You are on page 1of 174

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ


CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA

Manual de Trabalhos
Científicos
BELÉM - PA
GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM
MEDICINA

MEDICINA
Manual de Trabalhos Científicos
Belém - PA
2009
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA

Reitora Pro Tempore


Profª. Dra. Marília Brasil Xavier

Vice-Reitora
Profª. Ms. Verônica de Menezes Nascimento Nagata
Diretora do CCBS
Profa. Ilma Pastana Ferreira
Coordenador do Curso de Medicina:
Profº. Jorge Luiz Andrade Coelho
Coordenador do Estágio do Curso de Medicina:
Profº. Napoleão Braun Guimarães
ELABORAÇÃO:
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM
MEDICINA (NUPEM)
Coordenadora:
Profa. Dra. Nara Macedo Botelho Brito
Componentes:
Profº. Dr. Marcus Vinicius Henriques Brito
Assessoria Pedagógica:
Vera Lúcia Picanço Rocha

Revisão da Língua Portuguesa:


Prof°. José Ciro Carneiro de Figueiredo

Assessoria em estatística:
Mariseth Carvalho de Andrade
Revisão e Atualização:
Alessandra Haber Carvalho
Bianca Caluf Negrão
Maioi Wanderley Neves
4

NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM


MEDICINA - CCBS - UEPA
Manual do trabalho científico. 8 ed. Elet. / NUPEM – CCBS – UEPA. --
Belém - PA, UEPA, 2009.
xii , 165 p.

1. Metodologia científica 2. Elaboração de trabalhos científicos

© Direitos de cópias / Copyright 2009


por / by / NUPEM / UEPA
Belém, Pará, Brasil
5

REPRODUÇÃO PROIBIDA

Nenhuma parte desta obra, ou sua totalidade poderá ser reproduzida


sem a permissão por escrito dos autores, quer por meio de fotocópias,
fotografias, “scanner”, meios mecânicos e/ou eletrônicos ou quaisquer
outros meios de reprodução ou gravação. Os infratores estarão sujeitos a
punição pela lei 5.988, de dezembro de 1973, artigos 122-130 e pela lei do
Direito Autoral, nº 9.610/98.

Conteúdo disponível como Curso.


Ministrado em 8h (graduação).
Ministrado em 40h ou 60h (pós-graduação).

Veja em www.uepa.br/ccbs/posempesquisa -
disciplinas - metodologia científica.

http://www.uepa.br/prof/nupem/
Contatos e sugestões:
lce@uepa.br
mbrito@amazon.com.br
marcusbrito@amazon.com.br

Este Manual foi elaborado com os fundamentos do livro “Trabalho


científico: da idéia à publicação”, de autoria do Prof. Dr. Marcus Vinicius
Henriques Brito.
6

Manual de Trabalhos Científicos


Medicina - UEPA
Prefácio da oitava edição
ÍNDICE
INTRODUÇÃO ___________________________________ 1 
CAPÍTULO 1 - TIPOS DE TRABALHOS ______________ 3 
APRESENTAÇÃO DE CASO(S) __________________________________________________ 3 
DISSERTAÇÕES ______________________________________________________________ 4 
LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO_______________________________________________ 5 
TRABALHOS EXPERIMENTAIS ________________________________________________ 7 
OUTROS TIPOS DE TRABALHOS. ______________________________________________ 8 

CAPÍTULO 2 - ETAPAS NA REALIZAÇÃO ___________ 9 


DIMENSIONAMENTO _________________________________________________________ 9 
IDEALIZAÇÃO DO TEMA_____________________________________________________________ 9 
LIMITAÇÃO DO TEMA _______________________________________________________________ 9 
FORMULAÇÃO DA PERGUNTA ______________________________________________________ 11 
REVISÃO E ANÁLISE INICIAL DA BIBLIOGRAFIA _____________________________________ 11 
AJUSTE DO TEMA E DA HIPÓTESE INICIAL ___________________________________________ 11 
VIABILIDADE _______________________________________________________________ 12 
TEMPO (cronograma) ________________________________________________________________ 12 
CASUÍSTICA e / ou AMOSTRA ________________________________________________________ 12 
PESSOAL __________________________________________________________________________ 12 
MATERIAL ________________________________________________________________________ 13 
FINANCEIRA (previsão orçamentária) ___________________________________________________ 13 
AVALIAÇÃO ÉTICA __________________________________________________________ 14 
PROTEÇÃO DOS PACIENTES E SEU DIREITO À PRIVACIDADE __________________________ 14 
A ÉTICA DA AUTORIA. _____________________________________________________________ 15 
A ÉTICA DA CO-AUTORIA __________________________________________________________ 16 
AVALIAÇÃO ESTATÍSTICA ___________________________________________________ 16 
PARA QUE SERVE A ANÁLISE ESTATÍSTICA? _________________________________________ 16 
QUANDO DEVE SER INICIADO O ACOMPANHAMENTO? _______________________________ 17 
TAMANHO DA AMOSTRA __________________________________________________________ 17 
COLETA DOS DADOS _______________________________________________________________ 19 
CONCEITOS EM EPIDEMIOLOGIA E ESTATÍSTICA _____________________________________ 28 
INDICAÇÃO PARA A UTILIZAÇÃO DE GRÁFICOS ___________________________________ 31 
CRONOGRAMA ______________________________________________________________ 33 
ORÇAMENTO _______________________________________________________________ 33 
ELABORAÇÃO DOS PROTOCOLOS ___________________________________________ 37 
EM QUE MOMENTO DEVEMOS PREPARAR OS PROTOCOLOS ___________________________ 37 
TIPOS DE PROTOCOLOS: ____________________________________________________________ 38 
EDITORAÇÃO DO TRABALHO ________________________________________________ 38 
REDAÇÃO DO TRABALHO __________________________________________________________ 38 
COMO CORRIGIR O TRABALHO _____________________________________________________ 39 
CUIDADOS COM A REDAÇÃO _______________________________________________________ 39 
REGRAS PRÁTICAS PARA ELABORAÇÃO DE UM TEXTO: ______________________________ 40 
TEMPOS VERBAIS. _________________________________________________________________ 41 
IMPRESSÃO E ENCADERNAÇÃO DO TRABALHO.______________________________________ 42 
ERRATAS _________________________________________________________________________ 42 
CONSELHOS ÚTEIS ________________________________________________________________ 43 
8

CAPÍTULO 3 - COMO REDIGIR: ___________________ 44 


SOBRECAPA _________________________________________________________________ 44 
CAPA________________________________________________________________________ 44 
FOLHA DE ROSTO ____________________________________________________________ 45 
FICHA CATALOGRÁFICA______________________________________________________ 46 
EPÍGRAFE ___________________________________________________________________ 46 
DEDICATÓRIA _______________________________________________________________ 46 
AGRADECIMENTOS __________________________________________________________ 46 
RESUMO_____________________________________________________________________ 47 
MODELO DE RESUMO ______________________________________________________________ 47 
ABSTRACT __________________________________________________________________ 48 
ÍNDICE ______________________________________________________________________ 48 
TÍTULO ______________________________________________________________________ 48 
2-  ELEMENTOS TEXTUAIS: _________________________________________________ 49 
INTRODUÇÃO ________________________________________________________________ 49 
OBJETIVO ___________________________________________________________________ 51 
REVISÃO DE LITERATURA ____________________________________________________ 52 
MÉTODO ____________________________________________________________________ 53 
CASUÍSTICA OU AMOSTRA: _________________________________________________________ 53 
Como caracterizar a casuística ou amostra: ________________________________________________ 54 
Procedimentos de aprovação do trabalho: __________________________________________________ 54 
Caracterização do estudo: ______________________________________________________________ 54 
Critérios de inclusão e exclusão: _________________________________________________________ 54 
Como se chegou ao número de casos estudados: ____________________________________________ 55 
Grupos e subgrupos: __________________________________________________________________ 55 
PROCEDIMENTOS: _________________________________________________________________ 55 
O que foi analisado no material estudado: _________________________________________________ 55 
Como foi feito (técnicas utilizadas): ______________________________________________________ 56 
Análise estatística:____________________________________________________________________ 56 
RELATO DO CASO _________________________________________________________________ 58 
RESULTADOS ________________________________________________________________ 58 
DISCUSSÃO __________________________________________________________________ 60 
CONCLUSÃO _________________________________________________________________ 63 
REFERÊNCIAS _______________________________________________________________ 63 
COMO REFERENCIAR CADA OBRA __________________________________________________ 64 
a.1) NO TEXTO ____________________________________________________________________ 64 
a.2) NO CAPÍTULO DE REFERÊNCIAS _______________________________________________ 65 
A) Artigos de periódicos: ______________________________________________________________ 67 
B) Livros ___________________________________________________________________________ 68 
C) Capítulos de livro __________________________________________________________________ 68 
D) Trabalhos em Congressos (anais) _____________________________________________________ 68 
E) Dissertações e Teses ________________________________________________________________ 68 
F) Artigos no prelo (trabalho aceito, aguardando publicação) __________________________________ 68 
G) Citação de citação (APUD) __________________________________________________________ 69 
H) Citação eletrônica__________________________________________________________________ 69 
COMO REFERENCIAR CADA OBRA __________________________________________________ 71 
9

b.1) NO TEXTO ____________________________________________________________________ 71 


b.2) CAPÍTULO DE REFERÊNCIAS __________________________________________________ 72 
A) Artigos de periódicos: ______________________________________________________________ 73 
B) Livros ___________________________________________________________________________ 74 
C) Capítulos de livro __________________________________________________________________ 74 
D) Trabalhos em Congressos (anais) _____________________________________________________ 74 
E) Dissertações, Teses E TCCs. _________________________________________________________ 75 
F) Citação eletrônica __________________________________________________________________ 75 
NORMAS ADOTADAS ________________________________________________________ 76 
APÊNDICES _________________________________________________________________ 76 
ANEXOS_____________________________________________________________________ 77 

CAPÍTULO 4 - FORMATAÇÃO _____________________ 77 


REGRAS GERAIS ____________________________________________________________ 77 
FORMATAÇÃO DA CAPA _____________________________________________________ 78 
FORMATAÇÃO DA FOLHA DE ROSTO ________________________________________ 78 
FORMATAÇÃO DA FICHA CATALOGRÁFICA__________________________________ 79 
FORMATAÇÃO DA EPÍGRAFE ________________________________________________ 80 
FORMATAÇÃO DA DEDICATÓRIA ____________________________________________ 81 
FORMATAÇÃO DOS AGRADECIMENTOS______________________________________ 81 
FORMATAÇÃO DO RESUMO E ABSTRACT ____________________________________ 81 
FORMATAÇÃO DO ÍNDICE ___________________________________________________ 81 
FORMATAÇÃO DO TÍTULO DO TRABALHO ___________________________________ 82 
FORMATAÇÃO DOS TÍTULOS DE CAPÍTULOS _________________________________ 82 
FORMATAÇÃO DAS PÁGINAS ________________________________________________ 83 
NUMERAÇÃO DAS PÁGINAS ________________________________________________________ 83 
ESQUEMA DE PAGINAÇÃO__________________________________________________________ 84 
FORMATAÇÃO DO TEXTO ___________________________________________________ 84 
FORMATAÇÃO DE FIGURAS E TABELAS. _____________________________________ 86 
FIGURAS__________________________________________________________________________ 87 
TABELAS _________________________________________________________________________ 89 
QUADRO __________________________________________________________________________ 89 
FORMATAÇÃO DAS REFERÊNCIAS ___________________________________________ 90 

CAPÍTULO 5 - NORMAS DE ELABORAÇÃO DE TCCs 91 


NORMAS PARA A INSCRIÇÃO DO _____________________________________________ 91 
TRABALHO CIENTÍFICO _____________________________________________________ 91 
NORMAS PARA O ACOMPANHAMENTO ______________________________________ 92 
NORMAS PARA APROVAÇÃO ÉTICA DOS _____________________________________ 93 
TRABALHOS CIENTÍFICOS ___________________________________________________ 93 
NORMAS PARA A ENTREGA DOS _____________________________________________ 94 
TRABALHOS CIENTÍFICOS ___________________________________________________ 94 
10

NORMAS PARA A ENTREGA DO RESUMO _____________________________________ 94 


PARA PUBLICAÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO _____________________________ 94 
NORMAS PARA DISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PRELIMINAR DOS TRABALHOS
CIENTÍFICOS ________________________________________________________________ 95 
NORMAS PARA A AVALIAÇÃO DOS ___________________________________________ 96 
TRABALHOS CIENTÍFICOS ___________________________________________________ 96 
NORMAS DE APRESENTAÇÃO DOS ___________________________________________ 97 
TRABALHOS CIENTÍFICOS ___________________________________________________ 97 
NORMAS PARA A APROVAÇÃO DO ___________________________________________ 99 
TRABALHO CIENTÍFICO _____________________________________________________ 99 
NORMAS PARA A PONTUAÇÃO DOS _________________________________________ 100 
TRABALHOS CIENTÍFICOS. _________________________________________________ 100 

CAPÍTULO 6 - ANÁLISE CRÍTICA DO TRABALHO


CIENTÍFICO ___________________________________ 101 
CAPÍTULO 7 - APÊNDICES ______________________ 103 
APÊNDICE A - PROJETO DE PESQUISA _______________________________________ 103 
PARECER DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ______________________________ 109 
APÊNDICE C - ACEITE DO ORIENTADOR ____________________________________ 118 
APÊNDICE D - CURRICULO LATTES _________________________________________ 119 
APÊNDICE E - ACEITE DA INSTITUIÇÃO _____________________________________ 120 
APÊNDICE F - SOLICITAÇÃO DE ORIENTAÇÃO METODOLÓGICA _____________ 121 
APÊNDICE G – CAPA DO TRABALHO. ________________________________________ 122 
APÊNDICE H – CAPA E ETIQUETA PARA O CD-ROM.__________________________ 123 
APÊNDICE I – FOLHA DE ROSTO. ____________________________________________ 124 
APÊNDICE J – FICHA CATALOGRÁFICA. _____________________________________ 125 
APÊNDICE K – ÍNDICE. ______________________________________________________ 126 
APÊNDICE L - INÍCIO DE CAPÍTULOS ________________________________________ 127 
APÊNDICE M - RESUMO PARA PUBLICAÇÃO _________________________________ 128 
APÊNDICE N - MEMBROS DA BANCA ________________________________________ 136 
APÊNDICE O - DOCUMENTOS PARA A ENTREGA _____________________________ 137 
APÊNDICE P – TERMO DE ACEITE DO JULGADOR ____________________________ 138 
APÊNDICE Q - ACEITE DO CONTEÚDO FINAL ________________________________ 139 
APÊNDICE R - AUTORIZAÇÃO PARA PUBLICAÇÃO. __________________________ 140 
APÊNDICE S - RECIBO DO TRABALHO CIENTÍFICO __________________________ 141 
APÊNDICE T - NÃO ACEITE _________________________________________________ 142 
APÊNDICE U - FICHA DE AVALIAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS. _________ 143 
11

APÊNDICE V- NORMAS DA SESSÃO DE APRESENTAÇÃO. _____________________ 144 

CAPÍTULO – 7 ANEXOS _________________________ 145 


ANEXO A - CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA ______________________________________ 145 
ANEXO B - DECLARAÇÃO DE HELSINKI V ___________________________________ 146 
ANEXO C - CÓDIGO DE NUREMBERG ________________________________________ 149 
ANEXO D - PRÁTICA DIDÁTICO-CIENTÍFICA DA VIVISECÇÃO ANIMAL _______ 150 
LEI FEDERAL nº 6.638 ______________________________________________________________ 150 
Lei No 11.794 _____________________________________________________________________ 151 
ANEXO E – PRINCÍPIOS ÉTICOS DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL _____________ 157 
ANEXO F – CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO ________________________________ 159 
ANEXO G – TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO. ___________ 160 

CAPÍTULO 8 - REFERÊNCIAS ___________________ 162 


INTRODUÇÃO
No Brasil, muitas Escolas Médicas e Instituições que realizam pesquisa
possuem produção científica apresentada durante jornadas, simpósios e
congressos.
Esta produção é elaborada na forma de painéis, artigos para temas livres,
trabalhos de conclusão de curso (Trabalhos Científicos) e mesmo teses.
Estes trabalhos possuem imenso valor de contribuição, sendo grande parte
deles inéditos, que acabam sendo apresentados somente durante o evento a que
se destinam, atingindo na maioria das vezes, somente a seus espectadores.
O destino desta produção é se perder logo após sua apresentação, por não
ser publicada, ou terminar quando muito, em prateleiras de bibliotecas setoriais
de difícil ou quase impossível acesso à grande maioria dos potenciais leitores
que se interessariam pelo tema.
Dentre os mais diversos fatores que podem explicar tal fato, podemos
citar a falta de experiência na utilização da linguagem científica, o
desconhecimento da metodologia científica, pouco exercitada durante o Curso
de Formação Médica, e dos caminhos que culminam com a publicação dos
trabalhos por revistas de renome, Nacionais e principalmente Internacionais.
Deste modo, o objetivo deste manual é tentar disponibilizar normas,
diretrizes básicas de raciocínio e metodologia científica que possibilitem a
realização e publicação dos trabalhos científicos elaborados nesta Universidade.
Traga suas perguntas e sugestões para que este manual possa ser
aperfeiçoado.
2

COMO UTILIZAR ESTE MANUAL?

1) Familiarize-se com a estrutura do manual.

2) Identifique o tipo de trabalho que deseja realizar. Conheça bem sua

estrutura e dificuldades.

3) Leia o capítulo de “Etapas de Realização” e verifique quais passos que

você precisa seguir antes da pesquisa propriamente dita.

4) Elabore seu cronograma e protocolos, para então aplicá-los.

5) Leia o capítulo de “Como redigir” os tópicos e inicie a redação.

6) Formate o texto seguindo o capítulo de “Formatação” do trabalho.

7) Utilize os modelos do capítulo de “Apêndices”.

8) Leia todo o capítulo de Normas.

9) Se houver dúvidas, consulte o NUPEM ou envie um e-mail para

marcusbrito@amazon.com.br, mnbrito@amazon.com.br ou lce@uepa.br.


3

CAPÍTULO 1 - TIPOS DE TRABALHOS


Neste capítulo o aluno pode encontrar os tipos de trabalhos, as vantagens e
desvantagens de cada um, assim como os capítulos que os compõem.

APRESENTAÇÃO DE CASO(S)
1) CONCEITO
É o trabalho no qual o autor apresenta um caso ou conjunto de casos, geralmente raros
na literatura médica, que tem interesse por sua forma de apresentação incomum ou peculiar.

2) VANTAGENS
É o primeiro tipo de trabalho científico treinado na UEPA por disciplinas como DIP,
Dermatologia, Psicologia Médica, Psiquiatria, Cirurgia e outras, já tendo o aluno algum
conhecimento de como redigir tal trabalho.

3) DESVANTAGENS
Geralmente o assunto abordado é do interesse de número restrito de profissionais,
devendo, portanto, ser publicado em revistas bastante específicas da área.
Necessita de aprovação ética do paciente e ou seu responsável legal, que por força da
Lei 196-96 e dos princípios contidos na declaração de Helsinque e do Código de Nurenberg,
podem a QUALQUER momento ser retirada, IMPEDINDO a apresentação e ou publicação
do trabalho.

4) DIFICULDADES
A maior e mais freqüente dificuldade encontrada neste tipo de trabalho é, sem dúvida,
nos casos em que o paciente vem sendo seguido e ocorre o óbito ou abandono ao
tratamento e/ou do acompanhamento, ficando o caso incompleto para a apresentação, o que
poderá se transformar em pontos negativos ao trabalho.
Em revisões de casos retrospectivamente, a dificuldade geralmente se encontra no
preenchimento do prontuário, perda de exames e falta de documentação fotográfica,
laboratorial e de diagnósticos por imagem, por ocasião em que foi realizado o estudo e
tratamento do paciente.
Não esquecer ainda da possibilidade de ser necessário para o completo estudo do caso,
de exames ainda inexistentes em nossa cidade e/ou de alto custo, que dariam o diagnóstico de
certeza da patologia.

5) CAPÍTULOS
Pré-textuais
Capa
Folha de rosto
Epígrafe*
Dedicatória*
Agradecimentos*
Resumo
Abstract
Índice
*
Opcionais
4

Textuais
Introdução
Objetivo
Revisão da Literatura*
Método*
Relato do(s) caso(s)
Discussão
Considerações finais
Pós-textuais
Referências
Normas adotadas
Apêndices*
Anexos*

DISSERTAÇÕES
1) CONCEITO
É o trabalho no qual o autor realiza uma revisão da literatura como um todo ou em
determinado período, sobre um assunto de sua escolha.

Por exemplo:
9 “Helicobacter pilory: revisão da literatura”. (engloba desde o início das publicações
em 1986, até os dias de hoje.)

9 “Carcinoma do colo uterino: estado atual.” (deverá englobar um período


aproximado de 10 anos, sendo feita compilação e resumo dos dados mostrando os consensos e
controvérsias sobre o assunto.)

2) VANTAGENS
Não há necessidade de coleta de dados em prontuários, levantamentos e correções
estatísticas, elaboração de protocolos. Isto torna o trabalho pouco dispendioso e relativamente
rápido de ser realizado.
Atualiza o autor, os leitores e, principalmente, os estudantes de curso superior, sobre a
situação atual de um determinado assunto, sem a necessidade de extensas revisões da
literatura.

3) DESVANTAGENS
Inibe até certo ponto, o potencial de iniciativa e discussão do autor.
Exige maior conhecimento sobre a redação científica, capacidade de síntese e concisão
a fim de evitar uma redação enfadonha e repetitiva.

4) DIFICULDADES
Obtenção de fonte fidedigna e confiável de informações em nosso meio, que possa
assegurar uma busca completa dos dados desejados.
A demora na obtenção dos trabalhos solicitados.

5) CAPÍTULOS
Pré-textuais
Capa
5

Folha de rosto
Epígrafe*
Dedicatória*
Agradecimentos*
Resumo
Abstract
índice
Textuais
Introdução
Objetivo
Método
Revisão da literatura
• Anatomia*
• Histologia*
• Incidência*
• Etiologia*
• Localização*
• Quadro clínico*
• Exame físico*
• Diagnóstico diferencial*
• Métodos diagnósticos*
• Estadiamento*
• Critérios de operabilidade*
• Tratamento*
Considerações finais ou Conclusão
Pós-textuais
Referências
Normas adotadas
Apêndices*
Anexos*

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO
1) CONCEITO
É o trabalho no qual o autor realiza pesquisa, geralmente sobre a incidência,
resultados e ou conseqüências de determinada doença ou técnica de tratamento em protocolos
de pesquisa ou banco de dados de hospitais, ambulatórios, centros de saúde e ou outras
entidades.

2) VANTAGENS
Estimula e incentiva a busca de dados.
Mostra a situação da doença em relação à literatura mundial no local estudado, e dá
subsídios para a melhoria dos tratamentos utilizados, implantação de novos protocolos ou
medidas hospitalares.
Mostra ao futuro profissional a importância da documentação séria e bem elaborada
dos casos estudados, principalmente no que diz respeito ao preenchimento de prontuários.
*
Opcionais
6

3) DESVANTAGENS
Há necessidade de coleta de dados em prontuários, levantamentos e correções
estatísticas, elaboração de protocolos, o que torna o trabalho mais dispendioso e laborioso.

4) DIFICULDADES
Obtenção de bancos de dados bem organizados, com prontuários bem preenchidos e
procedimentos diagnósticos, terapêuticos, documentação radiológica e fotográfica completa.
Necessidade de acompanhamento e correções estatísticas, para dar veracidade aos
dados obtidos.

5) CAPÍTULOS
Pré-textuais
Capa
Folha de rosto
Epígrafe*
Dedicatória*
Agradecimentos*
Resumo
Abstract
Índice.
Textuais
Introdução
Objetivo
Revisão da literatura*
Método
Resultados
Discussão
Conclusão
Pós-textuais
Referências
Normas adotadas
Apêndices*
Anexos*

*
Opcionais
7

TRABALHOS EXPERIMENTAIS
1) CONCEITO
É o trabalho no qual o autor idealiza e realiza um experimento sobre um assunto de
sua escolha em animais de experimentação, buscando respostas a dúvidas que dificilmente
poderiam ser respondidas eticamente, em experimentos com seres humanos.

2) VANTAGENS
Permite a obtenção de respostas éticas a praticamente todas as dúvidas imagináveis no
campo da medicina.
Estimula o raciocínio lógico, incentiva a pesquisa propriamente dita, e desenvolve o
senso crítico.
Dá ao futuro profissional senso de responsabilidade, iniciativa, respeito ao próximo e
ao animal de experimentação.

3) DESVANTAGENS
Necessidade de Laboratório aparelhado.
Normas rígidas sobre a experimentação animal.
Elaboração de protocolos de pesquisa estruturados, levantamentos e correções
estatísticas, convivência diária no Laboratório, o que torna o trabalho mais laborioso e
dispendioso.

4) DIFICULDADES
Necessidade de dedicação total não só a pesquisa mais também a lida diária com os
animais.
Necessidade acompanhamento e correções estatísticas, para dar veracidade dos dados
obtidos.

5) CAPÍTULOS
Pré-textuais
Capa
Folha de rosto
Epígrafe*
Dedicatória*
Agradecimentos*
Resumo
Abstract
Índice
Textuais
Introdução
Objetivo
Revisão da literatura*
Método
Resultados
Discussão
Conclusão

*
Opcionais
8

Pós textuais
Referências
Normas adotadas
Apêndices*
Anexos*

OUTROS TIPOS DE TRABALHOS.


Serão aceitos quaisquer tipos de trabalhos outros que não citados neste Manual, desde
que sejam apresentados na forma de anteprojeto (APÊNDICE A), no qual se explicitará sua
forma definitiva (capítulos e conteúdo).
Tal aceitação fica condicionada a apreciação e aprovação do anteprojeto pelo NUPEM
9

CAPÍTULO 2 - ETAPAS NA REALIZAÇÃO


Este capítulo descreve quais os passos a serem seguidos para se idealizar um tema para
o TRABALHO CIENTÍFICO, verificar sua viabilidade, avaliá-lo eticamente, realizá-lo, e por
fim, editorá-lo.

DIMENSIONAMENTO
IDEALIZAÇÃO DO TEMA

O tema do TRABALHO CIENTÍFICO deve ser escolhido o mais precocemente


possível e partir das dúvidas do próprio aluno, dentre assuntos de seu interesse.
No Curso de Medicina existem pesquisadores que dirigem linhas de pesquisas nas
mais variadas áreas da Medicina.
O ideal seria que o aluno já estivesse engajado em uma destas linhas desde o início de
seu curso, para assim, não ter no último ano, qualquer dificuldade na escolha do tema de seu
TRABALHO CIENTÍFICO.
De qualquer forma a escolha do tema deve ser pessoal, e não imposição do orientador.
A empatia com o tema é de fundamental importância na qualidade final do trabalho.

Como na prática escolher um tema:

a) Procure na área da medicina que mais lhe agrada, um assunto de seu interesse. (Por
exemplo a Ginecologia).
b) Busque na biblioteca livros texto e trabalhos sobre este assunto. (revisão bibliográfica
inicial)
c) Identifique nestes textos, quais as dúvidas e curiosidades que lhe ocorrem sobre o tema.
(Digamos que tenha se interessado pela oncologia ginecológica).
d) Verifique com pessoas experientes em orientar trabalhos, qual o melhor tipo de
trabalho para responder sua dúvida ou esclarecer sua curiosidade.
e) Escolha um orientador na área afim.

LIMITAÇÃO DO TEMA

Após a escolha do tema (Oncologia ginecológica), há necessidade de limitação do


assunto que se vai abordar, pois é praticamente impossível escrever tudo sobre o assunto.
Deve-se optar entre “escrever tudo superficialmente” ou “escrever pouco
profundamente”.
A primeira opção sempre leva a um trabalho extenso, enfadonho, superficial, no qual
muito pouca informação nova e de real interesse pode ser aproveitada. E ainda, a pouca
informação interessante, geralmente é perdida, pois está diluída no meio de um conteúdo já
conhecido por todos, e provavelmente não será encontrada com facilidade.
O excesso de texto no final da obra também contribuirá para o desinteresse em sua
leitura.
Logo, nestes casos, deve predominar na escolha a segunda opção:

“Escrever pouco e profundamente sobre o assunto”


10

Esta deve ser a meta de quem escreve, pois obterá um trabalho curto, conciso, com
informações novas, facilmente localizáveis e que trará uma real contribuição ao leitor.

Como na prática limitar um tema:

PARA RESPONDER UMA DÚVIDA

a) Após a escolha do tema (oncologia ginecológica), delimite um assunto e verifique qual


sua real dúvida sobre este. Achei interessante o carcinoma de colo uterino e tenho
algumas dúvidas: Como é feito seu diagnóstico em Belém do Pará? ; qual sua incidência
geral, de casos precoces e casos avançados nesta cidade? ; como são tratados os casos
em cada faixa de estadiamento?).

b) Escolha dentre as dúvidas, qual você quer responder.

c) Monte seu trabalho de forma a responder somente esta dúvida. É natural durante o
trabalho outras e outras dúvidas surgirem. NÃO SE DESVIE DE SUA META que é
responder somente a dúvida inicial. Outras dúvidas serão respondidas em próximos
trabalhos por você ou por outros pesquisadores. Assim montou-se uma linha de
pesquisas no assunto.

d) Procure sempre simplificar ao máximo sua dúvida, de modo que ela apresente o menor
número de variáveis possível.

e) Mais de uma dúvida pode ser respondida em um único trabalho, porém isto pode
causar a “diluição” da idéia central e do valor do trabalho, além do que “queimará” uma
idéia que poderia ser melhor explorada em um segundo trabalho.

PARA ESCREVER SOBRE UM DETERMINADO ASSUNTO

a) Após definir o assunto, escolha sobre qual capítulo deste assunto irá escrever. Por
exemplo: Etiologia ou incidência ou diagnóstico ou tratamento ou resultado de um
tratamento ou técnica operatória, etc.

Após a escolha do capítulo, relacionado a uma das dúvidas iniciais, limite-se a


pesquisar e escrever profundamente sobre este capítulo. Por exemplo: “Diagnóstico do
carcinoma de colo uterino em pacientes atendidas no Hospital X em Belém do Pará”.
Assim, se você escolheu estudar o capítulo de “Diagnóstico” não deverá dissertar neste
trabalho sobre a anatomia genital feminina, a incidência do papiloma vírus humano (HPV) em
Belém, sua estrutura molecular, ou ainda sobre técnicas de estadiamento do carcinoma do
colo uterino. Estes assuntos somente irão diluir a idéia principal que é estudar o “Diagnóstico
do carcinoma de colo uterino em pacientes atendidas no Hospital X em Belém do Pará”.

Obviamente o HPV é importantíssimo no contexto do carcinoma do colo uterino, porém


não faz parte do objetivo deste trabalho. Logo deve ser somente citado rapidamente na
introdução com intuito único de situar o leitor.
11

b) Tenha em mente que sua META é escrever profundamente sobre o capítulo


escolhido, e somente sobre ele. Os demais não são seu objetivo, podendo se
realmente necessário, ser somente citados, pois serão motivo de outros trabalhos.

c) Revisões completas e superficiais sobre um tema não são proibidas, porém devem
ser evitadas devido as desvantagens citadas.

FORMULAÇÃO DA PERGUNTA

A “pergunta” ou “hipótese” é na realidade a dúvida a qual se quer responder. Dela


decorre diretamente o objetivo do trabalho.
Deve sempre ser elaborada, para que na mente do pesquisador possa ficar bem claro
qual objetivo pretende atingir.
De acordo com a dúvida, várias perguntas podem ser elaboradas segundo o objetivo a
ser alcançado.

Assim, para o exemplo anterior, poderíamos elaborar:

9 Qual o método mais utilizado no diagnóstico do carcinoma de colo uterino em pacientes


atendidas no Hospital X em Belém do Pará?
9 Comparativamente, qual a eficácia dos métodos utilizados para o diagnóstico do
carcinoma de colo uterino em pacientes atendidas no Hospital X em Belém do Pará?
9 Qual a incidência de positividade no diagnóstico ambulatorial do carcinoma de colo
uterino em pacientes atendidas no Hospital X em Belém do Pará?
9 Qual o estadiamento, no momento do diagnóstico, em pacientes com carcinoma de colo
uterino em pacientes atendidas no Hospital X em Belém do Pará?
9 etc.
Cada uma das perguntas elaboradas é uma dúvida a ser respondida.
Cada uma delas gera um trabalho.
Nada impede que mais de uma pergunta seja respondida em um único trabalho, e em
alguns casos pode até ser necessário que isto se faça à bem da clareza e elucidação do tema.
Porém, de modo algum, deve-se tentar responder a todas estas perguntas em um único
trabalho.

REVISÃO E ANÁLISE INICIAL DA BIBLIOGRAFIA

Com a definição e limitação do tema já definido, procure Trabalhos Científicos,


artigos, “sites” de pesquisa na Internet e mesmo livros sobre o assunto a ser estudado.
Esta pesquisa inicial deve ser relativamente rápida (15 dias aproximadamente),
devendo ser complementada no decorrer do trabalho.
Aprenda sobre o assunto, situe-se no atual estado das pesquisas nacionais e
internacionais a respeito do mesmo.

AJUSTE DO TEMA E DA HIPÓTESE INICIAL

De acordo com os dados encontrados na literatura, pode haver necessidade de um


ajuste na pergunta inicial.
12

Esta pode já ter sido respondida totalmente, ou em parte.


O mais aconselhável é que seja dado andamento a linha de pesquisa já iniciada, em
vez da simples repetição de trabalhos já realizados. Estes até poderão ser realizados, desde
que tragam novas contribuições.

VIABILIDADE
Verifique a viabilidade de elaboração, antes de dar andamento a seu trabalho.
Nem sempre os percalços na realização da pesquisa são facilmente identificáveis, mas nem
por isto devem ser considerados obstáculos intransponíveis.
Lembre-se que são virtudes do pesquisador a HONESTIDADE, a CRIATIVIDADE e,
principalmente, a PERSISTÊNCIA.

A fim de minimizar os problemas a serem enfrentados, verifique sempre a viabilidade de:

TEMPO (cronograma)

Avalie se o tempo disponível para a confecção do TRABALHO CIENTÍFICO é


compatível com o tema escolhido.
Levantamentos estatísticos e trabalhos experimentais despendem mais tempo na coleta
de dados e análise e correção estatística dos resultados, que revisões da literatura ou
apresentação de casos.
Mesmo apresentação de casos exige acompanhamento do resultado obtido, o que pode
ultrapassar o tempo disponível.

CASUÍSTICA e / ou AMOSTRA

Faça um levantamento retrospectivo para avaliar se a incidência mensal de casos


ocorridos em meses ou anos anteriores é suficiente para lhe fornecer em tempo hábil o
número de casos definido para o estudo.
Verifique a sazonalidade da doença a ser estudada.
Em trabalhos experimentais certifique-se da disponibilidade do número de animais
com o sexo, idade e peso definidos para a pesquisa, tendo sempre margem de segurança
aproximada de 10% a mais do número previsto, em pesquisas sem procedimentos que
induzam a mortalidade.

PESSOAL

Caso seu trabalho necessite de exames complementares, ou estudos especiais como,


por exemplo, “hibridização do HPV”, independente de ter chegado em Belém o equipamento
para realização da mesma, certifique-se de haver pessoal qualificado para a realização, e ainda
para a interpretação do exame. Caso contrário poderá haver necessidade de leitura do exame
em outros centros, o que poderá impossibilitar, ou no mínimo encarecer o exame e
conseqüentemente o seu trabalho.
13

MATERIAL

Como no caso anterior, certifique-se que em Belém não só a aparelhagem, mas


também todo o material necessário para a realização do exame está e estará disponível para a
realização de todo o seu trabalho.
Obtenha um compromisso a este respeito, por parte da instituição responsável pela
realização do exame. Caso contrário, poderá faltar material no meio de sua pesquisa.
Por estas e outras possíveis dificuldades, se há limitação de tempo, não é
aconselhável optar-se por trabalhos que envolvam tecnologias novas, e / ou recém chegadas a
nosso Centro.

FINANCEIRA (previsão orçamentária)

Certifique-se da viabilidade financeira de seu trabalho.


Verifique, antes de começar, qual o valor individual dos exames que pretende utilizar
e qual o número de exames total a ser realizado. Deste modo, terá idéia do total a ser gasto
com exames.
Não se esqueça dos gastos com locomoção, preparo de lâminas histológicas e outros
exames, análise estatística, digitação, repetidas impressões para correção, revisão ortográfica,
encadernação final, preparo da aula, confecção de diapositivos, etc.
Todos estes procedimentos são praticamente obrigatórios na confecção de um
TRABALHO CIENTÍFICO, e irão gerar custos que deverão ser computados no início do
trabalho para verificar sua viabilidade.

Abaixo é citado o custo médio dos procedimentos:

Procedimento Custo médio unitário


em Reais
Lâminas histológicas 12,00
Análise estatística 200,00
Digitação (por folha de texto) 0,80
Digitação (por folha com tabelas) 1,50
Digitação (por folha com figuras) 2,50
Fotografias (sem honorários do fotógrafo) 1,00
Fotógrafo honorários 150,00
Revisão ortográfica 100,00
Impressão (média por folha) 1,00
Xerox colorida 2,00
Encadernação 2,50
14

AVALIAÇÃO ÉTICA
(ver www.uepa.br/ccbs/nupem - Ética & leis)

“Primum nihil nocere”


Hipócrates (640 a.C.)

É muito difícil conceituar a palavra “ética”, pelo seu sentido extremamente amplo.
Assim foram criados inúmeros códigos de ética a fim de regimentar o exercício de
diversas profissões.
Dentre todas as tentativas, no entanto, nenhuma até a presente data foi tão precisa
quanto a de Hipócrates em 460 a.C. que de modo extremamente simples, conseguiu resumir
em 3 palavras todo o sentido e filosofia desta palavra:

“PRIMEIRO NÃO PREJUDICAR”


Assim este deve ser o pensamento de todos, não só ao idealizar uma pesquisa, mas
também em todos os atos de nossa vida.

“Será que com esta ação vou prejudicar a alguém?”

Se for seguido este simples raciocínio, certamente os trabalhos realizados sempre


serão éticos.

PROTEÇÃO DOS PACIENTES E SEU DIREITO À PRIVACIDADE

Pacientes têm direito a privacidade que não podem ser infringidos sem o devido
consentimento.
Informações que o identifiquem não podem ser publicados em documentos escritos,
fotografias, ou similares, a menos que as informações sejam essenciais à propostas científicas
e o paciente e ou pais ou responsáveis legais, dêem o consentimento por escrito que permita a
publicação.
Detalhes identificadores devem ser omitidos se não forem essenciais, porém dados dos
pacientes nunca devem ser alterados ou falsificados na tentativa de manter seu anonimato.
O completo anonimato é difícil de ser mantido, por isto o consentimento deve ser
obtido se houver qualquer possibilidade de identificação. Por exemplo: em fotografias, a tarja
negra sobre os olhos, não garante o anonimato dos pacientes.
Informações sobre a forma pelo qual o consentimento foi obtido devem constar do
trabalho.
Os procedimentos aplicados na pesquisa devem seguir os preceitos da Declaração de
Helsinque (1975) (ANEXO B) e ser submetidos à analise do Comitê de Ética em Pesquisa
(CEP) institucional ou regional.
Não devem ser utilizados os nomes, as iniciais ou números de registro hospitalares de
pacientes.
Em experimentações animais, indicar quais os guias de pesquisa foram seguidos ou a
lei nacional que rege a experimentação e o manuseio dos animais de laboratório.
15

A ÉTICA DA AUTORIA.

Quem é o autor de um trabalho científico?


• aluno que escreve o trabalho?
• o professor orientador?
• ou o a pessoa que teve a idéia utilizada no trabalho?
Esta é uma questão bastante polêmica, porém de fácil resolução se for raciocinado da
seguinte forma.

Quem teve o trabalho de procurar referências, redigir o texto, fazer tabelas e gráficos,
correções estatísticas e de ortografia?
O ALUNO.

Quem ensinou o aluno a redigir o trabalho, a cumprir as normas, deu sugestões de


inclusão ou exclusão de tópicos para discussão no trabalho?
O ORIENTADOR.

Porém se não houvesse a idéia, haveria o trabalho?

Deste modo, todos os três, ALUNO, ORIENTADOR e IDEALIZADOR, são autores,


e assim o nome dos três deve constar no momento da publicação do trabalho.
Dentre os três, o que teve a tarefa fundamental foi sem dúvida o IDEALIZADOR, pois
sem a “idéia”, não haveria o “trabalho”.
Assim, não só por questão de ética, mas até por questão de respeito, ao ser enviado um
trabalho para publicação, o primeiro autor deverá ser o IDEALIZADOR do trabalho.
Deste modo, se um “aluno” idealizar uma nova técnica ou instrumento operatório,
deverá obrigatoriamente ser o primeiro autor do trabalho, independente do fato de ele ser o
“aluno” e não o “mestre”.
Não seria ético o orientador assumir esta autoria, a não ser que ele fosse além de
orientador, também o IDEALIZADOR do trabalho, ficando o aluno somente com a tarefa da
redação.
Não confundir “ter a idéia”, com “ter a intenção” de fazer um trabalho.
Muitas vezes um “aluno” tem a intenção de fazer o trabalho, e o orientador lhe cede a
idéia ou lhe autoriza a trabalhar em sua linha de pesquisa. Neste caso o autor sem sombra de
dúvida é o “orientador”.

