You are on page 1of 19

Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Campus Regional – Instituto Politécnico


Graduação: Engenharia mecânica
QUÍMICA DOS MATERIAIS

INTRODUÇÃO À COMPÓSITOS

Novembro de 2008

1
Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Campus Regional – Instituto Politécnico
Graduação: Engenharia mecânica
QUÍMICA DOS MATERIAIS

INTRODUÇÃO À COMPÓSITOS

Membros do Grupo:
Andreza Menezes Lima
João Victor Ferreira Carvalho
Thiago Liberato Girão

Orientador: Valéria

Novembro de 2008

2
ÍNDICE

INTRODUÇÃO 4

HISTÓRIA 5

DEFINIÇÃO 6
REFORÇOS 6
REFORÇO CONTÍNUO 6
REFORÇO DESCONTÍNUO 6
FIBRAS 7
FIBRAS DE VIDRO 7
FIBRAS DE ARAMIDA (KEVLAR) 7
FIBRAS DE CARBONO 8
FIBRAS DE BORO 8
MATRIZES 9
MATRIZ METÁLICA 9
MATRIZ POLIMÉRICA 9
MATRIZ CERÂMICA 10

INTERESSE 12

APLICAÇÕES 14

CONCLUSÃO 16

ANEXO
1)MÁQUINAS PARA FABRICAÇÃO DE COMPÓSITOS 17
2)APLICAÇÃO DA FIBRA DE KEVLAR ( EM CONSTRUÇÃO CIVIL) 18
3)CUSTO DE ALGUMAS FIBRAS 19

BIBLIOGRAFIA 20

3
INTRODUÇÃO

Muitas de nossas tecnologias necessitam de materiais com


combinações não usuais de propriedades que são encontradas em ligas
metálicas convencionais, cerâmicas, e materiais poliméricos. Esta afirmação é
verdadeira especialmente quando falamos de materiais utilizados em
aplicações aeroespaciais, submarinas e de transporte. Por exemplo,
engenheiros aeroespaciais estão cada vez mais à procura de materiais
estruturais que sejam pouco densos, fortes, firmes, resistentes a impactos e
abrasão, e não tão facilmente corroídos; uma formidável combinação de
características. Geralmente materiais fortes são relativamente densos,
entretanto, aumentando sua resistência ou firmeza perde em resistência a
impacto.
Combinações de propriedades de materiais e suas aplicações foram (e
estão sendo) estendias pelo desenvolvimento em pesquisas de materiais
compósitos. Basicamente, um compósito é considerado como sendo um
material multifase que demonstra uma significativa proporcionalidade de ambas
as fases constituentes, com as quais uma melhor é realizada. De acordo com
este princípio de ação combinada, combinações mais eficientes de cada
propriedade são fabricados pela junção de dois ou mais materiais distintos.
Vários materiais compósitos são compostos por apenas duas fases;
Uma é denominada "matriz", a qual é contínua envolve a outra fase, muitas
vezes chamada de "fase dispersa". As propriedades dos compósitos são uma
função das propriedades das fases constituentes, suas relativas porções, e a
geometria da "fase dispersa" (que compreende o formato de suas partículas,
seu tamanho, distribuição e orientação).

4
HISTÓRIA
Compósitos, ao contrário do que se imagina, não são de origem recente. Na
antiguidade, tijolos para a construção civil eram fabricados de barro e capim seco,
formando um compósito. O capim fornecia a resistência mecânica do material
enquanto o barro o preenchia fornecendo solidez. A utilização e o desenvolvimento de
materiais compósitos se deu de uma formas mais lenta que a dos metais e ligas
metálicas.
A fibra de vidro foi o primeiro compósito a ser desenvolvido (em meados do
século XVIII), mas só passou a ser desenvolvido comercialmente no ano de 1939, no
decorrer da 2ª Guerra Mundial, visando aplicações elétricas em altas temperaturas.
Após vinte anos começaram a ser produzidas as "fibras avançadas": fibras de boro
(final da década de 1950) e Carbono (final da década de 1960). O fim da Guerra Fria,
no final da década de 80, trouxe uma redução na pesquisa e desenvolvimento de
materiais compósitos para a área militar. Entretanto, o desenvolvimento de compósitos
durante a guerra foram de grande utilidade ao serem transferidos para a área civil.
Novas linhas de aeronaves, artigos esportivos e estruturas de engenharia civil estão
atualmente em desenvolvimento e aperfeiçoamento, o que aumenta o consumo de
materiais compósitos.

