You are on page 1of 14

1.

INTRODUÇÁO

O estágio nos coloca frente ao nosso futuro e nos direciona mostrando os


melhores caminhos a seguir, pois temos como tutores àqueles que já
vivenciaram tal experiência.
Segundo Buriolla (1995) citado por Bousso (2000), "o estágio é o lócus
onde a identidade profissional do aluno é gerada, construída e referida, voltada
para o desenvolvimento de uma ação vivenciada, reflexiva e crítica." O estágio é
essencial à formação do aluno como um momento específico de sua
aprendizagem, propiciando ao aluno reflexão sobre a ação profissional e visão
crítica da dinâmica das relações existentes no campo institucional, apoiados na
supervisão enquanto processo dinâmico e criativo, tendo em vista possibilitar a
elaboração de novos conhecimentos.
O estágio em Análises Clínicas tem como objetivos gerais oferecer
formação e atualização integrada na área de doenças infecciosas e parasitárias
e habilitar os alunos aos procedimentos analíticos, bem como doenças causadas
por microorganismos. E tem como objetivos específicos: desenvolver atividades
que possibilitem ao profissional de saúde uma formação avançada em
diagnóstico laboratorial de doenças infecciosas e parasitárias, versando-as a
prática da investigação científica. Promover ambiente de debate e entendimento
sobre doenças endêmicas regionais e aspectos epidemiológicos das doenças
infecto-parasitárias, enfatizando os agentes etiológicos e o comportamento
parasito-hospedeiro. Promover o desenvolvimento de práticas laboratoriais com
novas metodologias, resultando em interpretações precisas e críticas, e ainda
comparação com as práticas laboratoriais convencionais e aspectos clínicos
específicos da doença. Instituir discussões de casos clínicos, possibilitando ao
profissional de saúde uma análise de patologias infecto-parasitárias, observando
seus aspectos epidemiológicos, diagnósticos clínicos e laboratoriais, e ainda
medidas controle.
Os exames laboratoriais têm como propósito reduzir a incerteza clínica,
onde esse grau de redução vai variar com as características do exame e a
situação clínica do paciente( WALLACH, 2003).
Segundo Henry et al (2008) os profissionais no laboratório clínico têm
como função e finalidade fornecer subsídios clínicos aos médicos que permitam:
• Confirmar ou rejeitar um diagnóstico;
• Fornecer diretrizes de conduta para o monitoramento do paciente
incluindo utilização de oportunidades para exames;
• Estabelecer um prognóstico;
• Detectar a doença caso a caso e/ ou por meio de triagem;
• Monitorar a terapia.
Sendo assim, a produção de valores laboratoriais deve ser inerente pela
adesão explícita aos princípios básicos de coleta, manuseio e processamento
adequados de cada amostra de paciente.
Desta forma, a oportunidade de estagiar, se caracteriza como meio
eficaz para a conclusão da aprendizagem, uma vez que coloca o formando em
situações práticas da vida real.

