Associação Espírita

Paz e Luz

DOUTRINA ESPÍRITA CICLO INTRODUTÓRIO DE ESTUDOS DA DOUTRINA ESPÍRITA

CIEDE

PROGRAMA BÁSICO
2009

Orientações espíritas direcionadas à formação doutrinária básica do principiante espírita. Federação Espírita Brasileira, Brasília [DF]: 2005 (adaptação e acréscimos DEDO - Paz e Luz)

2

POR QUE ESTUDAR O ESPIRITISMO? Porque temos necessidade de ser felizes. Porque é importante saber de onde viemos, o que fazemos aqui e qual será a nossa destinação espiritual. O estudo da Doutrina Espírita nos conduz, certamente, a essa compreensão. Os primeiros passos começam aqui, nesta apostila, quando tomamos conhecimento das orientações básicas que os Espíritos Superiores transmitiram a Allan Kardec, tais como: Deus, Espírito, matéria, comunicabilidade dos Espíritos, reencarnação, pluralidade dos mundos habitados, o bem e o mal, Leis Morais e outros fundamentos.

3

SUMÁRIO
1 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA DOUTRINA ESPÍRITA ................................................6 1.1 O CARÁTER DA REVELAÇÃO ESPÍRITA ...................................................................... 6 1.2 AS OBRAS BÁSICAS ....................................................................................................... 7 1.3 O ESPIRITISMO ............................................................................................................... 8 1.4 A DOUTRINA ESPÍRITA .................................................................................................. 9 1.4.1 Aspectos Filosófico e Científico ..................................................................................... 9 1.4.2 Aspecto Religioso ......................................................................................................... 10 1.5 O ESPIRITISMO E OS RITUAIS .................................................................................... 11 1.6 TEMA COMPLEMENTAR .............................................................................................. 13 1.6.1 Como o espiritismo vê as outras religiões .................................................................... 13 1.7 REVISÃO 1 ..................................................................................................................... 14

2 DEUS E AS lEIS dIVINAS..................................................................................................15 2.1 DEUS .............................................................................................................................. 15 2.2 ATRIBUTOS DE DEUS .................................................................................................. 16 2.3 LEI NATURAL................................................................................................................. 17 2.3.1 Lei de Adoração ........................................................................................................... 18 2.3.2 Lei do Trabalho ............................................................................................................ 19 2.3.3 Lei de Reprodução ....................................................................................................... 20 2.3.4 Lei de Conservação ..................................................................................................... 21 2.3.5 Lei de Destruição ......................................................................................................... 22 2.3.6 Lei de Sociedade .......................................................................................................... 23 2.3.7 Lei do Progresso .......................................................................................................... 24 2.3.8 Lei de Igualdade ........................................................................................................... 25 2.3.9 Lei de Liberdade ........................................................................................................... 26 2.3.10 Lei de Justiça, de Amor e de Caridade....................................................................... 27 2.3.11 Perfeição Moral........................................................................................................... 28 2.4 TEMA COMPLEMENTAR .............................................................................................. 29 2.4.1 Autoconhecimento ........................................................................................................ 29 2.5 REVISÃO 2 ..................................................................................................................... 31

3 IMORTALIDADE DA ALMA ...............................................................................................33 3.1 ORIGEM E NATUREZA DOS ESPÍRITOS .................................................................... 33 3.2 MUNDO NORMAL PRIMITIVO ...................................................................................... 33 3.3 FORMA E UBIQÜIDADE DOS ESPÍRITOS ................................................................... 33

.............................................................13 REVISÃO 3 ........................................................................................................................................................................................................................................................................ 53 4........................................................................................... 56 5...........................1 Obsessão simples ........................ 38 3.................. 37 3.....................................3 Subjugação .............................................................................. 46 4......................................4 3................................ 52 4....................................9.................................................................................... 35 3.................................................................................................................. 52 4............... 55 5 JUSTIÇA DIVINA E EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO............................................................................................................................................ 36 3......1 Liberdade e livre-arbítrio ................................................................................ 33 3....................................9 REENCARNAÇÃO ........... 51 4................1 O ARREPENDIMENTO ..............1 Mediunidade como resgate e evolução ....................................1 Perdas de entes queridos ..........1 Temas para dissertação ....................................8 PERTURBAÇÕES OBSESSIVAS ........................................... 55 4.....................................12................................... 51 4.....................2 Livre-arbítrio ..................11 PLURALIDADE DOS MUNDOS HABITADOS ....................10 REVISÃO 4 ......... 45 4 COMUNICABILIDADE DOS ESPÍRITOS ......................................................6 PERISPÍRITO ..................................................10.................1 Lei de Causa e Efeito ......................................................................................................................5 INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSAS AÇÕES ................... 34 3..... 57 5...................2ª PARTE ............................................................................... 36 3............................................................. PODER OCULTO E TALISMÃ ................................ 51 4....................................3 FELICIDADE E INFELICIDADE RELATIVAS ..................12 TEMA COMPLEMENTAR ......... 40 3.....................................10 DESENCARNAÇÃO ..............1ª PARTE .......................................................................................................................................2 Uniões antipáticas ...............................56 5.......................................................... 49 4.......................... 40 3................................2 Fascinação ...... 35 3...................8......................................................................................3. 37 3.............................................................7 OCUPAÇÃO E MISSÃO DOS ESPÍRITOS .........9 TEMA COMPLEMENTAR ........6 PACTO.9.............................................8 REENCARNAÇÃO .................................... 47 4...............................................................................................................4 INFLUENCIA DOS ESPÍRITOS .................... 59 .........2 MEDIUNIDADE COM JESUS ....................................................................................... 47 4.......7 CORPO...5 ESPÍRITO .................. 56 5..................................3.............46 4.............4 DIFERENTES ORDENS DE ESPÍRITOS ................3 EDUCAÇÃO MEDIÚNICA ....... 58 5......................................................................1 MEDIUNIDADE.............8.................................................9.......................... 53 4....................................8......................... 34 3......................................................2 O Perdão ................................... 49 4..................... 51 4.....................

...................................................a espiritualidade dos animais....................................................................................................1 Providência Divina ...........................................SEMINÁRIO ... 84 8................. 63 7 PROGRAMA ....3...............................A paixão do fenômeno ............................................. 60 6.................................................................... 80 8.................................64 8 ANEXOS ............................................59 6............................................................................................................................................................ 70 8................... 61 6........ 64 8................................4 ANEXO 4 ...............Os fluidos ...................................os três reinos .......Sono e sonhos ...........................................................................................................1 ETAPAS DO PROCESSO EVOLUTIVO ............3 ANEXO 3 ....................................................3 TEMA COMPLEMENTAR ................................................................................................. 76 8................................ação da prece:transmissão de pensamento .........................................6 ANEXO 6 .....................................................................2 REVISÃO 5 ......................................5 6 EVOLUÇÃO ESPIRITUAL .........5 ANEXO 5 ....................................... 87 9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.......................................................64 8....90 ..................1 ANEXO 1 ......2 ANEXO 2 .. 61 6..

Revelar um segredo é tornar conhecido um fato. Segundo Léon Denis. Todas. como em um ponto conhecido. com a experiência. são fruto de observações sucessivas. com relação ao Espiritismo. revelação significa simplesmente ação de levantar um véu e descobrir coisas ocultas. a assuntos tão diferentes. Daí ser gradativo o ensino que ministram. Numa palavra. sem exceção nenhuma. Nenhuma ciência existe que haja saído prontinha do cérebro de um homem. Posto que superior aos que o precederam. disseminando os assuntos de estudo e observação como. Foi assim que os Espíritos procederam. Por sua natureza a revelação espírita tem duplo caráter participa ao mesmo tempo da revelação divina e da revelação científica. apoiadas em observações precedentes. o que caracteriza a revelação espírita é o ser divina a sua origem e da iniciativa dos Espíritos. em algumas fábricas. a confecção de cada parte de um mesmo objeto é repartida por diversos operários. Revelar. dar a conhecer uma coisa secreta ou desconhecida. o moderno espiritualismo não dogmatiza nem se imobiliza. descobrir. se efetua o progresso nas . convém notar que em parte alguma o ensino espírita foi dado integralmente. O caráter essencial da Revelação Divina é o da eterna verdade. se é falso. cuja raiz. Não alimenta pretensão alguma à infalibilidade. véu. significa literalmente sair de sob o véu e. Além disso. exigindo conhecimentos e aptidões mediúnicas especiais. por conseqüência. sendo a sua elaboração fruto do trabalho do homem. os Espíritos dividiram o trabalho. para chegar ao desconhecido. que impossível era acharem-se reunidas num mesmo ponto todas as condições necessárias. A característica essencial de qualquer revelação tem que ser a verdade. Por isso.6 1 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA DOUTRINA ESPÍRITA 1. o ensino espírita é progressivo como os próprios Espíritos. figuradamente. ele diz respeito a tão grande número de observações. do latim revelare. Tendo o ensino que ser coletivo e não individual. já não é um fato e. não existe revelação.1 O CARÁTER DA REVELAÇÃO ESPÍRITA Definamos primeiro o sentido da palavra revelação. velum. Ele se desenvolve e completa à medida que.

2 AS OBRAS BÁSICAS • O Livro dos Espíritos Publicado em 18 de abril de 1857. o desenvolvimento da mediunidade. e das Esperanças e Consolações. O Livro dos Médiuns a Ciência Espírita. Espíritos Superiores explicam todos os gêneros de manifestações. Nele estão contidos os princípios fundamentais do Espiritismo. do Mundo Espírita ou dos Espíritos. 27 dos quais dedicados à explicação das máximas de Jesus. O Evangelho Segundo o Espiritismo compõe-se de 28 capítulos.7 duas humanidades. através do concurso de diversos médiuns. o leitor encontrará as explicações de Kardec sobre o objetivo da obra. sua concordância com o Espiritismo e sua aplicação às diversas situações da vida. Este é o livro básico da Doutrina Espírita. Logo na introdução deste livro. tal como foram transmitidos pelos Espíritos Superiores a Allan Kardec. fazer parte. esclarecimentos sobre a autoridade da Doutrina Espírita. • O Evangelho Segundo o Espiritismo Publicado em abril de 1864. • O Livro dos Médiuns Publicado em janeiro de 1861. É constituído de duas partes: Noções Preliminares e das Manifestações Espíritas. O Evangelho Segundo o Espiritismo oferece a base e o roteiro da Religião Espírita. a significação de muitas palavras freqüentemente empregadas nos textos evangélicos. os meios de comunicação com os Espíritos. Seu conteúdo é apresentado em quatro partes: das Causas Primárias. as dificuldades e os tropeços que eventualmente possam surgir na prática mediúnica. refere-se a Sócrates e a Platão como precursores da Doutrina Cristã e do Espiritismo. alternativamente. Neste livro. Ainda na introdução. a da Terra e a do espaço . Enquanto o Livro dos Espíritos apresenta a Filosofia Espírita. das Leis Morais.humanidades que se penetram mutuamente e das quais cada um de vós deve. . a fim de facilitar a compreensão do leitor para o verdadeiro sentido de certas máximas do Cristo. 1. que a primeira vista podem parecer estranhas.

a formação primária dos seres vivos. O Espiritismo é a terceira revelação da Lei de Deus. por isso. Denominado também "A Justiça Divina Segundo o Espiritismo". em todos os pontos da Terra. destruição dos seres vivos uns pelos outros. chama os homens à observância da Lei e ensina . segundo suas obras". relegados para o domínio do fantástico e do maravilhoso. como a fonte de uma imensidade de fenômenos até hoje incompreendidos e. mas dar-lhe execução". • A Gênese Publicada em janeiro de 1868. 1. o homem corpóreo e a união do princípio espiritual à matéria. Nada ensina em contrário ao que ensinou o Cristo.3 O ESPIRITISMO O Espiritismo é a ciência nova que vem revelar aos homens. Destacam-se os temas: existência de Deus. completa. cumprir a promessa do Cristo: o Espírito de Verdade preside a sua instituição. também o Espiritismo diz: "Não venho destruir a lei cristã. no tempo marcado. O Espiritismo vem. porque é fruto do ensino dado. com o concurso de uma multidão inumerável de intermediários. a criação e a vida no Universo. origem do bem e do mal. mas não tem a personificá-la nenhuma individualidade.8 • O Céu e o Inferno Publicado em agosto de 1865. O Céu o Inferno coloca ao alcance de todos o conhecimento do mecanismo pelo qual se processa a Justiça Divina. como uma das forças vivas da Natureza. explica. ao contrário. este livro oferece o exame comparado das doutrinas sobre a passagem da vida corporal à vida espiritual. não por um homem. Assim como o Cristo disse: "Não vim destruir a lei. porém cumpri-la". explicações sobre as leis naturais. desenvolve. a existência e a natureza do mundo espiritual e as suas relações com o mundo corpóreo. porém. não mais como coisa sobrenatural. O Espiritismo é a chave com o auxílio da qual tudo se explica de modo fácil. sim pelos Espíritos "que são as vozes do Céu". Ele no-lo mostra. a formação da Terra. em concordância com o princípio evangélico: "A cada um. o que foi dito apenas sob a forma alegórica. em termos claros e para toda gente. por meio de provas irrecusáveis. mas.

que prega e dissemina. produzidos por Espíritos desencarnados. compreende todas as conseqüências morais que dimana dessas mesmas relações. o Espiritismo é Filosofia. O caráter filosófico do Espiritismo está. dos acontecimentos. com aqueles que já se despediram dela. interroga. como filosofia. 1. origem e destino dos Espíritos.DEUS. o científico e o religioso. razão e consciência. Definindo as responsabilidades do Espírito . indaga dos princípios e das causas. Como ciência prática ele consiste nas relações que se estabelecem entre nós e os Espíritos. seus problemas. pela experimentação. nasce a FILOSOFIA.4. Os fatos ou fenômenos espíritas. regra moral que visa o comportamento dos seres da Criação. O Espiritismo vem abrir os olhos e os ouvidos. Estabelece as bases desse permanente relacionamento.4 A DOUTRINA ESPÍRITA 1. temporariamente. Em vista disto. Quando o homem pergunta. Como Ciência. perscruta o Espírito e interpreta os fenômenos. Como Filosofia. porque fala sem figuras e sem alegoria. dos fatos. Podemos defini-lo assim: O Espiritismo é uma ciência que trata da natureza. no estudo que faz do Homem: de seu Espírito. prova-os. cogita e quer saber o “como” e o “por que” das coisas. a Doutrina Espírita apresenta três aspectos: o filosófico. O Espiritismo passa de Filosofia à Ciência.9 todas as coisas fazendo compreender melhor o que o Cristo disse. uma ciência de observação e uma doutrina filosófica. dotados de sentimento. são a substância da Ciência Espírita e seu objetivo é o estudo e o conhecimento desses fenômenos. trata do conhecimento frente à razão. portanto. a Doutrina será sempre um campo . sua origem e destinação.quando encarnado (Alma) e também quando desencarnado. ao mesmo tempo. No seu aspecto Científico e Filosófico. isto é.1 Aspectos Filosófico e Científico O Espiritismo é. Esse estudo leva ao conhecimento do mecanismo das relações dos homens que vivem na Terra. para a fixação das leis que os regem. pela morte. os conhecimentos filosóficos. bem como de suas relações com o mundo corporal. demonstrando a existência inquestionável de algo que tudo cria e tudo comanda inteligentemente . quando confirma.

Foi em função desta evolução humana. O Espiritismo não tendo formas exteriores de adoração. nem dogmas. dentro de princípios lógicos. quer pelo temor que inspiravam. Nasciam assim as primeiras formas de adoração. sobressaiam-se determinados indivíduos. como outros movimentos coletivos de natureza intelectual. entre os diferentes povos.10 nobre de investigações humanas. com ritos diversificados. houve necessidade do aparecimento de uma nova forma de ligação: homem . As religiões sofreram modificações no decorrer do tempo. tendo como exemplo o Cristianismo o seu nascedouro. que deram origem a muitas religiões do passado. a germinação da semente. portadores de certos dons. Nesses cultos.4. às quais reverenciavam. dá ao homem o conhecimento dos grandes enigmas da vida. não é entendidos por muitos como Religião. 1. Todavia. que nos meados do século passado. Com o advento da era da razão. Eram os sacerdotes. através dos mais diferentes cultos. Cultuavam divindades diferentes. Através dela. o nascimento e a morte. A Doutrina Espírita. quem sabe. como Ciência e como Filosofia. Desde tempos imemoriais. para se adequarem às necessidades das diversas sociedades. entre os quais a chuva. de onde viemos e para onde iremos após a morte do corpo físico e ainda. não é necessária nenhuma estrutura complicada. senão um conjunto de princípios capazes de transformar o homem para melhor. nem liturgias. surge a Doutrina Espírita. o trovão. há registros de fenômenos mediúnicos que ganharam notoriedade. . o relâmpago. atribuía-os a uma ou várias potências superiores. assim como as mais variadas concepções de Deus. alguns. quer pelo caráter maravilhoso ou sobrenatural de que eram revestidas. ficamos sabendo o que somos. não conseguindo a explicação para os vários fenômenos naturais. como responderemos pelo comportamento bom ou mau que aqui tivermos. para uma doutrina ter o caráter religioso. nem sacerdotes. O homem mais maduro e racional já se encontrava em condições de compreender Deus de um modo mais imaterial e adorá-lo sem a necessidade de cultos meramente exteriores.2 Aspecto Religioso O homem primitivo.Deus. que visam o aperfeiçoamento da Humanidade. que receberam os mais variados nomes. reconhecemos que.

para todos os homens. As primeiras se irmanam na Sabedoria. mais um sistema de fanatismo e de negação. contribuindo para que não venhamos a ter sobre a Terra. quer pelo dogma. falíveis e imperfeitas como eles próprios. que veio para o progresso da Humanidade. Através dos ensinamentos espíritas pode-se fazer uma diferença entre Religião. Emmanuel nos diz que "Religião é o sentimento Divino. cujas exteriorizações são sempre o amor. O Espiritismo difere de todas as . em 1864. dignas de todo o acatamento. que recomenda ao homem procurar esforçar-se. um dia. A Doutrina Espírita ou o Espiritismo é luz e bússola.11 Foi reconhecendo essa gama de conseqüências morais. é esclarecer de forma racional. a Religião edifica e ilumina os sentimentos". e religiões no sentido de seitas humanas. na Doutrina Espírita. porém. 1. na inquietação que lhes caracteriza a existência na Terra. deveria compreender-se como sentimento divino que clarifica o caminho das almas e que cada Espírito aprenderá na pauta do seu nível evolutivo. nem oferece rituais para a solução de problemas. os homens se dividiram em numerosas religiões como se a fé também pudesse ter fronteiras. conquiste progresso espiritual cada vez maior. quer pela letra. nas expressões mais sublimes. As religiões são organizações dos homens. A Religião é o sentimento divino que prende o homem ao Criador. nos pórticos sagrados da espiritualidade. Não é um conjunto de práticas ritualísticas que deslumbra. o "Evangelho Segundo o Espiritismo". a Segunda personifica o Amor. admitindo que a moral espírita é a moral do Evangelho. para que agindo de acordo com a Lei de Deus e com os ensinamentos de Jesus. a Religião é sempre a face augusta e soberana da Verdade. estudar e se reformar. aceitando-o nos pontos não controversos e que pudessem atender à educação humana. que Allan Kardec fez publicar. Precisamos da luz do esclarecimento da Doutrina. entendido este no seu sentido lógico e não desfigurado. por inspiração de Entidades Superiores. misturados com os elementos da Terra em que caíram. as duas asas divinas com que a alma penetrará. Enquanto a Ciência e a Filosofia operam o trabalho da experimentação e do raciocínio. que afetariam por certo os seguidores do Espiritismo e. Religião. Neste sentido.5 O ESPIRITISMO E OS RITUAIS Cristianizar. propriamente dita.

estabelece conclusões lógicas. incensos.. qualquer forma de ritual ou peças litúrgicas. As tentativas para fundamentar a introdução de rituais. uma vez que o Espiritismo. razão alguma para tais pretextos. mas. entretanto. e por apresentar uma filosofia também baseada em experimentos e observações. forçosamente. para alcançarmos aquele resultado. pelas suas disposições doutrinárias. Devemos compreender claramente todas as predileções religiosas. porém ainda tem laços espirituais com a religião de origem e continuam presas a certas tradições do culto antigo. O fenômeno. o Espiritismo ou a doutrina Espírita. Sentimos muito. Os Espíritos Superiores afirmam que todos os rituais. Se. seja onde for. seja na Umbanda. os fatos ou provas já confirmadas. em qualquer parte. é lógico afirmar. É uma questão de coerência com a Doutrina. nem palavras sacramentais. apesar da generalidade dos fenômenos. nem sinais materiais quaisquer. O Espiritismo define o fenômeno. porém. Apesar de se haver fundamentado no fenômeno de ordem mediúnica. nenhum meio eficaz conhecemos de vencer-se.12 religiões conhecidas. o Espiritismo em si nada tem a ver com as tendências pessoais. invocam sempre um pressuposto espiritualista como generalidade." Não tendo estudado e compreendido bem a Doutrina Espírita. dentro e fora da Seara Espírita. vulgarmente chamado de além-túmulo. ou fazer apelo á tolerância. o Espiritismo é a Doutrina Espírita. não é Espiritismo. separa o que é animismo e o que é comunicação ou manifestação de Espírito desencarnado. um inimigo. adota o método experimental. por si só. senão o fazer-se mais forte que ele. imagens e outros objetos de culto material no meio espírita. o que seria mais simples do que corrigir-se alguém de seus defeitos. tem como base experimental ou científica. por demonstrar a lógica dos seus ensinos através de experiências científicas. não é o Espiritismo. é a demonstração da sobrevivência da alma ou da comunicação entre vivos e mortos. por fim. dispensa completamente. que o fenômeno sem a Doutrina Espírita. Temos. que nos persuadir de que não há. nem fórmulas. muitas pessoas aderem ao Espiritismo.. só tornam ridículas as pessoas que as . ou alguns sinais que se fizessem. e quem diz é Allan Kardec. pois. Afirma Allan Kardec com referência a essas práticas: "muitas pessoas prefeririam certamente outra receita mais fácil para repelirem os maus Espíritos: por exemplo. Não há. algumas palavras que se proferissem. metodiza o exercício da mediunidade e.

é a mesma coisa. porquanto estes. da Caridade e dos exemplos de coerência evangélica que o Espiritismo proporciona. define como “todas são úteis” ao ser humano. dando um exemplo contrário aos que o atacam. e a usarem expressões absurdas e mentirosas como “baixo e alto espiritismo". Embora não concorde com os dogmas e muitos princípios e práticas usadas por outras . Respeita a liberdade de credo do próximo.1 Como o espiritismo vê as outras religiões Alamar Régis Carvalho .6. o Espiritismo. porque um livro escrito a milhares de anos não poderia condenar uma Doutrina que só veio existir a apenas 150 anos. o que é um absurdo. talismãs.13 usam. antes de se envolver com a vida dos outros. Embora afirmando que falam em nome de Jesus. Quanto ao papel das outras religiões. Em momento algum. entre os inúmeros programas religiosos que proliferam nas nossas emissoras. porque é um princípio de educação cuidar primeiro da sua vida. além disso. só são atraídos pelo pensamento e não pelas coisas materiais. porque.6 TEMA COMPLEMENTAR 1. definindo-o da maneira como eles acham que é e não como realmente é. “espiritismo de mesa e espiritismo de terreiro”. fazendo crer às pessoas que Espiritismo e macumba.adaptado Quando você ouve um programa de rádio ou assiste um de televisão. nenhuma prática exterior. raro é o dia em que um desses “pastores” não ataca o Espiritismo. por exemplo. ser um direito constitucional de uma nação. sinal cabalístico. Não há palavra sacramental. para atacarem o Espiritismo. E qual é a posição do Espiritismo? Em hipótese alguma admite atacar religião de quem quer que seja. é um direito humano. 1. capaz de exercer ação sobre os Espíritos. Chegam inclusive a usar argumentos equivocados afirmando que a Bíblia condena o Espiritismo. O Espiritismo faz a sua parte. fazem qualquer referência aos inúmeros e incontáveis exemplos de amor ao próximo. não pensam duas vezes em usar argumentos desonestos.

