You are on page 1of 4

Série Gênesis – Passos tortos pelo Caminho reto – Mensagem 34

Série Gênesis – Passos tortos pelo Caminho reto – Mensagem 341

Retorno ao pé da escada.
(Texto: Gn 35:1~15)

1. Introdução.

Um ciclo se completou na vida de Jacó. Desde o dia que ele chegara pela primeira vez
em Betel, até o dia que ele voltou ao mesmo lugar se passaram mais de 20 anos! O que
mudou na vida dele? Muitas coisas! Como ele encarou aquele momento de reencontro
com Deus? De maneira mais intensa com certeza.

Foram 20 anos de tratamento. No hospital de Deus Jacó foi sendo restaurado. Não que
ele estivesse 100%, mas ele já tinha a experiência do agir de Deus em sua vida. Ao
olharmos para a vida desse homem, podemos tirar lições valiosas sobre adorar a Deus.

Você tem um lugar que te marcou profundamente? Betel era esse lugar para Jacó. O
lugar que ele chamava de "casa de Deus", era o local onde ele poderia adorar a Deus
levando em conta tudo o que acontecera em sua vida.

Porém, a iniciativa não partiu de Jacó, mas sim do próprio Deus. Isso só vem a
confirmar que nenhum homem de Deus está plenamente e totalmente inclinado à
vontade divina. Mas o que seria de nós sem esse empurrão de Deus?

2. Exposição do texto. (Gn 35:1~15)


1
Deus disse a Jacó: “Suba a Betel2 e estabeleça-se lá, e faça um altar ao Deus
que lhe apareceu quando você fugia do seu irmão Esaú”.
2
Disse, pois, Jacó aos de sua casa e a todos os que estavam com ele: “Livrem-se
dos deuses estrangeiros que estão entre vocês, purifiquem-se e troquem de roupa. 3
Venham! Vamos subir a Betel, onde farei um altar ao Deus que me ouviu no dia da
minha angústia e que tem estado comigo por onde tenho andado”. 4 Então entregaram a
Jacó todos os deuses estrangeiros que possuíam e os brincos que usavam nas orelhas, e
Jacó os enterrou ao pé da grande árvore, próximo a Siquém. 5 Quando eles partiram, o
terror de Deus caiu de tal maneira sobre as cidades ao redor que ninguém ousou
perseguir os filhos de Jacó.
6
Jacó e todos os que com ele estavam chegaram a Luz, que é Betel, na terra de
Canaã. Nesse lugar construiu um altar e lhe deu o nome de El-Betel3, porque ali Deus
7

havia se revelado4 a ele, quando fugia do seu irmão.


8
Débora, ama de Rebeca, morreu e foi sepultada perto de Betel, ao pé do
Carvalho, que por isso foi chamado Alom-Bacute5.
9
Depois que Jacó retornou de Padã-Arã, Deus lhe apareceu de novo e o
abençoou, 10 dizendo: “Seu nome é Jacó, mas você não será mais chamado Jacó; seu
nome será Israel”. Assim lhe deu o nome de Israel.

1
Pregado no MEP dia 28 de novembro de 2010.
2
35.1 Betel significa casa de Deus.
3
35.7 El-Betel significa Deus de Betel.
4
35.7 Ou ali os seres celestiais se revelaram
5
35.8 Alom-Bacute significa carvalho do pranto.

Paulo Sung Ho Won – www.sunghojd.blogspot.com


Série Gênesis – Passos tortos pelo Caminho reto – Mensagem 20

11
E Deus ainda lhe disse: “Eu sou o Deus todo-poderoso 6 ; seja prolífero e
multiplique-se. De você procederão uma nação e uma comunidade de nações, e reis
estarão entre os seus descendentes. 12 A terra que dei a Abraão e a Isaque, dou a você; e
também aos seus futuros descendentes darei esta terra”. 13 A seguir, Deus elevou-se do
lugar onde estivera falando com Jacó.
14
Jacó levantou uma coluna de pedra no lugar em que Deus lhe falara, e
derramou sobre ela uma oferta de bebidas7 e a ungiu com óleo. 15 Jacó deu o nome de
Betel ao lugar onde Deus tinha falado com ele.

1. Adorador precisa de pureza.

Depois do incidente trágico de Diná, Deus mandou Jacó subir a Betel para habitar lá.
Quando chegasse lá, ele deveria erguer um altar em memória do Deus que o livrara das
mãos de seu irmão Esaú. É a primeira vez que Deus mandava alguém construir um
altar8. Abraão, avô de Jacó, erguia altares sempre que chegava a um lugar.

