You are on page 1of 8
APOSTILA DE Exercicios Vida e obra de Bocage ‘Manuel Maria Barbosa du Bocage nasceu ‘em 1765, em Setibal. Filho de um advogado portugus ¢ de mie francesa, convivew em «asa com fas liberatse com atmosfrainte- lectual. Aas 18 anos, foi para o Corte, ande frequentou a escola da Marinha, Levand vida otinia, apsixonou-se por Gertrudes, a Gertria de muitos poerias, que se cas0u com o Irndo do poeta Em 1786, partix para a india, Lé view rniltiplos aventuras: desertou da Marinha, passou por Macau e conheceu a mista, Como Camdes, o grande mestre no qual sem bre se espelhou, “dehou a vide pelo mundo em pedacos repartida” Em 1790, de volta 3 Portugal, na Nowe ‘Acidla, tornou-se 0 pastor Elmano Sadine. Em 1791, publicou seu fio “Rimas” Poeta rmaldito, poeta das russ, de vida inquieta © desegrada, Bocage ni & perseguldo apenas plas musas, mas também pela policy Em 1797, a Inquisigio 0 apreende, como subver= sivo, antimonarguista e ancicatlio, Apés um periodo de desfguracio © aguietamento, em que se converteu a vida tradicional, Borage morre aos 40 anos, viti- ‘mado por um ancurisma, Nessa fase Final, abandonou 2 poesia satires, rec com 0s adversérfos ¢ eserevew poemas bem comportados, exaltanda a patria e a rele sido. Dente tais poemas, saham-se da mediaeridade apenas alguns de grande tensidade dramitica: os sonetos de con. tuigdo ou arrependimento, Durante muita tempo, Bocage espethou-se no destino trigico de Cambes ¢na poesia como nigna, Sua figura aparece mesclada com a do getial sai alano Gregérlo de Matos, 0 “Boca do, Infemo”: ambos inquiets, boemios, esegrados:poctas das mas des atequins, das casas de prosttucfo: poetas malditos, cos & satrcos,flosiicos e fesceninos, eorpen dst Bsia mas fabs ort lect ton dct ee Bocage € considerado um dos maiores sonetistas da lingua portuguesa, a0 lado do poeta Luls de Camdes ~ em cujos sonetos rmuitas vezes se enraiza — ¢ de Antero de Quental — 2 quem influencion em grande extensio ¢ prafundidade, O lirico € satirico Bocage: con- textualizagao histérico-literdria 0 Neoclasscismo, movimento artstico Titertio, que tem no Areadismo a sua principal ‘manifestaedo, fot profundamente influenciado plas idéias racionalistas do seu tempo. Fo 0 Dporta-voz da Razio € das novas iis Mlos6fi- as, cienificas politicas, buscando uma arte “pedagégica”, “didatica”, transimissora de novos valores. Além disso, como o préprio nome debxa Iransparecer, 0 movimento foi um retorno aos modelos essicos greco-latinas © a0s modelos ddo Renascimento-Classicismo, como referencias de uma perfcigo estétca a ser sempre imitada, { i i Dutra caraeteristica fundamental do Neoclassicismo 4 oposigho a0 estilo Ba taco. Os neockssicas defendiam uma arte racional e naturale, assim, cram inimigos do “maw gosto”, do “obscurantismo” ¢ dos sexcessos" do movimento, Buscaram ume of te sein antiteses, desequitibrios ou dilacera~ fies, tio caracteristicas do Barroco. Elegerarn © Pastor como 2 visualizagio desse ideal de vida simples ¢ equilbrada, cuja realizagbo se Gavia no seio de ume natureca aprazivel ¢ idiiea. 0 bucolismo & a atmosfere predomi- rante, Dat o nome Arcadia: regido da Grécia antiga, mnitologicamente configurads como @ teeta das artes © da poesia. Os slogans érea~ des, como 0 “eorta o init” (inutita trun eat"), 0 “meio-terma de ouro" ("aurea medt- oeritas"), a “fuga das cidades” ("fugere bem) e 08 “lugares amenos” (“Tocus amo- emus") revelam claramente 0 bucoiso con- vencional de poesia do Arcadismo, Ao ficqiientar as Arcidlas ~ Academias Liters -, 05 poetes adotavar pseudonk mos pastoris, como Dircew (Tomas Antonio Gonzaga), mano Sadino (Bocage), Glauceste Sati (Cléudio Manvel da Costa} outros. se retorno 4 cultura cassica mo correspon