Guia de Campo

:

Aves do Parque Nacional do Cabo Orange
Elivan Arantes de Souza I Maria Flávia Conti Nunes Andrei Langeloh Roos I Helder Farias Pereira de Araújo

Fotos de: Robson Esteves Czaban e Ciro Albano

Catalogação na Fonte Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis A948 Aves do Parque Nacional do Cabo Orange: guia de campo /Elivan Arantes de Souza... [et al]. – Amapá: ICMBio/Cemave, 2008. 100 p. ; il. color.

ISBN 978-85-7300-273-7

1. Aves (Ornitologia). 2. Aves - Brasil. 3. Parque Nacional do Cabo Orange. 4. Região Norte (Amapá). I. Souza, Elivan Arantes de. II. Nunes, Maria Flávia Conti. III. Roos, Andrei Langeloh. IV. Araújo, Helder Farias Pereira de. V. Instituto Chico Mendes da Biodiversidade - ICMBio. VI. Centro Nacional de Pesquisa para Conservação de Aves Silvestres - Cemave. VII. Título. CDU(2.ed.)598.2 (811.6)

Fotos de Robson Esteves Czaban e Ciro Albano

Créditos fotos: Robson Czaban: 2, 4, 5, 9, 11, 12, 16, 18, 19, 23, 24, 25, 26, 28, 29, 31, 35, 36, 37, 38, 39, 40 a 51, 53 a 60, 62, 63, 68 a 75, 77, 79, 80, 82 e 83 Ciro Albano: 1, 3, 6, 7, 8, 10, 13, 17, 20, 21, 27, 30, 32, 33, 34, 52, 61, 65, 66, 67, 76, 78, 84 Alberto Campos: Capa, 14 e 15 Andrei L Roos: 22 e 64 Helder Araújo: 81

Sumário

1. Prefácio 2. Apresentação do livro 3. O Parque Nacional do Cabo Orange (PNCO) 4. A Avifauna 4.1Campos Alagáveis, Manguezais e outras áreas costeiras 4.2 Floresta Ombrófila e Matas de Várzea e Igapós 4.3 Savanas Amazônicas 4.4 Conservação de espécies 5. Sobre o Guia 5.1 Como utilizá-lo 6. Espécies selecionadas

5 6 9 11 12 13 14 14 16 16 19 63 78 80

7. Lista das espécies do Parque Nacional do Cabo Orange (PNCO) 8. Referências bibliográficas e literatura consultada 9. Agradecimentos

dando início ao trabalho de reconhecimento cientifico da área. surgiu a necessidade de registrar e divulgar todo o conhecimento adquirido nas atividades empreendidas pelo centro especializado de pesquisas em aves. maçarico e as três espécies de garças brancas. se observam inúmeros locais repletos de espécies como o colhereiro. Importante também destacar a contribuição de todos aqueles imprescindíveis colaboradores que pilotaram embarcações. guará. em sua rota migratória. em meados de 2004. primeiro acidente geográfico da costa Brasileira. até as praias da foz do rio Cunani. nos permitiu elevar o grau de auto-estima por defender uma área tão importante para a preservação desta espécie. Este livro será o primeiro a ser publicado sobre o Parque Nacional do Cabo Orange e despertará o interesse pela visitação e pesquisa especializada no PARNA. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 5 . Após a primeira incursão da equipe do CEMAVE/ICMBio. Do Cabo Orange. Uma fonte de consulta para professores e alunos do estado do Amapá é um atrativo para a visitação pública. Com a contribuição de vários colegas. pesquisadores e fotógrafos tornou-se possível coletar amostras fotográficas significativas das espécies encontradas no PARNA. A confirmação da utilização da área por espécies como o flamingo. como dormitório e ou reprodução. Com a proposta aceita pelas equipes do CEMAVE que participaram de todas as três expedições ao PARNA foi solicitado ao projeto ARPA a inclusão do recurso necessário em nosso planejamento anual. Marcos da Silva Cunha Oiapoque.Prefácio 1 O que mais impressiona as pessoas que visitam o Parque Nacional do Cabo Orange é a grande concentração de aves que utilizam de sua área para nidificação. Num local bastante inóspito ao homem uma variedade enorme de espécies encontrou o abrigo ideal para garantir a sua sobrevivência. abriram picadas e serviram como guias para possibilitar acessar os locais pesquisados. Um agradecimento especial dedico ao WWF-Brasil pelo apoio na realização das primeiras expedições ao PARNA. fevereiro de 2008.

como também informações mais complexas. as estações do ano e condições do tempo. o governo brasileiro dispõe de um Centro Nacional de Pesquisas para a Conservação de Aves Silvestres CEMAVE. a presença delas é um indicativo de um bom estado de conservação do ambiente. assessorando o governo em políticas de conservação das espécies e dos ambientes dos quais elas dependem. como o período do dia. a presença e o comportamento das aves podem também nos transmitir simples informações sobre o meio ambiente. Além disso. 6 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . mas também pelos lindos cantos e plumagens exuberantes. como a indicação sobre a qualidade ambiental de uma localidade. Com esse objetivo. Algumas espécies são muito sensíveis às modificações em seu hábitat e. ou até que se beneficiam das modificações do hábitat. já que o Brasil é o segundo ou terceiro país no mundo em diversidade de aves e possui muitos desafios para um desenvolvimento sustentável pleno. dispersão de sementes e controle de pragas. Ministério do Meio Ambiente. como de polinização de flores.ICMBIO. que faz parte da estrutura do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade . assim.As aves atraem a atenção humana não só pela sua capacidade de vôo e grandes migrações. Por todas as razões acima. que podem indicar um ambiente degradado. Por outro lado.MMA. o qual tem a missão de acompanhar e estudar as populações de aves brasileiras. fica claro que as aves são patrimônios naturais que devem ser protegidos para a conservação dos ecossistemas e para que as gerações futuras também possam apreciálas. são importantes nos ecossistemas por cumprirem papéis essenciais na manutenção do equilíbrio ecológico. há espécies menos sensíveis. Além de serem alvos de contemplação. Esta não é uma tarefa fácil.

Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 7 . o fruto do desejo das equipes do Parque Nacional do Cabo Orange e do CEMAVE de compartilhar o prazer obtido na contemplação das aves da região. O Parque Nacional do Cabo OrangePNCO é uma delas e no ano de 2004 teve um projeto aprovado no Programa Áreas Protegidas da Amazônia – ARPA para implementação de sua estrutura e o custeio de pesquisas visando a elaboração do Plano de Manejo da Unidade. Tamanha beleza observada pelos pesquisadores inspirou a idéia da elaboração de uma publicação que auxiliasse a comunidade local e visitantes na identificação das espécies de aves do parque. então. por meio da divulgação da rica e bela avifauna existente no parque e do incentivo ao turismo de observação de aves na natureza. Para sua elaboração são necessários diagnósticos bióticos. 160 espécies ou subespécies são consideradas ameaçadas de extinção pela lista oficial publicada pelo Ministério do Meio Ambiente em 2003. desse total. Dessa forma.Apresentação 2 Aqui residem cerca de 1800 espécies diferentes e. mediante o qual se estabelece o zoneamento e normas para o uso da área. abióticos e sócio-ambiental. Este guia é. Nesse contexto o CEMAVE foi convidado a realizar o diagnóstico da avifauna da unidade. Este é um documento técnico que serve como um instrumento de planejamento para a gestão do parque. As principais ameaças para elas são a destruição de seus hábitats e a ação de traficantes. o grupo faunístico com o maior número de espécies incluídas na lista. Entre os principais serviços do CEMAVE está a realização de inventários de avifauna em Unidades de Conservação ligadas a estrutura do ICMBIO. as aves representam. em disparada.

8 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange .

Carta deVegetação .Floresta Ombrófila Densa das Terras Baixas Dbu1 .O Parque Nacional do 3 Cabo Orange Limite do PARNA do Cabo Orange Entorno do PARNA do Cabo Orange Lago/Massa D'água Rios e Igarapés Principais Rodovia BR-156 Cidade.000).REGIÕES FITOECOLÓGICAS D . Coordenadoria de Recursos Naturais e Estudos Ambientias .Formação Pioneira com Influência Fluviomarinha arbórea Manguezal (1) Pa .000.IBGE e imagens dos satélites Landsat TM 5 e 7 (entre 1990 e 2002).Floresta Ombrófila Densa das Terras Baixas (1) Dbu .FORMAÇÕES PIONEIRAS Pf .D .ÁREAS DE TENSÃO ECOLÓGICA OU CONTATOS FLORÍSTICOS Contato Savana/Floresta Ombrófila Densa (ENCRAVES) – SO Formações/Subformações (Predomínio) Db1 . Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 9 .Floresta Ombrófila Densa (Floresta Tropical Pluvial) Da .Formação Pioneira com Influência Fluvial e/ou Lacustre Arbustiva sem Palmeiras (1) Pahs .Formações com Influência Pluvial e/ou Lacustre Paas .D .Vegetação Secundária (2) Vsp.000.Vegetação Secundária sem Palmeiras (2) Ap.Floresta Ombrófila Densa Submontana com Dossel Uniforme (1) Vs.Formação Pioneira com Influência Fluvial e/ou Lacustre Herbácea sem Palmeiras (1) Pah .000 e1:1.Savana Gramíneo-Lenhosa sem Floresta-de-Galeria (1) Spf .Formações com Influência Fluviomarinha Pfm .Vegetação Secundária com Palmeiras (2) Vss.Pecuária/Pastagem (2) S .Savana Florestada (1) Saf .Pecuária/Pastagem (2) II .Região da Savana (Cerrado) Sd . 2:Antrópica) I .Savana Parque sem Floresta-de-Galeria (1) Ap.Floresta Ombrófila Densa Aluvial (1) Dae .Floresta Ombrófila Densa das Terras Baixas com Dossel Uniforme (1) Dsu .000).Formação Pioneira com Influência Fluvial e/ou Lacustre Herbácea (1) III .Savana Arborizada com Floresta-de-Galeria (1) Sgs .S . 1:250.000 .Fuso 22N Base cartográfica elaborada a partir de cartas topográficas e planimétricas integrantes do sistema Cartográfico Nacional (escalas 1:1.Amapá (escala 1:750.Savana Parque com Floresta-de-Galeria (1) Sps .Floresta Ombrófila Densa Aluvial com Dossel Uniforme (1) Db .200.D .D . Povoado Comunidade Indígena Aeroporto/Pista de Pouso COBERTURA VEGETAL (1:Natural.000.Floresta Ombrófila Densa das Terras Baixas com Dossel Uniforme Escala: 1:1.Floresta Ombrófila Densa Aluvial com Dossel Emergente (1) Dau .1cm = 12km 0 5 10 20km Projeção: Universal Transversa de Mercator (UTM) Datum:WGS-84 .

que terão o prazer de desfrutar suas riquezas ambientais e culturais. Entretanto. como os marinhos. Com todas essas características. já passou pelo domínio de espanhóis. em menor proporção. lagoas. relacionados à sua ocupação no passado por diferentes populações indígenas e. pelo fato de ser o ponto geográfico do extremo norte do Brasil. e só no século XIX. situado num ponto estratégico da América do Sul.O Parque Nacional do Cabo Orange O Cabo Orange. ao mesmo tempo. um parque continental e um parque marinho. Todos esses ambientes oferecem uma variada gama de recursos naturais que podem ser explorados por diferentes espécies de aves. cujo nome de família é até hoje “Orange”. posteriormente. ingleses. é uma localidade amplamente conhecida pelos brasileiros. pois é formado por uma faixa litorânea de 200 quilômetros de extensão latitudinal. ficou estabelecido como fronteira do Brasil. numa corte internacional na Suíça. florestas inundáveis e. Esta unidade é. histórico e cultural. lagunas. estuários. às sucessivas disputas territoriais entre europeus. o PNCO tem tudo para agradar seus visitantes. com a finalidade de preservar 619 mil hectares de importantes e frágeis ecossistemas costeiros do norte do país. nessas terras são encontrados muitos registros materiais e culturais de relevância histórica. Além das riquezas naturais. manguezais. franceses. florestas de terra firme e savanas amazônicas (ver mapa). 10 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . ainda são poucos os que conhecem o Parque Nacional do Cabo Orange. além de uma área que se expande 10 km pela zona marinha. o que propicia a existência de uma rica ornitofauna. no Estado do Amapá. portugueses e holandeses. apesar de suas belezas cênicas e de seus valores ambiental. campos de planícies inundáveis. O Cabo Orange. Em seus limites estão protegidos diversos ecossistemas. restingas. O seu nome foi uma homenagem à coroa holandesa. O PNCO foi criado em 1980.

pela região zoogeográfica na qual o parque está situado. em escala mais ampla. leste da Venezuela e norte do Brasil (Estado do Amapá e norte dos Estados do Amazonas e Roraima). Até o momento já foram registradas 358 espécies de aves no PNCO. mas também há outros grupos de migrantes. Consideramos que esse número pode ser ainda maior. a mariquita-amarela Dendroica petechia e a andorinha-de-bando Hirundo rustica). geralmente. mas também são influenciadas. como aves de rapina (ex. pelo menos. Suriname. Regiões zoogeográficas são áreas onde ocorre uma quantidade considerável de espécies endêmicas1 e que são. 1 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 11 . a águia-pescadora Pandion haliaetus e o falcão-peregrino Falco peregrinus). pois alguns ambientes do parque não foram suficientemente amostrados. sendo que. O PNCO se caracteriza essencialmente por abrigar uma diversa e abundante avifauna aquática. limitadas por uma barreira física ou climática. que inclui as áreas florestais da Guiana. pois são neles onde as aves irão realizar a troca de penas desgastadas e adquirir as reservas energéticas necessárias à continuidade de suas longas jornadas.A Avifauna 4 A composição e a riqueza da avifauna do PNCO são reflexos da diversidade dos ambientes ali encontrados. As espécies praieiras de batuíras. Essas áreas compartilham muitas espécies de aves em comum. a marreca-de-asa-azul Anas discors) e passeriformes (ex. maçaricos e gaivotas. como salgada ou salobra. Guiana Francesa. que habita tanto ambientes de água doce. patos (ex. distribuídas em 69 famílias. 33 dessas são endêmicas à região. O Parque Nacional do Cabo Orange está inserido na região zoogeográfica do Escudo das Guianas. Espécies endêmicas: espécies com ocorrência restrita a uma determinada região geográfica. Esses locais de alimentação e parada ao longo de rotas têm importância fundamental para conservação das espécies migratórias. São também comuns as presenças de grandes agrupamentos de espécies coloniais e de espécies de aves migratórias provenientes do Hemisfério Norte. pertencentes à ordem Charadriformes. são as aves migratórias mais abundantes.

