You are on page 1of 37

Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.

com UNIFESP

Tradução

Eucariontes X procariontes

Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP

Estrutura de proteínas

Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP

Proteína: moléculas que determinam a forma e a função biológica

Moléculas orgânicas com estrutura complexa e massa molecular elevada.
Polímero de aminoácidos (aa = monómeros) Dipeptídeo: 2 moléculas de aminoácidos Tripeptídeo: 3 moléculas de aminoácidos Polipeptídeo: várias moléculas de aminoácidos

Estrutura de proteínas Ligação peptídica Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP N terminal C terminal .

Níveis de estrutura protéica primária terciária Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP secundária αhélice Quaternária (homo ou hetero dímeros) Folha pregada .

sítio ativo . estabilizada por interações não covalentes Proteínas globulares (enzimas).fibrosas (músculo) Domínios protéicos.Estrutura protéica Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP Conformação tridimensional da proteína é definida pela sequência de aa.

com UNIFESP *: possíveis alterações na estrutura protéica devido à mutação A2215D. H: hélix.Estrutura protéica Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail. E: b-sheet. . C: coil.

O código genético • Não é superposto aa1 aa2 aa3 Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP Código superposto Ponto inicial códon Código não superposto aa1 aa2 aa3 .

O código genético Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail. As trincas são chamadas de codons (43=64) • É redundante: alguns aminoácidos são especificados por mais de um codon .com UNIFESP • Não é superposto • A leitura acontece desde um ponto inicial fixo até a ponta da sequência codificante • Três bases codificam um aminoácido.

com UNIFESP Decifrando o código RNAm sintético: nucleotídeos + enzima (polinucleotídeo fosforilase) Primeiro RNAm: poliU= síntese de poli-Fenilalanina H Gobind Khorana: prêmio Nobel (1968) .O código genético Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.

O código genético Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP .

com UNIFESP .O código genético Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.

com UNIFESP 5’ Haste aceptora de aa T loop D loop Braço extra Alça do anticódon C G G U C A mRNA anticodon Estrutura tridimencional: forma de L 5’ códon para alanina Códons no mRNA são lidos 5’-3’ Anticódons são orientados e lidos no sentido 3’-5’ .O tRNA .Adaptador 3’ OH A Sítio de ligação C de aa. catalisado C pela enzima Aminoacil-tRNA Sintetase (específica) Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.

O tRNA .com UNIFESP Dois tRNA superpostos Estrutura dos tRNA é similar mesmo com cadeias de nucleotídeos diferentes anticodon .Adaptador Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.

Redundância do código genético Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail. tRNAs diferentes que levam aa iguais são os tRNA isoaceptores CAC e CAU: HIS 2.com UNIFESP 1.Mais de um codon para um aa.Oscilação: paremeanto frouxo do tRNA a codon diferentes Alça do anticódon anticódon Posição oscilante A G G G C/U mRNA U C códon .

Redundância do código genético Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP Pareamentos códon-anticódon permitidos pelas regras de oscilação .

Redundância do código genético Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP Diferentes tRNA que podem servir de códon para serina Oscilação Oscilação Oscilação .

com UNIFESP .A síntese protéica acontece nos ribossomos Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.

A síntese protéica acontece nos ribossomos rRNA proteínas Proteínas (31) Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP subunidades Ribossomos montados procariotos 23S 2900 bases 5S 120 bases 50S 16S 1540 bases 70S (21) 30S eucariotos 28S 5S 4800 bases 120 bases (50) 60S 18S 1900 bases 80S (33) 40S .

Os ribossomos Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP Massa: 2/3 rRNA + 1/3 proteínas 3 sítios de ligação do tRNA .

com UNIFESP tRNA desasilado Liberdado do Sítio E Centro peptidiltransferase AAAU C G 5’ GGGUUUAGC 3’ E P A Centro codificador Movimento do ribossomo .Os ribossomos NH3+ Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.

Os ribossomos Ativação do aa .

Ativação do aminoácidos Processo de duas etapas Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP Aminoacil-tRNA Sintetase AMP .

com UNIFESP Seqüência Shine-Dalgarno A G G A G G U 5’ mRNA CÓDON INICIAL A UG U C C U C C A tRNA Met iniciador Bactérias: N-formilmet 16S rRNA (30S) Em bactérias. a complementaridade entre a ponta 3’ do rRNA da subunidade 16S do ribossomo e a seqüência shinedalgarno do mRNA posiciona o códon AUG no sítio P .Início da tradução em procariotos Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.

Subunidade ribossômica 30S Fatores de inicação IF1 Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP Início da tradução em procariotos IF3: mantém a 30S dissociada IF1 e IF2: garantem que o tRNA iniciador se ligue ao sítio P IF3 IF2-fMET-tRNA +mRNA IF3 fMET IF2 IF1 AUG Complexo de iniciação 30S Subunidade 50S IF1+IF2 fMET AUG Complexo de iniciação 70S .

B.G Componentes de iniciação Com subunidade 40S Met ATP ADP+Pi AUG Subunidade 60S Fatores de iniciação Met Em pro e eucariontes os fatores de iniciação se dissociam antes de iniciar o alongamento AUG Complexo de iniciação 80S .com UNIFESP Desenrola a fita e escanea o RNAm AUG eIF4 A.Início da tradução em eucariotos cap Met AUG mRNA Fatores de iniciação + GTP Subunidade 40S Met-tRNA Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.

Complexo ternário Centro peptidiltransferase EF-Tu EF-Tu E P A Aminoacil-tRNA liga-se ao sítio A Forma-se Ligação peptídica GTP translocação EF-G Alongamento Pi AminoaciltRNA liga-se ao sítio A Sai tRNA do sítio E GDP .

com UNIFESP P A P A P A P A .Alongamento Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.

