You are on page 1of 5

CADE - CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

FEDERAL TRADE COMISSION E AS “EFFICIENCIES”

No geral, o termo “economic efficiency” não se refere meramente a uma situação


onde os custos são minimizados. Ao invés disso, se refere a inúmeras situações que tendem
a valorar as empresas enquanto agentes criadores e modificadores no mercado.
Efficiencies podem ser divididas em algumas categorias, mas tomaremos três que
mais nos importam agora: allocative efficiency; productive efficiency ; dynamic efficiency.

Allocative Efficiency :

Se refere a situações onde os recursos de uma sociedade empresaria são utilizados


com sua maior racionalização e aproveitamento possível. Ocorre quando o custo de
produção do serviço ou do bem mais o seu lucro é proporcional ao preço de mercado pago
pelos seus consumidores. Eficiência alocativa é gerada pela relação entre o equilíbrio geral
competitivo e configurações de consumo (alocações) ideais. É a correta combinação de
bens sem que haja prejuízo para a coletividade.
O mercado competitivo oferece aos consumidores múltiplas formas de satisfazer
suas necessidades de consumo. Neste mercado uma empresa se vê impossibilitada de
aumentar o preço do seu produto acima do preço de mercado sem perder em venda. Esse
seria o poder de mercado atuando de forma natural, em um ambiente competitivo.
Empresas com poder econômico danoso ao mercado desencorajam as allocative
efficiency quando passam a controlar o preço de todo um determinado setor, já que a
relação preço e custo marginal do produto pode ser artificialmente alterada.
Pode-se citar um exemplo de uma fusão de empresas promover a redução das
allocative inefficiency: Numa cadeia produtiva, uma empresa manufatureira e uma
distribuidora têm poder econômico considerável. O preço do produto final para o
consumidor refletirá o poder econômico duplamente danoso dessas empresas. Duplamente
pois a majoração do preço realizada de forma discricionária pela manufatureira e, em
seguida, pela distribuidora, gera prejuízo em dobro para o consumidor, no final da cadeia.
“A marginalização dupla estabelece que produtores e revendedores, ao atuar
individualmente, podem produzir resultados agregados mutuamente indesejados. Desta
forma, a marginalização dupla consiste no fato de que atuando individualmente, produtores
e distribuidores adicionam mark-ups sobre os seus respectivos custos, resultando em um
duplo mark-up que resulta em preços mais elevados. Ao determinar seu próprio preço, cada
parte não leva em consideração os efeitos que sua decisão tem sobre os ganhos de seu
“parceiro”. O distribuidor, ao determinar o seu mark-up e o preço de revenda, pode
estabelecer um preço mais alto de maneira que a demanda pelos bens em questão pudesse
diminuir. Com a demanda mais fraca, reduzir-se-iam também os ganhos do produtor,
tornando os ganhos de ambos menores do que poderiam vir a ser caso operassem
conjuntamente”. Trecho da monografia, RESTRIÇÕES VERTICAIS: EFICIÊNCIAS, DANOS E IMPLICAÇÕES À
ANÁLISE ECONÔMICA, do site do SEAE – Secretaria de Acompanhamento Econômico.
Uma integração das duas empresas geraria, portanto, maiores lucros, pois evitaria a
distorção causada pela determinação dos markups desejados por cada firma ao longo da
cadeia produtiva separadamente. Permitiria que o produtor e distribuidor maximizassem
conjuntamente o lucro agregado e possibilitassem também um maior ganho pelo
consumidor, pois seriam praticados preços menores, aumentando, assim, o bem-estar total.
Por isso o aumento da allocative efficiency se torna um grande argumento na mão
das empresas em busca de fusão no mercado norte-americano.

1
CADE - CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

Productive Efficieny :

Ocorre quando todos os bens são produzidos ao menor preço total de custo por
unidade. É prover o máximo produto com os recursos e tecnologias disponíveis,
significando evitar perdas desnecessárias.
São divididos em três tipos. Economies of scale; Economies of scope e Synergies.
Economies of scale: Otimização do tamanho da empresa. Algumas vezes uma empresa
pode ser mais eficiente quando ela se expande, mas em um certo ponto esta expansão pode
ser negativa. Por exemplo, expandir torna mais difícil administrar o processo de produção.
Se uma empresa não se encontra eficientemente alocada então outras empresas serão
capazes de ter o menor preço de seu produto e, como resultado, esta empresa cujo tamanho
é ineficiente sairá do mercado ou será adquirida por outra empresa, no conhecido “survivor
principle”. As fusões preenchem um papel vital neste principio porque ao combinar
operações, aumenta qualitativamente processo produtivo e reduz seu custo e tamanho.
Economies of scope: ocorre quando é a produzir dois ou mais produtos conjuntamente que
leva, como conseqüência, à redução de custo, principalmente se o conhecimento
tecnológico for comum aos produtos, reduzindo o custo por unidade tendo uma única
especializada força de trabalho para lidar com múltiplos bens e/ou serviço. Synergies:
Ocorre, por exemplo, quando dois produtos são complementares, o que significa que o
consumidor que usa um tende a usar o outro. O usuário de computador pode contar com
dois softwares diferentes para trabalhar em um projeto, mas se duas companhias que
produzem esses bens não trabalharem juntas então o usuário pode se deparar com
dificuldades de incompatibilidade. As fusões permitem as companhias atingirem uma
sinergia porque podem trabalhar na melhoria da inter-operacionabilidade dos programas.
Outra situação é quando duas empresas produzem o mesmo produto ou similar que fazem
parte em diferentes áreas, numa mesma cadeia de produção. Enquanto as empresas não se
fundem ou não cooperam entre si, elas são desencorajadas a dividir experiências e
conhecimentos graças à visão de cada uma delas como competidores ou potenciais
competidores.

Dynamic Efficiency :

Resulta da inovação nos produtos e dos avanços tecnológicos nos processo de


produção e distribuição. Mesmo se uma empresa tiver poder econômico considerável, será
forçada a investir recursos na pesquisa e no desenvolvimento em prol da melhoria de seus
produtos, já que a empresa se depara com constante desafio das inovações de seus
competidores.
Está baseada no principio da “destruição criativa”, apresentada por Schumpeter
(1950, p. 83) como: "o processo de mutação industrial (...) que incessantemente revoluciona
o sistema econômico de dentro, incessantemente destruindo o velho, incessantemente
construindo o novo". Vale a pena, para dar continuidade à explanação, expor um pouco das
idéias de Schumpeter.
Schumpeter (1939) assumia que o momento de equilíbrio raramente ocorria na
realidade econômica, e que o processo de inovação ocorria em ambientes em estado de
desequilíbrio, de modo que o sistema nunca estava completamente rotinizado.
O autor considerava que tudo se passava de forma diferente entre o capitalismo
concorrencial e o baseado em monopólios, no qual a inovação surgia dentro das grandes

2
CADE - CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

organizações, de forma largamente independente de pessoas individuais e das pequenas


empresas.
Como mostra Sergio Hage Filho, na sua Tese de Doutorado Desenvolvimento
Regional, Política Pública e Inovação:
“Outros conceitos fundamentais da análise schumpeteriana, importantes para nossa
abordagem, dizem respeito à diferenciação entre a invenção, a inovação e a difusão.
Na apropriação que Perez (2004) faz desses conceitos schumpeterianos, invenção
indica a criação de um novo produto ou processo no âmbito da esfera técnico-científica, na
qual pode eventualmente permanecer para sempre.
A inovação já é um fato econômico, um evento isolado pelo qual a invenção, gerada
na esfera técnico-científica, é introduzida pela primeira vez na esfera técnico-econômica,
no mercado, onde poderá ficar adormecida por um longo tempo ou desaparecer
definitivamente. Ou poderá ter sucesso.
Tendo sucesso, a inovação poderá permanecer um fato isolado, ou tornar-se um fato
economicamente relevante, a depender do grau do seu impacto sobre os competidores ou
sobre outras áreas da atividade econômica.”
Só se tornará, porém, um fato com importantes conseqüências sociais, se for
amplamente adotada, ou seja, será a muito vasta difusão que transformará uma inovação em
um fenômeno social.
Defende-se que há maior possibilidade de ser difundida a inovação se esta ocorrer
nas empresas com maior domínio econômico já que, obviamente, sua influência no
mercado é maior e mais efetiva do que as empresas menores.

Esmbasadas nesses princípios, a Justiça norte-americana, a Federal Trade


Comission e os demais órgãos competentes para analisar situações de fusão, aquisição e
incorporação de empresas e seus impactos na ordem econômica estão permitindo situações
antes impensadas.

-----------------------------------------------

3
CADE - CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

Os trechos abaixo do texto The Merger of Guidelines and the Integration


of Efficiencies into Antitrust Review of Horizontal Mergers, de 2003, de William J.
Kolasky, Deputy Assistant Attorney General, da Divisão Antitrust do U.S. Department of
Justice, o autor conceitua e ressalta a importância da “production efficiency” :

Productive efficiency exists when all goods are produced at the minimum possible
total cost so that there is no possible rearrangement or alternative organization of resources
(such as labor, raw materials, and machinery) that could increase the output of one product
without necessarily forcing a reduction in output for at least one other product. This
concept highlights the principle that firms’ choices involve explicit tradeoffs between
competing demands for scarce resources. Mergers (as well as joint ventures and other
cooperative practices) hold the potential to increase productive efficiency in a number of
ways, including by fostering economies of scale, economies of scope, and synergies. The
first way that mergers can increase productive efficiency is to move firms closer to the
optimal scale of production for their industry.
(…)
Some economists and antitrust practitioners argue that antitrust agencies should, as
a general practice, be skeptical of treating achievement of economies of scale as a merger-
specific efficiency.
(…)
There are three practical reasons, however, why internal expansion (or contraction)
can be more costly than a merger. First, firms can often expand their scale faster through a
merger than is possible through internal expansion. Mergers may provide the acquiring firm
with ready access to existing inventories or supply contracts for important inputs as well as
access to additional plant capacity that can quickly be brought on-line. Second, adding new
capacity in a market with static or declining demand may also place sufficient downward
pressure on price to make internal expansion unprofitable. In this situation, neither of
themerging firms might be likely to expand its scale in the near future absent the merger.
Third, the construction of new capacity may create social waste if duplicate resources at the
acquired firm eventually wind up being scrapped when they are removed from competition
rather than being merged into a single firm. When any of these conditions is present,
mergers may be a privately or socially less costlymeans to reap economies of scale and
enhance firms’ productive efficiency.

-----------------------------------------------

4
CADE - CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

Em outro trabalho seu, WHAT IS COMPETITION ?, datado de Outubro de 2002,


Kolasky deixa clara a linha política norte-americana, consolidada na década de 90, sobre
o mercado e as “efficiencies”, enraizadas na doutrina liberal de Joseph Alois Schumpeter
e na Escola de Chicago :

“Economists see competition differently. An economist sees competition not in


terms of rivalry per se, but in terms of market performance. An economist would say that
a market is perfectly competitive when firms price their output at marginal cost and costs
are minimized by internal efficiency. This does not necessarily require a large number of
rivals. Where entry and exit are costless, markets can be perfectly competitive even with
only one firm serving the entire market. Similarly some models of oligopoly show that in
some markets prices may be driven to marginal cost, even where there are entry barriers,
with as few as two competitors. In both types of markets, allocative and productive
efficiency may be perfectly aligned even at relatively high levels of concentration, so that
no rearrangement of productive assets could enhance total economic welfare. In these
markets, antitrust intervention to preserve or create a larger number of rivals would harm
consumer welfare and worsen economic performance.

Joseph Schumpeter was the first to teach us that in other markets, especially those
driven by innovation, there may be a tension between allocative efficiency on the one hand
and productive or dynamic efficiency on the other. For example, where firms need to
invest in order to innovate, prices will need to be above short-term marginal cost to provide
an incentive to make the needed investments. As Schumpeter observed, these markets are
often marked by "gales of creative destruction," in which one firm may serve the entire
market or at least a large portion of it for a period of time, only to be displaced by another
firm with a leapfrogging technological innovation that delivers dramatically improved
performance or dramatically lower cost. Think of Visicalc being displaced by Lotus, which
in turn was displaced by Excel. In these markets an efficient monopolist, constrained by
overall market demand and the threat of entry, will often charge quality-adjusted prices
that, while above marginal cost, are still below the prices that would be charged by a group
of less efficient competitors. To an economist, the competitive process is working in these
markets, even if it results in only one firm serving the entire market for some period of
time. In such markets, government intervention to preserve rivals or create new ones will
again worsen overall economic performance.

A number of empirical studies have confirmed Schumpeter’s basic insight. They


show that the social costs associated with the static resource misallocation caused by
market power are generally quite small while the gains from increases in productive and
dynamic efficiency can be very large. See A.C. Harberger, Monopoly and Resource
Allocation, American Economic Review 2 (1954); F.M. Scherer & D. Ross, Industrial
Market Structure and Economic Performance (1990). These studies have important
implications for competition policy. They show, among other things, a "hump-shaped"
relationship between concentration and innovation, with innovation occuring at the fastest
pace in industries falling in the mid-range of concentration. See P. Aghion, N. Bloom, R.
Griffith & P. Howitt, Competition and Innovation: An Inverted U Relationship, The
Institute for Fiscal Studies (February 2002).

-----------------------------------------------