eu a uina obra poétics expressive. Ao com- tran: de um modo geral, a porsia ércade & insipide. A obrigacdo de restaurar 05 modelos ssicas © renascentistas, a necessidade da postura antibaroce, a criaglo de una atmos ‘era bucélico-pastoril © 2 instrumentalizagao “didatiea” de divul- ago das noves idélas — Wuministas © Enciclopedistas — tudo is0 contribuiv para tums realizagio demasiadamente artifical. Uma poesia de cliché, de tugar-comum, de csterebtipo, de frase feita. Cereeada, por regias,normas ¢ modelos demasiado rigidos, a poesia tomavese insipida, uniformizads, sem ‘maginago e sensibilidade 1 temperamento Impulsivo © insubmisso Ge Bocage nio se deixa cercear peas listas de preceitos do Arcadismo: momento historico- erdrio em que escreveu, Seus sentimentos so demasiado fortes para um pastor apatico. Sua imaginago turbulenta transborda as rmargens bucdicss Bocage € um dos mais expresshos pocias otumos da iteratura portuguese. Em muitos dos seus sonetos, essoam atmosfers sombras, nt ‘Gpando a imaginagéo utra-tomantica, que recuse a vida normal € mediocre de um cotidiano sem luger para a aventura, 0 soho, 0 deseo. 2 otros sonetos de Bacage caracterizam se pela mescla de Arcadésmo e Romantismo, 0 poeta mutas vezes oscil entre @ comvenao marca do tempo em que vive ~ ¢ 0 mpul- so — necessidade do. seu temperamenta; entre 0 Bucolisme convencional ¢ 2 confissio sentimental roméntce ‘Uma parte frigil da sua lirica est me rmistura indiscriminada de elementos 4 cades. € romantica, justapostos sem uni- dade intems, Outra parte frigil estd_ nos Doemas que apresentam ritmos © imagens Fics, pocsia declamatoria, de circunstén- cia, feta para impressionar as ouvintes, com trugues de retorica ¢ elognéncia exagerads: este € um prego pago por Bocage para set ‘um poeta que saiu dos sales ¢levou a poe sia para as as, ajudando, inclusive, 9 riar ‘um piblico modemo, urbano, no aris- tocrético, para @ poesia ‘Os sonetos mais expressivos de Bocage ere uma forte otmosfera pessoa, de confi sho egocentric, de uma dramaticidade sub- jetiva intensa, Poesia de ritmos candentes ¢ jmaginagSo, multas vezes com ressonéncias profundas dos sonetos do poeta Luis de Cambes, € muilas vezes ressoando nos Gramiticos sonatas de Antero de Quental Poesia de angrstiase desesperos; poesias de confidéncias com a noite, poemas de amor fe medo sombriamente misturados, poemas de horror da marte © da morte como uma ‘especie de amor Exercicios @ (UE-BAHIA) Leia o texto abair com atengio: ‘om opasan état noe Acestrofe & um exemplo da épo 1) bantaca, pela oposigio entre 0s ape dda vida material ¢ 08 aspectos espritu do sentimento humane. by arcadica, pelo ideal de vide simple consciéneia da transitoriedade da. vi alorizanda 0 momento presente. ©) romantica, pela extrema subjetivid: ‘com a valorizagao do sentimento amor por meio da idealizaglo da mulher. 4) simbolista, pela fuga 8 realidade e { tativa de construg3o de um mu proprio, de paixdo © sonho. {) tealista, pela visio objetiva dos pro ‘mas cotidianos, como o envelhecimen ‘2 morte, que desttoem o relacionars humane, © (Fe:-5P) Leia com atengio: SBR qancrs cs as corpongoas 9 4% Assinalar a alternativa que cont: periodo literdrio a que se refere © cho aci 2) Romantismo } Simbolismo «) Pamasianismo 4) Arcadisimo. 