Não esqueça de anotar suas dúvidas para esclarecê-las em aula. depois responda . porque ele deu ao mundo seres maravilhosos como Francisco de Assis. reflita. João de Deus.se puder faça consulta aos livros recomendados na bibliografia. só porque não comungam de todas as suas idéias? Desde quando o radicalismo e a incoerência estão compatíveis com Jesus? O Espiritismo tem o maior respeito pelo Catolicismo. Irmã Dulce e uma infinidade de gente verdadeiramente abençoada. representando esta religião na inquisição? É um absurdo! Baseados em que estariam os Espíritas se julgassem condenados todos os protestantes. 1. deixando de reconhecer a importância para a humanidade de um Pastor Martin Luther King. Madre Tereza de Calcutá.”. prefere procurar os lados bons delas.. que são muitos. Tereza D’Avila. Não teria o menor sentido.14 religiões. totalmente coerente com os Ensinamentos de Jesus: “Não julgueis. do que viver mergulhado num radicalismo ridículo de críticas e oposição.. só porque ainda não admitem a reencarnação. Seria coerente que os Espíritas considerassem condenados homens admiráveis. consulte o seu material. Será coerente que continuemos a condenar todos os trabalhadores do catolicismo só porque há alguns séculos alguns imbecis praticaram atrocidades em nome do Cristo. Em verdade. .7 REVISÃO 1 Leia as perguntas. não aceitam a comunicação do mundo encarnado com o mundo espiritual. esta é a postura do Espiritismo. Antonio de Pádua. O Espiritismo sabe reconhecer muito bem os valores extraordinários de homens cujas vidas são de dedicação à causa do Cristo. embora atuando em religiões diferentes. e deixemos os pontos conflitantes de lado. acreditam na existência de Satanás e em castigo de Deus? Em absoluto. Fiquemos com os pontos comuns. que são absoluta maioria. um Albert Schweitzer e vários outros que deram e continuam dando ao mundo exemplos de verdadeira coerência com Jesus? Será que teríamos que condenar esses brilhantes homens só porque não acreditam na reencarnação.

à imagem e semelhança deles. é Ele um soberano poderoso. Para a maioria. inteligência suprema. só muito dificilmente podem os homens compreender que Deus seja infinito. eles o imaginam também circunscrito. causa primária de todas as coisas. figuram-no quais eles são. Vendo-se limitados e circunscritos. Quais são? 4) Faça um resumo dos assuntos abordados em "O Livro dos Espíritos". 5) Quais das obras básicas estudam mais diretamente os fenômenos mediúnicos e os aspectos científicos do Espiritismo? 6) Quais das obras básicas estudam mais diretamente as conseqüências morais e os aspectos religiosos do Espiritismo? 7) Quais os três aspectos da Doutrina Espírita? 8) O que é abordado pelo aspecto científico do Espiritismo? 9) O que é abordado pelo aspecto filosófico do Espiritismo? 10) O que é abordado pelo aspecto religioso do Espiritismo? 11) Como o conhecimento espírita pode contribuir para o desenvolvimento da ciência oficial? 12) Em que sentido podemos entender a palavra "revelação" aplicada ao Espiritismo? 13) Por que é importante o estudo dos Evangelhos? 14) Em sua opinião qual a finalidade da Revelação Espírita? 15) Quais as características da Revelação Espírita? 2 DEUS E AS LEIS DIVINAS 2. e não seu "criador" ou "fundador"? 3) Das diversas obras publicadas por Allan Kardec. sentado num trono . Os quadros em que o vemos com traços humanos contribuem para entreter esse erro no espírito das massas. que nele adoram mais a forma que o pensamento.15 1) Os fenômenos mediúnicos e as revelações dos Espíritos surgiram com o Espiritismo? 2) Por que Allan Kardec é denominado "codificador’ do Espiritismo.1 DEUS Há um Deus. No estado de inferioridade em que ainda se encontram. cinco são consideradas básicas para o estudo e entendimento do Espiritismo.

fortuitamente e em desordem. sequer. uma combinação. reconhece o observador não haver nenhuma que não ultrapasse os limites da mais portentosa inteligência humana. etc. soberanamente inteligente. e da mais insignificante semente. a harmonia que presidem a essas obras. a sabedoria. até a Lei que rege os mundos que circulam no Espaço. Não compreendem que Deus possa e se digne de intervir diretamente nas pequeninas coisas. Fo-Hi. Tais efeitos absolutamente não se produzem ao acaso. mesmo à nossa revelia. Para compreende-lo. Ora. pois. A causa está acima da Humanidade. pois que a humanidade é impotente para produzi-los. 2. desde que o homem não as pode produzir. crêem instintivamente na existência de um poder sobre-humano. Eles vêem coisas que estão acima das possibilidades do homem e deduzem que essas provêm de um ente superior à Humanidade. Os povos selvagens nenhuma revelação tiveram. Lançando o olhar em torno de si. Não demonstram raciocinar com mais lógica do que os que pretendem que tais coisas se fizeram a si mesmas? O conhecimento da verdade sobre Deus. a engenhosidade do mecanismo lhe atesta a inteligência e o saber. sobre as obras da Natureza. A prova da existência de Deus temo-Ia neste axioma: “Não há efeito sem causa”. para explicar. tudo atesta uma idéia diretora. é que elas são produto de uma inteligência superior à Humanidade. uma realidade comprovada não só pela revelação. A existência do relógio atesta a existência do relojoeiro. Grande Espírito. mas se revela pelas suas obras. sobre o mundo e a vida é o que há de essencial. Desde a organização do mais pequenino inseto. notando a providência. pois é Ele que nos inspira. A existência de Deus é. Jeová. pois. A causa é. nos sustenta e nos dirige. uma solicitude que ultrapassam todas as combinações humanas.2 ATRIBUTOS DE DEUS Não é dado ao homem sondar a natureza íntima de Deus. cuja causa não está na Humanidade. entretanto.16 inacessível e perdido na imensidade dos céus. uma providência. como pela evidência material dos fatos. Vemos constantemente uma imensidade de efeitos. ou. Alá. . Outro tanto ocorre com o mecanismo do Universo: Deus não se mostra. Brama. a menos se sustente que há efeito sem causa. E a essa causa que se chama Deus.

o verdadeiro Deus seria aquele que o ultrapassasse em qualquer assunto. Sem o conhecimento dos atributos de Deus. chegar a conhecer-lhe os atributos necessários. então. não haveria unidade de vistas. 2. Em resumo: Deus não pode ser Deus se não com a condição de não ser ultrapassado em nada por outro ente. se não pode penetrar na essência de Deus. desde que aceite como premissa a sua existência. mas. vendo o que ele não pode ser. teria saído do nada ou teria sido criado por outro ser anterior. as que não lhe atribuíram soberana bondade fizeram Dele cioso. Esse é o ponto de partida de todas as crenças religiosas e é por não se terem reportado a isso. As que não atribuíram a Deus a onipotência imaginaram muitos deuses.3 LEI NATURAL A Lei Natural é Lei de Deus. impossível seria compreender-se a obra da criação. Neste caso este ser é que seria Deus. é preciso que Ele seja infinito em todas as coisas.Se não possuísse o poder supremo.É limitada a inteligência do homem. Deus é a suprema inteligência . assim como nas maiores. sem deixar de ser Deus. pois. tem que ser infinita e ilimitada. que a maioria das religiões errou em seus dogmas. abrangendo o infinito.A sabedoria providencial das leis divinas se revela nas menores coisas. Deus é onipotente .Isto é. É a única verdadeira para a felicidade do homem. Deus é eterno .17 ainda nos falta o sentido próprio. Deus é soberanamente justo e bom . Deus é imutável . Se tivesse tido princípio. A de Deus.Se muitos deuses houvesse. pode. Deus é imaterial . Para que tal não se dê. colérico. sempre se poderia conceber algo mais poderoso ou tão poderoso quanto Ele.Se estivesse sujeito a mudanças nenhuma estabilidade teriam as leis que regem o Universo. . a sua natureza difere de tudo o que chamamos matéria.Não teve começo e não terá fim. porquanto. o homem. que só se adquire por meio da completa depuração do Espírito. parcial e vingativo. pois que não se pode nem compreender tudo o que existe. deduz daí o que ele deve ser. Deus é único . nem unidade de poder na ordenação do Universo. pelo raciocínio.

quanto melhor sabe o que faz. Contém as regras da vida do corpo. da vontade que se tenha de o praticar. Liberdade e por fim a de Justiça. Deus a lembra através de seus missionários. porquanto responderá por todo mal que haja resultado de não haver praticado o bem. Entre as Leis Divinas. Para que o homem possa aprofundar-se nas Leis de Deus é preciso muitas existências.1 Lei de Adoração A adoração consiste na elevação do pensamento a Deus. O bem é tudo o que é conforme a Lei de Deus. pois que Deus é o autor de tudo. Como ele a esquece e despreza. o mal. Amor e Caridade. entretanto. dizem respeito especialmente ao homem considerado em si mesmo e nas suas relações com Deus e com seus semelhantes. Todos. porquanto forçoso é que o progresso se efetue. principalmente. Reprodução. Igualdade. Nunca houve povos . Deus deu inteligência ao homem para distinguir por si mesmo o que é bem do que é mal. mas nem todos a compreendem. tudo o que lhe é contrário. isto é. Trabalho. que são Espíritos Superiores que se encarnam na Terra. de distinguir o bem do mal. A consciência da sua fraqueza leva o homem a curvar-se diante daquele que o pode proteger. como o da existência de Deus.18 Indica-lhe o que deve fazer ou deixar de fazer e ele só é infeliz quando dela se afasta. 2. Essa lei está escrita na consciência do homem. bem como as da vida da alma: são as Leis Morais. Todas as Leis na Natureza são Leis Divinas. Conservação. Os homens de bem e os que se decidem a investigá-la são os que melhor a compreendem. Progresso. Não basta que o homem deixe de praticar o mal: cumpre-se fazer o bem no limite de suas forças. o mal depende. Todos podem conhecer a Lei de Deus. a compreenderão um dia. A alma compreende a Lei de Deus de acordo com o grau de perfeição que tenha atingido e dela guarda a intuição quando unida ao corpo.3. E um sentimento inato no homem. Sociedade. A divisão da Lei Natural em dez partes compreende as Leis de Adoração. Destruição. com a missão de fazer progredir a humanidade. A Lei de Deus é a mesma para todos: porém. cujo estudo pertence ao domínio da Ciência. Tanto mais culpado é o homem. umas regulam o movimento e as relações da matéria bruta: as leis físicas. A moral é a regra do bem proceder. As outras.

O trabalho se impõe ao homem por ser uma conseqüência da sua natureza corpórea. A adoração em comum dá mais força aos homens para atrair a si os bons Espíritos. tem seu valor relativo. dando-nos estes a força de suportá-las. quando ditada do coração.19 destituídos de todo sentimento de adoração. E um meio de aperfeiçoamento da sua inteligência. aos que julgam honrá-Lo com cerimônias que os não tomam melhores para com os seus semelhantes. não devemos crer que menos valiosa seja a adoração particular. corajosamente. a intenção é tudo. A prece é sempre agradável a Deus. Todos compreendem que acima de tudo há um ente supremo. As nossas provas estão nas mãos de Deus e algumas há que tem que ser suportadas até o fim. pois ela parte do coração. Perante Deus não tem mérito a vida contemplativa. com sinceridade. por isso que constitui uma necessidade. porque lhe aumenta as necessidades e os gozos. pois. fazendo o bem e evitando o mal. assim como o corpo. preferível lhe é a prece do íntimo à prece lida. Quem passa todo o tempo na meditação e na contemplação nada faz de meritório aos olhos de Deus. porquanto se é certo que não fazem o mal também o é que não fazem o bem e são inúteis. Entretanto. e a civilização obriga o homem a trabalhar mais. Demais. Assim. Em mundos mais . A três coisas podemos propor-nos por meio da prece: louvar.2 Lei do Trabalho O trabalho é lei da Natureza. Deus prefere os que o adoram do fundo do coração. A adoração exterior se não constituir num vão simulacro. pedir. pois que cada um pode adorar a Deus pensando Nele. Orar a Deus é pensar Nele. não fazer o bem já é um mal.3. mas. sempre Deus leva em conta a resignação. A adoração verdadeira não precisa de manifestações exteriores. agradecer. O pensamento e a vontade representam em nós um poder de ação que alcança muito além dos limites da nossa esfera corporal. Toda ocupação útil é trabalho. porque vive uma vida toda pessoal e inútil à Humanidade. A prece que façamos por outrem é um ato dessa vontade. A prece traz para junto de nós os bons Espíritos e. menos rudes elas nos parecem. é aproximar-se Dele. para Ele. O Espírito trabalha. 2. é pôr-se em comunhão com Ele.

Mesmo neste mundo. O limite do trabalho é o das forças e. também. do mesmo modo que os pais têm de trabalhar para seus filhos. porém. Ele. não pode julgar da harmonia do conjunto. pois. pois são os mesmos Espíritos que voltaram. coisa alguma inútil faz. ainda isso. . não está isento do trabalho. Deus concedeu ao homem. Tudo o que embaraça a Natureza em sua marcha é contrário à lei geral. porém a sua natureza está em relação com a natureza das necessidades. pois Deus a isso provê e mantém sempre o equilíbrio. Mesmo com a progressão crescente que vemos a população não chegará a ser excessiva. Deve ser útil aos semelhantes conforme os meios de que disponha. assim fazendo. porquanto. o homem que possua bens suficientes para lhe assegurarem a existência. pois os membros de uma família devem ajudar-se mutuamente. a esse respeito. porque ele obra com conhecimento de causa. o que o distingue dos animais. sobre todos os seres vivos. todo aquele que tem o poder de mandar é responsável pelo excesso de trabalho que imponha a seus inferiores. é necessário para dar um pouco mais de liberdade à inteligência.3 Lei de Reprodução E lei da Natureza a reprodução dos seres vivos. menos material é o trabalho. O homem tem o direito de repousar na velhice. regular a reprodução.20 adiantados também existe o trabalho. sem o que o mundo corporal pereceria. O repouso é uma lei da Natureza. Os filhos devem trabalhar para seus pais. 2. a sociedade deve fazer às vezes desta. um poder de que ele deve usar.3. Os homens atuais não formam uma criação nova. O homem. Não deve opor-se-lhe sem necessidade. a fim de que se eleve acima da matéria. Pode. para se aperfeiçoar em novos corpos. pois serve para a reparação das forças do corpo e. mas que ainda estão longe da perfeição. E a Lei de Caridade. Quanto menos materiais são estas. sem abusar. A ação inteligente do homem é um contrapeso que Deus dispôs para restabelecer o equilíbrio entre as forças da Natureza e é. transgride a lei de Deus. de acordo com as necessidades. Não tendo este família. Deus deixa inteiramente livre o homem. que apenas vê um canto do quadro da Natureza.

porém. que nem sempre fazem o que lhes cumpre. segundo as vistas de Deus. é puramente maquinal. daí porque Deus lhes outorgou o instinto de conservação. provendo à própria conservação. raciocinado em outros. Não se deve confundir com celibato voluntário com aquele que é feito. se com o necessário soubesse o homem contentar-se. os mesmos animais também concorrem para a existência desse equilíbrio. a serviço da Humanidade.4 Lei de Conservação Todos os seres vivos possuem o instinto de conservação. como sacrifício. Deus lhe facultou. Se a uns falta os meios de subsistência.3. visto que só o necessário é útil. Tendo dado ao homem a necessidade de viver. Acresce que a vida é necessária ao aperfeiçoamento dos seres. Todos os seres têm que concorrer para o cumprimento dos desígnios da Providência. O casamento. 2. porquanto o instinto de destruição que lhes foi dado faz com que. obstem ao desenvolvimento excessivo. em todos os tempos. O celibato voluntário.21 Mas. Sua abolição seria uma regressão à vida dos animais. ainda quando os cerca a abundância. A poligamia é lei humana cuja abolição marcou um progresso social. Mas os homens podem modificar suas leis: só as da Natureza são imutáveis. os meios de o conseguir. Na poligamia não há afeição real: há apenas sensualidade. Em uns. porque todo sacrifício pessoal é meritório. quiçá perigoso. o que demonstra quanto o homem é material. tanto maior o mérito. aos usos cujo efeito consiste em obstar à reprodução. Quanto. tem que se fundar na afeição dos seres que se unem. O casamento representa uma medida para a marcha e progresso da humanidade. das espécies animais e vegetais de que se alimentam. sem disso se aperceberem. quando feito para o bem. Essa a razão por que faz que a Terra produza de modo a proporcionar o necessário aos que a habitam. . deve-se atribuir isso ao egoísmo dos homens. para satisfação da sensualidade. A indissolubilidade absoluta do casamento é uma lei humana. representa egoísmo e desagrada a Deus e engana o mundo. Quanto maior o sacrifício. entretanto. seja qual for o grau de sua inteligência. Eles o sentem instintivamente. A Terra produzida sempre o necessário. trata-se da predominância do corpo sobre a alma.

Pôs atrativos no gozo dos bens materiais.22 O uso dos bens terrenos é um direito de todos os homens. coloca-se abaixo do bruto.5 Lei de Destruição Preciso é que tudo se destrua para renascer e se regenerar. Toda destruição que excede os limites da necessidade é uma violação da lei de Deus. 2. que tem por fim a renovação e melhoria dos seres vivos. quando satisfeita a sua necessidade. Meritório é resistir à tentação que arrasta ao excesso ou ao gozo das coisas inúteis: e o homem poder tirar do que lhe é necessário para dar aos que carecem do bastante. Não é racional a abstenção de certos alimentos. Privar-se a si mesmo e trabalhar para os outros. O que chamamos de destruição não passa de uma transformação. os vícios lhe alteraram a constituição e lhe criaram necessidades que não são reais. tal a verdadeira mortificação. os seres vivos reciprocamente se destroem. desenvolver-lhe a razão. que poderia tomar-se excessiva. destruição esta que obedece a um duplo fim: manutenção do equilíbrio na reprodução. objetivando. porque vem de Deus. e utilização dos despojos do invólucro exterior que sofre a destruição e que não é parte essencial do ser pensante. Os animais só destroem para satisfação de suas necessidades. assim. Os sofrimentos voluntários de nada servem. enquanto que . Muitos só chegam a conhecê-lo por experiência e à sua própria custa. pois. segundo a caridade cristã. porém. a Natureza traçou ao homem o limite das necessidades. Para se alimentarem. Aquele que é ponderado conhece o limite do necessário por intuição. quando não concorrem para o bem de outrem. permitido é ao homem alimentar-se de tudo o que não lhe prejudique a saúde. O homem que procura nos excessos de todo o gênero o requinte do gozo. Os sofrimentos naturais são os únicos que elevam o homem. A Natureza cerca os seres de meios de preservação e conservação a fim de que a destruição não se dê antes do tempo. Deus não imporia um dever sem dar ao homem o meio de cumpri-lo. Por meio da organização que lhe deu. que deve preservá-lo dos excessos. pois que este sabe deter-se.3.

menos freqüente se toma a guerra. Há outros meios de se preservar do perigo. dotado de livre-arbítrio. a destruição constituí uma necessidade. Terá que prestar contas do abuso da liberdade que lhe foi concedida. Um dia. o faz sem necessidade.6 Lei de Sociedade Deus fez o homem para viver em sociedade. A crueldade é o instinto de destruição no que tem de pior. À medida que ele progride. pois Espíritos de ordem inferior podem encarnar entre homens adiantados. durante a guerra. 2. que não matando. se. O que se chama ponto de honra. Por ocasião das grandes calamidades que dizimam os homens. porquanto. não é possível. porquanto nestes a matéria prepondera sobre o Espírito. quando os homens estiverem mais esclarecidos. na esperança de também se adiantarem. Quando os homens compreenderem a justiça e praticarem a lei de Deus. Ela resulta sempre de uma natureza má. Grande culpado é aquele que suscita a guerra. por instinto. Isolamento absoluto é uma satisfação egoísta. a guerra desaparecerá da face da Terra. A vida terrena pouco representa com relação à vida espiritual. Demais.por isso. O isolamento absoluto é contrário à lei da Natureza. em matéria de duelo não passa de orgulho e vaidade. A crueldade forma o caráter predominante dos povos primitivos. algumas vezes.3. o espetáculo é semelhante ao de um exército. . . os homens buscam a sociedade e todos devem concorrer para o progresso. pouca importância tem para o Espírito os flagelos destruidores.23 o homem. é preciso abrir e não fechar ao criminoso a porta do arrependimento. ou perdidos. rotos. O que impele o homem à guerra é a predominância da natureza animal sobre a natureza espiritual e transbordamento das paixões. com a crueldade jamais se dá o mesmo. auxiliando-se mutuamente. A crueldade se encontra também no seio da mais avançada civilização. O homem tem que progredir. sob o ponto de vista do sofrimento. pois isso significa que cede aos maus instintos. insulado. do mesmo modo que numa árvore carregada de bons frutos se encontram verdadeiros abortos. pois que. cujos soldados. ficassem com os seus uniformes estragados. desaparecerá da face da Terra a pena de morte.