5
DEFINIÇÃO

O campo dos materiais compósitos é ao mesmo tempo novo e antigo. É antigo


na perspectiva de que muitos objetos naturais, incluindo o corpo humano, são
compósitos. É novo na perspectiva de que somente a partir da década de 1939 é que
compósitos fibrosos artificiais passaram a ser produzidos comercialmente.
Compósito é um material heterogêneo formado por dois ou mais constituintes
distintos, classificados por fibras, contínuas ou não, de um material resistente (reforço,
que é descontínuo, ou seja, envolvido pela matriz) e matriz ( material de
preenchimento, de resistência mecânica inferior à da fibra). O objetivo de seu
desenvolvimento é combinar diferentes materiais para produzir um único dispositivo
com performance superior à de seus componentes formadores.

⇒ Reforços:

Existem dois tipos diferentes de reforços:

Reforço Contínuo: Constituinte que se estende de forma ininterrupta, segundo


pelo menos uma direção, através de todo o compósito. Se divide ainda em FIBRAS
CONTÍNUAS (Reforços cilíndricos, produzidos de forma contínua, de modo a não
apresentarem extremidades livres ao longo do comprimento do compósito,
apresentam-se agrupadas ou em fiadas) ou MONOFILAMENTOS (Semelhante a fibra
contínua, mas com diâmetro superior, apresentam-se isolados).

Reforço Descontínuo: Constituinte não percolante de um compósito,


assumindo a forma de um conjunto de elementos discretos embebidos na matriz. Pode
ser: FIBRAS CURTAS (Reforços cilíndricos descontínuos), WHISKERS(Monocristais
alongados, contribuição adicional ao reforço de matriz), PARTÍCULAS(Reforços de
partículas mono ou policristalinas e de diferentes morfologias),
DISPERSÓIDES(Semelhantes ás partículas, mas com dimensões menores, o que
induz um componente adicional de reforço) e PLAQUETAS(Reforços planares).

6
⇒ Fibras:

A fibra é o elemento que confere ao compósito suas características mecânicas


(rigidez; resistência à ruptura). As fibras podem ser curtas de alguns centímetros que
são injetadas no momento da moldagem da peça, ou longas e que são cortadas após
a fabricação da peça. Os tipos mais comuns de fibras são: de vidro, de aramida
(kevlar), carbono, e boro. As fibras podem ser definidas como sendo unidirecionais,
quando orientadas segundo uma mesma direção; bidimensionais, com as fibras
orientadas segundo duas direções ortogonais (tecidos).

Fibras de vidro:

São usadas para reforçar matrizes poliméricas, de modo a se obter compósitos


estruturais e componentes moldados. Os compósitos de matriz plástica reforçada com
fibras de vidro apresentam as seguintes características favoráveis: elevada razão
(quociente) entre resistência e peso; boa estabilidade dimensional; boa resistência ao
calor, à umidade e à corrosão; boas propriedades de isolamento elétrico; facilidade de
fabricação e custo relativamente baixo, por esse motivo são de longe o reforço mais
utilizado. São utilizadas em cascos de navios, hélices de barcos, componentes para a
indústria aeronáutica e automobilística, pranchas de surf etc.

Fibras de aramida (kevlar):

É o nome genérico das fibras de poliamida aromática. Elas surgiram no


comércio em 1972, apresentadas pela Du Pont®, com o nome comercial de KEVLAR® .
Hoje existem dois tipos comercializados desse produto: O Kevlar 29® (possui elevada
resistência mecânica e baixa densidade, concebida para proteção balística, cordas e
cabos)e o Kevlar 49® (possui resistência mecânica e um módulo de elasticidade
elevados, com densidade baixa; É aplicado nas indústrias aeroespacial, marítima,
automobilística e outras .Uma das grandes desvantagens dessa fibra é seu preço
elevado.

