
valores para as negociações estabelecidas pelo 16. Os bancos de câmbio são instituições não financeiras
Bacen, não sendo necessária a elaboração de especializadas na realização das seguintes operações:
contrato de câmbio em todas as operações. I – compra e venda de moeda estrangeira;
II – transferências de recursos do e para o exterior;
c. Os agentes autorizados a operar no mercado de
III – financiamento de importação e de exportação;
câmbio não podem realizar operações de compra
IV – adiantamento sobre contratos de câmbio;
e de venda de moeda estrangeira com instituição
V – outras operações, inclusive de prestação de
bancária do exterior, em contrapartida aos reais em
serviços, previstas na regulamentação do
espécie recebidos do exterior ou para lá enviados.
mercado de câmbio.
d. Nas operações de compra e venda de moeda es-
trangeira, em qualquer valor, não há necessidade
Estão certas as seguintes assertivas:
de identificação do comprador ou do vendedor,
a. I, II, IV e V.
podendo o contravalor ser pago ou recebido dire- b. I, III e IV.
tamente em espécie. c. II, III, IV E V.
e. As operações ACC e ACE visam antecipar contra- d. I, II, III, e IV.
tos de importação. e. todas as assertivas.

15. Considere as afirmativas abaixo:


I – O Banco Central atua no mercado cambial
visando principalmente o controle das reser-
vas cambiais da economia e a manutenção do
valor da moeda nacional em relação a outras
moedas internacionais.
II – Diversos fatores são determinados para a for-
mação das paridades monetária no mercado
de câmbio, como o nível de reservas mone-
tárias que um país deseja manter e a liquidez
da economia, a taxa da inflação doméstica e a
política de juros.
III – No Brasil, as operações de compra e venda de
moedas estrangeiras constituem um monopó-
lio de governo, pois não podem ser praticadas
livremente, somente podem ser realizadas por
meio das autoridades monetárias.
IV – O mercado sacado se caracteriza pela circula-
ção da moeda física entre operadores e clientes.
V – No mercado de câmbio, o mercado primário
representa a primeira vez que uma instituição
autorizada atua no câmbio, podendo ser por
compra ou venda de moeda estrangeira.

40 www.grancursosonline.com.br
USO DE TECNOLOGIAS E CONFIDENCIALIDADE E SEGURANÇA
Fabrício Melo

Fabrício Melo
Graduado em Sistemas de Informação. Especialista em concursos públicos, professor em diversos cursos
preparatórios de Brasília e São Paulo desde 2005. Com mais de 70 cursos na área de Informática, suas
aulas se destacam pela excelente didática voltada para conhecimentos práticos aplicados às questões
mais recentes de provas de concursos públicos.