9) Barroco © (ESCOLA SUPERIOR DE AGR ‘TURA DE MOSSORO-RN) Essas palavras traduzem, a um t Iouvor € critica aos poetas: 4) barracos b) romanticos: ©) arcédicos 4) simbolistas ‘© parnasianos posite de Exersicios 10 © (uF-Pa) © texto com atengdo: TEXTO | se ued a Ba Pee gate moran an eo TEXTO 2 © lirismo dos dois trechos acima se orienta pelo academicismo do século 18. Seu autor é 2) Antonio Nobre ) Almeida Garrett Barbosa du Bocage 4) Luis de Camoes ©) Gregério de Matos Guerra © (UF-RO) Leia 0 texto com atencdo: Starrea Soemgcato wr oe REMAN Stee ‘A postura racional, @ linguagem uti~ lizada © as referéncias a mitologia e 20 nome de Elmano indicam que as estro- fes acima pertencem a um poema: 8) dassico de Camées b) neocléssico de Bocage ) roméntico de Garrett 4) realista de Guerra Junqueino €) simbolista de Eugenia de Castro @ (UF-PA) Leia o texto com atengi Soares © autor dos versos acima ¢ um dos tmaiores sonetistas da lingua portuguesa, ‘iador de textos marcados por subjetivi- dade, confessionalismo, autolamentagao, pastorialismo e ardente admiracio a Luis de Camées. Pode-se compreender esse escritor integrado aos periodos: 2) barroco € arcade b) arcade e pré-romintico pré-romantico € romantico 4) romsntico e parnasiano €¢) pamasiano e simbolista Apnea de Ens 10 Sonetos @ (FUVEST) 0s sonetos de Bocage que transpéem pocticamente a experiéncia do autor na regio colonial de Goa apre- sentam alguns tragos semelhantes. 305 dos poemas em que, anteriormente, Gre- sro de Matas enfocara a saciedade co- lonial da Bahia, Sob esse aspecto, sio tragos comuns ambos 0s poet 2) presungdo de superioidade, critica da vaidade. preconecito de cot 1) sensualsmo, critica da presungio, clo- so da mesticagem, ‘) presungdo de superioridade, elogio da nobreea lea, stra da mesticagem: d) sensualismo, critica da nobreza antiga, preconceito de cor. 4} estilo topicl, eitica da aided, eo io da-mestigogem, TEXTO PARA AS QUESTOES 8 E 9 ‘Boece tn re eta @ 2) A quem sujeito lirico se dirige, 420 longo do poema? ¥) Em que tom 0 sujeito lirico se expressa? Por qué? © 2) Que elementos pré-romanticos & Possivel perceber no poema? ) Transcreva do texto alguns vocdbulos que mostrem o seu carater sentimental ‘TEXTO PARA AS QUESTOES 10.A 12 Bis aToS ase! Oye Inet nonce ance wie tans aura on si, Siete ews Tom set © 2) Trata-se de um poema predomi- nantemente neoctéssico ou pré-roman- tico? Por qué? 1) Identifique as convengies do Arca~ dismo presentes no poema. @® 3) Quem é Maritia e qual a origem desse nome? b) Qual o poeta brasileiro neocléssico cuja amada também era identificada pelo nome de Marilia? E quanto a este poets, qual era seu pseudénimo arcade? c) Qual era o pseudénimo arcade de Bocage? 4d) Bocage foi um arcade tradi Por que? @® 9) Transcreva os dois versos do [poema em que se percebe o Pré-Roman= tismo de Bocage. ») Justifique sua resposta. TEXTO PARA AS QUESTOES 13 E 14 © 2) A quem o sujeito lirico se di 420 longo do poema? 1) Como ele considera esta sua inter- locutora? Justfique sua resposte com passagens do poema, ©) ldentifique ¢ exemplifique a figura de linguagem por meio da qual é feita a referida interlocugio, a0 longo do poema. 4) Qual a outra figura de linguagem que ajuda a concretizar essa inter- lacusio no referida soneto? Por qué? Explique e exemplifique. © 3) Identifique o par de opostos pre~ sente por meio de antitese, na terceira cstrofe. 6) 0 que esta oposigio revela sobre 0 significado do poema? a 8 Em que sentido &possvelafirmar que $ / te cma de Bocage exemplifies 8 sun $ / aiclnegesso do modelo sreade? 3 $ TEXTO PARA AS QUESTOES 15.4 17 armour Sy orarensf area Fe @ Tendo em vistas seus conhec & ——_mentor sobre a vida © 2 obra de Bocage. identifique o periodo da vida do pocta em que foi composto 0 ‘texto acima ¢ 0 tipo de poema de que se trata, em fungio da totalidade de sua produg! @ Transcreva da primeira estrofe: 2) 0 trecho que mostra a iminéncia da morte. 1b) 0 trecho que mostra o arrependi- mento, a contricio do poeta. 10) Que figuras de linguager so encon- tradas principalmente em cada um dos trechos? Que sentido ambas as figuras possuem, tendo em vista “0 elemento tematico do poema a que se referem? @A quem o sujeito poético se dirige, na liltima estrofe? 