Egreta caerulea). rasteirinho (Calidris pusila). além de algumas cegonhas (Mycteria americana. nas áreas de mangue são encontradas muitas espécies comuns aos ambientes florestais. A gaivota-alegre (Larus atricilla) é uma outra espécie migratória do hemisfério norte.1 Campos Alagáveis. Na localidade do Igarapé do Marrecal. Mas também. A Ilha do Papagaio. Nessas áreas são observadas espécies tipicamente associadas a praias e mangues. é outro ponto interessante para observação de aves. A ponta do Cabo Orange é outra localidade que se destaca por ser uma área de alimentação de flamingos (Phoenicopterus ruber) e um dos poucos locais de ocorrência de colônias reprodutivas da espécie em solo brasileiro. maçaricos. podemos citar: os maçaricos branco (Calidris alba). comumente encontrada nas praias e áreas marinhas do PNCO. Egreta thula. também se encontram concentrações de patos e marrecas. figuinhas-do-mangue (Conirostrum bicolor). muitas vezes acompanhando embarcações de pesca no litoral amapaense. chamam a atenção a grande quantidade de dormitórios de garças (Ardea alba. pois serve de dormitório 12 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . A proteção dessas áreas é importantíssima para preservação dessas aves. de-perna-amarela (Tringa flavipes) e grande-de-perna-amarela (Tringa melanoleuca). Lá também são encontradas grandes concentrações de espécies migratórias de maçaricos e batuíras. Nos manguezais. Manguezais e outras áreas costeiras Esses são os ambientes predominantes no PNCO. as quais utilizam áreas adjacentes de campos alagáveis para realizarem as mudas em bloco das penas das asas. como por exemplo. biguás (Phalacrocorax brasilianus). o arapaçu-de-bico-branco (Xiphorhynchus picus). em especial.4. Ciconia maguari e Jabiru mycteria). como por exemplo. Entre as espécies comumente observadas. socós. guarás (Eudocimus ruber) e colhereiros (Platalea ajaja). gaviões caranguejeiros (Buteogallus aequinoctialis). batuíras e martins-pescadores. o batuiruçu-de-axila-preta (Pluvialis squatarola) e a batuíra-debando (Chararius semipalmatus). de-papo-vermelho (Calidris canutus). na foz do rio Oiapoque. pois no período de mudas (setembro a novembro) as espécies ficam incapacitadas de voar. e várias espécies de garças. principalmente o irerê (Dendrocygna viduata) e o pato-do-mato (Cairina moschata). tornando-se muito vulneráveis a predação e caça. vindas do Hemisfério Norte no período de setembro a abril. fenômeno conhecido como “desasagem”.

em localidades mais perturbadas. os papagaios moleiro (Amazona farinosa) e campeiro (Amazona ochrocephala) e o apuim-de-costas-azuis (Touit purpuratus). a choca-murina (Thamnophilus murinus). Threskiornithidae (guará. essas aves são raras por sofrerem com a pressão de traficantes. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 13 .2 Floresta Ombrófila e Matas de Várzea e Igapós Nos ambientes de terra firme são encontradas espécies tipicamente florestais. a curica (Amazona amazonica). das famílias Ardeidae (garças e socós). os tucanos grande-de-papo-branco (Ramphastos tucanus) e de-bico-preto (Ramphastos vitellinus). mas nas áreas alagáveis. Scolopacidae (maçaricos). o tururim (Crypturellus soui). em virtude dos seus tamanhos corporais que exigem uma abundante oferta de alimentos durante todas as estações do ano. há muitas aves aquáticas comuns às áreas costeiras do parque. A presença de algumas espécies florestais que se alimentam de insetos também é significativa. Aves das famílias Cracidae (jacus e mutuns) e de Tinamidae (inhambús) também são bons indicadores de proteção ambiental. curicaca e afins). o maú (Perissocephalus tricolor). por serem sensíveis a alteração do ambiente. 4. que são boas indicadoras de qualidade de ambiente. Alguns exemplos registrados no parque são: o inhambu-preto (Crypturellus cinereus).Alcedinidae (martins-pescadores). a galinha-do-mato (Formicarius colma) e os arapaçus pardo (Dendrocincla fuliginosa). como por exemplo. o papa-formigade-topete (Pithys albifrons). colhereiro. pois costumam ser perseguidos por caçadores. como o periquito-de-asa-branca (Brotogeris versicolurus). o inhambu-anhangá (Crypturellus variegatus) e o jacumirim (Penelope marail).para uma grande quantidade de espécimes de psitacídeos. de-bico-comprido (Nasica longirostris) e meio-barrado (Dendrocolaptes picumnus). A quantidade de psitacídeos encontrados no parque indica que a área é bem protegida. Alguns exemplos registrados no parque são: os picapaus de-coleira (Celeus torquatus) e de-barriga-vermelha (Campephilus rubricollis). Dentre os grupos de aves florestais mais significativos podemos citar as espécies de grande porte que se alimentam de frutos nas copas das árvores. Charadriidae (batuíras). próximas a lagos e cursos d’água. Rallidae (saracuras e frangos d’água) e Hirundinidae (andorinhas). Alguns exemplos desses representantes registrados no parque são: as araras canindé (Ara ararauna) e vermelha-grande (Ara chloropterus). o anambé-pombo (Gymnoderus foetidus) e as pombas amargosa (Patagioenas plumbea) e bota-fogo (Patagioenas subvinacea). pois.

A maior parte das espécies encontradas neste ambiente são também comuns a outros habitats abertos do bioma amazônia. nas savanas está presente também outro conjunto de espécies que são tipicamente associadas aos Biomas Cerrado ou Caatinga. mas que não foram registradas nos inventários já realizados na unidade: o trinta-réisreal (Thalasseus maximus). além disso. ambos na lista brasileira de espécies ameaçadas. a pipira-vermelha (Ramphocelus carbo).O registro de grandes predadores do topo da cadeia alimentar. 4. o gavião-real (Harpia harpyja).3 Savanas Amazônicas As Savanas dentro da área do parque são formadas por pequenas manchas de vegetação. na revisão elaborada por Novaes (1978) há um registro da arara-azul-grande (Anodorhynchus hyacinthinus). todos considerados quase ameaçados pela lista global de espécies ameaçadas de extinção da IUCN. não há registros atuais para a espécie no local. Ainda. o periquito-rei (Aratinga aurea). Contudo. como por exemplo: a rolinha-roxa (Columbina talpacoti). como por exemplo. como campos alagáveis e florestas secundárias. o piui-boreal (Contopus cooperi) e a cigarra-do-campo (Neothraupis fasciata). Um exemplo registrado no parque é o gavião-azul (Leucopternis schistaceus). Entretanto. Isso está relacionado ao baixo número de aves amazônicas incluídas na lista brasileira de espécies ameaçadas. 4. isoladas em áreas de florestas. atualmente considerada criticamente ameaçada. há outras espécies com certo grau de ameaça que possuem ocorrência potencial na área do parque.4 Conservação de espécies Entre os registros mais recentes de aves no PNCO não são encontradas espécies de aves ameaçadas de extinção. o sanhaçu-do-coqueiro (Thraupis palmarum) e a saíra-de-bando (Tangara mexicana). há o uiraçu-falso (Morphnus guianensis). 14 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . considerado criticamente ameaçado. e o bicudo (Sporophila maximiliani). o balança-rabo-de-chapéu-negro (Polioptila plumbea) e o tico-tico-do-campo (Ammodramus humeralis). considerado vulnerável à extinção. o beija-flor-vermelho (Chrysolampis mosquitus). como algumas espécies florestais de gaviões e corujas. também é um bom indicador de boa qualidade ambiental. para a localidade de Cunani no ano de 1897. É freqüente a presença de espécies de borda de floresta se alimentando de frutos na savana. Contudo. o sanhaçuda-amazônia (Thraupis episcopus). que vive próximo a cursos d’água e mangues.

no território brasileiro. uma águia (Harpyhalietus solitarius). Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 15 . o parque também tem potencial de abrigar espécies que possuem distribuição na Guiana Francesa. como por exemplo: duas saracuras (Aramides axillaris e Porzana carolina). Por estar em área de fronteira. mas que ainda não foram listadas para o Brasil ou que têm ocorrência duvidosa segundo o Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos-CBRO. mas possuem área de distribuição potencial na região.O parque também tem sua importância ampliada no que se refere à conservação de aves em território brasileiro. O Amapá é o único estado brasileiro de ocorrência atual do flamingo (Phoenicopterus ruber). um apuim (Touit batavicus). Essas últimas ainda não foram registradas no parque. a chocade-cauda-pintada (Sakesphorus melanothorax). Além dessas. um papagaio (Amazona dufresniana) e o suiririvalente (Tyrannus dominicensis). devido à presença de inúmeras aves coloniais e de aparência bela e conspícua e de espécies que apresentam a distribuição restrita ao extremo norte do Brasil. consideramos que o PARNA Cabo Orange possui grande potencial para atividades de observação de aves na natureza. possuem distribuição exclusiva ou quase exclusiva ao Estado do Amapá: o piui-queixado (Contopus albogularis). há quatro espécies endêmicas da Região Zoográfica do Planalto das Guianas que. o chorozinho-de-cabeça-pintada (Herpsilochmus stictocephalus) e a maria-bicudinha (Hemitriccus josephinae). pois mantém ou pode manter espécies que estão ausentes ou pouco representadas em outras unidades de conservação no Brasil. Os observadores devem ficar atentos para eventuais registros dessas espécies. Por fim.

principalmente as mais comuns ou notáveis do PNCO. faixas.1997. São apresentadas fotos e informações condensadas sobre as espécies. machas.CEO (2007) e. A nomenclatura em português segue os nomes utilizados no Amapá descritos em Novaes (1974. compilados por Novaes (1978). como: o tamanho e a forma da ave. em sua ausência. 2002. 29/08 a 09/09/2005 e 06 a 14/09/2006). 16 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . Por ser um guia compacto de bolso. com o intuito de auxiliar o observador na identificação em campo. Meyer de Schauensee & Phelps Junior 1978. 2003. e a presença de pintas. bico e pés. 2005.1999. persistência e memória visual (a memória auditiva também é desejável. os nomes comuns contidos na lista do CBRO (2007). As informações sobre tamanho. 1994. 1992. hábitos e comportamento das espécies foram extraídos de diferentes bibliografias especializadas em aves (del Hoyo et al. 2004. Sigrist 2006). É sempre importante observar a ave com minúcia e tentar memorizar a maior quantidade de informações possível para a realização de uma correta identificação. estrias pelo corpo. Eletronorte 2000. Os nomes científicos e em inglês seguem a classificação taxonômica e a seqüência proposta pelo CBRO de agosto de 2007. 2001. 5. somadas aos dados de expedição do CEMAVE conduzida em ano anterior (05 a 13/12/1995) e da inclusão de registros prévios indicados para a área do Parque e seu entorno. características. dos olhos. 1978) ou na revisão elaborada pelo Centro de Estudos Ornitológicos. foram escolhidas 84 espécies para compor essa publicação. 1994. Ridgely & Tudor 1989. 1996. ou que apresentam alguma particularidade em termos de distribuição restrita na região. distribuição. habitat.1 Como utilizá-lo Três características são fundamentais para serem desenvolvidas por um observador de aves: paciência. a coloração da plumagem. pois os sons produzidos pelas aves auxiliam na identificação).A lista remissiva de espécies apresentada aqui é o resultado de três expedições de campo realizadas por técnicos do CEMAVE e Colaboradores para a elaboração do plano de manejo do PNCO (entre 07 a 17/04/2005. Sick 1997.

sugerimos uma consulta posterior em outras bibliografias especializadas (especialmente. que pode ser facilmente acessado pelo site http://www.org. enquadrando o seu alvo e colocando-o em foco com rapidez. recomendamos ao observador o uso de um pequeno gravador de fita cassete. estão mais ativas. pois é quando as aves. pois as aves costumam ser extremamente móveis e ágeis. geralmente. é um arquivo on line com sons de diversas aves da América do Sul. caso não a encontre.Sobre o guia 5 A utilização de um binóculo ajuda muito (preferencialmente com aumento entre 8 a 10 vezes). Com cuidado. por isso. pois permite a visualização de uma imagem ampliada e detalhada da ave. o desenvolvimento da habilidade no uso de seu binóculo. para registrar e até reproduzir as vocalizações das espécies. como verde. marrom. você poderá até mesmo tentar se aproximar da ave. Carregue também uma caderneta de campo. mas deve realizar movimentos lentos e evitar barulhos ao pisar no chão da mata. por exemplo. Bom divertimento! Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 17 . Lembre-se que nele não estão ilustradas todas as espécies do parque. Recomendamos que procure ser silencioso e discreto. auxilia no sucesso da observação. Os melhores horários para observação são as primeiras horas do dia e o final da tarde. O “xeno-canto: bird songs from tropical américa”. Informações sobre o ambiente de registro e os hábitos da espécie também são valiosas para a identificação. para que a ave não note ou não se incomode com sua presença. Depois de bem observada você pode procurar a espécie neste guia de identificação. utilizando roupas com cores que se camuflem com o ambiente.xeno-canto. Procure ser rápido durante as observações. Se possível. lançando mão das suas anotações na caderneta de campo. para que se possa desenhar croquis ou realizar anotações sobre as características observadas. Meyer de Schauensee & Phelps Junior 1978). Por isso. bege ou cinza. o que poderá ajudar na aproximação da ave e na sua identificação quando comparada com outros arquivos sonoros.

18 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange .

Espécies Selecionadas 6 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 19 .

Habitat: Águas interiores com vegetação marginal.Todo o Brasil. Boné. 20 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . Hábitos/comportamento: Forma grandes bandos. Distribuição: América tropical. Coberteiras das asas brancas. Nome científico: Cairina moschata (Linnaeus. Hábitos/comportamento:Empoleira-se em galhos. 2. laterais do corpo e cauda pretas. Características: Corpo todo preto com brilho metálico. Macho possui protuberância no bico. garganta e peito cinzas.000 g. Habitat: Tanto em águas interiores. Distribuição:América tropical.020 g. Penas de vôo pretas com coberteiras grandes brancas. Características: Bico e pernas rosáceos.1 2 1. quanto em estuários e manguezais.Todo o Brasil. nuca e costas marrom-avermelhado. Cabeça. Nome científico: Dendrocygna autumnalis (Linnaeus. Comum na região amazônica. 1758) Nome popular: Pato-do-mato Nome inglês: Muscovy Duck Tamanho: 67 – 84 cm. 1758) Nome popular: Asa-branca Nome inglês: White-faced Whistling-Duck Tamanho: 43 – 53 cm. manguezais e estuários. 1. 650 – 1. Pernoita empoleirado em galhos.100 – 4.Alimenta-se principalmente no solo pastando em áreas de banhados e águas rasas. Barriga.

Rios. Características: Corpo todo preto lustroso. 1. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 21 . galhos com as asas abertas para secar-se ao sol. estuários. Distribuição:América do Sul. lagos.3 3. manguezais. Durante reprodução possui tufos brancos de penas nos lados do pescoço. Pele amarelada ao redor do bico e olhos.800 g. Nome científico: Phalacrocorax brasilianus (Gmelin. Habitat: Águas interiores e também em todo o litoral. Repousam em postes. Hábitos/comportamento: Nada com metade do corpo submerso. Reproduzem em colônias. 1789) Nome popular: Biguá Nome inglês: Neotropic Cormorant Tamanho: 58 – 73 cm.Todo o Brasil.

Todo o litoral brasileiro. Macho: corpo preto azulado com penas brancas nas costas e coberteiras das asas cinzaesbranquiçadas.587 g. Nunca pousam na água. Macho: todo preto com brilho verde-arroxeado. Hábitos/comportamento: Nada somente com o pescoço fora d´água. de bico longo. Linha branca e preta da base do bico ao peito. incluindo ilhas oceânicas.Também secam suas penas em longos banhos de sol. Durante a reprodução apresenta duas longas plumas na cabeça. Habitat: Banhados. Barriga preta. 525 – 800 g. ou seja. Imaturo: Barrado e salpicado de marrom e ocre. 1783) Nome popular: Socó-boi Nome inglês: Rufescent Tiger Heron Tamanho: 66 – 76 cm. 6. solitário. 4 5 22 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . Habitat: Regiões costeiras.350 g.Todo o Brasil. São cleptoparasitas. Características: Cabeça e pescoço castanhosavermelhados. Fêmea: Preta com peito branco.Asas cinzas e partes inferiores creme. Fêmea: cabeça e pescoço cinzas. Central e toda a América do Sul. Banhados. 1758) Nome popular: Savacu Nome inglês: Black-crowned Night-heron Tamanho: 56. Fica oculto em vegetação densa a espreita de peixes e outras presas. 1. manguezais e pântanos. Possui papo vermelho que é inflado para a reprodução. pântanos e manguezais. Distribuição:América tropical. planam em correntes ascendentes na orla marítima. colar cinza na nuca e linhas brancas axilares. Distribuição: Sul da América do Norte. Pouco freqüente em estuários. Hábitos/comportamento: Diurnas.Todo o Brasil. 1914) Nome popular:Tesourão. roubam peixes de outras aves em vôo. rios. florestas de galeria. 7. 1. Imaturo: Todo salpicado de marrom.100 – 1. Hábitos/comportamento: Possui hábitos noturnos e crepusculares.Nome inglês: : Anhinga anhinga (Linnaeus.Todo o Brasil. Emite canto noturno. Habitat: Ocorre principalmente em águas interiores com densa vegetação marginal. Características: Capuz e costas preto.65 cm. asas pretas-azuladas com coberteiras das asas cinza-esbranquiçadas.4. Nome científico: Nycticorax nycticorax (Linnaeus. Habitat: Rios e lagos com vegetação palustre. Distribuição: América do Norte. lagoas.América Central e do Sul. fragata. Nome científico: Tigrisoma lineatu (Boddaert. Distribuição: Costa atlântica da América. Características: Bico longo e fino amarelo. Características: Grande. 5. 1766) Nome popular: Biguatinga Nome inglês:Anhinga Tamanho: 81-91 cm. zonas costeiras e manguezais. Nome inglês: Magnificent Frigatebird Tamanho: 89 – 114 cm. 840 g. Hábitos/comportamento: Lento e solitário. Patas amarelas. ilhas oceânicas e costeiras. Nome científico: Fregata magnificens (Mathews. Garganta avermelhada e peito ocre.

6 7 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 23 .

Coberteiras das asas cinzas com pontas brancas. riachos. pescoço branco.Todo Brasil e alguns paises da América do Sul. dorso e flancos cinzas. rios. Nome científico: Ardea cocoi Linnaeus. geralmente pequenos peixes. Manguezais. crustáceos. 1758) Nome popular: Socozinho Nome inglês: Striated Heron Tamanho: 35 – 48 cm.100 g Distribuição:Toda a América do Sul excluindo os Andes. Nome científico: Butorides striata (Linnaeus. Coxas brancas e dorso cinza.Todo o Brasil. Características:Topo da cabeça preto.8. rios. pântanos. Hábitos/comportamento: Ave muito inteligente podendo utilizar iscas para capturar suas presas. Lados do corpo pretos até a barriga. Distribuição:Todos os continentes. com exceção da Europa. Habitat: Lagos de água doce. 135 – 250 g. Faixa branca que vai do centro do pescoço ao peito. sapos e pequenos répteis. 1766 Nome popular: Maguari Nome inglês: Cocoi Heron Tamanho: 95 – 127 cm. Habitat: Todos os ambientes aquáticos de água doce ou salgada. 8 9 9.Vive solitário exceto no período reprodutivo. 24 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . nas suas regiões tropicais e subtropicais. campos alagados. Hábitos/comportamento:Alimenta-se de peixes. estuários. etc. manguezais e alagados. Características: Capuz preto. Plumagem carijó no imaturo. banhados. lagos. moluscos. 2.

