Supply Chain Management

Araújo. Sérgio, Caetano. Tiago
Resumo – Para competir efectivamente, as empresas devem poder antecipar e adaptar-se às condições de mercado em mudança. Isto significa assegurar que a informação relevante esteja disponível a todos os intervenientes na cadeia de fornecimento. A designação de Supply Chain Management (SCM) é assim considerado um sistema inter-empresarial,que utiliza as tecnologias de informação para apoiar e gerir as ligações entre alguns processos indispensáveis de negócio de uma empresa. Palavras-Chave – Supply Chain Management, informação, processos.

——————————  ——————————

1 INTRODUÇÃO
o âmbito da disciplina de Sistemas Informáticos Industriais, do 3º Ano do Curso de Engenharia Informática da Escola Superior de Tecnologia de Castelo Branco, foi-nos proposto apresentar a importância de uma rede de negócios baseado no sistema Supply Chain Management (Gestão da Cadeia de Fornecimento). As novas empresas tiveram necessidade de descobrir um novo processo de negócio que integra as actividades relativamente ao processo de fabrico do produto final, que é colocado no mercado, com objectivo de obter clientes satisfeitos. Todo este processo envolve várias actividades, desde actividades de integração de procura e de compra de materiais como a sua transformação em produtos finais. No mercado de forma geral, esta competição não ocorre só entre as empresas mas principalmente em cadeias de fornecimento. Toda esta gestão logística permite assim avaliar os pontos fortes e pontes fracos relativamente a sua cadeia de fornecimento, é claro que isto só é possível se todos estes processos possam ser quantificados e com obtenção dos resultados, permitir realizar uma análise e após isso uma avaliação específica e global de toda esta cadeia de fornecimento. Neste contexto o nível entre as empresas tem imposto ao mercado novos padrões de custo, qualidade, desempenho no cumprimento de data estabelecidas, gerando assim uma série de novos desafios e vantagens competitivas nas empresas. Actualmente recorrendo às novas tecnologias (Internet, GPRS, GPS), podemos obter assim uma diversidade de informação que há relativamente a pouco tempo não se encontrava disponível para todos, um portal web por exemplo é de facto uma mais-valia onde as empresas podem expor os seus projectos, e utilizar aplicações orientadas de modo a controlar o desempenho logístico da respectiva empresa.

N

2 PERSPECTIVA HISTÓRICA
Ao longo do tempo, acompanhando a evolução industrial em conjugação com as novas tecnologias disponíveis e as necessidades do mercado, podemos denotar alterações logísticas ao longo do tempo, com várias designações, como distribuição, logística empresarial, logística de marketing, administração logística de materiais, administração de cadeia de fornecimento, contundo com objectivo de referenciar sempre o mesmo conceito, a gestão do fluxo de produtos de um ponto de origem até aos consumidores. Esta evolução pode-se dividir em seis períodos: a) Periodo até aos 40 anos. -uma economia principalmente agrária preocupada com as questões de transporte e escoamento da produção agrícola. b) Periodo dos anos 40 até aos anos 60 – surge o termo “logística “derivado duas grandes guerras com origem na movimentação e fornecimento de tropas, e especialmente questões de fluxo de materiais. c) Periodo dos anos 60 até aos anos 70 – surge uma visão integrada relativamente a questões logísticas, aspectos como, custo total e uma visão sistemática do processo de produção. d) Periodo dos anos 70 até aos anos 80 – visão focada ao cliente com ênfase a produtividade e custos de estoques. Neste período surge os primeiros modelos matemáticos nos processos
————————————————
- Sérgio Araújo, com o nº. 11699 pertence à turma 1 do Curso Eng. Informática, da EST, Castelo Branco. E-mail: smfaraujo@hotmail.com -Tiago Caetano, com o nº 20070020 pertence à turma 1 do Curso Eng. Informática, da EST, Castelo Branco. E-mail: tiagocaetano11@hotmail.com

