You are on page 1of 18

Como começar?

Qualquer pessoa pode ler as cartas com sucesso. O Tarot não é uma arte reservada a
certos seres especiais, mas sim uma ferramenta que pode ser usada das mais diversas
maneiras para progredir mentalmente, psicologicamente, espiritualmente, e quem sabe,
até prevenir alguns buracos na estrada da vida. A chave para aprender a ler o Tarot é
muita prática e muito estudo, mas como tudo na vida tem que começar por algum lado,
aqui ficam algumas dicas de como arrancar

Adquirir um baralho

Existem imensos baralhos de Tarot no mercado, muitos adequados para principiantes,


outros mais avançados. Convém adquirir um baralho que seja comum e popular, pelo
simples facto de que a maioria dos livros de Tarot baseiam-se em baralhos populares,
sendo assim muito mais fácil aprender. Não é obrigatório cingir-se a um único baralho
para o resto da vida, portanto o primeiro baralho deve ser escolhido pela sua
universalidade e facilidade de aprendizagem.
Alguns bons baralhos para começar são o Rider-Waite, o Thoth ou o Robin Wood, para
citar apenas alguns. Não recomendo o Tarot de Marselha como primeiro baralho, pois
para o usar bem é necessário ter boas bases de simbolismo e numerologia. A sua curva
de aprendizagem para a maioria das pessoas é alta e pode ser desencorajante. No
entanto, há quem tenha começado por este sem problemas.
A escolha é sua, mas recomendo uma vista de olhos pela lista de baralhos do site, ou
uma olhadela ao catálogo de baralhos (que o comerciante deverá ter disponível) antes de
se decidir. Sobretudo, escolha um baralho que lhe diga algo, inspirador e interessante.
O baralho de Tarot possui 78 cartas. Existem outros métodos divinatórios de cartas que
não são Tarot, tendo normalmente um número diferente de cartas, portanto cuidado ao
adquirir o baralho, para não se enganar.
Já tenho o baralho, e agora?

A melhor maneira de começar é pegar no baralho e dar uma vista de olhos por todas as
cartas, para se começar a habituar ao seu peso, textura e imagem. O baralho deverá
trazer um pequeno livro branco, que será a sua primeira introdução básica ás cartas do
seu baralho. Tente identificar no baralho as 2 grandes divisões: Grandes Arcanos e
Pequeno Arcanos, e dentro destes as cartas da Corte. Qual a diferença entre estes tipos
de carta? Algumas são numeradas, outras possuem nome, outras palavras-chave.
Depende do baralho, mas em todos os Grandes e Pequenos arcanos estão bem
identificados, pelo que deverá habituar-se a descobrir rapidamente as diferenças.
Ao mexer nas cartas, aproveite para identificar as que mais atraem o seu olhar. Tome
nota destas cartas, pois será com estas que deverá começar o seu estudo. Já que tem que
aprender 78 cartas, que comece pelas mais interessantes! Além disso, o baralho poderá
estar já a responder a si, pelo que estas cartas poderão já ter algum significado. A
melhor maneira de descobrir é pegando no pequeno livro branco, ou noutro livro de
significados que trate do seu baralho, e lendo os significados que aí se encontram,

As primeiras cartas...
Já tem algumas cartas que achou mais interessantes... agora resta descobrir porquê!
Olhe atentamente para as cartas que colocou de lado, tomando atenção a todos os
pormenores. Porque é que esta carta atraiu o seu olhar? Nesta análise visual, veja se
descobre pormenores que escaparam ao seu escrutínio inicial. Todos os pormenores são
importantes numa carta de Tarot. embora nem todos sejam usados ao mesmo tempo
numa leitura.
Agora que já analisou melhor a carta, releia os significados que lhe são atribuídos.
Consegue ver na imagem esses significados? Que história conta a imagem da carta? As
imagens nas cartas dão pistas para o seu significado, e numa primeira análise já deverá
ser possível descortinar esses significados a partir das impressões que a imagem
fornece.
O diário

Não se esqueça de tomar notas de tudo: um diário das suas explorações com o Tarot é
essencial para a sua aprendizagem, e à medida que vai evoluindo, o seu diário
transforma-se no seu livro pessoal de significados, correspondências e muito mais.
Cada vez que a carta lhe lembrar algo, quando notar algum pormenor, assente no seu
diário. Escreva tudo o que seja relacionado com o Tarot, pois no seu percurso vai
aprender e esquecer tanta coisa que se não tiver tudo escrito, pode perder conhecimento.
Tenha também em conta que poderão haver alturas em que vai perder o entusiasmo, e
nestas alturas o melhor é voltar atrás e relembrar o que já aprendeu, à procura de novos
caminhos.
A primeira análise
Agora que já analisou a sua primeira carta, passe para a carta seguinte que escolheu.
Desta vez analise a carta tomando nota das impressões e significados que acha que a
carta representa. Pense no que poderá significar a imagem. Que tipo de cores tem?
Quantas pessoas tem? Há acção, reacção ou passividade?

Depois de ter uma ideia definida do que acha que a carta representa, pegue no livro e
leia os significados que são atribuídos a essa carta. Concorda com estes, ou não têm
nada a ver com a sua impressão? O livro acrescenta algo ao significado?
Não deite fora as suas impressões só porque no livro os significados não são os
mesmos. Não se esqueça que os livros são impressões do autor, e as suas podem ser
diferentes. Tente encontrar pontos em comum, e registe tudo no seu diário.
A leitura diária

Uma óptima maneira de se ir habituando às cartas, de ir estudando aos poucos e de ao


mesmo tempo ir já usando o Tarot como ferramenta de divinação, é fazendo uma leitura
diária.
Essencialmente, todos os dias deverá baralhar o seu baralho, retirando uma carta que
será a carta do dia. Se fizer de manhã, esta carta poderá mostrar em que assuntos terá
que focar mais a sua atenção, que pessoas aparecerão naquele dia, no fundo como será o
dia. Se tirar a carta à noite, esta fará um resumo do dia que passou. Poderá também tirar
à noite e colocar na sua mesa de cabeceira voltada para baixo, só a vendo de manhã.
Registe sempre o que acha que a carta significa, e o que aconteceu durante o dia que
poderá ter a haver com a carta. Este exercício serve menos para adivinhar o futuro, e
mais para se habituar às cartas e estudá-las pouco a pouco.
Às vezes as cartas são certeiras, outras vezes falam de coisas que não têm nada a ver
com o seu dia. Terá que aprender a perceber as suas mensagens. Verá que certas cartas
começarão a anunciar determinadas coisas, e à segunda ou terceira vez que aparecem já
estará prevenido.
Conclusão
Não force o seu estudo. Este deve ser divertido e estimulante! Leve as coisas no seu
ritmo natural, e tente incorporar o Tarot na sua rotina. Invente, experimente, e divirta-
se!

É natural que se queira experimentar ler para os amigos logo nos primeiros tempos. Isto
nunca é aconselhável. Porém, se não se puder conter, faça-o respeitando o baralho e a
sua intuição. Lembre-se sempre que o futuro não está escrito. As pessoas têm a
possibilidade de alterar o seu caminho. Muitas pessoas acham que as previsões têm um
carácter definitivo, e que forçosamente acontecem, o que não é de todo verdade. Se não
tiver cuidado e respeito pelo Tarot, este não lhe dirá nada, e poderá ainda assustar e
afastar os seus amigos e a si do Tarot, o que seria infeliz.
APRENDER A LER TAROT - QUALQUER PESSOA PODE LER AS
CARTAS COM SUCESSO!

Qualquer pessoa pode aprender a ler cartas?

Queridos internautas, essa foi a pergunta que uma jovem fez através de um e-
mail. Achei a questão muito interessante e resolvi abordá-la.

Se a pessoa gosta de animais, estuda Veterinária. Fulana adora tocar piano e


tem vocação para artes musicais. O que deve fazer? Investir em profissões que
lidem com Música.

Geralmente, as pessoas que lidam com Cartomancia, Tarô ou diversos tipos de


oráculos, enveredam por esse caminho de maneira espontânea ou mesmo
inesperada. Elas têm o dom da clarividência, o dom de prever o futuro.
Atualmente, há um campo vasto de profissões diferentes. As pessoas que têm
esse dom costumam ler bastante e estudar muito também. Utilizam os oráculos,
não só para prever o futuro, mas para ajudar as pessoas a viverem melhor.

Alguns terapeutas holísticos associam os Oráculos com outros tratamentos


alternativos como: reiki, aromaterapia e florais de Bach. O terapeuta holístico vê
a pessoa como um todo. Ele não lida com o futuro, mas ajuda o consulente no
sentido do auto-conhecimento. Muitos problemas orgânicos tem origem na
mente da pessoa. Nesse momento, entra o tratamento alternativo que pode
ajudar bastante. A atuação com terapias alternativas não dispensa o tratamento
médico ou psicológico. No entanto, algumas pessoas procuram tratamento
alternativo depois de peregrinarem por consultórios médicos sem conseguir a
cura dos seus males. Aqueles que estão com alguma doença terminal, crônica ou
muito grave, costumam se tratar também através da terapia alternativa. Em
alguns casos, ocorre melhora. Noutros, não.
Uma associação da medicina tradicional com os tratamentos alternativos, pode
amenizar a ansiedade e dar mais esperança à pessoa. Nesse momento, todo
cuidado é pouco com os charlatães. Prometem a cura através de tratamentos
mirabolantes. No entanto, querem apenas se aproveitar do sofrimento das
pessoas para ganhar dinheiro. É preciso separar o joio do trigo.

As terapias alternativas são motivo de polêmica. Não são aceitas pela Psicologia
e nem pela Medicina. Por que? Por que não há provas consistentes de que esses
tratamentos podem curar as pessoas. Nesse caminho, há muita fraude e pessoas
inescrupulosas. É preciso investigar se o profissional é uma pessoa séria e
responsável. No entanto, muitas pesquisas estão descobrindo o véu da
ignorância e do preconceito.

O mundo está evoluindo. Antigamente, a Grafologia( estudo da personalidade


através da letra) também era mal vista. Agora, muitos profissionais de
psicologia a utilizam nas empresas para selecionarem os candidatos. Houve
comprovação de que o estudo da letra pode falar muito sobre a natureza
humana. O ideal é pesquisar bastante, porque o que não é aceito hoje, poderá
ser aceito e comprovado cientificamente amanhã. Nosso comportamento deve
ser racional o bastante, mas sem a ótica paralisante do preconceito.
Se você tem o dom da Intuição e gosta de Oráculos, comece primeiro pelo
caminho da Humildade, da Observação,do Estudo e Equilíbrio. A caridade
deverá ser o seu lema! Mesmo que você utilize seu dom através das cartas e
cobre pelo seu trabalho, evite a ganância. Jamais manipule as pessoas através
dos seus dons. Não se aproveite do sofrimento humano para obter mais
dinheiro, vantagens ou privilégios.

Geralmente, as pessoas dotadas de clarividência, começam timidamente.


Compram um baralho e começa o interesse pelo assunto. Aí, naturalmente,
aparece uma amiga e pede para que leia as cartas.

Há vários tipos de profissionais que trabalham com os Oráculos. Alguns têm


formação específica em terapias alternativas e cobram pela consultam. Outros o
fazem por hobby sem a pretensão de estipular um preço.

Os adeptos do espiritismo entendem que ler cartas ou lidar com


oráculos,significa ter um dom específico ou mediunidade. Dizem que é ilícito
cobrar por esse dom porque ele veio de forma espontânea. E o que é dado de
graça, não pode ser cobrado.
Agora, a maioria dos clarividentes possui formação de nível superior e
estudaram muito. Veem a leitura de tarô com muita seriedade e
profissionalismo. Acham lícito cobrar por uma função que precisou de muito
estudo e dedicação.

Você pode começar estudando bastante o significado das cartas. Desse modo,
aprenderá as técnicas e o significado. No entanto, é necessário ter o dom! Ele
precisa ser aprimorado e aperfeiçoado cada vez mais. Leia bastante sobre o
assunto e, se possível, faça cursos. Quando sentir que está preparada, comece
com as consultas.

Lembre-se de algo muito importante: você está lidando com uma infinidade de
energias. São as energias do consulente e as suas. Quando ele marca uma
consulta, pode estar perturbado ou sofrendo muito. Pode ser que esteja mal
acompanhado espiritualmente ou então com problemas psicológicos.

Lidar com seres humanos é algo muito sério! Qualquer palavra mal colocada
poderá prejudicar ou arruinar a vida da pessoa. Comece devagarzinho. Não fale
muito. Algumas pessoas querem apenas ser ouvidas. Desabafar ou mesmo
chorar bastante. A vida é dele! Não queira resolver a vida do seu consulente.
Prever o futuro significa entrar em campo desconhecido. Nenhum clarividente é
adivinho. Ele não tem obrigação de adivinhar. Tem a responsabilidade de ajudá-
lo a encontrar as respostas para suas dúvidas. O clarividente servirá como um
espelho para o consulente se conhecer.

Alguém já me perguntou: "Eu nunca tive o dom de ler cartas, mas gostaria de
aprender. Conseguirei?" A resposta é sim. Seu interesse já é o primeiro passo.
No entanto, precisa exercitar a intuição. Conheço uma cartomante que lê cartas
há muitos anos. No entanto, ela apenas embaralha as cartas e lê o que está
escrito no livro. Não consegue falar nada de improviso. Tem medo de errar.
Acho que lhe falta o dom nato! Assim, ela segue com seus consulentes.
Em contrapartida, conheci maravilhosas clarividentes sem nenhum preparo ou
estudo. Uma delas, mora em Minas Gerais e nunca fez curso ou estudou tarô.
No entanto, ela pega na mão do consulente e fala tudo sobre ele. Parece que está
inspirada ou envolvida por algum protetor espiritual. Trata-se nesse caso de
mediunidade. Quando a pessoa sente de alguma maneira a influencia de
espíritos, trata-se de um médium. Padre Quevedo em uma entrevista num canal
de TV disse essa frase:"Intuição não tem hora marcada!" Não se pode precisar
com certeza se vamos ter intuição ou não. E aí o que fazer? Mentir para o
consulente? Falar qualquer coisa só para agradá-lo? De jeito nenhum. A
intuição é faca de dois gumes. Uma colega minha atendeu um cliente. Ele estava
apavorado. Queria saber se iria voltar com a ex-namorada. A clarividente se
concentrou nas cartas e nada sentiu. Pensou um pouco e respondeu: "Sinto
muito, mas não sei. Não sei se a sua amada voltará ou não. No entanto, procure
se fortalecer, porque virão coisas boas em sua vida." Ela foi sincera. O homem
saiu mais tranqüilo.

Trabalhar com Oráculos envolve respeito, cautela e preparo. Nunca leia para
uma pessoa se você estiver muito nervosa, com raiva ou desesperada. Quando
estiver adoentada, adie a consulta. Jamais leia as cartas em cima da cama ou em
locais inapropriados. Não comente sobre Oráculos ou clarividência com pessoas
que não gostam do assunto. Gera polemica e discussões inúteis.

Se você tem o dom da Clarividência, procure uma pessoa que possa orientá-lo.
Lidar com oráculos pode trazer alguns problemas se você abusar do seu dom ou
não respeitá-lo: desgaste mental, depressão e estress e ate obsessões espirituais.

É bom refletir:

"Por que eu quero desenvolver esse dom?" "Para que?" "Como?"

Conheci uma cartomante em Cruzeiro, estado de SP, que ficou muito famosa.
Atraía políticos que vinham de todos os lugares para as consultas. Ela utilizava
um baralho comum de cartas velhas e amareladas. Jamais cobrou por qualquer
consulta. Gostava de ajudar os outros e amenizar o sofrimento humano.

Outra cartomante em Natal, Rio Grande do Norte, utiliza o Tarô e cobra pelas
consultas. No entanto, utiliza parte do dinheiro das consultas para ajudar
entidades carentes.
"Posso perder o dom?" Sim. No entanto, isso é difícil. Só que lidar com Oráculos
é um caminho cheio de obstáculos. Há muitas variáveis que você não pode
controlar. Se você trabalha num escritório, sabe o que fazer quando digita algo
errado. Sabe qual é a gaveta onde está o arquivo. Quando se é médico, o
profissional sabe o remédio para dar ao paciente. Ele tem controle sobre sua
profissão. Fica mais fácil administrá-la. Mesmo assim, sempre pode acontecer
alguma coisa inesperada.

Imagine trabalhar com o dom da Intuição! Ela não marca hora! Ou vem ou não
vem! Ajude a pessoa a se sentir melhor e menos ansiosa. Não seja apenas uma
mera cartomante. Aquela que vai dizer se você vai se casar ou ficar solteira.
Aquela que dirá se você será rico ou pobre. E se você errar? Quem disse que você
tem total controle sobre seu futuro? Alguém tem controle de algo que ainda não
aconteceu? Não! Lidamos com possibilidades e podemos errar. Seja uma pessoa
responsável e dedicada.

Tarô: o caminho do destino

Convenhamos, é fascinante olhar as imagens do tarô e desvendar os mistérios


da vida. Ele possui uma estrutura simbólica tão peculiar (com múltiplas
correntes de pensamento) que muitas vezes nem nos lembramos que ele faz
parte da cartomancia↓. Como em qualquer atividade, classificar objetos, é um
importante passo para evitar transtornos futuros, uma vez que nem todo tipo de
carta pode ser um tarô

TARÔ é cartomancia?
Qual o melhor TARÔ?
Que TARÔ você joga?(você sabia disso, internauta?). Se não houver um
conjunto específico de símbolos bem como certo número de cartas não deveria
(não estou dizendo que não possa, ok?) ser catalogado como tarô.

Com relação ao nome do baralho, tanto faz que se chame Marselha, Mitológico,
Crowley, Nei Naiff ou qualquer outra denominação. Todos se baseiam em
informações pré-existentes dos tarôs clássicos↓. Durante o aprendizado
(tarologia) eles traçam caminhos diferentes de estudo (cabala, mitologia,
simbologia), mas durante a prática (taromancia) fornecerão respostas
semelhantes. Por exemplo, a imagem do arcano 1 (O MAGO↑) sempre será
figurada por um jovem manuseando os quatro elementos↓ em frente a uma
mesa ou altar. Independente de como foi ilustrado, quando ler/estudar
encontrará explicações similares↓ em todos os livros.

Uma das principais características do tarô é o quantitativo: exatas 78 cartas,


sendo 22 principais (arcanos↓maiores) e 56 auxiliares (arcanos menores). Aqui
observamos um detalhe (não é uma regra estabelecida e, por favor, não saia por
aí dizendo que Nei Naiff é radical em tal posição) no qual um tarólogo
profissional deveria utilizar o conjunto completo para melhor elucidação: um
arcano maior junto com um menor (aos pares). A interação dos dois grupos
melhoram a consulta (afinal, para que existem grupos distintos?). No entanto,
cada um possui o livre-arbítrio em estudar/empregar o método↓ que bem
desejar (simbologia, mitologia ou cabala). O produto final, a resposta de um
jogo, não será diferente se você estudar por um ou outro caminho. Vale ressaltar
que este website, meus livros e todos os cursos (on-line ou presencial) estão
fundamentados na simbologia clássica e em métodos consagrados com o tarô
completo. Vejamos a divisão:

22 arcanos maiores (grupo principal)

Sob um plano geral, os arcanos maiores se reportam aos poderes pessoais


e poucas cartas vaticinam a interferência do destino. O grupo principal se
encontra estruturado com 21 cartas numeradas, acrescido de uma carta
sem numeração↓, totalizando 22 arcanos; todas contêm nome e alegorias
diferentes entre si. Nada é aleatório, os arcanos maiores formam uma
cadeia simbólica sempre com a carta numericamente sucessora. O arcano
1 (idéia) transforma-se↓ no arcano 2 (reflexão) que, por sua vez, evolui
para o arcano 3 (dedução); assim, sucessivamente até a última carta
numerada: 21 (realização/evolução). Complementando o círculo
espiritual surge o arcano sem número (vácuo), revelando o elo de
ligação↓ entre o Mundo (passado) e o Mago (futuro) para uma nova ação,
a continuidade.

56 arcanos menores (grupo auxiliar)

Os Arcanos menores possuem 56 cartas distribuídas por quatro símbolos


básicos: Ouros, Espadas, Copas e Paus. Por sua vez, cada um destes naipes,
possui dez arcanos numerados e quatro arcanos com figuras da corte medieval
(Valete, Cavaleiro, Rainha e Rei).
Naipe de Ouros
Está relacionado ao elemento Terra, portanto à vida material, às conquistas
financeiras, profissionais e a tudo que, enfim, representa aquilo que pode ser
tangível em termos materiais. No naipe de ouros existe a possibilidade de se
conseguir conquistar a segurança material com trabalho, disciplina e esforço. O
ser humano é ambicioso e a ambição tem relação como o naipe de ouros. Outra
característica do naipe de ouros é a dedicação, o esforço, o empenho dedicados
aos estudos e ao trabalho.
Naipe de Paus
Equivale ao elemento Fogo que a tudo transforma sem ser alterado.
Representado pelo bastão, está ligado ao fazer e à criatividade.
Naipe de Copas
É ligado ao elemento Água e ao mundo dos sentimentos, sendo o símbolo da
taça relacionado ao coração, como receptáculo das nossas emoções.
Naipe de Espadas
Corresponde ao elemento Ar e está relacionado ao poder ambivalente da mente
e do pensamento.
Fonte: Wikipédia.

Se nos arcanos maiores observamos um amplo campo da vontade, já o


grupo auxiliar determina a trajetória: o resultado do desejo ou de que
forma ele se conduzirá ao final. Os arcanos menores revelam até que
ponto nosso livre-arbítrio↓ está comprometido, se existe avanço ou
estagnação. Esse grupo está estruturado em quatro séries denominada
naipe: ouros, espadas, copas e paus. Cada naipe↓ forma um cadeia
simbólica linear do pajem ao rei, seguida do Ás ao 10, exatamente nessa
sequência. Ao contrário dos arcanos maiores não possui função cíclica,
somente delimitam a trajetória de um determinado plano. Jogar só com
os menores pode ocorrer equívocos na leitura; no entanto, empregando
somente o arcano maior, a informação é bem ampla, mas correta.

Para pensar...

A grande questão de qualquer sistema oracular é: até que ponto podemos


interferir no destino? Sabemos que não basta apenas possuir um desejo latente
(se fosse assim, seríamos todos felizes, não é verdade?), existe a questão do
planejamento, da condição material, da força emocional e, inclusive, da ajuda de
terceiros. Por intermédio das cartas o tarólogo analisa/prevê/adivinha↓ a
trajetória (boa ou má) de uma situação e, ainda, de acordo com o arcano, TARÔ
é adivinhação? Destino no TARÔ?ele orienta/aconselha o melhor
relacionamento com o destino. Na realidade, o tarólogo só interpreta o que for
lançado à mesa, ele não possui poder para mudar resposta alguma nem saber
mais do que as cartas desvelaram.

Por fim, podemos resumir que os arcanos maiores representam as energias


natas que envolvem uma situação e os arcanos menores o modo como elas irão
se materializar. O grupo principal revela o mapa de possibilidades (diversas
tendências) e, o auxiliar, a trajetória que será percorrida (próspera ou
retrógada).

Como já vimos, para se ler as cartas não é necessário ter algum "dom " especial.
Mas um certo talento e dedicação até que são necessários sim, até porque, sem
uma vocação natural, não se vai longe. Muitos afirmam que só compreender a
simbologia é o bastante. Errado!

Porque ao analisarmos as cartas numa consulta estamos ali diante do acaso. E


sem uma boa sensibilidade concedida ao tarologo pela intuição , não poderia ter
uma base solida de elementos, pra se montar uma analise, só com o
conhecimento dos simbolos. É natural que uma pessoa que possua algum
desenvolvimento de ordem espiritual obtenha melhores resultados, mas o Tarot
está realmente ao alcance de todos. Mesmo que uma pessoa sem uma
sensibilidade mais fina, não consiga ter os mesmos resultados do tarologo com
uma boa mediunidade, pode sim fazer bom uso das cartas. Se ele se tornar num
bom simbologista, poderá desenvolver a sua intuição para um bom nivel.
Convêm salientar que a interpretação das cartas não têm finalidades curativas,
nem curam, mas dá-nos uma indicação com um grau de precisão bastante
elevado do que se pode passar connosco em diversas áreas da nossa vida, como
por exemplo: amor, negócios, saúde, invejas e temas que tenham a ver com o
futuro. Mas vale a pena repetir não cura. No entanto num nivel elevado de
conhecimento em magistica o tarologo quase um mago, pode sim captar o poder
das cartas e usar como energia direcionada. Mas, esse é um segredo mais pra
frente.

Existem no entanto algumas condições fundamentais para que a interpretação


seja o mais correcta possível.

O ambiente em que se faz a sessão, terá de ser de grande paz e espiritualidade.


Tanto quem deita as cartas, como quem assiste, deverá manter um respeito
absoluto para que se possam obter respostas com a maior precisão possível.
Naturalmente, durante a sessão surgirão questões que têm de ser comentadas, o
que pode e deve ser feito com toda a tranquilidade e paz.

Manter uma vela acesa é um motivo de Luz e inspiração. E muitos outros rituais
de preparo que farão com que o tarologo tenha a energia livre de intercessão de
obsessores ou magias destrutivas que podem vim acompanhando o consulente.

Sempre que se fizer uma sessão de Tarot é de toda a conveniência que as


presenças se limitem a quem deita as cartas e à pessoa interessada. A razão é
simples, a escuta por terceiros, além de na maioria das vezes não ajudar nada,
rompe o sigilo, que deverá ser respeitado, especialmente pelo o interprete.

Como é natural deverá adquirir um baralho de cartas de Tarot, para poder de


uma maneira mais clara entender os temas abordados. Assim, ao mesmo tempo
que vai manipulando as cartas, pelo toque vai-se identificando com o baralho
que deverá sempre ser só utilizado por si.
Muita gente se atém apenas a simbologia, se ligando em palpites psicologicos e
simplistas, mas, o verdadeiro tarologo, tem sim que entender de magistica pra
se defender e não confunda com suspertição.

Passemos agora às cartas ( a partir de agora é conveniente que já tenha o seu


baralho ).

A totalidade das cartas do Tarot são setenta e oito:


22, são os arcanos maiores.
56, são os arcanos menores.

Os naipes são quatro: Pentagrama (ouro). Taças (copas). Gládios (espadas) e


Bastões (paus)

Os arcanos maiores do Tarot são:

I - O MAGO , originalidade, poder criativo, habilidade, capacidade de iniciativa


e agilidade.

II - A PAPISA , discrição e grande poder de concentração abrem as portas da


sabedoria. Reserva, serenidade e paciência.

III - A IMPERATRIZ , A clareza e a abertura mental facilitam a criatividade. É


a indicação de inteligência, objectividade, sexto sentido e fertilidade.

IV - O IMPERADOR , A autoridade e sua força natural possibilitam a


realização de projectos. Capacidade, domínio e energia.
V - O PAPA , Complacência e bondade, protegem física e espiritualmente.
Indulgência e sabedoria.

VI - OS ENAMORADOS , A insegurança complica e dificulta a capacidade de


decisão. Fraqueza e grande inconstância.

VII - O CARRO , Grande força e muita energia garantem o êxito e a vitória.


Luta e persistência,

VIII - A JUSTIÇA , A serenidade, o equilíbrio o sentido da lógica facilitam um


julgamento imparcial. Austeridade.
IX - O EREMITA , Muita fé, resignação e grande paciência, abrem o caminho
ao conhecimento e à meditação.

X - A RODA DA FORTUNA , Naturalmente, é a sorte e as suas consequências


pessoais como forma positiva de encarar as coisas. Fortuna, e a obtenção do que
se deseja.
XI - A FORÇA , É a força e o poder da mente. Resultados positivos, obtidos
pela força do espírito. Grande energia e determinação.
XII - O ENFORCADO OU DEPENDURADO , Dificuldade e sacrifícios são o
resultado de grandes dificuldades. Incapacidade e falta de interesse.

XIII - A MORTE/ O ARCANO SEM NOME , Transformação e renascimento


ocasionam mudanças de grande importância. É a tristeza, são as fatalidades e a
renuncia.

XIV - A TEMPERANÇA , O equilíbrio, a harmonia e serenidade transmitem


um conceito Universal. Sociável. Poder de adaptação, ausência de arrogância e
compreensão.
XV - O DIABO , O lado material da vida tem um grande ascendente sobre os
outros valores. Intrigas, inveja, tramas de toda a espécie é o sentido do mau.

XVI - A TORRE , Choques e perturbações originam dificuldades de


concretização e ausência de esperança. Desastres, falências e nada de bom.
XVII - A ESTRELA , Tal como uma boa estrela indica a concretização de
desejos através da fé e da esperança.

XVIII - A LUA , É o sonho, a passividade fruto da imaginação. Representa


angústia, falta de energia, ausência de luz.
XIX - O SOL , Abençoado Sol, abre-nos as portas da Luz. É o caminho da
concretização dos nossos desejos, o amor, enfim, tudo de bom.

XX - O JULGAMENTO , A força, a vontade a inspiração conduzem-nos à


evolução. Grandes e inesperadas mudanças que nos levam a uma vida melhor.

XXI - O MUNDO , A capacidade, a segurança retribuem os esforços de uma


forma positiva e premeia os esforços feitos. Vitória, sucessos, honras e a
perfeição.

XXII - O LOUCO , É a forma original de encarar as coisas, alguma


extravagância e a dificuldade de alcançar os objectivos. A leviandade e os
excessos conduzem a grandes dificuldades.

http://www.relaxmental.com.br - autora do texto: Magnolia Francisca


http://www.neinaiff.com
http://climazenastrologia.blogspot.com