You are on page 1of 22

No povoado de Nevoeiro vivia um velho sozinho e

só. Ele fazia cestas de vime e sandálias de cânhamo. Dava


as sandálias e as cestas aos vizinhos e se ofendia se
queriam pagar-lhe por isso. A vida, ele a ganhava como
guardador de pomares. O velho viera de um lugar muito
distante e nunca falava de sua vida.
Ninguém se atrevia a perguntar-lhe: "Você sempre
foi assim tão velho?", nem tampouco: "Você sempre foi
assim tão feio?”.
Ele andava curvado e mancava de uma perna. Era
muito branco o pouco cabelo que restava em sua cabeça.
Uma cicatriz atravessava-lhe a face. Tinha um nariz torto e
quando ria abria uma janela entre os dentes de cima.
Em uma noite de outono, um menino chamado
Carassuja saltou o muro de um pomar. Pensava roubar
maçãs.
Carassuja não teve sorte. Quando escapava,
escorregou e caiu, ferindo-se num prego fincado no muro.
As maçãs rolaram pelo chão, e Carassuja caiu sobre os
espinhos de algumas o velho guardador não lhe lascou o
chinelo no bumbum, nem foi contar para sua mãe. Nem o
repreendeu. Balançou a cabeça, resmungou, limpou-lhe
os arranhões dos braços e das pernas e acompanhou
Carassuja até a porta de sua casa, sem dizer uma palavra
sequer.
Da calça rasgada de Carassuja caía uma tira de
pano, como se fosse rabo de ovelha.
Poucos dias depois, Carassuja se perdeu num
bosque. Caminhava e caminhava, e por mais que
caminhasse não conseguia encontrar a saída.

O teto das árvores apenas deixava ver o céu.


Carassuja andava, enroscando-se nas ramagens e
sapateando no barro, quando viu uma pedra brilhante.
A pedra brilhava, mesmo estando coberta de
musgo e barro. Morto de cansaço, Carassuja sentou-se na
pedra. Isto é, tentou sentar-se, porque mal encostou o
traseiro na pedra, deu um pulo e soltou um grito de dor.
Pobre Carassuja. Poucos dias antes, havia caído
sobre os espinhos. Agora, tinha sentado no ferrão de uma
abelha.
Mas não! Não havia nenhuma abelha. A culpa era
da pedra, que queimava como brasa. Furioso, Carassuja
chutou a pedra. Quando o sapato bateu na pedra,
raspando-a, surgiram pequenas letras. Carassuja abriu a
boca, surpreso.

Então Carassuja, que era um menino curioso,


esfregou a pedra com um galho. A pedra ardente mais
brilhava à medida que Carassuja ia tirando o barro e o
musgo.
Por fim, ele pôde ler estas palavras na pedra já
limpa:
Jovem serás, se és velhinho, quebrando-me
em pedacinhos.
Carassuja, que não era velho, pensou: "Se quebro
a pedra, que me acontecerá?”.
“Voltarei a ser um bebê de colo e não saberei
andar. E depois? Ah, não! Isso é que não! Terei, que
começar a escola novamente!” Também pensou: "Que
azar! Encontro uma pedra mágica e ela não me serve
para nada!"

Lembrou-se, no mesmo instante, do velho


guardador de pomares, que havia sido bom para ele e era
bom para todos os outros. . "O velho dançará feliz, vai
pular de alegria como uma pulga e voará como um
pássaro! Não vai mais tossir. Terá as pernas curadas, um
rosto sem marcas e a boca com todos os dentes."
Diante de uma descoberta tão maravilhosa,
Carassuja esqueceu-se de uma situação. "É muito tarde"
— pensou, e sentiu medo.
Para encorajar-se falou em voz alta. Ao escutar sua
própria voz, sentiu menos medo. Carassuja disse:
— Agora tenho que voltar.
E perguntou-se:
— E depois, como encontrarei a pedra?E
respondeu:
— Vou deixar sinais no caminho.
Carassuja tirou a camisa e rasgou-a em tiras.
Procurou um caminho de saída. Enquanto
caminhava deixava tiras de pano penduradas nas árvores.
Ia aos tropeços e muito lentamente, porque o bosque
estava escuro e ameaçador.
O caminho não levava à saída e Carassuja voltou à
pedra brilhante. Tentou outro caminho, que também não
servia. Os joelhos de Carassuja tremiam.
— Fora, medo! -disse em voz alta.
E como as pernas continuavam tremendo, ele
gritou:
— Fora, medo! Fora daqui! As pernas continuavam
tremendo, mas só de frio.