Em resumo o autor principal é o dono da idéia.

Os demais seriam co-autores, segundo nomenclatura cada vez menos utilizada em


publicações, visto o progressivo reconhecimento no meio científico, da equivalência de
contribuição de cada participante do trabalho.
Hoje, cada vez mais, tanto em trabalhos para apresentação em congressos como nas
publicações em revistas, todos os pesquisadores são considerados como autores, sendo em
algumas publicações, limitado seu número a seis indivíduos.

Se aproveitada ou modificada uma idéia, caso clínico ou técnica operatória, o AUTOR


da IDÉIA ORIGINAL (que não participa do presente trabalho) deve ser citado com ênfase,
16

assim como a referência de sua publicação, não sendo ético, deixar subentendido no
trabalho que a idéia é de outrem, e muito menos tentar induzir ao leitor que a idéia é sua.
Este erro pode ocorrer por má fé, ou mesmo por ignorância, no sentido real da palavra.
De qualquer forma, nenhuma das duas condutas é permitida a um
PESQUISADOR.

A ÉTICA DA CO-AUTORIA

Como citado, a co-autoria tende a desaparecer em publicações, porém o termo será


aqui utilizado para designar os autores, que não o autor principal do trabalho.
Entende-se como co-autor, a pessoa que efetivamente contribuiu para o trabalho, em
parte significante deste.
As consultorias necessárias a confecção de qualquer trabalho científico, e que
geralmente são remuneradas, de maneira alguma OBRIGAM a co-autoria, ficando esta a
cargo do autor. Dentre estas consultorias podemos citar: a análise estatística, a correção
ortográfica, a digitação, os serviços de editoração, etc.
Assim geralmente são co-autores, o orientador, e o(s) “aluno(s)”, partindo do
pressuposto de que a idéia para o trabalho partiu de uma terceira pessoa, e que este também
participou e deu sugestões na elaboração do trabalho, sendo, portanto seu autor.

NÃO É LÍCITA, NEM ÉTICA A CO-AUTORIA POR


AMIZADE OU IMPOSIÇÕES.

AVALIAÇÃO ESTATÍSTICA
Uma das dúvidas mais freqüentes ao se iniciar uma pesquisa é: “Qual o número de
casos a ser estudado” e “Qual o período de tempo a ser revisado”.
Na maioria das vezes, estas dúvidas são sanadas por intermédio de escolhas aleatórias
de pessoas mais “experientes” da seguinte forma:

“Estude os últimos 10 anos que está bom”, ou ainda;


“30 casos em cada grupo são o suficiente” ou pior ainda;
“10% do total é o suficiente”;
“Na minha experiência sempre fiz assim e sempre deu certo”.

Na realidade, os resultados encontrados geralmente são desastrosos, ou sem a menor


credibilidade, quando não há um planejamento estatístico na realização de uma pesquisa. O
profissional capacitado para acompanhar e participar do delineamento da pesquisa é o
estaticista.
Então:
PARA QUE SERVE A ANÁLISE ESTATÍSTICA?
Para decidir qual o melhor Plano Experimental para realização da pesquisa.
Para realizar o delineamento da amostra.
Para afirmar a viabilidade da análise ou comparações que se deseja realizar.
Para dar credibilidade aos dados encontrados.
E para dar veracidade as conclusões da pesquisa.
Para viabilizar inferências sobre Populações, quando apenas uma parte é estudada.
17

QUANDO DEVE SER INICIADO O ACOMPANHAMENTO?


Bem antes do início da coleta de dados.
Ou seja, na etapa de avaliação da viabilidade, com base no tema escolhido e objetivo
da pesquisa, e após ter entendido perfeitamente o que você pretende comparar ou enfatizar
na sua pesquisa, o estatístico poderá junto com você, determinar exatamente:
a) qual o número de casos que deverá ser estudado,
b) que técnica de amostragem deverá ser aplicada,
c) que tipo de protocolo é mais adequado para aplicação da pesquisa,
d) se as comparações que você deseja fazer são possíveis,
e) se no tempo disponível será obtido o número necessário de casos,
f) que testes estatísticos serão utilizados,
g) que período de tempo se deverá rever, para obtenção do número de casos
necessários à veracidade da pesquisa.

A cada passo da pesquisa, o estaticista deve ser posto a par dos resultados encontrados,
pois alterações inesperadas na coleta e ou na obtenção de dados podem alterar totalmente os
resultados inicialmente obtidos e com isto se fazer necessário uma reavaliação estatística.
O estudo estatístico deverá ser acompanhado passo a passo pelo aluno. Só assim ele
poderá explicar exatamente ao estaticista o que pretende enfatizar na pesquisa, corrigir falsas
interpretações de dados e aprender as bases de raciocínio e nomenclatura estatística
utilizada na análise do trabalho.

Deste modo poderá apresentar justificativas cabíveis e embasadas, no momento da


defesa do trabalho.

ETAPAS DO TRABALHO ESTATÍSTICO


OBS: As fórmulas aqui apresentadas são meramente ilustrativas. Os cálculos deverão
ser indicados e executados por pessoa habilitada para tal: o estaticista.

TAMANHO DA AMOSTRA
(determinação do “N”)

A) Para um UNIVERSO menor que 100.000:

N= d2 . p . q . U .
e2 ( U – 1 ) + d2 . p . q

ONDE:
N = tamanho da amostra d = desvio padrão ( d = 2 )
p = percentual de sucesso q = percentual de fracasso

p + q = 100%, logo q = 100 – p


OBS: quando não se conhece o p / q , considera-se 50%.
U = Universo ou População
e = margem de erro da amostra ou significância dos dados.
18

Ex1: Calcular o tamanho da amostra de um Universo igual a 15.000, com


e = 5% .

U = 15.000 p = 50% q = 50%


e = 5% d=2

N= 22 . 50 . 50 . 15.000 N = 389,63 ~ 390

52 ( 15.000 – 1 ) + 22 . 50 . 50

Ex2: Calcular o tamanho amostral para 175 casos de tuberculose, com


e = 5% .

U = 175 p = 50% q = 50%


e = 5% d=2

N= 22 . 50 . 50 . 175 N = 121,95 ~122

52 ( 175 – 1 ) + 22 . 50 . 50

B ) Para um UNIVERSO maior 100.000:

N = d2 . p . q .
e2

Ex1: Calcule o tamanho amostral para os alunos do ensino fundamental do


Município de Belém, e = 1%.

U > 100.000 p = 50% q = 50%


e = 1% d=2

N = 22 . 50 . 50 N = 10.000

12
19

COLETA DOS DADOS

A coleta dos dados é a fase primordial de qualquer pesquisa e por isso, deve
obedecer a uma programação prévia que defina claramente o POR QUE, O QUE, COMO,
ONDE, COM QUEM e QUANDO COLETAR.

O principal passo para coleta dos dados é a elaboração do protocolo de pesquisa.

O protocolo onde serão anotadas as informações coletadas na pesquisa deve


apresentar todos os seus itens com a maior clareza. Tanto para coletas com entrevistas, para
que o informante possa responder com precisão, sem ambigüidade, quanto para coletas feitas
em prontuários ou fichas de registros, como por exemplo, declarações de óbitos, para que o
pesquisador, não preencha a informação de acordo com a própria interpretação.

O protocolo, além de claro, deve ser também direcionado, ou seja, focalizar apenas
informações relacionadas ao objetivo da pesquisa, evitando com isso, que ele se torne um
instrumento longo e cansativo, com perguntas que não irão influenciar no resultado final
esperado.

O protocolo deve ser testado para sofrer críticas externas (pelos entrevistados) e
internas (pelo pesquisador). Para isso é necessária uma pesquisa chamada “piloto”. Esta
pesquisa consiste em coletar uma pequena quantidade de formulários para que o pesquisador
possa identificar eventuais erros ou distorções na definição das variáveis escolhidas, ou até
mesmo variáveis ou informações importantes que tenham sido esquecidas na etapa de
elaboração do protocolo.

A pesquisa “piloto” serve também para treinamento específico da pessoa que irá
coletar os dados, mesmo quando esta pessoa seja o próprio pesquisador.

Tendo sido cumprida esta fase, o pesquisador poderá então, efetivar sua pesquisa
com segurança e certeza que seus resultados finais, levarão ao alcance de seus objetivos
iniciais.

ANÁLISE ESTATÍSTICA

Na verdade, a análise estatística se inicia desde a definição do tamanho amostral e


só termina com a interpretação estatística final dos dados coletados. Ela está presente em
todas as etapas da pesquisa.

Para a análise estatística final dos dados encontrados, é necessário que seja feita uma
apuração das informações, de modo a facilitar a organização dos dados para aplicação de
possíveis testes estatísticos e apresentação dos resultados encontrados. Esta apuração deve ser
feita com a ajuda de “pacotes estatísticos” (programas de computador) que já contêm as
diversas ferramentas estatísticas necessárias.

A interpretação estatística dos dados pode ser feita através da ESTATÍSTICA


DESCRITIVA / COMPARATIVA, ou através da ESTATÍSTICA INDUTIVA /
INFERÊNCIA ESTATÍSTICA, ou ainda com a união das duas.
20

A estatística descritiva tem o objetivo de organizar e classificar os dados numéricos


através de gráficos e/ou tabelas e calcular determinadas medidas como a média, a mediana, a
moda, a variância e o desvio padrão.

ESTATÍSTICA DESCRITIVA:
Procura somente descrever e analisar um certo grupo (amostra), sem tirar quaisquer
conclusões sobre um grupo maior (universo).

Ex.: Perfil das gestantes atendidas no pré-natal da UBS Telégrafo.

O resultado da análise descritiva irá SOMENTE INFORMAR a idade, estado civil,


renda, número de gestações, número de paridade e abortos, uso de contraceptivos, número de
parceiros sexuais, doenças na gravidez, conhecimento sobre aleitamento materno e DST’s.

ESTATÍSTICA COMPARATIVA:
Dá elementos para a comparação entre dois ou mais grupos utilizados na pesquisa, que
tenham elementos comuns, permitindo assim a afirmação de superioridade ou inferioridade de
um grupo EM RELAÇÃO ao(s) outro(s).

Ex: Comparação do efeito antiinflamatório de duas drogas: “A” e “B”.

A análise comparativa permitirá ao pesquisador concluir se a droga “A” tem MAIOR,


MENOR ou IGUAL efeito antiinflamatório que a droga “B”, com uma certeza de 95% ou
uma probabilidade de erro menor que 5%.

INFERÊNCIA ESTATÍSTICA:
Compreende a obtenção de medidas amostrais estatísticas pela análise de parte de uma
população, generalizando-as em seguida através de testes especiais, para o todo (população),
permitindo predições e/ou tomadas de decisões, quer através de estimações, quer por meio de
testes estatísticos.

Ex: Influência do pré-natal nas complicações do parto e puerpério ou no coeficiente de


mortalidade materna no município de Belém.

Verificar relações entre o número de consultas, número e tipos de exames realizados


no pré-natal e as complicações no parto de uma parte das gestantes assistidas e com os
resultados obtidos nesta amostra, decidir políticas de atendimento a ser implantada para todas.
21

APLICAÇÃO DE TESTES ESTATÍSTICOS

Três características importantes do experimento devem ser observadas na escolha do


teste estatístico a ser aplicado, para que este atenda ao objetivo do trabalho.

1ª - Classificação da variável
Dados categóricos
Nominal
Ordinal
Dados numéricos
Discretos
Contínuos
2ª - Variáveis
Classificação
Variável qualitativa
Variável quantitativa
Número de variáveis
Uma variável
Duas variáveis
K variáveis

3ª - Número de amostras
Uma amostra
Duas amostras
Independentes
Relacionadas
K amostras independentes
K amostras relacionadas

DADOS GERADORES DE INFORMAÇÕES

DADOS CATEGÓRICOS:

- Nominal: Ex: Sexo (masculino, feminino).


- Ordinal: Ex: Pressão Sistólica (baixa, normal, alta).

DADOS NUMÉRICOS:

- Discretos: Contados em números inteiros.

Ex: acidentes no trânsito, nascidos vivos.

- Contínuos: Qualquer valor dentro de um intervalo.

Ex: peso, nível de glicose.


22

VARIÁVEIS GERADORAS DE RESULTADOS

VARIÁVEL QUALITATIVA geradora de dados categóricos (atributos).

VARIÁVEL QUANTITATIVA geradora de dados numéricos.

Quanto ao número de variáveis, o experimento pode conter:

a) UMA VARIÁVEL.

Ex: Taxa de Infecção Hospitalar no hospital X.

Variável: Taxa de Infecção Hospitalar.

b) DUAS VARIÁVEIS.

Ex: Taxa de Infecção Hospitalar, segundo a idade, no hospital X.

Variáveis: Taxa de Infecção Hospitalar e idade.

c ) K VARIÁVEIS.

Ex: Taxa de Infecção Hospitalar, segundo a idade e sexo, nos hospitais


X e Y.

Variáveis: Taxa de Infecção Hospitalar, idade, sexo e hospital.

NÚMERO DE AMOSTRAS EM UM EXPERIMENTO.

a) UMA AMOSTRA.

Ex: 100 universitários da rede federal de ensino, segundo estatura em cm.

Amostra: 100 universitários.

b) DUAS AMOSTRAS INDEPENDENTES.

Ex: 200 universitários, segundo estatura tomada em cm, sendo 100 da rede federal e 100
da rede particular de ensino.

Duas Amostras: 100 universitários do ensino federal e


100 universitários do ensino particular.
Independência entre as amostras: rede de ensino
23

c) DUAS AMOSTRAS RELACIONADAS.

Ex: Ocorrência de infecção nos rins de 50 pacientes.

Duas Amostras: Rins direito e esquerdo


Relação entre as amostras: O mesmo paciente.

d) K AMOSTRAS INDEPENDENTES.

Ex: Infecção hospitalar no hospital X, no período de 2005 a 2009.

K Amostras: amostra do ano de 2003, 2004, 2005, . . . , 2009.


Independência entre as amostras: os anos, um independe do outro.

e) K AMOSTRAS RELACIONADAS.

Ex: Tempo de aprendizagem do uso de uma prótese, segundo três diferentes métodos de
ensino, controlando-se a idade dos pacientes.

K Amostras: três grupos de diferentes métodos de ensino.


Relação entre as amostras: a mesma prótese.

ESCOLHA DO TESTE ESTATÍSTICO

SUGESTÕES:

1 – Para uma amostra

1.1 – Uma variável.

A) Dados categóricos - Binomial


- Qui-quadrado (aderência)
- Kolmogorov Smirnov

Ex: Qui-quadrado (aderência)

Pesquisar se há diferença entre os alunos de uma escola no que diz respeito à marca de
vitamina C que eles tomam para prevenir resfriado.

Uma amostra: alunos de uma escola


Uma variável: marca de vitamina C.
Dado Categórico: marca X, marca Y, marca Z, . . .

B) Dados numéricos - Teste t (Student)


- Teste Z
24

Ex: Teste t (Student)

Pesquisar se duas partidas de lepromina (A / B) têm capacidade de provocar reações


intradérmicas tardias (reação de Mitsuda) de mesma intensidade, em uma amostra de 10
indivíduos.

Uma amostra: 10 indivíduos que usarão as duas leprominas


Uma variável: lepromina
Dado Numérico: diâmetro da reação de Mitsuda, em milímetros.

1.2 – Duas variáveis.

A) Dados categóricos - Coeficiente de Contingência C


- Correlação de Kendall
- Correlação de Spearman

Ex: Coeficiente de Contingência C

Pesquisar se há associação entre o grau de escolaridade (X) e o nível salarial (Y) de


funcionários públicos municipais.

Uma amostra: funcionários públicos municipais


Duas variáveis: grau de escolaridade e nível salarial
Dados Categóricos:
Grau de escolaridade: analfabeto, Ensino fundamental incompleto, ensino
fundamental completo, ensino médio incompleto, ensino médio, completo . . .

B) Dados numéricos - Correlação Linear de Pearson


- Regressão Linear

Ex: Regressão Linear

Verificar se a pressão arterial diastólica dos homens sofrem alterações com a idade.

Uma amostra: n homens


Duas variáveis: pressão arterial diastólica e idade
Dados Numéricos: pressão arterial e idade em anos

1.3 – K Variáveis.

A) Dados Numéricos e Categóricos - Componente Principal


- Correlação Parcial
- Regressão Múltipla

Ex: Regressão Múltipla

Verificar a associação da Taxa de Infecção Hospitalar no hospital X com o sexo, peso,


idade, tempo de permanência, local da internação e medicamento usado.
25

Uma amostra: Infecção hospitalar no hospital X.


K variáveis: Infecção hospitalar, sexo, peso, idade, permanência, local de internação e
medicamento.
Dados Numéricos: Taxa de Infecção Hospitalar, peso, idade e Permanência.
Dados Categóricos: Sexo, local de internação e medicamento.

2 – Para duas amostras independentes

2.1 – Uma variável

A) Dados categóricos - Teste Exato de Fischer


- Qui-quadrado
- Kolmogorov Smirnov
- Mann-Whitney

Ex: Teste Mann-Whitney

Nível de fosfatase sanguínea em 12 pacientes acometidos de malária por P. vivax e em 10


parasitados pelo P. falciparum.

Duas amostras: 12 parasitados por P. vivax e


10 parasitados por P. falciparum
Uma variável: nível de fosfatase
Dado Categórico: Normal ou anormal

B) Dados numéricos - ANOVA (um critério)


- Teste Z
- Teste t (Student)

Ex: Teste Z

Pesquisar se há diferença entre duas drogas comerciais no tempo de alívio da cefaléia.


Duas amostras: dois grupos de pacientes, cada um com uma droga comercial
diferente.
Uma variável: tempo de alívio da cefaléia.
Dado numérico: tempo medido em minutos.

3 – Para duas amostras relacionadas

3.1 – Uma variável

A) Dados categóricos - Kappa


- McNemar
- Teste dos sinais
- Wilcoxon
26

Ex: Teste de Wilcoxon

Verificar se há diferença entre os ÍNDICEs mitóticos das células de culturas observadas


antes e após exposição à luz fluorescente branca.
Duas amostras: culturas observadas antes da exposição e
culturas observadas após a exposição
Uma variável: ÍNDICEs mitóticos das células
Dado Categórico: Normal, aumentado ou diminuido.

B) Dados numéricos - ANOVA


- Teste t (Student)

Ex: ANOVA

Pesquisar se há diferença entre os valores de triglicerídios em jejum e 4 horas após o


almoço.

Duas amostras: valores de triglicerídios em jejum e


valores de triglicerídios 4 horas após o almoço
Uma variável: triglicerídios
Dado numérico: valor do triglicerídios.

4 – Para K amostras independentes

4.1 – Uma variável

A) Dados categóricos - Kruskall-Wallis


- Qui-Quadrado (Mantel-Haenszel)

Ex: Teste de Mantel-Haenszel

Verificar se a proporção de mulheres com neoplasia cervical e HPV positivo é alterada se


as pacientes apresentarem história clínica de cervicite crônica.

K Amostras: pacientes com história clínica de cervicite crônica e HPV +


pacientes com história clínica de cervicite crônica e HPV -
pacientes sem história clínica de cervicite crônica e HPV +
pacientes sem história clínica de cervicite crônica e HPV -

Uma variável: proporção de mulheres com neoplasia cervical e HPV +


Dado categórico: presença ou ausência de antecedentes de cervicite e
HPV +.

B) Dados numéricos - ANOVA (um critério)


27

Ex: ANOVA (um critério)

Verificar se o fumo influencia a função pulmonar medida pelo fluxo médio expiratório.

K amostras: pacientes não-fumantes,


fumante de 10 a 15 cigarros por dia e
fumante de mais de 30 cigarros por dia.
Uma variável: fluxo médio expiratório
Dado Numérico: valor do fluxo médio expiratório

4.2 - K variáveis

A) Dados categóricos - Concordância de Kendall


Ex: Concordância de Kendall

Testar o grau de correlação entre o nível de desempenho de 3 médicos residentes e as


respectivas avaliações efetuadas por 3 supervisores.

K amostras: avaliação do supervisor 1, 2 e 3.


K variáveis: nível de crítica dos supervisores
Dados Categóricos: níveis (insuficiente, regular, bom e excelente)

B) Dados numéricos - ANOVA (dois critérios)


- Distância Euclidiana
- Teste de Barllett

Ex: ANOVA (dois critérios)

Verificar se os ÍNDICEs de reprovação são influenciados pelo tipo de disciplina cursada


e o turno cursado.
K amostras: aprovados e reprovados por disciplina e por turno.
K variáveis: disciplinas e turnos.
Dados Numéricos: índice de reprovação em percentual.

5 – Para K amostras relacionadas

5.1 – Uma variável ou K variáveis

A) Dados categóricos - Teste de Cochram


- Teste de Friedman

Ex: Teste de Cochram

Verificar a probabilidade de satisfação do usuário em relação a um produto logo após sua


compra e três tempos de uso, de igual período.

K amostras: satisfação após a compra e nos três tempos de uso, ou seja, 4 amostras.
Uma variável: grau de satisfação do usuário
Dados Categóricos: regular, bom e ótimo.
28

CONCEITOS EM EPIDEMIOLOGIA E ESTATÍSTICA

a) Incidência: é o número de casos NOVOS de uma doença ou evento em uma determinada


população.

Ex: Incidência de casos de hanseníase em Belém do Pará, no último ano é o número de


casos novos que surgiram neste último ano. Excluem-se os casos que foram
diagnosticados no ano anterior e continuam doentes no ano de estudo.

b) Prevalência: é a proporção entre o número de indivíduos que apresentam uma condição


clínica ou desfecho em um determinado ponto no tempo.

Prevalência = no de casos existentes em um período específico


População total

Ex: Estudo sobre a Hanseníase em 2006: A prevalência de casos de hanseníase em Belém


do Pará é o número de casos antigos + os casos novos que surgiram, já a incidência
corresponde apenas ao número de casos novos.

Incidência

Casos de hanseniase

Prevalência
Casos Antigos

Casos Novos

c) Estudo transversal ou de prevalência: é também denominado de seccional, corte, corte-


transversal, vertical, pontual ou prevalência e representa a forma mais simples de pesquisa
populacional. A relação exposição-doença é examinada, em uma dada população, em um
particular momento, ou seja, os participantes do estudo são reunidos em um momento
definido pelo investigador – em geral, refere-se à data de coleta dos dados. Desta forma, é
um bom método para detectar frequências, da doença e de fatores de risco assim como
identificar os grupos na população na população que estão mais afetados ou menos
afetados (PEREIRA, 2002).

d) Estudo de Coorte: este tipo de investigação parte da exposição em direção ao efeito, ou


seja, trata-se da pesquisa em que um grupo de pessoas é identificado, e a informação
pertinente sobre a exposição de interesse é coletada, de modo que o grupo possa ser
seguido, no tempo, com o intuito de determinar, por exemplo, quais os membros
desenvolvem a doença em foco e se esta exposição prévia está relacionada à ocorrência
desta doença. Logo, como característica principal tem-se a longitudinalidade (seguimento
- “follow-up”), visto que, compara a experiência ao longo do tempo de um grupo exposto
29

e outro não exposto (fatores de risco, fatores protetores) indo de encontro às


conseqüências da exposição (doentes / sobreviventes; evento/ausência do evento).*

d.1) Modalidades:
Coorte Prospectivo: trata-se do tipo mais comum de estudo de coorte. O investigador
acompanha de corpo presente o desenrolar da investigação. É uma pesquisa que determina,
como em todo estudo de coorte, primeiro a causa e depois o efeito; além disto, é em
direção ao futuro. O pesquisador toma conhecimento, detecta ou observa a exposição nas
pessoas que serão objeto de acompanhamento, antes de ocorridos os desfechos clínicos que
importa considerar.
Coorte Histórico (ou retrospectivo): o investigador tem conhecimento de que tanto a
exposição quanto a doença já ocorreram, e que os dados de interesse para o estudo podem
ser recolhidos por pesquisas em arquivos ou por anamnese. Trata-se de uma investigação
sobre o passado, mas conservado o princípio da causa em direção ao efeito.

e) Estudo de Caso-Controle: este tipo parte do efeito para investigar a causa, logo é uma
pesquisa em que as pessoas escolhidas porque têm uma doença (os casos) e pessoas
comparáveis que não possuem esta afecção (os controles) são investigadas para saber se
foram expostas a fatores de risco, de modo a determinar se tais fatores são causas
contribuintes da doença. Sendo uma pesquisa de natureza retrospectiva, na qual o ponto de
partida é o doente, o seu objetivo, embora seja o mesmo do estudo de coorte – de
esclarecer a relação exposição-doença – é alcançado de maneira diferente e oposta: a
partir do doente, olha-se para trás em busca de exposições para explicar a doença.*

f) p = Probabilidade estatística de um resultado ter ocorrido por acaso; também chamado de


índice de rejeição da hipótese de nulidade.

g) Estatisticamente significante: Que mostra diferença em testes estatísticos (geralmente p


≤ 0,05 ou menor que 5%).

h) Significativo: O que tem valor clínico, mas não estatístico.


- Medicação X induz sobrevida em 8 de 10 casos, a Y em 7 de 10. Não há diferença
estatisticamente significante, porém a medicação X foi significativamente melhor.

i) Tendência: Aquilo que está muito próximo do estatisticamente significante, porém não o
foi.
- Resultado com um p = 0,051 ou 5,1%

j) Sensibilidade de um teste diagnóstico: É a probabilidade de um teste em identificar uma


determinada doença em um indivíduo. Um teste sensível para a doença A, raramente deixa
de diagnosticar pacientes com esta doença

k) Especificidade de um teste diagnóstico: É a proporção de indivíduos sem a doença nas


quais o teste é negativo. Um teste específico para a doença A, raramente dará positivo em
pacientes sem a doença.

l) Valor preditivo positivo (VPP): É a probabilidade de doença em um paciente com o teste


positivo.
30

m) Valor preditivo negativo (VPN): É a probabilidade de um paciente não ter a doença,


quando seu teste foi negativo.

n) Acurácia: É a proporção de pacientes classificados corretamente por um teste.

o) Aleatório: Sistema de escolha ao acaso que pode resultar em subgrupos de tamanhos


diferentes. Ex: Cara ou coroa em um grupo de dez elementos – pode resultar em dois
subgrupos. Um com 6 outro com 4; os dois com 5; etc.

p) Randômico: Sistema de escolha ao acaso que SEMPRE resulta em subgrupos de


tamanhos IGUAIS. Ex: Um pote com cinco letras “A” e cinco letras “B”. Sempre
resultara em dois subgrupos de cinco elementos, independente da ordem ou seqüência em
que sejam sorteados.

q) Estudo cego: Tipo de estudo aleatório em que o sujeito não sabe se está ou não sendo
alvo do objeto de pesquisa.

r) Estudo duplo cego: Tipo de estudo aleatório em que nem o sujeito, nem o pesquisador,
sabem se o indivíduo está ou não sendo alvo do objeto de pesquisa.

s) Estudo multicêntrico: Pesquisa realizada simultaneamente, com a mesma metodologia,


em diferentes centros de pesquisa.

t) Metanálise ou Revisão Sistemática da Literatura: é um tipo de pesquisa planejada para


sumarizar estudos médicos, respondendo a uma questão clínica específica. Utiliza
métodos apropriados para identificar, selecionar e avaliar criticamente os estudos, e
também para analisar os dados destes estudos incluídos na revisão. Profissionais da saúde,
pesquisadores e outros responsáveis por políticas de saúde são freqüentemente inundados
com quantidades de informação nem sempre manejáveis, o que torna a revisão sistemática
uma maneira eficiente de integrar a informação existente, gerando dados que auxiliem a
tomada de decisões. Em uma revisão sistemática, os dados dos diferentes estudos podem
ser quantitativamente combinados por métodos estatísticos. Estes métodos são chamados
de técnicas de metanálise.

u) Média: Soma dos valores observados, divididos pela sua freqüência.


Ex: 2, 2, 2, 3, 4, 5, 10, 15, 20, 25. A média é 8,8.

v) Mediana: Medida de tendência central, através de cujo valor divide-se a distribuição das
freqüências em 2 partes iguais. (50% acima e 50% abaixo)
Ex: 2, 2, 2, 3, 4, 5, 10, 15, 20, 25.. A mediana é 4,5.

w) Moda: É o valor mais freqüente de uma distribuição.


Ex: 2, 2, 2, 3, 4, 5, 10, 15, 20, 25. A moda é 2.
31

INDICAÇÃO PARA A UTILIZAÇÃO DE GRÁFICOS


a) Gráficos de pizza:
Dados individuais.
Não contínuos.
No máximo 03 elementos.
Ex: Sexo, etnia (branca, negra, amarela).

FIGURA 1 – Etnias dos pacientes portadores da doença X em Belém do Pará, 2009.


FONTE: Protocolo de pesquisa.

b) Gráficos de colunas ou barras separadas:


Dados individuais.
Não contínuos.
Ex: Faixas etárias, profissões, grupos de um estudo.

FIGURA 2 – Grupos de pacientes portadores da doença X em Belém do Pará, 2009.


FONTE: Protocolo de pesquisa.
32

c) Gráficos de colunas ou barras juntas:


Dados individuais.
Não contínuos.
Ex: Subgrupos de um estudo.

FIGURA 2 – Subgrupos de pacientes portadores da doença X em Belém do Pará, 2009.


FONTE: Protocolo de pesquisa.

d) Gráficos de linha:
Dados individuais
Contínuos
Ex: Evolução da mortalidade infantil nos anos de 2004 à 2009.

FIGURA 2 – Evolução da mortalidade infantil em São Paulo nos anos de 2004 à 2009.
FONTE: Protocolo de pesquisa.
33

CRONOGRAMA
Elabore sempre um cronograma de trabalho, conforme o sugerido abaixo, onde são
citados os tempos médios utilizados em cada passo da pesquisa:
Procure segui-lo religiosamente a fim de evitar correrias de última hora.

ANO: 2009
CRONOGRAMA JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO
Idealização do tema x
Revisão da literatura x x x x x x x
Ajuste do tema x
Avaliação da viabilidade x
Elaboração de protocolos x
Envio ao Comitê de Ética x x
em Pesquisa (CEP)
Aplicação dos protocolos x x
ou Coleta de dados
Realização do x x
experimento
Análise dos resultados x x
Correção estatística x x
Redação do trabalho x x x x x x
Correção ortográfica x
Impressão e encadernação x
Preparo da exposição x
Apresentação x

ORÇAMENTO
É um dos principais pontos de reprovação de projetos pelas Agências de Fomento ou
mesmo Comitês de Ética em Pesquisa.
Geralmente o autor raciocina que ele só precisa informar o que precisa ser comprado
(parte financiável), porém esquece que se ele não tiver todo o resto (Contrapartidas), não
conseguirá realizar o trabalho.
Para quem analisa o projeto, não interessa quem deu de graça, quem pagou ou vai
pagar, por exemplo, pelo computador utilizado na pesquisa. Interessa é que alguém pagou...,
logo tem de ser informado.
O raciocínio, exagerando no exemplo, é: tenho que informar TUDO o que será
utilizado no projeto, de modo que se algum pesquisador quiser repetir o experimento no meio
da Antártida, ele saiba o que vai precisará levar e quanto vai gastar, lendo seu orçamento,
além é claro das roupas de frio e comida.
É importante salientar que o valor total do orçamento deve coincidir com o valor das
contrapartidas.
Abaixo é apresentado um esquema de orçamento como guia. O mesmo pode ser
baixado em arquivo de texto ou como planilha de cálculos, o que facilitará seu trabalho, no
endereço www.uepa.br/ccbs/nupem - Manual 2009 - Orçamento.
34

PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA:

VALOR
Nº de VALOR TOTAL EM
PROCEDIMENTO Quantidade UNITÁRIO EM
meses R$
REAIS

INSTALAÇÕES E SUA
MANUTENÇÃO
Aluguel de salas 2 2 R$ 150,00 R$ 600,00
Iluminação das salas 2 2 R$ 50,00 R$ 200,00
Instalação de linha telefônica 1 1 R$ 75,00 R$ 75,00
Conta da linha telefônica 1 8 R$ 75,00 R$ 600,00
MATERIAL PERMANENTE
Computador Celeron 2.0 1 1 R$ 1.500,00 R$ 1.500,00
Impressora HP 3845 1 1 R$ 300,00 R$ 300,00
Scanner 1 1 R$ 300,00 R$ 300,00
Câmera fotográfica digital 1 1 R$ 600,00 R$ 600,00
PESSOA FÍSICA
Uma secretária 1 8 R$ 415,00 R$ 3.320,00
Serviços Gerais 1 8 R$ 240,00 R$ 1.920,00
Aluguel de equipamento 3 2 R$ 100,00 R$ 600,00
Bolsa de pesquisa 2 9 R$ 180,00 R$ 3.240,00
Análise estatística 1 1 R$ 200,00 R$ 200,00
Correção ortográfica 1 1 R$ 100,00 R$ 100,00
PESSOA JURÍDICA
Provedor de internet 1 8 R$ 35,00 R$ 280,00
Encadernação 10 1 R$ 2,50 R$ 25,00
Aluguel de datashow 1 1 R$ 100,00 R$ 100,00
MATERIAL DE CONSUMO
Tinta preta p/ HP 2 1 R$ 100,00 R$ 200,00
Tinta colorida p/ HP 2 1 R$ 100,00 R$ 200,00
Resma de papel A4 5 1 R$ 12,00 R$ 60,00
Caneta esferográfica 30 1 R$ 0,50 R$ 15,00
Caneta marca texto 6 1 R$ 0,80 R$ 4,80
Lapiseira 0,5 4 1 R$ 4,00 R$ 16,00
Refil para lapiseira 0,5 5 1 R$ 2,50 R$ 12,50
Caixa de clips 1 1 R$ 1,50 R$ 1,50
Borracha branca 4 1 R$ 0,70 R$ 2,80
Grampeador 1 1 R$ 7,50 R$ 7,50
Caixa de grampos 1 1 R$ 3,00 R$ 3,00
CD 700 MB 48x 10 1 R$ 2,00 R$ 20,00
Pasta p/ arquivar protocolos 4 1 R$ 10,00 R$ 40,00
35

TRANSPORTE E LOCOMOÇÃO

Vales Transporte 80 8 R$ 1,70 R$ 1088,00


Gasolina 40 8 R$ 2,79 R$ 892,80
DIVERSOS
Xerox dos TCLE 1000 1 R$ 0,08 R$ 80,00
Xerox 300 1 R$ 0,08 R$ 30,00
Protocolos 1000 1 R$ 0,08 R$ 80,00
Revisão ortográfica 20 1 R$ 5,00 R$ 100,00
Envio para publicação 2 1 R$ 25,00 R$ 50,00
TOTAL GERAL R$ 16.863,90

CONTRAPARTIDAS:

DA INSTITUIÇÃO

VALOR
Nº de VALOR TOTAL EM
PROCEDIMENTO Quantidade UNITÁRIO EM
meses R$
R$

INSTALAÇÕES E SUA
MANUTENÇÃO
Aluguel de salas 2 2 R$ 150,00 R$ 600,00
Iluminação das salas 2 2 R$ 50,00 R$ 200,00
Instalação de linha telefônica 1 1 R$ 75,00 R$ 75,00
Conta da linha telefônica 1 8 R$ 75,00 R$ 600,00
PESSOA FÍSICA
Uma secretária 1 8 R$ 415,00 R$ 3.320,00
Serviços Gerais 1 8 R$ 240,00 R$ 1.920,00
TOTAL R$ 6.715,00

DOS PESQUISADORES

VALOR
Nº de VALOR TOTAL EM
PROCEDIMENTO Quantidade UNITÁRIO EM
meses R$
R$

MATERIAL PERMANENTE
Computador Celeron 2.0 1 1 R$ 1.500,00 R$ 1.500,00
Impressora HP 3845 1 1 R$ 300,00 R$ 300,00
Scanner 1 1 R$ 300,00 R$ 300,00
Câmera fotográfica digital 1 1 R$ 600,00 R$ 600,00
PESSOA FÍSICA
Aluguel de equipamento 3 2 R$ 100,00 R$ 600,00
36

Análise estatística 1 1 R$ 200,00 R$ 200,00


Correção ortográfica 1 1 R$ 100,00 R$ 100,00
PESSOA JURÍDICA
Provedor de internet 1 8 R$ 35,00 R$ 280,00
Encadernação 10 1 R$ 2,50 R$ 25,00
Aluguel de datashow 1 1 R$ 100,00 R$ 100,00
MATERIAL DE CONSUMO
Tinta preta p/ HP 2 1 R$ 100,00 R$ 200,00
Tinta colorida p/ HP 2 1 R$ 100,00 R$ 200,00
Resma de papel A4 5 1 R$ 12,00 R$ 60,00
Caneta esferográfica 30 1 R$ 0,50 R$ 15,00
Caneta marca texto 6 1 R$ 0,80 R$ 4,80
Lapiseira 0,5 4 1 R$ 4,00 R$ 16,00
Refil para lapiseira 0,5 5 1 R$ 2,50 R$ 12,50
Caixa de clips 1 1 R$ 1,50 R$ 1,50
Borracha branca 4 1 R$ 0,70 R$ 2,80
Grampeador 1 1 R$ 7,50 R$ 7,50
Caixa de grampos 1 1 R$ 3,00 R$ 3,00
CD 700 MB 48x 10 1 R$ 2,00 R$ 20,00
Pasta p/ arquivar protocolos 4 1 R$ 10,00 R$ 40,00

TRANSPORTE E LOCOMOÇÃO

Vales Transporte 80 8 R$ 1,70 R$ 1088,00


Gasolina 40 8 R$ 2,79 R$ 892,80
DIVERSOS
Xerox dos TCLE 1000 1 R$ 0,08 R$ 80,00
Xerox 300 1 R$ 0,08 R$ 30,00
Protocolos 1000 1 R$ 0,08 R$ 80,00
Revisão ortográfica 20 1 R$ 5,00 R$ 100,00
Envio para publicação 2 1 R$ 25,00 R$ 50,00
TOTAL R$ 6.908,90

FINANCIADO

PELA INSTITUIÇÃO DE
FOMENTO

VALOR
Nº de
PROCEDIMENTO Quantidade UNITÁRIO EM VALOR TOTAL EM R$
meses
R$

Bolsas de pesquisa 2 9 R$ 180,00 R$ 3.240,00


TOTAL R$ 3.240,00
37

RESUMO GERAL
Contrapartida Institucional R$ 6.715,00
Contrapartida dos pesquisadores R$ 6.908,90
Financiado R$ 3.240,00
TOTAL R$ 16.863,90

ELABORAÇÃO DOS PROTOCOLOS


Protocolos de pesquisa são procedimentos padronizados no início da pesquisa, e que
serão aplicados igualmente a todos os elementos pesquisados, a fim de minimizar as variáveis
que irão incidir nos resultados.
Uma vez decididos os protocolos não mais poderão ser mudados, sob pena de
invalidar todos os dados pesquisados anteriormente.
Por exemplo: No protocolo da pesquisa foi padronizada dosagem hormonal com “kits”
do Laboratório X.
No decorrer do trabalho acabam os “kits”.
O Laboratório X não mais os produz.
Troca-se para os “kits” do Laboratório Y, porém todas as dosagens já realizadas
deverão ser desprezados, pois não poderão ser comparados resultados encontrados com “kits”
diferentes sob pena de ser acrescentada uma variável, que poderá alterar os resultados da
pesquisa.

EM QUE MOMENTO DEVEMOS PREPARAR OS PROTOCOLOS

Os protocolos deverão ser elaborados no início da pesquisa, após a revisão


bibliográfica inicial e antes da coleta dos primeiros dados.
Deste modo, os protocolos serão embasados na experiência de autores que já fizeram
trabalhos semelhantes, evitando erros básicos que provavelmente já foram cometidos e
corrigidos por estes autores.
Outra vantagem é que se forem questionados os procedimentos utilizados na pesquisa,
durante a defesa do trabalho, a utilização prévia destes procedimentos por outros autores serve
como defesa irrefutável, uma vez que a publicação do trabalho significa sua aceitação pelo
conselho redatorial da revista que representa a comunidade científica.
Após a confecção inicial dos protocolos, deve-se aplicá-los na fase do trabalho
conhecida como “projeto piloto”.
O projeto piloto é uma prévia do trabalho, na qual um pequeno número de casos a ser
avaliado é estudado.
Nestes casos serão aplicados todos os protocolos do trabalho.
É a fase de testes, quando será verificado se tudo irá funcionar no trabalho
propriamente dito.
Estes casos iniciais servirão para o treinamento do pesquisador na realização dos
procedimentos, na coleta dos dados, para se saber se os protocolos funcionam, e como
provavelmente serão os resultados obtidos. A critério do estatístico, e se não forem alterados
os protocolos, os casos do projeto piloto podem ser utilizados como parte dos casos no
trabalho propriamente dito.
Assim teremos em um mesmo trabalho, diversos...
38

TIPOS DE PROTOCOLOS:

De coleta de dados: É organizado em formato de fichas (geralmente contendo nome,


idade, sexo, data, procedimento realizado, resultado de exames importantes etc.), as quais
serão aplicadas a todos os casos estudados, de modo a que não seja esquecida a coleta de um
dado em determinado caso, o que causaria sua eliminação do estudo.

