Gastronomia de Trás-Os-Montes

Camané Ricardo

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

1

Gastronomia de Trás-Os-Montes

Camané Ricardo

Come pouco e bebe pouco, dormirás como louco

Receitas ditas pelo bom povo Trasmontano

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

2

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Sopas
Água de Unto (Alto do Barroso) Caldo de Cebola Rancho Sopa de Alheiras (Miorandela)

Camané Ricardo

Do Porco e da Qualidade da sua Carne
Bexiga com Grelos Bucho Carne de Porco Estufada com Castanhas Feijoada à Transmontana Feijoada do Alto Barroso Leitão Assado à Transmontana

Açordas e Migas
Migas de Caldeirada de Bacalhau Migas Ripadas

Peixes
Bacalhau Assado com Pão de Centeio Trutas do Rio Cávado

Arroz e Milhos
Arroz de Afogado

Aves e Caça
Coelho à Transmontana Fricassé de Pato com Canela Perdiz com Cogumelos Perdiz com Molho Vilão Peru Assado no Forno

Legumes
Caldeirada de Feijão Frade (Torre de Moncorvo)

Bolos e Doces
Bola Mirandesa Chila no Forno Migas Doces Papos-de-Anjo de Mirandela Queijadas de Murça Queijadinhas de Abóbora ou Calondro Rosquilhas (Torre de Moncorvo) Toucinho-do-Céu de Murça

Carnes
Arroz de Forno Cabrito Assado no Espeto e Recheado Cozido à Portuguesa Vitela Assada no Espeto

Bolas e Folares
Bola de Bacalhau Folar de Valpaços

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

3

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Água de Unto ALTO BARROSO Ingredientes: Para 4 pessoas
  

Camané Ricardo

1 talhadinha de unto (cerca de 50 g) ; fatias de pão de centeio (cerca de 200 g) ; água e sal

Confecção: Corta-se a talhadinha de unto e rija-se (derrete-se) numa frigideira. Tem-se ao lume uma panela com água a ferver, dentro da qual se deita o unto derretido. Tempera-se com sal. Têm-se as malgas preparadas com o pão de centeio cortado em fatias e enchem-se com o caldo. Também se podem escalfar ovos na água do unto a ferver. Nesse caso, escalfa-se 1 ovo por pessoa e põe-se sobre o pão antes de se deitar o caldo na malga. Unto é a gordura que se encontra entre o soventre e o peritoneu. Em Trás-os-Montes, esta gordura é amassada, enrolada e moldada em bola ; esta bola é envolvida na pele de unto (tiés) e depois de atada é pendurada no fumeiro. O soventre é o mesmo que entremeada [carne gorda da barriga que serve para fazer rojões e que se encontra agarrada à pele (couro ou couracho) e do outro lado do unto]. Esta sopa é usada nesta zona como pequeno almoço dos que no Inverno se ocupam quer da lavoura quer do pastoreio.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

4

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Caldo de Cebola Ingredientes: Para 4 pessoas
   

Camané Ricardo

500 g de batatas brancas ; 2 cebolas grandes ; 2 colheres de sopa de azeite ; 50 g de chouriço ou de salpicão

Confecção: Descascam-se e cozem-se as batatas em 2 litros de água com o azeite e o chouriço ou o salpicão. O enchido é facultativo. No caso de não se juntar o enchido, tempera-se com sal. Passam-se as batatas pelo passador e adiciona-se a cebola cortada aos quartos. Deixase cozer, rectifica-se o tempero e pode servir-se com uma rodela de chouriço ou de salpicão em cada prato.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

5

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Rancho Ingredientes: Para 6 pessoas
           

Camané Ricardo

250 g de massa cortada ou de meada ; 500 g de grão (cerca de 7,5 dl) ; 1 kg de batatas ; 500 g de vitela de cozer ; 1 linguiça (chouriço de carne) ; 200 g de presunto ; 1,5 dl de azeite ; 1 cebola ; colorau ; malagueta ; hortelã ; sal

Confecção: Põe-se o grão de molho na véspera. Descascam-se as batatas e cortam-se 2 ou 3 em cubos. As restantes cozem inteiras com os ingredientes citados, com excepção da cebola e dos temperos. Entretanto, pica-se a cebola e aloura-se com o azeite. Quando todos os ingredientes estiverem cozidos, retiram-se as batatas inteiras, esmagam-se e voltam a introduzir-se na panela. Deita-se também na panela o refogado a ferver. Tempera-se com sal, colorau e malagueta. Retiram-se as carnes, cortam-se em bocadinhos e deitam-se outra vez na panela. Rectifica-se o tempero e junta-se a hortelã, ou cada um deita no seu prato um raminho. Esta sopa é usada como prato único nos dias de neve e de muito frio.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

6

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Sopa de Alheiras MIRANDELA Ingredientes: Para 6 a 8 pessoas
       

Camané Ricardo

1 Kg de pão de trigo caseiro ; 1 kg de galinha ; 500 g de entrecosto (costelas) ; 250 g de ossos da suã (espinhaço de porco) ; 250 g de salpicão ; 250 g de presunto ; sal ; 1 malagueta picante. Pode ainda levar pato, perdiz ou peru

Confecção: Põem-se as carnes e os ossos a cozer em água abundante, temperada com sal. As carnes devem cozer sem se desfazerem. Retira-se um pouco do caldo de cozer as carnes e leva-se este caldo ao lume a cozer com a malagueta. Depois de ferver um pouco, retira-se a malagueta e junta-se esta ás carnes, com as quais deve ferver também um pouco. Corta-se o pão em fatias finas para uma terrina e rega-se com o caldo em que a malagueta cozer previamente coado. O pão deve ficar húmido (o caldo não deve escorrer). Desossam-se as carnes, à excepção do entrecosto, e espalham-se sobre as sopas de pão. Corta-se o entrecosto, separando-o pelos ossos, o salpicão em rodelas e o presunto em fatias. Dispõem-se as carnes sobre as sopas e servem-se bem quentes.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