2. A INSTITUIÇÃO

O laboratório de Análises Clínicas Rocha Lima é uma empresa do Estado


de São Paulo, tendo filial na cidade de Teófilo Otoni, onde esta funciona nas
dependências do Hospital São Vicente de Paulo, localizado na Rua João Lopes
Silva nº 925, Bairro Manoel Pimenta e também uma filial na avenida Getulio
Vargas, 1027, centro.
O Laboratório Rocha Lima foi criado em 1976 por professores da USP,
funcionando como uma sucursal do Centro Especializado em Doenças Infecto-
Parasitárias (CEDIPE).
Quando as sucursais foram desativadas, os atuais diretores assumiram o
controle do laboratório, com o objetivo de dar continuidade ao excelente trabalho
que vinha sendo realizado.
O Laboratório Rocha Lima pela qualidade de seus serviços, dispõe de
equipamentos de última geração para oferecer aos clientes o melhor
atendimento e garantir confiança e exatidão nos resultados dos exames.
Há 30 anos em São Caetano do Sul - SP e há mais de um ano na cidade
de Teófilo Otoni o Laboratório Rocha Lima é sinônimo de qualidade e exatidão
em seus resultados. Para isso conta com efetivo Programa de Excelência para
Laboratórios Médicos da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica, no qual vem
obtendo excelente desempenho.
Em maio do ano de 2000, obteve a Certificação de Qualidade PALC -
Programa de Acreditação de Laboratórios Clínicos, conferido pela SBPC –
Sociedade Brasileira de Patologia Clínica.
Possui ainda um Programa de Estágio Interno, que possibilita a
capacitação de alguns colaboradores para a realização de outras atividades e
contribui para seu desenvolvimento profissional.
O laboratório atende pelo SUS (Sistema Único de Saúde), convênios e
particular. O laboratório é composto por uma sala de recepção, uma sala de
coleta, uma de hematologia, bioquímica e analises microscópicas, sala de
urinálise, parasitologia, sala de esterilização e sala de digitação de exames.
O Laboratório Rocha Lima tem como responsável técnico o Dr. André
Henrique Silva, Farmacêutico-Bioquímico, CRF-MG: 12053, somado a uma
equipe unida e qualificada com aproximadamente 15 funcionários entre
farmacêuticos, biomédicos, técnicos de laboratório, atuando na realização de
exames, com alta qualidade, garantindo confiança e exatidão nos resultados
destes.
3 - SUPERVISÃO DO ESTÁGIO

Tive como supervisor de estágio, o farmacêutico Dr. André Henrique Silva,


responsável técnico pelo laboratório Rocha Lima, cujo CRF-MG: 12053. O
mesmo foi de suma importância na transferência de conhecimento a respeito do
funcionamento de um laboratório clínico e a disponibilização dos serviços
prestados não só aos pacientes, mas também aos médicos e ao público em
geral.

4- PERÍODO, HORÁRIO E CARGA HORÁRIA TOTAL DE ESTÁGIO

O estágio foi realizado no Laboratório de Análises Clinicas Rocha Lima,


empresa esta que funciona nas dependências do Hospital São Vicente de Paulo.
Teve início no dia 08 de setembro de 2008 até o dia 10 de outubro do mesmo
ano, resultando em 25 horas semanais, totalizando 125 horas de estágio.

5. ATIVIDADES EXERCIDAS

O estágio teve início com a apresentação das dependências do


laboratório e da equipe de profissionais. Em seguida, fez-se a observação dos
POPs (procedimento operacional padronizado), conhecendo quais os serviços
que o laboratório oferecia aos seus clientes, bem como os métodos e técnicas
de realização de cada exame.
As atividades desenvolvidas no estágio envolveram atendimento e coleta,
parasitologia, bioquímica e hematologia.
5.1- Atendimento e coleta

Foram apresentadas as legislações e normas técnicas de atendimento e


coleta e os princípios de coleta de materiais biológicos de pacientes domiciliares
e internados. Auxiliei nas coletas sanguíneas destes pacientes.

5.2- Parasitologia

Foram apresentadas as legislações e normas técnicas referentes à


parasitologia, os princípios de microscopia, coleta de amostras e análise
microscópica e interpretação clínica.
O método de identificação parasitaria aplicado é a sedimentação
espontânea em água, preparação das lâminas para visualização, analise e
pesquisa de helmintos e protozoários no microscópio óptico para a interpretação
clínica, onde auxiliei na execução deste procedimento laboratorial.

