Plano de Contingência para atendimento a vazamentos de Óleo e Substâncias Perigosas Cerca de 9.

000 navios-tanque n e s t e e x a t o m o m e n t o e s t ã o transportando petróleo e derivados pelos mares do mundo, 100.000 produtos químicos são produzidas comercialmente, dentre as quais mais de 1.000 em quantidades superiores a 1.000 toneladas anuais e são transportados por navios, estradas e ferrovias. Contando com operações como carga, descarga e transferência de produtos entre outras situações, t o d o s apresentam risco de vazamentos acidentais em área portuária. A ocorrência de incidentes, envolvendo grandes vazamentos, passou a ser uma questão de tempo. Como estão preparados os portos e terminais para esses acidentes?.Será que todos já possuem um plano de contingência para tal ocorrência?.Se sim, estes planos são consistentes ou são somente para constar e cumprir a exigência do órgão ambiental?.Qual o realmente o valor de um plano de contingência, na hora de uma emergência? Acidentes ambientais onde envolve óleo e substâncias perigosas causam impactos ambientais e provocam grandes perdas econômicas .Estes incidentes podem demandar utilização intensa de recursos materiais, humanos e financeiros. A impossibilidade de bloqueio de acidentes torna necessária a adoção de planos de gerenciamento dos riscos envolvidos. A implementação de Planos de Contingência PC para vazamentos de Óleo, visando à diminuição da magnitude e do alcance do evento e também, a minimização dos seus efeitos é a medida de maior eficácia para preparação e atuação em situações de emergência .Um PC para atendimento a vazamentos de óleo e substâncias perigosas é considerado o modo mais eficaz de planejamento de combate a este tipo de evento,. Dependendo da amplitude e gravidade do evento é exigida atuação local, regional, nacional ou internacional, sendo fundamental que haja planejamento e preparo anterior às ocorrências para obtenção de sucesso no combate e minimização de danos.Planejar é essencial para o sucesso de qualquer operação, especialmente as de controle de emergências. Devem identificar as áreas sensíveis ao óleo; estabelecendo as prioridades para sua proteção,escolher os métodos de atuação pode-se reduzir o número de decisões a serem tomadas em ambiente tenso de gerenciamento de crise .Um plano eficaz, com modos de resposta previamente estudados e praticados facilita a atuação organizada no caso de uma situação de emergência real. Quando estes , seguem o conceito de resposta escalonada, possibilita-se a transição entre o nível de resposta local e o regional e entre este e o nacional, de forma simplificada, dada a similaridade de estrutura conceitual.Os planos de contingência são eficientes quando divididos em duas partes: uma estratégica e outra operacional. O plano estratégico deve estabelecer as estratégias de resposta; os procedimentos de treinamento, de simulados e para sua atualização; relacionar os atores envolvidos e seus papéis; a abrangência geográfica; as prioridades de atuação e de proteção; e evidenciar as interfaces com outros planos. A parte operacional deve descrever os procedimentos a serem seguidos para comunicação de incidentes, avaliação de cenários em andamento, acionamento e execução da resposta, comunicações entre os grupos executores e para o público externo e procedimentos de encerramento.Com o intuito de garantir funcionalidade e aprimoramento, após a implantação de um PC deve-se, além de exigir a adoção de medidas preventivas para evitar vazamentos, verificar a execução de inspeção ostensiva, monitoramento e programas de efetivação do cumprimento da legislação, para assegurar que os proprietários de navios e de instalações de operação estejam seguindo as normas de procedimento.Estes esforços de fiscalização e acompanhamento continuados são justificados porque a determinação de melhorar a capacidade de resposta a vazamentos de óleo atinge um ápice na ocorrência de incidentes severos, mas esta determinação se esvaece com o tempo, até que novo incidente aconteça. Sempre tarde demais ! Roberto Roche ,PDSc Coordenador de QSMS

robertoroche@rroche.com.br