11 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 25 . Características:Totalmente branca. Hábitos/comportamento: Habita rios lagos e áreas alagadas. face e bico azuis. Na fase adulta. Habitat:Todos os ambientes aquáticos costeiros e interiores. exceto em regiões muito frias ou desérticas. riachos. pescoço e peito com tom creme. Hábitos/comportamento: Alimenta-se de peixes. 550 g Distribuição:América do Sul tropical. insetos aquáticos. Bico amarelo. Distribuição: Ocorre no mundo todo. Diurna. 700 –1. répteis. fica passivamente esperando as presas. No Brasil só não ocorre no Nordeste e no Sul. 1783) Nome popular: Garça-real Nome em inglês: Capped Heron Tamanho: 51 – 61 cm. 1758 Nome popular: Garça-branca-grande Nome em inglês: Great Egret Tamanho: 140 –170 cm. anfíbios. Habitat: Pântanos florestados. vive solitária ou aos pares.500 g. adquire duas ou três penas muito compridas e finas na nuca estendendo-se até o dorso. poças de água.10 10. Características: Plumagem branca amarelada. usualmente perto de rios. Nome científico: Ardea alba Linnaeus. Nome científico: Pilherodius pileatus (Boddaert. Característico pescoço longo em S. capuz negro. pernas cinzas.Todo o Brasil. 11.

12 13 14 26 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange .

é a espécie de garça que utiliza a maior variedade de técnicas para caçar. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 27 . camarões. mais forte nas partes inferiores e uropígio. 1758) Nome popular: Guará Nome em inglês: Scarlet Ibis Tamanho: 56 . regiões de estuários. Hábitos/comportamento: Solitário ou em pequenos grupos. Habitat:Todo tipo de área úmida com água doce ou salgada. Cabeça nua. Nome científico: Egretta caerulea (Linnaeus. com carmim no tórax e coberteiras das asas. reproduz-se em colônias localizadas nas arvores de canais dos manguezais. do sul dos EUA à Argentina. Características: Plumagem vermelha escarlate. Distribuição: América tropical e subtropical. manguezais. 14. com terço distal das primárias preto. Plumagem rósea. mas também habita águas salobras e manguezais. áreas com água salobra e salgada.Todo o Brasil. Habitat: Comum em regiões costeiras. 650 g. 370 g. Imaturo é todo branco. moluscos e crustáceos. Distribuição:América tropical.15 12. 13. Muita ativa durante o dia. Habitat: Manguezais. 1758) Nome popular: Garça-azul Nome em inglês: Little Blue Heron Tamanho: 51 – 76 cm. 1782) Nome popular: Garça-branca-pequena Nome em inglês: Snowy Egret Tamanho: 47 – 68 cm. exceto Andes.Maranhão. Menos comum em áreas úmidas interiores. Pescam na orla marítima. 1758 Nome popular: Colhereiro Nome em inglês: Roseate Spoonbill Tamanho: 68 – 86 cm. 15. 1.61 cm. manguezais e praias lodosas. Hábitos/comportamento:Alimenta-se de peixes. inconfundível. Características: Plumagem cinza-azulada com pernas amarelas esverdeadas e bico cinza-azulado com ponta preta. exceto Andes. Características:Totalmente branca.Realiza migrações sazonais. Norte do Brasil no litoral dos estados doAmapá. Nome científico: Egretta thula (Molina. Nome científico: Eudocimus ruber (Linnaeus. com bico alongado preto. Distribuição:América do Norte. Nome científico: Platalea ajaja Linnaeus. Habitat: Principalmente em áreas úmidas interiores. Hábitos/comportamento:Vive em bandos.Pará. Hábitos/comportamento:Anda em bandos ou aos pares. Características: Bico largo e achatado em forma de “colher”. Central e toda a América do Sul exceto Andes. com uma população isolada na costa de São Paulo e Paraná. movimentando o bico na água em círculos laterais. pequenos vertebrados e invertebrados aquáticos. insetos. Ocorre em todo o Brasil. áreas alagáveis e de maré.Alimenta-se de peixes. Distribuição: Norte da América do Sul. 352 g. Pernas pretas com pés amarelos.400 g. Ocorre em todo o Brasil.

Todo o Brasil. incluindo manguezais. 4.Alimentam-se de peixes. Hábitos/comportamento: Solitário ou em pequenos bandos. Habitat: Áreas úmidas. nidificam em árvores.300 g. estuários. Nome científico: Ciconia maguari (Gmelin. 2. 17.Todo o Brasil. 1789) Nome popular: Maguari ou João grande. Pântanos. Penas de vôo e cauda pretas. Fora da época de reprodução reúnem-se em beiras abertas de lagoas para pernoitar. pequenos vertebrados e invertebrados. Distribuição: Sudoeste da América do Norte. Nome científico: Mycteria americana Linnaeus. 28 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . Características: Branco com penas de vôo. uropígio e cauda pretos. Nome em inglês: Maguari Stork Tamanho: 97 – 140 cm. alagados e banhados de água doce. Características: Plumagem totalmente branca. Os imaturos associam-se vivendo à parte. Faz corridas curtas para levantar vôo.América Central e do Sul até o norte da Argentina. Cabeça e pescoço nus e pretos assim como as pernas.500 g. florestas de galeria. Distribuição:América do Sul a oeste dos Andes. 1758 Nome popular: Cabeça-de-pedra Nome em inglês:Wood Stork Tamanho: 83 – 102 cm. Habitat: Diversos ambientes aquáticos interiores. banhados. sendo mais comum no RS e muito restrito na Amazônia e Nordeste. Hábitos/comportamento: De hábitos gregários.16 17 16.

insetos. 1758 Nome popular: Flamingo Nome em inglês: Greater Flamingo Tamanho: 120 – 145 cm. de desertos a áreas costeiras.Vivem em grandes colônias e assim também procedem durante a nidificação. Características: Cor de rosa claro.100 – 4. A coloração vermelha da plumagem é conseqüência da alimentação rica em carotenóides.100 g. Características: Cabeça nua vermelha e plumagem toda preta. procura carcaças e as localiza pelo olfato. 1758) Nome popular: Urubu-de-cabeçavermelha Nome em inglês:Turkey Vulture Tamanho: 64 – 81 cm. vermes anelídeos. Norte do Brasil. 850 – 2. rêmiges pretas. Habitat: Em todos os tipos de ambientes.18 18. Hábitos/comportamento: São diurnos e noturnos. Lado superior das penas de vôo acinzentadas. África e Oriente Médio em áreas tropicais.Nome científico: Phoenicopterus ruber Linnaeus. Geralmente não ocorrem em ambientes muito antropizados. larvas.Todo Brasil.Nome científico: Cathartes aura (Linnaeus.80m de envergadura. visíveis durante o vôo. moluscos. Habitat: Lagoas salinas.Antilhas até o norte da América do Sul. O formato e tamanho do bico estão adaptados para o bombear e filtrar a água que carrega seu alimento. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 29 . Distribuição: Do centro da América do Norte a toda a América do Sul. Sua dieta compõe-se algas. Hábitos/comportamento: Dificilmente bate suas longas asas que chegam a 1. de savanas a florestas. Dificilmente mata a presa. 2. 19 19. Sul da Europa. bico curvo vermelho/alaranjado com ponta preta. bancos de areia e lama em áreas de maré.000 g. etc. Cauda longa e retangular. asas carmim.Alimenta-se de grande variedade de presas. Distribuição: Caribe. crustáceos.

Cauda com faixas marrons e ocres. 21 21. Hábil pescadora precipita-se sobre presa a uma velocidade de até 80 km/h. f. sendo visíveis pelo lado superior em vôo. Distribuição: Região ártica da América do Norte.20 20. como o urubu-de-cabeça-vermelha. reservatórios. Distribuição:América Central e terras baixas da América do Sul. é afastado com a chegada de outras espécies de urubus. baías.000 g. visíveis durante o vôo. lagoas.550 g. 1. Possui uma mascara castanho na face que se prolonga para o pescoço e todo o dorso. Raques das penas primárias são brancas. 1845) Nome popular: Urubu-de-cabeça-amarela Nome em inglês: LesserYellow-headed Vulture Tamanho: 58 – 66 cm. lagos. m. onde. Habitat: Sempre próximo a corpos d´água. Hábitos/comportamento: Quase exclusivamente piscívoro. Características: Cabeça branca com penas da nuca eriçadas. chega rapidamente às carniças. como na espécie anterior.58 cm.600 – 2. savanas.Alimenta-se de grande variedade de presas.200 – 1. Rios.600 g. Bordas de florestas. Nome científico: Pandion haliaetus (Linnaeus.Ventre branco. seja doce. 1758) Nome popular: Águia-pescadora Nome em inglês: Osprey Tamanho: 55 . saindo da água com peixe nas garras.Nome científico: Cathartes burrovianus Cassin. 30 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . manguezais. Lado superior das penas de vôo acinzentado. dorso marrom escuro. 950 – 1. Características: Cabeça nua amarela com azul no topo. estuários. migrando para a América do Sul. Habitat: Principalmente áreas abertas. campos. 1. Hábitos/comportamento: Possui olfato apurado. se alimenta de grande quantidade de espécies de peixes. Plumagem toda preta.Todo o Brasil.Todas as regiões do Brasil. salobra ou salgada.

23. Características: Cabeça creme esbranquiçada com garganta branca e um colar preto abaixo. Pode ser observado sobrevoando manguezais. Habitat: Região costeira. Penas de vôo pretas. cera e pernas amarelas. insetos e moluscos aquáticos. mas sempre próximo a corpos de água doce ou salobra. manguezais.796 g.Todo o Brasil. ou grandes rios. Distribuição: Costa Atlântica da América do Sul.Alimenta-se principalmente de caranguejos que captura após mergulho a partir de um poleiro. Olhos marrons. Características: Cabeça. 695 . Hábitos/comportamento: Usualmente visto em pares. Habitat: Áreas abertas ou florestais densas.22. Resto do corpo ferrugíneo/avermelhado. 1790) Nome popular: Gavião-belo Nome em inglês: Black-collared Hawk Tamanho: 45 – 49 cm. 1788) Nome popular: Gavião-do-mangue Nome em inglês: Rufous Crab-Hawk Tamanho: 42 – 46 cm. bordas de rios. pescoço e partes superiores pardos anegradas. até foz do Rio da Prata. da foz do Orinoco à costa do Paraná. pântanos. Cauda preta com borda branca e estreita faixa mediana branca. exceto Andes. Hábitos/comportamento:Alimenta-se de peixes. Dorso e asas marrom escuro com bordas rufas. Nome científico: Buteogallus aequinoctialis (Gmelin. 595 . Distribuição:América Central e do Sul. 22 23 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 31 .796 g. Região costeira do Brasil do Amapá até o Paraná. Nome científico: Busarellus nigricollis (Latham.

24 25 26 32 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange .

Capuz negro com um pequeno penacho nucal. até foz do Rio da Prata. libélulas. lagartas a peixes e pequenos vertebrados.Também pode ser visto andando pelo chão a beira de estradas e rodovias. O macho conduz os filhotes numa concavidade sob a asa. Dorso e asas marrom escuro.1600 g. 27. pequenos caranguejos.Todo o Brasil. É capaz de sobreviver em poças d’água represadas e bem ensolaradas. crustáceos.Todo o Brasil amazônico e baixadas florestais do leste.As vezes em áreas alagadas. 1783) Nome popular: Dom-dom ou picaparra Nome em inglês: Sungrebe Tamanho: 26 – 33 cm. come tanto animais mortos como vivos. com faixa subterminal escura. protegida por penas. formigas caídas n’água. destituídos de vegetação aquática. Hábitos/comportamento: Oportunista. 315 – 335 g. Caça lagartas e cupins em revoada. Faixa pós-ocular marrom escura. Habitat: Pequenos rios de águas calmas. insetos. manto pardo. entre a Bahia e Santa Catarina. Hábitos/comportamento: Podem ser observados pousados no alto de árvores. matas ciliares. partes inferiores cinza-amarelada e bico vermelho. Exceto Andes. Em geral esta associada às atividades pecuárias. insetos 27 26. Características: Cera vermelha na base do bico. pequenos répteis e aves. 1150 .Alimenta-se de grandes insetos. Cauda barrada de marrom. Garganta branca e peito barrado de branco. 251 – 303 g. Áreas abertas e florestais até ambientes antropizados. Distribuição:América Central e Norte da América do Sul. 25. 120 – 150 g. Cauda marrom com quatro bandas escuras. 1816) Nome popular: Carrapateiro Nome em inglês:Yellow-headed Caracara Tamanho: 40 – 45 cm. aranhas. 1784). Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 33 . lagartos. rios maiores e lagos orlados de vegetação flutuante. savanas. Nome científico: Rupornis magnirostris (Gmelin. Nome científico: Caracara cheriway (Jacquin. Hábitos/comportamento: Onívoro. Características: Cabeça. pescoço e partes inferiores branco-amareladas. Habitat: Áreas abertas. Habitat:Todo o tipo de ambiente. No Brasil ao norte do rio Amazonas. característica única entre as aves. Pernas amarelas. Distribuição: Do sul da América Central a América do Sul até o Norte do Uruguai. pastos. 1788). Peito e ventre brancos barrado de marrom. Características: Desenho alvinegro na cabeça e pescoço. Distribuição: Sul da América do Norte. Dorso preto barrado de branco. Cauda barrada de preto com faixa terminal preta. alimenta-se desde carrapatos. Características: Cabeça e dorso cinzaacanelado. cobras. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de besouros. Nome popular: Gavião carijó Nome em inglês: Roadside Hawk Tamanho: 33 – 41 cm. Nome científico: Heliornis fulica (Boddaert.24.Todo o Brasil Habitat: Áreas abertas com árvores isoladas. ao longo das rodovias. Face nua e alaranjada. Pernas amarelas. bordas de florestas. Nome popular: Carcará Nome em inglês: Crested Caracara Tamanho: 49 – 59 cm. Na Amazônia é encontrado nos igarapés. exceto Andes.Alimenta-se de pequenas aves. postes elétricos e cupinzeiros. Distribuição:América Central e do Sul. Nome científico: Milvago chimachima (Vieillot.América Central e do Sul até Argentina.

Características: Plumagem não-reprodutiva: Cabeça e dorso marrom.Visitante do Norte. exceto Andes. Ocorre em toda a costa do Brasil. Habitat: Praias e ambientes intermarés. Plumagem reprodutiva: Bico preto com alaranjado na base. 30. Nome científico: Jacana jacana (Linnaeus. quando se alimenta nos lamaçais. 1781) Nome popular: Pavãozinho-do-Pará Nome em inglês: Sunbittern Tamanho: 43 – 48 cm. 29.28 28. Inverna no litoral sul da América do Norte e em todo o litoral da América Central e do Sul. 1766) Nome popular: Jaçanã Nome em inglês:Wattled Jacana Tamanho: 21 – 25 cm. raramente entra na água. Nome científico: Eurypyga helias (Pallas. Íris vermelha e mandíbula amarela. Características: Cabeça. Distribuição: Reproduz na América do Norte (Alaska e norte do Canadá). Nítido colar branco nucal.Todo o Brasil. Garganta branca. emaranhados de vegetação à beira d’água.Ventre branco. Bico comprido. pequenos crustáceos e insetos. Hábitos/comportamento:Alimenta-se principalmente de poliquetas. Barriga bege pálido. rãs. até o norte do Mato Grosso. Brasil amazônico. Dorso e cauda marrom. visível na asa aberta. Pernas oliváceas. preto e cinza. Cata insetos. Duas linhas brancas ao longo da cabeça preta. Pernas alaranjadas. Habitat: Áreas permanentes ou temporariamente alagadas. Hábitos/comportamento: Seus dedos são longos. Dorso estriado de marrom. pescoço e ventre negros. Alimenta-se de insetos. Goiás e Piauí. caranguejos e outras pequenas presas. Bico preto com vermelho na base. Bico amarelo com base vermelha. 89 – 151 g. Dorso e asas castanho-ferrugíneo. Distribuição:América do Sul Tropical. peixinhos. andando pelas margens de igarapés. sobre folhas e capins flutuantes. permitem que caminhe na superfície da água. Habitat: Habita beiras de rios e igarapés no interior da floresta densa e. Distribuição: Sul da América do Norte. Nome científico: Charadrius semipalmatus Bonaparte. pescoço delgado e cauda longa. Pernas laranja-amarelado. Escudo frontal na testa vermelho. Plumagem críptica. mas também de gastrópodes. beiras de lagos e rios. Imaturo com capuz marrom avermelhado e faixa ocular ocre. moluscos e peixes pequenos. Hábitos/comportamentos: Solitário ou aos pares. exceto uma grande área amarela esverdeada clara. 28 – 69 g. Face e faixa preta no peito.América Central e do Sul até o norte da Argentina e Uruguai. com vegetação flutuante. Características: Inconfundível. 188 g.Ventre branco com faixa marrom no peito. 34 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange .Tanto diurno quanto noturno é dependente das marés baixas. 1825 Nome popular: Batuíra-de-bando Nome em inglês: Semipalmated Plover Tamanho: 17 –19 cm.

crustáceos e poliquetas. Partes superiores cinza-amarronzado pintados de branco. lagoas. Nome científico: Tringa flavipes (Gmelin. 1789) Nome popular: Maçarico-de-perna-amarela Nome em inglês: Lesser Yellowlegs Tamanho: 23 – 25 cm. áreas intermarés. forrageia em lamaçais de dia ou de noite. Características: Bico delgado. Distribuição: Reproduz na América do Norte (Alaska e centro-sul do Canadá). Inverna no sul da América do Norte e em toda a América Central e do Sul.29 30 31 31. Geralmente solitário. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 35 . 48 – 114 g. Partes laterais do peito e barriga pontilhados de cinza-amarronzado.Visitante do Norte. açudes. banhados. Habitat: Grande variedade de ambientes tanto interiores quanto costeiros. gatrópodes. Cauda branca. patas amarelas. Manguezais. Hábitos/comportamento:Alimenta-se de insetos. Garganta e uropígio brancos. Ocorre em todo o Brasil.