7

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Migas de Caldeirada de Bacalhau Ingredientes: Para 4 pessoas
        

Camané Ricardo

250 g de pão de centeio ; 250 g de pão de trigo de 1ª e compacto ; 250 g de bacalhau de lombo ; 500 g de batatas ; 2 dentes de alho ; 1 dl de azeite ; 1 ramo de salsa ; 1 colher de chá de colorau doce ;meia colher de café de piri-piri sal

Confecção: Deitam-se num tacho 2,5 litros de água, à qual se junta o bacalhau demolhado sem peles e sem espinhas e partido em bocadinhos, e as batatas descascadas e cortadas em quadradinhos. Enfiam-se os dentes de alho numa linha e introduzem-se no tacho, assim como o ramo de salsa atado. Tempera-se com o colorau e o piri-piri e deixa-se cozer. Assim que os dentes de alho estiverem cozidos retiram-se, o mesmo acontecendo à salsa. Quando todos os ingredientes estiverem cozidos, retiram-se do lume e junta-se o pão cortado em fatias finas. Rega-se com o azeite (cru). Envolve-se tudo e embrulha-se o recipiente. Se se verificar que a água não foi absorvida, escorre-se e adiciona-se um pouco mais de azeite. O azeite tem que ser de muito boa qualidade pois o seu paladar é essencial neste prato.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

8

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Migas Ripadas Ingredientes: Para 4 pessoas
   

Camané Ricardo

500 g de pão (de centeio de preferência) ; 2 dl de azeite ; 4 dentes de alho ; 4 ovos

Confecção: Corta-se o pão em fatias grossas, que se distribuem por 4 tigelas. Leva-se ao lume 1,5 litros de água com 2 dentes de alho, metade da porção do azeite e sal e deixa-se ferver. Deita-se sobre as fatias de pão, que se tapam e se conservam próximo do calor. Entretanto, estrelam-se os ovos no restante azeite. Coloca-se um ovo em cada tigela, e no azeite que serviu para estrelar os ovos alouram-se os 2 dentes de alho que ficaram. Retiram-se os alhos e deita-se este azeite a ferver sobre os ovos. Serve-se bem quente.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

9

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Bacalhau Assado com Pão de Centeio ALTO BARROSO Ingredientes: Para 4 pessoas
    

Camané Ricardo

4 postas de bacalhau ; 2 dentes de alho ; 4 fatias de pão de centeio ; 3,5 dl de azeite (aprox.) ; 800 g de batatas

Confecção: Demolha-se o bacalhau muito bem. Depois escorre-se e coloca-se num recipiente que possa ir à mesa e ao forno (geralmente assadeira de barro). Pica-se os dentes de alho e espalham-se sobre o bacalhau. Tempera-se com pimenta e rega-se abundantemente com o azeite. Esfarela-se uma fatia de pão sobre cada posta de bacalhau e leva-se a forno bem quente durante 20 m. Durante a assadura deve regar-se o bacalhau várias vezes com o azeite. Acompanha com batatas cozidas com a pele e inteiras, se forem pequenas; se as batatas forem grandes, faz-se-lhes uma racha (golpe). Trutas do Rio Cávado ALTO BARROSO Ingredientes: Para 4 pessoas
   

8 trutas pequenas ou 4 trutas grandes ; 4 fatias finas de presunto magro ; 4 fatias de toucinho ; sal

Confecção: Amanham-se as trutas e temperam-se com sal. Na barriga de cada truta introduz-se uma fatia fina de presunto, enrolada. Derrete-se o toucinho cortado em bocadinhos e depois fritam-se as trutas na gordura obtida. Servem-se as trutas com batatas cozidas, regando tudo com a gordura e o toucinho de as fritar. Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

10

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Coelho à Transmontana MACEDO DE CAVALEIROS Ingredientes: Para 4 a 6 pessoas
       

Camané Ricardo

1 coelho ; 3 cebolas médias ; 1 ramo grande de salsa ; 1,5 dl de azeite ; 1 colher de sopa de banha ; 3 dl de vinho branco (aprox.) ; sal ; pimenta

Confecção: Depois de preparado, corta-se o coelho em bocados. Picam-se finamente as cebolas e a salsa. Num tacho colocam-se em camadas alternadas os bocados de coelho, cebola e salsa. Depois de esgotados estes elementos, tempera-se com sal e pimenta e rega-se com o azeite. Adiciona-se a banha e cobre-se com o vinho branco. Tapa-se o tacho hermeticamente e leva-se a cozer em lume brando, agitando o tacho de vez em quando para evitar que se pegue. Rectifica-se o paladar e serve-se com batatas cozidas.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

11

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Fricassé de Pato com Canela RIBEIRA DE PENA Ingredientes: Para 4 pessoas
          

Camané Ricardo

1 pato ; 2 colheres de sopa de manteiga ; 1 cebola ; 1 colher de sopa de azeite ; 3 gemas de ovos ; 2 limões pequenos ; salsa ; meia colher de café de canela ; sal ; pimenta ; folhas de couve

Confecção: Corta-se o pato em bocados e tempera-se com sal e o sumo de 1 limão. Passado algum tempo, colocam-se os bocados os pato num tabuleiro e untam-se com manteiga. Cobre-se o tabuleiro com papel vegetal ou folhas de couve e leva-se o pato a assar no forno. À parte, num tacho, faz-se um refogado com a cebola picada e o azeite. Quando a cebola começar a alourar, rega-se com um pouco de água e deixa-se ferver para apurar. Introduz-se o pato no tacho, assim como o molho que resultou da assadura, e deixa-se ferver durante mais 15 minutos. Entretanto, prepara-se o fricassé. Deitam-se as gemas numa tigela e dissolvem-se com um pouco do molho do pato e o sumo de limão, adicionando em seguida a salsa picada, a canela e bastante pimenta. Junta-se este preparado ao que está no tacho e, com o lume muito brando, deixam-se cozer as gemas. Acompanha com arroz de manteiga.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