Quando Carassuja conseguiu sair do bosque já era


noite. A lua iluminou seus passos até sua casa.
Na manhã seguinte, Carassuja voltou aos pomares.
O velho carregava um balde de cal e uma broxa feita de
ramos. Ele se deteve e Carassuja escutou-lhe a respiração
difícil.
Carassuja falou-lhe da pedra.
O velho acariciou a cabeça do menino, bebeu um
gole de vinho e aceitou acompanhá-lo aos pântanos do
bosque.

Seguindo o caminho das tiras de pano chegaram à


pedra.
— E então? — perguntou Carassuja.
O velho mirava a pedra mágica com o rosto
franzido e os olhos apertados. A pedra brilhava,
desafiando-o.
— Vamos, quebre-a! -disse Carassuja puxando-lhe
a roupa. Porém, o velho não se mexia.
O velho apoiou-se no tronco de uma árvore e
apanhou o cachimbo dentro de uma pequena bolsa.
— Ah! -disse Carassuja - esquecemos o martelo.
Como você vai quebrar a pedra sem martelo?
O velho, muito lentamente, como se fosse trabalho
de séculos continuava preparando o cachimbo.
— Você quer que eu vá buscar o martelo? -
ofereceu-se Carassuja. Já conheço o caminho e não me
perderei.
— Não, não quero - disse o velho.
— Mas. .. você não vai quebrar a pedra?
O velho encostou um, galho seco na pedra quente.
Esperou que o galho pegasse fogo e acendeu com ele seu
cachimbo. —Mas... — Carassuja sentiu que as lágrimas
rolavam olhos abaixo. Ficou muito bravo e gritou:
—Foi para isso que me queimei? Para isso passei
tanto frio e tanto medo? O velho soltou uma baforada de
fumaça. Vem-disse, e pôs uma de suas mãos no ombro de
Carassuja.
—Eu sei o que você pensa e quero explicar. Sou
velho, embora menos velho do que você acha, sou manco
e estou desfigurado. Eu sei. Mas não pense que sou tonto,
Carassuja. Eu não sou tonto.
E, pela primeira vez, em tantos anos, o velho
contou sua história.
—Estes dentes não caíram sozinhos. Foram
arrancados à força. Esta cicatriz que marca meu rosto não
vem de um acidente. Os pulmões. .. a perna. .. Quebrei a
perna quando escapei da prisão ao saltar um muro alto.
Há outras marcas mais, que você não pode ver. Marcas
visíveis no corpo e outras que ninguém pode ver.
Os clarões da pedra ardente iluminavam o rosto do
velho, lançando brilho de faíscas em seus olhos.
— Se quebro a pedra, estas marcas somem. E elas
são meus documentos, compreendes?
— Meus documentos de identidade. Olho-me no
espelho e digo: "Esse sou eu", e não sinto pena de mim.
Lutei muito tempo. A luta pela liberdade é uma luta que
nunca acaba. Ainda agora, há outras pessoas, lá longe,
lutando como eu lutei. Mas minha terra e minha gente
ainda não são livres, e eu não quero esquecer. Se quebro
a pedra cometo uma traição, compreendes?

Através do bosque, caminharam de volta ao


povoado de Nevoeiro. Iam de mãos dadas. O menino
sentia que a mão quentinha do velho também aquecia a
sua mão.
http://groups-beta.google.com/group/digitalsource
http://groups-beta.google.com/group/Viciados_em_Livros

Related Interests