You are on page 1of 6

PRÁTICAS E M ODELOS NA AUTO-AVALIAÇÃO DA BE - DREN 3 - 2010

JORGE MARTINS

1 - Quadro comparativo, da análise de relatórios de Avaliação Externa de três agrupamentos, identificador de evidências respeitantes às BE`s/CRE`s

Agrupamento de Escolas Bento Carqueja Legenda Oliveira de Azeméis Ano lectivo: 2006/ 2007

Agrupamento de Escolas de Águeda Águeda Ano lectivo: 2007/ 2008

Agrupamento de Escolas de Salir Loulé Ano lectivo: 2008/ 2009

Campos de análise e Tópicos descritores estabelecidos pela IGE

1 – Resultados

2 – Prestação Serviço Educativo

3 – Organização e Gestão Escolar

4 – Liderança

Auto-avaliação da BE/ Domínios A.1 Articulação curricular da biblioteca escolar com as estruturas de coordenação e supervisão pedagógica e com os docentes.
- “De igual modo, é, também, através da dinâmica da BE/ CRE que o Agrupamento procura valorizar os saberes, constituindose como um pólo de dinamização da acção pedagógica que abrange a totalidade dos alunos - “A BE/ CRE dinamiza acções que visam a participação dos pais, como é exemplo o projecto A Ler +, (p. 10)”

5 – Capacidade de autoregulação e melhoria da escola

A - Apoio ao desenvolvimento curricular

1

PRÁTICAS E M ODELOS NA AUTO-AVALIAÇÃO DA BE - DREN 3 - 2010

JORGE MARTINS

e da comunidade envolvente. (p. 7)” - “e, em Inglês as turmas do PCA estão a produzir materiais para serem utilizados na BE/ CRE, (p.7)”

A. 2 Promoção das literacias da informação, tecnológica e digital.

- “A utilização do blogue da BE/ CRE tem vindo a desenvolver a comunicação entre os alunos e aquele serviço, (p. 11)” - “a Biblioteca da escola sede tem-se constituído como um pólo promotor e aglutinador dessas actividades. Vários escritores (…) têm vindo realizar palestras (p. 7)”

B - Leitura e literacia

B.1 Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura.

2

PRÁTICAS E M ODELOS NA AUTO-AVALIAÇÃO DA BE - DREN 3 - 2010

JORGE MARTINS

B.2 Integração da BE nas estratégias e programas de leitura.

B.3 Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e da literacia.

- “bem como as actividades de leitura e escrita promovidas pela BE/ CRE, (p. 8)”

C - Projectos, parcerias e actividades livres e de abertura à comunidade

C.1 Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular.
- “Como evidência de uma prática efectiva e consequente articulação, refira-se a deslocação, - “No âmbito do PNL destaca-se o projecto intitulado A Ler + que conta com a participação da biblioteca local com

C.2 Projectos e parcerias.

3

PRÁTICAS E M ODELOS NA AUTO-AVALIAÇÃO DA BE - DREN 3 - 2010

JORGE MARTINS

mensal, dos alunos das escolas pólo à escola sede, onde, são proporcionadas actividades que lhes permitem usufruir dos recursos existentes, designadamente da BE/ CRE (…), (p. 7)” - “existência de caixas para recolha de sugestões na Biblioteca (p. 5)”

a qual é desenvolvido um trabalho articulado, mobilizador de toda a comunidade, havendo registos de adesão de pessoal não docentes e de EE do agrupamento, (p. 12)” - “Apesar de não existir uma equipa de auto-avaliação, foram adoptados os procedimentos que permitem avaliar o grau de concretização do PE, do PAA (…) e da BE/ CRE, (p.12)” - “A BE/ CRE desenvolveu um processo específico de auto-avaliação que incidiu em quatro domínios chave, dos quais foi aprofundado O Apoio ao Desenvolvimento Curricular, por ser aquele que apresentava mais fragilidades. Refirase que, na sequencia

D - Gestão da biblioteca escolar

D.1 Articulação da biblioteca com a escola. Acesso e serviços prestados pela biblioteca.

4

PRÁTICAS E M ODELOS NA AUTO-AVALIAÇÃO DA BE - DREN 3 - 2010

JORGE MARTINS

deste trabalho, foram retiradas conclusões que originaram a implementação de um plano de acção para o presente ano lectivo. Estas dinâmicas, segundo vários interlocutores, já estão a ter impacto nas aprendizagens dos alunos, (p. 12)” - “A biblioteca apresenta algumas carências1 de equipamento (livros e computadores), não estando garantido o acesso a utentes com mobilidade condicionada (p. 10)” - A Assembleia definiu as linhas orientadoras para a elaboração do orçamento, tendo como prioridades, os recursos físico/ materiais (…) a

D.2 Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços.

1

Encontra-se em processo de candidatura com vista a integrar a Rede de Bibliotecas Escolares.

5

PRÁTICAS E M ODELOS NA AUTO-AVALIAÇÃO DA BE - DREN 3 - 2010

JORGE MARTINS

biblioteca, (p. 10)”

D.3 Gestão da colecção/ da informação

Bibliografia: - Modelo de auto-avaliação da biblioteca escolar - Quadro de referência para a avaliação de escolas e agrupamentos - Relatório de avaliação externa do Agrupamento de Escolas Bento Carqueja - Oliveira de Azeméis - 2006/ 2007 - Relatório de avaliação externa do Agrupamento de Escolas de Águeda - 2007/ 2008 - Relatório de avaliação externa do Agrupamento de Escolas de Salir - Loulé - 2008/ 2009 - Texto da sessão - Tópicos para a apresentação da escola: campos de análise de desmpenho
6

Related Interests