7
Fibras de Carbono:

Compósitos poliméricos reforçados com fibras de carbono, por exemplo, de


resina epóxi, são caracterizados pelo fato de apresentarem uma combinação de baixo
peso, resistência mecânica muito elevada e elevada rigidez (módulo de elasticidade).
As fibras de carbono, para estes compósitos, são fabricadas principalmente a partir de
dois precursores: o poliacrilonitrilo (PAN) e o breu (piche).

Fibras de Boro:

A fibra de Boro foi desenvolvida nos Estados Unidos usando técnicas de


deposição química de vapores pelas quais o Boro é depositado sobre um filamento de
Tungsténio muito fino, o processo é contudo muito dispendioso. Estas fibras aceitam
com sucesso matrizes de "Epoxy" e Alumínio. Modulo de elasticidade 5 vezes superior
ao modulo da fibra de vidro, ligeiramente mais pesadas que a fibra de vidro, elevado
custo, utilizados também em compósitos de matriz metálica.

Outras fibras:

Utilizadas em compósitos com menores exigências: Amianto –fibras mineral, Sisal –


fibras naturais, Poliamidas e Poliésteres.

8
⇒ Matrizes:

As matrizes têm como função principal, transferir as solicitações mecânicas


as fibras e protegê-las do ambiente externo São contínuas, envolvem o outro
constituinte.
As matrizes podem ser metálicas, poliméricas e cerâmicas:

Matriz metálica:

A matriz é constituída por um metal.Estes compósitos oferecem vantagens


relativamente aos materiais convencionais combinando as propriedades do metal que
serve de matriz com as propriedades do material que serve de reforço , esta
combinação de vantagens é superior que a conseguida com os compósitos
poliméricos.
Comparando o numero de aplicações onde se utiliza os compósitos
metálicos com os compósitos poliméricos e materiais convencionais é
pequeno. O elevado preço de produção e técnicas insuficientes (difícil processamento)
condicionam a utilização destes compósitos.
As fibras podem ser utilizadas como reforços incluindo também reforços
de natureza cerâmica.
Classificação de compósitos metálicos:
- CM parcialmente reforçado – compósito metálico onde o reforço representa apenas
5% do volume do compósito
- CM com reforços curtos
- CM com reforços Whisker
- CM com reforço monofilamentos
- CM com reforço continuo

Matriz polimérica:

As matrizes poliméricas, consistem de uma resina polimérica como fase matriz


e fibras como meio de reforço. Etimologicamente, a palavra polímero significa “muitas
partes”. Um material polimérico pode ser considerado como constituído por muitas
partes, ou unidades, ligadas quimicamente entre si de modo a formar um sólido.
Dependendo do modo como estão ligados química e estruturalmente, os plásticos
podem ser divididos em duas classes: termoplásticos e termoendurecíveis.
Os polímeros termoplásticos amolecem quando são aquecidos, se
liquefazendo e endurecem quando são resfriados, esses dois processos são
reversíveis e podem ser repetidos diversas vezes. Além disso, os termoplásticos são
relativamente maleáveis e dúcteis. Os polímeros termoendurecíveis se tornam
permanentemente duros quando submetidos ao calor e não amolecem com um
aquecimento subseqüente. Geralmente são mais duros, mais resistentes e mais frágil,
do que os polímeros termoplásticos, e possuem melhor estabilidade dimensional.
Os compósitos de matriz polimérica se tornaram muito “populares” e com
grande desenvolvimento principalmente por sua mais importante vantagem, a
fabricação, esse tipo de compósito envolve altas pressões e baixas temperaturas,

9
evitando-se problemas associados com a degradação do reforço durante seu
processamento. As matrizes poliméricas também tem suas desvantagens, entre elas
podemos apontar: impossibilidade de trabalho a altas temperaturas, instabilidade
dimensional (devido a altos coeficientes de expansão térmica), sensibilidade à
radiação e, em alguns casos, absorção da umidade do ambiente.
Dos três tipos de compósitos, o polimérico é o mais fácil de processar, por esse
motivo, são os mais importantes em termos de desempenho e campo de alicação.

