You are on page 1of 5

Ação de Agentes Físicos Sobre os última atualização: 20/03/01

Microorganismos

Conceitos

• Desinfetante: realiza a desinfecção: morte de muitos, mas não de todos


os microrganismos. Os desinfetantes variam em relação à danificação dos
tecidos:

· fenol - objetos inanimados

· etanol e iodo - superfícies cutâneas.

• Anti-séptico: substâancia química utilizada para matar microrganismos


da superfície da pele e mucosas. Ex: mertiolate( não é mais usado no
Brasil devido sua baixa eficiência); PVP - Iodo (polvidine).

• Sanitização: técnicas de evitar comprometimento na saúde pública.


Utilizado para utensílios públicos, ambientes, etc.

• Esterilização: eliminação de um determinado material de todos os


microrganismos, inclusive os esporos de bactérias que são altamente
resistentes. Normalmente utilizada por autoclavação: exposição ao vapor
a 121°C por um período de 15 min. Soluções intravenosas são
esterelizadas por filtração e instrumentos cirúrgicos por exposição ao
óxido de etileno (podem ser danificados por calor úmido).

• Agente bactericida, fungicida, viricida: são substâncias microbicidas ou


seja, matam micróbios.

• Bacteriostáticos, virostáticos ou fungistáticos: são substâncias


microstáticas, ou seja, só cessam o crescimento (ex: maioria dos
antibióticos).

• Antibióticos: drogas produzidas por microrganismos (penicilina).

• Quimioterápicos: drogas de origem botânica ou sintética.Ex: sulfa.

• Quimioterápicos antibióticos são agentes antimicrobianos: têm toxidez


seletiva maior que o desinfetante, mas ainda provocam inúmeros efeitos
colaterais. A maioria são microstáticos, ou seja, agem em fases do
metabolismo.

• Assepsia: é a ausência total de micróbios, mas é preciso realizar


procedimentos trabalhosos, pois usam quase todas as substâncias
anteriormente descritas (por último: antimicrobianos).

Agentes físicos

1. Calor úmido
• Denatura proteínas e funde lipídeos.

• É muito mais eficiente que o calor seco, é mais microbicida.

• Tem alto calor latente (demora para esquentar e esfriar - conserva


melhor o calor)

• Alto poder de penetração e faz pontes de hidrogênio com proteína


denaturada impedindo-a de voltar ao normal.

• O calor úmido utiliza temperaturas mais baixas que o calor seco.

• Técnicas utilizadas:

· fervura simples: esporos são resistem à essa fervura, mas mata a


maior parte das formas vegetativas dos micróbios.

· Autoclavação: mata todos os micróbios, com fervura a mais de


100°C. Aumenta-se a pressão e eleva-se a temperatura até 121°C por 30
min - mata todos os microorganismos (Ex:Clostridium botulinum - em
formas de esporos resistem de 3 a 5 h de fervura a 100°C. Produz toxina
que inibe liberação de acetilcolina)

· Autoclave em material cirúrgico: não se deve utilizar latas para


colocação do material cirúrgico, pois terá calor seco em 121°C o que não
é suficiente. Deve-se embrulhar em um pano e depois guardar em um
forno para manter o processo.

· Pasteurização: aquecimento a 62°C por 30 min, seguido por um


resfriamento rápido. Pasteurização rápida - HTSH = 72°C por 15
segundos - não esteriliza o leite. UHT - 135-145°C por 1 a 2 seg e depois
resfriamento em 5 seg em temperatura ambiente para manter
propriedades organolépticas.

· Tindalização: Tindal achou forma de eliminar esporos só fervendo.


Caldo com esporos eram fervidos durante 3 dias seguidos por 30
minutos. Mata formas vegetativas e esporos que passam a formas
vegetativas. Usada para soluções que não suportam a temperatura do
autoclave. Não há certeza de esterilização, só a autoclavação tem essa
certeza.

Calor seco

• Chama direta e forno de Pasteur

• Chama direta ou flambagem: é usada para desprezar materiais


descartáveis para não haver contaminação do ambiente (incineradores de
hospitais). É uma técnica muito limitada de esterilização.

• Forno de Pasteur: temperatura tem que ser maior que o autoclave, pois
não há penetração da água: 170-180° C de 1,5 a 2 h para esterelizar
material (são embrulhados em papéis resistentes). Se o material
cirúrgico for colocado dentro de latas fechadas haverá corte diminuído e
existem técnicas que preservam mais a meia vida do instrumento.

Nota 1: morte térmica - TRD (tempo de redução decimal): morte de


90% da população em 10 min. Usado para esterelizar determinadas
soluções.

Nota 2: soluções injetáveis não podem ter pirogênios endógenos.

Frio

• Não é eficiente

• Não permite multiplicação das bactérias

• Alguns autores acham que submetidas ao frio lento formam-se cristais


que perfurariam a membrana das bactérias.

• Congelamento rápido: técnica de liofilização - usada principalmente na


preservação de vacinas.

· se usa nitrogênio líquido (-196°C)

· sublimação em auto-vácuo - fica somente o "esqueleto"da


bactéria. Para utiliza-lo basta acrescentar mesmo volume de água que foi
retirado.

Nota 1: Bacilo cereus do arroz: causa intoxicação. O arroz deve ser


guardado na geladeira.

Nota 2: toxiinfecção: é quando se ingere bactérias que, uma vez


dentro do organismo, produzem toxinas.

Radiação

• Existem 2 tipos de radiação

· ultravioleta

· Ionizante

a. radiação ultravioleta

· melhor atividade antimicrobiana na faixa de 250-260nm

· não tem muito poder de penetração pois é barrado pelo vidro.

· é desinfetante.

Não é desinfetante, pois bactérias possuem técnicas de correção das


mutações causadas.

· principal mecanismo de ação: agem sobre o DNA, formando dímeros


de timina adjacentes. Isto leva a quebra de pontes de hidrogênio e
promove ligações covalentes entre timinas adjacentes. Assim, a
replicação de DNA é inibida fazendo com que o organismo não possa
mais crescer.

· Mecanismos de reparo:

- Fotorreativação - correção mais rápida, ocorre em presença de luz


visível que ativa enzimas que realiza os cortes de todos os
dímeros. - Reativação no escuro - mais lento que a
fotorreativação, mas tão eficiente quanto. Utiliza-se 4 enzimas: 1- corte,
2-ampliação do vão, 3-cópia do certo, 4- junta/liga pontas.

b. radiação ionizante

· Raio X (0,1 a 10 nm) e Raio gama (0,001 a 0,1 nm): ordem de


grandeza semelhantes.

· Tem diferença na origem

· Raio X: vem do bombardeamento de elemento (movimento dos


elétrons entre as camadas liberam R-X).

· Raio gama: emissão radioativa nuclear: vem da desintegração dos


núcleos instáveis. Ioniza todos os elementos ao entrar em contato,
"arrancando" os elétrons. Ioniza a água que constitui 85% da bactéria.
Tem ação instantânea, ao contrário da radiação ultravioleta. Dependendo
da concentração é esterelizante. Os materiais que recebem raio gama
não retém radiação, pois a ação é instantânea. Ocorre uma redução de
30 % no perecimento do alimento.

vibrações sônicas

Não é muito eficiente. Faz as moléculas vibrarem, podendo rompe-las.

É utilizada como obtenção de pedaços de bactréias em pesquisas.

Filtração

• Tipos de filtro:

· porcelana porosa

· vidro sintetizado

· celulose ( filtro miliporo é o método mais usado)

• Filtros HEPA (alta eficácia): Utilizado para manter ambientes livres de


micróbios como salas de cirurgia e salas de computador (não pode ter
poeira). É um filtro de celulose com várias dobras - não há
turbilhonamento doar, este deve seguir um fluxo laminar. Se ocorrer
turbilhonamento a poeira pode ser levantada.
Referências Bibliográficas

1. Microbiologia; terceira edição; Luis Trabulsi, Flávio Alterthum, Olga


Gompertz, José Alberto Candeia; editora Atheneu;1999

2. Microbiologia médica; décima oitava edição; Ernest Jawetz,George


Brooks, Joseph Melnick,Janet Butel,Edward Adelberg, L. Nicholas
Ornston; editora guanabara koogan