De anestesia: Irá reger qual a aparelhagem e drogas a serem utilizadas, dosagens, via
de administração, doses de reforço, tempos de aplicação, etc.

De técnica operatória: Determinará a técnica a ser utilizada, tipos de materiais,


espessura de fios, tipos de curativos, aparelhagem especial, etc.

De análise macroscópica: Padronizará as datas, a seqüência, e as alterações a serem


observadas.

De análise microscópica: Determinará o modo de fixação das peças, espessura dos


cortes, coloração, tipo de microscópio onde serão avaliados os cortes, por quantos
observadores será feita a análise, que elementos microscópicos serão analisados, etc.

De análise laboratorial: Especificará que exames serão estudados, qual a


aparelhagem que irá analisar o material colhido, qual o volume de material deverá ser colhido,
como este material deverá ser transportado e acondicionado até o momento do exame, etc.

De análise estatística: Determinada pelo estatístico com base no projeto piloto


determinará quantos casos são necessários, quais os grupos que serão formados, o que será
comparado, e que método estatístico irá analisar os resultados encontrados.

De acordo com os resultados obtidos no projeto piloto, será realizada a avaliação


estatística e serão alterados ou mantidos os protocolos que a partir deste ponto tornar-se-ão
imutáveis.

EDITORAÇÃO DO TRABALHO
Esta etapa inclui a redação, digitação, correções, revisões ortográficas, impressão e
encadernação dos Trabalhos Científicos.

REDAÇÃO DO TRABALHO

Deve ser iniciada juntamente com a revisão bibliográfica inicial. Após a revisão
inicial, com o conhecimento adquirido, já é possível escrever os protocolos iniciais, a
Introdução e o Método do trabalho.
É aconselhável digitar o trabalho em computador desde seu início, obtendo-se deste
modo inúmeras vantagens:
a) possibilidade de obter inúmeras cópias simultâneas;
b) facilidade em executar as correções necessárias;
c) identificação precoce de erros de impressão e formatação;
39

d) melhor estética na apresentação da versão mais atual para correção do orientador,


estatístico, professor de português etc;
e) ganho de tempo no final do trabalho;
f) em suma, demonstrar maior zelo, capricho e organização.

A versão final de um trabalho bem orientado passa por no mínimo 8 a 10 sessões de


correção com o orientador, estatístico e professor de português e inglês.
É de boa norma reuniões regulares com o orientador, para “prestação de contas”
podendo estas tornarem-se menos espaçadas no final do trabalho.
A cada correção o trabalho toma forma e cresce. Estas sessões são extremamente
importantes para que o(s) autor(es), discutam seus pontos de vista, ganhem conhecimento e
experiência na defesa de seu(s) pontos de vista, o que será necessário por ocasião da defesa do
trabalho.
A digitação do TRABALHO CIENTÍFICO pode ser realizada quando o mesmo
estiver “terminado”, porém, isto geralmente ocorre praticamente na véspera da Jornada em
que será defendido.
Devido ao nervosismo natural e a falta de tempo, certamente passarão inúmeros erros
de digitação, formatação e até mesmo conteúdo que irão prejudicar a nota do mesmo.
Assim voltamos a frisar que a digitação e formatação do trabalho deve ser feita
simultaneamente a realização do mesmo. Deste modo todos os erros, inclusive os de
formatação, serão notados durante as correções e eliminados precocemente.

COMO CORRIGIR O TRABALHO


1º Corrigir o conteúdo (com o orientador).
2º Corrigir a ortografia (com o professor de Língua Portuguesa).
3º Corrigir a forma (segundo este manual)
4º Correção da redação do capítulo de referências.
5º Verificar se a citação de cada autor corresponde ao conteúdo de cada parágrafo
principalmente na introdução e discussão, podendo também estar presente no método e na
revisão da literatura.
6º Verificar se todas as referências estão citadas no texto e no capítulo de “Referências”.
7º Verificar numeração de páginas, figuras e tabelas.

CUIDADOS COM A REDAÇÃO

Para uma redação clara e precisa, o esmero com a língua é de fundamental


importância.
Deste modo a redação deve ser clara e concisa. Para isto algumas regras básicas devem
ser seguidas:
Gramaticais:
Utilizar verbos na Voz passiva sintética. (foi realizado…)
Evitar o uso da voz passiva com o pronome apassivador “se”, pois este dá idéia de indefinição
do sujeito (utilizou-se ...)
Nunca utilizar as 1ªs pessoas do singular e plural (eu, nós).
Não iniciar parágrafos com verbos. Iniciar preferencialmente com o sujeito da oração.
Evitar parágrafos longos (mais de 5 linhas), pois dificultam a compreensão.
Evitar o uso do gerúndio Ex. “empregando” no lugar de "foi empregado”.
40

Prefira o emprego de:

“Utilizar” (mais erudito) no lugar de “Usar”.

“Visibilizar” (observar), no lugar de “Visualizar” (imaginar).

“Distribuir” no lugar “Dividir”.


Pacientes são “distribuídos” (e não divididos = cortados ao meio) em grupos. Estes
sim são “divididos” em subgrupos.

“Encontrados” (mais erudito) no lugar de “Achados”.

“Eutanásia” (morte sem dor ou sofrimento) no lugar de “Sacrifício” (oferenda religiosa).

“por intermédio de” ou “por meio de” (utilizando-se de) no lugar de “através de” (atravessar
de um lado para outro; por entre algo).

“…ao nível de…” no lugar de “…a nível de…” (não existe em Português).
O primeiro deve ser utilizado ao se referir aos níveis do mar, rios etc. e não como
comparação entre situações ou pessoas.

OU AINDA OS ORTOGRAFICAMENTE INCORRETOS

“Peritôneo” (incorreto) no lugar de “Peritônio”.

“Esfignomanômetro” (incorreto) no lugar de “Esfigmomanômetro”.

REGRAS PRÁTICAS PARA ELABORAÇÃO DE UM TEXTO:


1) Todo texto seja um parágrafo, capítulo ou o trabalho como um todo, segue a mesma lógica
de construção, ou seja, tem de ter uma introdução, um desenvolvimento e um fecho ou
conclusão.
2) No caso de parágrafos, seu fecho deve fazer a conecção com o parágrafo seguinte. É o que
os autores americanos chamam de “LINK”. A presença de “links” dará idéia de
continuidade do texto.
A ligação entre os parágrafos pode ser feita por “idéias ou elementos comuns” e por
“elementos de continuidade”:
Ex.
“e FULANO (2008),11 demonstrou que a presença de proteínas estranhas poderiam
desencadear o processo.
O mecanismo de ativação antígeno - anticorpo provocado por estas proteínas, seria
iniciado...

NOTE: A ligação foi feita por um elemento comum que participa dos dois parágrafos: as
proteínas. No entanto o conteúdo dos parágrafos é totalmente diferente. O primeiro
fala da descoberta e o segundo descreve o mecanismo. Porém há uma ligação entre
os dois.
41

Os elementos de continuidade são geralmente palavras como: Assim, Deste modo,


Desta maneira, No entanto, Porém, Nestes, etc. que servem para iniciar um parágrafo, dando
continuidade ou explicando uma idéia anteriormente citada.
EXEMPLO 1.
“O choque hipovolêmico é um dos principais fatores de risco presentes em pacientes
politraumatizados.
Nestes, a hipovolemia assume especial importância por acarretar alterações ...”
EXEMPLO 2.
“ ... resultando em um maior número de complicações pós-operatórias.
Deste modo, devido a importância do tema exposto...”
3) Um texto bem escrito apresenta fluência perfeita. A retirada de um parágrafo,
obrigatoriamente leva a perda de sentido ou de continuidade do trabalho como um todo.
Se um parágrafo puder ser retirado sem que esta quebra ocorra, ou esta faltando sua
conexão com o anterior, ou seu conteúdo é totalmente supérfluo e só contribuirá para a
quebra de raciocínio durante a leitura.

4) Prefira a confecção de parágrafos curtos com no máximo cinco linhas.


A leitura se tornará mais agradável, e dificilmente haverá desvio da idéia principal
do parágrafo.

5) Estruture as frases preferencialmente com a ordenação rotineira: sujeito predicado e


complemento.
No entanto, após algum treino, é possível enfatizar um elemento, mudando sua
posição na estrutura da frase.
Ex.
“As complicações são devidas a má técnica durante o ato operatório.”
“Durante o ato operatório a má técnica leva a complicações.”
“A má técnica pode levar às complicações do ato operatório.”
NOTE: A agressividade é patente na primeira frase, enquanto nas duas últimas a informação,
embora seja a mesma, foi amenizada.
Nem sempre a agressividade é bem aceita em textos científicos.

Tendo em mente estas regras, será bem mais fácil a construção e estruturação de
parágrafos, sendo possível agora iniciar o trabalho.

TEMPOS VERBAIS.
Estes tempos devem ser PREFERENCIALMENTE utilizados em cada capítulo
do trabalho.
Modo indicativo - 3ª pessoa
Resumo - presente (a - am)
Introdução - pretérito perfeito (ou - aram)
Método - pretérito imperfeito (ava - avam)
Resultados - pretérito perfeito
Discussão - presente ou pretérito perfeito
Conclusão - presente
42

IMPRESSÃO E ENCADERNAÇÃO DO TRABALHO.


Após realizar todas as correções e revisões necessárias, o trabalho deve ser impresso e
enviado à gráfica para encadernação em espiral com tamanho padronizado no capítulo de
formatação.
Tenha sempre margem de tempo para uma última revisão antes da entrega pois
geralmente os serviços gráficos atrasam.
Verifique se todas as páginas estão presentes em todas as cópias e se a ordem das
páginas não foi trocada.

ERRATAS
O excesso de erratas geralmente indica desatenção com o trabalho.
No caso de serem notados erros gráficos, de impressão, ou mesmo de conteúdo (que
deve ser evitado a todo custo), é permitido a apresentação de erratas até 24:00h úteis antes do
dia da defesa do TRABALHO CIENTÍFICO.
Para que a errata seja aceita, uma cópia da mesma deve ser encaminhada via protocolo
do CCBS à Coordenação do Estágio de Medicina até o prazo especificado.
É de responsabilidade do aluno, a entrega de uma cópia da errata diretamente a cada
examinador do trabalho até 24h úteis antes da defesa, sob pena desta não ser considerada.

Cópias da errata deverão ser anexadas a cada exemplar do TRABALHO


CIENTÍFICO, por seus autores, passando a ser parte integrante da obra.
43

MODELO DE ERRATA:

Título completo do trabalho

Nome completo dos autores

Ano de realização do trabalho

Pág. Linha Onde se lê: Leia-se:


2 16 ...intrestinal... ...intestinal...
8 2 KHER (1996) KHER (2006)
17 22 TABELA II - TABELA II -..
...

Na página 15, 3º parágrafo.

Onde se lê:
“ Também os mediadores extrínsecos da inflamação podem estar
envolvidos na apoptose celular. inflamação podem estar envolvidos na
apoptose celular.17,23

Leia-se:

“ Também os mediadores extrínsecos da inflamação podem estar


envolvidos na apoptose celular.17,23,28,37

Dia / mês / ano

CONSELHOS ÚTEIS

¾ Tenha pelo menos duas cópias de segurança do seu trabalho em pelo menos
2 mídias diferentes como CDs e pendrives.

¾ Nunca entregue seus originais de artigos, fotos, capítulos escritos, etc.,


para ninguém, nem mesmo para seu orientador. É preferível gastar um
pouco com xerox, que perder os originais.
44

CAPÍTULO 3 - COMO REDIGIR:


Para redigir o PROJETO DE PESQUISA que deverá ser enviado ao
NUPEM, vide no Capítulo “Apêndices” deste manual o “APÊNDICE A –
PROJETO DE PESQUISA”.
Para o projeto a ser enviado ao Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) vide
www.uepa.br/ccbs/nupem no item “Ética & leis”, baixe e leia o arquivo “CUIDADOS
NO PREENCHIMENTO” que contém um projeto com seus itens comentados,
do modo que os membros do CEP irão analisá-los. Após isto baixe os modelos
presentes na página, os preencha e envie para análise do Comitê.

O presente capítulo descreve objetivamente, como o aluno deve raciocinar e proceder


à fase de escritório (redação) de seu trabalho.
São oferecidos os modelos e formatações dos elementos pré-textuais, assim como o
raciocínio a ser seguido na redação dos elementos textuais e pós-textuais.

Elementos pré-textuais: sobrecapa, capa, folha de rosto, ficha catalográfica, epígrafe,


dedicatória, agradecimentos, resumo, abstract, índice.

Elementos textuais: introdução, método, resultados, discussão e conclusão.

Elementos pós-textuais: referências, normas adotadas, apêndices e anexos.

1- ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS:

SOBRECAPA
Sobrecapa é um elemento material opcional, geralmente utilizado em livros,
freqüentemente de papel plastificado, que serve para proteger a capa.
Nesta deve constar o título do mesmo (sem o subtítulo), o nome dos autores, a editora
(se houver) e o ano de publicação.

CAPA
Elemento obrigatório, que deve conter cabeçalho que apresenta e identifica a
instituição, centro, departamentos etc. na qual o trabalho foi realizado; o título do trabalho
(sem seu subtítulo); o nome do(s) autor(es); o local e o ano de publicação do trabalho
(APÊNDICE G).
Pode ser tipo capa dura ou quando encadernada em espiral, ter folha de plástico
transparente a precedendo, podendo conter uma figura relacionada ao trabalho como fundo.
45

FOLHA DE ROSTO
Esta deve conter os mesmos elementos e formatação da capa (cabeçalho, título, autor e
ano), acrescida do subtítulo do trabalho (se houver), e texto indicativo de onde será
apresentado, do grau que esta sendo obtido e o nome do professor orientador (APÊNDICE I).

Exemplos:
a) Para trabalhos de conclusão de graduandos de Medicina.

Trabalho de Conclusão de Curso


apresentado à Universidade do Estado do
Pará, como pré-requisito para a obtenção
do grau em Medicina, sob orientação do
Prof. Dr. Mário Augusto Paraense do
Brasil.

b) Para conclusão da disciplina de metodologia (na graduação).

Trabalho de Conclusão da Disciplina de


Metodologia Científica apresentado a
Universidade do Estado do Pará, como
pré-requisito para a obtenção do conceito
final, sob orientação do Prof. Dr. Mário
Augusto Paraense do Brasil.

c) Para conclusão da disciplina de metodologia (na pós-graduação).

Trabalho de Conclusão da Disciplina de


Metodologia Científica apresentado ao
III Curso de (Especialização ou
Mestrado ou Doutorado) da
Universidade do Estado do Pará, como
pré-requisito para a obtenção do conceito
final, sob orientação do Prof. Dr. Mário
Augusto Paraense do Brasil.

d) Para conclusão da Dissertação ou Tese da pós-graduação.

(Dissertação ou Tese) apresentada à


Universidade do Estado do Pará, como
pré-requisito para a obtenção do Título
de (Especialista, Mestre em Saúde na
Amazônia ou Doutor em Medicina) sob
orientação do Prof. Dr. Mário Augusto
Paraense do Brasil.
A folha de rosto não possui figura de fundo.
Deve-se frisar que a presença da capa não autoriza a eliminação da folha de rosto,
devendo esta sempre existir.
A folha de rosto é também chamada de FRONTISPÍCIO, por alguns autores.
46

FICHA CATALOGRÁFICA
Dá subsídios às Bibliotecas para localizar, catalogar e arquivar
os trabalhos ou livros.

É o local de referência catalográfica (APÊNDICE J).


Servirá como guia para o serviço de bibliotecas na identificação localização e
catalogação do trabalho.
Devido existir diversas normativas para a confecção da mesma, neste manual foi
adotada normativa de janeiro de 1999 da Biblioteca Acadêmica da Universidade Federal de
São Paulo, Escola Paulista de Medicina. (BIBLAC – [0 xx 11] 576-4562), órgão ligado a
Escola Paulista de Medicina e a Biblioteca Regional de Medicina da Organização Pan-
americana de Saúde (BIREME - OPAS).

EPÍGRAFE
É a introdução opcional de um pensamento no trabalho.
Deve vir isolada em uma única página, citada entre aspas e com o nome do autor
citado com todas as letras maiúsculas.
Deve vir acompanhado do nome de seu autor e data, se conhecida.

EXEMPLO:
“Feliz aquele que rejeita maus conselhos, segue o exemplo
da sabedoria. Este homem é como a árvore que cresce à
beira do riacho. Dá bons frutos no tempo certo e suas folhas
não murcham. E tudo o que este homem faz dá certo”.
Salmo 1 – 41.

DEDICATÓRIA
Capítulo opcional, geralmente dedicado a parentes ou entes queridos.
Evitar dedicatórias “quilométricas”.
Geralmente este capítulo ocupa a metade de uma página.

AGRADECIMENTOS
Capítulo opcional, no qual se deve agradecer a pessoas que realmente colaboraram na
realização do trabalho (professores, técnicos, colegas de turma, tradutores etc.).
Geralmente este capítulo ocupa duas ou três páginas.
O nome da pessoa a quem se agradece, sempre será citado com letras maiúsculas.
Deve sempre ser citado o título da pessoa a quem se agradece (prof., Dr., Acad. etc.),
abreviado segundo a NBR 6032 – ABNT, e em que a pessoa ajudou no trabalho.

Ex: À Profª. GISELLE GUIMARÃES ROSA, professora Adjunto II do Departamento


de Saúde Integrada do CCBS - UEPA, pela orientação e esclarecimentos durante a realização
deste trabalho.
47

Quando não houver abreviatura padronizada pela NBR 6032, cita-se sempre o título
ou cargo por extenso após a citação do nome.

À CLÁUDIA ESTÉFANO PALHETA, técnica de laboratório do Instituto Evandro


Chagas em Belém do Pará, pelo auxílio na colheita e análise dos gases arteriais dos animais
estudados.

RESUMO
Capítulo que irá servir de vitrine para o trabalho, pois é ele que vai aparecer em
revisões bibliográficas no computador.
Sua qualidade será decisiva para a solicitação, leitura e posteriormente, citação
de seu trabalho.

É sempre escrito em um só parágrafo, com no máximo 250 palavras, devendo conter


de forma clara, abrangente e resumida as principais informações dos seguintes capítulos do
trabalho:

1) Introdução (frase forte inicial) (no exemplo está sem negrito e sem itálico)
2) Objetivo (no exemplo está COM negrito e itálico)
3) Método (resumido) (no exemplo está sem negrito e sem itálico)
4) Resultados (somente os relevantes) (no exemplo está COM negrito e itálico)
5) Conclusão (no exemplo está sem negrito e sem itálico)

OBS: AS ÁREAS NEGRITADAS E EM ITÁLICO FORAM AQUI UTILIZADAS SOMENTE COM A


FINALIDADE DIDÁTICA, NO TRABALHO O NEGRITO E O ITÁLICO NÃO APARECEM.

MODELO DE RESUMO

O consumo de álcool e tabaco por estudantes de medicina preocupa a sociedade


moderna, podendo haver continuidade durante a profissão médica. Objetiva-se analisar os
fatores desencadeantes ao uso de tais substâncias entre estudantes de medicina em Belém
do Pará. O estudo foi realizado através de protocolos auto-aplicáveis em 400 acadêmicos da
UEPA e UFPA. Os dados obtidos foram analisados estatisticamente. Os resultados
encontrados quanto ao álcool foram: 79,8 % bebem e destes, 45% têm de 21 a 24 anos;
50,8% são homens; 26,6% cursam o primeiro ano; 36,1% consomem raramente; 41,6% o
fizeram por curiosidade; 37,7% continuaram por gostar do sabor; 52,6% aos finais de
semana; 39,5 % com renda maior que quinze salários mínimos. Outros desencadeantes
são: mãe falecida e/ou relação familiar ruim (100%); e desmotivação (85,7%). Quanto aos
do tabaco: 18,5 % fumam, e destes, 52,7% têm de 21 a 24 anos; 64,7% são homens; 33,8%
cursam o quarto ano; 59,5% consumiram uma vez na vida; 63% por curiosidade; 36,7%
quando bebem; 43,7 % com renda maior que quinze salários. Outros riscos são: pais
falecidos (50%); relacionamento ruim (66,7%); e desmotivação (28,6%). Assim, os fatores
desencadeantes ao uso de álcool são: primeiro ano da faculdade, curiosidade para o início do
consumo, gostar do sabor para continuidade, mãe falecida, relacionamento familiar ruim e
desmotivação ao ir à universidade. Enquanto, os do tabaco são: consumir álcool, quarto ano
da faculdade, curiosidade para início do consumo, relacionamento familiar ruim, e
desmotivação ao ir à universidade.
48

ABSTRACT
Este capítulo é uma versão do capítulo “Resumo”, para a língua inglesa.
Servirá, assim como o Resumo, de vitrine do trabalho para pesquisadores estrangeiros
que venham a ter acesso a este, quer diretamente, quer via computador.
Deve-se salientar que o abstract não é uma tradução “ao pé da letra” do resumo.
Mesmo porque algumas expressões utilizadas na língua portuguesa, dificilmente serão
compreendidas por estrangeiros se vertidas literalmente para o inglês.
Assim, geralmente o texto de um abstract bem feito nada tem a ver com o texto do
Resumo, embora o conteúdo deva ser obrigatoriamente o mesmo.
A versão deve ser feita PREFERENCIALMENTE por pessoa que domine não só a
língua inglesa falada e escrita, mas principalmente o INGLÊS TÉCNICO na ÁREA DE
SAÚDE.

ÍNDICE
Capítulo obrigatório que servirá para localização dos demais capítulos do trabalho
(APÊNDICE K).

TÍTULO
É a “manchete” que irá “vender” o trabalho.

O título de qualquer trabalho científico deve ser o mais claro, objetivo e conciso
possível, traduzindo exatamente o conteúdo do trabalho.
Deve dar a exata idéia do que se pretende mostrar, evitando supérfluos.
Deve ser evitado a utilização de “Método” no título, o que é muito comum.
Ex: “Alterações gasométricas no pH, pO2, pCO2, HCO3 e excesso de bases (BE)
arteriais em ratos adultos da raça Wistar anestesiados por uma hora com
vaporizador artesanal de éter de fluxo contínuo.”

Estão grifados todos os termos supérfluos que podem ser suprimidos sem que o
sentido do título seja alterado, ou seja aqueles que só “poluem o título”.
Estes termos fazem parte do método e serão explicados neste capítulo.
Em trabalhos experimentais a citação do animal utilizado é aceitável.
O título então seria:

“Alterações gasométricas em ratos anestesiados com vaporizador artesanal de éter”

• Título do trabalho deve ser sempre a última parte do trabalho a ser decidida.
• No entanto, durante a realização, deve-se utilizar um “título provisório” que será
revisto após o término do trabalho, podendo ou não ser modificado a critério do(s)
autor(es).
49

2- ELEMENTOS TEXTUAIS:
INTRODUÇÃO
Localiza o autor sobre conhecimentos atuais do tema a ser estudado.
Justifica o porque do trabalho estar sendo escrito.
Direciona o raciocínio do leitor para o objetivo do trabalho.

ESTRUTURA
Frase de impacto.
Conceituação e classificação se necessária.
Importância mundial, nacional e regional.
Desenvolvimento do tema 1.
Desenvolvimento do tema 2.
Interligação dos temas 1 e 2. (como se fosse um resumo de tudo)
Justificativa do trabalho.
Objetivo.

Ao escrever uma introdução, o autor deve ter em mente que a idéia principal deste
capítulo é conduzir o leitor de um problema geral ao objetivo do trabalho.

Problema geral

Objetivo

A introdução deverá ser composta de três partes distintas:


a) Frase inicial de impacto: Inicia a introdução, e serve para chamar a atenção do
leitor para o assunto que será estudado.

Exemplo:
“Os acidentes automobilísticos são cada vez mais responsáveis pela mortalidade
urbana em grandes cidades, sendo que nas estatísticas brasileiras, a cidade de Belém
do Pará ocupa relativamente o primeiro lugar em número de acidentes fatais18.”

b) Corpo da introdução: Situa o leitor no atual estado de conhecimento sobre o


assunto e se continua a frase forte inicial.
50

Exemplo:
“Entre grandes causas de mortalidade em centros urbanos, como doenças cardíacas,
neoplásicas, agressões físicas, e outras, sem dúvida, os acidentes de trânsito tem sua posição
de destaque.
Desde 1885 quando HENRY FORD12 criou o primeiro motor a gasolina para
automóveis de passeio, com isso aumentando a potência e a velocidade destes veículos,
iniciou-se uma série de publicações na literatura médica descrevendo mecanismos de morte
por atropelamento, e traumas a ocupantes deste meio de transporte.1,3,4,6,8
Estas publicações estenderam-se com o passar dos anos, chamando a atenção da
indústria automobilística para a importância de equipamentos de segurança em automóveis, já
no meado dos anos 50.2
Sugiram então vários dispositivos de segurança para automóveis, e dentre estes os
cintos de segurança.2
Em 1995, o governador de São Paulo, Dr. PAULO MALUF, baseado em lei Federal
de 199115, implanta lei Municipal na capital paulista, obrigando o uso do cinto de segurança
por todos os motoristas, não só em estradas federais, mas também dentro do perímetro urbano
de São Paulo.16
Tal atitude foi seguida por praticamente todos os estados, tornando-se lei Federal a
partir de 1997.18

c) Conclusão da introdução: Finaliza a introdução com a justificativa do trabalho e


direciona o leitor para o objetivo.

Belém do Pará, onde também vigora a referida lei, ainda aparece nas estatísticas do
Departamento Nacional de transito7 (DENATRAN), como a cidade colocada no primeiro
lugar em mortes no trânsito, podendo ser responsável por este triste recorde a não aceitação
do uso do cinto por parte dos motoristas, a passividade das autoridades responsáveis pela
fiscalização e punição da infração, o uso de álcool no trânsito e inúmeras outras causas.22

1) Não esqueça, a finalidade da introdução é ATUALIZAR (com novos conceitos e ou


informações, não repetir o que todos já sabem) o leitor no assunto e mostrar a
importância de se escrever o presente trabalho.

2) A Introdução não deve ser longa a fim de não se tornar cansativa e enfadonha (geralmente
tem de 2 a 3 páginas).

3) Seu conteúdo deve partir de uma idéia global sobre o problema a ser estudado, localizar o
leitor em atualidades sobre o assunto e concluir justificando a confecção e direcionando o
leitor para o objetivo do trabalho.

4) Este capítulo NÃO É uma REVISÃO DA LITERATURA, logo aqui somente serão
citadas informações realmente de relevância para a localização do leitor na atual situação
do tema. Se o autor quiser fazer uma revisão histórica sobre o assunto, deverá abrir um
capítulo de “REVISÃO DA LITERATURA”, que será localizado após a introdução.

5) Não tente informar na introdução o que é obvio e ou básico sobre o assunto. Por exemplo:
anatomia e vascularização do estômago em um trabalho a respeito de úlceras gástricas. O
Leitor que se interessou por seu trabalho já sabe o óbvio e o básico. O que ele quer saber
são as novidades sobre as úlceras.
51

6) A divisão em tópicos aqui mencionada (frase inicial de impacto, corpo da introdução,


conclusão da introdução), é puramente didática. No trabalho a introdução é um texto único
separado por parágrafos.

OBJETIVO
Mostra clara e objetivamente ao leitor, o que se pretende verificar com
o presente trabalho.

O objetivo do trabalho deve ser claro e traduzir a dúvida do autor, que será respondida
no trabalho.

EVITAR SER PROLIXO COMO NO EXEMPLO DE OBJETIVO ABAIXO:

“Problematizar hierarquicamente a participação qualitativa multifocal, a nível bio-


psiquico-social da adolescente grávida, enquanto ser priorizado na conjuntura do núcleo
organizacional familiar, vislumbrando a saúde coletiva”.

TRADUZINDO o que o autor quis pesquisar, seria:

“Verificar os fatores que contribuem para a desestruturação familiar da adolescente


grávida”.
Evite tentar escrever “bonito”. Seu leitor pode não ter capacidade para entendê-lo, ou
interpretá-lo incorretamente. SEJA CLARO.

Assim, simplificando, poderíamos ter o seguinte objetivo em um trabalho a respeito de


acidentes de transito em Belém:

“Estudar a aceitação do uso do cinto de segurança por motoristas em Belém do Pará, e


tentar identificar quais os motivos pelos quais esta cidade lidera no Brasil, as estatísticas de
mortalidade no trânsito”.

Observe que na realidade existem dois objetivos no presente exemplo:

1º Estudar a aceitação no uso do cinto de segurança

2º Identificar os motivos pelos quais esta cidade lidera no Brasil, as estatísticas de


mortalidade no trânsito.

Cada um destes dois objetivos (ou dúvidas a serem respondidas) pode gerar um
trabalho.
Ao tentar responder aos 2 objetivos em um só trabalho, este se tornará muito mais
extenso, complexo, irá gerar conclusões múltiplas (pelo menos duas. Uma para cada dúvida),
e ainda desperdiçará um assunto. O autor poderia, com o mesmo material pesquisado, ter dois
trabalhos para a publicação ao invés de um só.

Este equívoco geralmente ocorre devido ao pesquisador na fase inicial do trabalho,


elaborar uma ficha de avaliação que possui inúmeros dados.
52

Ao terminar a pesquisa de campo e preenchimento das fichas, surgem diversos e


interessantes resultados.
Nada mais natural de que no início da experiência em escrever trabalhos científicos,
queiramos “aproveitar” e “mostrar” todos os dados, que são “altamente interessantes”, em um
só trabalho.
Muito cuidado com este impulso. Seu trabalho ficará longo, enfadonho, confuso e
você pode estar desperdiçando futuros trabalhos que poderiam ser realizados com os dados
provindos das mesmas fichas já preenchidas.
O objetivo do trabalho deve servir de ponte entre o título e a conclusão do trabalho.
Assim por exemplo teríamos:

Título: Utilização do cinto de segurança na cidade de Belém do Pará.


Objetivo: Verificar se a aceitação do uso do cinto de segurança na cidade de Belém do Pará
corresponde ao pretendido pelo DENATRAN.
Conclusão: A aceitação do uso do cinto de segurança na cidade de Belém do Pará é inferior ao
pretendido pelo DENATRAN.

Note que cada tópico responde e se relaciona intimamente ao outro.


Observe que em nenhum momento foi falado na conclusão deste trabalho em aumento
de mortalidade devido ao não uso do cinto.
Este tópico (mortalidade pelo não uso do cinto) pode ser explorado na introdução e ou
na discussão, porém não na conclusão, pois este NÃO É O OBJETIVO do presente trabalho.
A mortalidade deverá ser explorada em um próximo artigo, cujo título seria
“Mortalidade devida a não utilização do cinto de segurança em Belém do Pará”.
A Conclusão obrigatoriamente tem que responder ao que se propõe o objetivo, nem
mais nem menos.
Deste modo ao acabar de escrever seu trabalho, verifique se esta havendo uma perfeita
correlação entre o título, o objetivo e a conclusão.

REVISÃO DE LITERATURA
Capítulo OPCIONAL, que localiza historicamente o tema, ressaltando os autores
importantes, ou marcos históricos na descoberta e evolução do assunto.
Deve seguir a ordem cronológica dos acontecimentos, sendo citados os autores com
letra minúscula, seguidos do ano da publicação ou do acontecimento entre parênteses e do
número da referência em sobrescrito.
Ex.: “A primeira gastrectomia bem sucedida deveu-se a Bilrroth (1881),7 seguindo-se
a ele ...”

IMPORTÂNCIA

Este capítulo assume importância nos trabalhos tipo “Dissertação” e nos do tipo
“Apresentação de caso”, quando a patologia descrita é muito pouco conhecida.
Nos demais tipos de trabalho, É PLENAMENTE DISPENSÁVEL, devendo a
localização histórica do tema, ser feita sucintamente durante a Introdução, onde SOMENTE
serão citados os trabalhos que REALMENTE MARCARAM a evolução do tema abordado.
53

MÉTODO
Mostra e caracteriza onde, em quem, quando, como e com o que foi realizado o
trabalho.

Capítulo fundamental do trabalho, pois será este capítulo que permitirá a outros
autores repetir a atual experiência do autor e chegar a resultados semelhantes.
Deve ser escrito com o máximo de esmero e clareza possível, sendo constituído de
duas partes distintas.

CASUÍSTICA OU AMOSTRA
ONDE e EM QUEM foi pesquisado o material
Procedimentos de aprovação do trabalho:
Caracterização do estudo:
Critérios de inclusão e exclusão:
Como se chegou ao número de casos estudados?
Descrição dos grupos e subgrupos:
PROCEDIMENTOS
CARACTERIZAÇÃO DO QUE FOI FEITO.
Como foram coletados os dados
O que foi analisado no material estudado:
Como foi feito (técnicas utilizadas):
Análise estatística:

CASUÍSTICA OU AMOSTRA:
É a caracterização do “material” de estudo.
CASUÍSTICA se os “dados” estudados foram seres humanos.
AMOSTRA se os “dados” estudados foram prontuários, peças operatórias de
pacientes ou animais de experimentação, equipamentos ou tipos de exames utilizados.
Ex: Se estiver estudando a incidência do câncer gástrico em pacientes do ambulatório
de cirurgia do Hospital X, tenho uma CASUÍSTICA, pois estou analisando o número de
SERES HUMANOS com câncer.
Porém, se estou estudando o percentual de gânglios acometidos em estômagos
provenientes de gastrectomias “R3” com carcinoma gástrico em fase inicial (I e II), tenho uma
AMOSTRA, pois estou analisando 20 peças operatórias (estômagos e não seres humanos
como um todo). Assim meu “n” total é 20, ou seja, o número de peças operatórias analisadas.
54

Como caracterizar a casuística ou amostra:

Procedimentos de aprovação do trabalho:

EM PESQUISA COM SERES HUMANOS


a) Quem autorizou a realização do trabalho. Ex: Todos os pacientes da presente
pesquisa foram estudados segundo os preceitos da Declaração de Helsinque e do
Código de Nuremberg, respeitadas as Normas de Pesquisa Envolvendo Seres
Humanos (Res. CNS 196/96) do Conselho Nacional de Saúde após aprovação de
anteprojeto pelo Núcleo de pesquisa, extensão e pós-graduação em medicina
(APÊNDICE _) e Comitê de Ética em Pesquisa da UEPA (APÊNDICE _),
autorizado pelo Diretor Clínico do Hospital XXX (APÊNDICE _ ) e pelos
pacientes ou responsáveis dos pacientes estudados, por meio de termo de
consentimento livre e esclarecido (APÊNDICE _).

A quem o mesmo foi apresentado como anteprojeto


De quem recebeu autorizações:
Núcleo de Pesquisa da Universidade?
Diretoria clínica do Hospital ou Centro de Saúde?
Comissão de ética médica?
Comissão de pesquisa experimental?

EM PESQUISA ANIMAL
“Todos os animais da presente pesquisa foram cuidados segundo as normas do Colégio
Brasileiro de Experimentação Animal (COBEA) e legislação nacional para vivissecção
animal em vigor (Lei federal 11.794/2008 que revogou a lei 6.638 de 08 de maio de 1979),
tendo sido o anteprojeto da pesquisa aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa animal, do
Hospital Santa Madalena”.

b) Citar e caracterizar sucintamente o Hospital, Posto de Saúde ou Instituição na


qual foram colhidos os dados. Ex: Unidade de Referência Especializada do Bairro
X (UBSX), unidade de referência em DST em Belém.
“Hospital Santa Madalena, centro de referência para pacientes portadores de
pneumopatias específicas, que recebe pacientes de mais 54 municípios dos
arredores de São João dos Montes - Pará”.

Caracterização do estudo:
a) Informar se a coleta de dados foi do tipo cego, duplo cego, transversal, longitudinal,
de coorte, retrospectivo, prospectivo, multicêntrico com leitura de peças, lâminas
ou quaisquer outros parâmetros do estudo, por um, dois ou mais leitores
independentes, randômico ou aleatório (explicando o procedimento utilizado).
(Apêncide F)

Critérios de inclusão e exclusão:


a) Exemplo: “Foi padronizada a inclusão de pacientes de ambos os sexos, na faixa
etária compreendida entre 20 e 45 anos, com sintomas característicos de
pneumopatia específica e ou imunodeficiência, sem tratamento
específico e ou antirretroviral prévio, e que necessitaram internação no
55

período compreendido entre 2006 e 2009. Foram excluídos pacientes


cardiopatas, diabéticos e/ou portadores de neoplasias”.

Como se chegou ao número de casos estudados:

“No banco de informações do centro de processamento de dados (CPD) do Serviço de


Arquivo Médico e Estatística (SAME) do Hospital Santa Madalena, foi pesquisado quais os
pacientes atendidos no período de janeiro 2006 a dezembro 2009, eram portadores de
tuberculose ativa, sendo identificado o número de 2.567 prontuários, por intermédio de seu
Código Internacional de Doenças.
Dentre os prontuários catalogados, somente 1.843 foram localizados no arquivo morto
do Hospital, sendo revisados e analisados quanto ao correto preenchimento dos dados de
identificação, das fichas de protocolo do Serviço, exames complementares e esquema de
tratamento utilizado.
Destes, foram excluídos 487, por não preencherem os requisitos da pesquisa, restando
1356 prontuários que constituíram a presente amostra”.

Grupos e subgrupos:
“Os 1356 prontuários que constituíram a amostra do estudo foram distribuídos
segundo ao ano de admissão, em 03 grupos de estudo e cada grupo dividido em dois
subgrupos de acordo com o semestre da admissão do paciente no hospital, primeiro ou
segundo.

Obs: Introduzir no trabalho um organograma dos grupos e subgrupos com seus


respectivos “n”, facilita o entendimento do leitor sobre o que é, e como foi distribuída a
amostra ou casuística.

PROCEDIMENTOS:

O que foi analisado no material estudado:


Dados referentes à idade, sexo, raça, faixa etária, peso, procedência, tempo de
sintomatologia, presença de contactantes, sintomas e sinais sugestivos de
imunodeficiência, exames de laboratório e imagens, tratamentos prévios e ministrados
durante a internação, foram coletados em protocolo próprio (APÊNDICE _ ), e
cruzados entre si.
56

Como foi feito (técnicas utilizadas):


Descrição de métodos de laboratório e aparelhagem utilizada em detalhes,
especificando o modelo da aparelhagem, referência dos kits de reagentes, tipo de
filmes, calibre de agulhas etc.
Estudo histológico: descrever modo de fixação, espessura dos cortes, tipos de
coloração, especificação do microscópico em que foram lidas as lâminas, quantos
examinadores leram as lâminas, como foi feita a identificação das lâminas a fim de
ocultar dos examinadores, seu grupo de origem, etc.

Análise estatística:
Citar os testes aplicados, o nível de rejeição da hipótese de nulidade, etc.:

Para trabalhos com estatística comparativa

“O estudo estatístico dos resultados obtidos foi realizado (no Departamento de


Bioestatística da UEPA... ou; pela Dra. Sylvia de Fátima Belém, estaticista do SAME
do Hospital Santa Madalena..., etc.).
De acordo com a natureza das variáveis, foi aplicada análise estatística
comparativa, e utilizados os testes (não paramétricos ou paramétricos) de XXXXXXX
e YYYYY (autores dos testes).
Em todos os testes, foi fixado em 0,05 ou 5% (α ≤ 5%), o ÍNDICE de rejeição
da hipótese de nulidade sendo assinalados com um asterisco (*), os valores
significantes”.

Para trabalhos com estatística descritiva

“O estudo estatístico dos resultados obtidos foi realizado (no Departamento de


Bioestatística da UEPA) ou (pela Dr.ª Sylvia de Fátima Lisboa, estaticista do SAME
do Hospital Santa Madalena..., etc.).
De acordo com a natureza das variáveis, foi aplicada análise estatística
descritiva, sendo informados os valores percentuais dos dados analisados”.

Não há necessidade da descrição do estudo estatístico em pormenores, embora


seja aconselhável que o candidato tenha noção da indicação dos testes aplicados em
seu trabalho.

MÉTODO NAS “APRESENTAÇÕES DE CASO CLÍNICO”

Nos trabalhos de “Apresentação de caso clínico” o capítulo de “Método” terá a


seguinte constituição:

Descreve-se a origem do(s) caso(s): Instituição onde foi atendido, onde foram
realizados os exames complementares, exames e ou aparelhagens especiais utilizadas
no caso, modo como foram obtidos os dados (entrevista, revisão do prontuário etc.)