REFORÇOS:
Os diferentes reforços podem ser encontrados em varias configurações, estas
são escolhidas dependendo da configuração da peça final, dos esforços que vão estar
associados, método de produção do compósito.
• Roving – É um cordão de fibras enroladas helicoidalmente em bobines. Pode
ser utilizado para a produção de fibras curtas ou então para a produção de
tecidos malhas
• Mantas – Constituídas por fibras distribuídas aleatoriamente e agregadas com
um ligante.
Os tipos de mantas são:
Mantas de filamentos cortados
Mantas de filamentos contínuos
Mantas de superfície

Matriz cerâmica:

Os materiais cerâmicos sãos dos mais antigos utilizados pelo ser humano,
mesmo assim o desenvolvimento dos compósitos de matriz cerâmica tem ficado
aquém dos outros tipo de matrizes, principalmente por sua dificuldade de fabricação,
que envolve altas temperaturas em suas etapas, sendo assim, necessárias a utilização
de reforços que suportem altas temperaturas. Outro motivo é o aparecimento de
tensões térmicas, devido à diferença de coeficientes de expansão térmica entre matriz
e reforço durante o resfriamento.
Os principais tipos de compósitos de matriz cerâmica, de acordo com o tipo de
reforço usado, são: os de fibras contínuas, os de fibras descontínuas e os reforçados
por partículas. As duas principais variedades de fibras contínuas que têm sido usadas
nos compósitos de matriz cerâmica são as de carboneto de silício (SiC) e as de óxido
de alumínio (Al2O3). Já para as fibras descontínuas (“whiskers”) e particulados é
utilizado o carboneto de silício (SiC).
As principais vantagens dos compósitos de matriz cerâmica são sua alta
resistência à oxidação e à deterioração sob elevadas temperaturas e sua baixa
densidade só é superada pelos polímeros, Podem trabalhar em atmosferas fortes,
melhor resistência a erosão e são quimicamente inertes; mas sua grande
desvantagem, a predisposição à fratura fácil, impede a maioria dos seus usos, como
em componentes de motores de turbinas para automóveis e aeronaves.

10
REFORÇOS:

• Reforços descontínuos temos:


- Whiskers [filamentos monocristalinos de xxx].
- Partículas compostas por Si3N4,SiC,AlN, boron carbide e boron nitride.
• Os reforços contínuos que podemos encontrar são (utilizados nos compósitos
avançados:
- Glassmullite
- Alumina
- Carbon
- SiC

Normalmente é depositada por deposição química na fase de vapor ou


por processos de impregnação uma proteção no reforço para este não
reagir com a matriz.

11
INTERESSE
O interesse dos materiais compósitos está ligado a dois fatores: econômico e
performance. O fator econômico vem do fato dos compostos serem muito mais leve
que os materiais metálicos, o que implica numa economia de combustível e
conseqüentemente, num aumento de carga útil (aeronáutica e aeroespacial). A
redução na massa total do produto pode chegar a 30% ou mais, em função da
aplicação dada ao material composto. O custo de fabricação de algumas peças em
material composto pode ser também sensivelmente menor se comparado com os
materiais metálicos.
O fator performance está ligado a procura por um melhor desempenho de
componentes estruturais, sobretudo no que diz respeito às características mecânicas.
O caráter anisotrópico dos materiais compostos é o fator primordial para a obtenção
das propriedades mecânicas requeridas pelo componente.
Os principais aspectos mecânicos que indicam larga vantagem no uso dos
compósitos são principalmente:

• Leveza e facilidade de transporte

Devido ao peso específico das resinas e das fibras de reforço, os produtos


fabricados a partir dos compósitos apresentam um baixo peso específico.
Devido a esta e a outras propriedades características dos materiais
compósitos é que eles são amplamente utilizados nos setores de
aeronáutica, naval, automobilístico e outros.

• Resistência química

Os compósitos apresentam excepcional inércia química, o que permite sua


utilização em uma ampla gama de ambientes agressivos quimicamente. Além
disso aditivos especiais e resinas específicas estão à disposição dos técnicos
para solucionar aplicações que requeiram propriedades além das usuais.

• Resistência às Intempéries

Umidade, vento, sol, oscilações térmicas tem baixa ação prejudicial sobre os
compósitos. E quando características não usuais são requeridas, aditivos
como protetores de UV, agentes anti-dust, resinas especiais são amplamente
utilizáveis.

• Flexibilidade Arquitetônica

Os compósitos tem uma grande vantagem sobre outros materiais estruturais,


pois moldes com formas complexas são facilmente adaptáveis aos processos
em utilização. Curvas, formas diferenciadas, detalhes arquitetônicos das
empresas de materiais compósitos.

• Durabilidade

O compósito, devido à sua composição e ao crosslinking polimérico formado


durante o processo de moldagem, apresenta como característica uma alta
durabilidade.

12
• Fácil Manutenção

Os compósitos além de sua longevidade tradicional, apresentam fácil e


simples técnicas de reparo e manutenção.

• Resistência Mecânica

Devido às suas características e à variedade de combinações que podem ser


realizadas entre as resinas e os materiais de reforço, os compósitos
apresentam uma excelente resistência mecânica que possibilita a sua
utilização em aplicações no setor de aeronáutica, naval, automobilístico e
outras.

• Feito sob medida

Compósitos são sinônimos de produtos feitos sob medida. Decidir pela


utilização de um compósito é ter à sua disposição a possibilidade de resolver
seus problemas de engenharia com um produto feito sob medida, isto é, um
produto fabricado na medida certa e exata de sua necessidade.

13
APLICAÇÕES
A aplicação de materiais compósitos surgiu inicialmente na área aeronáutica
devido a necessidade de diminuição de peso, preservando a robustez dos
componentes estruturais. Atualmente uma grande variedade de peças em materiais
compostos podem ser encontradas nos aviões em substituição aos materiais metálicos
(fuselagem, spoilers, portas de trem de aterrissagem, portas internas). Em muitos
componentes aeronáuticos, sua concepção foge da definição dada inicialmente para
materiais compósitos, pois nestes casos os componentes são fabricados normalmente
em placas de baixa densidade, contraplacadas por placas finas de alta resistência.
Esta configuração normalmente é dita sanduíche. De uma forma mais ampla, estas
configurações são também consideradas compósitos, pois combinam diferentes
materiais. A destacada atuação do Brasil nos setores de transporte aeronáutico abre
boas perspectivas para as empresas.

A utilização dos compósitos dentro da industria automobilística é bem mais


recente do que na área aeronáutica. Inicialmente, eram produzidos somente pára-
choques e tetos de automóveis. Atualmente, o material composto é utilizado para a
fabricação de capôs, carters de óleo, colunas de direção, árvores de transmissão,
molas laminadas, painéis, dentre outras peças.O Brasil é um dos maiores fabricantes
mundiais de ônibus, microônibus e vans. Este fato, aliado aos investimentos das
montadoras internacionais em nosso país e ao constante crescimento deste
segmento, sinaliza um excelente potencial de desenvolvimento para a indústria de
compósitos. Uma das grandes vantagens trazidas para o meio automobilístico pelos
materiais compostos é, além da redução do peso, facilita confeccionar peças com
superfícies complexas.

Outra área de atuação dos compósitos muito desenvolvida é a bioengenharia,


onde esses materiais são usados na fabricação de próteses internas e externas. Como
por exemplo: a substituição do fêmur, com uma haste de compósito encimada por uma
esfera de Al2O3 ; suporte de pessoas com problemas de locomoção, através de náilon/
fibras de carbono; ou até mesmo válvulas de coração artificial em carvão pirolítico
recoberto por carvão, que ainda estão sendo testadas.

Uma atividade esportiva que emprega material composto é a Fórmula 1, que


pode ser considerada como um laboratório para as inovações tecnológicas. Em muitos
casos, o que se emprega dentro dos carros de Fórmula 1 será utilizado futuramente
nos carros de passeio. Neste caso, o aumento da relação potência/peso é
fundamental para um bom desempenho do carro nas pistas. A configuração mais
freqüentemente utilizada nestes carros é do tipo sanduíche que é utilizada para a
confecção da carroceria. Em praticamente todas as atividades esportivas, a redução
do peso está diretamente ligada a redução do tempo de execução de uma prova
esportiva. Como exemplo disto, podemos citar barcos a vela, skis e bicicletas. Em
alguns casos, o que se procura é a agilidade, e a perfeição de alguns golpes, como no
tênis, com suas raquetes; no golfe, com seus tacos; e no surf, com suas pranchas.

Na área de saneamento básico, os compósitos também podem ser utilizados


em tubos e estações de tratamento de água e efluentes, esse é um segmento com
expressiva atuação do setor de compósitos e com grande expectativa de crescimento,
uma vez que, até o ano de 2010, a Política Nacional de Saneamento prevê
investimentos da ordem de R$ 34 bilhões.

Em setores químicos e petrolíferos, 20% das plataformas de petróleo da


Petrobrás já utilizam produtos fabricados a partir de compósitos, substituindo, por
exemplo, as grades de piso em aço.

14
Até mesmo na construção civil o compósito já é amplamente utilizado por
este segmento, sendo utilizado para fabricação de caixas d'água, tanques, coberturas,
perfis, mármore sintético, banheiras, telhas. Possui um grande potencial de
crescimento por se tratar de um setor em franca expansão no Brasil.

As concessionárias de telefonia e energia elétrica já estão utilizando


amplamente o compósito em suas obras de manutenção e expansão. No setor
eletrônico o material á aplicado em leitos para cabos, antenas, elementos de
isolação, cabines telefônicas.

As empresas fornecedoras de matérias-primas e equipamentos disponibilizam


cerca de 430 itens para o setor de lazer como, fibras de vidro, resina poliéster,
agentes desmoldantes, agentes tixotrópicos, aceleradores, peróxidos e outros, tudo
para faricação de materiais para parques temáticos e piscinas a maior parte fabricada
nacionalmente.

15
CONCLUSÃO
Um compósito no contexto atual, é um material multifásico feito artificialmente,
o oposto dos que ocorrem ou formam-se naturalmente. Além disso as fases
constituinte devem ser quimicamente dissimiladas e separadas por uma interfase
distinta. Sendo assim a maioria das ligas metálicas e cerâmicas nãos e encaixam
nessa definição pois suas múltiplas fases são formadas como conseqüência de um
fenômeno natural.
No desenvolvimento de compósitos cientistas e engenheiros combinam de
maneiras sistemática vários metais, cerâmicas e polímeros para produzir uma nova
geração de materiais extraordinários. A maioria dos compósitos foram criados para
otimizar combinações de características mecânicas como firmeza, dureza, e
resistência a altas temperaturas.

ANEXOS

16
1) ALGUMAS MÁQUINAS PARA FABRICAÇÃO DE COMPÓSITOS:

• Fabricação de lâminas - sistema FIT ( Tecnologia de Intersecção de


Fluido)

LAMINADORA SPRAY UP GELCOTEADEIRA

HIDRAJECTOR RTM E – Z RIDER

2) APLICAÇÃO DA FIBRA DE KEVLAR ( EM CONSTRUÇÃO CIVIL):

17
O reforço estrutural com KEVLAR

“A mais de vinte anos a fibra de KEVLAR é utilizada em serviços de reforço estrutural,


particularmente no Japão e Europa. Mas recentemente nos EUA, onde adquiriu mais
notoriedade para este tipo de aplicação.
Anualmente uma infinidade de estruturas, sejam de pontes, edificações ou de indústrias
necessitam serviços de reforço ou de recuperação estrutural motivadas por problemas de
corrosão nas armaduras, erros ou modificação de projeto ou, simplesmente, por alteração nas
cargas atuantes. Desde o início dos anos 80 uma nova tecnologia de reforço, que utiliza
polímeros armados com fibras, vem facilitando a vida das empresas de recuperação.”

FONTE: http://www.rogertec.com.br/Produtos/kevlar.pdf

- APLICAÇÃO-

3) CUSTO DE ALGUMAS FIBRAS :

18
São apresentados na tabela os custos de 3 fibras: Carbono, Kevlar e
Vidro.

SENDO: R$ - o custo de matéria-prima


ereparo – quantidade necessária para reparo
E MPa – pressão
R$/ ereparo – custo/espessura
R$ x ereparo – custo x espessura
mreparado – massa reparada
E/mreparo – relação E/mreparado
R$ x ereparo x mreparo – relação custo inicial x
quantidade necessária para reparo x massa reparada

19