0 que ele pede? Por qué? ‘TXTO PARA AS QUESTOES 18 E19 ones ea sumac ss 3 meta las @® 3) Em termos formais, quals as principais caracteristicas do poema? 1) Qual o tema do poema? 4 @ A quem o poeta se dirige na ultima estrofe? O que ele pede? Por qué? ©® Releia os dois textos anteriores ¢ assinale a alternativa incorreta a respeito del a) Trata-se dos dois mais célebres sonetos satiricos de Bocage, escritos no final de sua vida: neles o pocta satiiza a propria morte, negando sua ttajetdria humana ¢ podtica, alm de ridicularizar 0 Pré- Romantismo que cultivou, +b) Ambos os textos so poemas de con- trigio, de arependimento, de confissao, diante da morte préxima, Eles negam 2 propria trjetdria podtica ¢ existencial de Bocage, recusando as paixdes, os desejos, 9s prazcies e as rebeldias J) Nos poemas, hi dois dramaticos ‘chamados, duas patéticas interlocuges — sucessivamente aos Ieitores ¢ a, Deus ~ para que seja esquecido 0 poeta maldito sta porsla d) Estes sonetos representa inteira significativamente a poesia ¢ a existencia de Bocage, por suas metaforas lanci- nantes, por seu ritmo fluente © apaixo~ nado, pelas interjeigdes, pela entonacdo subjetiva ¢ emocional ¢ tarnbém pela sin- tese conceitual neles presente. €) Ambos 05 sonetos representam muito do melhor da Trica de Bocage, mostran- do © quanto essa poesia se afastou dos modelos neutvalizantes, das estereat padas convengées neoctassieas, bucalicas, arcades ¢ pastoris. TEXTO PARA AS QUESTOES 21 E 22 tau ft nce ent, Peper ets vers ae. do Nera ole @ 2) Reconhega elementos pré-roman- icos presentes no soneto. 1) Além de ter elementos pré-romanti- cos, este soneto revela uma posicio ‘explcitamente contrétia aos preceitos do Neoelassicismo/Arcadismo. Identifiq explique 2 oposigio. @ Assinate a alternativa correta a peito do texto lido: 8) De acordo com 0 poema, a rzi¢ rnio conseguir controlar 2 peixdo, ser superada por ela. b} A negagao da razdo_ present poems tem dues dimensBes: N80 a} 12 razdo no consegue controlar 2 Xao, como o posta ndo deseja ot voz da razo, que € impotente ¢ @ causa sentimento de culpa ) A negacio da razlo presente no F tem duas dimensOes: no apenas consegue controlar @ paixio, co poeta deseja ouvir a voz da raz8o, « fo esta seja impotente € apenas sentimento de culpa. ‘} De acorlo com o poema, a ra: veidade € capaz de controlar 3 Entvetanto, quando Isso aconte poeta perde a vontade de conti) ‘rir, a ter imaginagao ¢ sonho. @) AS dugs dimensbes da negat razdo presente no poema sto, paradoxais: @ primeira demonstra razJo € impotente € a segunda © apenas causa sentimento de culb2 ‘TEXTO PARA AS QUESTOES 23 A 25 GUO co ntgon sae ede SSPE Sno or ear enn, seas as osccus wre Eewaetaaae mince rago9 p99 vor da Daparsaree @ 2) A quem o poeta se dirige, do texto, e qual o tema de que 1) Este tipo de interlocugdo e 6 tizagdo € comum ou raro n Bocage? Por qué? @® Na segunda estrofe do pe hipérbato e antitese. identifi exemplo de cada uma dessas ‘mostrando como interferem ni cago do texto. Apostle Barcicios © 2) dual o sentido de Fingimento e de Dependéncia, no poema? 6) Por que tais palavras estdo grafadas ‘com letra maiiscula? @ Leia atentamente as afirmagées a seguir: + "A personalidade de Manuel Maria Barbosa du Bocage parece concretizar a fase final © insaciével do conflito entre 0 Arcadismo e 0 Romantismo. 