You are on page 1of 5

Os sons de passos descompassados eram abafados nas ruas pela chuva que cai , enquanto a lentamente um suave passo

parecia segui-los. -Droga, você não falou que era seguro?! -Exclamava a moça com o cabelo molhado caído sobre o rosto. -E era... Eu não tinha como saber que o Capitão Takana estaria aqui... A movimentação não indicava isso... -Dizia o jovem rapaz tentando se justificar com sua companheira. - Vamos! Por aqui... -Disse o jovem puxando o braço da mulher que o acompanhava em d ireção do beco. Enquanto corriam com todas suas forças uma figura singular acompanhava distante seus atos com os olhos, avançando lentamente atrás deles. Ratos... Quando eu acabar com esses dois os problemas estarão acabados... A dupla se encaminhou rapidamente pelo caminho indicado pelo mais jovem, os passos revelavam seu desespero até que os mesmos cessassem. -Que merda é essa? Não tem como pular esse muro! -Exclamava a mulher encarando o jovem com fúria. -Esse muro não era para estar aqui... -Dizia o jovem confuso, reparando no cenário. -A não ser que eu tenha confundido as ruas... -Como assim confundido? Como você pode confundir algo dessa maneira!-Dizia a mulher com sua voz começando a se alterar. Seu nervosismo levava a passar a mão por seu cabelo molhado, alisando-o até o pescoço onde o mesmo acabava. -Não é possível que tenhamos o mesmo fim que os outros... Enquanto a mulher começava a demonstrar sinais visíveis de desespero o rapaz parecia encarar o cenário tentando ainda se situar. -Se não estou enganado estamos próximo ao Royal Hospital... -E no que isso vai nos ajudar?! -Nisso!!! O jovem avançou contra uma das portas chutando-a com força, a mesma cedeu, escancarando-se para a passagem dos mesmos. -Venha... Não temos muito tempo... Sem sequer responder a mulher entrou sendo seguida por seu parceiro. O hospital era relativamente grande, o que facilitaria em muito suas ações, embora ambos soubessem em seu coração que nada seria capaz de salvá-los daquela situação.

O Royal Hospital já havia sido um grande hospital há alguns anos atrás, mas na atualidade não era uma das instituições mais aclamadas. Sua estrutura havia ficado rudimentar ao longo dos

. escondia seu corpo delgado. Poderia ter resolvido esse problema desde o início.... seus olhos de um tom claríssimo de azul. mas com os passos mais pesados dessa vez. com algumas manchas de sangue. -Não acredito que todos nossos problemas se reduziam a meros amadores. Mas antes mesmo que ele se aproximasse ao bastante de seu oponente sentiu um corte em seu abdômen. -O que estão pensando em fazer? -Disse o homem austero ao se deparar com a porta arrombada. -Dizia a mulher tentando buscar alguma saída em seus pensamentos. e com um simples gesto de sua mão lançar longe sua protegida. -E o que temos a perder se o enfrentarmos? Caso um milagre aconteça ainda conseguiremos ficar mais fortes e. -Dizia o jovem em um tom de voz conformado. -Disse ele aspirando profundamente. -O homem avançou pela porta lentamente. -Mas acho que não passa de um simples .anos. -Então cansaram de se esconder? -Soou a voz fria do lado oposto do corredor. -Você é mesmo louco. -Realmente entramos numa fria. -Dizia o rapaz como se juntasse as últimas forças que lhe restavam e as transformasse em coragem. ao mesmo tempo em que uma forte corrente de ar o lançava longe junto ao cilindro que segurava. essa caçada sequer vale como diversão. ainda mais durante as noites.. mantido rigorosamente em um corte social.. -Por um segundo achei que você teria alguma arma contra mim.. -Mas só saberemos depois que tivermos o enfrentado! -Do que está falando Kaguya?! -Não temos nenhuma esperança de escapar se continuarmos fugindo.. -Ora seu! Como se atreve! Em um rápido movimento o jovem apanhou um cilindro de oxigênio próximo a ele e avançou contra seu inimigo na tentativa de golpeá-lo pelas costas. -Espero que saibam que terão que pagar por estarem causando tantos problemas em minha área. fechando os olhos e aguçando ao máximo sua audição. por mais que conseguíssemos escapar daqui. estaríamos sendo procurados por infindáveis membros o resto da noite. -Estamos perdidos. e um longo e alvo sobretudo branco. seu cabelo ralo... o que fazia com que seu quadro de funcionários fosse reduzido apenas ao estritamente necessário.. -Dizia o homem se virando e caminhando lentamente em direção do seu atacante.. a sola de seu sapato produzia um sonoro ruído ao colidir com o frio chão do hospital. O movimento dele era relativamente reduzido. e poucos pacientes se encontravam internados em seus leitos. -Corra Tomoyo! -Antes que Kaguya pudesse voltar suas atenções para o oponente sentiu uma forte corrente de ar e o mesmo estando a sua frente. Não temos a menor chance! -Então finalmente descobri porque você gosta tanto de mim! -Disse o jovem em um tom de deboche.. sua figura nesse momento aparentava mais aterrorizante do que costumeiramente... Apesar de andar em meio à chuva se encontrava completamente seco..

mas ainda consciente. -Não resista se for para me decepcionar.. -Queria poupar esse local.. Será que com essa eu consigo virar um General. mas não me exercitei ao bastante ainda. obrigado pelo reconhecimento minha jovem. mas creio que teremos alguns problemas. Se não tem mais nenhum truque na manga morra como uma boa presa que foi encurralada por seu predador. fazendo a mesma se espatifar... realmente não sou humano.. caindo semi-acordada no chão. enquanto via o fogo se alastras lentamente.. Afinal todos sabem que Daisuke não é digno do posto.. tendo seu corpo lançado até o fim do corredor. Em um movimento de reflexo e sorte o jovem escapou rolando pelo lado do capitão. Em um rápido movimento ele avançou contra seu oponente. -Kaguya! -A mulher desesperada se aproximou correndo do jovem que se encontrava estirado no chão... no mesmo momento o jovem se jogou para frente. -O que? Eu estar intacto? .. -Não acredito que tantos não conseguiram pegar vocês. fazendo com que o mesmo atingisse com toda força o cilindro de oxigênio.. -Uma fúria especial podia ser vista nos olhos do Capitão ao mencionar tal nome. ou será que o medo tomou conta de seu espírito de tal forma a perder o senso? -Disse com um sorriso sarcástico no rosto.. sem poder se mexer e observando Capitão Takana se aproximar lentamente com um sorriso sádico no rosto. atingindo-lhe as costas lançando-o alguns metros à frente..verme. preparando para atacá-lo. -Não foi nada. -Disse ele com um sorriso maroto no rosto. Como é possível? -Disse o jovem se esforçando para sussurrar algo... próxima ao imponente homem a corrente se tornava uma ventania de tal maneira a atrapalhar seu cabelo e fazer seu sobretudo esvoaçar com extrema facilidade. A mulher por sua vez foi lançada muito mais longe. O jovem resistente colidiu lateralmente com a parede direita do corredor.. -Parece que nossa sorte começou a melhorar não? -Disse sorrindo. -Ah! E a propósito. -É mesmo. e como não me proporcionaram uma caçada divertida acho que a minha diversão começará agora. enquanto erguia o jovem pelo pescoço. afinal ainda temos esse fogo para lhe dar. numa fração de segundos Kaguya se deparou com o Capitão já a sua frente. sou praticamente um deus! Com essas palavras com um simples movimento de braço o homem convocou uma forte rajada de vento que lançou ambos com violência ao longe.. O que parece lhe sobrar em coragem e fibra parece lhe faltar em inteligência.. tendo um o ombro deslocado com um sonoro estalido que satisfez o ofensor. enquanto uma pequena explosão se formou atrás do mesmo. -Acho que vocês têm alguma coisa a mais com o que se preocupar. Nenhum ser humano poderia sair ileso dessa explosão. onde o mesmo colidiu fortemente com uma porta.. -Disse se aproximando do jovem caído. como todos os outros. Uma forte corrente de ar invadiu os corredores próximos do qual se encontravam. -Disse uma voz fria vinda de trás deles. -Como..

-Sussurrou ainda sem forças..... Não O que está acontecendo? Onde estou? -Por favor. clamando inconscientemente por socorro.. prensando com grande força o corpo do rapaz contra a parede. Do chão Tomoyo observava a cena com muita dificuldade. e eis que a sarça ardia no fogo. esguio. -Sussurrava lentamente com suas últimas forças.. Porque ninguém faz nada? Onde estão. Alguém.... não? -Não seja tão ingênuo..... Ela não sabia de onde ele havia vindo.. Alguém. Salve o Kaguya. seja quem fosse aparentava ser alto. mas ele era sua última esperança agora. Nesse exato momento as chamas mais próximas começaram a desaparecer...-É... A mulher caída viu quando o homem extinguiu sem muita dificuldade as chamas mais próximas a ele... nem quem ele era e nem mesmo se era um amigo. Socorro! Não.. -Vamos acabar logo com isso..... a mulher começava a se entregar. Socorro. . O homem que se levantou encarou as chamas que começavam a adentrar o quarto com certo desdém.. eu não teria sofrido um arranhão sequer. Não percebeu o que eu falei? Sou quase um deus. E apareceu-lhe o anjo do Senhor em uma chama de fogo do meio duma sarça. e a sarça não se consumia. e parece que o estranho também não fez o mesmo. -Disse o homem com um ágil movimento.. -Por favor. Onde está? Por favor. -Socorro. Onde está? Por favor. estourando e atravessando com seu oponente para dentro da sala. Por mais que fosse uma explosão vinte vezes maior. Enquanto suas atenções se voltavam para o jovem o fogo se alastrava agora de maneira mais rápida pelo andar. os cabelos grandes e desarrumados. como se o homem as sugasse para dentro de seu corpo... quando pode perceber que da cama alguém estava levantando. O jovem riu ironicamente da explicação dada a ele. e lentamente se aproximou das chamas tocando-as sutilmente. Socorro.... e a consciência parecia cada vez lhe abandonar mais. -Por favor.. coisas simples assim não são capazes de me atingir. mas parecia que sua perversidade não tinha parado ainda. Sem mais esperanças.. Porque ninguém faz nada? Onde estão... fazendo-a começar a rachar lentamente até ceder por completo.. e olhou. Que voz é essa? O que estou pensando? Ela precisa de ajuda! Não posso deixar! A vista de Tomoyo já havia quase deixando de captar imagens.. Te pegou em cheio. Aquela explosão. o homem parecia ter recobrado o ar frio.. sua visão já estava embaçada. Quero logo acabar com os problemas da Mahou Tenkai. e não podia reparar diretamente em sua face..

ele estava visivelmente ferido.O estranho sequer encarou-a.. Temos no mínimo a obrigação de ajudá-lo por enquanto. e boa parte do arquivo do hospital também. fosse pelo chão ou rodopiando e pairando pelo ar. mas foi completamente ignorado para sua sorte. não deixando tempo para que nem mesmo um urro de dor fosse emitido. . O homem encarou-o no chão por alguns instantes. -Enfrentar? -Exclamou o rapaz. -Disse a mulher em um tom melancólico encarando o homem que parecia descansar aliviado agora na cama. e por onde passava as chamas seguiam-no. -E não sabemos por que ele acordou também. com o rosto coberto por uma espessa barba. o corpo do jovem resistente foi lançado para o corredor de novo. Kaguya pareceu se apavorar com a presença do mesmo. suas pernas pareciam sustentar seu corpo com dificuldade.. -De qualquer maneira ele nos ajudou. -Bom ele nos salvou. sem parecer muito preocupado. -Disse ele sentindo um calafrio percorrer a espinha. né? Estive sondando também o quarto dele. enquanto o rasgo feito no início do ataque em seu abdômen sangrava cada vez mais... O Capitão Takana não obteve respostas. O homem se mantinha com o braço erguido enquanto as chamas continuavam a aumentar e consumir não só o Capitão como toda a sala.. mas antes que pudesse tomar qualquer medida o homem a sua frente ergueu um dos braços de forma desengonçada e numa explosão de energia as chamas invadiram a sala em direção ao Capitão. E pelo que você me contou ele foi forte ao bastante para enfrentar o Capitão Takana. e de acordo com os bombeiros nada foi encontrado na sala além de cinzas.. enquanto o fogaréu consumiu instantaneamente o cômodo por completo. -O que acha dele? -Perguntava Kaguya sério sentado numa cama enquanto encarava o homem deitado na cama. -Isso se ele acordar. os vidros da janela estouraram e em uma grande rajada o homem caiu de joelhos ao chão. mas ele estava em coma a 50 anos.. ninguém soube me informar o motivo. os olhos meio mórbidos. com vários cortes superficiais e profundos pelo corpo todo.. atravessando a porta onde estava antes. -Quem é você?! -Disse o Capitão saindo de trás de uma das prateleiras cheia de pastas e se deparando com o homem.. pois foi queimado. Lentamente o homem avançava. avançou lentamente e meio desengonçado pelo corredor... -Você teria ficado aterrorizada se tivesse visto a cena.. Aquele monstro nem sequer teve tempo de reagir. não consegui o prontuário dele. até tocar-lhe o corpo e a ele integrar-se.