!"#$%&'()*+#,"-,"./(0(#+,"*&"%'&+.//&"-.

"/&+#,1#2,34&
-&/"#*-#56-7&/
8.1#%."9&,'./":&+;,
|estre em ComunIcação SocIal pela UnIversIdade |etodIsta de São Paulo
Forma, cores, modos... enfIm, o externo do sujeIto proposto a se
apresentar em socIedade e falar sua lingua · hora fluente, hora
Incomoda, mas, por certo, partIcular.
A estétIca é assIm: repleta de valores, de formas e de conteudos. Cada
cor, cada corte, maquIagem ou acessorIo representam, em sI, a
exterIorIzação do IndIviduo e a IdentIfIcação de sua clã.
D bem vestIr é relatIvo, varIável de acordo com o que é aceItável pelo
grupo. gotIcos, emos, punks, executIvos, socIalItes, cada um deles tem
sua lInguagem, e essa lInguagem que é apresentada pela estétIca é o
prImeIro ponto do processo de socIalIzação dos sujeItos.
0uerendo ou não, cada um de nos é analIsado e analIsamos à prImeIra
vIsta pela forma que aparecemos apresentados. E nIsso não há pecado: a
maneIra dos IndIviduos se vestIrem representam posIções socIaIs, gostos
tradIcIonaIs ou não, serIedade ou sImplesmente descontração.
D outro sujeIto se aproxIma para o prImeIro contato, ao ver no prImeIro
um par, com quem pode ter algo a compartIlhar e a somar. Antes do que
um processo racIonal, há uma IdentIfIcação puramente bIologIca,
prImarIamente antropologIca, quando, em sI, o sujeIto porta a sua
IdentIdade através da sua aparëncIa.
AfIrmação de valores, negação de condutas, quase tudo pode ser
superfIcIalmente IdentIfIcado no vestIr. Essa superfIcIalIdade é
Importante, poIs representa fundamental fIltro na etapa InIcIal das
Interações entre os IndIviduos.
|uItas vezes, por uma estétIca mal construida, veta·se a possIbIlIdade de
aceItação num grupo ou até mesmo ascensão junto aos pares.
A forma não é dIspensável na socIedade; porém, é correto afIrmar que
ela perde em relevâncIa ao longo de Interações continuas, de assocIações
dos campos e de análIses maIs racIonaIs · sendo que, todo esse
desenrolar legItIma essa prImeIra fase.
Pacotes de caracteristIcas prontos, modelos pré·construidos e
dIssemInados são facIlmente InterpretáveIs pelo homem comum. A
estétIca se enrIquece no unIverso do novo, do Incomum, do partIcular. É
na IndIvIdualIdade da forma que o sujeIto adquIre personalIdade estétIca
proprIa, status unIco. Antes dIsso, é apenas maIs um do grupo.
Tudo Isso representa um processo de socIalIzação dInâmIco, muItas
vezes, não planejado, mas sensivel ao sujeIto e efIcaz na evolução socIal
dos grupos.