You are on page 1of 18

c

Resumo

Æ    

        
  
   
     
 
  

      
 
     
 
    

!" 
 #    
" 
 
 $   
 %   &
   
        


       

"   '
 ("  )
%* +,     

  -"
 . /)
  Æ     

     


   
    
 . . 
   


    


    0   

    



        
 
        1
 
2  1
    
   %    %  

      3  
    
 
,  4 '  4   
  
  
 


  1       
  
5
 

1
  
   Æ     
 

      1  


 

  



  1
 
      

c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c

c
c

- odução

6  
             

  
2   %
    
   1
  1
        &          %  
 %      & 5
  Æ    

 

    &
  
  
  
 
    
 Æ  
   7
  
 &      
     1
   

 
       ! /4
2 8%   9!  
Æ    
 :     


6      2 
       2
   
        
 

   

 
 :
 7
2 5
 
  
  
 6  %2
        

     '

2 
  ;
2   '  (2  )
%*+,   


    -2   .  /)
 

Æ    <  


      


   
  
   
 5
 
    


           

  2 
  

      
5        2  
 
   
   
    2    

     

       

 
 /
 2 
/
    
   % 

  
 

c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c

c
c

Revisão bibliogica

6  % 1       %


7
    
 

 2      
   
 
  
   Æ1

2 

  

  ,    

  

   
 

c
c

å i Fí i G 

c  ccc 
c

Quando uma massa onsan de um ero s2 man


da a emperaura
onsane2 ompr
m
da2 noa-se o segu
ne:

a) dobrando-se a pressão2 o oume se reduz meade"

b) r
p
ando-se a pressão2 o oume se reduz a um erço do aor
n

a" e
ass
m por d
ane

Æ par
r dessas onsaações exper
mena
s podemos expressar a e
de oye:

c  c cc c c c   c   c  c


c  c   cc c  c

aema
amene aando:

†    †   




ra
amene eremos:

=soerma: maema
amene

orresponde a um rumo de


pérboe eqü
 era

.eo grá
o ac
ma podemos consaar que o gás ao passar do esado > para o
esado ? d
m
nu
a pressão e aumena de oume emperaura consane de

c
c

 

    
 
 # 
  /     
   
           

ß c c c   c

           2  


     2 1

2          /  
:

   /     2     "

 

 /     2    

"  
  
 

Æ  
   5
 
  5   

8% :

 c
 c c c  c ! c  c   c c  c c
   c    c c  c   c      c
4
   :

† †



9 
 :

.  
 
             
 


          
 
 
 
 
   
     

€ c c c" c

           2  


      2
1 
2   
   /  
:

   /     2    "

c
c

 

 /     2   

"  
  
 

 

 5
  1 5   
 9! / 2 
  
 %    


! ! ! -
A c "#$$%c &'$ (' #c c ) *+#c &* (,c (c "c ,# #"+'(,(c +($$(c ($$( c

.c ,"# (+#'#c! "! "&'( c /c$*(c #+! #"(*"(c ( $ * ( 0c


4
 :

â â



9 
 :

.  
 
             
 


         
 
 
 
 
   
      

] 1c 23c 43c#5  67c$% 8399:6c%58;5 & c

  
  2 %/   
       


 5   
 
%2        
   
       
      

= 
       
    
  /   
 
    
   2 @2 A 2  2    

:

V    
 V     
 
 

c
c

Ú 
     
 
   
  
  
    
  6   
  2  



   1  
 # 2  
  
:
< < G < <
A c =>??@Ac B=CB c D>c EFBc F ? E=Bc B?A?Bc Hc Bc ?AFBc DB?c =>??' >?c B=CB ?c D>c
G <
 ADA?c A?c B?>?c(E>c) B*>Fc B= >c DBc F ? E=B Ic

4
   :

†           

$   
         
  
   
 
  
  # 2  
    5  
 
   2 :

.    : V      
 

.   
 :     


#


              2 :
 
  
 


Æ     1 %       2   

 

   8 B  2  7   
  
:
 
        V     
 


  2   
 
   
     

  
 
O
f Jc KLc MNc + PcMLQ c

8%/   
  
     2
  2 : 

0
  9 
 !/4
2 9!/  8% 2  

 
       " 1 
2    
 
 
  
5  
    
  3
 8
1
  9

Æ 
      
      <  :

C$  1  
   ;   

C$  1
    
  :   

CÆ   1  
  :    

c
c

èaema
camene aando a equação que descreve a e
do gás
dea é dada
por:

   
 

onde:

D .ressão

D 'oume

D èoes de gás

D onsane do gás pere


o

D emperaura em +ev
n

ß Eq  Viri l

s gases rea
s são
mpere
os2 po
s ex
sem
nerações
nermoecuares2
so
é2 orças repus
vas e ara
vas enre os áomos ou moécuas s desv
os

dea
dade são ma
s
mporanes a aas pressões e cond
ções exremas de
emperaura Ema das ormas ma
s s
mpes de v
sua
zar eses desv
os
cons
se em represenar o aor de compress
b

dade em unção da pressão 
aor de compress
b

dade é dado por:

’c,c-./0c

Da 
gura segu
ne mosra-se a var
ação de ’ccom a pressão para um gás rea2

compara
vamene ao comporameno de um gá s pere
o

c
c

  *cÙ    


  
      
 
 

 

    
2     F     
 

     
 
  


R
'&    
  - Sc    
1 
 5
 

     2    5  8$ 

Æ   
  5       
2   
1     
 
    
 
    
R- Sc Tc UVc$c Wc1c2Rc1c2R ßc1cc&

 5  1      



2    

  2c 2c
  
 

   

2    
     
Ú  5 
        
 Æ   
     G 

   

 1  
 /     
!2
 1  X$ Vc TV&c H2 

 / 2  

<
2  
          


'&                8 


  
       2


    Æ2  1


        . 75
  Æ       

          
 ! 8   


      5
   6   8         
IH     
75
            
  1 %      % Æ    
% 8# 5
 
   2  
    Æ 
% 8#    
    
     
 :     5
<
 6     
 %     1 

     


c
c

             0  5 Æ


1 
 :
   Ñ 2   @ HA J82 1  
       :

1 
 
 $   
   C 1    
  

Æ
     1
   / 
2 &   
  
 -     

 :    Ñ c  
   2   ;
        
 
Æ   2        
  
  
   
2 Ñ 2   
2  2   
 2 -  .   $

2  52      

   KAL +  



 
 
 

€ E uações de Esado Cúbicas

$   M   ;
N 
 /   

2   5 
2  <    :  
 <
 
 ;
 1  
O
 
 
       

  

  


           2 

   Æ 
       ;
  

  2    
        
 :


 
  
      

     
 2 5 
      
 


2 1

                             !

" &
    
#$ % $ #%

 1 
    1   ;
 Æ   1 
  "
 

   1
 

     
     1 2  
   2 %    2 1  
   % 
1 "      1
 

       
2     
2 %        
2     
    
 
    '   2    ;

  
2 1       


 
    
       
 $       
    2
  2          
    
:

( (¹
' )  ' ) !
( %* ( ¹ %*

c
c

8     1       ;


 
 %
2 
        ,: '  (  LP@2 )
% /
+,   QAQ2 -/)
%/+,   QP   . /)
  QPI

Æ 
      2    
 %  $  

 
  
 
 2         1
2
       

     
2     
 <
      Æ   '  (  
  <
     2   


    
 

     
      =  1  2
   
      :  

    Æ
  )
%/+, 2     
   
  

    
    %
2            
   '  (2 &         þ 
 
  .
     <
        
      
 

2      {3
'
   <    
        <
  
  

] E uação de va de Walls

  



 
 
      
 1

    ( Æ7    8$   ( % :
     %              


    
     
         

Æ     ( ( 1      


            
      
  
   
  
 Æ  
 
 
R%  #

S   (  LP@2    

  

 

 Æ     5
 %  
       
    
     
  

Z   +     



      ;


  2 &   

    Â  
  
   



  
  5
          
 


       

     

Æ     (  2   ÑcF Ñ 2 


1 
  75
 
5
 
 $        /     
      ( Æ      
      8 2   3 F 3    

c
c

   M 7N 


2   ;
  2     



    

 
*    <      Â 1 
   
    1         
  



 
 T 
    5
  3  5
  
 
   5
/2  
/  
     
 6
1 


    U   U 
     
5  
   2      :

(V (V
' )  , -  !
( %* ( %*

8    


   
     ( :


* 
V*   
*   *

)  
     <         Ñ 2  c
 - c    Yc Zc2
 1:

- c [c€

.
*  
/0


V*  
/0

Æ 
      (        
 

    


    
2 * c \c  - . ]Ñ 
-

   
   
 1 * c H@PK   1 

 5
       
 2  
  
 

      (

'  (    


        

       
 5       

6 

 

/ 
            

      (  

      ^c  c 
    c Ñ 2 :

.1 2
V1   
21   1

Æ   
 1     
 2     

   Æ
2 
  
         Ñc c
<   -c
 /        

  B<
 
  