. Se todos compreendessem as Leis Naturais. O progresso intelectual faz compreensível o bem e o mal. e o homem. porquanto vivem vida material e não vida moral. Mas. pode escolher. assim. faz cessar alguns dos males que gerou. porque a força de um povo se exaure. Os maiores obstáculos ao progresso moral são o orgulho e o egoísmo. A civilização é um progresso incompleto. além das necessidades físicas: há a necessidade de progredir. desde que estes não mais precisem de cuidados.7 Lei do Progresso O homem não pode retrogradar para o estado de natureza. Entre os animais. os pais e os filhos deixam-se de reconhecer-se. aqueles. males que desaparecerão todos com o progresso moral. nem todos progridem simultaneamente e do mesmo modo. Os povos. fora negar a Lei do Progresso. cujas íeis se harmonizam com as leis eternas do Criador. O progresso moral decorre do intelectual. Uma sociedade depravada certamente precisa de leis severas. porque o homem não passa subitamente da infância à madureza. Os laços de família solidificam os laços sociais que são necessários ao progresso. O homem se desenvolve por si mesmo. Mas. crescem e morrem. pois ele tem que progredir incessantemente. não seriam necessárias às leis especiais. mas nem sempre o segue imediatamente. A moral e a inteligência são duas forças que só com o tempo chegam a equilibrar-se. porquanto o intelectual se efetua sempre. 2. Pensar que possa retrogradar à sua primitiva condição. nascem. está ela com a tarefa concluída. como a de um homem. Dá-se então que os mais adiantados auxiliam o progresso dos outros por meio do contato social.3. que apenas vivem a vida do corpo. A ternura da mãe pelos filhos tem por princípio o instinto de conservação dos seres que ela deu à luz. a civilização alcançará condição para fazer com que desapareçam os males que haja produzido. viverão e servirão de farol aos outros povos. À medida que a civilização se aperfeiçoa. Logo que esses seres possam cuidar de si mesmos. Quando a moral estiver desenvolvida quanto à inteligência. naturalmente.24 Não pode agradar a Deus uma vida pela qual o homem se condena a não ser útil a ninguém. No homem há alguma coisa a mais.

quase sempre da injustiça entre os homens. cada coisa vem ao seu tempo. o que lhes dá aptidões diversas. porque o verdadeiro bem-estar . oprimidos: renascerão numa existência em que terão de sofrer o que tiverem feito sofrer aos outros. nem pela morte: todos. Um dia desaparecerá quando o egoísmo e o orgulho deixarem de predominar. Assim é que cada qual tem seu papel útil a desempenhar. a riqueza vem a ter às mãos de um homem. a isso. a seu turno. Dia virá em que os membros da grande família dos filhos de Deus deixarão de considerar-se como de sangue mais ou menos puro. nem pelo nascimento. então.3. e não de Deus. para lhe proporcionar ensejo de reparar uma injustiça. não mais precisarão de leis tão rigorosas. Só a educação poderá reformar os homens que. que é uma das chagas da sociedade. em proveito próprio. Restará apenas a desigualdade do merecimento. Os Espíritos não ensinaram em todos os tempos o que ensinam hoje.25 Infelizmente. para. oprimir os fracos serão. Com o bem-estar não se dá a mesma coisa. Deus criou iguais todos os Espíritos. Eles ensinaram muitas coisas que os homens não compreenderam ou adulteraram. O Espiritismo contribui para o progresso destruindo o materialismo. A igualdade de riqueza não pode existir. se opõe a diversidade das faculdades e dos caracteres. A desigualdade social não é lei da Natureza. A diferença entre eles está na diversidade dos graus de experiência alcançada e da vontade com que obram. do que a lhe secar a fonte. se se entendessem convenientemente. A desigualdade das riquezas origina-se. não compreendem que a igualdade com que sonham seria a curto prazo desfeita pela força das coisas. pois. vontade que é o livre-arbítrio. Os que abusaram da superioridade de suas posições sociais. aos seus olhos. são iguais. Daí aperfeiçoarem-se uns mais rapidamente do que outros. É obra do homem. mas cada um viveu maior ou menor soma de’ aquisições.8 Lei de Igualdade Todos os homens são iguais perante Deus e estão submetidos às mesmas leis da Natureza. essas leis mais se destinam a punir o mal depois de feito. mas que podem compreender agora. 2. mas é relativo e todos poderiam dele gozar. Deus a nenhum homem concedeu superioridade natural. Muitas vezes. porquanto. Aqueles que julgam ser esse o remédio aos males da sociedade.

toda ela é respeitável. Só na posição do eremita do deserto é que o homem poderia gozar de absoluta liberdade. tem igualmente a de .3. e a outros a miséria. Como cada um tem aptidões diferentes. as necessidades do homem aumentam e ele nunca julga possuir o bastante para si unicamente. quando sincera e conducente à prática do bem. A consciência é um pensamento íntimo. entretanto. porque é um abuso da força. assim os pequenos como os grandes. como todos os outros pensamentos. por ser mais forte. Além disso. para experimentá-los de modo diferente. porquanto todos precisam uns dos outros. Em tudo existe o equilíbrio: o homem é quem o perturba.26 consiste em cada um empregar o seu tempo como lhe apraza e não na execução de trabalhos pelos quais nenhum gosto existe. inteligência do bem e do mal e a faculdade de progredir. A inferioridade da mulher em certos países provém do predomínio injusto e cruel que sobre ela assumiu o homem.9 Lei de Liberdade Não há no mundo posições em que o homem possa jactar-se de liberdade absoluta. essas provas foram escolhidas pelos próprios Espíritos. que pertence ao homem. pois que tem a liberdade de pensar. desde que juntos estejam dois homens. Deus outorgou. fisicamente. tanto ao homem como à mulher. não para embrutecê-las ainda mais pela escravidão. Desaparece com o progresso. As misérias provocam queixas contra a Providência e a riqueza incita a todos os excessos. O homem tem o livrearbítrio de seus atos. para que estas se elevem. cabe-lhe os trabalhos mais rudes. A liberdade de consciência é um dos caracteres da verdadeira civilização e do progresso. há entre eles direitos recíprocos que lhes cumprem respeitar. A desigualdade natural das aptidões coloca certas raças humanas sob a dependência das raças mais inteligentes. A escravidão é contrária à lei de Deus. como sabemos. por isso. sucumbem com freqüência. A mulher é mais fraca. mas ambos devem ajudar-se mutuamente a suportar as provas. Com referência à crença. os seus trabalhos são mais leves. Ao homem. que nelas. e. Com a riqueza. Deus concede a uns as riquezas e o poder. 2. nenhum trabalho útil ficaria por fazer. mas. como gradativamente desaparecerão todos os abusos.

conservando o livrearbítrio quanto ao bem e ao mal. porém. Não se deve acreditar que tudo o que nos acontece. porém. Aquele que delibera sobre uma coisa é sempre livre de fazê-la ou não. inútil será ocupar-se com ela.10 Lei de Justiça. resulta sempre da vontade e do livre-arbítrio. Escolhendo-a. mas não o dá. que é a conseqüência mesma da posição em que vem a achar-se colocado. Em princípio. o homem seria máquina. em homens simples e incultos se deparam noções mais exatas da justiça do naqueles que possuem grande cabedal de saber. O que chamamos fatalidade decorre do gênero da existência escolhida. Os homens entendem a justiça de modo diferente. uma punição para o Espírito que.3. porventura. No que se refere às provas morais e às tentações. tenha sido. é fora de dúvida que o progresso moral desenvolve esse sentimento. Daí vem que. desta ou daquela prova para sofrer. Já não é senhor do seu pensamento aquele cuja inteligência se ache turbada por uma causa qualquer e. noutra existência. 2. Se soubesse previamente que. Um acontecimento qualquer pode ser a conseqüência de ato praticado por livre vontade. desde então. A fatalidade existe unicamente pela escolha que o Espírito fez. o Espírito estaria a isso predestinado. sofre por efeito desse constrangimento. Sem o livre-arbítrio. portanto não há fatalidade absoluta. freqüentemente. todo crime como qualquer outro ato.27 obrar. ao encarnar. Ninguém há predestinado ao crime e. teria que cometer um crime. já não tem liberdade. negligenciaria do presente e não obraria com a liberdade com que o faz. Esses . O Espírito. fútil e orgulhoso. Essa aberração constitui. pois Deus o pôs no coração do homem. ou tenha feito mau uso de suas faculdades. porque a esse sentimento se misturam paixões que o alteram. como homem. muitas vezes. de que tem perfeita consciência. o Espírito. de Amor e de Caridade O sentimento de justiça está na natureza. Se o homem conhecesse o futuro. porque o dominaria a idéia de que. ou então procuraria obstar a que acontecesse. institui para si uma espécie de destino. Está aí a ação da matéria. A Justiça consiste em cada um respeitar os direitos dos demais. é sempre senhor de ceder ou de resistir. estava escrito. fazendo que vejam as coisas por um prisma falso. se uma coisa tem que acontecer. o futuro é oculto ao homem e só em casos raros e excepcionais permite Deus que seja revelado.

Tendo os homens formulado$ leis apropriadas a seus costumes e caracteres. O interesse pessoal é o sinal mais característico da imperfeição do homem. Tratemos.3. isto é. O verdadeiro sentido da palavra caridade é benevolência para com todos. desde os de condições mais humildes até os de posições mais elevadas. elas estabeleceram direitos imutáveis com o progresso das luzes. O que assim procede. Tal o sentido destas palavras de Jesus: “Amai-vos uns aos outros como irmãos”. entretanto.11 Perfeição Moral A virtude mais meritória é a que assenta na mais desinteressada caridade. já se acha num certo grau de progresso. O caráter do homem que pratica a justiça em toda a sua pureza. Toda virtude.28 direitos são regulados por duas leis: a humana e a natural. resumidas nesta sentença: Queira cada um para os outros o que quereria para si mesmo. porquanto pratica também o amor ao próximo e a caridade. Amar os inimigos é perdoar-lhes e retribuir o mal com o bem. perdão das ofensas. e aquele que o faz sem idéia preconcebida. indulgência para as imperfeições dos outros. é o do verdadeiro justo. vejamos se de nós não poderão dizer o mesmo. O bem deve ser feito caritativamente. sem os quais não há verdadeira justiça. Antes de censurarmos as imperfeições dos outros. com desinteresse. 2. tem seu mérito próprio. As leis naturais são reguladas pelas leis Divinas. se torna superior aos seus inimigos. a exemplo de Jesus. pois amar o próximo é fazer-lhe todo o bem que nos seja possível e que desejáramos nos fosse feito. porque será faltar com a caridade. porque todas indicam progresso na senda do bem. principalmente se o fizer para criticar e divulgar. . pelo só prazer de ser agradável a Deus e ao próximo que sofre. O homem que se põe a estudar os defeitos alheios incorre em grande culpa. pois. O amor e a caridade são complementos da lei de justiça. Os direitos naturais são os mesmos para todos. que lhe permitirá alcançar a felicidade muito mais depressa. de possuir qualidades opostas aos defeitos que criticamos no nosso semelhante.

Quem quiser. O conhecimento de si mesmo é. Uma paixão se torna perigosa a partir do momento em que deixamos de poder governá-la e que dá em resultado um prejuízo qualquer para nós mesmos. efetivamente. sem distinção de raça. temos de reafirmar que a maior necessidade da criatura humana ainda é a do conhecimento de si . pelos seus esforços. ir-se aproximando da perfeição moral. Muitas falhas que cometemos nos passam despercebidas. Dentre todos os vícios. enfim. 2. o amor e a caridade. em seus semelhantes. pode vencer as más inclinações. visto que o princípio que lhe dá origem foi posto no homem para o bem. porquanto essa é a missão deles. nem de crenças. porque vê irmãos em todos os homens. portanto. unicamente por não perscrutarmos a natureza e o móvel dos nossos atos. com sinceridade. O abuso que delas se faz é que causa o mal. e sacrifica os seus interesses à justiça. o homem de bem é o que pratica a Lei de Justiça. visto ser ele incompatível com a justiça. é o que indicou um sábio na Antigüidade. ou para outrem. humanitário e benevolente para com todos.29 A paixão está no excesso de que acresce à vontade. de Amor e de Caridade.4. O meio mais prático e mais eficaz para o homem se melhorar nesta vida e resistir da atração do mal. interrogássemos mais amiúde a nossa consciência. O homem. Ele neutraliza todas as outras qualidades. todos os direitos que as leis da Natureza lhes concedem. veríamos quantas vezes falimos sem que o suspeitemos. na sua maior pureza. faz o bem pelo bem.4 TEMA COMPLEMENTAR 2. Verdadeiramente. deve expurgar o seu coração de todo o sentimento de egoísmo. o mais radical é o egoísmo. Dele deriva todo o mal. tanto que as paixões podem levá-lo à realização de grandes coisas. Possuído do sentimento de caridade e de amor ao próximo. Respeita. sem contar com qualquer retribuição. quando disse: Conhece-te a ti mesmo.1 Autoconhecimento Como nos tempos mais recuados das civilizações mortas. se pedir a Deus. os bons Espíritos lhe virão certamente em auxílio. desde esta vida. mas. a chave do progresso individual. como quer que os mesmos direitos lhe sejam respeitados. É bondoso. Se. O que lhe falta é a vontade.

interrogai-vos sobre o que tendes feito e com que objetivo procedestes em tal ou tal circunstância. pois que Deus não usa de duas medidas na aplicação de Sua justiça. portanto. se praticada por outra pessoa. Foi assim que cheguei a me conhecer e a ver o que em mim precisava de reforma. Procurai também saber o que dela pensam os vossos semelhantes e não desprezeis a opinião dos vossos inimigos. Se a censurais noutrem. ou o descanso para a vossa consciência. mas tendes um meio de verificação que não pode iludir-vos. crede-me. grande força adquiriria para se aperfeiçoar." "O conhecimento de si mesmo é. se ninguém tivera motivo para de mim se queixar. não na poderia ter por legítima quando fordes o seu autor. Perguntai ainda mais: "Se aprouvesse a Deus chamar-me neste momento. conseguintemente. depois contra o vosso próximo e. a vós mesmos perguntas. contra vós mesmos. Dirigi. finalmente. ao entrar de novo no mundo dos Espíritos. O meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal. a chave do progresso individual. sobre se obrastes alguma ação que não ousaríeis confessar. a sua consciência aquele que se sinta possuído do desejo sério de melhorar-se. Isto é muito real. todas as noites. a fim de que sejais advertidos com mais franqueza do que o faria um amigo. 919). direis. Deus o assistiria. como há de alguém julgar-se a si mesmo? Não está aí a ilusão do amorpróprio para atenuar as faltas e torná-las desculpáveis? O avarento se considera apenas econômico e previdente. feita por outrem. passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever. interrogava a minha consciência. As respostas vos darão. um sábio da Antigüidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo (LE. teria que temer o olhar de alguém. Aquele que. ou a indicação de um mal que precise ser curado. rogando a Deus e ao seu anjo de guarda que o esclarecessem. pois.30 mesma (Emmanuel . o orgulhoso julga que em si só há dignidade. inquiri como a qualificaríeis. Mas. a fim de extirpar de si os maus . sobre se fizestes alguma coisa que. censuraríeis. 55). porque. Quando estiverdes indecisos sobre o valor de uma de vossas ações.O Consolador. "Fazei o que eu fazia. quando vivi na Terra: ao fim do dia. evocasse todas as ações que praticara durante o dia e inquirisse de si mesmo o bem ou o mal que houvera feito. Perscrute. porquanto esses nenhum interesse têm em mascarar a verdade e Deus muitas vezes os coloca ao vosso lado como um espelho. onde nada pode ser ocultado?" "Examinai o que pudestes ter obrado contra Deus.

8.5 REVISÃO 2 Para responder em casa e revisar/tirar as dúvidas em aula. avaliar suas perdas e seus lucros e eu vos asseguro que a conta destes será mais avultada que a daquelas. Com este objetivo é que ditamos O Livro dos Espíritos. 919 a) 2. 10. turbado sempre pelas enfermidades do corpo. Quais as duas abrangências gerais da Lei Divina ou Natural? Tendo por base a Lei Natural. Qual deve ser a qualidade da prece? Que influência exerce o nosso pensamento e a nossa vontade? . O que é Deus? Por que Kardec pergunta aos Espíritos “o que é Deus” e não “quem é Deus”? Quais as provas da existência de Deus? De que maneira chegamos à conclusão do que é Deus? Descreva cada um dos atributos de Deus. 11. Ora. 5. de vós para convosco. Por isso foi que primeiro chamamos a vossa atenção por meio de fenômenos capazes de ferir-vos os sentidos e que agora vos damos instruções." "Não trabalhais todos os dias com o fito de juntar haveres que vos garantam repouso na velhice? Não constitui esse repouso o objeto de todos os vossos desejos. 6. poderá dormir em paz e aguardar sem receio o despertar na outra vida. de modo a não restar nenhuma dúvida em vossa alma. visto desejarmos fazer que compreendais esse futuro. em comparação com o que espera o homem de bem? Não valerá este outro a pena de alguns esforços? Sei haver muitos que dizem ser positivo o presente e incerto o futuro. pois. Defina Lei Natural." "Formulai. 3. o fim que vos faz suportar fadigas e privações temporárias? Pois bem! Que é esse descanso de alguns dias. dê balanço no seu dia moral para. 4. a exemplo do comerciante. 12. como você definiria o bem e o mal? O que é moral? Defina Lei da Adoração. 7. Se puder dizer que foi bom o seu dia. 9. 1. 2. como do seu jardim arranca as ervas daninhas. esta exatamente a idéia que estamos encarregados de eliminar do vosso íntimo. questões nítidas e precisas e não temais multiplicá-las." Santo Agostinho (LE. que cada um de vós se acha encarregado de espalhar. Justo é que se gastem alguns minutos para conquistar uma felicidade eterna.31 pendores.

37. 18. Defina Caridade e Amor. 17. Por quê? Defina Lei da Reprodução. 41. 47. Defina Lei da Sociedade e Lei do Progresso Qual a finalidade da Lei do Progresso? Quais meios devemos empregar para atingi-la? Por que nem sempre o progresso moral acompanha o intelectual? Dê um exemplo de progresso moral e intelectual. 27. 45. 48. Qual é a abrangência desta Lei? Estabeleça um paralelo entre a Justiça divina e a humana. 50. 42. 33. 39. 29. Qual é a necessidade da destruição? Estabeleça uma definição do que é destruição necessária e destruição abusiva. 38. 40. Qual o papel do Espiritismo na Lei do Progresso? Defina Lei de Igualdade e Lei de Liberdade. 49. Qual a importância da reprodução? Qual a importância do casamento? A indissolubilidade do casamento é uma lei humana. 21. 15. 36. 25. 43. Que atitude devemos ter ao orarmos? Quais as três coisas pelas quais podemos orar? Defina Lei do Trabalho. Explique o instinto de conservação. 31. de Amor e Caridade e a Perfeição Moral. Como podemos nos conhecer melhor? Que atitudes práticas podemos tomar rumo a este objetivo? . 22. 23. 35. O que significa Perfeição moral? Estamos todos fadados a alcançar a perfeição moral? O que devemos fazer para chegar lá? O conhecimento de si mesmo configura o primeiro passo rumo ao progresso moral. Estabeleça uma relação entre o necessário e o supérfluo para a humanidade. 30. Por que o trabalho é um dos meios do progresso humano? Qual deve ser o limite do trabalho? O repouso deve ser observado. 34. Sendo assim. 16. 44. o divórcio seria da Lei de Deus? Em que circunstâncias o celibato é aceito por Deus? A abolição da poligamia marca o progresso social dos homens.32 13. 20. 28. 14. Por que os homens são iguais perante Deus? Como você explicaria a desigualdade social? E a desigualdade entre homens e mulheres? O que representa a liberdade? Existe a liberdade absoluta? Qual o limite da liberdade individual? Qual o papel do pensamento em relação à Lei da Liberdade? Explique o que é fatalidade. 46. 24. Por quê? Defina a Lei de Conservação e Lei da Destruição. 26. 32. 19. Defina Lei de Justiça.

33

3 3.1

IMORTALIDADE DA ALMA ORIGEM E NATUREZA DOS ESPÍRITOS Os Espíritos são seres inteligentes da criação; povoam o Universo. Foram

criados por Deus, porém quando e como ninguém sabe. São eles individualização do princípio inteligente, como os corpos são do princípio material. Sua Criação é permanente, isto é, Deus jamais deixou de os criar, mas sua origem ainda constitui mistério. O que sabemos é que a existência dos Espíritos não tem fim. 3.2 MUNDO NORMAL PRIMITIVO Os Espíritos são inteligências incorpóreas que formam um mundo à parte - O Mundo dos Espíritos. Embora seja o mundo dos Espíritos independente do mundo corporal, existe perfeita correlação entre ambos, portanto reagem um sobre o outro. Daí porque os Espíritos estão por toda a parte servindo de instrumento de que Deus se utiliza para a execução de seus desígnios.

3.3

FORMA E UBIQÜIDADE DOS ESPÍRITOS Os Espíritos não têm forma determinada, a não ser para eles próprios. Uma

chama, um clarão ou uma centelha podem definir o ‘Espírito. Essa chama ou clarão, que vai do colorido escuro e opaco a uma cor brilhante, qual a do rubi é, inerente ao seu grau de adiantamento. Os Espíritos percorrem o espaço com a rapidez do pensamento e podem, se o quiserem, inteirar-se da distância percorrida. A matéria não lhes opõe obstáculo: passam através de tudo. Quanto ao chamado dom da ubiqüidade, o Espírito não pode dividir-se, ou existir em muitos pontos ao mesmo tempo. Ocorre, entretanto, que cada um é um centro de irradiação para diversos lugares diferentes, como o Sol irradia para todos os recantos da Terra sem dividir-se. A força de irradiação de cada Espírito depende do grau de sua pureza. 3.4 DIFERENTES ORDENS DE ESPÍRITOS Os Espíritos pertencem a diferentes ordens, conforme o grau de perfeição a que alcançaram. São três as principais ordens: à primeira, pertencem os Espíritos

34

puros, isto é, os que já atingiram a perfeição máxima; à segunda, os que chegaram ao meio da escala, nos quais já predomina o desejo do bem, e à terceira, pertencem os Espíritos imperfeitos. Nestes, predominam a ignorância, o desejo do mal e todas as paixões más.

3.5

ESPÍRITO Os Espíritos são seres inteligentes criados por Deus sendo que

desconhecemos a época e a maneira de sua criação. A criação dos Espíritos é permanente, quer dizer que Deus jamais cessou de criar. O Espírito, em sua essência espiritual é um ser indefinido, abstrato, que não pode ter uma ação direta sobre a matéria, sem um intermediário.

3.6

PERISPÍRITO

O perispírito, ou corpo fluídico dos Espíritos, é um dos produtos mais importantes do fluído cósmico; é uma condensação desse fluído em torno de um foco de inteligência ou alma. O corpo perispiritual e o corpo carnal têm sua fonte, no mesmo elemento primitivo (Fluido Cósmico Universal) - um e outro são matérias, embora sob dois estados diversos. Os Espíritos extraem seu perispírito do ambiente onde se encontram, o que quer dizer, que esse envoltório é formado dos fluidos ambientais. Daí resulta que os elementos constitutivos do perispírito devem variar segundo os mundos. Ao deixar a Terra, o Espírito aí deixa seu envoltório fluídico, e reveste um outro apropriado ao mundo onde deve ir. A natureza do envoltório fluídico está sempre em relação com o grau de adiantamento moral do Espírito. Muitos têm o perispírito bastante grosseiro, que se confundem com o corpo carnal, depois de desencarnado, permanecendo na superfície da Terra. O envoltório perispiritual do mesmo Espírito se modifica com o progresso moral dele, em cada encarnação. O perispírito é a matriz espiritual do corpo físico (forma). Ele retrata o nosso estado mental.

35

3.7

CORPO

Tem seu princípio no Fluído Cósmico Universal condensado em matéria tangível. Tem a mesma composição química que os animais, os mesmos órgãos, as mesmas funções e os mesmos modos de nutrição, de respiração, de excreção e de reprodução; nasce, vive, morre nas mesmas condições, e com a morte, seu corpo se decompõe, como o de tudo quanto vive. Não há em seu sangue, sua carne, seus ossos um átomo diferente dos que se encontram nos corpos dos animais. O corpo é, pois, ao mesmo tempo o envoltório e o instrumento do Espírito, e à medida que este adquire novas aptidões, reveste um invólucro apropriado ao novo gênero de trabalho que deve realizar.

3.8

REENCARNAÇÃO - 1ª PARTE

A reencarnação significa o retorno do Espírito ao corpo tantas vezes quantas forem necessárias para o seu autoburilamento. Ela liberta-nos das imperfeições, nos proporciona experiências superiores, sublimando nossos instintos ao mesmo tempo em que desenvolve nossa inteligência. A reencarnação fazia parte dos dogmas judaicos, sob o nome de ressurreição. Só não acreditavam nela, os saduceus que pensavam que tudo se acabava com a morte. Jesus sancionou-a com a sua autoridade, estabelecendo-a como condição imprescindível quando disse: “Ninguém pode ver o reino de Deus se não nascer de novo”; e insiste acrescentando: “não vos admireis de que vos diga que é preciso nascer de novo”. A alma, ao se depurar, sofre sem dúvida uma transformação. Mas, para isso, necessita da prova da vida corpórea, em muitas existências. A finalidade da Reencarnação é a expiação e o melhoramento progressivo da Humanidade. A cada nova existência, o Espírito dá um passo na senda do progresso. Quando se despojar de todas as suas impurezas, não precisa das provas da vida corpórea. As encarnações são sempre muito numerosas porque o progresso é quase infinito.

36

A Doutrina da Reencarnação consiste em admitir para o homem, muitas existências sucessivas. E a única que corresponde à idéia que fazemos da justiça de Deus, com respeito aos homens que se encontram numa condição moral inferior. E a única que pode explicar o nosso futuro e fundamentar as nossas esperanças. Ela nos oferece o meio de resgatarmos os nossos erros através de novas provas. A Razão assim nos diz. Os laços da família são fortalecidos pela Reencarnação. A união e o afeto observados entre parentes, correspondem a simpatias adquiridas das vidas anteriores. Os Espíritos formam no espaço, grupos ou famílias, unidos pela afeição. A encarnação apenas os separa momentaneamente. 3.9 REENCARNAÇÃO - 2ª PARTE

3.9.1 Lei de Causa e Efeito

A Lei de Causa e Efeito é que permite encadear as ações de uma vida para outra. Estabelece as relações entre os homens e ensina como atuar e progredir, educando o seu livre-arbítrio. A questão do livre-arbítrio pode ser resumida assim: o homem não é fatalmente conduzido ao mal; os atos que ele realiza não estão antecipadamente escritos, os crimes que ele comete não resultam de uma sentença do destino. Ele pode, como prova e como expiação, escolher uma existência em que terá os arrastamentos do crime, seja pelo meio em que está colocado, seja pelas circunstâncias que sobrevirão, mas está sempre livre para agir ou não agir. Assim, no estado de Espírito o livre-arbítrio existe na escolha das provas, e no estado corporal, na faculdade de ceder, ou de resistir, aos arrastamentos aos quais estamos voluntariamente submetidos. Cabe à educação combater essas más tendências e o fará utilmente quando estiver baseado no estudo profundo da natureza moral do homem. Pelo conhecimento das leis que regem essa natureza moral, chegar-se-á a modificá-la, como se modifica a inteligência pela instrução, e o temperamento pela higiene. Ao pensar e agir, o homem liberta forças e fica sujeito ao retomo delas! Nesta ou noutra vida. O homem é constrangido a viver no centro de suas criações boas ou más.

37

Jesus faz várias referências à Lei de Causa e Efeito no código evangélico, acentuando a importância dela para a redenção do espírito humano. Afirma o Mestre: “Cada um será julgado segundo as suas obras”; “Com o juízo com que julgares, sereis julgados; e com a medida com que medirdes, vos medirão também a vós”; “Todo o que comete pecado é escravo do pecado”; Todos os que tomaram a espada, morrerão à espada”; “Se perdoarmos as ofensas, Deus igualmente perdoará nossos pecados”. Em suma: “E o que quereis que vos façam os homens, isso mesmo fazei vós a eles”.

3.9.2 Livre-arbítrio

Quando um Espírito, antes de reencarnar, escolhe a família, o meio social e as provas, de natureza morai ou física, por que tenha de passar, está usando a faculdade do livre-arbítrio, em concordância, no entanto, com situações e problemas do pretérito. Segundo a maneira como se comporta junto à família, no meio social e ante as provas em referência, cria o Espírito um “quadro de resgates” para o futuro. Esse quadro pode sofrer alterações não essenciais, em função da misericórdia Divina e dos próprios méritos do Espírito, e ainda, dentro d preceito evangélico de que “o amor cobre a multidão de pecados”. A responsabilidade, no entanto, não tem a mesma dimensão para todos os homens, nem para todos os atos. A Justiça Divina faz as necessárias e sábias diferenciações, em consonância, ainda, com o preceito de Jesus: “ao que mais recebeu, mais será exigido".

3.10 DESENCARNAÇÃO

A Doutrina Espírita transforma completamente a perspectiva do futuro. A vida futura deixa de ser uma hipótese para ser realidade. O estado das almas depois da morte não é mais um sistema, porém o resultado da observação. Ergueu-se o véu: o mundo espiritual aparece-nos na plenitude de sua realidade prática; não foram os homens que o descobriram pelo esforço de uma concepção engenhosa, são os próprios habitantes desse mundo que nos vêm descrever a sua situação; aí os vemos em todos os graus da escala espiritual, em todas as fases da felicidade e da desgraça, assistindo, enfim, a todas as peripécias da vida de além-túmulo. Eis aí por

em conseqüência da idade. É de conseqüência devastadora para o desencarnante que.38 que os espíritas encaram a morte calmamente e se revestem de serenidade nos seus últimos momentos sobre a Terra. 3. gradualmente. muitos meses ou anos.11 PLURALIDADE DOS MUNDOS HABITADOS Todos os globos que circulam no espaço são habitados. segundo o emprego que tenha dado à vida. A Humanidade é apenas uma pequena fração do Universo. Porém. com lentidão variável. Já não é só a esperança. é calma. mas a certeza que os conforta. a alma retorna ao mundo dos Espíritos. Ele é necessário. Com a morte. quando nos ajustamos às realidades espirituais. segundo os indivíduos: para uns o desprendimento se dá rapidamente e para outros. O suicídio é a mais trágica de todas as circunstâncias que envolvem a morte. O sofrimento que às vezes sente no momento da morte. Os liames que a retinham se desprendem. Todos recebem o amparo do mundo espiritual. julgando libertar-se de seus males. Sem esse freio seríamos levados a deixar prematuramente a vida e a negligenciar o trabalho terreno. ao desencarnar. é um prazer para o Espírito. A constituição física dos mundos não se . pois vê chegar ao fim o seu exílio. muitos não o percebem. A alma leva consigo uma lembrança cheia de doçura ou de amargor. devido as suas mentes estarem vinculadas a desequilíbrios criados por si mesmos. que deve servir ao nosso próprio adiantamento. “Aprende a bem viver e bem saberás morrer". O temor à morte é um efeito da Sabedoria da Providência e uma conseqüência do instinto de conservação comum a todos os viventes. que pode levar algumas horas. precipita-se em situação muito pior. são aqueles que levaram uma vida material e sensual. passa por um período de perturbação. o homem deixa a vida sem o perceber. enquanto não se está suficientemente esclarecido acerca das condições da vida futura. que se verifica pelo esgotamento da vitalidade orgânica. A alma ao deixar o corpo. Somente nos livramos dos temores da morte em definitivo. A separação da alma e do corpo não é dolorosa. leva dias ou meses. em tudo semelhante à que acompanha um despertar tranqüilo. com a sua individualidade. Na morte natural. A perturbação que se segue à morte nada tem de penosa para o homem de bem.

resulta que os diversos mundos estão em condições muito diferentes uns dos outros. A Terra. nos mundos mais avançados. eles já viveram sobre outros mundos de onde foram excluídos. portanto. Ao mesmo tempo em que os seres vivos progridem moralmente. um grau mais avançado. em que de mundo expiatório. esteve material e moralmente num estado inferior ao que está hoje E atingirá sobre esse duplo aspecto. há os que são ainda inferiores aos da Terra. os mundos que eles habitam progridem materialmente. Entre eles. que desenvolvem de uma só vez. a influência da matéria diminui. é toda espiritual.39 assemelha. em razão da sua obstinação no mal e porque eram causa de perturbação para os bons. Então. Ela atingiu um dos seus períodos de transformação. física e moralmente. . os homens serão felizes. As raças que chamamos selvagens. quanto ao grau de adiantamento ou de inferioridade de seus habitantes. cujas variedades são infinitas e tem por caráter comum. duplo e penoso trabalho. A Terra é um dos tipos de mundo expiatório. por assim dizer. animados e inanimados. As condições de existência dos seres que habitam os diferentes mundos devem ser apropriadas ao meio em que têm de vive Esses mundos podem. tornar-se-á mundo regenerador. ele estão submetidos pela bondade de Deus. Todos os seres da Criação. as fontes de luz e calor necessários aos seus habitantes. À medida que esta s desenvolve. de tal sorte que. Os Espíritos em expiação são estrangeiros. Do ensinamento dado pelos Espíritos. Todos os Espíritos encarnados sobre a Terra não são para aí enviados em expiação. O progresso é uma das leis da Natureza. estão em processo educativo e s desenvolve ao contato com Espíritos mais avançados. porque a lei de Deus nela reinará. contra a perversidade dos homens e a inclemência da Natureza. a vida. seguindo essa lei. servir de lugar de exílio aos Espíritos rebeldes à Lei de Deus. Esses Espíritos têm que lutar a mesmo tempo. conter em si mesmos. são Espíritos apenas saídos da infância.

por pequeno que seja o seu grau de evolução. vemos todos os dias homens nas posições mais humildes e difíceis preferirem aceitar provações duras a se abaixarem a cometer atos indignos. Se a liberdade humana é restrita. está pelo menos em via de perfeito desenvolvimento. A sensação do remorso é uma prova mais demonstrativa que todos os argumentos filosóficos. Está expressa nas "Tríades" por estes termos: Há três unidades primitivas . a Lei do dever brilha como um farol. interesses ou instintos. O livre-arbítrio é. A luta entre a matéria e o espírito tem precisamente como objetivo libertar este último cada vez mais do jugo das forças cegas. a liberdade do homem parece muito limitada no círculo de fatalidades que o encerra: necessidades físicas. pouco a pouco. Os druidas haviam-na formulado desde os primeiros tempos de nossa História. através da névoa das paixões e interesses. Por isso. considerando a questão mais de perto. não seda ele mais do que um autômato. sem ela. pois.12. porque o progresso não é outra coisa mais do que a extensão do livre-arbítrio no indivíduo e na coletividade. À porfia têm-na obscurecido com suas teorias e sofismas. a predominar sobre o que a nossos olhos representa a fatalidade. vê-se que esta liberdade é sempre suficiente para permitir que a alma quebre este círculo e escape às forças opressoras. A responsabilidade é estabelecida pelo testemunho da consciência. votando a Humanidade à servidão em vez de a guiar para a luz libertadora. a expansão da . Mas. não poderia construir seu destino. que nos aprova ou censura segundo a natureza de nossos atos. é a responsabilidade do homem que faz sua dignidade e moralidade. Para todo Espírito. É em vão que os filósofos e os teólogos têm argumentado longamente a respeito desta questão. condições sociais.Deus.40 3. A inteligência e a vontade chegam. a luz e a liberdade. Sem ela.1 Liberdade e livre-arbítrio Léon Denis (O Problema do Ser do Destino e da Dor) A liberdade é a condição necessária da atina humana que. um joguete das forças ambientes: a noção de moralidade é inseparável da de liberdade.12 TEMA COMPLEMENTAR 3. À primeira vista. A liberdade e a responsabilidade são correlativas no ser e aumentam com sua elevação. A noção é simples e clara.

quando se considera o problema à luz da razão. em caso algum. rigorosamente. ela tomará. e não aceita a verdade senão depois de ter esgotado todas as formas do erro. libertação intelectual pela conquista da verdade. em todos os graus de sua ascensão. das mais simples. impedir a ação divina. o homem não gosta das coisas simples. livremente. poderíamos facilmente prever o sentido em que. de mais a mais. O círculo dentro do qual se exerce a vontade do homem. perdido num canto . Para serros livres é necessário querer sê-lo e fazer esforço para vir a sê-lo. conhecendo cada alma em suas menores particularidades. de seguir seu livre curso. Mas. conhecendo o caráter de uma pessoa. Aias. contudo. de acordo com as quais poderá determinarse. pode-se verdadeiramente afirmar a liberdade humana? Questão complexa e árdua na aparência que fez correr rios de tinta e cuja solução é. conhece a natureza de cada homem e as impulsões. as determinações que. Notemos que não é a previsão de nossos atos que os provoca. não deixariam elas.41 personalidade e da consciência. do conhecimento que tem dessa atina e das condições em que ela é chamada a agir. Deus. na repartição dos bens e dos males da vida. Está forçosamente ligada a uma série de causas e efeitos anteriores de que deriva e que a explicam. por isso. pois. Isto só se pode obter por uma educação e uma preparação prolongada das faculdades humanas: libertação física pela limitação dos apetites. numa dada circunstância. as tendências. Deus. excessivamente restrito e não pode. O fraco inseto. libertando-nos da escravidão da ignorância e das paixões baixas. cuja ciência infinita abrange todas as coisas. É esta a obra dos séculos. Uma resolução não pode nascer de nada. libertação moral pela procura da virtude. quer segundo o dever. deduzir. com certeza. ao lado da concatenação das coisas. há sempre lugar para a livre vontade do homem. quer segundo o interesse. sem prejuízo dos destinos que nosso passado nos inflige. substituindo o império das sensações e dos instintos pelo da razão. Nós mesmos. ela decidirá. prefere o obscuro. é. É assim que a liberdade humana e a previdência divina conciliam-se e combinam. Como conciliar nosso livre-arbítrio com a presciência divina? Perante o conhecimento antecipado que Deus tem de todas as coisas. cujos efeitos se desenrolam na imensidade sem limites. o complicado. pode. Se Deus não pudesse prever nossas resoluções.

sobre a percepção. Assim. mais recentemente. exalta a teoria das causas indeterminadas. logo. O livre-arbítrio. na hora das resoluções importantes. Os argumentos dos fatalistas e deterministas resumem-se assim: "O homem está submetido aos impulsos de sua natureza. lançar a perturbação na harmonia do conjunto e pôr obstáculos à obra do Divino Jardineiro. dão à teoria do livre-arbítrio sanção definitiva. a livre vontade do Espírito exerce-se principalmente na hora das . será assistido. que o dominam e obrigam a querer. que terá por efeito. Suprida. desarranjando os poucos átomos ao seu alcance. Toma extensão considerável. não pode. Nem doutro modo podia ser. aconselhado por Inteligências superiores. em todos os graus de sua ascensão. pois que cada um daqueles sistemas partia do dado inexato de que o ser humano tem de percorrer uma única existência. foi Ch.42 do jardim. A questão do livre-arbítrio tem uma importância capital e graves conseqüências para toda a ordem social. que pouco a pouco desaparece para dar lugar à razão. como dizia C. Seu mais ilustre representante. A questão muda. pelo instinto. Porém. na justiça. a questão tinha ficado quase insolúvel. Renouvier. por Espíritos maiores e mais esclarecidos do que ele. na legislação. As vistas desse filósofo foram confirmadas. em face desse sistema negativo." A escola adversa. a determinar-se num sentido. Determinou duas correntes opostas de opinião . nossa liberdade é muito escassa nos graus inferiores e em todo o período de nossa educação primária. pelos belos trabalhos de Wundt. tanto sob o ponto de vista teológico como determinista. de preferência a outro. inteiramente de aspecto se se alargar o círculo da vida e se se considerar o problema à luz que projeta a doutrina dos renascimentos. na moralidade. du Prel. etc. em nossa época. sobre a natureza e o futuro do ser. por sua ação e repercussão na educação. a princípio. que admite a livre vontade do homem. Até agora. Vêm arrancar a consciência moderna à influência deletéria do materialismo e orientar o pensamento para uma concepção do destino. E sempre. de Alfred Fouillée sobre a idéia-força e de Boutroux sobre a contingência da lei natural. desde que o Espírito adquire a compreensão da lei. guiado. Os elementos que a revelação neo-espiritualista nos traz. cada ser conquista a própria liberdade no decurso da evolução que tem de perfazer. não é livre. recomeçar a vida interior da Civilização.os que negam o livre-arbítrio e os que o admitem com restrição.

em todos os casos que dependem dos tribunais. Seria injusto pedir ao Espírito infantil méritos iguais aos que se pode esperar de um Espírito que viu e aprendeu muito. por conseguinte. na realidade. nada há de fatal e. Daí uma grande diferenciação nas responsabilidades. . curar seus defeitos. e. não obstante. São diferentes por seus graus infinitos de adiantamento: umas novas. O futuro aparece-lhe então. A sociedade deve corrigir com amor e não com ódio. a justiça humana. é muito difícil precisar. a extensão das responsabilidades individuais. ele sabe de antemão quais são as provações que o aguardam. "O crime." Ê por isso que as penalidades infligidas deveriam ser estabelecidas de modo que obrigassem o condenado a refletir. pode-se sempre atenuar. a esclarecer-se. sem o que se torna criminosa. são equivalentes em seu ponto de partida. dizíamos. continua a ser cega e imperfeita em suas decisões e sentenças. a necessidade destas provações para desenvolver suas qualidades. como demonstramos. mais do que um Espírito novo e ignorante em que a razão não teve tempo de amadurecer. diz Duelos. qualquer que seja o peso das responsabilidades em que se tenha incorrido. outras velhas. na medida em que esse futuro é a resultante de atos anteriores. São simplesmente. por um longo sacrifício ao dever. diversamente desenvolvidas em moralidade e sabedoria. Tendo. Não é possível fazê-lo senão estabelecendo o grau de evolução dos criminosos. Escolhendo tal família. a emendar-se. pouco versada nestas matérias. mas compreende. que é preciso reparar. como vimos. Muitas vezes o mau. grande importância sob o ponto de vista jurídico. o criminoso não é. modificar a sorte com obras de dedicação. O problema do livre-arbítrio tem. certo meio social. igualmente. O neo-espiritualismo fornecernos-ia talvez os meios. não em seus pormenores. a instruir-se. Na realidade. mas em seus traços mais salientes. Estas provações podem ser também conseqüência de um passado nefasto. é sempre o resultado dum falso juízo. e ele aceita-as com resignação e confiança. de bondade. mas.43 reencarnações. As almas. Estes atos representam a parte de fatalidade ou "a predestinação" que certos homens são levados a ver em todas as vidas. porque sabe que seus grandes irmãos do Espaço não o abandonarão nas horas difíceis. de caridade. efeitos ou reações de causas remotas. isto é. segundo a idade. despir seus preconceitos e vícios. em conta o direito de repressão e preservação social.

Não é a negação do livre-arbítrio. mas de um Poder mais alto. temse a aparência. ou. Um povo só é verdadeiramente livre. Sócrates dizia que havia sentido germinar em si os instintos mais perversos e que os domara. que lhe são externas. . às vezes. eterna e universal. A alma sofre tanto mais o peso das fatalidades materiais. Às vezes a intuição vem combater o raciocínio. Daí em diante já não precisará do constrangimento e da autoridade sociais para corrigir-se. Era a última que predominava. a todas as complicações. se tornem internas e conscientes pelo próprio fato de sua evolução. Havia neste filósofo duas correntes de forças contrárias. física ou moral.44 O Espírito só está verdadeiramente preparado para a liberdade no dia em que as leis universais. domina e governa a si mesmo. digno da liberdade. E dá-se com a coletividade o que se dá com o indivíduo. goza da sua liberdade na luz divina. No estado de ignorância. Sem a disciplina moral que cada qual deve impor a si mesmo. é uma felicidade para ela estar submetida a uma direção. então. lei moral. quanto mais atrasada e inconsciente é. Há também causas secretas. A sociedade fica exposta pela violência de suas paixões. Esta se expande plena e inteira na vida superior. intervindo no curso de seus destinos. Mas. que se exerce e nos impele no sentido do plano divino. e a intensidade de seus apetites. se aprendeu a obedecer a essa lei interna. as almas fortes triunfam sempre. impulsos partidos da consciência profunda nos determinam num sentido não previsto. Tudo o que se eleva para a luz eleva-se para a liberdade. Não se pode desconhecer que o físico exerce. Em tese geral. tanto mais livre se torna quanto mais se eleva e aproxima do divino. quando sábia e perfeita. mas não os costumes de um povo livre. todo homem chegado ao estado de razão é livre e responsável na medida do seu adiantamento. Passo em claro os casos em que. será a influência de nossos Guias invisíveis. o homem perde o uso de suas faculdades. na luta travada entre ambos. outra para o bem. a todas as desordens. vindo de mais longe e mais alto. doença ou obsessão. todavia. No dia em que ele se penetrar da lei e fizer dela a norma de suas ações. que não emana nem do poder de uma casta. sob o domínio de uma causa qualquer. é a ação da alma em sua plenitude. nem da vontade das multidões. grande influência sobre o moral. que muitas vezes atuam sobre nós. a intervenção de uma Inteligência que. terá atingido o ponto moral em que o homem se possui. uma orientada para o mal. as liberdades não passam de um logro.

Nomeie as três principais ordens de espíritos e. Qual é a forma dos espíritos? 6. Defina o perispírito. à consciência do nosso papel e fim. Qual a diferença entre “eterno” e “imortal”? 3.45 procura arrancar-nos às contingências inferiores e levar-nos para as cumeadas. cada homem liberta seus semelhantes. teremos feito almas verdadeiramente livres. pois. Tudo o que contribui para dissipar as trevas da inteligência e fazer recuar o mal. Os obstáculos acumulados em seu caminho são meramente meios de o obrigar a sair da indiferença e a utilizar suas forças latentes. seria mais exato dizer: "O homem é o obreiro de sua libertação. expostos à incerteza e inércia. 1." O estado completo de liberdade atinge-o no cultivo íntimo e na valorização de suas potências ocultas. Asseguraremos com os nossos esforços.13 REVISÃO 3 Responder em casa e revisar em aula. Como se explica o aumento da população de espíritos na Terra se os espíritos que desencarnam são os mesmos que reencarnam? 2. em vez de negar ou afirmar o livre-arbítrio. . é só nossa vontade que rejeita ou aceita e decide em última instância. 7. Somos todos solidários e a liberdade de cada um liga-se à liberdade dos outros. de seus deveres e potências. mais consciente de si mesma. curvados ao jugo da matéria. cite exemplo. O que significa a ubiqüidade em relação ao espírito? 4. segundo a escola filosófica a que se pertença. Pode o espírito aparecer em vários lugares ao mesmo tempo? 5. em vez de formarmos seres passivos. ensinamentos e exemplos a vitória da vontade assim como do bem e. Em resumo. Elevemo-nos. porém. Libertando-se das paixões e da ignorância. torna a Humanidade mais livre. se puder. e seremos livres. soltas das cadeias da fatalidade e pairando acima do mundo pela superioridade das qualidades conquistadas. Em todos estes casos. 3. Todas as dificuldades materiais podem ser vencidas.

pois dizer-se que todas as pessoas são médiuns em maior ou menor grau. por conseguinte não constitui privilégio exclusivo. ou temperamentos. por isso mesmo. Qual o futuro da Terra e como ela chegará a este estado? 21. Defina a Lei de Causa e Efeito (também chamada de ação e Reação). Qual o papel do Espiritismo no autoconhecimento e na evolução humana? 4 4. Por que se diz que o conhecimento liberta? 22. 0 que significa “há muitas moradas na casa do Pai”? 19. A predisposição mediúnica não depende de sexos. Quando o espírito muda de grau evolutivo. Qual a relação da Lei de Causa e Efeito e o livre-arbítrio? 17. Pode. Todas as coisas tangíveis. Por que a Terra é um mundo de expiação e provas? 20. ou seja. Quem quer que sinta aquela influência em qualquer grau é. encontram-se médiuns em todas as categorias de indivíduos. em que a faculdade mediúnica se manifesta por efeitos ostensivos de certa intensidade.1 COMUNICABILIDADE DOS ESPÍRITOS MEDIUNIDADE Médium é a pessoa que sente a influência dos Espíritos e lhe transmite os pensamentos. Para que serve o perispírito? 9. quando ele reencarna em planetas mais adiantados. ainda que seja em rudimento. desde a mais tenra . médium. também poucos são os que a não possuem. isto é. toda a matéria. 15. 13. porém. 0 homem só conheceu a reencarnação com o advento do Espiritismo? 14. esta qualificação. Quais as semelhanças e diferenças entre os corpos físicos de homens e animais? 11. idades. não se aplica usualmente senão àqueles. e. Em que medida o temor da morte é necessário ao homem? 18. Essa faculdade é inerente ao homem. o que acontece com o perispírito? 10. Defina a reencarnação.46 8. 0 que é livre-arbítrio? 16. provém de onde? 12. nas suas diferentes formas.

A facilidade dessas relações depende do grau de afinidade existente entre os dois fluídos. segundo a aptidão.3 EDUCAÇÃO MEDIÚNICA A faculdade mediúnica é um instrumento de alto valor na conquista de novos conhecimentos. Os Espíritos podem manifestar-se de maneiras infinitamente diversas. na prestação de serviço ao próximo. desalgemandoos das entidades infelizes que os perturbavam. o fenômeno mediúnico. as qualidades condignas com que se fará. daí se conclui que nem todo médium pode comunicar-se com todo Espírito. entretém-se ele mesmo. antes de se render à imposição da morte. 4.47 idade até a mais avançada. generoso. mas não o fazem senão com a condição de terem uma pessoa apta para receber e transmitir esse ou aquele gênero de impressões. e aparece-lhe. para ensiná-lo através de longos anos de renunciação e martírio e converte-se em padrão vivo de bondade e entendimento. Há uns que facilmente se assimilam e outros que se repelem. não somente induz Maria de Magdala a que se liberte dos perseguidores invisíveis que a subjugam. no cimo do Tabor. Como não há uma pessoa que possua todas as aptidões no mesmo grau. mas também a criar. Socorre. por toda a parte. e o mártir percebe-lhe a presença sublime. As relações entre médiuns e Espíritos estabelecem-se por meio dos seus perispíritos.2 MEDIUNIDADE COM JESUS Em sua luminosa passagem. obsidiado por Espíritos cruéis que o transformam em desalmado verdugo. Desta diversidade de condições individuais procede a variedade de médiuns. Compadece-se de Saulo de Tarso. que suporta sereno as fúrias que apedrejam. na senda de Damasco. segue-se que umas recebem impressões impossíveis. para outras. 4. no desenvolvimento de virtudes . contudo. mais tarde. em Espírito. em si própria. aciona-lhe os mecanismos da clarividência. com Espíritos glorificados. é intimado à redenção da consciência. os alienados mentais do caminho. a mensageira da ressurreição. É assim que surpreendemos o Divino Mestre afirmando-se em atitudes claras e decisivas. Honorificando a humildade de Estevão.

etc. em casas particulares. As qualidades que atraem os bons Espíritos são: bondade. E inteiramente falsa a idéia de que o desencarnado. idade. Por certo. Pode revelar-se na Casa Espírita. sensualidade. devem ter o propósito de desenvolver um trabalho de interesse coletivo e não exclusivamente pessoal. inveja.48 e no resgate de débitos pessoais. é o laço que une o corpo ao Espírito. Nada verdadeiramente importante se adquire sem trabalho. mas este não deve ser o seu objetivo. idade madura ou na velhice. será aquele trabalhador que melhor se harmonizar com a vontade de Deus. O ser humano é constituído de Corpo. Ele é semiimaterial. calafrios. desprendimento das coisas materiais. o faz ligando-se ao Perispírito do médium. Aqueles que procuram trabalhar no campo da mediunidade. no materialista. O bom médium. evitando impor-se. simplicidade de coração. evitar o baixo palavreado e dominar os sentimentos passionais. benevolência. que poderão ser transmitidos aos necessitados.. Sua eclosão pode apresentar vários sintomas. exigindo sucesso e aplauso. Disporá então de bons elementos fluídicos. A educação da mediunidade se consegue pelo estudo consciente da Doutrina Espírita. Quando um Espírito quer comunicar-se. amor ao próximo. . para se comunicar. ódio. Para isso deve procurar a sintonia com os Espíritos Superiores. em igrejas. Portanto. adolescência. as comunicações espirituais se dão de Perispírito a Perispírito. abster-se de vícios. etc. entra no corpo do médium. condição social. O Perispírito. tais como: reações emocionais insólitas. cupidez. E o envoltório do Espírito e tem a forma do corpo. sensações de enfermidade. mal estar. ciúme. sob o ponto de vista espiritual. termo criado por Allan Kardec. Espírito e Perispírito. pela sua própria iluminação. O médium tem a obrigação de trabalhar em todos os instantes. irritações estranhas ou sem razão aparente. em busca da inspiração e do fortalecimento de seus bons propósitos. Deve ser frugal na alimentação. etc. perseverança no compromisso. podendo surgir na infância. no religioso. Não depende de sexo. A primeira necessidade do médium é evangelizar-se. o médium será também beneficiado. juventude. Os defeitos que os afastam são: orgulho.

veremos muitas vezes que. a árvore seria atingida de qualquer forma. Nossos pensamentos sofrem influência dos Espíritos a tal ponto. provocam discórdias. Os Espíritos levianos e brincalhões. ao mesmo tempo e alguns contraditórios. e naquele momento. dando-nos paciência e resignação.: Um homem deve morrer de raio. chegam-nos pensamentos vários. porque o fato estava nas leis naturais. Porém. Às vezes trata-se de inimigos que fizemos nesta ou em existências anteriores. temos ao nosso lado. porque muito freqüentemente são eles que nos dirigem. o raio estala e ele morre. retomando sua caminhada evolutiva.4 INFLUENCIA DOS ESPÍRITOS A influência dos Espíritos sobre os nossos pensamentos e atos é maior do que supomos. o homem é que a procurou. vão-se embora. "O amor cobre a multidão de pecados". Todos nós temos um Espírito Protetor. pelas quais estamos compromissados. procuram sempre ajudar-nos. Quando não encontram receptividade. retribuir o mal com o bem e os mesmos acabarão por compreender seus erros. “Buscai e achareis". Ele nos auxilia e nos inspira para que possamos crescer moralmente.5 INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS EM NOSSAS AÇÕES Os Espíritos podem ver tudo aquilo que fazemos. com a inteligência que Deus nos deu e as inspirações dos bons Espíritos. se prestarmos atenção. se comprazem em traquinices. não podem nos isentar das leis de Causa e Efeito. Muitas vezes chegam a conhecer o que desejamos ocultar de nós mesmos. Comumente. . mas não agem jamais fora das leis naturais. Ex. devemos orar por eles.49 4. 4. esconde-se embaixo de uma árvore. com o fim de testar a nossa paciência. uma multidão de Espíritos que nos observam. ao passo que os sérios. O raio explodiu sobre aquela árvore. pois teria que morrer daquela forma. que quase sempre somos por eles dirigidos. Os bons Espíritos nos auxiliam a minorar nossas dores. Os que são levianos zombam de nossas impaciências e problemas. Para por fim a esse assédio. Nós sim podemos atenuá-las. Batei e abrirse-vos-á". Eles poderão ter ação direta sobre a realização das nossas atividades. embora disso não tenhamos consciência. pois somos Espíritos inteligentes. É claro que pensamos por nós mesmos. Porém. sobre o mesmo assunto.

Depois de desencarnados. Se um Espírito é bom. Muitas vezes andamos de maneira errada. Se houver demora na execução. absolutamente necessário distingui-los uns dos outros. Podem continuar a perseguir seus desafetos. pode tentar nos induzir ao mal. a noite do dia. Os Espíritos exercem influência nos acontecimentos da nossa vida. Não é correto dizer-se que sempre o primeiro impulso é bom. Ao resistirmos ao mal. nem sempre. na . Se fosse. porém. a praticar o mal. O que Deus quer se executa. praticar o bem. A experiência demonstra que nem todos reconhecem o mal que praticaram ou estão praticando. somente podem agir sobre a matéria. assim como distinguimos naturalmente. Geralmente são nossos. os pensamentos que nos chegam em primeiro lugar. atraímos influências más e somos. ficando de tocaia. intuindo. é porque Ele assim quis. Tomemos como exemplo. Um Espírito bondoso poderá ofuscar a pessoa que empunha a arma. incentivando-nos à paciência e a resignação. colocando em Deus e no Mestre Jesus. são os mais coerentes. quando estamos em dificuldades. e o projétil seguirá a linha que terá que percorrer. ou lhe surjam obstáculos. eles. e a retribuição do mal com o bem. que só magoa e retarda o progresso. vigiar nossos pensamentos e ações. a não ser a sua inferioridade. nossa total confiança. continuamos os mesmos. Os Espíritos levianos e zombeteiros podem nos criar dificuldades em nossos desejos de algo realizar. nos aconselhando. Para neutralizar a influência dos maus Espíritos. O único meio de acabar com o círculo vicioso das perseguições e vinganças. devemos orar. nenhum motivo os impulsiona. a mistura dos nossos pensamentos. Deus nos teria dado essa condição. Doutras vezes. Os bons Espíritos ajudam-nos. E. o mais correto. portanto. uma pessoa que atira em alguém que não deve desencarnar com violência. etc. ajudados pelos maus. Quebra-se então a cadeia do ódio. Quando desejamos o mal. a que todos nós estamos destinados. com os dos Espíritos que nos rodeiam.50 Acontece aí. para que as leis da Natureza sejam cumpridas. os Espíritos inferiores retiram-se de campo. porém. é a prece em favor dos Espíritos ainda em desequilíbrio. Se ainda é um Espírito imperfeito. nos dá boas inspirações. Eles assim agem porque algumas vezes são inimigos que fizemos nesta ou numa vida anterior.

pelo simples fato de o querer. Algumas tão sutis que somente depois de muito tempo é que são evidenciadas. sem cuja permissão nada se faz. a obsessão pode ser estudada sob três variedades. Fica então obrigado a retribuir o auxílio prestado.7 OCUPAÇÃO E MISSÃO DOS ESPÍRITOS Os Espíritos concorrem para a harmonia do Universo. A vida do Espírito é uma ocupação contínua. através da sua tenacidade. influenciando-os maleficamente podemos figurar o fenômeno obsessivo em inúmeras situações. Não existe a fadiga corpórea.51 elaboração e execução dos nossos projetos. executando a vontade de Deus. a Jesus nosso Mestre e depois aos bons Espíritos. que nada tem de penosa. angústias e necessidades. 4. . Para facilidade do aprendizado. os Espíritos nada têm a ver com nossos insucessos. que são os agentes de Sua vontade. PODER OCULTO E TALISMÃ Aquele que deseja cometer uma ação má.6 PACTO. que apresentam características próprias. ele vive feliz pela consciência que tem de ser útil. Seu pensamento está sempre em atividade. 4.8. É nisso somente que consiste o pacto. da sua persistência. Se nos obstinamos por um caminho que não devemos seguir. 4. devemos agradecer primeiramente a Deus. O Espiritismo e o magnetismo nos esclarecem uma infinidade de fenômenos sobre os quais a ignorância teceu suas fábulas. Todos têm deveres a cumprir.8 PERTURBAÇÕES OBSESSIVAS Partindo do conceito que obsessão é o constrangimento exercido pelos Espíritos inferiores sobre a vontade dos encarnados. chama em seu auxílio os maus Espíritos. 4.1 Obsessão simples O Espírito inferior procura. A maldição e a bênção não podem jamais desviar a Providência da senda da justiça. Quando algo de venturoso nos acontece. Uma natureza má é que sintoniza com os maus Espíritos.

Esta. facilmente identifica que está sob a influência de um Espírito inferior. via de regra originária de comprometimento anterior. com um pouco de critério e auto-análise. . às vezes. Procurando viver em clima de elevação. que usa nome de personagens famosas ou de Espíritos de escol.2 Fascinação É a forma mais difícil de ser tratada. que no caso inexiste. Vai então. livrando-se da ação do obsessor. que no mais das vezes contrariam a forma habitual de proceder e pensar da vítima. preces. A qualquer objeção ou crítica construtiva que se faça sobre o teor das comunicações. comportando-se de modo cristão. e. pois julga não estar sob influência obsessiva. acreditando-se missionária. dando-lhes as mais estranhas sugestões. O Espírito obsessor. acredita que todos os demais é que se encontram obsidiados. boas leituras. 4. O obsidiado se nega a receber orientação e tratamento. para a cura desse tipo de obsessão. Geralmente o médium acredita estar sendo guiado por uma entidade espiritual de alto gabarito. não lhe oferecerá campo mental favorável para a sua ação. Nesta variedade. ganhando terreno. enraizando-se pouco a pouco até se instalar definitivamente. 4. deverá arrepender-se do mal que está praticando. nota-se que o obsessor se insinua. magoa-se e afasta-se das pessoas que a podem esclarecer. estará pautando a sua vida de acordo com os ditames de Cristo. Porém. É de fácil diagnóstico. formando um verdadeiro fenômeno de simbiose psíquica. e até. convívio com pessoas honestas e sérias. a princípio discretamente. a pessoa se torna extremamente crédula em tudo o que vem por seu intermédio. A subjugação só ocorre em função da sintonia mental que existe entre o médium e o Espírito obsessor. dedicadas ao semelhante. enquanto ele se julga o único certo. Não usando o critério da auto-análise.8. suscetibiliza-se.8.52 intrometer-se na vida do obsidiado. através de doutrinações feitas por quem tenha superioridade moral. há necessidade da melhora moral do médium.3 Subjugação É o fenômeno de uma criatura encarnada estar sob domínio completo e total de uma entidade desencarnada. cuidando-se devidamente.

4.1 Mediunidade como resgate e evolução A mediunidade é um madeiro de espinhos dilacerantes. mas com o avanço da subida. (ver: Paixão do fenômeno . Dos círculos mais baixos aos mais elevados da vida. a intuição é a base de todas as percepções espirituais e. brunindo caracteres ou sustentando abençoadas reparações. existem entidades angélicas. mas cometem o erro de considerar por médiuns tão-somente os trabalhadores da fé renovadora. dominando completamente o médium.9 TEMA COMPLEMENTAR 4. A pessoa neste estado realiza coisas que no estado normal não realizaria. uma supremacia da sua vontade. A esmagadora maioria dos estudantes do Espiritismo situa na mediunidade a pedra basilar de todas as edificações doutrinárias. em seus cursos diversos de preparação e aperfeiçoamento. os acúleos se transformam em flores e os braços da cruz se transformam em asas de luz para a alma livre na imortalidade. por vezes. . com tarefas especiais. agindo através da inteligência encarnada.9. Bezerra de Menezes Doutrina E Vida/Francisco Cândido Xavier/espíritos diversos. de modo geral. Há sim. calvário acima. aplicando-se à execução do bem. ou os doentes psíquicos que. Se deseja. a ser instrumento do conjunto em que mantém suas concepções e seus pensamentos habituais. toda inteligência é médium das forças invisíveis que operam no setor de atividade regular em que se coloca.Anexo 1) Antes de tudo. servem admiravelmente à esfera das manifestações fenomênicas. humanas e subumanas.53 Não se julgue que nesta variedade. protegendo a natureza e garantindo as leis que nos governam. porém. Cada individualidade renasce em ligação com os centros de vida invisível do qual procede. e continuará. por isso mesmo. é preciso compreender que: tanto quanto o tato é o alicerce inicial de todos os sentidos. o Espírito obsessor tome lugar no corpo do obsidiado. aproveitar a contribuição que a escola sublime do mundo lhe oferece. diz e faz aquilo que não lhe é habitual. estimulando o progresso e divinizando experiências.

o berço de flor e pão. não se dá com o seu uso. contudo. cede asilo à ferrugem. pois. O lavrador tem a enxada. adquirindo mais amplas provisões de amor e sabedoria. É necessário. Se preguiçoso. A produção revela o operário. Se consciente e abnegado. reconhecer que. Se irresponsável. a bondade e o conhecimento conseguem materializar na Terra os monumentos definitivos da felicidade humana (Roteiro/Francisco Cândido Xavier/Emmanuel). Uma taça não guardará a mesma quantidade de água. A pena mostra a alma de quem escreve. O patrimônio caminha no rumo que o mordomo dirige. incentiva a pilhagem. entretanto. O mesmo. invariavelmente. estimula a desordem. O sábio não poderá tomar uma criança para confidente. seja na construção do patrimônio de conforto material ou na santificação da alma eterna. para o serviço da revelação divina reclama estudo constante e devotamento ao bem para o indispensável enriquecimento de ciência e virtude. que pode ser bom.. Mediunidade. ditoso. A ação do Instrumento varia conforme a atitude do servidor. onde quer que se encontre. é fundamento vivo à cultura e ao progresso.. empresta-lhe o corte à sugestão do crime. conforme as qualidades do médium (LM. Se prestativo e diligente. É aquilo que fazes dela. cada servidor se reveste de características próprias.. Essa é a lei do intercâmbio. é aceita pelos grandes benfeitores do mundo. A ignorância poderá produzir indiscutíveis e belos fenômenos. O desenvolvimento da mediunidade não guarda relação com o desenvolvimento moral dos médiuns. quando transportado num vaso guarnecido de lodo. ou mau. Se desonesto. A faculdade propriamente dita se radica no organismo. O artista dispõe de mais amplos recursos . através dele.. por intérprete da assistência divina. na esfera da mediunidade. O legislador guarda o poder. a consagração sistemática ao progresso de todos. porém. ergue. 226. O perfume conservado no frasco de cristal puro não será o mesmo. embora a criança. mas só a noção de responsabilidade. independe do moral. nos quadros da evolução humana. Se delinqüente. contudo. detenha consigo tesouros de pureza e simplicidade que o sábio desconhece. Não é a mediunidade que te distingue.54 nos menores ângulos do caminho. O conteúdo sofrerá sempre a influenciação da forma e da condição do recipiente. suscetível de ser sustentada numa caixa com capacidade para centenas de litros. 1º).

porque o bem que fizeres retornará dos outros ao teu próprio caminho. no entanto. na convicção de que o bem. amparando e servindo. Se desequilibrado. Se corrompido. 9) Como "curar" uma obsessão 10) Prevenção da obsessão . com eles. conseguimos classificar-lhes a influência pelos males ou bens que espalhem. a favor do próximo.55 da Inteligência.. 1) Mediunidade: definição e características 2) Educação mediúnica: finalidades e objetivos 3) Influência e ação dos espíritos sobre o mundo físico: como se dá 4) Influência dos espíritos em nossas ações: conseqüências 5) Obsessão: definição geral e como se estabelece 6) Obsessão simples: definição e porque acontece 7) Fascinação: definição e porque acontece 8) Subjugação: definição e porque acontece. do legislador e do artista. ainda mesmo te sintas imperfeito e desajustado. como bênção de Deus a brilhar sobre ti. Todos nós.1 Temas para dissertação Pesquisar em casa e apresentar em aula: sortear os temas entre os alunos que terão ± 10 minutos cada um para mostrar seu trabalho. surgirá sempre como esteio à virtude. 4. a respeito do Livro dos Médiuns .10 REVISÃO 4 4. no auxilio aos semelhantes. apenas à Lei Divina realmente cabe julgar.Parágrafo 1º .. busca primeiro o bem. Desse modo. ajudando e educando. que acerca das qualidades e possibilidades do lavrador. Urge reconhecer. Se eliecido e generoso. porém. infeliz ou doente. favorece a loucura. utiliza a força medianímica de que a vida te envolve. estende a viciação. (Texto ditado por Emmanuel na reunião pública de 12/2/1960.Questão nº 226 .Seara dos Médiuns/Francisco Cândido Xavier). na concessão do mandato que lhes é confiado. Seja qual for o talento que te enriquece. todavia. Assim também na mediunidade. é o bem irrepreensível que podemos fazer.10. de imediato.

56 5 JUSTIÇA DIVINA E EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO 5. Tem o desejo de abreviar suas dores. aos maus procedimentos e às injúrias. podendo começar este trabalho imediatamente. sem medir a . não sete vezes. compreende que suas imperfeições o privam de ser feliz. Confrontai essas palavras de misericórdia com a oração tão simples. sem serem maus. que torna uma criatura invulnerável ao ataque. mas ajuda no progresso do Espírito. em determinadas ocasiões. em suas falsas opiniões. não se transforma subitamente. não se ocupam com nada útil. mas setenta vezes sete vezes. e o mesmo pensamento se vos deparará sempre. Se desencarnado. tão resumida e tão grande em suas aspirações. responde a Pedro: perdoarás ilimitadamente. Ele. perdoarás cada ofensa tantas vezes quantas ela te for feita. Há Espíritos que. 5. quando a consciência o censura de algo. a sensação desagradável e dolorosa que assalta o Espírito. Aí tendes um dos ensinos de Jesus que mais vos devem percutir à inteligência e mais alto falar ao coração. E o arrependimento que chega. para modificar seu modo de proceder. Ele pode persistir em seus erros. O arrependimento sincero não basta para apagar as faltas. Não se deve perder de vista que o Espírito. Outros Espíritos há que se arrependem. Quando arrependido. serás brando e humilde de coração.2 O PERDÃO Quantas vezes perdoarei a meu irmão? Perdoar-lhe-eis. depois da morte. porém em seguida. por Espíritos ainda mais atrasados. que ensinou a seus discípulos. até que seja esclarecido pelo estudo. em seus preconceitos. aspira nova existência.1 O ARREPENDIMENTO Arrependimento é o reconhecimento do erro praticado. o Justo por excelência. deixam-se arrastar no caminho do mal. apressando sua reabilitação. Se não reconheceu suas faltas durante a vida corporal. em que possa expiar suas faltas. as reconhecerá na vida espiritual. pela reflexão e pelo sofrimento. mas não dispõe de energia suficiente. ensinarás a teus irmãos esse esquecimento de si mesmo.

Olvidai o mal que vos hajam feito e não penseis senão numa coisa: no bem que podeis fazer. porém. Pois que vos dizeis espíritas. Dele. Ninguém se lhe impõe por meio de vãs palavras e de simulacros. mas interiormente. Não olvides que o verdadeiro perdão se reconhece muito mais pelos atos do que pelas palavras. que o Senhor vos perdoará. portanto. como Pedro. humilhai-vos. os quais todos.3 FELICIDADE E INFELICIDADE RELATIVAS O homem. Ele sonda o recesso do coração e os mais secretos pensamentos. Quantos não dizem: “Perdôo" e acrescentam: “mas não me reconciliarei nunca. o perdão cristão é aquele que lança um véu sobre o passado. o que desejas que o Pai Celestial por ti faça. que o Senhor vos restituirá. usai de indulgência. Cuidai. de os expungir de todo sentimento de rancor.57 tua mansuetude. Daí. perdoai. pois a vida aqui lhe foi dada como prova ou expiação. pois. sedeo. pródigos até do vosso amor. Praticando a lei de Deus. farás. dizendo: nada tenho contra o meu próximo 5. segundo o Evangelho? Não. que o Senhor fará vos assenteis à sua direita. não pode gozar de completa felicidade. jamais vos esqueçais que. Será esse o perdão. a muitos males se . uma vez que sois responsáveis pelos vossos pensamentos. Deus sabe o que mora no fundo do coração de cada um de seus filhos. Não está ele a te perdoar freqüentemente? Prestai. na Terra. Aquele que enveredou por esse caminho não tem que se afastar daí. abaixai-vos. Muitas pessoas dizem com referência ao seu adversário: “Eu lhe perdôo”. aplicai-a a vós mesmos. O esquecimento completo e absoluto das ofensas é peculiar às grandes almas. o perdão das injúrias não deve ser um termo vão. Perdoai. não quero tornar a vê-lo em toda a minha vida”. esse o único que vos será levado em conta. Mas. o rancor é sempre sinal de baixeza e de inferioridade. Deus conhece. ainda que por pensamento. visto que Deus não se satisfaz com aparências. como por atos. enfim. tanto por palavras. daquele que pode todas as noites adormecer. depende a suavização de seus males e o ser tão feliz quanto possível. alegram-se com o mal que lhe advém. pois. Espíritas. Feliz. há duas maneiras bem diferentes de perdoar: há o perdão dos lábios e o perdão do coração. que o Senhor vos elevará. generosos. ouvidos a essa resposta de Jesus e. comentando que ele tem o que merece. sede caridosos.

isto significa um favor aos olhos dos que apenas vêem o presente. os pais. enquanto não dispuser de outros mais diretos e mais acessíveis aos seus sentidos. ao homem só por culpa sua pode faltar o necessário. muitas vezes. tão amiúde. porque. numa sociedade organizada segundo a lei do Cristo. ninguém deve morrer de fome. a responsabilidade recairá sobre aquele que lhe houver dado causa. suas próprias faltas são freqüentemente resultados do meio onde se acha colocado. é a posse do necessário. Com relação à vida moral. 5. mas a riqueza é. prova mais perigosa do que a miséria. se quer progredir. Os maus são intrigantes e audaciosos. o homem uma consolação em poder comunicar-se com os seus amigos pelos meios que estão ao seu alcance. No mundo.1 Perdas de entes queridos Esta causa de dor atinge assim o rico. Então só tem que se queixar de si mesmo. Se alguns são favorecidos com os dons da riqueza. como o pobre: representa uma prova. Verdadeiramente infeliz o homem só o é quando sofre da falta do necessário à vida e à saúde do corpo. O Espírito é sensível à lembrança e às saudades dos que lhe eram caros na Terra. . de ordinária. a influência dos maus sobrepuja a dos bons. por fraqueza destes.. uma dor incessante e desarrazoada lhe toca o pensamento. Por outro lado. a consciência tranqüila e a fé no futuro. Tem. pode acontecer que essa privação seja de sua culpa. A felicidade do homem. nessa dor expressiva. desviam seus filhos da senda que a Natureza lhes traçou. Não há profanação nas comunicações com o além-túmulo. mas.3. por efeito desse desvio. Com uma organização social criteriosa e previdente. os bons são tímidos. a não ser para elevar sua alma ao infinito. Deve resignar-se e sofrer todos os males sem murmurar. desde que haja recolhimento e quando a evocação seja praticada respeitosa e convenientemente. Deus indica a nossa vocação neste mundo. Porém.58 forrará e proporcionará a si mesmo felicidade tão grande quanto o comporta a sua existência grosseira. Todavia. ou expiação. mas. com relação à vida material. O homem criterioso. olha sempre para baixo e não para cima. Se for ocasionada por outrem. porém. por orgulho ou avareza. a fim de ser feliz. comprometendo-lhes a felicidade.

mas entre os encarnados vemos. muitas vezes. Eles são. porém. em sua origem. . Uns as aceitam submissos. Ele os criou simples e ignorantes. os que julgavam amar-se com eterno amor passam a odiar-se. por conseguinte. obrigados a viver com as pessoas amadas. e os que são maus. e sofremos. não tardam a reconhecer que só experimentaram um encanto material. permanecendo por mais tempo afastado da felicidade. porém se tornaram perfeitos. que só de um lado há afeição e que o mais sincero amor se vê acolhido com indiferença e. é uma das infelicidades de que somos. desde que a ilusão se desfaça. Duas espécies há de afeição: a do corpo e a da alma. Adquirindo pouco a pouco o conhecimento da verdade. 5. até. Essa. Daí vem que. A falta de simpatia constitui fonte de dissabores entre os seres destinados a viver juntos. efêmera a do corpo. Porém.59 ele vê a falta de fé no futuro e de confiança em Deus e. Todos. acontecendo com freqüência tomar-se uma pela outra. sem a luta? Seriam robôs e não seres dotados de livre-arbítrio. a conseqüência das nossas ações. Depois. para conquistar a felicidade. assim se tornarão pela sua vontade própria. a causa principal. só as suportam murmurando. Quando pura e simpática. como crianças: ignorantes e inexperientes. porque apenas julgam pelas aparências. então. podendo os mesmos escolher entre o bem e o mal. as mais das vezes. poderão chegar à perfeição. um obstáculo ao adiantamento dos que o choram e talvez à sua reunião com estes. onde estaria o merecimento.3. os Espíritos passam por provas. freqüentemente. a afeição da alma é duradoura. para serem felizes. Isto constitui uma punição. enquanto que outros. quantos não são os que acreditam amar perdidamente. com repulsão. Se Deus já houvesse criado os Espíritos perfeitos. e esta os levará à felicidade. e que.2 Uniões antipáticas Os Espíritos simpáticos são induzidos a unir-se. pois foram criados por Deus. se bem que passageira. 6 EVOLUÇÃO ESPIRITUAL Deus criou todos os Espíritos simples e ignorantes.

mas isso não é a perfeição absoluta. via de regra. Deus dá ao homem liberdade de escolha para que o mesmo tenha o mérito de seu progresso. Poderá ser tão perfeito quanto comporte a sua natureza terrena. Para tornar-se puro. não como Espíritos. • Conjugação da boa-vontade. em definitivo. se julga realizado. nem por isso são Espíritos perfeitos. longe ainda está da perfeição. que se convertem. a vida do Espírito é apenas instintiva. necessitam se desenvolver. ingenuamente. o Espírito passa pelos graus intermediários. em tese. Ex. carpinteiro. quando o homem.: Herodes era rei e Jesus. no plano físico e no plano espiritual. ao longo de sucessivas reencarnações. Quando se julga. Em sua origem. • Propósito de não retroceder. . Podemos compará-los à criança que. sem antes passar pela adolescência. perfeito. na atitude mental superior. Não tem. A inteligência só pouco a pouco se desenvolve e então a alma ensaia para a vida. 6. • Dificuldade em libertar-se de hábitos secularmente cultivados. Mal tem consciência de si mesmo e de seus atos. seja qual for a bondade de seus instintos naturais. sem transição. Os Espíritos que desde o princípio seguem o caminho do bem.60 O livre-arbítrio se desenvolve à medida que o Espírito toma consciência de si mesmo. Essa caminhada evolutiva é gradual e progressiva. Podem descer como homens. Na sua sabedoria. a fim de que se verticalize. depois da quarta etapa. Os Espíritos jamais retrogradam. em ferrenhos adversários. • Firme deliberação de estabilizar a “mudança”. é certo. se esclarecer e que não passam. da infância à maturidade.1 ETAPAS DO PROCESSO EVOLUTIVO O processo evolutivo do ser humano. mas precisam adquirir a experiência e os conhecimentos indispensáveis para alcançarem a perfeição. encarnados ou desencarnados. Eis alguns dos óbices que surgem no caminho evolutivo. o processo de renovação. pelo Espírito: • Reação dos antigos companheiros. maus pendores. a quatro fatores essenciais. pois. a saber: • Compreensão da necessidade de “mudar”. obedece. do esforço e da perseverança.

é a própria Providência. Imprimiu-lhes na consciência as leis morais de trabalho. mas equilibrada . tão poderoso. reprodução. às quais toda criatura se acha submetida na esfera de suas atividades. só se pode admitir. em relação às suas criaturas. em seu justo e mais elevado sentido e. É nisto que consiste a ação providencial. e ele só é infeliz quando descumpre ou com elas se desarmoniza.2 TEMA COMPLEMENTAR 6.2. conservação e destruição . que este funcione de toda a eternidade em virtude dessas leis. tudo o que se faz dispondo as coisas de modo que se realizem objetivos de ordem e harmonia. neste mundo. Como pode Deus. devem organizar-se em famílias ou em mais amplas comunidades sociais.como também a lei de sociedade. concluindo por dizer que. tão grande. na sua mais alta expressão. que ela se exerça sobre as leis gerais do Universo.61 • Irresistível saudade da fantasia e da ilusão. tão superior a tudo. que lhe foram clima natural em diversas ocasiões.esta não abusiva. sejam físicas ou espirituais. . imiscuir-se em pormenores ínfimos. obedecendo a qual. Providência é. mesmo às coisas mais mínimas. Deus. 6. Deus tudo fez e tudo faz a bem de suas criaturas. a própria felicidade pela livre observância dessas leis e o cumprimento dos correspondentes deveres. sem que haja mister a intervenção incessante da Providência. quanto à sua ação. com a plena satisfação das suas reais necessidades. Ele está em toda parte. preocupar-se com os menores atos e os menores pensamentos de cada indivíduo? Esta a interrogação que a si mesmo dirige o incrédulo. infinitamente acima de todas as possibilidades humanas.1 Providência Divina A Providência é a solicitude de Deus para com as suas criaturas. ligados todos àquelas leis morais e ainda às de progresso. admitida a existência de Deus. visando o bem e a felicidade das criaturas. igualdade e liberdade. tudo vê e tudo preside. em cujo seio vão cumprir deveres.

que se opõem à Providência Divina e o livre-arbítrio humano. A liberdade do ser se exerce. para conhecer-lhe o justo valor. de outro. a ordem das coisas será a cada instante perturbada. então. é o farol aceso no meio da noite. e sim que a busque por si mesma. Que solicitude. até a completa reparação. mas. Mas não! Deus concede o livre-arbítrio ao homem para que ele acrescente à sua felicidade o mérito da iniciativa e espontaneidade. lhe será negado o socorro divino. devendo arcar com todas as conseqüências deles decorrentes. cujos fluidos vivificantes sustentam o viajor prostrado pela fadiga. é o Anjo velando sobre o infortúnio. principalmente. pelas exigências da lei natural. para poder apreciar essa felicidade.na provação amargurada ou no seio da luta ardente das paixões -. desde que em si desperta a vontade de voltar ao bom caminho. utilizando-se do livre. por seu próprio passado. a Providência dar-lhe-á auxilio e proteção. Pelo uso do seu livrearbítrio. pois. A Providência é o Espírito Superior. portanto. Jamais. Parece. mas é também plenamente responsável pelos atos praticados. no trabalho. cujas conseqüências lhes refluem através dos tempos. prepara as suas alegrias ou dores. cujas inspirações reaquecem o coração gelado pelo desespero. é o Consolador invisível. o Amor Divino derramando-se a flux sobre suas criaturas. a alma fixa o próprio destino. Sua liberdade de ação e sua responsabilidade aumentam com a própria elevação. à estrada sagrada. na busca do próprio bem. para isso. quanto mais se esclarece. Nunca deve esmorecer. porém. para a salvação dos que erram sobre o mar tempestuoso da vida. recebendo passivamente a Graça Divina. no curso de sua marcha . que não pode sofrer alteração alguma e mesmo nenhum desarranjo na ordem do mundo.arbítrio que a Divina Providência lhe confere para construir ativa e meritoriamente o seu destino.62 Faz o homem tudo o que quer. A tudo Deus realmente provê. Acima de nossas . porque. na livre escolha do caminho reto para o conseguir. A Providência é. conquistando através de perseverantes esforços a felicidade e o progresso. que previdência nesse amor! A alma é criada para a felicidade. sejam estas felizes ou infelizes. mais pode e deve conformar o exercício de suas forças pessoais com as leis que regem o Universo. mas não quer inativa a sua criatura. dentro de um círculo limitado: de um lado. deve conquistá-la por si própria e. Em caso algum o exercício da liberdade humana pode obstar a execução dos planos divinos: do contrário. ainda. por mais indigna que se julgue. precisa desenvolver as potências encerradas em seu próprio íntimo.

mesmo quando nos fazes sofrer . Quase sempre julgamos um mal aquilo que para nós é o verdadeiro bem. para esclarecimento a título de preparação para o seminário de encerramento da apostila."A Gênese" 6. que estabelece tudo para o nosso bem. como discípulos a um Mestre e como ovelhas a um Pastor. tais são os vícios. Se a ordem natural das coisas tivesse de amoldar-se aos nossos desejos. Irmã(o). desde então.por exemplo. a ordem imutável do Universo prossegue e mantém-se. louvamos Àquele de quem emanas. uma vida de felicidade. torna-se a dor uma escola ou. se há males que a inteligência humana tem o dever de conjurar. em relação à Humanidade terrestre. lembre-se da recomendação de Allan Kardec: . enriquecidos de experiência e de sabedoria . que nos acompanhas através de vidas sucessivas. objetivando o nosso progresso e a nossa ascensão. que somente dor e compreensão podem vencer.63 percepções limitadas e variáveis.pois. que horríveis alterações daí não resultariam? O primeiro uso que o homem fizesse da liberdade absoluta seria para afastar de si as causas de sofrimento e para se assegurar. os que são provenientes da condição terrestre -. beneficiados pela dor redentora. através de séculos e milênios! Não estamos em momento algum desamparados ou à nossa sorte abandonados. na imensidão da Sua Justiça e do Seu Amor! Allan Kardec .3 REVISÃO 5 Faça uma revisão de todos os módulos estudados.desde o momento em que Te reconhecemos e nos conscientizamos da Tua imanência numa Lei Sábia e Soberana. Mas a Providência Divina. Nestes casos. se por força da Lei. Com que solicitude e paciência infinita Ele nos vem. ainda se manifestou quando Deus nos confiou a Jesus. desde logo. um remédio indispensável: as provas sofridas não são mais que distribuição eqüitativa da justiça infalível. pela própria Lei seremos devolvidos à paz e à felicidade. apontando as dúvidas que surgirem. outros há inerentes à nossa natureza moral. Trazer as dúvidas para discutir em aula. ensinando e conduzindo. de destruir . antes. Divina Providência. Ora. as conseqüências dos nossos desmandos.

atingir os fins sem atender aos princípios? Muitos irmãos pretendem desenvolver as percepções mediúnicas.A PAIXÃO DO FENÔMENO Abaixo. dentre os estudados. e essa base é a perfeita compreensão daquilo em que se deve crer. na forma de três módulos. supondo erroneamente que as forças espirituais permanecem circunscritas a puro mecanismo de forças cegas e fatais. é necessário compreender”.SEMINÁRIO Encerramento do curso: Discutir e escolher com os alunos 3 assuntos. Desejais realizações generosas nos domínios da revelação superior. Entretanto. 8 ANEXOS 8. há que corrigir vossas atitudes mentais diante da vida humana. disciplina e construtividade. não basta ver. entretanto. Assim. mas o que sinceramente quer atingi-la. partes do capítulo: "Mediunidade e fenômeno". Para crer. Como intentar construções sem bases legítimas.64 “Fé inabalável só é a que pode encarar a razão. face a face. sonhais conquistas gloriosas e realizações sublimes. sem qualquer ascendente de preparação. Sejam quais forem os seus antecedentes. em todas as épocas da Humanidade” e “A fé necessita de uma base.1 ANEXO 1 . aguardam simples expressões fenomênicas. do livro Missionários da Luz. para serem apresentados em 1 hora e meia. os grupos serão formados pelos dois turnos de estudo da forma que o grupo considerar melhor. “O Espiritismo não vem procurar os perfeitos. mas os que se esforçam em o ser pondo em prática os ensinos dos Espíritos. 7 PROGRAMA . psicografado por Francisco Cândido Xavier. requerem a . O verdadeiro espírita não é o que alcançou a meta. que será bom espírita desde que reconheça suas imperfeições e seja sincero e perseverante no propósito de se emendar”. onde o espírito André Luiz repassa as instruções recebidas do espírito Alexandre que presidiu a reunião.

antes de vos inquietardes pelas grandes obras.. na esfera de trabalho cotidiano? Terão dominado todos os impulsos inferiores. e. Se o raio de sol não se contamina ao contato do pântano. estariam as leis divinas. Recorremos à semelhante imagem para dizer-vos que o habitante da esfera. a servir.65 clarividência. é um irmão nem sempre superior a vós outros. terão aprendido a ver. e o vaso quebrado não significa redenção ou elevação do seu temporário possuidor. e colocar os desígnios do Senhor acima de todas as preocupações individuais! Urge fugir da apropriação indébita no comércio com as forças invisíveis. sim. a ouvir e. Os companheiros que vos antecedem no plano espiritual não permanecem reunidos em aprendizagem muito diferente. . no entanto. sem dúvida.. porém. à mercê dos desordenados desejos da criatura? Ó meus amigos. ainda transitórias e imperfeitas. também o doente rebelde é o mesmo enfermo se apenas troca de residência. não somos duas raças antagônicas ou dois grandes exércitos. tão-somente diferenciados uns dos outros pelos impositivos da vibração. em outras características . sobretudo. furtarse ao encantamento temporário e à obsessão sutil e perversa! Coletivamente. durante algum tempo. para se colocarem no rumo das regiões superiores? Poderá o feto caminhar e falar no plano físico? Deveríamos conferir à criança de cinco anos direitos cabíveis ao adulto de meio século? Se as leis humanas. a clariaudiência. a grande e infinita comunidade dos vivos. nos círculos evolutivos. desenvolver as tarefas aparentemente pequeninas. rigorosamente separados através das linhas da vida e da morte. igualmente. traçam linhas de controle aos incapazes. imutáveis e eternas. os nossos veículos de manifestação. há muitos gêneros e processos mediúnicos em função no mundo das formas em que viveis! Urge. estimar o trabalho antes do repouso. o serviço completo de intercâmbio com os planos mais elevados. aceitar o dever sem exigências. O corpo físico representa apenas o vaso em uso. Os elétrons e fótons que vos constituem a vestimenta física integram. mas quase sempre unidos para a mesma tarefa de redenção final! Não julgueis que a morte do corpo físico santifique o ser que a habitou! Desencarnação não expressa santificação. atualmente invisível aos vossos olhos.

o impulso sanguinário dos tigres vorazes. de modo algum. convocando-vos ao sentimento iluminado. semeando sofrimentos. para isso. entretanto. de que a Lei Divina jamais endossou o cativeiro e nunca sancionou a escravidão! Esquecestes a palavra divina que pronunciou: “vós sois deuses”? Ó meus amigos. olvidando os patrimônios divinos. duvidando até de vós mesmos. as ciladas das raposas. . à virtude ativa. São qualidades que o Espírito conserva em si. portanto. é ainda muito forte a vossa tendência de materializar todas as expressões do espírito. para as maravilhas de vossa divindade potencial.66 vibratórias. quase sempre perseverando nas sombras. porque o problema da glória mediúnica não consiste em ser instrumento de determinadas Inteligências. incentivando a separação. É necessário. pela razão com que fostes galardoados pelo Senhor do Universo. buscais demorar voluntariamente na fauna da irracionalidade primitiva. mas em ser instrumento fiel da Divindade. a vaidade e o orgulho dos leões. Esperais a revelação da verdade divina. naturalmente anelais a aproximação da sociedade celeste. atentardes para as vossas possibilidades interiores. no entanto. O facho esplendoroso do raciocínio clareia o santuário de vossas consciências. é indispensável organizar e desenvolver vossos valores celestes. o sublime vos convida ao “mais além”. a realização espiritual imprescindível à edificação divina de cada um de nós. ao departamento superior da vida íntima. irmãos mais velhos vos convocam ao convívio do Pai. contudo. sente-se ainda o veneno das víboras ingratas. No campo vibratório da incute humana. a par de elementos insofismáveis de certeza tranqüila. reclamais felicidade. Em vossos desejos insopitáveis de intercâmbio com o Invisível. Todo um exército de trabalhadores do Cristo funciona em cada núcleo de vossas atividades relativas à espiritualização. todavia. A possibilidade de comerciar emoções com as esferas invisíveis que vos rodeiam não representa. pedis amor. Solicitais a luz. buscais a fé. o instinto dos lobos famulentos. a persistência na condição de animalidade vos perturba! Sois a coroa espiritual da face da Terra. Não acrediteis que semelhantes atributos sejam característicos do corpo mortal simplesmente. esquecidos de espiritualizar a matéria. como criaturas celestiais que verdadeiramente sois. Para que a alma encarnada efetue semelhante conquista é indispensável desenvolva os seus próprios princípios divinos. Lembrai-vos.

mas não esqueçais de que as afinidades são leis fatais de reunião e integração nos reinos infinitos do Espírito! Sem os valores da preparação. encontrareis irremediavelmente a companhia dos que fogem aos processos educativos do Senhor. intentais a travessia das fronteiras vibratórias. a puras manifestações de mecanismo fisiológico. que o não habitual deve ser convocado a favorecer novas convicções. em plena multidão. orientar e ensinar. acreditais seja possível vencer o domínio pesado das vibrações grosseiras. ao lado do trigo que alimenta? Que dizeis da haste espinhosa da Terra oferecendo a Flor. e sem as bênçãos da responsabilidade encontrareis logicamente os irresponsáveis. entretanto. mas a essência espiritual é sempre a mesma. como esperais que a mediunidade sublime se reduza a serviços automáticos. somos dos primeiros a reconhecer que os vossos caminhos na Crosta se desdobram entre fenômenos maravilhosos. indene de educação e responsabilidade? Sempre será possível abrir meios de comunicação entre vós outros e os planos que vos são invisíveis. nos círculos do desenvolvimento medianímico. qual homem leviano que exigisse orientadores.67 Ora. esquecido de que nem todos os transeuntes da via pública permanecem em condições de beneficiar. Tomados de enormes equívocos. tão-somente à força de movimentação mecânica das células materiais. Sem qualquer preparação. acaso. ao invés de cultivardes as qualidades positivas de realização com Jesus. Objetareis que o fenômeno é indispensável no campo experimental das conquistas científicas. ao acaso. para o adestramento de forças psíquicas. Já resolvestes. permaneceis no fomento de interesses mesquinhos da concorrência humana aos centros passageiros de pura sensação. Se as máquinas mais simples da Terra pedem o curso preparatório do operário. Daí o emaranhado de manifestações inferiores nas esferas mediúnicas de vossas atividades. Modificam-se os planos de vibração. invocando as potências invisíveis de qualquer natureza. a morte física surpreende as criaturas na atitude que cultivaram. para que o setor da produção não desmereça em qualidade e quantidade. o mistério da integração do hidrogênio e do oxigênio na gota d'água? Explicastes todo o segredo da respiração dos vegetais? Por que disposições da Natureza viceja a cicuta que mata. cristalizadas pela viciação de muitos séculos. Em muitas ocasiões. como graciosa taça de perfume celeste? Solucionastes todos os problemas biológicos das formas físicas .

que nunca se iluminam a si mesmos? Catalogar valores não significa vivê-los. fugindo às realidades universais e adiando. não passa de dança macabra dos raciocínios. Além disso. alguma vez. fornecendo-lhes a legítima concepção da existência de Deus. Ensinar o caminho a viajores. Entretanto. a edificação real do espírito! Concordamos convosco em que a experimentação é necessária. ainda que os aprendizes se esclareçam. sem jamais aprenderem no terreno das aplicações legítimas? Que dizer dos companheiros. nas diversas espécies? Qual é a vossa definição do raio de sol? Vistes. e eminentes geógrafos que raramente saem do lar. em cujos círculos viveis desde agora. é forçoso observar que a informação não é tudo. não despertam as almas adormecidas. como esperais destruir a rebeldia milenária dos homens. o eixo imaginário que sustenta o equilíbrio do mundo? Se semelhantes fenômenos. Referimo-nos a semelhantes imagens para fazer-vos sentir que. que a curiosidade respeitável é mãe da ciência realizadora. não demonstra conhecimento direto e pessoal da jornada. meus amigos! Urge abandonar os setores de ruído externo para iniciardes o desenvolvimento interior das faculdades divinas! A paixão do fenômeno pode ser tão viciosa e destruidora para a alma. urge reconhecer que os elementos de aprendizagem não devem ser convertidos pelo aluno em meras expressões de brinquedo ou entretenimento. Há excelentes estatísticos que nunca visitaram as fontes originais de seus recursos informativos. como a do álcool que embriaga e aniquila os centros da vida física! Vosso jogo de hipóteses. como é imprescindível o material didático. portadores de luzes verbais para os outros. na maioria das circunstâncias. no campo limitado da curta existência na Crosta. nas escolas mais simples. indefinidamente. não se pode fazer o mesmo no reino infinito da vida espiritual. Que dizer dos discípulos que estudam sempre.68 que povoam o Planeta. . apesar da vossa condição de criaturas ligadas aos veículos inferiores. relativamente às lições. se é possível manter atitudes dessa ordem. que a pesquisa intelectual é o ponto de partida dos grandes empreendimentos evolutivos. que todo e qualquer processo de conhecimento exige campo de observação e trabalho. de caráter permanente na Crosta. porquanto o esclarecimento educativo é apenas parte do aprendizado. exigindo espetáculos prematuros de manifestações da Espiritualidade superior? Não.