RF1 e 2 no sítio A. RF3 auxilia RF1 e 2 3. RF1(UAA ou UAG). 4. molécula de água entra no centro da peptidiltransferase e libera o polipeptídeo e o tRNA no sítio P.Alongamento Término da tradução 1. Fatores de liberação RF1.UAA. RF2 (UAA ou UGA).3 reconhecem códons finalizadores (UGA. Subunidades ribossômicas se separam UAA E P A RF1 UAA E Clivagem da Peptidil tRNA P A RF1 .UAG) 2.2.

Poliribossomos Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP Procariontes e Eucariontes Vários ribossomos traduzem simultaneamente a mesma molécua de RNA .

Poliribossomos Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP Associados ao RER em eucariontes ou à membrana plasmática em bactérias .

Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.com UNIFESP Diferenças entre a tradução de Procarionte X Eucarionte .

Eucariontes X procariontes PROCARIOTO – MONO OU POLICISTRÔNICO Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.MONOCISTRONICO Cístron: segmento de DNA que codifica uma proteína ou polipeptídeo RNAm eucarioto .com UNIFESP RNAm procarioto EUCARIOTO .

com UNIFESP Antibiótico: deve matar só o microrganismo Alvos: ribossomos (diferentes) Atuam em procariontes Tetraciclina: liga-se ao sítio A. bloqueia a entrada do tRNA carregado Neomicina: se liga perto do sítio A. introduz erro na tradução Cloranfenicol: bloqueia a formação da ligação peptídica Estreptomicina: liga-se a subunidade menor inibe a iniciação Eritromicina: inibe a translocação Atuam em procariontes e eucariontes Puromicina: entra no sítio A. foram ligação peptídica com o aa do tRNA do sitio P mas trava o movimento do ribossomo. bloqueia a tradução de pro e eucariontes (uso no tratamento do câncer) Atuam em eucariontes Ciclohexamida: bloqueia a transferência de peptídeos em eucariotos Toxina Diftérica: inibe a eEF2 .Inibição por Antibióticos e Toxinas Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail.

Componentes necessários para a iniciação da tradução incluem a interação de subunidades ribossômicas menores e maiores. 5. o mRNA e o Met-RNA (um tipo especializado de tRNA iniciador ligado à metionina). 6. 4. O Met-tRNA tem hidrogênio ligado ao códon de iniciação AUG no mRNA. . O tRNA vazio é então dissociado do sítio P. A translocação do ribossomo ocorre de modo que o peptidil-tRNA no sítio A é translocado para o sítio P. O complexo de iniciação é formado pela subunidade ribossômica menor. um aminoacil-tRNA iniciador. mRNA. 7. também chamado Translocase). Um novo aminoacil-tRNA é então posicionado no síto A (aminoacil). que alterna-se entre a forma GTP e a GDP. GTP e um grande grupo de fatores de iniciação.Passos na Tradução 1. A forma GTP de EF-G é a que aciona a etapa de translocação. A ligação covalente entre o aminoácido e o tRNA no sítio P é quebrada. 2. 3. O códon AUG e o Met-tRNA são posicionados no sítio P (peptidil) do ribossomo. Formação do complexo de iniciação ribossômico é completado com a adição da subunidade ribossômica maior. Uma ligação peptídica (covalente) é formada entre os dois aminoácidos. Essa translocação é feita pelo fator de alongamento G( EF-G.

11. O stop códon é reconhecido e ligado por uma proteína chamada fator de terminação ou liberação (RF). por esta razão. A separação da proteína sintetizada do ribossomo é seguida pela dissociação de todas as subunidades. O fator de liberação liga-se ao stop códon no sítio A e inicia uma seqüência de eventos que efetua o término da tradução. o stop códon não possui anticódon (um aminoacil-tRNA que faça ponte de hidrogênio com este códon). As subunidades ribossômicas e o mRNA podem se reunir com o Met-tRNA para formar novos complexos de iniciação e a tradução se proteínas pode começar de novo. 14. 9. A seqüência de término começa com a dissociação da proteína sintetizada do peptidil-tRNA no sítio P. O ciclo de alongamento ( adição de aminoácidos para crescimento da cadeia polipeptídica) continua para mais formação de ligação peptídica e translocação. 15. .Passos na Tradução 8. 13. 16. 10. um stop códon (UAA. O complexo agora parece muito similar ao do início da tradução. UAG. O tRNA é liberado do sítio P e o ribossomo transloca-se de modo que o novo peptidil-tRNA fica no sítio P. o sítio A está pronto para receber o próximo aminoacil-tRNA. O aminoácido no sítio P é separado do seu tRNA e a formação da ligação peptídica acontece com o aminoacil-tRNA no sítio A. nenhum outro aminoácido será adicionado. O peptidiltRNA está no sítio P e o sítio A está vazio e pronto para receber o próximo aminoacil-tRNA. 12. produzindo cópias adicionais da proteína. ou UGA) é posicionado no sítio A.

Diferenças entre a tradução de Procarionte X Eucarionte Genética Ileana Rubio Moodle: genetica ilerubio@gmail. AUG = formil-metionina em procariontes AUG: metionina em eucariontes 2: procariontes: transcrição e tradução simultánea eucariontes: transcrição e tradução separadas. Eucariontes: mais longa 4: Ribossomos com subunidades diferentes 5: Iniciação da tradução é diferente.com UNIFESP 1: Código genético similar. 3: Procariontes RNAm vida média muto curta. 6: Alongamento e término: similares 7: Polirribossomo em ambos organismos .