You are on page 1of 96

A reunião

Sheba
Os heróis
Ver para crer
A Montanha
A floresta
Sonhos
Corpo e alma
Seguindo em frente
Noite imortal
A cilada
O de alma mais valente
A resposta
Em uma manhã, o povoado de Rin acordou e descobriu que
o córrego que descia pela Montanha e atravessava a
aldeia havia se reduzido a um pequeno filete de água. Ao
anoitecer, até aquele fio de água tinha sumido. A roda do
moinho estava imóvel. Não havia água para girar suas pesadas
pás de madeira. O pequeno lago onde os bukshas bebiam, do
outro lado da aldeia, permanecia parado. Nenhum fluxo de água
chegava até ele para que sua superfície borbulhasse, cheia de
vida, e o lago se mantivesse coberto até a borda.
Nada mudou no segundo dia, nem no terceiro. No quarto dia,
a água do lago estava densa e marrom. Os bukshas balançaram
suas pesadas cabeças e bateram as patas contra o chão quando
foram beber água de manhã e ao entardecer.
Depois de cinco dias, o lago estava tão raso que até a
pequena Annad, que só tinha 5 anos, conseguia tocar o fundo
sem molhar a manga de sua blusa. E a água continuava a não
aparecer.
Na tarde do sexto dia, o povo bastante preocupado reuniu-se
na praça do mercado para discutir o assunto.
- Os bukshas não conseguiram beber nada hoje - Lann
disse. Ela era a habitante mais velha da aldeia e um dia foi a
maior dentre todos os seus guerreiros. - Se não agirmos rápido,
eles vão morrer.
- Não a Estrela - Annad sussurrou para seu irmão, que era
o guardião dos bukshas. - A Estrela não vai morrer, vai, Rowan?
Você vai dar para ela um pouco de água do nosso poço.
- Os bukshas não podem beber a água do nosso poço,
Annad - Rowan explicou. - Eles precisam de água mais doce,
senão ficam doentes. Eles só podem beber a água que vem da
Montanha. Sempre foi assim. Se o córrego não se encher, a
Estrela vai morrer, como todos os outros.
Annad começou a chorar bem baixinho. As crianças de Rin não
deveriam chorar, mas Annad era muito pequena e amava Estrela.
Rowan olhava em frente, firme. Não havia lágrimas em seus olhos,
mas seu peito e sua garganta doíam cheios de tristeza e medo. A
tristeza era por Estrela, sua amiga buksha, a mais forte e ao
mesmo tempo a mais gentil de todos, e por cada uma das outras
enormes criaturas corcundas, cobertas de lã, que ele conhecia
pelo nome. O medo, no entanto, era por ele mesmo. Por ele, por
Annad, pela mãe deles e até mesmo por toda a aldeia.
Annad não sabia, mas Rowan sim: sem os bukshas, não haveria
mais o cremoso leite para se tomar, nem queijo e nem manteiga
para se comer. Não haveria mais a grossa lã cinza para fazer as
roupas. Não haveria mais ajuda para arar os campos ou carregar a
colheita. Não haveria mais costas largas para transportar as
cargas de grandes viagens até o litoral para trocar mercadorias
com o inteligente e tranqüilo povo de Maris. A vida de todo o
povoado de Rin dependia dos bukshas. Sem eles, a aldeia também
morreria.
Annad não conseguia imaginar o vale sem a aldeia, ao contrário
de seu irmão. Quando Rowan lia histórias antigas na biblioteca ou
quando ouvia, já meio adormecido, Timon dando aulas sob a
árvore e, principalmente, quando se sentava na grama ao lado do
córrego enquanto os bukshas pastavam no silêncio da manhã, o
garoto costumava imaginar como os colonos deveriam ter visto
aquele lugar pela primeira vez.
Centenas de anos atrás, eles tinham subido pelas colinas,
carregando nas costas as poucas coisas que possuíam, procurando
um local nessa terra estranha que pudessem tomar para si. Eles
tinham vindo de muito longe, do outro lado do oceano, após
lutarem contra um terrível inimigo. O povo nômade do litoral,
conhecido como os viajantes, tinha mencionado um lugar ao pé de
uma montanha proibida, bem longe da costa, no meio do
continente. Os colonos caminharam por muitos e muitos dias
procurando esse lugar. Eles estavam exaustos. Alguns até já
tinham perdido as esperanças. Então, em uma tarde, eles
chegaram ao topo de um morro e olharam para baixo. Ali,
abrigado entre uma montanha altíssima ao fundo e as colinas onde
eles estavam, havia um vale escondido, coberto de vegetação.
Eles ficaram ali, admirando a paisagem sem dizer uma palavra.
Viram árvores carregadas com pequenas frutinhas azuis e campos
de flores que não conheciam. Eles avistaram um córrego, um lago
e um rebanho de estranhas criaturas cinza levantando suas
cabeças com chifres que brilhavam ao sol para ver quem se
aproximava. Ali, eles encontraram silêncio, tranqüilidade, uma
terra rica e paz. Aquele era o lugar perfeito. Seria o lar desse povo.
Então eles desceram a colina e se misturaram com os enormes,
porém gentis, animais, que eram mansos e não se assustavam
com a presença daquelas pessoas. Eles foram chamados de
bukshas.
- O córrego vem da Montanha - a voz alta de Bronden, a
carpinteira, interrompeu os pensamentos de Rowan. Ele a
observou cortar o ar com seu dedo grosso, apontando ao longe. -
Então o problema deve ser lá. Tem alguma coisa errada lá em
cima. Alguma coisa está impedindo a água de descer.
Todos os olhos se voltaram para a altíssima montanha, com o
topo escondido pelas nuvens, como sempre.
- Temos que subir a Montanha para descobrir o que é -
Bronden continuou. - É a nossa única chance.
- Não! - Neel, o oleiro, balançou a cabeça. - Não podemos subir
a Montanha. Até os viajantes não se arriscam a ir lá. Há perigos
terríveis esperando quem se atrever a subir. E, lá em cima, no
topo... tem o Dragão.
Bronden zombou dele:
-Você está parecendo um viajante louco, Neel! Não tem dragão
nenhum. O Dragão é só uma história que contamos para as
crianças se comportarem. Se existisse mesmo um dragão, nós já o
teríamos visto. Ele viria caçar os bukshas... e o nosso povo.
-Talvez ele vá caçar em outro lugar. Não sabemos nada sobre
isso, Bronden - a voz calma e agradável de Allun, o padeiro, falou
no meio da multidão que cochichava. - Perdoe-me por parecer um
viajante louco... lembrando que o meu pai era um deles e que não
se poderia esperar outra coisa de mim... mas outras coisas nós
sabemos - seu rosto sempre sorridente estava sério quando ele
encarou Bronden. - Ouvimos o seu
rugido quase todas as manhãs e todas as noites. E vemos o seu
fogo nas nuvens.
Bronden girou os olhos com desprezo, mas Rowan estremeceu.
Quando cuidava dos bukshas nas frias e escuras manhãs de
inverno e nas tardes em que o sol se escondia atrás da Montanha,
Rowan ouvia o som do Dragão. Ele também já tinha visto o fogo,
no céu acima das nuvens. Os bukshas se agitavam e ficavam
bastante inquietos nesses momentos. Os filhotes berravam, e os
mais velhos baliam as patas contra o chão, fungavam e se
agrupavam com medo. Até Estrela soltava um gemido ao ouvir o
Dragão rugir e, quando Rowan a acariciava no pescoço para
acalmá-la, ele sentia suas veias pulando sob a sua fofa e espessa
camada de lã.
De repente, ele se deu conta de algo. Algo cm que ninguém
tinha pensado antes, ao que parecia. Ele precisava falar. Nervoso,
ele se levantou. O povoado o encarou curioso. O que Rowan, o
pequeno e tímido guardião dos bukshas, teria a dizer?
-O Dragão não rugiu mais desde que o córrego secou – Rowan
disse. - Nem de manhã, nem à noite.
Ele se esforçou para falar bem alto, mas sua voz parecia
pequena no meio daquele grande silêncio. Então o garoto se jogou
de volta em seu lugar.
-É mesmo? - Allun passou os olhos pelo povo. - O garoto tem
razão?
- Sim, ele está certo - Bronden confirmou devagar. - Estou me
lembrando agora. Na verdade, faz dias que não vem nenhum som
da Montanha - ela ergueu a cabeça - Então estou certa. Tem
alguma coisa errada lá em cima. Já disse o que temos que fazer.
- Mas não podemos fazer isso - Neel insistiu temeroso. - A
Montanha é muito íngreme, muito perigosa. Não conseguimos
subir.
- Será que alguém já tentou? - Allun questionou.
- Já! - confirmou Marlie, a alta e imponente tecelã e tintureira.
-No passado, algumas pessoas escalaram a Montanha em busca
de novas frutas para plantar em nosso pomar. Mas elas nunca
voltaram. Depois disso, o povo de Rin entendeu o aviso e deixou a
Montanha em paz.
- Está vendo só? - Neel se zangou. - Está vendo? Se subirmos a
Montanha, vamos morrer.
- Mas, Neel - Bronden retrucou -, se não subirmos a Montanha,
também vamos morrer.
- A Bronden tem razão. Temos que nos decidir - disse Jonn
Forte, o responsável pelo pomar. - Ou ficamos aqui e torcemos
para que o córrego se encha de novo sozinho, ou subimos a
Montanha e tentamos tirar do caminho o que estiver impedindo a
água de descer. As duas opções são arriscadas. O que decidimos?
Vamos ou ficamos?
- Temos que ir - Marlie opinou. - Não podemos simplesmente
ficar aqui esperando a morte atacar aos poucos a nossa aldeia.
Sou a favor de irmos.
- Eu também - Bronden gritou.
- Eu também voto a favor - Jonn Forte disse.
- E eu - Allun acrescentou.
- Sim! Nós concordamos! - gritou a forte Vai, a chefe do
moinho, que tinha ficado debaixo da sombra, ouvindo em silêncio.
Como sempre, ela estava ao lado de Ellis, seu irmão gêmeo. Val
e Ellis faziam um trabalho pesado no moinho, triturando os grãos
até virarem farinha e sempre limpando a enorme construção de
pedra, para que nenhuma partícula de poeira nem o menor
fiozinho de teia de aranha pudesse ser visto nas paredes. Jiller, a
mãe de Rowan, dizia que desde a infância ninguém nunca tinha
visto os dois separados.
-Sim!
-Sim!
-Sim!
Um por um, os moradores da aldeia se levantaram. Rowan
olhou em volta, vendo ao seu redor os rostos familiares, agora
sérios e firmes. Maise, que cuidava da biblioteca, estava de pé, ao
lado de seu casal de filhos. Também estavam de pé Timon, o
professor, Bree e Hanna, os jardineiros. A já grisalha Lann se
apoiava em sua bengala ao lado deles. Até mesmo o rechonchudo
e gentil Solla, que fazia deliciosos doces e bolos aos quais nunca
conseguia resistir, tinha se esforçado para ficar de pé. Então
Rowan viu Jiller se levantar lentamente e se unir a eles. Com o
coração batendo cheio de medo, ele esticou as pernas trêmulas e
ficou de pé ao lado da mãe.
Somente Neel e outras quatro pessoas permaneceram
sentadas.
- Então, está decidido - Bronden gritou triunfante. - Vamos nos
preparar e partimos ao amanhecer.
- Espere! - Marlie pediu. - Não devemos ir sem antes pedir a
opinião da Sheba.
- Aquela bruxa velha e louca? Aquela curandeira de dores no
estômago que faz as crianças terem pesadelos? O que ela tem a
ver com isso?
- A Sheba é velha, Bronden, mas não é louca - Marlie disse em
tom firme. - Qualquer um que tenha sido curado de alguma
doença com os remédios dela pode confirmar isso para você. A
Sheba entende de outras coisas além de ervas e feitiços. Ela
entende da Montanha como você e eu nunca conseguiremos
entender. A Sheba sabe o caminho até a Montanha. A Grande
Sábia que veio antes dela a ensinou o caminho secreto. Devemos
pedir para ela nos ajudar.
- É uma boa idéia - Jonn Forte concordou.
As pessoas começaram a murmurar. Muitos não confiavam em
Sheba, a Grande Sábia. Ela morava sozinha em uma cabana
depois do pomar, cultivando ervas medicinais e outras plantas e
vendendo os remédios, óleos e tintas que elaborava com o que
colhia. Ela praticamente não conversava com ninguém, só com os
que negociava. E, quando ela dizia algo, raramente era agradável.
As crianças de Rin eram uma turminha corajosa, como toda a sua
raça. Mas elas tinham medo de Sheba e não a chamavam de
Grande Sábia, mas de bruxa.
- Ah, por favor! Que mal pode fazer? - Allun disse,
arreganhando os dentes. - Se a velha puder nos dizer uma
coisinha que seja, o que eu duvido, ótimo. Se ela não puder, não
perdemos nada.
- A tolice dos viajantes! - Bronden criticou. - Isso aqui não é
brincadeira, Allun. Por que você não...?
- Já chega! - a idosa Lann gritou. Ela encarou Bronden, que
franziu a testa. - Estamos indo em direção ao desconhecido - ela
disse com firmeza. - E o tempo é precioso. Não podemos perder
nenhuma chance de pegarmos o caminho certo. Quem aqui é o
que mais conhece a Sheba?
- Eu a conheço um pouco - Jonn Forte afirmou. - Ela vive
apanhando uma erva que cresce debaixo das árvores de balango
lá no pomar.
- Eu sempre negocio com ela - Marlie disse. - Pego tintas roxas
e azuis em troca de tecido.
- Então vocês dois podem ir lá implorar para ela fazer um favor
para nós já que parecem tão dispostos - Bronden se intrometeu e
virou as costas para eles.
- Esperamos aqui até vocês voltarem - Allun disse. - Sejam
rápidos. Temos muito o que planejar - ele riu - e tomem cuidado
para não a insultarem. Ela é como a Bronden: não é mulher que
goste de gracinhas.
Jonn Forte olhou em volta, observando os habitantes que
assistiam à discussão. Então ele apontou alguém. Rowan deu um
pulo. O dedo de Jonn apontava para ele!
- Menino Rowan - Jonn Forte chamou. - Coelhinho, guardião dos
bukshas! Corra e pegue dois queijos na casa de frios. Dos mais
velhos, mais firmes, na prateleira de cima. Leve-os para nós, lá na
cabana da Sheba. A Sheba adora um queijo bem firme. O humor
dela vai melhorar
com o presente.
Rowan ficou de olhos arregalados e boca aberta, sem se mover.
Ele tinha pavor de Sheba. A mãe dele o cutucou.
- Eu vou - a pequena Annad se ofereceu, ao lado dele. - Eu não
tenho medo.
Alguns risos soaram no meio da multidão.
- Vá com ela, Rowan - Jiller pediu com um sussurro. - Faça o
que pedem para você. Pelo menos uma vez!
Rowan cruzou pelo meio do povo a passos largos.
- Esse garoto tem medo da própria sombra... - ele ouviu Val
cochichar para o irmão quando passou por eles. - Ele nunca vai ser
o homem que o pai dele foi.
Ellis concordou com um gemido.
Rowan continuou às pressas, com as bochechas queimando de
vergonha.
Rowan ofegava quando chegou à casa de frios. Tremendo, ele
subiu a escada e retirou da prateleira dois dos queijos mais
velhos. O local estava carregado de queijos, de barris com
coalhada cremosa e de tigelas cheias de manteiga. Havia mais
que o suficiente para todos. Mas não por muito tempo se novos
estoques não substituíssem os antigos, à medida que fossem
consumidos.
Ele saiu da casa de frios e se dirigiu correndo à cabana de
Sheba, que ficava logo depois do pomar. Ele podia ouvir o
barulho da multidão ainda reunida na praça do mercado e ficou
aliviado por não precisar passar por eles no caminho. Enquanto
ele se encaminhava para as margens do vilarejo, Rowan pensava
no que Vai havia dito. Tropeçando um pouco na grama
desnivelada, ele chegou até as árvores de balango. Enquanto
desviava dos galhos torcidos e dependurados, ele pensava em
Sefton, seu pai.
Uma noite, logo após o nascimento de Annad, ao sair tarde do
mercado, Sefton encontrou sua casa cm chamas. Um pedaço de
lenha havia caído da fogueira e começado a queimar o piso do
andar térreo. Chamas atacavam a escada, e a casa estava
tomada de fumaça. Sefton gritou por ajuda e em seguida pulou
por cima da escada flamejante. Ele retirou Jiller, já inconsciente, e
a pequena bebê de suas camas e as levou para fora, onde
estariam seguras. Então, enquanto as chamas aumentavam,
cada vez mais quentes e mais altas, ele jogou um cobertor sobre
sua cabeça e entrou novamente na casa, atrás de Rowan, que
estava no quarto do andar de cima. Disseram que ninguém
conseguiu impedi-lo, mesmo com o calor e a fumaça intensos o
suficiente para afastar todos os outros. Até Val e Ellis, o enorme
casal de irmãos do moinho. Até Jonn Forte, amigo de Sefton e
reconhecido por sua força.
As pessoas puderam ver Sefton pela janela do quarto de
Rowan, com o filho nos braços. Eles o observaram abrir a janela e
o ouviram gritar. Em seguida, correram para agarrar o que ele
atirava pela janela: seu filho, berrando de pavor, todo enrolado em
uma manta. Então, eles ouviram um barulho e viram o teto cair e
as chamas saltarem e zunirem. Jonn Forte, embalando Rowan em
seus enormes braços, soltou um grito de aflição. Sefton tinha
salvado sua família. Mas ele havia deixado seus familiares. Para
sempre.
Rowan havia crescido sabendo que seu pai tinha morrido para
salvá-lo. Ele também sabia, embora ninguém nunca tivesse dito,
que muitas pessoas da aldeia de Rin sentiam que a troca não tinha
sido justa. Hoje, o povoado se formava de fazendeiros e
comerciantes, mas todos descendiam de grandes guerreiros. Na
geração deles, quando Rin foi ameaçada, muitos dos mais velhos
haviam lutado para defender o vilarejo. A Guerra das Planícies
ainda estava viva na memória do povo e registrada em dezenas de
livros na biblioteca. O povoado de Rin tinha orgulho de sua história
de coragem.
Desde bem cedo, todas as crianças da aldeia aprendiam a
correr, escalar, saltar, nadar... c lutar. Rowan havia treinado junto
com os outros, mas nunca tinha sido bom cm nada. Ele sempre foi
pequeno para a sua idade, além de muito tímido. E, desde a noite
do incêndio, ele passou a ser ainda mais calado e nervoso do que
antes. "A Val está certa", ele pensou. Ele nunca seria o homem
que o pai dele havia sido. E também não teria a força de sua mãe,
que havia passado a trabalhar ainda mais depois da morte de seu
pai, lavrando os campos de trigo com Estrela, plantando e
colhendo, levando as safras para o moinho.
Rowan tinha ficado com a função de pastorear os bukshas
porque era fácil. Tomar conta das grandes e gentis criaturas não
exigia força nos braços nem muita coragem. Somente uma vez,
anos atrás, houve um episódio ruim com uma guardiã dos
bukshas. A entrada da mina na qual ela havia caído quando
tentava resgatar um filhote perdido tinha sido fechada havia muito
tempo. Uma criança bem mais nova que Rowan poderia fazer o
trabalho. Mas permitiram que ele continuasse cuidando dos
animais, fato que o garoto agradecia muito.
Os bukshas o adoravam e conheciam sua voz. Eles o
encaravam com seus doces olhos castanhos e acariciavam as
mãos do garoto quando ele estava triste, como se soubessem de
seus problemas. Em troca, ele se esforçava para fazer a vida dos
animais a mais confortável possível. Ele aprendia como curar suas
doenças, cuidando de seus machucados e arranhões da mesma
forma que sua mãe cuidava dos dele, retirava os nós de seus pêlos
e os espinhos que grudavam em sua lã. Quando a neve do inverno
atingia o vale, ele levava os mais velhos e enfraquecidos para o
abrigo, pois sabia que o vento gelado poderia matá-los, e ele não
suportaria perder nem um dos animais. Na primavera, quando o ar
ficava carregado com a doçura das flores do pomar, ele corria,
brincando com os filhotes, e levava para eles um punhado de
ervilhas que roubava dos jardins quando ninguém estava olhando.
Rowan parou para escutar. Ele podia ouvir as criaturas no
campo ali perto, resmungando e fungando umas para as outras
enquanto o sol começava a mergulhar atrás da Montanha. Ele
desejou estar com os bukshas, e não ali, tropeçando no próprio pé,
no meio pomar. Nos braços, os queijos com um cheiro forte; na
cabeça, temores dos quais sentia vergonha.
Rowan se desviou da cerca que demarcava os limites do pomar.
Seus passos diminuíram de velocidade quando viu uma luz
trêmula vinda da cabana de Sheba. Apesar do ar frio do
entardecer, a porta estava aberta, e sombras gigantes se
agitavam e rastejavam na estranha grama pálida que crescia ao
lado da cabana. Ele recomeçou a tremer quando se aproximou.
Dois dos filhos de Bree e Hanna uma vez tinham dito a Rowan
que Sheba poderia transformar qualquer pessoa em uma lesma
gorda se ela quisesse. Eles apontaram para as lesmas que
retiravam das folhas do repolho:
- Um dia, essas lesmas foram pessoas de verdade - eles
disseram. - Olhe só... Aquele ali é nosso tio Arthal. Sabemos que é
ele por causa da mancha na testa. Ele colocou um tomate podre
dentro da bolsa que deu para a Bruxa em troca de um remédio
para dor de estômago. Um tomate podre em uma bolsa com 20. E
foi isso o que ela fez com ele. Adeusinho ao tio Arthal! Agora
temos o tio Lesma. Quer dar um beijo nele?
Eles empurraram o bicho contorcido contra a boca de Rowan e
saíram gargalhando atrás dele enquanto o garoto fugia correndo.
Rowan sabia que aquela história era provocação deles. Sabia
mesmo. Mas às vezes, à noite, na cama, ou se um buksha ia parar
perto da cabana de Sheba e ele tinha que ir até lá para pegá-lo, a
brincadeira dos dois ressurgia em sua memória. Então ele se
lembrava daquela lesma gorda e lerda com a mancha na testa e
estremecia.
Quando Rowan estava no meio das sombras sobre a grama,
chegaram até ele algumas vozes vindas de dentro da cabana.
Eram Jonn Forte e Marlie. E outra voz, aguda, mas baixa. Era
Sheba.
- O córrego vem do topo da Montanha, de cima das nuvens –
ela dizia. - Da terra e das pedras ela sai para vir até Rin. Então
vocês devem escalar a Montanha, até o topo, meus bons amigos. E
ninguém conhece o caminho secreto, além da Sheba! - ela soltou
uma risada sarcástica.
Rowan pensou em deixar os queijos no chão, na soleira da
porta, e voltar correndo para casa. Entretanto, quando ele deu um
passo à frente, um galho se partiu debaixo de sua bota.
- Finalmente! - a cabeça de Jonn Forte apareceu na porta. Ele
colocou seu braço atrás das costas de Rowan e o forçou para
dentro da cabana. - O garoto com os queijos. Nosso presente para
você, Sheba – ele disse cordialmente. - Em troca por sua
explicação do caminho.
A velha sentada ao lado da fogueira cheirou o ar e estalou os
lábios com um tom de gula.
- Os queijos! - ela olhou com satisfação. Então franziu a testa e
espremeu os olhos - Traga-os aqui - ela pediu - mais perto,
menino.
Rowan hesitou. Marlie, que estava ao lado dele, deu-lhe um
leve empurrão. Seus pés pareciam ser de pedra. Ele os forçou para
a frente, um passo por vez.
- O que você está escondendo? - Sheba perguntou em tom
ríspido, levantando-se um pouco de sua cadeira. - Eu disse mais
perto, menino! Venha até aqui e deixe esses famosos queijos no
meu colo. Como é que eu vou saber se não estão me enganando?
Tentando me empurrar coisas de má qualidade?
- São os melhores que temos, Sheba - Marlie disse. - O próprio
Rowan os escolheu lá na prateleira de cima da casa de frios. Você
vai gostar.
- É o que você diz - Sheba fez uma careta.
Ela curvou os ombros e encarou Rowan. À luz da fogueira, seus
olhos pareciam vermelhos. Sobre sua testa, estava preso um trapo
roxo, e seus cabelos caíam como finas trancas cinza ao redor de
seu rosto. Ela cheirava a cinzas e poeira, a roupa velha e ervas
amargas. Rowan foi até a cadeira, colocou os queijos redondos
sobre o colo dela e recuou bem devagar, prendendo o fôlego e
tentando não olhar para ela.
Mas Sheba já tinha perdido o interesse por ele. Ela cutucava os
queijos amarelos com seus dedos ossudos, cheirando
cuidadosamente cada um dos dois. Rowan abraçou a si mesmo e
estremeceu enquanto se protegia daqueles terríveis olhos
vermelhos ao se esconder atrás da alta Marlie. E se ele tivesse
feito uma má escolha? E se os queijos afinal não fossem bons? E
se Sheba achasse que ele estava tentando enganá-la?
A velha levantou o olhar:
- Estão bons - ela anunciou. - Como você disse que estariam,
Jonn do Pomar.
- Obviamente - Jonn Forte fez uma reverência para ela.
- Agora, Sheba - Marlie começou com firmeza -, vai nos dizer o
que queremos saber?
- Ah, corajosa Marlie! - Sheba soltou uma risada desagradável.
Ela apanhou alguns gravetos de uma cesta ao lado dela e os
jogou na fogueira. À medida que os gravetos pegavam fogo, as
chamas aumentavam. As sombras dançavam no rosto de Sheba
quando ela se voltou para os outros:
- Corajosa enquanto faz seus tecidos, na segurança de sua
casa, e fica sonhando que todos a reconheçam por isso. Mas você
continuará corajosa na Montanha? A Montanha domina muito bem
mulheres corajosas como Marlie, que são tolas o suficiente para
tentar usar sua força contra ela. A Montanha tem muitas... muitas
formas de dominar vocês... como vão descobrir.
Rowan percebeu Marlie ficar tensa e viu suas bochechas
começarem a flamejar:
- Não precisamos de seus avisos, Sheba - ela disse em um tom
firme.
- E Jonn! Jonn Brasa, protetor das árvores! Um homem distinto,
alto! - a velha gracejou, ignorando Marlie. - Você vem até aqui
para me pedir um favor. Mas o que você foi um dia senão um
menininho esfarrapado, quase pelado, chorando pela mamãe
quando a Sheba passava por perto? - ela mostrou para ele os
compridos dentes marrons em um sorriso sinistro. - A Montanha
não irá testar sua força, Jonn. Ela irá destruí-la. Da mesma forma
como destruiu a força de homens duas vezes mais corajosos que
você. Você vai se contorcer e berrar como um bebê no berço
quando estiver na Montanha. Mas a Montanha não vai deixar você
escapar.
Houve um instante de silêncio. Rowan estava congelado de
terror.
Jonn Brasa riu. Então ele colocou as mãos no quadril e se dirigiu
com seriedade à velha:
- Pare com suas historinhas, Sheba - ele disse. - Elas não
impressionam, nem a mim, nem a Marlie. O pequeno Rowan é o
único que pode temê-las aqui. Você não pode achar que somos
tolos o suficiente para seguir o exemplo dele. Olhe só, você quase
matou o menino de susto, esse pobre coelhinho magricela. E ele
escolheu queijos excelentes para você! Você deveria pedir
desculpas a ele.
Sheba começou a arreganhar os dentes, mas seus olhos tinham
um brilho vermelho vivo.
- Então, ria, Jonn do Pomar - ela zombou. - Se o garoto é o
único com medo aqui, então ele é o único de vocês que está com a
razão. Não faria mal nenhum ser guiado por ele! - Novamente ela
se inclinou para a cesta ao lado. - E, realmente, devo pedir
desculpas a ele - Sheba gargalhou.
Então, rápida como o bote de uma cobra, ela jogou um graveto
na direção de Marlie, que gritou e pulou para o lado assustada,
deixando que o pedaço de madeira em chamas atingisse
diretamente Rowan.
O garoto cambaleou para trás e quase caiu. Ele agarrou o
graveto com as mãos e viu sangue começando a pingar de uma
ferida em sua testa. Jonn Brasa soltou uma exclamação de raiva e
deu um passo à frente com os punhos cerrados.
- Um presente da Sheba - a velha rosnou. - E eu lhe peço
minhas desculpas, Rowan dos Bukshas.
- Sheba, você foi longe demais! - Jonn Forte esbravejou.
Os lábios dela se curvaram:
- Fui? - ela perguntou. - Bem, então talvez seja hora de
encerrar esse encontro.
- Não até que você nos diga o que viemos aqui para ouvir -
Marlie intimou. Ela olhou Rowan, escondido nas sombras. - E
rápido! Precisamos cuidar da testa do menino.
- É só um arranhão - Sheba disse tranqüila. - Mas, de qualquer
forma, estou farta! Não agüento mais essa infantilidade de vocês.
Vou dizer o que vocês querem saber. Pelo menos, o que eu posso.
Esperem.
Ela se recostou em sua cadeira e fechou parcialmente os olhos.
Suas mãos acariciaram os queijos em seu colo como se fossem um
par de gatos. A fogueira ardia. Ela começou a sussurrar e
murmurar coisas para ela mesma. Por um tempo, ninguém
conseguia entender suas palavras. Então, finalmente, ela disse
com clareza:

"Sete corações seguirão pelas temíveis trilhas.