       1  
   


 1      Ñc 

c
c

f Eq li h/Kw n

Ema oura equação2 cons


derada ma
s prec
sa que a equação de van
der aas e com o mesmo nve de d

cudade é a equação de ed
ch V
+ ong > )2 que para propr
edades moares Æ equação de -+ possu
um
ermo ara
vo ma
s compexo do que o enconrado para a q  n r
l

mbora super
or equação de esado de va n der aas2 ea raa pobremene
no que d
z respe
o ase qu
da e2 porano2 não pode ser usada para cacuar
com prec
são equ
br
os 
qu
do-vapor Do enano2 ee pode ser usado em
con&uno com correações de ase qu
das separadas para ese 
m Æ equação
de ed
ch-+ ong é adequada para o cácuo de propr
edades em ase gasosa2
quando a reação enre a pressão para a pressão cr

ca pressão reduz
da) é

ner
or a cerca de meade da proporção da emperaura para a emperaura
cr

ca

f c ) 3c c4_ 3cc/5c c  c

nde W é o aor acênr


co para as espéc
es

para o X
drogen
o:

c
c

m > ? -oave subs


u
u o ermo >*Y 0) da equação ed
ch-+ ong com uma
unção Z 2W) envovendo a emperaura e o aor acênr
co Æ unção Z o

conceb
da para a&usar os dados de pressão de vapor de h
drocarboneos e a
equação raa mu
o bem esses maer
a
s

Doe-se espec
amene que esa subs
u
ção muda a de
n
ção de evemene2
como a 0 é agora a segunda poênc
a

c Eq Pn - inn

Æ
nerreação enre as propr
edades ermod
nâm
cas o
esabeec
da
peo uso da equação de esado cúb
ca de .D -R =D-D

Da orma po
nom
a:

onde2 W é o aor acênr


co das espéc
es2 / é a consane dos gases pere
os
e [D.'* RT) é o aor de compress
b

dade Æ equação de .eng-Rob
nson o

desenvov
da em > de mane
ra a sa
sazer as segu
nes meas:

s parâmeros dever
am ser expressáve
s em ermos de propr
edades cr

cas
e o aor acênr
co modeo dever
a produz
r razoáve prec
são próx
ma ao
pono cr
co2 par
cuarmene para cácuos do aor de compress
b

dade e
dens
dade de qu
dos Æs regras de m
sura não devem empregar ma
s de um
ún
co parâmero de
neração b
nár
o2 que deve ser
ndependene da pressão2
emperaura e compos
ção Æ equação dever
a ser ap
cáve a odos os cácuos
de odas as propr
edades de u
dos em processos de gás naura

.ara a ma
or pare a equação de .eng -Rob
nson apresena desempenho
semehane equação de -oave2 embora se&a geramene super
or na pred
ção
da dens
dade de qu
dos de d
versos maer
a
s2 espec
amene os apoares

c
c

èeodologia de dese volvime o

Æ 
 

 
         
 
  

    
 2    5

 

  2  1      
 
   Æ1 
2 

 1   5

  
     
    
   

       


    

. 
  
 
  1 
 

   
   1  ,  4  4 '    
  

c
c

Resulado e Discussão

.      : 8   '          


KG8     K   
     ! 34  

 
:

   

  '

       

 
  '

      
 

 
  '

       

 

$/  
 :

Vø Z
a) åIK2åP å
b) åKQL@ H2QII
c) KLPH2H H2QQå
d) @HP H2P H2QQL

   )
%*+, 
   . *)

 Â

    8;
 

$   
 :

Vø Z
e) å  
) å  åå
g) å  

#
    
  
     .  /
)
  )
%/+,    
   
2   
     
 
  .  2   

   
  
2    .  /)
  -/
)
%/+,     

 
;
   B   
     
 

       


c
c

Co clusão

  %   &


 

 
    
 
 %      )
%*+,   . /)
 2
     &
 
   %  
    % 
,              
;
  

  &
 
  

  4 '   4

c
c

Reee cias :

 4Æ8#$ Œísico Química - 9   #


2 HHA

8Æ-3Æ62 9 Œu dame os de Œísico Química )


  R 
: 
 
31
 
8
 
2 HH 

-
%2 R 4  ' 62  8 - odução à Temodi mica da E ge aia
Química 2 1
 
 382 HHP

-  2 - = Cemical a d E gi eei g Temody amics 2 2R%
(
! \ - 2 åQLQ
c c

Æ2 92 Ñ 


  º U 2   
 2 
2
HHH