You are on page 1of 5

Taylorismo Em 1911, o engenheiro norte-americano Frederick W.

Taylor publicou Os princípios da administração científica , ele propunha uma intensificação da divisão do trabalho, ou seja, fracionar as etapas do processo produtivo de modo que o trabalhador desenvolvesse tarefas ultra-especializadas e repetitivas. Diferenciando o trabalho intelectual do trabalho manual. Fazendo um controle sobre o tempo gasto em cada tarefa e um constante esforço de racionalização, para que a tarefa seja executada num prazo mínimo. Portanto, o trabalhador que produzisse mais em menos tempo receberia prêmios como incentivos. Fordismo O norte-americano Henry Ford foi o primeiro a pôr em prática, n a sua empresa Ford Motor Company , o taylorismo. Posteriormente, ele inovou com o processo do fordismo, que, absorveu aspectos do taylorismo. Consistia em organizar a linha de mon tagem de cada fábrica para produzir mais, controlando melhor as fontes de matérias-primas e de energia, os transportes, a formação da mão-de-obra. Ele adotou três princípios básicos; 1) Princípio de Intensificação: Diminuir o tempo de duração com o empre go imediato dos equipamentos e da matéria-prima e a rápida colocação do produto no mercado. 2) Princípio de Economia: Consiste em reduzir ao mínimo o volume do estoque da matéria-prima em transformação. 3) Princípio de Produtividade: Aumentar a capacidade de produção do homem no mesmo período (produtividade) por meio da especialização e da linha de montagem. O operário ganha mais e o

que é Fordismo é um sistema de produção, criado pelo empresário norteamericano Henry Ford, cuja principal característica é a fabricação em massa. Henry Ford criou este sistema em 1914 para sua indústria de automóveis, projetando um sistema baseado numa linha de montagem. Objetivo do sistema O objetivo principal deste sistema era reduzir ao máximo os custos de produção e assim baratear o produto, podendo vender para o maior número possível de consumidores. Desta forma, dentro deste sistema de produção, uma esteira rolante conduzia a produto, no caso da Ford os automóveis, e cada funcionário executava uma pequena etapa. Logo, os funcionários não precisavam sair do seu local de trabalho, resultando numa maior velocidade de produção. Também não era necessária utilização de mão-de-obra muito capacitada, pois cada trabalhador executava apenas uma pequena tarefa dentro de sua etapa de produção. O fordismo foi o sistema de produção que mais se desenvolveu no século XX, sendo responsável pela produção em massa de mercadorias das mais diversas espécies. Declínio do fordismo Na década de 1980, o fordismo entrou em declínio com o surgimento de um novo sistema de produção mais eficiente. O Toyotismo, surgido no

o trabalho industrial foi fragmentado. o princípio fordista da produção em massa. a produção em massa. Taylor (1856-1915). através desse modelo de produção. obra na qual expôs seu método. Dica de filme: . o Japão tinha um pequeno mercado consumidor. O toyotismo tinha como elemento principal. que produzia muito e estocava essa produção.Japão. A organização foi hierarquizada e sistematizada. trabalho repetitivo e desgastante. Além disso. sendo necessários enormes investimentos e uma grande quantidade de mão-de-obra. ao trabalhar com pequenos lotes. Ora. seguia um sistema enxuto de produção. . no chamado Just in Time. Essa flexibilização tinha como objetivo a produção de um bem exatamente no momento em que ele fosse demandado. para os trabalhadores ele gerou alguns problemas como. Após o desenvolvimento do Fordismo nos Estados Unidos. o país não possui uma grande quantidade de matérias-prima. e o tempo de produção passou a ser cronometrado. pretende-se que a qualidade dos produtos seja a máxima possível. Taylor publicou ³Os princípios da administração´. desenvolvida pelo engenheiro americano Frederick W. Essa é outra característica do modelo japonês: a Qualidade Total. O filme faz uma crítica ao sistema de produção em série. O sistema também se baseava no pagamento de baixos salários como forma de reduzir custos de produção. as empresas toyotistas conquistaram grande espaço no cenário mundial. O toyotismo possuía princípios que funcionavam muito bem no cenário japonês. que era muito diferente do americano e do europeu. Em 1911. Ao contrário do modelo fordista. A partir dessa concepção. O Fordismo tinha como característica principal. reduzindo ao máximo os estoques. além da falta de visão geral sobre todas as etapas de produção e baixa qualificação profissional. Dessa forma. no toyotismo só se produzia o necessário. A crise do petróleo fez com que as organizações que aderiram ao toyotismo tivessem vantagem significativa. esse modo de produção só se consolidou como uma filosofia orgânica na década de 70. após a Segunda Guerra Mundial. No entanto. Elaborado por Taiichi Ohno. na primeira metade do século XX. aumentando a produção. pois cada trabalhador passou a exercer uma atividade específica no sistema industrial. baseada em um método científico de organização do trabalho. o Taylorismo. inviabilizando assim. além de mostrar a combalida economia norte-americana após a crise econômica de 1929. pois esse modelo consumia menos energia e matéria -prima. a flexibilização da produção. reduzindo custos e garantindo melhor qualidade e eficiência no sistema produtivo. Fordismo para os trabalhadores Enquanto para os empresários o fordismo foi muito positivo. Assim.Um filme interessante que aborda o fordismo é ³Tempos Modernos´. o Japão se encontrou em um cenário totalmente desfavorável à implementação desse sistema de produção. Taylorismo é uma concepção de produção. ao contrário do modelo fordista. o toyotismo surgiu nas fábricas da montadora de automóvel Toyota. produzido e estrelado por Charles Chaplin. por exemplo.