De sete formas cairão nas armadilhas.
Só continuará o de alma mais valente
quando o sono for a morte e a esperança estiver ausente.
Encare as presas do medo de que não gosta
e veja clara e certa a resposta.
As lembranças de casa deverá jogar fora
Para terminar sua busca e ir embora."

As pálpebras de Sheba tremeram e ela abriu os olhos. Por um


instante, ela encarou Jonn, Marlie e Rowan com um olhar vazio,
como se estivesse imaginando por que eles estavam ali. Depois,
sua expressão se carregou e ela impaciente acenou com a mão
para eles. Ela não parecia mais uma bruxa. Só uma senhora velha,
cansada e rabugenta.
- Agora vão - ela pediu. - Não posso lhes dizer mais nada.
- Mas e o caminho, Sheba. O caminho que devemos seguir -
Marlie enfatizou. - Você não nos disse nada!
- Não? Bem, vocês verão. Talvez mudem de idéia mais tarde.
Agora me deixem em paz.
O queixo de Sheba se afundou cm seu peito e ela ficou em
silencio. Eles aguardaram, mas ela não ergueu a cabeça
novamente. Depois de um tempo, ela começou a roncar.
- Ela está dormindo - Rowan sussurrou.
- Dormindo ou fingindo - Jonn Forte disse com um tom de nojo.
- Seja como for, não conseguiremos nada mais aqui. Devemos
voltar. Os outros já esperaram demais por nós.
Eles saíram da cabana e se apressaram em direção à aldeia.
- E vamos voltar de mãos vazias - Marlie lamentou. - E com
Rowan sangrando. Rowan, nunca poderei me perdoar por ter
deixado que o graveto atingisse você. Fui pega de surpresa.
- Aquele demônio velho queria mesmo era que o Rowan
sofresse - Jonn Forte foi inflexível. - Ela estava me punindo por ter
rido dela e pedido que ela se desculpasse com ele. A culpa foi
minha.
Rowan, acompanhando o ritmo acelerado dos dois pelo pomar,
estava se sentindo tonto c fraco, mas não sabia dizer se era por
causa do corte em sua testa ou simplesmente pelo terror que
havia sentido na cabana de Sheba. Aqueles avisos horríveis que
ela havia dado giravam como um redemoinho na cabeça do
garoto. A estranha canção que ela havia sussurrado parecia ter
sido gravada a fogo cm sua mente. Ele não conseguia esquecer.
"Sete corações seguirão pelas temíveis trilhas... De sete formas
cairão nas armadilhas..." Ele se viu repetindo os versos cm um
murmúrio, acompanhando o ritmo ao bater na perna o graveto que
ainda segurava. "Só continuará o de alma mais valente... quando o
sono for a morte e a esperança estiver ausente."
- Tire isso da cabeça, menino Rowan - Jonn Forte disse
apreensivo.
- Olhe lá, as luzes da aldeia. Logo você vai estar em casa com
sua mãe ele trocou olhares com Marlie. - E o que ela vai me dizer
por levá-lo de volta para casa nesse estado... - ele acrescentou a
meia voz.
Depois de observar o corte na testa do filho, Jiller simplesmente
sorriu e encolheu os ombros. Ela disse que não era nada sério e
que poderia cuidar daquilo mais tarde em casa. Todas as crianças
de vez cm quando tinham que passar por coisas desse tipo. Rowan
sabia que as palavras que sua mãe dirigia para Jonn Forte e Marlie
eram lambem para ele. Ela estava lembrando ao filho que ele
deveria ser corajoso, como um digno habitante de Rin, e não se
incomodar com pouco.
Rowan sabia que ela se preocupava com o falo de ele ser tão
nervoso c frágil. Um ou dois meses atrás, ele tinha ouvido sua mãe
comentar sobre isso com Jonn Forte ao lado da casa deles. .Jiller
disse que tentava ter paciência, mas Rowan era muito diferente
dela, do pai e até da pequena Annad, que sempre se demonstrava
tão valente... Às vezes, era bastante complicado. Ela não
compreendia o filho e desejava que o pai deles estivesse vivo...
Rowan saiu meio escondido, às pressas, para o andar de cima,
em direção ao quarto que agora dividia com Annad. Ele ficou
deitado em sua cama por um bom tempo, sem pensar cm nada,
somente prestando atenção à dor triste que deixava seu peito
carregado.
Agora, ali estava ele, em pé ao lado de sua mãe, tonto e com os
olhos ardendo. Ele não disse nada, embora quisesse se jogar nos
braços da mãe e pedir, chorando, consolo. Entretanto, ali não
haveria consolo nenhum. Só vergonha.
- Eu disse que a Sheba era perda de tempo! - Bronden
protestou um pouco satisfeita e um pouco irritada. - Agora dois
dos nossos melhores queijos estão lá naquelas patas imundas e
nós não sabemos nada a mais do que antes.
- Deixa para lá - Allun disse, encolhendo os ombros. -
Decidimos que iríamos tentar e tentamos. Agora precisamos tomar
outra decisão. Não podemos todos subir a Montanha. Quem vai?
- Eu vou - Bronden gritou.
Ela encarou o resto do povo como se estivesse intimidando
alguém que ousasse se opor a ela.
- Por que não? - Jonn Forte questionou. - Ninguém duvida da
sua vontade, da sua coragem nem do seu direito, Bronden. Da
mesma
forma que suponho que ninguém duvide dos meus. Também vou.
Rowan achou que seu coração tinha sido espremido por uma
mão de gelo. Ele se lembrou das palavras de Sheba: "A Montanha
não irá testar sua força, Jonn. Ela irá destruí-la."
- Não! - ele gaguejou. Os dedos de sua mãe pressionaram o
braço
de Rowan.
- Eu também - Marlie disse firme, com os olhos sobre Bronden.
Val e Ellis estavam conversando bem baixinho. De repente, Val
levantou sua voz rouca:
-Até que o moinho volte a funcionar, não temos nenhum
trabalho a fazer - ela disse. - Então, acompanharemos vocês na
Montanha. Melhor isso do que ficarmos parados esperando.
- Vocês poderiam dar uma limpada na casa para variar – Allun
provocou.
Val o encarou com um olhar frio, enquanto outros moradores de
Rin se entreolharam admirados. Todos sabiam que Vai e Ellis não
gostavam que ninguém fizesse piadinhas por causa de sua mania
por limpeza e organização.
- Isso é loucura - reclamou Neel, o oleiro, incapaz de se manter
em silêncio por mais um segundo. - Isso não é brincadeira! A
Bronden, o Jonn, a Marlie, a Vai, o Ellis... os mais fortes de todos
nós indo para o desconhecido! - ele se dirigiu para a multidão - se
eles não voltarem, esses loucos, como vamos sobreviver? E se os
zebakianos invadirem Rin mais uma vez? Ou se algum perigo
terrível nos ameaçar?
- Um perigo terrível já está nos ameaçando, Neel - a velha
Lann disse. - Agora, enquanto estamos aqui. Talvez o perigo mais
terrível de todos os que já encaramos. Para proteger a aldeia dele,
alguns de nós têm que fazer uma jornada em direção ao
desconhecido. É exatamente por isso que os mais fortes são os
que devem ir - ela se virou para Jonn. - Mesmo assim, ainda acho
que o grupo está muito pequeno. Vocês
precisam de mais alguém.
Allun deu um passo à frente:
- Concordo. Eu entro para o grupo para que tenhamos um
número par e possamos nos dividir melhor - Allun viu Bronden
começar a abrir a boca para se opor, então se apressou em
continuar - ah, Bronden, sei que não sou um filho legítimo de Rin e
que posso não ser tão forte quanto vocês. Mas também não sou
fraco. Acredito que domino todas as habilidades necessárias para
a jornada. E tenho também outras, graças ao sangue viajante do
meu pai. Uma: sei manter o sangue frio. Outra: consigo lidar muito
bem com uma fogueira em um acampamento. Tenho também um
ótimo repertório de músicas e piadas. Além disso, se a Vai e o Ellis,
os moleiros, não estiverem aí no moinho para fazer farinha, como
um pobre padeiro vai se ocupar durante esses dias?
- Você pode trabalhar no meu jardim, Allun - Sara, a mãe dele,
brincou.
As pessoas em volta soltaram um riso coletivo. A velha senhora
sorriu. Somente Rowan e Allun perceberam que suas mãos
apertavam seu avental, torcendo o pano branco, e que seus olhos
piscavam não por causa do riso, mas por lágrimas que não
queriam cair. Ela já tinha vivido tempo suficiente para ouvir as
velhas histórias sobre a Montanha, cujo poder temia. Allun era seu
único filho.
Entretanto, como uma verdadeira filha de Rin, Sara sabia
esconder seus sentimentos. Somente uma vez, muitos anos atrás,
ela tinha se deixado levar por eles. Foi quando ela se apaixonou
pelo homem que se tornaria o pai de Allun, um cantor risonho e de
olhos castanhos que chegou ao vilarejo em um outono
acompanhado de seu grupo de viajantes. Rowan já tinha ouvido
sobre isso muitas vezes, embora tudo
tivesse acontecido vários anos antes de ele nascer, quando sua
mãe e seu pai ainda eram crianças. A história já fazia parte da
tradição do vilarejo e era ouvida sempre que uma tribo de
viajantes acampava nas proximidades.
Rowan ficava imaginando como deveria ter sido chocante a
notícia de que Sara, a amável professora da aldeia, iria sair de Rin
para se casar com um viajante sem rumo. A maioria das pessoas
ficou horrorizada e tentou de tudo para que ela mudasse de idéia.
Mas ela se manteve decidida e, quando os viajantes continuaram
seu caminho, ela os acompanhou, deixando para trás a paz e a
segurança de seu antigo lar para vagar pelo mundo com o homem
que amava e sua tribo.
O povo de Rin viu Sara alguns anos depois de sua saída,
quando os viajantes passaram por acaso ali outra vez. O pequeno
Allun, com suas grandes bochechas, andava cambaleante atrás da
mãe, cujo rosto se enchia de felicidade para todos verem. Alguns
balançaram as cabeças e disseram que aquele sorriso não iria
durar. E eles estavam certos, embora não nos motivos que fariam
Sara parar de sorrir.
Foi nessa época que começou a Guerra das Planícies, que durou
cinco anos. Outra vez, os povoados de Rin e de Maris e os
viajantes foram forçados a se unir para lutar contra os invasores
que vinham do mar: seus antigos inimigos, os zebakianos. Assim
como seus ancestrais fizeram antes deles, os três povos
finalmente conseguiram expulsar os zebakianos. Mas a batalha
havia sido muito longa e custado a vida de muitos corajosos
guerreiros. Uma dessas vidas era a do marido de Sara.
Depois disso, Sara voltou ao vilarejo com seu pequeno filho.
Sem seu amor, a vida de viajante não tinha mais sentido para ela.
Sara então decidiu ficar novamente com seu povo, em seu antigo
lar. Mas, para Allun, lar eram as barracas coloridas dos viajantes, o
cheiro das fogueiras queimando durante a noite, as amplas
planícies, as florestas e as trilhas sinuosas que pareciam não ter
fim.
Magro e pequeno, com olhos escuros e cabelos encaracolados,
Allun era a cópia de seu pai, muito diferente das altas e fortes
crianças de Rin. Debaixo da árvore que servia de escola ao ar
livre, junto com Bronden, Jiller, Val, Ellis e outras crianças da
mesma idade que eles na época, Allun erguia a cabeça e sorria
dos olhares, cutucões e cochichos dos colegas. No entanto, fora da
escola, ele se esforçava para se parecer ao máximo com os outros.
Logo ele aprendeu que sua força não poderia se comparar à deles
e que sua sabedoria era sua melhor arma.
Rowan sempre pensava que Allun talvez fosse a única pessoa
no vilarejo que entendesse como ele se sentia, já que o garoto
também era fraco, diferente dos outros. Não que Allun tivesse
dito algo sobre isso, mas, quando ele visitava sua casa com
Marlie e Jonn Forte, ele costumava brincar com Rowan,
demonstrava interesse no que o menino estava fazendo e até
inventava desculpas para os seus erros.
E agora Allun iria subir a Montanha. Tentaria mais uma vez
provar que era um habitante digno de Rin. Jonn e Marlie pareciam
satisfeitos. Bronden encarou Vai e Ellis e girou os olhos,
certamente não gostando nada do sexto membro, mas incapaz
de pensar em uma boa razão para negar a participação dele. Um
padeiro engraçado e sempre bem à vontade, Allun iria sumir junto
com os outros para dentro do labirinto secreto de penhascos e
florestas que se estendia sobre eles. Outra vez, Rowan se
lembrou da expressão sarcástica de Sheba.
- Ah, bem! Se você quer ir, então vá! O meu vestido de luto vai
sair do armário mais uma vez - a velha Sara disse, sorrindo e
batendo as mãos em desespero enquanto seus olhos ainda
brilhavam com lágrimas contidas.
- Obrigado, minha mãe - Allun disse.
Seu tom de voz era suave, mas todos perceberam claramente
seu amor e admiração.
-Agora - Jonn disse às pressas, pois se sentia bastante
constrangido
com demonstrações públicas de afeto - sugiro irmos para casa e
começarmos a preparação para a jornada. Então, todos devem ter
uma boa noite de sono até antes do amanhecer. De acordo?
Os outros balançaram as cabeças. Os habitantes se desejaram
boa-noite e aos poucos foram se encaminhando para suas casas.
Alguns se sentiram aliviados, porque algo seria feito para resolver
o problema que tinha surgido de forma tão inesperada e acabado
com a tranqüilidade de suas vidas. Alguns se agitaram e até
sentiram inveja da idéia da grande aventura que esperava pelos
escolhidos. Mas muitos, como Neel, foram para suas camas
naquela noite com os corações apertados, pois os líderes e os
heróis do povoado sairiam para uma busca perigosa pelo bem de
toda a comunidade. E talvez nunca voltassem.
Mesmo depois de Annad finalmente ter adormecido, cansada
com tantos transtornos, Rowan ainda permaneceu acordado em
sua cama, vendo pela janela a enorme imensidão da Montanha. A
luz do luar estava forte, mas a Montanha aparecia como uma
mancha negra no céu, obscura e cheia de mistério. Jiller tinha
limpado o corte na testa de Rowan, mas sua cabeça ainda doía. As
palavras debochadas do aviso de Sheba ainda o atormentavam.
Ele fez tudo o que pôde para transformar esses pensamentos
em coisas boas. Pensou em Estrela, no novo filhote que logo
nasceria, no gosto do suco gelado e azul dos balangos. E nas
lembranças de sua mãe da época em que ele era bebê. Uma Jiller
mais gentil, mais feliz, que cantava para ele. Mas, quando ele
estava quase caindo no sono, os outros pensamentos sombrios se
arrastavam outra vez para sua mente e o deixavam com medo de
fechar os olhos.
Por fim, ele acabou adormecendo, mas teve um sono leve,
cheio de pesadelos. Ele estava de volta à cabana de Sheba, mas
agora as quatro paredes eram feitas de pedra, de onde saíam
água e limo. E Sheba era enorme, com um nariz longo e pontudo,
as tranças cinza e oleosas penduradas como grossas cordas ao
redor de seu rosto sorridente e de seus olhos vermelhos e
penetrantes. Jonn Forte e sua mãe estavam ali com ele, mas os
dois não se mexeram quando a bruxa se inclinou na direção dele,
cada vez mais perto, até que tudo que ele pudesse ver fosse o
rosto dela e tudo que ele pudesse sentir fosse o hálito dela
queimando contra suas bochechas.
- Se você é o único com medo, coelhinho magricela, você é o
único que está com a razão - Sheba gemeu.
Então ela abriu a boca para soltar uma enorme gargalhada,
mas ela não tinha língua: o interior de sua boca era amarelo e
macio como um pedaço de queijo.
Rowan acordou ofegante, trêmulo e molhado de suor. Ele não
fazia idéia de que horas eram. O sonho parecia ter levado horas,
mas talvez, só tivesse durado alguns segundos. Annad dormia
tranqüilamente, com a boca um pouco aberta e uma mão em
volta da sua fofa miniatura de buksha. Pelo menos ela não estava
tendo sonhos ruins. Mas a idéia de voltar a dormir deixava Rowan
em pânico. Ele jogou as cobertas de lado e pulou da cama. Fazia
muito frio. O ar gelado da noite soprava na janela e, mesmo
assim, a camisa de seu pijama estava toda suada. Ele a retirou e
rapidamente começou a puxar as roupas usadas durante o dia,
que havia empilhado no chão quando se trocou para ir dormir.
Debaixo das roupas estava o graveto que Sheba havia atirado
contra ele. Ele o tinha carregado até sua casa, sem pensar, e
levado até o quarto. Rowan apanhou o graveto e ficou passando
os dedos nele, de uma ponta a outra. Era um bom graveto: reto e
grosso, tão liso que parecia ter sido polido, se não fosse por um
pequeno calombo pontudo no meio. Rowan passou a ponta do
polegar contra a saliência e achou que possivelmente era essa a
parte que tinha cortado sua testa. Era dura e afiada o suficiente.
Então o calombo se mexeu! Sob o dedo de Rowan, a saliência
foi para a frente. E o graveto começou a se descascar!
O garoto ofegava enquanto a superfície lisa debaixo de seu
dedo se transformava em uma folha bem fina. Ele a puxou
fascinado, e ela foi se desenrolando, cada vez mais. Então ele
percebeu que o "graveto", na verdade, não era um graveto. Era
um pergaminho muito bem enrolado. A pequena saliência no
centro era o que o mantinha fechado.
Rowan passou os olhos por Annad, que ainda dormia, e correu
para acender a lamparina. Ela não iria acordar e ele poderia olhar
mais de perto essa coisa estranha que segurava nas mãos. Mesmo
sem luz, ele podia ver que o pergaminho não estava em branco.
Havia figuras, linhas e palavras. Ele precisava saber o que eram. .
Estendeu o pergaminho sobre o chão de madeira e, nas pontas,
colocou os seus sapatos e os da irmã, para que o papel não se
enrolasse outra vez. Então, com cuidado, ele colocou a lamparina
ao lado e observou o desenho.
Era um mapa da Montanha, com um caminho marcado em
vermelho. Rowan precisou tapar a boca com a mão para
impedir a si mesmo de soltar um grito. Sheba havia enganado
a todos. Ela tinha fingido decepcioná-los, sabendo o tempo
todo que Rowan carregava exatamente o que eles precisavam.
Sabendo que eles poderiam nunca descobrir o que ela lhes
havia dado. Como ela deveria ter rido sozinha da raiva de Jonn
Forte e da decepção de Marlie!
Rowan enrolou bem o mapa novamente e apertou o fecho.
Calçou os sapatos e ficou em pé, no meio do quarto, com os
pensamentos a mil.
- Rowan! O que está fazendo?
Ele se virou para encontrar os olhos surpresos da mãe. Ao
lado da porta, ela o encarava boquiaberta. Ele piscou os olhos,
também surpreso. Assim como ele, Jiller estava toda vestida,
como se fosse sair.
- Eu... - engasgado, ele estendeu o mapa enrolado. - Eu
tive um sonho e...
- Ah, Rowan - Jiller suspirou irritada. - Esses pesadelos! O
que faço com você, meu filho? - por um instante, Rowan achou
ter visto os lábios da mãe tremerem. - E agora... esta manhã...
- ela se conteve e levou as mãos ao rosto. Quando as abaixou,
já estava calma outra vez. - Se quisermos nos despedir do
grupo da Montanha com o resto da aldeia, devemos sair logo -
ela disse. - Eles vão partir ao amanhecer. Deixe esse graveto aí
e pegue as roupas da Annad. Vou acordá-la - e foi em direção à
cama da garotinha.
- Mamãe... - no meio de sua confusão, Rowan usou o termo
infantil sem pensar.
Ele viu o rosto da mãe se enrugar e a ouviu inspirar
rapidamente, nervosa.
- Mãe - ele se corrigiu tão alto que Annad se mexeu e começou
a acordar sozinha. - Mãe, eu estou com o mapa. O mapa da
Montanha!

***

- Ele está com o mapa da Montanha - Jiller repeliu para Jonn


Forte, ignorando as exclamações da multidão.
As bochechas dela estavam rosadas de tanta agitação, e o
capuz de seu casaco caía sobre os ombros. Rowan a achou muito
bonita naquele instante. Talvez Jonn Forte também tivesse achado
o mesmo, pois ele a encarava com um olhar admirado.
- Então, rápido! Mostre para nós! - Bronden mandou, batendo
as bolas duras contra o chão gelado. - Eu não consigo acreditar!
Por que aquela velha iria fazer uma coisa dessas? Tem certeza de
que o menino não está nos fazendo de bobos?
- É claro que não - Jiller afirmou, pegando o mapa da mão de
Rowan e o entregando para Bronden. - Veja você mesma!
Bronden desenrolou o pergaminho e o analisou por um
momento, com a respiração saindo de sua boca como nuvens de
fumaça branca no ar frio da manhã. Então os cantos de sua boca
viraram para baixo e ela entregou o pergaminho a Jonn e Marlie.
- Então? - Allun, ao lado de Rowan e Jiller, estava morrendo de
curiosidade. - O que é isso? O que o garoto achou?
Jonn Forte virou o pergaminho para que os outros pudessem
vê-lo. Estava totalmente em branco.
- Mas... - Rowan deixou escapar. - Estava aí! Um desenho da
Montanha. E palavras... e flechas... e um caminho marcado em
vermelho,
que levava para depois das nuvens! Estava aí!
Bronden bufou e sacudiu a cabeça em direção à folha em
branco que ainda estava nas mãos de Jonn.
- É preciso ver para crer - ela disse, dando as costas a Rowan.
-Esses garotinhos deviam aprender que é um grande erro tentar
pregar peças nos mais velhos só porque querem chamar atenção.
- Talvez você estivesse sonhando, Rowan - Allun disse, dando
um tapinha no ombro do menino. - Muito queijo no jantar, não?
Acontece comigo às vezes. As coisas parecem ser reais...
- Mas era real - Jiller interrompeu. Suas sobrancelhas estavam
enrugadas e seus olhos encaravam o pergaminho como se ela
ainda não conseguisse acreditar. - O Rowan mostrou o mapa para
mim. Eu vi. Também estou pregando uma peça nos mais velhos,
Bronden?
Houve um silêncio constrangedor. Pensativo, Jonn Forte mordeu
o polegar. Então ele entregou o pergaminho de volta para Rowan.
- Se a Jiller e o Rowan dizem que o mapa estava ali, eu
acredito neles - ele disse. - Mas a questão é que ele não está aí
agora. Talvez a Sheba quisesse que criássemos esperanças para
depois acabar com elas.
Jiller sorriu para ele agradecida.
- Seria bem típico dela - Marlie concordou. - Ela... oh! - seu
queixo
caiu e ela apontou para Rowan. - Olhem! Olhem! - ela gaguejou.
Rowan, com o rosto vermelho e assustado, viu que os olhares
de todo o povoado estavam sobre ele. As pessoas exclamavam e
arregalavam os olhos. O que estava acontecendo? O que ele tinha
leito agora? Ele levou alguns instantes para perceber que, na
verdade, ninguém olhava para ele. As pessoas olhavam para o
pergaminho em suas mãos. Ele encarou o papel, e a pontada de
choque que ele sentiu foi imediatamente seguida por um
relâmpago de alívio c alegria. O mapa estava aparecendo
novamente, bem devagar. Formas, palavras... e finalmente o
caminho pontilhado em vermelho, bastante tortuoso, indo em
direção ao topo da Montanha.
Jonn Forte estendeu a mão:
- Rowan, passe o mapa para mim - ele pediu.
Ansioso, Rowan entregou o pergaminho. Jonn o pegou e o
exibiu a todos. Houve um zunido de agitação e então um gemido de
desânimo vindo do povo. Enquanto eles olhavam, as linhas e setas
desapareciam. Em instantes, o pergaminho estava em branco
novamente. Jonn o entregou para a multidão. As pessoas
encaravam o papel, que passava de mão em mão sem se alterar.
- É bruxaria! - Neel explodiu, jogando o pergaminho de volta
para Jonn Forte, como se fosse venenoso. - A Sheba está brincando
conosco.
- Acredito que sim - Jonn concordou devagar. - E é uma brincadeira
perigosa a que ela está fazendo - ele olhou para Marlie. - Temo que
a intenção da Sheba seja que eu retire o que disse - ele comentou.
Ele devolveu o pergaminho para as mãos de Rowan e viu, sério,
as marcas, formas e linhas ressurgirem na superfície do papel,
primeiro desbotadas e depois cada vez mais definidas.
- O que isso quer dizer? - Jiller perguntou, agarrando o filho pelo
ombro.
Jonn Forte hesitou:
- Ontem à noite, a Sheba ficou nervosa com uma coisa que eu
disse e comentou sobre o Rowan assim: "Não faria mal nenhum ser
guiado por ele". Acho que, por maldade, ela enfeitiçou o mapa para
que ele só revelasse seus segredos quando estivesse nas mãos do
Rowan.
- Você tem razão - Marlie pensou alto. - Ela o jogou nele ontem.
Ela queria que ele descobrisse. Ela queria que esta cena que
estamos vivendo agora acontecesse - e fez uma pausa. - A Sheba
quer que o garoto vá conosco para a Montanha.
- Não! - a palavra saiu da boca de Jiller antes que ela pudesse
impedir. Ela mordeu o lábio e tentou se recompor. - Quero dizer... -
ela continuou com cuidado - o Rowan é muito novo. Novo demais
para ter alguma serventia para vocês. E ele tem que cuidar dos
bukshas também. Ele não pode ir.
- É claro que não! - Timon, o professor, concordou. Ele abriu
caminho no meio da multidão. - E eu tenho a solução para esse
pequeno dilema. O Rowan pode ficar segurando o mapa enquanto
eu o copio, com o meu papel e com a minha tinta - ele abriu os
braços. - Pode levar uma hora, e os braços do Rowan vão se
cansar, mas valerá a pena para ele. Porque assim o Rowan irá
para casa, para cama, feliz, enquanto vocês, coitados, saem para
o seu passeiozinho.
- Isso! - Marlie exclamou. - Vamos usar a brincadeira da Sheba
contra ela mesma! Ela se esqueceu de que nós não somos
bukshas irracionais que se deixam enganar tão facilmente.
Mas Sheba não havia se esquecido de nada. Pouco importava o
que Timon tentasse, ele não conseguia copiar o mapa. Sempre
que ele tentava, as canetas que ele usava e jogava fora uma após
a outra deslizavam sobre o papel em branco como se fosse
manteiga, embora funcionassem perfeitamente se tentasse
desenhar qualquer outra coisa. Depois de meia hora, ele não tinha
conseguido copiar nem uma linha. Finalmente, jogou fora sua
última caneta com um gemido de desgosto e se agachou ao lado
de um bolo de papel amassado.
- Chega! - Jonn exclamou. - Antes disso, nós iríamos sem o
mapa. Nada mudou. Agora, vamos sem o mapa, do mesmo jeito -
ele balançou a cabeça para Rowan, evitando com cuidado o olhar
de Jiller. - Obrigado, garoto - ele disse. - Pelo menos pudemos dar
umas olhadelas no caminho que devemos seguir. Vamos nos
lembrar bastante dele, e isso já irá nos ajudar muito. Vá para casa
agora com sua mãe.
- Mas isso não faz sentido! - Bronden interrompeu. - O mapa
vai garantir nossa segurança e nosso sucesso. Devemos levá-lo
conosco. E se o mapa e o garoto estão unidos, por qualquer truque
que seja, devemos levar o garoto conosco também. Qualquer um
pode substituí-lo para cuidar dos bukshas. Essa ligação que o
menino tem com eles é besteira mesmo.
- Estamos de acordo com Bronden - Val informou. O irmão
dela, ao lado, confirmou com a cabeça. - A aldeia depende disso.
Não é hora de sentimentalismo barato.
- O menino não pode ir - Jonn Forte insistiu. - O perigo é
grande demais. E ele é muito novo.
- Ou será que é porque a mãe dele é bonita demais? - Bronden
foi bem direta. - E seu coração está dominando sua cabeça, Jonn?
O rosto de Jonn ardeu em um vermelho intenso. Rowan sentiu o
braço de Jiller enrijecer e a viu levantar o queixo enquanto duas
manchas rosadas surgiam em suas bochechas.
- Mamãe, o que aconteceu com o Jonn? - Annad sussurrou,
puxando a saia da mãe. - Por que ele está vermelho daquele jeito?
Jiller não respondeu. Rowan olhou para cada um dos rostos na
multidão e, aos poucos, com um sentimento destruidor, ele
percebeu a verdade. Ali havia outras crianças da idade dele. Se
toda aquela história tivesse acontecido com qualquer uma delas,
não teria havido discussão nenhuma. Todos achariam natural que
a criança fosse: Jonn, Timon, os pais, qualquer um ali. E ela
desejaria ir. Seria a maior aventura da vida dessa criança. A
chance que ela teria de realizar um ato heróico.
Jonn Forte só estava se posicionando daquela forma porque
Rowan era... Rowan. Ele percebeu que Jonn Forte amava sua mãe
e estava tentando evitar que ela passasse vergonha e dor.
Rowan começou a estremecer. As palavras de Sheba
ressoavam em seus ouvidos. "A Montanha não irá testar sua força.
Ela irá destruí-la." Por que ela tinha feito aquilo com ele? Se a
Montanha era capaz de destruir a força e a coragem de alguém
como Jonn Forte, que não tinha medo de nada, o que ela não seria
capaz de fazer com Rowan, o simples guardião dos bukshas, que
temia tudo?
Seus sentimentos se dividiam entre pavor, solidão e vergonha.
Ele não conseguia suportar. Ele não conseguia suportar os olhares
tristes dos moradores sobre ele. Eles também deveriam estar
pensando: "Por que ele? A criança que mais traz decepção para
nós em todo o povoado de Rin". Por que desgraça ele teria sido
escolhido o salvador daquele povo se tudo o que conseguia fazer
era decepcionar a todos?
Ele se virou para sua mãe, prestes a esconder o rosto na saia
dela, mas, naquele instante, uma imagem passou por sua mente.
Ele se viu nos campos dos bukshas, com o focinho quente de
Estrela sobre sua mão e as outras criaturas, grandes, calmas e
amigas, pastando em sua volta.
Ele nunca havia decepcionado os bukshas. Nunca. No meio da
névoa das manhãs geladas ou debaixo do calor do sol, quando
eles estavam machucados, ou parindo seus filhotes, ou quando
precisavam ser acalmados depois de o Dragão rugir, ele estava lá.
E agora eles precisavam de água. E acreditavam que Rowan
não iria falhar com eles. Para eles, Rowan não era pequeno
demais, medroso ou fraco. Para eles, Rowan era o líder, um guia,
um amigo. Os bukshas confiavam cegamente nele. Esses
pensamentos inundaram a mente do garoto com uma agradável
sensação de conforto.
Ele ergueu a cabeça e olhou diretamente para Jonn Forte:
- Eu vou - ele disse. O mapa que ele segurava tremulou com a
leve brisa que sempre soprava antes do amanhecer. - Eu vou com
vocês para a Montanha.
Eles já estavam caminhando ao longo do leito seco do córrego
por horas. O vilarejo tinha ficado bem longe. Ao olhar para trás,
Rowan não conseguia mais ver as grandes paredes de pedra do
moinho, a construção mais alta da aldeia, pois as árvores o
tiravam de vista.
Na frente deles, como uma parede maciça, a Montanha se
erguia. Os outros diziam que em mais duas horas eles chegariam
até ela. O mapa mostrava claramente que eles deveriam começar
a subir no lugar cm que a água nascia do subsolo para formar o
córrego. Naquele ponto, eles iriam descansar um pouco e checar o
mapa antes de continuar.
Rowan estava bastante cansado. A mochila que ele carregava
pesava demais sobre seus ombros, e suas costas c pernas doíam
muito. Mas ele sabia que tinha que continuar andando, sem
reclamar. Os outros tentavam manter um ritmo que fosse mais
fácil para ele acompanhar, mas Rowan percebia que os passos
lentos irritavam, pelo menos, Bronden e Val. Era difícil saber como
Ellis se sentia, pois ele raramente falava alguma coisa. Ele não
havia dito nada, nem quando eles passaram pelo moinho e pela
enorme roda de madeira, imóvel no lugar onde deveria passar a
corrente de água vinda de um canal que saía do leito seco do
córrego. Ele somente olhou e virou a cabeça em direção à
Montanha.
Rowan o observava agora, andando a passos largos na frente
do grupo. Com facilidade ele carregava sua mochila e o peso extra
de uma corda grande, um pequeno machado e as tochas que
usariam mais tarde. Bem perto dele, ia sua irmã.
Eles eram um casal estranho, silencioso. Rowan tinha ouvido
Jiller comentar com Jonn Forte que era como se eles vivessem em
um mundo só deles. Um mundo habitado somente por duas
pessoas. Eles pareciam tão frios e inflexíveis quanto as paredes de
pedra do moinho. Eles tinham mais ou menos a mesma idade que
Jiller, e Rowan tinha crescido sem prestar muita atenção neles. Para
Rowan, eles simplesmente faziam parte da vidinha diária da aldeia,
como os outros adultos que ele conhecia desde que nasceu. Mas,
ultimamente, ele percebeu que Val e Ellis eram mesmo diferentes
e que sua mãe e pessoas como Jonn Forte e Allun também
achavam isso.
Atrás de Val, um palmo mais baixa, mas forte e determinada,
caminhava Bronden. Marlie vinha em seguida, sorrindo às vezes
para Allun, que andava atrás dela, assoviando e cantando como
se estivesse em uma simples caminhada no campo.
Rowan era o penúltimo da fila, com Jonn Forte fazendo a
retaguarda. De vez em quando, Jonn conversava com ele.
-Tudo certo, Rowan? - ele perguntava atencioso.
Ou então:
-Estamos quase lá, companheiro.
Rowan balançava a cabeça e resmungava uma resposta
qualquer. Sabia que Jonn, na verdade, não ligava para o seu bem-
estar. Ele simplesmente achava que era responsável pelo garoto.
Jonn era agradável e tratava todos bem. Era o jeito dele. Ele
sempre foi amável com Rowan. Mas isso era diferente de "gostar".
Qualquer um percebia, por exemplo, que ele se importava com
Annad, mas com Rowan ele nunca se sentia muito à vontade. Ele
se esforçava para ser gentil com o menino, e você não precisa se
esforçar quando realmente gosta de alguém. Rowan sabia disso.
E, às vezes, Jonn o chamava de "coelhinho magricela" e ria por
ele ler medo das coisas.
Jonn conversava com ele agora somente por causa de Jiller.
Enquanto sua mãe se despedia de Jonn antes de eles partirem,
Rowan tinha ouvido Jiller cochichar:
-Cuide dele.
E Jonn segurou as duas mãos dela e disse:
-Vou cuidar. Juro pela minha vida que vou trazê-lo de volta para
você.
Ao se lembrar disso, Rowan sentiu uma pontada de raiva. Com
que direito Jonn Forte olhava para a sua mãe daquela forma? Com
que direito ele segurava as mãos dela como se fosse mais do que
um amigo do marido morto dela? Rowan tinha levado um choque
quando percebeu, na praça do mercado, que Jonn poderia sentir
mais do que uma simples amizade por sua mãe. Tinha sido
horrível imaginar que ele poderia se casar com ela um dia.
"Ninguém vai tomar o lugar do meu pai", Rowan pensou
amargurado. "Ninguém."
Ele seguiu fincando os pés no chão, olhando direto para a
frente. "O Jonn tem mesmo que se sentir responsável por essa
confusão", ele pensou. Foi a provocação de Jonn que irritou Sheba e
a fez deixar Rowan como o tutor do mapa. Era culpa de Jonn se
Rowan, fracote e indesejado, tinha sido forçado a se tornar o
sétimo membro do grupo.Os pensamentos de Rowan mudaram de
direção, e sua raiva diminuiu. Ele ficou imaginando se Jonn e
Marlie se lembravam das palavras de Sheba. "Sete corações
seguirão pelas temíveis trilhas... De sete formas cairão nas
armadilhas." Eles não comentaram nada, mas certamente ficaram
pensando naquilo, assim como ele. Um arrepio desceu pela
espinha do garoto. Era impossível Sheba saber o número de
pessoas que iriam viajar antes que eles saíssem. A menos que ela
realmente tivesse visto o futuro enquanto estava lá, sentada na
cadeira com os olhos parcialmente fechados. E, se aquela parte da
profecia tinha se realizado, o que seria do resto dela? Rowan
inclinou a cabeça para observar o chão sob seus pés. Ele não
queria encarar a Montanha.
Com o passar de mais uma hora de caminhada, as pedras ao pé
da Montanha tinham ficado maiores e mais pontudas e o sol já
aquecia as costas de Rowan. Já fazia um tempo que ele só
conseguia se manter de pé porque pensava nos bukshas.
Enquanto Jiller preparava sua mochila para a jornada, ele tinha
escapado até os campos para se despedir deles. As criaturas
estavam agitadas, procurando ansiosas por água no pasto ainda
verde ao redor do lago agora lamacento.
- Vamos ajudar vocês - Rowan disse enquanto passava entre
eles, dando tapinhas e fazendo carinho em cada um, sentindo
aquele cheiro tão familiar e agradável para ele. - Logo terão a
água doce de vocês. Não vai demorar.
Por último, ele se aproximou de Estrela. Ele esticou os braços o
máximo que pôde para envolver o pescoço dela e encostou a
cabeça em sua lã macia.
-Adeus, Estrela - ele disse. - Espere por mim. Vou trazer a água
de volta. Não vou decepcionar você.
Ele sabia que Estrela não entendia suas palavras, mas ela
rosnou e fungou para ele, como se tivesse se sentido consolada
simplesmente pelo tom de voz do garoto.
-A Annad e a minha mãe virão visitar você enquanto eu estiver
fora - ele contou. - Se a Alvorada tiver o filhote antes que eu volte,
elas
vão ajudar. Elas prometeram para mim.
Ele deu um último abraço nela, pois precisava ir. Mas a fé e a
confiança de Estrela permaneciam com ele, mesmo quando seus
joelhos tremiam de cansaço e sua respiração vacilava dentro de
seu peito.
-Ei, Ellis! - o grito de Jonn Forte penetrou nos pensamentos de
Rowan.
Allun e Marlie pararam na frente dele. Ele parou quase em um
tropeço e olhou em volta. À frente e acima, estendia-se um
penhasco de rochas. Ao lado dele, o leito seco do córrego havia se
tornado um buraco profundo e arredondado, ainda com um pouco
de água lamacenta. Havia uma abertura escura no penhasco, bem
em cima do buraco. Algumas ervas quase mortas e um pouco de
musgo formavam uma crosta sobre as bordas lisas da abertura.
Então era dali que a água saía.
-A água costuma nascer ali - Jonn Forte disse para Val e Ellis,
apontando a fenda na rocha. - Quando ela está no volume normal,
não dá para ficar aqui sem se molhar todo com as gotas que
espirram.
Bronden chegou com dificuldade até o poço vazio e ficou
andando em volta dele, dando chutes na lama fresca. Então ela se
apoiou nas pedras para olhar pela abertura na parede do penhasco,
como se esperasse encontrar uma resposta ali dentro.
- A Sheba disse que o problema era no topo da Montanha -
Marlie afirmou, parecendo incapaz de não se irritar com Bronden. -
Não tem nada para se ver aqui embaixo.
- Acredito que não haja mal nenhum se eu mesma verificar,
Marlie - Bronden retrucou. Ela esfregou a mão contra a rocha e a
enfiou pela abertura no penhasco até onde seu braço alcançou. - É
redondo. Em cima e embaixo é bem liso - ela informou e limpou as
mãos cobertas de limo na roupa antes de voltar para a margem. -
Todas as pontas foram desgastadas pela água, sem dúvida.
- É o que qualquer um esperaria - Marlie atacou.
Rowan se jogou sobre a grama. Seus joelhos não o agüentariam
por mais um segundo. Ele tirou a enorme mochila das costas e
procurou o cantil dentro dela.
- Beba um pouco, mas não muito - Allun recomendou,
ajoelhando-se ao lado dele. - Não sabemos por quanto tempo
nossos suprimentos vão durar. Podemos não encontrar nenhuma
água na Montanha.
Rowan verteu um gole de água morna, com gosto de metal.
Estava deliciosa! Facilmente ele teria acabado com toda a água do
cantil. Mas ele se forçou a recolocar a tampa e, enquanto o fazia,
lágrimas saíram de seus olhos. Ele estava muito cansado... e a
verdadeira viagem ainda nem tinha começado.
Os outros membros do grupo jogaram suas mochilas no chão e
se espreguiçaram. Então, um por um, também se atiraram sobre a
grama.
- O mapa, Rowan - Allun pediu. - Deixe a gente ver. Mas segure
o tempo todo, por favor. As figuras sumindo c aparecendo de novo
embrulham meu estômago.
Rowan tirou o mapa da mochila e o desenrolou sobre a grama,
colocando pedras sobre cada um dos cantos. Os outros se
reuniram em volta.
-Estamos aqui, estão vendo? - Jonn Forte disse com o dedo
apontando para o mapa. - De acordo com as marcas em vermelho,
devemos começar a subir bem aqui mesmo. O caminho passa por
cima da caverna de onde sai o córrego c continua até que a
Montanha comece e apareçam as árvores. Lá em cima - ele
apontou para uma massa verde de folhas que flutuavam bem em
cima deles.
- É uma subida bem íngreme - Val resmungou. - 0 menino vai
ter dificuldade.
- Então vamos ter que ajudá-lo - Jonn Forte disse em um tom
agradável.
Allun estava estudando o mapa atentamente:
- O que são essas manchas brancas? - ele perguntou,
apontando
o dedo para várias áreas no pergaminho.
Marlie franziu a testa:
- Estão todas ao lado do caminho. São seis. Será que a Sheba
apagou algumas coisas importantes para trapacear com a gente?
- Não seria de se estranhar - Jonn Forte disse. - Mas, afinal de
contas, o caminho é o mais importante e ele está bem claro aqui
no mapa.
- Isso é verdade - Bronden opinou enquanto se espreguiçava
e bocejava. - E besteira nos preocuparmos com outra coisa além
daquilo que sabemos que temos que fazer.
Mas Rowan encarava as manchas brancas no mapa com uma
ansiedade cada vez maior. Por que ele não havia percebido aquilo
antes? Agora que ele tinha notado as manchas, elas pareciam
saltar a seus olhos. Eram espaços em branco com uma distância
praticamente igual entre um e outro ao longo do caminho a ser
percorrido por eles. O último ficava bem no topo. Espaços em
branco em uma superfície totalmente coberta de cores e linhas. O
que aquilo significava? O primeiro espaço ficava no ponto em que o
caminho se adentrava pelas árvores. Logo eles descobririam o que
aquilo queria dizer.
-Parece que entramos na floresta primeiro - Bronden continuou.
- Uma caminhada bem plana para oeste. Deve ser bastante fácil.
Só que e claro que o garoto vai fazer com que a gente leve mais
tempo - ela suspirou fundo e voltou sua atenção para o mapa. - As
orientações são bem claras. Quando as árvores terminarem,
viramos para noroeste e passamos por esse terreno mais baixo. É
uma distância curta, não devemos levar muito tempo para fazer
esse trecho. E aí subimos, subimos e subimos até o topo. Simples!
Por sorte, eu trouxe uma bússola. Sei que a Marlie e o Jonn
também têm uma. Nós as arranjamos juntos na nossa última
viagem para o litoral - ela se virou para Val e Ellis: - vocês
deveriam participar das viagens que fazemos para trocar
mercadorias, amigos. Há tantas coisas interessantes para ver, e
coisas muito úteis para trocar.
Val encolheu os ombros:
-O moinho não pode parar Bronden. Não podemos fechá-lo para
sair por aí sempre que quisermos.
-Mas um de vocês pode ir e o outro fica - Allun sugeriu em tom
preguiçoso, mastigando uma folha de grama e olhando para o céu.
Val ficou em silêncio.
-Não iria dar para nós - Ellis disse friamente. - Não é assim que
fazemos as coisas.
-Você também nunca vai para o litoral, Allun - Marlie observou.
-Sempre diz que está ocupado demais. Você está perdendo tanto
quanto a Val e o Ellis!
Bronden abriu a boca para dizer algo, mas mudou de idéia.
- De qualquer forma - ela disse depois que pensou um pouco -
as bússolas são excelentes. O povoado de Maris usa as bússolas
quando vai viajar em mar aberto. Nossa viagem vai ser muito mais
fácil, já que também temos outros pontos de referência para
seguir. Chegaremos em casa amanhã, por volta do meio-dia.
Escrevam o que estou dizendo.
- Se fosse simples assim, não precisaríamos ter trazido o mapa
conosco, Bronden - Marlie se inclinou para a frente e continuou. - A
Montanha é um lugar muito perigoso. Um lugar para se temer.
Você não pode ignorar nada.
-Mas eu não ignoro nada, Marlie, como você bem sabe,
especialmente o que está bem diante dos meus olhos - Bronden
provocou. - Se você está com medo, não deveria ter entrado para
o grupo. Já é uma lástima termos que arrastar o menino conosco,
tremendo de medo dentro das botas dele.
-Não esqueça Bronden, que foi você que insistiu nisso – Jonn
Forte disse agressivo.
Bronden encolheu os ombros e se virou.
-Seria melhor - Allun disse calmamente - se deixássemos
nossas diferenças de lado - então se endireitou e abriu bem os
olhos. Depois, esticou as mãos e as fez tremer violentamente. - Se
medo é a questão, eu, pelo menos, estou apavorado! - ele
confessou e se jogou de volta sobre a grama, sacudindo a cabeça
e batendo os dentes.
Jonn Forte e Marlie riram. Até Rowan conseguiu dar um sorriso.
Mas Val e Ellis permaneciam quietos, primeiro encarando Allun e
depois um ao outro. Bronden bufou.
-Bem, se o Allun está conseguindo sobreviver ao terror que está
sentindo, acho que podemos começar - Marlie sugeriu, retirando
uma corda grossa de sua mochila. - Vamos usar as cordas para
subir, não é? Posso não estar sentindo o medo de que estão me
acusando, mas não quero me arriscar a cair sobre essas pedras.
Quando havia pouca comida em Rin, Rowan precisava subir nas
árvores para baixar a ponta dos galhos cheios de folhas até as
bocas ansiosas dos bukshas famintos. Mas ele ficava tonto e
pálido só de subir nesses galhos mais baixos. Por isso, não
gostava muito de altura. A escalada que se seguiria era como o
pior dos pesadelos para ele.
Com uma corda, ele ficou amarrado a todos: Marlie, Allun e os
outros acima, e Jonn Forte abaixo. Quando ele escorregava, o que
acontecia o tempo todo, seu corpo leve, puxado para baixo pela
mochila, ficava pendurado, balançando no espaço até onde a
corda permitia. Lá em cima, o céu girava. Lá embaixo, o chão
também girava. Seus gritos de pavor ecoavam em seus ouvidos.
Suas costelas eram espremidas pela corda que o salvava. Então
seu corpo era jogado de volta contra as pedras com uma batida
dolorida. E ele tinha que subir outra vez.
A situação não estava nada boa. Mas pior ainda era o medo de
que um dos outros se demonstrasse tão descuidado quanto ele.
Se Jonn escorregasse, o peso poderia puxar todos para a morte
sobre as pedras abaixo. Se um dos outros escorregasse, talvez
nem Jonn conseguisse segurá-los.
Machucado, trêmulo e dolorido em cada músculo, Rowan lutava
para continuar. Quando finalmente ele foi arrastado até o topo do
penhasco e caiu todo suado e ofegante sobre o chão, o mundo
girou diante de seus olhos por um instante antes que ele
desmaiasse.
Estrela estava lambendo as bochechas e a testa de Rowan com
sua língua gelada e áspera. Rowan sorriu. - Pare, Estrela! Deixe-
me em paz - ele murmurou e virou a cabeça de um lado para o
outro sobre a grama.
-Ele está delirando - alguém disse incomodado.
A imagem de Estrela foi desaparecendo devagar. Rowan abriu
os olhos e se deparou com o rosto sério de Jonn Forte. Por um
instante, ele hesitou confuso. Então, com uma ponta de amarga
decepção, percebeu onde estava. Não cm casa, nos campos dos
bukshas com Estrela, que o amava. Mas na Montanha, com Jonn
Forte, que não gostava dele, com Marlie e Allun, que tinham pena
dele, e com Bronden, Val e Ellis, que o desprezavam.
-Ele está delirando - Val repetiu impaciente. - Minha nossa,
como esse fracote é um peso morto para nós! Olhem o sol! Já
devem ser 11 horas!
Jonn jogou de lado o pano úmido que estava passando no rosto
de Rowan:
-Ele já acordou - ele disse abruptamente. - E fracote ou não, ele
lutou com muita coragem para subir aquele penhasco, Val. Ele
lutou até não poder mais.
Ele se levantou e se afastou um pouco, esticando as costas
doloridas.
Rowan continuou deitado, olhando para o céu. Seu corpo
parecia pesado, mas sua cabeça parecia muito leve. Havia um
pequeno zumbido em seus ouvidos. Val tinha razão. O sol já ia
alto. Ele deveria ter ficado deitado ali por um bom tempo.
Dormindo. Sonhando com sua casa, como uma criancinha. Seu
rosto começou a queimar e ele se esforçou para se sentar.
- Devagar, devagar, menino Rowan - Allun arreganhou os
dentes e se sentou ao lado dele, apoiando as costas do garoto. -
Vá com calma. A pressa é inimiga da perfeição. Beba isto - ele
levou um cantil até os lábios de Rowan, que bebeu agradecido. -
Quando você estiver se sentindo melhor - Allun continuou,
encarando os outros com um olhar significativo -, nós continuamos
para dentro da floresta. Tome - ele empurrou a mochila de Rowan
até o garoto. - Você pode nos ajudar segurando o mapa para nós
enquanto damos mais uma olhada nele.
- Já sabemos o caminho que devemos seguir - Bronden franziu
a testa. - Não precisamos do mapa.
- Ah, esses jovens! Não podemos nos esquecer de que sou três
anos mais velho que você, Bronden - Allun sorriu. - A minha fraca
memória está piorando.
Rowan sabia que Allun somente estava fazendo aquilo para que
ele se ocupasse de algo enquanto descansava, mas mesmo assim
ele retirou o mapa da mochila e o desenrolou bem devagar. Não
faria mal nenhum dar outra olhada. Seus olhos passearam pela
linha vermelha pontilhada. Ela passava pelo desenho do leito do
córrego, pelo buraco no qual a água costumava cair, pela abertura
no penhasco, pelo próprio penhasco, pela entrada para a floresta
ao lado de uma pedra alta e pontiaguda não muito longe de onde
eles estavam agora, pelo caminho no meio...
Rowan piscou, olhou e piscou de novo. Ele tentou falar e quase
se engasgou.
Allun o encarou rapidamente e então voltou os olhos para o
pergaminho. Ele soltou uma exclamação em voz baixa. Então,
gritou:
-Jonn!
Jonn se virou e correu na direção deles enquanto os outros
membros do grupo erguiam os pescoços para olhar.
Emudecido, Rowan apontava para o mapa. No local ao lado do
início do caminho pela floresta, onde antes havia um espaço em
branco, agora surgiam seis linhas escritas em preto.
Em voz baixa, Allun leu as palavras para os outros ouvirem:

"Mantenha a voz baixa e o braço parado,


milhões de olhos observam o rumo trilhado. O fim
do caminho é a porta de seda, onde serão suas
amigas luz e labareda. Então se veja com olhar
diferente e use o meio-dia para seguir em frente."

- Que absurdo é esse? - Val questionou. - Quem é que está


fazendo essa brincadeira sem graça?
- Ninguém tocou no mapa, Val - Marlie respondeu. - As
palavras simplesmente apareceram desde a última vez em que o
vimos.
- Isso é impossível! - Bronden protestou.
Ela se inclinou sobre o mapa, estudando as palavras como se
tentasse descobrir como elas haviam parado ali.
- Não faz a mínima diferença descobrir como elas apareceram -
Allun comentou. - A questão é: o que elas querem dizer?
Jonn Forte limpou a garganta:
- Seja o que for - ele disse -, com certeza as palavras não
surgiram por acaso. Elas nos dão instruções e um aviso.
- Dizem que não podemos mexer muito os braços nem falar
muito alto - Allun observou. - Isso está bem claro. Vou seguir ao pé
da letra.
- Talvez você descubra que isso não é nada fácil para você,
Allun
-Marlie disse friamente.
-Aí também fala sobre o meio-dia - Jonn Forte estava bastante
sério. - Sugiro que comecemos nossa jornada pela floresta o
quanto antes. Pelos meus cálculos, vai ser meio-dia daqui a uma
hora mais ou menos.
Ele estendeu a mão para Rowan e o ajudou a se levantar.
-Garoto, enrole esse mapa e o prenda no seu cinto por
enquanto - ele disse com firmeza. - O peso que estou levando está
meio desigual.
Preciso carregar sua mochila, além da minha, para me equilibrar
melhor, se você não se importar.
Ele não esperou uma resposta, simplesmente jogou as duas
mochilas nas costas e começou a andar com passos largos em
direção à rocha pontiaguda. Os outros correram atrás dele. Rowan,
agora sem o enorme peso de sua mochila, descobriu que
conseguia acompanhá-los com certa facilidade, apesar dos
machucados.
Eles pararam na rocha pontiaguda e espiaram por entre as
primeiras árvores. A luz do sol penetrava no meio das folhas
agitadas e iluminava partes do chão da floresta. Diante deles,
havia um caminho bastante acidentado e tortuoso que logo se
perdia na vegetação rasteira.
- Para mim está bom - Allun comentou. - Posso ir na frente? Vai
ser mais fácil ficar de boca fechada e obedecer ao poema se eu
fizer algo que exija bastante de mim. Coisas muito estranhas já
aconteceram.
- Então vá na frente, por favor - Bronden resmungou. - Qualquer
minuto sem ouvir você matracando vai ser um alívio.
Eles adentraram a floresta. Rowan percebeu que todos
mantiveram os braços bem juntos ao corpo, independente do que
tivessem achado das instruções do mapa. E ninguém disse uma só
palavra. Em poucos minutos, o caminho já tinha dado tantas voltas
e feito tantas curvas que eles não conseguiam mais ver o topo do
morro de onde tinham saído.
À medida que eles caminhavam cada vez mais para dentro da
floresta, as árvores ficavam maiores c mais próximas umas das
outras, entrelaçadas com cipós e cercadas de arbustos irregulares.
A iluminação estava fraca. E o silêncio! Rowan, que seguia Marlie
de perto e ouvia os passos firmes de Jonn Forte atrás dele, achava
que nunca havia estado em um lugar tão silencioso. Onde estavam
os pássaros? E os grilos, e lagartos, e outras criaturazinhas que
costumam habitar florestas essa?
Então, ele ouviu. Um fraco zumbido vinha de lá adiante no
caminho. Pelo som, deveria ser um grande bando de passarinhos.
Rowan conhecia todos os pássaros de Rin, mas esse som não se
parecia com nada que ele tivesse ouvido antes. Aquelas pequenas
aves deveriam pertencer a uma espécie que não habitava o vale.
Eles provavelmente não estariam fazendo seus ninhos nesta época
do ano, mas mesmo assim Rowan esperava ansioso encontrá-los
voando e pulando por ali. Ele se animou só com essa simples idéia.
O zumbido foi ficando cada vez mais alto. Allun começou a
andar mais rápido, como se também estivesse interessado no que
havia à frente. Em instantes, Marlie havia ficado para trás. Ela
estalou a língua e saiu correndo para alcançá-lo. Rowan, esticando
os passos para que conseguisse acompanhar os outros, tentou
espiar por cima do ombro de Marlie quando o caminho fez mais
uma curva. Então ele tropeçou e por pouco não caiu quando
Marlie, ofegante, trombou contra Allun, que estava parado,
praticamente invisível no meio daquela quase escuridão. O som
dos pássaros era quase ensurdecedor agora.
Jonn Forte agarrou o braço de Rowan e o ajudou a se equilibrar,
franzindo a testa quando Vai, Ellis e Bronden trombaram contra
ele. E, mesmo assim, Allun não se mexeu.
- Allun, seu idiota, que brincadeira é essa? - Bronden criticou.
O zumbido parou no mesmo instante e deu lugar a um ruído
rastejante, como um sussurro.
Allun olhou para trás, e seus companheiros viram seu rosto
pálido debaixo da iluminação fraca. Mas ele não respondeu. Só
mexeu a cabeça de um lado para o outro, bem devagar.
Então os outros viram o que ele tinha visto. Nos dois lados do
caminho estreito. Aranhas. Milhares delas. Enormes aranhas
pretas aveludadas, do tamanho das mãos de Jonn Forte,
arrastando-se por gigantescas teias de seda branca que
formavam uma camada tão grossa sobre as árvores que não
deixava ver a casca nem as folhas. Seus olhos brilhavam. "Milhões
de olhos." Rowan começou a ficar todo arrepiado. Eles teriam que
caminhar por entre essas teias todas, com as enormes aranhas
vendo tudo e indo atrás deles.
-Ugh! - Rowan ouviu um gemido estranho de alguém atrás
dele.
As aranhas pararam e depois começaram a se mexer de novo,
na direção do som.
Jonn Forte esticou o braço por cima de Rowan c deu um leve
empurrão em Marlie, indicando que ela continuasse. Ela, por sua
vez, empurrou Allun, que começou a ir para a frente bem devagar,
fazendo o mínimo de movimento possível. Mas eles só tinham
conseguido andar alguns poucos passos quando se ouviu outro
gemido de arrepio atrás deles. Val puxou a manga da blusa de
Jonn Forte:
- É o Ellis - ela sussurrou. - Ele... ele não consegue.
Jonn, Rowan, Marlie e Allun se viraram incrédulos. Atrás do
rosto preocupado de Val, eles puderam ver Ellis duro como uma
pedra, com os punhos cerrados e cruzados sobre o peito. Seu rosto
brilhava de suor. Ele ofegava, tremia e, de vez em quando,
deixava escapar um gemido baixo por entre os lábios.
-Aranhas - sua irmã cochichou, - Ele não suporta aranhas.
Desde criança. Em casa não pode haver um montinho de poeira ou
uma folha seca em um canto para que nenhuma aranha se
abrigue lá. Ele morre de medo de uma pequenininha. Dessas
então...
-Ellis? - Jonn Forte sussurrou um pouco em desespero. - Vamos,
companheiro. Não é longe. Elas não estão no nosso caminho. Se
tomarmos cuidado...
- N-não... - a palavra quase não saiu da boca daquele enorme
homem.
De repente ele se virou e passou por Bronden, quase a tirando
do caminho e a derrubando em cima de uma teia. Ele foi
cambaleando de volta pela trilha que tinham seguido. Então ele
contornou a curva c ninguém mais conseguiu enxergá-lo. Mas eles
ouviam o som de seus pés, correndo. Correndo para fora da
floresta.
- Continuem! - Val sussurrou, com a voz cheia de preocupação
e vergonha. - Continuem! Ele não vai voltar.
Em silêncio, todos obedeceram. Depois de alguns minutos, o
zumbido recomeçou. As aranhas estavam se comunicando mais
uma vez, esfregando devagar as enormes patas pretas e peludas
umas nas outras, como se fossem grilos venenosos. Agora que
todos sabiam de onde o som vinha, ele parecia ainda mais
estranho e horrível. Rowan se arrastava atrás de Marlie, quase não
respirando, tentando parecer o menor possível. Tentando não olhar
para os lados. Tentando não pensar nas grossas cortinas brancas
que cobriam as árvores, nas enormes aranhas rastejantes c em
seus milhões de olhos tão próximos dele.
Se Rowan se permitisse falar ou exclamar qualquer coisa, ele
atrairia as aranhas novamente. Tocar em um dos fios da grossa
camada de seda branca seria chamá-las para que elas corressem na
direção deles. Ele já tinha visto uma quantidade suficiente de
insetos ficar presa em teias para saber disso. Por isso, deveria
continuar andando e reprimir seu medo. Ele precisava manter a
cabeça no lugar e se lembrar das últimas linhas do poema: "O fim
do caminho c a porta de seda, onde serão suas amigas luz c
labareda. Então se veja com olhar diferente e use o meio-dia para
seguir em frente."
A porta de seda... o meio-dia. Já deveria ser quase meio-dia
agora.
Rowan deu um pulo nervoso quando a mão de Jonn Forte tocou
seu ombro. Ele levantou o olhar. Eles estavam em uma pequena
clareira. À frente se erguia a porta de seda. Era uma teia de
aranha enorme e brilhante, tão grossa que não se podia ver do
outro lado. Havia diversos gravetos e folhas espalhados na sua
superfície, presos nos frios grudentos. Ela ia de um lado a outro do
caminho, deixando-o totalmente obstruído. E por todo lugar
centenas de aranhas se arrastavam. Somente esperando.
Allun se virou cuidadosamente para encarar seus companheiros;
- E agora? - ele fez com os lábios.
- O poema - Marlie sussurrou.
- O poema não faz sentido - Bronden cochichou. - Corte a teia
e acabe com isso, Allun. Se você não tem estômago, deixe-me
passai que eu resolvo!
As aranhas fizeram um zunido e se mexeram sobre a teia.
-Não! - Jonn Forte sussurrou. - Não enquanto tantas aranhas
estiverem perto da teia. Assim que tocarmos na teia, elas estarão
todas em cima de nós. Não podemos arriscar.
- Talvez elas não façam mal nenhum - Val opinou.
- Talvez façam - Marlie discordou. - É como o Jonn disse, não
podemos arriscar. Já perdemos um membro do nosso grupo.
- E agora? - Bronden estava nervosa.
Ellis ter fugido da floresta havia sido um grande choque para
ela. Como um homem daquele tamanho e com aquela força
poderia ter uma fraqueza tão infantil? Ela eslava perplexa com
aquilo, mas tomou cuidado para não olhar para Val. "Ela deve estar
morrendo de vergonha", Bronden pensou.
De repente, a iluminação mudou. Bem acima deles, um raio de
sol penetrou na escuridão da floresta e os aqueceu. As aranhas em
volta começaram a chiar e recuar.
- Elas não gostam de luz - Rowan murmurou. - Era o que o
poema dizia: "Serão suas amigas luz e labareda."
- Labareda! Fogo! - Bronden sussurrou. - É só jogar uma tocha
na teia!
- Ellis estava carregando as tochas - Val disse amargurada.
Allun tateou os bolsos e pegou um isqueiro.
- Quem tem alguma coisa que queime fácil? Mesmo que seja
por pouco tempo.
- Não façam movimentos bruscos - Jonn Forte avisou, de olho
nas aranhas.
Marlie enfiou a mão no bolso da jaqueta. Ela retirou uma
bússola, um pente, um espelho... e um lenço. Ela estendeu o lenço
para Allun. Ele deu um nó frouxo nele c acendeu o isqueiro.
- Preparem-se! - ele avisou.
Então ele colocou fogo no tecido e o jogou bem no meio da
barreira branca de seda.
As teias chiaram e se encolheram enquanto o lenço pegava
fogo. As aranhas emitiram um som agudo e se espalharam. Mas
somente por um instante. Em segundos, antes que o grupo
conseguisse dar mais que um passo, as chamas já tinham se
apagado e as aranhas estavam de volta. Havia um buraco no meio
da leia agora. Mas, entre a fumaça que ainda saía das
extremidades escurecidas do buraco, centenas de aranhas
rastejavam. E mais delas estavam a caminho.
- Elas estão refazendo a teia - Allun ofegou. - Elas já estão
fechando o buraco!
- Temos que afastá-las dali! - Jonn Forte olhava em volta,
desesperado. - Tem que haver um jeito.
- Elas não gostam de luz - Rowan repetiu. - Elas não gostando
sol.
- Não temos material para fazermos uma tocha aqui, Rowan
-Marlie comentou. - Não lemos nada que faça uma luz que brilhe
tempo suficiente para mantermos esses insetos longe.
Mas Jonn Forte segurou no ombro de Rowan:
-Rowan, o poema. Repita os últimos versos.
Rowan repetiu cm voz baixa:
"Então se veja com olhar diferente c use o meio-dia para seguir
em frente."
Um pensamento passou pela sua cabeça e ele olhou
rapidamente para Marlie.
- Meio-dia... O sol! - Allun olhou para cima. - Mas o sol está
iluminando aqui, onde estamos. A teia está na sombra.
- O que foi, Rowan? - Marlie perguntou, encarando o garoto. - Por
que está olhando para mim?
- O espelho - Rowan sussurrou. - O seu espelho. No espelho nós
nos vemos de uma forma diferente. E o sol...
- Isso! - Jonn Forte cerrou os punhos. - Mas rápido, rápido! Antes
que a luz vá embora. Já ficamos tempo demais aqui.
Marlie entregou o espelho para Jonn, que o segurou e ficou virando
ate que a brilhante luz do sol se refletiu em cima da teia. As
aranha! pararam seu trabalho no buraco e saíram correndo de
volta para as sombras.
- Dê aqui! - Val pediu.
Ela retirou o espelho das mãos de Jonn e o sacudiu, fazendo a
luz refletida do sol dançar sobre a porta de seda. Val empurrou
Bronden para a frente dela:
- Vão! - ela gritou. - Agora!
Rowan correu junto com os outros. Seus olhos estavam fixos no
buraco da teia e viam manchas de verde ao fundo. A luz dançante
já estava sumindo. Ele chegou até a teia e pulou pelo buraco,
enquanto milhões de olhos brilharam nervosos nas sombras,
enganados por suas presas.
Jonn Forte e Bronden caíram ao lado de Rowan e saíram rolando
pelo chão.
- Val! - Jonn chamou, tropeçando de volta em direção ao buraco
na teia. - Val! Agora! Antes que o sol saia do lugar! - ele espiou pela
abertura. - Ela está ali parada! - ele resmungou espantado - Ela
está olhando para trás, procurando Ellis.
- Jonn dê um jeito de ela vir para cá! - Allun gritou. - Logo o
sol vai...
- Val! - Jonn Forte berrou, com as mãos ao redor da boca.
-Precisamos de você aqui! Você precisa vir. Rápido!
Ouviu-se um grito do outro lado da teia e o som de pés
correndo Então Val apareceu se atirando pelo buraco e caindo no
chão com um estrondo. Jonn Forte, Marlie e Allun batiam os pés
contra a grama em volta dela, onde aranhas rastejavam depois de
cair das roupas e de cabelo de Val.
Ela se sentou a começou a esfregar com força seu rosto, seu
ombros, sua nuca.
-Não! Não! - Marlie exclamou. - Está tudo bem, Val. Só tinha
algumas, já estão todas mortas.
Val olhou em volta com atenção, observando bem ao seu redor
Então ela abriu o punho cerrado e olhou o espelho. Incrivelmente,
ele ainda estava inteiro.
-Foi muito útil, mas eu só consegui manter a luz sobre a teia
enquanto fiquei debaixo do sol - ela explicou. - Pulei meio de
longe mas algumas dessas criaturas já tinham voltado para o
buraco antes que eu passasse por ele.
Ela entregou o espelho para Marlie e se sentou, curvada sobre
si mesma, encarando o vazio.
- Parece que estamos seguros aqui - Allun apontou para as
árvores em volta. - Pelo menos longe de aranhas. Acho que o
território delas termina ali mesmo na porta de seda. Só não
consigo imaginar que outras surpresas essa floresta ainda tem
para nós.
- Se eu me lembro bem do mapa, já estamos quase no fim da
floresta - Bronden observou. - Então sugiro que a gente siga em
frente agora e que descanse e coma mais tarde, depois de passar
por ela. É um lugar um pouco estranho demais.
Em um acordo silencioso, todos voltaram a caminhar. Para
oeste, ao longo da trilha. Agora eles eram seis, não sete, e todos
sentiam aquilo profundamente. Ellis mal havia dito dez palavras
durante a jornada, mas a ausência de seu simples vulto entre eles
fazia o grupo se sentir e parecer muito menor e mais fraco. Sua
irmã era quem tinha sido mais afetada. Era como se metade de
sua força tivesse ido embora. Ela caminhava como se estivesse
doente ou completamente exausta.
Em menos de cinco minutos, eles perceberam que as árvores
estavam se tornando mais finas e espaçadas. Em outros cinco
minutos, as árvores já tinham ficado para trás. Eles se dirigiram
para noroeste, como o mapa indicava. Mesmo que a Montanha
ainda se erguesse bastante íngreme à frente, eles estavam
descendo, e não subindo. A grama tinha se tornado bastante verde
e densa, e o chão ficava mais macio a cada passo.
- Vamos fazer uma parada - Jonn Forte sugeriu. - Parece que
vai
começar uma área baixa, talvez um pântano. Vamos conseguir
comer
melhor aqui.
Rowan se sentou agradecido. Jonn jogou a mochila para o
garoto, que de repente percebeu como estava faminto. Então,
pegou seu cantil e um pão com queijo e começou a devorar a
comida. Ele se lembrou com carinho de sua mãe arrumando o
lanche para ele na cozinha de casa naquele início de manhã.
Naquela mesma manhã! Era difícil acreditar que ele havia saído da
aldeia havia tão pouco tempo. Tantas coisas tinham acontecido
com ele que pareciam dias, não horas, desde que ele acariciou
Estrela e murmurou para ela, desde que ele abraçou Annad c deu
um beijo de despedida cm sua mãe.
Houve a saída do vilarejo, quando ele se sentiu muito estranho
c tímido. Depois a terrível escalada pelo penhasco. E então a
floresta. As aranhas, chiando, rastejando... O rosto de Ellis
petrificado de medo antes de sair correndo. Rowan estremeceu. O
pão com queijo parecia sem gosto agora cm sua boca. Ele quis
cuspir tudo fora, mas tomou um gole de água c se forçou a engolir.
Sheba havia dito que seria assim. Ela tinha dito que a Montanha
iria acabar com a coragem deles e com o coração também. Bem,
já tinha acabado com Ellis. De uma forma que ninguém poderia
imaginar. Ele linha ido embora, deixando para trás seis corações
que deveriam continuar. Também chegaria a vez deles? De seus
corações caírem nas armadilhas? Rowan seria o próximo? Se a
jornada em si já eslava tão cheia de perigos, o que seria do fim
dela? O Dragão?
Rowan se arrepiou outra vez. Ele não deveria pensar naquilo.
Um passo por vez ou seus medos iriam derrotá-lo. Um passo...
O mapa! Rowan o retirou de seu cinto e o desenrolou. Meio
ansioso, meio com medo, ele olhou para o segundo espaço em
branco.
Estava preenchido.

"Nada aqui é o que parece.


Sonhos são verdade, e a verdade de sonhos se abastece.
Não ouça o lamento dos que ama,
pois os que acreditam no que vêem a morte chama.
Enrole com cordas seu corpo e alma
e deixe aquele feito de madeira o guiar com calma."

Rowan arregalou os olhos.


- O mapa... - ele começou timidamente. - Uma mensagem...
Em uma fração de segundo, Jonn estava atrás dele, olhando por
cima do ombro do garoto. Allun e Marlie também se aproximaram
correndo. Bronden chegou até eles um pouco mais devagar,
resmungando. E Val permaneceu onde estava, de cabeça baixa,
encostada em uma pedra.
- Esse poema é mais confuso que o outro! - Allun exclamou.
- Mesmo assim, sabemos que o último foi muito importante
para nós - Marlie comentou. - Esse também deve ser - ela leu e
franziu a testa. - "Não ouça o lamento dos que ama" - ela passou
os olhos por Allun. - Parece que vamos enfrentar novos perigos.
- Sabíamos desde o começo - Jonn Forte disse - que todas as
partes dessa jornada seriam assim - e esfregou o queixo
pensativo. -"Enrole com cordas seu corpo e alma e deixe aquele
feito de madeira o guiar com calma." Então dessa vez é bem
importante saber quem vai nos guiar. Precisamos decidir o que
vamos fazer em relação a isso. O que "aquele feito de madeira"
significa?
- Madeira é algo duro... - Marlie começou. - Duro... liso... frio...
- Sem sangue -Allun acrescentou esperançoso. - Sem
sentimentos. Incapaz de sentir dor.
- Rígido - Bronden ajudou. - Inflexível. Natural. Da terra.
- Isso - Jonn Forte esfregou o queixo outra vez. - Então deve ser
o menos emotivo do nosso grupo. O que pode resistir melhor ao
lamento dos outros. Aquele se liga menos às coisas, às pessoas. É
esse que deve nos guiar.
-Bem, esse aí não sou eu - Allun disse decididamente. - E é
claro que não é o Rowan. E eu me arriscaria a dizer, Jonn Forte,
que não é você também. Pelo menos não nesses últimos tempos.
Ele olhou Rowan de lado e viu o garoto virar a cabeça. Ele não
queria pensar em Jonn Forte e sua mãe. "Não agora. Nem nunca."
-Acho que, dos três que sobraram, eu sou a que mais combina
com essas características - Bronden comentou. - Eu não tenho
família nem pessoas muito próximas. Trabalho sozinha com
madeira o dia todo, todo dia, e gosto disso. Só acredito no que
vejo com meus olhos. Eu vou nos guiar.
E assim ficou decidido.
Trinta minutos depois, já alimentados e descansados, eles
estavam de volta à jornada, caminhando na direção noroeste
indicada pela bússola. Dessa vez, não havia nenhum caminho
marcado pela vegetação. Feliz por estar liderando o grupo,
Bronden ficou de bom humor pela primeira vez desde o início da
viagem. Val ia atrás dela, ainda em um silêncio estranho,
arrastando os pés. Allun e Marlie vinham logo em seguida. Depois,
seguiam Rowan com Jonn Forte, que outra vez carregava a
mochila do garoto "para equilibrar o peso". Todos paravam com
obediência quando Bronden pedia ajuda para cortar as
extremidades pontudas das árvores que atrapalhavam a
caminhada, balançando na frente deles e exalando um cheiro de
pinho. Bronden disse que depois eles poderiam juntar os galhos e
fazer tochas que durassem bastante, para substituir as que tinham
perdido por causa da fuga de Ellis.
Eles ainda caminhavam em uma descida, e o solo ficava cada
vez mais úmido debaixo de seus pés. A grama verde já tinha
desaparecido, e as botas de todos começavam a afundar um
pouco na lama.
Allun sentiu o cheiro que se espalhava no ar e torceu o nariz:
- Um pântano! - ele disse com nojo.
As árvores pelas quais eles passavam agora eram diferentes,
com folhas escuras, que não se mexiam com o vento. Grossas
raízes brancas saíam deslizando dos troncos úmidos que se
torciam pelo ar. Crostas de fungos brancos saltavam das cascas
das árvores como se fossem línguas. A lama foi ficando cada vez
mais mole. As botas de Rowan espirravam barro a cada passo.
E então surgiu a névoa. Bronden se inclinou sobre sua bússola,
franzindo a testa na tentativa de se orientar enquanto a névoa os
circundava, densa e meio amarelada. Ela também envolvia as
árvores e subia como vapor da lama lisa e dos montes de cipó que
se estendiam por todos os lados. À medida que os minutos
passavam, a névoa ficava mais densa.
Por fim, parecia que eles tinham entrado em um mundo
secreto, paralisado. Um mundo de névoa e lama. O único som que
se ouvia eram seus pés esmagando o chão mole com passos
cansados. Na frente deles, atrás deles e em volta deles só havia
névoa, mudando de forma e de direção, aparentemente por
vontade própria, já que nenhum sopro de ar agitava as árvores.
Então, à sua esquerda, Rowan viu algo se mexendo. Algo
grande e escuro. Ele diminuiu o ritmo, espremendo os olhos para
tentar distinguir a imagem através da névoa que girava, subia e
descia, disfarçando a forma do que ele via. A forma de...
Rowan gritou. Era Estrela! Estrela, arfando e ofegando em uma
poça de lama que a sugava cada vez mais para baixo. A névoa
diminuiu e ele pôde ver Estrela girando os olhos em pânico,
movendo o pescoço violentamente de um lado para outro na lama
pegajosa e sufocante.
Sem pensar, Rowan pulou para salvar Estrela, ignorando a
exclamação de surpresa de Jonn. Rowan conseguia ouvi-la,
berrando, apavorada. Pedindo ajuda para ele.
- Estou indo, Estrela! - ele gritou.
Mas a lama o puxava para baixo também. Ele não conseguia
achar um lugar para apoiar seus pés. Não havia solo firme. Ele
estava se afundando naquela lama sem-fim. Ele gritou outra vez e
bateu os braços no monte de barro. E Estrela não parava de
chamar por ele. E a lama chegava em sua cintura... em seu peito...
- Peguei! Puxem! - a voz de Jonn Forte acordou Rowan de seu
terrível pesadelo.
As mãos de Jonn o seguraram por debaixo dos braços e o
arrastaram para fora da lama, com o som medonho do barro
querendo sugá-lo para baixo. E Bronden e Vai, segurando os
tornozelos de Jonn, puxaram os dois de volta, em segurança. Eles
caíram uns sobre os outros no chão lamacento.
- Que tolice, menino! Que idiotice foi essa? - Bronden se
enfureceu.
- A Estrela! - Rowan gritou soluçante, enquanto esperneava
nos braços de Jonn Forte e batia no peito molhado e enlameado do
companheiro. - A minha Estrela, a minha buksha! Ela está ali! Ah,
vocês precisam me ajudar! Ela está se afogando! Ela está
morrendo!
Escutem só!
-Não há nada ali, Rowan - Jonn Forte disse devagar c alio. -
Nada! Pense, criança, pense! Como a Estrela poderia estar aqui? É
impossível.
A luta de Rowan foi diminuindo. Ele se aquietou e olhou para o
local onde Estrela eslava. A lama permanecia parada e tranqüila. A
névoa continuava em volta deles, como antes. Ele esfregou os
olhos.
- Foi... parecia tão real - ele gaguejou.
- Você... - Bronden começou, inclinando-se sobre o garoto de
forma ameaçadora. - Real ou não, você arriscaria nossas vidas e
nossa missão para salvar uma criatura idiota? Que valor tem a
vida de um buksha em comparação com a de um humano? Que
loucura...?
- Deixe o garoto em paz, Bronden -Jonn interrompeu. - Entendo
que você tenha razões para dizer o que diz, mas nem todos
pensam como você.
- O mapa - Marlie acrescentou rapidamente enquanto Bronden
soltava um suspiro inconformado. - O mapa nos avisou sobre isso.
Ele falava de sonhos que pareciam verdade e de pessoas que
amávamos que chamariam por nós. Há espíritos aqui que não
querem o nosso bem.
O mapa! Rowan apalpou seu cinto ansioso. O mapa ainda
estava lá. Coberto de uma lama grudenta, mas pelo menos não
perdido para sempre.
- Espíritos! - Bronden fungou. - Você tem passado tempo
demais com o seu amigo meio viajante, Marlie. Não dê ouvidos às
histórias dele. Você é filha de Rin e deveria ter bom senso.
Bronden franziu a testa e se virou. Allun e Jonn trocaram
olhares.
- Vamos continuar - Allun sugeriu. - Perdemos tempo. E vamos
ler que perder mais um pouco para o Rowan e o Jonn secarem as
roupas deles. O que - ele tapou o nariz -, na minha opinião,
precisa muito ser feito.
- Vamos cuidar bem onde pisamos - Jonn Forte avisou. - Essa
lama é uma armadilha. Podemos não ter tanta sorte da próxima
vez.
Eles continuaram a caminhada a passos lentos, com a lama se
agarrando em suas botas. A névoa ficou mais densa ao redor
deles, enchendo suas bocas e narizes com o gosto e o cheiro do
pântano. Rowan andava com a cabeça pendida sobre o peito.
Aquela sujeira úmida grudada em suas roupas e presa em seus
sapatos o deixava mais pesado. E mesmo assim ele só pensava
em Estrela. Ele não ousava levantar os olhos com medo de vê-la
outra vez, lutando desesperadamente no pântano. Ele ficou
imaginando por que Bronden tinha se zangado tanto com ele. Com
certeza, ela era capaz de entender...
Mais do que ver, ele sentiu Marlie começar a agitar as mãos e
esfregar as bochechas e a nuca.
- Estou sentindo... alguém está me tocando - ela ofegou,
olhando para trás. - Dedos. Dedos gelados, no meu rosto, no meu
pescoço e...
- É só a névoa, Marlie - Allun a acalmou. - Só... - de repente ele
parou de andar.
O pescoço dele se contraiu e ele também olhou para trás,
observando por cima do ombro de Jonn Forte. Os outros viraram
curiosos para ver o que ele encarava. Mas não havia nada ali.
- O quê?...
O queixo de Allun caiu. Ele começou a voltar pelo caminho que
eles tinham feito, empurrando Jonn e Rowan, olhando para a
névoa.
- Como... Mãe? Mãe! Espere! - seus pés caíram pesados sobre
a lama mole, que o puxava para baixo.
- Não, Allun! - Marlie gritou. - Não tem ninguém aí! Jonn, faça
ele parar! - então ela balançou a cabeça com violência. - Ah! Pare!
Pare de me tocar! - ela deu um tapa no seu pescoço e nos braços
e esfregou o rosto.
Perdida na névoa à frente, Bronden gritou, somente uma vez.
Jonn agarrou Allun pela jaqueta e o puxou de volta. Allun se virou
para ele nervoso:
- Deixe-me em paz, Jonn! - ele gritou. - É a minha mãe, seu
idiota! Ela está me chamando. Ela está perdida no meio do
pântano.
Preciso chegar até ela.
Ele começou a lutar, tentando se desvencilhar dos braços de
Jonn Forte, dando socos no rosto dele.
- Não, Allun, não! - Jonn gritou, chacoalhando o companheiro.
-É uma visão! Uma visão! A sua mãe está em casa, homem!
- O que está acontecendo? - Val gemeu mais à frente no
caminho. - Por que vocês não vêm? Ah, minha nossa, venham me
ajudar! Ellis! Ah, Ellis! Marlie! Jonn! Socorro! A Bronden... A
Bronden está... Eu não consigo segurá-la. Socorro!
Marlie e Rowan correram na direção da voz de Val. Jonn
seguiu atrás, arrastando Allun, que ainda lutava, mas começava
a parecer mais confuso do que nervoso.
Eles encontraram Vai deitada no chão, com o rosto virado
para baixo, enfiado em um monte de cipó. Seus pés estavam
sobre o chão sólido, mas seu corpo se misturava com a lama e
seus braços seguravam Bronden pela cintura. E Bronden lutava
contra ela. Lutava em silêncio, mas de forma determinada a
escapar. Ela esticava os dedos na direção de algo que só ela
podia ver, enquanto o pântano a sugava para baixo.
-De repente ela gritou e se jogou na lama - Val ofegou. – Não
consigo puxá-la de volta. Ela não me ouve. Ah, se o Ellis
estivesse aqui. Eu... Eu não consigo pensar sem ele.
Marlie retirou de sua mochila um rolo de corda.
-Segure meus pés, Rowan - ela pediu e se jogou no chão ao
lado
de Val.
Rowan segurou Marlie pelos tornozelos e a observou se
esticar toda no meio dos cipós, tentando alcançar Bronden.
Marlie era alta, mas não tanto quanto Val. Ela foi se enfiando
cada vez mais dentro do lamaçal, e Rowan foi puxado para a
frente, até que ficou deitado de bruços, atravessado no caminho.
Seus músculos se esticaram por completo quando Marlie colocou
suas mãos por baixo das mãos de Val e enroscou a corda no
cinto de Bronden. Val gemeu. Ela tinha suportado o peso de
Bronden por muito tempo. Não conseguiria continuar segurando
mais do que aquilo.
- Para trás! Rowan! Tente me puxar para trás agora – Marlie
gritou. - Você consegue?
Rowan puxou com toda sua força, mas Marlie era pesada e
seus tornozelos estavam escorregadios com a lama. Em pânico,
ele sentiu suas mãos começarem a escapar.
- Jonn! - ele grilou desesperado. - Ajude a Marlie! Eu não
consigo...
- Marlie!
Houve algum movimento atrás dele, então duas mãos magras,
mas fortes, pousaram sobre as de Rowan, que ouviu Allun gritar:
-Peguei você, Marlie.
Allun começou a puxá-la de volta em segurança, com a corda
que segurava a vida de Bronden presa em sua mão.
Foi necessária a força de todos os três para puxarem Bronden
de volta, enquanto Val se deitava exausta e Rowan ficava por ali
sem saber o que fazer. Bronden estava toda cheia de lama e
continuava lutando contra os companheiros. Mesmo depois de
estar segura ao lado deles, Bronden gemia e chorava, tentando
engatinhar de volta para o poço de lama que quase a tinha
engolido para sempre.
- Ginna - ela chorava. - Ginna, Ginna, Ginna!
- Quem é Ginna? - Rowan sussurrou para Jonn Forte. Ele já
tinha ouvido aquele nome antes, mas não conseguia lembrar onde.
- Quem a Bronden viu?
Jonn balançava a cabeça tristemente, encarando o choro de
Bronden.
- Eu tinha me esquecido da pequena Ginna - ele disse. -Tinha
me esquecido completamente, até que a Bronden ficou uma fera
com você por pensar nos bukshas. Acho até que a Bronden tinha
se esquecido da Ginna, a não ser em um canto escondido bem no
fundo da memória dela. Mas este lugar...
- Quando éramos crianças, Rowan - Allun começou a explicar -,
e eu ainda era novo em Rin, a Bronden tinha uma amiga. Era a sua
única amiga. Ginna, a guardiã dos bukshas naquela época. Uma
garotinha quieta, gentil e tímida na mesma proporção em que a
Bronden era exagerada, brigona e destemida. Elas nunca se
separavam. Para a Ginna, só existiam a Bronden e os bukshas.
Para a Bronden, só existia a Ginna.
- Eu me lembro da Ginna - Marlie disse devagar. - E sua mãe
também deve se lembrar, Rowan. Todos nós, até as crianças,
saímos em busca dela na noite em que ela desapareceu.
Bronden gemeu e ergueu os olhos para Val, que estava curvada
sobre ela ansiosa.
- A Ginna está aqui, Val - ela gemeu. - Eu a vi. Ouvi a voz dela.
Senti a mão dela no meu rosto. Mas, Val... - seu rosto firme se
contorceu e lágrimas começaram a cair de seus olhos. - Val, ela
ainda é uma menininha. Ela não cresceu. Ela passou esses anos
todos vagando por aqui, sozinha. Por que você não me deixou ir
com ela?
Jonn Forte se ajoelhou ao lado de Bronden:
- A Ginna morreu, Bronden - ele disse em tom gentil. - Os
ossos dela foram encontrados junto com os ossos do filhote que
ela estava tentando salvar. Na antiga mina. Você sabe disso.
Rowan arregalou os olhos. Ginna era quieta e tímida, como ele.
Ginna havia morrido procurando um buksha perdido. Seria por isso
que...?
-Não sabemos se aqueles ossos junto com os do filhote eram da
Ginna - Bronden resmungou. - Não temos certeza. Sempre
imaginei...
Jonn passou a mão na testa dela. Sua expressão estava
carregada de pena.
-A Ginna morreu, Bronden. Ela está a salvo, descansando no
túmulo dela. Os espíritos do pântano pregaram uma peça horrível
em você para que você saísse do chão firme. Como fizeram com o
Rowan e a buksha dele. E tentaram fazer com o Allun e a mãe
dele.
-Eu não acredito nessas coisas - Bronden olhou em volta com o
rosto aterrorizado. - Mas você deve estar falando a verdade,
porque a Ginna não pode ter 10 anos ainda. Mas eu a vi. Eu a
senti. Ouvi – ela agarrou as mãos de Jonn Forte - Jonn, não deixe
que eles me toquem de novo! Não me deixe ouvir eles outra vez!
Não vou agüentar.
Ela lutou para ficar de pé. A névoa se agitou em volta dela, e
Bronden arregalou os olhos como um animal assustado.
- Vamos, Bronden - Jonn Forte chamou, ainda em tom gentil.
-Vamos - ele a ajudou a caminhar.
- Não! - Bronden fincou os pés no chão, os olhos opacos de
pavor. - Não! Não posso!
- Bronden, você precisa vir!
- Não!
Ofegante, ela se desvencilhou de Jonn, virou-se e começou a
correr de volta pelo caminho de onde tinham vindo. Seus
polegares tapavam os ouvidos, e os outros dedos cobriam os
olhos.
- Bronden! - Val gritou. - Volte aqui!
Mas Bronden não se virou nem hesitou. Em instantes, ela já
não podia mais ser vista.
"Agora somos cinco", Rowan pensou.
- As aranhas! - Val gemeu. - Ela não vai conseguir atravessar
a floresta!
- Ela ficou com os galhos que cortamos para fazer as tochas -
Allun se lembrou. - Depois que sair daqui, ela vai parar e arrumá-
los. Ela não vai mais estar com medo e vai voltar a si. Indo daqui
para lá, ela pode queimar a porta de seda inteira e atravessar cm
segurança. Ela é forte, vai ficar bem. Ela vai voltar para o vilarejo,
como o Ellis.
Val começou a estremecer. Ela se encolheu c pareceu exausta.
- O Ellis não voltou para Rin - ela sussurrou. - Ele está
esperando por mim, na beira da floresta. Eu posso sentir. Eu sei.
Sempre soube. Nós nunca ficamos separados por tanto tempo em
toda nossa vida. Desde o berço. Tentei demais não pensar nisso,
mas...
- Vamos - Jonn Forte disse em tom firme. - Vamos nos
amarrar uns nos outros. Não podemos correr o risco que ninguém
mais saia do caminho.
"Enrole com cordas seu corpo e alma."
Mas lágrimas rolavam pelo rosto triste e enlameado de Val.
- Não posso continuar - ela disse. - Já sabia disso quando
chamei o Ellis enquanto a Bronden se debatia nos meus braços.
Desculpem, eu sinto muito. Mas eu não posso continuar com vocês
- ela enfiou o rosto nas mãos. - Vocês não vão entender. Vocês vão
pensar mal de mim. Mas eu não culpo vocês. Não posso continuar
sozinha. Está faltando metade de mim. O Ellis está me esperando.
Ele precisa de mim, e eu preciso ir até ele.
Ela se virou para ir embora.
- Também tenho como fazer umas tochas - ela informou. – Vou
me apressar para encontrar a Bronden. Nós duas vamos juntas.
Rowan, Jonn, Allun e Marlie olharam em silêncio enquanto Val
se afastava, com dificuldade e tristeza. Ela não olhou para trás.
- É verdade - Marlie disse finalmente. - Era como se metade da
Val tivesse ido embora junto com o Ellis. Ela foi corajosa e lutou,
mas, no fim das contas, ela não conseguia continuar sem ele. É
estranho. Os dois pareciam tão fortes, como se nada pudesse
atingi-los.
"Quatro", Rowan pensou. "Somos só quatro agora. E ainda falta
muito."
- A Montanha está fazendo muito bem o trabalho dela – Jonn
Forte comentou, como se tivesse ouvido os pensamentos de
Rowan. – E ainda temos muito pela frente.
Allun soltou um sorriso cansado.
- Menos mal que os que tenham restado sejam todos amigos.
Vamos. Vamos continuar.
- Allun cante - Marlie pediu. - Não quero ouvir mais nada além
disso.
Eles enroscaram a corda de Marlie em suas cinturas e se
amarraram um atrás do outro, formando uma fila: Jonn, Rowan,
Allun e Marlie. Eles continuaram a caminhada, sem olhar para a
esquerda ou para a direita, mantendo os olhos firmes no chão e os
ouvidos atentos para o canto de Allun. Sua voz era suave, mas
parecia fraca e triste no meio da névoa, o que não lhes trouxe a
paz que queriam.
-Allun, ainda bem que você voltou a si a tempo de evitar que eu
me afundasse na lama e ainda carregasse o pobre Rowan comigo -
Marlie observou depois de um tempo.
-Ouvi a voz do Rowan chamando você - Allun disse, balançando
a cabeça. - Foi como se eu tivesse acordando de um sonho.
Ouviu-se um grito assustado vindo de Jonn Forte na frente da
fila. Ele voltou cambaleando para trás, tirando uma perna molhada
e lamacenta do chão movediço no qual havia se afundado.
- Ir para noroeste não dá certo - ele anunciou. - Não dá para
saber
a profundidade desse pântano. Teremos que achar outra direção.
Ele pisou com cuidado ao redor. Mas, em qualquer lugar que
tentava, seu pé se afundava na lama.
- O que vamos fazer? - Rowan perguntou.
- O aviso do mapa dizia: "E deixe aquele feito de madeira o
guiar com calma" - Marlie começou hesitante. - Acreditamos que o
nosso guia deveria ser uma pessoa que não fosse tão sensível
quanto os outros - ela pensou por um segundo e continuou - mas
talvez as palavras tenham outro sentido. Talvez elas queiram dizer
exatamente o que elas dizem. E sejam para nos ajudar agora.
Então eles finalmente compreenderam as instruções do mapa
e as obedeceram. Os quatro recuaram um pouco e apanharam o
galho mais reto que conseguiram encontrar nas árvores. Eles o
mediram em Rowan, o mais baixo do grupo, e fizeram uma marca
na altura do ombro do garoto. E esse galho, esse pedaço de
madeira, era o que iria guiá-los.
Jonn afundaria o galho na lama pela qual eles teriam que
passar. Se ele batesse contra o chão firme e a lama ficasse abaixo
da marca, eles dariam um passo naquela direção. Se o galho
afundasse na lama até acima da marca, Jonn tentaria de novo e
de novo até que encontrasse um ponto firme para se pisar.
Dando um passo de cada vez, eles lutaram para prosseguir,
quase sempre mergulhados até o peito no meio da lama pesada e
grudenta. Eles progrediam com muita lentidão e dificuldade. E o
tempo todo aquela névoa amarelada pairava ao redor deles. Às
vezes, os quatro viam algumas formas surgirem bem diante de
seus olhos e ouviam vozes sussurrando. Mas eles só olhavam em
frente e ignoravam os gemidos e lamentos que os provocavam,
segurando firme na corda que os mantinha presos uns aos outros.
Finalmente, houve um momento em que, para qualquer lado
em que se experimentasse a profundidade com o galho, ele
afundava c ficava coberto acima da marca. Então Allun e Marlie
carregaram as mochilas de Jonn, que pegou Rowan e o colocou
nas costas. E mais uma vez eles continuaram cm frente, sentindo
o caminho, indo sempre para o noroeste, até que finalmente a
lama começou a ficar mais firme sob seus pés e o chão começou a
se inclinar. Eles sabiam que a temível jornada estava próxima do
fim.
Cambaleando e exaustos, os quatro saíram do pântano e
deixaram a névoa para trás, junto com as árvores de folhas
escuras, c chegaram a uma área onde a grama crescia verde outra
vez. Eles subiram e subiram mais um pouco, até que o ar tivesse
um cheiro agradável e o sol brilhasse sobre eles. Ali eles se
jogaram no chão e finalmente adormeceram.
Rowan acordou tremendo. Ao redor do topo da Montanha,
coberto de nuvens, o céu se pintava de laranja e vermelho.
O ar estava ficando gelado. Jonn, Marlie e Allun ainda dormiam
no chão, espalhados ao lado dele. Assim, todos, até Jonn Forte,
pareciam mais novos e indefesos. Suas roupas, como as de
Rowan, ainda estavam úmidas e com o cheiro ruim do pântano.
Seus rostos e mãos estavam imundos; os cabelos, endurecidos
com a lama. Como esse pequeno grupo era diferente daquele que
havia começado a jornada com tanta coragem naquela manhã! E
como ele se sentia diferente em relação à sua responsabilidade
ali...
Rowan observou os três adultos dormindo e ficou pensando no
sentimento de carinho que agora tinha por eles. Antes, embora os
conhecesse desde bem pequeno, Rowan tinha medo deles. Agora,
confiava neles. Rowan achava que eles não só eram capazes de
cuidar dele, mas também quase capazes de gostar dele. Ele
pensou naquilo e ficou surpreso.
Marlie abriu os olhos, piscou sonolenta por um instante e,
quando viu que o garoto a observava, sorriu. Ela se sentou e
passou os dedos pelos cabelos pegajosos.
- É melhor acordarmos os outros - ela disse. - E acendermos
uma fogueira. Parece que vamos passar a noite aqui.
Logo depois, os quatro estavam sentados ao redor da fogueira,
deleitando-se com pão torrado c queijo derretido, frutas secas,
mel, bolo de aveia e a melhor torta que Solla fazia. Já estava
escuro e frio. A Lua jogava seu brilho esbranquiçado sobre o céu
cheio de estrelas atrás de um véu de nuvens.
Enquanto eles comiam no círculo iluminado, Allun, Marlie e Jonn
conversavam sobre o povoado, contando histórias dos velhos
tempos e lembrando coisas que os faziam rir. Era quase como se
estivessem sentados ao redor da lareira de Jiller em Rin.
Rowan ficou sentado, ouvindo-os como fazia em casa e
pensando por que, de repente, tudo parecia tão natural e
tranqüilo. Então ele percebeu. Era porque Bronden, Val e Ellis não
estavam mais entre eles, e Allun havia baixado a guarda. Ele ainda
conversava e fazia as mesmas brincadeiras de sempre, mas sua
boca não tinha mais aquela curva triste. Ele se mostrava contente
pelo simples fato de estar sentado ali, em silêncio, cutucando a
fogueira.
Uma vez a mãe de Rowan lhe disse que, quando eles eram
crianças, ela tinha entendido que as brincadeiras e piadas de Allun
formavam uma armadura ainda mais forte que os músculos de
ferro de Val e de Ellis e que o mau humor de Bronden. E, de certa
forma, ainda que Allun agora fosse adulto, Rowan podia ver que
aquela armadura ainda estava sempre a postos. E precisava
mesmo estar, já que era óbvio que alguns dos moradores de Rin,
como os três que haviam deixado o grupo hoje, achavam que Allun
nunca seria um deles. Ele nunca seria aceito por completo,
independente do quanto quisesse e tentasse, pois seu pai era um
viajante.
Rowan, observando o rosto magro e moreno de Allun iluminado
pelo fogo, viu que de certa forma ele ficava dividido entre dois
povos. No seu modo de ver, pelo menos. Sua consciência daquilo o
mantinha alerta. Mas ali, agora, com amigos cm quem ele
confiava, poderia ser quem realmente era.
Rowan ficou ouvindo a conversa dos outros, sentindo-se
protegido pela presença deles. Ninguém mencionou Bronden, Val ou
Ellis. Ninguém olhou o mapa enquanto ele permanecia aberto no
chão para secar ao calor do fogo. Ninguém conversou sobre o
pântano, ou sobre as aranhas, ou sobre o caminho a ainda ser
percorrido.
Mas depois a comida foi posta de lado, eles trançaram os
galhos verdes de Bronden para fazer as tochas para o dia seguinte
e a fogueira se transformou em brasas. Então, a escuridão
começou a pesar sobre eles. Aos poucos eles foram ficando em
silêncio. Desconfortável, Rowan se mexeu. Eles tinham secado suas
roupas da melhor forma possível e penteado os cabelos imundos,
mas não tinham como se lavar. Eles deveriam economizar a água
em seus cantis para beberem.
Rowan daria tudo por um demorado banho quente. "Minha mãe
iria rir disso", ele pensou. "Normalmente eu reclamo para tomar
banho." E, de uma só vez, uma pontada de solidão o feriu.
Naquela hora, Ellis, Bronden e Val já deveriam estar chegando
em casa. Eles não deixariam de jeito nenhum que a escuridão os
interrompesse em seu caminho de volta. Eles chegariam a Rin aos
tropeços no momento cm que as pessoas começariam a apagar as
lamparinas e ir se deitar. Annad já deveria estar dormindo no
pequeno quarto que dividia com Rowan. Jiller deveria estar
sentada perto da lareira no andar de baixo. Talvez lendo ou
costurando alguma coisa. Será que ela estaria pensando nele? O
que ela sentiria ao saber que os outros haviam voltado?
Allun passou os olhos pelo rosto triste do menino.
- Sabe, a mesma lua está brilhando sobre Rin - ele murmurou,
apontando para o céu. - Pense nisso.
- Não vale a pena guardar este último pedaço da torta, Rowan
- Marlie disse, estendendo o pacote para o garoto. - Aposto que
você consegue comê-lo por nós.
- O mapa já deve estar seco. Não acha, Rowan? - Jonn
perguntou despreocupadamente quase ao mesmo tempo.
Rowan percebeu que todos estavam tentando consolá-lo, cada
um a seu modo.
Ele deu um sorriso tímido para Allun, pegou a torta das mão;
Marlie e confirmou com a cabeça para Jonn Forte:
- Vou dar uma olhada no mapa - ele disse.
Ele retirou a lama seca do pergaminho com as mãos. Com o dedo,
traçou o caminho que tinham leito e encontrou o local onde eles
estavam acampados. Ao que parecia, já tinham concluído cerca de
um terço da jornada. Dali, eles teriam que seguir para oeste
novamente, subindo até chegarem ao que deveria ser um grande
penhasco. Ali a linha vermelha marcava uma subida acentuada. O
coração de Rowan quase parou com a idéia de outra escalada
horrível.
Ele olhou para o terceiro espaço cm branco no mapa. Lá estava
ele. Ou melhor, lá estava o lugar onde ele havia estado. Ele se
inclinou sobre o pergaminho e lentamente leu as palavras sob a
fraca luz do que havia restado da fogueira:

"Procure a mão que indica os caminhos


e siga por onde brincam os garotinhos.
Então, no lugar onde respira o rosto
que admira seus brilhantes olhos com gosto,
sua trilha surgirá iluminada afinal
e o levará para longe da noite imortal."

- Garotinhos! - Allun exclamou. - Será que vamos encontrar


pessoas nesse lugar? Ah, pessoas querem dizer água, Marlie! E
banheiras quentinhas para nós! E camas macias. E pratos de sopa!
- Talvez - Marlie disse. - Mas não se esqueça de que pessoas
também querem dizer armas e medo de estranhos. Elas podem
ser muitas, e nós somos poucos.
Jonn Forte olhou para cima, para a Montanha escura e
silenciosa.
- Se houver algum povoado aqui por perto, está muito bem
escondido - ele disse. -Mesmo assim, depois veremos. Vamos
descansar agora. Saímos no primeiro raio de sol. Não convém
chegarmos muito tarde para essa "visita".
Apesar do cansaço, Rowan ficou dei lado algum tempo sem
conseguir dormir depois que todos trocaram boa-noite. Os outros
estavam deitados em silêncio: Jonn e Allun enrolados em seus
cobertores como lagartas, e Marlie esticada debaixo do dela. "Ela
vai sentir frio à noite", Rowan pensou. Ele se sentia aquecido, com
a fogueira ainda em brasas. Mas as palavras do poema no mapa
não paravam de ecoar em sua mente, sempre terminando do
mesmo jeito. Do mesmo jeito assustador que o manteria acordado
e daria início a tudo outra vez. "Noite imortal... Noite imortal...
Noite imortal..."

***

Rowan acordou com a cabeça pesada, ouvindo Marlie jogar


terra sobre a fogueira e Allun assoviando. Ainda não era dia, mas o
céu já clareava e pássaros cantavam em algum lugar. Rowan
pensou em Estrela e nos outros bukshas se encaminhando para o
lago junto com Jiller e Annad para procurar água para beber. Ele
imaginou os sons confusos dos animais cheirando a água ainda
mais escassa que antes. Eles deveriam estar com muita sede. Eles
experimentariam a lama marrom que havia restado e então
balançariam as pesadas cabeças e bateriam as patas contra o
chão. E ficariam imaginando onde ele estava.
"Estamos indo o mais rápido que podemos. Estrela." Rowan
fechou os olhos e pensou nessas palavras com toda sua força,
como se assim a sua mensagem pudesse chegar até sua amiga.
"Logo estaremos no topo da Montanha. Vamos fazer a água correr
outra vez. Logo..."
Então ele percebeu uma coisa e seus olhos se abriram
novamente, cheios de terror. Amanhã ou no dia seguinte, eles
alcançariam o topo da Montanha. E o Dragão. Seu coração
disparou e ele se sentiu tonto. Tanta coisa havia acontecido, ele
tinha passado tanto medo que, por um instante, havia se
esquecido de verdade de seu maior temor. Até agora. Então ele
pensou em outra coisa. Outro dia. Outro amanhecer. E a Montanha
continuava em silêncio, a não ser pelos pássaros. Mais uma vez, o
Dragão não havia rugido.
Rowan ainda estava pensando nisso quando eles recomeçaram
a viagem, subindo em direção a oeste.
- Allun - ele chamou timidamente -, você acha que o Dragão
pode ter morrido? Ou ido para outro lugar?
- Espero que sim - Allun respondeu animado. - Depois de
pensar bastante no assunto, cheguei à conclusão de que prefiro
não cruzar com ele.
- Não ouvi nada vindo do topo da Montanha hoje de manhã
-Marlie comentou.
- Nem eu. Nem ontem à noite - Jonn Forte concordou. Ele olhou
para Rowan: - É claro que muitos dizem - ele acrescentem - que
não existe dragão nenhum no topo da Montanha. Ninguém nunca
o viu. Não há prova nenhuma de que as velhas histórias sobre ele
sejam verdade.
-A Bronden com certeza não acreditava nele - Marlie disse.
Naquele instante, o mesmo pensamento passou pela cabeça de
todos. Bronden nunca acreditava em nada que não visse com os
próprios olhos, só acreditava naquilo que estava na frente dela. E
Bronden havia descoberto que estava errada. Muito errada.
Jonn Forte começou a andar mais rápido. Ele estava carregando
a mochila de Rowan de novo, mas, mesmo sem o peso a mais, o
garoto precisou se esforçar bastante para acompanhar o ritmo.
Depois de um tempo, ele não tinha mais energias para pensar cm
nada, só no caminho íngreme à sua frente. Talvez como Jonn tinha
planejado.
Eles atravessaram alguns arbustos meio espinhosos agrupados
no topo da subida. Então Allun exclamou, e Marlie gemeu. Rowan
olhou para cima. Estendendo-se sobre o topo das árvores bem cm
cima deles, estava um penhasco praticamente vertical em pedras
de um vermelho meio dourado que reluziam sob os primeiros raios
de sol. Ele quase perdeu o fôlego enquanto encarava fascinado o
precipício.
Ele se deu conta de que já tinha visto aquele lugar antes,
muitas rezes, enquanto ia tomar conta dos bukshas ao nascer do
sol. Contudo, naqueles momentos, aquele penhasco estava distante
e parecia pequeno. Encarando a Montanha lá de longe, era possível
ver uma mancha verde, 0 brilho de uma faixa vermelha c dourada
e a nuvem que escondia o cume. Mas agora a Montanha estava ali,
na frente dele, e ele conseguia ver que ela descia da nuvem como
uma parede... Uma parede quase tão lisa e plana quanto a do
moinho de Rin.
Ele não conseguiria escalar aquilo. Ele sabia que não seria
capaz. A simples visão da Montanha o enchia de terror. Ele apertou
os lábios para prender o choro e o grito de pavor, mas foi tomado
por um completo desespero. Eles tinham chegado tão longe e
lutado tanto para acabarem sendo derrotados pela Montanha,
Pois ele não era o único que não conseguiria subir o penhasco.
Quanto mais perto eles chegavam, mais ele via que ninguém seria
capaz de fazer aquela escalada. Não havia lugar para se apoiar os
pés. Não havia nenhum lugar nas pedras avermelhadas para se
enrascar e subir. Nenhuma planta, nenhum buraco, nenhuma
pedra pontiaguda. Nada.
- Estamos com um problema - Allun observou.
- É o que parece - Jonn Forte confirmou. Ele apertou os olhos e
analisou o precipício.
- Não vamos entrar cm desespero - Marlie pediu, enxugando o
suor da lesta e estremecendo ao mesmo tempo. O ar estava frio, e
um vento gelado soprou ao redor deles. -Talvez vejamos um
caminho mais fácil quando chegarmos ao ponto certo.
Allun c Jonn pareceram muito sérios quando retomaram a
caminhada. Rowan notou que eles não tinham a mesma
esperança que Marlie.
Entretanto, meia hora depois, quando saíram do meio das
árvores e viram o que havia sob o pé da Montanha, eles
compreenderam como suas palavras eram sábias.
- Uma caverna! - Jonn exclamou. Ele espiou dentro da negra
abertura que mais parecia uma porta na rocha. - Muito funda,
aliás.
Será que...? Rowan!
Eles se amontoaram ao redor de Rowan enquanto o garoto
desenrolava o mapa. A linha vermelha subia bastante acentuada
sim, mas não no mesmo ângulo em que o penhasco chegava até
as nuvens.
- Maravilha! - Allun cantarolou. - Um caminho fácil. E longe do
clima daqui de fora! - ele se virou para Marlie: - Que alívio!
Ela forçou um sorriso:
-É mesmo - ela respondeu, mas Rowan viu que o rosto dela
ficou pálido.
Eles acenderam uma das tochas que haviam feito na noite
anterior. Ela formou uma labareda grande e depois diminuiu para
uma chama branda e firme. Marlie liderou o caminho, segurando a
tocha com força enquanto eles entravam na caverna.
Os quatro foram recebidos por uns chiados agudos c pelas
batidas de milhares de asas duras de centenas de morcegos que,
perturbados durante o seu descanso diurno, caíram do teto da
caverna e rodopiaram em volta deles, roçando em seus rostos.
Aos gritos, eles baixaram as cabeças e se agacharam no chão
arenoso, com os braços protegendo os olhos. Rowan pôde
distinguir seus gritos no meio dos gritos dos outros. Foi como se
uma década tivesse passado ate que os chiados agudos
acabassem e as criaturas apavoradas tivessem fugido. Somente
depois da calmaria é que Marlie, Jonn Forte, Allun e Rowan se
levantaram devagar, respirando acelerado como se tivessem
acabado de sair de uma corrida. Eles se olharam c Allun esboçou
um sorriso:
- Quem vocês acham que estavam mais assustados? Nós ou os
morcegos?
Gargalhadas de alívio ecoaram nas paredes de pedra. A tocha
tremulou, aumentando as sombras. -Olhem! - Rowan gritou.
Bem no fundo da caverna, ao lado de uma abertura larga e
curva que parecia levar para outra gruta, havia uma pedra grande,
com um formato estranho, sozinha. Era mais fina na parte de baixo,
e da parte de uma saía uma pedra comprida e estreita, que mais
parecia um dedo. "Procure a mão que indica os caminhos..." Com a
tocha erguida, eles seguiram em frente e atravessaram a fenda na
rocha, para dentro da Montanha.
Estava escuro, muito escuro. E muito frio. Marlie levantou a
tocha e Rowan prendeu o fôlego impressionado.
Inúmeras hastes de pedra se penduravam do teto elevado da
caverna, refletindo as cores do arco-íris. Grupos e filas de formas
estranhas e achatadas saíam do chão. A caverna era enorme. Era
impossível ver seu fim.
.Jonn deu um passo à frente, olhou a bússola e hesitou:
- A agulha da bússola está oscilando - ele disse. - Alguma
coisa
está interferindo.
Deve haver metal nas rochas - Marlie sugeriu. A tocha jogou
uma l u z amarela sobre o rosto dela. Ela ficou inquieta, apoiando-
se cada hora em um pé.
Talvez. De qualquer forma, seria besteira confiar totalmente
na bússola. Mas, sem ela, como vamos achar o caminho que
devemos seguir? Podemos nos perder com muita facilidade
nesse labirinto.
- " Siga por onde brincam os garotinhos" - Rowan citou. -
Foi isso 0 que 0 mapa nos disse.
- Só uma criança muito corajosa iria se aventurar aqui -
Allun observou.
Rowan olhou em volta, ficou na ponta dos pés e esticou o
pescoço até que viu o que estava procurando.
-Eu acho que, talvez... - ele começou, mas logo hesitou. Talvez
ele estivesse sendo muito ingênuo. Ele não queria levá-los pelo
caminho errado nem que rissem dele.
-Fale, Rowan - Jonn Forte pediu. - Isso não é hora para
qualquer um que tenha um plano ficar de boca fechada.
-T-talvez sejam as pedras - Rowan gaguejou. Ele esticou o dedo
e apontou: - Aquelas pedras que são menores que as outras. Ali
tem um espaço entre elas, como se fosse um caminho. E o
formato delas...
- Mas é claro! - Allun pegou a tocha da mão de Marlie e os
levou até o ponto que Rowan indicava.
Era aquilo mesmo: duas linhas formadas pelas estranhas
pedras, inclinadas e curvadas como crianças engatinhando,
subiam pela escuridão. Entre elas, abria-se um caminho de areia.
- Então o caminho já está marcado para nós - Jonn conclui
satisfeito, guardando a bússola. - E agora...
- Procuramos um rosto que respira e que tem olhos brilhantes
-Allun riu. - Será interessante.
Ele os guiou com a tocha iluminando o caminho à frente. Ao
olhar para trás, Rowan viu a caverna se escondendo na escuridão.
"A noite imortal", ele pensou e estremeceu.
Eles seguiram caminhando. Para cima. Sempre para cima. Eles
estavam subindo pelo centro da Montanha. Rowan tentou não
pensar nas toneladas de pedra e terra que havia cm volta deles,
impedindo o ar e a luz de entrarem. Se eles se perdessem ali,
nunca ninguém iria encontrá-los. Eles ficariam vagando pela noite
imortal até que morressem, e a Montanha seria o túmulo deles.
Rowan tentou ignorar o medo, mas ele cresceu e pressionou seu
estômago e sua cabeça, dificultando a respiração.
Eles iam cada vez mais para cima, saindo de uma caverna e
entrando em outra. Ao lado deles, as crianças de pedra se
inclinavam e se esticavam em uma brincadeira que parecia não ter
fim. Os quatro quase não diziam nada, pois o caminho era muito
íngreme. O silêncio em volta deles era tão pesado quanto a
escuridão. Rowan ouvia somente o chiado da tocha, a sua
respiração, o ofegar de Marlie atrás dele e o som das botas de Jonn
à sua frente esmagando a areia e batendo contra a rocha.
-Mais uma caverna! - a voz de Allun chegou ate paredes que
eles não podiam ver e ecoou de volta. Eles o viram subir com
dificuldade e a tocha desaparecer. - O rosto! - ele exclamou. - O
rosto está... - a voz dele foi sumindo.
- Allun, o que foi? - Marlie gritou, abrindo caminho. - Allun
responda! Allun traga a luz de volta. Não conseguimos enxergar.
- O rosto - ele gritou. A voz dele soava estranha, como se ele
estivesse engasgado. - Está aqui. Venham. Mas devagar.
A tocha reapareceu e, com cuidado, todos subiram na direção
dela. Allun estava de pé ao lado de uma larga fenda na rocha. Ele
não sorriu quando os outros três se aproximaram, simplesmente
enfiou a tocha pela lenda.
- Vejam com seus olhos - ele disse. - Mas, de novo, tomem
cuidado.
Eles se espremeram pela abertura, em direção à caverna
acima. Grossas hastes de pedras amarelas e brancas pendiam do
teto. O chão escuro e brilhante abaixo da margem onde eles
estavam era liso como vidro. Diante deles, na lateral ao longe,
estava uma parede de pedra. Uma parede com uma saliência bem
no meio. Uma saliência que parecia um rosto olhando para baixo.
Eles viram o nariz de pedra torcido, as bochechas inchadas, a boca
rachada e o queixo grosseiro. E olhos brilhantes que emitiam raios
de luz no chão. "Sua trilha surgirá iluminada afinal."
Também havia um som ali. Um suspiro, um assovio, uma
respiração.
- Ele respira - Marlie sussurrou. - O rosto respira, como o
poema disse.
- Deve haver uma abertura que deixa o ar passar! - Jonn
exclamou. - É o ar de lá de fora que estamos ouvindo, Marlie! Já
subimos muito no meio dessas cavernas. Com certeza, devemos
estar quase no fim da nossa jornada.
- Eu acho - Allun disse, ainda com uma voz estranha - que pelo
menos eu estou no fim da minha jornada agora.
Ele estava de pé, com as costas pressionadas contra a parede
da caverna. Quando os outros o encararam, ele escorregou para o
chão e se sentou.
- Allun, levante-se! - Marlie pediu. - Que brincadeira é essa?
- Eu nunca teria vindo se soubesse - Allun disse cansado. - Mas
como eu poderia saber? Quem teria imaginado que seria assim? -
ele esfregou os olhos e balançou a cabeça.
- Allun, não estamos entendendo nada do que você está
falando. Venha! Precisamos continuar.
Jonn Forte fechou a cara e se virou. Nesse instante, sua bota
chutou um cristal da rocha, que caiu sobre o chão negro c
brilhante.
Ouviu-se o som de golas espirrando contra o chão, e o cristal
desapareceu. Pequenas ondas surgiram silenciosas, formando
círculos crescentes sobre a superfície lisa do que eles tinham
imaginado que fosse chão sólido.
- Água - Allun disse. Ele pareceu perturbado. - Metade da
caverna
está coberta de água. E é muita água, muito funda. Ela c escura e
gelada
e não dá nem para ver o fundo.
- E...? - Marlie questionou. - Agüentamos o frio e vamos
nadando.
Allun ergueu as sobrancelhas:
-A questão, Marlie, querida, é que eu não sei nadar.
- O quê?
Todos o olharam incrédulos, e ele os encarou também, de um
jeito meio agressivo.
- Os viajantes não ensinam as crianças a nadar - ele explicou. -
Os viajantes deixam essa história de natação para o povo de
Maris. É o que faz mais sentido, porque são eles que tiram o
sustento deles do mar, que têm membranas entre os dedos para
facilitar lodo esse negócio horrível de nadar. Os viajantes se
recusam a ter qualquer tipo de ligação com água em grande
quantidade, ou seja, mais do que caberia em uma banheira.
-Mas em Rin todos nós aprendemos a nadar- Rowan comentou.
- Somos quase que obrigados a aprender. Praticamente logo
depois que começamos a andar. Temos que ir para o litoral ou
para o rio lá na planície especialmente para isso.
O garoto até estremeceu ao se lembrar das aulas que teve no
rio. Ele acabou aprendendo a nadar, embora não tivesse gostado
nada da experiência.
Allun deu um sorriso amarelo:
- Ah, sim. Em Rin, é diferente. Em Rin, você precisa saber fazer
tudo, ter todas as habilidades físicas que alguém pode ter. Se não,
você é considerado um inútil. Mesmo que viva longe, no meio do
continente. Mesmo que você precise viajar um dia e uma noite
para aprender a nadar e fique um ano inteiro ou a vida toda sem
precisar nadar. Mesmo assim, você precisa saber nadar. Da mesma
forma que você precisa saber escalar, lutar, correr, etc, etc, etc.
Esse tipo de coisas em Rin c visto como muito importante.
- Mas elas são importantes - Marlie disse. - As pessoas
precisam estar preparadas para qualquer aventura com que
possam se deparar. Como agora, por exemplo, Allun! - ela o
encarou desesperada. - Então, você não aprendeu a nadar quando
era criança. Lamentável. Mas por que raios você não aprendeu
quando chegou a Rin?
Allun a encarou:
- Eu já não era engraçado e ridículo o suficiente? Eu, o garoto
viajante, magricela e desengonçado que nunca tinha usado
sapatos e não conhecia nada da aldeia e de como vocês viviam?
Aos 10 anos, é muito difícil lidar com as brincadeiras de outras
crianças. O Rowan pode confirmar isso para você.
Ele dirigiu o olhar para Rowan, que confirmou com a cabeça,
era silêncio. Então ele estava mesmo certo. Allun realmente
entendia como ele se sentia.
Marlie segurou no braço de Allun:
-Eu compreendo, Allun. Mas você poderia ter perguntado
alguma coisa sobre aulas de natação...
Ele a criticou:
-Não, você não compreende nada, Marlie. O que eu iria fazer?
Deixar aqueles moleques estúpidos que tinham aula comigo
saberem da minha fraqueza e me fazerem de palhaço? Eu
também não podia aprender escondido. Não tem água em Rin, a
não ser pelo córrego e pelo lago dos bukshas. Eu teria que pedir
que me levassem para o rio da planície junto com as crianças de
3 anos! Como o Ellis teria se divertido com isso! - ele encolheu os
ombros e fez uma careta engraçada. - Como se pode imaginar,
quanto mais eu adiava, mais impossível ficava - ele acrescentou.
- Quando me dei conta, eu tinha me tornado aquele ser
impensável: um adulto de Rin que não sabia nadar - ele soltou
um sorriso. - Mas é claro que isso não fazia diferença - ele
completou em tom brando. - Não muita. Até agora. Jonn Forte
balançou a cabeça:
-Deve haver um jeito - ele começou. - Se você...
-Jonn, você tem que aceitar isso, como eu aceitei. Eu não sei
nadar. Nada - Allun reafirmou. - Então, se você está pensando em
ajudar esse patinho feio puxando-o pela asa inútil, acho melhor
você pensar de novo. A água está muito gelada. Vocês já vão ter
trabalho suficiente só para tentarem se manter com a cabeça fora
da água. Imaginem tentarem impedir que eu me afogue também.
As cordas não vão chegar até o outro lado. Então essa idéia
também não vai dar certo.
- Allun... É por isso que você nunca vai para o litoral nas trocas
de mercadoria... - Jonn ficou encarando o companheiro pensativo.
-Sempre fiquei imaginando...
- Bem, agora não precisa mais imaginar - Allun sorriu, mas
virou o rosto.
Marlie mordeu o lábio:
- Você não pode voltar para Rin sozinho, Allun - ela deixou
escapar.
-Sem um parceiro, o pântano será fatal.
- Já pensei nisso - Allun esfregou as mãos no casaco, como se
retirar a lama seca que ainda estava grudada ali fosse o mais
importante para ele. - Vou acampar na entrada da caverna. Espero
vocês lá – ele deu um sorriso amargo. - Achei que eu seria um
herói de Rin. Que iria mostrar para todo mundo o que um meio-
viajante é capaz de fazer. Quem poderia esperar que uma fraqueza
tão insignificante fosse o meu fim?
E que por causa do meu orgulho besta eu decepcionaria meus
amigos? - ele não olhava nos olhos de Jonn Forte. - Eu daria tudo
para que não precisasse ser assim. Perdoem-me.
"Sele corações seguirão pelas temíveis trilhas. De sete formas
cairão nas armadilhas."
Mas Jonn o interrompeu com a mão:
- Não há nada para pedir perdão, velho amigo. Espere até que
voltemos. Faça mais tochas se conseguir encontrar madeira boa.
Vamos precisar - ele hesitou e continuou em tom mais baixo,
depois que virou a cabeça para longe de Rovvan, que ainda
conseguiu ouvir o que ele disse. - Se não voltarmos em três dias,
Allun, você não precisa mais esperar. Você terá que dar um jeito
de voltar para Rin. Para aqueles que nos amam. É melhor que eles
fiquem sabendo do pior do que não fiquem sabendo de nada.
Estamos de acordo?
- Sim - Allun pegou a mão de Jonn e a apertou com força.
- Então vamos - Marlie disse. Seus olhos estavam cheios de
lágrimas. Ela abraçou Allun. - Nós vamos voltar - ela sussurrou.
-Cuide-se.
- Você também, Marlie.
Jonn, Rowan e Marlie retiraram as botas e as roupas mais
pesadas e as enfiaram nas mochilas. Então, tremendo de frio, eles
entraram na água e começaram a nadar.
Eslava realmente muito gelada. Tão gelada que a pele de
Rowan ardeu e depois ficou dormente. A água entrava por sua
boca, cortante e amarga. Eles se arrastaram pelo lago negro,
movendo-se de lado em direção às linhas iluminadas. Com a mão
direita, eles golpeavam a água; com a esquerda, seguravam as
mochilas que se arrastavam atrás deles, meio fora e meio dentro
da água.
Enquanto Rowan nadava, milhares de coisas desconhecidas
encostavam em seus pés e pernas. Ele cerrava os dentes só de
imaginar o que seriam, mas continuava se empurrando para a
frente com um braço que ficava mais pesado e mais devagar a
cada momento. Em instantes, ele estava em pânico, mas pior que
a dor de continuar nadando era a idéia de se afundar naquele
buraco negro e nunca mais ter luz e ar novamente.
Então, sua mão bateu em uma rocha e, cheio de alívio, ele
percebeu que poderia ficar em pé. Ele olhou para cima. O enorme
rosto de pedra pairava sobre ele. Marlie já estava saindo do lago,
tossindo e pingando. Atrás dele, Jonn Forte ergueu sua mochila
para fora da água quando também chegou até a beira. Eles se
viraram e gritaram para Allun, que aguardava ansioso do outro
lado. Eles estavam todos cobertos pela escuridão, por isso Allun
não poderia vê-los, mas ele levantou a tocha bem alto em
resposta aos gritos dos companheiros. Pelo menos ele sabia que
eles estavam a salvo.
Marlie se agachou e estendeu a mão para ajudar a puxar
Rowan para o lado dela. Os dentes do garoto batiam tanto que ele
não conseguia nem falar. Ele ficou pulando para tentar se aquecer.
Com os dedos gelados e muito trêmulos, Marlie abriu a mochila
dele e pegou as roupas que ele tinha tirado antes de se jogar na
água.
- Tire suas roupas molhadas e vista estas antes que você
morra
congelado - ela recomendou. - Estão um pouco úmidas, mas é
melhor
do que nada.
Rowan sabia que não conseguiria fazer aquilo. Não na frente de
Marlie. Ele não se trocava mais nem na frente da própria mãe. Ele
vacilou um pouco.
- Ah, tenha dó, Rowan! - Marlie exclamou espantada e meio
irritada, segurando as roupas dela. - Você foi atacado por aranhas
gigantes, ficou prestes a se afundar em um pântano, acabou de
quase congelar e se afogar nesse lago e agora está com vergonha
de trocar de roupa na minha frente?! Você não acha isso ridículo?
- Nem um pouco - Jonn Forte sorriu, surgindo atrás deles. - Eu
entendo perfeitamente. Há coisas que um homem simplesmente
não consegue fazer. Sugiro que você se vire para lá, Marlie. Assim
podemos preservar nossa intimidade e nos aquecermos o mais
rápido possível.
As tochas estavam úmidas, mas finalmente eles conseguiram
acender uma. O mapa, que estava bastante enrolado e muito bem
protegido pelas roupas de Rowan durante a
travessia, havia sobrevivido. Jonn e Marlie se agacharam ao lado
de Rowan enquanto o garoto desenrolava e abria o mapa sobre os
joelhos.
As linhas vermelhas continuavam para cima, fazendo curvas e
mais curvas. E, no espaço em branco seguinte, tinha aparecido
mais um poema, como Rowan havia imaginado:

"Para onde seguir: esquerda ou direita? Nos dois


caminhos o fracasso está à espreita. Um c amigo, o outro
é selvagem. Em um está a cilada; no outro, a passagem.
Vá por aquele que encobre a luz em seu leito e você
saberá que está seguindo tudo direito."

Os três levantaram a cabeça na direção do enorme rosto de


pedra. Os olhos brilhantes ainda emitiam reflexos sobre a água.
Agora que eles estavam bem ali embaixo, podiam ver que os
olhos eram ocos. Eram entradas. Mas para quê? Qual dos dois era
a saída que levaria ao topo da Montanha? Rowan baixou a cabeça
para estudar o mapa outra vez.O desenho não dava nenhuma
dica. Não havia marca nenhuma indicando as passagens gêmeas.
As únicas dicas estavam no poema.
- Vamos dar uma olhada nos dois e então decidimos - Jonn
sugeriu.
Mas, depois que eles escalaram o rosto de pedra e espiaram
para dentro dos olhos, descobriram que as duas grutas pareciam
iguais. As duas paredes cintilavam com um estranho bolor
levemente azulado que brilhava na escuridão. As duas tinham
aparentemente o mesmo tamanho e formato, embora a da
esquerda fosse um pouco mais alta e larga que a da direita. E das
duas saía o som de suspiro, de respiração.
- Como assim, "um é amigo, o outro é selvagem"? - Marlie
questionou. - Os dois caminhos são iguais!
- O poema diz que devemos escolher aquele que encobre a luz -
Rowan observou. - Talvez a gente deva tentar um de cada vez
para ver onde a chama da tocha fica tremendo e depois se apaga
por causa do vento, por exemplo.
Marlie deu alguns passos e se mostrou incomodada,
balançando a cabeça para tirar os cabelos que caíam sobre os
olhos.
- Certo - Jonn Forte concordou. - Vamos tentar primeiro o
caminho da direita. Talvez o último verso esteja falando a pura
verdade, como no pântano. Ele diz "seguindo tudo direito". Talvez
queira dizer que devemos ir pelo lado direito.
Eles levantaram a tocha, sinalizando para Allun, c o viram
levantar a dele e se virar para começar sua jornada solitária de
volta até a entrada da caverna. Então os três escalaram em
direção à passagem da direita. De imediato ela fez uma curva,
depois outra, e logo Rowan perdeu a noção de direção.
Ele conseguia caminhar de pé, mas Marlie e Jonn tinham que
inclinar um pouco a cabeça, pois o teto era baixo. Eles
caminharam com dificuldade, tropeçando no chão de pedras. A
chama da tocha queimava com um brilho mais intenso que nunca.
Então, de repente, eles foram obrigados a parar. Na frente deles, a
passagem, antes quase como uma gruta, agora se estreitava para
um túnel pequeno, em que mal se podia engatinhar.
-E isso - Marlie ofegou. - Uma bela de uma cilada. Agora vamos
tentar o caminho da esquerda. Era demais esperar que a Sheba
nos desse uma dica tão óbvia.
Foi mais fácil caminhar pela passagem da esquerda. No começo,
ela era rela c mais larga que a outra. O chão era de areia, bastante
regular. Mas a chama da tocha não tremulava. Eles continuaram
andando, virando e virando, em um caminho cada vez mais
confuso. O mapa nunca tinha deixado de ajudá-los antes.
O som de respiração estava mais alto agora. Ele atormentava
os ouvidos e sussurrava em volta deles. Rowan começou a sentir
um cheiro. Um cheiro de umidade e mofo. E de uma escuridão fria.
Primeiro ele achou que fosse sua imaginação. Depois, o bolor
preso às paredes. Ele esfregou os dedos na parede e os cheirou.
Não. Pelo que ele percebeu, o bolor não tinha cheiro nenhum.
Jonn Forte, que estava na frente, diminuiu o ritmo e finalmente
parou quando o túnel fez mais uma curva.
- Continue, Jonn - Marlie pediu impaciente. - Quanto mais
rápido a gente for, mais rápido a gente sai daqui!
- O túnel vai começar uma descida bastante puxada - Jonn
disse. - As paredes são bem lisas, não há nenhum lugar para
apoiar as mãos c vai ser mais difícil firmar os pés no chão por
causa da areia.
- Não gosto deste lugar - Rowan murmurou. - Parece mais
amigável, como o poema disse. Mas também parece perigoso.
"Um é amigo, o outro é selvagem. Em um está a cilada; no
outro, a passagem."
Seu peito se encheu de medo.
- Bobagem - Marlie disse. - Não temos saída. O outro caminho
está bloqueado.
- Não totalmente bloqueado -Jonn disse, virando-se para ela.
-Há espaço para continuarmos rastejando. Vai ser um caminho
cruel, mas talvez seja o único. Lembrem-se de que o poema rima
"selvagem" com "passagem". E eu concordo com o Rowan. Esse
lugar aqui tem cheiro de morte.
- Vocês são dois loucos!
Com a respiração curta e ofegante, Marlie deixou Rowan para
trás. Ela apanhou a tocha flamejante das mãos de Jonn, passou
apressada por ele, deu dois passos e escorregou. Ela cambaleou
na areia instável sob seus pés, tentando se levantar enquanto a
tocha deslizava de suas mãos sobre a descida, pulando e girando.
Então a tocha caiu. Caiu no terrível penhasco que havia no fim
do túnel. Caiu, caiu e caiu enquanto Marlie gritava. A tocha atingiu
o fundo com um ruído repugnante.
Os dois puxaram Marlie para junto deles enquanto saíam do
túnel aos tropeços, quase correndo. Seus corações baliam com
violência diante da idéia do horrível destino do qual tinham
escapado. Mais um minuto, ou meio minuto, e eles também
teriam caído indefesos, indo direto para a morte no penhasco
subterrâneo. Tropeçando na última curva, eles caíram de joelhos
na entrada do túnel. Marlie tremia:
-Sinto muito. Sinto muito - ela não parava de dizer.
Rowan lambem estava tremendo. O rosto queimado de sol de
Jonn Forte demonstrava preocupação e ele se levantou com
esforço:
-Vendo o lado bom da coisa, como Allun diria - ele começou,
tentando sorrir -, pelo menos agora sabemos que a passagem do
lado direito é mesmo o caminho certo. O túnel é estreito, mas, se
deixarmos nossas mochilas e levarmos só o que couber nos
bolsos, conseguiremos passar. Vamos ter que rastejar. E rezar
para que não seja muito longo.
Rowan engoliu em seco, pensando naquele buraco escuro e
apertado que tinham visto na caverna da direita. Era
assustadora a idéia de entrar por ele engatinhando, sem a
mínima idéia de para onde ele estava indo ou quando aquele
martírio iria acabar. A linha vermelha no mapa era comprida.
Bastante comprida. Mas ele não comentou nada. O outro
caminho tinha se revelado mesmo uma cilada. Eles quase
tinham morrido. Se queriam chegar ao topo da Montanha, teriam
que rastejar pelo túnel escuro. Então, era o que fariam.
Eles acenderam outra tocha e se aproximaram da borda da
passagem à direita. Entraram por ela e seguiram por uma curva
fechada, que tirou de imediato a visão do lago reluzente. Rowan
respirou fundo quando se deu conta da verdade: "Vá por aquele
que encobre a luz em seu leito."
Era essa a luz a que o poema se referia. Não a luz da tocha,
como eles tinham pensado, mas a luz refletida no lago, que
desaparecia da vista deles com a curva do túnel da direita e que
permanecia visível mesmo depois de minutos de caminhada no
caminho reto da esquerda. Eles não tinham entendido os versos
outra vez. "Vá por aquele que encobre a luz em seu leito e você
saberá que está seguindo tudo direito." A resposta estava ali,
óbvia, duas vezes, na frente deles. E, mesmo assim, eles tinham
errado tudo.
Quando eles chegaram ao ponto em que a passagem se
estreitava, Jonn, Marlie e Rowan abriram suas mochilas e
começaram a transferir as coisas mais importantes para os bolsos.
Eles pegaram a corda e a amarraram em suas cinturas, um no
outro. Não havia dúvidas de que nenhuma mochila caberia
naquele buraco minúsculo. Jonn Forte e Marlie quase tampariam o
buraco todo. Para eles, rastejar ali dentro seria penoso e
desconfortável, sem possibilidade de voltar.
-Antes de começarmos, vamos comer - Jonn disse, apontando
para a comida que tinham deixado de lado. - Não sabemos
quando vamos poder comer outra vez.
Rowan se agachou no chão e começou a mordiscar um pedaço
de pão com queijo. Seu estômago estava vazio, mas também
bastante inquieto por causa do medo e da água amarga que havia
engolido no lago negro. Ele pensou que nunca tinha sentido tão
pouco prazer em uma refeição antes.
Marlie se curvou sobre sua mochila com a respiração
acelerada. Ela rejeitou a comida que Jonn a ofereceu. "Será que
ela está passando bem?", Rowan imaginou. Ela não parecia ser
ela mesma desde que entraram nas cavernas, a não ser pelos
instantes em que nadaram no lago. E agora ela estava claramente
perturbada. O suor pingava de sua testa e ela mordia os lábios
enquanto puxava seu cobertor e o deixava de lado com os dedos
trêmulos.
- Marlie - Jonn Forte chamou em voz baixa.
O corpo dela se enrijeceu, mas ela não ergueu a cabeça.
-Marlie - ele chamou outra vez. - É o túnel, não é? É o túnel
apertado que a está deixando preocupada.
- Não estou com medo - Marlie negou em voz alta, mas ainda
sem levantar o olhar.
- Depois que começarmos, Marlie, não há como voltar - Jonn
disse. - Se você acha que não consegue fazer isso, tem que dizer
agora. Você está apreensiva desde que entramos nas cavernas.
Todos percebemos. Você tem medo de lugares fechados.
- Não tenho não! Não estou com medo - Marlie repetiu. Mas sua
voz estava tensa. Ela jogou a cabeça para trás e olhou nos olhos de
Jonn. Ela tremia de medo e tensão. - Estou pronta - ela disse. -
Vamos em frente.
Ela caminhou até a estreita abertura e se jogou no chão.
Devagar, Marlie começou a se retorcer para entrar no túnel. Os
dois viram a cabeça e os ombros dela desaparecerem no meio da
escuridão. Então, seu tronco e depois suas pernas e seus pés. A
agonia de Marlie era tão intensa que os dois tiveram a sensação de
que era algo com vida própria. Mas eles não tinham nada a fazer
além de esperar. Eles só puderam agir quando a força dela
finalmente não foi mais suficiente e ela começou a gritar e chamar
por eles e a bater nas paredes de pedra. Somente I quando isso
aconteceu é que eles a puxaram para fora daquela prisão
sufocante que o medo dela havia construído e a ajudaram a
respirar de novo e acalmaram seu choro.
- Achei que conseguiria vencer meu medo - ela soluçou. - Achei
que dessa vez, por ser algo tão importante, eu conseguiria. Mas é
maior que eu, Jonn. Sempre foi - ela enfiou o rosto nas mãos.
- Está tudo bem, Marlie. Marlie, acalme-se - Jonn a confortou.
- Não gosto de nenhum lugar fechado - Marlie sussurrou. - Mas
quando não consigo levantar minha cabeça e meus ombros, quando
não consigo mexer meus braços à vontade, é como se eu não
conseguisse respirar. Tenho medo até de me enrolar em um
cobertor - ela ergueu a cabeça e buscou mais ar.
-Percebi. Noite passada - Jonn disse sorrindo. - Achei que talvez
você só não estivesse com muito frio.
-Quase morri congelada! - Marlie conseguiu retribuir o sorriso.
-Jonn, sinto muito. E, Rowan... O que vamos fazer agora?
Vamos fazer o que precisa ser feito - Jonn respondeu
simplesmente. - Eu vou continuar. Você tem uma bússola e o
Rowan está com o mapa. Vocês dois se encontram com o Allun e
voltam juntos para Rin. Se seguirem com todo o cuidado o
caminho que fizemos e se lembrarem...
Marlie o encarava horrorizada:
- Mas você não pode ir sozinho! Jonn, não dá!
- Marlie, eu tenho que ir. Você sabe disso.
- Não! - Rowan ouviu a própria voz, ecoando alta no buraco da
caverna. Ele sentiu seu rosto queimando. - Você não pode me
mandar de volta para casa. Eu estou com o mapa e você precisa
dele. Há mais dois espaços em branco faltando. São mais dois
poemas com avisos que ainda faltam. Você precisa saber o que
eles dizem, Jonn Forte. Você precisa me levar com você.
- Não posso fazer isso, Rowan - Jonn balançou a cabeça.
- Eu não vou voltar - Rowan insistiu. - Você não pode me
obrigar a voltar - ele correu até a entrada da passagem estreita e
se sentou na frente dela. - Eu tenho que segurar o mapa para
você - ele continuou.
-E tenho que encontrar a água para os bukshas. Eu prometi
para eles - e ergueu o queixo.
Jonn o encarou, em silêncio, sem saber o que fazer.
Marlie esboçou um sorriso.
-Parece que você encontrou o seu igual, Jonn Forte. Com o filho
e com a mãe - ela observou Rowan atentamente, com um olhar
curioso. -Quem diria?
Jonn hesitou e então deu o braço a torcer:
-Muito bem - ele suspirou. - Então, o que tiver de ser será. E a
Sheba terá o que quer - ele colocou a enorme mão sobre o ombro
de Marlie. - Adeus, Marlie. E boa sorte no seu caminho de volta
para casa. Lembre-se de que tudo o que aprendemos. Dessa vez,
você estará bem preparada para enfrentar os perigos. Você irá
conseguir. Diga para Allun que nós quatro nos encontraremos de
novo em Rin - ele deu dois passos largos e ficou ao lado de Rowan. -
Vamos, então, antes que um de nós mude de idéia, coelhinho
magricela. Você primeiro.
- Tomem cuidado - Marlie pediu quando os dois desapareceram
dentro do túnel. - Tomem cuidado, Jonn Forte e Rowan, guardião dos
bukshas.
Sua voz ecoou na caverna atrás deles e então deu lugar ao
silêncio.
"Agora", Rowan pensou no meio das trevas, "somos dois".
Rowan seguia rastejando com os olhos fechados com força. Ele
chegou à conclusão de que assim era melhor do que encarar a
escuridão que suspirava à frente. Suas mãos sangravam, esfoladas
e cortadas pela rocha. Suas pernas doíam de cansaço. Ele podia
ouvir Jonn Forte se arrastando atrás dele, gemendo de esforço
enquanto lutava contra as paredes que pressionavam seus ombros
largos. Já havia um bom tempo que eles não trocavam uma
palavra.
A passagem havia feito curvas e ido para lá e para cá várias
vezes. Eles rastejavam e descansavam um pouco, rastejavam e
descansavam. Um ritmo apavorante que se repetia o tempo todo.
Duas vezes eles acabaram adormecendo e acordaram no meio da
escuridão, um chamando pelo outro em pânico. Agora eles já não
sabiam mais por quanto tempo estavam dentro daquele túnel. Não
sabiam nem se era dia ou se era noite. Tudo o que sabiam era que
estavam subindo. Só iam para cima, para cima e para cima.
"Sete corações seguirão pelas temíveis trilhas. De sete formas
cairão nas armadilhas." As palavras de Sheba ecoavam na mente
exausta de Rowan. A Montanha já tinha vencido cinco vezes. De
cinco formas distintas, cinco corações valentes tinham sido
forçados a abandonar a jornada envergonhados. Ellis, Bronden,
Val, Allun e Marlie. Todos tinham ido embora. Agora só restavam
ele e Jonn. Os dois últimos corações a caírem nas armadilhas da
Montanha.
O túnel se estreitou mais ainda e Rowan se deparou com outra
curva. Em desespero, ele ouviu as botas e as roupas de Jonn Forte
se esfregarem contra a rocha. Jonn ofegava, lutando para se
mover, e então se estirava imóvel no chão. Todos os movimentos
de Jonn eram dificultados pelas paredes do túnel, que o
espremiam e apertavam. Durante todo esse tempo, ele não tinha
conseguido alcançar o seu cantil ou o de Rowan para beber um
gole de água. Ele estava exausto. E Rowan também. Se eles se
deparassem com algum bloqueio, como uma pedra caída no meio
do caminho ou qualquer outra coisa, estariam perdidos. Rowan
sabia que não teria força suficiente para tirar o obstáculo do lugar,
e Jonn estava praticamente preso atrás dele. Rowan foi tomado
pelo pânico, como tantas vezes desde que aquela jornada terrível
havia começado. Ele apertou mais ainda os olhos e respirou bem
fundo. Ele tinha descoberto que isso era o que o acalmava um
pouco.
Estrela também ajudava. Rowan rastejou pela curva, pensando
em Estrela, a coisa mais tranqüila e amável que ele conhecia. Ele
se imaginou caminhando ao lado dela em direção ao lago dos
bukshas ao cair da noite, com a mão sobre o pelo dela, a brisa
fresca batendo contra seu rosto. O medo dentro dele desapareceu.
A imagem em sua mente ficou cada vez mais intensa. Agora ele
praticamente podia ver o lago dos bukshas e Estrela baixando sua
cabeça para beber. Ele quase podia sentir o cheiro da grama
amassada pelas pegadas dos animais, o cheiro das flores no
pomar. E quase podia sentir a brisa fresca em seu rosto. Ele sorriu
na escuridão. Era extraordinário. Ele podia mesmo sentir a brisa.
Era como se...
Rowan arregalou os olhos. Ele ficou encarando o nada, molhou
os lábios com a língua e gritou quando a brisa, fresca, fria, quase
congelante, bateu em seu rosto:
- Jonn! - ele berrou. - Venha! Chegamos! Chegamos! Ele se
arrastou cada vez mais rápido, ignorando suas mãos machucadas
e pernas doloridas, em direção à origem daquele vento gelado e
da fraca luz branca que se mostrava para ele. E, logo atrás, com um
último e desesperado esforço, Jonn se aproximou, rastejando.
Minutos depois, ainda em agonia, os dois estavam deitados um
ao lado do outro sobre o chão de uma gruta baixa que se abria
para o ar livre. Estava um frio terrível. Lá fora, o vento uivava no
meio da brancura da neve iluminada pela lua.
- Água - os lábios rachados de Jonn Forte gemeram.
Enquanto segurava o cantil na boca de Jonn, Rowan olhou para
ele apavorado. As roupas de Jonn haviam sido rasgadas pelas
pedras em muitos lugares, onde a pele estava esfolada e
sangrando. 0 rosto dele estava cinza de tão pálido. Seus olhos
permaneciam fechados. A água saiu de sua boca formando bolhas
de ar e pingou sobre o chão. Ele tremia sem parar.
Alguns gravetos e folhas secas que haviam sido empurrados
pelo vento estavam amontoados no canto da caverna. Rowan os
juntou um pouco mais, procurou o isqueiro de Jonn e acendeu uma
pequena fogueira. O fogo fez muita fumaça e estalou bastante, mas
afinal começou a aquecer um pouco o ambiente.
Jonn Forte continuava deitado, imóvel. Rowan ficou esperando,
esfregando as mãos uma na outra. Depois de um tempo, o rosto
de Jonn começou a ganhar um pouco de cor. Ele se mexeu e abriu
os olhos.
- Estamos acima da nuvem, Rowan - ele murmurou. - Acho que
ficamos dentro do túnel por uma noite, um dia e um pedaço de
mais uma noite. A essa hora, se estiverem a salvo, Allun e Marlie já
chegaram a Rin. E nós estamos quase no fim da nossa jornada. O
mapa...
Rowan desenrolou o pergaminho. Ele seguiu com os dedos o
caminho que tinham feito até ali, que passava pela nuvem.
-Estamos quase no topo da Montanha - ele disse devagar. – E
perto de nós, bem perto, deve haver outra caverna ou alguma
coisa do tipo. Bastante grande. E profunda. A linha vermelha
termina ai...
Ele vacilou. Seus olhos tinham se direcionado para o penúltimo
espaço em branco.
-E o poema? - a voz de Jonn estava bastante fraca. - Leia o
poema.
Rowan leu os versos em voz alta, com o mapa sacudindo em
suas mãos trêmulas:

"Fogo, água, terra e ar, todos se encontram onde


o Dragão faz seu lar. Desistiram da jornada seis
almas de coragem, agora só uma continua a viagem.
Mantenha as palavras que sabe em sua mente quando
seu destino estiver à sua frente."

-Então - Jonn disse e fechou os olhos outra vez. "Só continuará o


de alma mais valente..."
-Mas, Jonn, o poema não está certo! - Rowan exclamou. –
Somos dois. Dois!
Jonn umedeceu os lábios com a língua:
-Não, Rowan. Eu não consigo mais. Você vai ter que me deixar
aqui e ir sozinho ao amanhecer. Como a Sheba previu - ele virou o
rosto para o outro lado.
"Quando o sono for a morte e a esperança estiver ausente." A
fogueira soltou uma última faísca e se apagou. "Quando o sono for
a morte..."
-Jonn! - Rowan gritou apavorado. Ele sacudiu o ombro de Jonn
com tanta força que o homem se mexeu e gemeu. - Jonn, não
durma! Está frio demais. Você está muito fraco. Você vai congelar!
Vai morrer! Jonn, acorde!
Jonn não se mexeu. Rowan soluçou e bateu os punhos contra o
chão.
-Jonn, eu não posso continuar sozinho! Você sabe disso! A
Sheba não previu isso! A Sheba disse que o de alma mais valente
iria continuar. Foi isso o que ela disse. E eu não sou o mais
valente. Eu tenho medo de tudo! De tudo!
Os lábios pálidos de Jonn se curvaram:
-Isso mesmo, coelhinho magricela. Você tem medo de tudo –
ele murmurou. - E com medo você subiu a Montanha. Com medo,
você encarou os perigos dela. E com medo você seguiu em frente.
Isso é ser valente de verdade, Rowan. Somente os tolos não têm
medo. A Sheba sabia disso. A Sheba sempre soube de tudo.
Rowan arregalou os olhos e, aos poucos, foi ficando
completamente calmo. Ele sabia o que tinha que fazer.
- Durma agora - ele sussurrou. - Eu cuido de você.
Rowan se arrastou até a entrada da caverna, retirou sua
jaqueta e a enrolou em volta das mãos. Então ele as mergulhou na
neve e começou a construir uma parede de gelo ao redor da
entrada, preenchendo o espaço vazio até que restou somente um
pequeno buraco por onde o vento podia passar. Ele demorou um
bom tempo e, apesar da jaqueta, suas mãos tremiam de frio
quando ele finalmente ficou satisfeito com o trabalho.
Jonn Forte estava deitado no chão ao lado das cinzas da
fogueira. Já estava mais quente ali dentro, mas ainda não o
suficiente para que ele ficasse a salvo. Rowan vestiu a jaqueta de
volta. Atordoado de cansaço apanhou algumas pedras e as
colocou entre as cinzas. Então ele pousou sobre elas as duas
tochas que ele e Jonn tinham carregado pela Montanha. Rowan as
acendeu e ficou observando quando elas se inflamaram e depois
diminuíram para chamas mais calmas que Ficariam ardendo por
algum tempo. Ele se aconchegou ao lado de Jonn, bem perto, para
aquecê-lo com seu corpo.
As tochas esquentariam o ar, esquentariam as pedras. As
pedras iriam manter o calor mesmo depois que as chamas se
apagassem. "E a esperança estiver ausente..." Não, o poema não
estava completamente certo. Rowan ainda tinha sua alma e sua
esperança. E agora, com sorte, o dia iria amanhecer e encontraria
os dois vivos. Então eles decidiriam o que fazer.
Rowan finalmente fechou os olhos e adormeceu.
Seu sono foi profundo e sem sonhos. Quando ele acordou, sua
primeira impressão foi a de que não havia passado um minuto.
Mas então ele viu a luz fraca que iluminava a caverna pelo buraco
na parede de neve e ouviu o silêncio. Já estava amanhecendo e o
vento havia diminuído.
Rowan se sentou e, com o coração a mil. observou Jonn. Ele
estava aquecido... e respirando.
Gentilmente, Rowan tocou em seu ombro:
- Jonn - ele sussurrou. - Jonn! Acorde. Já é de manhã. Temos
que ir. Nós dois.

***

Eles se arrastaram pela neve, com Jonn Forte se apoiando no


ombro de Rowan. Enquanto eles caminhavam, as botas afundavam
na brancura macia, fazendo buracos gelados na neve, que
ganhava um tom azulado. Os rastros de animais que tinham saído
à caça de comida durante a noite cruzavam o caminho, mas os
animais em si não foram vistos. Rowan teve a impressão de ver
um focinho pontudo se movimentando em uma toca, mas, em um
piscar de olhos, não havia mais nada, o que quer que fosse.
Nuvens pesadas flutuavam em volta deles. Acima, eles podiam
ver o céu atrás de um véu de neblina. O céu estava claro, com um
tom pálido de rosa. "Deve estar um dia bonito em Rin", Rowan
pensou, voltando o olhar para trás, embora soubesse que não
conseguiria ver nada. Rin estava em algum lugar lá embaixo, mas
a nuvem escondia o vilarejo. Ele apalpou a bússola de Jonn em seu
bolso e o mapa em seu cinto. "Com eles vou encontrar o caminho
de volta", ele prometeu a si mesmo. "Não importa quanto tempo
leve, vou voltar para Rin junto com o Jonn Forte. Vou ver minha
mãe de novo, e a Estrela e o lago dos bukshas ao amanhecer. Sei
que vou!"
Ele se virou para a frente e espremeu os olhos, tentando ver
através da nuvem. Jonn se esforçava atrás dele, com a respiração
cada vez mais difícil e rápida. Agora ele se apoiava com mais força
sobre o ombro de Rowan, mas ainda caminhava sem reclamar.
Rowan sentia muita pena de vê-lo sofrer tanto, porém admirava a
coragem do companheiro.
- Tudo certo, Jonn? - ele perguntou no tom mais alegre que
conseguiu. - Estamos quase lá.
De repente, ele foi invadido por uma lembrança. Um eco da voz
de Jonn Forte dizendo exatamente as mesmas palavras para ele.
Do mesmo jeito, na primeira manhã, enquanto eles se afastavam
de Rin. Rowan prendeu a respiração. Será que Jonn sofreu por ele
naquele momento como Rowan sofria por ele agora? E pelas
mesmas razões? Será que ele estava errado, completamente
errado, cm relação a Jonn o tempo todo?
-Rowan! - Jonn apertou o ombro do garoto. - Acho que estou
vendo alguma coisa.
Havia algo surgindo no meio da nuvem, atrás de uma parede
natural de pedras cobertas pela neve. Era branco nas bordas, e o
meio era de um azul pálido e ao mesmo tempo brilhante. Era
enorme, alto e largo. Acima daquilo, havia somente o céu.
-Chegamos ao topo - Rowan sussurrou. Seu coração acelerou. -
Mas...?
Devagar, os dois se aproximaram. E, à medida que chegavam
mais perto, iam compreendendo. Todo o topo da Montanha era
oco, dando espaço para uma enorme caverna de pedra, neve e
gelo. As paredes da caverna se elevavam em direção ao céu, com
o reflexo do sol nascente parecendo uma fogueira branca. "Fogo,
água, terra e ar..." Um tapete grosso de neve cobria o chão, da
entrada até a parede de pedra onde eles estavam.
Rowan observou. Não havia som nenhum. Nenhum rastro
deixado sobre aquele tapete de neve. Nada havia passado por ali
no último dia. Talvez em vários dias.
Ele ajudou Jonn a cruzar as pedras enquanto se dirigiam para a
entrada da caverna e olhavam com cuidado o que havia lá dentro.
Tudo branco. Não havia nada além de um branco ofuscante e de
um sombreado azul. Enormes cones de gelo se penduravam de
cima da entrada e do teto da caverna. Estranhas formas de gelo
cobriam as paredes e cresciam do chão. E todo o resto era neve. A
vista dos dois foi ofuscada por tanto branco. Eles continuaram,
subindo pelas saliências de gelo c pelas dunas de neve que
cobriam o chão. Admirados, eles piscavam os olhos.
Rowan se virou para falar com Jonn e viu a expressão dele
mudar.
Uma expressão de horror...
Então o chão tremeu sob os pés deles. A neve se espalhou e um
imenso rabo se moveu violentamente, fazendo Rowan cair de
costas no chão e Jonn Forte ser arremessado com força contra a
parede. Gritando, Rowan viu o fundo da caverna criar vida, abrir os
olhos cor de sangue e fungar para ele, balançando-se para retirar
a neve e o gelo de cima de suas brancas escamas cintilantes
enquanto exibia suas presas. Enormes. Impressionantes. Terríveis.
As presas do Dragão da Montanha.
Rowan gritou na expectativa do bafo quente, das presas e
garras furiosas que o matariam. Mas eles não vieram.
Tomado de medo, ele destapou os olhos. O Dragão estava
muito perto, observando o garoto. Seus olhos estreitos, parecidos
com os de cobra, encaravam Rowan diretamente, intimidando- o.
- Jonn - Rowan chamou cm voz baixa, sem desviar o olhar. -
Jonn Forte?
- Estou aqui - Jonn respondeu. - O rabo desse monstro me
prendeu contra a parede. Não consigo me mexer. Rowan, tente se
salvar.
O Dragão resmungou. Ele virou a cabeça na direção da voz de
Jonn e depois olhou de volta para Rowan. O Dragão inclinou seu
enorme corpo para baixo e colocou a pala sobre o pescoço, onde
feridas feitas há vários dias se cercavam de sangue ressecado.
Seus olhos pareciam um oceano vermelho de raiva e... de alguma
outra coisa. Rowan os encarou c, admirado, soube de que se
tratava: era a dor de um animal.
Devagar, o garoto se levantou, sem desviar o olhar.
- O que você tem? - ele disse em tom tranqüilo, com a
mesma voz
que usava para conversar com os bukshas.
O Dragão abaixou a cabeça e abriu a enorme boca: um gemido
saiu do fundo de sua garganta. Das presas afiadíssimas, golas
ralas de sangue pingavam sobre a neve, ao lado dos pés de
Rowan. Um bafo quente e malcheiroso bateu contra seu rosto.
Rowan se encolheu, mas outra vez o Dragão não atacou.
- Rowan! - Jonn Forte sussurrou. - Recue bem devagar e saia
daí. Você está com o mapa e com a bússola. Vai conseguir voltar
para casa. Você tem uma chance. Aproveite!
Rowan mal ouviu Jonn. Ele permaneceu olhando para as marcas
de arranhões no pescoço do Dragão. Uma idéia que estava
passando por sua cabeça de repente ficou clara. Ele passou os
olhos pela caverna. Nenhum osso, nenhuma carne. Somente a
neve recém-caída.
- Você está sem comer - ele murmurou para o Dragão como se
estivesse conversando com Estrela. - Não tem saído para caçar. E
mesmo
assim os seus dentes estão cheios de sangue.
Seus olhos cruzaram com os do Dragão. Muito tempo atrás, em
outro lugar e em um par de olhos bem diferente, ele tinha visto
aquele olhar. Se ele conseguisse conquistar a confiança do
Dragão... Ele tomou sua decisão e respirou fundo.
- Acho que sei o que está acontecendo. E posso ajudar você -
ele
disse. - Sou amigo. Amigo.
O Dragão encarou Rowan, sem piscar.
- Fique parado - Rowan pediu.
O garoto se aproximou. Ele olhou dentro da enorme boca
vermelha que pingava sangue e então se inclinou para dentro,
cada vez mais, até que encontrou o que estava procurando.
"Encare as presas do medo de que não gosta e veja clara e
certa a resposta."
O osso era afiado e bastante claro, branco. Estava entalado
entre um dente e a garganta do Dragão, como um graveto tinha
uma vez ficado preso na boca de Estrela. Rowan tinha tirado
aquele graveto. Agora, poderia tirar aquele osso.
Ele trabalhou com cuidado, consciente da agonia que o Dragão
estava sentindo. A criatura resmungou de novo. Um movimento
equivocado e aquelas terríveis presas se fechariam de imediato.
Bem aos poucos, Rowan conseguiu afrouxar o osso. Finalmente, ao
girá-lo com delicadeza, Rowan o soltou. Ele se afastou da boca do
Dragão e foi em direção a Jonn Forte enquanto segurava o osso
nas mãos.
- Agora... - ele disse gentilmente. - Agora nos deixe ir. Você
está bem. Pode sair e caçar. É só...
Os olhos do Dragão faiscaram. Ele se apoiou nas patas traseiras
e bateu as asas brancas, escamosas. Finalmente, estava livre
daquela dor horrível que o havia impedido de rugir e cuspir logo
por tantos dias. A dor que o havia impedido de caçar c voar pelos
céus sobre seu reino nublado. Ele estava livre... e faminto.
Ele rugiu. O som foi como o de um trovão, ecoando nas paredes
de sua loca. Pedaços de gelo caíram do teto da caverna e se
despedaçaram no chão, que tremeu com o impacto. O Dragão
rugiu outra vez, e chamas saíram de sua boca e de suas narinas,
derretendo a neve e o gelo. O ar foi tomado por uma mistura de
vapor, fumaça e fogo.
Enfim, o Dragão se virou para Jonn. Seus olhos vermelhos
revelavam sua fome. Ele não atacaria o garoto que o havia curado
com suas mãos gentis. Mas o homem... Aí a história era outra.
- Não! - Rowan gritou.
Ele correu para perto de Jonn, escorregando no chão agora
cheio de gelo se derretendo. Ele se jogou ao lado do homem
indefeso e o protegeu com o próprio corpo.
O Dragão virou e rugiu. Jonn grilou desesperado, quando o
movimento do animal o espremeu mais ainda contra a parede da
caverna. Rowan puxou sua faca e golpeou em pânico o rabo do
Dragão, mas a lâmina da faca se entortou e quebrou ao contato
com as brilhantes escamas brancas. Era inútil. O Dragão rugiu
cheio de raiva e cuspiu uma labareda que chamuscou os cabelos e
as sobrancelhas de Rowan. As chamas e os rugidos continuavam a
agredi-los sem parar. Os dois se apertaram um contra o outro em
busca de proteção.
- Rowan - Jonn gemeu. - Ele está tentando assustar você e
fazê-lo fugir. Ele só está interessado em mim agora. Saia enquanto
pode. Se não por você, por Jiller. Rowan, eu prometi a ela. Eu
imploro. Vá!
Mas Rowan não desistiria. Ele tinha que fazer o Dragão mexer o
rabo para que Jonn conseguisse escapar. Ele tinha que fazer isso
antes que o Dragão perdesse a paciência e acabasse matando os
dois. Mas ele não tinha arma nenhuma.
- O que eu faço? - ele gritou. - Eu não sei o que fazer!
"Mantenha as palavras que sabe em sua mente..."
- Que palavras? Que palavras? - Rowan gemia. - Ah, por favor...
- O mapa - a voz de Jonn Forte estava fraca ao lado dele.
-Rowan...
Rowan se curvou, tirou o mapa de seu cinto e o desenrolou.
"Mantenha as palavras que sabe em sua mente." O último espaço
em branco estava preenchido. As palavras flutuaram diante de
seus olhos. As palavras que ele realmente sabia, que ele tinha
ouvido pela primeira vez no meio de um enorme temor, que o
perseguiam em seus sonhos e atormentavam seus pensamentos
nos longos dias que haviam se passado:

"Sete corações seguirão pelas temíveis trilhas.


De sete formas cairão nas armadilhas.
Só continuará o de alma mais valente
quando o sono for a morte e a esperança estiver ausente.
Encare as presas do medo de que não gosta
e veja clara e certa a resposta.
As lembranças de casa deverá jogar fora
para terminar sua busca e ir embora."

Todas as profecias tinham se realizado, menos a última. A


última e a mais terrível. E agora era a hora.
Rowan enrolou o mapa e retirou do bolso a bússola de Jonn. E
aguardou pelo momento certo.
"As lembranças de casa deverá jogar fora..."
O Dragão balançou sua cabeça para trás e outra vez rugiu com
raiva. Ele exibiu seu pescoço empalidecido, arranhado e
machucado por suas garras na tentativa de tirar o osso engasgado
e acabar com a dor.
Com toda a força e o desespero que seu medo lhe dava, Rowan
atirou a bússola naquele alvo pálido e sensível. Ela atingiu o
pescoço do Dragão como uma pedra dura e afiada. O animal
gemeu e se mexeu violentamente, com dor e fúria, jogando a
cabeça de um lado para o outro e tirando o rabo de cima do corpo
de Jonn.
Só por um instante. Mas foi o tempo necessário para Rowan
soltar Jonn e poder arrastá-lo pelo chão de gelo escorregadio em
direção à entrada da caverna. Rowan ainda conseguiu se virar e
jogar com toda força o mapa enrolado, que, girando, atingiu em
cheio o pescoço exposto do animal. Outra vez o Dragão rugiu e,
por segundos preciosos, virou a cabeça para o outro lado.
"As lembranças de casa deverá jogar fora..."
Logo os dois estavam correndo, saindo às pressas da caverna
do Dragão para encontrar um lugar onde se esconder, onde
poderiam se entocar como os animais da noite, longe da fúria do
Dragão.
"Para terminar sua busca e ir embora." Sim. A busca estava
terminada. Terminada e desperdiçada, perdida. Como eles, agora
também perdidos.
- Mãe... Estrela... - Rowan soluçou.
Seu coração estava em pedaços. E mesmo assim ele
continuava correndo.
A neve na frente da caverna tinha se derretido com o fogo do
Dragão e agora a superfície plana parecia uma piscina de gelo.
Rowan e Jonn escorregaram e caíram. Suas mãos se agitavam em
vão, com seus pés deslizando enquanto eles lutavam para se
manterem de pé e correrem outra vez.
Os olhos vermelhos do Dragão arderam. Ele se levantou
furioso. Chamas quentes como o calor de centenas de fornos
saíam de sua boca e de seu nariz, queimando sob os pés dos dois
e transformando o gelo fervente em um redemoinho de água
borbulhante e fumaça. Rowan e Jonn rolavam e se arrastavam
pelo chão, debatendo-se contra o gelo que se derretia na tentativa
de se salvarem.
Então, com um estalido alto, o gelo se partiu debaixo deles. O
gelo que havia se acumulado e permanecido congelado durante
todos os longos dias de dor do Dragão e que agora, finalmente,
estava sentindo o calor das chamas do animal e não resistia mais.
Derretendo. A água gelada e doce da neve derretida atravessou o
gelo em direção ao canal subterrâneo que era sua antiga saída do
topo da Montanha. Jonn e Rowan, tossindo e engasgados, foram
jogados no meio dessa corrente agitada de água. Rowan
recuperou o fôlego e lutou para se manter de pé. Eles estavam
debaixo da terra. Debaixo do gelo. Rowan não conseguia mais ver
o Dragão. Não conseguia mais ver o céu. A água o puxava para
baixo. Ele não seria mais capaz de resistir.
Estava tudo escuro, tomado por pedras lisas como vidro, pela
água congelante e por seu estrondo. Rowan chamou Jonn e
agarrou sua mão. De uma vez só, ele entendeu o que tinha
acontecido. Eles tinham descoberto o segredo do córrego de Rin.
Água doce espumava em volta deles, empurrando os dois para
baixo. Eles a tinham liberado de sua prisão de gelo. Agora ela
estava livre para fluir. E ela iria seguir descendo pelo comprido e
íngreme túnel que era sua trilha pelo coração da Montanha. E
estava levando os dois junto com ela. Para baixo, até o vilarejo de
Rin.

Val e Ellis foram acordados antes do raiar do dia por uma


batidinha na porta do moinho. Eles a abriram e se depararam com
um pesadelo: Allun e Marlie, imundos e esfarrapados, quase
desmaiando de cansaço e de sede. Os irmãos levaram os dois para
dentro do moinho, limparam seus ferimentos e lhes deram água e
comida. Então ouviram algumas coisas sobre a terrível jornada
que os dois viveram enquanto recontavam seus passos pelo
pântano e pela floresta até o topo do penhasco e depois até o pé
da Montanha. Eles trocaram olhares sérios quando souberam o
que havia acontecido nas cavernas.
- O Jonn Forte foi muito corajoso - Vai disse finalmente.
- Você fala como se ele tivesse morrido! - Allun reclamou,
empurrando sua caneca com desgosto.
- Se ele não está mesmo morto - Vai disse friamente -, logo
estará. E Rin também. Ele está sozinho na Montanha. Não vai
conseguir resolver o problema. E não vai conseguir sobreviver.
- Ele não está sozinho - Marlie protestou. - O Rowan está com
ele.
Val e Ellis a encararam como se ela estivesse louca.
-De que vai ser útil um garotinho fraco e assustado como o
Rowan? - Val questionou. - Ele precisa de um companheiro forte,
corajoso, para...
-Ele linha cinco companheiros fortes e corajosos - Allun
levantou a cabeça e a olhou direto nos olhos. - Todos fugiram.
Marlie enfiou o rosto nas mãos. Ellis finalmente se manifestou:
-Está amanhecendo. Precisamos ir falar com a Jiller – ele
murmurou. - Ela deve estar no campo dos bukshas, cuidando
deles. Temos que contar para ela o que aconteceu.
Com os corações apertados, os quatro deixaram o moinho. O
céu eslava com um tom rosado e dourado quando eles chegaram
ao lago seco dos bukshas. Eles viram Jiller ao lado de Annad no
meio do campo, com seu xale enrolado em volta da cabeça. Ela
olhava para a Montanha, tremendo com o vento frio. Então ela se
virou c viu os quatro. Sua expressão de tristeza se transformou em
terror. Jiller soltou um grito.
-Allun! Marlie! O que aconteceu? Cadê o Rowan? Cadê o
Rowan?
Naquele instante,do alto da montanha ouviu-se um rugido, que
começou e não parou mais.

***

Estrela levantou a cabeça e chamou Annad e Jiller com um


gemido. Annad não ouviu. Ela estava abraçando o novo filhote de
Alvorada, confortando-o enquanto ele tremia ao som do Dragão. E
Jiller, com enormes olheiras em volta dos olhos avermelhados,
estava imóvel entre Allun e Marlie. Ela não ouviu nada além do
rugido vindo do topo da Montanha e não viu nada alem do fogo
que iluminou o céu acima das nuvens.
Val e Ellis continuaram por perto, em silêncio. Agora, eles
estavam acompanhados de Bronden e de todos os outros
moradores da aldeia, que vieram correndo quando ouviram o
rugido. Agora estavam todos ali, olhando para cima, com seus
rostos tomados de medo e pavor. Nenhum deles prestou atenção
no chamado de Estrela.
A buksha se afastou do lago vazio e começou a caminhar pelo
leito seco do córrego. Ela não sabia por que estava se dirigindo por
aquele caminho. Ela só sabia que tinha que seguir por ali, córrego
acima. E rápido.
Uma cerca bloqueava sua passagem. Ela a afastou com o
ombro, passou por cima dela sem nem piscar os olhos e continuou.
Ela ouviu o grito de Jiller ao longe e outras vozes, mas não
olhou para trás. Aquele chamado silencioso era mais forte que
qualquer voz. Ela começou a correr, apesar de todo seu peso.
- Estrela! O que foi?
Eles corriam atrás dela. Ela podia ouvir a voz soluçante de Jiller
e o som de vários pés atrás dela. Ela correu mais rápido ainda.
O leito vazio do córrego formava um buraco marrom ao lado
dela. Terra, grama e flores se espalhavam sob suas patas.
O moinho estava à sua frente, do outro lado. O alto moinho de
pedra, com sua enorme roda de madeira que havia permanecido
silenciosa por tantos dias.
E até agora... As orelhas de Estrela se ergueram. Ela ouviu um
som. Como se fosse um rangido. E outro barulho, de um
movimento agitado. Água! Sua garganta ressecada doía pela falta
de água. Mas havia mais um som. Uma voz. Uma voz que ela
conhecia.
-Estrela! Estrela! Estrela!
Estrela respondeu ao chamado. Ela se jogou no leito seco do
córrego e saiu como um foguete na direção daquele som. Ele vinha
do canal do moinho, lá na frente, onde a enorme roda rangeu e
começou a tremer. Água doce! Suas narinas receberam com
prazer aquele aroma úmido. A água surgiu em uma onda que
aumentava a cada segundo, batendo contra as laterais do córrego,
empurrando as pás de madeira da roda do moinho, passando por
ele e seguindo em direção a Rin.
Estrela encarou aquele fluxo de água. Ela jogou a cabeça para
trás c se atirou contra a água espumante, ignorando os galhos e as
pedras que batiam contra suas patas e esquecendo a vontade de
parar c encher sua boca seca. Ela passou com esforço pela
margem de terra em direção ao canal do moinho que saía ao lado
do córrego. Com um gemido de amor, alívio e prazer, ela chegou à
roda do moinho e jogou seu focinho na direção da mão erguida de
um garoto, que se agarrou a ela com toda força.
Ela inclinou a cabeça para jogar para cima de seu largo pescoço
um peso que o garoto empurrava para ela c sentiu duas mãos
agarrarem sua juba. Devagar e com cuidado, ela se dirigiu para o
córrego agitado e passou para a margem oposta, sem olhar para
trás quando a enorme roda finalmente cedeu à imensa pressão da
água e começou a girar, esmagando os galhos presos entre suas
pás. Ela saiu da água e sentiu as mãos de Rowan segurando sua lã
quando o garoto caiu no chão ao lado dela. Ela ouviu a voz de
Rowan bem perto de seu ouvido.
Ele conversava com ela, como sempre fazia. E com o homem
que estava deitado sobre suas costas. Ele dizia para os dois:
- Está tudo bem. Estamos salvos... Estamos em casa...

***

Rowan enroscou seus dedos com mais força nos pêlos macios e
úmidos de Estrela.
-Em casa - ele repeliu, saboreando a palavra.
Sua cabeça estava a mil. Tudo tinha acontecido muito rápido. A
jornada deles de Rin até a caverna do Dragão havia levado longos
dias e noites. A volta, aquela terrível descida pelo córrego
subterrâneo, havia levado minutos.
Parecia incrível estar ali, a salvo no vale, com a grama sob seus
pés e a brisa da manhã cm seu rosto. Ele fechou bem os olhos, de
repente com medo que aquilo fosse um sonho c que ele ainda
estivesse no topo da Montanha, no meio do fogo, do gelo, do
terror e do desespero. Mas, quando ele abriu os olhos novamente,
os campos verdes de Rin ainda estavam ali, junto de Estrela e do
córrego borbulhando ao seu lado. Era verdade. Eles estavam em
casa. Eles estavam salvos. A água tinha voltado para Rin. E eles
tinham vindo junto com ela.
-Rowan! Rowan! - um grito soou agudo ao longe.
Rowan levantou o olhar. Alguém corria na direção deles, ao
lado da margem do córrego. Era Jiller, chamando por ele, com os
braços abertos. Annad corria atrás dela e, bem depois das duas,
surgia uma multidão. Parecia que o vilarejo todo estava ali,
correndo na direção deles. À medida que as pessoas se
aproximavam, Rowan podia ouvir que elas comemoravam,
gritavam e riam alegres. Mas seus olhos estavam marejados e ele
não conseguia distinguir as pessoas. Ele só conseguiu ver Jiller se
aproximando dele e, finalmente, envolvendo-o em seus braços,
apertando-o como se nunca mais fosse soltá-lo.
Rowan se agarrou à mãe, ouvindo as palavras que ela não
parava de murmurar para ele, sentindo o alívio e a gratidão
imensos dela pela volta do seu filho, que achou que tinha perdido,
e do seu amor, que o garoto finalmente compreendeu. Naquele
instante, a antiga dor fria que ele tinha em seu coração se
derreteu como a neve diante do fogo: sem deixar vestígios.
Juntos, eles tiraram Jonn das costas de Estrela e se ajoelharam
ao lado dele.
-Acho que ele quebrou a perna - Rowan disse em voz baixa. -
Ele
está sofrendo muito, mas está vivo.
Os olhos de Jonn se abriram e ele encarou os dois rostos
preocupados inclinados sobre ele. Tão diferentes e ao mesmo
tempo tão parecidos. Ele tentou dizer alguma coisa, lutou para se
levantar, mas logo caiu no chão com um gemido.
-Jonn, fique deitado - Jiller pediu. - Não tente falar. Não precisa.
O homem todo ferido umedeceu os lábios rachados com a
língua.
-Preciso sim - ele disse. Rowan percebeu que cada palavra era
um enorme esforço para ele, mas Jonn estava determinado a
continuar.
-Há uma coisa que preciso lhe dizer, Jiller. Eu prometi... prometi
que
traria seu filho de volta para casa. Mas foi o Rowan que me trouxe
de
volta. Ele me fez continuar quando eu ficaria aliviado em me
deixar
cair e morrer. Ele lutou contra o frio e o fogo por mim quando
poderia
ler se salvado. Ele enfrentou o Dragão sozinho.
Rowan se agachou na grama, com uma mão sobre a mão de
Jiller e a outra sobre o peito de Jonn. Ele não tinha percebido a
multidão que havia se reunido atrás dele. Ele não viu os olhares
admirados em seus rostos quando ouviram as palavras de Jonn.
Mas Jonn viu. Com grande esforço, ele levantou a voz:
-Foi graças ao Rowan que o córrego voltou a ter água - ele
disse.
-Ele nunca desistiu. Ele nunca desistiria. O menor e mais fraco
de todos nós provou, afinal, ser o mais forte c o mais corajoso. Rin
fica em grande dívida com ele.
Só houve silêncio. Um passarinho cantou em uma árvore por
ali. E então se ouviu um enorme estardalhaço. Rowan se virou
assustado. Ele viu as pessoas comemorando em volta dele. Ali
estavam Allun e Marlie, com os rostos ainda manchados de lama,
gritando e rindo e dando tapinhas um nas costas do outro. Ali
estavam Bronden, batendo palmas, e os irmãos Val e Ellis,
encarando-se admirados. Ali estavam Neel, o oleiro, com a boca
escancarada em um enorme sorriso, os jardineiros e o professor,
Timon. E todos os outros.
-Rowan! Rowan! - eles grilavam. - Rowan, o guardião dos
bukshas! Rowan, o guardião de Rin!
Jonn sorriu.
-Coelhinho magricela - ele sussurrou c, satisfeito, viu Rowan
começar a rir.
Estrela gemeu para si mesma. Em silêncio, ela se afastou e foi
em direção à margem do córrego, agora cheio até a borda de
água corrente, doce c límpida. Ela ficou escutando. Gritos de
alegria vindos da aldeia entraram baixos por seus ouvidos. A água
tinha chegado ao lago dos bukshas.
O rebanho estava salvo. Rowan estava salvo. O córrego fluía outra
vez.Tudo estava como deveria. Finalmente, Estrela baixou a cabeça
para matar sua sede.