You are on page 1of 8

Ano I - Nº 157

4 de Fevereiro 2020
Fundador/Diretor : Fernando de Abreu
Periodicidade: Diária dias úteis
Gratuito

Governo compromete-se com “grande


baixa de impostos” para rendimentos
médios
Governo compromete-se com Ficha técnica:

Inscrição:127288
“grande baixa de impostos” para Propriedade: Nodigráfica- Infor-
mação e Artes Gráficas Lda
Periodicidade: Diária dias úteis

rendimentos médios NIF : 501511784


Diretora Adjunta: Anabela
Abreu
Morada : Av. do Convento nº 1 -
Orgens - 3510-674 Viseu
Sócios gerentes :
Graça Maria Lourenço de Abreu
Anabela Lourenço de Abreu
Sede /Redação : Complexo
Conventurispress - Av. do Con-
vento nº 1 - Orgens - 3510 -674
Viseu
Detentores do capital social
com mais de 5 %:
Fernando Mateus Rodrigues de
Abreu
Graça Maria Lourenço de Abreu
Anabela Lourenço de Abreu
Estatuto editorial : http://viseu-
global.pt/sobre-mim/

O secretário de Estado “Nós eliminámos a sobre- extraterrestres mas por por-


dos Assuntos Fiscais, António taxa, nós alterámos o coeficiente tugueses de carne e osso".
Mendonça Mendes, anunciou familiar e nós fizemos uma “Para si só há um im-
hoje que o Governo pretende grande reforma dos escalões em posto, o IRS”, apontou, acres-
desencadear “uma grande baixa 2018, que permite termos hoje centando que para o PS “o
de impostos” no próximo ano, mais 200 mil pessoas a benefi- conceito de carga fiscal varia
que vai abranger particularmente ciarem do mínimo de existência, conforme o dia”.
os rendimentos médios. que permite que as famílias por- "Não sei onde é que o
“Com este caminho orça- tuguesas paguem menos de senhor deputado encontra neste
mental prudente, que alguns 1000 milhões de euros de impos- Orçamento do Estado qualquer
querem arrepiar, mas que nós tos”, acrescentou. aumento de impostos", retorquiu
não o faremos, nós conseguire- O secretário de Estado o secretário de Estado.
mos fazer, no próximo ano, uma acusou também o deputado da Também pelo PSD, o
grande baixa de impostos, em Iniciativa Liberal, João Cotrim deputado Maló de Abreu mani-
particular para os rendimentos Figueiredo, de ter apresentado festou-se contra “qualquer pro-
médicos e nessa dimensão, e uma proposta “inepta e injusta do posta que vá no sentido de
nessa altura, olharemos para os ponto de vista social”, ao querer eliminar” o regime fiscal para o
escalões, para as deduções es- implementar uma taxa única de residente não habitual.
pecíficas e para todas as outras IRS, de 15%. João Almeida, do CDS-
questões”, afirmou. Depois de PSD ter advo- PP, acusou o Governo de “mas-
Este anúncio foi feito pelo gado que este é “o orçamento sacrar cada vez mais a classe
secretário de Estado durante a com maior carga fiscal da história média” e de não a “deixar respi-
discussão na especialidade do de Portugal” e de o CDS-PP ter rar”.
Orçamento do Estado para este sublinhado que as propostas ap- “Não adianta vir agora
ano, que decorre na Assembleia resentadas pelo PS “não têm com propostas tão imbecis como
da República, em Lisboa. Nesta qualquer efeito em termos do aquela que o PS apresenta sobre
altura, os deputados falavam alivio fiscal”, Mendonça Mendes os jovens e sobre os bebés”,
sobre as propostas de alteração acusou a direita de argumentar apontou João Almeida, defend-
ao IRS. “sempre com a carga fiscal”. endo uma redução nos
Em resposta a BE e PCP, Em resposta, o social de- “primeiros três escalões de IRS”.
Mendonça Mendes assinalou o mocrata Duarte Pacheco afirmou João Cotrim Figueiredo
“caminho extraordinário” desen- que lhe “fugiu a boca para a ver- criticou o Governo por ter uma
volvido “nos últimos cinco anos a dade”, pois a carga fiscal efetiva- política de “se se mexe, taxe-se”,
nível do IRS”. mente aumentou e brincou que especialmente ao nível do aloja-
os impostos "não são pagos por mento local.
“Atrai-se as pessoas para o ano aqui estará para “a menta o salário mínimo”, de-
para o regime e depois taxa- revisão profunda que o IRS pre- fendendo também um aumento
se”, criticou, rejeitando que os cisa”. Ainda assim, para este da dedução específica em 200
empresários que requalificaram ano o BE propôs que “os es- euros e que esta “seja calcu-
habitações para as colocar calões sejam atualizados à in- lada com uma fórmula que
neste regime “não são propria- flação, para que não exista garanta a sua atualização
mente senhorios ricos” e, por- qualquer efeito, ainda que mar- anual”, considerou o deputado
tanto, “não merecem ser vistos ginal, no imposto pago pelos Duarte Alves.
pelo PS como porquinhos mea- trabalhadores por via da atua- Vera Braz, do PS, assi-
lheiros”. lização dos escalões a uma nalou que os socialistas inicia-
Pelo BE, a deputada taxa que é inferior à que se ram uma "política fiscal mais
Mariana Mortágua defendeu prevê para a inflação no pró- justa que alivia e protege quem
uma tributação das “ações e da ximo ano”. mais precisa".
riqueza financeira como se tri- Já o PCP, defende que Durante a manhã, no
buta o trabalho, e não benefi- escalões sejam "atualizados à plenário debateram-se também
ciando esses rendimentos do taxa de inflação esperada para temas como os transportes,
capital, e isso faz-se através do 2020” e um aumento do número bem-estar animal, ambiente,
englobamento”. de escalões. amianto, a exploração de lítio,
Ressalvando que a prior- Os comunistas propõem bem como o IRC e os direitos e
idade dos bloquistas este ano é ainda que o mínimo de existên- acessibilidades para pessoas
a descida do IVA da eletrici- cia aumente pelo menos “na com deficiência.
dade, a parlamentar vincou que mesma proporção em que au-