"Disse, pois, Jacó aos de sua casa e a todos os que estavam com ele: “Livrem-se dos
deuses estrangeiros que estão entre vocês, purifiquem-se e troquem de roupa. Venham!
Vamos subir a Betel, onde farei um altar ao Deus que me ouviu no dia da minha
angústia e que tem estado comigo por onde tenho andado”" (vss. 2,3)

Deus estava convidando Jacó para um culto de adoração. Porém, Jacó havia entendido
que eles não poderiam servir a Deus se eles tivessem com o coração dividido com
outros deuses. Eles precisavam ser purificados antes de entrar na presença de um Deus
Totalmente-Santo.

Livrar-se dos deuses estrangeiros significava se livrar de toda a superstição dos deuses
da fertilidade cananeus. Deus não admite dividir espaço com nenhum outro deus, com
nenhum outro ídolo. Mais tarde a própria lei diria: "Não tenham outros deuses alem de
mim" (Ex 20:3). Isso significa que nosso Deus deve ser adorado de maneira totalmente
exclusiva. "Eu sou o SENHOR; este é o meu nome. Não darei a minha glória a outro,
nem meu louvor às imagens esculpidas" (Is 42:8)

Quando adoramos a Deus, devemos adorá-Lo com inteireza de coração. Amar a Deus
de todo o coração, mente, força significa amar apenas Deus. Porém, Deus requer não
somente exclusividade, mas também santidade: "purifiquem-se e troquem de roupa" (vr.
2). Trocar as roupas representa uma vida purificada, limpa diante de Deus.

Lançar fora os deuses estrangeiros e trocar a roupa são os padrões que Deus requer de
seus adoradores: pureza interior e exterior. Não basta dizermos que adoramos a Deus.
Nossa vida tem de condizer com essa realidade. Precisamos pedir a ajuda de Jesus para
que ele nos lave de todo o pecado. Precisamos pedir que o Espírito Santo purifique e
santifique o nosso viver.

O salmista já dizia: "Quem subirá ao monte do SENHOR, ou quem poderá permanecer


no seu santo lugar? Aquele que é limpo de mãos (pureza exterior) e puro de coração
(pureza interior); que não entrega sua vida à mentira e nem jura com engano. Este

6
35.11 Hebraico: El-Shaddai.
7
35.14 Veja Nm 28.7.
8
Cf. Wenham, pág. 323.

Paulo Sung Ho Won – www.sunghojd.blogspot.com 2


Série Gênesis – Passos tortos pelo Caminho reto – Mensagem 20

receberá uma bênção do SENHOR e a justiça do Deus que lhe dá salvação" (Sl 24:3~5).

A ordem de Jacó foi ouvida por toda a sua família, de maneira que: "Então entregaram
a Jacó todos os deuses estrangeiros que possuíam e os brincos que usavam nas orelhas,
e Jacó os enterrou ao pé da grande árvore, próximo a Siquém." (vr. 4). Todos os ídolos
estrangeiros, todos os brincos (que provavelmente eram utilizados para encantamento9),
foram enterrados. O que sucede a isso é que o "terror" do Senhor de abateu sobre todos
as cidades vizinhas. Quando colocamos Deus em primeiro e único lugar em nossas
vidas, as pessoas ao nosso redor também notarão essa diferença. Os inimigos de Jacó
foram aterrorizados porque sabiam que Deus estava do lado de Israel.

2. Adorador: sabe qual é o alvo de sua adoração.

"Jacó e todos os que com ele estavam chegaram a Luz, que é Betel, na terra de Canaã.
Nesse lugar construiu um altar e lhe deu o nome de El-Betel, porque ali Deus havia se
revelado a ele, quando fugia do seu irmão." (vss. 6,7).

Chegando em Betel, Jacó ergeu um altar e deu o nome desse altar de El-Betel, ou seja, o
Deus de Betel. Era justamente a lembrança daquele Deus que havia aparecido a ele a
mais de vinte anos atrás naquele mesmo lugar, quando estava fugindo de seu irmão mais
velho Esaú.

Da mesma maneira que Jacó conhecia o Deus a quem ele estava adorando, nós
precisamos saber qual é o alvo de nossa adoração. O alvo é claro: Deus. Mas que Deus?
Quando você o adora no seu dia-a-dia, nos cultos de domingo, nas Células, em fim, em
qualquer lugar, a que Deus você está se dirigindo? Se a resposta disso não estiver
relativamente clara na sua mente e coração, você poderá correr um sério risco de adorar
àquilo que você não conhece (como no caso dos atenienses em At 17).

