You are on page 1of 5

Universidade Federal da Bahia Escola de Administração Núcleo de Pós-graduação em Administração Eixo acadêmico Mestrado/Doutorado Disciplina: Estudos

Organizacionais Prof. Genauto Carvalho de França Filho

Aluno: Texto:

Daniel Reis Armond de Melo Paradigmas, metáforas e resolução de quebra-cabeças na teoria das organizações

Autor

MORGAN, Gareth

Em seu artigo “Paradigmas, metáforas e resolução de quebra-cabeças na teoria das organizações”, Gareth Morgan sugere a adoção de um pluralismo teórico e metafórico, de modo a permitir o desenvolvimento de novas perspectivas para a análise organizacional. Segundo o autor, a cosmovisão vigente dos teóricos das organizações está baseada em algumas metáforas características de um único paradigma, o funcionalista. Para ele, metáforas características de outras correntes de pensamento têm muito a oferecer e tendem a desafiar as suposições fundamentais da ortodoxia. Morgan busca apresentar os elementos de uma crítica humanista radical ao fato de que a teoria das organizações tem sido aprisionada por suas metáforas e, ao mesmo tempo, estimular uma conscientização por meio da qual ela poderia começar a se libertar. Ao longo do texto, são explorados os relacionamentos entre paradigmas, metáforas e a resolução de quebra-cabeças, mostrando que a teoria das organizações e a pesquisa em organizações são construídas sobre uma rede de suposições tidas como certas e inquestionáveis. Além disso, examinam-se a natureza metafórica da teoria e a implicação da metáfora para a construção da mesma. Morgan inicia citando Mannheim, que usa o exemplo da urbanização de um jovem camponês, como meio de ilustrar como os modos de pensar o mundo são mediados pelo ambiente social e como a aquisição de novos modos de pensar depende de um afastamento da antiga cosmovisão. Contrapõe-se a esse outro exemplo, de um jovem campesino que nunca deixou sua terra natal e, conseqüentemente, sua visão de mundo bastante singular é tida como definitiva. O autor entende tais exemplos como um interessante ponto de partida para analisar a teoria das organizações, no sentido de examinar como os teóricos das organizações tentam entender seu objeto de estudo. Para Morgan, “os teóricos das organizações, assim como os cientistas de outras disciplinas, freqüentemente abordam seu objeto a partir de uma estrutura de referências baseada em suposições inquestionáveis”. Segundo o autor, “para entendermos a natureza da ortodoxia na teoria das organizações, faz-se necessário entender o relacionamento entre os modos específicos de teorização e pesquisa, e as visões de mundo que eles refletem”. Para explicar tal relacionamento, Morgan inicia pela desambiguação do termo “paradigma” conforme popularizado por Khun (1962) e o define em três sentidos amplos (que servirão como dimensões hierarquizadas de análise ao longo do texto): 1- como realidades alternativas (paradigmas), 2- como bases das escolas de pensamento (metáforas) e 3 - como ferramentas e textos específicos utilizados de forma concreta (atividades de resolução de quebra-cabeças científicos). O primeiro sentido/dimensão recebe destaque do autor como “uma das mais importantes implicações do trabalho de Khun” e, por isso, determina que no texto “paradigma” será utilizado referindo-se àquele significado. A análise dessa dimensão é importante para Morgan porque “qualquer análise adequada do papel do paradigma em teoria social deve descobrir as principais suposições que caracterizam e definem uma dada visão de