USO DE TECNOLOGIAS EM AMBIENTES CORPORATIVOS E


CONFIDENCIALIDADE E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO
1. Determinado funcionário de uma empresa deseja 2. Ao pesquisar sobre cloud storage, um Técnico ve-
substituir cálculos de verificação de rotinas financeiras rificou que há diferentes tipos de armazenamento em
que realiza manualmente pelo uso de uma planilha Excel. nuvem, dependendo de como o storage é feito, dentre
Durante sua primeira experiência, preencheu um os quais estão:
trecho de planilha com diversos valores, como mos-
trado abaixo. I – Voltada para pessoas físicas, essa nuvem é
composta por sites que disponibilizam um
pequeno espaço de armazenamento gratuita-
mente e oferecem planos para expandir a ca-
pacidade. Ideal para quem quer testar o ser-
viço de cloud storage ou possui um pequeno
volume de dados e não necessita de um alto
nível de segurança e desempenho.
II – Dividida entre clientes com negócios em co-
mum, que rateiam os custos de utilização e
manutenção, essa nuvem pode ser hospeda-
Seu objetivo final é que as células da coluna D, corres- da e gerenciada dentro das empresas ou, en-
pondentes às contas correntes, sejam preenchidas com o tão, terceirizada.
III – Esta nuvem é projetada para uso exclusivo
texto SIM, caso os dois saldos da mesma conta corrente
de uma única empresa, nas dependências da
(último mês e mês corrente) sejam simultaneamente
qual todo o hardware (storages e servidores)
superiores a R$ 1.500,00, ou, se isso não for verdade,
fica alocado. A empresa possui controle total
se, pelo menos, um deles for superior a R$ 1.800,00. da implementação das aplicações na nuvem.
Caso nenhuma dessas hipóteses ocorra, a célula corres-
pondente deve ser preenchida com o texto NÃO. Para Os tipos de I, II e III são, correta e respectivamente,
isso, deve iniciar seu processo final de criação da plani- a. FaaS, SaaS e IaaS.
lha, preenchendo a célula D3 com determinada fórmula b. nuvem pública, comunitária e privada.
para depois copiá-la para as células de D4 a D12. c. IaaS, CaaS e SaaS.
A fórmula que faz acontecer o que o funcionário deseja é: d. nuvem gratuita, híbrida e corporativa.
a. =SE(E(B3>1500; C3>1500); (OU(B3>1800; e. IaaS, EaaS e PaaS.
C3>1800)))
b. =SE(E(B3>1500; C3>1500);"SIM"; (OU(B3>1800; 3. Um Analista utiliza um conjunto de aplicativos de
C3>1800))) escritório (Google Docs) que não estão instalados em
c. = S E ( E ( B 3 > 1 5 0 0 ; C 3 > 1 5 0 0 ) ; " S I M " ; seu computador, mas em servidores espalhados em
SE(B3>1800;C3>1800)) pontos diversos da internet. Além de acessar os apli-
d. =SE(E(B3>1500;C3>1500);"SIM";SE(OU(B3>180 cativos, guarda também os documentos produzidos
0;C3>1800);"SIM";"NÃO")) por meio deles nesses servidores, de forma a poder
e. =SE(E(B3>1800;C3>1500);"SIM";SE(OU(B3>180 acessá-los a partir de qualquer computador com aces-
0;C3>1500);"SIM";"NÃO")) so à internet. O Analista utiliza um tipo de computação
em nuvem conhecido como

www.grancursosonline.com.br 41
USO DE TECNOLOGIAS E CONFIDENCIALIDADE E SEGURANÇA
Fabrício Melo

a. Development as a Service. 6. Acerca dos princípios básicos da Segurança da In-


b. Software as a Service. formação, assinale a alternativa CORRETA.
c. Plataform as a Service. a. Autenticidade: garantia de que uma pessoa não
d. Infrastructure as a Service. consiga negar a autoria de uma informação.
e. Communication as a Service. b. Confidencialidade: propriedade de salvaguarda da
exatidão e completeza de ativos.
4. Com relação aos conceitos intranet, Extranet e In- c. Integridade: propriedade de que a informação não
esteja disponível ou revelada a indivíduos, entida-
ternet, analise as assertivas a seguir e assinale a al-
des ou processos não-autorizados.
ternativa que apresenta somente assertivas corretas.
d. Proporcionalidade: classificação de acordo com o
grau de relevância do ativo de informação em rela-
I – Usualmente uma intranet possui um ou mais ção a confidencialidade, a integridade e a disponi-
computadores que são conectados à internet. bilidade, observadas as necessidades do negócio
II – Em uma extranet, são compartilhadas informa- e a legislação em vigor.
ções internas de uma empresa ou organização. e. Não-repúdio ou irretratabilidade: garantia de que
III – Uma intranet usa protocolos da internet. uma pessoa não consiga negar a autoria ou envio
IV – Intranet é uma rede pública como a internet e de uma informação.
extranet.
V – Extranet pode ser parte de uma intranet. 7. Com relação às funções hash seguras e sistemas
criptográficos (criptossistemas), avalie as asserções a
a. I e II. seguir.
b. I, II e V.
c. I, III, e V. I – No criptossistema de chave pública, os dados
d. II, III e V. cifrados têm confidencialidade e, depois de de-
e. II, III e IV. cifrados com sucesso, adiciona-se a integridade.
II – No criptossistema de chave secreta, é possí-
5. Códigos maliciosos (malwares) são programas de- vel obter a autenticação do emissor numa co-
senvolvidos especificamente para executar ações da- municação entre duas partes.
nosas e atividades maliciosas em um computador. A III – Na assinatura digital, o emissor criptografa
apenas o sumário (hash code) com sua chave
respeito desse assunto, assinale a alternativa correta.
privada, mas isso é suficiente para prover au-
a. Vírus é um programa, autossuficiente, capaz de se
tenticidade ao conteúdo.
propagar automaticamente pelas redes, enviando có-
IV – Funções hash seguras como SHA (Secure
pias de si mesmo de computador para computador.
Hash Algorithms) proveem integridade aos da-
b. Worm é um programa de computador, normal,
dos (texto em claro) através do sumário (hash
malicioso, que se propaga inserindo cópias de si
code) associado.
mesmo e se tornando parte de outros programas V – Quando não apresentam vulnerabilidades (co-
e arquivos. lisões), as funções hash seguras são usadas
c. Ransomware é um conjunto de programas e técni- na cifragem segura de dados (texto em claro).
cas que permitem esconder e assegurar a presen-
ça de um invasor ou de outro código malicioso em É CORRETO apenas o que se afirma em:
um computador comprometido. a. II, III e IV.
d. Bot é um programa que dispõe de mecanismos de b. I, III e V.
comunicação com o invasor que permitem que ele c. IV e V.
seja controlado remotamente. d. I, IV e V.
e. Rootkit é um programa que informa, por meio de e. I e II.
mensagem, que o usuário está impossibilitado de
acessar arquivos de determinado equipamento 8. O Microsoft Access é um aplicativo utilizado para
porque tais arquivos foram criptografados e so- criar e manipular Banco de Dados. Os dados podem
mente poderão ser recuperados mediante paga- ser cadastros de clientes, de materiais em estoque, de
mento de resgate. fornecedores, e podem ser compartilhados entre ca-
dastros, o que facilita a manipulação.

42 www.grancursosonline.com.br
USO DE TECNOLOGIAS E CONFIDENCIALIDADE E SEGURANÇA
Fabrício Melo

Ainda sobre o Microsoft Access, analise as afirmativas d. Controlar Alterações, cuja finalidade é controlar as
abaixo: alterações feitas no documento, incluindo inser-
ções, exclusões e alterações de formatação.
I – A criação de um Banco de Dados tem início a e. Marcar Citação, cuja finalidade é adicionar o texto
partir de tabelas. selecionado como uma entrada no índice de auto-
II – O Banco de Dados é composto por arquivos, ridades.
registros, campos e os próprios dados.
III – Os dados nas Tabelas são organizados em li- 11. O usuário João saiu de férias e configurou uma
nhas, ou seja, em campos e em Colunas, ou resposta de ausência temporária, um recurso bastante
seja, em Registros. comum. No Microsoft Outlook 2013, em sua configura-
IV – Existem dois modos de trabalho nas Tabelas:
ção padrão, esse recurso é encontrado na guia Arqui-
Folha de Dados e Design.
vo, opção Informações, ícone “Respostas Automáticas
V – No modo Relatório, o usuário pode desenvol-
ver o layout de impressão, dando a aparência (Ausência Temporária)”. No serviço de webmail Gmail,
que desejar e, ainda, pode criar Etiquetas de esse recurso é encontrado nas configurações, opção
Endereçamento. “Resposta automática de férias:”.
Considerando que Maria envia uma mensagem de cor-
Está INCORRETO o que se afirma, apenas, em reio eletrônico para João, que está com o serviço de
a. I, IV e V. ausência temporária ativo e dentro do período de datas
b. III. válido, é correto afirmar que
c. I e II. a. João não recebe a mensagem em sua caixa de
d. II, III e IV. entrada, e Maria recebe uma mensagem de res-
e. I e IV. posta automática que foi configurada por João.
b. João recebe a mensagem em sua caixa de entra-
9. O site de buscas Google (www.google.com.br) per- da, e Maria não recebe nenhuma mensagem de
mite usar símbolos ou palavras na pesquisa para tornar resposta automática que foi configurada por João.
os resultados mais precisos. Quais afirmações abaixo c. Maria não consegue enviar a mensagem, uma vez
referem-se a refinamentos de busca do Google? que o correio eletrônico de João está bloqueado.
d. João recebe a mensagem em sua caixa de entra-
I – Combinar pesquisas: Coloque "OR" entre da e deve acessar seu email pessoal para enviar a
cada consulta de pesquisa. resposta automática a Maria.
II – Pesquisar um site específico: Coloque "site:" e. João recebe a mensagem em sua caixa de entra-
antes de um site ou domínio. da, e Maria recebe uma mensagem de resposta
III – Pesquisar em e-mails: Coloque "@" antes de uma automática que foi configurada por João.
palavra para pesquisar em domínios de e-mails
12. De acordo com o conceito definido no PowerPoint
a. Apenas I e II. Microsoft Office, o slide principal em, uma hierarquia
b. Apenas II e III. de slides que armazena informações sobre o tema e
c. Apenas I e III. os layouts de slide de uma apresentação, incluindo o
d. I, II e III.
plano de fundo, a cor, as fontes, os efeitos, os tama-
nhos dos espaços reservados e o posicionamento, é
10. No Microsoft Word versão 2016, a guia Referên-
denominado:
cias oferece por padrão, o comando
a. Slide Mestre.
b. Slide Modelo.
a. Visualizar Resultados, cuja finalidade é substituir
c. Slide Mãe.
os campos de mesclagem do documento pelos
d. Slide Principal.
dados reais da lista de destinatários.

e. Slide Ativo.
b. Definir Idioma, cuja finalidade é definir o idioma
usado para verificar a ortografia e a gramática do
texto selecionado.
c. Linhas de Grade, cuja finalidade é ativar linhas de
grade para servir como referência no alinhamento
dos objetos do documento.


www.grancursosonline.com.br 43
GABARITOS

GABARITOS

RACIOCÍNIO LÓGICO E MATEMÁTICO INOVAÇÃO

1. a 1. b
2. a 2. c
3. d 3. e
4. c 4. d
5. e 5. c
6. a 6. e
7. d 7. d
8. a 8. e
9. c 9. a
10. b
11. b
QUALIDADE NO ATENDIMENTO E DIVERSIDADE 12. d
13. a
1. e 14. a
2. b 15. d
3. c 16. d
4. b 17. b
18. c
CONHECIMENTOS BANCÁRIOS – PARTE 1 19. e

1. a CONHECIMENTOS BANCÁRIOS – PARTE 2


2. a 1. e
3. b 2. d
4. e 3. d
5. c 4. e
6. c 5. d
7. d 6. e
8. a 7. e
9. e 8. e
10. c 9. b
11. e 10. a
12. d 11. e
13. a 12. d
14. c 13. c
15. d 14. b
16. c 15. e
17. d 16. e
18. c

44 www.grancursosonline.com.br
GABARITOS

USO DE TECNOLOGIAS EM AMBIENTES


CORPORATIVOS E CONFIDENCIALIDADE E
SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

1. d
2. b
3. b
4. d
5. d
6. e
7. a
8. b
9. a
10. e
11. e
12. a

www.grancursosonline.com.br 45
GABARITOS

46 www.grancursosonline.com.br

Related Interests