You are on page 1of 36

Caracterização de Polímeros

Noções de Reologia

Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Temperaturas de transição em polímeros

Transições de primeira ordem
n Alteram estado físico da matéria è possuem entalpia
(∆H) associada
w Temperatura de fusão cristalina (Tm): temperatura na
qual os cristais, em um polímero semicristalino,
fundem-se, passando ao estado amorfo

Transições de segunda ordem
n Alteram as características físicas da matéria sem
afetar seu estado físico
w Temperatura de transição vítrea (Tg): temperatura na
qual as cadeias poliméricas (ou alguns de seus
segmentos) ganham mobilidade, fazendo com que o
polímero passe de um estado vítreo (frágil) para um
estado borrachoso ou couráceo (dúctil)

Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 1

Temperaturas de transição em polímeros

Todos os polímeros, exceto os termofixos
excessivamente curados, ou seja, com excesso
de ligações cruzadas, possuem Tg

Somente os polímeros semicristalinos
apresentam Tm

Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Temperaturas de transição em polímeros

Polímeros Polímeros
amorfos semicristalinos
Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 2

Temperaturas de transição em polímeros

Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Temperaturas de transição em polímeros
Exemplo: PP
Temperatura (oC)
Líquido viscoso
Tm = 165oC

Fase cristalina è rígida
Fase amorfa è estado borrachoso (dúctil)

Tg = -20oC

Fase cristalina è rígida
Fase amorfa è estado vítreo (frágil)

Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 3

Deformação Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Deformação x Deslocamento Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 4 . Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

5 . Rotação Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Deslocamento Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Deformação por tração ∆L L − L 0 ε= = L0 L0 Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 2 = Pascal = Pa. y mm m kgf lbf . = psi x cm2 in2 Força F Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Conceito de tensão normal Força F Tensão normal Força Fy σ= = Área A Área A Unidades típicas : N N 2 . Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 6 .

Taxa de elongação dU x ε& = dx Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Trabalho e energia de deformação ε2 Rup W= ∫ ε1 σ dε Te = ∫ 0 σ dε Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 7 . Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

y mm m2 2 Força F kgf lbf x 2 . . Conceito de tensão tangencial ou de cisalhamento Tensão de cisalhamento Força F Força Fx τ= = Área A Área A Unidades típicas : N N = Pascal = Pa. Deformação por cisalhamento γ = tan θ Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 8 . 2 = psi cm in Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Viscosidade é resistência ao fluxo Viscosidade extensional (λ ) : σ = λ ε& Viscosidade sob cisalhamento (η) : τ = η γ& Relação típica : λ ≅ 3η Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 9 . Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Taxa de cisalhamento dUx γ& = dy Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

10 .. τ = η γ& n onde n = índice de potências Fluidos independentes do tempo Fluidos dependentes do tempo Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.. Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fluidos reais nem sempre são perfeitos. Valores típicos de viscosidade de alguns fluidos Material Aparência Viscosidade (cPs) Ar Gasosa 10-2 Água Líquido fluido 100 Azeite de oliva Líquido fluido 102 Glicerina Líquido viscoso 103 Groselha Líquido viscoso 105 Polímeros fundidos Líquido borrachoso 105 – 109 Piche Pastoso 1012 Vidro Rígido 1024 Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

11 . glicerina) n = 1 ⇒ τ = η γ& τ dτ η= = cte dγ& γ& Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. alguns óleos. Fluidos Newtonianos (água. Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fluidos Pseudoplásticos (polímeros em geral) n < 1 ⇒ τ = η γ& n τ η2 η1 η1 > η2 γ& Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Comportamento dos fluidos Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 12 . Fluidos Dilatantes (mistura água+areia de praia. emulsões) n > 1 ⇒ τ = η γ& n τ η2 η1 < η2 η1 γ& Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Viscosidade de polímeros reais Resinas de polietileno Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Comportamento de fluxo dos polímeros Moléculas enroscadas Desenrosco progressivo Moléculas desenroscadas Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 13 .