Fernanda Fragateiro diz que trabalha por um


mundo melhor e defende escola pública
A artista plástica Fer- cisam de entrar mais nas esco- riam se não fosse a escola
nanda Fragateiro afirmou hoje las". pública. É uma plataforma im-
que a sua produção artística as- Durante uma conversa prescindível de acesso. No meu
senta na ideia da construção de com alunos de design de moda caso, hoje não seria artista se
um mundo melhor e defendeu a da escola profissional Magestil, não fosse a António Arroio”, afir-
escola pública como plataforma em Lisboa, e da escola artística mou, acrescentando: “Para
de lançamento de artistas, Soares dos Reis, no Porto, Fer- mim, esta foi a escola, foi a
numa conversa com alunos do nanda Fragateiro falou do seu minha escola, onde me tornei
secundário. trabalho e revelou a pessoa por artista”.
Fernanda Fragateiro detrás da artista.
inaugurou hoje o programa Numa conversa que foi Fernanda Fragateiro
“Artistas no Palácio de Belém”, sempre pautada pela importân- começou, aliás, a sua apresen-
uma iniciativa do Presidente da cia da liberdade e do espaço, etação com uma fotografia da
República, no Palácio de pela defesa da escola pública, escola, dos seus tempos de es-
Belém, em Lisboa, aberta à par- a artista sublinhou por diversas
tudante, para contar como na
ticipação de escolas do ensino vezes a importância que a es- altura os alunos se exprimiam
básico e secundário, que visa cola artística António Arroio, em
através de pinturas nas pare-
pôr os alunos em contacto com Lisboa, onde estudou, teve parades, o que ao principio lhes
artistas plásticos. a sua formação profissional e trazia problemas com os fun-
A este propósito, a como pessoa. cionários, mas com os tempos
artista defendeu que, à semel- se “tornou um ícone, uma men-
hança do que se passa já com “Para os artistas, a es- sagem que queriam dar ao
a literatura, "a dança, as artes cola pública é fundamental. mundo”.
plásticas e performativas pre- Muitos artistas hoje não o se-
Essa mensagem era em “Concret poem”, de conversar, e que a convenceu a
grande parte a da liberdade 2012, foi outra das obras apre- entrar naquela escola.
artística e este conceito pautou sentadas pela artista plástica, Desde então vive
sempre o seu trabalho, como uma peça em betão num jardim “apaixonada” pelo seu trabalho
demonstrou em vários exemp- que “parece estar a levitar”. e só não concluiu o curso nas
los que apresentou aos alunos. “No meu trabalho há Belas Artes (ficou-se pelo ter-
O jardim das ondas, em sempre ideia de leveza, mesmo ceiro ano), porque se sentiu
frente ao oceanário, “um es- com materiais pesados como o sempre “um bocado desin-
paço criado para que as pes- betão. E mais uma vez um es- tegrada”, tendo saído em rutura
soas pudessem usar de forma paço muito livre, onde uma cri- com a escola.
livre”, é um desses casos. ança pode inventar o que fazer “O não ter acabado o
Alem do aspeto formal – e não estar obrigatoriamente no curso impediu-me de dar aulas,
todo o desenho se inspira nas baloiço ou no escorrega. como aconteceu com os meus
ondas -, “o jardim nasce como Parece que temos que fazer colegas, porque na altura quase
uma posição política: deve sempre a mesma coisa, aquilo não havia galerias. Então tinha
haver espaços públicos abertos que nos ensinaram”, afirmou. que trabalhar, porque vinha de