12

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Perdiz com Cogumelos Ingredientes: Para 4 pessoas
      

Camané Ricardo

2 perdizes ; 1 dl de azeite ; 100 g de presunto ; 1 cebola média ; 1 kg de cogumelos silvestres (pinheiras ou cardielos) ; 3 ou 4 carcaças (200 g) ; sal e pimenta

Confecção: Depois de arranjadas, cortam-se as perdizes em bocados, que se alouram no azeite juntamente com o presunto cortado em pedaços. Entretanto, pica-se a cebola finamente e junta-se ás perdizes logo que estas estejam louras. Mexe-se, deixa-se alourar a cebola e adicionam-se os cogumelos cortados em bocados. Tempera-se com sal e pimenta, reduz-se o lume e, com o tacho tapado, deixase apurar em lume brando. Tem-se o pão cortado em fatias numa travessa e deitam-se-lhe por cima as perdizes e os cogumelos. Há quem prefira cozinhar estas perdizes inteiras. Uma perdiz grande, partida em bocados e cozinhada deste modo, pode dar para 3 pessoas.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

13

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Peru Assado no Forno VALPAÇOS Ingredientes: Para 10 pessoas
              

Camané Ricardo

1 peru ; 1 kg de sal ; 1 ou dois limões ; Para o recheio: 250 g de pão de trigo ; 3 ovos ; 100 g de presunto entremeado ; 1 colher de sopa de manteiga ou de banha ; sal e pimenta ; Para o arroz: 1 kg de arroz ; asas, patas, pescoço e miudezas do peru ; 1 cebola ; 3 colheres de sopa de azeite ; sal e pimenta

Confecção: Depois do peru arranjado e bem limpo, cortam-se as asas, as patas e o pescoço. Introduzem-se as patas na barriga e coloca-se o peru num alguidar coberto com água fria, o sal (1kg) e os limões ás rodelas. Deixa-se ficar assim de um dia para o outro. No dia seguinte, escorre-se e enxuga-se com um pano de modo a ficar bem enxuto. Com a mão com sal passa-se por todo o peru. À parte, para uma tigela, parte-se o pão em bocados, que se envolvem nos ovos inteiros. Junta-se o presunto cortado em pedacinhos e a manteiga (ou banha). Enche-se o peito do peru com este preparado, calcando para que fique bem cheio, e cose-se a abertura com agulha e linha. Prepara-se então a calda para o arroz: cozem-se em água as asas, o pescoço, as patas e os miúdos do peru. Tempera-se com sal. Escolhe-se, lava-se e mede-se o arroz. Pica-se a cebola e aloura-se com o azeite. Rega-se com a calda de cozer os miúdos (uma vez e meia o o volume do arroz) e deixa-se levantar fervura. Introduz-se o arroz, deixa-se ferver um pouco e deita-se num tacho de barro baixo, sobre o qual se coloca uma rede onde o peru irá assar durante 1.30 h. Claro que este processo se refere à cozedura em forno de lenha. Num forno eléctrico ou de gás, cuja altura não é suficiente para o conjunto do tacho e peru, assa-se o peru, juntando depois ao arroz o molho que dele vai escorrendo enquanto se assa. Neste caso, o tempo de assadura será de duas horas. Por estranho que pareça, este peru não é barrado com qualquer gordura antes de ser introduzido no forno. São condições essenciais para que fique suculento: estar bem seco quando é introduzido no forno, nunca ser regado com qualquer líquido ou gordura durante toda a assadura e cozinhar apenas o tempo necessário para que a carne fique cozida mas não seca. Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

14

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Arroz de Forno Lamego Ingredientes: Para 10 pessoas
         

Camané Ricardo

1 kg de arroz 1 linguiça (chouriço de carne) 500 g de carne de vaca ou de vitela 1 pedaço de presunto com gordura (cerca de 400 g) 1 salpicão 1 frango ou 1/2 galinha açafrão 1 limão 1 colher de sopa de azeite 1 cebola

Confecção: Cozem-se todas as carnes em água abundante. Quando estiverem bem cozidas, é sinal de que a calda está apurada. Côa-se. Lava-se o arroz e depois de bem escorrido mede-se e deita-se no alguidar de barro do arroz; junta-se a cebola cortada às rodelas e rega-se com o azeite e o sumo de limão. À parte desfaz-se o açafrão num pouco de calda de cozer as carnes. Mede-se a calda (duas vezes o volume do arroz), junta-se-lhe a calda de açafrão previamente coado.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

15

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Cabrito Assado no Espeto e Recheado Ingredientes: Para 8 pessoas
                

Camané Ricardo

1 cabrito ; 100 g de alho ; 1 colher de sopa de pimenta em pó ; 100 g de sal ; 20 g de colorau ; 4 folhas de louro ; 5 dl de vinho branco ; 1 ramo de salsa ; 2 cravinhos ; 500 g de batatas ; 250 g de azeitonas com caroço ; 250 g de chouriço ; 200 g de salpicão ; 200 g de presunto entremeado ; 2 colheres de chá de pimenta ; 2 colheres de sopa de banha ; 2,5 dl de azeite

Confecção: Faz-se uma papa com o alho esmagado, o sal, a colher de sopa de pimenta, o colorau e o louro. Com este preparado esfrega-se o cabrito que, entretanto, se preparou. Rega-se com o vinho branco e deixa-se marinar durante 12 horas. Prepara-se o recheio da seguinte forma: cortam-se as batatas em pequenos cubos, juntam-se as azeitonas, o chouriço ás rodelas e o salpicão, o presunto aos cubos, a salsa, as 2 colheres de chá de pimenta, o cravinho e a banha. Misturam-se bem todos os ingredientes e com este preparado recheia-se o cabrito e cose-se a barriga com agulha e linha. Coloca-se o cabrito no espeto e vai a assar lentamente, tendo o cuidado de o ir molhando com o azeite. Serve-se com o próprio recheio, que se coloca à volta do cabrito que entretanto fio trinchado. Este prato é indispensável, em Trás-os-Montes, em todo os almoços de casamento e no Domingo de Páscoa.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