Partindo disso. (2) o interpretativista (baseado na visão de que o mundo social possui uma situação ontológica duvidosa e de que o que se passa como realidade social não existe em qualquer sentido concreto mas é um produto da experiência subjetiva e intersubjetiva dos indivíduos) . Para exemplificar isso na teoria das organizações.mundo para fazer com que seja possível consolidar o que há de comum entre as perspectivas dos teóricos cujos trabalhos poderiam. modelos e ferramentas de pesquisa competem pela atenção dos teóricos. que refletem seus respectivos paradigmas: (1) o funcionalista (baseado na suposição de que a sociedade tem existência concreta e real. caso contrário. o autor cita outro de seus trabalhos onde argumenta que a teoria social em geral e a teoria das organizações em particular poderiam ser analisadas em termos de quatro amplas cosmovisões.” . Para Morgan. que defende que “analisando como as atividades específicas da resolução de quebra-cabeças estão relacionadas a determinadas metáforas que. cada um desses quatro paradigmas define os fundamentos de modos opostos de análise social e possui implicações radicalmente diferentes para o estudo das organizações. por sua vez. pois refletem “uma rede de escolas de pensamento relacionadas. identificam-se os diversos tipos de atividades de pesquisa que procuram operacionalizar as implicações das metáforas que definem determinada escola de pensamento. diferenciadas na abordagem e na perspectiva. mas compartilhando suposições comuns fundamentais sobre a natureza da realidade de que tratam. “nesse nível detalhado da análise. (3) o humanista radical (que vincula sua análise ao interesse no que pode ser descrito como patologia da consciência. Morgan afirma que “qualquer paradigma metateórico ou visão de mundo metateórica pode incluir diversas escolas de pensamento que freqüentemente constituem diferentes maneiras de abordar e estudar uma realidade compartilhada ou visão de mundo”. e grande parte da pesquisa e do debate nas ciências sociais está focada nesse nível”. Morgan cita a obra de Thompson. “Organizations in Action”. Na análise da segunda dimensão (metáfora). ele argumenta que as escolas de pensamento nas ciências sociais baseiam-se na aceitação e utilização de diferentes tipos e metáforas como fundamento para investigação. Para o autor. terceiro nível da análise. Para a análise da primeira dimensão (paradigma). em um nível mais superficial. o teórico pode se tornar muito mais consciente do papel que desempenha em relação à construção social do conhecimento científico”. Parte-se daí para uma análise mais aprofundada das dimensões propostas. parecer distintos e de amplo alcance”. estão em concordância com uma determinada visão da realidade. muitos textos específicos. Essa análise multidimensional e hierarquizada é importante para o autor. e um caráter sistêmico orientado para produzir um sistema social ordenado e regulado). que tornou-se modelo e ponto de partida inquestionável como maneira de entender as organizações para os interessados em desenvolver idéias geradas pela metáfora do organismo na teoria da contingência. por meio da qual os seres humanos se tornam aprisionados nos limites de realidade que eles mesmos criam e sustentam) e o (4) estruturalista radical (preocupado em entender as tensões intrínsecas e o modo como os que possuem o poder na sociedade procuram se manter nessa posição por meio de diversos modos de dominação). Em resolução de quebra-cabeças.