5.3-Bioquímica e urinálise

Observei e auxiliei na execução exames bioquímicos, que eram


realizados no HumaStar 180, o Autohumalyser 900-S analisadores automáticos
para todos os testes de bioquímica clínica e turbedimetria e o HumaClot para a
determinação do tempo de protrombina, tempo de tromboplastina parcial
ativada, tempo de trombina e fibrinogênio.
Auxiliei na realização dos seguintes exames bioquímicos: Ácido Úrico
enzimático; Transaminase; Desidrogenase láctica; Albumina colorimétrica;
Amilase; Bilirrubina; Lípase; Cálcio colorimétrico; Magnésio colorimétrico; Sódio
colorimétrico; Potássio colorimétrico; HDL; LDL; VLDL, Triglicérides; Creatinina;
Fosfatase Alcalina; Gama GT; Glicose; TGO; TGP; Uréia; Tipagem sanguínea;
COOMBS indireto detecta anticorpos circulantes contra os glóbulos vermelhos,
determinando, assim, se o paciente possui anticorpos (outros que não os do
sistema ABO) contra os glóbulos vermelhos. O COOMBS direto O exame de
COOMBS direto é utilizado para detectar auto-anticorpos dirigidos
contra os glóbulos vermelhos do próprio indivíduo.
Foram apresentadas, observadas e realizadas as legislações e técnicas
referentes à urinálise. As amostras foram preparadas para serem analisadas e
em seguidas interpretadas. Primeiramente é realizado o exame físico da urina
onde são avaliados a cor, o odor e o volume da urina coletada de forma
adequada. Em seguida é realizado o exame qualitativo da urina por meio de tiras
reativas que realizam as principais análises químicas como: ph, proteínas,
glicose, cetonas, sangue, bilirrubina, urobilinogênio, nitrito, leucócitos, densidade
e o ph. Depois é realizado o exame de sedimento urinário que tem por objetivo a
identificação e quantificação de células epiteliais, leucócitos, hemácias, cristais,
cilindros, bactérias e etc.

5.4-Hematologia

Foram apresentadas as legislações e normas técnicas referentes à


Hematologia.
Em seguida foi explicado pelo orientador como era feita a hematologia
utilizando o analisador Hematológico o HumaCount Plus que é um contador de
células totalmente automatizado para uso de diagnóstico in vitro, podendo
processar ate 60 amostras por hora e determina 18 parâmetros utilizando 25µl
de sangue. Após a observação auxiliei na realização dos mesmos.
Para a realização, análise e interpretação clínica do hemograma, este é
dividido em:
• Série vermelha ou eritrograma onde se pesquisa os hematócritos
(Hto), hemoglobina (Hb), contagem global de hemácias (He), índice
Hematimétricos e a morfologia das hemácias.
• Série branca ou leocograma onde se pesquisa as alterações
degenerativas e realiza a contagem global de leucócitos (Le) e a
contagem específica de leucócitos (relativa e absoluta).
• Observação das plaquetas no esfregaço.
Os esfregaços em lâmina são essenciais para a avaliação precisa da
morfologia celular para a realização de uma análise comparativa no microscópio
óptico entre os resultados obtidos durante a realização do hemograma.
Observei e treinei a técnica de esfregaço e coloração de Gram e em
seguida a leitura no microscópio.

5.5.1-Técnica de coloração de Gram

Auxiliei no preparo da coloração de gram, cuja técnica consiste em:


1- Cubrir o esfregaço com violeta-de-metila e deixar agir por
aproximadamente 15 segundos;
2- Adicionar igual quantidade de água sobre a lâmina coberta com
violeta-de-metila e deixar agir por mais 45 segundos;
3- Escorrer o corante e lavar em um filete de água corrente, em
seguida cubrir a lâmina com lugol diluído (1/20) e deixar agir por
aproximadamente 1 minuto;
4- Escorrer o lugol e lavar em um filete de água corrente;
5- Adicionar álcool etílico (99,5 GL) sobre a lâmina, descorando-a,
até que não desprenda mais o corante;
6- Depois lavar em um filete de água corrente;
7- Cubrir a lâmina com safranina e deixar agir por
aproximadamente 30 segundos;
8- Lavar novamente em um filete de água corente;
9- Deixar secar ao ar livre ou com o auxilio de um papel de filtro
limpo;
10- Colocar uma gota de óleo de imersão sobre o esfregaço e ler em
seguida ler em objetiva de imersão (100 X).

Foi realizada a tipagem sanguínea do sistema ABO e fator Rh.


5.5- Outros

Foram realizados outros exames como: gram de escarro e BAAR exame este útil
no diagnóstico da tuberculose pesquisando o bacilo álcool ácido resistente
(BAAR).
O bacilo mais pesquisado com este método é o Mycobacterium tuberculosis. Em
seguida estas foram observadas e analisadas no microscópio.

Observei e realizei o exame de VDRL (Venereal Disease Research


Laboratories) que é um exame laboratorial de apoio diagnóstico para sífilis,
doença venérea causada pelo Treponema pallidum, uma DST.
Observei e auxiliei na realização o teste da velocidade de sedimentação
das hemácia (VHS), o PCR (proteína C reativa) ASLO (anti-estreptolisina) e
LATEX(fator reumatoide) e Beta HCG que Trata-se de um exame realizado
principalmente no soro (sangue) que visa detectar a presença do Hormônio
Gonadotrofina da Gravidez, para saber se a mulher está grávida.

6- DIFICULDADES ENCONTRADAS

Uma das dificuldades encontradas na trajetória do estágio foi o número


reduzido de microscópios, com isso nem sempre podíamos estar fazendo á
analisando e interpretação clínicas das lâminas.

7-CONCLUSÃO
.
O estágio foi de suma importância para meu crescimento profissional,
sendo este uma oportunidade de contato com a realidade, através da
observação de atividades em grau crescente de complexidade e um desafio a
compreender a prática e lidar com suas múltiplas dimensões, conhecendo a
realidade do dia-a-dia. São indiscutíveis os benefícios e as vantagens desta
experiência e é o momento mais apropriado para extrair benefícios dos erros.
O estágio foi enriquecedor, pois através deste tive a oportunidade de aliar
o conhecimento teórico obtido na faculdade com a prática no dia-a-dia exercida
pelo profissional em um laboratório de análises clínicas por meio da observação
e realização de alguns exames oferecidos pelo laboratório.

___________________________________________________
Asstura do (a) Estagiário (a)

___________________________________________________
Assinatura do (a) Supervisor (a)
8-Anexos

8.1- Fotos de alguns aparelhos utilizados nos exames realizados no laboratório:

Fig.01 Sistema de coagulação

Fig. 02 HumanCount Plus- analisador hematológico automático para diferencial


de 3 partes de WBC.
Fig. 03 Homogeneizador de Sangue

Fig. 04 Microscópio óptico


Fig. 05 Contador manual de células sanguíneas.

Fig. 06 Centrifuga

Fig. 07 HumaStar 80 Automação para Química Clínica.


7- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

• COSTA JR, Anderson Luiz e HOLANDA, Adriano Furtado. Estágio em


Psicologia: discussão de exigências e critérios para o exercício de
supervisor de estágio. Psicolo. Ciênc. Prof. 1996,Ed.16, n 2, p4 – 9. ISSN
1414-9893.

• HENRY, John Bernard. Diagnósticos Clínicos e Tratamento por Métodos


Laboratoriais. Barueri-SP: Manoele. Ed.20º. pg.3-4, 2008.

• WALLACH, Jaques. Interpretação de Exames Laboratoriais.


MEDSI(Edetira Médica e Cientifica-Ltda) Rio de Janeiro-RJ. Ed. 7º.
Pag.03, 2003.

• BOUSSO Regina Szylit; et al. Estágio Curricular em enfermagem:


transição de identidades. Rev. esc. enferm.
USP vol.34 no.2 SãoPaulo June 2000.Disponívelem:
http://www.scielo.br/scielo.php?
pid=S008062342000000200013&script=sci_arttext&tlng=pt.Acessado em: 20-09-
09.