Nas “Monografias”:
Período estudado, bancos de dados pesquisados, línguas pesquisadas, números de
periódicos, livros, sites etc., pesquisados, número de artigos pesquisados (lidos), e número de
artigos referidos (aproveitados).
57
58

RELATO DO CASO

Capítulo fundamental no trabalho, de apresentação de caso clínico.


É composto pela:
a) Identificação
Iniciais, idade, sexo, raça, ocupação, procedência, religião ...
b) Queixa principal
c) História da doença atual
d) Antecedentes mórbidos pessoais
e) Antecedentes familiares
f) Hábitos de vida e condições de moradia
g) Exame físico geral e especial *
h) Avaliação psicológica *
i) Exames complementares *
j) Diagnóstico diferencial
k) Diagnóstico definitivo
l) Terapêutica instituída
m) Evolução
n) Tempo de acompanhamento
* Nos tópicos “g” “h” e “i”, citar somente os dados positivos e/ou negativos relevantes na
apresentação do caso.
Os demais exames devem ser somente citados, por exemplo:
“... realizou ainda oito hemogramas, três gasometrias arteriais, um ultra-som abdominal, e
uma ressonância magnética durante o período de investigação, estando todos compatíveis com
a normalidade.”

RESULTADOS
Mostra os valores encontrados (em tabelas e ou quadros), sua análise estatística e
gráficos (quando necessários).
Comentários neste capítulo, somente se estritamente necessário.

Capítulo exclusivamente informativo, no qual o elemento principal são as


TABELAS e sua ANÁLISE ESTATÍSTICA (mesmo que sem resultado significante).
Cada tabela poderá vir acompanhada de um gráfico, para ilustrá-la.
Excepcionalmente, um (01) parágrafo explicativo com no máximo cinco linhas,
poderá ser escrito após uma tabela de conteúdo mais complexo, a fim de enfatizar um achado
desta.
Neste capítulo não é permitida a utilização de “texto corrido” para descrever
resultados. Exceção feita àqueles resultados que o autor pesquisou, porém não se mostraram
relevantes ao trabalho sendo por isto dispensada a confecção de tabelas que somente
tornariam o capítulo enfadonho e cansativo, sem que estas trouxessem nenhuma contribuição.
Exemplo de parágrafo aceito:
“Foram pesquisados no trabalho a taxa de mortalidade global, sua correlação com o
sexo e a idade dos pacientes, sem que nenhum achado significante fosse encontrado.”
59

Assim, este parágrafo “economiza” a confecção de 3 tabelas. (1ª- mortalidade global,


2ª- mortalidade x sexo e 3ª- mortalidade x idade), que em nada acrescentariam o conteúdo do
trabalho.
Dados que não estejam relacionados diretamente ao objetivo do trabalho, mas que o
autor acredite que vale a pena citá-los, deverão ser inclusos no capítulo de “Apêndices” ou
“Anexos” conforme o caso.

TÍTULO DAS TABELAS


O título das tabelas tem que ser AUTO SUFICIENTE, ou seja, o leitor não deve
precisar se dirigir a nenhuma outra parte do trabalho, para entender o que está escrito no
título.
Logo não pode conter siglas ou abreviaturas, mesmo que já utilizadas no trabalho, a
menos que no rodapé da tabela novamente seja explicado o significado das mesmas.
Na redação do título, sempre começamos com o conteúdo da primeira coluna da
tabela, que deverá conter a informação O QUE esta sendo mostrado. A seguir dizemos EM
QUEM a ação esta incidindo, a seguir onde (local) em que se verificou tais achados e por fim
QUANDO os mesmos foram observados.
Exemplo:

TABELA I – Incidência por anos, do número de pacientes portadores de


dengue, nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste do Brasil entre
2003 e 2008.

ANO / REGIÃO NORTE* % NORDESTE* % SUDESTE %


2003* 45 0,47 34 0,39 96 1,92
2004* 876 9,24 786 9,08 107 2,14
2005 2456 2890 105
25,91 33,40 2,10
2006 3421 2678 245
36,09 30,95 4,90
2007 2003 21,13 1809 20,91 1398 27,98
2008* 678 456 3045
7,15 5,27 60,95
TOTAL 9479 100 8653 100 4996 100
FONTE: Protocolo de pesquisa.
P ≤ 0,05 (Qui-quadrado)

Observe que PARA PODERMOS AFIRMAR que as regiões Norte e Nordeste


apresentaram MAIOR incidência foi aplicado o teste estatístico entre as COLUNAS na
tabela.
Para afirmarmos que os anos de 2003, 2004, e 2008 foram os com maior incidência, o
teste teve que também ser aplicado entre as LINHAS da tabela.

A confecção de tabelas e gráficos é explicada no capítulo de formatação.


60

DISCUSSÃO

Justifica o método.
Explica o “porque” dos resultados encontrados

ESTRUTURA
- Frase de impacto (similar)
- Justifica o trabalho
- Justifica a amostra, procedimentos e resultados.
- Outros autores, seus resultados, análise.
- Visão geral do problema (resumido)
- Sugestões novos trabalhos e ou soluções

É o principal capítulo do trabalho.


Nele o autor justifica e discute seus procedimentos e achados exposto no capítulo de
“resultados”.
Vale frisar que no capítulo de “introdução” o autor expõe o assunto de seu trabalho,
citando sempre informações e opiniões de outras fontes, e não as suas próprias.
No capítulo de “método” e no de “resultados”, não podem haver comentários nem
justificativas para os procedimentos e achados descritos. Nestes os dados são simplesmente
expostos sem nenhuma opinião sobre os mesmos.
Já na discussão, o autor tem total liberdade para, de forma concisa, explicar, justificar,
e até mesmo sugerir condutas e ou novas pesquisas na área estudada.
Obviamente, a responsabilidade sobre as opiniões emitidas recairá unicamente sobre o
autor. Se bem colocadas e embasadas, trarão crédito, porém se não fundamentadas ou
equivocadas, demérito ao autor.

Além de ser o principal capítulo de um trabalho, é também o mais difícil de ser


escrito.
“Há uma tendência natural em se repetir os dados citados no capítulo de resultados”.

Por exemplo:

Ao estudar-se a cor de pássaros em uma floresta, têm-se como resultados:

TABELA 1 - Cor de pássaros encontrados na floresta X em 2009.


COR DOS PÁSSAROS NÚMERO DE PÁSSAROS %
OBSERVADOS
Verde 158 48,88
Marrom 146 41,47
Vermelho 48* 13,63
TOTAL 352 100
FONTE: Fichas de avaliação do trabalho.
P ≤ 0,05 (KOLMOGOROV – SMIRNOV)
61

Ao se redigir a discussão a tendência natural seria:

“Na floresta X, foram encontrados 158 pássaros verdes (48.88%), 146 marrons
(41,47%) e 48 vermelhos (13,63%).
O número de pássaros verdes e marrons se equivale, porém são mais numerosos que
os vermelhos, o que também foi observado pela primeira vez por Fulano (2008).12
Em 2007 e 2008, Ciclano5 e Beltrano3 respectivamente, também observaram tal fato.
Deste modo conclui-se que os pássaros verdes e marrons são mais numerosos que os
vermelhos.”

Observe que de modo simplista os dados do capítulo resultados foram repetidos, e


comparados aos da literatura. Isto na realidade não é discutir um assunto.
Para que se realize uma boa discussão devemos cumprir 5 fases de raciocínio.
a) Interpretação individual dos dados:
Analise cada dado pesquisado individualmente, e os compare com achados da
literatura.

b) Interpretação conjunta dos dados:


Raciocine globalmente com todos os dados observados, e procure verificar se não há
nenhum dado discordante dos demais; que tenha sido totalmente inesperado ou que vá
contra a média dos achados observados na literatura.

c) Assimilação e compreensão dos resultados:


Questione-se sobre seus resultados, quais os motivos pelos quais eles podem ter
ocorrido, será que não houve fatores externos que os influenciaram? Compreenda
todos seus dados. Peça ajuda de outras pessoas mais experientes na área, para esta
análise.

d) Confronto dos achados com a literatura:


Verifique o que outros autores já pesquisaram sobre o assunto, verifique se concordam
ou discordam de seus achados. Se discordam, quais os motivos pelos quais existe esta
discordância?

e) Formulação de explicações e/ou hipóteses para os achados:


Procure achar os motivos pelos quais você obteve seus resultados.
Sugira o porque destes serem diferentes daqueles citados pela maioria dos autores.
Tente achar as razões pelas quais os fatos ocorreram.
Elabore e sugira sugestões para próximas pesquisas.

Assim, após cumprir todos estes passos, tente explicar oralmente a uma pessoa
que não conheça seus dados, “o que”, “porque” e “como” você pesquisou
(Justificativa do método), e “o que” e “porque” você encontrou (Justificativa dos
resultados).

A boa discussão deve ter uma introdução (que pode ser “colada” da frase de
impacto do capítulo “Introdução”), um corpo, (discussão propriamente dita) e uma
conclusão (na qual são sugeridos os caminhos para novas pesquisas ou melhorias dos
resultados observados).
62

Para a redação da discussão siga a seguinte estrutura:


a) Descreva prioritariamente os seus resultados
b) Explique o porquê de eles terem ocorrido.
c) Quais autores concordam com você?
d) Quais discordam de você; porque discordam ou não encontraram
resultados semelhantes ao seu? O que fizeram diferente de você?
e) Em resumo: discutir, explicar e/ou justificar OS SEUS RESULTADOS é
mais importante que tentar mostras o que os outros autores fizeram ou
encontraram. Valorize seus dados.

Todos seus parágrafos devem ser interligados pelas idéias que transmitem,
logo em uma boa discussão, se um parágrafo for omitido, ou mesmo trocado de sua
ordem original, todo o texto ficará sem sentido.
Se você conseguir retirar um parágrafo e o sentido geral do texto não for
perdido, ou o parágrafo possui informações supérfluas, ou está mau escrito.

No caso dos pássaros a discussão poderia ficar assim:

“A floresta X possui a maior diversidade de aves de nosso planeta.


Porém, desde 2008 Fulano,12 já havia descrito uma predominância de pássaros
verdes e marrons sobre os vermelhos, com tendência a diminuição da população destes
últimos.
Tal fato foi também descrito por autores como Ciclano (2007)5 e Beltrano
(2008) 3, e reafirmado nos resultados observados no presente estudo.
Ciclano (2007)5 sugeriu que a predominância de pássaros de coloração
vermelha fosse menor que as demais cores devido apresentarem um menor número de
ovos em cada ciclo de postura.
Porém foi contestado por Beltrano (2008)3, devido a apresentarem um ciclo
anual de postura a mais que os verdes e marrons, o que levaria a uma média anual de
filhotes semelhante entre todas as aves observadas.
Em concordância com Beltrano (2008)3, o presente trabalho também
identificou média anual de filhotes similar entre os grupos estudados.
No entanto, foi observada uma maior incidência de ataques bem sucedidos por
parte dos predadores aos pássaros vermelhos. Talvez pela sua maior dificuldade de
camuflagem na floresta ou até mesmo por sua menor agilidade, estes possam estar
mais vulneráveis a predadores e daí sua menor proporção dentre a fauna estudada.
Quaisquer que sejam as causas da diminuição progressiva dos pássaros
vermelhos, todos os esforços devem ser utilizados para estas sejam identificadas a
tempo de se evitar um desastroso final, com a extinção de mais uma espécie em nosso
planeta.”

Note que em momento algum desta versão da discussão foram citados números
(devem permanecer no capítulo de resultados).
A retirada de um parágrafo implica na perda ou prejuízo do entendimento do
contexto, que deve ser contado como uma história, tendo uma seqüência lógica e com
idéias interligadas.
Este é sem dúvida o capítulo mais difícil de ser escrito, porém a persistência e
a prática levarão resultados cada vez melhores.
63

CONCLUSÃO
Responde diretamente ao objetivo.
É restrita aos principais resultados encontrados.

É o capítulo que fecha o trabalho.


Uma conclusão bem elaborada demonstra a capacidade de coerência do autor.
Ela deve ser sucinta, objetiva, concisa e baseada no título e principalmente, responder
diretamente ao OBJETIVO do trabalho.
Não deve extrapolar a idéia proposta no objetivo como no exemplo:

Título: “Correlação dos achados colonoscópicos com a síndrome diarreica.”


Objetivo: “Estudar o papel da colonoscopia no esclarecimento diagnóstico de pacientes
portadores de diarréia crônica.”
Conclusão: “Através dos dados obtidos em nossa casuística, podemos afirmar que a diarréia
crônica é uma patologia de alta prevalência em nossa região.
Esta pode ser causada por associação de fatores, como verminoses,
toxiinfecções alimentares e outras.
A associação mais observada foi a de colite difusa inespecífica e a parasitose
intestinal.
Por fim concluímos que somente a sintomatologia diarreica, não foi
específica para as diferentes patologias, sendo impraticável definir um diagnóstico
definitivo, tendo por base, apenas as características do quadro diarreico, sendo
imprescindível o papel da colonoscopia no diagnóstico preciso desta entidade
clínica.”

Observe que o autor ao tentar “explicar” todos seus resultados na discussão, fugiu
completamente a seu objetivo e tema, tornando-se prolixo e introduzindo elementos que
deveriam ser melhor trabalhados no capítulo de “Discussão” (1º, 2º e 3º parágrafos).

Sua conclusão deveria então ser:

“A colonoscopia tem fator decisivo no diagnóstico das diarréias crônicas devido a


falta de correlação entre a característica clínica dos quadros diarréicos observados e o
diagnóstico etiológico das mesmas”.

3- ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS:

REFERÊNCIAS
É o capítulo no qual o autor documenta suas afirmações, e dá ao leitor subsídios para
localizar as informações citadas em seu trabalho.
Existem várias normatizações para se referenciar um texto como as da Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), a da International Standard Organization (ISO), mais
direcionadas a livros e teses; Manuais de Universidades como o da Universidade Federal de
São Paulo – Escola Paulista de Medicina e o da Universidade Federal Fluminense que teve
64

apoio da ABNT e do CNPq e de instituições como os da Biblioteca Regional de Medicina da


Organização Panamericana de Saúde (BIREME / OPAS) em São Paulo.
As referências podem se apresentar das seguintes formas:
• Citação: informação extraído de uma fonte
• Citação de citação (Apud) :citação de um texto sem ter acesso ao original.
• Citação direta: transcrição textual
• Citação indireta: texto baseado no autor

a) “ESTILO de VANCOUVER” - Comitê Internacional de Editores


de Revistas Médicas (ICMJE)
Referências segundo o “Estilo de Vancouver”, (Uniform requeriments for manuscripts
submitted to biomedical journals from International Committee of Medical Journal Editors).
(http://www.icmje.org/), sistema progressivamente adotado por revistas médicas em todo o
mundo, que apresenta como principal vantagem, sua revisão e atualização periódica (última
em outubro de 2008), segundo as necessidades de editores e do sistema eletrônico de arquivo
em bibliotecas internacionais.

No “Estilo de Vancouver”, as citações são organizadas por ORDEM DE CITAÇÃO


NO TEXTO, e em seguida numeradas.

a) Autores serão localizados pela escala numérica, no capítulo de “Referências”.

b) Somente os números aparecem no texto, identificando cada citação.


“...até a presente década. 7,8 Deste modo... ”

c) Não há quebra de raciocínio durante a leitura do texto, mesmo na presença de


grande número de citações.
“...até a presente década, 7,8,10,15,18,26,28,30,31 deste modo... ”

d) Possibilidade da citação do autor no texto, também por seu sobrenome.


“...segundo Martins (2004). 7 Deste modo... ”

COMO REFERENCIAR CADA OBRA


a.1) NO TEXTO
1) O número da referência sempre aparece em sobrescrito, após os parênteses, com o ano da
citação, quando se referir a um autor (exemplo no item “d” acima), ou após o ponto final
quando for referente a todo o conteúdo do parágrafo (exemplo no item “b” acima), ou após
a vírgula (exemplo no item “c” acima).

2) Na “INTRODUÇÃO” e “REVISÃO DA LITERATURA”, cada parágrafo deve


obrigatoriamente terminar por pelo menos um número de referência, significando que todo
o conteúdo deste parágrafo é devido a(s) referência(s) citada(s). Exceção feita a
justificativa do trabalho, que fecha o capítulo de Introdução.

3) No capítulo de “DISCUSSÃO” podem haver parágrafos sem referências, caso as


informações discutidas pertençam UNICAMENTE aos resultados do trabalho.
65

4) Em parágrafos apresentando dois conteúdos, deve ser citado o PRIMEIRO


CONTEÚDO,12 e o SEGUNDO CONTEÚDO.17 Assim, o conteúdo do início do parágrafo
até a referência “12” pertence ao primeiro autor e o conteúdo da segunda parte ao autor
“17”.

5) Todos os parágrafos devem conter pelo menos uma referência, mesmo que repita a do
parágrafo imediatamente anterior.
“... encontrado na década de sessenta.12
Assim, na década seguinte novas pesquisas foram conduzidas pelo mesmo grupo de
pesquisadores.12”

6) Quando no texto aparecer o sobrenome dos autores referenciados, estes serão escritos com
a primeira letra em maiúscula e as demais em minúsculas.
“... segundo Silva (2008)4 houve...”

7) Para citar no texto uma referência que possui dois autores, é utilizado o SOBRENOME
dos autores separados por um “e”; o ano entre parênteses e o número da referência em
sobrescrito.
“... segundo Silva Jr. e Costa (2005)18 foram ...”

8) Para citar no texto uma referência que possui mais de dois autores, em sua primeira
citação, é utilizado o SOBRENOME de TODOS os autores separados por vírgulas e do
último por um “e”, o ano entre parênteses e o número da referência em sobrescrito,

Com 3 ou mais autores


“... como descrito por Chan, Oliveira, Riker e Silva (2007)5, na sua evolução
natural...”

Na segunda e nas demais citações do mesmo trabalho, poderá ser utilizada a


expressão “e col” (e colaboradores) para artigos em português e “et al” para
artigos estrangeiros.

“... também por Souza e col (2007)5...”


“... também por Chan et al (2006)6...”

a.2) NO CAPÍTULO DE REFERÊNCIAS


Seguir a ordem abaixo:
1) Sobrenome do autor (primeira letra maiúscula e as demais minúsculas).
2) Espaço
3) Iniciais dos prenomes do autor, sem espaço entre elas.
4) Vírgula
5) Espaço
6) Sobrenome do segundo autor
7) Após o último autor, escreve-se um ponto final.
8) Espaço
9) Título do artigo (somente a primeira letra é maiúscula e as demais são minúsculas).
10) Dois pontos e Subtítulo em minúsculo (se houver)
11) Ponto
12) Espaço
66

13) Nome da revista sem itálico (abreviado segundo o Index Medicus -


http://www.nlm.nih.gov/tsd/serials/lji.html, ou disponível na página do NUPEM no site da
UEPA - http://www.uepa.br/ccbs/nupem)
14) Espaço
15) Ano da publicação
16) Ponto e vírgula
17) Espaço
18) Volume da revista
19) Fascículo da revista entre parênteses
20) Dois pontos
21) Página inicial
22) Hífen
23) Página final [omitindo-se as dezenas, centenas e milhares repetidos. Assim será resumida
de 1794-1799 (errado) para 1794-9 (correto)].

Resumindo:

Autor(es) do artigo. Título do artigo. Título do periódico abreviado. Data de publicação;


volume(fascículo): página inicial-final do artigo.

a.3) OBSERVAÇÕES ESPECIAIS


™ As referências são numeradas, de acordo com sua ordem de citação no texto. O número
da referência inicia o parágrafo, seguido de um espaço, um hífen, outro espaço e o
sobrenome do autor.

™ A segunda linha da referência inicia-se abaixo da 1ª letra do sobrenome do primeiro


autor. Ou seja, sem nenhum recuo.

™ O texto deve ser “justificado”.

™ Quando a obra tiver mais de um autor, estes serão separados por vírgula, segundo
esquema: Sobrenome do 1º autor – espaço - primeira letra dos nomes – vírgula – espaço –
Sobrenome do 2º autor – espaço – primeira letra dos nomes – vírgula – espaço – idem para
os demais autores – ponto – título do trabalho...
Ex:
6- Chiu CJ, Mcardle AH, Brown R, Scott HJ, Gurd FN. Intestinal mucosal lesion in low-flow
states. Arch. Surg. 2007; 101(6):468-83.

™ A critério dos autores, para revistas em que são citados o mês e o fascículo da publicação
(estaria entre parêntesis), estes podem ser omitidos no capítulo de referências.

™ Referências com MAIS DE SEIS AUTORES, se na língua portuguesa omite-se do 7º


autor em diante e acrescenta-se a expressão “e col”. Se na língua estrangeira “et al”.

30 - Saa ES, Larrain ER, Ross M, Raddatz AE, Reyes J, Diaz A, et al. Gun abdominal wound:
surgical treatment. Rev. Chil. Cir. 2001;42(2):321-4.
67

a.4) EXEMPLOS DE CITAÇÕES DE:

A) Artigos de periódicos:
1) Com 1 autor:
Autor(es) do artigo. Título do artigo. Título do periódico abreviado. Data de publicação;
volume(fascículo):página inicial-final do artigo.

7 - Ellis H. The aethiology of post-operative abdominal adhesions: an experimental study. Br.


J. Surg. 2002; 50(2):10-6.

2) Com mais de seis autores:


Seis primeiros autores do artigo, colocar a expressão “e col” ou “et al”. Título do artigo.
Título do periódico abreviado. Data de publicação; volume(fascículo):página inicial-final do
artigo.

30 - Saa ES, Larrain ER, Ross M, Raddatz AE, Reyes J, Diaz A, et al. Gun abdominal wound:
surgical treatment. Rev. Chil. Cir. 2006; 42(2):321-4.

3) Organização como autor:


Organização(ões). Título do artigo. Título do periódico abreviado. Ano de publicação;
volume(fascículo):página inicial-final do artigo.

32 – Organização Mundial de Saúde. Critérios de avaliação de saúde populacional. J. Bras.


Med. 2004; 123(4):120-6.

4) Sem autor citado:


Título do artigo. Título do periódico abreviado. Ano de publicação; volume(fascículo):página
inicial-final do artigo.

35 – Câncer na África do Sul [editorial]. J. Bras. Oncol. 2005; 32(1):3.

5) Volume com suplemento:


Autor(es) do artigo. Título do artigo. Título do periódico abreviado. Ano de publicação;
volume seguido do número do suplemento:página inicial-final do artigo.

4 – Brito NMB, Brazão RV, Silva TB, Bastos AAC, Dias CS, Silva PRF. Análise qualitativa
da flora vaginal gram negativa de ratas ooforectomizadas. Rev. Para. Med. 2000;
13(supl.1):12-7.
68

B) Livros

Autor(es). Título do livro. Edição. Cidade de publicação: Editora; Ano de publicação.

10 - Guyton AC. Tratado de fisiologia médica. 8ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan;
2006.

C) Capítulos de livro

Autor(es) do capítulo. Título do capítulo. “In”: nome(s) do(s) autor(es) ou editor(es). Título
do livro. Edição. Cidade de publicação: Editora; Ano de publicação. página inicial-final do
capítulo.

4 - Bevilacqua RG, Modolin MLA, Almeida CG, Chapchap P. Cicatrização. In: Goldenberg
S, Bevilacqua RG. Manual de cirurgia. 2ª ed. São Paulo: E.P.U./Springer; 2007. p.99-116.

D) Trabalhos em Congressos (anais)

Autor(es) do trabalho. Título do trabalho apresentado. “In”: Título do evento, edição em


arábico; data do evento; local do evento. Anais. Editora, Ano de publicação. Página inicial-
final do trabalho.

1- Brito MVH, Brito NMB, Almeida AJB, Santos MRLC. Vaporizador artesanal de éter para
cirurgia experimental em pequenos roedores. In: Congresso Brasileiro de Cirurgia, 21;
1995 setembro; São Paulo (SP). Anais. Felac, 1995. p. 159 [Resumo, 003].

E) Dissertações e Teses

Autor. Título do trabalho [tipo do documento]. Cidade de publicação: Editora; Ano de defesa
do trabalho.

2 - Brito MVH. Efeito da correção volêmica, com diferentes tipos de solução, na mucosa do
intestino delgado em ratos [Tese – Doutorado]. São Paulo (SP): Universidade Federal de
São Paulo - Escola Paulista de Medicina; 1999.

F) Artigos no prelo (trabalho aceito, aguardando publicação)

Autor(es) do artigo. Título do artigo. Título do periódico abreviado. Indicar no prelo e o ano
provável de publicação após aceite.

5 - Tian D, Araki H, Stahl E, Bergelson J, Kreitman M. Signature of balancing selection in


Arabidopsis. Proc. Natl. Acad. Sci. USA. No prelo 2002.
69

G) Citação de citação (APUD)


25 - Pavlov ID. Lectures on the work of the digestive glands. 1th. ed. London, Charles Griffin
and Company; 1998. Apud Thompson JC. Estômago e duodeno. p.848-89. In Sabiston Jr.
DC. Tratado de cirurgia. 1ª.ed. Rio de Janeiro (RJ): Interamericana; 1999.

NOTA: Neste exemplo, o livro de PAVLOV foi citado por THOMPSOM no capítulo
“Estômago e duodeno” do livro do prof. SABISTON.

OBS: Este tipo de citação deve ser evitado a todo custo, visto não ser infreqüente a
adulteração de informações de uma fonte para outra ou até mesmo pela tradução
equivocada de algum termo ou idéia. Deste modo deve-se tentar de todas as maneiras
para que seja obtida a obra original que está sendo citada.

H) Citação eletrônica
Tópicos necessários à citação:
a) Responsabilidade primária (obrigatório)
Autor pessoal, institucional ou anônimo.
b) Título (obrigatório)
Pode ser traduzido e adicionado entre colchetes após a citação do título
original.
Se abreviado, será seguido de “...”, no local da quebra.
Quando não identificado o título do documento, suas primeiras palavras serão
citadas como sendo seu título, seguido de “...”, no local da quebra
c) Meio de publicação (obrigatório)
On line, CD-ROM, DVD, Fita magnética, Disco 51/4, Disco 31/2 e correio
eletrônico.
Pode ser também citado o tipo de documento: “Base de dados on line”,
“Monografia em CD-ROM”, “Programa de computador em disco31/2”,
“Informação por correio eletrônico, etc.”
d) Responsabilidade secundária
e) Edição (obrigatório)
Devem ser citadas a edição, versão, nível, etc, como: 5a ed.; Versão para IBM-
PC; MS Word 7.0.
f) Local de publicação (obrigatório)
Preferencialmente citar a cidade, o estado e o país.
Se não for citado, deve constar a expressão: “local de publicação
desconhecido” ou “sine loco”.
g) Editor (obrigatório)
Deve ser citado somente seu nome. Expressões como “e companhia”;
“incorporação” e outros, devem ser suprimidos.
h) Data da publicação (obrigatório)
Se não for apresentada deverá ser citado: “Data desconhecida”.
i) Data da leitura ou versão (obrigatório)
Se não for apresentada deverá ser citado: “Data desconhecida”.
j) Data da atualização
(obrigatório para documentos on line, opcional para os outros)
Se não for apresentada deverá ser citado: “Data desconhecida”.
70

k) Série (opcional)
Geralmente presente em programas de computador
l) Disponibilidade de acesso
(obrigatório para documentos on line, opcional para os outros)
m) Notas (opcional)
n) Standard number (opcional)

EXEMPLOS
Obs: Os colchetes [ ] e letras em sobrescrito , foram introduzidos apenas para facilitar a
identificação de cada tópico. Na hora da citação os mesmos serão suprimidos.

1) DOCUMENTOS DA INTERNET
7 - [CARROL, L.]a Alice no pais das maravilhasb [on line]c. Texinfod [ed. 2.1.]e Dortmund.
Alemanhaf: [WindSpiel]g, novembro 2004h [atualizado em 10 de fevereiro de 2005.]j
Disponível na World Wide Web: <http://www.germany.eu.net/books/carroll/alice.html>.l
[Também disponível em versão PostScript e ASCII na Internet:
m
<ftp://ftp.Germany.EU.net/pub/books/carroll/>.]

8 – Vaidergon J, Machado AL, Juliano Y, Patella KF, Reimão GM, Piedade TB, Lin R.
Estudo comparativo da anestesia com propofol ou thionembutal em cães. 2001.
Disponível em: <http://www.scielo.br/acb>. Acesso em: 25 de fevereiro de 2002.

2) PROGRAMAS EM CD

Autor(es). Título [tipo do material]. Cidade de publicação: Produtora; ano.

1 - Ayres M, Ayres Jr M, Ayres DL, Santos AS. Bioestat [CD ROM], 3.0. Belém – Pará –
Brasil: Mamirauá; 2003.

b) ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT)

As normas segundo a ABNT são mais adotadas pelas universidades para trabalhos de
conclusão de curso, dissertações e teses. São múltiplas as normas, sendo que estas citadas
neste manual seguem as exigências da pró-reitoria de pesquisa (PROPESP) desta
universidade.
Este manual é baseado na NBR 6023, publicada em agosto de 2002.
Na ABNT, as citações são organizadas por ORDEM ALFABÉTICA no capítulo de
referências e não são numeradas.

a) Autores serão localizados pela ordem alfabética, no capítulo de “Referências”.


b) No texto, para citação indireta, aparecem o nome do autor e ano, identificando cada
citação.
“...até a presente década (SILVA, 2005). Deste modo...”
c) No texto, para citação direta, aparecem o nome do autor o ano e a página, e a
citação entre aspas..
“...ocorreu a cicatrização” (SILVA, 2005, p. 124). Deste modo...”
d) Possibilidade da citação do autor no texto, também por seu sobrenome.
“...segundo Martins (2008). Deste modo... ”
71

COMO REFERENCIAR CADA OBRA


b.1) NO TEXTO
1) O nome do autor e ano da referência sempre aparece no final do parágrafo ou do texto, em
parênteses, com o ano da citação, sendo o nome do autor maiúsculo e ano em parênteses,
seguido do ponto final.

2) Na “INTRODUÇÃO” e “REVISÃO DA LITERATURA”, cada parágrafo deve


obrigatoriamente terminar por pelo menos com uma referência, significando que todo o
conteúdo deste parágrafo é devido a(s) referência(s) citada(s). Exceção feita Ao objetivo
do trabalho, que fecha o capítulo de Introdução.

3) No capítulo de “DISCUSSÃO” podem haver parágrafos sem referências, caso as


informações discutidas pertençam UNICAMENTE aos resultados do trabalho.

4) Em parágrafos apresentando dois conteúdos, deve ser citado o PRIMEIRO CONTEÚDO


(AUTOR 1, ANO), e o SEGUNDO CONTEÚDO (AUTOR 2, ANO). Assim, o conteúdo
do início do parágrafo até a referência “(AUTOR 1, ANO)”, pertence ao primeiro autor e o
conteúdo da segunda parte ao autor “(AUTOR 2, ANO).”.

5) Todos os parágrafos devem conter pelo menos uma referência, mesmo que repita a do
parágrafo imediatamente anterior.
“... encontrado na década de sessenta (SOUZA, 2003).
Assim, na década seguinte, novas pesquisas foram conduzidas pelo mesmo grupo de
pesquisadores (SOUZA, 2003).”

6) Quando no texto aparecer o sobrenome dos autores referenciados, estes serão escritos com
a primeira letra em maiúscula e as demais em minúsculas.
“... segundo Silva (2007) houve...”

7) Para citar no texto uma referência que possui três autores, citam-se os três “(FERREIRA,
CUNHA e SOUZA, 2008)”.

8) Para citar no texto uma referência que possui quatro ou mais autores, coloca-se o
sobrenome do primeiro autor e “et al” seguido do ano.

Com 4 ou mais autores


“... como descrito por Chan et al (2007), na sua evolução natural...”

9) CITAÇÃO DE CITAÇÃO - ao relatar um documento que não se teve acesso (o


conhecimento do documento foi através de uma citação em outro trabalho).
As citações de citações são relacionadas na lista de Referências, indicando-se o 1º
autor que foi citado, seguindo-se expressão “apud” (citado por) e os dados referentes ao
autor que o citou .

Na citação dentro do texto, escreve-se:


Conforme Souza (2004 apud SILVA, 2006), a cicatrização ocorre...

Na citação ao final do texto: (SOUZA, 2005, apud SILVA, 2008).


72

b.2) CAPÍTULO DE REFERÊNCIAS


1) Sobrenome do autor do artigo com todas as letras maiúsculas.
2) Vírgula.
3) Iniciais dos prenomes do autor, com ponto entre elas.
4) Ponto.
5) Título do artigo (somente a primeira letra é maiúscula, as demais são minúsculas).
6) Dois pontos e subtítulo em minúsculo (se houver)
7) Ponto.
8) Nome da revista deve ser escrito em negrito e sem itálico, abreviado segundo o
Index Medicus (http://www.nlm.nih.gov/tsd/serials/lji.html), ou disponível na página
do NUPEM no site da UEPA (http://www.uepa.br/ccbs/nupem).
9) Espaço
10) Local de publicação.
11) Vírgula.
12) Espaço.
13) Número do volume ("v. 3").
14) Vírgula.
15) Espaço.
16) Número do fascículo (ex.: "n. 6").
17) Vírgula.
18) Espaço.
19) Página inicial e final do artigo separadas por hífen colocando em sua íntegra as
dezenas (ex: p. 1792-1798)
20) Vírgula.
21) Espaço.
22) Mês da publicação abreviado.
23) Ponto.
24) Espaço.
25) Ano.
26) Ponto.

b.3) OBSERVAÇÕES ESPECIAIS


™ A Segunda linha da referência inicia-se abaixo da 1ª letra do sobrenome do primeiro autor.
Ou seja, sem nenhum recuo.

™ O texto deve ser “alinhado à esquerda”.

™ Quando a obra tiver dois autores, estes serão separados por ponto e vírgula, segundo
esquema: Sobrenome do 1º autor – vírgula – primeira letra dos nomes seguidos de ponto –
ponto e vírgula – espaço - Sobrenome do 2º autor – vírgula – primeira letra dos nomes
seguido de ponto –ponto - ...
Ex: CHIU, C.J.; MCARDLE, A.H. Intestinal mucosal lesion in low-flow states. Arch. Surg.
USA, v. 101, n. 6, p. 478-483, dez. 2008.
73

™ Quando a obra tiver três autores, estes serão separados por ponto e vírgula, segundo
esquema: Sobrenome do 1º autor – vírgula - primeira letra dos nomes seguidos de ponto –
ponto e vírgula – espaço - Sobrenome do 2º autor – vírgula - primeira letra dos nomes
seguido de ponto –ponto - Sobrenome do 3º autor – vírgula - primeira letra dos nomes
seguido de ponto – ...
Ex: SAA, E.S.; LARRAIN, E.R.; ROSS, M. Gun abdominal wound: surgical treatment. Rev.
Chil. Cir. USA, v. 42, n. 2, p. 321-324, dez. 2007.

™ Quando a obra tiver quatro ou mais autores, estes serão separados por ponto e vírgula,
segundo esquema: Sobrenome do 1º autor – vírgula - primeira letra dos nomes seguidos de
ponto – et al - ...
Ex: SAA, E.S. et al. Fatores de risco na hipertensão arterial sistêmica. Rev. Para. Med.,
Belém, v. 42, n. 2, p. 321-324, dez. 2008.

™ As referências são colocadas em ordem alfabética sem numeração anterior.

b.4) EXEMPLOS DE CITAÇÕES DE:

A) Artigos de periódicos:
1) Com 1 autor:
Autor do artigo. Título do artigo. Título do periódico abreviado, local de publicação, v.1,
n.1, página inicial-final do artigo, mês. ano.

ELLIS, H. The aethiology of post-operative abdominal adhesions: an experimental study. Br.


J. Surg., USA, v. 50, n. 2, p. 10-16, mar. 2009.

2) Com 2 ou 3 autores:
Autor (es) do artigo. Título do artigo. Título do periódico abreviado, local de publicação,
v.1, n.1, página inicial-final do artigo, mês. ano.

SANTOS, K.L.; BASTOS, J. Estudo da glicemia em ratos. J. Bras. Med., Belém, v. 45, n. 3,
p. 124-135, nov. 1997.

3) Com 4 ou mais autores:


Autor do artigo et al. Título do artigo. Título do periódico abreviado, local de publicação,
v.1, n.1, página inicial-final do artigo, mês, ano.

BRITO, K.L. et al. Estudo da cicatrização. Rev. Para. Med., Belém, v. 50, n. 2, p. 10-16,
dez. 2002.

4) Organização como autor:


Órgão superior ou nome da jurisdição geográfica à qual pertence. Organização. Título. Local,
ano, páginas.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de controle da tuberculose. Brasília, DF, 2008. 28


p.
74

5) Citação de citação (APUD):

KOCH, H. F. Aleukie und agronulocytose. Arch. Pathol., v. 3, p. 5-12, 1927 apud SHORE, D.
F. Biological basis of immunodeficiency. New York: Raven, 1980. p. 17.

NOTA: Neste exemplo, o artigo de KOCH foi citado no livro de SHORE.

B) Livros

Autor(es). Título do livro. Edição. Cidade de publicação: Editora, Ano de publicação. Página
inicial-final.

GUYTON, A.C. Tratado de Fisiologia Médica. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
1992. p. 58-63.

C) Capítulos de livro

Autor(es) do capítulo. Título do capítulo. “In”: nome(s) do(s) autor(es) ou editor(es). Título
do livro. Edição. Cidade de publicação: Editora, Ano de publicação. Página inicial-final do
capítulo.

BEVILACQUA, R.G. et al. Cicatrização. In: GOLDENBERG, S.; BEVILACQUA, R.G.;


Manual de Cirurgia. 2. ed. São Paulo: E.P.U./Springer, 2005. p.99-116

D) Trabalhos em Congressos (anais)

Autor(es) do trabalho. Título do trabalho apresentado. “In”: Título do evento, edição em


arábico (se houver), data, local. Anais... Local: Editora, Ano de publicação. Página inicial-
final do trabalho.

BRAYNER, A.R.A.; MEDEIROS, C.B. Incorporação do tempo em SGBD orientado a


objetos. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE BANCO DE DADOS, 9., 1994, São Paulo.
Anais... São Paulo: USP, 1994. p. 16-29.

NOTA: Trabalho apresentado em evento em meio eletrônico:


SILVA, R. N.; OLIVEIRA, R. Os limites pedagógicos do paradigma da qualidade total na
educação. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe, 4., 1996, Recife.
Anais eletrônicos... Recife: UFPe, 1996. Disponível em: <http://www. propesq. ufpe.br/
anais/anais/educ/ce04.htm>. Acesso em: 21 jan. 1997.
75

E) Dissertações, Teses E TCCs.

Autor. Título do trabalho . Ano. Número de folhas. Tese (tipo do documento). Cidade de
publicação: Editora.

BRITO, N.M.B. Aspectos Morfológicos, morfométricos e imunohistoquímica pelo PCNA


do colo uterino de ratas ooforectomizadas. 1999. 54 F. Tese (Doutorado em Medicina). São
Paulo: Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina

F) Citação eletrônica

Quando se tratar de obras consultadas online, também são essenciais as informações


sobre o endereço eletrônico, apresentado entre os sinais < >, precedido da expressão
Disponível em: e a data de acesso ao documento, precedida da expressão Acesso em:,
opcionalmente acrescida dos dados referentes a hora, minutos e segundos.
NOTA: Não se recomenda referenciar material eletrônico de curta duração nas redes.

ALVES, Castro. Navio negreiro. [S.l.]: Virtual Books, 2000. Disponível em:
<http://www.terra.com.br/virtualbooks/freebook/port/Lport2/navionegreiro.htm>. Acesso em:
10 jan. 2002, 16:30:30.
76

NORMAS ADOTADAS
Todo trabalho acadêmico que será apresentado em público e sujeito a um julgamento,
deverá vir acompanhado de um capítulo de “Normas”, de modo que o julgador pudesse
conhecer as regras que regeram aquele trabalho.
Assim, se a instituição possui um manual para orientar a confecção deste trabalho, este
manual deverá encabeçar a lista de normas, e será seguido por outras, formando uma lista
como:

CADA UMA DAS NORMAS DEVE CONSTAR NO TRABALHO COMO


REFERÊNCIAS, LOGO DEVE SER SEGUIDA A NORMA DA ABNT.

a) Manual normativo da instituição promotora do trabalho.

Ex: NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA.


Medicina: “Manual de Trabalhos Científicos – Medicina - UEPA”. 1ª ed. Eletrônica,
Belém (PA): Disponível em www.uepa.br/nupem/manual.; 2004.

b) Um bom dicionário da língua portuguesa.


c) Um bom dicionário da língua inglesa (preferencialmente inglês - inglês).
d) DECS - Descritores em Ciências da Saúde - BIREME.
e) ISO - International Standard Organization 1985. *
f) Norma NBR 6023 da ABNT. *
g) Normas do estilo Vancouver .*
h) Nomina anatômica humana.
i) Nomina anatômica veterinária.

* Dependendo da padronização utilizada.

APÊNDICES
É o capítulo no qual o autor pode apresentar dados de seu trabalho, que não dizem
respeito diretamente ao seu objetivo, porém podem ser de interesse para quem lê sua obra.

Ex.: Em trabalho que a respeito de “Indicações do parto normal”, tabelas que


contenham dados sobre a “raça das pacientes”, “o tempo médio de permanência hospitalar
pós-parto”, “as complicações observadas”, embora sejam de importância no assunto, não são
o objetivo do trabalho, logo serão citadas a parte dos resultados, no capítulo de Apêndices.

NOTE: Os dados aqui representados são resultados pertencentes a pesquisa do autor.

Os dados mais freqüentemente encontrados neste capítulo são as fichas de avaliação e


protocolos utilizados no trabalho.
77

ANEXOS
É o capítulo no qual o autor apresenta DADOS DE OUTROS AUTORES, utilizados
em seu trabalho para padronização deste.

No texto do trabalho somente será citado que determinado dado foi utilizado, porém a
descrição pormenorizada deste dado será feita aqui, no capítulo de Anexos.

Por exemplo:

NO TEXTO

“ Os tumores encontrados foram catalogados segundo a classificação de Dukes modificada


por Turell (1969)32 (ANEXO B).”

NOS ANEXOS

“ANEXO - B

Classificação de Dukes modificada por Turell (1969).32

Tipo A - Lesão restrita a mucosa.


Tipo B1 - Lesão não ultrapassa a muscular da mucosa, com gânglios negativos...
Tipo B2 - Lesão ...”
Deste modo, nos anexos devem ser explicados dados como:
a) Modelos de fichas de avaliações descritas por outros autores,
b) Classificação de tumores,
c) Tipos de colorações histológicas especiais,
d) Especificações de máquinas e equipamentos,
e) Etc.

CAPÍTULO 4 - FORMATAÇÃO
A fim de facilitar o processo de catalogação em Bibliotecas e localização de trabalhos
científicos, sendo aqui enquadrados os “trabalhos de conclusão de curso”, “monografias” e
“teses”, será fornecida a formatação utilizada por grande parte dos autores que descrevem o
assunto e também por manuais de orientação em cursos de Universidades como a Federal de
São Paulo - Escola Paulista de Medicina.

REGRAS GERAIS
Papel (ISO) => A4 (210 / 297 mm), de cor branca.
Margens
Superior e esquerda => 3,0 cm
Inferior e direita => 2,0 cm
78

Espaçamento
No pré e pós texto => Espaço SIMPLES entre todas as linhas.
Com espaço em branco entre os parágrafos
Nos elementos textuais => Espaço DUPLO entre todas as linhas.
Sem espaço em branco entre os parágrafos

™ Como fazer no MS-Word: “marcar” todo o texto; “formatar”, “parágrafo” e na janela,


“Espaçamento entre linhas”, escolher “simples” ou “duplo”.

Início de parágrafo com uma tabulação => 1,27 cm


(formatação especial da primeira linha. Automático nos processadores de
texto para computador).

Texto no parágrafo => Justificado

Início de capítulo => Sempre em uma nova página, a 8 cm da borda superior.

Início de sub-capítulo => Sempre em seguida do anterior e não em uma nova página.

Cor das letras => Preta

Encadernação => Com espiral de espessura condizente com o número de páginas do


trabalho.

FORMATAÇÃO DA CAPA
(APÊNDICES G e H)

Cabeçalho: Fonte (letra) Times New Roman (TNR), tamanho 14, com negrito, todas em
maiúsculo. Parágrafo centralizado.

Título: Fonte (letra) TNR, tamanho 14, em negrito, todas em minúsculo, exceto a 1ª letra do
título que vem em maiúsculo, ou nomes próprios constantes no título.
Parágrafo centralizado. Aqui não é escrito o subtítulo do trabalho. (vide folha
de rosto)

Autor(es): Fonte (letra) TNR, tamanho 14, em negrito, todas em minúsculo exceto as 1ªs letras
de cada nome. Parágrafo alinhado a direita, e com recuo direito de 1 cm (fora
os 2,0 cm da margem a direita).

Local e ano: Fonte (letra) TNR, tamanho 14, em negrito, todas em minúsculo exceto as 1ªs
letras de cada nome. Parágrafo centralizado.

Na sobrecapa pode ser inserida uma figura como fundo, a critério dos autores.

FORMATAÇÃO DA FOLHA DE ROSTO


Cabeçalho: Fonte (letra) TNR, tamanho 14, em negrito, todas em maiúsculo. Parágrafo
centralizado.
79

Título: Fonte (letra) TNR, tamanho 14, em negrito, todas em minúsculo, exceto a 1º em
maiúsculo. Parágrafo centralizado. Se houver um subtítulo este constará em letras
minúsculas aqui na folha de rosto e não na capa.
Autor(es): Fonte (letra) TNR, tamanho 14, em negrito, todas em minúsculo exceto as 1ªs letras
de cada nome. Parágrafo alinhado a direita.
Titulação: Fonte (letra) TNR, tamanho 12, sem negrito, todas em minúsculo exceto as 1ªs
letras de cada nome próprio. Parágrafo com seis centímetros de largura,
justificado, recuado à direita.

Local e ano: Fonte (letra) TNR, tamanho 14, em negrito. Parágrafo centralizado.

Não pode ser inserida figura. O fundo deve ser branco.

FORMATAÇÃO DA FICHA CATALOGRÁFICA


Normativa de janeiro de 1999 da Biblioteca Acadêmica da Universidade Federal de
São Paulo, Escola Paulista de Medicina. (BIBLAC – [0 xx 11] 576-4562), órgão ligado a
Escola Paulista de Medicina e a Biblioteca Regional de Medicina da Organização Pan-
americana de Saúde (BIREME - OPAS).

NORMATIVA:

A ficha catalográfica é a representação de um cartão que traz as informações


fundamentais do documento, tais como: autor, título, local, assunto, número de folhas, etc.
Deve aparecer no verso da folha de rosto, contida em um retângulo de
aproximadamente 12,5 x 7,5 cm, impressa abaixo da metade inferior da página. É
fundamental que as margens e espaços impostos pela norma de catalogação1 sejam mantidos.

CONTEÚDO DA FICHA

Deve ser iniciado a 3 espaços da borda superior e a 4 da borda lateral esquerda, com
fonte TNM 10.

1º PARÁGRAFO – NOME DO AUTOR: Iniciar pelo sobrenome em maiúsculas,


seguido do nome e pré-nomes por extenso em minúsculas. Se houver mais de um autor, estes
serão separados por ponto e vírgula.

2º PARÁGRAFO – TÍTULO DA TESE OU TRABALHO: Iniciar embaixo da 4ª letra


do sobrenome do autor, devendo ser escrito em texto negritado. O subtítulo, se houver, deve
vir após o título, precedido de dois pontos e sem negrito. As linha de continuação devem vir
abaixo da 1ª letra do sobrenome do autor. Após o título repetir o nome, pré-nomes e
sobrenome do autor precedido de uma barra e com somente a primeira letra em maiúscula.
Nota: entre o sobrenome do autor e o local de publicação há dois traços.
É então citado o local, seguido pelo ano de publicação, separados por vírgula.

1
Vide tópico “Formatação da folha de rosto” no capítulo de “Formatação” e o APÊNDICE I.
80

Se houver editora comercial, será citada entre o local e o ano de publicação.

3º PARÁGRAFO – Iniciar na 4ª letra do sobrenome do autor o total de páginas


prefaciais em algarismos romanos com letras minúsculas e separados por vírgula do número
total de folhas (pré-texto + texto + pós-texto) , seguidas da letra “f”.

4º PARÁGRAFO - Iniciar na 4ª letra do sobrenome do autor o grau obtido com a tese


ou trabalho, seguido do nome da Instituição na qual foi apresentado, e o nome do programa de
pós-graduação (se houver). As linhas de continuação devem ser na direção da 1ª letra do
sobrenome do autor.
Ex.: Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina) – Universidade ...
Tese (Especialização, ou Mestrado, ou Doutorado, etc.) – Universidade ...
Programa de Pós-graduação em ...

5º PARÁGRAFO - Iniciar na 4ª letra do sobrenome do autor o título da tese ou


trabalho em inglês. As linhas de continuação devem ser na direção da 1ª letra do sobrenome
do autor.

6º PARÁGRAFO - Iniciar na 4ª letra do sobrenome do autor as palavras-chave que


indiquem o assunto principal da tese ou trabalho, extraídas dos Descritores em Ciências da
Saúde (DECS)2 tradução do Medical Subject Headings (MeSH), que é um vocabulário
controlado para descrever os assuntos de documentos relacionados às teses ou trabalhos
científicos. A numeração deve ser em ordem hierárquica de importância dos assuntos. As
linhas de continuação devem ser na direção da 1ª letra do sobrenome do autor.
Podem ser citados no máximo 05 descritores.

A ficha catalográfica SEMPRE vem IMPRESSA NO VERSO DA FOLHA DE


ROSTO.

Como fazê-la no Microsoft Word.

1) Inserir na metade inferior da folha, uma tabela com 1 linha e 1 coluna


2) Introduzir borda na tabela.
3) Clicar em “Tabela”; “tamanho da célula” e inserir: coluna 12,5 cm ; linha em exatamente
186 pontos ; recuar a partir da esquerda 2,0 cm.

FORMATAÇÃO DA EPÍGRAFE
Não apresenta cabeçalho com o titulo “EPÍGRAFE”.
Deve ser redigida na metade inferior da página.
Fonte TNR tamanho 14, com parágrafo justificado e com “recuo esquerdo” de 6 cm.
Espaço simples entre linhas.

2
Nota dos autores: Pesquisar no DECS, via Internet no site da BIREME (http://www.bireme.br), ou no DECS
impresso (Biblioteca do CCBS – UEPA).
81

FORMATAÇÃO DA DEDICATÓRIA
Fonte TNR tamanho 14, com parágrafo justificado com recuo na 1ª linha de 1,25 cm
ou 01 tabulação.
Espaço simples entre linhas.
Nome de pessoas são totalmente escritos em letra maiúscula.
Deve ser introduzido um espaço em branco, entre cada dedicatória.

FORMATAÇÃO DOS AGRADECIMENTOS


Fonte TNR tamanho 14, com parágrafo justificado com recuo na 1ª linha de 1,25 cm
ou 01 tabulação.
Espaço simples entre linhas.
Nome de pessoas são totalmente escritos em letra maiúscula e deverá constar o nome
completo.
Colocar a sua titulação da pessoa (antes e após o nome).
Deve ser introduzido um espaço em branco, entre cada agradecimento.
EX: Ao Prof. Dr. SIDNEY BRASIL DOS SANTOS, prof. adjunto da disciplina de
fisiologia da Universidade do Estado do Pará, pelos seu conhecimento....

FORMATAÇÃO DO RESUMO E ABSTRACT


a) A fonte utilizada é a TNR, tamanho 14 e letras minúsculas, sem negrito.

b) Parágrafo único, justificado, com espaçamento simples entre linhas.

c) Título a 3cm da borda superior do papel.

d) Um espaço em branco entre o título do capítulo e o texto.

FORMATAÇÃO DO ÍNDICE
a) Inserir tabela com 4 colunas e 13 linhas (Tabela – Inserir – Tabela).

b) Formatar linhas com 1,5 cm (Marcar toda a tabela – Propriedades da tabela – Linha –
especificar altura – 1,5cm)

c) Centralizar na altura o texto da tabela (Marcar toda a tabela – Propriedades da tabela –


Célula – Centralizado).

d) Retirar bordas e linhas de grade da tabela (Marcar toda a tabela – Bordas e sombreamento
– Bordas - Nenhuma).

e) Formatar letras tamanho 14 em caracteres maiúsculos.

f) Numeram-se somente os elementos textuais (da Introdução até a Conclusão).


82

g) Não são incluídos aqui os subtítulos de capítulo (são incluídos em Índices, que geralmente
são utilizados em livros).

h) Títulos de elementos textuais em negrito. Pós textuais sem negrito.

i) Números alinhados embaixo de números (Unidade sob unidade e dezena sob dezena) e l as
letras embaixo de 1as letras.

j) Na paginação números de 1 a 9, não são precedidos de zero. Na coluna de páginas, unidade


deverá estar sobre unidade e dezena sobre dezena.

FORMATAÇÃO DO TÍTULO DO TRABALHO


Redigido com letras TNR 14, com letras minúsculas, a exceção da 1ª letra e em negrito.
Parágrafo centralizado

FORMATAÇÃO DOS TÍTULOS DE CAPÍTULOS


• Inclui os título de capítulos pré-textuais, textuais e pós-textuais.
• O tipo de letra utilizado fica a critério do autor, porém obedecendo a proporção em
tamanho com as letras do texto, (no máximo o dobro), com letras maiúsculas, côr preta, em
negrito e há 8 cm da borda superior do papel, ou seja, 5 cm abaixo da margem superior
(que tem 3 cm).

• O título deve ser “alinhado a esquerda”, e precedido de sua numeração (exceto no pós-
texto), espaço e hífen.

• É permitida a utilização de ícones ao lado do título de cada capítulo, desde que


padronizado para todos os capítulos e com tamanho proporcional ao título (no máximo o
dobro em altura).

• Os subtítulos de um capítulo iniciam-se imediatamente após o anterior, deixando-se dois


espaços entre eles.

• Cada capítulo começa em uma nova página, independente do capítulo anterior ter
terminado no início ou no meio de uma página.

Exemplo: (APÊNDICE L).


83

FORMATAÇÃO DAS PÁGINAS


Página de capítulo Página de texto

1 - TÍTULO

• As páginas devem ser impressas em papel A4 (210 / 297 cm) de cor branca.

• As páginas de título de capítulo devem sempre iniciar em uma nova página, com o título a
8 cm da borda superior do papel.

• As páginas de texto iniciam a 3 cm da borda superior do papel.

NUMERAÇÃO DAS PÁGINAS

• A sobrecapa não é contada

• A contagem é iniciada pela capa, sendo que esta recebe o número ZERO, não aparecendo
grafado na página.

• Nos elementos pré-textuais a numeração aparece em algarismos romanos, no centro da


margem inferior da página.

• Nos elementos textuais e pós-textuais a numeração aparece em algarismos arábicos, à


direita da margem superior da página.

• A primeira página da Introdução é contada porém não aparece o número impresso na


página.

• Todos os demais elementos textuais e pós-textuais são contados e paginados, até a última
folha escrita do trabalho.
84

ESQUEMA DE PAGINAÇÃO

ELEMENTO Número que recebe Aparece na página


Sobrecapa -- --
Capa 0 --
Folha de rosto I --
Epígrafe II II
Dedicatória III III
Agradecimentos IV a V IV e V
Resumo VI VI
Abstract VII VII
Índice IX IX
Introdução 1 --
Resto da introdução 2a3 2e3
Objetivo 4 4
Método 5a9 5,6,7,8 e 9
Resultados 10 a 14 10,11,12,13 e 14
Discussão 15 a 18 15,16,17 e 18
Conclusão 19 19
Referências 20 a 22 20,21 e 22
Normas adotadas 23 23
Apêndices 24 a 27 24, 25,26 e 27
Anexos 28 a 30 28,29 e 30

FORMATAÇÃO DO TEXTO
a) Os elementos textuais são escritos com fonte (letra) TNR número 14, com espaçamento
DUPLO entre linhas, sem nenhum espaço entre os parágrafos.

b) De modo geral, os elementos pré e pós textuais são escritos com fonte TNR número 14,
com espaçamento SIMPLES entre linhas, com espaço entre os parágrafos.

c) O texto em notas de rodapé é escrito com fonte TNR número 12, com espaçamento
SIMPLES entre linhas.

d) Cada capítulo inicia-se em uma nova página.

e) O título dos capítulos textuais deve ser numerado com algarismos arábicos à partir da
Introdução (1 - Introdução, 2 - Método, 3 - Resultados, 4...), com iconografia a critério do
autor (letra, tamanho e acompanhamento por desenho opcional), desde que obedecidas as
proporções descritas no tópico de “Formatação de Títulos” e o espaço de 8 cm da borda
superior do papel, ou 5 da margem superior (já que esta possui 3 cm).
85

f) Segue-se ao título do capítulo, um espaço em branco e iniciam-se os parágrafos


(APÊNDICE L).

g) Os parágrafos sempre são iniciados com um “recuo de primeira linha” de 1,27 cm, ou seja
uma tabulação automática em editores de texto.

h) A citação de autores no texto deve sempre ser feita com a 1ª letra maiúscula, as demais
minúsculas.

i) No caso de haverem figuras em meio ao texto, estas deve aparecer imediatamente após sua
citação, e o texto continuar logo após as figuras, sem espaços em branco.

FIGURA 1

FIGURA 1 - Xxxx xxxx

FIGURA 2

j) Se não houver espaço na página, a figura aparecerá como a primeira informação da página
seguinte a sua citação.

FIGURA 2 - Xxxx xxxx

FIGURAS 3 e 4

k) Neste caso o texto que viria imediatamente após a figura será recuado a fim de preencher o
espaço em branco. No exemplo, o texto esta pontilhado antes (recuado) e após a figura 2 da
página de exemplo.

l) Não ficam espaços em branco nas páginas de texto.


86

m) No caso da citação de duas ou mais figuras relacionadas, as mesmas devem aparecer


seqüencialmente na(s) página(s) seguintes a sua citação.

FIGURA 3 - Xxxx xxxx

FIGURA 4 - Xxxx xxxx

n) As figuras inerentes ao trabalho, deverão sempre aparecer logo após sua citação, indo para
os anexos somente FIGURAS DE OUTROS AUTORES, que servirão para ilustrar o
trabalho (não há necessidade de uma lista de figuras).

o) As figuras e tabelas são separadas do texto por dois espaços antes e dois depois.

p) A citação das figuras no texto deve ser feita com letras maiúsculas, a fim de facilitar sua
localização.
“... de tração (FIGURA 1).”
“... como demonstrado na FIGURA 1.”

FORMATAÇÃO DE FIGURAS E TABELAS.

Entende-se por figuras, quaisquer ilustrações do texto. Dentre elas temos as


fotografias, desenhos, gráficos, quadros, esquemas, diagramas, etc.
Logo, quando presentes no texto, todos estes elementos são considerados como
FIGURAS, devendo receber uma única numeração.
87

Exemplo: Em um trabalho hipotético aparecem 12 ilustrações:

Ordem de O que ela é Como irá ser chamada


aparecimento
1ª Uma fotografia FIGURA 01
2ª Um gráfico FIGURA 02
3ª Uma fotografia FIGURA 03
4ª Um esquema FIGURA 04
5ª Um gráfico FIGURA 05
6ª Um gráfico FIGURA 06
7ª Um gráfico FIGURA 07
8ª Uma microfotografia FIGURA 08
9ª Um quadro FIGURA 09
10ª Um desenho FIGURA 10
11ª Um gráfico FIGURA 11
12ª Um gráfico FIGURA 12
Observe que tabelas não são figuras pois, constituem um instrumento estatístico, e em
conseqüência apresentam formatação característica.

FIGURAS
a) Não possuem um título
b) São explicadas em um rodapé
c) O rodapé é escrito com fonte TNR número 12
d) O rodapé não pode ultrapassar os limites laterais da figura.
e) Devem ser numeradas com algarismos arábicos.
f) O texto “FIGURA 1 -” no rodapé, será escrita em maiúsculo e em negrito.
g) O texto do rodapé após “FIGURA 1 -” será escrito somente com a primeira letra
maiúscula e sem negrito.
h) Deve sempre ser citada a fonte de onde foi retirada a figura, caso seja de outro autor.
88

EXEMPLOS DE FIGURAS:

FIGURA 1 – Relação “amigável” entre um iniciante e seu computador.


FONTE: Clip-art© do programa Microsoft Word 7.0

FIGURA 2 – Incidência de alunos faltosos do turno da tarde, por sala de aula do Colégio
Estadual Paes de Carvalho, em dezembro de 2009.
FONTE: Protocolo de pesquisa.
89

TABELAS
São elementos estatísticos, que possuem a seguinte formatação:

a) Possuem um título escrito com fonte TNR 14, espaço simples.


b) Possuem cabeçalho e uma totalização escritos com fonte TNR 12, em maiúsculas negrito
e centralizado.
Estes dois elementos são separados dos demais por linhas horizontais.
c) Possuem um corpo que só contem NÚMEROS, escrito com fonte TNR 10.
d) Podem possuir rodapé, no qual geralmente é citado a fonte dos dados ou resultado do
estudo estatístico.
e) O rodapé é escrito com fonte TNR número 12
f) O título e o rodapé não pode ultrapassar os limites laterais da tabela.
g) Devem ser numeradas com algarismos arábicos.
h) O texto “TABELA 1 -” será escrito em maiúsculo e em negrito.
i) O texto do título após “TABELA 1 -” será escrito somente com a primeira letra
maiúscula e sem negrito.
j) Não há linhas verticais em tabelas.

EXEMPLO DE TABELA:

TABELA 1 – Sexo de alunos faltosos por turno, no Colégio Estadual Paes


de Carvalho, no mês de dezembro de 2007.

SEXO / TURNO MANHÃ TARDE NOITE


Masculino 22 26 18
Feminino 13 32 38
TOTAL 45 58 56
FONTE: fichas de freqüência do colégio.
P ≤ 0,05 (Teste T de Student)

QUADRO
O quadro é um tipo especial de ilustração, que freqüentemente é confundido com as
tabelas.
A diferença entre eles é que os quadros são constituídos fundamentalmente por
palavras, podendo conter números, e as tabelas são constituídas em seu corpo, somente por
números.
Os quadros possuem linhas verticais fechando as células de informação, enquanto as
tabelas não possuem linhas verticais.
90

Exemplo de quadro:

Órgão Alteração Incidência


Cérebro Processo inflamatório 2 / 10
Células de corpo estranho 4 / 10
Pulmão Infiltrado linfocitário 1 / 10
Edema intersticial 3 / 10
Secreção mucosa 4 / 10
Rins Infiltrado linfocitário 3 / 10
Edema intersticial 4 / 10
Fígado Infiltrado neutrofílico 5 / 10
Edema intersticial 4 / 10
FIGURA 3 – Achados histológicos nos órgãos estudados.
FONTE: Fichas do protocolo do trabalho

FORMATAÇÃO DAS REFERÊNCIAS


- ESTILO DE VANCOUVER
a) A fonte utilizada é a TNR, tamanho 14 e letras minúsculas.
b) As referências devem ser “justificadas”, ou seja, alinhadas pelos dois lados.
c) Inicia-se a segunda linha de uma referência, em baixo da 1ª letra da primeira linha.
d) O espaçamento entre linhas é “simples”.
e) É deixado um espaço em branco entre cada referência.

- ABNT
a) A fonte utilizada é a TNR, tamanho 14 e autores com letra maiúscula.
b) As referências devem ser “alinhadas à esquerda”.
c) Inicia-se a segunda linha de uma referência, em baixo da 1ª letra da primeira linha.
d) O espaçamento entre linhas é “simples”.
e) É deixado um espaço em branco entre cada referência.
91

CAPÍTULO 5 - NORMAS DE ELABORAÇÃO DE TCCs


Neste capítulo o aluno pode encontrar normas a serem seguidas para que
seu trabalho possa ser inscrito, acompanhado, entregue, apresentado, avaliado e
aprovado.

NORMAS PARA A INSCRIÇÃO DO


TRABALHO CIENTÍFICO
1) O TRABALHO CIENTÍFICO (TCC) deverá ser individual, sendo, no entanto aceita a
participação de até 02 (dois) alunos do Curso de Medicina da UEPA por trabalho.

2) O trabalho proposto como TRABALHO CIENTÍFICO deverá, até data preestabelecida no


calendário escolar, ser apresentado na forma de PROJETO DE PESQUISA (APÊNDICE
A), em 03 (três) vias.

3) As 3 vias serão inicialmente encaminhadas pelos autores do TRABALHO CIENTÍFICO


ao orientador para seu aceite, rubrica de todas as páginas com assinatura e carimbo na
folha de autorizações, a seguir ao NUPEM para análise e aprovação e posteriormente, à
Instituição onde será realizada a pesquisa.

4) Após devidamente aprovado e autorizado pela(s) Instituição(ções) onde será realizado o


trabalho, 01 (uma) cópia do anteprojeto será devolvida ao NUPEM, sendo então, aceito
como PROJETO de TRABALHO CIENTÍFICO.

5) No anteprojeto constará obrigatoriamente:


a) Nome completo do(s) autor(es) e orientador.
b) Aceite do orientador (APÊNDICE 02).
c) Título provisório do trabalho.
d) Local ou Instituição onde será realizado.
e) Objetivo do trabalho.
f) Justificativa.
g) Metodologia a ser utilizada.
- Tipo de trabalho: Clínico, cirúrgico, experimental Apresentação de caso,
levantamento estatístico, dissertação, etc. Retrospectivo,
prospectivo.
- Método: Número de casos, sexo; período estudado; divisão dos grupos; tipos de
procedimentos cirúrgicos, anestésicos, clínicos; de exames e drogas a
serem utilizadas, etc.
g) Cronograma
h) Orçamento detalhado (Ver modelo sugerido em
http://www.uepa.br/prof/nupem/PaginasSecundarias/manual.htm no tópico
“Modelo de Orçamento”).
i) Avaliação do Risco/Benefício.
j) Resultados esperados e metas a serem alcançadas.
k) Modelo do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido
l) Carta de autorização da Instituição onde será realizado (APÊNDICE E).
92

m) Data e assinatura do(s) aluno(s) e orientador, que deverá rubricar, assinar E


CARIMBAR a folha de aprovações e rubricar todas as demais páginas do
anteprojeto.
n) Carta de encaminhamento ao Comitê de Ética em Pesquisa

7) Todo trabalho (na forma de projeto), proposto para ser apresentado como TRABALHO
CIENTÍFICO, deverá, antes de ser iniciado, ser aprovado pela Instituição onde o mesmo
será realizado pelo NUPEM e pelo Comitê de Ética em Pesquisa.

8) Os TRABALHOS CIENTÍFICOS deverão ter um orientador, que deverá ser


preferencialmente professor da UEPA. No caso de orientador externo, somente serão
aceitos aqueles que forem cadastrados no Banco de Orientadores da UEPA, devendo para
isto, ter seu currículo Lattes atualizado e disponível no Banco de dados do CNPq.

9) No caso de haver um orientador metodológico (APÊNDICE F), este será considerado


também como autor no momento da publicação do trabalho.

10) Os TRABALHOS CIENTÍFICOS, obrigatoriamente, deverão ser inéditos quanto à


publicação, porém é permitida sua apresentação prévia em jornadas, simpósios,
congressos, e/ou participações em concursos de trabalhos científicos, anteriores a sua
apresentação na Jornada dos Concluintes do Curso de Medicina da UEPA na qual estão
inscritos.

11) Os TRABALHOS CIENTÍFICOS preferencialmente devem seguir uma linha de


pesquisa (seqüência de trabalhos sobre o mesmo assunto, o trabalho atual completa e dá
prosseguimento aos achados do trabalho anterior) registrada na UEPA.

12) O conteúdo dos Trabalhos Científicos deverá ser atual e ser embasado em pesquisas
presentes na literatura nacional e internacional, devendo ser valorizados os assuntos e
problemas regionais.

NORMAS PARA O ACOMPANHAMENTO


Durante as etapas de elaboração do TRABALHO CIENTÍFICO, o aluno deverá ser
acompanhado por seu orientador.

No caso de desentendimentos, é possível a troca de orientador, assim como a recusa


em continuar a orientação, por parte do orientador.

No caso do aluno querer trocar de orientador:

O aluno deverá, via protocolo, encaminhar à Coordenação do Estágio do Curso de


Medicina da UEPA, carta na qual solicita a troca do orientador, contendo os seguintes dados:

™ motivo detalhado que o levou a solicitar a troca;


™ carta em que o orientador concorda em não mais orientar o trabalho, liberando ou não
o tema para ser orientado por outro professor;
™ carta de aceite do novo orientador.
93

No caso de o orientador não querer mais orientar o aluno:

O professor deverá, via protocolo, encaminhar à Coordenação do Estágio do Curso de


Medicina da UEPA, carta na qual solicita o desligamento do aluno como seu orientando,
contendo os seguintes dados:

™ motivo que o levou a solicitar o desligamento do aluno;


™ especificar se o tema em desenvolvimento faz parte de sua linha de pesquisa, estando
assim o aluno impedido de continuar desenvolvendo o mesmo;
™ ou caso o tema tenha sido idéia do aluno, liberar o aluno para continuar desenvolvendo
o mesmo tema, com outro orientador.

Se não houver acordo entre as partes, o NUPEM examinará cada caso, após ouvir as
partes envolvidas, tomando as providências cabíveis.

NORMAS PARA APROVAÇÃO ÉTICA DOS


TRABALHOS CIENTÍFICOS
1) Avalie eticamente seu próprio trabalho.

2) Providencie a carta de aceite de orientação (APÊNDICE C) assinada por seu orientador e


entregue-a ao NUPEM.

3) Verifique a viabilidade de confecção do mesmo (capítulo anterior).

4) Se viável, escreva o anteprojeto em conjunto com seu orientador.

5) Traga periodicamente seu anteprojeto para acompanhamento conjunto do NUPEM, ainda


na fase de elaboração.

6) Providencie autorização para a realização do trabalho com o Diretor Clínico da Instituição


onde o trabalho irá ser realizado (APÊNDICE E) e anexe ao anteprojeto.

7) Apresente na data estipulada o anteprojeto, em 1 (uma) via para correção pelo NUPEM.
Após as devidas considerações, os autores deverão corrigir e reentregar 2 (duas) vias
assinadas e carimbadas, além de rubricado em todas as páginas pelo orientador para
aprovação final pelo NUPEM.

8) Após a aprovação do NUPEM e do Comitê de Ética em Pesquisa, encaminhe uma cópia


do anteprojeto a Instituição onde pretende realizar o trabalho.

9) Inicie sua pesquisa.


94

NORMAS PARA A ENTREGA DOS


TRABALHOS CIENTÍFICOS
1) O TRABALHO CIENTÍFICO deverá em data preestabelecida, ser inscrito para a Jornada
dos Concluintes do Curso de Medicina da UEPA. Os trabalhos devem ser entregues em 03
(TRÊS) vias impressas do trabalho completo e 03 (TRÊS) CD-ROM contendo o trabalho
na forma de artigo para publicação para NUPEM/CCBS/UEPA.
Æ As três vias serão destinadas: uma ao orientador e uma para cada um dos dois
julgadores, que a seu critério, poderão devolver ou não sua cópia à Coordenação da
Jornada. É aconselhável a confecção de cópia para o(s) aluno(s).
Æ Os três CD-ROM, serão destinados: dois para a biblioteca e um para a publicação,
contendo o TCC completo e na forma de artigo para publicação.

2) Devem acompanhar o TRABALHO CIENTÍFICO, duas vias do trabalho impresso pronto


para a publicação, com seu conteúdo formatado, segundo o APÊNDICE M deste manual.
Æ O endereço para correspondência assinalado no trabalho, deve ser obrigatoriamente o
do Orientador.
Æ Acompanhando o trabalho para a publicação, deverá ser entregue carta de autorização
para a publicação, assinada por TODOS os autores do trabalho (APÊNDICE R).

3) Deve acompanhar o TRABALHO CIENTÍFICO carta de conhecimento do conteúdo final


e aceite, assinada pelo(s) orientador (es) (APÊNDICE Q).

4) Poderá ser entregue a critério do(s) aluno(s), até data estabelecida pela Coordenação do
Estágio do Curso de Medicina, ficha contendo sugestão de até 05 (cinco) nomes, fora o do
orientador (APÊNDICE N), dentre os quais, à critério do NUPEM, poderão ser escolhidos
os nomes indicados à compor a banca examinadora do trabalho.
Æ Este documento deverá ser entregue com no mínimo 10 DIAS ÚTEIS de
antecedência, da data marcada para a entrega das cópias do TRABALHO CIENTÍFICO à
Coordenação da Jornada, que a seu critério, selecionará dentre estes e/ou outros
examinadores do Banco de dados da UEPA ou ainda examinadores externos, a banca
examinadora do trabalho.
Æ Caso o prazo de entrega das sugestões não seja cumprido, a Coordenação da Jornada
comporá a seu critério, a banca examinadora.

5) Em hipótese alguma serão aceitos como entregues e inscritos para a Jornada, Trabalhos
Científicos sem suas 04 (quatro) vias, incompletos, desacompanhados de seus resumos
para a publicação e/ou sem os apêndices que se fizerem necessários (APÊNDICE O). Caso
seja perdido o prazo, o aluno deverá inscrever seu trabalho em uma próxima Jornada dos
Concluintes do Curso de Medicina da UEPA.

NORMAS PARA A ENTREGA DO RESUMO


PARA PUBLICAÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO
1) O resumo do TRABALHO CIENTÍFICO deverá, juntamente com este, ser entregue em
02 (duas) vias, na NUPEM/CCBS/UEPA em data preestabelecida. É aconselhável a
confecção de cópias para o(s) aluno(s) e orientador (es).
95

2) Os resumos deverão ser entregues com a formatação descrita no APÊNDICE M, e


acompanhada de todas as figuras que irão compô-lo, também em 02 (duas vias).

3) As fotografias deverão ser em preto e branco, com alta qualidade, tamanho 13/9 cm, e
devidamente identificadas no verso com o número da figura, o nome do trabalho e dos
autores, identificando qual a parte superior da mesma. Poderão ser aceitas figuras em CD-
ROM, desde que no formato JPEG, ou BMP, em preto e branco ou tons de cinza e com
nitidez perfeita. Caso os autores desejem, fotos coloridas poderão ser aceitas, desde que o
acréscimo dos custos de impressão informados pela revista, seja arcado pelos mesmos.

4) Em hipótese alguma serão aceitos como entregues, resumos sem suas 02 (duas) vias e
ou incompletos (sem suas figuras, tabelas, etc.) . Caso seja perdido o prazo, o aluno deverá
inscrever seu trabalho em uma próxima Jornada dos Concluintes do Curso de Medicina da
UEPA.

Em resumo, só será aceita a entrega de trabalhos que constem dos seguintes itens:

1) TRÊS vias do trabalho escrito.


2) DUAS vias do trabalho resumido IMPRESSO em forma de artigo (APÊNDICE M).
3) Carta de conhecimento e aceite do conteúdo pelo orientador (APÊNDICE Q)
4) AUTORIZAÇÃO para providenciar a publicação (APÊNDICE R)
5) TRÊS CD-ROM (APÊNDICE H) com artigo para publicação (APÊNDICE M).
6) DOIS CD-ROM com o Manual de Trabalhos Científicos de Medicina da UEPA

NORMAS PARA DISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PRELIMINAR


DOS TRABALHOS CIENTÍFICOS
1) Após a entrega dos trabalhos à Coordenação do Curso de Medicina, estes serão
catalogados e encaminhados por intermédio dos Graduandos aos membros designados a
constituir a banca examinadora, juntamente com os seguintes documentos:
• 01 via do Trabalho Científico
• 01 CD-ROM com o Manual de elaboração de Trabalhos Científicos de Medicina
UEPA
• 01 Recibo do Trabalho Científico (APÊNDICE S), devolvido ao graduando no
momento da entrega.
• 01 Carta de não aceite (APÊNDICE T), devolvido ao NUPEM se houver problemas.
• 01 Ficha de avaliação (APÊNDICE U), preenchida durante a leitura do Trabalho
Científico e após sua apresentação na Jornada.
• 01 Normas da Sessão de Apresentação (APÊNDICE W)

2) Ao receber o TRABALHO CIENTÍFICO, o examinador deverá ler, e se concordar,


assinar e devolver ao graduando o “Recibo do TRABALHO CIENTÍFICO” (APÊNDICE
S), que será devolvido ao NUPEM. A devolução do referido recibo ao NUPEM em
tempo hábil, é de responsabilidade do(s) autor (es) do TRABALHO CIENTÍFICO.

3) Caso algum membro da Banca não esteja a vontade para avaliar o trabalho, por motivos
pessoais e ou quaisquer outros motivos, deverá devolver a Coordenação do Curso de
96

Medicina seu original do TRABALHO CIENTÍFICO e do Manual, junto com a carta de


não aceite (APÊNDICE T) e ficha de avaliação (APÊNDICE U) DENTRO DE 5 DIAS
ÚTEIS após seu recebimento. Se houver deficiências no conteúdo do TRABALHO
CIENTÍFICO, o examinador as informará, para as devidas providências, inclusive a
suspensão da defesa do trabalho, se necessário.

NORMAS PARA A AVALIAÇÃO DOS


TRABALHOS CIENTÍFICOS
1) A avaliação dos Trabalhos Científicos será realizada antes e durante a Jornada dos
Concluintes, por uma banca constituída de 03 (três) membros, 02 (dois) examinadores e o
orientador do trabalho, que presidirá a banca na sessão de defesa, não cabendo a este,
aferição de nota ao trabalho.

2) Os examinadores deverão receber o trabalho para análise inicial, juntamente com uma
“carta de recibo” (APÊNDICE S), “carta de não aceite” (APÊNDICE T), uma cópia deste
manual e a ficha de avaliação.

3) Devem acusar o recebimento do TRABALHO CIENTÍFICO por meio de carta


(APÊNDICE S), que será devolvida ao NUPEM pelo autor do TRABALHO
CIENTÍFICO.

4) Os membros da banca terão prazo de 05 dias úteis para realizar avaliação inicial do
trabalho, podendo aceitar, ou não, o conteúdo do mesmo para julgamento.

5) Se no prazo previsto (05 dias úteis), por quaisquer motivos, inclusive problemas com o
conteúdo do TRABALHO CIENTÍFICO, o examinador considerar-se impedido de avaliar
o trabalho, deverá comunicar o fato ao NUPEM, por meio de documento próprio
(APÊNDICE T) devolvendo juntamente com este, o TRABALHO CIENTÍFICO e o
Manual recebido. A não comunicação no prazo citado será entendida como aceite do
trabalho para julgamento.

6) As notas atribuídas pelos membros da banca aos Trabalhos Científicos deverão ter como
base os critérios da “Ficha de avaliação de Trabalhos Científicos” do Curso de Medicina da
UEPA (APÊNDICE U), podendo variar de “zero” até os valores máximos atribuídos para
cada item na ficha de avaliação.

7) As notas referentes a apresentação gráfica, metodologia e conteúdo deverão ser avaliadas


previamente a apresentação do trabalho devendo somente as notas da “apresentação” e de
“domínio do conteúdo”, serem dadas após a apresentação do TRABALHO CIENTÍFICO,
na Jornada.
8) Ao final da apresentação, cada membro da banca excluindo-se o orientador, dará notas
individuais ao trabalho seguindo o APÊNDICE U deste manual, entregando-as ao
presidente da sessão (que será preferencialmente um membro do NUPEM), devidamente
preenchidas, sem rasuras e com sua assinatura.

9) Não deverá ser permitido de modo algum o conhecimento da nota por parte dos alunos no
dia da apresentação. No primeiro dia útil após a Jornada, serão realizados os cálculos das
notas, sendo então divulgadas oficialmente pela Coordenação de Estágio do Curso de
Medicina da UEPA.
97

NORMAS DE APRESENTAÇÃO DOS


TRABALHOS CIENTÍFICOS
1) A apresentação e defesa dos Trabalhos Científicos acontecerá em Jornada dos Concluintes
do Curso de Medicina da UEPA, na qual o trabalho foi devidamente inscrito e aceito
segundo normas descritas neste Manual.

2) Caso o TRABALHO CIENTÍFICO tenha sido realizado por dois alunos, na manhã do dia
da apresentação, será sorteado qual dos dois irá realizar a apresentação oral.

3) O aluno terá 10 minutos para a apresentação do TRABALHO CIENTÍFICO, sendo


julgado por 02 examinadores.

4) Na apresentação oral deverá ser passada a idéia global dos principais capítulos do
trabalho (Introdução, método, resultados, discussão e conclusão), não podendo ultrapassar
os 10 minutos estipulados (treine sua exposição várias vezes, para não ultrapassar o tempo
permitido para a apresentação).

5) O TRABALHO CIENTÍFICO deverá ser apresentado preferencialmente em


diapositivos, sendo aceitos outros métodos audiovisuais para a apresentação, sendo esta
escolha de total responsabilidade do candidato.

6) Será programada a utilização de 01 (um) data show para cada sala durante a Jornada dos
Concluintes do Curso de Medicina da UEPA.

- Caso haja necessidade de dupla projeção ou quaisquer outros dispositivos especiais para a
apresentação, os mesmos deverão ser solicitados a Coordenação de Estágio do Curso de
Medicina via protocolo, com no mínimo 15 dias de antecedência, a fim de que, dentro das
possibilidades, sejam tomas as providencias cabíveis em tempo hábil.