Hábitos/comportamentos: Balança o corpo em um movimento levantando a cauda. e reprodutiva: castanho no dorso salpicado de preto no ventre. 32 33 36 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . lagoas. enquanto anda a procura de presas na praia. Nome científico: Actitis macularius (Linnaeus. 19 – 64 g. de descanso reprodutivo ou eclipse: manto castanhoacinzentado e ventre branco. 1766) Nome popular: Maçarico-pintado Nome em inglês: Spotted Sandpiper Tamanho: 18 –20 cm. manguezais. Características: Bico claro e pernas amarelas.32. Distribuição: Ocorre do Ártico à Terra do Fogo e em todo o Brasil Habitat: Áreas lodosas e pedregosas dos rios. Apresenta duas plumagens.

praias. camarões e pequenos peixes. Habitat: Águas interiores e na costa. larvas. grandes rios.Alimenta-se principalmente de peixe. Hábitos/comportamento: Quando esta pescando. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 37 . lagoas. Características: Bico e pernas amarelas.33. com exceção do extremo sul.Visitante do Norte. Características: Dorso marrom escuro.Topo da cabeça. É vista com freqüência pescando solitária em águas de pouca profundidade. como se arasse a mesma. Cauda amarronzada com penas externas cinzas. 1819) Nome popular: Gaivotinha Nome em inglês:Yellow-billed tern Tamanho: 23 cm. Pontas da penas primárias pretas. áreas de maré. estuários. 1766) Nome popular: Maçarico-rasteirinho Nome em inglês: Semipalmated Sandpiper Tamanho: 13 – 15 cm. 40 – 57 g. Hábitos/comportamento:Alimenta-se de insetos.Ventre branco. Cauda furcada. Dorso e parte superior das asas cinza. toda a América Central e América do Sul. Linha preta do bico para o olho. 34 35 35.Todo o Brasil. Capturam pequenos insetos. 1758 Nome popular: Corta-água.Todo o Brasil. exceto Andes e Patagônia. Hábitos/comportamento: Gregário. face e partes inferiores brancas. lagos e na costa. Distribuição: América do sul. Nome científico: Rynchops niger Linnaeus. 20 – 41 g. voa rente a água mantendo o bico aberto. Ocorre em todo o litoral do Brasil. Nome científico: Sternula superciliaris (Vieillot. Margem posterior das asas. 308 – 374 g. Nome científico: Calidris pusilla (Linnaeus. Distribuição: Reproduz na América do Norte (oeste e norte do Alaska e norte do Canadá).Talha-mar Nome em inglês: Black Skimmer Tamanho: 41 – 46 cm. mais pálido nas bordas das penas. mas também crustáceos como camarões. nuca e parte posterior do pescoço pretos. Barra na asa visível em vôo. Lados do peito cinza-amarronzado. com cerca de dois terços da mandíbula dentro da água. 34. Distribuição: Litoral sul e este da América do Norte. Partes superiores preto–fuliginosa. Nidifica nas praias de rios caudalosos. forma pequenos bandos que se alimentam nas áreas de maré. Habitat: Praias costeiras. bancos de areia e praias de rios durante a estação seca. manguezais. Características: Bico até a metade vermelho e resto preto. Habitat:Ambientes costeiros. Inverna na América Central e do Sul. bordas de lagos. anfípodos e outros invertebrados aquáticos.

América Central e América do Sul tropical. clareiras. embora nidifique em ramagens mais baixas. 1789) Nome popular: Pomba-trocal Nome em inglês: Scaled Pigeon Tamanho: 28 – 34 cm.36 36. Fêmea com dorso pardo-escuro em contraste com o chocolate na cabeça. 38 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . Nome científico: Patagioenas speciosa (Gmelin. 225 – 350 g. Habitat: Florestas tropicais.Alimenta-se de frutos das árvores altas e de epífitas. Características: Uma das maiores espécies brasileiras. não ocorre na região sul. Distribuição: Sul da América do Norte. inconfundível pelo bico vermelho e pela aparência escamosa de todo pescoço. Hábitos/comportamento:Vive nas copas de matas.Todo o Brasil tropical. borda de florestas.

Abriga-se para dormir em poleiros coletivos. 1792) Nome popular: Pomba-galega Nome em inglês: Pale-vented Pigeon Tamanho: 22 – 26 cm. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de coquinhos. Maxilar branco. alto e curvado. pescoço. No Brasil ocorre norte e centro-oeste. mata de araucárias. Garganta branca e partes inferiores ocre-avermealhado. Nome científico: Patagioenas cayennensis (Bonnaterre.América Central e do Sul até a Argentina e Uruguai. Distribuição:América do sul tropical. Habitat: Matas úmidas. Nome científico: Leptotila rufaxilla (Richard & Bernard. 1758) Nome popular:Arara-canindé Nome em inglês: Blue-and-yellow Macaw Tamanho: 86 cm. Características: Fronte cinza. Habitat:Vive na borda das matas. Distribuição: América do Sul até Paraguai e norte da Argentina. florestas de galeria e várzeas com buritizais e babaçuais. 1792) Nome popular: Juriti-gemedeira Nome em inglês: Grey-fronted Dove Tamanho: 28 cm. bordas de floresta e clareiras.Todo o Brasil. exceto Andes e Patagônia. 167 – 262 g. Nuca e costas com brilho violáceo. capoeira. Habitat: Floresta úmida. forte. com a parte inferior negra. frutos e sementes. Praticamente todo o Brasil. ventre amarelo. mata de galeria e margens de rios. 995 – 1380 g.Asa marrom com parte inferior cinamomo. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 39 . manto e peito vináceos. até Maranhão e São Paulo. 115 – 183 g. resto da plumagem cinza-azulada. Hábitos/comportamentos: Associa-se em bandos fora da época de reprodução. Características: Dorso azul. Dorso e coberteiras das asas marrom-oliváceo escuro. Distribuição: Sul da América do Norte. Nome científico: Ara ararauna 39 (Linnaeus. Bico negro. Voa aos pares ou três indivíduos. Hábitos/comportamento: Alimenta-se de grãos e pequenos invertebrados no solo das matas. alimenta-se e frutos e sementes. 38. passando para azulado no alto da cabeça. na copa das árvores altas. Garganta e penas faciais pretas. cerrados. nuca com reflexos metálicos.37 37. podendo ser o terceiro um filhote. Características:Alto da cabeça. 38 39.

eventualmente. Região perioftálmica nua e branca. Distribuição:América Central até o Paraguai e no norte da Argentina. Segue frutificações de palmeiras e outras outras arvores frutíferas. manguezais. Habitat: Bordas de floresta. Grande área facial branca e sem penas ao redor dos olhos. Nome científico: Ara chloropterus Gray.40. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de frutos. Face e bico brancos. savanas. Distribuição:Terras baixas da América do Sul. Habitat: Copa de florestas altas. matas secundárias e. Hábitos/comportamentos: alimenta-se de Frutos e sementes de muitas espécies de palmeiras. Penas de vôo azuis com verde nas coberteiras das asas. Nidifica em cavidades em árvores. desenhada com linhas de penas vermelhas. Cauda vermelha margeada de azul. 1776) Nome popular: Maricatã Nome em inglês:White-eyed Parakeet Tamanho: 32 – 35 cm. 1050 – 1708 g. sementes de gramíneas e eventualmente insetos. ou em barrancos de rios. Lados da cabeça e pescoço com algumas penas vermelhas. íris laranja e bico cor de chifre claro. 41 40 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . 1859 Nome popular:Arara-vermelha-grande Nome em inglês: Red-and-green Macaw Tamanho: 90 – 95 cm. Quase todo o Brasil. matas de galeria. 40 41. 100 – 218 g. Nome científico: Aratinga leucophthalma (Statius Muller.Amazônia brasileira e leste do Brasil (originalmente encontrada no Espírito Santo. Rio de Janeiro e interior do Paraná). sendo mais pálida nas partes inferiores. Características: Cabeça e corpo vermelhos. Características:Toda verde inclusive os loros. florestas de galerias e campos com árvores isoladas.

Toda a Amazônia brasileira. Distribuição:América do Sul. Características:Todo verde com todas as secundárias e coberteiras da asa amareloesbranquiçado. na bacia amazônica. Distribuição:América do Sul. Hábitos/comportamentos: Alimenta-se de frutos. 43 43. das Guianas eVenezuela ao Peru e Bolívia. vegetação ribeirinha. 52 – 68 g. na bacia do rio Amazonas e costa até a Guiana Francesa.42 42. voam muito próximos. penas do peito com porção central negra. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de frutos. Habitat: Copa de florestas de galeria e florestas úmidas de terra firme. 1776) Nome popular:Tiriba-de-testa-azul Nome em inglês: Painted parakeet Tamanho: 22 cm. mancha auricular amarela. Habitat: Floresta de Várzea. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 41 . 46 – 85 g. Características: Dorso verde. Nome científico: Pyrrhura picta (Statius Muller. testa e topo da cabeça azul. Nome científico: Brotogeris versicolurus (Statius Muller. No Brasil ocorre no litoral do Amapá ao Pará e bacia do Amazonas até o Acre. flores e néctar. florestas secundarias e clareiras próximas a assentamentos. 1776) Nome popular: Periquito-amarelo Nome em inglês: Canary-winged Parakeet Tamanho: 22 cm. tanto nas bordas como no interior. vive em bandos grandes e barulhentos. sementes.

Características:Testa e área da base do bico até embaixo do olho amarelas. Para. plantações. sozinha. com uma barra central verde-escuro. separadas por faixa azul dos loros até atrás dos olhos. Forma grandes bandos. Dorso e ventre verdes. Um pouco de azul na borda das penas das asas. úmidas e de galeria. 298 – 469 g. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de grande quantidade de frutas. Florestas de galeria. 1766) Nome popular:Tuipara-de-asa-dourada Nome em inglês: Golden-winged Parakeet Tamanho: 16 cm. 42 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . Distribuição:América do Sul. 44 45. matas secundárias. Quase todo o Brasil. Habitat: Florestas primárias ao longo de rios. manguezais. insetos e caramujos.Venezuela e Guianas até o sul do Brasil. inclusive frutas cultivadas pelo homem. Nome científico: Brotogeris chrysoptera (Linnaeus. 1766) Nome popular: Maitaca-de-cabeça-azul Nome em inglês: Blue-headed Paroot Tamanho: 24 – 28 cm.Alimenta-se de frutas e sementes de palmeiras e outras árvores e também de flores. até Mato Grosso.44. frutos de palmeiras. clareiras. 209 – 295 g. daVenezuela a Amazônia. Goiás. savanas. Resto da cabeça e do corpo verde. da Costa Rica à Bolívia. Penas da base da cauda vermelhas. 47 – 80 g. Características: Cabeça e pescoço azul com mancha lateral preta. sementes. 45 46. Habitat: Matas de terras baixas. Características:Totalmente verde com coberteiras das primarias cor de abóbora. da Colômbia. Penas laterais tingidas de laranjaavermelhado. Nome científico: Pionus menstruus (Linnaeus. No Brasil toda a região amazônica. savanas. Hábitos/comportamentos:Vive na copa das árvores.Amapá e algumas áreas doAmazonas. Cauda verde com ponta amarela. áreas costeiras. Distribuição: Norte-nordeste da América do Sul. No Brasil. aos pares ou em bandos grandes de até 100 indivíduos. Litoral sudeste do Brasil do Espírito Santo a Alagoas. Distribuição:América Central e do Sul.1766) Nome popular: Papagaio-do-mangue Nome em inglês: Orange-winged Amazon Tamanho: 31 cm. Habitat: Florestas decíduas. Nome científico: Amazona amazonica (Linnaeus. cerrado. Hábitos/comportamentos: Alimentam-se de flores e néctar.

Características: Inconfundível. Distribuição:América do Sul a leste dos Andes. cursos d´água. sempre eriçada. Nome científico: Opisthocomus hoazin (Statius Muller. Brasil amazônico. Única ave conhecida com fermentação microbiana. que a ave mantém sempre soltas e meio caídas. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 43 . em movimento que parece ser desajeitada. A cauda é longa. Lembra um jacu enfeitado com crista alta. flores e frutas de arácea aninga. Em áreas costeiras associado a manguezais de Avicennia. contrastando com as cores berrantes da plumagem.A região ao redor dos olhos é azul. lagos. Hábitos/comportamentos: De hábitos diurnos. Possui pestanas. 1776) Nome popular: Cigana Nome em inglês: Hoatzin Tamanho: 62 – 70 cm. negra e com larga faixa terminal creme.46 47 47. O corpo é pequeno. Descansa durante o dia com as asas abertas. Habitat:Vegetação arbórea nas margens de rios. escondido pelas asas largas. alimenta-se quase obrigatoriamente de folhas novas. bico alto e curto. região Amazônica. 700 – 900 g.

Insetívoro.América Central e do Sul até a Argentina. 48 49 44 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . Muito vistosa. Hábitos/comportamentos: Solitário. 98 g. 1766) Nome popular:Alma-de-gato Nome em inglês: Squirrel Cuckoo Tamanho: 46 cm. Características: Cauda preta longa com manchas brancas por baixo.Todo o Brasil. cerrados. Distribuição: Sul da América do Norte. Nome científico: Piaya cayana (Linnaeus.48. anda pulando pela ramagem como um caxinguelê (esquilo). bico e arredores dos olhos cinzentos. aos pares ou em pequenos grupos. Habitat: Bordas e no interior de florestas altas. Às vezes imita outras aves. capoeiras. cerradões e campos com árvores. olhos marrons.

lagartas). plantações e mata secundária. ou salta de galho em galho.Todo o Brasil. Brasil na região norte na bacia do rio Amazonas e litoral leste de Alagoas a São Paulo. alimenta-se de insetos. Juntase a bandos mistos no interior das florestas. 51 51. 1766 Nome popular: Surucuá-grande-de-barrigaamarela Nome em inglês: White-tailed Trogon Tamanho: 25 – 28 cm.Vive geralmente distante de habitações humanas.Todo o Brasil. Nome científico: Crotophaga major Gmelin. invertebrados (insetos. Bordas de florestas. Características: Macho:Anel orbital azul. Distribuição:América do Sul. Distribuição: Caribe e América do Sul tropical. leste dos Andes na região Amazônica. Distribuição: América Central e do Sul até a Argentina. margens de rios e lagos. Hábitos/comportamentos:Anda em pequenos bandos. 145 – 162 g. 1788 Nome popular:Anu-coroca Nome em inglês: Greater Ani Tamanho: 46 cm. 1758 Nome popular:Anu-preto Nome em inglês: Smooth-billed Ani Tamanho: 35 cm. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de insetos. florestas de galeria. manguezais.Associa-se ao gado para capturar insetos. 50. Cauda quase inteira branca por baixo. outros invertebrados. coquinhos e sementes. até o norte da Argentina. 69 – 99 g. fazendo bastante barulho.Todo o tipo de paisagens abertas com moitas e capões. Habitat:Vegetação secundária. Características:Todo preto brilhante. cerrado. pastagens. íris branco-esverdeada. Nome científico: Trogon viridis Linnaeus. Fêmea: mais escura que macho nos brilhos azul e verde. Características: Plumagem negro-azulada lustrosa. clareiras.Vive em pequenos bandos. Dorso verde metálico. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 45 . Habitat: Copa e sub-copa de florestas úmidas. bordas de matas e lagos. clareiras. pesca em águas rasas e come frutos. bico alto curvo. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de frutas.50 49. Nome científico: Crotophaga ani Linnaeus. áreas abertas. pântanos e manguezais. Cabeça e peito preto azulado. pequenos vertebrados. caminha no solo. 95 – 115 g. Canta em coro. Habitat: Florestas de galeria. Barriga e coberteiras da cauda amarelo.

exceto Andes. reservatórios.Todo o Brasil. Características: Cabeça. manguezais. 46 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . 254 – 330 g. 1766) Nome popular: Martim-pescador-grande Nome em inglês: Ringed Kingfisher Tamanho: 40 cm. lagos. Nome científico: Megaceryle torquata (Linnaeus. Distribuição: Sul da América do Norte. 35 – 40 g. Habitat: Rios grandes e pequenos.52 52. partindo para o mergulho e retornando ao mesmo galho. répteis. lagoas costeiras. 29 – 40 g. poças de água. insetos aquáticos. caranguejos. 1788) Nome popular: Martim-pescador-pequeno Nome em inglês: Green Kingfisher Tamanho: 20 cm. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de pequeno peixes. Rosto preto e colar branco. Pontos brancos na asa.América Central e do Sul. lados do peito. Peito e barriga cor de telha. Permanece pousado em um galho de onde observa a presa. lagos. m. estuários. exceto Andes. pântanos e manguezais. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se principalmente de peixes.América Central e do Sul. Bico preto.Todo o Brasil. Barriga branca no centro com largas barras verdeescuro nas laterais. crustáceos. Habitat: Riachos. Colar largo branco. dorso e asas cinza azuladas. florestas alagadas. Distribuição: Sul da América do Norte. Características:Verde escuro com reflexos bronze. mas também sapos. f. avermelhado. Nome científico: Chloroceryle americana (Gmelin. Mergulha para capturar a presa a partir de um poleiro onde retorna. 53.

