ADMISSÃO TEMPORÁRIA

É o regime que permite a importação de bens que devam permanecer no País durante prazo fixado, com suspensão de tributos, retornando ao exterior, sem sofrer modificações que lhes confiram nova individualidade. Esse regime suspensivo tem como objetivo favorecer a importação de bens para atender a interesses nacionais de ordem econômica, científica, técnica, social, cultural etc. São condições básicas para aplicação do regime: - constituição das obrigações fiscais em termo de responsabilidade; - utilização dos bens dentro do prazo fixado e exclusivamente nos fins previstos; - identificação dos bens; e - importação sem cobertura cambial. O Secretário da Receita Federal tem autorização para estabelecer outros termos, limites e condições para a concessão do regime de admissão temporária, bem como estabelecer a sua aplicação a outros casos além dos previstos no Regulamento Aduaneiro. Poderão ser admitidos no regime, entre outros, bens destinados a: - exposições artísticas, culturais e científicas; - exposições e feiras comerciais ou industriais; - competições ou exibições desportivas; - servir de modelo industrial; - testes, conserto, reparo ou restauração; - veículos de turistas estrangeiros; - veículos de brasileiros radicados no exterior, que ingressem no País em caráter temporário; - recipientes, envoltórios e embalagens; - aparelhos para teste e controle; - máquinas, equipamentos, aparelhos e instrumentos, para demonstração em estabelecimentos de ensino, pesquisa e médico-hospitalares; - moldes, matrizes e chapas; e - outros, definidos pela Secretaria de Receita Federal. Admissão Temporária para Utilização Econômica Os bens admitidos temporariamente no País, para utilização econômica, ficam sujeitos ao pagamento do II e do IPI, proporcionalmente ao seu tempo de permanência no território aduaneiro. A proporcionalidade é calculada por um percentual, que representa o tempo de permanência do bem no País em relação ao seu tempo de vida útil, nos termos da legislação do imposto de renda. Admissão Temporária para Aperfeiçoame nto Ativo Esse regime permite o ingresso de mercadorias estrangeiras ou desnacionalizadas, para a permanência temporária no País, com suspensão de tributos, destinadas a operações de aperfeiçoamento ativo e posterior reexportação. São consideradas operações de aperfeiçoamento ativo: I – as operações de industrialização relativas ao beneficiamento, à montagem, à renovação, ao recondicionamento, ao acondicionamento ou ao reacondicionamento aplicadas ao próprio bem; e II – o conserto, o reparo, ou a reparação de bens estrangeiros, que devam retornar, modificados, ao país de origem. Ao conceder o regime, a autoridade aduaneira fixará o prazo de permanência dos bens no País. O prazo será fixado: - em até 03 meses, para os bens não vinculados a contrato de arrendamento operacional, aluguel ou de empréstimo, prorrogável, uma única vez, por igual período; ou
regimesfinanciamento@desenvolvimento.gov.br

1

reexportação.Instrução Normativa SRF nº 115. às expensas do interessado. se nacionalizados. de 27/12/96 .430.Lei nº 9.- pelo prazo contratado de arrendamento operacional. dentro do prazo fixado para a permanência dos bens no País: .gov. Legislação Básica: . que deve ser requerida pelo beneficiário.Decreto nº 4. arts.Instrução Normativa nº 285. de 22/12/99 . O regime extingue-se com a adoção de uma das seguintes providências. de empréstimos ou de prestação de serviços na mesma medida deste.543.despacho para consumo. de 21/12/98 . . de 31/12/01 .transferência para outro regime especial.br 2 . .destruição. .Instrução Normativa SRF nº 40.Instrução Normativa SRF nº 155. de 09/04/99 . de 26/12/02. livres de quaisquer despesas. desde que a autoridade aduaneira concorde em recebê-los. e .889.entrega à Fazenda Nacional. 306 a 334 . de 14/01/03 regimesfinanciamento@desenvolvimento. de aluguel.Decreto nº 2.