SESSÃO DE APRESENTAÇÃO DOS


TRABALHOS CIENTÍFICOS
(APÊNDICE W)
1) A sessão é aberta por seu PRESIDENTE, que dá inicio aos trabalhos:

a) Confere se os membros da Banca estão de posse de suas fichas de avaliação.


b) Agradece a presença de todos em nome da Coordenação da Jornada e da Direção do
CCBS.

c) Apresenta os membros e agradece a presença da Banca examinadora.

d) Lê as regras da apresentação:
• Os autores terão 10 minutos para a apresentação, sendo avisados pelo presidente
da sessão, no 8º minuto se houver necessidade.
• Após a apresentação será iniciada argüição de 5 minutos pelo 1º examinador,
devendo o(s) aluno(s) anotar(em) as perguntas.
98

• Após todos os questionamentos do 1º argüidor, os alunos terão 5 minutos para


suas respostas e considerações.
• Segue-se da mesma forma com o 2º argüidor.
• No caso de Trabalhos Científicos realizados por 02 (dois) alunos, o argüidor
poderá determinar qual dos alunos responderá aos questionamentos. Caso isto não
ocorra, a decisão de quem responderá será feita pelos alunos.
• Não haverá direito a réplicas ou tréplicas.
• Caso o examinador não aceite a resposta do aluno, deverá descontar pontos no
quesito correspondente na ficha de avaliação.
• Nenhum membro da platéia tem direito a manifestação
• Ao final das respostas ao 2º argüidor, o orientador do trabalho, terá 5 minutos para
suas considerações finais.

2) Após a leitura das regras, o Presidente da sessão passa a palavra ao orientador do trabalho.

3) O ORIENTADOR apresenta sumariamente o trabalho e o(s) aluno(s), dando início a


apresentação oral do TRABALHO CIENTÍFICO.

4) Ao final da apresentação passará a palavra aos demais membros da banca e aos alunos na
seguinte ordem:
ORADOR CONTEÚDO TEMPO
1º examinador Considerações e perguntas 05 minutos
Candidatos Respostas 05 minutos
2º examinador Considerações e perguntas 05 minutos
Candidatos Respostas 05 minutos
Orientador Considerações finais e devolução da 05 minutos
palavra ao presidente da sessão.

5) Ao final de seus comentários o orientador devolverá a palavra ao Presidente da sessão.

6) O PRESIDENTE tece seus comentários finais (1 minuto).

7) Agradece mais uma vez a presença de todos, e passa ao(s) aluno(s) e a Banca, seus
certificados.

8) Encerra a apresentação, convidando o(s) autor(es) do próximo trabalho a preparar sua


apresentação.

9) Enquanto isso recolhe as notas com a assinatura dos examinadores e as deposita na pasta
específica.

10) Dá inicio ao próximo trabalho.

OBS:
• O Presidente da sessão é o encarregado(a) do controle de tempo durante a sessão,
devendo cronometrar cada fala, a fim de evitar atrasos. Pode para tal, inclusive, alterar
a ordem de apresentação dos trabalhos.
99

• As notas não devem ser divulgadas durante a Jornada. Após devidamente conferidas e
computadas, serão divulgadas pela Coordenação do Curso de após o final da Jornada.

NORMAS PARA A APROVAÇÃO DO


TRABALHO CIENTÍFICO
a) A nota final do TRABALHO CIENTÍFICO será a média das notas atribuídas por cada
examinador ao trabalho (nota global – 10,0 pontos), podendo desta ser subtraídos até um
ponto (1,0 ponto) referente a nota de cumprimento de prazos, caso não haja fiel
seguimento destes.
b) A nota FINAL mínima para aprovação do TRABALHO CIENTÍFICO é sete (7,0).
c) A aprovação do TRABALHO CIENTÍFICO é pré-requisito INCONDICIONAL à
colação de grau do aluno.

CASOS ESPECIAIS.

a) O trabalho do aluno foi considerado sem condições mínimas para ser apresentado, quer
por problemas de conteúdo, plágio, ou quaisquer outros que possam levar um examinador
a impugnação do trabalho.
b) O trabalho foi apresentado, porém, não obteve média suficiente à aprovação (7,0).
c) Qualquer outra situação que impeça a obtenção da nota prevista para aprovação.

CONSEQÜÊNCIA

O aluno terá prazo de no máximo 60 dias corridos para correção ou reformulação de


outro TRABALHO CIENTÍFICO, após o final da Jornada para a qual estava inscrito.
O novo trabalho pode ser apresentado ao NUPEM a qualquer momento (nestes 60
dias), em dia e hora agendados com a secretária do NUPEM.
Após exame inicial, O NUPEM encaminhará o trabalho para reavaliação a mesma
banca que o impugnou, ou a uma nova banca, caso haja troca de tema.
Caso nesta segunda avaliação o trabalho ainda não tenha condições de ser defendido, o
aluno deverá obrigatoriamente refazer o TRABALHO CIENTÍFICO e apresentá-lo, na
próxima JORNADA DOS CONCLUINTES DO CURSO DE MEDICINA DA UEPA.
100

NORMAS PARA A PONTUAÇÃO DOS


TRABALHOS CIENTÍFICOS.
a) Cada TRABALHO CIENTÍFICO receberá 03 tipos de notas:

- Nota de entrega dentro do prazo NOTA MÁXIMA = - 1,0 (desconto)

- Entrega do projeto fora do prazo = - 0,5 ponto


- Entrega do Trabalho Científico fora do prazo = - 0,5 ponto

Obs: O não cumprimento dos prazos implica no desconto de até um ponto da nota
final.

- Nota de conteúdo (APÊNDICE T) NOTA MÁXIMA = 8,0

- Conteúdo = 2 pontos
- Forma = 2 pontos
- Linguagem = 2 pontos
- Fonte de documentação = 2 pontos

- Nota da Apresentação Oral (APÊNDICE T) NOTA MÁXIMA = 2,0

- Clareza = 0,4 pontos


- Segurança = 0,4 pontos
- Tempo de aula = 0,4 pontos
- Recursos audiovisuais = 0,4 pontos
- Argüição = 0,4 pontos

b) No caso de Trabalhos Científicos realizados por 2 graduandos, a nota final será aplicada
aos 2 alunos.
101

CAPÍTULO 6 - ANÁLISE CRÍTICA DO TRABALHO


CIENTÍFICO
Grande é a dificuldade para se realizar uma análise crítica em um trabalho científico,
pois para isso é necessária uma leitura atenciosa, e muitas vezes temos que nos reeducar para
esta leitura crítica. Na verdade não podemos aceitar todas as afirmações como verdadeiras, e
sim analisá-las através de vários critérios para a confiabilidade na pesquisa. Através desta
análise pode-se identificar afirmações absurdas, mesmo vindas de revistas de boa qualidade.
A leitura criteriosa é fator importante para que se aceite afirmações de trabalhos científicos.

Objetivo da análise crítica de trabalho científico:

- Avaliação pessoal ou científica dos autores.


- Melhorar qualidade de avaliação
- Produzir boas comunicações científicas

PARÂMETROS PARA ANÁLISE CRÍTICA DO


TRABALHO CIENTÍFICO
1- Críticas formais:
a) Apresentação do texto
- Boa aparência.
- Cópias de boa qualidade
- Espaçamento adequado
- Leitura fácil
b) Redação (que tipo de pessoa é o autor)
- Erros de digitação e linguagem.
- Falhas na pontuação, acentuação, concordância, tabelas e gráficos.
c) Disposição de partes do texto
- Segundo as normas da revista
- De forma clara

2) Críticas metodológicas
a) Seleção do método utilizado
- Amostra
- Procedimento
- Material utilizado e sua origem.
b) Qualidade do grupo controle
- Característica do grupo
- Deve ser parecido quantitativa e qualitativamente ao grupo experimento.

3) Análise dos resultados


- Capítulo claro
- Demonstrativo
- Pouca descrição
- Aproveitar bem os dados da pesquisa.
(observar a tendência do autor em manipular resultados)
102

4) Análise da discussão e conclusão


- Discussão:
- o que os resultados significam
- compara com outros autores
- Conclusão:
- Bem fundamentada
- Responde ao objetivo
- Não generalizar indevidamente

5) Análise das Referências


- Atualidade (mais de 50% dos últimos 2 anos)
- Omissões de artigos importantes.
- Visão parcial (somente mostra artigos que concordam com o seu)
103

CAPÍTULO 7 - APÊNDICES
Neste capítulo podem ser encontrados e xerocados, modelos de documentos e cartas
necessários durante a confecção do TRABALHO CIENTÍFICO.

APÊNDICE A - PROJETO DE PESQUISA


PARA SER ENVIADO AO NUPEM

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM
MEDICINA

PROJETO DE PESQUISA

Avaliação gasométrica arterial em ratos anestesiados com vaporizador


artesanal de éter sulfúrico

Orientando:
Sidney dos Santos Novo

Orientador:
Mário Augusto Paraense do Brasil

Belém - Pará
2009
104

1. Título provisório:

Avaliação gasométrica arterial em ratos anestesiados com vaporizador artesanal de


éter sulfúrico.

2. Orientador:

Prof. Mário Augusto Paraense do Brasil

Identificação: Carteira de Identidade: 111.111 SSP-PA.


CPF: 111.111.111-11
End: Trav: xxxxxxxxxxxxxx 123, Apto 10
Batista Campos - Belém – Pará
CEP: 66.000-000
Telefone: (091) 3222-2222
Fax: (091) 3222-2222
E-mail: mapb@amazon.com.br

Orientando:

Sidney dos Santos Novo TEL: 3222-2222/8088-88888

Aprovação do projeto
4.1 – Orientador

_____________________ _____________________
Nome legível Rubrica e Carimbo
Rubricar todas as folhas

4.2 – Coordenadora do NUPEM

_____________________ _____________________
Nome legível Assinatura

4.3 – Comitê de ética em Pesquisa

_____________________ _____________________
Nome legível Assinatura

4.4 – Responsável pela Instituição onde será realizado o trabalho

_____________________ _____________________
Nome legível Assinatura
105

INTRODUÇÃO: Atualiza o leitor no assunto, direcionando-o ao objetivo da pesquisa (ver


estrutura em www.uepa.br/ccbs/nupem => Manual 2009)

OBJETIVOS: (escrever o principal)


Serão verificadas a clareza e factibilidade do que se propõe de acordo com o Método,
Cronograma e Orçamento apresentados.

JUSTIFICATIVA: (o porquê da pesquisa)


Serão verificadas a consistência da proposta, seu embasamento teórico assim como a
atualidade destes conhecimentos (de acordo com cada tema, o ideal é que pelo menos 50%
das referências sejam dos últimos 5 anos) e a real motivação que levou a proposta.

METODOLOGIA: deverá dar TODAS as condições e informações para que o(s) objetivo(s)
do projeto seja(m) alcançado(s) e permitir que em qualquer local do mundo outros
pesquisadores consigam, seguindo os passos aqui descritos, repetir na íntegra o projeto e obter
resultados semelhantes.
População alvo: (características da população; indivíduos ou material a estudar e
referir quando for o caso, se população vulnerável e/ou incapaz). Ser o mais detalhista
possível.

Tamanho da amostra ou casuística: Informar a quantidade total de indivíduos ou


materiais que participarão. Não cabe aqui a informação “serão definidos
posteriormente”. Em pesquisas comparativas, procure seu estaticista para calcular a
amostra ou casuística a ser estudada. Caso o estaticista necessite e justifique por
escrito, é permitido que ele informe o “N” do projeto piloto da pesquisa que
posteriormente deverá ser atualizado.

Processo de seleção (forma de obtenção da amostragem): Informar o que será


necessário para obter a amostra ou casuística a ser estudada. Ex: revisão de 5.000
prontuários do SAME do Hospital X; entrevista de 1.000 pessoas no shopping center
Y (anexar o modelo do formulário de entrevista). Informar de onde serão provenientes
os espécimes a serem estudados. Ex: as frutas serão provenientes do Campus avançado
de pesquisa da Empresa X, reconhecidas e catalogadas pelo setor de botânica do
Instituto Z, segundo o Manual Internacional de Catalogação de hortifrutigranjeiros
(2009).

Não esquecer de informar quando será realizada a seleção. Ex: Em que meses; em
que ano; em que período de tempo.

Processo de avaliação dos dados: Informe aqui as tabelas de valores a serem


atribuídas às variáveis estudadas. Procure ser o mais objetivo possível. Ex: os dados
histológicos coletados serão analisados segundo a classificação de Chiu (2006)
(ANEXO_). Os dados de aprendizado coletados serão avaliados segundo parâmetros
descritos por Paulo Freira (2007) (ANEXO _). Ou ainda..., para a tabulação dos dados,
foi criada pelos autores uma tabela de avaliação, modificada a partir dos dados da
OMS (2003) (APÊNDICE _).
106

Critérios de inclusão: Deverão aqui constar todos os pontos necessários a que um


indivíduo participe da pesquisa, dentre eles, sexo, peso, raça, idade, religião, período
de atendimento, tipo de medicações ou tratamentos recebidos ou não e quaisquer
outros dados dependendo do tema da pesquisa.

Critérios de exclusão: Geralmente são dados que se contrapõe aos critérios de


inclusão, ou contemplam faixas excluídas por este.

Método de avaliação dos resultados: Informar aqui se a pesquisa será quantitativa ou


qualitativa, listando os procedimentos de avaliação qualitativa e ou os testes de análise
estatísticas a serem aplicados, incluindo o ÍNDICE de rejeição da hipótese de
nulidade.

AVALIAÇÃO RISCO/BENEFÍCIO: Informe aqui, quais os danos possíveis para os


participantes da pesquisa, pesquisador, comunidade científica e comunidade geral.
Danos possíveis sempre existem em todas as pesquisas, como por exemplo, danos
morais levando a estígmas, danos materiais, danos à saúde e etc. Identifique-os e liste-os neste
item.
Aqui também deverá ser listado como serão prevenidos e solucionados ou
minimizados problemas que podem ocorrer em todas as etapas do trabalho (método, obtenção
da casuística, análise dos dados, etc.), caso venham a ocorrer.
Ex: a droga que estava utilizando foi retirada do mercado no meio da pesquisa; A maior parte
dos pacientes se nega a assinar o termo de consentimento; o estaticista reavaliou o trabalho e
acredita ser a amostra pequena. O que será feito como prevenção e solução para estes
problemas?
Quais os benefícios que sua pesquisa trará para: você mesmo como pesquisador; para a
comunidade alvo da pesquisa e para a ciência como um todo?
Entende-se hoje que toda pesquisa deverá levar algum benefício direto a comunidade
alvo. Assim, eticamente falando, não se deve simplesmente identificar o ÍNDICE de anemia
da comunidade X, mas sim identificar, tratar e ensinar a comunidade a como evitar a recidiva.

CRONOGRAMA: (observar o início da coleta de dados). Ao realizar seu cronograma,


atente para o tempo mínimo necessário a cada etapa da pesquisa (Manual de TRABALHOS
CIENTÍFICOS – NUPEM). É aconselhável que se trabalhe com o mês e o ano. Se por
qualquer motivo o prazo for alterado, haverá necessidade de se fazer uma justificativa para a
mudança no cronograma. Neste deverá conter o período necessário à aprovação do projeto
pelo Comitê de Ética em Pesquisa. A coleta dos dados somente deverá ser iniciada após a
obtenção desta aprovação.

ORÇAMENTO (detalhado e adequado à proposta): Aqui você deverá ter a preocupação de


listar TUDO o que você irá precisar para a realização de sua pesquisa. O raciocínio seria: o
que um pesquisador sozinho no meio do deserto de Saara precisaria ter para realizar um
trabalho igual ao meu?

Como roteiro poderiam ser seguidos os seguintes passos:

6.1) Pessoal: informar gastos com a contratação ou bolsas para os pesquisadores e alunos
que irão lhe auxiliar e para você mesmo como pesquisador. Não esquecer de incluir
remuneração para o pessoal de apoio (uma secretária, técnico de informática, assistente
107

social, enfermagem, estaticista, professor de português, serviços gerais, etc.) Alguns terão
remuneração contínua, outros periódica durante o período do projeto.
No Brasil é costume para tudo se dar um “jeitinho” e pedir favores à Deus e ao
mundo. Esta cultura deve ser extinta na pesquisa. Todos os que participam deverão ser
remunerados pelo seu projeto, como ocorre em paises de primeiro mundo. Exceção feita
àqueles que já tem em sua instituição de origem, carga horária alocada para esta
participação.
6.2) Material de consumo: inclui-se aqui material laboratório como seringas, agulhas,
algodão, gazes, kits de laboratório para dosagens diversas, material de limpeza, fitas, Cds,
disquetes, pilhas, baterias, etc.
6.3) Material de escritório: papel, lápis , canetas, grampeador, pastas, tinta de impressora,
fichários etc...
6.4) Material permanente: aparelhos de laboratório, de Rx, tomógrafos, computadores,
scanners, impressoras, máquinas fotográficas, gravadores
6.5) Locomoção e diárias: dos participantes do projeto e ou de consultores.
6.6) Consultorias: honorários do estaticista, do professor de português, de inglês, do
técnico de informática, de professores externos, etc.
6.7) Área física: incluir aqui o valor do aluguel da sala que será utilizada, dos laboratórios,
etc.
6.8) Despesas gerais: água, luz, telefone, revisão da literatura, valor para a legalização do
uso de softwares, etc.

CONTRAPARTIDAS: Aqui deve ser informado tudo o que foi orçado anteriormente e
que você, alguém ou alguma entidade irá “pagar”. Geralmente aqui é informado que a
maior parte daquilo que se necessita para executar o projeto já esta disponível. Não
esquecer de especificar quem ira pagar o quê. Incluindo a sua contrapartida (o que você irá
pagar).

COTA A SER FINANCIADA: informe aqui aquilo que realmente será comprado ou
financiado por alguma agência de fomento. Aparece aqui a diferença entre as necessidades
e as contrapartidas.

COMPATIBILIDADE COM A PESQUISA: é freqüente em projetos apresentados, a


inclusão de itens que não serão utilizados diretamente no projeto. Embora seja conduta
rotineira, não é eticamente correta, e passível de corte pelo Comitê.

RESULTADOS ESPERADOS E METAS A SEREM ALCANÇADAS


Neste capítulo, os autores deverão citar aqueles resultados mais relevantes que
esperam encontrar com a conclusão da pesquisa, enfatizando dados, valores, ou situações que
a literatura científica já tenha consagrado.

REFERÊNCIAS: (se é pertinente ao tema e se é atual).


Procure livros, artigos, textos em revistas e na internet.
Tenha sempre a preocupação de ser o mais atual possível.
Cite preferencialmente os autores que foram os marcos no tema estudado.
Evite a citação por citação (colocar autores só para fazer número nas referências).
108

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO – TCLE

Este deve conter:


• Linguagem clara ao sujeito da pesquisa.
• Processo para obtenção do consentimento.
• Finalidade da pesquisa.
• Benefícios esperados.
• Destino do material e/ou informações coletadas.
• Desconfortos ou riscos PARA O SUJEITO DA PESQUISA satisfatoriamente descritos
[Toda pesquisa tem risco ao sujeito (Res. CNS 196/96-V)].
• Modos para minimizar ou anular os riscos.
• Benefícios ao Sujeito da pesquisa e/ou sua comunidade.
• Nome completo, endereço, telefone, número de registro no Conselho de Classe do
pesquisador principal e demais pesquisadores.
• Informar que a participação do sujeito será gratuita, não podendo ser remunerado
• Direitos do sujeito de retirar o consentimento a qualquer hora, sem que ele tenha qualquer
prejuízo ou penalidade.
• Como o sujeito da pesquisa será assistido e/ou tratado.
• Direito a reparos e/ou indenização na forma da lei.
• Garantia de sigilo e privacidade.
• Concordância do sujeito da pesquisa em seguida ao texto de esclarecimentos e NÃO EM
PÁGINA SEPARADA.

Veja modelo disponível na página do NUPEM (www.uepa.br/ccbs/nupem - Ética&leis).


109

APÊNDICE B – COMITÊ DE ETICA EM PESQUISA

PARA SER ENVIADO AO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA


Depois de aprovado e assinado pelo Orientador

Caro leitor este documento foi elaborado a partir do roteiro de avaliação de projetos
utilizado em Comitês de Ética e comentado a partir da visão do Prof. Dr. Marcus Vinicius
Henriques Brito, membro do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade do Estado do
Pará.
Tem como único intuito, auxiliá-lo e orientá-lo no preenchimento do projeto de
pesquisa a ser apresentado a um Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos, de acordo
com a CNS 196-96.
O presente roteiro, de modo algum, substitui a leitura atenta e criteriosa da referida
norma CNS 196-96 para o perfeito preenchimento de um projeto de pesquisa.

PARECER DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA


PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS.
A SER RESPONDIDO PELO CEP

I – DOCUMENTOS
A secretaria do Comitê irá conferir se estão presentes os seguintes DOCUMENTOS:
Neste ponto será verificada a presença física de cada um dos documentos listados abaixo. A
ausência de pelo menos um deles inviabiliza a aprovação do projeto.

a) Carta de encaminhamento: * Modelo para download na página do NUPEM.


b) Folha de rosto (preenchida adequadamente e assinada): *
c) Projeto de Pesquisa (versão em português e inglês, quando for o caso):
Começa no item II abaixo: “Identificação”
d) Termo de Consentimento Livre e Esclarecido – TCLE: *
e) Currículo dos pesquisadores: modelo do Currículo Lattes do CNPq (apenas a
primeira página impressa).
f) Autorização das instituições envolvidas: Incluir uma autorização para cada
instituição participante, em papel timbrado, com assinatura, nome
completo e legível do responsável pela Instituição. É de bom tom que se
acompanhem telefones e/ou e-mails para possíveis contatos.
g) Parecer de ética do País de origem (quando se tratar de projeto com cooperação
estrangeira).
h) Autorização da FUNAI e da Comunidade indígena (quando se tratar de pesquisa
com povos indígenas).
110

II – IDENTIFICAÇÃO
1. Protocolo Nº: Número recebido pelo processo ao dar entrada no Comitê
2. Título Projeto de Pesquisa: Informado no projeto
3. Pesquisador Responsável: Informado no projeto.
Deverá aqui também ser informado o nome do Orientador, pois ele é corresponsável pela
pesquisa.

4. Instituição / Unidade: Informado no projeto

5. Patrocinador: Informe se há alguma instituição patrocinando o projeto, mesmo que


seja a própria Instituição onde você trabalha.

6. Tipo de Projeto:
• ( ) Iniciação científica
• ( ) TCE
• ( ) TCC
• ( ) Especialização
• ( ) Mestrado
• ( ) Doutorado
• ( ) Outro tipo de pesquisa

7. Data e Entrada: No protocolo do Comitê

8. Data do Parecer: Deve ser emitido até 30 dias após a data de entrada protocolada.

III - PREENCHIMENTO DA FOLHA DE ROSTO (NOVO)


SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÃO SOBRE ÉTICA EM PESQUISA (SISNEP)

A proteção dos direitos dos sujeitos de pesquisa é uma das grandes preocupações do
Conselho Nacional de Saúde, que através da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa
(CONEP) tem fortalecido a atuação nesta área.
O SISNEP - Sistema Nacional de Informação sobre Ética em Pesquisa envolvendo
Seres Humanos é um sistema de informações via internet sobre pesquisas envolvendo seres
humanos.
Os usuários desta nova ferramenta são:
- Os Pesquisadores;
- Os Comitês de Ética em Pesquisas (CEPs);
- A Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP); e
- A população em geral.
111

O SISNEP está sendo instalado em CEPs selecionados previamente pela CONEP.


Entre estes, o CEP do CCBS-UEPA já está enquadrado nesta nova forma de elaboração das
folhas de rosto para a pesquisa científica.
Este novo sistema torna possível uma série de objetivos que beneficiarão a todos,
dentre os quais:
• Facilitar o registro das pesquisas envolvendo seres humanos e orientar a tramitação
de cada projeto para que todos sejam submetidos à apreciação ética antes de seu
início;
• Integrar o sistema de avaliação ética das pesquisas no Brasil (CEPs e CONEP) e
propiciar a formação de um banco de dados nacional;
• Agilizar a tramitação e facilitar aos pesquisadores o acompanhamento da situação
de seus projetos;
• Oferecer dados para a melhoria do sistema de apreciação ética das pesquisas e para
o desenvolvimento de políticas públicas na área;
• Permitir o acompanhamento dos projetos já aprovados (em condições de serem
iniciados) pela população em geral e, especialmente, pelos participantes nas
pesquisas.

ELABORAÇÃO DA FOLHA DE ROSTO NO SISNEP

Todo projeto registrado no SISNEP deverá ser entregue no CEP responsável pelo
acompanhamento da pesquisa e receberá um número. Este número é único e corresponde ao
Certificado de Apresentação para Apreciação Ética (CAAE) que será o identificador do
projeto em todos os níveis:
- No SISNEP;
- No Comitê de Ética Pesquisa (CEPs);
- Na Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP); e
- inclusive nas revistas de publicação científicas ou congressos.

PASSOS PARA A CRIAÇÃO DA FOLHA DE ROSTO E CADASTRO

Para registrar sua pesquisa no SISNEP, e assim poder submeter seu projeto no Comitê
de Ética em Pesquisa do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, bem como em todos os
demais CEPS que utilizam tal sistema, o pesquisador responsável deverá ter acesso a internet
e proceder como está descrito abaixo.

1- O pesquisador deverá entrar no site do SISNEP:


http://portal.saude.gov.br/sisnep/pesquisador/

2- Na área de usuários, procurar a opção:


Registre seu projeto de pesquisa aqui
112

3- Ao entrar na página inicial, o pesquisador deverá se cadastrar no sistema seguindo as


instruções, bem como deverão estar cadastrados, todos os demais participantes do
trabalho e o orientador:

4- Uma vez cadastrado, deverá “logar” no sistema, inserindo o CPF e a senha criada
durante o cadastro:

5- Na página principal o pesquisador poderá:

a. Visualizar, editar, e excluir as Folhas de Rosto em andamento;


b. Visualizar o histórico de Projetos já realizados por ele;
c. Alterar dados pessoais;
d. Cadastrar um pesquisador;
e. Registrar uma nova pesquisa;
f. Acessar Ajudas e o Manual de preenchimento.
113

6- Na opção Registrar Pesquisa, o pesquisador irá iniciar a criação da Folha de Rosto


(FR), que será entregue no CEP para registro. Ao registrar seu projeto no CEP, irá
receber o Certificado de Apresentação para Aprovação Ética (CAAE), que é a
“Carteira de identidade” do projeto.

7- Assim, deverá preencher passo a passo as informações sobre a pesquisa.


Obs.: a FR pode ser preenchida por qualquer dos pesquisadores inclusos no projeto.
No campo adequado irá indicar quem é o pesquisador responsável pela pesquisa. Que
em geral é o orientador.

8- Observações:

a. No item 6) Palavras-chave: As palavras-chave ou descritores devem ser


reconhecidos pelo Descritores em Ciências da Saúde (DECS), disponível em:
http://decs.bvs.br/;

b. No item 7) Instituição Sediadora: O pesquisador deverá Procurar


Instituição, se esta já for cadastrada, ou Cadastrar Instituição, caso ainda
não esteja cadastrada; Para o CEP do CCBS, deve-se escolher entre as opções
fornecidas, o do CCBS.
Obs. O endereço que irá aparecer na FR é o do CEP da Enfermagem, pois foi o
primeiro a ser cadastrado no SISNEP. Desconsidere tal informação até que o
problema seja sanado em Brasília.
114

c. Atenção ao item 17-b, se o sujeito não for receber nenhum tipo de tratamento
específico oferecidos pelos pesquisadores, deverá ser marcada a opção “Sim”;
as demais desta página geralmente recebem um “NÃO”;

d. No item “C” “Wash Out” significa quando na pesquisa o sujeito irá receber a
medicação por um período, e ficará sem medicação a seguir por um outro
período, para verificar sua evolução sem a medicação. Geralmente é marcada
“NÃO”

e. No item 22) Pesquisadores, o pesquisador que está criando o cadastro do


projeto deverá incluir todos os demais pesquisadores participantes
Atenção:
- O nome de quem esta preenchendo aparecerá em vermelho;
- O Pesquisador responsável de modo geral é o orientador da pesquisa,
e seu nome deve ser marcado na “bolinha” que aparece ao seu lado. No
caso aqui é a Dr.ª Nara;
115

- Durante a criação da Folha de Rosto, na página seguinte, ainda


aparecerá como pesquisador responsável, o nome de quem esta
preenchendo a FR. Não se preocupe. Ao ser gerada a FR para
impressão, no final do procedimento, ai sim aparecerá a pessoa com a
“bolinha” marcada como responsável pela pesquisa.
116

9- Assim, ao final do procedimento a Folha de Rosto será criada.


MINISTÉRIO DA SAÚDE
Conselho Nacional de Saúde
Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP

FOLHA DE ROSTO PARA PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS FR - 246631


Projeto de Pesquisa
Sensibilidade ética dos alunos do Curso de Medicina da UEPA.
Área de Conhecimento Grupo Nível
4.00 - Ciências da Saúde - 4.01 - Medicina - Epide. Grupo III Epidemiológico
Área(s) Temática(s) Especial(s) Fase
Não se Aplica
Unitermos
Alunos, Ética, Conhecimento
Sujeitos na Pesquisa
Grupos Especiais
Nº de Sujeitos no Centro Total Brasil Nº de Sujeitos Total
Pessoas numa relação de dependência como presidiários, militares,
200 200 200
alunos, funcionários, etc
Medicamentos
Placebo Wash-out Sem Tratamento Específico Banco de Materiais Biológicos
HIV / AIDS
NAO NÃO SIM NÃO
NÃO
Pesquisador Responsável
Pesquisador Responsável CPF Identidade
Nara Macedo Botelho Brito 353.399.850-91 1680446 SSP-PA
Área de Especialização Maior Titulação Nacionalidade
Medicina Doutorado Brasileira
Endereço Bairro Cidade
Trav Padre Eutíquio 2264 Apto 1101 Batista Campos Belém - PA
Código Postal Telefone Fax Email
66033-000 91-3246-3939 / 91-88548896 91-3242-6636 narabrito@amazon.com.br
Termo de Compromisso
Declaro que conheço e cumprirei os requisitos da Res. CNS 196/96 e suas complementares. Comprometo-me a utilizar os materiais e dados
coletados exclusivamente para os fins previstos no protocolo e publicar os resultados sejam eles favoráveis ou não.
Aceito as responsabilidades pela condução científica do projeto acima. _________________________________________
Data: _______/_______/______________ Assinatura

Instituição Onde Será Realizado


Nome CNPJ Nacional/Internacional
Universidade do Estado do Pará - UEPA 34.860.833/0001-44 Nacional
Unidade/Órgão Participação Estrangeira Projeto Multicêntrico
Nupem NÃO NÃO
Endereço Bairro Cidade
Av. José Bonifácio, 1289 Guamá Belém - PA
Código Postal Telefone Fax Email
66113-200 (091) 3229-1131 (091) 3249-4671 cepenf@uepa.br
Termo de Compromisso
Declaro que conheço e cumprirei os requisitos da Res. CNS 196/96 e suas complementares e como esta instituição tem condições para o
desenvolvimento deste projeto, autorizo sua execução.
Nome: __________________________________________________ _________________________________________
Data: _______/_______/______________ Assinatura

O Projeto deverá ser entregue no CEP em até 30 dias a partir de 07/03/2009. Não ocorrendo a entrega
nesse prazo esta Folha de Rosto será INVALIDADA

15- A folha de rosto será disponibilizada para impressão, com seu número FR – 246631
(Garantia de cadastramento no Sisnep – em Brasília). O pesquisador deverá imprimi-la
e anexá-la a cada uma das vias do projeto que será encaminhado ao CEP, a fim de
receber o Certificado de Apresentação para Apreciação Ética (CAAE), (Registro
de aceite para avaliação pelo CEP – na sua cidade): 0001.0.352.000-09. Esta
numeração deverá ser informada no método do trabalho enviado para apresentação e
ou publicação, no qual será anexada a carta com a aprovação final do CEP.
117

IV - O PROJETO - RESUMO DA PROPOSTA: Neste ponto será avaliado o conteúdo


dos itens apresentados.

a. COMENTÁRIOS: (com ênfase às pendências e recomendações). Aqui o membro do


Comitê dará a visão geral que teve de seu projeto. Quanto mais criterioso, aprofundado e
completo você for, sem fugir a concisão, maior será a credibilidade e segurança transmitida.

b. PARECER:
a) Aprovado ( )
b) Aprovado com recomendação ( )
c) Aprovado com pendência ( )
d) Não aprovado ( )

Não será divulgada a identidade do relator.


A partir deste documento preenchido por um membro do Comitê,
será elaborado o parecer final padrão, fornecido ao pesquisador.
118

APÊNDICE C - ACEITE DO ORIENTADOR

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM
MEDICINA

DECLARAÇÃO:

Eu, Mário Augusto Paraense do Brasil, aceito orientar o trabalho


intitulado “Avaliação gasométrica arterial em ratos anestesiados com
vaporizador artesanal de éter sulfúrico”, de autoria do aluno Sidney dos Santos
Novo, declarando ter total conhecimento das normas de realização de Trabalhos
Científicos vigentes, segundo o Manual de Orientação de Trabalhos Científicos
do Curso de Medicina da UEPA para 2009, estando inclusive ciente da
necessidade de minha participação na banca examinadora por ocasião da defesa
do trabalho. Declaro ainda ter conhecimento do conteúdo do anteprojeto ora
entregue para o qual dou meu aceite pela rubrica das páginas.
Belém - Pará, 30 de janeiro de 2009

____________________________
Assinatura e carimbo Telefone:

Mário Augusto Paraense do Brasil


119

APÊNDICE D - CURRICULO LATTES


Caso o aluno indique um professor externo ao quadro da UEPA, para que o mesmo
seja aceito como orientador se fará necessário a entrega ao NUPEM de uma cópia impressa da
1ª (primeira) página de seu Currículo Lattes. Na qual deverá constar:

IDENTIFICAÇÃO
Nome , idade, endereço, telefone residencial, telefone comercial, fax, email, etc.

FORMAÇÃO EDUCACIONAL
Ano e local de graduação, Escola em que realizou a graduação. Os mesmos dados para
a pós-graduação.

EVENTOS CIENTÍFICOS
Participação dos últimos 5 anos em quaisquer eventos científicos, como expositor ou
convidado. Devem ser excluídos aqueles eventos no qual participou exclusivamente
como ouvinte.
120

APÊNDICE E - ACEITE DA INSTITUIÇÃO

PAPEL TIMBRADO DA INSTITUIÇÃO

DECLARAÇÃO:

Declaro em nome do Posto de Saúde da Casa Velha (Hospital,


Posto de Saúde, Laboratório Escola, ou qualquer outra Instituição onde possa ser
realizado o trabalho) ter conhecimento do Projeto de Pesquisa intitulado
“Avaliação gasométrica arterial em ratos anestesiados com vaporizador artesanal
de éter sulfúrico”, de autoria do aluno Sidney dos Santos Novo, da Universidade
do Estado do Pará, dando-lhe consentimento para a realizar o trabalho nesta
Instituição, e coletar dados em nosso serviço (Laboratório, arquivos, ou
Ambulatórios ou Enfermarias ou Centro Cirúrgico) durante o período
preestabelecido pelo cronograma.
Estamos também cientes e concordamos com a publicação dos resultados
encontrados, sendo obrigatoriamente citados na publicação a UEPA e o Posto de
Saúde da Casa Velha (Instituição onde foi realizado o trabalho) como locais de
realização do trabalho.

Belém - Pará, 03 de fevereiro de 2009

Mário Augusto Paraense do Brasil


Coordenador do Posto de Saúde da Casa Velha
(assinatura e carimbo do Responsável legal pela Instituição)
Telefones:
121

APÊNDICE F - SOLICITAÇÃO DE ORIENTAÇÃO


METODOLÓGICA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO EM MEDICINA

SOLICITAÇÃO:

Eu, Mário Augusto Paraense do Brasil, solicito ao NUPEM,


acompanhamento e orientação exclusivamente da parte metodológica para o
trabalho intitulado “Avaliação gasométrica arterial em ratos anestesiados
com vaporizador artesanal de éter sulfúrico”, de autoria do aluno Sidney dos
Santos Novo, declarando ter total conhecimento de que o Membro do
NUPEM designado para tal orientação será daqui para diante, inclusive no
momento da publicação, considerado também como autor do trabalho,
devendo dar seu aceite do conteúdo metodológico antes da entrega definitiva
do mesmo.
Belém - Pará, 30 de abril de 2009

Sidney dos Santos Novo


Orientando

Mário Augusto Paraense do Brasil


Orientador
Telefones:
122

APÊNDICE G – CAPA DO TRABALHO.

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM
MEDICINA

Alterações gasométricas em ratos anestesiados com vaporizador


artesanal de éter

Sidney dos Santos Novo

Belém – Pará
2009
123

APÊNDICE H – CAPA E ETIQUETA PARA O CD-


ROM.

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA

Alterações gasométricas em ratos anestesiados com


vaporizador artesanal de éter

MARCUS VINICIUS HENRIQUES BRITO


REINALDO DE AMORIM CARVALHO
IBRAHIM JOSEPH ZOUEIN
ARTUR ABEL TAVARES FERNANDES CAVACO
RICARDO PINHEIRO ROCHA
GLAYSE JUNE SASAKI ACÁCIO

BELÉM – PARÁ
2009

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-
GRADUAÇÃO EM MEDICINA
Alterações gasométricas em ratos anestesiados com
vaporizador artesanal de éter

MARCUS VINICIUS HENRIQUES BRITO


REINALDO DE AMORIM CARVALHO
IBRAHIM JOSEPH ZOUEIN
ARTUR ABEL TAVARES FERNANDES
RICARDO PINHEIRO ROCHA
GLAYSE JUNE SASAKI ACÁCIO

BELÉM – PARÁ
2009
124

APÊNDICE I – FOLHA DE ROSTO.

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM
MEDICINA

Alterações gasométricas em ratos anestesiados com


vaporizador artesanal de éter: estudo experimental

Sidney dos Santos Novo

Trabalho de Conclusão de Curso


apresentado à Universidade do Estado
do Pará, como pré-requisito para a
obtenção do grau em Medicina, sob
orientação do Prof. Dr. Mário Augusto
Paraense do Brasil.

Belém – Pará
2009
125

APÊNDICE J – FICHA CATALOGRÁFICA.

NOVO, Sidney dos Santos


Alterações gasométricas em ratos anestesiados com vaporizador artesanal
de éter: estudo experimental./ Sidney dos Santos Novo. --Belém, 2009.
vii, 57f.

Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Medicina) – Universidade do


Estado do Pará.

Gasometric alterations in rats anesthetized with ether handmade vaporizer.

1. Gases arteriais 2. Anestesia 3. Éter 4. Equipamentos 5. Ratos


126

APÊNDICE K – ÍNDICE.

ÍNDICE

1 - INTRODUÇÃO ............................................................... 1

2 - OBJETIVO ...................................................................... 4

3 - MÉTODO ......................................................................... 5

4 - RESULTADOS ............................................................... 12

5 - DISCUSSÃO .................................................................... 18

6 - CONCLUSÃO .................................................................. 27

REFERÊNCIAS ............................................................... 28

NORMAS ADOTADAS .................................................... 30

APÊNDICES .................................................................... 33

ANEXOS ............................................................................ 40
127

APÊNDICE L - INÍCIO DE CAPÍTULOS

(8 cm da borda do papel)

1 – INTRODUÇÃO

O rato é o animal preferencialmente utilizado, tanto no

âmbito anestésico como no cirúrgico experimentalmente. 1,2,3

Nestes animais várias drogas e técnicas anestésicas têm sido


1,4,5,6 2,6,7
utilizadas, dentre elas o éter por via inalatória, com uso

de câmaras de indução e de vaporizadores de fluxo contínuo 1,2,8 ...


128

APÊNDICE M - RESUMO PARA PUBLICAÇÃO


NORMAS DE CONFECÇÃO
a) Mesmo que os autores não queiram publicar o artigo do TCC pelo NUPEM, o mesmo
OBRIGATORIAMENTE deverá ser entregue com os demais documentos no momento
da entrega do TCC.

b) Caso o orientador do trabalho deseje publicá-lo em outra revista que não as indicadas
pelo NUPEM, deverá encaminhar carta se responsabilizando pela publicação do mesmo,
indicando em qual revista será publicado e desautorizando o NUPEM a publicá-lo por
6 meses. Caso em seis meses o NUPEM não receba a documentação comprobatória da
publicação o trabalho será encaminhado à Revista selecionada pela Coordenação.

c) O resumo para publicação deverá ser inédito quanto à publicação.

d) Deve ser entregue em 2 vias impressas, e completas incluindo as ilustrações (figuras e


tabelas) também em 2 vias.

e) As fotografias devem ser enviadas em CD, inclusas no corpo do trabalho com resolução
mínima de 300DPI, com sua legenda.

f) Deve ser entregue uma cópia do trabalho em CD, gravado pelo Microsoft Word versão
2003 ou mais atual, com o trabalho e ilustrações já montados segundo a formatação a
seguir.