Quando adoramos a Deus, alem de conhecermos a identidade Dele, também passamos a


saber o que nós somos dentro de Seus maravilhosos planos: "Depois que Jacó retornou
de Padã-Arã, Deus lhe apareceu de novo e o abençoou, dizendo: “Seu nome é Jacó,
mas você não será mais chamado Jacó; seu nome será Israel”. Assim lhe deu o nome
de Israel." (vss. 9,10).

Mais uma vez, Deus estava ratificando o novo nome de Jacó, Israel. Essa era a nova
identidade de Jacó, de um Jacó que agora conhecia a Deus e o temia. Adorar é olhar
para Deus com os olhos da fé e admirá-lo. Ao admirá-lo, um milagre muito grande
acontece: nós somos transformados em pessoas às quais Deus se agrada.

3. Adorador: Seu rosto mais do que Suas mãos.

"E Deus ainda lhe disse: “Eu sou o Deus todo-poderoso; seja prolífero e multiplique-se.
De você procederão uma nação e uma comunidade de nações, e reis estarão entre os
seus descendentes. A terra que dei a Abraão e a Isaque, dou a você; e também aos seus
futuros descendentes darei esta terra”. A seguir, Deus elevou-se do lugar onde estivera
falando com Jacó." (vss. 11~13).

9
Cf. Kidner, pág. 162.

Paulo Sung Ho Won – www.sunghojd.blogspot.com 3


Série Gênesis – Passos tortos pelo Caminho reto – Mensagem 20

Deus faz o mesmo tipo de promessa que fez a Adão e Eva: "seja prolifero e multiplique-
se". Nações, reis e uma descendência numerosa. Quando adoramos a Deus, quando nos
rendemos integralmente a Ele, é certo que somos abençoados.

Hoje, dentro de um contexto evangélico brasileiro onde muito tem se falado de bênção,
prosperidade, corremos o risco de esquecer que mais do que tudo o que Deus pode nos
dar, a maior benção mesmo é servir a Deus. "Eu sou o Deus-Todo-Poderoso", disse
Deus. El-Shadai não é apenas um dos nomes divinos, mas nesse caso, é a clara
indicação de Deus que Ele era quem garantia todas as bênçãos advinhas da aliança com
Jacó.

Deus quer nos abençoar. Uma das formas mais legais disso é através da adoração.
Adorar é focalizar nossa atenção em quem Deus é. Quando fazemos isso, Alem de nos
revelar quem Ele é, ele nos abençoa com tudo o que Ele quiser dar. Todos nós queremos
ser abençoados. Quem todos nós possamos aprende uma lição preciosa: Deus nos
abençoa quando olhamos para Ele. Deus nos abençoa quando O adoramos.

Conclusão:

"Jacó levantou uma coluna de pedra no lugar em que Deus lhe falara, e derramou
sobre ela uma oferta de bebidas e a ungiu com óleo. Jacó deu o nome de Betel ao lugar
onde Deus tinha falado com ele." (vss. 14,15).

Adoração é contínua. A adoração verdadeira leva a mais adoração. Quanto mais


olhamos para Deus, mais olharemos para Ele. Quanto mais enxergarmos quem Ele é
através da revelação de Sua palavra, mais perto Dele ficaremos. Quanto mais vemos o
quanto Ele fez por nós, mais respostas a isso daremos. Isso é adorar.

É impossível achar que adoração só se restringe a um dia da semana, o domingo.


Quando mais o amamos, mais o amaremos e mais viveremos para retribuir esse amor.

Jacó levantou uma coluna, como memorial e derramou ofertas de bebidas ungindo a
coluna com óleo. Nossa adoração deve ser real. Deve se refletir em atitudes concretas.
Todos os dias, em todos os momentos, nossa adoração não deve ser apenas uma
pensamento carinhoso que temos em relação a Deus, mas sim, uma vida transformada
pelo Espírito, ações que mudam o mundo, testemunhos vivos de um Cristo vivo. Isso é
adorar! Muito longe de ser só musica, adorar é ser, fazer, viver para Deus!

Meus irmãos, que nossa vida de adoração possa refletir em nós mais pureza, mais
conhecimento de Deus, mais atitudes, e muito mais adoração. Amem.

Paulo Sung Ho Won – www.sunghojd.blogspot.com 4