2) 0 Elmano Sadino da Nova Arcédia € j4 romantico por ‘temperamento, apesar de muito vocabulario € muito alegorismo arcédicos ¢ dos seus laivos de iluminismo.” (Anténio José Saraiva/Oscar Lopes) Il- “Inadaptavel por temperamento ¢ por inquictagdo spiritual as i tagdes © ao reacionarismo do am- biente portugues, policiado pela Vencia de Pina Manique, aeabou mar- ado, perseguido e preso (1797). Os sofrimentos morais nos cérceres do Limoeiro deram amarissimos tons & sua poesia. Do Limoeiro foi transferi- do (1798) para 0 Hospicio das Ne- cessidades, dirigido pelos oratori~ anos, ¢ dai saiu, um ano depois, ‘curado da boémia para uma vida de mais comedimento € com algum tra~ balho, agora de tradutor.” (Soares Amora). I= "Bocage € 0 maior poeta do Setecentismo portugués ¢ dos ma- jores da lingua. Seu feitio de aven- turciro, de rebelde, de boémio, de improvisador, de satirico ¢ anedo- tista por vezes obsceno deu-the po- pularidade jamais aleangada por outro eseritor portugués. Mas dentemente no é isso que vale no homem € no poeta, e sim o fulgor de seu espirito © a altitude e a beleza de seu lirismo, sobretudo, 0 de reflexio sobre @ prépria desgraca. {Soares Amora) EstafGo) correta(s) a(s) alternativa(s): a) Apenas'a | b) Todas. 6) Apenas a a) ren lel Apostia de ees 10» Sonetos ‘TEXTO PARA AS QUESTOES 27 € 28 Dasauaee srs varenonse aoe ‘agents do her toe eas bacon Gee eee once rar 4rcade ou pré-romantico? Exemplifique explique. © aiual o tema do poema e qual sua importancia para a comprecnsio do momento historico em que foi escrito? ‘TEXTO PARA AS QUESTOES 29 E30 ‘ircan gus one om 8008 ona ©® 0 poema é predominantemente arcade ou pré-romSntico? Exemplifique explique. © aval tema do pocma equal a nificasio desse tems, tendo cm vista 8 ca de Bocage? TEXTO PARA AS QUESTOES 31 E 32 — ange omcesmeese Sven sae indonesia a a seta © © poema € predominantemente ‘arcade ou pré-roméintico? Exemplifique explique. © ual o tema do poema e qual 3 importancia do Ultimo verso para com- preendé-lo? © Leia o texto com atengéo: Aria oo goo sce oo com tou nas se sre Pro over ie ama ou sortie ‘Boca Sets! 8) 0 poema é arcade ou pré-roméntico? Exemplifique e explique. ) Qual o tema do poema e 0 que hi rele de especial para compreender a lirica de Bocage? © tciao texto com atensio: 2) Em que genero & possvelinseri esse poema? Por que? £) Tansireva altima estrafe do poems, interretandoo seu sentido, Oui 0) atentamente os poemas a seg ‘Boia song oe errs do matora 1 Fete ng zona avant Sareea ere See ora tpi cma cates TO) pan ee ceont a 6 Bae 228 nates Be i Relacione os sonetos com os comen= trios a que se referem: 1- Neste pocma, 0 sujeito poético lamenta os tempos perdidos em que acreditou nos coragées femininos. Num cenirio ligubre, escuro, solitirio, ele se sente abrigado pelos tinicos consolos que the restam: 0 pranto, a queixa, 2 slidao ‘¢a morte. Género lirico-filoséfico; estilo pré-romantico. 2- Poema lirico-filoséfico, de reflexio sobre a prépria tristeza: 0 sueito poétieo sente-se entediado (enjoado) e atormen- tado, hiperbolizando seus sentimentos por meio de linguagem que anuncia 0 Romantismo. 3+ Soneto que canta as maravihas de Portugal, terminando com uma saudago ‘a Arménia, uma mulher da vida do poeta. Exaltagio da patria como espaco (clima) propicio a0 heroismo € aos amores: espago de beleza, que abriga 2 beleza da ‘amadla. tnvocacio a Portugal, em estilo neoetéssico. 4- Exaltaggo da mulher amada, com- ‘parando-a com Venus, deusa do amor f da beleza. Poema lirico-amoraso, que explora um lugar comum na lirica de Bocage: os encantos ¢ a beleza, sempre finitos, da mulher diante de quem um sacrilego acreditaria em Deus, um ateu vislumbraria um paraiso. 