FORMATAÇÃO

a) O trabalho deve ter no máximo 07 (sete) páginas.

b) Configuração de página para papel A4 (210 / 297 mm)

c) Margens de 3,0 cm à esquerda e 2,0 cm para as demais.

d) Texto em fonte TNR nº10, espaço simples, com ilustrações sempre citadas e “encaixadas”
no mesmo.

e) Ordem dos capítulos: Título (em português e inglês), autores, resumo, descritores
(segundo DECS atual), introdução, objetivo, método, resultados, discussão, conclusão,
abstract, keywords, referências e endereço completo DO ORIENTADOR para
correspondências (inclusive fax e email, que agilizarão as correções e publicação).

f) “Apresentações de caso” e “monografias” devem seguir a capitulação descrita neste


manual.

g) O título deve ser claro e conciso. Não pode conter fórmulas, abreviaturas ou
interrogações. É redigido com letras maiúsculas, TNR nº 14 em negrito, texto alinhado à
esquerda, seguido por número em sobrescrito, que indicará no rodapé da página a(s)
129

Instituição(ções) onde foi realizado o trabalho, ou contribuiu(ram) para a realização do


mesmo. (1 – Trabalho realizado no Laboratório de Cirurgia Experimental da Universidade
do Estado do Pará, com apoio do Laboratório X)

h) Autores aparecem abaixo do título, com letras maiúsculas, TNR nº 9, texto alinhado à
direita, seguido por número em sobrescrito, que indicará no rodapé da página a titulação
dos autores. (2 – Professor Adjunto Doutor da Disciplina de Técnica Operatória e Cirurgia
Experimental da UEPA)

i) O resumo deve ser redigido com fonte TNR nº 9, em parágrafo único, com no máximo
200 palavras, com espaço simples entre linhas e uma única coluna.

j) A introdução, resultados, discussão e conclusão são redigidas com fonte TNR nº 10, em
parágrafos múltiplos, com espaço simples entre linhas, em duas colunas.

k) Agradecimentos devem vir antes das referências.

l) Todas as citações do texto do trabalho devem constar no capítulo de referências e vice-


versa.

m) O capítulo de referências segue a mesma norma descrita no manual, excetuando-se o


tamanho das letras que deve ser TNR 10.

n) Utilize somente as tabelas e figuras estritamente necessárias a compreensão do trabalho.

Obs: Para TCE (Trabalho de Conclusão de Estágio) realizado por alunos do primeiro ao
terceiro ano, o resumo para publicação deverá seguir a formatação do resumo da monografia,
ou seja, conter no máximo 250 palavras. Este resumo deverá ser enviado para o e-mail do
NUPEM: nupem.uepa@yahoo.com.br, de acordo com a data estipulada para a referida
jornada de apresentação de trabalhos científicos do ano em questão.

NAS PRÓXIMAS PÁGINAS, EXEMPLOS PARA FORMATAÇÃO DE ARTIGO


(TCC) E EM SEGUIDA, PARA FORMATAÇÃO DE RESUMO PARA PUBLICAÇÃO
DE TCE.
130

ALTERAÇÕES HISTOPATOLÓGICAS EM RATOS ANESTESIADOS


COM ÉTER SULFÚRICO1
HYSTOPATHOLOGICAL ALTERATIONS IN RATS
ANESTHETIZED WITH SULFURIC ETHER.

MARCUS VINICIUS HENRIQUES BRITO 2,3


REINALDO DE AMORIM CARVALHO 3
IBRAHIM JOSEPH ZOUEIN 4
ARTUR ABEL TAVARES FERNANDES CAVACO 5
RICARDO PINHEIRO ROCHA 6
GLAYSE JUNE SASAKI ACÁCIO 7

Brito MVH, Carvalho RA, Zouein IJ, Cavaco AATF, Rocha RP, Acácio GJS. Alterações histopatológicas em ratos
anestesiados com éter sulfúrico

O rato é o animal preferencialmente utilizado, tanto no âmbito anestésico como no cirúrgico experimentalmente.
Nestes animais várias drogas e técnicas anestésicas têm sido utilizadas, dentre elas o éter por via inalatória, com uso de
câmaras de indução e de vaporizadores de fluxo contínuo. Desta forma o objetivo deste trabalho foi estudar a estrutura
histológica de órgãos de ratos anestesiados com éter sulfúrico por via inalatória. Foram utilizados 24 Rattus norvegicus
albinus, machos, adultos, pesando 285 (+/-20) gramas, com 120 a 150 dias de vida, distribuídos em dois grupos: Grupo A
(n=12), no qual foi utilizado éter sulfúrico como agente anestésico inalatório, e Grupo C, grupo controle (n=12), em cujos
animais não foi realizado nenhum ato anestésico, sendo submetidos a eutanásia com injeção de 5 ml de cloreto de
potássio a 10% por via intra-peritonial. O grupo A foi dividido em 3 subgrupos: A1 (n=4), A7 (n=4) e A15 (n=4), cujos
animais receberam anestesia por 30 minutos diários durante, um, sete e quinze dias consecutivos, respectivamente.
Completado o ciclo anestésico de cada subgrupo, os animais foram submetidos a eutanásia com dose inalatória letal de
éter sulfúrico, sendo retiradas vísceras (cérebro, fígado, pulmão, rim e traquéia), para análise macroscópica e estudo
histopatológico. Dentre os resultados observados, fígado e encéfalo mostraram-se normais em ambos os grupos. Traquéia
e rim apresentaram alterações não significantes e o pulmão teve como alterações: peribronquite, perivasculite, hiperplasia
de folículos linfóides, descamação epitelial e inflamação intersticial, que apresentaram-se de modo similar nos grupos A e
C e provavelmente estavam presentes antes do início do estudo. Desta maneira, conclui-se que de acordo com o tempo e a
forma de exposição ao éter sulfúrico padronizados no experimento, o referido agente anestésico não produziu alterações
histopatológicas estatisticamente significantes, nos animais submetidos ao estudo.

DESCRITORES: RATOS; ETIL-ÉTERES; HISTOLOGIA; ANESTESIA POR INALAÇÃO

1Trabalho realizado no Laboratório de Cirurgia Experimental da Universidade do Estado do Pará.


2 Professor Adjunto do Departamento de Medicina Integrada da Universidade do Estado do Pará.
3 Presidente da SOBRADPEC, Regional Pará;
Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões;
4 Médico Estagiário do Serviço de Trauma do Hospital São Paulo em São Paulo/SP.
5 Médico das Forças Armadas do Brasil.
6 Aluno do 4º ano do Curso de Medicina da Universidade do Estado do Pará.
7 Aluna do 4º ano do Curso de Medicina da Universidade Federal do Pará.

INTRODUÇÃO promover depressão mínima do centro respiratório


O rato é o animal preferencialmente e máxima da córtex cerebral 6. Desta forma mantém
utilizado, tanto em anestesia como em cirurgia o seu uso na experimentação, pela segurança, fácil
experimentais 7, 9, 10. Nestes animais várias drogas manuseio e preço acessível 8. Em humanos deixou
e técnicas anestésicas têm sido utilizadas. Dentre de ser usado devido ao cheiro forte e penetrante,
elas, o éter por via inalatória com o uso de câmaras inflamabilidade e explosividade 4, 6, 7.
de indução, realizando-se a manutenção anestésica Em anestesia veterinária e experimental emprega-se
por meio de máscaras abertas e de vaporizador de até hoje o éter etílico, evitando-se o uso do
fluxo contínuo 1, 2, 3, 4, 7. sulfúrico pois a literatura refere o aparecimento de
O éter, em cirurgia experimental, é lesões hepáticas devido a utilização do éter
considerado um bom agente anestésico, devido sulfúrico 7.

OBJETIVO
Estudar a estrutura histológica de órgãos de ratos
anestesiados com éter sulfúrico por via inalatória.
131

MÉTODO Os animais receberam fluxo do vaporizador durante


AMOSTRA 30 minutos, quando este era desligado, iniciando-se
Foram utilizados 24 Rattus norvegicus albinus o período de recuperação anestésica, o qual durava
(Wistar), machos, adultos, com 120 a 150 dias de em torno de 15 a 30 minutos. Passado este período,
idade, pesando 285 gramas(+/-20), oriundos do os animais eram pesados e identificados.
Biotério do Instituto Evandro Chagas (Belém - A eutanásia dos animais do GA , foi realizada pelo
Pará), adaptados ao Biotério da Universidade aumento do fluxo anestésico até sobrevir a morte
Federal do Pará por 15 dias antes do início do dos mesmos, nos períodos pré-determinados para
experimento e mantidos em ambiente controlado. cada subgrupo, ou seja, no 1o, 7o e 15o dia de
Água e ração3 foram oferecidas "ad libitum", anestesia, para os subgrupos A1, A7 e A15,
durante todo o período do estudo. respectivamente.
Já os animais do GC, foram submetidos a eutanásia,
PROCEDIMENTOS por meio de injeção de 5ml de cloreto de potássio a
Para o estudo foram padronizados 2 10% por via intra-peritonial, após terem sido
grupos: mantidos pelo mesmo tempo e no mesmo ambiente
Grupo A (GA): animais (n = 12), que receberam que os animais submetidos a anestesia.
éter sulfúrico II por inalação. Após a total perda dos sinais vitais foi realizada a
Grupo C (GC): animais (n = 12), nos quais não foi retirada das peças (cérebro, fígado, pulmão, rim e
realizado nenhum ato anestésico, sendo submetidos traquéia), para estudos macroscópico e
a eutanásia com injeção de 5 ml de cloreto de histopatológico pela coloração com hematoxilina-
potássio III à 10% por via intra-peritonial. eosina, sendo os resultados catalogados em fichas
O grupo A foi dividido em 3 subgrupos: de análise e avaliados estatisticamente pelo teste F
- Subgrupo A1 (n=4). Animais que receberam de Snedecor.
éter sulfúrico inalatório por 30 minutos, em um
único dia. RESULTADOS
- Subgrupo A7 (n=4). Animais que receberam éter O padrão macroscópico dos órgãos dos
sulfúrico inalatório 30 minutos por dia, durante 7 grupos de animais estudados apresentou-se
dias consecutivos. preservado e semelhante (P≤0,05). O fígado
- Subgrupo A15 (n=4). Animais que receberam mostrava-se como órgão sólido, macio, friável,
éter sulfúrico inalatório por 30 minutos por dia, facilmente dilacerável e de coloração castanho
durante 15 dias consecutivos. avermelhado.
Os animais no período pré-anestésico O pulmão encontrava-se liso, de coloração
permaneceram em suas respectivas gaiolas, branco rosada. Os rins eram sólidos
recebendo água e ração "ad libitum" até o momento de cor vermelho escuro. Traquéia de consistência
da anestesia. A indução anestésica foi realizada em elástica e coloração branco rosada. O encéfalo tinha
câmara plástica transparente, com volume de 4 consistência amolecida, friável e coloração branco
litros, previamente saturado com 5 ml de éter acinzentada.
sulfúrico. Após aproximadamente 2 minutos o Os achados histopatológicos dos animais dos
animal encontrava-se prostrado, sendo então grupos A e C podem ser observados
retirado da câmara e posicionado em decúbito comparativamente na FIGURA 1.
dorsal horizontal sobre a mesa cirúrgica, onde
recebia éter sulfúrico por via nasal, provindo de um
vaporizador artesanal 2. O fluxo deste foi
regulado afim de permitir plano anestésico
adequado para cirurgia.
O animal era mantido em ventilação espontânea,
sendo monitoradas a freqüência respiratória,
abertura ocular e o reflexo interdigital, tanto no
período anestésico como no de recuperação
anestésica. Os dados foram anotados em fichas
anestésica e de recuperação anestésica
respectivamente, segundo protocolo do trabalho.

I -RAÇÃO LABINA-PURINA. LOTE DE 20/03/95.


II -ÉTER SULFÚRICO TECHNION INDÚSTRIAS
QUÍMICAS EXPORTADORAS LTDA. LOTE DE 22/02/95
III-IBIFAM, INDÚSTRIA BIOLÓGICA E FAMACÊUTICA
DA AMAZÔNIA S/A.
NÚMERO DE
CARACTERÍSTICAS HISTOPATOLÓGICAS ALTERAÇÕES
ÓRGÃO
GA GC
ENCÉFALO - SEM ALTERAÇÃO 12 12

FÍGADO - perivasculite moderada 00 01


- hepatócito com vacúolo citoplasmático 00 02
- SEM ALTERAÇÃO 12 09
- hiperplasia de folículo linfóide 01 01
- peribronquite 05 05
PULMÃO - perivasculite 06 06
- descamação epitelial 05 01
- inflamação intersticial subaguda 05 04
- SEM ALTERAÇÃO 01 01

- acúmulo de susbtância acidófila na cápsula de Bowman 00 01


RIM - hiperemia aguda 01 01
- SEM ALTERAÇÃO 11 10

- inflamação subaguda na submucosa 02 03


TRAQUÉIA - hipersecreção 01 00
- SEM ALTERAÇÃO 09 09

FIGURA 1 - Características histopatológicas dos órgãos de animais submetidos ao estudo.


Fonte: Fichas de avaliação do experimento.

TABELA 1 - Grupos de animais com e sem alterações pulmonares após inalação de éter sulfúrico (GA) ou eutanásia
por aplicação de potássio (GC).

GRUPOS COM ALTERAÇÕES * SEM ALTERAÇÕES


GA 11 1
GC 11 1
TOTAL 22 2
Fonte: Fichas de avaliação do experimento.
P ≤ 0,05 (teste F de Snedecor)
133

DISCUSSÃO o agente anestésico por tempo prolongado


Ainda hoje o éter é um dos agentes (subgrupo A15), fossem mais intensas que no
anestésicos mais utilizados em cirurgia subgrupo A7, e neste maiores que no subgrupo
experimental, devido sua rápida indução e A1, devido ao tempo de exposição em cada
recuperação pós-anestésica, baixo custo e fácil subgrupo. Porém não foi observada diferença
manuseio. No entanto está descrita a possibilidade significante entre os subgrupos A1, A7 e A15.(P
de complicações, dentre elas, sua propriedade > 0,05)
explosiva e de toxicidade para o animal, com o uso 2) Os animais do grupo A apresentaram achados
do mesmo 7,9,10. histopatológicos semelhantes aos observados
Segundo MASSONE7 o uso do éter sulfúrico como no grupo C, sendo esta informação
anestésico inalatório em ratos é responsável pelo estatisticamente significante. Inclusive no
surgimento de lesões hepáticas, embora este não pulmão, o qual apresentou maior número de
refira o tempo necessário de utilização para o alterações (TABELA 1).
aparecimento de tal intercorrência . No presente 3) Pela avaliação histopatológica as lesões
estudo, as referidas lesões não foram observadas encontradas nos animais dos grupos A e C têm
com o tempo e forma de exposição empregados. aspecto crônico, tornando pouco provável a
Sendo este tempo considerado suficiente para a hipótese das alterações terem sido produzidas
realização da maior parte dos procedimentos pelo éter sulfúrico, em relação ao período de
operatórios experimentais. exposição ao agente anestésico, utilizado no
Com base na informação de MASSONE7, seria experimento.
esperado que a traquéia por ser o órgão em contato Assim pode-se supor que as alterações
direto com maior concentração de éter apresentasse histopatológicas observadas nos animais
alterações histopatológicas, o que não foi observado submetidos ao experimento, encontravam-se
em número significante de animais. presentes nos mesmos antes de iniciado o estudo,
Do mesmo modo devido o éter ser parcialmente tendo sido produzidas provavelmente devido a
excretado por via renal o rim seria outro órgão condições ambientais e a propensão destes animais
bastante sujeito ao aparecimento de lesões, no a desenvolver doenças do trato respiratório nestas
entanto, também mostrou um número não condições 5.
significante destas (um animal do subgrupo A1,
cujas lesões foram basicamente hiperêmicas). CONCLUSÃO
O pulmão foi o órgão com maior número de lesões De acordo com o tempo e a forma de exposição
observadas. ao éter sulfúrico padronizados no experimento, o
No entanto para nenhum dos três órgãos citados referido agente anestésico não produziu alterações
anteriormente (traquéia, rim e pulmão), pode-se histopatológicas estatisticamente significantes, nos
afirmar serem as alterações encontradas causadas animais submetidos ao estudo.
pelo agente anestésico, em virtude dos seguintes
fatos:
1) Seria esperado que as lesões pulmonares
causadas pelo éter nos animais que receberam

Correspondência para Marcus Vinicius Henriques Brito


Trav. Padre Eutíquio 2264, Apto 1101. Batista Campos
Belém - PA.
CEP: 66.033-000
Telefone: (091) 242-6636 e 9981-6321
E-mail: mnbrito@amazon.com.br

Brito MVH, Carvalho RA, Zouein IJ, Cavaco AATF, Rocha RP, Acácio GJS. Hystopathological alterations in rats
anesthetized with sulfuric ether.

Rats are the animals preferentially used in anesthetic and surgical experiments. Many anesthetic techniques and
drugs have been utilized, among them ether by inhaled way, with the use of induction chamber and nonstop flux vaporizer.
The objective of this experiment was studying the hysthological structure of rats’ organs using the sulfuric ether as inhaled
anesthetic agent. In the present study were utilized 24 Rattus norvegicus albinus, males, adults, weighing 285 grams (+/- 20),
with 120 to 150 days of age, distributed in two groups: Group A (n=12), in which was utilized sulfuric ether inhaled
anesthetic agent, and Group C, control group (n=12), in which animals was done no anesthetic act, being subjected to
euthanasia by injection of 5 ml of potassium chloride 10% by intraperitoneal way. Group A was divided in three subgroups:
A1 (n=4), A7 (n=4) and A15 (n=4) anesthetized during 30 minutes per day, during one, seven and fifteen consecutive days,
134

respectively. Finished the anesthetic cycle of each group the animals were underwent to euthanasia by a lethal inhalatory
dose of sulfuric ether, being withdrawn the viscera (brain, liver, lungs, kidneys and trachea), in order to do the macroscopic
analysis and hystopathological study. After analyzing the results, liver and brain were normal in both groups. Trachea and
kidneys presented no significant alterations and the lungs presented alterations such as: peribronchitis, perivasculitis,
lymphoid follicles hyperplasia, epithelial desquamation and interstitial inflammation, without statistical variation in both
groups: A and C. This way, we have concluded that according to the time and the way of exposure to sulfuric ether patterned
in this experiment, the referred anesthetic agent did not produced statistically significant hystopathological alterations in the
animals subjected to the study.

KEY WORDS: RATS, ETHYL ETHERS, HISTOLOGY, ANESTHESIA, INHALATION

REFERÊNCIAS

1 - Abrão J, Silva VJD, Reis L. Proposição de um laringoscópio artesanal para intubação orotraqueal em ratos.
Acta. Cir. Bras. 1994; 9:139-41.

2 - Brito MVHB, Brito NMB, Almeida AJB. Vaporizador artesanal de éter de fluxo contínuo e homogêneo para
cirurgia experimental. In: Congresso Brasileiro de Cirurgia, 21; Congresso Latino Americano, 11. São
Paulo, Setembro de 1995. Anais. São Paulo, FELAC, 1995. p. 159 [Resumo 003].

3 - Cilley RE, Wang JY, Coran AG. Lung injury produced by moderate lung overflation in rats. J. Ped. Surg.
1993; 28:488-95.

4 - Costa DL, Lehann JR, Harold WM. Transoral traqueal intubation of rodents using a fiberotic larigoscopic.
Lab. Animal Science, 1986; 36:256-61.

5 - Ghiraldini MA. Animais de experimentação. 1ª ed. Mogi das Cruzes (SP): Universidade Federal de São
Paulo, Escola Paulista de Medicina; 1995.

6 - Guyton AC. Tratado de Fisiologia Médica. 7ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 1989.

7 - Massone F. Anestesiologia veterinária: Farmacologia e técnicas. 1ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara
Editora; 1988.

8 - Pujal CH, Mur MC, Perez AM. La termoeterización. Rev. Esp. Anestesiol. Reanim, Spain. 1990; 37:278-83.

9- Shossler JE. A escolha, contenção e manuseio de animais de experimentação. Acta Cir. Bras. 1993; 8:166-
9.

10 - Valero VB. Manual para técnicos de biotério. Manuseio, contenção, sexagem das espécies convencionais.
1ª ed. São Paulo (SP): Escola Paulista de Medicina; 1990.
135

RESUMO PARA PUBLICAÇÃO (TCE)

PERFIL DO IDOSO ATENDIDO EM UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA


DO SUS EM BELÉM DO PARÁ1

JORGE LUIZ ANDRADE COÊLHO2


ADRIANA HELLEN NUNES CANTANHEDE 3
BIANCA CALUF NEGRÃO 3
KARINE CASTRO LEMOS 3
MAIOI WANDERLEY NEVES 3
RENATA GAMA MENDES 3

Coêlho JLA, Cantanhede AHN, Negrão BC, Lemos KC, Neves MW, Mendes RG. Perfil do idoso atendido em Unidade de
Saúde da Família do SUS em Belém do Pará.

Atualmente em cada 10 pessoas no mundo, uma tem 60 anos ou mais. Hoje a população de gerontes brasileira
representa 8,6% do total de cidadãos, e no Pará equivale a 5,8%. Deste modo, objetiva-se traçar o perfil sócio econômico e da
saúde do idoso cadastrado na Casa Família Mangueirão, no ano de 2006. O estudo foi realizado através de entrevistas com
100 idosos. Os dados obtidos foram coletados em protocolos próprios e submetidos à análise estatística. Observou-se a
prevalência da faixa etária entre 60 a 69 anos (59%); 66% eram mulheres; 87% alegavam não precisar de ajuda nas
Atividades Básicas de Vida Diária (ABVD); 85% recebiam de 1 a 3 salários mínimos; 41% ingeriam água sem tratamento;
48% consideravam sua saúde regular; 41,27% tinham hipertensão. Desta maneira, conclui-se que os idosos pesquisados, em
sua maioria têm entre 60 a 69 anos; são mulheres; não precisam de ajuda nas ABVD, com renda entre 1 a 3 salários mínimos;
ingerem água sem tratamento; consideram sua saúde regular e apresentam principalmente hipertensão.

DESCRITORES: IDOSOS; PERFIL DE SAÚDE; FATORES SÓCIOECONÔMICOS.

1 Trabalho realizado na Casa Família Mangueirão, Belém PA.


2 Professor do Estágio I da Universidade do Estado do Pará.
3 Alunos do 1º ano do Curso de Medicina da Universidade do Estado do Pará.
136

APÊNDICE N - MEMBROS DA BANCA


SUGESTÕES:

Eu, Sidney dos Santos Novo, concluinte do Curso de Medicina da UEPA,


sugiro ao NUPEM, o nome dos seguintes professores para a composição da
banca examinadora do trabalho intitulado “Avaliação gasométrica arterial em
ratos anestesiados com vaporizador artesanal de éter sulfúrico” de minha
autoria, orientado pelo prof. Mário Augusto Paraense do Brasil.
01) prof. Xxxxxxxxxx Xxxxxxxx Xxxxxxxxx
Local de trabalho: Yyyyy Yyyyyyy Yyyy
Telefones: Residência 234-5678
Comercial 234-5678
Celular9999-9999

02) prof. Xxxxxxxxxx Xxxxxxxx Xxxxxxxxx


Local de trabalho: Yyyyy Yyyyyyy Yyyy
Telefones: Residência 234-5678
Comercial 234-5678
Celular9999-9999

03) prof. Xxxxxxxxxx Xxxxxxxx Xxxxxxxxx


Local de trabalho: Yyyyy Yyyyyyy Yyyy
Telefones: Residência 234-5678
Comercial 234-5678
Celular9999-9999

04) prof. Xxxxxxxxxx Xxxxxxxx Xxxxxxxxx


Local de trabalho: Yyyyy Yyyyyyy Yyyy
Telefones: Residência 234-5678
Comercial 234-5678
Celular9999-9999

05) prof. Xxxxxxxxxx Xxxxxxxx Xxxxxxxxx


Local de trabalho: Yyyyy Yyyyyyy Yyyy
Telefones: Residência 234-5678
Comercial 234-5678
Celular9999-9999

ORIENTADOR:
Nome Assinatura e carimbo

ALUNO:

Nome Assinatura
137

APÊNDICE O - DOCUMENTOS PARA A ENTREGA


SÓ SERÁ ACEITA A ENTREGA DE TRABALHOS ACOMPANHADOS DOS
SEGUINTES ITENS:

™ DOIS CDs com o “Manual de elaboração do Trabalho Científico 2009”.


™ TRÊS vias do trabalho escrito e encadernado (Orientador e dois julgadores).
™ TRÊS CDs (um para a Biblioteca e um para a revista em que será publicado o trabalho)
com o seguinte conteúdo:
Ö Trabalho completo (como foi enviado para os julgadores) (com figuras,
quadros e tabelas devidamente inseridas no texto).
Ö Trabalho resumido em forma de artigo (devidamente formatado, com no
máximo de 10 folhas com figuras, quadros e tabelas devidamente inseridas no
texto). (APÊNDICE M).
Ö CDs com capa acrílica e etiqueta – (APÊNDICE H)
Será testado quanto a vírus e leitura na hora da entrega.
Deverá ser entregue mesmo que o trabalho vá ser enviado a outra revista
que não as indicadas pelo NUPEM.
Deverá estar ETIQUETADO COM: Nome do trabalho, autores,
(incluindo o orientador) e telefone para contato de todos. (APÊNDICE H)

™ DUAS VIAS IMPRESSAS do trabalho em forma de artigo, como será publicado na


revista.
™ CARTA DE CONHECIMENTO e aceite do conteúdo pelo orientador (APÊNDICE Q)
™ AUTORIZAÇÃO para providenciar a publicação (APÊNDICE R)
™ DUAS vias do “RECIBO DO TRABALHO CIENTÍFICO” (APÊNDICE S)
Deverá ser devolvida preenchida ao NUPEM, assim que o trabalho for
entregue ao julgador.
™ UMA via para cada julgador do “NÃO ACEITE” (APÊNDICE T)
Se necessário, será preenchida e devolvida ao NUPEM pelo julgador.
™ UMA via para cada julgador da “FICHA DE AVALIAÇÃO” (APÊNDICE U)
™ TRÊS FICHAS de “NORMAS DA SESSÃO DE APRESENTAÇÃO”. (APÊNDICE W).

CADA ENVELOPE entregue aos examinadores do Trabalho Científico deverá conter os


seguintes documentos:

™ 01 via em CD-ROM do “Manual de elaboração do Trabalho Científico 2009”,


devidamente etiquetado.
™ 01 via do TRABALHO CIENTÍFICO.
™ 01 RECIBO Do Trabalho Científico (APÊNDICE S), devolvido ao graduando no
momento da entrega.
™ 01 CARTA DE NÃO ACEITE (APÊNDICE T), devolvido ao NUPEM se houver
problemas.
™ 01 FICHA DE AVALIAÇÃO (APÊNDICE U), preenchida durante a leitura do
TRABALHO CIENTÍFICO e após sua apresentação na Jornada.
™ 01 FICHA DE “NORMAS DA SESSÃO DE APRESENTAÇÃO”. (APÊNDICE W).
Para utilização na Jornada.
™ 01 CONVITE para a jornada.
™ 01 PROGRAMAÇÃO DA JORNADA (com data, horário e local da apresentação).
138

APÊNDICE P – TERMO DE ACEITE DO JULGADOR

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM
MEDICINA

Ao Profº. JOSÉ JOÃO DA SILVA

O Curso de Medicina e o Núcleo de Pesquisa, Extensão e Pós-


Graduação em Medicina, convidam V. Sa. a participar como Membro da
Banca Julgadora do Trabalho de Conclusão de Curso intitulado:
“Avaliação gasométrica arterial em ratos anestesiados com
vaporizador artesanal de éter sulfúrico” sob a orientação do Prof.
Mário Augusto Paraense do Brasil, tendo com orientado o aluno:
Sidney dos Santos Novo.
Ocorrerá no dia 16 de novembro de 2009; 18;30 h; Campus II, CCBS,
Bloco B, Sala 1.
Agradecemos, desde já, a sua participação

( ) ACEITO
( ) NÃO ACEITO

Belém - Pará, 30 de outubro de 2009

Assinatura e carimbo Rubrica

JOSÉ JOÃO DA SILVA


Telefone:
139

APÊNDICE Q - ACEITE DO CONTEÚDO FINAL

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM
MEDICINA

DECLARAÇÃO:

Eu, Mário Augusto Paraense do Brasil, declaro conhecer e


aprovar o conteúdo final do trabalho intitulado “Avaliação gasométrica
arterial em ratos anestesiados com vaporizador artesanal de éter sulfúrico”,
de autoria do aluno Sidney dos Santos Novo, assim como seu resumo
preparado para a publicação, liberando o trabalho para ser examinado na
Jornada dos Concluintes do Curso de Medicina da UEPA. Estou também
ciente da necessidade de minha participação na banca examinadora por
ocasião da defesa do trabalho. Em caso de impedimento de minha
participação, indicarei por escrito e em tempo hábil à Coordenação da
Jornada, um substituto conhecedor do conteúdo do Trabalho, que irá me
representar.

Belém - Pará, 30 de outubro de 2009

Assinatura e carimbo Rubrica

Mário Augusto Paraense do Brasil


Telefone:
140

APÊNDICE R - AUTORIZAÇÃO PARA PUBLICAÇÃO.

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM
MEDICINA

AUTORIZAÇÃO:

Os autores do trabalho intitulado “Avaliação gasométrica arterial


em ratos anestesiados com vaporizador artesanal de éter sulfúrico”,
apresentado e aprovado na YY Jornada dos Concluintes do Curso de
Medicina da UEPA, em novembro de 2004, solicitam ao NUPEM, a:

( ) tomar todas as providências necessárias à publicação do trabalho quer


na revista editada pelo CCBS quer em qualquer outra revista selecionada
por sua Coordenação.

( ) Aguardar por 6 meses a entrega da Revista com o artigo ou carta


informando estar o artigo no prelo.
Automaticamente autorizamos ao NUPEM a providenciar a publicação
do artigo, caso não apresentemos a carta (no prelo) ou o artigo publicado,
até 6 meses após esta data.
Belém - Pará, 30 de setembro de 2009

Nome completo de todos AUTORES incluindo Orientador(es)

Assinatura e carimbo Telefone:


Mário Augusto Paraense do Brasil
Sidney dos Santos Novo
Outros autores do trabalho
(Todos devem assinar e informar o Telefone)
141

APÊNDICE S - RECIBO DO TRABALHO CIENTÍFICO

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM
MEDICINA

DECLARAÇÃO:

Eu Xxxxxxx Xxxxxxxx xx Xxxxxxx, declaro ter recebido o trabalho


intitulado “Avaliação gasométrica arterial em ratos anestesiados com vaporizador
artesanal de éter sulfúrico”, de autoria do aluno Sidney dos Santos Novo, e me
comprometo a realizar avaliação inicial do mesmo no prazo de 05 (cinco) dias úteis.
Se por qualquer motivo me encontrar impedido de avaliar o trabalho,
preencherei e devolverei ao NUPEM, CCBS – UEPA, dentro do prazo acima
estipulado, a carta de “não aceite”, juntamente com o volume do TRABALHO
CIENTÍFICO e o Manual de Orientações recebidos.
Entendo ainda que a não entrega da referida carta neste prazo, faz entender
que o conteúdo do trabalho é de bom nível, devendo ser avaliado com maior
profundidade e que aceito participar de sua defesa pública na data estipulada para tal.

Belém - Pará, 30 de setembro de 2009

Assinatura e carimbo Telefones:


142

APÊNDICE T - NÃO ACEITE

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ


UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
CURSO DE MEDICINA
NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM
MEDICINA

DECLARAÇÃO:

Eu Xxxxxxx Xxxxxxxx xx Xxxxxxx, recebi o trabalho intitulado


“Avaliação gasométrica arterial em ratos anestesiados com vaporizador
artesanal de éter sulfúrico”, de autoria do aluno Sidney dos Santos Novo,
porém sinto-me obrigado a devolvê-lo devido a:
( ) Problemas particulares me impedirem de examinar o trabalho deste
aluno.
( ) Compromisso exigir minha presença no dia da apresentação do mesmo.
( ) Haverem falhas de metodologia e ou conteúdo que inviabilizam o
trabalho.
Neste caso favor listar sumariamente as falhas no verso desta, para que as devidas providências
para as correções sejam tomadas.
( ) Outras causas. (favor especificar no verso)

Belém - Pará, 30 de setembro de 2009

Assinatura e carimbo TELEFONES:

Xxxxxxx Xxxxxxxx xx Xxxxxxx


143

APÊNDICE U - FICHA DE AVALIAÇÃO DE


TRABALHOS CIENTÍFICOS.
Trabalho: _________________________________________________________________________________
Marque com um círculo na coluna de “pontos para cada subtópico”, a nota aferida a cada subtópico e na “total
de pontos obtidos” a somatória das notas no tópico.
PONTOS PARA TOTAL DE PONTOS
TÓPICOS CADA SUBTÓPICO OBTIDOS NO TÓPICO
(Cada tópico obterá de 0,0 a 2,0 pontos.)
1) CONTEÚDO
a) Precisão dos fundamentos teóricos ............................... 0,0 0,2 0,4
- Cita corretamente dados de literatura (0,4)
- A literatura é citada incorretamente (0,0)
b) Definição da idéia central ............................................. 0,0 0,2 0,4
- Deixa claro o objetivo do trabalho (0,4)
- O objetivo do trabalho não é definido (0,0)
c) Organização lógica do assunto ..................................... 0,0 0,2 0,4
- Capítulos se correlacionam logicamente (0,4) TOTAL =
- Os capítulos não se completam, e ou não
apresentam seqüência lógica. (0,0) (de 0 a 2,0 pontos)
d) Clareza na interpretação dos resultados ........................ 0,0 0,2 0,4
- Os resultados obtidos são corretamente
interpretados e discutidos. (0,4)
- Não houve entendimento dos resultados (0,0)
e) Correlação Título x Objetivo x Conclusão .................... 0,0 0,2 0,4
- A conclusão responde ao objetivo, e este é
conseqüência do título (0,4)
- Não há correlação entre eles (0,0)
2) FORMA
a) Foi cumprida a formatação do pré-texto 0,0 ; 0,2 ; 0,4
b) Foi cumprida a formatação do texto 0,0 ; 0,2 ; 0,4 TOTAL =
c) Foi cumprida a formatação do pós-texto 0,0 ; 0,2 ; 0,4
d) Foi cumprida a formatação das figuras 0,0 ; 0,2 ; 0,4 (de 0 a 2,0 ponto)
e) Foi cumprida a formatação das tabelas 0,0 ; 0,2 ; 0,4
3) LINGUAGEM
a) Há fluência de idéias e concisão nos parágrafos 0,0 ; 0,2 ; 0,4
b) As palavras e termos técnicos são bem empregados 0,0 ; 0,2 ; 0,4 TOTAL =
c) Há concordância verbal no texto 0,0 ; 0,2 ; 0,4
d) Existem erros de digitação no texto 0,0 ; 0,2 ; 0,4 (de 0 a 2,0 pontos)
e) Os tempos verbais são corretamente utilizados 0,0 ; 0,2 ; 0,4
4) FONTE DE DOCUMENTAÇÃO
a) É utilizada documentação atual 0,0 ; 0,2 ; 0,4
b) Trabalhos clássicos foram citados 0,0 ; 0,2 ; 0,4 TOTAL =
c) Todas as Referências foram citadas no texto 0,0 ; 0,2 ; 0,4
d) Cada conteúdo referido corresponde a referência citada 0,0 ; 0,2 ; 0,4 (de 0 a 2,0 pontos)
e) As citações têm forma correta no texto e no capítulo. 0,0 ; 0,2 ; 0,4
5) APRESENTAÇÃO ORAL
a) Clareza, objetividade e transmissão do conteúdo 0,0 ; 0,2 ; 0,4
b) Segurança, postura e dicção do apresentador 0,0 ; 0,2 ; 0,4 TOTAL =
c) Cumpriu tempo estipulado para a apresentação. 0,0 ; 0,2 ; 0,4
d) Utilizou corretamente os recursos audiovisuais 0,0 ; 0,2 ; 0,4 (de 0 a 2,0 pontos)
e) Respondeu com propriedade e conhecimento a argüição 0,0 ; 0,2 ; 0,4

Data: ___/___/___ Nota final: _______________________________

Professor examinador: _______________________________________________________________________


144

APÊNDICE V- NORMAS DA SESSÃO DE


APRESENTAÇÃO.
1) A sessão é aberta por seu PRESIDENTE, que dá inicio aos trabalhos:
a) Confere se os membros da Banca estão de posse de suas fichas de avaliação.
b) Agradece a presença de todos em nome da Coordenação e da Direção do CCBS.
c) Apresenta os membros e agradece a presença da Banca examinadora.
d) Lê as regras da apresentação:

) Os autores terão 10 minutos para a apresentação, sendo avisados pelo presidente da


sessão, no 8º minuto se houver necessidade.
) Após a apresentação será iniciada argüição de 5 minutos pelo 1º examinador,
devendo o(s) aluno(s) anotar (em) as perguntas.
) Após todos os questionamentos do 1º argüidor, os alunos terão 5 minutos para suas
respostas e considerações.
) Segue-se da mesma forma com o 2º argüidor.
) No caso de Trabalhos Científicos realizados por 02 (dois) alunos, o argüidor poderá
determinar qual dos alunos responderá aos questionamentos. Caso isto não ocorra, a
decisão de quem responderá será feita pelos alunos.
) Não haverá direito a réplicas ou tréplicas.
) Caso o examinador não aceite a resposta do aluno, deverá descontar pontos no
quesito correspondente na ficha de avaliação.
) Nenhum membro da platéia tem direito a manifestação.
) Ao final das respostas ao 2º argüidor, o orientador do trabalho, terá 5 minutos para
suas considerações finais.

2) Após a leitura das regras, apresenta sumariamente o trabalho e o(s) aluno(s), dando início a apresentação
oral do TRABALHO CIENTÍFICO.
3) Ao final da apresentação o presidente passará a palavra aos membros da banca e aos alunos na seguinte
ordem:

ORADOR CONTEÚDO TEMPO


1º examinador Considerações e perguntas 05 minutos
Candidatos Respostas 05 minutos
2º examinador Considerações e perguntas 05 minutos
Candidatos Respostas 05 minutos
Orientador Considerações finais e devolução 05 minutos
da palavra ao presidente da sessão.

11) Ao final de seus comentários o orientador devolverá a palavra ao Presidente da sessão.


12) O presidente agradece mais uma vez a presença de todos, e passa ao(s) aluno(s) e a Banca, seus certificados.
13) Encerra a apresentação, convidando o(s) autor(es) do próximo trabalho a preparar sua apresentação.
14) Enquanto isso recolhe as notas com a assinatura dos examinadores e as deposita na pasta específica.
15) Dá inicio ao próximo trabalho.

OBS:
- O Presidente da sessão é o encarregado(a) do controle de tempo durante a sessão, devendo cronometrar
cada fala, a fim de evitar atrasos. Pode para tal, inclusive, alterar a ordem de apresentação dos trabalhos.

- As notas NÃO PODEM ser divulgadas durante a Jornada. Após devidamente conferidas e computadas,
serão divulgadas pela Coordenação do Curso de após o final da Jornada.
145

CAPÍTULO – 7 ANEXOS
ANEXO A - CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA
CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA
CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA

Preâmbulo

I - O presente Código contém as normas éticas que devem ser seguidas pelos médicos no exercício da
profissão, independentemente da função ou cargo que ocupem.

II - As organizações de prestação de serviços médicos estão sujeitas às normas deste Código.

Capítulo XIII - Publicidade e Trabalhos Científicos

É vedado ao médico:

Art. 131 - Permitir que sua participação na divulgação de assuntos médicos, em qualquer veículo de
comunicação de massa, deixe de ter caráter exclusivamente de esclarecimento e educação da
coletividade.

Art. 132 - Divulgar informação sobre o assunto médico de forma sensacionalista, promocional, ou de
conteúdo inverídico.

Art. 133 - Divulgar, fora do meio científico, processo de tratamento ou descoberta cujo valor ainda
não esteja expressamente reconhecido por órgão competente.

Art. 134 - Dar consulta, diagnóstico ou prescrição por intermédio de qualquer veículo de comunicação
de massa.

Art. 135 - Anunciar títulos científicos que não possa comprovar ou especialidade para a qual não
esteja qualificado.

Art. 136 - Participar de anúncios de empresas comerciais de qualquer natureza, valendo-se de sua
profissão.

Art. 137 - Publicar em seu nome trabalho científico do qual não tenha participado: atribuir-se autoria
exclusiva de trabalho realizado por seus subordinados ou outros profissionais, mesmo quando
executados sob sua orientação.

Art. 138 - Utilizar-se, sem referência ao autor ou sem a sua autorização expressa, de dados,
informações ou opiniões ainda não publicados.

Art. 139 - Apresentar como originais quaisquer idéias, descobertas ou ilustrações que na realidade não
o sejam.

Art. 140 - Falsear dados estatísticos ou deturpar sua interpretação científica.


146

ANEXO B - DECLARAÇÃO DE HELSINKI V

Associação Médica Mundial - 1964 - 1996


Adotada na 18a. Assembléia Médica Mundial, Helsinki, Finlândia (1964), alterada na
29a. Assembléia, em Tóquio, Japão (1975), 35a. em Veneza, Itália (1983), 41a. em Hong
Kong (1989) e 48a. Sommerset West/África do Sul
.