-1-

logísticos,como também a importância das empresas possuírem contabilidade geral, isto de modo obter uma maior eficiência no processo de produção. e) Periodo dos anos 80 até aos anos 90 – este período apresenta já uma visão logística integrada e uma visão inicial de uma administração em cadeia de fornecimento (SCM). f) Periodo dos anos 90 até os dias actuais – preocupação mais estratégica, em que logística passar a ser um elemento diferenciador para as empresas. Surge o conceito Supply Chain Management, com utilização de ferramentas disponibilizadas pelas tecnologias de informação. As empresas são cada vez mais pressionadas pelas as necessidades de redução de custos aliada ás mudanças dos desejos, necessidades e expectativas dos clientes. A exigência actual dos clientes levou assim as empresas integrarem formas de fornecimento de que possam atender as necessidades, para isso, é necessário a integração das diversas funções de administração. É necessário também compreender que a integração interna de funções administrativas é tudo realizado através da logística, no qual se insere o planeamento, transporte, entrada de materiais, compra e a distribuição dos produtos. De acordo com Council of Supply Chain Management Professionals, a logística é referenciada como a parte da gestão de fornecimento de uma empresa, mas de forma interna, enquanto que Supply Chain Management é realizadao de forma externa, originado pelas as exigência do mercado.

Período Até os anos 40 Dos anos 40 até anos 60 Dos anos 60 até anos 70 Dos anos 70 até anos 80 Dos anos 80 até anos 90 Dos anos 90 até período actual

Visão Do campo ao mercado Especialização Integração interna Foco ao cliente Foco no mercado Supply Chain Management

Ênfase Economia Agrária Desempenhos Funcionais Integração das funções Busca pela eficiência Integração logística Logística como diferenciação competitiva

Tabela. 1: Evolução logística ao longo do tempo

CONCEITO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT
A Gestão da Cadeia de Fornecimento (SCM – Supply Chain Management) é um conjunto de actividades que as organizações executam de forma a transformar input’s(materiais, informação, clientes) em output’s.

Fig. 1: Conceito de cadeia de Fornecimento

Este conceito numa abordagem mais específica pode ser definido como um processo estratégico de gestão de armazenamento de matérias-primas, de produtos em vias de fabrico, produtos finalizados, desde a saída dos fornecedores, ao processamento interno na empresa até a entrega final do cliente. A logística tem como objectivo final a satisfação do cliente, proporcionando uma vantagem

-2-

competitiva quer em termos de preferência do cliente em relação ao produto/serviço proposto, quer em termos de custo e por consequência uma aumento da produtividade, onde enlgoba actividades como compras, armazenamento, gestão dos materiais e equipamentos, transportes e distribuição.

3 OBJECTIVOS E BENEFÍCIOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT
A gestão da cadeia de fornecimento tem como objectivo promover flexibilidade e agilidade na resposta às variações de procura no mercado, com o mínimo de custos adicionais. Contundo isto só é possível se exisitir um aumento da coordenação entre as entidades da cadeia de fornecimentos, obtendo-se reduções nos prazos de entrega como também nos respectivos custos. Esta cooperação entre as entidades internas e externas irá reduzir o risco e aumentar consideravelmente a eficácia em todos os processos envolventes, para isso é necessário que exista uma partilha de informação, que não deve ser apenas restringida a dados de compra e venda, mas também informações estratégicas de forma que as entidades possam planear um conjunto estratégico de forma satisfazer as necessidades dos clientes. Podemos assim considerar que os objectivos principais de uma cadeia de gestão de fornecimentos são:    Sincronizar as necessidades dos clientes com o fluxo de materiais dos fornecedores Reduzir o investimento em stocks, Obter vantagens competitivas relativamente a outras empresas

4 ESTRUTURA CONCEPTUAL SUPPLY CHAIN MANAGEMENT
Para compreender a estrutura de uma cadeia de fornecimento é necessário compreender os processos envolventes, as empresas ou entidades envolvidas. Normalmente são várias as empresas que estão inseridas na produção de um determinado produto até ao consumidor final, desde os produtores de matéria-prima, a distribuidores e outros, todos estes estão envolvidos nesta cadeia de fornecimentos, que tem uma particularidade em comum, estão todos ligados uns aos outros. A estrutura conceptual de uma cadeia de fornecimento é formada por três elementos como demonstra a figura 2, os processos da cadeia de fornecimento, a estrutura e os componentes de gestão. A estrutura da cadeia de fornecimentos são todas as empresas inseridas e envolvidas. Os processos de negócio são todas as actividades de modo a produzir o produto final para cada cliente e os componentes de gestão são aqueles que realizam a gestão dos processos e a sua estruturação.