Viscosidade de polímeros reais Composto de PVC rígido 4 10 L/D = 20 L/D = 30 L/D = 40 Viscosidade aparente (Pa. Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 14 .s) 3 10 2 10 2 3 4 10 10 10 -1 Taxa de cisalhamento (s ) Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Viscosidade de polímeros reais Composto de PVC rígido 6 10 L/D = 20 L/D = 30 L/D = 40 Tensão de cisalhamento (Pa) 5 10 2 3 4 10 10 10 -1 Taxa de cisalhamento (s ) Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

000 Após 1 h Após 48 h Após 24 h 5.000 Após 48 h 4.000 1.200 Taxa de cisalhamento (1/s) Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.000 0 0 200 400 600 800 1.000 15. Viscosidade de polímeros reais Pasta de PVC (plastisol) dilatante COMPORTAMENTO REOLÓGICO DA RESINA EP121LE (100:60 DOP) 5.200 Taxa de cisalhamento (1/s) Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.000 1.000 0 0 200 400 600 800 1. Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Viscosidade de polímeros reais Pasta de PVC (plastisol) pseudoplástica COMPORTAMENTO REOLÓGICO DA RESINA P72HA (100:60 DOP) 20. 15 .000 Após 24 h Viscosidade (cPs) 3.000 1.000 Viscosidade (cPs) 10.000 Após 1 h 2.

Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fluidos de Bingham (pasta de dente) τ − τ c = η γ& n Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Comportamentos dependentes do tempo Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 16 .

Dependência da pressão Quanto maior a pressão maior a proximidade das cadeias poliméricas è maior interação das forças secundárias è maior viscosidade Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Dependência da temperatura Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 17 .

18 . Escoamento em canais circulares ∆P D  3n + 1  8 Q τw = γ& w =   4L  n πD 3 Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Escoamento em canais circulares Velocidade é máxima no centro do canal Cisalhamento é máximo nas paredes Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Perfil de velocidades em função do tipo de fluido Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 19 . Fratura do fundido e imperfeições do extrudado Quando a tensão de cisalhamento na parede excede o limite de resistência do polímero fundido ocorre o fenômeno conhecido como fratura do fundido Solução è lubrificação externa Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Aplicações práticas Simulação do processo de injeção ou extrusão de produtos è Mold Flow® n Simulação do preenchimento de cavidades n Simulação de temperaturas e resfriamento n Simulação de empenamento e contração da peça Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 20 . Diagrama PVT (Pressão – Volume – Temperatura) Volume específico Pressão crescente Temperatura Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 21 . Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 22 . Fonte: Borealis Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 23 . Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 24 . Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Fonte: Borealis Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 25 .

26 . Fonte: Borealis Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 27 .

Fonte: Borealis Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 28 . Simulação do processo de injeção no software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Fonte: Borealis Simulação do processo MODELO 3D de injeção no software MoldFlow ® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Simulação do processo de injeção no MODELO software 3D ® MoldFlow Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 29 . Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Simulação TEMPO do DE processo de injeção no INJEÇÃO (s) software MoldFlow ® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Simulação do processo de injeção no ESPESSURAS software MoldFlow® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 30 .

31 . Fonte: Borealis Simulação TEMPO do DE processo de injeção no INJEÇÃO (s) software MoldFlow ® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Simulação TEMPO do DE processo de injeção no INJEÇÃO (s) software MoldFlow ® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

32 . Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Simulação TEMPOdo DEprocesso de injeção no INJEÇÃO (s) software MoldFlow ® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Simulação TEMPOdo DEprocesso de injeção no INJEÇÃO (s) software MoldFlow ® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.

Fonte: Borealis Simulação TEMPO do DE processo de injeção no INJEÇÃO (s) software MoldFlow ® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Simulação TEMPO do DE processo de injeção no INJEÇÃO (s) software MoldFlow ® Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 33 .

Simulação do processo DISTRIBUIÇÃO de injeção no DE TEMPERATURA (°C) software MoldFlow ® Distribuição de temperatura Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Simulação CAMADAdoDE processo de injeção CONGELADO (%) no software MoldFlow ® Camada congelada Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 34 .

Fonte: Borealis Simulação FORMAdo DEprocesso de injeção no EMPENAMENTO software MoldFlow ® Forma de empenamento Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Simulação do DE PRESSÃO processo de(MPa) INJEÇÃO injeção no software MoldFlow ® Pressão de injeção Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 35 .

Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. 36 . Simulação FORMAdo DEprocesso de injeção no EMPENAMENTO software MoldFlow ® Forma de empenamento Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr. Fonte: Borealis Caracterização de Polímeros Noções de Reologia Caracterização de Polímeros © 2004 Engo Antonio Rodolfo Jr.