a todos, onde se proporcionam Esta ideia de irreverên- uma família pobre”, contou.
experiências de grande liber- cia, presente no seu trabalho e Para sobreviver fez
dade”. no seu discurso, esteve tam- muitas coisas, desde
Outro caso é a “Caixa bém sempre na sua vida, como cenografia a figurinos para
para guardar o vazio”, um tra- se percebeu quando falou mais teatro e ilustração, e desta
balho de 2005 feito em colabo- sobre si própria, durante a forma foi crescendo nas artes.
ração com uma coreógrafa, que sessão de perguntas e res- A base do seu trabalho
consiste numa grande caixa de postas. são os textos, lê muitos livros,
madeira que precisa de dois Fernanda Fragateiro sobretudo de filosofia e de
bailarinos para ser ativada e contou que aos 11 anos já de- história de arte, depois mistura
que tem uma forte componente senhava, sobretudo caricaturas tudo, “como se os desenhos
pedagógica, pois é dirigida a da filha do Presidente da fossem uma espécie de texto”,
crianças, que interagem com o República, na altura Américo explicou, referindo como exem-
espaço em si e com os dois Tomás. plo uma escultura que fez
bailarinos que desenham movi- Influenciada pelas con- baseada nos textos de Sophia
mentos no interior e exterior da versas que ouvia em casa e de Mello Breyner.
escultura. pelo que via na televisão, desde As suas fontes de inspi-
Este projeto nasceu de muito cedo desenvolveu sen- ração são outros artistas – par-
um convite do serviço educativo tido crítico e de oposição ao ticularmente do modernismo e
do Teatro Viriato, em Viseu, que regime, ainda antes do 25 de da arquitetura pós-modernista -
queria estabelecer uma relação Abril. , em que procura trabalhar
próxima com a comunidade. Aos 11 anos informou o sobre os seus trabalhos e
No desenvolvimento pai de que queria integrar o reativá-los.
deste projeto, Fernanda Fra- Partido Comunista e alguns Para Fernanda Fra-
gateiro sentiu que “havia pouca dias depois foi bater à porta do gateiro, a conceção de trabalho
consciência sobre o espaço, partido, dando conta dessa sua é a de tentar contribuir para a
nas escolas”. intenção, o que lhe foi negado construção de um mundo mel-
O ponto de partida foi por ser criança. hor.
então “criar qualquer coisa que Dos 11 aos 15 anos Respondendo a uma
falasse sobre o espaço livre” e dedicou-se à atividade política aluna que lhe perguntou se al-
a ideia consistiu em “usar o e achou que poderia vir a ser guma vez pensara em desistir,
corpo e a relação deste com o primeira-ministra, mas numas confessou que uma vez lhe
espaço, para se tomar con- férias de verão com os pais, passou pela ideia dedicar-se
sciência de que o espaço é um acampou ao lado da tenda de aos serviços sociais, quando
lugar vazio para ser ocupado um professor da António Arroio, conheceu um senhor idoso que
pelo corpo”. com quem passou os dias a tinha sido despejado.
Mas depois percebeu construção de um mundo mel- mundo melhor?’ Vou morrer
que com o seu trabalho podia hor, são matéria mais sensível, pobre, mas sempre com um
tentar mudar as coisas e essa é disponível e flexível”. sorriso, porque como artista
uma das razões por que em “Alguns acordam a pen- posso participar na construção
muitas das suas obras procura sar: ‘como vou sacar dinheiro, de um mundo melhor”.
envolver as crianças, que “são como vou ficar rico?’ Eu acordo
um veículo para essa ideia de a pensar: ‘como vou fazer um

Municípios e regiões de turismo pedem apoio do


Governo ao Rali de Portugal
As regiões de Turismo
do Centro e do Norte e os mu-
nicípios envolvidos na realiza-
ção do Rali de Portugal, em
maio, vão solicitar ao Governo
uma comparticipação financeira
do Estado na organização
desta competição automóvel.
O vice-presidente da Câ- celho de Coimbra, o vice-presi- tugal “é um investimento signi-
mara Municipal de Coimbra, dente salientou que “um evento ficativo que tem retorno”, sobre-
Carlos Cidade, disse hoje à desta dimensão”, que se realiza tudo num território, entre o seu
agência Lusa que as duas enti- entre 21 e 24 de maio, exige o município e a capital do distrito,
dades regionais de Turismo e envolvimento da Administração que “tem razões de queixa em
as 14 autarquias que apoiam a Central no plano financeiro. relação às acessibilidades” de-
edição deste ano do Rali Voda- Na sua opinião, o Rali de pois do encerramento do ramal
fone de Portugal vão enviar Portugal “tem uma posição ferroviário da Lousã, há 10
“ainda esta semana” ao única” na projeção do país a anos, com a promessa de um
primeiro-ministro, António nível internacional. metro ligeiro, desde 1996, e
Costa, um documento com As regiões de Turismo mais recentemente de autocar-
esse objetivo. do Centro e do Norte e os mu- ros elétricos, o denominado
“O pedido de compartici- nicípios querem sensibilizar An- “Metro Bus”.
pação financeira do Estado é já tónio Costa “para a O diretor da prova orga-
para a edição deste ano”, pre- necessidade de o Estado Cen- nizada pelo Automóvel Club de
cisou Carlos Cidade, anfitrião tral assumir também uma parte Portugal (ACP), Horácio Ro-
da conferência de imprensa de desta responsabilidade”, drigues, frisou que a sus-
apresentação do Rali de Portu- apoiando a iniciativa, como tentabilidade ambiental “é uma
gal, num momento em que o Manuel Machado já tinha de- das prioridades” da edição
presidente da Câmara, Manuel fendido na abertura dos traba- deste ano do Rali de Portugal.
Machado, se tinha ausentado lhos. Usaram ainda da palavra
da sala, devido a compromis- “É o evento de maior o professor Fernando Perna, da
sos, em Lisboa, na qualidade projeção internacional de toda a Universidade do Algarve, que
de presidente da Associação região”, sublinhou, por sua vez, apresentou um estudo sobre o
Nacional de Municípios Por- o presidente da Câmara de Ar- impacto da edição de 2019 da
tugueses, relacionados com o ganil, Luís Paulo Costa, do prova na economia do turismo
processo de aprovação do PSD. e na imagem do destino, além
Orçamento do Estado para O presidente socialista dos presidentes das câmaras
2020. da Câmara da Lousã, Luís An- de Mortágua, Júlio Norte, e de
Na intervenção final da tunes, aproveitou o momento Góis, Lurdes Castanheira.
sessão, nos Paços do Con- para realçar que o Rali de Por-
Eutanásia: Bispo de Aveiro quer rede de cuidados
continuados alargada e defende que direito à vida
"é inviolável"
O bispo de Aveiro de- isto é, o ato pelo qual não se abrigo para todos aqueles que
fende o alargamento da rede de causa diretamente a morte de confiam nas pessoas nelas tra-
cuidados continuados e palia- outrem, mas se presta auxílio balham”.
tivos a nível nacional, re- para que essa pessoa ponha A questão da eutanásia
forçando que o direito à vida é termo à sua própria vida”. deve marcar a próxima reunião
“inviolável”, numa posição con- “Distinta da eutanásia é a do Conselho Permanente da
tra a discussão da despenaliza- decisão de renunciar à chamada Conferência Episcopal Por-
ção da eutanásia, prevista para obstinação terapêutica, ou seja, tuguesa, marcada para a próx-
20 de fevereiro. ‘a certas intervenções médicas ima terça-feira, em Fátima.
Numa nota pastoral di- já inadequadas à situação real A Assembleia da
rigida aos católicos da diocese do doente, porque não propor- República agendou para 20 de
de Aveiro, António Moiteiro es- cionadas aos resultados que se fevereiro o debate dos projetos
creve que “a defesa da vida hu- poderiam esperar ou ainda do BE, PS, PAN e PEV sobre a
mana não é simplesmente uma porque demasiado gravosas despenalização da morte
questão religiosa, mas sobre- para ele e para a sua família. A medicamente assistida.
tudo uma questão da dignidade renúncia a meios extraordinários Em 2018, a Assembleia
e dos direitos do ser humano”. ou desproporcionados não da República debateu projetos
“A nossa sociedade, equivale ao suicídio ou à eu- de despenalização da morte
mais do que preocupar-se com tanásia; exprime, antes, a medicamente assistida do PS,
legislação deste teor [despenal- aceitação da condição humana BE, PAN e PEV, mas foram
ização da eutanásia], devia perante a morte’”, acrescenta o todos chumbados, numa
antes preocupar-se com o bispo de Aveiro, sublinhando: votação nominal dos deputados,
alargamento da rede de cuida- “É, pois, bem diferente matar e um a um, e em que os dois
dos continuados e paliativos a aceitar a morte”. maiores partidos deram liber-
nível nacional, como meios que Para o também presi- dade de voto.
têm a ‘finalidade de tornar mais dente da Comissão Episcopal Há dois anos, o CDS-PP
suportáveis o sofrimento na fase da Educação Cristã e da Dout- votou contra, assim como o
final da doença e assegurar ao rina da Fé, “o direito à vida é um PCP, o PSD dividiu-se, uma
paciente um acompanhamento direito inviolável (…), sendo a maioria no PS votou a favor, o
adequado’ (Evangelium Vitae)”, base de todos os outros direitos PAN e o BE votaram a favor.
escreve o prelado na nota publi- do ser humano” e, para os Face ao resultado, os
cada com data do passado cristãos, “desde a sua conceção partidos defensores da despe-
domingo, 02 de fevereiro. até à morte natural, é sagrado”. nalização remeteram para a leg-
Aconselhando os católi- “A defesa do direito à islatura seguinte, que saiu das
cos a lerem a Nota Pastoral da vida exige que tenhamos claro legislativas de outubro, a reap-
Conferência Episcopal Por- que defendemos o ‘direito a resentação de propostas, o que
tuguesa sobre a eutanásia, pub- morrer com serenidade, com veio a acontecer.
licada em março de 2016, o dignidade humana e cristã’, em- Na atual legislatura, há,
bispo recorda que o documento penhando todos os meios or- de novo, projetos de lei sobre a
esclarece que “por eutanásia, dinários ao alcance da morte medicamente assistida
deve entender-se ‘uma ação ou medicina”, defende o bispo de apresentados pelo Bloco de Es-
omissão que, por sua natureza Aveiro, para quem, “as institui- querda, PS, PAN e PEV, que de-
e nas intenções, provoca a ções cristãs ou de inspiração terminam as condições em que
morte com o objetivo de eliminar cristã (lares, residências, cuida- é despenalizada a eutanásia.
o sofrimento’. A ela se pode dos continuados e paliativos…)
equiparar o suicídio assistido, continuarão a ser um porto de