Introdução
É missão do médico salvaguardar a saúde do povo. O conhecimento e consciência dele
ou dela são devotados ao cumprimento desta missão.
A Declaração de Genebra da Associação Médica Mundial vincula o médico com o
mundo. "A saúde de meu paciente será a minha principal consideração" e o Código
Internacional de Ética Médica declara que "Qualquer ato ou Conselho que possa vir a reduzir
a resistência física ou mental de um ser humano só poderá ser usado em seu interesse".
A finalidade da pesquisa médica envolvendo seres humanos deve ser o
aperfeiçoamento do diagnóstico, procedimentos terapêuticos e profiláticos e a compreensão
da etiologia e da patologia da doença.
Na prática médica atual, a maioria dos diagnósticos, procedimentos terapêuticos e
profiláticos envolve riscos. Isto se aplica "a fortiori" à pesquisa biomédica.
O processo médico baseia-se na pesquisa a qual em última análise deve alicerçar-se
em parte em experiência envolvendo seres humanos.
No campo da pesquisa biomédica, uma distinção fundamental deve ser feita entre a
pesquisa médica na qual o objetivo é essencialmente o diagnóstico ou a terapêutica para um
paciente e a pesquisa médica, cujo objeto essencial é puramente científico e sem um valor
direto diagnóstico ou terapêutico para a pessoa sujeita à pesquisa.
Deve ser tomado um cuidado especial na condução de pesquisa que possa afetar o
meio ambiente e ainda o bem estar dos animais utilizados para a pesquisa deve ser respeito.
Devido ao fato de que é essencial que os resultados de experiências de laboratório
sejam aplicados aos seres humanos para maior conhecimento científico, e a fim de amenizar o
sofrimento da humanidade, a Associação Médica Mundial elaborou as seguintes
recomendações como um guia para todo médico na pesquisa biomédica envolvendo seres
humanos. Elas devem ser revistas no futuro. Deve-se acentuar que os padrões conforme
delineados são apenas um guia para os médicos de todo o mundo. Os médicos não estão
isentos de responsabilidades criminais, civis e éticas segundo as leis de seus próprios países.

I - Princípios básicos

1 A pesquisa biomédica que envolve seres humanos deve estar de acordo com os princípios
científicos geralmente aceitos e basear-se tanto na experimentação, adequadamente
conduzida com animais ou em laboratório, como no conhecimento profundo da literatura
científica.

2 O planejamento e a execução de qualquer procedimento experimental que envolve seres


humanos devem ser claramente formulados em protocolo experimental (projeto de
pesquisa) a ser encaminhado para consideração, comentários e orientação a um comitê
147

independente do pesquisador e do patrocinador, este comitê deve estar de acordo com as


leis e regulamentos do país no qual a pesquisa irá se desenvolver.

3 A pesquisa biomédica que envolve seres humanos deve ser conduzida apenas por pessoal
com qualificação científica e sob a supervisão de um médico com competência clínica. A
responsabilidade sobre o ser humano deve recair sempre sobre a pessoa com qualificação
médica e nunca sobre o indivíduo submetido à pesquisa, mesmo que esse indivíduo tenha
dado seu consentimento.

4 A pesquisa biomédica que envolve seres humanos só pode ser conduzida com legitimidade
quando a importância do objetivo for proporcional ao risco inerente ao trabalho.

5 Todo projeto de pesquisa biomédica que envolve seres humanos deve ser precedido por uma
avaliação cuidadosa dos riscos previsíveis e dos possíveis benefícios, tanto para o
indivíduo submetido à experimentação como para os outros. Os interesses do indivíduo
devem prevalecer sobre os interesses da ciência e da sociedade.

6 Deve ser sempre respeitado o direito do indivíduo submetido à pesquisa em preservar a sua
integridade. Devem ser tomadas todas as precauções para respeitar a privacidade do
indivíduo e minimizar o dano que a pesquisa possa causar à sua integridade física e mental
e à sua personalidade.

7 Os médicos devem evitar comprometer-se em projetos de pesquisa que envolvem o uso de


seres humanos, a menos que estejam convencidos de que os riscos envolvidos são
previsíveis. Os médicos devem interromper qualquer pesquisa se observarem que os riscos
são maiores do que os possíveis benefícios.

8 Na publicação dos resultados da pesquisa, o médico é obrigado a preservar a precisão dos


resultados. Não devem ser aceitos para publicação os relatos de experimentos que não
estejam em conformidade com os princípios estabelecidos nesta Declaração.

9 Em qualquer pesquisa com seres humanos, cada participante em potencial deve ser
adequadamente informado sobre as finalidades, os métodos, os benefícios esperados, os
possíveis riscos e sobre o desconforto que a pesquisa possa trazer. O participante em
potencial deve ser informado de que tem plena liberdade para se abster de participação na
pesquisa e de que é livre para suspender o consentimento sobre sua participação a qualquer
momento. O médico deve obter então o consentimento informado, dado de forma livre e
preferentemente por escrito.

10 Na obtenção de consentimento informado para projeto de pesquisa, o médico deve ser


particularmente cuidadoso com o indivíduo que, de alguma forma, dependa dele ou possa
ter concordado sob pressão. Nesse caso, o consentimento informado deve ser obtido por
um médico que não esteja envolvido na pesquisa e que seja completamente independente
nesse relacionamento oficial.

11 No caso de incapacidade legal, o consentimento informado deve ser dado pelo responsável,
estabelecido segundo a legislação do país. Se a capacidade física e mental tornar
impossível obter consentimento informado ou se o participante for menor de idade, a
148

permissão dada por um parente responsável substitui a do participante, de acordo com a


legislação de cada país.
Sempre que a criança for de fato capaz de dar seu consentimento, este deve ser obtido
em acréscimo àquele fornecido pelo seu guardião legal.

12 O projeto de pesquisa deve sempre conter uma declaração sobre as considerações éticas
envolvidas e indicar se foram cumpridos os princípios enunciados na presente Declaração.

II - Pesquisa médica combinada com cuidados profissionais (Pesquisas clínicas)

1 O médico deve ser livre para usar novo método de diagnóstico ou terapia no tratamento de
pessoas doentes se, de acordo com o seu julgamento, este novo método trouxer a esperança
de salvar a vida, restabelecer a saúde ou aliviar o sofrimento.

2 Os possíveis benefícios, riscos e desconfortos de um novo método devem ser


contrabalançados com as vantagens dos melhores métodos correntes de diagnóstico e
terapia.

3 Em qualquer estudo médico deve ser garantido o melhor método corrente de diagnóstico e
terapia para cada paciente - incluindo os do grupo-controle, se houver esse grupo no
estudo. Isto não exclui o uso de placebos inertes em estudos onde não existam métodos
diagnósticos ou terapêuticos comprovados.

4 O fato de um paciente se recusar a participar de uma pesquisa nunca deve interferir no


relacionamento médico-paciente.

5 Se o médico considerar que é fundamental não obter consentimento informado, as razões


específicas para este propósito devem ser explicadas no protocolo do experimento para
conhecimento da comissão independente (artigos I.1 e I.2).

6 O médico pode combinar pesquisa médica com cuidados profissionais, com o objetivo de
adquirir novos conhecimentos médicos, somente se a pesquisa médica seja justificada pelo
potencial valor diagnóstico ou terapêutico para o paciente.

III - Pesquisa biomédica não-terapêutica envolvendo seres humanos - (Pesquisa biomédica


não-clínica)

1 Na aplicação puramente científica da pesquisa médica conduzida em ser humano, é dever do


médico permanecer como protetor da vida e da saúde da pessoa na qual a pesquisa está
sendo realizada.

2 Os participantes devem ser voluntários, sejam pessoas saudáveis ou pacientes, nestes o


delineamento experimental não deve estar relacionado à sua doença.

3 O pesquisador ou a equipe de pesquisa devem interromper a pesquisa se julgarem que a


continuação possa ser prejudicial ao participante.

4 Na pesquisa com seres humanos, as considerações sobre o bem-estar dos participantes da


pesquisa devem prevalecer sobre os interesses da ciência e da sociedade.
149

ANEXO C - CÓDIGO DE NUREMBERG


Tribunal Internacional de Nuremberg - 1947
Trials of war criminal before the Nuremberg Military Tribunals. Control Council Law
1949;10(2):181-182.

1 O consentimento voluntário do ser humano é absolutamente essencial. Isso significa que as


pessoas que serão submetidas ao experimento devem ser legalmente capazes de dar
consentimento; essas pessoas devem exercer o livre direito de escolha sem qualquer
intervenção de elementos de força, fraude, mentira, coação, astúcia ou outra forma de
restrição posterior; devem ter conhecimento suficiente do assunto em estudo para tomarem
uma decisão. Esse último aspecto exige que sejam explicados às pessoas a natureza, a
duração e o propósito do experimento; os métodos segundo os quais será conduzido; as
inconveniências e os riscos esperados; os efeitos sobre a saúde ou sobre a pessoa do
participante, que eventualmente possam ocorrer, devido à sua participação no experimento.
O dever e a responsabilidade de garantir a qualidade do consentimento repousam sobre o
pesquisador que inicia ou dirige um experimento ou se compromete nele. São deveres e
responsabilidades pessoais que não podem ser delegados a outrem impunemente.

2 O experimento deve ser tal que produza resultados vantajosos para a sociedade, que não
possam ser buscados por outros métodos de estudo, mas não podem ser feitos de maneira
casuística ou desnecessariamente.

3 O experimento deve ser baseado em resultados de experimentação em animais e no


conhecimento da evolução da doença ou outros problemas em estudo; dessa maneira, os
resultados já conhecidos justificam a condição do experimento.

4 O experimento deve ser conduzido de maneira a evitar todo sofrimento e danos


desnecessários, quer físicos, quer materiais.

5 Não deve ser conduzido qualquer experimento quando existirem razões para acreditar que
pode ocorrer morte ou invalidez permanente; exceto, talvez, quando o próprio médico
pesquisador se submeter ao experimento.

6 O grau de risco aceitável deve ser limitado pela importância do problema que o pesquisador
se propõe a resolver.

7 Devem ser tomados cuidados especiais para proteger o participante do experimento de


qualquer possibilidade de dano, invalidez ou morte, mesmo que remota.

8 O experimento deve ser conduzido apenas por pessoas cientificamente qualificadas.

9 O participante do experimento deve ter a liberdade de se retirar no decorrer do experimento.

10 O pesquisador deve estar preparado para suspender os procedimentos experimentais em


qualquer estágio, se ele tiver motivos razoáveis para acreditar que a continuação do
experimento provavelmente causará dano, invalidez ou morte para os participantes.
150

ANEXO D - PRÁTICA DIDÁTICO-CIENTÍFICA DA


VIVISECÇÃO ANIMAL
LEI FEDERAL nº 6.638, de 08 de maio de 1979 - ESTABELECE NORMAS
PARA A PRÁTICA DIDÁTICO-CIENTÍFICA DA VIVISECÇÃO DE ANIMAIS E
DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS .
Revogada pela lei 11.794 / 2008 listada a seguir
Artigo 1º
Fica permitida em todo o território nacional, a vivissecção de animais, nos termos
desta Lei.

Artigo 2º
Os biotérios e os centros de experimentação e demonstração com animais vivos
deverão ser registrados em órgão competente e por ele autorizado a funcionar.

Artigo 3º
A vivissecção não será permitida:
I– Sem o emprego de anestesia
II – Em centros de pesquisa e estudos não registrados em órgão competente.
III – Sem supervisão de um técnico especializado.
IV – Com animais que não tenham permanecido mais de 15 dias em biotérios
legalmente autorizados.
V- Em estabelecimentos de ensino de primeiro e segundo graus e em quaisquer
locais freqüentados por menores de idade.

Artigo 4º
O animal só poderá ser submetido às intervenções recomendadas nos protocolos das
experiências que constituam a pesquisa ou os programas de aprendizado cirúrgico
quando, durante ou após a vivissecção, receber cuidados especiais.

§ 1º - Quando houver indicação, o animal poderá ser submetido a eutanásia, sob estrita
obediência às prescrições científicas.

§ 2º - Caso não sejam submetidos a eutanásia, os animais utilizados em experiências


ou demonstrações somente poderão sair do biotério trinta dias após a
intervenção, desde que destinados a pessoas ou entidades idôneas que por eles
queiram responsabilizar-se.

Artigo 5º
Os infratores desta Lei estão sujeitos:
I – Às penalidades cominadas no artigo 64, caput, do Decreto Lei nº 3.688 de
3.10.1941, no caso de ser a primeira infração;
II – À interdição e cancelamento do registro do biotério ou do centro de pesquisas, no
caso de reincidência.

Artigo 6º
O Poder Executivo, no prazo de 90 dias, regulamentará a presente Lei, especificando:
151

I – O órgão competente para registro e a expedição de autorizações dos biotérios e


centros de experiências e demonstrações com animais vivos;
II – As condições gerais exigíveis para o registro e o funcionamento dos biotérios;
III – Órgãos e autoridades competentes para a fiscalização dos biotérios e centros de
pesquisa mencionados no inciso I.

Artigo 7º
Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação.

Artigo 8º
Revogam-se as disposições em contrário.

Lei Procedimentos para o Uso


Científico de Animais
Lei No 11.794
8 de outubro de 2008
Brasil

LEI No 11.794, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008 revoga a lei nº 6.638,


de 08 de maio de 1979.

Regulamenta o inciso VII do § 1o do art. 225 da Constituição Federal, estabelecendo


procedimentos para o uso científico de animais; revoga a Lei no 6.638, de 8 de
maio de 1979; e dá outras providências.
OPRESIDENTEDAREPÚBLICA
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono
a seguinte Lei:
CAPÍTULO I
DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES
Art. 1o A criação e a utilização de animais em atividades de ensino e pesquisa
científica, em todo o território nacional, obedece aos critérios estabelecidos nesta
Lei.
§ 1o A utilização de animais em atividades educacionais fica restrita a:
I - estabelecimentos de ensino superior;
II - estabelecimentos de educação profissional técnica de nível médio da área
biomédica.
§ 2o São consideradas como atividades de pesquisa científica todas aquelas
relacionadas com ciência básica, ciência aplicada, desenvolvimento tecnológico,
produção e controle da qualidade de drogas,medicamentos, alimentos,
152

imunobiológicos, instrumentos, ou quaisquer outros testados em animais, conforme


definido em regulamento próprio.
§ 3o Não são consideradas como atividades de pesquisa as práticas zootécnicas
relacionadas à agropecuária.
Art. 2o O disposto nesta Lei aplica-se aos animais das espécies classificadas como
filo Chordata, subfilo Vertebrata , observada a legislação ambiental.
Art. 3o Para as finalidades desta Lei entende-se por:
I - filo Chordata: animais que possuem, como características exclusivas, ao menos
na fase embrionária, a presença de notocorda,fendas branquiais na faringe e tubo
nervoso dorsal único;
II - subfilo Vertebrata : animais cordados que têm, como características exclusivas,
um encéfalo grande encerrado numa caixa craniana e uma coluna vertebral;
III - experimentos: procedimentos efetuados em animais vivos, visando à elucidação
de fenônemos fisiológicos ou patológicos, mediante técnicas específicas e
preestabelecidas;
IV - morte por meios humanitários: a morte de um animal em condições que
envolvam, segundo as espécies, um mínimo de sofrimento físico ou mental.
Parágrafo único. Não se considera experimento:
I - a profilaxia e o tratamento veterinário do animal que deles necessite;
II - o anilhamento, a tatuagem, a marcação ou a aplicação de outro método com
finalidade de identificação do animal, desde que cause apenas dor ou aflição
momentânea ou dano passageiro;
III - as intervenções não-experimentais relacionadas às práticas agropecuárias.
CAPÍTULO II
DO CONSELHO NACIONAL DE CONTROLE DE EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL -
CONCEA
Art. 4o Fica criado o Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal -
CONCEA.
Art. 5o Compete ao CONCEA:
I - formular e zelar pelo cumprimento das normas relativas à utilização humanitária
de animais com finalidade de ensino e pesquisa científica;
II - credenciar instituições para criação ou utilização de animais em ensino e
pesquisa científica;
III - monitorar e avaliar a introdução de técnicas alternativas que substituam a
utilização de animais em ensino e pesquisa;
IV - estabelecer e rever, periodicamente, as normas para uso e cuidados com
animais para ensino e pesquisa, em consonância com as convenções internacionais
das quais o Brasil seja signatário;
V - estabelecer e rever, periodicamente, normas técnicas para instalação e
funcionamento de centros de criação, de biotérios e de laboratórios de
experimentação animal, bem como sobre as condições de trabalho em tais
instalações;
VI - estabelecer e rever, periodicamente, normas para credenciamento de
instituições que criem ou utilizem animais para ensino e pesquisa;
VII - manter cadastro atualizado dos procedimentos de ensino e pesquisa realizados
ou em andamento no País, assim como dos pesquisadores, a partir de informações
remetidas pelas Comissões de Ética no Uso de Animais - CEUAs, de que trata o art.
8o desta Lei;
VIII - apreciar e decidir recursos interpostos contra decisões das CEUAs;
153

IX - elaborar e submeter ao Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia, para


aprovação, o seu regimento interno;
X - assessorar o Poder Executivo a respeito das atividades de ensino e pesquisa
tratadas nesta Lei.
Art. 6o O CONCEA é constituído por:
I - Plenário;
II - Câmaras Permanentes e Temporárias;
III - Secretaria-Executiva.
§ 1o As Câmaras Permanentes e Temporárias do CONCEA serão definidas no
regimento interno.
§ 2o A Secretaria-Executiva é responsável pelo expediente do CONCEA e terá o
apoio administrativo do Ministério da Ciência e Tecnologia.
§ 3o O CONCEA poderá valer-se de consultores ad hoc de reconhecida
competência técnica e científica, para instruir quaisquer processos de sua pauta de
trabalhos.
Art. 7o O CONCEA será presidido pelo Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia e
integrado por:
I - 1 (um) representante de cada órgão e entidade a seguir indicados:
a) Ministério da Ciência e Tecnologia;
b) Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq;
c) Ministério da Educação;
d) Ministério do Meio Ambiente;
e) Ministério da Saúde;
f) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
g) Conselho de Reitores das Universidades do Brasil - CRUB;
h) Academia Brasileira de Ciências;
i) Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência;
j) Federação das Sociedades de Biologia Experimental;
l) Colégio Brasileiro de Experimentação Animal;
m) Federação Nacional da Indústria Farmacêutica;
II - 2 (dois) representantes das sociedades protetoras de animais legalmente
estabelecidas no País.
§ 1o Nos seus impedimentos, o Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia será
substituído, na Presidência do CONCEA, pelo Secretário-Executivo do respectivo
Ministério.
§ 2o O Presidente do CONCEA terá o voto de qualidade.
§ 3o Os membros do CONCEA não serão remunerados, sendo os serviços por eles
prestados considerados, para todos os efeitos, de relevante serviço público.
CAPÍTULO III
DAS COMISSÕES DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUAs
Art. 8o É condição indispensável para o credenciamento das instituições com
atividades de ensino ou pesquisa com animais a constituição prévia de Comissões
de Ética no Uso de Animais - CEUAs.
Art. 9o As CEUAs são integradas por:
I - médicos veterinários e biólogos;
II - docentes e pesquisadores na área específica;
III - 1 (um) representante de sociedades protetoras de animais legalmente
estabelecidas no País, na forma do Regulamento.
Art. 10. Compete às CEUAs:
154

I - cumprir e fazer cumprir, no âmbito de suas atribuições, o disposto nesta Lei e nas
demais normas aplicáveis à utilização de animais para ensino e pesquisa,
especialmente nas resoluções do CONCEA;
II - examinar previamente os procedimentos de ensino e pesquisa a serem
realizados na instituição à qual esteja vinculada, para determinar sua
compatibilidade com a legislação aplicável;
III - manter cadastro atualizado dos procedimentos de ensino e pesquisa realizados,
ou em andamento, na instituição, enviando cópia ao CONCEA;
IV - manter cadastro dos pesquisadores que realizem procedimentos de ensino e
pesquisa, enviando cópia ao CONCEA;
V - expedir, no âmbito de suas atribuições, certificados que se fizerem necessários
perante órgãos de financiamento de pesquisa, periódicos científicos ou outros;
VI - notificar imediatamente ao CONCEA e às autoridades sanitárias a ocorrência de
qualquer acidente com os animais nas instituições credenciadas, fornecendo
informações que permitam ações saneadoras.
§ 1o Constatado qualquer procedimento em descumprimento às disposições desta
Lei na execução de atividade de ensino e pesquisa, a respectiva CEUA determinará
a paralisação de sua execução, até que a irregularidade seja sanada, sem prejuízo
da aplicação de outras sanções cabíveis.
§ 2o Quando se configurar a hipótese prevista no § 1o deste artigo, a omissão da
CEUA acarretará sanções à instituição, nos termos dos arts. 17 e 20 desta Lei.
§ 3o Das decisões proferidas pelas CEUAs cabe recurso, sem efeito suspensivo, ao
CONCEA.
§ 4o Os membros das CEUAs responderão pelos prejuízos que, por dolo, causarem
às pesquisas em andamento.
§ 5o Os membros das CEUAs estão obrigados a resguardar o segredo industrial,
sob pena de responsabilidade.
CAPÍTULO IV
DAS CONDIÇÕES DE CRIAÇÃO E USO DE ANIMAIS PARA ENSINO E PESQUISA
CIENTÍFICA
Art. 11. Compete ao Ministério da Ciência e Tecnologia licenciar as atividades
destinadas à criação de animais, ao ensino e à pesquisa científica de que trata esta
Lei.
§ 1o ( VETADO)
§ 2o ( VETADO)
§ 3o ( VETADO)
Art. 12. A criação ou a utilização de animais para pesquisa ficam restritas,
exclusivamente, às instituições credenciadas no CONCEA.
Art. 13. Qualquer instituição legalmente estabelecida em território nacional que crie
ou utilize animais para ensino e pesquisa deverá requerer credenciamento no
CONCEA, para uso de animais, desde que, previamente, crie a CEUA.
§ 1o A critério da instituição e mediante autorização do CONCEA, é admitida a
criação de mais de uma CEUA por instituição.
§ 2o Na hipótese prevista no § 1o deste artigo, cada CEUA definirá os laboratórios
de experimentação animal, biotérios e centros de criação sob seu controle.
Art. 14. O animal só poderá ser submetido às intervenções recomendadas nos
protocolos dos experimentos que constituem a pesquisa ou programa de
aprendizado quando, antes, durante e após o experimento, receber cuidados
especiais, conforme estabelecido pelo CONCEA.
155

§ 1o O animal será submetido a eutanásia, sob estrita obediência às prescrições


pertinentes a cada espécie, conforme as diretrizes do Ministério da Ciência e
Tecnologia, sempre que, encerrado o experimento ou em qualquer de suas fases,
for tecnicamente recomendado aquele procedimento ou quando ocorrer intenso
sofrimento.
§ 2o Excepcionalmente, quando os animais utilizados em experiências ou
demonstrações não forem submetidos a eutanásia, poderão sair do biotério após a
intervenção, ouvida a respectiva CEUA quanto aos critérios vigentes de segurança,
desde que destinados a pessoas idôneas ou entidades protetoras de animais
devidamente legalizadas, que por eles queiram responsabilizar-se.
§ 3o Sempre que possível, as práticas de ensino deverão ser fotografadas, filmadas
ou gravadas, de forma a permitir sua reprodução para ilustração de práticas futuras,
evitando-se a repetição desnecessária de procedimentos didáticos com animais.
§ 4o O número de animais a serem utilizados para a execução de um projeto e o
tempo de duração de cada experimento será o mínimo indispensável para produzir o
resultado conclusivo, poupando-se, ao máximo, o animal de sofrimento.
§ 5o Experimentos que possam causar dor ou angústia desenvolver-se-ão sob
sedação, analgesia ou anestesia adequadas.
§ 6o Experimentos cujo objetivo seja o estudo dos processos relacionados à dor e à
angústia exigem autorização específica da CEUA, em obediência a normas
estabelecidas pelo CONCEA.
§ 7o É vedado o uso de bloqueadores neuromusculares ou de relaxantes
musculares em substituição a substâncias sedativas, analgésicas ou anestésicas.
§ 8o É vedada a reutilização do mesmo animal depois de alcançado o objetivo
principal do projeto de pesquisa.
§ 9o Em programa de ensino, sempre que forem empregados procedimentos
traumáticos, vários procedimentos poderão ser realizados num mesmo animal,
desde que todos sejam executados durante a vigência de um único anestésico e que
o animal seja sacrificado antes de recobrar a consciência.
§ 10. Para a realização de trabalhos de criação e experimentação de animais em
sistemas fechados, serão consideradas as condições e normas de segurança
recomendadas pelos organismos internacionais aos quais o Brasil se vincula.
Art. 15. O CONCEA, levando em conta a relação entre o nível de sofrimento para o
animal e os resultados práticos que se esperam obter, poderá restringir ou proibir
experimentos que importem em elevado grau de agressão.
Art. 16. Todo projeto de pesquisa científica ou atividade de ensino será
supervisionado por profissional de nível superior, graduado ou pós-graduado na área
biomédica, vinculado a entidade de ensino ou pesquisa credenciada pelo CONCEA.
CAPÍTULO V
DAS PENALIDADES
Art. 17. As instituições que executem atividades reguladas por esta Lei estão
sujeitas, em caso de transgressão às suas disposições e ao seu regulamento, às
penalidades administrativas de:
I - advertência;
II - multa de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) a R$ 20.000,00 (vinte mil reais);
III - interdição temporária;
IV - suspensão de financiamentos provenientes de fontes oficiais de crédito e
fomento científico;
V - interdição definitiva.
156

Parágrafo único. A interdição por prazo superior a 30 (trinta) dias somente poderá
ser determinada em ato do Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia, ouvido o
CONCEA.
Art. 18. Qualquer pessoa que execute de forma indevida atividades reguladas por
esta Lei ou participe de procedimentos não autorizados pelo CONCEA será passível
das seguintes penalidades administrativas:
I - advertência;
II - multa de R$ 1.000,00 (mil reais) a R$ 5.000,00 (cinco mil reais);
III - suspensão temporária;
IV - interdição definitiva para o exercício da atividade regulada nesta Lei.
Art. 19. As penalidades previstas nos arts. 17 e 18 desta Lei serão aplicadas de
acordo com a gravidade da infração, os danos que dela provierem, as circunstâncias
agravantes ou atenuantes e os antecedentes do infrator.
Art. 20. As sanções previstas nos arts. 17 e 18 desta Lei serão aplicadas pelo
CONCEA, sem prejuízo de correspondente responsabilidade penal.
Art. 21. A fiscalização das atividades reguladas por esta Lei fica a cargo dos órgãos
dos Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, da Saúde, da Educação,
da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente, nas respectivas áreas de
competência.
CAPÍTULO VI
DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS
Art. 22. As instituições que criem ou utilizem animais para ensino ou pesquisa
existentes no País antes da data de vigência desta Lei deverão:
I - criar a CEUA, no prazo máximo de 90 (noventa) dias, após a regulamentação
referida no art. 25 desta Lei;
II - compatibilizar suas instalações físicas, no prazo máximo de 5 (cinco) anos, a
partir da entrada em vigor das normas estabelecidas pelo CONCEA, com base no
inciso V do caput do art. 5º desta Lei.
Art. 23. O CONCEA, mediante resolução, recomendará às agências de amparo e
fomento à pesquisa científica o indeferimento de projetos por qualquer dos seguintes
motivos:
I - que estejam sendo realizados sem a aprovação da CEUA;
II - cuja realização tenha sido suspensa pela CEUA.
Art. 24. Os recursos orçamentários necessários ao funcionamento do CONCEA
serão previstos nas dotações do Ministério da Ciência e Tecnologia.
Art. 25. Esta Lei será regulamentada no prazo de 180 (cento e oitenta) dias.
Art. 26. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 27. Revoga-se a Lei no 6.638, de 8 de maio de 1979.
Brasília, 8 de outubro de 2008; 187o da Independência e 120º da República.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Tarso Genro
Reinhold Stephanes
José Gomes Temporão
Miguel Jorge
Luiz Antonio Rodrigues Elias
Carlos Minc

Brasil. Lei 11794/08 Procedimentos para Uso Científico de Animais. Diário Oficial da
União seção 1;9 de outubro de 2008; CXLV(196):1:2.
157

ANEXO E – PRINCÍPIOS ÉTICOS DE


EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL

Colégio Brasileiro de Experimentação Animal (COBEA), entidade afiliada ao International


Council For Laboratory Animal Science (ICLAS), procurando colaborar com o
aprimoramento das condutas dirigidas à experimentação animal no país, apresenta e
recomenda:

Postula-se:
Artigo I
Todas as pessoas que pratiquem experimentação biológica devem tomar consciência
de que o animal é dotado de sensibilidade, de memória e que sofre sem poder escapar à dor;

Artigo II
O experimentador é moralmente responsável por suas escolhas e por seus atos na
experimentação animal;

Artigo III
Procedimentos que envolvam animais, devem prever e se desenvolver considerando
sua relevância para a saúde humana e animal, a aquisição de conhecimentos ou bem estar da
sociedade.

Artigo IV
Os animais selecionados para um experimento devem ser de espécie e qualidade
apropriadas e apresentar boas condições de saúde, utilizando-se o número mínimo necessário
para se obter resultados válidos. Ter em mente a utilização de métodos alternativos tais como
modelos matemáticos, simulações por computador e sistemas biológicos “in vitro”;

Artigo V
É imperativo que se utilizem animais de maneira adequada, incluindo ai evitar o
desconforto, angustia e dor. O investigador deve considerar que os processos determinantes
da dor ou angustias no ser humano, causam o mesmo em outras espécies;

Artigo VI
Todos os procedimentos em animais que possam causar dor ou angústia precisam se
desenvolver com sedação, analgesia e ou anestesia adequada. Atos cirúrgicos ou outros
dolorosos, não podem ser implementados em animais não anestesiados e que estejam apenas
paralisados por agentes químicos e ou físicos;

Artigo VII
Os animais que sofram dor ou angústia intensa ou crônica, que não possam se aliviar e
os que não serão utilizados, devem ser submetidos a eutanásia por método indolor e que não
cause estresse;

Artigo VIII
A utilização de animais em procedimentos didáticos e experimentais pressupõe a
disponibilidade de alojamento que propicie condições de vida adequada às espécies,
158

contribuindo para sua saúde e conforto. O transporte, a acomodação, a alimentação e os


cuidados com os animais criados ou utilizados para fins biomédicos, devem ser dispensados
por técnico qualificado;

Artigo IX
Os investigadores e funcionários devem ter qualificação e experiência adequadas para
exercer procedimentos em animais vivos. Deve-se criar condições para seu treinamento e
trabalho, incluindo aspectos de trato e uso humanitário dos animais de laboratório.

O conteúdo destes artigos encerra três princípios básicos:


- Sensibilidade
- Bom senso
- Boa ciência.
159

ANEXO F – CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO


(marque com um “X”).

Iniciação científica TCE

TCC Especialização

Mestrado Doutorado

Pós-doutorado Outros

Clínico Experimental

Retrospectivo Prospectivo

Transversal Longitudinal ou linear

Observacional Com intervenção

Epidemiológico (de doenças) Perfil populacional

Coorte População geral

Estudo estatístico comparativo Estudo estatístico descritivo

Grupo controle presente Grupo placebo presente

Pesquisa em sujeitos Análise de prontuários

Com dor ou desconforto para o


Sem dor ou desconforto para o sujeito
sujeito

Coleta de material biológico Sem coleta de material biológico

Único Centro Multicêntrico

Local Regional

Nacional Internacional

Sem financiamento Financiamento da própria instituição

Financiamento de instituição Financiamento de instituição


nacional internacional
160

ANEXO G – TERMO DE CONSENTIMENTO


LIVRE E ESCLARECIDO.
“TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO”.
Título: Analgesia preemptiva com S(+)-cetamina e bupivacaina peridural em
histerectomia abdominal.

A proposta em estudo consiste no acompanhamento de dois grupos de pacientes,


divididos por sorteio, que receberão um anestésico por injeção nas costas (peridural).
A diferença entre os grupos será que o primeiro grupo receberá a medicação 30
minutos antes do início da cirurgia, e o segundo grupo a receberá 30 minutos após a
mesma.
É garantido o total sigilo das informações obtidas, que serão protocoladas em
fichas próprias que somente irão ser utilizadas nesta pesquisa e depois guardadas sob
sigilo por 5 anos conforme a lei. Será também garantida a privacidade das pacientes.
Em todas as pacientes será instalado cateter peridural sob anestesia local, para
aplicação de medicamentos analgésicos utilizados no controle da dor no pré e pós-
operatório, sendo depois submetidas a anestesia geral. O segmento das pacientes terá
duração de 24 horas a partir da realização da anestesia.
Deixamos claro que somente ao final do trabalho é que poderemos tirar
conclusões definitivas a respeito dos benefícios da utilização do anestésico (cetamina),
sendo esperado uma evolução por mais tempo sem dor nas pacientes que receberão o
medicamento 30 minutos antes da cirurgia.
Como medida anestésica alternativa, temos a raquianestesia que tem como
vantagem sua rápida realização, porém apresenta uma curta ação analgésica
(aproximadamente 2 horas) e existe a chance de surgir dor de cabeça após a cirurgia.
Como benefícios todas as pacientes, independente dos grupos terão uma melhor
analgesia pós-operatória, além do que a sociedade irá se beneficiar com os
conhecimentos adiquiridos.
Em qualquer momento do estudo a paciente, seus responsáveis e familiares terão
acesso aos profissionais responsáveis pela pesquisa, para esclarecimento de dúvidas .
O principal investigador é o Prof. Ferdinand Edson de Castro CRM – 000 MA
que pode ser encontrado na Rua XXX, fone XXX, ou no Hospital XXX, pelo período
da manhã no centro cirúrgico fone XXX ramal XX, ou pelo celular XXX.
Caso não seja localizado o Dr. Ferdinand Edson de Castro, poderão ainda ser
contactados o Dr. João Batista Garcia CRM – 000 MA, orientador desta pesquisa, pelos
telefones XXX, XXX, XXX e ou o Dr. XXX, pelos telefones XXX, XXX, XXX.
É garantida às pacientes, a liberdade de deixar de participar do estudo, sem
qualquer prejuízo à continuidade de seu tratamento na Instituição.
As informações obtidas serão analisadas em conjunto com as de outras
pacientes, não sendo divulgada qualquer informação que possa levar a sua identificação.
A paciente tem direito a se manter informada a respeito dos resultados parciais
da pesquisa.
Em caso de dano pessoal, diretamente provocado pelos procedimentos ou
tratamentos propostos pelo pesquisador, as participantes terão direito a tratamento
médico na instituição, bem como as indenizações legalmente estabelecidas.
Não há despesas pessoais para o participante em qualquer fase do estudo,
incluindo exames e consultas.
161

Este trabalho será realizado com recursos próprios do autor, não tendo
financiamento ou co-participação de nenhuma instituição de pesquisa.
Também não haverá nenhum pagamento por sua participação.
O pesquisador utilizará os dados e o material coletado somente para esta
pesquisa.
Além disso, após o término da realização do trabalho, os protocolos serão
mantidos em posse dos pesquisadores durante 5 anos, sendo incinerados após este
período.
Declaro que os médicos me explicaram tudo o que será realizado e que
compreendi as informações do que li ou que me foram explicadas sobre o trabalho em
questão.
Discuti com o Dr. Ferdinand Edson de Castro sobre minha decisão em participar
nesse estudo, ficando claros para mim, quais são os propósitos da pesquisa, os
procedimentos a serem realizados, os possíveis desconfortos e riscos, as garantias de
confidencialidade e de esclarecimentos permanentes.
Ficou claro também que minha participação não tem despesas e que tenho
garantia de acesso a tratamento hospitalar quando necessário, inclusive se optar por
desistir de participar da pesquisa.
Concordo voluntariamente em participar desse estudo podendo retirar meu
consentimento a qualquer momento, antes ou durante o mesmo, sem penalidades,
prejuízo ou perda de qualquer benefício que possa ter adquirido, ou no meu atendimento
neste serviço.

São Luís, ____, de ___________________de 2009.

__________________________________________
Assinatura da paciente ou de seu representante legal

Declaro que assisti a explicação do Dr. Ferdinand Edson de Castro a paciente,


que compreendeu e retirou suas dúvidas, assim como eu, a tudo o que será realizado na
pesquisa.
__________________________________________
Assinatura de testemunha

Declaro que obtive de forma apropriada e voluntária o consentimento


livre e esclarecido desta paciente ou representante legal para participação no presente
estudo.

__________________________________________
Dr. Ferdinand Edson de Castro
Pesquisador responsável

Autorizada a publicação pelo autor.

OBS:

Deve ser apresentado em somente uma folha de papel, impresso na frente e no verso.

No trabalho científico, o TCLE deve estar no capítulo dos APÊNDICES.


162

CAPÍTULO 8 - REFERÊNCIAS
ALMEIDA ML. Como elaborar monografias. 3ª ed. Belém (PA): CEJUP; 1992.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Referências bibliográficas:


procedimentos. NBR 14724. Rio de Janeiro (RJ): ABNT; 2005.

CAMPANA, AO. Introdução à investigação clínica. 1ª ed. Botucatu (SP): UNESP –


Botucatu; 1995.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Código de ética médica. On line.. Brasília


(DF) 1999. Disponível na Internet: http://www.cfm.org.br/

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Código de Nuremberg. On


line. Porto Alegre (RS) 1997. Disponível na Internet:
http://www.hcpa.ufrgs.br/gppg/nuremcod.htm

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Declaração de Helsinque.


On line. Porto Alegre (RS) 1997. Disponível na Internet:
http://www.hcpa.ufrgs.br/gppg/helsin5.htm

BIREME. DeCS - Descritores em Ciências da Saúde. 3ª ed. São Paulo (SP):


Bireme/Opas; 1997.

FÉLIX VN, GERSTLER JG. Pesquisa clínica, planejamento, realização e publicação. 1ª


ed. São Paulo (SP): Sociedade Paulista de Terapia Intensiva (SOPATI); 1993.

FERNANDES F, LUFT CP, GUIMARÃES FM. Dicionário Brasileiro Globo. 47ª ed.
São Paulo (SP): Globo Editora; 1997.

GOLDENBERG S. Manual: orientação normativa para elaboração de teses, instruções,


normas para referências bibliográficas. 3ª ed. São Paulo (SP): UNIFESP-EPM; 1996.

INDEX MEDICUS. On line. 1999. Index Medicus (EUA) 1999. Disponível na Internet:
http://www.index-medicus.com/

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Iniciação à bioética1ª ed. Brasília (DF):


CFM; 1998.

INTERNATIONAL COMMITTEE OF MEDICAL JOURNAL EDITORS. Uniform


requeriments for manuscripts submitted to biomedical journals. Ann. Intern. Med. 2008;
126: 36-47.

INTERNATIONAL COMMITTEE OF MEDICAL JOURNAL EDITORS. Uniform


requeriments for manuscripts submitted to biomedical journals. J. Hepatol. 2008; 27:
218-30.

International Serials Data System & International Organization For Standardization -


Liste d’abreviations de mots des titres de publications en série: conforme a ISO 4-
163

1984/List of serial title word abreviations in accordance with ISO 4-1984, Paris,
ISDS/ISO, 1985.

LÜDKE M, ANDRÉ MEDA. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 1ª ed. São


Paulo (SP): EPU; 1986.

MARTINEZ, E.Z. Metanálise de ensaios clínicos controlados aleatorizados: aspectos


quantitativos. Revista de Medicina, Ribeirão Preto. v. 40, n. 2, p.223-35, abr-jun. 2007.

NÚCLEO DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA.


Medicina: Manual do trabalho de conclusão de Curso - Trabalho Científico. 1ª ed.
Belém (PA): Supercores editora; 1998.

PEREIRA, M.G. Epidemiologia: teoria e prática. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara –


Koogan, 2002. 596p.

POLITO R. Como falar corretamente sem inibições.35ª ed. São Paulo (SP): Saraiva,
1993.

POLITO R. Gestos e postura para falar melhor. 23ª ed. São Paulo (SP): Saraiva, 1993.

RAMÕN Y CAJAL S. Regras e conselhos sobre a investigação científica. 3ª ed. São


Paulo (SP): TA Queiroz Editora; 1979.

RAMOS VP, MANTOVANI MF, LINS LCS. Manual de orientação para redação e
apresentação de trabalhos científicos. 1ª ed. Recife (PE): UFPE; 1990.

SPECTOR N. Manual para a redação de teses, dissertações e projetos de pesquisa. 1ª ed.


Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 1997.

SEVERINO AJ. Metodologia do trabalho científico. 13ª ed. São Paulo (SP): Cortez
Editora; 1986.

TAFNER MA, TAFNER J, FISCHER J. Metodologia do trabalho acadêmico. 1ª ed.


Curitiba (PR): Juruá Editora; 1999.

VITIELO N. Redação e apresentação de comunicações científicas. 1ª ed. São Paulo


(SP): BYK Editora; 1999.
WEISS D. Como falar em público. 8ª ed. São Paulo (SP): Nobel, 1993.