5+ Poema lrico-flosifico, afirmanda 3 ‘adesio de Bocage 20 livre arbitrio, Linguagem exaltada, hiperbslica, com fortes tragos pré-romanticos, combina dos com um tom reflexive, um didlogo fcom a Razio que lembra 0 contexto histirico-fiterdrio em que o poeta vivew fe escreveu: 0 século 18, época do lu- tinismo ¢ do Eneiclopedismo. [A associagdo correta entre poemas ‘comentarios é: 21,258,449 b) 21,543 21,453 4d) 1,234.5 5.43.21 “TEXTO PARA AS QUESTOES 36 E 37 Eee ce cae gage ee to Weatcernmras herpes, Bepet east: Gin derasion met soe SPEO cones © Assinale a alternativa incorreta: 2) A fim de tansformar as palavras er Slegorias,em simbolos alegéricos univer Sis, Bocage utiliza-se de letras malisey yas em substantivos comuns em seus tex tos. No poema lido, 0 vocdbule "Morte itustra tal afirmacao. +b) 0 fato de 0 poema estar dividido et quatro estrofes, dois quartctos ma dois tercetos, permite chami-lo 6 soneto. 0 soneto de Bocage Foi levad por $8 de Miranda, da Walia pars Po tugal, em 1527. 4) 0 pocma pertence & tratigdo lésic pats & um soneto decassilabo, com esqu ima ritmico € rimico regular: suas thas S rmisturadas nos dois quartetos € alternad nos dois tercetos. 6) Neste soneto, de Bocage predominc elementos neodlssicos, wis como “Fugt turoem”, “locus amoenus”, “uta tame: “aurea mediocitas™ } Neste soneta de Bocage, temos U ‘cxemplificagso de seu Pré-Romantisn posts de Exere¢0s 10» Son —e, j por meio de sua obsessio pela Morte, transformada em refigio ¢ ¢m amiga, @ 2) A que migoo o poeta se refere, 20 longo dos dols quartetos? De que tlementos. se utiiza para mostrar a Intensidade de tal magoa? b) Que figura de linguagem ha no ulti- mmo tercetoe qual seu significado para a eompreenstd do poem? TEXTO PARA AS QUESTOES 36 E 39 ie ce tar maar deg Senet eke © Considerando que este soneto ¢ um famoso auto-retrato do poeta Bocage, identifiqu .a) 0 contetido do primeira quarteto. b) 0 conteiido do segundo quarteto © do primeira terceto. © duc elementos do conteiido da parte do poema mencionada na questo ante rior merecem destaque? Por qué? © 2) Como se denominam os poemas em que ha palavrées, termos chulos, de co calio ete.? b) Identifique 0 poeta brasileiro satiri- €0 € lirico, que como Bocage escreveu poemas fesceninos. Qual era o apelido deste poeta? Por qué? Em que estilo literario escreveu?- © Lcia com atengdo 0 poema absixo: io oo sc te putas 0 re errs Seeiaettel Settee mene Apostle Evetccins 1 = Sonetin 4) Que figura de linguagem predomina em todo 0 poema? 1) Mencione e exemplifique uma carac- terstica Sreade, presente no poema. ‘TEXTO PARA AS QUESTOES 42 € 43 ‘Boop Sons! @ 8) Por que este poema é denomina~ do soneto? 1) Quais as principais caracteristicas formas (rima, métrica e linguagem) do poema? @ 2) Transcreva 0 didlogo presente no poema, 1) Interprete o didlogo, tendo em vista © seu sentido para a compreensdo do poema, @® E possive! afirmar que o texto: a) E um soneto revelador do. talerito satiico de Bocage, 0 qual € brilhante, ‘mesmo quando fescenino. ) Desenvolve rigorosamente um raciocinio absurdo, a partir de um suposto didlago entre 0 poeta ¢ 0 deus do amor. ) Caracteriza-se por fortes elementos pré-roménticos, conjugados com outros, aque pertencern ao Arcadismo. d) No ultimo terceto, hd uma fala do poeta ao deus do amor, por meio da qual percebemos sua paixéio por Corina ¢ seu respeito as leis de Cupido ¢ &s convencdes potticas do Arcadismo, ©) 0 Giltimo verso do poema constitui tuma frase-sintese do process de per suasio de Amor a0 poeta, fazendo-0 sucumbir As suas leis © prometer jamais abandonar Corina. TEXTO PARA AS QUESTOES 45 E 46 3 nevis Ranga omen Bsa ak sore aN yy @ 2) Que situagdo 0 poema descreve? ) Transcreva e comente a estrofe na qual aparecem os sentimentos do condenado. @ Transcreva ¢ interprete 0 ultimo verso do poema, explicando em que sentido nele hd a famosa “chave de ouro” do soneto. © Leia com atengio o texto abaio: Ps Soi gm nd, [at ue inde a, raise Reconhega os elementos arcades pre- sentes no soneto de Bocage, exempli- ficando-os.