You are on page 1of 5

Relato de Caso

Corpo estranho em loja prostática
Foreign body in prostatic site

Ricardo Matias Lopes, André Takashi Date
Urologistas do Hospital Carlos Chagas.

Rogério Simonetti Alves, Wagner Raiter José
Chefes do Setor de Endourologia do Hospital Carlos Chagas. Trabalho realizado no Departamento de Endourologia - Hospital Carlos Chagas. Rua Barão de Mauá, 100 CEP 07012-040 - Guarulhos - SP. Endereço para correspondência: Ricardo Matias Lopes Rua Martiniano de Carvalho, 960/151 - Bela Vista CEP 01321-000 - São Paulo - SP Tel: (11)7652-1770 - E-mail: matiasufpi@ig.com.br Recebido para publicação em 03/2009. Aceito em 08/2009. © Copyright Moreira Jr. Editora. Todos os direitos reservados. RBM Out/10 V 67 N 10 Indexado LILACS: Indexado LILACS: S0034-72642010005800004 Unitermos: litíase vesical, corpo estranho, próstata. Unterms: bladder lithiasis, foreign body, prostate.

Numeração de páginas na revista impressa: 371 à 373 Resumo O cálculo vesical pode ser encontrado tanto em crianças como em adultos. Cálculos vesicais, devido a corpo estranho, têm sido descritos por alguns autores, mas esta condição é pouco frequente. Relata-se o caso de um paciente que apresentava infecções do trato urinário de repetição, devido a corpo estranho em loja prostática, vários anos após ter sido submetido à cirurgia de exérese de adenoma prostático. Introdução O cálculo vesical pode ser encontrado na população pediátrica (devido à desnutrição proteico-calórico ou a doenças disabsortivas espoliantes) ou na adulta. É mais frequente em homens devido à hiperplasia prostática benigna, divertículos vesicais, bexiga neurogênica, estenose de uretra, tendo uma incidência de até 5%(7). Além desses fatores obstrutivos mencionados, podemos relacionar a presença de litíase vesical a outros fatores, tais como infecções urinárias de repetição, doenças metabólicas, cateteres de drenagem urinária tipo duplo jota após longa permanência, corpos estranhos (tais como fio inabsorvível, clipe metálico, gazes, fragmentos de tecido prostático retidos na bexiga, após ressecção transuretral de próstata). A presença de corpo estranho vesical após os mais variados procedimentos cirúrgicos tem sido descrita desde longa data e é pouco frequente(2). O período de aparecimento dos sintomas é variável, podendo surgir desde poucos meses até vários anos após o procedimento cirúrgico.

apresentou sintomas obstrutivos. A evolução pós-operatória foi satisfatória e sem outras anormalidades. então.S. gotejamento terminal e sensação de esvaziamento vesical incompleto. . a realização de cistolitotomia para retirada do cálculo que foi realizada em janeiro de 2009 sem intercorrências. apresentava-se em acompanhamento ambulatorial em 2002. Figura 1 . Quatro meses após ter sido submetido à herniorrafia inguinal direita esteve em nova consulta com o urologista que. evidenciando próstata de volume aumentado. Passou em consultas subsequentes com o médico assistente referindo desconforto em região suprapúbica. No final de 2008 resolveu realizar consulta médica com outro profissional. Recebeu alta no terceiro dia pós-operatório sem outras alterações e foi encaminhado para consulta com urologista ambulatorialmente. hesitância. sempre referindo os mesmos sintomas e recebendo prescrições de macrodantina para tratar infecções do trato urinário de repetição e orientações que esses sintomas eram ³normais´ em qualquer pós-operatório de cirurgia prostática (sic). Em fevereiro de 2007 foi então submetido à prostatectomia transvesical. 59 anos. tais como jato urinário fraco. Foi indicado. Naquela ocasião foi iniciado tratamento farmacológico com mesilato de doxazosina 2 mg ao dia. devido à hiperplasia prostática benigna.F. Para a surpresa dos cirurgiões. casado. brasileiro. Nos anos de 2007 e 2008 esteve em consulta médica com o urologista em cinco oportunidades. toque retal e exames complementares pertinentes. mas foi necessária a passagem de cateterismo vesical de alívio em três oportunidades.G. jato urinário fraco. Em novembro de 2004 foi diagnosticada hérnia inguinal direita e foi submetido à herniorrafia no início de 2005. após anamnese. nictúria 1X). nessa ocasião. na qual foram solicitados alguns exames que evidenciaram litíase em loja prostática e vesical. apresentando melhora dos sintomas prostáticos. Após o procedimento cirúrgico de herniorrafia o paciente. o cálculo em loja prostática se tratava de um ³rolinho de gaze´ envolvida por material calcificado. indicou a realização de cirurgia prostática.Ultrassonografia endorretal.Caso clínico J. residente em Mogi das Cruzes. Durante a hospitalização não apresentou episódio de retenção urinária aguda. O paciente teve boa evolução e já nas primeiras consultas de seguimento pós-operatório se encontrava assintomático (jato urinário forte. Recebeu alta hospitalar bem. nictúria 6 -8X e sintomas irritativos miccionais. ainda no hospital. disúria. textura heterogênea com calcificações grosseiras predominando em lobo direito.

A presença de corpos estranhos retidos pós-operatoriamente. é realizado incisão e exérese do adenoma da cápsula prostática. é encontrada mais frequentemente após cirurgias gastrointestinais. Quando este lamentável incidente ocorre no trato urinário. Durante o procedimento. do trato respiratório e ginecológica. acima de 100 gramas. o paciente pode permanecer assintomático por até vários anos após o procedimento cirúrgico que . embora incomum. pois próstatas com peso menor são levadas à ressecção transuretral da próstata (RTUp). Caso este corpo estranho vesical seja uma gaze. infecções repetidas do trato urinário. comparadas às cirurgias urológicas(3).Discussão A prostatectomia transvesical é realizada. Nesse tempo cirúrgico é importante atenção de toda a equipe cirúrgica. geralmente.8). nesse tempo cirúrgico. após a abertura da bexiga. o paciente pode queixar-se de sintomas irritativos e/ou obstrutivos vesical. dependendo da experiência e habilidades do cirurgião. a fim de evitar-se o esquecimento das gazes colocadas previamente na loja prostática. alguns cirurgiões colocam alguns ³rolos de gaze´ na loja prostática para diminuir o sangramento e possibilitar melhor campo visual durante a trigonização. realiza-se a trigonização do colo vesical e. quando o peso prostático é superior a 80 gramas ou. Em seguida. sensação de peso na região suprapúbica(6.

há 14 meses. 10. Ann Urol (Paris) 2003 37:194 -8. Amat CM. Nesse intervalo. 4. Gupta BK. uma vez que o diagnóstico de certeza de corpo estranho em loja prostática e/ou vesical é difícil. tais como RX simples de abdome e pelve. 2003 Apr 27(4):265-73. Banerjee A. Arch Esp Urol. o paciente realiza vários tratamentos antibioticoterápicos. Urol (Calcutta) 2001 35:277 -9. geralmente. Hita Villaplana G. Pereira AJG. Pietricica BN. 1994 Oct 47(8):814-7. 3. de diagnóstico difícil e feito por exclusão. Urol Res.8%) casos se encontrou a presença de granulomas inespecíficos (tipo corpo estranho). Dakum et al. ³Sand-clock´ lithiasis on prostatic transurethral resection bed. uretrocistografia retrógrada podem ajudar na elucidação diagnóstica(1). Bernuy MC. 2002 May-Jun (3):52-4. 6. Conclusão A presença de corpo estranho calcificado em loja prostática ou na bexiga é uma condição rara. Dakum. Papatsoris AG. apenas em 8 (0. Actas Urol Esp. Honrubia Vilchez B. Narayanan PS. devido à hiperplasia prostática benigna. Sorensen et al. com melhora apenas parcial dos sintomas. Davidov MI. 8. Davidov et al. Varkarakis I. NK. (2001) relataram a presença de gaze envolta em material calcificado em paciente de 54 anos que havia se submetido à prostatectomia transvesical. Kharichev SV. Escobal TV. Bibliografia 1. Lithiasis of the prostatic loge. Rafique M. 2006 Jun 34(3):163 -7. Ocorre mais frequentemente após cirurgias prostáticas realizadas via transvesical e deve ser lembrada em pacientes com sintomas irritativos e/ou obstrutivos de longa data e que manifestem infecções do trato urinário de repetição que não apresentam melhora do quadro clínico e tenham sido submetidos a cirurgias prostáticas prévias. 9. Rioja SLA. Arch Esp Urol. é feito por exclusão diagnóstica(8).7. (1987) descreveram em uma série de 1. Urologia. 2. Deliveliotis C.10). Dellis A. Iatrogenic foreign body. Pascual RD. Urinary Tract Fistulas. Nig J Surg Res 2001 3:90-92. Intravesical foreign bodies. Retained foreign bodies in adults. mas apenas poucos autores relatam a presença de corpo estranho (gaze) em loja prostática ou na bexiga urinária após cirurgia prostática(1. Rao S. Mallén ME. Petruniaev AI. Romero Hoyuela A. Gonzalvo IA. Rodríguez Tardido A.059 casos de ressecção transuretral de próstata. Romero PP. 2008 Sep 61(7):781-5. 5. pouco frequente e. Bladder lithiasis: from open surgery to lithotripsy. Urol J. Sancho SC. Minaña López B. Choe JM. Urinary retention caused by foreign body. Voiding symptoms as presentation of an intravesical foreign body. Review of the literature. Khanna SK. García de JMA. Existem muitos relatos de casos e revisões de literatura acerca de corpo estranho vesical. Arch Esp Urol. Martínez-Valls PL. Rosino Sanchez A. 7. Bildosola AA. Exames de uretrocistoscopia e radiológicos. Prieto UN.9. 1995 Sep 48(7):743-6. Sekar JC. (2002) relataram condição semelhante em paciente de 80 anos que havia sido submetido a prostatectomia transvesical há oito anos. 2008 Fall 5(4):223-31. . Intravesical foreign bodies: review and current management strategies. Izquierdo Morejón E. Ann.desencadeou o fato.

. 1987 Dec182(6):822 -30. Pathol Res Pract.11. Iatrogenic granulomas of the prostate and the urinary bladder. Marcussen N. Sørensen FB.