Fig. 2: Estrutura de uma cadeia de Fornecimento

Podemos também abordar a complexidade deste conceito através de três graus de complexidade:
————————————————
- Sérgio Araújo, com o nº. 11699 pertence à turma 1 do Curso Eng. Informática, da EST, Castelo Branco. E-mail: smfaraujo@hotmail.com -Tiago Caetano, com o nº 20070020 pertence à turma 1 do Curso Eng. Informática, da EST, Castelo Branco. E-mail: tiagocaetano11@hotmail.com

-3-

 Cadeia de fornecimentos directa  Cadeia de fornecimentos estendida  Cadeia de fornecimentos final A cadeia de fornecimentos directa é composta por uma empresa, fornecedor, e um cliente envolvidos em todas as actividades do fluxo do produto, e administração.

Fig. 3: Cadeia de fornecimento directa

Referente a cadeia de fornecimentos estendida inclui o fornecedor secundário, fornecedor primário (fornecido pelo secundário), o cliente primário e os clientes secundários( clientes dos primários ).

Fig. 4: Cadeia de fornecimento estendida

A cadeia de fornecimentos final é constituída por todas as organizações envolvidas no fluxo dos produtos, serviços, contabilidade. A figura 5 demonstra a complexidades que que a cadeia de fornecimentos pode atingir.

Fig. 5: Cadeia de fornecimento final

4 PROCESSOS DE NEGÓCIO DA CADEIA DE FORNECIMENTOS

-4-

A integração das várias entidades na cadeia de fornecimentos depende da actividade em causa, variando de processo para processo. A obtenção do sucesso na implementação Supply Chain management requer uma gestão e integração dos processos chave, que são: Gestão do relacionamento com os clientes Serviço aos clientes Gestão dos pedidos Execução dos pedidos Administração ou gestão do fluxo de produção Procura Desenvolvimento e comercialização de produtos Retorno

       

Cada um destes processos está apresentado na figura 6, segundo o autor Lambert, no qual vamos descrever de forma geral os objectivos de cada processo.

Fig. 6: Cadeia de fornecimento segundo Lambert

O processo de gestão de relacionamento com os clientes, tem como objectivo identificar potenciais clientes, ou potenciais mercados, exige o desenvolvimento e implementação de programas específico para cada tipo de cliente. Relativamente ao serviço ao cliente, proporciona ao cliente informações sobre os produtos ou o estado dos pedidos, através da utilização de sistemas de informação. A gestão dos pedidos é uma interligação entre o fluxo dos materiais, produtos e os pedidos dos clientes. A execução dos pedidos como próprio nome indica trata do pedido de acordo com o prazo estabelecido.
————————————————
- Sérgio Araújo, com o nº. 11699 pertence à turma 1 do Curso Eng. Informática, da EST, Castelo Branco. E-mail: smfaraujo@hotmail.com -Tiago Caetano, com o nº 20070020 pertence à turma 1 do Curso Eng. Informática, da EST, Castelo Branco. E-mail: tiagocaetano11@hotmail.com

-5-

A administração ou gestão do fluxo de produção realiza a gestão do fluxo produtivo até a produção do produto final que o cliente deseja. Seguidamente o processo de procura tem como objectivo a administração de relacionamentos com os fornecedores estratégicos, dando apoio a gestão dos pedidos e sua execução e ao desenvolvimento de novos produtos. O processo de desenvolvimento e comercialização de produtos é importante, visto que é com novos serviços ou produtos que a empresa obtêm sucesso. Por fim o processo retorno, realiza administração das devoluções e recolhimento.

5 IMPLEMENTAÇÃO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT
Inicialmente um dos maiores impedimentos na implementação SCM, será a resistência a mudança, sendo necessário mostrar aos colaboradores das empresas como as mudanças dos processos melhoram a situação actual da empresa. É necessário referir que empresas estão mais interessadas no lucro final, não procurando assim o lucro na cadeia de fornecimento com um todo, isto porque todas as entidades da cadeia normalmente trabalham como empresa individual, que é baseada em uma perspectiva local e um comportamento oportunista. As relações entre as entidades envolventes na cadeia podem não ser as melhores, derivado as diferentes expectativas em relação aos preços, como os compradores de forma geral pretendem redução de preços de modo produzir mais e aumentar a competitividade do seu produto final, porém esta argumentação não deve ser utilizada como única forma de aumentar a competitividade. Existe assim um nível de conflito entre as entidades da cadeia muitas das vezes por desconfiança mútua, o que torna assim dificuldades de cooperação e impedindo a performance na cadeia de fornecimentos. Podemos assim considerar que as actividades mais importantes para implementação do SCM são:
     