Centro da barriga e parte inferior da cauda brancos. 1764) Nome popular: Martinho Nome em inglês:American Pygmy Kingfisher Tamanho: 13 cm. com exceção do e sul. Pesca a partir de um poleiro em galho próximo a água. mas com estreita banda verde e branco ao redor do pescoço. Freqüentemente muda a posição de pesca. Faixa avermelhada no peito com lados verde escuro. riachos. córregos com densa vegetação marginal. Distribuição: Sul da América do Norte. Bico preto. Barriga branca. estuários costeiros. com colar largo branco. Garganta branca. Riachos dentro de matas densas e manguezais. onde mergulha para capturar a presa. Características:Verde escuro. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se principalmente de peixes e crustáceos. 98 – 120 g. exceto Andes. Características: Macho: acima totalmente verde oliva escuro. da região amazônica até sudeste. 125 – 140 g. Habitat: Rios.Também mergulha para capturar a presa a partir de um poleiro onde retorna. 55 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 47 . colar alaranjado se estende para a nuca.Todo o Brasil. 12 – 16 g Distribuição:América Central e do Sul. Nome científico: Chloroceryle aenea (Pallas. Quase todo o Brasil. Habitat: Rios. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de pequeno peixes e insetos aquáticos.América Central e do Sul. Fêmea possui peito branco. lagoas de marés. com estrita faixa verde. f. 10 – 16 g. m. m.53 54. Nome científico: Chloroceryle amazona (Latham. Fêmea: similar ao macho. 54 55. Garganta alaranjado pálido e partes inferiores avermelhados. 1790) Nome popular: Martim-pescador-verde Nome em inglês: Amazon Kingfisher Tamanho: 30 cm. f. canais de manguezais.

Habitat: Bordas de Florestas de Terra Firme. matas de galeria. 1778 Nome popular:Tucano-grande-de-papo-branco Nome em inglês: Red-billed Toucan Tamanho: 53 – 58 cm. 1823 Nome popular:Tucano-de-bico-preto Nome em inglês: Channel-billed Toucan Tamanho: 46 – 56 cm. mas possui garganta avermelhada. Habitat: Florestas de terras baixas. arvores isoladas. Brasil na região amazônica e litoral das regiões Sul. pequenos vertebrados. Coberteiras inferiores da cauda vermelhas. Faixa vermelha entre peito e barriga. Características: Partes superiores verde-cobre brilhante. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de diversos tipos de frutas. se alimentando tanto de ovos quanto de ninhegos. 58. Garganta e peito amarelo pálido com faixa terminal de amarelo vivo. Babador branco bordeado de vermelho no fim. com azulado na cabeça. diversos invertebrados. bordas de florestas. Barriga avermelhada. manchas de cerrado. pequenos vertebrados. Área facial azul. Nome científico: Galbula galbula (Linnaeus. 57. Distribuição: Norte da América do Sul. Bico vermelho a preto com faixa superior amarelo-esverdeado. Pará e Roraima. néctar. Habitat: Florestas tropicais das terras baixas. com longo bico. insetos. Forma grupos mistos com outras aves ou bandos de vários indivíduos. da Colômbia ao norte do rio Amazonas. Distribuição:América do Sul amazônica. Menos comum em florestas secundárias. 1766) Nome popular:Ariramba-de-cauda-verde Nome em inglês: Green-tailed Jacamar Tamanho: 18 – 22 cm. Bico preto com banda na base amarela ou azul. 18 – 29 g. Garganta branca. Brasil somente na região amazônica. 48 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . flores. a partir de um poleiro fixo. É predador de ninhos de outras aves.Várzea e Florestas de Galeria a florestas secundárias e manguezais. Nome científico: Ramphastos vitellinus Lichtenstein. Nome científico: Ramphastos tucanus Linnaeus. Características: Grande tucano predominantemente preto.56 56. Bordas de floresta. ovos e também flores e néctar. florestas secundárias. Bico longo preto. somente no Amapá. Penas coberteiras da cauda vermelho. clareiras. Fêmea é similar. Em diferentes estágios sucessionais. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de frutas. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se capturando insetos em vôo. próximo à água. Sudeste e Nordeste. Distribuição:América do Sul na região amazônica e litoral sudeste. fragmentos de floresta. Características: Preto nas partes superiores e na barriga. 285 – 455 g. 560 – 830 g. Às vezes empoleirado aos pares em galhos expostos. Brasil.

Área facial orbital azul.58 57 59 59. do baixo Rio Negro ao Amapá. Macho possui cabeça. Fêmea possui boné preto e peito cinza. cauda verde com pontas das retrizes vermelhas. 1827) Nome popular:Araçari-negro Nome em inglês: Guianan Toucanet Tamanho: 33 – 35 cm. do Sudeste da Venezuela ao norte do Rio Amazonas. 1766) anteriormente classificado como Selenidera culik (Wagler. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de vários tipos de frutos. Nome científico: Selenidera piperivora (Linnaeus. Distribuição: América do Sul. 129 – 165 g. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 49 . Habitat: Florestas úmidas e matas de galeria. Partes superiores verdes. Norte do Brasil. garganta e peito pretos. Características: Bico preto e vermelho. Coberteiras da cauda vermelhas.Vive principalmente nas copas das árvores. incluindo frutos de palmeiras e insetos.

Nome científico: Campephilus melanoleucos (Gmelin. Caatinga. 1783) Nome popular: Pica-pau-de-coleira Nome em inglês: RingedWoodpecker Tamanho: 26 – 28 cm. Distribuição: Sul da América do Norte. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de insetos que são capturados nos troncos de arvores. 60 61. até o norte da Argentina. Nome científico: Thamnophilus doliatus (Linnaeus. Distribuição:América do Sul. 24 – 30 g. da Bolívia ao Paraguai e norte da Argentina. capoeira rala bem ensolarada. Distribuição: Ocorre do norte da América do Sul aos altos rios Tapajós Xingu e das Mortes. pescoço anterior e peito negros. nordeste e centro-oeste até São Paulo. Nome científico: Celeus torquatus (Boddaert. 1764) Nome popular: Choca-barrada Nome em inglês: Barred Antshrike Tamanho: 15 – 16 cm. 61 62. manto castanho orlado de negro. América Central e do Sul. 50 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange .60. 1788) Nome popular: Pica-pau-de-topete-vermelho Nome em inglês: Crimson-crested Woodpecker Tamanho: 33 – 38 cm. Fêmea pardo-ferrugínea quase uniforme com as partes inferiores mais claras e lados da cabeça estriados de pardo. florestas de galeria e palmais. Forrageia ao pares (casal) em baixa altura e próximo ao solo. 107 a 124 g. barriga esbranquiçada grosseiramente maculado de negro. Goiás e Pará. garganta negra sem estrias brancas. Brasil nas regiões norte. 181 – 184 g. Brasil até o Paraná. mata de várzea. Habitat: Mata rala de regiões campestres. Características: Macho amplamente barrado de branco e negro com íris amarela. base do bico com mancha branca muito destacada e uma pequena nódoa alvinegra sub-auricular. Habitat: Habita sub-bosque de matas secundarias. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se principalmente de insetos. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de insetos que são capturados nos troncos de árvores. Características: Barriga barrada e um V branco nas costas. Habitat:Vive na mata alta Características: De cabeça caramelo. Distingue-se pelos lados encarnados da cabeça. em locais com emaranhados e vegetação densa.

Habitat: É comum em emaranhados de cipós nas clareiras ou nas bordas de florestas de terra firme e de várzea. Goiás e Pará. Capuz preto estriado de branco. Nome científico: Hypocnemis cantator (Boddaert. às vezes sozinho ou em pequenos bandos mistos. a até 8 m do chão. Centro da barriga branco. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 51 . partes superiores pardo oliváceo.Alimenta-se de insetos na vegetação baixa ou em emaranhados de cipós mais altos. Distribuição:América do Sul. 10 – 14 g. pernas compridas. Supercílio branco. 1783) Nome popular: Papa-formigas-cantador Nome em inglês: Warbling Antbird Tamanho: 11 – 12 cm. Hábitos/comportamentos:Vive geralmente aos pares.62 63 63. bem como em capoeiras altas. Penas de vôo marrom margeada de amarelo oliváceo. peito maculado de preto e branco e flancos ferrugíneos. Características: Cauda curta e estreita. Brasil amazônico até Mato Grosso. Das Guianas eVenezuela à Bolívia.

64

64. Nome científico: Pithys albifrons (Linnaeus, 1766) Nome popular: Papa-formiga de topete Nome em inglês: White-plumed Antbird Tamanho: 11 – 12 cm; 18 – 23 g. Distribuição:América do Sul amazônica. Brasil ao norte do Rio Amazonas. Habitat: Sub-bosque de florestas úmidas de terra firme, sendo menos freqüente em capoeiras altas. Características:Topete frontal branco e tufo proeminente na garganta também branco. Pescoço e ventre castanho. Dorso e asas cinza escuro. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de grande variedade de insetos e outros artrópodes. Forrageia sozinho, ao pares ou em grupos familiares, sempre próximos ao solo. Especializado em alimentar-se dos insetos afugentados por formigas-de-correição 65. Nome científico: Glyphorynchus spirurus (Vieillot, 1819) Nome popular:Arapaçú-bico-de-cunha Nome em inglês: Wedge-billed Woodcreeper Tamanho: 10 – 13 cm; 10 – 21 g. Distribuição: Sul da América do Norte,América Central e do Sul, toda a região amazônica. No Brasil ocorre na Amazônia brasileira e numa região limitada da Mata Atlântica, do sudeste da Bahia ao norte do Espírito Santo. Habitat: Comum no sub-bosque de florestas úmidas de terra firme e de várzea, capoeiras, clareiras e campos. Características: O menor dos arapaçus brasileiros, típico da Amazônia. Bico curto e cônico ligeiramente inclinado para cima. Principalmente marrom, com supercílio amarelado. Costas, uropígio e cauda avermelhados. Garganta pontilhada de amarelado em direção ao peito. Hábitos/comportamentos: Solitário, pode ser encontrado em bandos mistos.Alimenta-se de insetos nos troncos das árvores. Bastante agitado não permanece parado em um mesmo local.

52

Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange

65
66. Nome científico: Xiphorhynchus picus (Gmelin,
1788) Nome popular:Arapaçú-do-bico-branco Nome em inglês: Straight-billed Woodcreeper Tamanho: 18 – 22 cm; 34 – 45 g. Distribuição: Sul da América Central e América do Sul tropical. Brasil na Amazônia e região Nordeste, pelo litoral até o Espírito Santo. Habitat: Florestas de várzea, igapós, buritizais, bordas de florestas, capoeiras e manguezais. Características: Bico reto e branco.Asas, uropígio e cauda marrom-avermelhados. Cabeça e peito com penas margeadas de marrom escuro a preto que dá a aparência de escamado. Garganta branca. Hábitos/comportamentos: Solitário ou aos pares, acompanha aves insetívoras, geralmente no sub-bosque e no estrato médio. Escala tronco e ramos horizontais em busca de insetos e outros invertebrados.

66

67

67.

Nome científico: Xiphorhynchus guttatus (Lichtenstein, 1820) Nome popular:Arapaçu-de-garganta-amarela Nome em inglês: Buff-throated Woodcreeper Tamanho: 22 – 29 cm; 45 – 75 g. Distribuição: América do Sul amazônica e litoral atlântico. No Brasil na Amazônia até o Mato Grosso do Sul e Goiás, e na Mata Atlântica, entre a Paraíba e o Rio de Janeiro. Habitat: Interior e bordas de florestas úmidas de terra firme e de várzea, capoeiras arbóreas e florestas de galeria. Florestas atlânticas de terras baixas. Características: Bico comprido. Partes superiores marrom. Cabeça e nuca marrom mais escuro, estriado de branco. Garganta amarelo pálido e partes inferiores marrons com estriados de branco pálido. Uropígio, coberteiras das asas e cauda castanho-avermelhado. Hábitos/comportamentos:Vive solitário ou aos pares, alimentando-se de presas obtidas nos troncos ou galhos de árvores. Junta-se a bandos mistos de aves insetívoras.

Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange

53

68.

Nome científico: Myiopagis gaimardii (d’Orbigny, 1839) Nome popular: Maria-pechim Nome em inglês: Forest Elaenia Tamanho: 12 – 13 cm; 12 – 13 g. Distribuição: Sul da América Central e América do Sul até Bolívia. Brasil amazônico e centro-oeste até Goiás e São Paulo, no Nordeste Pernambuco e Alagoas. Habitat: Copa e bordas de florestas úmidas, matas de galeria e capoeiras arbóreas. Características: Faixa superciliar branca.Anel branco partido em volta dos olhos. Capuz cinza escuro com mancha branca no meio. Partes superiores oliva, asas mais escuras com duas barras amarelas características. Bordas interiores das penas de vôo também amarelas. Garganta e face brancas. Peito flamulado de oliva inda a amarelo na barriga. Hábitos/comportamentos: Captura insetos na folhagem acima do solo. Às vezes alimenta-se também de pequenos frutos nas copas das arvores. Participa de bandos mistos.

68

69

54

Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange

69. Nome científico: Pitangus sulphuratus (Linnaeus, 1766) Nome popular: Bem-te-vi Nome em inglês: Great Kiskadee Tamanho: 22 – 25 cm; 54 – 60 g. Distribuição: Sul da América do Norte,América Central e do Sul.Todo o Brasil. Habitat: Florestas densas, orlas de matas, córregos, margens de lagoas, várzeas, campos, pomares e nas grandes e pequenas cidades. Características: Capuz preto com mancha amarela no centro. Lados da cabeça pretos com larga faixa branca acima dos olhos, que se estende até a nuca. Partes superiores marrom oliváceo. Garganta e região malar branca e partes inferiores amarelo brilhante. Hábitos/comportamentos: Possui uma dieta bastante variável, que vai desde insetos, a frutas e flores, também ovos de outras aves, minhocas e pequenas cobras, lagartos, girinos, peixes e crustáceos.

70. Nome científico: Tyrannus melancholicus Vieillot, 1819
Nome popular: Suiriri Nome em inglês:Tropical Kingbird Tamanho: 18 – 24 cm; 32 – 42 g. Distribuição:América do Norte, Central e do Sul.Todo o Brasil Habitat: Bordas de florestas e capoeiras, clareiras, campos com árvores e arbustos, cerrados e áreas urbanas. Características: Capuz cinza-azulado com mancha central vermelha ou laranja. Garganta branca indo a cinza pálido no pescoço. Peito tingido de cinza-oliváceo pálido que vai a amarelo brilhante na barriga. Dorso cinza-oliváceo a esverdeado. Hábitos/comportamentos: Migra para o norte durante o inverno da região sul.Vive solitário e é bastante agressivo com outros pássaros. Pousa em locais abertos, como galhos isolados, postes, cercas e fios. Executa vôos curtos com agilidade, para capturar insetos, que é seu principal alimento.

70

71. Nome científico: Rhytipterna
simplex (Lichtenstein, 1823) Nome popular:Vissiá Nome em inglês: Grayish Mourner Tamanho: 19 – 20 cm; 33 – 38 g. Distribuição:América do Sul amazônica e litoral atlântico.Brasil amazônico e na Mata Atlântica, de Alagoas até São Paulo. Habitat: Estratos superiores e médios de florestas úmidas de terra firme e de várzea. Características: Cabeça e partes superiores de cor cinza quase uniforme.Asas e cauda tingidas de marrom. Partes inferiores cinza mais pálido. Íris vermelha a marrom. Pernas pretas. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de insetos e as vezes frutos. Executa vôos rápidos para capturar insetos na folhagem ou nos galhos. Difícil ser visto, principalmente se não está cantando.Vive aos pares, com menor freqüência solitária.

71

Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange

55

1789) Nome popular: Maria-cavaleira Nome em inglês: Short-crested Flycatcher Tamanho: 18 cm. Características: Dorso e cabeça castanho. árvores altas em clareiras adjacentes e capoeiras altas. Habitat: Bordas de florestas. em vôo e também no chão. 73. 21 – 34 g.América Central e do Sul. 72 73 56 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . raramente em bandos mistos. Habitat: Bordas de florestas úmidas de terra firme.Vive solitária ou aos pares. Barriga amarela. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de insetos capturados na folhagem. Garganta castanha e peito com estriados estreitos amarelos. Garganta e peito cinza. Cauda castanha. Distribuição:América do Sul. patas e íris preto. Brasil amazônico e na Mata Atlântica. Forrageia sozinho ou aos pares. Uropígio amarelo brilhante. capoeiras. Nome científico: Myiarchus ferox (Gmelin.72. Nome científico: Attila spadiceus (Gmelin. Bico. com exceção do Chile. de Alagoas ao Rio de Janeiro. vegetação nas margens de rios e lagos. Praticamente todo o Brasil. Permanece pousado em galhos de onde parte para buscar as presas. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de grandes artrópodos e pequenos vertebrados. 1789) Nome popular: Capitão-de-saíra-amarelo Nome em inglês: Bright-rumped Attila Tamanho: 17 – 21 cm. Duas barras nas asas avermelhadas. 31 – 44 g. Distribuição: Sul da América do Norte. florestas de galeria. Características: Cabeça e partes superiores oliva escuro.

Nome científico: Lipaugus vociferans (Wied. Plumagem uniformemente cinza. Garganta mais pálida e barriga mais amarelada. Lados da cabeça.Alimenta-se principalmente de frutos.Ventre cinza mais claro. exceto no período reprodutivo.Asas pretas com faixas brancas nítidas e coberteiras das asas e penas secundarias com largas bordas brancas. Fêmea é toda marrom-olivácea nas costas. 75. Brasil amazônico e na Mata Atlântica. 67 – 73 g. Nome científico: Pachyramphus polychopterus (Vieillot. mais marrom no capuz. Hábitos/comportamentos:Vive solitário. Observada sozinha ou em pares. Distribuição:América do Sul amazônica. Características: Macho possui capuz e dorso de preto brilhante. 19 – 21 g.Todo o Brasil. sendo mais escuro nas asas e cauda. Distribuição:América Central e do Sul até a Argentina e Uruguai. 1818) Nome popular: Caneleiro-preto Nome em inglês:White-winged Becard Tamanho: 14 – 15 cm. Habitat: Interior de florestas úmidas altas. florestas de terra firme e de várzea. matas secas.74 75 74. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 57 . áreas de cerrado denso e bordas de florestas. destacando a faixa branca na frente dos olhos. Características: Bico forte e negro. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de diversos invertebrados e também pequenas frutas. 1820) Nome popular: Cricrió Nome em inglês: Screaming Piha Tamanho: 24 – 28 cm. cerradões.As vezes em bordas de manguezais. É muito difícil de ser avistado. Habitat: Matas ciliares. nuca e uropígio cinza. de Pernambuco ao Espírito Santo. eventualmente de insetos.

campos.Voa em velocidade próximo a vegetação ou água. Nome científico: Progne tapera (Vieillot. Nidifica em vários tipos de ocos. 58 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . rios. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de grande quantidade de insetos. Habitat: Áreas abertas próximas a água. plantações. Uropígio e ventre brancos. reservatórios.Todo o Brasil. Características: Dorso verde azulado brilhante. Distribuição:América do Sul com exceção do Chile. 14 – 17 g. pastagens. áreas costeiras. Habitat: Áreas abertas e semi-abertas com arvores. Nome científico: Tachycineta albiventer (Boddaert. até em cidades. Empoleirandose em galhos logo acima da água.76 77 76. 77. assim como as coberteiras inferiores da cauda que se destacam em vôo. 1817) Nome popular:Andorinha-do-campo Nome em inglês: Brown-chested Martin Tamanho: 16 cm. 30 – 40 g. tais como manguezais. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de insetos. banhados. 1783) Nome popular:Andorinha-do-rio Nome em inglês:White-winged Swallow Tamanho: 14 cm.Todo o Brasil. Distribuição: América do Sul até a Argentina.Asas pretas. Forrageia sozinha ou em pequenos grupos. Características: Cabeça e dorso cor de fuligem.Vive em pares ou pequenos grupos. Garganta e abdômen brancos. lagos.

Distribuição:América do Sul.Vive aos pares. matas de galeria. clareiras em regeneração e manguezais. Características: Macho com parte inferior do bico branco-prateada. 25 g. Face pontilhada de marrom e branco. até Paraguai. peito canela claro. capoeiras baixas e jardins em áreas urbanas. Nome científico: Ramphocelus carbo (Pallas. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 59 . 18 – 21 g. Minas Gerais e Paraná. Capturam insetos na folhagem e nos galhos. 79 79. Brasil nas regiões norte. Partes superiores marrom-escuras e as inferiores marrom-avermelhadas. Brasil amazônico até São Paulo. Asas e cauda barrados de preto. beiras de rios. Características: Faixa superciliar branca. bordas de florestas. Barriga amarronzada. Garganta e peito vermelho-escuro. alimentando-se também de frutos. Habitat: Clareiras arbustivas. Dorso castanho. centro-oeste. procurando insetos em emaranhados de vegetação. Garganta branca. tornando-se escuro na barriga. Fêmea tem o bico ligeiramente esbranquiçado. Nome científico: Cantorchilus leucotis (Lafresnaye. Difícil de ser avistado.78 78. bordas de floresta. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de diversos invertebrados. 1764) Nome popular: Pipira-vermelha Nome em inglês: Silver-beaked Tanager Tamanho: 18 cm. Hábitos/comportamentos: Vive em pequenos grupos. freqüentemente próximo a água. 1845) Nome popular: Garrinchão-debarriga-vermelha Nome em inglês: Buff-breasted Wren Tamanho: 14 – 15 cm. Cabeça e dorso preto-aveludado. Distribuição: Sul da América Central e América do Sul. Habitat: Florestas secundárias. Faixa ocular marrom. nordeste e sudeste até o Paraná.

mais escuro no dorso. Características: Corpo todo cinza-azulado. 35 g. variando da borda da floresta e manchas de capoeiras até jardins de cidades. Partes superiores cinza-azulado. Brasil da costa do Amapá até São Paulo.80 80. Nome científico: Thraupis episcopus (Linnaeus. Habitat: Manguezais ao longo da costa. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de insetos que busca nas folhagens e em galhos.América Central e América do Sul amazônica. 11 g.Todo o Brasil amazônico. Face e ventre pardacento claro tingido de cinza. Distribuição:América do Sul ao longo da costa Atlântica e também nas margens de rios amazônicos. comendo também insetos na folhagem ou em vôo. Habitat: Comum tanto em locais úmidos quanto secos. principalmente nos estratos superior e médio. 1809) Nome popular: Figuinha-do-mangue Nome em inglês: Bicoulored Conebill Tamanho: 11 – 14 cm. 1766) Nome popular: Sanhaço-da-amazônia Nome em inglês: Blue-gray Tanager Tamanho: 16 – 18 cm. margens de rios e ilhas fluviais. árvores e arbustos em regiões agrícolas. Encontro das asas de cor azul cobalto a um branco azulado. Pernas rosa. 81. Nome científico: Conirostrum bicolor (Vieillot. Características: Íris laranja-avermelhada. 81 60 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de frutos. Distribuição: Sul da América do Norte. e margens do rio Amazonas e Madeira. Ocorre em pares ou pequenos grupos.Vive em grupos próximo a copa.

como campos sujos. 82 Nome científico: Sporophila americana (Gmelin. Fêmea é marrom-olivácea. 1789) Nome popular: Coleiro-do-norte Nome em inglês:Wing-barred Seedeater Tamanho: 11 cm. Macho preto nas partes superiores com uropígio cinzento a branco. com estreita faixa negra no papo formando uma coleira.América Central e América do Sul. Distribuição: Sul da América do Norte. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 61 . Equador.Ventre e pescoço branco. Hábitos/comportamentos:Vive aos pares ou em pequenos grupos. 11 g. Peru.82.Venezuela e Guianas. freqüentemente acompanhando outros pássaros que também se alimentam de sementes de gramíneas. Duas faixas brancas nas asas. localmente na Colômbia. Brasil no litoral norte e bacia do rio Amazonas. regiões agrícolas. mais clara nas partes inferiores. Características: Bico grosso e negro. Habitat: Áreas de gramíneas e arbustos. beiras de estradas e cidades.

exceto Chile e Uruguai.83 84 83. Dorso e ventre pretos brilhantes. Faz ninho agrupado em colônias. 1769) Nome popular: Japu Nome em inglês: Crested Oropendola Tamanho: 34 – 48 cm. florestas secas. Longa cauda amarela com par central de penas preta. 60 – 98 g. nos galhos em que haja a presença de formigueiros e de alguns vespeiros. florestas de galeria e cerrados. Habitat: Bordas de florestas. Características: Bico marfim a amarelo claro. Nome científico: Psarocolius decumanus (Pallas. Hábitos/comportamentos:Alimenta-se de frutos e néctar de flores e insetos que são capturados na vegetação. Em quase todo o Brasil. Nome científico: Cacicus cela (Linnaeus. instaladas em árvores baixas. solitário ou em pequenos grupos. Características: Bico branco-amarelado. Distribuição: Sul da América Central e América do Sul. 1758) Nome popular: Japim ou xexéu Nome em inglês:Yellow-rumped Cacique Tamanho: 23 – 29 cm. Hábitos/comportamentos:Vive em bandos. Dorso preto brilhante. Distribuição: Sul da América Central e América do Sul amazônica e localmente no litoral atlântico. Brasil amazônico e litoral nordeste. algumas vezes sobre a água. várzeas. Íris azul pálido. campos com árvores. Habitat: Florestas úmidas. de Pernambuco a Bahia. clareiras e áreas agrícolas com árvores altas espalhadas. alimentando-se de frutos e sementes.Vive na copa ou em suas proximidades. Barra negra na ponta da cauda. Uropígio e parte inferior do ventre avermelhada. Encontro das asas e uropígio amarelo que se estende até a cauda. 62 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . Faz ninhos grandes e compridos em forma de bolsa. Geralmente seus ninhos localizam-se próximos aos de outras espécies de japus 84. 155 – 360 g.

Lista de todas as espécies 7 do PNCO Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 63 .

8= Cerrado. 2 1. 9= Áreas abertas antropizadas. 4= Floresta secundária. CEO (2007) e CBRO (2007). 6.7 Lista de todas as espécies do PNCO A seguir são listadas todas as espécies de aves registradas no Parque Nacional do Cabo Orange. 1766) merguhão-pequeno AQ 10 aracuã-pequeno jacumirim jacutinga-de-garganta-azul mutum-poranga S. 1758) Anas discors Linnaeus. AQ= aquático. 1789) Crypturellus soui (Hermann. 4 2. 6. 1766) Dendrocygna autumnalis (Linnaeus. extrato de forrageamento e habitat segundo Stotz et al (1996). 10= Lagos. 7 10.A ordem taxonômica segue CBRO (2007). 3 1 irerê asa-branca pato-do-mato marreca-de-asa-azul paturi-preta T. nomes populares a partir de Novaes (1974. D D D T 4. 7 6. 1766 Podicipedidae Tachybaptus dominicus (Linnaeus. Espécie Nome popular Extrato de forrageamento Habitat Tinamidae Crypturellus cinereus (Gmelin. 6= Manguezal. 7 10. 7= Campos herbáceos inundáveis. 1766 Netta erythrophthalma (Wied. S= subbosque. 1783) Crypturellus variegatus (Gmelin. 1766) Anatidae Dendrocygna viduata (Linnaeus. 1758) Cairina moschata (Linnaeus. 10. Extrato de forrageamento: T= terrestre. A= aéreo. 1978). 2= Mata ripária (margem de rios). 1766) Penelope marail (Statius Muller. 1776) Aburria cumanensis (Jacquin. 1789) Anhimidae Anhima cornuta (Linnaeus. 1784) Crax alector Linnaeus. 1832) Cracidae Ortalis motmot (Linnaeus.AQ T. 5= Mata de Restinga. Hábitat: 1= Floresta de terra firme. 3= Floresta de várzea. 6. 11= Marinho. 1. D= dossel. bordas e clareiras florestais. rios e riachos. M= médio. 9 1 64 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . 7 10 anhuma AQ 10 inhambu-preto tururim inhambu-anhangá T T T 3 4.AQ AQ A AQ 10.

AQ T. 3 3. 4 4.AQ T. 7.AQ T S T. 7.AQ 7. A 6 9. 1758) Ardea cocoi Linnaeus. 1782) Egretta caerulea (Linnaeus. 1758) Bubulcus ibis (Linnaeus. 1819) Mycteria americana Linnaeus.AQ T T AQ 6.AQ T. 8. 7. 6 10. 1776) Egretta thula (Molina. A maguari tuiuiú cabeça-seca T T. 1766) Fregatidae Fregata magnificens Mathews. 10 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 65 . A T. 1758) Butorides striata (Linnaeus. 1758) Cathartes burrovianus Cassin. 8. 10 3. 7. 9 6. 6 9 10. 1758) Nyctanassa violacea (Linnaeus. 1758) Threskiornithidae Eudocimus ruber (Linnaeus. 1789) Anhingidae Anhinga anhinga (Linnaeus. 1783) Egretta tricolor (Statius Muller. 1789) Theristicus caudatus (Boddaert. 1758 Pilherodius pileatus (Boddaert. 7. 7.Espécie Nome popular Extrato de forrageamento Habitat Phalacrocoracidae Phalacrocorax brasilianus (Gmelin.AQ T. 4. 1758 Phoenicopteridae Phoenicopterus ruber Linnaeus. 1783) Agamia agami (Gmelin. 7 urubu-de-cabeça-vermelha T. 1758 Cathartes aura (Linnaeus. 6 10. 10 10 10. 11 biguatinga AQ 10 biguá AQ 6. 6 guará coró-coró curicaca colhereiro T. 10 6. 1766 Ardea alba Linnaeus. 1789) Nycticorax nycticorax (Linnaeus. 2. 1758 Ciconiidae Ciconia maguari (Gmelin. 7. 7. 2. 1758) flamingo urubu-de-cabeça-amarela urubu-de-cabeça-preta urubu-rei AQ T. 1789) Ixobrychus exilis (Gmelin. 6 10. 10 10. A T. 1914 Ardeidae Tigrisoma lineatum (Boddaert.AQ T. 1758) Mesembrinibis cayennensis (Gmelin.AQ T. 1845 Coragyps atratus (Bechstein. A 6. 7. 1793) Sarcoramphus papa (Linnaeus. 6 tesourão AQ. 7. 2. 10. 7 1. 10 7. 10 10.AQ T. 1783) Platalea ajaja Linnaeus.AQ T T. 1789) Jabiru mycteria (Lichtenstein.AQ 10. 6 10 6. 9 9. 6 6. 10 socó-boi garça-da-mata socoí-vermelho savacu savacu-de-coroa socozinho garça-vaqueira garça-moura garça-branca-grande garça-real garça-tricolor garça-branca-pequena garça-azul T. 7.AQ T.

1758) Accipitridae Elanoides forficatus (Linnaeus. 4. 1816 Buteo nitidus (Latham. 7. 7 gavião-tesoura gavião-ripina sovi gavião-azul caranguejeiro gavião-preto gavião-caboclo gavião-belo gavião-carijó gavião-de-rabo-branco gavião-pedrês gavião-de-cauda-curta D. 1800 Falco peregrinus Tunstall. A T. 2. D T T. 6 8.Espécie Nome popular Extrato de forrageamento Habitat Pandionidae Pandion haliaetus (Linnaeus. 1788) Heterospizias meridionalis (Latham. 1 1. 6 acauã cauré falcão-peregrino D D. M T. 6 9 10 T 1 carão T 10. 3. 1851) Buteogallus aequinoctialis (Gmelin. A D D. 1783) Heliornithidae Heliornis fulica (Boddaert. D T. 1776) Laterallus viridis (Statius Muller. 1790) Rupornis magnirostris (Gmelin. D T. 9 2. 4 8. 9 6. 2. 9 6. 10. 4 1. 1783) picaparra AQ 10 saracura-três-potes sanã-castanha sanã-amarela T T T 3. 9. A 1 1. 2 1. 7. 2 6. A S. D D T D D. 1776) Porzana flaviventer (Boddaert. D T. 4. 3. 1816 Falconidae Daptrius ater Vieillot. 1758) Harpagus bidentatus (Latham. 2 águia-pescadora AQ 10. 1816) Herpetotheres cachinnans (Linnaeus. 1788) Leucopternis schistaceus (Sundevall. 7. 3. 7. 6 66 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . 4 1. 1790) Ictinia plumbea (Gmelin. 1790) Buteo brachyurus Vieillot. 2. A 4. 1766) Psophidae Psophia crepitans Linnaeus. 6 3 6. 3. 2. 1788) Buteogallus urubitinga (Gmelin. 1777) Milvago chimachima (Vieillot. 1788) Buteo albicaudatus Vieillot. 1758 jacamim-decostas-cinzentas Rallidae Aramides cajanea (Statius Muller. 9 8. 4. 1790) Busarellus nigricollis (Latham. 1816 Caracara plancus (Miller. 2. D 2. 9 gavião-de-anta caracará carrapateiro T. 6. 1758) Falco rufigularis Daudin. 1771 Aramidae Aramus guarauna (Linnaeus.

1789) Tringa solitaria Wilson. 1776) pernilongo-decostas-negras Scolopacidae Numenius phaeopus (Linnaeus. 10 6 6. 1764) Calidris pusilla (Linnaeus. 1781) Charadriidae Vanellus chilensis (Molina. 1814 Charadrius collaris Vieillot. 6 quero-quero batuiruçu-de-axila-preta batuíra-bicuda batuíra-de-coleira T T T T T 7. 10 10. 1825 batuíra-de-bando Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 67 . 10 Charadrius semipalmatus Bonaparte. 1818) Sternidae Sternula superciliaris (Vieillot. 1758) Calidris alba (Pallas. 1758) Calidris canutus (Linnaeus. 10 6. 1819) Phaetusa simplex (Gmelin. 1758) Tringa melanoleuca (Gmelin. 10 6. 1818 Recurvirostridae Himantopus mexicanus (Statius Muller. 9 6 6. 6 gaivota-alegre T.AQ 6. 1813 Actitis macularius (Linnaeus. 1782) Pluvialis squatarola (Linnaeus.AQ 10. 7. 1789) Tringa flavipes (Gmelin. 10 6 maçarico-de-perna-amarela T T 6 T 10. 1789) trinta-réis-anão trinta-réis-grande AQ AQ 10. 1758) Charadrius wilsonia Ord. 6 T T T T 6. 1766) Arenaria interpres (Linnaeus. 7. 11 jaçanã T 10 maçarico-galego maçarico-grande-deperna-amarela maçarico-solitário maçarico-pintado vira-pedras maçarico-de-papovermelho maçarico-branco maçarico-rasteirinho maçariquinho T T T T 6 6 6. 1766) Laridae Larus atricilla Linnaeus. 11 10 gaivota-de-cabeça-cinza T. 1766) Calidris minutilla (Vieillot. 7. 1819) Jacanidae Jacana jacana (Linnaeus. 1758 Chroicocephalus cirrocephalus (Vieillot.Espécie Nome popular Extrato de forrageamento Habitat Eurypygidae Eurypyga helias (Pallas. 10 pavãozinho-do-pará T 3. 10 6. 7.

1. 1788) Pionites melanocephalus (Linnaeus. 10 periquito-de-asa-branca periquito-de-asa-dourada apuim-de-costas-azuis marianinha-decabeça-preta maitaca-de-cabeça-azul maitaca-roxa papagaio-campeiro curica papagaio-moleiro anacã D D D D D D D 1. 3 periquitão-maracanã periquito-rei tiriba-de-testa-azul tuim-de-bico-escuro D D D D 2. 1758 Columbidae Columbina passerina (Linnaeus. 1776) Forpus modestus (Cabanis. 3. 3. 1818) Patagioenas subvinacea (Lawrence. 4 1 3. 1766) Pionus fuscus (Statius Muller. 1776) cigana S. 4. 1792) Patagioenas plumbea (Vieillot. S 2. 4 1. 9 8. 4 pomba-galega pomba-amargosa pomba-botafogo juriti-pupu D D D T. 4. 1758) Columbina talpacoti (Temminck. 1789) Patagioenas cayennensis (Bonnaterre. 1758) Opisthocomidae Opisthocomus hoazin (Statius Muller. 2. 1758) Ara chloropterus Gray. 1. 1788) Amazona amazonica (Linnaeus. 1 1 2. 1776) Amazona ochrocephala (Gmelin. 1776) Brotogeris chrysoptera (Linnaeus. 4 1. 4 1. 1. 4. 3 2. 9 rolinha-cinzenta rolinha-roxa pomba-trocal T T D 8. 3. 3 2. 5. 8 1 1. 1848) Brotogeris versicolurus (Statius Muller. 4 7. 3 arara-canindé arara-vermelha-grande maracanã-guaçu maracanã-do-buriti D D D D D 2. 2. 1766) Amazona farinosa (Boddaert. 8 1. 6 68 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . 1790) arara-azul-grande Ara ararauna (Linnaeus. 1776) Aratinga aurea (Gmelin. 8. 4 2 juriti-gemedeira pariri T T 1. 9 1. 1792) Geotrygon montana (Linnaeus. 4 1 1. 8 talha-mar AQ 10. 2. 1868) Leptotila verreauxi Bonaparte. 1788) Pyrrhura picta (Statius Muller. 1758) Psittacidae Anodorhynchus hyacinthinus (Latham. 4. 1859 Ara severus (Linnaeus. 2. 1758) Orthopsittaca manilata (Boddaert. 3 1. 1783) Aratinga leucophthalma (Statius Muller. 2 D D D 2. 1766) Touit purpuratus (Gmelin. 4. 8 1. 1783) Deroptyus accipitrinus (Linnaeus.Espécie Nome popular Extrato de forrageamento Habitat Rynchopidae Rynchops niger Linnaeus. 1811) Patagioenas speciosa (Gmelin. 1758) Pionus menstruus (Linnaeus. 1855 Leptotila rufaxilla (Richard & Bernard. 1 3. 2. D 2.

1789 Caprimulgus maculicaudus (Lawrence.Espécie Nome popular Extrato de forrageamento Habitat Cuculidae Piaya cayana (Linnaeus. 2. 7. 4. 1766 surucuá-grande-debarriga-amarela D 1 rabo-branco-rubro rabo-branco-de-bigodes beija-flor-azul-derabo-branco beija-flor-vermelho esmeralda-de-cauda-azul beija-flor-de-bico-curvo beija-flor-debanda-branca S. 1 2. 1818) Trogonidae Trogon viridis Linnaeus. D 4. 8. 1758) Chlorestes notata (Reich. 8. 1758) Chrysolampis mosquitus (Linnaeus. M S 4. D D S. 1. 1789) tesourinha andorinhão-estofador A A 2. 5. 1789) Caprimulgidae Nyctidromus albicollis (Gmelin. 1788 Crotophaga ani Linnaeus. 1990 Nyctibiidae Nyctibius griseus (Gmelin. 1853) Panyptila cayennensis (Gmelin. 1793) Chlorostilbon mellisugus (Linnaeus. 8 9. 6 M. 2 7. 3. 1789) Caprimulgus cayennensis Gmelin. 7. 9 bacurau bacurau-de-cauda-branca T T 4. D Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 69 . 3. D T. 4 Trochilidae Phaethornis ruber (Linnaeus. 8 S S 1. 1862) bacurau-de-rabo-maculado T 8. 1764) Amazilia versicolor (Vieillot. D 1 coruja-da-igreja D 9 Apodidae Tachornis squamata (Cassin. 1817) Crotophaga major Gmelin. 9 3. 2. 7. 4 1. D T. S 1. 9. 6. 8 caburé-da-amazônia M. 7 Tytonidae Tyto alba (Scopoli. 1769) Strigidae Glaucidium hardyi Vielliard. 3. 2. 1766) Coccycua minuta (Vieillot. 3 4. M T. 1758) Phaethornis superciliosus (Linnaeus. 2. 1758 Tapera naevia (Linnaeus. 9 4. 9 mãe-da-lua D 4. 9 1. 1766) alma-de-gato chincoã-pequeno anu-coroca anu-preto saci D S. 3 beija-flor-de-garganta-azul S. 1766) Florisuga mellivora (Linnaeus. 8 4. 1758) Polytmus guainumbi (Pallas. 7 6. 2.

4. D 4 70 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . 2 4. 1758 Ramphastos vitellinus Lichtenstein. 3. 3 1 1 1 1. 1788 Trogon melanurus Swainson. 8 capitão-de-bigode-carijó M. 1790) Chloroceryle americana (Gmelin. 1766) Pteroglossus aracari (Linnaeus. M S S S 10.Espécie Nome popular surucuá-pequeno Extrato de forrageamento D D Habitat Trogon violaceus Gmelin. 4 1. M 1. 1783) Chelidoptera tenebrosa (Pallas. 2 rapazinho-carijó barbudo-pardo chora-chuvade-asa-branca urubuzinho D S M. 1764) Momotidae Momotus momota (Linnaeus. 1776 Ramphastos tucanus Linnaeus. 1776) Ramphastidae Ramphastos toco Statius Muller. D S. 6 10. 4 pica-pau-anão-depintas-amarelas M. 2. 1766) Chloroceryle aenea (Pallas. 1788) Chloroceryle inda (Linnaeus. 3. 1790 Galbula galbula (Linnaeus. 1817 Galbula dea (Linnaeus. 3 1. 1788) Monasa atra (Boddaert. 3 tucanuçu tucano-grande-depapo-branco tucano-de-bico-preto araçari-negro araçari-miudinho araçari-de-bico-branco D D D D D D 7. 2. 4 1. 4 1. 1838 Alcedinidae Ceryle torquatus (Linnaeus. 8 5. 2. 2 surucuá-de-cauda-preta martim-pescador-grande martim-pescador-verde martim-pescador-pequeno martim-pescador-da-mata martinho S. 1766) Pteroglossus viridis (Linnaeus. 3 ariramba-de-bico-amarelo ariramba-de-cauda-verde ariramba-bronzeada ariramba-do-paraíso M M D D 1. 1823 Selenidera piperivora (Linnaeus. 6 10. D D 3. 1782) Capitonidae Capito niger (Statius Muller. 4. 2. 6 udu-de-coroa-azul S. 4 1. 1758) Bucconidae Bucco tamatia Gmelin. 1766) Galbulidae Galbula albirostris Latham. D 1. 3 4. 1766) Galbula leucogastra Vieillot. 1758) Picidae Picumnus exilis (Lichtenstein. 6 10. 1766) Chloroceryle amazona (Latham. 6 10. 1823) 1. 1788 Malacoptila fusca (Gmelin.

1783) papa-formiga-pardo M. 3. M S. 1820) uirapuru-degarganta-preta ipecuá Myrmotherula brachyura (Hermann. 7 4 2. 3 3. 6 1. 2. 2 1. 4. 1788) pica-pau-detopete-vermelho Thamnophilidae Cymbilaimus lineatus (Leach. 1783) D D D D M. 1862) Piculus flavigula (Boddaert. 1764) Thamnophilus nigrocinereus Sclater. 1783) Celeus undatus (Linnaeus. 4 1. 3 M 1. M 1 4. 3. 4 2. 4 4 1 choca-murina choca-bate-cabo choca-canela M S. 1766) Campephilus rubricollis (Boddaert. 1858 Thamnomanes ardesiacus (Sclater & Salvin. 2 1 2. 4 4. 1809) Thamnophilus amazonicus Sclater. 1788) choquinha-estriada Myrmotherula guttata (Vieillot. 5. 3 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 71 . D D D D M D 2. 1766) Celeus elegans (Statius Muller. 1814) Taraba major (Vieillot. 2 papa-formiga-barrado choró-boi choca-barrada choca-preta-e-cinza D S M S. M S. 3. 1825) Myrmotherula axillaris (Vieillot. 6 picapauzinho-anão pica-pau-bufador pica-pau-dourado-escuro pica-pau-depeito-pontilhado pica-pau-barrado pica-pau-chocolate pica-pau-amarelo pica-pau-de-coleira pica-pau-de-banda-branca pica-pau-debarriga-vermelha pica-pau-de-colar-dourado D Campephilus melanoleucos (Gmelin. M D S. 3 1. 1818) Colaptes punctigula (Boddaert. 4 2. M 1 4. M S 1. M 1. 1817) Myrmotherula longipennis Pelzeln. 1776) Celeus torquatus (Boddaert. 5 S. 1837)choquinha-degarganta-cinza Formicivora grisea (Boddaert. 2. 2. 1776) Celeus flavus (Statius Muller. 1766) Veniliornis cassini (Malherbe. 1783) Dryocopus lineatus (Linnaeus. 1816) Thamnophilus doliatus (Linnaeus. D D M.Espécie Nome popular benedito-detesta-vermelha Extrato de forrageamento Habitat Melanerpes cruentatus (Boddaert. 4. 1783) Veniliornis passerinus (Linnaeus. 3 3. 4. 1855 Thamnophilus murinus (Sclater & Salvin. 1868 choquinha-de-barriga-ruiva choquinha-deflanco-branco choquinha-deasa-comprida Myrmotherula menetriesii (d’Orbigny. 1783) Piculus chrysochloros (Vieillot. 2 3. 1783) choquinha-miúda Myrmotherula surinamensis (Gmelin. 3 1. 1867) Thamnomanes caesius (Temminck. 1868) Thamnophilus punctatus (Shaw. 2. 4. 8. D S. M 4 4. 4 S. 4 1 1.

1783) Hylophylax naevius (Gmelin. 1818) Dendrocolaptes certhia (Boddaert. 1788) Percnostola rufifrons (Gmelin. 1857) solta-asa-do-norte Myrmeciza ferruginea (Statius Muller. 7 1 1 1. 4 3. 1 1 1 1 4. 1783) Hylopezus macularius (Temminck. 1837) pinto-do-mato-decara-preta Scleruridae Sclerurus rufigularis Pelzeln. 1776) formigueiro-ferrugem Myrmeciza atrothorax (Boddaert. S T S S S S Habitat Cercomacra cinerascens (Sclater. 7 3. M arapaçu-de-bico-comprido M. 4 arapaçu-de-bico-de-cunha S. 8. 1868) Glyphorynchus spirurus (Vieillot. M S T S T. 1783) Dendrocolaptes picumnus (Lichtenstein. 1857) Myrmoborus leucophrys (Tschudi. 2 4. 1789) Hylophylax poecilinotus (Cabanis. 1868 Dendrocolaptidae Dendrocincla fuliginosa (Vieillot. 1847) Grallariidae Grallaria varia (Boddaert.Espécie Nome popular chororó-pocuá papa-formigade-sobrancelha Extrato de forrageamento D S S. 1789) Schistocichla leucostigma (Pelzeln. 1783) Sclateria naevia (Gmelin. 3 papa-formiga-cantador papa-formiga-do-igarapé formigueiro-decabeça-preta formigueiro-deasa-pintada Hypocnemoides melanopogon (Sclater. 4 T 1 T 1. 1820) arapaçu-meio-barrado arapaçu-pardo arapaçu-degarganta-pintada vira-folha-de-bico-curto galinha-do-mato tovaca-patinho tovacuçu torom-carijó papa-formiga-de-topete mãe-de-taoca-degarganta-vermelha guarda-floresta rendadinho formigueiro-de-peito-preto S T T T 1 1 1. 1818) Deconychura stictolaema (Pelzeln. D arapaçu-barrado S. 1868) 1. 3 T 1 S. 3 4. 3 1. 2. 1783 Formicarius analis (d’Orbigny & Lafresnaye. 1844) Hypocnemis cantator (Boddaert. 1819) Nasica longirostris (Vieillot. 2 3. 1783) Formicariidae Formicarius colma Boddaert. 1783) Pithys albifrons (Linnaeus. 2. 2 1 1. 1766) Gymnopithys rufigula (Boddaert. M M 1 1 1. 1823) Myrmothera campanisona (Hermann. M M 72 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange .

M M D D D D D M D D D S. SF limpa-folha-de-sobre-ruivo M abre-asa-da-mata maria-fiteira maria-de-olho-branco maria-pechim guaracava-debarriga-amarela guaracava-detopete-uniforme chibum guaracava-detopete-vermelho poiaeiro-de-sobrancelha risadinha bagageiro marianinha-amarela bico-chato-amarelo maria-leque S. 1818) Xiphorhynchus obsoletus (Lichtenstein. 9 2. 1825) Capsiempis flaveola (Lichtenstein. 3. 4 1 uí-pi joão-teneném-becuá limpa-folha-vermelho barranqueiro-camurça S S M S 8. 1853 Camptostoma obsoletum (Temminck. M S. 1868 Elaenia chiriquensis Lawrence. 3. 1823 Synallaxis gujanensis (Gmelin. 1831) Onychorhynchus coronatus (Statius Muller. 1 1. 7. 1865 Elaenia ruficeps Pelzeln. 1839) Elaenia flavogaster (Thunberg. 2. 1783) Hemitriccus zosterops (Pelzeln. 2. 5 2. 7. 1868 Ornithion inerme Hartlaub. 5 S. 2. 5. 1859) Philydor pyrrhodes (Cabanis. 6 1. 1919) Lophotriccus vitiosus (Bangs & Penard. 1823) Tolmomyias flaviventris (Wied. 3 4. D Todirostrum maculatum (Desmarest. 6 4. 9 1 1. 5 8. M S. 1824) Phaeomyias murina (Spix. 2. 9 8. 1776) arapaçu-de-bico-branco arapaçu-assobiador arapaçu-riscado arapaçu-degarganta-amarela arapaçu-de-bico-curvo 6. 1789) Philydor erythrocercum (Pelzeln. 4 4. 4 1 3. 1806) ferreirinho-estriado Zimmerius gracilipes (Sclater & Salvin. M D 1 1. 9. D S. 1850) Furnariidae Synallaxis albescens Temminck. 3 1. 1820) Xiphorhynchus guttatus (Lichtenstein. 2 caga-sebinho-de-penacho M. 2. 4 4. 1848) Automolus ochrolaemus (Tschudi. 2. 4. 1921) Lophotriccus galeatus (Boddaert. M Habitat Xiphorhynchus picus (Gmelin. 1788) Xiphorhynchus pardalotus (Vieillot. 1. 3 4. M 1. 1868) Myiopagis gaimardii (d’Orbigny. 7. 1822) Elaenia cristata Pelzeln. 3. 4. 9 5. 1868) poiaeiro-de-pata-fina M 1 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 73 . 5. 1820) Campylorhamphus procurvoides (Lafresnaye.Espécie Nome popular Extrato de forrageamento M S. 2 1. 1844) Tyrannidae Mionectes macconnelli (Chubb. 9 8. 2 4.

Espécie Nome popular assanhadinho maria-da-praia lavadeira-do-norte bem-te-vi-pirata bentevizinho-deasa-ferrugínea Extrato de forrageamento S. 6. 7. 1823) Rhytipterna immunda (Sclater & Salvin. 9. 4. 1825) Tyrannus albogularis Burmeister. 1 1. 8. 9 4. 6 10. 7 4. 8 2. D S D M. 1808 Rhytipterna simplex (Lichtenstein. 1776) Megarynchus pitangua (Linnaeus. 2. 1 1 D1 Perissocephalus tricolor (Statius Muller. S T T. 1766) Xenopipo atronitens Cabanis. 1776) Pipridae Lepidothrix serena (Linnaeus. 1766) Manacus manacus (Linnaeus. M S S. M T. 7. M S S 1 4. SF 3. 2. 7. 3 5. 8. D M. 1766) Myiozetetes similis (Spix. 1764) freirinha bentevizinho-depenacho-vermelho bem-te-vi-barulhento bem-te-vi bentevizinho-do-brejo bem-te-vi-da-copa bem-te-vi-rajado neinei suiriri-de-garganta-rajada suiriri-de-garganta-branca suiriri tesourinha vissiá vissiá-cantor maria-cavaleira bico-chato-derabo-vermelho tinguaçu-ferrugem capitão-de-saíra-amarelo cricrió anambé-pombo anambé-uma M. 7 4. 2. 7. 1789) Ramphotrigon ruficauda (Spix. D M D M. 1766) Philohydor lictor (Lichtenstein. 8. 9 4. 1823) Conopias parvus (Pelzeln. 1818) Myiozetetes cayanensis (Linnaeus. 4 Arundinicola leucocephala (Linnaeus. 1825) Attila cinnamomeus (Gmelin. 1783) Legatus leucophaius (Vieillot. 1766) Chiroxiphia pareola (Linnaeus. 3 3 1. 6 1 4. 6 10. D D D maú 1 3. 2. D Habitat Myiobius barbatus (Gmelin. D D T. 1789) Attila spadiceus (Gmelin. 8 1. 3 4. 6 4. 1847 Dixiphia pipra (Linnaeus. 1789) Cotingidae Lipaugus vociferans (Wied. 2. 1868) Fluvicola pica (Boddaert. 1758) uirapuru-estrela rendeira tangará-falso pretinho cabeça-branca S. 1819 Tyrannus savanaVieillot. 2. 1873) Myiarchus ferox (Gmelin. D S. 1856 Tyrannus melancholicus Vieillot. 1766) Tyrannopsis sulphurea (Spix. 1758) Querula purpurata (Statius Muller. 1825) Myiozetetes luteiventris (Sclater. 9. 1868) Myiodynastes maculatus (Statius Muller. 9 3 2. 3 6 10. 2. 2. 1858) Pitangus sulphuratus (Linnaeus. 5 1. 1776) 1. D D D M. D D D D D D M. 1789) Ochthornis littoralis (Pelzeln. 9 8. 1820) Gymnoderus foetidus (Linnaeus. 5 1 74 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . 2. 9 1.

1783) Progne tapera (Vieillot. 1789) Atticora fasciata (Gmelin. 6 9. M S. 4 1 1. 1817) Hirundo rustica Linnaeus. 6. 2. 1789) Vireolanius leucotis (Swainson. 1867) Hylophilus muscicapinus (Sclater & Salvin. 7 1. 4 9 corruíra T. 2 4. 1853) Stelgidopteryx ruficollis (Vieillot. D D D D D D D D 1. 4 1. 1823) Tityra cayana (Linnaeus. 1758 Troglodytidae Troglodytes musculus Naumann. 1 1. 1823 3. 1830) Vireonidae Cyclarhis gujanensis (Gmelin. 8 9 10 4 10. 1818) Pachyramphus minor (Lesson. 1817) Tityra inquisitor (Lichtenstein. 1758) Pipra erythrocephala (Linnaeus. 2. 1758) Tityridae Schiffornis turdina (Wied. 1873) Corvidae Cyanocorax cayanus (Linnaeus. 4. 2 1 3. 4 1 Pachyramphus marginatus(Lichtenstein. S 9. 4. 4 1 gralha-da-guiana D 5. 5. 8 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 75 . 4 flautim-marrom chorona-cinza anambé-branco-debochecha-parda anambé-branco-derabo-preto anambé-branco-demáscara-negra caneleiro-cinzento caneleiro-preto caneleiro-pequeno S M. 1766) Hirundinidae Tachycineta albiventer (Boddaert. 1825) Pachyramphus rufus (Boddaert. M Habitat Pipra aureola (Linnaeus. 9. 6.Espécie Nome popular uirapuru-vermelho cabeça-de-ouro Extrato de forrageamento S. 1838) Hylophilus semicinereus (Sclater & Salvin. 1823) caneleiro-bordado pitiguari assobiador-do-castanhal verdinho-da-várzea vite-vite-camurça M. 1766) Tityra semifasciata (Spix. 1789) Neochelidon tibialis (Cassin. 1783) Pachyramphus polychopterus (Vieillot. 4 andorinha-do-rio andorinha-do-campo andorinha-domésticagrande peitoril calcinha-branca andorinha-serradora andorinha-de-bando A A A A A A A 10. D D D D 4. 3. 9 4. 1831) Laniocera hypopyrra (Vieillot. 4 2. 1817) Progne chalybea (Gmelin.

3. 1766) Polioptilidae Ramphocaenus melanurus Vieillot.Espécie Nome popular garrinchão-coraia garrinchão-debarriga-vermelha Extrato de forrageamento S S S Habitat Cantorchilus coraya (Gmelin. 1848 Turdus albicollis Vieillot. D 1 4. 1758) Thraupidae Schistochlamys melanopis (Latham. M S. 1766) Tachyphonus rufus (Boddaert. 7 bico-assovelado balança-rabo-dechapéu-preto S. 2. 5 cambacica D 4. 1823) Coerebidae Coereba flaveola (Linnaeus. 4. 1847) Donacobiidae Donacobius atricapilla (Linnaeus. 1 2. 1818 Mimidae Mimus saturninus (Lichtenstein. 1832) Tangara punctata (Linnaeus. 9 1. 3. 1819 Polioptila plumbea (Gmelin. 9 4. 2. M 4. 1789) Cantorchilus leucotis Lafresnaye. 1766) Cyanerpes caeruleus (Linnaeus. 8. 9 4. 3. 8 Turdidae Turdus leucomelas Vieillot. 1766) Dacnis cayana (Linnaeus. 4 1. 6 1 uirapuru-de-peito-branco japacanim S 10. 9. 2. D T. 3. D D 2. 1823 Turdus nudigenis Lafresnaye. 4 1. 3. 9 4. 1818 Turdus fumigatus Lichtenstein. 1. 1783) Ramphocelus carbo (Pallas. D D D D D D D D D S. 9 3. 1764) Thraupis episcopus (Linnaeus. 1845 Henicorhina leucosticta (Cabanis. 1818) Conirostrum bicolor (Vieillot. 4 6 S. 8. 6 sabiá-barranco sabiá-da-mata caraxué sabiá-coleira T. 2. 3. 1766) Thraupis palmarum (Wied. D 4 4. M S. 8. 2. 4 4. 4 1 1. D S. 1809) sanhaçu-de-coleira tiê-galo tem-tem-detopete-ferrugíneo pipira-preta pipira-vermelha sanhaçu-da-amazônia sanhaçu-do-coqueiro saíra-de-bando sete-cores-da-amazônia saíra-negaça saí-azul saí-de-perna-amarela saíra-galega figuinha-do-mangue S. 2. 4 76 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . 8. 1766) Tachyphonus surinamus (Linnaeus. 1823) Tangara mexicana (Linnaeus. 1. 1766) Tangara chilensis (Vigors. 5 1. M T. 8 sabiá-do-campo D 8. 1790) Tachyphonus cristatus (Linnaeus. 2. 5. 1788) 1. 3. 4 1. M S. 5 3. 1758) Hemithraupis flavicollis (Vieillot. 2.

1766) Saltator maximus (Statius Muller. 3. 4 1. D T T. 1766) Phaeothlypis rivularis (Wied. M 9. M T T. 9 mariquita-amarela pula-pula-ribeirinho D T 6 2 bico-encarnado tempera-viola sabiá-gongá azulão-da-amazônia M. 1821) Icteridae Psarocolius viridis (Statius Muller. 8. 4. 1817 Cyanocompsa cyanoides (Lafresnaye. 4 1. 4. 8. 1783) Paroaria gularis (Linnaeus. 2 1. 1830) Sporophila americana (Gmelin. 3. 2. 9 9 7. 9 9. 1788) Molothrus bonariensis (Gmelin. 9 4. 2. 1766) Euphonia violacea (Linnaeus. 4 japu-verde japu guaxe xexéu encontro joão-pinto-amarelo iraúna-grande vira-bosta polícia-inglesa-do-norte D D M.Espécie Nome popular Extrato de forrageamento Habitat Emberizidae Zonotrichia capensis (Statius Muller. 3. 7. 1766) Arremon taciturnus (Hermann. D M. 1789) Sturnella militaris (Linnaeus. 1766) Icterus nigrogularis (Hahn. 1766) Cacicus cela (Linnaeus. 1817) Volatinia jacarina (Linnaeus. 3 1. S T S T. 1766) Cardinalidae Saltator grossus (Linnaeus. 1776) Saltator coerulescens Vieillot. 9 4. 9 1. 1758) Fringillidae Euphonia chlorotica (Linnaeus. D M. 1847) Parulidae Dendroica petechia (Linnaeus. 9. 2. 2. 4 tico-tico-do-campo canário-do-campo tiziu patativa coleiro-do-norte caboclinho-lindo curió tico-tico-de-bico-preto cardeal-da-amazônia T. 4 Chrysomus icterocephalus (Linnaeus. 1792) Emberizoides herbicola (Vieillot. 1776) Psarocolius decumanus (Pallas. 2 9. 4. 1819) Molothrus oryzivorus (Gmelin. 6 9. 2. 3. 1758) Icterus cayanensis (Linnaeus. D S 1. 1849 fim-fim gaturamo-verdadeiro D D 2. S 1 1. 6 1. 1766) iratauá-pequeno gaturamo-de-barriga-branca D Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 77 . 8. 1766) Sporophila plumbea (Wied. 4 2. 1758) Sporophila angolensis (Linnaeus. 1758) Euphonia minuta Cabanis. 4 7. 2 7. 1776) tico-tico Ammodramus humeralis (Bosc. 9 7. 8 4. 7. M S S. 9. 1789) Sporophila minuta (Linnaeus. 4 4. 8 8. 8 7. S S S. 1769) Cacicus haemorrhous (Linnaeus. 8. 4 1. D M. 4. D D D S T. 8.

(eds) (2002) Handbook of the birds of the world. (eds) (1992) Handbook of the birds of the world. J. Barcelona: Lynx Edicions. Jacamars to Woodpeckers. Barcelona: Lynx Edicions del Hoyo.. Vol. Barcelona: Lynx Edicions. A. 7. A. Barcelona: Lynx Edicions. del Hoyo. & Sargatal. Hoatzin to Auks. J. Elliott. (eds) (1994) Handbook of the birds of the world.Vol. & Sargatal. A.ceo. & Sargatal. Barcelona: Lynx Edicions. (eds) (1996) Handbook of the birds of the world. A. 2. Barn-owls to Hummingbirds.htm> Acesso em: (01/02/2008). J. del Hoyo. Elliott. J.br/nompop/litasnompop.br> Acesso em: (01/02/2008). J.CBRO . Elliott. Mousebirds to Hornbills. Vol. Disponível em < http://www. Vol. A. Ostrich to Ducks. del Hoyo. Barcelona: Lynx Edicions. & Sargatal. J. A. Elliott. del Hoyo.. New world Vultures to Guineafowl. 78 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . 4. Versão 18/02/2007.Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos (2007) Listas das aves do Brasil.cbro. A. del Hoyo.. (eds) (2001) Handbook of the birds of the world.Vol. del Hoyo. 3. J.. Disponível em <http:// www.. Elliott. J. Barcelona: Lynx Edicions. Sandgrouse to Cuckoos. 5. Vol. 1. & Sargatal.. J. J. J. J. Elliott.. & Sargatal. Vol. CEO – Centro de Estudos Ornitológicos (2007) Listas dos nomes populares das aves do Brasil. (eds) (1997) Handbook of the birds of the world. Elliott. & Sargatal. 6.org. J. J.org. Versão 16/08/2007. (eds) (1999) Handbook of the birds of the world.

Parker III. Sick. & Sargatal. T..A. Novaes. D. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. D. Austin: University of Texas. S. Publicações Avulsas n. Fitzpatrick. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira. Meyer de Schauensee. Barcelona: Lynx Edicions. 29. (1989) The birds of South América. Eletronorte (2000) Brasil 500 pássaros. J. W. F. R.. Princeton: Princeton University Press.W. G. & Sargatal. J.F. (1974) Ornitologia do Território do Amapá I.C. F. The oscine passerines.. J. 25. & Tudor. Novaes. Stotz. & Tudor. (1996) Neotropical birds: ecology and conservation..Vol. J. 9. Broadbills to Tapaculos. R. J. J. (1997) Ornitologia brasileira.T. Elliott. 8. The suboscine passerines. Vol. A. Cuckoo-shrikes to Thrushes. Austin: University of Texas. & Sargatal. São Paulo: Fosfértil. Brasília: Eletronorte. G. (1978) A guide to the birds of Venezuela. (eds) (2004) Handbook of the birds of the world.K. (2006).C. (1994) The birds of South América. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi. Vol. & Moskovits. 10. Chicago: University of Chicago Press. Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange 79 . (eds) (2005) Handbook of the birds of the world. Barcelona: Lynx Edicions del Hoyo. Elliott. A.. H. Cotingas to Pipits and Wagtails. Sigrist. (eds) (2003) Handbook of the birds of the world. J. Vol.Aves do Brasil: uma visão artística. Publicações Avulsas n. I. R. Edição revista e ampliada por José Fernando Pacheco. Elliott. Vol. (1978) Ornitologia do Território do Amapá II. Ridgely. H. II.Referências bibliográficas e 8 literatura consultada del Hoyo. A. Barcelona: Lynx Edicions del Hoyo. S. & Phelps Junior. Ridgely.

palmilhou-se o Cabo Norte. Por fim. Maria Flávia. Marcos Cunha. Enfim. também de grande importância. Desta maneira. pelo apoio aos trabalhos de campo e. Vila de Cassiporé e Taparabu.PREVIFOGO. nos grandes lagos Maruani e Tralhoto. Glaucia Pereira. agradecemos aos parceiros do CEMAVE. são produtos do sonho e do trabalho coletivos. Nas idas ao Amapá. Ricardo Pires. admitindo que as conquistas não são atos individuais e isolados. nas comunidades de Calçoene. homens da floresta que tem essa Unidade de Conservação como espaço de vida. para nós. pessoas e vidas estão presentes neste livro que. Cunani e Uaçá com seus infindáveis Igarapés. nas aldeias indígenas do Encruzo e Kumarumã. Aos técnicos do Parque. Lauro Paiva Júnior e Albert Jager. é resultado de uma grande empreitada. não é só o registro das aves. Andrei Roos e ao Ornitólogo Helder Farias pelas contribuições nas expedições e elaboração do Guia de Aves. por acreditarem e investirem na idéia elaboração desse Guia de Aves. Carolina Peixoto. Aos fotógrafos Robson Czaban e Ciro Albano. Por este olhar. pela cessão das belíssimas imagens. Elivan Arantes de Souza 80 Guia de Campo: Aves do Parque Nacional do Cabo Orange . Fransciney e Kelson e a todos os membros da Brigada de Combate a Incêndios Florestais do Parque Nacional do Cabo Orange . Vila de Cunani. nossos agradecimentos aos pilotos da embarcação “Peixe Boi” Irandir.9 Agradecimentos Agradecer não é só reconhecer a importância das pessoas em relação ao feito realizado. remadas nos igarapés e pequenos lagos. Oiapoque. de barco pelo oceano Atlântico ou navegando por rios como o Cassiporé. o “guia de campo Aves do Parque Nacional do Cabo Orange”. mas dar crédito ao esforço e empenho de cada uma. Destaque-se as caminhadas pela floresta. Kelly Bonach. Ao Wagner Gomes pelas sugestões no formato. Vila Velha. envolvendo pessoas e lugares mágicos dessa unidade de conservação. mas a interação do mundo exterior com os ambientes que compõem o Parque Nacional do Cabo Orange e sua avifauna. uma quantidade indescritível de lugares.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful