Mais uma vez a expulsão das adolescentes grávidas: eufemismos, silêncios, partidos, intelectuais, organizações de mulheres.

A iníqua medida a que urge pôr cobro

1. Há alguns anos, quando se tomou conhecimento da medida, nebulosa medida, diga-se, de expulsão de adolescentes grávidas dos estabelecimentos de ensino secundário – eufemisticamente tratada como «medida de suspensão temporária» pelos responsáveis e alguns de seus seguidores - , tivemos a oportunidade de a considerar como a mais grave tomada no quadro do Estado de direito instituído em Cabo Verde. Ela tocava o cerne da democracia constitucional, o seu fundamento primeiro e irredutível : a afirmação da dignidade da pessoa humana. Na ocasião, dizíamos, sem qualquer ideia de simbólica hiperbolização, que a medida, nebulosíssima, insista-se – já que se mostra(?) numa roupagem jurídica quase clandestina e em jeito de instrumento repressivo camaleónico - , se revelava, desse ponto de vista de sintonia com os valores e regras do Estado constitucional, mais grave do que, por exemplo, a , então, muito discutida questão da conformidade constitucional da lei que aprovava aumentos de impostos sem uma maioria qualificada. Agora que, mais uma vez, tomamos nota de mais um caso acontecido no Paul (tornase claro e público, assim, que a medida continua a ser aplicada impunemente no país), reiteramos o nosso sentimento de choque. Não temos dúvidas de que ele representa um ataque muito mais raso e fundo aos princípios do nosso Estado (constitucional) de direito do que uma eventual ilegalidade ou inconstitucionalidade da chamada taxa rodoviária, objecto – significativo - de uma vigorosa campanha de contestação por parte de segmentos importantes da sociedade cabo-verdiana.

2. Desde logo, porque a medida se revela brutal na sua desumanidade e surpreendente na sua expressão de recuo civilizacional e cultural. Depois, porque ela é adoptada de forma intencionada e perversamente sinuosa e plástica – quase ninguém sabe do que se trata: uma circular intena? Uma directiva ministerial? Um despacho normativo castiçamente verbal? -, que condiciona ou dificulta (mas não impede, naturalmente) uma sua concreta percepção para efeitos de sindicância jurisdicional (mormente em sede constitucional). Pergunta-se: por que não asumiu o Governo a intenção normativa através de decreto-lei, ou o Parlamento através de lei? Enfim, porque ela traduz inequivocamente, para lá de toda a argumentação de raiz sociológica ou sociologista, psico-sociológica, moralista ou ética outra, sem esquecer as bizarrias discursivas que, desde então, e ciclicamente, vêm surgindo em certas vozes e imprensa (a mais curiosa e cínica – de um lúcido e inigualável cinismo – é a de que, com a medida adoptada... diminuiram os casos de grávidas nos liceus); para lá da argumentação, toda ela marcada por uma perigosa ideia de sumbmissão de valores, regras, princípios constitucionais a critérios de (duvidosa) eficácia, ela surge como uma crassa preterição de normas e princípios (válidos, a qualquer título de legitimação, procedimental, formal e material) da Constituição. A verdade é que, acima de tudo, o direito à liberdade de aprender (de educar e de ensinar) é direito fundamental e na veste de «direitos, liberdades e garantias individuais». Trata-se, pois, de direito fundamental insusceptível sequer de constituir objecto de chamadas leis restritivas de direitos. 3. Ora bem, o nosso choque tem a ver também com a circunstância de poucas vozes se terem pronunciado contra medida tão bárbara quanto ilegal e, sim!, imoral. Com o risco de sermos injustos por omissão, lembramo-nos de posições públicas enérgicas da Ordem dos Advogados, da Ordem dos Médicos, da AZM, de Jose Tomás Veiga, de Casimiro de Pina, de José António dos Reis(??) e, se não estamos em erro, também da Associação de Mulheres Juristas e de alguns profissionais ligados à educação. Nenhum sinal vindo do Presidente da República ou da PGR; posições no mínimo dúbias de parte de algumas instâncias, públicas e privadas, ligadas aos «direitos humanos»; silêncio total do PAICV e, mais significativo, de intelectuais a ele ligados,

sendo certo que o partido se reclama de «esquerda democrática e moderna» e do «socialismo reformista» [é impossível acreditar que todos estejam de acordo com a medida!]; posições fracas, às vezes parecendo tímidas ou receosas do MPD institucional. Nos media, e, sobretudo, por parte dos jornalistas, com algumas excepções, uma postura dominante de seguidismo acrítico e, amiúde, de impressionante exercício de ausência de referências valorativas democráticas, humanistas ou mesmo culturais. Da generalidade dos intelectuais cabo-verdianos, com honrosas excepções também, mais uma cómoda e alarmante indiferença (será congénita, quando estão em causa preocupações atinentes à liberdade, como já uma vez a considerámos, correndo o risco de sermos, por isso, «crucificados»?!). Na absoluta clandestinidade, ficam as organizações de mulheres. 4. Desta vez, isto é, com este caso do Paul, vá lá que surgiram vozes denunciantes, iniciativas bloguistas, entrevistas, petições, depoimentos e comentários em jornais on line, um movimento de protesto em curso, bem que, por vezes, numa forma pudica, quase receosa, enfim, alguma dose de indignação que dá igualmente algum sinal de esperança de que afinal a democracia e o Estado de direito estão vivos e são irreversíveis entre nós. Mas continuam persistentes silêncios e omissões preocupantes, estranhando-se que até agora não se tenha pronunciado a Ordem dos Advogados de Cabo Verde, organismo que tem particulares responsbilidades neste domínio da defesa do Estado de direito e das liberdades fundamentais e que estaria bem posicionado para desencadear iniciativas tendentes a pôr cobro, de vez, a esta medida iníqua e que mancha o país e sua democracia, ao menos na representação que, deles, têm tido muitos de seus amigos e admiradores. 5. Atrevemo-nos, quiçá com alguma dose de ingénuo idealismo, a fazer um directo apelo ao Dr. JMN e às suas convicções democráticas: por favor, ponha fim de vez a isto, a esta ignomínia que se abate sobre nós, país, sociedade, cultura e estilo de vida colectiva e individual que, estamos disto seguros, escolhemos todos em definitivo.

Jorge Carlos Fonseca