Comportamento integrador Cooperação Objectivos comuns Integracao dos processos Partilha de informações Partilha de riscos e benefícios

5 FERRAMENTAS DO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT
Com os avanços tecnológicos permitiu a criação de ferramentas no qual as informações ou os dados possam estar associados de forma eficiente e organizada permitindo assim melhorar os processos, obter uma situação actual, como também uma previsão futura, surge assim ferramentas de modo optmizar a cadeia de fornecimento, tais como ECR( Efficient Consumer Response ), VMI ( Vendor Management Inventory ), CPFR( Collaborative Planning,Forecasting and Replenishment ) entre outras. O ECR é um modelo estratégico de negócios, em que todos os participantes devem estar integrados e focalizados em criar sistemas de fornecimento eficiente. Um dos objectivos principais desta ferramente é aumentar os valores dos produtos e serviços para os clientes, e assim assegurar a sua permanência e crescimento no mercado. Relativamente VMI (Vendor Management Inventory), mais conhecido como reposição continua, em que o fornecedor tomas as decisões de reabastecimento do stock, isto sgnifica que fornecedor monitoriza o stock do cliente e realiza os reabastecimentos de forma periódica com base na quantidade, e no tempo de entrega. Isto reduz custos tanto a nível de produção e de transporte.

-6-

6 CONCLUSÃO.
Com este trabalho podemos concluir que Supply Chain Management produz efeitos importantes nos processos de negócio de uma empresa, contundo esta pode-se apresentar complexa, quando abordamos uma cadeia de fornecimento com muitas entidades envolvidas, em que integração dos processos envolventes não é uma tarefa fácil. Os principais benefícios são sem dúvida a redução de custos, redução dos stocks, competitividade relativamente ao preço de venda, e eliminação de trabalho duplicado.

7 REFERÊNCIAS - CRC. (2001). SL1205_01.pdf. Obtido em 01 de 12 de 2010, de ism-journal: http://www.ismjournal.com/ITToday/SL1205_01.pdf - Filho, E. R. (s.d.). Supply Chain Management - SCM. Obtido em 01 de 12 de 2010, de Universidade Tuiuti do Paraná http://www1.utp.br/proppe/edcient/Site%20TCC/FCSA/FCSA %2024/PDF/Art%2003%20-%20Supply%20Chain.pdf - Gouveia, J. B. (s.d.). Gestão da Cadeia de Fornecimento. Obtido em 10 de 12 de 2010, de DEGEI/UAveiro. História da Engenharia e Gestão Industrial. (s.d.). Obtido em 01 de 12 de 2010, de J. Dinis A. Carvalho : http://pessoais.dps.uminho.pt/jdac/apontamentos/hist_egi.pdf - Scientific Electronic Library Online. (03 de 03 de 2005). Supply chain management and food safety: exploratory research into Brazil's pork export supply chain. Obtido em 10 de 12 de 2010, de Scientific Electronic Library Online: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104530X2005000100010&script=sci_arttext - Sotiris Zigiaris, M. B. (01 de 2000). innoregio_supp_management. Obtido em 2010 de 12 de 01, de adi-agência de inovação: http://www.adi.pt/docs/innoregio_supp_management.pdf - Surviving Supply Chain Integration: Strategies for Small Manufacturers. (2000). Obtido em 10 de 12 de 2010, de The National Academies Press: http://www.nap.edu/openbook.php? record_id=6369&page=25 - victor2888. (s.d.). Supply Chain Management. Obtido em 10 de 12 de 2010, de slideshare: http://www.slideshare.net/victor2888/supply-chain-management-90116 - wikipedia. (04 de 11 de 2010). Cadeia_de_fornecimento. Obtido em 2010 de 12 de 01, de wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cadeia_de_fornecimento - wikipedia. (18 de 11 de 2010). Logística. Obtido em 02 de 12 de 2010, de wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Log%C3%ADstica

————————————————
- Sérgio Araújo, com o nº. 11699 pertence à turma 1 do Curso Eng. Informática, da EST, Castelo Branco. E-mail: smfaraujo@hotmail.com -Tiago Caetano, com o nº 20070020 pertence à turma 1 do Curso Eng. Informática, da EST, Castelo Branco. E-mail: tiagocaetano11@hotmail.com

-7-

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful