You are on page 1of 49

- 2ª edição

-

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COMISSÃO PERMANENTE DE ASSESSORAMENTO EM IMUNIZAÇÕES COORDENADORIA DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC"

NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO

1998 - 1ª edição 2000 - 2ª edição (revisada em novembro de 2000)

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO Secretário de Estado da Saúde: José da Silva Guedes

COORDENADORIA DOS INSTITUTOS DE PESQUISA Coordenador: José da Rocha Carvalheiro

COMISSÃO PERMANENTE DE ASSESSORAMENTO EM IMUNIZAÇÕES: Calil Kairalla Farhat Claudio Sérgio Pannuti Clelia Maria Sarmento de Souza Aranda Eduardo da Silva Carvalho Gabriel Oselka (Presidente) Glacus de Souza Brito Helena Keico Sato João Silva de Mendonça José Cassio de Moraes Luiz Jacintho da Silva Massayuki Yamamoto Mirian de Moura Almeida Rogério de Jesus Pedro Vicente Amato Neto Wagner Augusto da Costa

Diretor do Centro de Vigilância Epidemiológica "Prof. Alexandre Vranjac" (CVE): José Cassio de Moraes

Diretor da Divisão de Imunização do CVE: Clelia Maria Sarmento de Souza Aranda

Superintendente do Fomento de Educação Sanitária e Imunização em Massa contra Doenças Transmissíveis (FESIMA): Mirian de Moura Almeida

que aprovou a Norma do Programa Estadual de Imunização.Resolução SS-28. Capa e Projeto Gráfico: Marcos Rosado . a vacina contra Haemophilus influenzae tipo b aos 2. Artigo 2º .Comissão TécnicoCientífica de Controle da Raiva da Secretaria da Saúde. considerando a resolução SS-28.Esta resolução entrará em vigor na data de sua publicação retroagindo seus efeitos ao dia 12-07-99. coqueluche. que passa a fazer parte integrante desta resolução.NIVE/CVE/CIP Composição: Zilda Maria de Souza . poliomielite e sarampo. 351 . publicada no Diário Oficial de 11-02-99 e retificada em 03/03/99. Dr.Esta resolução entrará em vigor na data de sua publicação. Resolve: Artigo 1 º . considerando a implantação da vacinação contra Hepatite B na rotina dos menores de 1 ano em setembro/98.SP . considerando a Norma Técnica SS 67/96 . O Secretário da Saúde.s/ 115 . tétano.1º andar ."PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE IMUNIZAÇÃO Av. 4 e 6 meses de idade. de 19-10-99 Dispõe sobre a introdução da vacina contra Haemophilus influenzae tipo b (Hib) no calendário de vacinação do Programa de Imunização do Estado de São Paulo. considerando as recomendações do Programa Nacional de Imunização do Centro de Vigilância Epidemiológica “Prof.NIVE/CVE/CIP Tiragem: 1. considerando o Programa Nacional de Imunização (PNI) instituído para combater a tuberculose.000 exemplares Endereço para correspondência: CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA . Alexandre Vranjac” e da Comissão Permanente de Assessoramento em Imunizações. ambos da Secretaria da Saúde. de 10-2-99 (corrigida em 03-3-99) Aprova a Norma do Programa Estadual de Imunização O Secretário da Saúde. ficando revogada a Resolução SS 175. de 23-12-97. difteria.CEP 01246-902 São Paulo . de 10-02-99. Artigo 2º .introduzir no calendário de vacinação do Programa do Estado de São Paulo. resolve: Artigo 1º . visando diminuir ou eliminar a morbidade causada por estas enfermidades. considerando as recomendações do Centro de Vigilância Epidemiológica “Professor Alexandre Vranjac” e da Comissão Permanente de Assessoramento em Imunizações. Resolução SS-145.Sumarezinho .Profilaxia da Raiva em Humanos .Fica aprovada a Norma do Programa Estadual de Imunizações. Arnaldo.

Índice Apresentação Prefácio Introdução Considerações Gerais 7 9 11 13 Agentes Imunizantes 13 Natureza Composição Origem dos produtos Controle de qualidade Conservação Pessoa a ser Imunizada 14 Contra-indicações gerais Situações em que se recomenda o adiamento da vacinação Contra-indicações específicas e situações em que se recomenda o adiamento de determinada vacinação Falsas contra-indicações à vacinação Associação de Vacinas 15 Situações Especiais 16 Surtos ou epidemias Campanha e/ou intensificação de vacinação Vacinação do escolar/estudante Infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) e síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) Eventos Adversos Pós-Imunização 16 O sistema de investigação de eventos adversos pós-imunização Calendário de Vacinação para o Estado de São Paulo Esquema de Vacinação para Pessoas com Sete Anos ou Mais de Idade Vacinação Contra a Tuberculose Vacinação Contra a Hepatite B Vacinação Contra o Haemophilus influenzae tipo b Vacinação Combinada Contra a Difteria. a Caxumba e a Rubéola Vacinação Contra a Febre Amarela Vacinação Contra a Raiva Anexo I Bibliografia 33 35 37 39 41 47 48 18 19 21 23 25 27 29 31 . a Coqueluche e o Tétano Vacinação Combinada Contra a Difteria e o Tétano Vacinação Contra o Tétano Vacinação de gestante Profilaxia do tétano após ferimento Vacinação Contra a Poliomielite Vacinação Contra o Sarampo Vacinação Contra o Sarampo.

.

A presente norma traz a inclusão da vacina contra hepatite B. agora de aplicação universal. e as demais doenças preveníveis por imunização também se encontram sob controle. o que permite ter a certeza da sua continuidade e da colaboração de todos os que trabalham no Sistema Único de Saúde. efetivamente com o Programa Nacional de Imunização (PNI) e com os Organismos Internacionais. muito mais do que simplesmente atualizar as recomendações esta nova normatização se reveste de um significado simbólico. Marca os 30 anos da publicação da primeira e o início do Programa Estadual de Imunização. As conquistas alcançadas jamais teriam se concretizado não fosse o esforço continuado dos profissionais que integram a Secretaria Estadual da Saúde e. particularmente a Organização Panamericana da Saúde. O controle eficaz de epidemia de sarampo de 1997 é prova viva da eficiência do programa de vacinação e de sua capacidade de resposta rápida. desde seu início. A varíola e a poliomielite estão erradicadas. porém. Da mesma maneira foi e é importante a integração de reforços com o Governo Federal.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Apresentação (1ª edição) Mais uma vez a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo atualiza suas normas de vacinação. a partir do nascimento. JOSÉ DA SILVA GUEDES Secretário de Estado da Saúde de São Paulo 7 . Foram 30 anos plenos de vitórias. o tétano neonatal é apenas uma triste lembrança. seguindo a recomendação da Organização Mundial de Saúde. É uma grata satisfação ter acompanhado e participado desse esforço continuado e bem sucedido que é o Programa de Imunização. mais recentemente. a mortalidade por tuberculose na infância deixou de ser importante. as Secretarias Municipais.

.

Temos plena convicção de que. das ações dirigidas para a redução. tornada realidade pela participação decisiva do Fomento de Educação Sanitária e Imunização em Massa contra Doenças Transmissíveis . contribuíram com seu trabalho cotidiano. da difteria e do tétano.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Prefácio (1ª edição) Esta Norma Técnica do Programa de Imunização é o resultado. em dezembro de 1988. com a presente Norma Técnica ratificamos o uso rotineiro da vacina tríplice viral (combinada contra o sarampo. com qualidade e efetividade. nas salas de vacina ou nas atividades de vigilância epidemiológica dos diversos níveis municipais e estaduais. de controle da rubéola adquirida e. em primeiro lugar. enquadra-se na estratégia estadual. após ampla campanha de vacinação realizada no primeiro semestre daquele ano. em todos os níveis. da síndrome da rubéola congênita. no sentido da revisão e atualização dos conhecimentos científicos e epidemiológicos adquiridos no campo das imunizações e do controle das doenças imunopreveníveis. órgãos vinculados à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Esta vacinação. bem como com críticas e sugestões. da morbimortalidade associada às principais doenças imunopreveníveis. a caxumba e a rubéola) no Programa Estadual de Imunização. ou até mesmo a eliminação. seguramente. Representa. Além disso. do Ministério da Saúde. assim como ocorreu com a edição anterior. o coroamento de um longo processo de consolidação e sistematização das vivências e experiências práticas de milhares de profissionais de saúde que. também e sobretudo. para o aperfeiçoamento daquele que. pioneira em todo o país. em nosso Estado.FESIMA. em todas as unidades de saúde. são uma realidade incontestável. que constitui uma complementação do Programa Nacional de Imunizações. no mês de agosto de 1992. este trabalho propiciará aos profissionais e às instituições de saúde. A publicação desta Norma Técnica. após a implantação da norma anterior. é um dos programas de imunização mais bem sucedidos de todo o país. em especial. ocorre no exato momento em que alcançamos a meta da erradicação da poliomielite e em que os êxitos obtidos no controle do sarampo. em nosso Estado. da Secretaria de Estado da Saúde. subsídios fundamentais para a contínua execução. COMISSÃO PERMANENTE DE ASSESSORAMENTO EM IMUNIZAÇÕES 9 . do trabalho conjunto da Comissão Permanente de Assessoramento em Imunizações e do Centro de Vigilância Epidemiológica "Professor Alexandre Vranjac". introduzido.

.

reconhecidamente. o Ministério da Saúde instituiu o Programa Nacional de Imunizações . públicas e privadas. das instituições de saúde. as atividades relacionadas à imunização são gerenciadas pelo Centro de Vigilância Epidemiológica "Professor Alexandre Vranjac" . entre as quais a vacina teve fundamental importância. são estabelecidas normas específicas. Para que essas orientações atinjam o objetivo final de diminuir a morbimortalidade causada pelas doenças preveníveis por vacinação. Na Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. principalmente. a febre amarela. amplos benefícios. em novos conhecimentos técnico-científicos e nas informações a respeito da experiência prática acumulada pelos serviços de saúde. e reabilitação de eventuais seqüelas. diagnóstico e tratamento precoce. onde as condições epidemiológicas e operacionais permitem a complementação do Esquema Básico do Programa Nacional de Imunizações. em algumas regiões. No Brasil. 11 .DIRs. o preparo destas orientações. com a participação do Fomento de Educação Sanitária e Imunização em Massa contra Doenças Transmissíveis . sarampo.FESIMA. poliomielite. Da execução tomam parte as Direções Regionais de Saúde . Na prevenção de doenças infecciosas as vacinas propiciam. contidas neste documento. coqueluche. caxumba e rubéola e. obtida por meio de uma série de medidas.CVE. Prefeituras Municipais e serviços credenciados. É recente o exemplo da grande conquista representada pela erradicação da varíola no mundo. tétano. Instituições produtoras de imunizantes e laboratórios de referência interagem com o sistema. para controle de importantes doenças transmissíveis: tuberculose. difteria. o calendário vacinal. As normas e.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Introdução Quatro tipos de enfoque são essenciais no âmbito da atenção à saúde: promoção e proteção da saúde. As orientações preconizadas pelo PNI devem ser de conhecimento geral. com o propósito de respaldar as atividades do Programa Estadual de Imunizações. aplicam-se à situação atual no Estado de São Paulo. órgão técnico-científico da Secretaria de Estado da Saúde. Coube à Comissão Permanente de Assessoramento em Imunizações. e da população usuária. e ao CVE.PNI. hepatite B. baseadas no comportamento epidemiológico das doenças.

.

por meio da estimulação prolongada. Para tanto. ou mesmo substâncias químicas acessórias (adjuvantes. Líquido de suspensão . Estes fatores eventualmente contribuem para que as vacinas variem discretamente no seu aspecto (presença de floculação) ou coloração (exemplo: vacina contra o sarampo que.Representados por pequenas quantidades de substâncias.INCQS.Realizado pelo laboratório produtor. após aprovação nos testes de controle do laboratório produtor. por vezes apresenta-se com tonalidades que vão do róseo ao amarelo). garantindo a segurança. e os meios ou células de cultura também estejam padronizados. que podem ser diferentes. estabilizadores e antibióticos . Controle de qualidade .Laboratórios nacionais e internacionais fornecem as vacinas para o país. Manifestações alérgicas podem ocorrer se alguma pessoa vacinada for sensível a um ou mais desses elementos. particularmente para vacinas que contêm microrganismos inativados ou seus componentes (por exemplo: toxóides tetânico e diftérico). Origem dos produtos .A vacina é produto farmacêutico que contém um ou mais agentes imunizantes (vacina isolada ou combinada) em diversas formas biológicas. 13 . Depois. estabilizadores ou outras). conservantes. para que possa assumir decisões em situações diferentes das previstas na presente Norma Técnica.Compostos de alumínio ou outras substâncias são freqüentemente utilizados para aumentar o poder imunogênico de um agente. do Ministério da Saúde. após reconstituição.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Considerações Gerais A prática de vacinação envolve diversos aspectos científicos e técnico-operacionais que dizem respeito aos agentes imunizantes e à pessoa a ser imunizada. componentes purificados e/ou modificados dos agentes causadores das doenças contra as quais a vacina é dirigida. além de outras. é necessário que a equipe de vacinação esteja ciente destes aspectos. a vacina é liberada para uso. Manifestações alérgicas podem ocorrer se algum receptor for sensível a um ou mais destes elementos. proteínas ou outros componentes originados dos meios de cultura ou da cultura de células utilizados no processo de produção da vacina. AGENTES IMUNIZANTES Natureza . a potência adequada e a estabilidade do produto final. além do agente imunizante. é submetido a análise pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde . Adjuvantes . estas reações devem ser previstas pela identificação da hipersensibilidade específica a certos constituintes da vacina. Conservantes. bem como os componentes a seguir especificados.Constitui-se geralmente de água destilada ou solução salina fisiológica.OMS. existem particularidades no processo de produção de cada laboratório.O produto final elaborado pode conter. quais sejam: bactérias ou vírus vivos atenuados. Cada lote vacinal. tais como mercuriais e antibióticos. deve obedecer a critérios padronizados estabelecidos pela OMS. Embora a maioria dos produtos seja obtida a partir de cepas iniciais padronizadas provenientes de instituições de referência da Organização Mundial da Saúde . necessárias para evitar o crescimento de contaminantes (bactérias. Sempre que possível. Composição . Estabilizadores (nutrientes) são utilizados para vacinas que possuem microrganismos vivos atenuados. essas reações devem ser previstas pela identificação da hipersensibilidade específica a certos constituintes da vacina. vírus inativados e bactérias mortas. Sempre que possível. fungos).

devido à possibilidade de que os anticorpos presentes nesses produtos neutralizem o vírus vacinal. baseadas em conjecturas teóricas ou em conceitos desatualizados. Alguns produtos não podem ser submetidos a temperaturas que levem ao congelamento. 14 . Ressalte-se que. sobretudo para que seus sinais e sintomas não sejam atribuídos ou confundidos com possíveis efeitos adversos das vacinas. radioterapia etc. para alcançar adequado grau de proteção imunitária da população contra as doenças transmissíveis por ele abrangidas. Quanto à vacina contra o sarampo. as geladeiras sejam mantidas. em temperaturas entre 2 e 8ºC. por mais de duas semanas) ou submetidas a outras terapêuticas imunodepressoras (quimioterapia antineoplásica. Esta recomendação é válida para as vacinas contra o sarampo. a caxumba e a rubéola. em princípio. · Administração de imunoglobulina ou de sangue e derivados. Contra-indicações gerais As vacinas de bactérias atenuadas ou vírus vivos atenuados. com temperaturas entre 4 e 8ºC. ou de 20 mg/dia ou mais. · grávidas (salvo situações de alto risco de exposição a algumas doenças virais imunopreveníveis. imunoglobulinas e soros que fazem parte desta Norma devem ser conservados em geladeira. com perda da oportunidade do encontro do indivíduo com o serviço de saúde e conseqüente comprometimento da cobertura vacinal. Como se verá nos capítulos correspondentes. de preferência. a ampla extensão da cobertura vacinal. As vacinas contra a caxumba e a rubéola não devem ser administradas nas duas semanas que antecedem ou até três meses após o uso de imunoglobulina ou de sangue e derivados. em primeira instância. Entretanto. a vacinação inadvertida durante a gravidez não constitui indicação para a sua interrupção. por precaução. Situações em que se recomenda o adiamento da vacinação · Até três meses após o tratamento com imunodepressores ou com corticosteróides em dose alta. com freqüência. mesmo em países onde o abortamento por possível infecção do feto conta com respaldo legal. pela possível inadequação da resposta. a ocorrência de contra-indicações desnecessárias. · acometidas de neoplasia maligna. Esta recomendação é válida inclusive para vacinas de componentes e de organismos mortos ou inativados. para crianças.Todos os agentes imunizantes devem ser mantidos em temperatura adequada. principalmente nas regiões mais frias do Estado. · Durante a evolução de doenças agudas febris graves. como. Por isso. a interferência com a resposta sorológica pode ser mais prolongada (ver Anexo 1). · em tratamento com corticosteróides em dose alta (equivalente a prednisona na dose de 2 mg/kg/dia ou mais. nas Unidades de Saúde. febre amarela).NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Conservação . para adultos. por exemplo. a Divisão de Imunização do Centro de Vigilância Epidemiológica “Prof. PESSOA A SER IMUNIZADA O programa de imunização visa.). de acordo com as especificações do seu produtor. as vacinas. não devem ser administradas a pessoas: · com imunodeficiência congênita ou adquirida. observa-se. Alexandre Vranjac” recomenda que. fora do congelador.

· História e/ou diagnóstico clínico pregressos de tuberculose. contra a febre amarela e contra o sarampo. em dias alternados. as associações possíveis não aumentam a ocorrência de evento adverso e nem comprometem o poder imunogênico que cada agente possui quando administrado individualmente. · Antecedente familiar de convulsão. poliomielite. caxumba. contra a difteria. como doenças infecciosas ou alérgicas do trato respiratório superior com tosse e/ou coriza. · Alergias (exceto as relacionadas com os componentes das vacinas). sarampo. independentemente da dose. · Prematuridade ou baixo peso ao nascimento. doses baixas ou moderadas. independentemente do tempo. a coqueluche e o tétano. permite. hepatite B.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Contra-indicações específicas e situações em que se recomenda o adiamento de determinada vacinação Estão referidas nos capítulos correspondentes. tétano. com corticosteróides de ação curta. BCG (intradérmica). · Tratamento sistêmico com corticosteróides nas seguintes situações: curta duração (inferior a duas semanas). difteria. ASSOCIAÇÃO DE VACINAS A administração de vários agentes imunizantes em um mesmo atendimento é conduta indicada e econômica que. além de facilitar a operacionalização do esquema. e trivalente contra a poliomielite). rubéola e febre amarela. Assim. · Doença neurológica estável (exemplo: convulsão controlada) ou pregressa. desde que não haja contra-indicação formal. · Desnutrição. · Internação hospitalar. A associação de vacinas pode ser: Vacinação combinada: quando dois ou mais agentes são administrados em uma mesma preparação (exemplos: vacina DPT. No caso das vacinas utilizadas no Programa. num reduzido número de contatos da pessoa com o serviço de saúde.ver capítulo correspondente). Vacinação simultânea: quando várias vacinas são administradas em diferentes locais ou por diferentes vias. coqueluche. · Uso de qualquer tipo de antimicrobiano. doenças da pele (lesões impetiginosas esparsas. contra a hepatite B (intramuscular). contra a poliomielite (oral). no que diz respeito à aplicação das respectivas vacinas. imunizar contra um maior número de doenças. Esta é uma ótima oportunidade para atualizar o esquema de vacinações. tratamento prolongado. escabiose). · Vacinação contra a raiva. com seqüela presente. em um mesmo atendimento podem ser aplicadas simultaneamente as vacinas DPT (intramuscular). a rubéola e a caxumba (subcutâneas). Falsas contra-indicações à vacinação · Afecções comuns. doses de manutenção fisiológica. diarréia leve ou moderada. 15 . Nestes casos não se deve adiar o início da vacinação (exceção: vacina BCG .

conforme o esquema estabelecido. no entanto. ainda hoje. adolescentes e adultos. essa mesma conduta é válida. Raramente. Nestes pacientes. Creches) e que não precisam estar implícitas na Norma de Vacinação (exemplos: extensão da faixa etária. Município. podem ocorrer formas mais graves. SITUAÇÕES ESPECIAIS Surtos ou epidemias Na vigência de surto ou epidemia de doenças abrangidas pelo Programa podem ser desencadeadas medidas de controle. com evolução autolimitada (exemplo: febre após vacinação contra o sarampo). Na campanha e na intensificação. que esta associação pode decorrer apenas de uma coincidência. capaz de motivar seqüelas e até mesmo óbito. podem produzir efeitos indesejáveis. Quanto aos doentes com AIDS. A incidência desses eventos varia conforme características do produto. apesar de aprimorados processos de produção e purificação. levando a comprometimento. exceto no caso da vacina contra a poliomielite (que pode ser administrada com qualquer intervalo. que não deve ser usado. Cabe lembrar. neurológica ou sistêmica. Havendo associação temporal entre a aplicação da vacina e a ocorrência de determinadas manifestações. entretanto. Campanha e/ou intensificação de vacinação São estratégias que visam o controle de doenças de maneira intensiva ou a extensão da cobertura vacinal para complementação do serviço de rotina. poderão ser administradas todas as vacinas previstas no calendário vacinal. EVENTOS ADVERSOS PÓS-IMUNIZAÇÃO As vacinas são constituídas por diversos componentes biológicos e químicos que. correspondem a distúrbios passageiros e a leve desconforto. a vacina oral contra a poliomielite não é contra-indicada. as orientações para execução de vacinação são adequadas à estratégia em questão e também não necessitam estar prescritas na Norma de Vacinação. tais como vacinação em massa da população alvo (exemplos: Estado. geralmente benignas. o momento do ingresso representa uma oportunidade estratégica para essa atualização. deve-se dar preferência a esta. Algumas manifestações são esperadas após o emprego de determinadas vacinas e. Neste sentido. temporário ou permanente. Vacinação do escolar/estudante A freqüência à escola permite a atualização do esquema vacinal de crianças. Convém referir que nem sempre os mecanismos fisiopatológicos de tais acontecimentos são conhecidos. considera-se possível a existência de vínculo causal entre esses dois fatos. doses de reforço e outras). Infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) e síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) Às crianças infectadas. fazendo exceção o BCG. havendo a disponibilidade da vacina de vírus inativados. deve-se respeitar o intervalo mínimo de 2 (duas) semanas. 16 . de função local. antes ou depois de outras vacinas de vírus vivos). reconhecidas por meio de provas sorológicas positivas. porém.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Nota: Quando do uso seqüencial de vacinas de vírus vivos. da pessoa a ser vacinada e do modo de administração.

17 . orientações detalhadas encontram-se consignadas em manual próprio (Manual de Vigilância Epidemiológica de Eventos Adversos Pós-vacinação. a cargo do CVE. como Sistema de Investigação de Casos de Complicação Vacinal). no Estado de São Paulo.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO O sistema de investigação de eventos adversos pós-imunização Desde 1984 está instituído. A propósito. um sistema de investigação de eventos adversos pós-imunização (conhecido. anteriormente. por meio de ficha específica. locais ou sistêmicos. Para esse órgão devem ser notificados os eventos pós-vacinais moderados ou graves. publicado pelo Ministério da Saúde em 1998).

a coqueluche e o tétano. de acordo com a situação epidemiológica. deve-se reduzir este intervalo para cinco anos. contra a difteria e o tétano. 18 . POLIOMIELITE E Hib 9 MESES SARAMPO E HEPATITE B. FEBRE AMARELA** 15 MESES DPT. E SARAMPO-CAXUMBA-RUBÉOLA 5 OU 6 ANOS DPT E POLIOMIELITE 15 ANOS*** dT * O intervalo mínimo entre a primeira e a segunda doses da vacina contra a hepatite B é de 30 (trinta) dias. *** Reforço a cada dez anos. BCG: vacina contra a tuberculose.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Calendário de Vacinação para o Estado de São Paulo . Reforço a cada dez anos. Em caso de gravidez e na profilaxia do tétano após alguns tipos de ferimentos. POLIOMIELITE E Hib 6 MESES DPT. POLIOMIELITE. tipo adulto. ** Nas regiões onde houver indicação. DPT: vacina tríplice contra a difteria. POLIOMIELITE. por toda a vida. HEPATITE B* E Hib 4 MESES DPT. dT: vacina dupla.2000 IDADE VACINAS A PARTIR DO NASCIMENTO BCG E HEPATITE B 2 MESES DPT.

contra a difteria e o tétano. e oral contra a poliomielite são indicadas. 19 . prioritariamente. tipo adulto. Reforço a cada dez anos.2000 INTERVALO ENTRE AS DOSES VACINA ESQUEMA PRIMEIRA VISITA BCG** SARAMPO-CAXUMBA-RUBÉOLA** dT .DUPLA TIPO ADULTO POLIOMIELITE (ORAL)** TERCEIRA DOSE TERCEIRA DOSE A CADA 10 ANOS E POR TODA A VIDA**** dT .DUPLA TIPO ADULTO POLIOMIELITE (ORAL)** DOSE ÚNICA DOSE ÚNICA PRIMEIRA DOSE PRIMEIRA DOSE 2 MESES APÓS A PRIMEIRA DOSE dT .DUPLA TIPO ADULTO REFORÇO * Caso a pessoa apresente documentação com esquema de vacinação incompleto. **** Em caso de gravidez e na profilaxia do tétano após alguns tipos de ferimento. contra o sarampo-caxumba-rubéola. ** As vacinas BCG. de acordo com a situação epidemiológica.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Esquema de Vacinação para Pessoas com Sete Anos ou Mais de Idade (sem comprovação de vacinação anterior)* . dT: vacina dupla.DUPLA TIPO ADULTO POLIOMIELITE (ORAL)** FEBRE AMARELA*** SEGUNDA DOSE SEGUNDA DOSE DOSE INICIAL 6 MESES APÓS A SEGUNDA DOSE dT . deve-se reduzir este intervalo para cinco anos. para pessoas com até 15 anos de idade. BCG: vacina contra a tuberculose. *** Nas regiões onde houver indicação. é suficiente completar o esquema já iniciado.

.

Por haver controvérsia em relação a essa conduta. Nota . preferencialmente entre 12 e 14 anos de idade. até obter-se completa homogeneização. com duração média de seis a dez semanas. que evolui para úlcera e crosta.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Vacinação Contra a Tuberculose Produto Vacina BCG liofilizada. Nota .Em crianças que receberam o BCG há seis meses ou mais.Como não há dados disponíveis sobre os efeitos do BCG em adultos infectados pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). preferentemente no braço direito. a Secretaria da Saúde decidiu. Via de aplicação Rigorosamente intradérmica. Nota .000 g. analisados conjuntamente pelas Secretarias Estadual e Municipal de Saúde. Nota . descartáveis. este reforço poderá ser aplicado.Embora não constituam contra-indicações absolutas.O Ministério da Saúde indica o reforço da vacina BCG. a vacinação não deve ser recomendada para esses casos. ou mesmo quando da aplicação das primeiras doses de DPT e de vacina contra a poliomielite (dois meses). No entanto. a aplicação poderá ocorrer quando do primeiro comparecimento à Unidade de Saúde. em qualquer idade. recomenda-se adiar a vacinação nos seguintes casos: afecções dermatológicas extensas. Dose Dose única de 0. criança com peso inferior a 2. na altura da inserção inferior do músculo deltóide. Nota . desde que tal aplicação não tenha ocorrido no berçário.1 mL. Nota . em municípios selecionados a partir de critérios epidemiológicos e operacionais. indica-se uma revacinação. em atividade.Utilizar seringa e agulha apropriadas. Pode haver a ocorrência de secreção durante a fase de ulceração.Operacionalmente. não adotá-la no calendário vacinal no Estado. Contra-indicações Seguir as recomendações em relação às contra-indicações gerais das vacinas. Evolução da reação vacinal Nódulo no local da aplicação. obtida por Calmette e Guérin pela atenuação do Mycobacterium bovis. sintomáticos ou não. nas quais está ausente a cicatriz vacinal.A reconstituição deve ser cuidadosa. resolvendo-se habitualmente em pequena cicatriz. sem necessidade de realização prévia do teste tuberculínico (PPD). 21 . Indivíduos em qualquer idade podem ser vacinados. por ora. Nota . Idade para vacinação A partir do nascimento.

inutilizando-se as sobras no final do expediente. Teste tuberculínico É dispensável sua realização previamente ou após a vacinação com BCG. a luz artificial não causa danos. deve ser utilizada no mesmo dia de trabalho (até seis horas). se conservada na temperatura apropriada. entre 2 e 8ºC. 22 .NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Conservação da vacina Em geladeira.Após reconstituição. Nota . Prazo de validade Consta das instruções que acompanham cada lote e deve ser respeitado rigorosamente. entretanto. A vacina inativa-se rapidamente quando exposta a raios solares diretos.

a aplicação deve seguir-se de compressão local com gelo. no vasto lateral da coxa em crianças menores de dois anos de idade. preferentemente nas primeiras 12 horas. Contra-indicação A única contra-indicação é a ocorrência de reação anafilática após a aplicação de dose anterior. 23 . Reforços: atualmente. Intervalos mínimos a serem observados: a) para a segunda dose: um mês após a primeira. A vacina não deve ser aplicada na região glútea. b) intervalos maiores do que os recomendados proporcionam resultados equivalentes. desde que o intervalo de tempo decorrido a partir da primeira dose seja. b) para a terceira dose: dois meses após a segunda. Exemplos: Esquema ideal: recém-nascido. a vacina deve ser utilizada mesmo que a imunoglobulina não seja disponível. respeitados os intervalos mínimos entre as doses. recebem dose dupla para a idade. dois e nove meses de idade. como os renais crônicos.Alguns pacientes imunodeprimidos. Esquema alternativo: um. não havendo necessidade de reiniciar o esquema. não são recomendados para indivíduos imunocompetentes. os pacientes imunodeprimidos deverão receber doses de reforço na dependência de avaliação sorológica. juntamente com outras vacinas do Programa de Imunização. Idade para vacinação A partir do nascimento. sendo a segunda e a terceira doses aplicadas. é fundamental a administração precoce da imunoglobulina humana específica (IGHB . no mínimo. caso se utilize a via intramuscular. Doses e Intervalos Doses: dependem do laboratório produtor. ou no deltóide acima desta faixa etária. quatro e nove meses de idade. obtida por engenharia genética. para permitir a coincidência com o emprego de outras vacinas. ou: dois.0. Nota . um e seis meses de idade. 1 e 6 meses). Via de Aplicação Intramuscular. Para menores de 20 anos: 5 ou 10 microgramas (0. uma vez que: a) não há comprometimento da eficácia nem aumento dos eventos adversos quando outras vacinas são administradas simultaneamente.para a prevenção da transmissão vertical. Para a vacinação rotineira dos menores de um ano de idade. .5 mL).5 mL). de seis meses. outros esquemas poderão ser utilizados.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Vacinação Contra a Hepatite B Produto Vacina subunitária contendo antígeno de superfície do vírus da hepatite B (AgsHB) purificado. um e seis meses após a primeira (esquema 0. Em pacientes com graves tendências hemorrágicas a vacina pode ser administrada por via subcutânea. Esquema: administração de três doses. no caso de recém-nascido de mãe AgsHB-positiva.0 mL). para pessoas com idade igual ou superior a 20 anos: 10 ou 20 microgramas (1. bem como da vacina contra a hepatite B. contendo hidróxido de alumínio como adjuvante. respectivamente.

Prazo de validade Consta das instruções que acompanham cada lote de vacina e deve ser respeitado rigorosamente.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Conservação da vacina Em geladeira. entre 2º e 8ºC. 24 . não devendo ser congelada.

e não tenha recebido o esquema completo com três doses no primeiro ano de vida. Caso a criança tenha entre 12 e 23 meses. Via de aplicação Intramuscular. Conservação da vacina Em geladeira. membrana externa do meningococo. três doses. deverá receber apenas uma dose. poderão ser utilizados por 5 dias (apresentação liofilizada) ou até o final do prazo de validade (apresentação líquida).). toxóide tetânico. Nota . Nota . preferencialmente antes da criança completar 12 meses. a depender do laboratório produtor. mas a vacinação básica deve ser completada o mais rapidamente possível. Prazo de validade Consta das instruções que acompanham cada lote de vacina e deve ser respeitado rigorosamente. em crianças menores de dois anos de idade. toxóide diftérico. ou no deltóide acima desta faixa etária.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Vacina contra Haemophilus influenzae tipo b Produto Vacina constituída do polissacáride purificado poliribosil-ribitol fosfato (PRP) conjugado a uma proteína carreadora variável de acordo com o laboratório produtor (mutante não tóxico da toxina diftérica.os frascos multidoses. com intervalo de 60 dias (mínimo de 30 dias) no primeiro ano de vida. desde que mantidos em temperatura adequada (entre 2º e 8ºC) e adotados os cuidados que evitem sua contaminação. no vasto lateral da coxa.Não há intervalo máximo entre as doses. entre 2º e 8ºC. Idade para a vacinação A partir de 2 meses de idade Doses e Intervalos Para a vacinação básica. 25 . Contra-indicação A única contra-indicação é a ocorrência de reação anafilática após a aplicação de dose anterior. não devendo ser congelada. uma vez abertos.

.

O reforço pode ser administrado em qualquer idade.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Vacinação Combinada Contra a Difteria. 3. levar em conta as instruções indicadas no item relativo à profilaxia do tétano após ferimento.Seguir orientação para vacinação contra a difteria e o tétano. De acordo com a idade deve-se dar preferência à DPT ou dT à vacinação isolada contra o tétano (toxóide tetânico . a Coqueluche e o Tétano Produto Vacina tríplice (DPT). Idade para vacinação De dois meses até seis anos e 11 meses.Uma dose seis a 12 meses após o término da vacinação básica. Bordetella pertussis inativada e toxóide tetânico. não é necessário administrar dois reforços mas. a partir dos sete anos. três doses. a criança pode. reforço com dupla tipo adulto (dT). Doses normais de reforço 1.Associação de toxóide diftérico. conforme norma própria. Doses e intervalos Para a vacinação básica. A cada dez anos. Nota . Nota . 2. Doses eventuais de reforço 1. com intervalo de 60 dias (mínimo de 30 dias). que a vacinação básica seja completada o mais rapidamente possível). seguindo-se o esquema de uma dose de dupla tipo adulto (dT) a cada dez anos. um na ocasião do atendimento. Nota .Substituir a vacina tríplice (DPT) pela dupla tipo adulto (dT) nos indivíduos com sete e mais anos. Outros reforços . sim. ou da dupla tipo adulto (dT).Havendo contato com doente de difteria.A criança não estará devidamente imunizada enquanto não ficar completada a vacinação básica (não há intervalo máximo entre as doses. receber uma dose de reforço da vacina tríplice (DPT) ou dupla tipo infantil (DT) até os seis anos e 11 meses. Primeiro reforço . Difteria . as doses necessárias serão aplicadas com a vacina dupla tipo adulto (dT) em lugar da vacina tríplice (DPT). observando-se o intervalo mínimo de seis meses após a última dose da vacinação básica. Segundo reforço .Uma dose aos cinco ou seis anos de idade. recomendando-se.Caso a criança esteja com cinco anos ou mais e não tenha recebido o primeiro reforço.Sempre que houver ferimento suspeito. Nota . 2. porém.TT) 27 . Nota . Se uma criança não iniciar ou não completar a vacinação básica até a idade de seis anos e 11 meses. Ferimentos .

após sua aplicação. entre 2 e 8ºC. colapso circulatório. 2 e 3.Não há contra-indicações da vacina tríplice (DPT) em convulsivos prévios ou em crianças com doença neurológica estabilizada. é contra-indicada a utilização de todos os componentes das vacinas DPT e DPaT. . e nas que tenham apresentado febre maior que 39. 28 . na região glútea ou do vasto lateral da coxa. esta poderá ser utilizada nas crianças que apresentaram convulsão ou síndrome hipotônicohiporresponsiva. em crianças acima de dois anos pode ser usada a região deltóide. uma vez abertos. Nota . convulsões até 72 horas após a aplicação da vacina. no momento da vacinação e com intervalos regulares nas 24-48 horas seguintes. em face da contra-indicação para o uso da vacina tríplice (DPT).Nas crianças com história pessoal e familiar de convulsão. Se houver disponibilidade de vacina tríplice com componente pertussis acelular (DPaT). 3.Deve-se afastar outras causas de elevação de temperatura na caracterização de um quadro febril temporalmente associado à vacinação. Nota . encefalopatia nos primeiros sete dias após a aplicação da vacina. Contra-indicações A vacina tríplice (DPT) é contra-indicada em crianças com quadro neurológico em atividade e naquelas que tenham apresentado. desde que mantidos em temperatura adequada (entre 2 e 8ºC) e adotados cuidados que evitem sua contaminação. recomenda-se a administração de antitérmico/analgésico.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Via de aplicação Intramuscular profunda.Nos casos de reação anafilática. . 2. Prazo de validade Consta das instruções que acompanham cada lote de vacina e deve ser respeitado rigorosamente. .O congelamento da vacina inativa seus componentes.Nas situações 1. . . Conservação da vacina Em geladeira. utilizar a vacina dupla tipo infantil (DT).5ºC ou choro intenso e incontrolável após dose anterior da vacina tríplice (DPT). qualquer das seguintes manifestações: 1. até 48 horas após a aplicação da vacina. podem ser utilizados até o final do prazo de validade da vacina. 4. com estado tipo choque ou síndrome hipotônico-hiporresponsiva.Os frascos multidoses. reação anafilática. fora de congelador.

Vacina dupla tipo adulto (dT) .Em adultos.vacina dupla tipo adulto (dT). Via de aplicação Intramuscular profunda. Nota . conservação da vacina e prazo de validade Seguir as mesmas orientações referentes à vacina tríplice (DPT).Duas doses com intervalo de 60 dias (mínimo de 30 dias) e uma terceira dose seis meses após a segunda.A vacina dupla tipo infantil (DT) contém a mesma quantidade de toxóides tetânico e diftérico que a tríplice (DPT).NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Vacinação Combinada Contra a Difteria e o Tétano Produtos Existem dois tipos de vacinas contra a difteria e o tétano: . o que facilita a memorização). . 25.. dar preferência à aplicação na região do deltóide. Cuidados na aplicação. aproximadamente a cada dez anos (sugere-se as idades de 15.Indicada a partir de sete anos para pessoas que não tenham recebido vacina tríplice (ou dupla tipo infantil). Doses normais de reforço Todas as pessoas a partir dos sete anos de idade. Doses e intervalos Vacina dupla tipo infantil (DT) .vacina dupla tipo infantil (DT). Nota . que tenham recebido vacinação básica e reforço com DPT (DT ou dT) devem receber reforços de dupla tipo adulto (dT). do glúteo ou do vasto lateral da coxa. na região do deltóide. 29 . 35 anos etc. Vacina dupla tipo adulto (dT) .Seguir o esquema referente à vacina tríplice (DPT).Indicada em crianças até seis anos e 11 meses de idade que tenham contra-indicação médica formal de receber o componente pertussis da vacina tríplice (DPT). ou cujo estado imunitário seja desconhecido. Já a dupla tipo adulto (dT) contém menor quantidade de toxóide diftérico. Indicação Vacina dupla tipo infantil (DT) .

.

Quando a gestante já estiver vacinada com pelo menos três doses. dT ou TT) deve-se aplicar duas ou uma doses de vacina dT ou. desde que a avaliação do serviço de saúde indique que o início da vacinação apenas nesse momento não impedirá que duas doses da vacina sejam aplicadas antes do parto.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Vacinação Contra o Tétano Produto Vacina contra o tétano (toxóide tetânico . na falta desta. VACINAÇÃO DE GESTANTE Gestantes não vacinadas O esquema na gestação. em crianças abaixo dos sete anos. Nota . Entretanto.Para a adequada proteção da mãe e prevenção do tétano neonatal em gestação futura. aplicar apenas uma dose de reforço caso já se tenham passado cinco anos desde a última dose. da vacina contra o tétano (TT). a fim de completar três doses. em pessoas com sete anos ou mais. conservação e prazo de validade Seguir as mesmas orientações referentes à vacina dupla tipo adulto (dT). até vinte dias antes do parto. compreende duas doses da vacina dupla tipo adulto (dT) ou.TT). com a dupla tipo infantil (DT). em crianças abaixo dos sete anos quando houver contra-indicação específica ao componente pertussis e com a dupla tipo adulto (dT).Não foram relatados efeitos adversos para o feto em decorrência da aplicação dos toxóides diftérico e tetânico em qualquer fase da gestação. na falta desta. Indicação A vacinação contra o tétano é realizada preferentemente com a vacina tríplice (DPT). é importante a aplicação de uma terceira dose. que deve ocorrer seis meses após a segunda dose. Nota . A vacina contra o tétano (TT) só deve ser utilizada na falta da dupla tipo adulto (dT).entre os quais evitar que um eventual abortamento venha a ser indevidamente atribuído à vacina . da TT. a segunda. . 31 . por motivos operacionais e estratégicos .a imunização da grávida pode ser efetuada a partir do segundo trimestre da gestação. Número de doses. Gestantes vacinadas Na gestante que previamente recebeu uma ou duas doses de vacinação contra o tétano (como DPT. para a adequada profilaxia do tétano neonatal. com intervalo de dois meses ou mais entre elas (mínimo de um mês). A primeira dose deve ser administrada o mais precocemente possível na gestação. DT. via e local de aplicação.

000 unidades. depende do tipo e condições do ferimento. História de imunização contra o tétano Ferimento limpo e superficial Vacina Imunização passiva não Outros ferimentos Vacina sim Imunização passiva sim Incerta ou menos de três doses* Três doses ou mais Última dose há menos de cinco anos Última dose entre cinco e dez anos Última dose há mais dez anos sim não não sim não não não não sim sim não não não Vacina: para crianças abaixo de sete anos. pela via intramuscular. o uso de outros antibióticos não tem valor comprovado. Não há indicação para o emprego de penicilina benzatina. com ou sem imunização passiva. na dose de 250 unidades. se necessário. ou preferentemente com imunoglobulina humana antitetânica. A necessidade de vacinação contra o tétano. * Aproveitar a oportunidade para indicar a complementação do esquema de vacinação. pela via intramuscular. Limpeza do ferimento com água e sabão e debridamento profundo. usar o toxóide tetânico (TT). tríplice (DPT) ou dupla tipo infantil (DT) se o componente pertussis for contra-indicado. assim como da história de imunização prévia. 3. Imunização passiva: com soro antitetânico e teste prévio. utilizar local diferente daquele no qual foi aplicada a vacina.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Profilaxia do Tétano após Ferimento 1. na dose de 5. a partir dos sete anos. 2. Na falta desses produtos. dupla tipo adulto (dT). o mais rápido possível. 32 .

2 e 3). Primeiro reforço . porque há variação segundo o laboratório produtor. o recipiente e/ou conta-gotas precisam ser desprezados. Cuidados na aplicação Deve-se tomar o máximo cuidado em não contaminar o recipiente e/ou conta-gotas. trivalente. Segundo reforço . Contra-indicações As contra-indicações são apenas as referidas nas Considerações Gerais. mesmo que com leite materno. Nota .NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Vacinação Contra a Poliomielite Produto Vacina oral. Idade para vacinação A partir dos dois meses. recomenda-se adiar a aplicação da vacina em casos de diarréias graves e/ou vômitos intensos. utensílios ou boca da criança. Nota . não havendo necessidade de intervalo entre a aplicação da vacina e as mamadas ou refeições. 33 . com intervalo de dois meses entre elas (mínimo de 30 dias).Aplicar nova dose se houver regurgitação imediata da vacina ou ocorrer vômito com a mesma. 2. na rotina dos serviços de saúde.Uma dose seis a 12 meses após o término da vacinação básica.Uma dose aos cinco ou seis anos de idade.Não há intervalo máximo entre as doses. Caso isso aconteça. Doses normais de reforço 1. atenuados.O congelamento não altera a potência dos componentes da vacina. Conservação da vacina Em geladeira. Nota .Deve ser verificada a quantidade de vacina (número de gotas) que corresponde a uma dose. três doses. entre 2 e 8ºC.Contém os três tipos de poliovírus (1. Entretanto. . Via de aplicação Oral. Doses e intervalos Para a vacinação básica.As crianças alimentadas. Nota .Nos casos em que houver interrupção da vacinação. esta prosseguirá com a dose que o indivíduo iria receber quando se deu a descontinuação. Nota . . Estes não devem entrar em contato com móveis. podem ser vacinadas normalmente. mas a vacinação básica deve ser completada o mais rapidamente possível.

Para recipientes abertos e em uso: recomenda-se prazo máximo de utilização de uma semana.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Prazo de validade 1. 34 . 2. Para os recipientes fechados: consta das instruções que acompanham cada lote de vacina e deve ser respeitado rigorosamente.

35 . entre 2 e 8ºC. choque. Nota . Gravidez. Via de aplicação Subcutânea. Nota . sibilos.Após a diluição.Operacionalmente. Contra-indicações 1. 3. Idade para vacinação A partir de nove meses.Se o comparecimento inicial ocorrer após o primeiro ano de idade. A vacina diluída e não utilizada dentro de oito horas deve ser inutilizada. atenuado. que não sejam de natureza anafilática. contato íntimo com pacientes imunodeprimidos.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Vacinação Contra o Sarampo Produto Vacina de vírus vivo. sendo a primeira aos nove meses e a segunda aos 12 meses ou mais. vacinação recente com a vacina oral contra a poliomielite ou exposição recente ao sarampo. por pelo menos trinta dias após a aplicação (ver Contra-indicações gerais). indicar apenas uma dose (preferentemente. entre 2 e 8ºC. As mulheres vacinadas deverão evitar a gravidez. ocorrendo habitualmente na primeira hora) após ingestão de ovo: urticária. revacinar se houver aplicação nessas condições. hipotensão. a vacina manter-se-á potente durante oito horas se conservada na geladeira. Nota . História de uma ou mais das seguintes manifestações anafiláticas (reações imediatas. história de sarampo prévio. à ingestão de ovos. na forma combinada com as vacinas contra a caxumba e a rubéola). Doses e intervalos Duas doses.Não constituem contra-indicações à vacina: alergia e intolerância. 2. tipo I de Gell & Coombs. Prazo de validade Consta das instruções que acompanham cada lote e deve ser respeitado rigorosamente. Uso de imunoglobulinas e de sangue e derivados previamente à vacinação (ver Anexo 1) ou nos 15 dias posteriores a ela. a segunda dose deve ser agendada junto com o primeiro reforço de DPT e de vacina contra a poliomielite. Conservação da vacina Em geladeira. laringospasmo. . edema de lábios.

.

Gravidez.Após a diluição. A vacina diluída e não utilizada dentro de oito horas deve ser inutilizada. a caxumba e a rubéola (SCR . História de uma ou mais das seguintes manifestações anafiláticas (reações imediatas. As mulheres vacinadas deverão evitar a gravidez. choque. 2. laringospasmo.tríplice viral). sibilos. Via de aplicação Subcutânea. Nota . edema de lábios. Idade para vacinação A partir dos 12 meses. revacinar se houver aplicação nessas condições. entre 2 e 8ºC. Contra-indicações 1. Prazo de validade Consta das instruções que acompanham cada lote e deve ser respeitado rigorosamente. a vacina manter-se-á potente durante oito horas se conservada na geladeira. juntamente com o primeiro reforço de DPT e de vacina contra a poliomielite. por pelo menos um mês após a aplicação (e não três meses como preconizava a Norma anterior). Dose Dose única. tipo I de Gell & Coombs. recomenda-se a aplicação aos 15 meses. 3. Uso de imunoglobulinas e de sangue e derivados previamente à vacinação (ver Anexo 1) ou nos 15 dias posteriores a ela. ocorrendo habitualmente na primeira hora) após ingestão de ovo: urticária. a Caxumba e a Rubéola Produto Vacina combinada de vírus vivos atenuados contra o sarampo.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Vacinação Contra o Sarampo.Na prática. 37 . Nota . Conservação da vacina Em geladeira. entre 2 e 8ºC. Saliente-se que não há registro de caso de síndrome da rubéola congênita decorrente de vacinação inadvertida de gestante (ver Contra-indicações gerais). hipotensão.

.

Nota . Prazo de validade Consta das instruções que acompanham cada lote e deve ser respeitado rigorosamente. atenuado. ocorrendo habitualmente na primeira hora) após ingestão de ovo: urticária. Nota . Doses normais de reforço A cada dez anos. a vacina deve ser aplicada no prazo máximo de quatro horas. 2. tipo I de Gell & Coombs. 39 . Idade para vacinação A partir de seis meses de idade. Gravidez (ver Contra-indicações gerais). . e para pessoas que se dirijam a essas regiões. de acordo com a situação epidemiológica. Pessoa com história de uma ou mais das seguintes manifestações anafiláticas (reações imediatas. Dose Dose única. Conservação da vacina Em geladeira. para residentes em regiões onde houver indicação.Após a diluição. a vacina poderá ser administrada aos nove meses de idade. desde que conservada em temperatura inferior a 8ºC. hipotensão.O início da proteção ocorre entre o oitavo e o décimo dia após a administração da vacina.Seu uso deve ser considerado para menores de seis meses de idade em situações de epidemia. preferentemente em torno de 2ºC.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Vacinação Contra a Febre Amarela Produto Vacina de vírus vivo. choque.A fim de facilitar os procedimentos operacionais. . simultaneamente com a vacina contra o sarampo. edema de lábios. Via de aplicação Subcutânea. sibilos. Contra-indicações 1. entre 2 e 8ºC. laringospasmo.

.

laçadores ou tratadores de animais. Soro anti-rábico de origem eqüina (SAR). · Manter o paciente em observação pelo período mínimo de duas horas após a administração do soro.1 mL por via intradérmica. uso prévio de imunoblobulinas de origem animal e contactos freqüentes com animais. tradicionalmente indicado nas normas oficiais. podendo ser utilizada a região glútea.5 ou 1.0 mL.. do soro anti-rábico ou imunoglobulina humana antirábica. infiltrar o maior volume possível e aplicar o restante por via intramuscular. o que aumentaria o risco de hipersensibilidade. · 0.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Vacinação Contra a Raiva* Produtos Vacina Fuenzalida & Palácios modificada: produzida pela inativação de vírus rábico inoculado em cérebro de camundongo recém-nascido. diluir com soro fisiológico para permitir a infiltração de toda área lesada. ou o máximo possível. Se a lesão for pequena. Portanto. O volume total. Indicação Pré-exposição: para grupos de alto risco de exposição ao vírus rábico (veterinários. tem valor preditivo baixo. no vasto lateral da coxa. mesmo quando o resultado do teste for negativo. 41 . as seguintes precauções devem ser tomadas antes da aplicação do soro anti-rábico: · Aplicar o soro em locais com infra-estrutura para atendimento de quadro de choque anafilático. 2000. em crianças menores de dois anos. ou no deltóide acima desta faixa etária. dependendo do laboratório produtor. ou no deltóide acima desta faixa etária. * Fonte: Manual Técnico do Instituto Pasteur: Profilaxia da Raiva Humana. estudantes de veterinária. No caso de resposta positiva. intervalos e via de aplicação Vacina Fuenzalida & Palácios modificada: 1. ferimentos múltiplos). Pós-exposição: quando houver possível exposição acidental ao vírus rábico. Imunoglobulina humana anti-rábica (IGHAR). por via intramuscular. principalmente eqüídeos. 2ª edição. Doses. O teste cutâneo para detecção de sensibilidade ao soro antirábico.0 mL por via intramuscular. em uma ou mais injeções. substituir o soro pela imunoglobulina humana anti-rábica. Soro anti-rábico: 40 UI/kg de peso. · Interrogar o paciente sobre quadros de hipersensibilidade. se for necessário (por exemplo. Imunoglobulina humana anti-rábica: 20 UI/kg de peso. somente em esquemas de pré-exposição e com vacinas produzidas em cultivo celular (mas não com as produzidas em embrião de pato). no vasto lateral da coxa. Vacinas de vírus inativados produzidas em cultivo celular ou em embrião de pato. profissionais de laboratório que atuam na área da raiva. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. deve ser infiltrado na região do ferimento. em crianças menores de dois anos. Vacinas produzidas em cultivo celular ou em embrião de pato: · 0. etc). Nota .

Esquemas pré-exposição Vacina Fuenzalida & Palácios modificada: quatro doses. A. nos dias 0. . depois disso. Esquema de vacinação (7+2): aplicar uma dose da vacina. 20 e 30 dias após o término do esquema básico. Esquema de três doses de vacina: aplicar uma dose. Não é recomendável suturar as lesões.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO se disponível. 10 e 20 dias após o término do esquema básico. São considerados satisfatórios os resultados iguais ou superiores a 0. Recomenda-se uma dose de reforço quando o nível de anticorpos for inferior a 0. depende de: · espécie e condição do animal agressor · circunstância da agressão · situação da raiva na área geográfica de ocorrência do acidente1 · natureza da lesão · possibilidade de observação do animal agressor. por dia. antes da sétima dose da vacina Fuenzalida & Palácios modificada ou da terceira dose das vacinas de cultivo celular ou embrião de pato. Aplicar o soro anti-rábico no primeiro dia de tratamento (dia zero). A escolha do esquema para a profilaxia da raiva pós-exposição. Profilaxia da Raiva Humana. indicada no Quadro 1. consultar o Manual Técnico do Instituto Pasteur. Nunca aplicar o soro (ou imunoglobulina) e a vacina em regiões anatomicamente próximas. no entanto.5 UI/mL de anticorpos neutralizantes. nos dias 0. 7 e 28. caso haja necessidade. consultar as autoridades de saúde locais ou o Instituto Pasteur Telefone: (011) 288-0088 42 . 2.5 UI/mL. por dia. O controle sorológico deve ser repetido semestralmente para as pessoas com exposição intensa.Se o soro não for administrado no início da vacinação (dia zero). 2. e o soro anti-rábico estiver indicado (ver a seguir). Nota . nos dias 0. 2ª edição. durante dez dias consecutivos (esquema básico) e três reforços. 10. 4 e 28 Vacinas produzidas em cultivo celular ou em embrião de pato: três doses. o mais rapidamente possível. . no caso de cão ou gato. a infiltração do soro deve anteceder a sutura em pelo menos 30 minutos. Esquema de soro-vacinação (10+3): aplicar uma dose da vacina. 2 e 4. 2000. Esquemas pós-exposição É de fundamental importância lavar os ferimentos. com água e sabão. · Quando o teste for positivo. deve-se aplicá-lo assim que possível. 3. por 10 dias · resultado do exame laboratorial do cérebro do animal agressor. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. B. quando possível · história de imunização anterior da pessoa agredida Esquemas com a vacina Fuenzalida & Palácios modificada: 1. 1 Para maiores detalhes. durante sete dias consecutivos (esquema básico) e dois reforços.É necessário o controle sorológico a partir do 10º dia após a última dose. e anualmente para as demais1.Não se deve utilizar a mesma agulha e/ou seringa para a aplicação do soro (ou imunoglobulina) e vacina. o seu emprego não é mais necessário.

7. Esquema de soro-vacinação: aplicar uma dose de vacina. nos dias 0. Prazo de validade da vacina e do soro (ou imunoglobulina) Consta das instruções que acompanham cada lote e deve ser respeitado rigorosamente. nos dias 0. 2000. 2. nos dias 0. 3. entre 2 e 8ºC. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. soro ou imunoglobulina. consultar o Manual Técnico do Instituto Pasteur: Profilaxia da Raiva Humana. Após abertos. parestesias e/ou deficiência motora) durante a administração da vacina Fuenzalida & Palácios modificada. Quanto aos frascos de soro. 2ª edição. Conservação da vacina e do soro (ou imunoglobulina) Em geladeira. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. o volume não utilizado deve ser imediatamente descartado. esta deve ser substituída por uma vacina de cultivo celular ou de embrião de pato. Esquema de vacinação: aplicar uma dose. Contra-indicações Nas pessoas que apresentam manifestações neurológicas (por exemplo. 43 . 3 e 7. Aplicar o soro anti-rábico no primeiro dia de tratamento (dia zero). 3. C.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Esquemas com as vacinas produzidas em cultivo celular ou em embrião de pato: 1. Os esquemas de substituição são apresentados no Manual Técnico do Instituto Pasteur: Profilaxia da Raiva Humana. Para a escolha da conduta adequada nestes casos. Esquema de três doses de vacina: aplicar uma dose. 2000. 7. os frascos de vacina devem ser utilizados no prazo máximo de oito horas. Esquemas após reexposição Nas situações em que o paciente recebeu previamente vacinas. do número de doses recebidas e do tempo decorrido desde o tratamento anterior. 3. a conduta dependerá: das vacinas utilizadas. 14 e 28. 14 e 28. 2ª edição.

soro-vacinação (acidente grave) ou esquema reexposição Negativo Encerrar o caso sem condição para diagnóstico Laboratorial D Animal desaparecido Leve: Vacinação ou esquema de reexposição Grave: Soro-vacinação ou esquema de reexposição E Animal para descarte(5. soro-vacinação (acidente grave) ou esquema de reexposição . soro-vacinação (acidente grave) ou esquema de reexposição Completar o tratamento Interromper o tratamento Início imediato de vacinação (acidente leve).QUADRO 1. a partir da exposição Leve: Morto Ver item C Sadio Doente Encerrar o caso Ver item B CÃO E GATO A Animal sadio Área de raiva controlada Área de raiva não controlada Grave: (2) Iniciar esquema de 3 doses e (3) (4) Promover a eutanásia do animal e enviar material para diagnóstico laboratorial B Animal com sinais sugestivos de raiva com condição para diagnóstico laboratorial Positivo Negativo Início imediato de vacinação (acidente leve). soro-vacinação (acidente grave) ou esquema reexposição NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO sem condição para diagnóstico laboratorial com condição para diagnóstico laboratorial (5) Positivo 44 C Animal morto sem sinais de raiva Enviar material para diagnóstico laboratorial Vacinação (acidente leve).6) Promover a eutanasia e e enviar material do animal para diagnóstico laboratorial Negativo Positivo Encerrar o caso Vacinação (acidente leve) .Profilaxia da raiva humana ANIMAL AGRESSOR CONDIÇÃO DO ANIMAL AVALIAÇÃO DA ÁREA GEOGRÁFICA NATUREZA DA CONDUTA EM RELAÇÃO RESULTADO DA RESULTADO CONDUTA PROFILÁTICA HUMANA AO ANIMAL LESÃO (1) OBSERVAÇÃO LABORATORIAL Observar o animal durante 10 dias.

