You are on page 1of 2

Ficha da Acção

Designação AVALIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL DAS

ESCOLAS

AVALIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL DAS ESCOLAS Região de Educação Classificação Formação Contínua

Região de Educação

Classificação Formação Contínua

Área de Formação

Classificação Formação Contínua Área de Formação A B C D Modalidade Oficina de Formação Cód. Área
Classificação Formação Contínua Área de Formação A B C D Modalidade Oficina de Formação Cód. Área
Classificação Formação Contínua Área de Formação A B C D Modalidade Oficina de Formação Cód. Área

A

B

C

D

Modalidade Oficina de Formação

Cód. Área B02

Cód. Dest. 15

Descrição Avaliação,

Descrição Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico

e Secundário

Dest. 50%

Descrição

Nº de formandos por cada realização da acção

Mínimo 10

Máximo 20

Reg. de acreditação (ant.)

Formadores

Formadores com certificado de registo

B.I.

Componentes do programa Todas

Nome VÍTOR MANUEL MIRANDA ALAIZ

Reg. Acr.

Nº de horas 15

Anexo B

A preencher nas modalidade de Oficina, Estágio, Projecto e Círculo de Estudos

Razões justificativas da acção: Problema/Necessidade de formação identificado

A Escola pública tem actualmente, para além das funções tradicionais, várias outras

que, nas últimas décadas, lhe têm vindo a ser atribuídas. Isso aumenta o nível de expectativas sociais sobre a sua actividade. Essas mudanças num contexto de contenção da despesa pública com a educação, traduzem-se num acréscimo de responsabilização das Escolas. Paralelamente, as respectivas lideranças deixam cada vez mais de olhar para a auto-avaliação das organizações escolares como uma ameaça ou como mais uma imposição legal (decorrente, nomeadamente, da publicação de um decreto-lei específico). Passam a considerá-la como um procedimento de melhoria do funcionamento da Escola. Porém, muitos dos profissionais interessados na auto-avaliação e no desenvolvimento organizacional que daí possa resultar, reconhecem não dispor do saber teórico e procedimental necessário à montagem de dispositivos adequados. Ou, pelo menos, reconhecem necessitar de estruturar e aprofundar alguns dos saberes de que já dispõem nesse domínio. Por isso, um conjunto de docentes da Escola propõe-se construir um conjunto de instrumentos e estruturar um sistema de procedimentos específicos da sua organização e respectivo contexto, alicerçados num estudo teórico aprofundado. Os docentes proponentes desta Oficina de Formação consideram que esta modalidade pode criar o espaço de trocas instrumentais e teóricas que permitam responder às necessidades da Escola.

Efeitos a produzir: Mudança de práticas, procedimentos ou materiais didácticos Ao nível dos procedimentos: novos modelos de recolha, tratamento e interpretação da informação relevante para a estruturação e funcionamento da Escola; novos processos de comunicação à comunidade educativa de informação sobre a Escola. Ao nível dos instrumentos: construção de instrumentos de avaliação adaptados ao

projecto educativo da Escola, à sua dimensão, natureza, história e visão. Ao nível das práticas: novas atitudes perante a informação relevante disponível; integração da informação sobre a Escola na planificação didáctica.

Conteúdos da acção Construção de referenciais de avaliação; Fundamentação e construção de instrumentos e procedimentos de avaliação organizacional; Desenho de planos de avaliação organizacional; Articulação de planos de avaliação e planos de melhoria.

Metodologias de realização da acção A Oficina de Formação decorre através da alternância metodológica entre momentos de discussão conceptual e momentos de trabalho cooperativo autónomo (destinados à formulação de propostas de procedimentos e instrumentos e respectiva validação). 1º momento - Reflexivo, em sessão plenária - Conceito de avaliação / Paradigmas de avaliação / Objecto, finalidades, intervenientes, modalidades de avaliação de escolas (6 horas) 2º momento - Trabalho cooperativo autónomo - Levantamento de práticas de avaliação existentes na escola (6 horas) 3º momento - Reflexivo, em sessão plenária - Referenciais de avaliação de escolas / Modelos de auto-avaliação de escolas / Tipos de Instrumentos de Avaliação (5 horas) 4º momento - Trabalho cooperativo autónomo - Análise de documentos orientadores da Escola numa perspectiva de construção de referenciais e de instrumentos de avaliação (6 horas) 5º momento - Reflexivo, em sessão plenária - Padrões de qualidade da avaliação de escola / Meta - avaliação / Planos de Avaliação e Melhoria (4 horas) 6º momento - Trabalho cooperativo / individual autónomo - experimentação / validação de instrumentos de avaliação adequados a situações diversificadas / Redacção de relatórios finais (3 horas)

Regime de avaliação dos formandos Participação dos formandos (presencial e autónoma); Realização de tarefas propostas; Documento com instrumento/procedimento de avaliação (individual) + relatório de trabalho cooperativo; Exequibilidade, rigor, utilidade e legitimidade dos instrumentos/procedimentos propostos; Avaliação quantitativa (escala de 1 a 10 valores).

Forma de avaliação da acção Questionários dos Formandos; Questionários do Formador; Relatório do Consultor de Formação.

Bibliografia fundamental Avaliação Interna das Escolas

Processo

Data de recepção 22-07-2009

CCPFC/ACC-60909/09

Data do despacho 16-10-2009

Estado do Processo C/ Despacho - Acreditado

Nº processo 63121

Nº oficio 9301

Registo de acreditação

Data de validade 16-10-2012