e mal pagos. e aqueles que eram pagos. tem a incumbência de cumprir com suas tarefas no menor tempo possível.Racionalização da produção. naquela época. . seu tempo. que ´vende´ sua mão-de-obra. portanto. cabia controlar. Esse método consistia em aumentar a produção através do aumento de eficiência e baixar o preço do produto. na última década do século XIX. Taylor entendia que a hierarquização evitava a desordem predominante do tempo no qual a organização ficava por conta dos trabalhadores. tempo é uma mercadoria. O trabalho sistemático fazia dos trabalhadores peças descartáveis. instituído pelo norte-americano Henry Ford. e portanto a produção. e o de construção de grandes séries. de Henry Ford. não eram exigida a escolarização. por sua vez. Prêmios eram dados aos trabalhadores com melhor tempo/desempenho. dirigir e vigiar os trabalhadores. destacam-se dois modelos de fabricação: o artesanal. Fordismo é o nome dado ao modelo de produção automobilística em massa. era grande a economia na folha de pagamento das indústrias. de Rolls Royce. da mão-de-obra operária. Foram os motores a combustão desenvolvidos pelos alemães Benz e Daimler. e o trabalhador. Separou. que incentivaram o rápido aperfeiçoamento dos automóveis. no modo artesanal.Algumas caracteristicas do Taylorismo: . dividindo os funcionários entre aqueles que eram pagos para pensar de modo complexo (planejar).Acabar com qualquer desperdício de tempo. . Dessa forma. eram tão lentos na locomoção que se igualavam às carruagens. construíam-se e ajustavam-se as peças em cada carro. pois a maioria dos trabalhadores era sem qualificação. para que possa produzir mais e mais. Aos trabalhadores só restava obedecer e produzir incessantemente. o trabalho manual do trabalho intelectual. pois peças de reposição não faltavam. ou aos gerentes. dessa forma. Nesse sentido. Nesse contexto. que compreendia num trabalho mais lento. Seus supervisores diretos cronometravam seus movimentos e observavam quais os trabalhadores otimizavam o próprio tempo. Desde então. . iria permitir manter baixo o preço do produto. impedindo inclusive qualquer conversa entre os mesmos. Os primeiros automóveis surgiram na segunda metade do século XIX. Essa competição promovida pelos gerentes fez com que a velocidade da produção aumentasse cada vez mais.Economia de mão-de-obra.Corte de ³gestos desnecessários de energia´ e de ³comportamentos supérfluos´ por parte do trabalhador. . No entanto. com o ritmo imposto pelas máquinas. resultando no aumento das vendas que. À direção. e por quem as comandava. para executar. Como pode ser observado no filme clássico ³Tempos Modernos´ de Charles Chaplin. e cada vez mais.Aumento da produtividade no trabalho. o trabalhador passa a efetuar movimentos repetitivos e bem elementares. .

mas de alto preço. Na década de 80. As principais características do modelo toyotista são: + Flexibilização da produção ± produzir apenas o necessário. que utilizavam os modelos de produção Fordista e Taylorista. + Automatização ± utilizando máquinas que desligavam automaticamente caso ocorresse qualquer problema. em meio a uma crise de capital. deveria estar apto a trabalhar em mais de uma função. Na década de 70. A idéia principal era produzir somente o necessário. Nessa época. Toyotismo é o modelo japonês de produção. um mercado menor. . Assim. com a máxima qualidade. elas introduziram o universo da eletrônica no mundo do automóvel. ou seja. o modelo Toyotista espalhou-se pelo mundo. trocando a padronização pela diversificação e produtividade. pois agora o trabalhador deveria ser mais qualificado. Com a crise econômica de 2008 e 2009 no sistema imobiliário dos EUA e sua conseqüência no mercado global. o novo modelo era ideal para o cenário japonês. de modo a atender a necessidade dos condutores de veículos daquela época. houve um investimento maior das montadoras em fabricar automóveis de baixo consumo. Quando ocorreu a crise de energia nos anos 70. transporte. velocidade. as montadoras iniciaram a corrida para oferecer novidades e captar clientes. o carro ficou mais barato. Os desperdícios detectados nas fábricas montadoras foram classificados em sete tipos: produção antes do tempo necessário.portanto de maior qualidade. As relações de trabalho também foram modificadas. participativo e polivalente. um funcionário poderia manusear várias máquinas ao mesmo tempo. criado pelo japonês Taiichi Ohno e implantado nas fábricas de automóveis Toyota. a fabricação em série implicou na queda da qualidade dos veículos. perfis mais aerodinâmicos. diminuindo os gastos com pessoal. necessidade de tornar mais leve o peso. após o fim da Segunda Guerra Mundial. estoque e operações desnecessárias no processo de manufatura. produção maior do que o necessário. reduzindo os estoques (flexibilização da produção). produzindo em pequenos lotes. ou seja. bem diferente dos mercados americano e europeu. Essa cadeia de montagem em massa se intensificou na segunda década do século XX. espera. inúmeras montadoras sofreram uma enorme queda nas vendas e tiveram de demitir seus funcionários pela repercussão da crise também no mercado de automóveis. reduzindo os estoques ao mínimo. A popularização do veículo particular estimulou as pesquisas para o aprimoramento e melhorias de rendimento (aumento de aceleração. tornando-o um meio de transporte acessível às pessoas. Já no Fordismo. Foi e continua sendo o único modelo de produção capaz de atender a demanda exigida pela sociedade atual. Em contrapartida. capacidade de carga) o que se traduziu no surgimento de novos problemas (freios. movimento humano (por isso o trabalho passou a ser feito em grupos). O Fordismo é utilizado até hoje na fabricação de automóveis.

de modo que o just em time se efetive. + Team work ( trabalho em equipe) ± os trabalhadores passaram a trabalhar em grupos. que devem ser ³qualificados´ para serem contratados. criou-se um sistema para detectar a demanda e produzir os bens. o aumento do desemprego. . A idéia de qualidade total também atinge diretamente os trabalhadores. além do aumento da produtividade. ou eliminar os ³tempos mortos´.+ Just in time (na hora certa) ± sem espaço para armazenar matéria-prima e mesmo a produção. em todas as etapas da produção são responsáveis pela qualidade do produto e a mercadoria só é liberada para o mercado após uma inspeção minuciosa de qualidade. Dessa lógica nasceram os certificados de qualidade. + Kanban (etiqueta ou cartão) ± método para programar a produção. Em suma. Embora possa parecer que o modelo toyotista de produção valorize mais o trabalhador do que os modelos anteriores (fordista e taylorista). orientados por uma líder. tal impressão é uma ilusão. que só são produzidos após a venda. que disputam melhores índices de produtividade entre si. e tem como conseqüência. ou ISO. o que ocorre é o aumento da concorrência entre os trabalhadores. + Controle de qualidade total ± todos os trabalhadores. Tais disputas sacrificam cada vez mais o trabalhador. Na realidade da fábrica. a lógica do mercado continua sendo a mesma: aumentar a exploração de mais-valia do trabalhador. O objetivo é de ganhar tempo.