69 Mediunidade não é disposição da carne transitória e sim expressão do Espírito imortal. porque todos nós somos Espíritos imortais. elevados e construtivos. valorizai as experiências. o intercâmbio aprimorado. é inegável que necessitamos das grandes tarefas estimuladoras. intensificai as luzes do raciocínio! Se aguardais a companhia sublime dos santos. mas o futuro nos revelará que o serviço dessa natureza pertence a todas as criaturas. pois. que nos convidou ao banquete da luz. que deve ser divino. Por agora. esperando a vossa angelização! Se desejais a presença dos bons. todavia. nos encontramos diante da própria Espiritualidade sem fim. o corpo é instrumento elevado nas mãos do artista. lembrai-vos. não podereis entender os Espíritos afáveis e amigos. santificai-vos na luta de cada dia. nos círculos de vosso presente evolutivo! Elevemo-nos. a caminho de transformações que mal poderíeis imaginar. no espírito do Senhor. renovando energias viciadas de séculos consecutivos. não vos detenhais na atitude exclusiva e presunçosa dos que supõem haver encontrado na mediunidade tão-somente um sexto sentido! O valor mediúnico não é dom de privilegiados. numa revelação sublime da vida eterna e de valores imortais para todas as criaturas de boa vontade! Acolhendo essa convicção. Em vossas atividades espiritualistas. na disseminação da fé positiva e edificante. desde hoje! Levantemo-nos para o porvir. porque as entidades angélicas não se mantêm insuladas nos júbilos celestes e trabalham também pelo aperfeiçoamento do mundo. Não alimenteis qualquer dúvida! Não permitais que o padrão vibratório das forças físicas vos apague a luz gloriosa da divina certeza deste momento. requer sadias condições do vaso sagrado de possibilidades fisiológicas que o Senhor vos confiou para santificação. tomaivos bondosos por vossa vez! Sem afabilidade e doçura. de que não vos encontrais perante uma doutrina sectária de homens em trânsito no Planeta! Permaneceis num movimento divino e mundial. Naturalmente. Se aspirais ao desenvolvimento superior. abandonai os planos inferiores. é qualidade comum a todos os homens demandando a boa vontade sincera no terreno da elevação. Se pretendes o intercâmbio com os sábios. crescei no conhecimento. sem compreensão fraternal e sem atitudes edificantes. não no sentido de menosprezar a . porque todos nós. amados amigos. entre os dois planos. de libertação das consciências. em que determinados companheiros encarnados são convocados aos grandes testemunhos nesse setor do esclarecimento coletivo.

mais possibilidades apresenta para refletir o brilho solar! Colocai as expressões fenomênicas de vossos trabalhos em segundo plano. acima de tudo. À semelhança da morte. mas aprendei a subir até eles. possibilitando-lhe afastar-se momentaneamente do corpo físico. mas no propósito de aperfeiçoar as nossas qualidades individuais.SONO E SONHOS Central Espírita Brasileira Introdução Chama-se emancipação da alma. Acentuai o próprio equilíbrio e o Senhor vos abrirá a porta dos novos conhecimentos! Em todos os labores terrestres. Não provoqueis o desenvolvimento prematuro de vossas faculdades psíquicas! Ver sem compreender ou ouvir sem discernir pode ocasionar desastres vultosos ao coração. Buscai. reflexões e desinteresse . ao Espírito Divino! Não permitais que o egoísmo e a vaidade. os apetites inferiores e as tiranias do “eu” vos empanem a faculdade de refletir a Divina Luz. e em nossas posições de trabalho. que exigir o sacrifício dos benfeitores!.70 Terra. realizando os preceitos evangélicos e edifiquemo-nos. estamos para Deus como as pedras preciosas da Terra estão para o Sol criador .2 ANEXO 2 . para sermos verdadeiramente úteis às suas realizações que hão de vir! Entreamemo-nos intensamente. em que o Espírito se liberta com facilidade do corpo mediante conquistas anteriores de desapego e renúncia.quanto mais lie a pureza da pedra.. É muito importante a compreensão e o estudo do sono e dos sonhos para um conhecimento mais amplo do fenômeno da emancipação da alma e das experiências vivenciadas pelo Espírito neste estado de liberdade. progredir na virtude e aprimorar sentimentos. o desprendimento do Espírito encarnado. não intenteis fazer baixar até vós os Espíritos superiores. erguendo-nos para a redenção final.. transformai-vos na Vontade de Nosso Pai! E em vossos serviços de fé. conscientes de que os caminhos de intercâmbio são os mesmos para todos e mais vale elevar o coração para receber o infinito bem. Recordai que em nossa capacidade de servir. cada dia. individualmente. lembrando sempre de que o Espírito é tudo! 8. Jamais quebreis o fio de luz que nos liga.

suas características espirituais. Dormimos um terço de nossas vidas e o sono. durante o desdobramento ou emancipação da alma pelo sono natural. embora muitos sejam classificados. Analisando tão somente os aspectos fisiológicos das atividades oníricas. quadros simbólicos que os Espíritos fazem passar sob nossos olhos para nos dar úteis advertências e salutares conselhos. a alma se exterioriza. concede-nos possibilidades de enriquecimento espiritual através das experiências vivenciadas enquanto dormimos. além das propriedades restauradoras da organização física. evidenciar com maior intensidade. ruídos. E o fenômeno da bicorporeidade. são as visões. como a psicofonia e a psicografia e também os de efeitos físicos ou objetivos como as aparições. em alguns casos excepcionais. dos acontecimentos ocorridos durante o sono. Sem considerar a emancipação da alma. estudos e aquisições enobrecedoras. produzir sons. no sono há uma ocorrência equivalente. etc. sem conhecer as . Sonho é a lembrança dos fatos. Às vezes. A ciência oficial. os laços que o unem à matéria ficam mais tênues. se são Espíritos imperfeitos. Vários fenômenos mediúnicos poderão ocorrer com a alma emancipada. os participantes dos grupos mediúnicos desenvolvem tarefas de significativo valor em continuidade às atividades encetadas nas reuniões mediúnicas. durante o sono ou na vigília. neste estudo. se são bons Espíritos. o Espírito se desloca do corpo físico. Vamos. No campo da mediunidade. ainda não conseguiu conceituar com clareza e objetividade o sono e o sonho. mais flexíveis e o corpo perispiritual age com maior liberdade. No Livro dos Médiuns. induzir ao erro ou lisonjear paixões. quando realmente ocorre a emancipação da alma e as horas de sono são aproveitadas para nosso crescimento espiritual através de atividades. Allan Kardec nos diz: As manifestações visuais mais comuns têm lugar durante o sono. se objetiva em sua forma fluídica e aparece à distância. um pressentimento do futuro. Os sonhos podem ser: uma visão atual das coisas presentes ou ausentes. apenas. o sonho. pois que o ser espiritual possui maior ou menor movimentação conforme as suas fixações e conquistas. No estado de emancipação da alma. como fenômenos anímicos. uma visão retrospectiva do passado e. Conceitos: Sono é um estado em que cessam as atividades físicas motoras e sensoriais. o corpo perispiritual poderá provocar uma série de fenômenos de efeitos intelectuais.71 das paixões mais vigorosas. Durante o sono normal.

enquanto o corpo repousa. do desejo do domínio. Kardec indaga: “Como podemos julgar a liberdade do Espírito durante o sono?” R: “Pelos sonhos. Alguns psiquiatras e psicólogos já analisam os sonhos como atividades do psiquismo mais profundo. Jung considerou válidas as duas proposições. São os arquétipos. os liames que o unem ao corpo se afrouxam e o corpo não mais necessitando do Espírito. do Livro dos Espíritos. VIII. O Espírito jamais está inativo. Isto numa linguagem simbólica representativa do desejo.” “Têm a lembrança do passado e às vezes a previsão do futuro. ele percorre o espaço e entra em relação mais direta com os outros Espíritos.” “O Espírito jamais está inativo. o precursor dos estudos mais avançados nesta área. tendem a se manifestar e uma destas manifestações seria através dos sonhos. O Espírito encarnado aspira incessantemente à libertação e quanto mais grosseiro é o envoltório. que antecede ao sonambulismo e ao êxtase que seriam estados mais profundos de independência pelo desprendimento parcial do Espírito. analisando a emancipação espiritual. Adler introduziu em Psicologia o “instinto do poder”. Mas foi Allan Kardec. realmente. quem. Na questão 400.72 propriedades e funções do perispírito. existe uma infra-estrutura feita de imagens ou símbolos que integram a mitologia de todos os povos.” E Allan Kardec tece comentários muito importantes acerca dos sonhos. através da Codificação Espírita. Durante o sono. fica.” “Adquire mais poder (pela liberdade de ação delimitada pelo grau de exteriorização) e pode entrar em contato com outros . difícil explicar a variedade das manifestações que ocorrem durante o repouso do corpo físico. No livro dos Espíritos. mais ele deseja ver-se desembaraçado.” Na questão 401: “Durante o sono. Nossa personalidade gravitana em torno da auto-afirmação. “O sono liberta parcialmente a alma do corpo. quando reprimidos. Descobriu que nos recessos do inconsciente. coloca o sono como a primeira fase deste fenômeno. reminiscências de caráter genérico que remontam a fases muito primitivas da evolução. a alma repousa como o corpo?” R: “Não. nos quais há uma emancipação da alma. realmente. Assim temos em Freud.” Na questão 402. Cap. ele indaga aos Espíritos Superiores: “O espírito permanece voluntariamente no seu envoltório corporal" R: “E como se perguntasse se o prisioneiro está satisfeito sob as chaves. analisou amplamente os sonhos em seus aspectos fisiológicos e espirituais. Ele julgava que os instintos.

propõe a seguinte classificação dos sonhos: SONHOS COMUNS: São aqueles que refletem nossas vivências do dia a dia. isto é. no oceano de pensamentos e imagens. mergulha. às vezes. recebem orientações. impressões e imagens. ou perispírito. O Espírito registra acontecimentos. tem estranhas visões e inexplicáveis sonhos.73 Espíritos encarnados ou desencarnados. São muito freqüentes dada a nossa condição espiritual. reminiscências de vidas anteriores. e ai colhe impressões confusas. no livro “Estudando a Mediunidade”. desanimar ou humilhar. que de todos os lados rolam pelo espaço. O Espírito desligando-se. a alma terá uma atividade real no plano espiritual. é mais freqüente revivenciar acontecimentos de outras vidas. simples repercussão de nossas disposições físicas ou de nossas preocupações morais. Nos sonhos reflexivos. Contudo. arquivadas no subconsciente. por suas características de mais acentuada emancipação da alma. quase não há exteriorização perispiritual.” “O sono coloca o homem num estado em que estará de maneira permanente após a morte. das que lhe são afins e do mundo exterior. se orientados por mentores espirituais. a isso se mesclam.” “Enquanto dormem. o espírito flutua na atmosfera sem se afastar muito do corpo. Poderão os Espíritos inferiores motivar estas recordações com finalidade de nos perseguirem. Desprendendo-se do corpo e adquirindo maior liberdade. É também o reflexo de impressões e imagens arquivadas no cérebro durante a vigília. imagens da atual reencarnação. lições ou advertências. alguns Espíritos procuram aqueles que lhes são superiores (estudam. por assim dizer. Nos sonhos comuns. já que nos movimentamos num turbilhão de energias e ondas vibrando sem cessar. deles se impregna.” Sonhos Classificação: - Martins Peralva. pedem conselhos). cujas lembranças nos tragam esclarecimentos. absorve as ondas e imagens de sua própria mente. do corpo. SONHOS ESPÍRITAS: Há mais ampla exteriorização do perispírito. Léon Denis chama a estes sonhos de etéreos ou profundos. “Os Espíritos inferiores irão aos lugares com os quais se afinizam. Esses sonhos poderão refletir fatos remotos. SONHOS REFLEXIVOS: Há maior exteriorização que nos sonhos comuns. no cérebro do corpo fluídico. parcialmente. O Espírito se . trabalham. “Puramente cerebral. desviando-nos dos objetivos benéficos da existência atual. amedrontar.

que nos perturbam e desequilibram. por falta de educação espiritual. viciosas. nosso grau evolutivo. por intermédio do sono. ainda. Procuraremos a companhia daqueles Espíritos que estejam na mesma sintonia. o sonho é puro reflexo das atividades fisiológicas. verdadeiramente sentida e vivida. é quase que absoluto estágio de mero refazimento físico. visando nosso progresso moral ou em atitudes negativas. extravasam-se em todas as direções. durante o repouso noturno. a maioria se vale de repouso noturno para sair à caça de emoções frívolas ou menos dignas. em virtude de sua impotência vibratória. desprende-se da matéria. Os Sonhos e a Lei de Afinidade No livro Mecanismos da Mediunidade. André Luiz nos diz que quanto mais inferiorizado. o sonho. Infelizmente. Qual ocorre no animal de evolução superior.74 subtrai à vida física. não temos bastante consciência dos serviços realizados durante o sono físico. no homem primitivo em que a onda mental está em fase inicial de expansão. os ambientes nos quais permaneceremos enquanto o nosso corpo repousa. para realizações positivas. vivenciando cenas e realizando tarefas afins. se emancipados espiritualmente. esses trabalhos são inexprimíveis. caso lhe permitissem as possibilidades normais . se comprazem em atos ou reminiscências degradantes. mais dificuldade terá o homem em se emancipar espiritualmente.. teremos que considerar a lei de afinidade. o Espírito segue na direção dos ambientes que lhe são agradáveis durante a lucidez física ou onde gostaria de estar. então. e certos impulsos longamente sopitados durante a vigília. conserva o Espírito impressões que raramente afetam o cérebro físico. por muito tempo. Há leis de afinidade que respondem pelas aglutinações sócio-moraisintelectuais. Dessas práticas. No animal. seus amigos. Estaremos. junto àqueles que. percorre a superfície da Terra e a imensidade onde procura os seres amados. reunindo os seres conforme os padrões e valores nos quais se demoram. Quando encarnados na crosta. seus guias espirituais. as companhias espirituais que iremos procurar. seus parentes. Nos sonhos espíritas. E. no homem de evolução positivamente inferior o desdobramento da individualidade. porém. Nossa condição espiritual. Relaxando-se as defesas próprias. contudo. irá determinar a qualidade de nossos sonhos. será invariavelmente ação reflexa de seu próprio mundo consciencial ou afetivo. Parcialmente liberto pelo sono.

Divaldo Pereira Franco e as escritas por lnvonne Amaral Pereira. portanto. Recordação dos Sonhos Na questão 403. com experiências negativas. Temos nas obras psicografadas por Chico Xavier. vemos a alma emancipada sob a hipnose natural que é o sono. dificilmente conserva as impressões recebidas pelo Espírito durante o sono. isto é. . os estímulos exteriores são selecionados pelos sentidos. Mas. o que somos e o que pensamos.75 Os sonhos espíritas. Allan Kardec indaga: “Por que não nos lembramos de todos os sonhos 7’ R: “Nisso que chamas sono só tens o repouso do - corpo. do Livro dos Espíritos. sendo-lhe os sonhos o retrato emocional da sua vida moral e espiritual. porque o Espírito está sempre em movimento. dando avisos ou nos advertindo). com perseguições de Espíritos inferiores. de nossas preocupações comuns. Neles. mesmo porque o Espírito não as percebeu pelos órgãos do corpo. na vida íntima. No sono ele recobra um pouco de sua liberdade e se comunica com os que lhe são caros seja neste ou noutro mundo. são gravados para serem reproduzidos pela memória biológica a cada evocação. Dorme-se. poderemos citar alguns exemplos: reflexos de nosso cotidiano. determinatórios (indicando caminhos. proféticos (citados na bíblia). são os retratos de nossa vivência diária e de nosso posicionamento espiritual. Algumas considerações em torno da resposta acima: No estado de vigília: as percepções se fazem com o concurso dos órgãos físicos. com emancipação da alma. Refletem de nossa realidade interior. são transmitidos ao cérebro pelas vias nervosas. Exemplos de Sonhos A literatura espírita é rica em exemplos e narrativas de sonhos espíritas. ir a locais e agir por sugestões. como o corpo é de matéria pesada e grosseira. as mais variáveis. naqueles que nos liberamos parcialmente do corpo e gozamos de maior liberdade. como se vive. premonitórios (prevendo fatos próximos). instrutivos (fornecendo-nos lições enobrecedoras e conhecimentos do plano espiritual). no cérebro físico. A vontade é direcionada pelo desejo e este age impulsionando a alma na direção do que lhe atrai e constitui motivação principal. Nos sonhos. inúmeras descrições destes sonhos. atraídas sempre aos locais e situações onde se lhe vincula o pensamento.

o seu corpo apropriado. teremos um sono reparador e sonhos construtivos. e. para nos ligarmos a valores bons e sintonia superior. agradáveis. não semeias o corpo que há de ser. por via retrógrada. habituando-nos à prece. 15 . outra a das aves. as percepções da alma poderão repercutir no cérebro físico. motoras e sensoriais. como de trigo ou de qualquer outra semente. Ao contrário. devemos nos precaver contra as interpretações pelas imagens e lembranças esparsas. Contudo.3 ANEXO 3 . porque até entre as estrelas há diferenças de esplendor".. Daí a necessidade de adequarmos nossas vidas aos preceitos espíritas.OS FLUIDOS “. Há sempre um forte conteúdo simbólico em nossas percepções psíquicas que. outra a glória da lua. a abnegação. o Espírito liberto age e sua memória perispiritual registra os fatos sem que estes cheguem ao cérebro físico. dizemos que sonhamos. Se. excepcionalmente. Uma é a glória do sol. nos vinculamos certamente a situações e Espíritos inferiores. normalmente nos chegam acompanhadas de emoções e sentimentos. Mas Deus dá o corpo como lhe aprouve dar e a cada uma das sementes. vivenciamos uma experiência positiva durante o sono físico. se as emoções são negativas. ao despertarmos. 8. cap. Conclusão A análise dos sonhos pode nos trazer informações valiosas para nosso autodescobrimento. quando lembramos. outra a dos animais. a dos terrestres. à meditação antes de dormir.76 Quando dormimos: cessam as atividades físicas. Embora pesquisadores em todo o mundo tenham se empenhado no estudo da estrutura íntima dos átomos. outra a dos peixes. e quando semeias. (Coríntios.. tudo é percebido diretamente pelo Espírito. o perdão. Também há corpos celestiais e corpos terrestres. sem dúvida. CONSIDERAÇÕES Um dos grandes mistérios que a Ciência humana procura esclarecer é o da existência de uma matéria básica universal. porém uma é a carne dos homens. capaz de servir como ponto de partida para a origem dos elementos físicos conhecidos. Nem toda carne é a mesma. vivenciando o amor. Assim.37 a 41). outra a das estrelas. mas o simples grão. uma é a glória dos celestiais e outra. ainda não . nos sentirmos envolvidos por emoções boas.

aos planetas e astros. No século XIX. Assim. Num dado momento. demonstrou a existência do fluido universal. de uma matéria tão sutil que não fosse detectada pelos instrumentos existentes. através dos fenômenos de efeitos físicos. dispersando matéria pelo espaço. aos sistemas estelares. aos sistemas estelares. no espaço. É altamente influenciável pelo pensamento (que é uma forma de energia). Acredita-se que o Universo. o fluido universal apresenta-se modificado. estaria frente à solução de muitos mistérios sobre a origem das coisas. Em torno dos planetas. tenha uma idade calculada aproximadamente entre 9 e 16 bilhões de anos. em seu lado material. encontrando o elemento material primitivo. A ação do Pensamento Divino sobre o fluido universal deu origem às nebulosas. e que todos os elementos materiais conhecidos seriam formas modificadas deste fluido. nos . assumir formas e propriedades particulares. A Ciência entende que. Por meio dele viajam as ondas do pensamento. A Ciência não podia compreender a presença. É nessa matéria fluídica que o Criador executa o plano existencial. Diziam que havia por toda a Criação um elemento primitivo etéreo. pois que é alterado pela atividade mental dos habitantes. também denominada “éter’. a matéria elementar primitiva. O Espiritismo. base de todos os elementos materiais. A presença da vida no orbe impõe-lhe características especiais. do mesmo modo que as ondas sonoras se projetam na camada atmosférica. podendo se modificar. O Universo. denominado “fluido universal”. Estudos modernos afirmam que no principio todos os elementos materiais estavam reunidos num só “ponto”. mas não conseguiram convencer os meios científicos de sua existência. FLUIDO UNIVERSAL O fluido universal é a matéria básica fundamental de todo o Universo material e espiritual. esse ponto teria explodido. continua a se expandir e não se sabe até quando continuará neste processo.77 se conseguiu encontrar esse elemento básico primitivo. sob uma pressão incalculável. de acordo com a física moderna. aos planetas e aos astros. Alguns cientistas no passado pesquisaram a matéria básica. eles revelaram uma teoria onde explicavam de forma racional a origem das coisas materiais e espirituais. quando começaram as manifestações dos Espíritos. dando origem às nebulosas. O fluido universal preenche todo o espaço existente entre os mundos.

ao todo universal. Nos mundos mais civilizados. Ele é o responsável pela força motriz que movimenta os corpos vivos. Podemos dizer que ele é responsável pela animalização da matéria. Cada ser tem uma . do que no estado de matéria tangível. a matéria se decompõe formando novos corpos e o fluido vital volta à massa. as combinam para produzir efeitos determinados como o fazem os homens com seus materiais. se bem sejam procedentes do mesmo princípio. e mais numerosas talvez. e o de ponderabilidade ou de materialização. uma aparência material quanto a dos objetos tangíveis para os encarnados. passa por modificações tão variadas em seu gênero. eles as elaboram. Esse agente é o fluido vital. esses fluidos têm para os Espíritos. são dotados de propriedades especiais. o fluido universal não é uniforme. Sem ele. A matéria sem ele não tem vida assim como ele sem a matéria não é vida. a matéria é inerte. Tais modificações constituem fluidos distintos que. por ocasião da morte. cap. o fluido universal que os circunda apresenta-se escuro e pesado. É ele que dá vida a todos os seres que o absorvem e assimilam. a vida é resultado da ação de um agente sobre a matéria. segundo os Espíritos. No estudo deste importante assunto poderemos entender a origem de muitas afecções do ser humano e os fundamentos da fluidoterapia.(Allan Kardec A Gênese. Uma vez que tudo é relativo. pode-se dizer que esse princípio elementar tem dois estados distintos: o da imponderabilidade ou de eterização (estado normal primitivo). Ao primeiro estado pertencem os fenômenos do mundo invisível e ao segundo os do mundo visível. pois. “No estado de eterização. XIV. e são para eles o que para nós são as substâncias do mundo terrestre. e dão lugar aos fenômenos particulares do mundo invisível. item 3).78 mundos mais primitivos. para novas combinações e utilizações no Universo. Logicamente entre os dois pontos existem inúmeras formas intermediárias de transformação do fluido em matéria tangível. Para melhor compreensão. embora usando processos diferentes” . FLUIDO VITAL Os Espíritos afirmam que uma das modificações mais importantes do fluido universal é o fluido vital. a atmosfera espiritual é mais leve e luminosa. na profilaxia e tratamento das enfermidades físicas e espirituais. Quando os seres orgânicos perdem a vitalidade. sem cessar de ser etéreo. que em si mesmo são fluídicos. largamente empregada nos centros espíritas.

por assim dizer. Pode tornar-se incapaz de entreter a vida. acima disso. mais enérgicos. O fluído vital se transmite de um indivíduo a outro. que em torno de . Vimos que o pensamento exerce uma poderosa influência nos fluidos espirituais. O homem pode manter o equilíbrio de sua saúde vital através da alimentação. Os pensamentos maus provocam alterações vibratórias contrárias às citadas acima. cap. Pode-se concluir assim. enquanto outros o possuem apenas em quantidade suficiente. como os miasmas deletérios corrompem o ar respirável” . E por isso que uns são mais ativos.A Gênese.(Allan Kardec .79 quantidade de fluido vital. como por exemplo. Ele estava certo. e de certa maneira. Os pensamentos bons impõem-lhes luminosidade e vibrações elevadas que causam conforto e sensação de bem estar às pessoas sob sua influência. As variações dependem de uma série de fatores. de vida superabundante. Os fluidos ficam escuros e sua ação provoca mal estar físico e psíquico. saturados de fluido vital. XIV. pergunta 70: “A quantidade de fluido vital não é a mesma em todos os seres orgânicos: varia segundo as espécies e não é constante no mesmo indivíduo. se não for renovada pela absorção e assimilação de substâncias que o contêm. chegamos à compreensão de muitas coisas simples que nos pareciam complicadas e irreais. O Princípio vital é a lei que rege a existência do fluído vital. nem nos vários indivíduos de uma mesma espécie. da respiração de ar não poluído e. e em certos casos fazer voltar uma vida prestes a extinguir-se” Estudando esses fundamentos à luz do Espiritismo. mantendo uma conduta mental sadia. A quantidade de fluído vital se esgota. A “alma vivente à sua semelhança” é o princípio inteligente ou espiritual retirado da essência divina. Há os que estão. Allan Kardec nos instrui sobre o assunto em O Livro dos Espíritos. modificando suas características básicas. de acordo com suas necessidades. fazendo grande distinção entre o material e o espiritual. ATMOSFERA FLUÍDICA “Os maus pensamentos corrompem os fluidos espirituais. Diz ele: "Deus formou o corpo do homem do limo da terra e lhe deu uma alma vivente à sua semelhança”. a citação de Moisés na Bíblia sobre a origem do homem. item 16). Aquele que o tem em maior quantidade pode dá-lo ao que tem menos. pois queria dizer que o corpo material era formado dos mesmos elementos que tinham servido para formar o pó da terra.

de uma nação ou planeta. 1867). os Espíritos superiores recomendam que nossa conduta.(Allan Kardec . Aliando-se a boas companhias espirituais através de seus bons pensamentos. a tristeza e a desesperança aparecem. modificados pela pureza ou impureza dos sentimentos” . dos pensamentos que os colocam em vibração. nas relações com a vida. Desde o instante em que tais fluidos são o veículo do pensamento. a humanidade verá depurar-se a atmosfera fluídica em cujo meio vive. de uma família. cap. Ela pode ter por objeto um pedido. Por esta razão. À medida que cresce através do conhecimento. é diretamente proporcional ao seu grau evolutivo e que ele pode mudar esse estado de coisas. conseqüentemente. XIV. e estes oporão uma barreira à invasão dos maus.4 ANEXO 4 . porque não lhe enviará senão bons fluidos. “A ação dos Espíritos sobre os fluidos espirituais tem conseqüências de importância direta e capital para os encarnados. existe uma atmosfera espiritual fluídica. do ambiente em que vive. seja a mais elevada possível. item 16). Uma criatura que vive entregue ao pessimismo e aos maus pensamentos. que pode ser modificado sob a orientação dos ensinos morais de Jesus. Se um dia a Terra chegar a não ser povoada senão por homens que. “Melhorando-se. o homem percebe que suas mazelas. que varia vibratoriamente. tem em volta de si uma atmosfera espiritual escura.AÇÃO DA PRECE: TRANSMISSÃO DE PENSAMENTO Herculano Pires A prece é uma invocação: por ela nos pomos em relação mental com o ser a que nos dirigimos. formando um quadro físico-psíquico deprimente. é evidente que eles devem estar impregnados das qualidades boas ou más. que o pensamento lhes pode modificar as propriedades. todos somos responsáveis pelo estado de dificuldades morais que vive o planeta atualmente.(Allan Kardec . da qual aproximam-se Espíritos doentios. segundo a natureza moral dos Espíritos envolvidos.80 uma pessoa. Maio. 8. Resumindo. tanto físicas quanto espirituais. modificando-se moralmente. À atmosfera fluídica associam-se seres desencarnados com tendências morais e vibratórias semelhantes. um agradecimento ou um . ninguém duvida que não se encontrem em condições de higiene física e moral completamente outras que as hoje existentes” . de uma cidade. poderá estabelecer uma melhor atmosfera fluídica em torno de si e. A angústia.A Gênese.Revista Espírita. entre si praticam as leis divinas do amor e da caridade.

com a diferença de que as vibrações do ar são circunscritas. por exemplo. de intercessores. uma corrente fluídica se estabelece de um a outro. aqueles nos servem apenas de intermediários. as que são dirigidas aos Bons Espíritos vão também para Deus. mergulhados no fluido universal que preenche o espaço. Quando oramos para outros seres. encarnados e desencarnados. e único que pode dar eficácia à sua ação. mas tornar compreensíveis os seus efeitos. Nem por isso está menos sujeita à vontade de Deus. Para se compreender o que ocorre nesse caso. ou vice-versa. porque poderia encontrar na prece a força para resistir às tentações. transmitindo o pensamento. de encarnado para desencarnado. assim que os Espíritos se comunicam entre si. como o ar é o veículo do som. na terra ou no espaço. e assim também podem desviar de si os males que atrairia pelas suas próprias faltas. como o ar transmite o som. aos que não compreendem a utilidade da prece puramente mística. Tem o direito de queixar-se. o pensamento se dirige para algum ser. sente a sua saúde arruinada pelos excessos que cometeu. o homem atrai o concurso dos Bons Espíritos. e arrasta. ao mostrar que ela pode exercer ação direta e positiva. Um homem. sobretudo.81 louvor. quando dele se afastou. O Espiritismo nos faz compreender a ação da prece. onde quer que eles se encontrem. pois. Esta explicação se dirige. ao explicar a forma de transmissão do pensamento. e não para Deus. Esse fluido é impulsionado pela vontade. Pela prece. seja quando o nosso pensamento eleva-se a ele. até o fim dos seus dias. juiz supremo em todas as coisas. e que as relações se estabelecem à distância entre os próprios encarnados. que nos transmitem as suas inspirações. porque nada pode ser feito sem à vontade de Deus. uma vida de sofrimento. . É assim que a prece é ouvida pelos Espíritos. assim como na Terra estamos envolvidos pela atmosfera. seja quando o ser a quem oramos atende ao nosso apelo. que o vêm sustentar nas suas boas resoluções e inspirar-lhe bons pensamentos. As preces dirigidas a Deus são ouvidas pelos Espíritos encarregados da execução dos seus desígnios. Podemos orar por nós mesmos ou pelos outros. pois é o veículo do pensamento. se não conseguir a cura? Não. Ele adquire assim a força moral necessária para vencer as dificuldades e voltar ao caminho reto. pelos vivos ou pelos mortos. Não tem por fim materializar a prece. A energia da corrente está na razão direta da energia do pensamento e da vontade. é necessário imaginar os seres. Quando. enquanto as do fluido universal se ampliam ao infinito.

O homem se encontra então na posição de quem solicita bons conselhos e os segue. Se não quiséssemos subir mais alto do que podemos. ao orientarem o nosso livre arbítrio. pois. mas é a nós que eles afastam do pensamento que nos pode causar o mal. se pedir com fervor. mas é a nós que impedem de infringirmos as leis. não sofreríamos as doenças que são provocadas pelos excessos. também. Mas o fazem sem o perceberem. e assim por diante. sobretudo. pedir-lhes a força necessária para resistirmos aos maus pensamentos. e que poderia poupar-se. Deus quer que assim seja. nº 4). aplicar estas palavras: “Pedi e obtereis”. sendo uma a dos que o homem não pode evitar. já não seria muito. e as vicissitudes decorrentes dessas doenças. cuja execução pode nos ser funesta. Se fossemos humildes. poder afastar todos os que decorrem da sua própria conduta? Pois bem: neste caso concebe-se facilmente a ação da prece. Torna-se. na satisfação das nossas exigências vitais. por sua incúria e pelos seus excessos. não seríamos maledicentes. nem ciumentos. se as observássemos rigorosamente. para que ele tenha a responsabilidade dos seus atos e para lhe deixar o mérito da escolha entre o bem e o mal. . nem invejosos. Se não fizéssemos nenhum mal a ninguém. não teríamos de temer as vinganças. e que. não recearíamos a queda. que essas misérias resultam das nossas infrações às leis de Deus.82 Se dividirmos os males da vida em duas categorias. que todas as preces fossem inúteis para livrar-se deles. Se não ultrapassássemos os limites do necessário. veremos que esta última é muito mais numerosa que a primeira. mas conservando a liberdade de segui-los ou não. E. e evitaríamos as querelas e as dissensões. não sofreríamos as decepções do orgulho abatido. (Ver cap. para nos atenderem nisto. evidente que o homem é o autor da maioria das suas aflições. V. nem suspendem o curso das leis naturais. de maneira oculta. e ao que se podem. se agisse sempre com sabedoria e prudência. para não prejudicarem a nossa vontade. e outra a das atribuições que ele mesmo provoca. É isso o que o homem sempre receberá. É certo. que tem por fim atrair a inspiração salutar dos Bons Espíritos. não é o mal que eles afastam de nós. Se praticássemos a lei de caridade. seríamos perfeitamente felizes. não embaraçam em nada os desígnios de Deus. Admitamos que o homem nada pudesse fazer contra os outros males. Se limitássemos as nossas ambições. não temeríamos a ruína.

por pensar que não é digno de ser ouvido. Desde que os Espíritos exercem esta ação sobre os homens. e julga poder substituir-se à vontade do Eterno. não deve deixar de orar por outro. Mas não se limitam a isso os seus efeitos. Ao atender ao pedido que lhe é dirigido. A prece é recomendada por todos os Espíritos. quando todos os que a fazem se associam de coração num mesmo pensamento e têm a mesma finalidade. eles suprem. que dão à prece toda a sua força. A prece em comum tem ação mais poderosa. podemos supor que o seu efeito estivesse subordinado à potência fluídica. preferimos recomendar-nos às preces daqueles cuja conduta nos parece que deve agradar a Deus. pela revelação das relações entre o mundo corpóreo e o mundo espiritual. que leva em conta a sua intenção caridosa. Eis porque a prece do homem de bem tem mais merecimento aos olhos de Deus. Do coração do egoísta. não daria imenso resultado? Estava reservado ao Espiritismo provar a sua ação. o devotamento e a fé daquele que ora. seja ao lhe conferirem momentaneamente uma força excepcional. O homem que não se julga suficientemente bom para exercer uma influência salutar. Porque o homem vicioso e mau não pode orar com o fervor e a confiança que só o sentimento da verdadeira piedade pode dar. a insuficiência daquele que ora. A prece que é repelida é a do orgulhoso. pois que são melhores escutados. pois. quando necessário. daquele que só ora com os lábios. O poder da prece está no pensamento. Renunciar a ela é ignorar a bondade de Deus. Compreende-se isso tão bem que. nem do lugar. instintivamente. nem do momento em que é feita. A influência do lugar ou do tempo depende das circunstâncias que possam favorecer o recolhimento.83 A eficácia da prece. sempre agradável a Deus. que só tem fé no seu poder e nos seus méritos. seja através de uma ação direta em seu nome. a sós ou em conjunto. o bem que se poderia fazer. Deus tem freqüentemente em vista recompensar a intenção. orar em qualquer hora. Se a prece exerce uma espécie de ação magnética. não poderiam sair mais do que palavras. Seu fervor e sua confiança em Deus constituem o primeiro passo do seu retorno ao bem. e para os outros. é rejeitar para si mesmo a sua assistência. e nunca os impulsos da caridade. A consciência de sua inferioridade é uma prova de humildade. que os Bons Espíritos se sentem felizes de estimular. mesmo reduzida a essas proporções. e sempre maior eficácia. Pode-se. e não depende nem das palavras. não é assim. Entretanto. quando ele for julgado digno desse benefício ou quando isso possa ser útil. porque então é como se muitos clamassem juntos e em .

extraindo de cada um deles os subsídios necessários para a sua evolução. sonha no vegetal.simples e ignorantes -. o progresso do Espírito é sempre compulsório: podemos estacionar por algum tempo.84 uníssono. 8. diz-se que o princípio inteligente ou mônada celeste estagia nesses reinos. e sua prece terá mais força do que a daquelas cem.OS TRÊS REINOS Sergio Biagi Gregório INTRODUÇÃO Concebeu-se dividir a natureza em: 1) seres orgânicos e seres inorgânicos. (1984. agita-se no animal e acorda no homem. se cada qual agisse isoladamente e por sua própria conta? Cem pessoas reunidas podem orar como egoístas. “a Ontogênese Espírita. Essa teoria da evolução é mais audaciosa que a de Darwin. reino vegetal. VISÃO DE CONJUNTO De acordo com os pressupostos espíritas. com a determinação de se tornarem perfeitos. Mas que importaria estarem reunidos em grande número. enquanto duas ou três. ligadas por uma aspiração comum. oferece-nos alguns ensinamentos bastante importantes. Que subsídios a Doutrina Espírita oferece-nos para enfrentarmos esta questão? O capítulo XI do Livro Segundo de O Livro dos Espíritos. como se pode verificar nos estudos científicos”. ou seja. Entre cada uma dessas fases existe uma zona intermediária. Para J. Pires. Léon Denis a definiu numa seqüência poética e naturalista: A alma dorme na pedra. H. reino vegetal e reino animal. Ainda que haja controvérsias. começando no mineral e indo até o hominal. logia é estudo. 93) . p. orarão como verdadeiros irmãos em Deus. Deus criou os Espíritos . reino animal e reino hominal. É por isso que tudo se encadeia na natureza. 2) reino mineral. Assim. desde o átomo ao arcanjo. mas os acicates da vida nos impulsionarão para o desenvolvimento ulterior.5 ANEXO 5 . ciência) revela o processo evolutivo a partir do reino mineral até o reino hominal. a teoria doutrinária da criação dos Seres (do grego: onto é Ser. que trata dos três reinos. 3) reino mineral.

Os minerais não têm vitalidade e nem movimentos próprios. Pode-se dizer que o característico básico dessa fase é a atração. sendo formado apenas pela agregação da matéria. Eles não agem só por instinto. Além do instinto.85 REINO MINERAL Allan Kardec escreve pouco sobre esse reino. compostas de matéria inerte. qualquer que seja a arte que admiremos em seus trabalhos. como uma espécie de ensaio para ordenações futuras. mas não têm percepções. Podem ser afetadas por ações sobre a matéria. O próprio instinto de conservação é puramente mecânico. que lhe vem a seguir. que denotam a vontade de agir num sentido determinado e de acordo com as circunstâncias. A pedra. mas cujo exercício é mais precisamente concentrado sobre os meios de satisfazer às suas necessidades físicas e prover à conservação. não apresenta sinal de vida. e não têm consciência de si mesma. são dotadas de vitalidade. Diz-nos que ele é constituído de matéria inerte. Na intermediação com o reino hominal. Há neles. e não possui mais do que uma força mecânica. REINO ANIMAL Os animais. O característico básico dessa fase é a sensação. por exemplo. não poderia negar a certos animais a prática de certos atos combinados. aquilo que faziam antigamente é . por conseguinte. constituídos de matéria inerte e dotados de vitalidade. presenciado claramente no fenômeno do magnetismo. uma espécie de inteligência. São os chamados seres inorgânicos da natureza. com a consciência de sua existência e de sua individualidade. não podem ter vontade. vegetal e animal. portanto. Os vírus se situam na encruzilhada dos reinos mineral. REINO VEGETAL As plantas. não têm mais do que a vida orgânica. nenhum melhoramento. investigações científicas descobriram a geração espontânea dos vírus nas estruturas cristalinas. não têm a sensação de dor. têm uma espécie de inteligência instintiva. nada mais possuem que um instinto natural e cego. existe a zona dos vegetais carnívoros. limitada. Como não pensam. que lhe vem a seguir. Na intermediação com o reino vegetal. Elas não pensam. Não há entre eles nenhuma criação.

nas plantas. Assim. finalmente. a percepção das coisas extramateriais e o conhecimento de Deus. mas sua liberdade de ação é limitada pelas suas necessidades. transmitelhe o princípio intelectual e moral. cap. no reino vegetal. este à atividade refletida. por sua vez. que o torna superior aos animais. O João de Barro. é o aparecimento do Pensamento Contínuo. o olfato.86 o mesmo que fazem hoje. esta. ilimitada. à razão e.Não são simples máquinas. nos animais aquáticos. (Xavier. esta à responsabilidade”. A característica principal deste reino. a linguagem. tendo tudo o que existe nas plantas e nos animais. e não pode ser comparada à do homem. entre a alma dos animais e a do homem tanta distância quanto entre a alma do homem e Deus”. Na zona de intermediação entre o reino animal e o reino hominal estão situados os antropóides. Sua liberdade é restrita aos atos da vida material. O homem é um ser a parte. A característica principal dessa fase é a elaboração do instinto. no reino animal. Na comparação do homem ao animal. a sensação. constrói o seu ninho sempre da mesma maneira. domina todas as outras classes por uma inteligência especial. esta à inteligência. por exemplo. como uma síntese de todos os anteriores. o pensamento contínuo e a razão. no reino mineral adquirimos a atração. André Luiz em Evolução em Dois Mundos cita que o princípio inteligente estagiando na ameba adquire os primeiros automatismos do tato. que lhe dá a consciência do seu futuro. A sua escolha é mecânica. não têm os mesmos deveres. 4) Diz ainda que “nas linhas da civilização o reflexo precede o instinto. REINO HOMINAL O homem.Os animais têm livre arbítrio? . Sendo muito inferiores a este. O Espírito. o instinto. 1977. por instinto. nos animais. Pergunta 595 de O Livro dos Espíritos . o livre-arbítrio. Hoje somos o resultado de todos os automatismos adquiridos nos vários reinos da natureza. O Espírito ao purificar-se liberta-se pouco a pouco da influência da matéria. encarnando-se no homem. Allan Kardec na pergunta 597 A de O Livro dos Espíritos diz: “há. no reino hominal. CONCLUSÃO Três reinos e o homem encerra todo o processo de evolução alcançado pelo . o gosto. do Livre-Arbítrio e da Responsabilidade Moral.

Reproduzem-se ou replicam-se.Grupo de símios catarríneos do Velho Continente. em que estaria livre de todas as influências da matéria. espiritualistas. depois que morrem. Seres orgânicos . que compreende os chimpanzés. Esse movimento ela o recebe. sendo formados apenas pela agregação da matéria: os minerais. os quais podem ter qualquer outra forma de vida na Terra. Compreendem os homens. porquanto o movimento da matéria não é vida.6 ANEXO 6 . crescem. podem ser considerados como vivos ou não vivos) Vitalidade ou princípio vital . a maioria dos quais muito menores do que bactérias..87 desenvolvimento do princípio inteligente. Vírus . reproduzem-se e morrem. cria sem . ao menos. querendo saber o que acontece com animais. 8. os gorilas e os orangotangos. De minha parte e dentro do que conheço do Espiritismo.A ESPIRITUALIDADE DOS ANIMAIS Eurípedes Kühl Gratificante que esse tema.são os que trazem em si mesmos uma fonte de atividade íntima. até pouco tempo tão deslembrado. GLOSSÁRIO Antropóides . não necessariamente espíritas. o ar etc. os animais e as plantas. “a inteligência suprema e a causa primária de todas as coisas". esteja agora visitando e instigando a mente de tantas pessoas. são providos de órgãos especiais para a realização dos diferentes atos da vida e apropriados às necessidades de sua conservação. Seres inorgânicos . senão sim. Semelhante ao homem.são microorganismos não celulares.é a força inerente aos corpos organizados. São desprovidos de cauda e ocasionalmente bípedes. bem como algumas espécies fósseis.são os que não possuem vitalidade nem movimentos próprios. respondo a esse questionamento retrocedendo no tempo. unicamente dentro de células vivas. (os vírus. a água. que dá movimento e atividade aos seres orgânicos e os distingue da matéria inerte. em si.. não o dá. que lhes dá vida. partindo da criação dos seres vivos: . O próximo passo é transformar-se no reino angélico. mas nem sempre. nascem. todas. muitas vezes.Deus.

monitorado e guiado por Inteligências Siderais. Resumindo essas respostas: . o PI já tem uma alma.88 cessar. estagiando inicialmente no mineral. não têm livre-arbítrio. reproduzem e morrem). a pouco e pouco cada PI irá se individualizando. daí ao hominal e. depois no animal. dá-lhes limitada liberdade de ação (apenas nos atos da vida material).minerais só têm força mecânica (não têm vitalidade). num e noutro plano da vida (o espiritual e o material). na primeira fase de evolução do ser vivo. Uma de Suas criações é o Princípio Inteligente (PI). “os germes sagrados dos primeiros homens”. finalmente.o perispírito . que acompanhará o PI em toda a vasta fieira de experiências terrenas. além de linguagem própria de cada espécie. que verte do fluido cósmico e que. Nesses três reinos o PI gradativamente irá sendo equipado. por delegação divina. manifestando-se em “o princípio inteligente (PI) em suas primeiras manifestações”. À medida que ocorre a sua individualização. Tratando-se agora dos três reinos e em particular à morte dos animais. esse princípio independente. Kardec perguntou e obteve respostas claras. 1 . assim. que sobrevive após a morte.vegetais são dotados de vitalidade e têm vida orgânica (nascem. de instinto e automativos fisiológicos. crescem. responsáveis pela Vida. nos rudes crivos que terá de superar. . “Mônada celeste” seria a célula espiritual. por aqueles Protetores. mas ainda material e sempre mais grosseiro do que o do homem.sutil. no angelical. NOTA: Quer me parecer que essa força é a que mantém a agregação do átomo. no reino animal. até humanizar-se. na extensa rota de experiências. individualizado. algo semelhante a uma alma rudimentar. assim sendo. . porém inferior à do homem.animais têm instinto apurado e inteligência fragmentária. ou seja. ainda com tais condicionamentos automáticos (que possibilitam o metabolismo). enceta longa rota evolutiva. representado pela mônada1. não passíveis de segunda interpretação. é lícito deduzir que revestindo essa alma há um corpo astral . além de serem dotados de instinto rudimentar. têm um princípio independente. Mônada = Organismo muito simples. representando poderosos equipamentos para possibilitar-lhe a sobrevivência. Nos três primeiros estágios citados. inferior à humana. estará equipado de livre-arbítrio. a seguir no vegetal. que poderia ser considerado uma unidade orgânica. percorrendo infinitos ciclos evolutivos. contemplada com a eternidade (!). inteligência contínua e consciência. pois. quando então. durante os quais será mantido.

são mantidos em vida latente e sem contato. de outra forma. íbis viajores. cavalos. enquanto aguardam breve retorno às lides terrenas.essa “alma”. agora. André Luiz. André Luiz narra que após a morte os animais têm dilatado o seu “período de vida latente” no Plano Espiritual. Cap. não é um Espírito errante (aquele que pensa e age pelo livre arbítrio). diz a mesma coisa. na maioria das vezes. Alguns são “escalados” para tarefas diversificadas (cães e cavalos. No Cap. em duas obras: “Nosso Lar”. de onde serão genesicamente atraídos às famílias da sua espécie. . entram em hibernação e logo reencarnam. como se vê. peixes.ao morrer. qual hibernação. em particular. as referências sobre animais na Espiritualidade referem-se. XII da já citada obra “Evolução em Dois Mundos”. não se deslocam. Essa informação considero-a fundamental para o entendimento de como os animais vivem no Plano Espiritual. muares. que na Espiritualidade os animais não utilizados em vários serviços. mas vegetativa e isso responde à pergunta de como vivem lá: sem qualquer relacionamento. Kardec registrou que após a morte os animais são classificados e impedidos de se relacionarem com outras criaturas. Como se nota na literatura espírita. ao mencionar que os animais que não são destacados para alguma tarefa. respectivamente. uns com os outros. narra que vários animais são encontrados na Espiritualidade como. na maioria das vezes. André Luiz. não têm vida consciente. uns com os outros. Aqui encerro o meu (incompleto) resumo do que consta em “O Livro dos Espíritos”. Respeitáveis autores espíritas. via reencarnação. 28). insetos ou sobre as incontáveis espécies extintas no planeta. não brigam. caindo em pesada letargia. desencarnados. não reproduzem. Cap. Raríssimas são as notas sobre aves. cada animal é classificado pelos Espíritos disso encarregados. mantidos em hibernação não se alimentam. cães. não havendo ação de predadores inexistem presas. Igualmente ralas. ao serem reconduzidos a nova existência terrena são alocados em habitats de suas respectivas espécies. a animais que podem ser denominados biológica e espiritualmente “superiores”.89 . às quais se ajustam. Assim. não sendo humana. aduziram informações sobre esse tema. Depreendo. as anotações sobre a fantástica transição do animal (quais . por exemplo. assim. aves. 33 e “Os Mensageiros”.

da Mediunidade e Análise Geral dos seus Problemas. F. porém. Divaldo Pereira Franco Estudos Espíritas. Francisco Cândido Xavier/André Luiz Nos Domínios da Mediunidade. pelo Espírito André Luiz. Allan Kardec As Leis Morais. Francisco Cândido Xavier/Emmanuel Lampadário Espírita. na Espiritualidade. Allan Kardec O Livro dos Médiuns. Divaldo Pereira Franco/Joanna de Angelis Encontro Marcado. Divaldo Pereira Franco/Joanna de Angelis Evolução em Dois Mundos. XAVIER. Nas Pegadas do Mestre. sim.. Rodolfo Calligaris Boa Nova. Francisco Cândido Xavier/Waldo Vieira O Evangelho Segundo o Espiritismo.o “elo perdido”. em se referindo à existência. Allan Kardec O Pensamento de Emmanuel. Divaldo Franco/Joanna de Angelis Mecanismos da Mediunidade. Sem nos esquecermos da instigante citação. Francisco Cândido Xavier/Emmanuel Reencarnação. C. Allan Kardec. Divaldo Pereira Franco No Mundo Maior. 9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS A Gênese. o espaço disponível para meu texto não comportaria mais anotações sobre a espiritualidade dos animais. Verdade e Vida. J. feita de relance por André Luiz. PIRES. Francisco Cândido Xavier Caminho. Vinícius No limiar do Infinito. Francisco Cândido Xavier/André Luiz O Céu e o Inferno. O fato é que existem. Martins Peralva O que é o Espiritismo.. Gabriel Delanne Roteiro. Allan Kardec O Livro dos Espíritos. em “Nosso Lar”. Francisco Cândido Xavier/Emmanuel O Espírito da Verdade. Francisco Cândido Xavier/Emmanuel Enfoques Espíritas. Allan Kardec O Consolador. Divaldo Pereira Franco/Joanna de Angelis Leis Morais da Vida. e VIEIRA. dos parques de estudo e experimentação. Francisco Cândido Xavier/André Luiz Mediunidade (Vida e Comunicação) . tais anotações. W. Francisco Cândido Xavier/Emmanuel Pão Nosso. Palavras de Emmanuel. Justiça Divina. dos biólogos.90 espécies animais?) para o hominal . Francisco Cândido Xavier/Emmanuel FIM . H. Allan Kardec Obras Póstumas. Francisco Cândido Xavier/Emmanuel Celeiro de Bênção.Conceituação.