16

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Cozido à Portuguesa Ingredientes: Para 8 pessoas
        

Camané Ricardo

1 frango ou meia galinha ; 1 salpicão ; 1 chouriça de carne ; 1 chouriço de sangue ; 400 g de costelas (entrecosto) ; 4 a 5 ossos de suã (espinhaço) ; 1 orelheira e beiça (focinho) ; 1 couve lombarda ; 1 couve portuguesa ;

          

5 cenouras ; 3 nabos ; 5 a 6 batatas ; 8 rabas (facultativo) ; Para o arroz: 750 g de arroz ; 1 cebola ; 2 dentes de alho ; 3 colheres de sopa de azeite ; sal ; pimenta

Confecção: Espetam-se uns palitos de madeira nos chouriços (de sangue e de carne) e cozem-se em água simples. Numa panela com água põem-se a cozer os ossos de suã, depois de bem lavados. Estando os ossos um pouco cozidos, introduzem-se na panela o entrecosto e o frango (ou a meia galinha), a orelheira e beiça e o salpicão. Estas carnes retiram-se à medida que vão cozendo. Em seguida introduzem-se os legumes arranjados e descascados na água de cozer as carnes e deixam-se cozer. Entretanto, começa a prepara-se o arroz: pica-se a cebola e aloura-se ligeiramente no azeite, juntamente com os dentes de alho apenas esborrachados. Os alhos retiram-se mal comecem a alourar. Deita-se o arroz no refogado depois de bem lavado e escorrido e deixa-se fritar, sem corar, até absorver a gordura. Tempera-se com sal e pimenta. Regase com o caldo onde cozeram as carnes e os legumes. O caldo deve ter o dobro do volume do arroz. Deixa-se levantar fervura e mete-se no forno, devendo ficar bem seco. Para servir, cortam-se as carnes, aquecem-se no caldo e colocam-se numa travessa juntamente com os legumes. O arroz é servido à parte, decorando-se a superfície com os enchidos e eventualmente rodelas de cenoura. Em Trás-os-Montes o cozido é, como a feijoada, um prato de carnaval. Como a maior parte das pessoas «mata» antes do Natal e guarda no fumeiro a orelheira e o focinho (beiça), para o cozido do Carnaval é necessário pô-los de molho de véspera. O entrecosto e os ossos da suã serão salgados, pelo que deverão ser bem lavados antes de serem cozidos. No Verão a couve é substituída por molhinhos de feijão verde. Raba é uma raiz que se usa nalgumas zonas de Trás-os-Montes. Tem a forma de uma cenoura, podendo ser muito mais grossa do que esta, mas com uma cor brancoamarelada. O sabor lembra ao mesmo tempo o do nabo e da cenoura.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

17

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Vitela Assada no Espeto Posta -Bragança Ingredientes: Para 5 a 6 pessoas
    

Camané Ricardo

1 kg de lombinho de vitela (coelho) 150 g de presunto sal grosso 2 colheres de sopa de azeite 1/2 cebola

Confecção: Corta-se o presunto em tiras grossas e ladrilha-se (lardeia-se) com elas a carne. Em seguida, esfrega-se o lombo de vitela com sal grosso e deixa-se ficar um bocado «a tomar de sal». Na altura de assar a vitela, limpa-se o sal com a mão, enfia-se a carne no espeto e levase a assar no lume de brasas (na falta de lareira assa-se no espeto de fogão a gás ou eléctrico). A carne deverá ser virada constantemente. Logo que a carne esteja assada, retira-se do calor, para evitar que seque, e introduz-se imediatamente numa panela. Rega-se com o azeite e espalha-se por cima cebola cortada em rodelas finíssimas. Abafa-se. Na altura de servir, corta-se em fatias, que se dispõem numa travessa. Ao partir, a vitela deverá largar muito suco, com o qual é regada. Sobre as fatias de carne espalham-se as rodelas de cebola crua que lhe transmitem um sabor muito especial. *Na falta do lombinho (coelho), este prato cozinha-se com chã ou rabada.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

18

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Bola de Bacalhau LAMEGO Ingredientes:
       

Camané Ricardo

500 g de farinha ; 5 g de fermento de padeiro ; 1 colher de chá de sal ; 100 g de margarina ; 3 cebolas grandes ; 5 dl de azeite ; 2 boas postas de bacalhau ; azeite para untar

Confecção: Peneira-se a farinha para um alguidar, junta-se o fermento de padeiro desfeito num pouco de água morna, onde se diluiu o sal, e trabalha-se tudo de modo a obter uma massa dura. Adiciona-se depois a margarina amolecida, a pouco e pouco, e amassando. Quando a massa se desprender das mãos e do alguidar e fizer bolhas, está pronta. Polvilha-se com um pouco de farinha, tapa-se com um pano e embrulha-se num cobertor. Põe-se a levedar em local temperado durante cerca de 1 hora ou até a massa dobrar de volume. Entretanto, picam-se muito grosseiramente as cebolas e deitam-se num tacho com o azeite. Juntam-se as postas de postas de bacalhau demolhado, sem peles e sem espinhas e feitas em lascas. Deixam-se cozer até o bacalhau estar macio. Quando a massa estiver levedada, retiram-se cerca de dois terços da porção e põe-se esta massa num tabuleiro untado com azeite. Este tabuleiro deverá medir cerca de 40 cm x 30 cm. Molham-se as mãos em azeite e começa-se a esticar a massa de modo a cobrir o fundo e as paredes do tabuleiro. Dispõe-se por cima o recheio de bacalhau e cebolas e cobre-se com a restante massa esticada. Puxam-se os lados da massa sobre a parte de cima e dobram-se as pontas unindo a massa para não deixar escapar o recheio. Unta-se toda a superfície da bola com mais azeite e leva-se a cozer em forno bem quente. Esta bola deve ficar muito baixa, não devendo atingir mais do que 3 cm de altura.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

19

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Folar de Valpaços Ingredientes:
  

Camané Ricardo

1 kg de farinha ; 12 ovos mais uma gema ; 350 g de gordura (150 g de manteiga, 150 g de banha, 50 g de azeite) ;

     

30 g de fermento de padeiro ; 1 frango pequeno corado ; 1 salpicão pequeno ; 200 g de presunto ; 1 chouriço de carne (linguiça) ; salsa

Confecção: Peneira-se a farinha com um pouco de sal fino para um alguidar e faz-se uma cova no meio. Desfaz-se o fermento de padeiro em 0,5 dl de água tépida, deita-se na cova da farinha e vai-se envolvendo nela. Colocam-se os ovos inteiros com a casca numa tigela e cobrem-se com água morna (não quente). Alguns minutos depois, abrem-se para dentro da farinha (sempre ao centro) e vai-se fazendo absorver a farinha trabalhando-a a partir do centro. Juntam-se as gorduras e põem-se a derreter sobre lume brando. Juntam-se à massa e trabalha-se tudo adicionando a quantidade de água necessária para se obter uma massa fina. Em seguida, bate-se a massa com as duas mãos até esta se desprender completamente do alguidar. A massa considera-se bem batida quando à superfície aparecerem umas bolhas. Nesta altura polvilha-se a massa com um pouco de farinha, cobre-se com um pano e envolve-se o alguidar com um cobertor. Coloca-se num local tépido e onde possa receber mesmo uma certa quantidade de calor, mas indirectamente. Nestas circunstâncias, a massa leva mais ou menos 2 horas a levedar. A massa está levedada quando atingir o dobro do volume e quando ao abrir apresentar um aspecto rendado. Tem-se um tabuleiro rectangular, cujos bordos não devem exceder 8 cm de altura, muito bem untado com banha. Cortam-se o chouriço e o salpicão ás rodelas, o presunto ás tiras e desossa-se o frango limpando-o de peles e ossos e desfazendo-o em febras. Divide-se a massa em três partes, devendo uma delas ser um pouco maior. Estende-se esta parte maior e forram-se com ela o fundo e os lados do tabuleiro. Espalha-se por cima metade da porção das carnes e salsa e cobre-se com a segunda parte da massa, sobre a qual se dispõem as restantes carnes. Finalmente, tapa-se o folar com a terceira parte da massa e unem-se os bordos a esta camada final. Deixa-se o folar levedar novamente até aparecerem à superfície umas bolhinhas. Nesta altura, pincela-se com gema de ovo e leva-se a cozer em forno bem quente durante cerca de 45 minutos.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

20

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Bexiga com Grelos Valpaços Ingredientes: Para 6 pessoas
            

Camané Ricardo

1 bexiga de porco sumo de laranja 1 kg de entrecosto (as partes mais tenras das costeletas) 500 gr de lombo de porco 5 dl de vinho tinto maduro 3 dentes de alho pimenta preta em pó 1 colher de colorau 1 cebola média 2 fatias de pão 100 g de farinha de centeio 1 tigela de sangue de porco líquido (cerca de 2,5 dl) batido com alho picado e um pouco de vinho sal

Confecção: No dia da preparação da bexiga, depois desta impecavelmente limpa, lava-se com sumo de laranja (de preferência ao de limão). Começa por se pôr em sorça (termo transmontano para designar vinha-d'alhos) durante 4 dias o entrecosto e o lombo cortado em bocadinhos. A sorça é composta pelo vinho, os dentes de alho, pimenta em pó e colorau. Durante os 4 dias a carne deve ser mexida. Juntam-se as carnes que estão que estão na vinha-d'alhos (sorça), a cebola picada, o pão esfarelado, a farinha de centeio e o sangue. Rectifica-se o tempero e enche-se a bexiga de porco cuidadosamente dada a sua elasticidade e fragilidade. Ata-se com um fio e põe-se a secar ao fumeiro, tendo o cuidado de a amparar com uma tiras de pano por causa do seu peso. O tempo de fumeiro pode ir de 8 a 15 dias. Para servir, pendura-se a bexiga num pau ou num garfo de ferro e introduz-se numa panela com água fria abundante e leva-se a ferver, sendo esta fervura constante. O nível de água também deve ser mantido durante toda cozedura, que é de cerca de 2 horas. Serve-se a bexiga acompanhada com grelos cozidos.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

21

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Bucho Ingredientes: Para 8 pessoas
       

Camané Ricardo

1 bucho de porco ; 1 kg de lombo de porco ; 12 ovos ; 4 moletes (carcaças) (200 g ao todo) ; salsa ; sal ; pimenta ; cravinho

Confecção: Prepara-se o bucho impecavelmente, limpando-o de peles e gorduras supérfluas, escaldando-o e, finalmente, passando-o por várias águas frias e limpas. Parte-se a carne e os pães em bocadinhos pequenos com cerca de 2 cm e deitam-se para uma tigela. Ligam-se com os ovos inteiros e tempera-se a mistura com salsa picada e abundante, sal, pimenta e cravinho (se se gostar). Depois do bucho cheio com o preparado, fecha-se a abertura cosendo-a com uma agulha e linha grossa. O bucho deve dar a impressão de que está mal cheio. Tem-se ao lume um tacho com bastante água temperada com sal, onde se coze o bucho durante 3 horas. Deve picar-se o bucho com uma agulha fina durante a cozedura. Come-se frio cortado em fatias. Se se rechear que o bucho rebente durante a cozedura, envolve-se num paninho ou gaze. Esta receita, que se julga originária de Saraquinhos, faz habitualmente parte dos farnéis dos caçadores.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

22

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Carne de Porco Estufada com Castanhas Ingredientes: Para 4 pessoas
         

Camané Ricardo

800 g de perna de porco ; 2 cebolas ; 3 dentes de alho ; 1 ramo de salsa ; 2 folhas de louro ; sal ; pimenta ; noz-moscada ; 1 kg de castanhas ; 100 g de banha

Confecção: Coloca-se a carne num tacho com as cebolas cortadas em rodelas finas, os dentes de alho esmagados, a banha, a salsa, o louro, e tempera-se com sal, pimenta e nozmoscada. Leva-se a estufar com o lume moderado, agitando o tacho de vez em quando. Entretanto, cozem-se as castanhas golpeadas em água temperada com sal. Descascamse e juntam-se à carne estufada no último momento. Corta-se a carne em fatias e acompanha-se com as castanhas.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

23

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Feijoada à Transmontana VALPAÇOS Ingredientes: Para 8 pessoas
               

Camané Ricardo

1 kg de feijão ; 500 g de orelha de porco ; 200 g de focinho de porco ; 1 pé de porco ; 1 linguiça ; 100 g de salpicão ; 100 g de presunto ; 1 dl de azeite ; 1 cebola ; 1 ramo de salsa ; 1 folha de louro ; 1 dente de alho ; pimenta branca ; malagueta e colorau ; 1 cravinho (fac.) ; sal

Confecção: De véspera, põe-se de molho em água fria num recipiente o feijão previamente lavado e, num outro, as carnes, que são sempre fumadas. No dia seguinte, coze-se o feijão na água em que demolhou. Cozem-se as carnes noutro recipiente e, depois de bem cozidas (incluindo a linguiça e o salpicão), cortam-se em bocados. Cortam-se em rodelas a linguiça (chouriço de carne) e o salpicão. Aloira-se a cebola com o azeite e junta-se-lhe o feijão com a água em que cozeu (que não deve ser muita). Juntam-se as carnes e um pouco de água que serviu para as cozer. Rectifica-se o sal e juntam-se a salsa, o louro, o dente de alho picado, a malagueta, o colorau e, querendo, o cravinho. Deixa-se apurar com o lume muito brando. Acompanha com arroz de forno bem seco. Esta feijoada é, em Valpaços, prato indispensável no almoço de Domingo Gordo. Começa a preparar-se de manhã, muito cedo, para permitir retirá-la do lume e reaquecê-la antes de a servir, pois é mais apreciada e melhor reaquecida. Acompanha-se com arroz de forno bem solto.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

24

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Feijoada do Alto Barroso Ingredientes: Para 6 a 8 pessoas
        

Camané Ricardo

1 litro de feijão branco grande 3 cebolas 1 colher de sopa de azeite 3 cenouras 1 orelheira de porco fumada 300 g de pernil fumado 1 ramo de salsa 3 colheres de sopa de azeite 2 colheres de banha

         

1 folha de louro 2 dentes de alho esmagados 1 ou dois tomates 1 salpicão 1 farinheira 1 chouriço de sangue 1 chouriça de carne sal pimenta piripiri

Para o arroz:
     

500 a 600 g de arroz 2 dentes de alho 2 colheres de sopa de azeite 1 colher de sopa de banha 1 colher de sopa de margarina sal

Confecção:
Chamuscam-se a orelheira, o pernil e o pé de porco e põe-se tudo de molho de um dia para o outro. Depois lavam-se em água quente e raspam-se. De véspera, põe-se também o feijão de molho em água fria. O feijão deve ser branco, grande mas não feijoca. Põe-se a cozer em água simples as carnes que se prepararam. Como o tempo de fumeiro é muito prolongado em Trás-os-Montes (as lareiras funcionam durante grande parte do ano), a carne não deve ser totalmente cozida nesta água mas acabar de cozer juntamente com o feijão. A água que serviu para cozer as carnes é aproveitada para a lavadura dos porcos. Coze-se o feijão em água com um fio de azeite, as cenouras inteiras e duas cebolas. Quando as carnes estiverem meio cozidas, juntam-se ao feijão; 10 minutos antes de terminar a cozedura do feijão, junta-se-lhe a farinheira, o salpicão, a chouriça e o chouriço de sangue que estiveram de molho em água quente. À parte, faz-se um refogado com a restante cebola, o azeite, a banha, o louro, os alhos esmagados, o tomate em bocadinhos e a salsa partida à mão. À medida que este refogado for alourando, vão-se juntando pinguinhos de água de cozer o feijão. Juntam-se depois o feijão e as carnes cortadas em bocados e as cenouras cortadas em rodelas. Rectifica-se o sal, pimenta e geralmente junta-se um pouco de piripiri. Os chouriços reservam-se para o arroz que acompanha a feijoada.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

25

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Leitão à Transmontana VALPAÇOS Ingredientes: Para 10 pessoas
        

Camané Ricardo

1 leitão com 1 mês de idade ; sal ; Para o recheio: 500 g de batatas ; 3 dl de azeite ; 75 g de azeitonas ; 2 folhas de louro ; as miudezas do leitão ; banha

Confecção: Prepara-se o leitão como antes se disse, sendo aqui mais utilizada a resina para retirar os pêlos do animal. Tempera-se o leitão com sal, apenas 2 horas antes de o assar. Entretanto, prepara-se o recheio: cortam-se as batatas em quadradinhos, temperam-se com sal e «cozem-se» com o azeite numa frigideira; partem-se as miudezas do leitão em quadradinhos e fritam-se também em azeite; misturam-se com as batatas; juntam-se ainda as azeitonas sem os caroços e as folhas de louro partidas em bocados. Enche-se a barriga do leitão com o preparado e cose-a a abertura com uma agulha e linha. Limpa-se o leitão com a mão para lhe retirar o sal e coloca-se sobre uma grelha, que por sua vez se põe sobre um tabuleiro. Pica-se o leitão todo com um garfo e leva-se assim ao forno. Quando o leitão começar a alourar, retira-se do forno e põe-se ao ar para o constipar. Unta-se ligeiramente com banha e mete-se outra vez no forno. Constipa-se novamente e leva-se ao forno, repetindo esta operação as vezes necessárias até que o leitão adquira uma crosta dourada e brilhante. Geralmente constipa-se três vezes. Serve-se quente acompanhado com o recheio.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