soro-vacinação (acidente grave) ou esquema de reexposição Início imediato vacinação (acidente leve).Profilaxia da raiva humana (cont. soro-vacinação (acidente grave) ou esquema de reexposição L Espécie de alto risco Soro-vacinação ou esquema de reexposição M Considerar individualmente Dispensar tratamento profilático. coelhos. cabrito. soro-vacinação (acidente grave) ou esquema de reexposição H Animal com sintomas sugestivos de raiva sem condição para diagnóstico laboratorial 45 Animais silvestres (exceto morcego) Morcegos Camundongos. soro-vacinação (acidente grave) ou esquema de reexposição Vacinação (acidente leve).) ANIMAL AGRESSOR CONDIÇÃO DO ANIMAL AVALIAÇÃO DA ÁREA GEOGRÁFICA NATUREZA DA CONDUTA EM RELAÇÃO RESULATADO DA RESULTADO OBSERVA-ÇÃO AO ANIMAL LABORATORIAL LESÃO Leve: CONDUTA PROFILÁTICA HUMANA F Animal sadio Outros animais domésticos (cavalo. salvo em condições excepcionais . boi.QUADRO 1. hamsters e outros roedores urbanos com condição para diagnóstico laboratorial Promover a eutanásia e enviar material para diagnóstico laboratorial Positivo Negativo Completar o tratamento Interromper o tratamento I Com condição para diagnóstico laboratorial (5) J Sem condição para diagnóstico laboratorial Vacinação (acidente leve). etc) Vacinação ou esquema de reexposição Soro-vacinação ou esquema de reexposição Grave: G sem condição para diagnóstico laboratorial Negativo com condição para diagnóstico laboratorial (5) Enviar material para diagnóstico laboratorial Positivo NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Animal morto Encerrar o caso Vacinação (acidente leve).

locais que têm maior concentração de terminações nervosas. reação a estímulos dolorosos ou maus tratos. após o que seu emprego não é mais indicado. porque aumentam o risco de exposição do tecido nervoso ao vírus. a exclusão da doença só pode ser feita com o resultado da prova biológica. prescrever o soro . podem ser administrados em qualquer momento desde que seja antes da aplicação da 7ª dose da vacina Fuenzalida-Palácios ou da 3ª dose das vacinas de cultura celular ou embrião de pato. que demora até 45 dias. indicar a vacinação. caso seja negativo. são consideradas graves as exposições decorrentes de ferimentos. dia do início da vacinação.múltiplos ou extensos. O resultado pode ser aguardado por até 48 horas após o acidente.lambedura de mucosas.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO (1) São consideradas graves as exposições decorrentes de: . como defesa própria ou do território. Nas demais regiões anatômicas. etc. de baixo risco. mesmo que puntiformes. no segmento cefálico. (6) Animal para descarte: animal errante ou cujo proprietário autorize a eutanásia. porque oferecem maior risco de inoculação do vírus e dificuldade para a assepsia.profundos. cuja agressão tenha ocorrido por algum motivo justificável. 46 . São consideradas leves as exposições em tronco e membros. Nos casos em que houver dúvidas. . Podem ser dispensados do tratamento os indivíduos agredidos por cães ou gatos domiciliados e. (5) O cérebro do animal morto deve ser encaminhado para exame de imunofluoescência direta para diagnóstico de raiva. nas mãos e nos pés. o tratamento deve ser iniciado e posteriormente suspenso. decorrentes de lambeduras de lesões superficiais e ferimentos. e as doses de vacinas que faltarem. se indicado. ou lambeduras de ferimentos. proteção do alimento ou da ninhada. Este procedimento não é indicado para eqüídeos e morcegos. exceto mãos e pés. Pacientes que previamente receberam tratamento completo para prevenção da raiva não devem receber SAR ou IGHAR. superficiais. Se o resultado não puder ser obtido nesse período. Para estes animais.ferimentos. desde que o animal não apresente sinais sugestivos de raiva. O resultado negativo permite a dispensa do tratamento profilático do paciente. facilitando a exposição do sistema nervoso ao vírus. ou lambedura de ferimentos: . que são permeáveis ao vírus mesmo quando intactas e também porque as lambeduras podem abranger áreas extensas. . nas mucosas. (4) Nos casos em que o SAR ou a IGHAR não forem administrados no dia zero. (3) Quando houver necessidade de passar do esquema de 3 doses de vacinas e observação do animal para outro esquema. (2) É necessário avaliar as circunstâncias da agressão e as condições e comportamento do animal agressor. com certeza. causados por mordedura ou arranhadura.

IG anti-varicela-zóster.. IG endovenosa.. IGAT.50 mL/kg 125 U/10kg (máximo de 625 U) 40 80 20-39 5 6 5 Transfusão de sangue ! Hemácias lavadas ! Hemácias em solução salina com adenina ! Papas de hemácias ! Sangue total ! Plasma ou plaquetas EV EV EV EV EV 10 mL/kg 10 mL/kg 10 mL/kg 10 mL/kg 10 mL/kg Desprezível 10 20-60 80-100 160 0 3 5 6 7 Tratamento de imunodeficiências (como IGEV) PTI (como IGEV) VSR-IGEV PTI PTI ou Doença de Kawasaki EV EV EV EV EV . IGEV para vírus sincicial respiratório... IG anti-tetânica.25 mL/kg 0.06 mL/kg 20 Ul/kg mg de IgG/kg Indicação da imunoglobulina Via Intervalo (meses)** 3 3 3 4 Tétano (como IGAT) Profilaxia da Hepatite A (como IG) Profilaxia da Hepatite B (como IGHB) Profilaxia da Raiva (como IGAR) Profilaxia do Sarampo (como IG) ! Dose padrão ! Imunodeprimido Profilaxia da Varicela (como IGVZ) IM IM IM IM ~10 3. 300-400 400 750 1000 1600-2000 8 8 9 10 11 Fonte: American Academy of Pediatrics. PTI. intramuscular. endovenoso.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Anexo I INTERVALOS SUGERIDOS ENTRE A ADMINISTRAÇÃ DE IMUNOGLOBULINAS E A VACINAÇÃO CONTRA O SARAMPO (vacina contra o sarampo ou vacina tríplice viral contra o sarampo. . a caxumba e a rubéola)* Dose U ou mL 250 U 0. ed. IG anti-hepatite B. e VSR-IGEV. IGHB.. 24th. IM. Elke Grove Village. EV. IGEV. 1997 Red Book: Report of the Committee on Infectious Disease. púrpura trombocitopênica imune (anteriormente chamada de “idiopática”).. 47 . . ** Estes intervalos devem prover um tempo suficiente para a diminuição dos anticorpos passivos em todas as crianças e permitir uma resposta adequada à vacina contra o sarampo. * IG indica imunoglobulina. IG anti-rábica.. Os médicos não devem assumir que as crianças estão totalmente protegidas contra o sarampo durante estes intervalos. Doses adicionais de IG ou de vacina contra o sarampo podem ser indicadas após exposição ao sarampo.02 mL/kg-0. IGVZ.. IL. 1997..3-10 10 22 IM IM IM 0.06 mL/kg 0... . IGAR. American Academy of Pediatrics. .

1ª reimpressão. Institut Mérieux. 24th. Mortimer Jr EA (editors). 1997. Geneva. 48 . 2ª edição. Philadelphia.HMSO. Baldy JLS. Centers for Disease Control and Prevention (CDC). 42(RR-5):1-13. 3ª ed. Amato Neto V. Brasília. Geneva. WHO Expert Committee on Rabies. London . Immunisation against Infectious Disease. 1986. Manual de Normas de Vacinação. 1989. Manual Técnico. Scottish Office Home and Health Departament. Brasil. Departament of Health. Vaccines. ed. São Paulo. Farhat CK (editor). Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Brasília. Manual de Procedimentos para Vacinação. São Paulo. 3ª ed. Silva LJ. Brasil. American Academy of Pediatrics. MMWR 1994. Imunizações. American Academy of Pediatrics. Plotkin SA. Norma para os Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais. Instituto Pasteur: Profilaxia da Raiva Humana. World Health Organization. IL. General recommendations on immunization: recommendations of the Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP). DHSS (Northern Ireland). Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. 1994. Ministério da Saúde. Elke Grove Village. Ministério da Saúde. 3ª ed. 1997 Red Book: Report of the Committee on Infectious Disease. MMWR 1993. 1991. Welsh Office. 1992. Vaccination. 2000. Saunders. Sarvier. 1997. Fundamentos e Prática das Imunizações em Clínica Médica e Pediatria. Standards for Pediatric Immunization Pratices: Recommended by the National Vaccine Advisory Committee. Brasil. Brasília. Lyon. 1998. 1994. WHO Recommendations on Rabies Post-Exposure Treatment and the Correct Technique of Intradermal Immunization against Rabies. World Health Organization. 1992:6-7. Technport Series 824. Rio de Janeiro. 1993. Eighth Report. Ministério da Saúde. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.NORMA TÉCNICA DO PROGRAMA DE IMUNIZAÇÃO Bibliografia Ajjan N. Brasil. Ministério da Saúde. 43(RR-1):1-38. Brasília.. 1994. Manual de Vigilância Epidemiológica de Eventos Adversos Pósvacinação. 2nd ed. Livraria Atheneu.