portanto. central no modo como os seres humanos forjam suas experiências e seu conhecimento sobre o mundo em que vivem”. Morgan cita o trabalho de pesquisa de diversos teóricos que. os seres humanos tentam tornar o mundo objetivo por meio de processos essencialmente subjetivos. tal reconhecimento traria conseqüências importantes. Segundo Morgan. No terceiro sentido/dimensão de sua análise. ou seja. escolhem para desenvolver suas estruturas de referência para análise”. superando assim. pois “o processo de concepção metafórica é um modo básico de simbolismo. da ciência. Para o autor. é neste sentido da utilização das metáforas que seu trabalho está baseado. é importante atentar para o papel da metáfora. é por meio da linguagem. as fraquezas e os pontos obscuros das metáforas tradicionais. Tal digressão serve para que o autor sugira que novas metáforas podem ser utilizadas para criar novos modos de ver as organizações. implícita ou explicitamente. . Segundo o autor. segundo ele. na “intenção de mostrar como as escolas de pensamento da teoria das organizações se baseiam em idéias associadas a diferentes metáforas para o estudo das organizações e como a lógica das metáforas possui importantes implicações para o processo de construção de teoria”. operacionalizar e medir implicações do insight metafórico sobre o qual estão baseadas as teorias. “reconhecer que a teoria das organizações é metafórica é reconhecer que ela é um empreendimento essencialmente subjetivo e preocupado com a produção de análises unilaterais da vida organizacional”. Por meio de exemplos e esquemas. em uma comparação seletiva. o autor demonstra sua tese. nas metáforas determinadas características são enfatizadas e outras suprimidas. como o encorajamento da prudência e um espírito de investigação crítica. pois “escolas de teóricos comprometidas com abordagens e conceitos específicos freqüentemente enxergam as perspectivas alternativas como sendo mal orientadas ou como se representassem ameaças à natureza de seu empreendimento básico”. ou seja. e por meio de metáforas que eles.a metáfora. Para o autor. quando se busca entender o aspecto simbólico da construção da teoria científica. oferecendo abordagens suplementares/complementares para a análise das organizações. que os seres humanos estruturam o seu mundo de modo a tornar a realidade objetiva. contribuem para “uma visão da investigação científica como um processo criativo em que os cientistas enxergam o mundo metaforicamente por meio da linguagem e dos conceitos que filtram e estruturam suas percepções sobre seus objetos de estudo.Adentra-se então na segunda dimensão de análise . para se entender qualquer fenômeno organizacional devem-se utilizar muitas metáforas diferentes. Em síntese. da arte e dos mitos. o autor afirma que muitas das atividades de reso1ução de quebra-cabeças científicos caracterizam-se pela tentativa de examinar. Para ele. já que qualquer insight metafórico fornece uma visão parcial e unilateral do fenômeno ao qual é aplicado” e. “tal confinamento de atenção requer grande quantidade de comprometimento anterior e um tanto irracional com a imagem do objeto de investigação. Segundo o próprio autor.

) A metáfora do sistema político enfoca os conflitos de interesse o papel do poder nas organizações. ricas e criativas a teoria das organizações. os rituais. Seguem-se aí.. irracionais e pessoais.. eficientes e bem coordenados.. apesar de esses estudos terem gerado numerosas idéias. Sobre a primeira.. diversos exemplos. dando vazão a inumeráveis formas de teorização e estudo das organizações. (. Segundo ele. Citam-se aqui exemplos como a abordagem dos sistemas abertos e a teoria moderna da contingência como sendo baseados no desenvolvimento da metáfora do organismo.) A metáfora do teatro demonstra que os membros das organizações são essencialmente atores humanos..as metáforas da máquina e do organismo. em uma visão ortodoxa.. Morgan afirma: “As máquinas são racionalmente concebidas para trabalhar perseguindo fins específicos. portanto. Morgan afirma que “são fortes e claras as ligações entre a metáfora do organismo e boa parte da teoria das organizações contemporânea”. (. (. se baseia predominantemente . “é importante notar que o tipo de idéia gerada é limitado pelas metáforas em que se baseiam”. . Por exemplo: “A metáfora cibernética encoraja os teóricos a ver as organizações como padrões de informação e mostra que os estados de equilíbrio homeostático podem ser sustentados por processos de aprendizagem baseados em feedback negativo.” Tais metáforas criam meios de ver as organizações e seu funcionamento que escapam às metáforas da máquina e do organismo. Morgan destaca que cada uma dessas novas metáforas pode ainda ser combinada com cada uma das quatro realidades alternativas (paradigmas) propostas.. a metáfora da teoria das organizações expressa esses fins como metas. desenvolvem uma abordagem funcionalista ao estudo das organizações. (. o autor cita Taylor (para quem a concepção de homem econômico define uma visão da natureza humana mais de acordo coma máquina organizacional). e a relação meios-fins como racionalidade intencional”. Como exemplos disso. recentemente os teóricos das organizações reconheceram esse fato e perceberam que ver as organizações com base em novas metáforas torna possível entendê-las de novas maneiras que trariam novas dimensões. histórias e mitos incorporam redes de significados subjetivos cruciais para se compreender como as realidades organizacionais são criadas e mantidas.. o ódio e todos os elementos puramente emocionais. “As metáforas do teatro.) A metáfora da cultura chama a atenção para os aspectos simbólicos da vida organizacional e revela de que modo a linguagem. Fayol (que dá maior ênfase à análise e ao design da estrutura formal da organização) e a especificação de Weber da burocracia como tipo ideal (que elimina dos negócios oficiais o amor. engajando-se em diversos papéis e outras performances oficiais e não oficiais..) A metáfora de um sistema frouxamente acoplado procura contrapor as suposições de que as organizações são sistemas ajustados. Morgan passa a analisar as duas principais metáforas sobre as quais a teoria das organizações. (. da cultura e do sistema político introduzem uma dimensão explicitamente social no estudo das organizações e dão atenção especial ao modo como os seres humanos tentam moldar as atividades organizacionais”. Para o autor. Sobre a segunda.Partindo desse ponto..) A metáfora da ecologia populacional revela que é importante focalizar a competição e a seleção em populações de organizações em vez da adaptação organização-ambiente.

O desafio se relaciona aos fundamentos em que a teorização se baseia. o desafio da teoria organizacional a partir dos novos paradigmas é penetrar sob a aparência superficial do mundo empírico e revelar a profunda estrutura de forças responsável pela natureza. Finaliza afirmando que “diferentes paradigmas contêm visões de mundo que favorecem determinadas metáforas que constituem a natureza das organizações de maneiras fundamentalmente diferentes. Morgan destaca que a ortodoxia na teoria das organizações desenvolveu-se com base em metáforas que refletem os pressupostos do paradigma funcionalista (que raramente são explicitados e/ou valorizados) “com a conseqüência de que a teorização se desenvolve sobre fundamentos não questionados”. como um meio de articular a natureza da dominação ideológica enquanto parte de um esquema de dominação sócio-econômico mais amplo. “O paradigma estruturalista-radical gera uma teoria organizacional radical baseada em metáforas como a dos instrumentos de dominação. Em conclusão.” Observações: . a metáfora guia é a da prisão psíquica na qual os membros das organizações são efetivamente vistos como prisioneiros de um modo de consciência moldado e controlado por processos ideológicos.chave e desenvolver tipos específicos de imagens. Ele afirma que os pressupostos dos paradigmas interpretativista. Nesse caso. todos os conceitos e modos de ação simbólica que sustentam a vida organizacional são inspecionados por suas propriedades alienadoras. humanista radical e estruturalista radical desafiam os pressupostos do paradigma funcionalista de maneira fundamental e geram uma série de metáforas para a análise organizacional que resultam em perspectivas que freqüentemente contradizem os cânones da teoria ortodoxa. e exigem que se repense completamente a respeito do que a teoria organizacional deve tratar.” Para o autor. e o modo de a estrutura do discurso explorar determinados temas. pela existência e pelas continuas transformações das organizações na situação mundial. quando as organizações são abordadas da perspectiva do paradigma humanista radical.Na metáfora do jogo de linguagem as organizações são criadas e sustentadas como padrões de atividade social pelo uso da linguagem. e só pode ser resolvido considerando-se a adequação dos fundamentos rivais como base para a análise organizacional. Para o autor. no contexto da teoria estruturalista radical. Segundo Morgan. as idéias geradas pela metáfora da prisão psíquica são freqüentemente utilizadas. dos sistemas em fragmentação e da catástrofe. A metáfora do texto sugere “que o teórico das organizações deveria ver a atividade organizacional como um documento simbólico e empregar métodos de análises hermenêuticos como meio de decifrar sua natureza e seu significado” e está preocupado em entender como as atividades organizacionais são elaboradas. lidas e traduzidas.