26

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Arroz de Afogado ALTO BARROSO Ingredientes: Para 8 pessoas
           

Camané Ricardo

Sangue de 1 cabrito ; tripas de 1 cabrito ; o fígado, os rins, os pulmões e o coração de 1 cabrito ; 150 g de presunto ; 2 cebolas ; 1 ramo de salsa ; 2 colheres de sopa de banha ; sal ; louro ; cravinho ; meio copo de vinho branco ; 600 g de arroz

Confecção: Coze-se o sangue do cabrito em água temperada com sal, louro e cravinho. Lavam-se impecavelmente as tripas em várias águas, virando-as, e cozem-se à parte em água temperada também com sal, louro e cravinho. Faz-se um refogado com a cebola, a banha, a salsa e o presunto cortado em bocadinhos. Juntam-se o fígado, os pulmões, os rins e o coração, também cortados em bocadinhos, e deixam-se guisar bem. Adicionam-se agora as tripas cortadas em bocados. Rega-se com o vinho branco e deixa-se apurar. Deita-se a água necessária para se obter um «arroz malandro» e introduz-se o arroz logo que ferva (a água deve ter pelo menos três vezes o volume do arroz). Quando o arroz estiver cozido, junta-se o sangue esmigalhado com as mãos, mexe-se e serve-se imediatamente. Arroz que se prepara para o aproveitamento das miudezas, tripas e sangue do cabrito.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

27

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Caldeirada de Feijão Frade TORRE DE MONCORVO Ingredientes: Para 8 pessoas
         

Camané Ricardo

1 kg de feijão frade ( na vagem e ainda verde) ; 1 kg de pão de centeio ; 1 kg de pão de trigo ; 1 coelho bravo (na falta deste serve o manso) ; 1 perdiz (pode ser substituída por um quarto de galinha ; 250 g de presunto ; 2 colheres de azeite ; meia colher de sopa de colorau ; 1 colher de chá de malagueta picante (seca e reduzida a pó ; sal

Confecção: Põem-se ao lume um tacho com 5 litros de água (se o lume for de chão põe-se o tacho sobre a trempe). Introduzem-se no tacho as casulas do feijão (feijão na vagem), o coelho e a perdiz. Depois de cozer um pouco, adiciona-se o presunto, o colorau e a malagueta e deixa-se cozer tudo muito bem, após o que se retiram as carnes, para se cortarem aos bocados. Entretanto, tem-se o pão partido em fatias finas e deita-se no caldo de onde se retiraram as carnes. Assim que o pão estiver macio introduz-se a carne novamente no tacho e mexe-se muito bem com uma colher de pau. Finalmente rega-se com o azeite cru e serve-se. Fica com o aspecto de uma sopa seca.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

28

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Bola Mirandesa Ingredientes:
        

Camané Ricardo

1,5 kg de massa de pão ; 2 ovos inteiros ; 4 gemas ; 1 dl de azeite ; 50 g de manteiga ou margarina ; 300 g de açúcar ; 40 g de canela em pó ; 500 g de farinha (aprox.) ; sal ;

Confecção: Compra-se a massa na padaria, encomendando-a de véspera. A esta massa juntam-se os ovos e a mistura das duas gorduras derretidas em banho-maria, sem ferverem. Batese a massa com a ajuda de um pouco de farinha de modo a ficar com a consistência de uma massa que possa ser estendida com o rolo. Unta-se um tabuleiro com manteiga ou margarina e polvilha-se com farinha. Estende-se uma folha de massa, polvilhando a mesa e o rolo com farinha e forra-se o fundo e os lados do tabuleiro. Esta camada de massa não pode ficar com buracos, para evitar que o açúcar e a canela se escapem. Divide-se a canela em sete partes e o açúcar em oito. Polvilha-se a massa com uma parte de açúcar e outra de canela. Estende-se nova camada de massa, esta já muito fina, e coloca-se de modo a cobrir apenas o fundo, isto é, a cobrir o açúcar e a canela. Repetem-se estas operações até se obterem sete camadas de massa. Quando se colocar a última camada, unem-se os bordos de modo a obter um cordão. Polvilha-se a última camada de massa com a oitava parte do açúcar. Leva-se a cozer em forno quente, sem exagero (190º C aprox.), durante cerca de 25 a 30 minutos.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

29

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Chila no Forno RIBEIRA DE PENA Ingredientes:
  

Camané Ricardo

500 g de doce de chila ; 6 gemas de ovos ; 100 g de amêndoas

Confecção: Pelam-se e ralam-se as amêndoas Juntam-se todos os ingredientes, deita-se o doce num prato que possa ir ao forno, onde se mantém até que a superfície fique bem loura.

Migas Doces (Natal) VALPAÇOS Ingredientes: Para 10 pessoas
   

12 ovos ; 18 colheres de sopa de açúcar ; 125 g de miolo de noz ; canela ;

Confecção: Misturam-se os ovos com o açúcar e batem-se ligeiramente. Deita-se a mistura num tacho e leva-se a lume brando até começar a engrossar. Retira-se o preparado do lume e mexese um pouco mais. Deita-se na travessa. Parte-se o miolo de noz, esfregando-o entre as mãos, e junta-se ao doce. Serve-se polvilhado com canela.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

30

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Papos-de-anjo de Mirandela Ingredientes:
    

Camané Ricardo

500 g de açúcar ; 3 ou 4 colheres de sopa de doce de fruta ; 8 ovos, mais 7 gemas ; 1 colher de chá de canela ; açúcar para polvilhar

Confecção: Na preparação para estes papos-de-anjo pode ser utilizado qualquer doce de fruta (incluindo de abóbora), com excepção dos doces de maça, marmelada ou qualquer geleia. Leva-se o açúcar ao lume com um copo de água (cerca de 2 dl) e deixa-se ferver até se obter ponto de espadana (117º C). Adiciona-se o doce escolhido e deixa-se ferver novamente até se obter o mesmo ponto. Retira-se então o doce do lume e depois de se ter deixado arrefecer um pouco adicionam-se os ovos, que foram previamente muito bem batidos com as gemas. Junta-se ainda a canela. Distribui-se o preparado obtido por forminhas de queques muito bem untadas com manteiga e levam-se a cozer em forno moderadamente quente (cerca de 200º C). Desenformam-se e polvilham-se com açúcar.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

31

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Queijadas de Murça Ingredientes:
           

Camané Ricardo

Para a massa: 300 g de farinha ; 3 ovos ; 1 colher de sopa de banha ; 2 colheres de sopa de água ; sal ; Para o recheio: 1 kg de doce de chila bem seco ; 250 g de amêndoas ; 12 gemas ; 1 colher de chá de canela ; 300 g de açúcar para cobrir

Confecção: Peneira-se a farinha para um alguidar e põe-se por cima a banha. Com as palmas das mãos, esfrega-se a farinha e a banha, misturando-as. À parte, batem-se os ovos inteiros com a água, a que se juntou um pouco de sal. Junta-se esta mistura à farinha com a banha e amassa-se tudo, batendo e sovando a massa até esta ter a consistência e elasticidade suficientes para ser tendida. Se for necessário, junta-se um pouco mais de água. Deixa-se descansar meia hora. Entretanto, mistura-se o doce de chila com as gemas, as amêndoas peladas e raladas e a canela. Estende-se a massa muito fina e, com um copo, corta-se em rodelas. Apertam-se os bordos destas rodelas em cinco sítios, de modo a dar a cada uma a forma de caixa. Dispõem-se as caixas de massa num tabuleiro e enchem-se com o recheio. Levam-se a cozer em forno quente. Enquanto as queijadas cozem, leva-se o açúcar ao lume com meio copo de água e deixase ferver até fazer ponto de pérola. Passam-se as queijadas por esta calda assim que saírem do forno e põem-se a secar. Depois de frias, pincela-se a superfície das queijadas com a calda, esfregando o pincel para o açúcar se tornar opaco.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

32

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Queijadinhas de Abóbora ou de Calondro Ingredientes:
         

Camané Ricardo

Para o doce de abóbora: abóbora-menina ; açúcar ; 1 pau de canela ; casca de laranja ; Para as queijadinhas: 2 chávenas de doce de abóbora ; 10 gemas de ovos ; cerejas cristalizadas ; manteiga

Confecção: Começa-se por preparar o doce, que poderá servir para outros fins ou como simples sobremesa, juntando-lhe ou não, nozes ou amêndoas picadas. Descasca-se a abóbora, retiram-se os filamentos e as pevides e corta-se aos quadradinhos. Mede-se a abóbora com uma chávena das de chá, e por cada chávena de abóbora toma-se meia chávena de açúcar.Leva-se o açúcar ao lume com um pouco de água (suficiente para derreter o açúcar), o pau de canela e a casca de laranja. Deixa-se ferver até obter ponto de pérola (108º C). Junta-se a abóbora e continua a deixar-se ferver até que esta se apresente translúcida e a calda novamente em ponto de pérola. Conserva-se o doce em frascos tapados com papel celofane como qualquer outro doce. Querendo, adicionam-se ao açúcar amêndoas ou nozes picadas, ao mesmo tempo que se junta a abóbora. Para preparar as queijadinhas, adicionam-se as gemas ao doce de abóbora, misturandose muito bem e depois distribuindo o preparado por forminhas de queques muito bem untadas com manteiga. Lavam-se a cozer em forno moderadamente quente. Desenformam-se e metem-se em caixinhas de papel frisado, enfeitando cada queijadinha com meia cereja.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

33

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Rosquilhas TORRE DE MONCORVO Ingredientes:
       

Camané Ricardo

250 g de açúcar ; 500 g de farinha ; 2,5 dl de azeite ; meia colher de sopa de banha ; meia colher de sopa de manteiga ; 4 ovos ; meio cálice de aguardente ; meia colher de sopa de bicarbonato

Confecção: Batem-se os ovos com o açúcar, junta-se a farinha, previamente peneirada com o bicarbonato, a aguardente e as gorduras. Mistura-se tudo muito bem. Tende-se a massa em rolinhos com 15 cm de comprimento, que se enrolam na forma característica. Vão a cozer em forma quente

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

34

Gastronomia de Trás-Os-Montes
Toucinho-do-céu de Murça Ingredientes:
     

Camané Ricardo

500 g de açúcar ; 125 g de amêndoas ; 125 g de doce de chila ; 20 gemas de ovos ; 2 colheres de sopa de farinha ; margarina

Confecção: Pelam-se e ralam-se as amêndoas. Leva-se o açúcar ao lume com um copo de água e deixa-se ferver até se obter o ponto de fio (103º C). Junta-se o doce de chila e deixa-se ferver mais 2 a 3 minutos. Adicionam-se as amêndoas raladas, que devem estar bem enxutas, e leva-se novamente ao lume para fazer um ponto de estrada muito fraco (o fundo do tacho deve ver-se muito rapidamente). Retira-se o doce do lume e, depois de arrefecer um pouco, juntam-se as gemas, que engrossarão um pouco sobre o lume, sem que no entanto o doce ferva. Deixa-se arrefecer ligeiramente. Unta-se com margarina e polvilha-se com farinha um forma rectangular ou quadrada, com cerca de 1,5 litros de capacidade. Espalha-se uma colher de farinha sobre o fundo da forma e deita-se dentro o doce. Polvilha-se a superfície com a outra colher de farinha e leva-se a cozer em forno bem quente (200º C a 250º C). O toucinho-do-céu está cozido quando se lhe introduzir uma faca e esta sair quente e limpa. Desenforma-se. Sacode-se o excesso de farinha, corta-se o toucinho-do-céu em fatias, passam-se por açúcar pilé e guardam-se numa caixa forrada com papel de seda recortado com a tesoura.

Se for para partilhar, não se ilude: Não é pecado É virtude!

35

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful