You are on page 1of 401

RUTE DIAS GREGÓRIO

TERRA E FORTUNA
NOS PRIMÓRDIOS DA ILHA TERCEIRA
(1450-1550)

Universidade dos Açores

Ponta Delgada

2005
TERRA E FORTUNA
NOS PRIMÓRDIOS DA ILHA TERCEIRA
(1450-1550)

Dissertação apresentada à Universidade dos Açores


para obtenção do grau de Doutor em História,
especialidade de História Medieval, sob a orientação
do Professor Doutor Humberto Baquero Moreno.

Esta dissertação teve o apoio do PRODEP III 317.011/2001 - Doutoramentos.


"Aquele que partiu

Precedendo os próprios passos como um jovem morto

Deixou-nos a esperança."1

Ao Artur+

1 Do poema "Aquele que partiu…", de Sophia de Mello Breyner Andresen, em Cem poemas de Sophia.
Selecção e introdução de José Carlos de Vasconcelos. Lisboa: Visão/Jornal de Letras, 2004, p. 62.
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO ................................................................................................................ 6
I. O PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO DA ILHA: UMA ABORDAGEM ............... 21
1. Considerações prévias .............................................................................................. 23
2. Líderes e início do processo de povoamento ............................................................ 26
3. Fases e protagonismos: tentames de periodização e de reconstituição prosopográfica
....................................................................................................................................... 33
4. Elementos de composição social ............................................................................... 74
5. Origens geográficas dos primeiros habitantes ........................................................... 98
6. Motivações e estímulos, em jeito de conclusão ....................................................... 119
II. A PROPRIEDADE DA TERRA: FORMAS E PROTAGONISMOS ...................... 122
1. Mecanismos de obtenção ......................................................................................... 123
2. Os detentores do solo .............................................................................................. 171
III. OS PATRIMÓNIOS: COMPOSIÇÃO E GEOGRAFIA ......................................... 193
1. Os bens móveis ........................................................................................................ 194
2. Os bens imóveis ....................................................................................................... 266
IV. ESTRUTURAS, RENTABILIZAÇÃO E NÍVEIS DA FORTUNA......................... 296
1. Definição do espaço agrário ..................................................................................... 357
2. Rentabilização da propriedade ................................................................................. 361
3. Produções, despesas e proventos agro-pecuários .................................................... 344
4. Níveis e desníveis da riqueza material: uma tentativa de aproximação ao tema ...... 370
CONCLUSÃO ................................................................................................................. 377
APÊNDICES .................................................................................................................... 405
FONTES E BIBLIOGRAFIA ......................................................................................... 812
ÍNDICES .......................................................................................................................... 859
De gráficos ................................................................................................................... 860
De mapas ..................................................................................................................... 861
De quadros ................................................................................................................... 862
Dos apêndices .............................................................................................................. 863
Geral ............................................................................................................................ 877
INTRODUÇÃO
Centrar no primeiro século de humanização das ilhas, qualquer temática histórica

dos Açores, poderia implicar dois riscos: o depararmo-nos com a falta de novas fontes,

pelo menos para o estudo da época mais inicial e, por consequência, o chegarmos ao fim,

de um mais ou menos longo percurso, com "uma mão cheia de coisa nenhuma".

Estávamos cientes dos riscos e fomos para eles alertados, mais do que uma vez.

Mas o estímulo do desafio, lançado em certo dia de 1993, pelo então Director do

Departamento de História, Filosofia e Ciências Sociais, Avelino de Freitas de Meneses,

consociado ao nosso interesse pela história da Idade Média, indicava-nos o caminho:

ensaiar a história dos Açores num período que, tradicionalmente, seria o da transição

entre a época medieval e a moderna1.

Como pano de fundo tínhamos duas "escolas" bem presentes. A primeira,

interiorizada na nossa Academia, imbuída no espírito da universalidade, por um lado,

mas também no da atlanticidade que, por fim, desembocava no mais restrito da

insularidade. Formáramo-nos aqui, nas licenciaturas de História e de História e Ciências

Sociais, cultivávamos e identificávamo-nos com alguns dos rumos e objectivos, apesar de

mantermo-nos livres e independentes no exercício da crítica. Por outro lado, a

licenciatura em História havia despertado o interesse por uma época demasiadas vezes

apresentada, tão insustentavelmente, uniforme, monocromática, depositária de todas as

insuficiências e retardamentos, pelouro de curiosos que viviam fora do tempo.

Aprendemos com os nossos mestres mais próximos, nos finais da década de 80, que tal

assim não era, nem podia ser. E na senda da sua orientação, inspirávamo-nos nas obras,

algumas já de anos, de Marc Bloch, Georges Duby, Jacques Le Goff…, depois Robert

Fossier, Jacques Heers, Guy Fourquin, Guy Bois… a Escola Francesa, pois então!

1 Nas palavras de B. H. Slicher van Bath, os anos compreendidos entre 1450 e 1550 — aqueles que aqui
nos ocupam — constituem um período de "recuperação" que emerge da precedente "depressão",
afirmando-se, por isso, como "um típico período de transição". Vide, do autor cit., História agrária da
Europa Ocidental (500-1850). Lisboa: Editorial Presença, [s.d.] [edição original de 1960], p. 147.

7
Através delas, irredutivelmente convertidos à "nova luz" sobre a Idade Média (para

referenciar Régine Pernoud), investíamos numa época que antes nos parecera cinzenta e

desinteressante. Daí até à surpreendente "longa Idade Média" de Jacques Le Goff2 foi

um passo. Depois, as considerações de J. Heers sobre a noção de modernidade "difícil,

senão impossível, de circunscrever"3, concatenadas com o sugestivo trabalho de Ruiz-

Domènec, Observando la modernidad desde la Edad Media4 , a que juntámos as

palavras de Guy Fourquin —"a passagem da Idade Média para os tempos modernos não

foi uma ponte lançada sobre um precipício"5—, ou as de Jean-Claude Schmith —"A

continuidade 'medieval' aquém e além dos limites cronológicos tradicionais […] é

completamente evidente"6—, vinham dar substrato à interpretação que podemos hoje

fazer da necessidade de "erradicar la lógica diabólica de la fragmentación", para usarmos

os contundentes termos de Alain Guerreau7 . E façamos desde já um parêntesis:

utilizamos as palavras do insigne medievalista, director de investigação do CNRS,

conscientes de vários perigos. Em primeiro lugar, de sermos acusados de apropriação

abusiva do seu sentido, já que o autor as profere opondo-se à fragmentação dos estudos

e especializações no interior da medievalística, cujos resultados relevam a excessiva

expressão da diversidade do objecto de estudo e não os essenciais elementos de

2 Nas palavras que nunca será demais relembrar: "Ora a 'longue durée' pertinente da nossa história […]
parece-nos ser essa longa Idade Média que durou desde o século II ou III da nossa era até morrer
lentamente sob os golpes da Revolução Industrial — das revoluções industriais — […]. Esta longa Idade
Média é, para mim, o contrário do hiato visto pelos humanistas do Renascimento e, salvo raras
excepções, pelos homens das luzes. É o momento da criação da sociedade moderna, de uma civilização
moribunda ou morta sob as formas camponesas tradicionais, no entanto viva pelo que criou de essencial
nas nossas estruturas mentais". Jacques Le Goff — Para um novo conceito de Idade Média. Tempo,
trabalho e cultura no Ocidente. 2ª edição, Lisboa: Editorial Estampa, 1993, pp. 11-12 [ed. francesa de
1977].
3 Jacques Heers — A Idade Média, uma impostura. Lisboa: Edições Asa, 1994, p. 45 [ed. francesa de
1992].
4 Do qual destacamos as breves observações, como ponto de partida, em Modernidad y Edad Media. In
José Enrique Ruiz-Domènec — Observando la modernidad desde la Edad Media. [S.l.]: Institució
Alfons el Magnànim / Disputació de València, 1999, pp. 9-19. Nestas páginas, tomando como ponto de
partida a conhecida frase de Jacob Burkhardt, "La edad Media era la larga juventud del mundo moderno
en la que echó sus raíces de todo lo que hace la vida vivible", o autor enumera as constribuições
historigráficas mais significativas, para o perspectivar da Idade Média enquanto período que "alumbra" a
modernidade. Duas das principais contrbuições nesse sentido, considera o historiador, serão a descoberta
da "alteridade" do período medieval e a dinâmica / afirmação do processo de secularização e laicização que
emerge na época.
5 Cfr., do autor, História económica do Ocidente medieval. Lisboa: Edições 70 [s.d.], p. 438.
6 Do autor, História das superstições. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1997, p. 11.
7 Cfr., do citado autor, El futuro de un pasado. La Edade Media en el siglo XXI. Barcelona: Crítica,
2002 [do francês, L'avenir d'un passé incertain. Quelle histoire du Moyen Âge au XXIe siècle? Paris:
Éditions du Seuil, 2001].

8
articulação, síntese e unidade8. Alertamos, neste sentido, para o facto de as termos

enunciado precedidas da conveniente "interpretação que podemos fazer", já que as

respectivas ilações, na origem, têm outro enfoque. O segundo perigo será o de

defendermos uma posição radical/combativa contra a dita especialização, o que de modo

nenhum os nossos próprios estudos corroborarão. Apenas julgamos que (como o seu

autor?), no período de "crise" da História em que vivemos, talvez a contundência possa

fazer-nos despertar de enraizados conformismos9.

Voltando ao ponto nevrálgico da reflexão, tudo isto nos levava à conciliação

sustentada dos nossos insteresses de base: o estudo da insularidade atlântica, tendo por

referência tempos que a precederam e que nela também perduraram.

Não que esta fosse uma tentativa realmente pioneira. Afinal, já alguns dos mais

conceituados medievalistas portugueses haviam apontado, de certo modo, o caminho.

Numa obra incontornável, para qualquer estudante de história medieval portuguesa e

apesar do muito que os estudos progrediram, A. H. de Oliveira Marques reconhecia a

fuga do estudo dos descobrimentos "à alçada medieval", mas não deixava, contudo, de

considerar como seu eventual pelouro, entre outros, a reflexão sobre a colonização das

ilhas no século XV10. Até certo ponto na mesma linha, se bem que com os pés bem

assentes no espaço reinol, a comunicação de Maria Helena Cruz Coelho, em Ponta

Delgada, no ano de 1991, intitulada O Portugal quatrocentista - um reino de onde

partiram povoadores para os Açores11, confirmava os estudos da medievalidade como

condição sine qua non, para a compreensão das estruturas organizativas estabelecidas

nos espaços ilhéus. Por fim, sem querer de forma nenhuma esgotar as referências, mas

antes salientar aqueles que mais nos marcaram neste percurso, o empenho e o

8 "[…] [L]as dificuldades aparecen a partir del momento en que se trata la unidad y, más aún, el principio
de ordem; resurgen entonces inexorablement los viejos textos machacones de la infinita diversidad de lo
real y/o del carácter irreductible de tal o cuál zona […] y la dialéctica decisiva de las partes y del todo no
se abord nunca […]". Alain Guerreau — El futuro …, p. 217.
9 Uma reflexão geral a partir da citada obra de Guerreau será, com certeza, um bom começo, mas importa
fazer, num segundo momento, a adequação às nossas próprias circunstâncias.
10 A. H. de Oliveira Marques — Guia do estudante de história medieval portuguesa. Lisboa: Editorial
Estampa, 1988, p. 248. Aliás, a ideia de que os movimentos de humanização das ilhas e do Atlântico se
enquadravam num processo precedente, anterior aos séculos XV e XVI, era já defendida na década de 50
do século XX. Estamos, objectivamente, a invocar um opúsculo e ensaio de Orlando Ribeiro — Aspectos
e problemas da expansão portuguesa. [S.l.]: Fundação da Casa de Bragança, 1955, pp. 17 e seguintes.
11 Sep. da Revista Portuguesa de História. Tomo XXXI, vol. I (1996) 99-130.

9
investimento científico de um medievalista como Humberto Baquero Moreno, no avanço

cronológico da análise de alguns problemas até ao século XVI (entre outros, o do

municipalismo), na reflexão de temáticas associadas à história da expansão e dos

descobrimentos e, em particular, à história das ilhas atlânticas12, veio dar-nos o alento e

a "audácia" necessários a esta realização.

Em termos genéricos e face a todas as posições que aqui tentámos sumariamente

referir, concordamos que as tentativas para redefinir campos de estudo (quaisquer que

sejam) nunca são pacíficas, nem muito menos estão alheadas das perspectivas,

abordagens e concepções que cada um privilegia. Se Giuseppe Sergi, está plenamente

convicto da unidade dos mil anos que compõem a Idade Média13, apesar de os não

definir como uniformes14, é porque os entende como o período do encontro, síntese e

convergência das civilizações latina e germânica que "ha transfigurado las dos

civilizaciones" 15 . Aliás, abordagem e objecto de estudo que são centrais, muito

naturalmente, a um historiador da Alta Idade Média16. Se Jacques Le Goff pespectiva

uma longa Idade Média, tal explica-se pelo privilégio que dá à longa duração e à

etnologia, nas abordagens e métodos, para a compreensão da história. Todos estes

12 Dispensamo-nos, por ora, referir alguma obra em particular do autor. Registamos apenas o discurso
pronunciado por José Marques, no fecho das jornadas Luso-Espanholas de História Medieval em 2001 e
publicado sob o título — Humberto Baquero, Historiador. Madrid: Sociedade Española de Estudios
Medievales, 2001. [Sep. de Medievalismo. Nº 11 (2001) 303-317]. Este mesmo texto, em português e
sob o título — Humberto Baquero Moreno: obra histórica, encontra-se publicado in Luís Adão da
Fonseca, Luís Carlos Amaral e Maria Fernanda Ferreira Santos (coord.) — Os Reinos Ibéricos na Idade
Média. Livro de homenagem ao Professor Doutor Humberto Carlos Baquero Moreno. Porto: Faculdade
de Letras / Livraria Civilização Editora, 2003, vol. I, pp. 17-29. Nesta mesma obra, às pp. 33-51,
apresenta-se ainda uma resenha bibliográfica do autor, em Luìs Carlos Amaral — Bibliografia do
Professor Doutor Humberto Carlos Baquero Moreno (1961-2001).
13 No que podemos definir como ideia central de um pequeno mas sugestivo trabalho dado à estampa
em 1998:
"La Edad Media es la era de la experimentación política y social […]. Es una larga fase histórica en la que
no se cree fidedignamente en la razón pero tampoco exclusivamente en lo mágico. No se cree en el estado
[…] pero se evocam continuamente los idelaes de respublica […]. Se teoriza sobre un orde celestial […]
en una especie de álgida inmovilidad, pero es normal encontrar […], en tres generaciones, una familia a
pasar de ser siervos a caballeros". Por tais razões, quando a Revolução Francesa julgava dar o o golpe
final estava, isso sim, a derrubar "la caricatura de la Edade Media". Cfr. Giuseppe Sergi — La idea de
Edad Media. Entre el sentido común y la práctica historiográfica. Trad. espanhola e nota preliminar de
Pascual Tamburri. Barcelona: Editorial Crítica, 2001 [ed. italiana 1998], pp. 124-125.
No entanto, ressalve-se, o autor também afirma que não considera propriamente injustificada a ideia de
"longa Idade Média" (e outras) provocadora de uma certa diluição do conceito (p. 123). Agora é claro em
afirmar a configuração de unidade deste período, nos pressupostos que já tivemos oportunidade de referir.
14 Cf. Giuseppe Sergi — La idea de Edad Media… pp. 61, 63, 66, 70, 78, 83, 91, 108-109, 110, 114,
119
15 Idem, p. 40.
16 Idem, pp. 7 e 12.

10
enfoques e concepções justificam-se, resultam no progresso do saber e fundamentam-se

na riqueza das sensibilidades e das perspectivas da construção historiográfica.

Quanto a nós e muito longe da eminência de todos os que aqui citámos, apenas

temos a acrescentar que, se a opção tomada for frutuosa, cabe a todos os nossos

inspiradores o mérito pela influência. Se porventura assim não acontecer, cabe-nos a nós

a responsabilidade, por termos sido incapazes de dar uma resposta conforme e

convicente a tão avisados exemplos e sugestões.

Feito este primeiro prólogo, que não foi mais do que o reafirmar do nosso

enquadramento na Academia, passemos então às prévias e necessárias considerações

sobre o trabalho que aqui sujeitamos a avaliação.

O tema acompanha-nos há muito. Propriedade e estruturas agrárias açorianas,

dos primeiros tempos, foram objecto de estudo proposto desde 1994 e tal reflecte-se,

em boa parte, nos trabalhos por nós produzidos. Se nas Provas de Aptidão e

Capacidade Científica [PAPCC] o reduzíramos ao âmbito do estudo de um património

insular, o de Pero Anes do Canto, ao mesmo tempo abríamo-lo à problemática da

constituição das Casas familiares.

No corolário do processo anterior, acabou por surgir esta dissertação de

Doutoramento, gerada já numa orientação mais ampla e abrangente. Não pretendíamos

abandonar os assuntos da terra, da sua ocupação e rentabilização, na medida em que esta

continuava a ser sustentáculo da economia e dos modos de vida e elo determinante entre

os tempos mais recuados e os que agora tomavam forma num novo espaço. Ao mesmo

tempo, era necessário traduzir os desenvolvimentos, entretanto concretizados,

resultantes da análise e recolha de novas fontes, dos novos métodos e de novos dados.

Por outro lado, o estudo das componentes sociais do tema, nomeadamente ao

nível da posse da terra, da formação e consolidação dos patrimónios familiares e de todas

as temáticas correlacionadas, era rumo que não queríamos, por via alguma, inflectir. Por

predilecção pessoal, sem dúvida, apesar do que se poderá obstar quanto ao valor

11
objectivo e científico de uma escolha por tal via17, mas também em razão dos parcos

estudos existentes no nosso país sobre as fortunas pessoais, laicas, que tanto nos podem

dizer sobre as categorias e as formas das relações sociais e familiares.

No fim de tudo, apesar de já há muito o termos antevisto, definido e acordado

com quem direito, uma outra adequação, mais realista, às eventuais possibilidades do

trabalho: a restrição geográfica à ilha Terceira. O quê que a justifica?

Pelo facto de havermos realizado um forte investimento na documentação sobre o

Grupo Central do arquipélago, nas Provas de Aptidão Pedagógica e Capacidade

Científica, parecia fazer todo o sentido começar por concluir esse levantamento. À

medida que fomos constatando a impossibilidade de ir além desse projecto e que

claramente a ilha Jesus Cristo se sobrelevava às demais, julgámos ser de melhor acerto

esta confinação geográfica. Não que falar da ilha Terceira seja possível sem referir a

articulação com as ilhas mais próximas. Teremos oportunidade de o constatar. Aliás, as

hiperbólicas palavras de Frutuoso há muito que o relevavam: [p]ode-se (…) dizer com

verdade que as outras ilhas ao redor são quintas da ilha Terceira18 . Por todos os

motivos, não querendo correr o risco de abusivamente tomarmos o todo pela parte (o

Grupo Central, pela ilha Terceira), parece-nos ter sido este o melhor caminho, inclusive

perante o predomínio e a clara desproporcionalidade das fontes. É óbvio que a ilha de

Jesus Cristo está, no período circunscrito, muito melhor documentada. Sabiamo-lo há

muito. E a nova prospecção de fontes mais não veio mais do que confirmá-lo. Também,

há que reconhecê-lo, não tivemos oportunidade de fazer qualquer levantamento em

arquivos e fundos mais locais, sitos nas restantes ilhas do Grupo Central. Mas temos

quase a certeza, de qualquer modo, que o panorama geral não se alteraria.

17 Não podemos deixar de recordar as críticas feitas por Orlando Ribeiro a António Sérgio e que
revisitámos: o "tratamento dos assuntos mais de acordo com as predilecções do autor do que com a
hierarquia dos problemas", associado ao "entono magistral" e à produção de "novas" afirmações que
outros teriam feito antes, "retiram-lhe intenção e objectividade científicas". Queremos, naturalmente,
destacar o primeiro aspecto, referido como condição da crítica final. Fomos obrigados a registar todos os
outros aspectos, para não desvirtuarmos as ideias do autor. Cfr. Orlando Ribeiro — Introduções
geográficas à História de Portugal. Estudo crítico. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1977,
pp. 120-121.
18 Gaspar Frutuoso — Livro Sexto das Saudades da Terra. Ponta Delgada: Instituto Cultural de Ponta
Delgada, 1978, p. 59.

12
No fim do percurso, tendo as primeiras gentes da Terceira e os respectivos

patrimónios como objecto de estudo central, este trabalho foi dividido em quatro

capítulos.

O primeiro visava a determinação das fases do provoamento, partindo das

principais lideranças e das reorganizações político-administrativas. Ao mesmo tempo,

quisemos individualizar um pouco melhor estes cabouqueiros, quem eram, como se

correlacionavam, como conviveram e de onde provinham. Neste conspecto, ensaiámos a

abordagem prosopográfica dos que a memória consagrou como primeiros, ao mesmo

tempo que concretizámos o levantamento de todos os indícios da proveniência, como os

da naturalidade, das relações familiares, dos legados e do património fora da ilha

Terceira, acrescido do levantamento antroponímico de configuração geográfica.

Conhecendo um pouco melhor os homens e perspectivando as fases do processo

de humanização, avançámos para as questões da propriedade, propriamente ditas. Saber

como se apossaram da terra e quem beneficiou da respectiva posse, constituiram os

principais objectivos do capítulo II. Mas porque os patrimónios constituídos, nos

primeiros cem anos da ilha, não eram apenas documentados ao nível do solo, porque

existiam muitos outros elementos para a respectiva reconstituição, dedicámos o capítulo

III ao tema da composição patrimonial.

Aí, bens móveis e imóveis dos primeiros habitantes da Terceira emergiram, pelo

menos os da segunda e terceira geração de moradores, permitindo-nos ir um pouco além,

no conhecimento das primevas formas de vida na ilha. Pudemos, assim, pelo vestuário,

pelo apetrechamento das moradias e das unidades de exploração, pela posse de escravos

e gado, mas também pelo nível das casas e novamente pela posse do solo, abeirarmo-nos

das formas de vida, dos usos quotidianos e, ao mesmo tempo, antever e categorizar

diversos níveis de riqueza e as diferenças sociais que reflectiam. E este levantamento não

foi de somenos, porquanto associado às formas e aos índices de rentabilização

patrimonial, estudados nos IV capítulo, permitiram um primeiro esboço da definição e

da hierarquia das fortunas laicas na ilha Terceira.

13
O desenvolvimento das estruturas necessárias e dos modelos seguidos no cabal

aproveitamento económico da terra e da riqueza material, por parte dos nossos

poprietários, traduzido na organização e nas formas de exploração da terra, noutras

componentes de rentabilização da riqueza, nas produções, nas despesas e nos

rendimentos alcançados foram, também, indispensáveis para o esboço de categorização

das fortunas das primeiras gerações da ilha. Concretizadas estas vias de investigação,

parecia-nos ser possível melhor compreender os homens, na sua relação com a terra e

com a fortuna, nos primórdios da ilha Terceira.

Complementámos e fundamentámos este trabalho, ainda, com vinte e dois

gráficos, vinte e seis quadros e cinco mapas incorporados no texto. Para mais,

consolidámo-lo e enriquecemo-lo com várias páginas de apêndices, compostas por onze

quadros, pela transcrição de catorze documentos e pela síntese de dados pessoais e

patrimoniais, constantes dos duzentos e onze testamentos utilizados nesta dissertação.

No concretizar do trabalho e em termos de fontes inéditas, os arquivos

privilegiados foram o Arquivo Nacional/Torre do Tombo, os arquivos regionais de Ponta

Delgada e de Angra do Heroísmo e o arquivo dos Serviços de Documentação da

Universidade dos Açores.

O primeiro ocupou-nos uma pequena parte da tarefa de prospecção. Tirando os

utilíssimos inventários informatizados das chancelarias de D. Duarte, D. Afonso V, D.

João II e D. Manuel19, que nos permitiram a selecção e tratamento de fontes, de mais

nenhum fomos capazes de tirar proveito, no curto lapso de tempo disponível para a

tarefa. Aliás, a proporcionalidade tempo de pesquisa/rentabilidade, por oposição à

imensa mole documental que sabíamos existir nos arquivos adiante referidos, levaram-

nos a trabalhar o arquivo nacional quase que cirurgicamente, em função de dados e

orientações de pesquisa muito precisos. Para mais, o facto do Arquivo dos Açores

contemplar uma notável compilação de fontes extraídas do Livro das Ilhas, das

Chancelarias de D. Afonso V, de D. João II, de D. Manuel e de D. João III, dos

19 Dos quais foram frutuosos os de D. Afonso V e D. de Manuel, pois permitiram-nos encontrar registos
para "Terceira", "Açores", "Ilha/Ilhas".

14
Místicos, Cortes, Corpo Cronológico e Cartas Missivas, vem colmatar as eventuais

falhas ao nível da pesquisa no arquivo nacional. Pessoalmente, sentimos um certo

desconforto por não termos conseguido tirar proveito da antiga Chancelaria da Ordem de

Cristo (que terá ela ainda para nos dar?)20 . Neste conspecto, apenas alguns documentos

publicados por Manuel Monteiro Velho Arruda tornam o dito cartório presente21.

Já quanto ao arquivo de Ponta Delgada, ocupou-nos uma parte significativa da

investigação. Mas as circunstâncias, da maior parte dos fundos ter sido trabalhada para

as PAPCC, fizeram com que a fase do respectivo tratamento tenha sido bastante mais

célere.

Tal já não ocorreu com o arquivo de Angra, ao qual dispensámos bem dois terços

do tempo de dispensa de serviço docente e cujo início da consulta não pudemos

antecipar a Outubro de 2002. A imensa riqueza dos seus fundos, a par da gritante falta

de condições, materiais e humanas, de acondicionamento, inventariação e

disponibilização dos mesmos, tornaram a tarefa morosa, por vezes pondo em causa a

concretização do trabalho e a obtenção de resultados em tempo útil. Sem sermos

exaustivos na descrição das dificuldades, apelamos apenas para três índices documentais

que acabámos por concretizar, relativos ao Livro da Provedoria dos Resíduos e Capelas

da Ilha Terceira (que disponibilizámos no arquivo) e aos primeiros livros do Tombo de

Santa Cruz da Praia e do Tombo da Misericórdia da Praia (apenas concernentes à

documentação por nós levantada) e cuja necessidade de os elaborar fala por si só.

Alertamos, também, para a numeração que fizemos de alguns documentos22; para a

foliação apresentada, que em cerca de 75% dos casos e mesmo nos processos de maior

dimensão é da nossa autoria — problema que tem a ver com a forma do registo da época;

para a impossibilidade de reconstituirmos a catalogação, preexistente, de algumas fontes,

20 À qual ainda tentámos chegar através de Mesa da Consciência e Ordens. Maria do Carmo Jasmins
Dias Farinha e Anabela Azevedo Jara (ed.). Lisboa: Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo /
Direcção dos Serviços de Arquivística, 1997.
21 Nomeadamente nas doações do Infante D. Henrique à Ordem de Cristo (18.IX.1460). Cfr. Manuel
Monteiro Velho Arruda — Colecção de documentos relativos ao descobrimento e povoamento dos
Açores. 3ª edição, Ponta Delgada: Instituto Cultural de Ponta Delgada, 1989, pp. 132-135.
22 A partir de elementos referenciáveis. De qualquer modo, estarão sempre sujeitos a eventual e futura
inventariação, que inclusivamente os fará deslocar da posição em que os encontrámos.

15
já que encontramos a palavra "maço", "pasta", "documento" com o que seria um número,

ora apagado, ora riscado (claro indício de nova catalogação que não foi terminada); para a

dispersão, neste momento aleatória, dos documentos de muitos maços constantes do

Cartório dos Condes da Praia (quando os voltaremos a encontrar?), por exemplo; para a

existência de inúmeros documentos numerados em inventário, mas que não o estão assim

no próprio acervo, como é o caso dos constantes nos primeiros trezentos maços da

Auditoria Administrativa de Angra do Heroísmo.

Não entendemos necessário continuar a enumeração dos obstáculos (até porque

todos nós conhecemos bem os problemas dos arquivos portugueses23), para podermos

ficar com uma ideia de quão gigantesca tarefa têm a braços os arquivistas da Biblioteca

Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo24. E no entanto, quem sabe porque

como ninguém conhecem o desespero de "querer fazer" sem condições, são inexcedíveis

no apoio e prestação de serviço público. A solicitude com que o seu director e técnicos

permitiram a reprodução em fotocópia de certos documentos em bom estado de

conservação e, principalmente, a autorização para podermos digitalizar uma parte das

fontes que nos interessavam, principalmente constantes da Auditoria Administrativa de

Angra do Heroísmo, foram condição essencial para que as nossas estadas de duas a três

semanas, praticamente mensais, na Terceira e durante ano e meio, não se tivessem

transformado numa mudança de residência mais definitiva e prolongada. Por estes

motivos, a todos eles uma palavra de entusiasmo e o pedido para não se deixarem

soçobrar nas dificuldades do quotidiano.

Quanto ao arquivo, em formação, da nossa Universidade, destacamos que tanto o

acervo Brum da Silveira / José do Canto como o de Raposo do Amaral contêm

documentação, em boa parte, concernente à ilha de S. Miguel. Se no primeiro

encontramos documentos para o Grupo Central do arquipélago, eles são mais

23 Sobre os açorianos e m particular destaque-se o Dossier Arquivos dos Açores, com trabalhos de
Avelino Freitas de Meneses, José Damião Rodrigues, Pedro de Pacheco de Medeiros e José Guilherme
Reis Leite, inserto na Revista Arquipélágo.história. 2ª série, vol. V (2001) pp. 721 - 764.
24 Sem esquecer outros muitos fundos que estão por inventariar. Cfr. Vanda Maria Belém (Coordenação)
— Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo. Angra do Heroísmo: Biblioteca
Pública e Arquivo, 1999.

16
abundantes para épocas posteriores às contempladas por este estudo. Quanto ao

segundo, onde detectámos as fontes mais antigas, elas são em exclusivo respeitantes à

ilha do arcanjo. De qualquer modo, até para uma melhor contextualização, foram aqui

cruzadas sempre que a situação o exigiu. Também no caso, queremos fazer um alerta

para o atraso na inventariação destes fundos. Os respectivos documentos, aqui

referenciados, apresentam um número que é o que consta dos mesmos, sem que se

constate sequência nem ordem, em virtude do desmantelamento da organizção do

próprio arquivo, supomos que do século XIX. Neste momento, não só o primeiro

acervo está por inventariar / catalogar, como tivemos oportunidade de identificar um

bom número de documentos fora do fundo a que pertenciam, no caso, ao de Raposo do

Amaral. Aliás, essa era já a suspeita da técnica superior que por eles vela (o que,

infelizmente, faz em muito pequena escala já que lhe estão atribuídas outras tarefas) e

esta foi a oportunidade para o confirmar.

Após as considerações atrás, registemos que esclarecimentos e justificações de

índole metodológica irão sendo fornecidos, à medida da clarificação dos assuntos e da

produção de materiais e dados. De qualquer modo, algumas questões preliminares

importa atender.

Os primeiros cinquenta anos do nosso estudo são os mais escassamente

documentados. Mesmo assim e à semelhança de uma realidade que temos por nacional,

os finais do século XV emergem já no crescendo das fontes escritas, para a primeira

metade do XVI "explodir" em termos de fontes. É óbvio que nos circunscrevemos ao

nosso lapso cronológico quinhentista e não fazemos projecções comparativas com as

massas documentais de épocas subsequentes. No entanto, apesar das fontes, que não

são assim tão escassas para os primeiros anos de quinhentos, os estudos monográficos

com incidência nas épocas primevas dos Açores são raros. Sem dúvida que a riqueza do

suporte documental de épocas posteriores assim o exigia, mas ficava-se sempre com a

impressão de que muito pouco, do mais recuado no tempo, se podia reconstruir.

De qualquer modo, cedo constatámos que as novas fontes de quatrocentos e,

principalmente, as da primeira metade de quinhentos, permitiam a reconstituição de

17
informes, pelo método de inferência e pela análise retrospectiva, controlada e cautelosa.

O recurso aos documentos mais próximos do tempo menos documentado, para o

levantamento, nem que a nível hipotético, das realidades que os antecederam e que até

lhes davam suporte, seria preferível à coibição do estudo ou ao reedificar historiográfico

apenas com base nas crónicas25 . Por outro lado, a reconstituições biográfica e

antroponímica também se nos afiguraram como abordagens úteis e enriquecedoras no

estabelecimento de dados relativos aos períodos mais recuados. Ao mesmo tempo, não

descurámos a parceria com disciplinas como a Geografia, as Ciências da População e da

Natureza e a até a jovem Genética. Incidentemente, fomentámos o nosso investimento

ao nível da Etnologia, essencial para a compreensão da cultura material e de certas

práticas quotidianas que chegaram a tempos ainda bem presentes.

Cremos, com isto, ter recorrido a procedimentos e técnicas fundamentadas pela

ciência histórica, como nalguns casos teremos o ensejo de desenvolver. De qualquer

modo, não deixámos de contar com a riqueza cronística das nossas ilhas26 e com uma

tipologia muito variada de documentos, entre os quais, cartas, alvarás e regimentos

donatariais e/ou régios, missivas particulares — na maior parte dos casos, nascidas do

exercício de determinadas funções —, testamentos, autos de contas, inventários,

processos de demanda, cartas e registos de sesmaria, escrituras de dote e doação,

atestados de nobreza, cartas de compra e venda e contratos de exploração. Pretendíamos,

assim, pelo cruzamento das diversas fontes e dos conteúdos/metodologias de diversas

áreas do saber, colmatar as possíveis lacunas, omissões, fragilidades e falta de

representatividade dos informes, fazendo confluir o maior número possível de

documentos e conclusões sobre as matérias. Julgámos, deste modo, poder dar um

contributo válido à história inicial dos Açores, particularmente da à da ilha Terceira, não

apenas pelos métodos que não são novos como, também, pelo levantamento

considerável de fontes inéditas.

25 De qualquer modo, é nossa convicção do quão bem informados andavam os nossos cronistas, como
Frei Diogo das Chagas e o Pe. Manuel Luís Maldonado, por exemplo, que recorriam amiúde às fontes,
preservaram algumas e referenciavam outras que acabámos por encontrar.
26 Que a seu tempo se enunciará.

18
Por fim, tomo o discurso na primeira pessoa, porque o fundamento está

exclusivamente nela, e expresso o meu muito obrigada a todos os que de alguma forma

contribuíram para este trabalho, ora manifestando interesse pelas pesquisas em curso —

mesmo quando se situavam em áreas de investigação bastante distintas —, ora dando-me

uma palavra de incentivo e, até, disponibilizando elementos e conselhos preciosos para a

respectiva concretização.

Em primeiro lugar, agradeço a Humberto Baquero Moreno, orientador desta

dissertação, o apoio de todos estes anos, o entusiasmo com que sempre acolhe os meus

incipientes projectos, a importãncia e valia dos seus conselhos e a generosidade dos

elogios.

Agradeço, também: a Jorge Forjaz, a solícita disponibilização de alguns

documentos do seu arquivo pessoal, bem como a oferta de alguma bibliografia; a Nuno e

João Ventura, o esforço dispendido na digitalização de muitas fontes; ao Tenente-

Coronel Salgado, a cedência de cartografia necessária à concretização deste trabalho; a

Mário Viana e José Damião Rodrigues, a facultação de algumas referências bibliográficas

e todo o incentivo concretizado nestes últimos anos; a Maria de Lurdes Rosa, a

disponibilização das suas fichas sobre o capitão de Angra, Vasco Anes Corte Real e os

emails de estímulo e esclarecimento que sempre me prestou. Muito particularmente,

reconheço a minha dívida a Octávio de Medeiros, Ricardo Madruga da Costa e Susana

Costa, pela paciência com que leram e criticaram alguns destes capítulos. Na fase final

do trabalho, quando o tempo esgota, o cansaço impera e se impõe a correlação das

problemáticas globais, acrescida da necessidade de apuramento do estilo e da

apresentação gráfica, a perspectiva do "outro" que lê o nosso texto é preciosíssima.

Para mais, um agradecimento particular a Francisco Pinto e à Coingra, pela

disponibilização de material informático, confrontados que fomos com situações de

desadequação de programas e de equipamentos, à última hora. A Luís Moura, Eduardo

Medeiros, António Taveira, João Magalhães, Jorge Lacerda e Ricardo Rodrigues (da

Coingra), que tiveram a paciência, o trabalho e o desvelo de arranjar alternativas para a

19
informatização cartográfica e para a impressão do trabalho final, quando me vi

impossibilitada de utilizar recursos próprios e institucionais, um grande BEM AJAM.

A José Guilherme Reis Leite, pelo espírito crítico com que sempre acolheu os

meus estudos, pela solicitude com que disponibilizou a transcrição manuscrita do

Tombo da Câmara da Praia, pela oferta de bibliografia essencial a esta dissertação, da sua

autoria, mas também de várias publicações do Instituto Histórico da Ilha Terceira, pelo

interesse com que leu todo este trabalho, pelas críticas e sugestões que nunca deixou de

me endereçar, mas, principalmente, pela hospitalidade e pelo acompanhamento que fez

às minhas longas estadas na ilha Terceira, o meu mais profundo e respeitoso

reconhecimento.

A todos os que não nomeei, que fazem parte da minha vida académica e pessoal e

que sempre me apoiaram, peço desculpa pela ingratidão, mas creiam que, como "cultora

da memória", faço questão de que ela não seja "curta". E este é o meu compromisso.

Finalmente, invoco os MEUS mais próximos, o João, a Sancha e a Matilde,

centros da minha vida, pelo apoio e alegrias nestes longos "trabalhos de casa" (TPC) —

como os designava a minha filha mais nova.

Para terminar, invoco o Artur+, com quem continuo a cruzar nas iniciativas, nos

espaços, em alguns livros, nas fichas de trabalho e no domínio da grande maioria dos

programas informáticos. Em nome da generosidade, da solidariedade, da alteridade e da

amizade, presto-lhe aqui a minha sentida homenagem.

20
CAPÍTULO I

O PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO DA ILHA:


UMA ABORDAGEM
[…] [T]udo em seus princípios, começa por pouco
mais de nada, como o grãosinho de mostarda, que
sendo mais pequeno de todos os (sic) sementes e que
ao nascer escassamente se ué, e depois uai crecendo do
~a fermosa e grandiosa aruore, tais
modo, que se faz hu
forão não só esta Ilha, mas todas as mais, porque não
uieram seus pouoadores logo juntamente senão huns
apos outros, e assim se foram multiplicando […].

Frei Diogo das Chagas — Espelho cristalino em jardim


de várias flores. Dir. e Pref. de A. Teodoro de Matos. [S.
l.]: Direcção Regional dos Assuntos Culturais / Centro de
Estudos Gaspar Frutuoso, 1980, p. 228.

22
1. Considerações prévias

As questões do povoamento das ilhas dos Açores, como temática e fim em si,

encontraram nos nossos tempos os seus estudiosos de maior vulto1 . Não obstante,

desde os primeiros estudos à mais recente reflexão global de Avelino de Freitas de

Meneses 2, foram-se alterando as abordagens, os pressupostos, as metodologias, as

problemáticas e até as fontes, à medida da própria consolidação da investigação

histórica, etnológica, geográfica e linguística. De todos os trabalhos ressalta a constatação

de não haver uma grande obra de síntese sobre a matéria, contemplando todas as

1 João Bernardo de Oliveira Rodrigues — Descobrimento e Colonização dos Açores no século XV.
Dissertação de licenciatura apresentada à Faculdade de Letras de Lisboa, Secção de Ciências Histórico-
Geográficas, 1925. Texto policopiado; António Ferreira de Serpa — O descobrimento do arquipélago
dos Açores. Porto: Livraria e Imprensa Civilização Editora, 1925; Mnuel Monteiro Velho Arruda — A
acção dos portugueses no descobrimento e colonização dos Açores. História. Vol. I: nº 1, s.d.; Luís da
Silva Ribeiro — Formação histórica do povo dos Açores. Subsídios para o seu estudo. Açoreana.
Revista de Estudos Açoreanos. Boletim da Sociedade Afonso Chaves. Vol. II: nº 4 (1941); Manuel
Menezes — O problema da descoberta e povoamento dos Açores e em especial da ilha Terceira.
Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira [BIHIT]. Nº 5 (1947) 1-119; Idem — revisão ao
problema da descoberta e povoamento dos Açores. BIHIT. Nº 7 (1949) 1-226; José Correia da Cunha —
Dominantes geográficas no povoamento açoriano. In Livro da II Semana de estudos dos Açores. Angra
do Heroísmo: [s.n.], 1963; Martim Afonso da Silveira — Do contributo flamengo nos Açores. BIHIT.
Vols. XXI-XXII (1963-64) 5-144; Carlos Alberto Medeiros — Acerca da ocupação humana das ilhas
portuguesas do Atlântico. Finisterra. Revista Portuguesa de Geografia. Vol. IV (1969) 95-125; José Enes
— A dominância das origens na história da sociedade açoriana. In Os Açores e o Atlântico. Angra do
Heroísmo: Instituto Histórico da Ilha Terceira, 1984, pp. 398-410; José Almeida Pavão — O
povoamento e a linguagem nas ilhas açorianas. Insulana. Vol. XLI (1985) 137-155; Artur Teodoro de
Matos — Do contributo algarvio no povoamento da Madeira e dos Açores. In Actas das I Jornadas de
História Medieval do Algarve e Andaluzia. Loulé: Câmara Municipal de Loulé, 1987, pp. 173-183;
Idem — Origem e reminiscências dos povoadores da ilhas atlânticas. In Congresso Internacional
Bartolomeu Dias e a sua época. Porto: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos
Portugueses / Universidade do Porto, 1989, vol. III, pp. 241-252; idem — Povoamento e colonização
dos Açores. In Luís de Albuquerque (dir.) — Portugal no Mundo. Lisboa: Publicações Alfa, 1989, vol.
I, pp. 176-188; Luísa Noronha — Açores, aspectos da ocupação humana e equilíbrios do poder político
(séculos XV-XVII). Insulana. Vol. XLVII (1991) 239-308; Avelino de Freitas de Meneses — Madeira e
Açores: ensaio e sustentáculo da expansão ultramarina. In A. de F. de Meneses — Estudos de História
dos Açores. Ponta Delgada: Jornal de Cultura, 1994, pp. 77-107; idem — A questão dos flamengos no
povoamento dos Açores. In A. de F. de Meneses — Estudos de História dos Açores…, vol. I, pp. 109-
121; e idem — O povoamento. In A. H. de Oliveira Marques e Joel Serrão (Dir.) — Nova História da
Expansão Portuguesa. Vol. III, coord. de Artur Teodoro de Matos — A colonização do Atlântico.
Lisboa: Editorial Estampa [no prelo].
2 Do autor citado, O povoamento. In A. H. de Oliveira Marques e Joel Serrão (Dir.) — Nova História da
Expansão Portuguesa. Vol. III, coord. de Artur Teodoro de Matos — A colonização do Atlântico.
Lisboa: Editorial Estampa, [no prelo].

23
vertentes, nas diversas áreas do saber e acrescida da interpretação de eventuais novas

fontes, difíceis de abordar pela raridade, dispersão e até tardias referências (quase nunca

relativas ao século XV). Trabalho complexo, moroso, talvez demasiado "arriscado" no

âmbito da prestação de provas académicas, decisivamente de carácter multidisciplinar.

No momento presente e em termos demasiado genéricos, é constatável o

significado das ideias construídas, a importância cumulativa de conhecimento, o esforço

de problematização à volta das temáticas mas, em simultâneo, a continuada incapacidade

para esclarecermos pontos que sempre têm ficado na penumbra, principalmente

respeitantes aos primitivos momentos da ocupação humana. Não possuímos, para tais

tempos açóricos, uma "carta de Pêro Vaz de Caminha", um arrolamento de casais

embarcados para a arroteia das ilhas, nem tão-pouco o simples registo oficial de quando

partiu ou chegou uma qualquer das primeiras embarcações, para além das muitas outras

informações à volta da organização administrativa, religiosa, societal e económica3. É

sabido que a provável incipiência administrativa/burocrática, a todos os níveis, para tal

contribuiu4. Reconhece-se que o restritivo domínio da escrita terá, em parte, feito rarear

as fontes dessa índole, mas certo é, também, que a intenção dos homens daquele tempo e

no quadro das necessidades e aspirações de então, mais condicionadas pelos próprios

mecanismos de sobrevivência, não terá tido como objectivo principal a salvaguarda e

defesa daquilo que nós, hoje, achamos que deveria ter sido preservado ou que

gostaríamos que tivesse sido.

Ao mesmo tempo, a fragilidade das técnicas e materiais, a par da inexistência de

uma ampla e concertada acção de levantamento arqueológico na região, quase nega as

demais fontes. Salvaguardem-se, contudo, e neste último conspecto, entre outros

esforços individuais e particulares de preservação5 , o sistemático levantamento

3 O problema das fontes é tema recorrente nos estudos sobre o povoamento açoriano. Vide, a título de
exemplo, Artur Teodoro de Matos — Povoamento e Colonização dos Açores. In Luís de Albuquerque
(dir.) — Portugal no Mundo. Lisboa: Publicações Alfa, vol. I, p. 176; Avelino de Freitas de Meneses
— O povoamento… [no prelo].
4 Avelino de Freitas de Meneses — O povoamento…, ponto 1 [no prelo].
5 Estamos a lembrarmo-nos da Casa-Museu de Ernesto Oliveira Martins, em Angra do Heroísmo e do
Museu do Vinho, nos Biscoitos, por exemplo.

24
etnográfico levado a cabo e dirigido por Rui Martins, na Universidade dos Açores6, os

projectos do Instituto Açoriano de Cultura que, entre o mais, resultaram nos já

publicados volumes do Inventário do Património Imóvel dos Açores7 e, antes de todos

estes, os levados a efeito por Luís da Silva Ribeiro8 e Carreiro da Costa9. Graças a eles,

muitas das possíveis fontes materiais aparecem descritas, caracterizadas e algumas até

estudadas com maior desenvolvimento.

Entretanto, não cabendo nos propósitos do presente trabalho a elaboração de

uma síntese sobre os estudos já produzidos e a que fizemos breve referência, julgamos

dispor de dados que autorizam a afirmação de que estamos em condições de trazer ao

esclarecimento da problemática do povoamento um contributo útil e, porventura,

inovador.

É igualmente verdade que não compreenderíamos as abordagens propostas neste

trabalho, se não descortinássemos os principais aspectos considerados sobre o

povoamento e constituição societal da Terceira e até, quiçá, procedêssemos ao

levantamento de novos dados. Isto, não propriamente no intuito de desconstruir o até

agora conseguido, mas para trazer novos informes e maior fundamentação a muito do

que tem sido afirmado. Aliás, esclareçamo-lo logo à partida, a nossa abordagem prévia

acompanha, de perto, o trabalho de Avelino de Freitas de M eneses10 e o último ensaio

6 Para além dos muitos trabalhos publicados por Rui Martins, salientemos o levantamento realizado
pelos alunos da disciplina de Antropologia Cultural, nos últimos anos, cujo inventário temático, Artes
populares do arquipélago (2002), texto policopiado e elaborado pelo Centro de Estudos Etnológicos,
nos foi facultado para mais facilmente permitir a identificação e consulta dos trabalhos à guarda do dito
centro.
7 Do Pico: S. Roque (1999), Lajes (2000) e Madalena (2001); Corvo: Vila Nova (2001); Faial: Horta
(2003); Terceira: Praia da Vitória (2004).
8 No Centenário Ribeiriano foi editado, em boa hora, Luís da Silva Ribeiro. Obras, pelo Instituto
Histórico da Ilha Terceira. O volume I versa a Etnografia açoriana (1982), o II a História (1983) e o III
é composto por Vária (1983). Foi ainda editado um volume com os discursos políticos do insigne
estudioso. Deste modo, reuniu-se muito do que andava disperso por inúmeras publicações.
9 Os trabalhos de Carreiro da Costa, publicados por várias revistas regionais e proferidos em emissões
radiofónicas, vinham ao encontro de um projecto pessoal de conhecimento, defesa, promoção e projecção
dos "valores ambientais e culturais dos Açores". Estes trabalhos foram compilados em Carreiro da
Costa. Etnologia dos Açores. Organização, introdução e notas de Rui Sousa Martins. Lagoa: Câmara
Municipal, 1989 (vol. 1), 1991 (vol. 2).
10 Avelino de Freitas de Meneses — O povoamento… [no prelo].

25
de José Guilherme Reis Leite sobre a temática11 , trazendo a público documentação

coeva.

2. Líderes e início do processo de povoamento

É sabido, e por demais repetido, que os primevos documentos escritos com

referências à humanização dos Açores datam de 1439 e 1449 e traduzem a licença régia,

ao Infante D. Henrique, para o povoamento de sete ilhas12, identificadas como as dos

grupos Oriental e Central13. Para as ditas sete ilhas, e para a Terceira em particular,

fazem tais fontes referências ao estado da (des)ocupação arquipelágica, se bem que,

neste lapso de tempo, outros documentos oficiais ainda testemunhem novas acções e

projectos, de 1443 e 144414, apenas aplicáveis ao grupo Oriental.

O documento definitivo para certificar a ocupação da ilha Terceira em particular,

o da nomeação do líder local para o processo, data de Março de 1450. Conhecido apenas

por cópias e surgido tardiamente15, trata-se da célebre doação da capitania ao flamengo

Jácome de Bruges, pelo Infante D. Henrique16. Não queremos silenciar as reservas

levantadas, por alguns, sobre a autenticidade e eventuais extrapolações ou manipulação

11 J. G. Reis Leite — Uma floresta de enganos. A primeira tentativa de povoamento da ilha Terceira.
In Luís Adão da Fonseca, Luís Carlos Amaral e Maria Fernanda Ferreira Santos — Os Reinos Ibéricos
na Idade Média. Livro de Homenagem ao Prof. Doutor Humberto C. Baquero Moreno. Porto:
Faculdade de Letras da Universidade — Livraria Civilização Editora, 2003, vol. II, pp. 671-676.
12 Respectivamente, Arquivo dos Açores [AA], vol. I, pp. 5 e 7-8.
13 Ressalve-se que esta não é a interpretação de Manuel Menezes, já que o autor exclui Santa Maria e S.
Miguel, no seu entender então povoadas, e inclui Flores e Corvo. Cfr. autor citado — Revisão ao
problema da descoberta e povoamento dos Açores. Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira. Vol.
VII (1949) pp. 179-184.
14 Falamos da isenção da dízima e portagens a todas as produções trazidas dos Açores ao Reino, durante
cinco anos e por mercê a Gonçalo Velho (05.IV.1443); da mesma isenção a todas as ilhas do Infante D.
Henrique, sem definição de termo temporal (28.III.1444). Podemos também aqui referir a mesma isenção,
para sempre, a todos os habitantes de S. Miguel (20.IV.1447). Respectivamente, AA, vol. I, pp. 5-6;
AA, vol.V , p. 97; AA, vol. I, pp. 6-7.
15 Este documento, na mais antiga versão oficial que se conhece, está no Tombo da Câmara da Praia,
fls. 247vº-248vº, inserto nas confirmações da respectiva capitania a Brás de Ornelas da Câmara Paim,
como descendente de Francisco de Ornelas da Câmara Paim. Cfr. José Guilherme Reis Leite — Livro do
Tombo da Câmara da Praia. Angra do Heroísmo: Instituto Histórico da Ilha Terceira [no prelo].
Agradecemos, ao seu autor, a disponibilização que nos fez do manuscrito. Também se encontra transcrito,
entre outros, em Frutuoso — Livro sexto…, pp. 62-64.
16 A reprodução mais antiga consta em Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, pp. 62-64.

26
da referida carta17. Apesar de tudo, consideramo-lo o primeiro documento disponível a

traduzir objectivamente, não só a intencionalidade de povoar a ilha, como o modelo de

concretização optado: pela atribuição do desempenho a um particular, à custa do

próprio e conferindo-lhe amplos direitos e privilégios, entre os quais, o do monopólio

dos moinhos, dos fornos de poia e do comércio do sal, o direito de concessão das terras

em regime de sesmarias18, a redízima, a administração da justiça — salvo alçada de morte

e talhamento de membros — e o "excepcional" direito de sucessão por linha feminina19.

Desconhecendo-se documentos coevos para os anos seguintes, imediatos, e tendo

os cronistas ressaltado as grandes dificuldades e demoras do capitão em atrair colonos20,

a verdade é que a doação henriquina a D. Fernando, da Terceira e Graciosa, em 22 de

Agosto de 146021 revela, dez anos volvidos, que a ilha está ainda por povoar22.

Não podemos de todo indagar o sentido mais absoluto deste por povoar, de

1460, tanto mais que a data de 1456, mal esclarecida e sem suporte documental, passa

numa tradição recente como a do lançamento da primeira pedra da igreja de Santa Cruz

da Praia23. Se a isto ainda juntarmos, de novo com base noutra tradição (esta, bem mais

17 Cfr. João Teixeira Soares — Donatários…, pp. 209-210 e António Ferreira de Serpa — U m
documento falso atribuído ao Infante D. Henrique ou a carta de doação da ilha Terceira a Jácome de
Bruges. Revista de Arqueologia. Tomo I, nºs 7, 8 e 9 (1932-1934) 220-224, 244-249 e 262-264. Velho
Arruda não subscreve por inteiro as posições dos autores atrás citados, mas admite má leitura e
interpolação do texto. Por esse motivo, exclui o documento de edição da — Colecção de documentos
relativos ao descobrimento e povoamento dos Açores. Ponta Delgada: Instituto Cultural de Ponta
Delgada, 1989, CXLVIII. Vide ainda comentários de A. J. Dias Dinis (dir. e org.) — Monumenta
Henricina. Coimbra: Comissão Executiva das Comemorações do V Centenário da Morte do Infante D.
Henrique, 1969, vol. X, p. 192, nota 1. Como contraponto a estas posições, cfr. José Guilherme Reis
Leite — Uma floresta de enganos…, pp. 675-676. É de registar, também, que os restantes autores,
focados sobre a Terceira, não viram razões para excluir o documento das suas reflexões.
18 Estes direitos definem-se pela remissão às cartas de João Gançalves Zarco (Funchal), Tristão Vaz
Teixeira (Machico e Bartolomeu Perestrelo (Porto Santo).
19 Cfr. AA, vol. IV, pp. 207-208, extraído da História Insulana do Pe. António Cordeiro, publicada
em 1717. Este privilégio é mesmo aquele que põe em causa, para alguns, a autenticidade da fonte. Vide
nota 17.
20 E Gaspar Frutuoso é o primeiro a referi-lo, em Livro sexto…, p. 64.
21 No mesmo ano, a 3 de Dezembro, D. Fernando obtém do Rei, seu irmão, ampliação desta mercê pela
qual se confirma e/ou torna senhor das ilhas da Madeira, Porto Santo, Deserta, S. Luís, S. Dinis, S.
Jorge, S. Tomás, Santa Iria, Jesus Cristo, Graciosa, S. Miguel, Santa Maria, S. Jacob, Filipe, las
Mayas, S. Cristóvão e Lana. AA, 1980, vol. I, pp. 14-15.
22 Conhecemos a dita carta, inserta na confirmação régia de 2 de Setembro de 1460. Cfr. AA, vol. I, pp.
10-13.
23 Com base numa dita descoberta de pedra, em 1810, com a data de 1456, que se terá mandado
reproduzir e afixar na frontaria da Matriz de Santa Cruz da Praia Vide Francisco Ferreira Drummond —
Anais…, vol. I, p. 36; e Memorial da Praia da Vitória. Reedição refundida e aumentada da Muito
Notável Vila da Praia da Vitória, org. por Vitorino Nemésio, em 1929. Praia da Vitória: Câmara
Municipal, 2002, pp. 32 e 299. Manuel Menezes, por seu turno, não contesta a leiura, nem a existência
da pedra, vista por Drummond. Cfr. Manuel Menezes — Revisão ao problema…, p. 188.

27
antiga), de que as Quatro Ribeiras e a sua igreja de Santa Beatriz antecederam o

povoamento da referida Praia24 , ou então que, do outro lado da ilha (junto a S.

Sebastião), Portalegre (também Portal Alegre, Porta Alegre ou Porto Alegre), com a sua

igreja de Santa Ana, foi o lugar de fixação dos primeiros povoadores25, tudo concorre

para que a questão se nos afigure, nas actuais circunstâncias, como irresolúvel.

Agora, de todas as inconsistências e contradições, algumas ilações: no

povoamento da ilha, na banda Este (Praia), porque aí se fixou o primeiro capitão26

—com possibilidades da primeva iniciativa se ter concretizado a Norte (Quatro Ribeiras)

e a Sudeste (S. Sebastião)—, tomar-se-á o primeiro impulso povoador e entre a data

1450 (de doação da capitania a Jácome de Bruges), passando pela da doação ao donatário

D. Fernando (1460) e pelo ano de 1474 —em que a Terceira é institucionalmente

dividida em duas capitanias—, concretiza-se o arranque do processo. Estamos

convencidos de que a passagem da donataria para D. Fernando teria tido consequências

mais definitivas, um pouco à luz da própria dinâmica que aquele implementou noutra

área de domínio insular, a Madeira27, mas também por aquilo que se vai conhecendo

sobre o seu "projecto" para a Terceira.

24 Tradição que os cronistas registam. Gaspar Frutuoso — Livro sexto …, pp. 8-9; Frei Diogo das
Chagas — Espelho cristalino […], p. 218; Pe. Manuel Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, pp. 79-
80.
25 Frei Diogo das Chagas — Espelho cristalino […], p. 218; Pe . Manuel Maldonado — Fenix
angrence…, vol. I, p. 80.
26 Segundo a carta de doação (AA, vol. IV, p. 213). Pelo menos parte das terras de Jácome de Bruges
situavam-se na área em que se terá edificado a vila da Praia. É tido por prova o documento de 1482, pelo
qual as autoridades do concelho fazem saber, a Duarte Paim, herdeiro de Sancha Rodrigues (mulher de
Jácome de Bruges), que de D. Beatriz tinham mandato para tomar terras e fazer povoação junta (ou
junto) e que, com o capitão, acordaram ser na terra da dita Sancha Rodrigues. Cfr. transcrição do doc. em
Frei D. das Chagas — Espelho…, pp. 650-651 e F. F. Drummond — Anais…, vol. I, pp. 500-502. Este
último autor transcreve o ano de "1492", o que não é possível face ao designado por capitão da Praia,
Álvaro Martins Homem. Como se sabe, por seu falecimento, o filho recebeu carta da capitania em
26.III.1483. Cfr. AA, vol. IV, p. 215.
27 Cfr. Joel Serrão — O Infante D. Fernando e a Madeira (1461-1470). Elementos para a formulação
de um problema. In Joel Serrão — Temas Históricos Madeirenses. Funchal: Secretaria Regional do
Turismo Cultura e Emigração / Centro de Estudos de História do Atlântico [CEHA], 1992 [1ª edição em
Das Artes e da História da Madeira. Nº 5]; Charles Verlinden — La position de Madère dans
l'ensemble des possessions insulaires portugaises sous l'Infant Dom Fernando (1460-1470). Colóquio
Internacional de História da Madeira. Funchal: Secretaria Regional do Turismo [SRT] e Cultura /
CEHA, vol. I, pp. 53-63; Humberto Baquero Moreno — O Infante Dom Fernando, donatário da ilha
da Madeira. Actas do III Colóquio Internacional de História da Madeira. Funchal: SRT / CEHA, 1993,
pp. 239-252.

28
De facto, em 1474 , tempo do senhorio de seu filho (ainda menor), a ilha está já

ocupada e as suas potencialidades, ou talvez mais as insuficiências28 a par de todas as

outras razões possíveis29, justificariam a criação de duas jurisdições e a existência de

dois capitães. Aliás, importa reter, estas cartas de doação das capitanias da Praia e de

Angra, a Álvaro Martins Homem e a João Vaz Corte Real, respectivamente30 ,

traduzem-se como execução prática das intenções de divisão da Ilha31 por parte de D.

Fernando32, então falecido, o que recua no tempo o novo modelo de organização ilhéu.

Importa frisar, assim, que o dito modelo provinha já da época de Jácome de

Bruges, pois que a carta de Álvaro Martins Homem reconhece problemas entre ambos,

por a terra da dita Ilha não terem de todo partida. Logo, com o aval do donatário33, a

certa altura e antes de 1474, intrometia-se, na jurisdição da capitania terceirense, uma

figura que era o dito Álvaro Martins Homem.

Este "beneplácito" donatarial só se compreende na "revogação" (renovação?) da

carta de Bruges, no tocante à unicidade da ilha, entregue exclusivamente ao dito capitão.

Razão para tal, que os documentos omitem, pode estar também, entre outras34, como

salienta José Guilherme Reis Leite, na acção demorada de Jácome de Bruges e, por isso,

28 Há indícios claros destas dificuldades na restrita documentação coeva, como vimos dizendo. A própria
carta de Antão Martins Homem assenta na premissa de fazer crecer a povoação della [Ilha]. Cfr. AA,
vol. IV, p. 213. Baseados neles, ou na própria tradição oral, os cronistas também deram eco ao facto. Cfr.
Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, pp. 9-11 e 64; e Frei Diogo das Chagas — Espelho cristalino…, p.
354.
29 O facto dos novos beneficiados serem dados por servidores de D. Fernando, reflexo de prática comum
em todas as épocas, corresponderá a um natural reajustamento dos benefícios e prémios aos homens da
Casa. Para mais, as palavras de Maldonado no sentido de que, a D. Fernando, parecia arduo que Jacomo
de Burgez a tiuesse em todo sendo estrangeiro, ficando assim deminuido o premio dos mais // criados
da caza, não pecam por falta de esclarecimento. Cfr. Pe. Manuel Maldonado — Fenix…, vol. I, p. 87.
30 A carta de doação da capitania da Praia, por D. Beatriz como tutora do donatário D. Diogo, a Álvaro
Martins Homem, data de 17 de Fevereiro de 1474. A da capitania de Angra, a João Vaz Corte Real, é de
2 de Abril de 1474. Cfr., respectivamente, AA, vol. IV, pp. 213-215 e pp. 158-160.
31[R]epartir a dita Ilha per cada hum aver em sua capitania a metade della segundo a tenção do Iffante
meu senhor, que Deus haja hera. Cfr. AA, vol. IV, p. 213.
32 Esta questão, entre outras, é muito bem ressalvada por José Guilherme Reis Leite — Uma floresta …,
p. 672, na contribuição necessária ao estudo do papel de D. Fernando no povoamento dos Açores,
assunto a que, como o autor salienta, não se tem dado muita atenção. A razão prende-se, em boa parte,
com o "desaparecimento" do cartório da Casa. Cfr. João Silva de Sousa — Os herdeiros do Infante e o
Governo dos Açores (1460 — 1485). Arquipélago.História. 2ª série, vol. IV (2000) 24. Já para o caso da
Madeira e, por correlação, com referências importantes para os Açores, cfr. Joel Serrão — O Infante D.
Fernando e a Madeira …; Charles Verlinden — La position de Madère…, 53-63; e Humberto Baquero
Moreno — O Infante Dom Fernando…, pp. 239-252.
33 O reconhecimento da oposição entre Jácome de Bruges e Álvaro Martins Homem, por D. Beatriz, e a
doação que então (1474) lhe faz da capitania da Praia, deixando sempre implícito que agia em
conformidade com seu marido, apenas podem provar tal anuência.
34 Vide nota 29.

29
no incumprimento do acordo celebrado com o Infante D. Henrique em 1450. Aliás,

igualmente nessa perspectiva, poderíamos compreender a "indiferença" de D. Beatriz

quanto à problemática cláusula de sucessão por linha feminina já referida35, não fora a

carta de Martins Homem dizer que Bruges estava morto e a capitania devoluta, por elle

não ter filho lidimo barão segundo forma da sua carta36. De facto, ao doar as capitanias

a Álvaro Martins Homem e a João Vaz Corte Real, dado Jácome de Bruges por morto e

tendo ele filha legítima, resta-nos concluir que, ou esse não constava dos privilégios

salvaguardados, ou foi outro dos direitos perdidos pelo capitão do donatário Infante D.

Henrique.

Mas se outro condutor do povoamento se detectava bem cedo, e para além de

Jácome de Bruges, na figura de Álvaro Martins37, os pioneirismos e as situações menos

esclarecidas não ficariam apenas por aqui.

Envolto num mistério, quase tão denso como o do "desaparecimento" de Jácome

de Bruges38, está o incontornável capitam na hylha Terceira por o duque dom Manuel,

Fernão Dulmo39, pelo ano de 148640. E a perplexidade ainda mais se instala, porquanto

na altura, e por cartas de concessão, havia já dois capitães, cada qual com sua

circunscrição: Antão Martins Homem na Praia e João Vaz Corte Real em Angra, como

vimos.

35 Tanto a revogação do exclusivo no povoamento, como a da sucessão por linha feminina, a Jácome de
Bruges, são ideias defendidas por José Guilherme Reis Leite — Uma floresta…, p. 672-673. Perante as
palavras de Duarte Paim, no referido documento de 1482, de que toda a ilha era sua, […] de um cabo
para o outro, não podemos deixar de admitir que, para além do direito exclusivo à ilha, a cláusula do
direito por sucessão feminina estava bem arreigada no genro do primeiro capitão. Cfr. AA, vol. IV, p.
215.
36 Cfr. AA, vol. IV, p. 213. A cláusula da sucessão por via feminina, da carta de Jácome de Bruges,
também aqui encontra obstáculo de monta, a par das objecções que se lhe podem fazer com base na Lei
Mental de 1434. Cfr. Avelino de Freitas de Meneses — O povoamento… [no prelo].
37 AA, vol. IV, p. 213.
38 O documento mais antigo a atestar este último "mistério" é a própria carta de doação da capitania de
Angra, a João Vaz Corte Real (02.IV.1474). Cfr. AA, vol. IV, pp. 158-159.
39 Ou Ferdinand Van Olmen. Cfr. Charles Verlinden — Le peuplement plamand aux Açores au XVe
siècle. In Os Açores e o Atlântico (séculos XIV-XVII). Angra do Heroísmo: Instituto Histórico da Ilha
Terceira, 1984, p. 301. Sep. do Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira. Vol. XLI, 1983.
40 Carta de D. João II, assim designando o referido Fernão Dulmo. Extraída da Chancelaria do mesmo
rei e também constante do Livro das Ilhas. Cfr. AA, 1981, vol. IV, pp. 440-445; João Martins da Silva
Marques (publ. e pref.) — Descobrimentos portugueses. Documentos para a sua História. Lisboa:
Edição do Instituto de Alta Cultura, vol. III (1461-1500), 1971, doc. 205, p. 317.

30
Do dito Fernão Dulmo não se conhece qualquer carta de doação41. Não obstante,

para a área de residência deste povoador, de origem flamenga ou francesa42, a designação

capjtanja das quatro Ribeyras ficou ainda registada noutro documento, do mesmo ano de

148643. Para mais, entre Fernão Dulmo e Antão Martins Homem, cada um designado

por capitão, corria demanda a 18 de Junho de 1487, pela qual as terras nas Quatro

Ribeiras não eram concedidas em sesmaria44. Tal indicava estarem em causa certos

direitos de jurisdição, pelo menos os que passavam pelo direito de atribuir terras aos

colonos. Acresce também, não envolvendo Fernão Dulmo mas os dois capitães em

título, que na própria divisão da Terceira, entre a capitania da Praia e a de Angra, a

questão da jurisdição das terras das quatro Rybeyras d'auga allua pera dyante foi

problema que se prolongou, até Afonso de Matos dividir a ilha, em Agosto de 149545.

Ora, o "limbo" que esta área46 constituiu, pelo menos entre Junho de 1487 (já decorria aí

a demanda envolvendo Dulmo) e 1495 (divisão da Terceira e incorporação da zona na

capitania da Praia), associado à designação de capitão conferida a Fernão Dulmo47 e ao

41 E Frutuoso não deixa de dizer chamar-se ele capitão sem o ser e ter pretensões à capitania. Gaspar
Frutuoso — Livro sexto…, p. 61.
42 Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 61.
43 Rute Dias Gregório — O Tombo de Pero Anes do Canto (1482 - 1515) [TPAC]. Angra do
Heroísmo: Instituto Histórico da Ilha Terceira, 2002, pp. 170-171. Sep. do Boletim do Instituto
Histórico da Ilha Terceira [BIHIT]. Vol. XL (2002). Este documento, em particular, foi originalmente
publicado in AA, vol. XII, pp. 388-389.
44 Como consta do alvará do ouvidor donatarial, Vasco Afonso, a João [sic] Álvares da Câmara, capitão
por Antão Martins Homem. TPAC, doc. 71, pp. 170-171. Foi primeiro publicado no AA, vol. XII, pp.
388-389, com o nome correcto do dito sogro de Antão Martins: Pedro Álvares da Câmara. Registe-se,
ainda, e porque este documento refere a ida de Fernão Dulmo para o Reino, no âmbito desta demanda,
que a partida acordada entre o mesmo e João Afonso do Estreito, em busca da ilha das Sete Cidades e
para Março de 1487, ou não se verificou ou, entretanto, havia terminado a prospecção. Cfr. AA, 1981,
vol. IV, pp. 440-445.
45 Isto regista Pero Anes do Canto nas suas notas justificativas da invalidade da carta sesmaria de Pero
de Barcelos, obtida na área das Quatro Ribeiras, concedida pelo capitão da Praia em 29.X.1490 e depois
renovada em 24.IV.1495. TPAC, pp. 166-168.
46 Registe-se que ia da Ribeira da Agualva até ao Biscoito Bravo. Cfr. F. F. Drummond — Anais da
ilha Terceira. [S.l.]: Secretaria Regional da Educação e Cultura, 1981, vol. I, p. 13. Que partia de
Agualva, confirmamos pelo capítulo do foral que dava poder aos almoxarifes para aí concederem as terras
em sesmaria (de 30 de Junho de 1487. Vide nota 70). Que terminaria no Biscoito Bravo também
podemos comprovar pelo facto de Pero Anes do Canto, no início do século XVI senhor da zona dos
actuais Biscoitos, estar em 1515 anotando refutações à dada de Pero de Barcelos, sesmaria esta obtida do
capitão Antão Martins, no tempo da interdição dos capitães nas concessões daquela área. TPAC, pp. 166-
168.
47 Francisco Ferreira Drummond insinuava que o título de capitão, atribuído da Fernão Dulmo,
relacionava-se com a sua função de capitão mor da armada, a qual, pelo menos em relação a uma caravela,
é confirmada pelo contrato com João Afonso do Estreito. Cfr. AA, 1981, vol. IV, p. 442; F. F.
Drummond — Anais…, vol. I, p. 12.

31
eco que faziam alguns, já no tempo de Frutuoso, de ter sido ele o primeiro povoador48,

no mínimo, assegura-nos que tal circunscrição tinha, bem nos primórdios, uma

individualidade para nós ainda mal definida49.

Depois, em que condições e com o acordo de quem, se fixara ele na Terceira? De

D. Henrique? De Jácome de Bruges, já que podiam ter a mesma proveniência?

Constituiriam, ele e os que trouxe — até trinta pessoas, regista Frutuoso50 —, um

primeiro grupo enviado por Bruges, ou nem sequer eram mandatários directos do 1º

capitão51?

Estas, são daquelas questões para as quais não possuímos resposta. Na senda do

nosso cronista de finais de quinhentos, apenas podemos dizer que Fernão Dulmo terá

acabado por abandonar a ilha, talvez por lhe parecer a capitania da Praia pequena coisa

e de pouco proveito52. E este abandono não teria ocorrido logo após Junho de 1487, data

em que documento coevo o regista na qualidade de aí morador53, já que a dada em

sesmaria a Pedro Álvares Biscainho, de 1492 e nas Quatro Ribeiras, ainda assinala

confrontação com terras que lhe eram pertencentes54. Entre esta data (1492) e Março de

1506, período no qual outra carta de sesmaria regista confrontação com terras e

cabeçadas que forram [sic] de fernam dullmo55, ter-se-á concretizado o "abandono" da

Terceira por parte desta figura. E se as razões foram o pouco proveito da Praia56, por

não estar ainda cultivada a terra e ser no princípio áspera e sem fruto57, então, teremos

de aí considerar o estado de relativa incipiência no aproveitamento da terra, pelo menos

no início da década de 90. De qualquer modo, não podemos deixar de perspectivar,

48 Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 61.


49 Cfr. Avelino de Freitas de Meneses — O povoamento…, ponto 1, [no prelo].
50 Ibidem.
51 Manuel Menezes defendia que Fernão Dulmo se fixara nas Quatro Ribeiras, antes da concessão da
capitania a Jácome de Bruges (cfr. autor cit., Revisão ao problema…, p. 172), provavelmente com base
em Gaspar Frutuoso. Vide também Martim Afonso da Silveira — Do contributo flamengo nos Açores.
BIHIT. Vol. XXI-XXII (1963-1964], p. 86.
52 Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 61.
53 TPAC, doc. 71, pp. 170-171. Foi primeiro publicado no AA, vol. XII, pp. 388-389.
54 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 8 [pergaminho].
55 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 15.
56 Ilação que pode ser questionável, porquanto o confronto entre Dulmo e Antão Martins Homem,
capitão da Praia, pode, nos seus resultados e mais do que qualquer outra razão, ter levado ao abandono da
ilha por parte do primeiro.
57 Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 61.

32
também, a possibilidade de ter deixado a Terceira, apenas por não conseguir a eventual

salvaguarda de direitos pelos quais parecia lutar em 1486. Se tal se confirmar, então não

será de estranhar que certa tradição o registe como o primeiro Capitão58.

Para abreviar, entre 1450/1460 e 1474, três são as figuras que a documentação

oficial demonstra terem estado à frente, cada qual na sua área, do povoamento da ilha,

organizado em duas frentes principais, Praia e Angra: Jácome de Bruges, Álvaro Martins

Homem e João Vaz Corte Real. A estes acrescenta-se o protagonismo menos bem

esclarecido de Fernão Dulmo na área das Quatro Ribeiras. Em termos de espaço inicial

da ocupação, para além do referenciado, saliente-se ainda outra possível e tradicional

primeira frente em S. Sebastião, protagonizada por homens de escol do governo de

Bruges, os quatro de nome João: Leonardes, Coelho, Bernandes e da Ponte. Aí, nesse

mesmo espaço, o século XVI viu perecer aquele que também é dado como primeiro lugar

de fixação dos homens: Portalegre59.

3. Fases e protagonismos: tentames de periodização e de reconstituição

prosopográfica

Com os líderes vêm os seus homens, familiares e criados, para além daqueles que

a urgência e o risco da empresa obrigou/estimulou ao recrutamento e consociação60. As

conexões destes homens em termos de consanguinidade, casamento e Casa, são

constantemente atestados, não apenas ao nível do levantamento biográfico como, e

principalmente, no campo da afirmação patrimonial, estatutária e do privilégio. Já

tivemos oportunidade de abordar e comprovar essas constituição de "redes", grupos de

58 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 217.


59 Gaspar Frutuoso — Livro sexto […], p. 20. Para mais alguns pormenores, ver Rute Dias Gregório —
Pero Anes do Canto: um homem e um património. Ponta Delgada: Instituto Cultural de Ponta Delgada,
mapa 5, p. 110 e p. 314.
60 Acerca das dependências e do clientelismo, como nódulo estruturante e "factor de coesão" da sociedade
portuguesa do século XV, vide Maria Helena da Cruz Coelho — A sociedade portuguesa quatrocentista:
dinâmicas e padrões. In O Mundo do Infante D. Henrique. Angra do Heroísmo: Instituto Histórico da
Ilha Terceira, 1998, pp. 412-418.

33
fidelidade, no estudo sobre a fundação da Casa Canto, tanto no seu interior, como nas

correlações que estabeleceram com outros grupos, nomeadamente rivais61. Voltaremos a

fazê-lo aqui de forma mais abrangente e alargada. Mas, para isso, é necessário

primeiramente identificar os homens, situá-los no tempo e estabelecer os "fios" que os

unem.

Os principais acompanhantes dos condutores da humanização ilhoa são

nomeados pelos cronistas e detectam-se, aqui e ali, espisódica e dispersamente

registados em documentação de finais do século XV e da primeira metade do século XVI.

Partindo das crónicas e baseando-nos nos sinais que a documentação mais ou

menos coeva nos traz, cremos poder situar o processo de humanização da ilha Terceira

na periodização que a seguir se apresenta. Não queremos com ela estabelecer limites

cronológicos demasiado rígidos, já que as fases definidas se interpenetram

profundamente e constituem, antes de tudo, um auxiliar de análise. Não obstante,

parece-nos racional anunciar, como "fase de definição e reforço" do povoamento, o

período que se segue à instituição das duas capitanias e, como "fase de consolidação", a

época de transição para o século XVI que se espraia nas duas primeiras décadas deste

século62.

Tendo como pano de fundo o surgimento das primeiras vilas: Angra (antes de

Agosto de 148063) e Praia (década de oitenta64) e a fundação dos primeiros conventos:

S. Francisco de Angra (década de 7065), da Praia (década de 9066) e do mosteiro da Luz

da mesma vila (década de 8067); o provimento da vigararia de S. Salvador, Angra (1486),

61 Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, principalmente, pp. 240-241 e 266-276; idem —
Algumas considerações sobre a socialidade nas ilhas. Arquipélago. História. Vol. VI (2002) 33-51.
62 Para o cômputo geral do arquipélago e tomando o conceito de povoamento pelo da primeira ocupação,
já Avelino de Freitas de Meneses denomina como "de consolidação" a época de D. Manuel. Cfr. Avelino
de Freitas de Meneses — Madeira e Açores: ensaio e sustentáculo da expansão ultramarina. In A. de F.
de Meneses — Estudos de História dos Açores. Ponta Delgada: Jornal de Cultura, 1994, vol. I, p. 84.
Claro que para abranger as Flores e o Corvo ter-se-á de alargar o tempo até cerca de 1525, o que já nos
transporta para os inícios do reinado de D. João III.
63 Chagas refere documentação de Agosto do dito ano, a qual dá Angra por vila. Cfr. Frei Diogo das
Chagas — Espelho cristalino…, p. 282.
64 De 06.IX.1482, data o anúncio de tomada de terra para a edificação do povoado. Cfr. documento
transcrito por Frei Diogo das Chagas — Espelho cristalino…, pp. 650-651.
65 Pe. M. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 189 e 230.
66 Pe. M. Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, p. 151.
67 Ibidem.

34
quando em 1470 apenas se nomeava um cura e capelão para toda a ilha Terceira68; a

primeira visita à ilha do Bispo de anel, D. João Aranha (1487)69 ; a emanação do

primeiro foral dos almoxarifados, dirigido aos respectivos almoxarifes de Angra e da

Praia, em 148770; e o compromisso e instituição do Hospital de Angra (1492)71, afigura-

se-nos claro como o período, que se inicia com a divisão da ilha em duas capitanias

(1474), terá sido fulcral ao nível da constituição das principais estruturas organizativas.

Quanto ao terceiro período, que se iniciará grosso modo com a subida ao trono do duque

donatário dos Açores, D. Manuel, a ilha apresenta uma dinâmica institucional bastante

forte, tradutora do respectivo crescimento que talvez se terá manifestado logo com a

vinda do ouvidor Afonso de Matos, em 149572, cuja autoridade parece ter sido posta em

causa já que em 1504 certas figuras da Praia estavam acusadas de desobediência73; na

centralização da emanação dos mandados, sentenças e perdões às ilhas, na Casa do Cível

de Lisboa (1497)74; na emanação do foral das alfândegas de 149975; na criação da 3ª vila

da ilha em 1503, S. Sebastião76; nos primeiros exercícios conhecidos ao nível do juizado

dos órfãos, Angra (1501) e Praia (1501?)77; na presença do Visitador Vasco Afonso em

68 Cfr., respectivamente, AA, vol. X, pp. 494-495 e AA, vol. III, p. 9.


69 Pe. M. Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, pp. 117-118.
70 Vide como definimos as datas de 30 de Junho e 2 de Julho, de 1487, para o foral enviado ao
almoxarife da Praia e ao de Angra, nas notas 1 e 2 do Quadro A, "Referências cronológicas para a história
da ilha Terceira (1450-1550)", nos apêndices.
71 BPARAH. CIM: THSEA, fls. 410-413.
72 Pero Anes do Canto dá-o por corregedor, função que um homónimo ocupa, de facto, em 1505 (Quadro
A dos apêndices). Não obstante, o corregedor é, por inerência, representante da autoridade régia. Assim
sendo e tomando como verdadeiro o que Pero Anes do Canto regista em seu Tombo, este corregedor
Afonso de Matos dividiu a ilha Terceira em Agosto de 1495. Porque D. João II apenas testou em
Setembro, nomeando D. Manuel sucessor e este apenas foi aclamado e jurado rei em 27.X.1495, então a
correição de Afonso de Matos data do tempo de D. João II (cfr. Rui de Abreu Torres — Correição. In
DHP, vol. II, p. 192; TPAC, doc. 86, pp. 167-168; Joaquim Veríssimo Serrão — D. João II. In DHP,
vol. III, p. 390; Mª. Emília Ferreira — D. Manuel I. In DHP, vol. IV, p. 157). De qualquer modo,
supomos mais que, no referido tempo, o dito Afonso de Matos exercesse, não funções de corregedor, mas
de ouvidor do donatário, como consta de documento de 1514. Cfr. AA, vol. XII, p. 407.
73 AA, vol. III, pp. 199-200. Ainda parece haver outra sequelas, quase imediatas, da "introdução" desta
figura na Terceira, na Praia em particular. Em 15.X.1511, a solicitação das autoridades, o rei envia
mandado ao corregedor, para que cumpra a Ordenação e não agrave a vila da Praia na obrigação de
aposentadoria, porquanto restava lá mais tempo do que nas restantes vilas e como seria a versão das ditas
autoridades. Cfr. F. F. Drummond — Anais…, vol. I, pp. 508-509.
74 AA, vol. III, pp. 18-19.
75 Embora conformado ao uso e costume, que se diz dos tempos dos Infantes D. Henrique e D.
Fernando. Cfr. transcrição documental em Pe. M. Maldonado — Fenix…, vol. I, pp. 133-142.
76 AA, vol. I, pp. 46-40.

35
150578; na primeira referência que conhecemos ao arrendamento das ilhas, com cobrança

do 1%, em 150979, se bem que ele fosse possível em data anterior80; nas várias cartas de

nomeação para cargos e funções, que não diremos inexistirem antes, mas cujos vestígios

formais são agora mais visíveis81; na sagração da igreja principal da Praia, Santa Cruz,

em 151782 e na redefinição da alçada judicial dos capitães, cível e crime, em 152083.

Como culminar de todo este movimento em crescendo, acentuado nas décadas de

520/530 e fora já das acções cabouqueiras do povoamento84, Angra é elevada a cidade e

constituiu-se o Bispado de Angra e Ilhas dos Açores, em 1534.

Não obstante, correlativo a tudo o que acabámos de enunciar e na própria senda

de Frei Diogo das Chagas, é óbvio que à ilha continuariam a chegar "homens", numas

épocas mais do que outras, com maior ou menor grau de fixação, apesar da imagem de

"escoadouro" de gentes que, em termos gerais, a partir da 2ª metade do século XVI, e

com incidência nos períodos posteriores85, o arquipélago passou a personificar86.

77 João Martins [Merens] e Henrique Cardoso são os primeiros juiz e escrivão dos órfãos detectados na
documentação, o primeiro de Angra e o segundo da Praia. Apenas identificámos juiz dos órfãos da Praia
em 1512, na pessoa de Pero Gonçalves. Cfr. AA, vol. III, p. 195 e BPARAH. Judiciais: AAAH, mç.
266, nº 10, fls. 11-12vº e 2vº.
78 Cfr. ordem régia para que lhe fossem enviados paramentos, in AA, vol. I, p. 227. Pero Anes do
Canto, seu escrivão, estava na Ilha Terceira em 11.XII.1505. TPAC, doc. 1, p. 49; doc. 54
(26.VII.1506), pp. 140-141 e doc. 60 (27.VII.1506), pp. 149-151.
79 AA, vol. III, pp. 200-201.
80 No foral dos almoxarifados, de 1487, o 2º artigo prescreve que não se arrende o pam que cada hum
anno ouuer na dita Ilha, este se arrecade e mande aos feitores do duque, salvo prescrição contrária. Já as
miuças e dízimo do mar eram para ser arrendados de Janeiro a Janeiro. Cfr. 3º e 4º artigos do documento,
in Pe. Manuel Luís Maldonado — Fenix…, vol. I, p. 143 e p. 144. Desenvolvemos um pouco mais a
questão dos arrendamentos das ilhas, neste período, em — Os rendimentos da capitania da Praia. Anais
de História de Além Mar. Vol. 5 (2004) 161-183.
81 Cfr. AA, vol. III, p. 202 e 208; vol. IV, pp. 33-34; vol. V, pp. 114-117; vol. X, p. 499.
82 Documento transcrito pelo Pe. M. Maldonado — Fenix…, vol. I, pp. 118-119 e vol. III, pp. 94-95.
83 Alçada com origem nas respectivas cartas de doação das capitanias, redefinida nalguns aspectos em
1520, confirmada em 1536 e com algumas introduções de 1549. Cfr. documento transcrito pelo Pe .
Manuel L. Maldonao — Fenix …, vol. I, pp. 157-159.
84 Cfr. Avelino de Freitas de Meneses — O povoamento…, ponto 5.3 [no prelo].
85 Conhecemos o mandado régio a Pero Anes do Canto, de 1550, para que notifique e arrole, na
Terceira, eventuais interessados no povoamento da Baía, Brasil (AA, XII, pp. 414-415). Antes disso,
1541, em S. Miguel dizia-se ter disponíveis, para "sair" da ilha, cerca de 900 homens, dois peões por
cada cavaleiro (AA, vol. V, p. 162). Sobre o tema da origem açoriana e das relações com os Açores dos
povoadores de vários espaços atlânticos, destaquem-se Manuel Baptista de Lima — A Ilha da Terceira e
a colonização do nordeste do continente americano no século XVI". BIHIT. Vol. XVIII (1960) 5-37;
Artur Boavida Madeira — A tradição emigratória - séculos XVI e XVII. In — População e emigração
nos Açores (1766-1820). Cascais: Patrimonia, 1999, pp. 196-204; José Damião Rodrigues — Os Açores
e a Expansão: bens e gentes no espaço colonial português (séculos XV a XVIII). Ponta Delgada:
Instituto Cultural de P. Delgada, 1993. Separata de Insulana; Manuel de Sousa de Meneses — Os casais
açorianos no povoamento de Santa Catarina. BIHIT. Vol. X (1952) 40-104; Avelino de Freitas de
Meneses — Os Ilhéus na colonização do Brasil: o caso das gentes do Pico na década de 1720.

36
Se para os tempos hodiernos, e já para épocas anteriores, contabilizar levas de

chegada e partida e contigentes de população, constitui tarefa complexa e morosa,

porque sempre se vai carecendo de dados absolutamente seguros, porque muitos

contingentes não se enquadram nas "vias legais" ou, então, os díspares processos e

modos de registo de instituição para instituição e de época para época não conferem

uniformidade aos dados, a verdade é que tais tarefas são realizáveis. No entanto, o

mesmo não se configura para os séculos XV/XVI, no enquadramento geográfico que nos

ocupa.

Mas se não conseguimos quantificar os homens, muitos podemos identificar. Ou

seja, com base nas referidas crónicas, quer elas tenham fundamento na tradição, na

oralidade ou na documentação coeva87, detectamos figuras associadas às diversas fases

da ocupação humana. Tentando seguir-lhes o rasto nas fontes mais coetâneas, inferir a

validade do estatuto de povoadores e, principalmente, situá-las cronologicamente com os

informes disponíveis, houve que reconstituir os primeiros percursos individuais e

geracionais88. A concretização de um ambicioso ficheiro prosopográfico, "Gente das

Ilhas, 1450-1550", depois "estreitado" para a ilha Terceira, era objectivo almejado, a

fornecer em apêndice a este trabalho. Apesar de não concluído, os elementos compilados

Arquipélago.História. 2ª série, vol. III (1999) 251-264; Carlos Cordeiro e Artur Boavida Madeira — A
Emigração Açoriana para o Brasil (1541-1829): uma leitura em torno de interesses e vontades.
Arquipélago.História. 2ª série, vol. VII (2003) 99-122; Manuel Lobo Cabrera e María Elisa Torres
Santana — Aproximación a las Relaciones entre Canarias y Azores en los siglos XVI y XVII. In Os
Açores e o Atlântico (séculos XIV-XVII). Angra do Heroísmo: Instituto Histórico da Ilha Terceira, 1984,
pp. 357-363 e 374; e o estudo sobre a presença açoriana na Madeira, de Luís de Sousa de Melo — O
problema da origem geográfica do povoamento. Revista Islenha. Nº 3 (1988) 19-33.
86 Hoje, abramos os parêntesis necessários, o percurso talvez retome a tendência dos primórdios. No
quadro dos movimentos migratórios europeus, principalmente com origem no Leste Europeu, mas
também africana, as ilhas continuam a ser ponto de chegada de novos homens: uns temporariamente,
outros com firme intenção de se fixarem. Atrever-nos-íamos a dizer que, depois de longas páginas de uma
"crónica do despovoamento das ilhas" (para retomar o feliz título de Daniel de Sá. Salamandra, 1995)
estaremos, hodiernamente, a reescrever as novas crónicas de recém chegados? Neste âmbito, destaque-se o
trabalho de Gilberta Rocha, Octávio de Medeiros, Artur Madeira e Eduardo Ferreira — Imigrantes nos
Açores. Ponta Delgada: Centro de Estudos Sociais da Universidade dos Açores, 2004. Estudo
encomendado pela Presidência do Governo Regional dos Açores [policopiado].
87 Não esqueçamos que quer Frutuoso, se bem que em menor escala, como Chagas e Maldonado, não só
transcrevem documentos nas suas obras, como, principalmente os últimos, remetem para outros tantos.
Muitas das fontes por eles referenciadas, nomeadamente testamentos e doações de particulares, tivemos o
ensejo de encontrar, dispersos pelos espólios que trabalhámos. Teremos oportunidade, neste estudo, de
referenciar alguns.
88 Destque-se que Manuel Menezes, em certo sentido, tinha já enveredado por este caminho, compilando
os dados possíveis sobre as figuras do povoamento, tentando recuá-las no tempo e avaliar alguma da
credibilidade das crónicas e tradições. Cfr. autor cit., Revisão ao problema…, pp. 200-214.

37
permitiram-nos reorganizar e aprofundar o conhecimento dos primeiros povoadores. Tal

levou-nos também a uma percepção mais concreta das fases do povoamento,

enraizamento e estruturação das comunidades, à compreensão dos elos societais e

familiares dos protagonistas, contribuindo para a construção, mais fundamentada, do

modelo de humanização da ilha.

Já a dificuldade de concretizarmos o extenso ficheiro prosopográfico pretendido,

que então contava com duzentas e setenta entradas e apenas com base no primeiro

cronista das ilhas, trazia uma vantagem: talvez pudéssemos incorporar no texto, alguns

dos elementos compilados para as figuras de maior destaque. Não porque o estudo se

assuma como uma abordagem ao escol desta sociedade em formação. Antes pelo

contrário, a intenção é, em todas as oportunidades, dar a "voz" possível a tantos quantos

"incógnitos" pudermos —e teremos ensejos para tal, como ao longo do trabalho se

verificará. De qualquer modo, questionámo-nos sobre o peso excessivo que tal mole de

informes poderia ter, se integrada no corpo principal do trabalho. Não obstante, a

convicção que temos da importância da prosopografia para a história social89 e a

sedução óbvia que sobre nós exerce o facto de podermos nomear os homens e não

89 Aliás, aderindo a uma corrente (re)nascida no início dos anos 80, que recupera a biografia e o estudo
dos indivíduos (de vários indivíduos), focalizando-os nos respectivos percursos pesssoais, mas
integrando-os nos vários contextos grupais que os envolvem, das esferas mais restritas às mais amplas
(ou vice-versa), definindo todo o conjunto de relações que os sustentam e integram e, também, os
aspectos que os aproximam e/ou os afastam. Neste sentido, a prosopografia parte da biografia, que foca
separadamente um indivíduo e, pela análise de múltiplos, acaba por captar traços de um dado grupo. Por
extensão, não é apenas o individual, até porque se visam várias figuras ("um conjunto de biografias"), que
se acaba por construir/desconstruir, mas a própria estrutura e dinâmica do social. Deste modo, a
incidência em várias "micro-abordagens" não é necessariamente limitadora e antes potencializa e
fundamenta o estudo do colectivo. Cfr. Giovanni Levi — Les usages de la biographie. Annales.
Économies. Sociétés. Civilisations. Nº 6 (Nov.-Dec. 1989) 1325-1336; Martin Aurell — The Western
nobility in the Late Middle Ages: A survey of the Historiography and some prospects for new research.
In Anne J. Duggan (ed.) — Nobles and nobility in medieval Europe. Concepts, origins,
transformations: [Reprinted in Pb] Woodbridge: Boydell Press, 2002, p. 263 e ss; José Amado Mendes
— O contributo da biografia para o estudo das elites locais: alguns exemplos. Análise Social. Quarta
Série, vol. XXVII, 2º e 3º (1992); John Lewis Gaddis — El paisaje de la historia. Cómo los
historiadores representan el pasado. Barcelona: Editorial Anagrama, 2004 [ed. orig. 2002]. Este é, pelo
menos, o entendimento que fazemos da análise e método prosopográficos, que apesar de reforçados ao
nível do escol da sociedade — por virtude da riqueza das fontes inerentes — não têm necessariamente que
(nem devem) confinar-se ao estudo das referidas "elites". Aliás, nenhuma análise profunda de um, ou mais
indivíduos, se concretiza apenas num patamar horizontal. As relações de tipo "vertical" não só também
contextualizam o próprio, como, e por oposição, trazem informes sobre outros indivíduos, acima ou
abaixo do estrato daquele que é objecto de estudo. Para os elementos situados nas esferas ditas
"inferiores" da sociedade, menos documentados, os dados referentes ao componente do escol biografado,
na respectiva correlação, são fundamentais. No quadro da abordagem aos que terão menor "voz" e
protagonismo, esta constitui uma possibilidade, tantas vezes, cremo-la, "única".

38
apenas traduzi-los em unidades ou séries numéricas, foram razões suficientes para o

concretizarmos. Da sua validade, no fim do processo se retirarão as ilações.

3.1. Primeira fase: as acções iniciais ou a época de Jácome de Bruges

(1450-1473)

Na mesma altura em que o grupo de Fernão Dulmo se terá instalado nas Quatro

Ribeiras, homens do primeiro e oficial capitão da ilha ocupam as áreas da Praia e de S.

Sebastião. Deste período, um elemento de destaque: a participação e liderança de

estrangeiros, nomeadamente de gente de Flandres. Para além dos referidos, por volta do

mesmo tempo, talvez um pouco depois, outro grupo, já sob as premissas do segundo

donatário, D. Fernando, terá vindo com Álvaro Martins Homem, fixando-se na zona de

Angra90.

3.1.1. Os homens do primeiro capitão

Jácome de Bruges é um homem (criado, servidor) do Infante D. Henrique e

obtém a sua carta de doação em recompensa por serviços prestados91. Por documento

de 1483, anos depois de sua morte, regista-se ter vivido em Ourense e depois no Porto,

onde terá residido por vinte anos92. Talvez neste período de fixação na dita cidade, se

tenham definido os contornos da respectiva ligação e serviço ao Infante, que

desembocaram na obtenção da capitania da Terceira. Ao que consta, e por documento de

1542, chegou à ilha acompanhado por um dos filhos ilegítimos, Gabriel de Bruges, que

foi casado quatro ou cinco anos com Isabel Pereira e faleceu antes do progenitor93. Para

além da descendência legítima, feminina, que o capitão teve de Sancha Rodrigues, regista-

se ainda Pero Gonçalves, residente em Ourense, o protagonista da sentença referenciada

90 Como se subentenderá pela respectiva carta de doação. AA, vol. IV, pp. 213-215.
91 Assim consta da respectiva carta de doação. AA, vol. IV, p. 207.
92 AA, vol. I, p. 32 (sentença de 1483).
93 Cfr. João Teixeira Soares — Donatarios da villa da Praia da ilha Terceira. In AA, vol. IV, p. 210.

39
atrás, de 1483. Nas ilhas, descendência do primeiro capitão ficou na Horta, pela linha de

Gabriel de Bruges94 e na Praia, na linha de Antónia Dias de Arce e Duarte Paim95.

Diz a tradição que o primeiro capitão traria também consigo, da Madeira, Diogo

de Teive na condição de seu lugar-tenente96. Ao mesmo Diogo de Teive, em nome do

capitão ou como ouvidor do donatário97, coube a função de distribuir as terras aos

primeiros povoadores capazes do esforço de aproveitamento. Para além do que

concedeu a si próprio e transmitiu aos descendentes, como João de Teive, seu filho, com

testamento de 153498, outros foram por ele beneficiados: João Coelho, João da Ponte,

João Bernardes e João Leonardes99.

Naquilo que o primeiro tomou, destaca-se a Serra de Santiago, disputada com o

próprio capitão e que os descendentes de ambos, João de Teive e Diogo Paim, acabaram

por resolver por concertação das partes100. Quanto aos demais donatários das sesmarias

e primeiros povoadores citados, se dos dois primeiros "joães" ficou descendência,

propriedade e percursos de vida difundidos nas crónicas, do terceiro pouco mais restou

do que o registo do nome101. Apenas o último aparece documentado nas fontes mais

coevas. De facto, a oposição de João Leonardes e descendentes/herdeiros, à ocupação

indevida de suas terras por parte de João Vaz Corte Real, deixou marcas indeléveis na

tradição, nas fontes e na toponímia. Na tradição, porque todos os cronistas a registam;

em documentação coeva, porque não só restou a sentença régia de 1514, que remete para

94 Cfr. João Teixeira Soares — Donatarios… In AA, vol. IV, p. 210.


95 Adiante, abordaremos esta descendência, fornecendo inclusive dados sobre os respectivos patrimónios.
96 Gaspar Frutuoso — Livro sexto …, p. 64.
97 Com base na informação, nesse sentido, do Pe. Luís Manuel Maldonado, e atendendo ao poder de dar
terras em toda a ilha que teria o filho de Diogo de Teive, João de Teive, num período em que a Terceira
era já regida por dois capitães (1475), José Guilherme Reis Leite considera que o dito Diogo de Teive,
mais do que ouvidor de Jácome de Bruges, sê-lo-ia do próprio duque donatário. Voltaremos ao assunto,
quando tratarmos da questão das sesmarias. Cfr. José Guilherme Reis Leite — Nas brumas do
povoamento da Terceira: os Teive. Lisboa: Academia Portuguesa de História, 2004.
98 Para além do que, à saciedade, os cronistas escreveram sobre o património dos primeiros "Teive",
podemos ainda contar com o testamento de João de Teive, o primeiro do nome, e outra documentação
dispersa que a seu tempo enunciaremos. O dito testamento encontra-se sumariado nos apêndices, n.º 63.
99 Pe. Manuel Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, p. 83.
100 Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, pp. 64-65.
101 Frei Diogo das Chagas — Espelho …, pp. 218, 311-312, 320, 325-326; Pe. Manuel L. Maldonado
— Fenix angrence…, vol. III, pp. 84, 86-87, 79; F. F. Drummond — Anais…, vol. I, pp. 39, 43, 70 e
217-218.

40
datas de quatrocentos102, como também outros documentos atestadores do processo, de

1507, 1509 e 1513103; na toponímia, porque o Pico e a Ponta das Contendas são, ainda

hoje, marcos da geografia terceirense.

Para além destes, bastante emblemáticos e, até, quase míticos, outros ainda se

associam a esta primeira vaga de povoadores.

Um deles, sempre referenciado, mas de forma confusa, até no nome, é Gonçalo

Anes, ora Machado104, ora da Fonseca105, mas como muito acertadamente diz Frei

Diogo das Chagas, seria mais designado por "da Ribeira Seca"106. Este Gonçalo Anes

da Ribeira Seca, que o mesmo cronista afirma ter vindo com os primeiros povoadores e

na companhia de Jácome de Bruges107, independentemente das crónicas e genealogias,

foi pai de Inês Gonçalves (mulher de Pedro de Barcelos108 ) e de João Gonçalves

(Machado) da Ribeira Seca, marido de Joana Gonçalves109. Aquele que os cronistas dão

por seu primogénito, também tido por primeiro homem a nascer na Terceira, Gaspar

Gonçalves (da Ribeira Seca), com a respectiva mulher Clara Gil110, dotou sua filha Isabel

de Jesus, freira do mosteiro do mesmo nome, em 1536111. Também lhe conhecemos

102 Entre os quais cronistas se destaca Chagas, porque transcreveu a referida sentença do processo, a qual
remete para documentos de 1475, 1480, 1482, 1489, 1502, 1503 e 1510. Cfr. Espelho cristalino…, pp.
733-658. A partir dele, foi reproduzida em F. F. Drummond — Anais…, vol. I, pp. 496-500 e AA, vol.
IV, pp. 511-515. De registar, ainda, que Manuel Menezes o dá por falecido em 1503. Cfr. autor citado —
Revisão ao problema…, p. 206.
103 Vide nota supra e, ainda, BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nºs 21, 26 e 32.
104 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 328 e ss.
105 Pe. M. L. Maldonado — Fenix…, vol. III, pp. 23-24; F. F. Drummond — Anais…, vol. I, p. 70.
106 Assim se regista no testamento da dita Inês Gonçalves, de 1534. BIHIT (1949) I, nº 1, p. 33. Cfr.
também Frei D. das Chagas — Espelho cristalino…, p. 328. Por nota aos autos de contas da fazenda de
menores, filhos de Lourenço Álvares, há uma referência a Gonsalo Anes da Rª secca (…) não he Machado
[…] 1772?. Infelizmente e apesar da nossa suspeita quanto à presença de um João Gonçalves, tio e tutor
dos jovens, casado com Joana Gonçalves, o facto do documento estar bastante truncado — nos ainda 60
fls. preservados —, impossibilita-nos, por agora, uma identificação cabal. BPARAH. Judiciais: AAAH,
mç. 266, nº 10.
107 Frei D. das Chagas — Espelho cristalino…, p. 338; Pe. Maldonado — Fenix…, vol. III, p. 58.
108 BIHIT (1949) I, nº 1, p. 33. A testadora também refere sua "irmã" (cunhada), Joana Gonçalves, mãe
de Melchior Machado, clérigo e regista o nome de João Gonçalves da Ribeira Seca, sem precisar laços
familiares. Idem, pp. 27 e 33. Vide nota infra e súmula do testamento, nos apêndices, nº. 71
109 Conforme ao testamento da dita Joana Gonçalves, de 1549, mulher de João Gonçalves da Ribeira
Seca, mãe de Melchior Gonçalves, clérigo, que se dá por nora de Gonçalo Anes e de Mécia Anes. Cfr.
BPARAH. Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 54vº e 55vº. Vide súmula do testamento nos apêndices, nº. 153
Pelo mesmo testamento, sabemos que a dita Joana Gonçalves é filha de Antão Gonçalves e irmã de João
de Ávila. Isto faz com que seja neta do povoador Afonso Gonçalves Antona, que adiante trataremos.
Maldonado confirma ser filha, esta Joana Gonçalves, de Antão Gonçalves de Ávila, genro do "Velho de
S. Francisco". Cfr. Pe. Maldonado — Fenix…, vol. III, pp. 58, 57 e 52. Vide, também, nt. 106.
110 Da progénie de Gil de Borba, que trataremos adiante.
111 BPARAH. Monásticos: TCJP, lº 1, fls. 11-12. Frei Diogo das Chagas, entre outros, confirma esta
filha. Cfr. Espelho…, p. 329.

41
verbas do testamento, de 1552, por onde nomeia a filha e o genro, Catarina Gaspar e

Diogo de Ponte112, e os autos de partilhas entre herdeiros pelos quais são dados, ele e a

mulher, por pay e may delles sobreditos Machados113.

Sem, em definitivo, podermos apurar a altura da vinda do patriarca para a ilha,

parece-nos provável remeter-se a tempos bem antigos, já que tinha netos em 1507114 e

sua filha, a dita Inês Gonçalves, em 1534, testava em virtude de ser velha115.

Outro, que Chagas dá como incluído num grupo de parentes que à Terceira veio

com João Coelho, é Vasco Lourenço Coelho116. Este, pelo que conseguimos apurar é,

de facto, o instituidor da capela de Santo André, igreja de Santa Cruz da Praia, aliás, ele e

a 1ª mulher, Leonor Fernandes. Determinaram-na por testamento de 1522 que acabou

por ser revogado, em parte, com o casamento do referido, em segundas núpcias, com

Maria de Badilho117. Na mesma cédula instituidora dão-se, ambos, marido e mulher, por

velhos e sem herdeiros. Tendo como referência que Vasco Lourenço sobreviveu à

mulher, voltou a casar e que a segunda consorte estava de novo matrimoniada em 1539,

parece-nos que remontá-lo a anos anteriores a 1474 e, principalmente, ao dealbar de 460,

é fazê-lo chegar à ilha muito jovem ou mancebo e, mesmo assim, admitir uma

longevidade de cerca de 80 anos. Não será impossível, já que temos outros casos de

gente com idade bem avançada118, mas, nesta perspectiva, só é possível crer que à ilha

chegaria, ainda sob a dependência paternal ou familiar.

112 Vide súmula dos testamentos, nos apêndices, nº. 169. Frei Diogo das Chagas declara que Gaspar
Gonçalves da Ribeira Seca e Clara Gil testaram em 19.II.1545. Até ao presente, não detectámos tal
testamento. Cfr. Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 329.
113 Pedro Gaspar Machado, Manuel Machado, Gonçalo Anes Machado e Domingos Gonçalves Machado,
fidalgos, 27 de Novembro de 1559. BPARAH. Monásticos: TCJP, lº 1, fls. 46 vº e 48.
114 Pelo menos Gaspar e Diogo de Barcelos, que testemunham a aprovação do testamento do pai, e
Pedro de Barcelos, genro do dito Gonçalo Anes. BIHIT (1943) I, nº 1, p. 25.
115 BIHIT (1943) I, nº 1, p. 26.
116 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 321.
117 BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fls. 131vº - 134.
118 Teremos ocasião de os referenciar. Por agora, remetemos apenas para o testemunho do Pe. Cordeiro,
de 1717, ao enaltecer a temperança do clima e leveza dos alimentos terceirenses como causa dos homens
aí viverem mais do que em outras Ilhas, & ainda mais os nobres, de que conheci muytos fidalgos de
oytenta, noventa, & cem anos. Cfr. Historia insulana…, p. 305.

42
3.1.2. Acompanhantes de Álvaro Martins Homem

Álvaro Martins Homem, aquele que virá a ser o 1º capitão da Praia, aporta à

ilha e conforme a sua própria carta de doação confirma, antes do ano oficial da divisão

em duas jurisdições (1474). Fixado em Angra, onde constrói os célebres moinhos pelos

quais devia ser compensado119, ao que se diz na década de 460120, talvez cerca de

1462121, foi o homem escolhido para reforçar as iniciativas do povoamento. Por isso

mesmo, ele é um homem da primeira leva de povoadores.

Ao que consta, veio casado com Inês Martins Cardosa, já com filhos, entre os

quais aquele que o sucederia na capitania: Antão Martins Homem122.

O que é dado por companheiro e, até, lugar thenente do dito Álvaro Martins

Homem, é o célebre Afonso Gonçalves (Álvares?)123 Antona [Baldaia], dito natural de

Almeida124. A sua vinda, ora se remonta aos primeiros tempos de Jácome de Bruges e

Álvaro Martins Homem, no papel de conciliador das oposições entre estes dois (sem

sucesso) e por mandado de D. Fernando125, ora já aos inícios da década de 70 (e antes de

1474), em idênticas funções, dando-se D. Beatriz como a mandatária126.

O documento mais antigo que conhecemos, referente a um Afonso Gonçalves

Baldaia, está publicado no Arquivo dos Açores, data de 1432, e trata-se da respectiva

119 AA, vol. IV, p. 215.


120 Pe. Maldonado — Fenix angrence…,vol. I, p. 100.
121 Pode-se realizar este cálculo com base na sentença (17.III.1483) contra Pero Gonçalves, filho legítimo
que se dizia do capitão Jácome de Bruges, pela qual, com base nos autos, Antão Martins Homem
afirmara que João Vaz Corte Real escolhera a parte de Angra que seu pae […] tinha povoado avia doze
annos. Relativamente ao ano da divisão da ilha em duas capitanias (1474), 1462 é o ano provável.
Contudo, ao interpretar-se este dado relativamente à data do processo, 1482/1483, já que o réu, Antão
Martins, foi capitão encartado a partir de 26.III.1483 e seu pai terá falecido em 1482, por tal via,
chegaremos ao ano de 1470. Com base no que ficou dito nas crónicas e pela releitura que julgamos mais
correcta da passagem do documento — e ele escolhera a parte d'Angra que o pae delle reu tinha
povorado avia doze annos — pensamos que os referidos 12 anos tomassem, com ponto de referência, o
ano de 1474. De qualquer modo, é sempre difícil precisar o que pode estar por detrás de uma posse que se
designa por espaço de annos e tempos. Cfr. AA, vol. I, p. 30.
122 Pe. Maldonado — Fenix angrence…,vol. I, p. 88, vol. III, p. 50; Frei D. das Chagas — Espelho…,
p. 291 e ss.
123 Amiúde aparece, também, como Afonso Álvares Antona. Cfr. Pe. Maldonado — Fenix…, vol. I, p.
88, 110; Frei D. das Chagas — Espelho…, p. 398.
124 Pe. Maldonado — Fenix angrence…,vol. III, p. 52.
125 Pe. Maldonado — Fenix…, vol. I, p. 89.
126 Idem, vol. III, p. 52 e 56; e vol. I, p. 110. O donatário D. Fernando terá falecido em 1470. Cf. Joel
Serrão — D. Fernando. In Joel Serrão (dir.) — Dicionário de História de Portugal. Porto: Livraria
Figueirinhas, [s.d.], vol. II, p. 556.

43
nomeação como almoxarife da cidade do Porto. Apesar de aventada a hipótese de se

tratar do povoador da Terceira127, não encontrámos prova do facto. Mas, admitindo-o,

tal implica que tenha vindo à ilha já com uma idade bastante avançada. De qualquer

modo, não deixou mesmo de ficar conhecido por "Velho de S. Francisco"128, também

por ter legado a propriedade onde se fundou o mosteiro de Angra, ao transferir-se para a

Praia no ano da divisão da Terceira em duas capitanias129. Entre as terras que terá obtido

por toda a ilha, destacaram-se as de Beljardim e da Ribeira Seca130.

Com ele terá vindo o filho, Pedro Afonso da Areia e seu futuro genro, Antão

Gonçalves (Vaz?) de Ávila, "o Castelhano"131. De 1541 temos verbas do testamento de

um Pedro Afonso da Ribeira da Areia, escudeiro, casado com Maria Afonso, com vários

herdeiros132, que não nos permitem ilações seguras no presente conspecto133.

Já de Antão Gonçalves (de Ávila), conhecemos bem aquele que é dado por seu

filho, João de Ávila134 e sua filha, Joana Gonçalves. O primeiro, não só porque aparece

amiúde na documentação da Praia, dado por tabelião da mesma vila (e pelo menos desde

1513135), como em 1533, num processo de denúncia de casamento, a furto da igreia e

por consanguinidade, se regista a sua dita função, o nome da mulher, Catarina Pais, os da

filha e genro, Isabel de Ávila e Manuel Paim, já que do casamento destes se tratava. É na

mesma causa e acção que se refere um auoo amtam guomsalues136. Da filha deste último

127 AA, vol. X, pp. 498-499.


128 Pe . Maldonado — Fenix angrence…,vol.I, p. 86 e 11; vol. II, p. 432; Frei D. das Chagas —
Espelho…, p. 398.
129 Pe. Maldonado — Fénix…, vol. III, p. 150.
130 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 398.
131 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 398; Pe. Maldonado — Fenix…, vol. III, p. 53 e 55. O Pe.
Maldonado dá-o, à p. 55, por seu bisavô.
132 BPARAH. Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 44vº-46vº; lº 3, fls. 42-44vº; fls. 44vº. Em CIM: TMP, lº 1,
fls. 81-81vº, está a aprovação deste testamento e algumas notas sobre o legado à Misericórdia. Ver
súmula de testamento, nos apêndices, nº. 108.
133 Seus descendentes, filhos e netos, que os cronistas não nomeiam, são dados por ter realizado
matrimónios não desejados e caído em pobreza. Cfr. Pe. Maldonado — Fenix…, vol. III, p. 53.
134 Casado com Catarina ou Maria Pais, ambos progenitores de Isabel de Ávila, primeira mulher de
Manuel Paim. Cfr. Pe. Maldonado — Fenix…, vol. III, p. 56.
135 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç 266, nº 10, fl. 9. Vide "Ávila", no Quadro B, "Antroponímia da
Terceira. Reminiscências geográficas (1450-1550)", nos apêndices.
136 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 5, nº 5, fls. 1, 2vº e 3vº. De referir, ainda, que em 1542 se regista
um Cristóvão de Ávila, filho do tabelião João de Ávila, da Praia, como, em 1549, Joana Gonçalves,
mulher de João Gonçalves Machado, da Ribeira Seca, dá-se por irmã de um tabelião do mesmo nome.
BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 17; Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 54-56vº e lº 3, fls. 52vº-56.

44
(Joana Gonçalves) restou o respectivo testamento, no qual identifica os progenitores

como Antão Gonçalves e Joana Gonçalves137, os quais estavam enterrados, ambos, na

igreja de Santa Cruz138 . Para mais, ligada a bens na Ribeira Seca e S. Sebastião,

detectamos uma Joana Gonçalves, filha de Antão Gonçalves e que em 1515 era já viúva

de um João Gonçalves. A confirmar-se ser a mesma, o que supomos até pela correlação

dos autos a Gonçalo Anes da Ribeira Seca139, podemos dizer que Antão Gonçalves era

ainda vivo nesse ano e que o registo se fazia nas suas casas, na vila da Praia140.

Mas ainda quanto à presença na documentação mais coetânea de alguns

elementos da descendência de Afonso Gonçalves Antona141 , destaque-se Pedro

Gonçalves Antona, filho de João Gonçalves de Antona142. Segundo Maldonado, o dito

Pedro Gonçalves era casado com Maria Rodrigues Valadão e neto do primeiro

Antona143. Em 1534, 1535 e 1536 foi fiador do rendeiro das ilhas, Francisco Gibelião e

com isso fez seus herdeiros viverem situação de hipoteca e venda, em hasta pública, do

assento em que viveu, sito aos Altares, em 1543144. Quem sabe se por consequência,

Rui Gonçalves Antona, o herdeiro mais velho e tutor dos demais filhos, em 1550

quereria vender terra com tenções de ir para o Corvo145.

Segundo Maldonado, esta Joana Gonçalves é filha de Antão Gonçalves de Ávila, genro do "Velho de S.
Francisco". Cfr. Pe. Maldonado — Fenix…, vol. III, pp. 58, 57 e 52.
137 Este nome, Joana Gonçalves, como o da mulher de Antão Gonçalves (de Ávila), não está conforme
ao atribuído à filha de Afonso Gonçalves Antona: Inês Gonçalves (Antona). Cfr. Pe. Maldonado —
Fenix…, vol. III, p. 52 e 55. De referir, também, que Frei Diogo das Chagas não a nomeia. Cfr.
Espelho…, p. 398.
138 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 17; Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 54-56vº e lº 3, fls. 52vº-
56. Ver súmula do respectivo testamento, nos apêndices, nº. 153, de 1549. Maldonado confirma que esta
Joana Gonçalves é filha de Antão Gonçalves de Ávila, genro do "Velho de S. Francisco". Cfr. Pe .
Maldonado — Fenix…, vol. III, p. 58, 57 e 52.
139 Por nota de 1772, feita no dito documento, Gonçalo Anes da Ribeira Seca, sogro dela Joana
Gonçalves. Vide pp. 40-41 e nota infra.
140 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 266, nº 10, fls. 1 e 33 (26.X.1515).
141 Toda ela fruto de dois possíveis casamentos. Cfr. Frei Diogo das Chagas — Espelho…, pp. 398-
403; Pe. Maldonado — Fenix…, vol. III, pp. 52-54.
142 BPARPD. FEC: MCMCC, I, nº 23, fl. 16vº. Pedro Gonçalves, filho de João Gonçalves de Antona,
foi inquirido como testemnunha, em 1518, no âmbito de um processo entre Pero Anes do Canto e
Gonçalo Álvares Pamplona.
143 Pela via da filha Antónia Gonçalves, casada com João Gonçalves Picado, também este, um dos
primeiro povoadores da Ilha. Cfr. Pe. Maldonado — Fenix …, vol. III, p. 53.
144 BPARAH. Monásticos: CEA, lº 7, fl. 834vº.
145 BPARAH. Monásticos: CEA, lº 4, fl. 789 e fl. 651. Devemos acrescentar que, em 1560, um Rui
Dias de Antona, morador no Corvo, trespassava ao mosteiro de S. Gonçalo certo pedaço de terra sito na
Terceira, que fora de Pero Gonçalves e Maria Rodrigues. Cfr. BPARAH. Monásticos: CSGA, lº 4, fl.
395. Conferir "Antona", no quadro B dos apêndices.

45
Outra figura que veio com Álvaro Martins Homem foi seu primo, Antão

Martins da Fonseca, o qual trouxe o filho, Álvaro Lopes da Fonseca. É exactamente

sobre este último que dispomos de informações coevas146, inclusive porque aos nossos

dias chegou o respectivo testamento datado de 1506. Por ele se confirma a filiação em

Antão Martins, ter Álvaro Lopes casado duas vezes, com Helena Correia e Luzia de

Ornelas da Câmara, existir um filho, Pedro Álvares, que então não era emancipado e ver-

se envolvido em demanda com o capitão da Praia, pela qual obteve sentença

favorável147. Na obra de Maldonado, em acrescento correctivo, regista-se um do mesmo

nome que foi o 2º ouvidor da dita capitania148. Também sabemos que em 1496, no

período de suspensão do capitão Antão Martins Homem, um alvará régio determina que

Álvaro Lopes da Fonseca se incumba da concessão de terras em sesmaria149. Perante a

antiguidade deste testamento, o do filho, e demais dados, estamos perante povoadores

que naturalmente remontarão aos primeiros tempos de Álvaro Martins na ilha.

Henrique Cardoso, irmão de Inês Martins Cardoso, mulher do primeiro capitão

da Praia e ambos dados por filhos de um natural de Lamego150, também pode ter vindo à

ilha com Álvaro Martins, ainda antes da divisão da capitania. Do casamento que terá

realizado na Terceira com Beatriz Afonso Homem, nasceu Nuno Cardoso151. Frei Diogo

das Chagas identifica este último como o próprio irmão e não o sobrinho da mulher do

capitão da Praia152. Mas dado que o testamento de Nuno Cardoso data de 1518153,

época em que nenhum de seus filhos é maior de idade, esta versão poderá estar menos

conforme à cronologia, caso tenha vindo no tempo anunciado. Ainda segundo o mesmo

146 De 1504, consta uma ordem régia para que Álvaro Lopes da Fonseca, entre outros, nomeasse
procurador que o defendesse na Corte, face à acusação de desobediência e desacato ao corregedor. Cfr. AA,
III, p. 199.
147 Vide testamento nº. 6 dos apêndices.
148 Cfr. Pe. M. L. Maldonado - Fenix angrence…, vol. I, p. 154.
149 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 1vº-2 e 18.
150 Martim Anes Cardoso. Cfr. Pe. M. L. Maldonado — Fenix Angrence…, vol. III, p. 59
151 Cfr. Pe. M. L. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 59.
152 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 353.
153 BPARAH. CIM: TSCP, lº 1, fls. 146vº-150vº; lº 3, fl. 136-140vº. Vide súmula do testamento nº.
15, em apêndices. Um Nuno Cardoso, possidente da Praia, está também referenciado em 1504. Cfr. AA,
III, p. 199.

46
testamento, é casado com Isabel Rodrigues154 e conhecemos-lhe um filho que testou

menor de idade, falecido em 10 de Outubro de 1531, não por acaso chamado Henrique

Homem 155. De qualquer modo, registe-se que um Nuno Cardoso, em 1501, recebia

perdão régio pela morte de seu escravo156. Já referências a certo Henrique Cardoso,

propriamente dito, temo-las do mesmo ano, o qual era tabelião e escrivão dos órfãos na

vila da Praia157.

3.1.3. Outros povoadores ditos de "primeira vaga"

Outro, incluído no grupo dos primeiros, e sem qualquer articulação clara a um

líder, é Álvaro Vaz Merens, que Maldonado regista ter chegado no tempo do primeiro

capitão. Teria tido uma filha, Margarida Álvares Merens, mãe de Joana de Abarca,

primeira mulher de Pero Anes do Canto158. Sobre Joana de Abarca, eventuais dúvidas

estarão resolvidas. Faleceu a 6 de Novembro de 1511, muito jovem, quase recém-casada

e com um filho de 5 meses159. A mãe sobreviveu-lhe, já que a vemos confirmar venda de

foro em 1532160, mas finara-se antes de 12 de Novembro de 1540161. Já quanto ao

patriarca, a referência mais antiga, até agora detectada, encontra-se exactamente no

documento de 1532, no qual se refere que o dito foro estava na propriedade que

antyguamente foy curall d'alluaro Vaz, pai da proprietária, já falecido.

Mas mais dados relativos a este povoador, de primeira vaga, remetem-nos para

um eventual documento de 1542, o qual atesta que ele fora, em Angra, o primeiro

154 Maldonado dá-o por casado com Beatriz Evangelho, que sabemos ser irmã de Isabel Rodrigues
[Evangelho], sua verdadeira mulher. Cfr., respectivamente, Pe. Madonado — Fenix …, vol. III, p. 59 e
Frei D. das Chagas — Espelho…, p. 355.
155 Henrique, como o avô, Henrique Cardoso. BPARAH. Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 151vº-156vº; lº
3, fls. 141vº-146vº.
156 AN/TT, Chancelaria de D. Manuel, lº 45, doc. 440, fl. 115vº.
157 Referenciado em escrituras de 26 de Maio e 3 de Junho. Cfr. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 266,
nº 10, fls. 11 a 12vº.
158 Pe. M. L. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 23.
159 Casou a 8 de Setembro de 1510 e António Pires do Canto, seu filho, nasceu a 11 de Junho de 1511.
Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto.…, pp. 66-69.
160 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 94. Vide "Merens, 1527. Margarida Álvares", no Quadro B
dos apêndices.
161 Data da escritura que a dá por falecida. Crf. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. IV, nº 115. Vide,
também, "Merens, 1527. Margarida Álvares", no quadro B dos apêndices.

47
homem que tratou de fazer edefiçios, tendo, nas terras do porto das pipas, mandado

fazer um forno de cal. Constam estes dados, como outros que a seguir exporemos, de

uma certidão sobre a origem e os foros da família Canto, de 5 de Fevereiro de 1621162.

Para além de tudo o mais que se possa dizer sobre um tal documento, inclusive

em termos heurísticos, queremos por agora destacar algumas informações essenciais. Em

primeiro lugar, corrobora a linha de Álvaro Vaz até Joana de Abarca e o apelido Merens.

Por outro lado, recua a vinda de Álvaro Vaz Merens, casado com Isabel Velho, ao tempo

de Gonçalo Velho, 1º capitão de S. Miguel e Santa Maria, a uma data que se precisa,

1449, e à fixação pioneira de um espaço: todas as terras junto ao porto das pipas, em

Angra. Esta é a única fonte que conhecemos a afirmar ter sido, Álvaro Vaz Merens, o

mais antigo povoador de Angra, no tempo em que hera hum paul d'augoa que se nam

abitaua163, quando, até pelo referido atrás, tal tributo sempre é concedido a Álvaro

Martins Homem164. De qualquer modo, a data apresentada não é inóqua ainda por outra

razão, talvez imprevista: é que Álvaro Vaz Merens é dado por particular creado do

Infante D. Pedro, foragido que se abrigou sob a alçada do Infante D. Henrique e que, sob

um nome falso, se veio acoitar nas ilhas165 . Mais, o pretendido pelo quarto neto,

Manuel do Canto de Castro, era mesmo provar que o antepassado fora o mais antigo

pouoador desta Ilha166. Claro que, neste domínio, saliente-se que o documento, antes de

mais, traduz uma óbvia tentativa de recuar no tempo as origens e a importância

familiares.

Por último, outro dado, trazido pela fonte em causa, é ter sido João Vaz Merens,

neto do dito Álvaro Vaz e filho do primeiro casamento de Margarida Álvares, a edificar

casas nobres e a ermida de Santa Luzia, morgadio que instituiu nas terras que foram de

162 O dito documento, de 1542, é também invocado nesta certidão. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. X,
nº 289.
163 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. X, nº 289, fl. 2-2vº.
164 E a tentativa de firmar esse pioneirismo de Álvaro Vaz dá-o, também, por construtor de uma ermida
da Madalena, nas Barrocas do Mar onde hoje esta o forte de sam Sebastiam, que foi a primeira Ejgreija
que fee [sic] nesta Jlha. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. X, nº 275, 5º doc., fl 5. Não detectámos
referências, nos cronistas, a esta dita ermida.
165 Nas hostes de D. Pedro, em Alfarrobeira, não conseguimos detectar ninguém que se pudesse aqui
circunscrever. Cfr. H. Baquero Moreno — A Batalha de Alfarrobeira. Lourenço Marques: Universidade
de Lourenço Marques, 1973, pp. 995-1085 e passim. Sep. da Revista de Ciências do Homem. Vol. IV
(1973).
166 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. X, nº 289, fl. 4.

48
seu avô167. Que ele é dado por instituidor do vínculo, já Maldonado o corrobora168.

Agora, o que não costuma ser definido é o eventual grau de parentesco entre Álvaro Vaz

Merens e João Vaz Merens, o que deste modo se estabelece e comprova169.

Foi Álvaro Vaz Merens o primeiro povoador da ilha, como queria provar Manuel

do Canto de Castro em 1621? Fixou-se em Angra, antes de Álvaro Martins Homem, ou

acompanhado por ele? Do que não resta dúvida, é da filha se ter unido em segundas

núpcias a João de Abarca, irmão da mulher do primeiro capitão de Angra, Maria de

Abarca (a partir de 1474), e daí nascer a 1ª consorte de Pero Anes do Canto170. O que

sabemos, também, é que o primeiro Merens referido na documentação coeva, em 1501,

não é nenhum dos até agora referenciados, mas João Martins Merens, criado de João

Vaz Corte Real171. Contudo, todos os identificados se enquadram em tempos e gerações

subsequentes a Álvaro Vaz Merens. Por tal motivo, ele será mesmo um dos pioneiros do

povoamento da ilha.

Ainda no lado de Angra, segundo Frutuoso, um dos primeiros povoadores da

Terceira é Pedreanes, antepassado de Álvaro Pires Ramires, este último contemporâneo

do cronista172. A referência ao povoador associa-se às primeiras laranjeiras plantadas na

ilha e à antiguidade da personagem: há mais de 125 anos chegara à ilha e há cerca de 85

falecera. Escritas as Saudades da Terra entre 1586 e 1590173, podemos perspectivar,

entre as mais possibilidades, 1465 como o ano da chegada à Terceira e 1505 como o do

respectivo falecimento. Não ficando totalmente clara a sua descendência pela leitura de

167 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. X, nº 289, fl. 4vº.


168 Pe. M. L. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 23 e 54.
169 A única referência coeva que conhecemos de um João Vaz Merens é feita por Pero Anes do Canto,
que o coloca numa lista de testemunhas possíveis, no âmbito do processo com Luís Vaz (entre 1510 e
1515). Aliás, na mesma lista está um outro Merens, João Martins, que será da mesma família, mas sem
laço de parentesco aí definido — vide nota 333 (TPAC, doc. 18, p. 83). De 1577, também conhecemos
documento que refere terras que foram da falecida Catarina Lourenço, viúva de João Vaz Merens, à saída
de Angra (BPARAH. Famílias: CCP, mç. 8, nº 15). Catarina Lourenço Fagundes será filha do segundo
casamento de Afonso Gonçalves de Antona, o conhecido "Velho de S. Francisco", com Inês Rodrigues
Fagundes (cfr. Pe. Maldonado — Fenix…, vol. III, p. 54). Adiante falaremos de Afonso Gonçalves de
Antona.
170 Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto… , p. 65.
171 Cfr. "Merens. 1501. João Martins" no Quadro B dos apêndices.
172 Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 11.
173 Rodrigo Rodrigues — Notícia biográfica do Dr. Gaspar Frutuoso. In Livro primeiro das Saudades
da Terra…, p. XXXIX.

49
Frutuoso e muito menos pela dos demais cronistas que a não referem174, podemos

conjecturar ter sido pai de Álvaro Pires Ramires, primeiro do nome, avô de Melchior

Álvares Ramires e bisavô do segundo do nome, Álvaro Pires Ramires. A genealogia

nestes dois últimos é atestada por Frutuoso que, referindo o contemporâneo Álvaro

Pires Ramires, identifica Pedro Eanes como seu bisavô 175 . Aceitando esta ligação

familiar, talvez possamos estabelecer o elo, omisso nas Saudades da Terra, em Álvaro

Pires Ramires, pai que se dá de um "Melchior" e testador do ano de 1529176. Pelos anos

1537 e 1538, Melchior Álvares Ramires é tabelião de Angra e, na última referência

(1538), Lucas de Cacena dá-o por seu criado177. Data também de 1537, a primeira vez

que conhecemos registo de Melchior Álvares Ramires como confrade de Santo Espírito

de Angra178. Admitindo-se a possibilidade de seus antepassados estarem ligados à

mesma instituição, conseguimos identificar figuras cujo nome pode indicar laços

familiares: o bacharel Baltasar Álvares Ramires, juiz em 1550, um Álvares Ramires179 e,

por fim, Pedro Anes Ramires, juiz do hospital e confraria em 1496180. No ano de

1501, ainda, um homónimo é dado por juiz ordinário de Angra181. Estamos convencidos

de que estes últimos serão o Pedreanes de Frutuoso, patriarca dos ditos Ramires.

Rodrigo Afonso Fagundes, natural de Viana, é dado como homem da Casa do

Infante D. Henrique182. Terá vindo à ilha com sua progénie e já viúvo. Sua filha, Inês

Rodrigues Fagundes, ou Beatriz Lourenço Fagundes, seria a segunda mulher do "Velho

de S. Francisco", conforme os cronistas183 . Outra filha, Isabel Fagundes ou Isabel

174 O Pe. Maldonado regista os "Ramires" de Melchior Álvares Ramires, filho de Álvaro Pires Ramires;
e de Baltasar Álvares Ramires. Os dois colige serem irmãos. Cf. BPARAH. Genealogias: Fenix angrence
- Parte Genealógica [FA - PG], fls. 226vº a 228.
175 Cfr. Livro sexto…, p. 11.
176 Deste testamento apenas conhecemos verbas. Cfr. BPARAH. CIM: MA, THSEA, fls. 277-280. Vide
respectiva súmula nos apêndices, nº. 42.
177 Vide testamentos de Afonso Anes do Cabo Verde (1537) e de Lucas da Cacena (1538), sumariados
nos apêndices, nºs. 89 e 92, respectivamente.
178 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 59.
179 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 74.
180 A 25 de Setembro. Cfr. BPARAH. CIM: THSEA, fls. 334. Em Março de 1506, o juiz é dado
apenas por Pero Anes, tal como em Janeiro de 1507 (fls. 52 e 51vº).
181 TPAC, doc. 23, p. 89.
182 E mestre do dito Jnfante na Ciencia da Astrologia Judiciaria. Cfr. Pe . Maldonado — Fenix
angrence…, vol. III, p. 90. Esta "especialidade" torna sugestivo o apuramento das respectivas origens.
183 Respectivamente, Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 54 e 90; e Frei Diogo das Chagas
— Espelho…, p. 399.

50
Lourenço Fagundes, terá casado com Gil de Borba, que da dita vila alentejana veio

povoar a ilha, também com o capitão Álvaro Martins Homem184.

A Gil de Borba encontramos duas referências, de 1529 e 1536, já após a sua

morte. Numa, regista-se o banco em que se sentava na igreja de Santa Cruz da Praia.

Noutra, é referido como marido de Isabel Rodrigues e antigo proprietário de certa terra

em Beljardim185, que então estava na posse de Clara Gil e Gaspar Gonçalves, filha e

genro que são dados do povoador186. Para além destes informes, podemos também

atender ao nome da respectiva consorte, Isabel Rodrigues, concordante com a condição

de "filha de Rodrigo", pelo patronímico "Rodrigues" que não é raro como apelido entre

os "Fagundes"187 , ou melhor, os "Fagundo", como geralmente são nomeados na

documentação do século XVI.

O primeiro, do referido apelido "Fagundo", reconhecido na documentação coeva,

é Mécia Fagunda, solteira, constante do testamento de seu pai Afonso Rodrigues, em

1529188. Este documento assume particular interesse, porquanto nele se determina o

enterramento na dita cova situada sob o banco de Gil de Borba, acima referenciado. Não

obstante, não são claros os eventuais vínculos e/ou consanguinidade. Mas homónimos

(ou os próprios?) dos que são dados por filhos de Gil de Borba e netos de Rodrigo

Afonso Fagundes189, detectámos vários. É o caso de Manuel Rodrigues Fagundo190 que

em 1536 e 1542 foi juiz ordinário da Praia191, Lopo Gil Fagundo, juiz de Angra em

1537192, João Rodrigues Fagundo, morador na Praia, em 1547193, entre outros.

184 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 80.


185 BPARAH. CIM: MP, fl. 211vº-213 e 209vº-213; TCJP, fl. 11.
186 F. Diogo das Chagas — Espelho…, p. 313, 329-330. Os quais, no nosso documento, dotavam
Isabel de Jesus, sua filha e neta dos ditos Gil de Borba e mulher. Cfr. BPARAH. Monásticos: TCJP, fl.
11.
187 Manuel Rodrigues Fagundes, João Rodrigues Fagundes, Francisco Rodrigues Fagundes, Grácia
Rodrigues Fagundes, filhos de Gil de Borba e Isabel Rodrigues, tomam, assim, o patronímico da mãe
como primeiro apelido. Outros filhos de Gil de Borba, Lopo Gil Fagundes, João Gil Fagundes, e outros,
assumem o patronímico associado ao apelido. Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 80.
188 BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fls. 211vº-213vº e 209vº-211.
189 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, pp. 90 e 80-84.
190 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 80
191 BPARAH. CIM: TMP, fl. 1 fls. 218-218vº; Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 157-161 e 41vº-45vº.
192 BPARAH. Famílias: BCB, maço 1, nº 6.
193 BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fls. 27vº-30.

51
Entre todos eles, com maior comprovação do parentesco, podemos destacar,

porque melhor documentados, a que é dada por filha de Gil de Borba, Grácia Fagunda,

mulher de Álvaro Martins Fagundes194, que testou em Janeiro de 1556, tendo por ela

assinado a respectiva aprovação, seu irmão Manuel Rodrigues Fagundo195; também João

Vaz Fagundo196, marido de Catarina de Ornelas197 e neto de Gil de Borba, falecido a

04.IX.1557, já com filhos maiores. Este tomou em terça, com a mulher, sua quinta no

Juncal com 5,5 moios de terra e uma vinha em S. Pedro198. Tendo em consideração que a

dita terça não comprendia toda a fazenda que, por direito, lhes cabia, podemos dizê-los

proprietários abastados. Não se estranhará, pois, que seu avô, Gil de Borba, seja

considerado dos mais riquos de seu tempo, ao qual acresce a fama de prodigalidade e

generosidade199.

Gonçalo Ferreira de Teive não acolhe a unanimidade. Para Maldonado chegou

com o irmão, o já referido Diogo de Teive, lugar-tenente de Jácome de Bruges200, mas

para Chagas constava, exactamente, que não viera com o dito irmão e antes com Álvaro

Martins Homem201. De qualquer modo, se se tratou de um acompanhante de Álvaro

Martins Homem, antes deste ser capitão, então a vaga de povoadores em que se

integrará continua a ser esta, a primeira e do tempo do capitão Jácome de Bruges.

Perspectivando um pouco a descendência, sabemos que o filho, Duarte Ferreira

de Teive, terá casado com uma das filhas de Pedro Álvares da Câmara. De facto, pelo

testamento deste último, de 1499, identifica-se o genro nomeado Duarte de Ferreira, a

quem inclusive o testador dera terras em sesmaria202 . Tal colocará o pai, Gonçalo

194 Dita Grácia Rodrigues Fagundes. Cfr. Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 80.
195 Vide súmula do respectivo testamento nos apêndices, nº. 194.
196 Segundo Maldonado, João Vaz Fagundes das Verdades, filho de Catarina Gil Fagundes, por sua vez
filha de Gil de Borba. Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 82.
197 Terão casado, segundo Chagas, em 26.IV.1539. Cfr. Frei Diogo das Chagas — Espelho
cristalino…, p. 300.
198 BPARAH. Judiciais: SCP, lº 1, fls. 239vº-241; lº 3, fls. 231-233vº.
199 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 80.
200 Pe. M. L. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 70.
201 Frei D. das Chagas — Espelho…, p. 363.
202 Por testamento da filha, Isabel Ferreira, de 02.XII.1523, sabemos também que Duarte Ferreira era já
falecido. Conferir sínteses dos testamentos de Pedro Álvares da Câmara (1499) e de Isabel Ferreira (1523),
nos apêndices, nº. 29 e 55. Respectivamente, BPARAH. Famílias: CCP, maço 3, nº 4, 1º doc.;
BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 73. Detectamos também um possidente, da Praia, chamado
Duarte Ferreira, em 1504. Cfr. AA, vol. III, p. 199.

52
Ferreira, o dito povoador, no grupo geracional de Pedro Álvares da Câmara, de quem

trataremos adiante.

3.2. Segunda fase: o reforço da investida ou o tempo da divisão da ilha

em duas capitanias (1474 - finais do séc. XV)

Este período, que em termos formais se inicia em 1474, época em que a Terceira

se divide em duas jurisdições, está muito imbricado com o anterior. Em primeiro lugar,

porque parece traduzir uma clara tentativa de reforço do impulso de povoamento, como

referimos mais atrás e gera-se na própria indefinição precedente. Para além disso, um dos

principais protagonistas desta época, o capitão da Praia, Álvaro Martins Homem, já

estava na ilha e protagonizara parte do esforço anterior. Aliás, nesta tentativa de

conciliar o tempo com os protagonistas e principalmente os líderes, a figura que se

mantém constante é, exactamente, esta. Por tal motivo, identificar os homens que com

ele vieram, se não é impossível, traz sérias dúvidas sobre o tempo da angariação: antes

ou depois de se tornar capitão da Praia? Uma forma, se bem que imperfeita, de fazer a

destrinça, pode ser o critério de fixação geográfica. Os tidos por seus acompanhantes,

que restam e progridem em Angra, a sê-lo, mais provavelmente o foram no primeiro


período. No segundo, o da existência formal da capitania da Praia, os homens deste

capitão só poderiam ter vantagens em fixar-se no respectivo território onde poderiam

servir e colher interesses do seu líder. De qualquer modo, não seriam também poucos os

que se mudaram para a nova capitania e para o novo lugar de residência de Álvaro

Martins Homem. É o que acontece, por exemplo, com o "Velho de S. Francisco".

3.2.1. Os homens da Praia

Ainda antes de abordar a questão dos homens que poderão ter vindo por

iniciativa do já encartado Álvaro Martins Homem, ressalta-se uma figura que, pela

ligação familiar a Jácome de Bruges, emerge nesta altura como possível reivindicante da

53
capitania da ilha: estamos a falar de Duarte Paim, genro do primeiro capitão da

Terceira.

Dizem as crónicas que se incompatibilizou com Diogo de Teive em virtude da

Serra de Santiago203, o que o dá como vindo à ilha antes de 18 de Janeiro de 1475, data

na qual sabemos já o primeiro ter falecido204 . Também terá reclamado a posse da

capitania junto de Álvaro Martins Homem205, o que nos configurará o período pós 17

de Fevereiro de 1474206. Independentemente de alguma vez terem existido, ou não,

autos judiciais com as respectivas reivindicações, sabemos que Duarte Paim, cavaleiro de

Santiago207, em 1482 estava na vila de Angra e, perante os representantes da Praia,

proclamava que toda a Ilha era Sua208. Outros dados sobre a dita figura209 são relativos

a certos cerrados, vinhas, chãos e casas, uns aforados e outros arrolados no inventário de

Diogo Paim e Branca da Câmara (1540), identificados como pertencentes à partilha

(ainda não realizada) de Diogo Paim com suas duas irmãs. Entre estes, à entrada da vila

da Praia, algumas propriedades sitas nas célebres figueiras de duarte pajm210 que,

conjugadas com a ideia implícita de herança paterna, nos desvendam, pelo menos, a parte

dos imóveis que ficou aos respectivos herdeiros. Não encontramos mais vestígios da dita

figura, senão no referido seu filho, como dissemos, em 1516 dado por escudeiro régio e

ouvidor na vila da Praia211, primeiramente casado com Branca da Câmara, cunhada de

Antão Martins Homem, o 1º do nome, depois matrimoniado com a própria filha do

referido capitão, Catarina da Câmara. Pelo respectivo e último dote de casamento, de

1521, sabemos que Diogo Paim renunciava à demanda sobre a capjtanja […] e

203 Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 65.


204 Como consta da célebre e, para o efeito, muitas vezes citada confirmação da venda da ilha das Flores,
por João de Teive a Fernão Teles, de 28.I.1475. Cfr. AA, vol. I, p. 24. No quadro da problemática das
duas datas do documento (1474 ou 1475), vide notas de José de Torres in AA, vol. I, p. 28.
205 Frei D. das Chagas — Espelho…, pp. 221-223.
206 Data de doação ao respectivo capitão. Cfr. AA, vol. IV, pp. 213-215.
207 Como o era João de Teive, filho de Diogo de Teive. Cfr. respectivo testamento, de 1534, cuja
súmula apresentamos nos apêndices, nº. 63.
208 Doc. transcrito em Frei D. das Chagas — Espelho…, pp. 650-651.
209 Segundo a lápide de sua sepultura, em Santa Justa, Lisboa, é dado por "capitam da Ilha Terceira",
falecido em 21 de Maio de 1499. Ap. Manuel Menezes — Revisão ao problema…, p. 204.
210 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 423, nº 6, fls. 140-141vº.
211 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 2, fl. 10.

54
Redjzjmas, entre outras212. Pareciam ficar assim solucionados os problemas, se bem que

esta figura continue documentada até 1543, data em que o detectamos como falecido213.

Já propriamente no grupo ligado a Álvaro Martins Homem, nesta fase e sem

esquecermos os que atrás foram enunciados, saliente-se primeiramente Pedro Álvares

da Câmara. Dado por sobrinho do capitão da Madeira, João Gonçalves Zarco214, é por

isso familiar próximo do capitão de S. Miguel, Rui Gonçalves da Câmara. Para a ilha se

diz ter vindo em tempos do dito Álvaro Martins, já casado com Catarina de Ornelas,

e em companhia de João de Ornelas, seu cunhado, de quem a seguir trataremos215.

Conhecemos o testamento do referido casal, datado de 1499, com reformulação, por

parte da mulher, de 1511. Tem, o dito povoador, uma posição de grande destaque desde

os primórdios da ilha, atestada por várias situações. Em primeiro lugar estava à frente da

capitania da Praia em 1487, como capytam […] por antam martjnz216. Decorrente dessa

situação foi responsável pela concessão de terras em sesmaria, nomedamente na área das

Quatro Ribeiras217, destacando-se as que regista ter dado aos filhos e genros218. Por fim,

os enlaces matrimoniais contraídos por todos os seus filhos, mas principalmente pelas

filhas, vão no mesmo sentido. Senão, vejamos: Isabel de Ornelas casou com o 2º capitão

da Praia, Antão Martins Homem; Branca da Câmara219 com Diogo Paim, neto de

Jácome de Bruges; Luzia de Ornelas com Álvaro Lopes da Fonseca, referido mais atrás;

Filipa de Ornelas com Duarte Ferreira de Teive, também já tratado; Catarina de

Ornelas220 com Duarte Correia da Cunha, capitão da Graciosa. E só para nos atermos às

que casaram neste arquipélago. Quanto aos filhos, Álvaro de Ornelas matrimoniou-se

com a filha de um povoador da Graciosa, Vasco Gil Sodré e João de Ornelas com

212 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 2.3.4., fl. 227vº. Documento 11, transcrito nos apêndices.
213 Mais propriamente, em 28 de Setembro de 1543. Cfr. BPARAH. Famílias: CCP, mç. 2.3.4, fl. 176.
Teremos oportunidade para voltar a falar da dita figura e do seu património.
214 Pe. M. L. Maldonado — Fenix…, vol. III, p. 61.
215 Pe. M. L. Maldonado — Fenix…, vol. III, p. 60.
216 AA, vol. XII, pp. 388-389
217 Jurisdição confirmada pelo mesmo documento. Cfr. AA, vol. XII, pp. 388-389.
218 Cfr. súmula do testamento, de 1499, nos apêndices, nº. 5.
219 Faleceu em Janeiro de 1520. BPARAH. Famílias: CCP, mç. 423, nº. 6, fl. 177.
220 No testamento da irmã, Branca da Câmara, de 1518, é dada por falecida. Ver súmula dos testamentos
nos apêndices, nº. 16.

55
Briolanja de Vasconcelos, filha de Heitor Mendes de Vasconcelos, outro povoador de

destaque. O referido João de Ornelas da Câmara, como aparece quase sempre nas

fontes do século XVI e destrinçado-o do tio que surge maioritariamente como João de

Ornelas 221 , encontra-se bastante bem representado na documentação coeva.

Primeiramente no testamento do progenitor, de 1499, no qual é nomeado por

testamenteiro e herdeiro da terça. Depois no da mãe, de 1511, no da irmã, Branca da

Câmara, de 1518, no da sobrinha, Isabel Ferreira, de 1523222 e, finalmente, no seu

próprio e de sua mulher, a dita Briolanja de Vasconcelos, datado de 1534223 . Pelo

testamento de 1499, ficamos com a ideia dos filhos de Pedro Álvares da Câmara e

Catarina de Ornelas, senão todos, pelos menos na maioria, serem já emancipados e/ou

casados. Por tal motivo, a ideia de que os filhos vieram com seus pais tem fundamento.

Agora, a questão da cronologia da vinda pode ter em conta novos elementos. Se o

testamento de Pedro Álvares da Câmara não contribui com qualquer pista, o da mulher,

Catarina de Ornelas, refere certa dívida ao capitão, em mercadoria, desde a primeira uez

que ella e o dito seu marido uieram a esta ylha. Ora o dito capitão, como a seguir se

depreende, era o genro, Antão Martins Homem 2 2 4 . É claro que se torna

perfeitamentamente plausível, então, estar-se em tempo de Álvaro Martins Homem, já

que o casamento daquele com a filha destes se diz decorrer em vida do primeiro capitão

da Praia225. O que não deixa de ser indiscutível é que há aqui um nexo entre a vinda

destes povoadores e Antão Martins Homem, por via e em virtude do referido

casamento. Apontará, isto, para uma chegada mais próxima dos inícios da década de 80?

Também João de Ornelas, o referido cunhado de Pedro Álvares da Câmara e

segundo filho do instituidor do morgadio do Caniço e capela de Santo André, na

221 Do qual trataremos a seguir.


222 Conferir os respectivos testamentos nos apêndices, nº.s 9, 16 e 29. Também o reconhecemos num
mandato régio para que se apresente à Corte, por desobediência e desacato ao corregedor Afonso de
Matos, datado de 1504. Cfr. AA, vol. III, p. 199.
223 Vide testamento nº. 73 dos apêndices. Por despacho do juiz dos órfãos da Praia, de 13 de Março de
1534, João de Ornelas da Câmara é dado por falecido. BPARAH. Famílias: CCP, mç. 2.3.4., fls. 171vº
e 173.
224 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 3, nº 4, 2º doc, fl. 3.
225 Cfr. Pe. Manuel Luís Maldonado — Fenix…, vol. III, p. 50. O que teria ocorrido em 1482 ou 1483,
já que Antão Martins Homem rececebeu carta da capitania a 26.III.1483.

56
Madeira, se regista como tendo vindo casar à Terceira, com a filha de Diogo de Teive

Ferreira, já citado, por nome Catarina de Teive Gusmão. É dado por instituidor de

morgadio no qual sucedeu seu filho Gaspar de Ornelas, por fundador da igreja de Nossa

Senhora da Pena, nas Fontainhas e da capela do Rosário na matriz da Praia226 .

Encontramo-lo referenciado: em 1482, como escudeiro fidalgo227 e, em 1488, nas

funções de capitão da Praia228; também numa compra e posterior venda de terra de

1490229; em dois testamentos, pelo menos no de Catarina de Ornelas, sua irmã, de 1511,

onde é dado por fidalgo régio e no da sobrinha Branca da Câmara, de 1518230; por fim

encontramo-lo na condição de testemunha do dote e casamento a Diogo Paim, de

1521231. Da fixação e permanência inequívoca de seus filhos na Terceira, já que aos dois

primeiros se reconhece casamento no Reino, poderemos registar a do terceiro, Diogo de

Teive (Ferreira), segundo do nome. Encontramo-lo referenciado como comprador de

terra em 1488 e, no ano de 1490, em seu nome o progenitor terá vendido a mesma

terra232. Também, rezam as crónicas, casou com Inês Machado de Andrade, tendo

ambos fundado capela no mosteiro da Luz, da Praia233.

Figuras de particular destaque, até pelas relações familiares como o dito 1º

capitão da Praia, são Heitor Álvares Homem, João Álvares Homem, ao que consta

irmãos 234 e João Vaz Homem, primo co-irmão de Álvaro Martins Homem235. Este

último é tido, por Maldonado, como pai dos irmãos "Vaz" da Praia que, por sua vez,

226 Pe. M. L. Maldonado — Fenix…, p. 60.


227 Doc. transc. em Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 650.
228 BPARPD. FEC: CPPAC, nº2, fl. 19vº.
229 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 20.
230 Vide respectivos testamentos, nos apêndices, nºs. 9 e 11.
231 Aqui referenciado como joam dornellas ho velho fidallguo da casa dell rrej. Cfr. BPARAH.
Famílias: CCP, mç. 2.3.4., fl. 231vº.
232 Mais concretamente, em 10.X.1488 e 22.V.1490. Cfr. BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 20.
233 Pe. M. L. Maldonado — Fenix…, p. 60.
234 Num processo de conflito, iniciado cerca de 1506, Pero Anes do Canto regista: estes trellados tyrey
na jlha do feyto que o filho de pero de barcellos trazya na jlha com joham allurez jrmão de Eytor
allurez. Ficamos com a ideia, perante os "potentados" em confronto, que se trata das ditas figuras.
BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 19vº.
235 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, pp. 63, 67 e 65.

57
Chagas identifica como povoadores, primos do dito capitão, sem referência ao eventual

progenitor (que seria o dito João Vaz Homem)236.

Considera-se terem todos vindo no tempo do dito capitão, com destaque para o

primeiro (Heitor Álvares Homem) que Chagas diz mesmo ter chegado no tempo em que

a ilha estava quasi toda braba237. De Heitor Álvares Homem conhecemos algumas

verbas do testamento, datado de 1527, no qual, com sua mulher Beatriz Afonso, dota a

capela que estava a construir, de Nossa Senhora da Ajuda, nas suas terras e quinta do

Varadouro, termo da Praia238. Esta mesma cédula é invocada por Chagas que a data de 4

de Fevereiro, onde diz terem nomeado os filhos seguintes: Diogo Homem, Nuno

Homem, Pedro Homem, João Homem e Beatriz Homem239. Em 1532 e 1533 os netos,

Grimanesa Homem e João Nunes Homem, determinam ser enterrados na dita igreja,

construída pelo avô240. Também aí são referidos os tios, os ditos João Homem, então

ausente da ilha241 e Pedro Homem. Toda esta descendência do povoador encontra-se

razoavelmente documentada, nomeadamente nos testamentos já referidos, mas também

no de João Fernandes, marido de Branca da Costa (1531) e no de Beatriz Evangelho

(1531), sua neta, filha do que se diz falecido Nuno Homem (irmã de Grimanesa e João

Nunes Homem)242.

Já quanto ao tido por irmão do anterior, João Álvares Homem, há vários

esclarecimentos a fazer. Se Chagas o dá por irmão de Heitor Álvares Homem, ambos

236 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, pp. 360-363.


237 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 353.
238 Vide súmula do testamento nº. 36, nos apêndices.
239 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 354.
240 Vide súmulas dos testamentos, respectivamente, nºs. 51 e 59, nos apêndices.
241 O Pe. Maldonado diz que ele casou na Madeira, com Mécia Bettencourt. Cfr. Fenix angrence…, vol.
III, p. 64.
242 Vide súmulas dos testamentos, nos apêndices, nºs. 61 e 69. Outros, também sumariados em anexo,
e publicados por Joana de Meneses Pinto Machado, do Tombo da Igreja de Espírito Santo, Vila Nova
[TESVN], igualmente nos oferecem vários dados sobre a famíla, fixada desde cedo na dita área.
Chamamos apenas a atenção para as duas Beatriz Evangelho [Evangelha] ligadas à família,
contemporâneas e claramente percepcionadas, a nora de Heitor Álvares, mulher de Diogo Homem, e a
neta, filha de Nuno Homem. Outro aspecto a considerar, é o nome da mulher do dito Nuno Homem, não
reconstituído por Chagas ou Maldonado: Catarina Evangelho, que depois casou com Diogo de Barcelos.
Cfr. testamentos de João Nunes Homem (1532) e Grimaneza (Nunes) Homem (1533), mas também de
Beatriz Evangelha (1531) (filhos de Nuno Homem e Catarina Evangelho) e de Diogo de Barcelos (1533),
segundo marido de Catarina Evangelho, constantes dos apêndices, com os nºs. 59, 61, 50 e 62.

58
primos do 1º capitão da Praia, Maldonado faz idêntica identificação243, mas designa-o

por João Álvares Homem de Guadelupe, por ser instituidor da dita ermida, na Agualva,

e por testamento de 1534244. O mesmo autor refere noutra parte, como instituidor da

mesma ermida, João Homem, filho do citado Heitor Álvares Homem e falecido sem

herdeiros directos245. Para mais, ainda regista um João Vaz Homem de Valparaiso246,

primo do 1º capitão da Praia, que duas páginas antes dá por João Álvares Homem que

chamarão de Valparaizo247. Cremos, pois, haver equívoco na primeira alcunha, de

Guadelupe, e talvez confirmar-se a segunda — de Valparaizo. De facto, não de 1534,

mas de 1521, conhecemos uma lacónica verba de testamento do nosso João Álvares

Homem, pela qual ele e a mulher248 teriam prescrito que a sua terça fosse aplicada em

missas, trintários, vestir pobres, casar órfãs e diversas obras pias, que melhor

parecessem a seu testamenteiro. Ao tempo do tombo da dita verba era administrador da

terça seu genro, Rui Gil Teixeira249. Em função da identidade do genro, estamos mais

seguros quanto a tratar-se do nosso povoador250 . Mas, ainda quanto à respectiva

descendência e património, conhecemos também autos de partição de certas terras que

ficaram a seus herdeiros, entre os quais, Gregório Borges e o dito Rui Gil Teixeira,

genros, e Roque Homem, o filho251. Igualmente detectamos o testamento da nora,

mulher deste último, de 1545252.

243 Frei. Diogo das Chagas — Espelho…, pp. 346-347 e Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III,
p. 67.
244 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, pp. 67-68.
245 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, pp. 63-68 e 357.
246 Este dito "João Vaz Homem de Valparaiso", será o pai dos irmãos "Vaz" da Praia. Cfr. Pe.
Maldonado — Fenix…, p. 65. Frei Diogo das Chagas nunca o refere e, antes, regista os que Maldonado
dá por filhos daquele, como primos do 1º capitão da Praia e povoadores da dita capitania. Cfr. Frei.
Diogo das Chagas — Espelho…, pp. 360-363.
247 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, pp. 65 e 63, respectivamente.
248 É dado por matrimoniado em primeiras núpcias com Inês ou Ana Luís e, segundo casamento, com
Margarida ou Isabel Valadão, filha de João Valadão o Velho. Cfr. Frei D. das Chagas — Espelho…, p.
346 e Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, pp. 67-68.
249 Que terá obtido bula pela qual se alteraram as obrigações do testamento do sogro. Ficou obrigado a
mandar celebrar cem missas anuais, cabendo o remanescente das terças a suas filhas. BPARAH.
Paroquiais, TSCP, lº 1, fl. 231vº.
250 Cfr. Frei Diogo das Chagas — Espelho cristalino…, pp. 346-347.
251 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VI, nº 171, 45 fls.
252 Vide súmula do testamento nº. 131 (de Maria Evangelho), nos apêndices.

59
Para terminar o ggrupo dos que são dados por primos do capitão Álvaro Martins

Homem, falemos dos filhos de um deles, mais conhecidos por irmãos "Vaz". São eles,

Antão, Gonçalo253, Sebastião e Simão Vaz Homem254, dois dos quais documentados e

que Maldonado apresenta como filhos do "mal esclarecido" João Vaz Homem de

Valparaizo255.

A Gonçalo Vaz, marido de Inês Afonso, conhecemos por seu próprio

testamento de 1520 e pelo de sua viúva, de 1534256. Esta, sabe-se não ser da Terceira,

como o testamento indica e como os cronistas referenciam. Os mesmos dão-na por

natural de S. Miguel, de apelido Columbreira, irmã de Beatriz Afonso, mulher do já

referido Heitor Álvares Homem257 . O dito apelido tem-nos suscitado dúvidas, na

medida em que Inês Afonso, na documentação mais coeva, quando conectada com um

terceiro elemento antroponímico, surge ines afomso carnejra258. De Gonçalo Vaz e da

dita sua mulher, sabemos serem filhos Gaspar da Costa, falecido em 1542, e Beatriz

Homem, mulher de Mem Rodrigues de Sampaio que adiante referiremos259.

Quanto a Simão Vaz, sua mulher, Susana Pais260, já viúva testa em 1537, na

Ribeira da Areia, Agualva. Na cédula nomeia o filho, Baltasar Simões, e dela infere-se ter

mais filhas. Também se sabe que possuía propriedades na Terceira e no Corvo261. Se

bem que Maldonado os dê por instituidores da capela de Santo André, em S. Francisco

da Praia, é Chagas quem correctamente a identifica como de Santo António262 ,

253 Referidos por Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 360.


254 Referenciados, com os acima, pelo Pe. Maldonado — Fenix…, pp. 65-66. Antes das datas abaixo
registadas, e de 1504, conhecemos ordem régia para que, entre outros, uns Gonçalo Vaz e Simão Vaz,
irmãos, moradores na Praia, se apresentassem perante a Corte por desobediência ao corregedor. Cfr. AA,
vol. III, p. 199.
255 BPARAH. Genealogias: FA—PG, fl. 179.
256 Ver testamentos nos apêndices, nºs. 20 e 70.
257 Frei. D. das Chagas — Espelho…, p. 360; Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 65.
258 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. IV, nº 101, fls. 29-36vº; BPARAH. Judiciais: AAAH, maço 89, nº
19.
259 Cfr. súmula do testamento de Inês Afonso, de 1534, nos apêndices, nº, 70. No mesmo lugar, consta
síntese da cédula de Mem Rodrigues de Sampaio, de 1559, com o nº. 208.
260 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 66 e igualmente de acordo com o testamento da
própria. De esclarecer, ainda, que esta é também dada por filha de um dos primeiríssimos povoadores da
Terceira, Henrique Coelho, natural da Madeira e parente de João Coelho o Velho. Cfr. BPARAH.
Genealogias: FA—PG, fl.
261 Ver testamento dos apêndices, nº. 83.
262 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 66 e Frei Diogo das Chagas — Espelho …, p. 371.

60
porquanto é nesta sua capela que a viúva se manda enterrar, tal como a nora, Maria Luís,

em 1553263.

Outro povoador, que Maldonado diz do tempo de Jácome de Bruges, foi

Gonçalo de Galhegos, natural do Alentejo, segundo regista a tradição264. Terá recebido

carta de dada nas Fontainhas, Praia, tendo casado com Catarina (ou Inês?) Martins

Cardosa, filha do capitão Álvaro Martins Homem265 e, ao que consta, a contragosto do

pai da noiva266 . Não encontramos ecos, na documentação coeva, deste povoador.

Detectamos, sim, registos dos que são dados, por seu filho único, Sebastião Cardoso e

sua nora, Catarina Franca. Sebastião Cardoso era já falecido no ano de 1540267 e,

segundo o testamento da mulher (1544), abintestado. Aqui mais se declara morarem nas

ditas Fontainhas, terem vários descendentes e um deles, João Cardoso, ter contraído

matrimónio em Setembro de 1542268. Admitindo terem casado, pai e filho, com 25 anos,

o nascimento do primeiro vai para o início de 490. Ora isto, quanto a nós, coloca João de

Galhegos mais próximo dos que vieram depois de 1474. Aliás, a ligação à filha do

capitão Álvaro Martins Homem, mesmo existindo uma considerável diferença de idade,

perfeitamente possível, coloca-o já na 1ª geração da descendência do dito capitão. Por tal

razão, a contextualização nesta época do povoamento da Terceira parece-nos mais

provável.

Outro, dado como tendo vindo na companhia do 1º capitão da Praia, é Gil

Fernandes 269 de Escobar, natural de Olivença. Terá casado com a filha de um

263 Ver respectivo testamento, nos apêndices, nº. 179.


264 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 51.
265 Frei Diogo das Chagas — Espelho cristalino…, p. 291, 348-352. Pe . Maldonado — Fenix
angrence…, vol. I, p. 110 e vol. III, p. 51
266 Frei Diogo das Chagas — Espelho cristalino…, p. 291
267 BPARAH. Monásticos: SFP, TCNSC, fls. 26-27. Vide, nos apêndices, testamento de Apolónia
Evagelho, de 1540, nº. 103.
268 BPARAH. Judiciais: RV, lº 5, reg. nº 13, fls. 52vº-56. Vide súmula do testamento de Catarina
Franca, 1544, nos apêndices, nº. 122.
269 Em 1507 aparece um Gil Fernandes que, pelo grupo no qual esta integrado, de juízes alvedrios na
demarcação de certa terra, sita entre as duas capitanias e com elementos de ambas as jurisdições — João
de Ornelas, Heitor Álvares Homem, "Gil Fernandes", Gonçalo Mendes de Vasconcelos, João Barbosa e
João Rodrigues de Badilho —, suspeitamos tratar-se do referido. De qualquer modo, a possibilidade de
haver um homónimo não se dilui (BPARPD. FEC: CPPAC, nº 6, fl. 6vº). É ainda de registar a
referência a um do mesmo nome, como povoador muito antigo de Angra, referido por Frutuoso. Aquele
teria relatado o tempo da sua chegada, descrivendo na ilha a existência de doze ou treze moradores (Livro
sexto…, p. 11). Não podemos, com toda a evidência, estabelecer a ligação. Mas, e a tratar-se do mesmo,

61
madeirense, Adão Fernandes Teixeira270 que Chagas denomina, com razão, Filipa

Álvares de Escobar271. Pelo menos, uma do nome é dada, em 1527, por viúva de Gil

Fernandes272. De seus filhos temos notícias: de Rui Gil Teixeira, no testamento de João

Álvares Homem, seu sogro273, sendo também, com alguma probabilidade, aquele que

assina por Bartolesa Rodrigues, na aprovação do respectivo testamento (1534); de

Beatriz de Escobar, mulher de João Ferreira, em 1521 e 1536274; e de João de Escobar,

em 1527 dado por filho da dita Filipa Álvares de Escobar, viúva de Gil Fernandes275 e

talvez o homónimo juiz da Praia de 1547, referenciado nalguns testamentos e respectivas

aberturas276.

Por fim, apesar de não estar conectado nas crónicas com Álvaro Martins

Homem, na Praia emerge, provavelmente nesta 2ª fase, uma figura a reter: João

Valadão. Dizendo que ueio no mesmo tempo de Jácome de Bruges, Chagas refere o

primeiro deste apelido Valadão, desconhecendo o respectivo nome — um Fuão Valadão

Sabe-o, sim, protagonista de uma rebuscada história de casamento ilícita, que o fizera

aportar "disfarçado" à ilha. Casado que se diz com "Margarida Valadão", teve sua

sesmaria nos Altares e descendência, pelo menos, numa filha do "mesmo" nome da mãe,

matrimoniada com Martim Simão277. Tal informação não é partilhada por Maldonado, já

que dá João Valadão, como diz chamar-se, por alguém que vem para a Terceira quando

era cresida a pouoação della278. E não andará tão longe da verdade, o último cronista —

apesar de relativizarmos o dito crescimento —, porquanto sabemos que João Valadão,

sua mulher, Beatriz Eanes, e Diogo, Margarida (depois casada com o dito Martim

pertencerá ao grupo de acompanhantes de Álvaro Martins Homem, mas do primeiro período, o da fixação
em Angra.
270 Pe. Maldonado — Fenix …, p. 86; Frei Diogo das Chagas — Espelho …, p. 374.
271 Frei Diogo das Chagas — Espelho …, p. 374.
272 Cfr. "Escobar", no Quadro B, dos apêndices.
273 Ver respectivo testamento, nos apêndices, nº. 24. Cruze-se com o Pe. Maldonado — Fenix …, vol.
III, p. 86.
274 Cfr. "Escobar", Quadro B dos apêndices.
275 Ibidem.
276 De 1546, Beatriz Álvares e Melchior Fernandes; de 1547, Diogo Pires das Cales. Cfr. súmula dos
testamentos, em apêndice, nºs 133, 136 e 148.
277 Frei Diogo das Chagas — Espelho cristalino…, pp. 338-339.
278 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 75.

62
Simão279) e Isabel Valadão, filhos nomeados em escritura, recebem carta de sesmaria de

terra nos Altares, em Janeiro 1495280. Mesmo podendo tratar-se de reedição da dada,

com alguma probabilidade porque o proprietário da terra, em 1506, dizia que dela tinha

título do ano de 1482281, mesmo assim, tratam-se de referências cronológicas tardias

para colocar este povoador na época de Jácome de Bruges. Para mais, não só a invocação

de Pedro de Barcelos, em 1506, pela qual andara três anos a descobryr com João

Fernandes llaurador e, chegado à ilha, vira as ditas terras, que reputa suas, ocupadas por

João Valadão e filhos282, como a própria localização da dita dada283, apontam para um

tempo de chegada mais tardio do que o aventado pelo referido Frei Diogo das Chagas.

3.2.2. Os homens de Angra

João Vaz Corte Real, que terá falecido no ano de 1496284, é o primeiro capitão

de Angra, tendo-lhe sucedido o filho, Vasco Anes Corte Real, por carta de 2 de Julho de

1497285. Dado por servidor de D. Fernando e por fidalgo da casa do donatário, em 1474,

1483 e 1488286, para a ilha o 1º capitão terá vindo já casado com Maria de Abarca, a

senhora capitoa, bastante referenciada na documentação287 e falecida em 1514288. Dos

filhos de ambos, na Terceira, destacam-se registos coevos, os mais antigos de Gaspar

279 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 15-15vº.


280 Inserta em carta de confirmação régia, de 1502, está publicada no AA, vol. XII, p. 371; M. Velho
Arruda — Colecção de documentos…, pp. 202-203. Em manuscrito, e provavelmente de onde foi copiada
para o AA, encontra-se na BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 14vº-15.
281 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 7. De qualquer modo, afirmar a posse de uma carta de sesmaria
antiga não significa que se foi o beneficiado dela e, antes, "hoje" é-se o detentor da terra. Ver ponto 1.1 do
capítulo II.
282 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 9-9vº. Esta resposta de Pedro de Barcelos, não datada nem
enquadrada nos autos de que consta, foi publicada no AA, vol. XII, p. 369.
283 Para mais fundamentação, vide capítulo que se segue, ponto 1.1.
284 Pe. Maldonado — Fenix …, vol. I, p. 132. Terá feito dois testamentos, um na Madeira, em 1494, e
outro em 3.II.1496, em Angra, onde terá falecido em 2 de Julho do dito ano. Jacinto Manso de Lima ap.
Ernesto do Canto — Os Corte-Reais. Memoria historica. In AA, vol. IV, pp. 399-340.
285 AA, vol. IV, p. 161.
286 De D. Diogo e, na última data, já de D. Manuel. Cfr. cartas de doação e confirmações da capitania,
em AA, vol. IV, p. 161.
287 TPAC, pp. 75-76 (1504), p. 79 (1506), p. 161 (1515?). Cfr, também, Quadro B dos apêndices.
288 Em processo, iniciado no ano de 1516, afirma-se que a dita Maria de Abarca possuiu certa terra
dezasete annos majs chegados a era de qujnhentos e quatorze, confirmando-se, adiante, que assim foi
desde 1497 e até que faleceu (BPARPD. FEC: CPPAC, nº 2, fl. 18vº). Também se conhece documento
de atribuição, por morte, de sua tença ao neto, Cristóvão Corte Real, datata de 10 de Agosto de 1516
(AA/TT, lº 25, doc. 629, fl. 159).

63
Corte Real, o famoso navegador, a quem, entre 1488?/1492 e 1508, foi incumbida a

distribuição de terras em sesmarias289, de Margarida Corte Real (1504)290, de Iria Corte

Real, casada com Pero de Góis (1506, 1515)291 , e de Joana Corte Real, mulher de

Guilherme Monis292.

Para além dos enunciados, filhos, filhas e genros, no tempo de João Vaz Corte

Real constam terem vindo figuras como João Borges, Afonso Anes da Costa, João de

Abarca, João Pacheco, Diogo Álvares Vieira, entre outros possíveis.

O primeiro, João Borges, diz-se ser filho de Tristão Borges, vedor do Infante D.

Pedro, Duque de Coimbra, que à Terceira veio casar com Isabel de Abarca, cunhada de

João Vaz Corte Real. Juiz ordinário de Angra, por que é dado em 1492293, julgamos

detectá-lo, no mesmo ano, no compromisso e instituição do Hospital de Santo Espírito

da mesma vila onde se identifica com o estatuto de cavaleiro régio294. Na documentação

que nos ocupa, até agora tratada, o apelido não surge com frequência e algumas vezes, se

identificado, não o podemos associar indiscutivelmente ao povoador. Suas filhas,

Guiomar, Catarina e Mécia Borges casaram, respectivamente, com Jorge da Silveira "o

Flamengo"295, Afonso Anes da Costa296, dado por juiz ordinário de Angra em 1492297

e mordomo da confraria de Santo Espírito de Angra no mesmo ano298 , e António

289 O problema da primeira data reside no facto de João Pacheco e Branca Gomes terem recebido uma
dada nas Seis Ribeiras, que Maldonado diz ser de 1488 e, nos registos publicados por Jorge Forjaz,
regista-se de 1492. Cfr. Francisco F. Drumond — Apontamentos topográficos, políticos, civis,
ecclesiásticos, para a história da nove ilha dos Açores servindo de suplemento aos Anais da ilha
Terceira. Angra do Heroísmo: Instituto Histórico da Ilha Terceira, 1999, p. 303 ou Doações de terras da
capitania de Angra em 1488 e 1497, nos manuscritos de F. F. Drummond, in A.A, vol. IV, p. 495; e
Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, pp. 833-834. Trata-se, uma, da carta original e, outra, da renovação,
ou antes erro de leitura? Devemos esclarecer, neste sentido, que tirando esta referência a 1488, as mais
dadas atribuídas por Gaspar Corte Real não são anteriores a 1492, havendo outras da mesma década.
290 TPAC, p. 76.
291 TPAC, pp. 80 e 82.
292 TPAC, p. 82. Ver testamentos de Joana da Silva, sua nora, de 1544, e da referida Joana Corte Real,
de 1551, nos apêndices, com os nºs. 130 e 165.
293 Cfr. Frei Diogo das Chagas — Espelho cristalino…, pp. 405-410; e Pe . Maldonado — Fenix
angrence…, vol. III, pp. 21-22. Dizem os cronistas que João Borges e sua mulher tiveram vários filhos.
294 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 410.
295 BPARAH. Genealogias: FA—PG, fl. 59vº.
296 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, pp. 22, 25, 79
297 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 187.
298 Ainda o registamos assim em 1497. BPARAH. CIM: THSEA, fls. 410 e 52.

64
Pamplona de Miranda299. De Catarina Borges e Afonso Anes da Costa nasceram, entre

outros, Cristóvão Borges da Costa300, já falecido em Outubro de 1548301 e Violante da

Costa, mulher de Afonso Simão302, a qual testa em 1544303.

Já o segundo, muitas vezes dado por Pedro, pai da primeira mulher de Pero Anes

do Canto, Joana de Abarca304, chama-se de facto João de Abarca, era falecido em 1506,

data em que o identificam como cavaleiro da Casa do Infante D. Fernando305. Acresce

dizer, ainda, que sendo João de Abarca irmão da mulher de João Vaz Corte Real, também

o seria de Isabel de Abarca, a dita mulher de João Borges, unindo-os laços de parentesco

entre si e entre seus descendentes.

Quanto a João Pacheco306, marido de Branca Gomes de Lima, Maldonado

afirma-o recém-chegado em tempo do 1º capitão de Angra e Frei Diogo das Chagas

prefere situá-lo nos tempos de Jácome de Bruges. Pela mesma razão aduzida pelo último

autor, a data do testamento e a provecta idade de Branca Gomes, que não conseguimos

contabilizar, consideramos que, cronologicamente, se integrarão talvez mais nesta fase do

povoamento que tratamos, do que na anterior (tempo de Jácome de Bruges)307 . A

primeira vez que detectamos um João Pacheco, ele surge-nos nas confrontações de uma

carta de sesmaria de 1489, na qual se referem confrontações com as suas terras e matos,

299 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, pp. 22 e 42. Esclareça-se que esta foi sua primeira
mulher. Da segundo consorte, Francisca Merens, conhecemos testamento de 1556. Cfr. súmula do
testamento nos apêndices, nº. 195.
300 Marido de Iseu Pacheca. Cfr. Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 79.
301 Data em que Iseu Pacheca se dá por viúva de Cristóvão Borges da Costa. BPARPD. FEC:
MCMCC, vol. VIII, nº 235.
302 Frei Diogo das Chagas designa-a por Violante Borges, mas como Violante da Costa surge no
respectivo testamento e no inventário dos bens que ficaram por sua morte. Cfr. BPARAH. Monásticos:
CSGA, lº 2, nº 75.
303 Cfr. súmula do testamento nos apêndices, nº. 123.
304 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 22.
305 TPAC, p. 79.
306 Pela carta de brasão de armas a seu filho, Simão Pacheco, sabemo-lo filho de Manuel Pacheco que
foy fidalguo muyto homrado. Cfr. AA, vol. V, p. 144.
307 Respectivamente, Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 25 e Frei Diogo das Chagas —
Espelho cristalino…, p. 432, embora neste último caso haja equívoco entre "João" e "Simão". Simão
Pacheco, casado com Mor Rodrigues Valadão, era filho de João Pacheco. Para além de Chagas também o
corroborar, conhecemos um conflito, nascido em 1547 e terminado em 1559, que o confirma. Rui
Pacheco, filho de Simão e neto de João Pacheco, estando na Casa do tio Manuel Pacheco de Lima, casou
a contragosto da família, com D. Joana, filha bastarda de Sebastião Moniz Barreto, este, da progénie de
Guilherme Monis e Joana Corte Real. BPARAH. Monásticos: CEA, lº 4, nº 172, fls. 176vº-177, 173 e
175vº.

65
sitos à capitania de Angra, o que significa ter obtido tais propriedades antes da data

enunciada308. Mais conclusivamente, conhecemos a referida cédula da mulher de João

Pacheco, datada de 1532, como igualmente regista o Pe . Maldonado309 . Por ela, a

testadora, além de referir estada de seu filho Manuel Pacheco em S. Tomé e a entrega de

mercadorias suas por troca com escravos, regista já Branca Gomes, segunda do nome,

filha de Francisco Álvares e sua bisneta, como também uma parente que a família

acolheu, Maria de Braga310 . Estes dados, entre outros, atestando a longevidade da

testadora, levantam o véu sobre certos mecanismos de obtenção de riqueza da família,

como sobre a provável origem geográfica e familiar da testadora, que o próprio apelido,

"de Lima", não deixará de fazer supor. Aliás, o testamento do filho, embaixador no Reino

do Congo, feito em S. Tomé no ano de 1557, onde faleceu, é atestador destas facetas

comercial, colonial e de "ofício" da família311. Os componentes desta, aliás, em processo

que decorre entre 1547 e 1559, são dados por principaes da terra e da gouernança

dela312.

Outro povoador, que talvez possa associar-se a João Vaz Corte Real, é Diogo

Álvares Vieira. Foi casado com Beatriz Anes, de quem conhecemos certas verbas do

testamento de 1526313. Sabemo-lo já falecido em Janeiro 1497, data em que uma carta de

sesmaria a João Vieira (seu filho) apresenta confrontações com os designados por "seus

herdeiros"314, dele Diogo Álvares, tendo sido enterrado em S. Salvador de Angra e numa

cova que em 1556 ficava defronte do Altar de Jesus315. O referido filho, por sua vez,

assinala-se em 1497 como criado de Miguel Corte Real e morador em Angra316. De

facto, no respectivo testamento de 1556, ressalta a instituição de doze missas dos

Apóstolos, perpétuas, por alma do dito Miguel Corte Real e celebradas na capela de S.

308 Cfr. Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 830.


309 Pe. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, p. 25.
310 Vide súmula do testamento, nos apêndices, de 1532 nº. 57. Este mesmo testamento é referido por
Maldonado — Fenix…, vol. III, p. 25.
311 Cfr. testamento nos apêndices, nº. 203.
312 BPARAH. Monásticos: CEA, lº 4, nº 172, fl. 177.
313 Cfr. súmula nos apêndices, nº. 35.
314 Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 833.
315 Vide testamento de seu filho, João Vieira, nos apêndices, nº 199.
316 Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 833.

66
João Batista que mandava edificar317. Não só é de salientar esta instituição, pelo menos

cinquenta anos depois da morte do navegador, como o eventual significado inerente à

invocação das referidas missas. Por fim, outro aspecto significativo, a ressalvar, é a

notável longevidade de João Vieira. Vinte anos de casamento com a primeira mulher,

Catarina Martins, com quem estava casado ainda em Novembro de 1519318 e trinta e

cinco do segundo, com Leonor de Aboim, tendo sobrevivido a esta que faleceu em

Novembro de 1554319, colocam-no a matrimoniar-se a primeira vez em 1500, ou mesmo

antes, a casar-se segunda vez pouco tempo depois da morte da 1ª mulher e a colocar-se,

em 1556, no mínimo na casa dos 80 anos.

Embora não tenhamos provas da ligação do progenitor "Vieira" a João Vaz Corte

Real, pelo menos estamos absolutamente certos do laço entre os filhos de ambos. A

sesmaria de 1497 e outras que foram dadas a João Vieira, como a seu tempo

atenderemos, a referência a terras do pai já falecido, cuja concessão é anterior ao dito ano

de 1497, se centram a acção do filho na 3ª fase do povoamento, apontarão para o

protagonismo do pai na 2ª.

Uma figura angrense que pouco suporta eventual ligação pessoal a João Vaz

Corte Real, para além de terem sido contemporâneos e, naturalmente, um estar

subordinado ao outro, é Gonçalo de Linhares. Segundo Drummond, pertenceria ele ao

primeiro grupo de homens a fixar-se em Angra, ainda na "1ª vaga" de povoadores. Com o

nome de Gonçalo Ximenes, diz o mesmo autor que veio da Madeira e, por motivos

obscuros, alterou o último elemento onomástico ao fixar-se em Vale de Linhares320.

317 Ver súmula dos testamento nos apêndices, nº. 199.


318 Sabêmo-lo pelo testamento (1518) da mãe da referida Catarina Martins, Maria Luís, casada em
segundas núpcias com João Martins Merens, cuja súmula consta dos apêndices, ao nº. 17. A dita
Catarina Martins era filha de João Gonçalves, segundo a cédula de João Vieira. Cfr. no mesmo lugar, em
1556, testamento nº. 199.
319 Cfr. testamento de Leonor de Aboim, nos apêndices, nº. 184.
320 Retiraria estes dados, o autor, de um atestado de nobreza de 1602, pelo qual também se confirmava
que Gonçalo de Linhares vinculara sua terça na propriedade de Santa Bárbara das Nove Ribeiras. Este
vínculo administrara o filho, Bartolomeu Gonçalves Linhares, por cuja morte ficou ao Hospital de Angra
(F. F. Drummond — Anais…, vol. I, p. 44 e nt. 8). Tal não parece ajustar-se à verba e legado constantes
do respectivo testamento (cfr. 1493, na súmula do testamento em apêndice, nº. 2). Pedro de Merelim
retomou aquela mesma tradição, fundamentando-a em Maldonado. Aqui, contudo, o nome do Vale de
Linhares, onde o povoador se terá fixado, provém do povoador e não a recíproca (vide nt. seguinte). Cfr.
Pedro de Merelim — As 18 paróquias de Angra. Sumário histórico. [S.l.]: [s.n.], 1974 [Angra do
Heroísmo: Tipografia Minerva Comercial], p. 293.

67
Pode ter pertencido ao primeiro grupo de homens que habitou Angra. Apenas

confirmamos que de Janeiro de 1483 data a primeira escritura de compra e venda que

conhecemos para a Terceira, na qual o personagem nos surge como aquisidor de terra sita

ao porto do judeu, com sua mulher Isabel Pires321. Voltamos a referenciá-lo por verba do

respectivo testamento, de Janeiro de 1493, pela qual lega propriedade fundiária, nas Dez

ou Doze Ribeiras, ao Hospital de Santo Espírito de Angra322. Pelo processo de demanda

que envolve esta terra, de 1535, sabemos que o Hospital obteve dela nova carta de dada,

de 16 de Agosto de 1494, por a referida não estar roçada nem aproveitada, apesar de

terem passado os cinco anos do prazo das sesmarias323. Isto aponta-nos uma sesmaria,

a Gonçalo de Linhares, pelo menos de cerca de 1488 ou 1489.

Antes de terminar, uma outra figura de Angra merece ser relevada: Gonçalo

Mendes de Vaconcelos, com carta de armas de 1511324. Fazemo-lo, não tanto por ele,

confessamos, mas por razão de sua mulher, Bartolesa Rodrigues, que Frutuoso refere

como mulher muito antiga de Angra, testemunha oral da primeva povoação, que dizia

composta de pobres casas, cobertas de carrega, erva que brotava espontaneamente em

lugares húmidos, utilizada por não haver palha nem telha para as coberturas. Relembrava

ela, também diz o cronista, a existência de apenas duas povoações —uma sita ao Paul de

Beljardim, na Praia e outra na que veio a ser a cidade de Angra—, o facto das

embarcações estarem limitadas ao estio e pouca gente então viver na ilha325. Tentando

situá-la no tempo, sabemos que testou em 1543, tendo o testamento sido aberto em 19

de Março de 1546. Morreu de provecta idade com, pelo menos, uma bisneta326 e é dada

por filha de Antão Rodrigues Carneiro 327 , nome que não surge na nossa

321 Cfr. doc. 1 dos apêndices. Segundo Drummond, a mulher de Gonçalo Ximenes chamava-se Violante
de Bettencourt, tendo alterado o nome, à semelhança do marido, para Violante Pires. Cfr. autor cit.,
Anais…, vol. I, p. 44.
322 Vide súmula do respectivo testamento, nos apêndices, ao nº. 2. O Pe. Maldonado refere esta doação.
Cfr. Fenix …, vol. II, p. 704.
323 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 404vº.
324 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 112, nº 5.
325 Cfr. Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, pp. 8-9.
326 Vide a súmula do respectivo testamento, nos apêndices, nº. 120. Constatam-se, não obstante,
algumas incongruências quanto às datas de várias declarações que foi fazendo, conforme consta da referida
súmula.
327 Pe. M. Maldonado — Fenix…, vol. III, p. 73.

68
documentação. Aliás, apesar do nome "Columbreira" lhe ser atribuído328, é exactamente

como Bartolesa Rodrigues Carneira que emerge nos documentos coetâneos, quando (e

se) associada a um terceiro elemento antroponímico.

Recuando ainda mais no tempo, sabemos que já casou na ilha, talvez depois de

1485. Tomamos esta data por referência, na medida em que Gonçalo Mendes de

Vasconcelos chegou provindo da Madeira, mas via Graciosa onde esteve certo tempo.

Admitindo ter ido para a dita ilha, na leva do capitão Pero Correia que era casado com

Iseu Perestrelo, filha do primeiro capitão do Porto Santo329, talvez possamos presumir

para o casamento esta referência cronológica, de 1485, ou outra pouco depois, e recuar a

1465/1470 como período possível para o nascimento da dita Bartolesa. Isto confere à

referida, para além da probabilidade dela e dos progenitores terem chegado à ilha ainda na

1ª fase, fortes possibilidades de recordações à volta da fase da divisão das capitanias. A

acreditar em Frutuoso e nas fontes orais que o fundamentaram, as lembranças vão ao

encontro de uma Angra que não era sequer vila330e , por isso pelo menos anterior a

Agosto de 1480 (neste último caso, a fazer fé em Frei Diogo das Chagas331 )

Infelizmente, se Bartolesa Rodrigues nos deixou dados suficientes para perspectivarmos

o seu património, as relações familiares e, até, algumas tentativas de povoamento do

Corvo, ainda antes de meados do século XVI332, não registou por escrito as respectivas

"memórias".

Para terminar, a abordagem de três figuras também muito ligadas aos Corte Real,

dois deles dados como criados do capitão João Vaz e um como amo de Vasco Anes

Corte Real.

328 Cfr. Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 9.


329 Cfr. AA, II, pp. 14-15. A data e dados sobre a vinda de Pero Correia, para a Graciosa, foram
reconstituídos por João Teixeira Soares.
330 Cfr. Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 8
331 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 282.
332 Cfr. súmula do referido testamento, nos apêndices, nº. 120.

69
Estamos a falar de João Martins Merens 333 que nas fontes coevas não

conseguimos conectar com o primeiro Merens da ilha334, como vimos atrás, o primeiro

juiz dos órfãos que conhecemos em Angra. Esteve ligado às viagens à Terra Nova e a

Gaspar Corte Real, por intermédio de quem recebe mercê de vassalo régio (1501)335. Em

1516 é procurador do capitão Vasco Anes Corte Real336 e está profusamente

documentado quanto ao círculo de convivência e às lealdades que comunga337.

Um vulto incontornável do poder angrense é o honrado João Álvares Neto338.

Em 1504 é dado por allmoxarife d'ell rrey […] e ouujdor com carrego de capitam por

vasco anes corte rreal339, numa singular centralização de cargos e funções maiores da

administração local, senhorial e régia, situação que perdura até, pelo menos, 10 de

Novembro de 1512340, se bem que em 1507 aquele que seguidamente trataremos seja

tido por almoxarife. Antes disso, em Março de 1499, no documento em que é referido

por criado do falecido capitão de Angra, recebe carta de sesmaria na banda norte da ilha,

no termo entre as duas capitanias341 (área actual dos Altares e Biscoitos).

Já Fernão Vaz será ainda mais antigo do que os referidos. Encontramo-lo

referenciado como almoxarife logo numa carta de sesmaria de 1488342. Em tais funções

estava também em 1499343 e provavelmente até ao emergir do referido João Álvares

Neto. De qualquer modo, ainda o detectamos em várias e posteriores cartas de dadas, ou

mesmo em processos de demanda, onde surge designado por amo do vedor344.

333 Cfr. "Merens. 1501. João Martins" no Quadro B dos apêndices.


334 Se bem que Maldonado o dê por irmão de João Vaz Merens e, por isso, filho do patriarca. Cfr.
BPARAH. Genealogias: FA-PG, fl. 203vº.
335 Cfr. AA, vol. III, pp. 195-196 e "Merens. 1501. João Martins", no Quadro B dos apêndices.
336 BPARAH. FEC: CPPAC, nº 2, fl. 1vº.
337 Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, pp. 257-260 e 167-276; Idem — Algumas
considerações…, pp. 35-51.
338 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 53.
339 TPAC, doc. 13, pp. 75-76. Outros documentos o referem, no mesmo lugar, no exercício de tais
encargos: docs. 15, 34 e 41. Nas ditas funções, de almoxarife e ouvidor, ainda o detectamos em
documentos da BPARAH. CIM: THSEA, fls. 53 e 54 (1504 e 1506, respectivamente).
340 Data das cartas de sesmaria a Gaspar e a Jerónimo Corte Real, filhos de Vasco Anes Corte Real. AA,
vol. XII, pp. 405-406. Também consta da BPARPD. FEC: CPPAC, nº 2, fls. 4-6.
341 AA, vol. XII, pp. 402-402 e TPAC, doc. 7, pp. 59-61.
342 Francisco F. Drumond — Apontamentos…, p. 304 e Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 831.
343 TPAC, doc. 7, pp. 59-61, documento anteriormente publicado no AA, vol. XII, pp. 402-403.
344 TPAC, doc. 13, pp. 75-76; doc. 15, pp. 77-78; doc. 36, pp. 113-115

70
Nenhum dos três últimos (João Martins Merens, João Álvares Neto e Fernão

Vaz) sabemos quando veio à ilha, mas para os cargos de confiança que exerceram, para a

situação de criados do primeiro capitão de Angra, podem ter feito parte daquele leque de

homens e jovens que chegaram em tempos do referido João Vaz Corte Real. Em termos

de acção e protagonismo, na Terceira emergem já no período seguinte, de inícios do

século XVI, principalmente o segundo homem, grande personificador do poder na

capitania de Angra, entre 1504 e 1512.

3.3. Terceira fase: a consolidação do processo (no dealbar e inícios do

século XVI)

Em 1495, com a subida ao trono do regedor e governador da Ordem de Cristo,

Duque de Beja, Senhor de Viseu, Covilhã, Moura, Serpa, ilhas da Madeira, Açores e

Cabo Verde, D. Manuel, o arquipélago era incorpordo na Coroa.

Assistimos neste tempo, como atrás dissemos, a uma "reprodução" significativa

da documentação escrita, principalmente de inícios do século XVI. Reflexo natural da

especialização burocrática do reinado de D. Manuel345, a mole dos documentos em

crescendo também traduz a definição e consolidação das estruturas administrativas da

Terceira, associáveis ao aumento das gentes e ao sucesso da humanização da ilha. Como

é verificável, os esquemas da organização são os ensaiados na Madeira, os quais, por sua

vez, estão enraizados na tradição senhorial portuguesa346. No quadro dos novos espaços

345 Segundo António Manuel Hespanha, as práticas de petição e despacho associadas à administração,
características de finais do século XVI, ter-se-ão constituído paulatinamente a partir de meados do século
XIV, finais do XV. Decorrente do processo, começa a tornar-se comum a prática de pareceres por escrito e
a constituirem-se, mais claramente, as diversas fases dos vários circuitos burocráticos. Por extensão,
"verifica-se um sensível incremento do processo escrito". Com D. Manuel reforça-se a tendência, com o
emergir de novos organismos e dando-se uma maior "especialização burocrática". Não por acaso se fala,
para esta época, em "Estado burocrático". Cfr. António Manuel Hespanha — História das instituições.
Épocas medieval e moderna. Coimbra: Livraria Almedina, 1982, pp. 353-354; Vitorino de Magalhães
Godinho — Finanças Públicas e Estrutura do Estado. in Joel Serrão (dir.) — Dicionário de História
de Portugal Porto: Livraria Figueirinhas, [s.d.] [imp. 1985], vol. III, p. 32; José Manuel Subtil — A
administração central da Coroa. In Joaquim Romero de Magalhães (coord.) — História de Portugal.
No alvorecer da modernidade. Lisboa: Editorial Estampa, [s.d.] [D. L. 1993], pp. 78-80.
346 Vitorino Magalhães Godinho — As ilhas atlânticas. Da geografia mítica à construção das
economias oceânicas. In Actas do Colóquio de História da Madeira. Funchal: Secretaria Regional do
Turismo e Cultura / Centro de Estudos de História do Atlântico, 1986, vol. I, pp. 40-41 e passim; Maria
Emília Cordeiro Ferreira — Capitão-donatário. In Joel Serrão (dir.) — Dicionário de História de

71
e oportunidades que sempre dão lugar à criatividade e às novas soluções347, os esteios

permaneceriam como garantes da solidez da construção.

Ora, neste contexto, emergem muitos outros homens na ilha que poderemos

designar por "novos", ou de "terceira vaga". Entre eles, destacamos Gonçalo Álvares

Pamplona, Pero Anes do Canto, nos inícios do século XVI, os demais da família

Canto348, Francisco e Gonçalo Dias Carvalhal, Mem Rodrigues de Sampaio, Pedro Anes

Cota e seu filho Pedro Cota de Malha, já "entrados" no século XVI, entre muitos outros

e apenas para destacar os mais referidos na historiografia. Exactamente por se tratar de

personagens a que "abundante" documentação conferiu acrescida visibilidade, daremos

apenas breve nota individualizada para cada um destes "novos" protagonistas, que em

época mais recente do processo de povoamento engrossaram a presença humana na ilha

Terceira.

Assim, porque a figura de Pero Anes do Canto, o primeiro provedor das

armadas, já foi por nós aprofundadamente analisada, iremos apenas centrar-nos nos

demais, tentando situar no tempo as suas presenças na ilha e, se possível, traduzir o

enquadramento social de cada um.

Portugal…, vol. I, p. 472-477; António Vasconcelos de Saldanha — As capitanias. O Regime senhorial


na expansão eltramarinapPortuguesa. Funchal: Secretaria Regional do Turismo, Cultura e Emigração /
CEHA, 1992, pp. 3,19, 24-31 e passim; Miguel Jasmins Rodrigues — Organização dos poderes e
estrutura social. A Madeira: 1460-1521. Cascais: Patrimonia, 1996, p. 45-77 e passim. O modelo
expandir-se-á, inclusive, às demais ilhas dos Atlântico como são os casos de S. Tomé e de Cabo Verde.
Para o primeiro, vide Ângela Domingues — Administração e instituições: transplante, adaptação,
funcionamento. In Luís de Albuquerque e Maria Emília Madeira Santos (coord.) — História geral de
Cabo Verde. Lisboa / Praia: Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga: Instituto de Investigação
Científica Tropical / Direcção Geral do Património Cultural de Cabo Verde, 1991, vol. I, p. 41 e ss;
André Pinto de Sousa Dias Teixeira — A ilha de S. Nicolau de Cabo Verde nos séculos XV a XVIII.
Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa: Centro de História
de Além Mar [CHAM], 2004, pp. 23 e ss; Cristina Maria Seuanes Serafim — As ilhas de S. Tomé no
século XVII. [S.l.]: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa: CHAM,
2000, pp. 16-18, 45 e passim.
347 A propósito desta temática, vide a reflexão de Rui Sousa Martins — Os processos criativos e as
origens do povoamento. Oceanos. Nº 1 (Junho 1989) 65-67.
348 Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 71 e ss.

72
Gonçalo Álvares Pamplona, mercador349 e cidadão do Porto350, escudeiro351 e

fidalgo de cota d'armas352, está em processo de aquisição de terras na Terceira, sitas aos

Altares, em 22 de Abril de 1504353. No ano de 1507, numa resposta a libelo, declara ter

ido a descobryr em hum meu naujo […] a minha custa onde andey por açaz tenpo, o

que o apresenta sob uma perspectiva até agora desconhecida354 . A Brás Pires do

Canto e António do Canto, Pero Anes do Canto dá por "sobrinhos", o primeiro em

1547 e o segundo em 1555355. Brás Pires do Canto está registado em 1537, ano no qual

aparece como confrade do Hospital de Angra356. Já Mem Rodrigues de Sampaio,

cavaleiro régio do Hábito de Cristo, testou em 1559, na cidade de Lisboa357, de onde

seria natural, segundo Frei Diogo das Chagas358. Casou com Beatriz Homem, filha de

Gonçalo Vaz Homem359 . Deste último requer testamento (de 1520) que diz lhe

pertencer, em data não apurada360. Documentos de 1501 e 1508 referem chãos em

Angra, propriedade de um mem rrodriguez361, nome pelo qual é comprovadamente

designado em documento de 1542362 . Para os casos mais recuados, a ausência do

apelido, perfeitamente comum, e/ou outros elementos de identificação, impede-nos de

adiantar possibilidades mais concretas. Quanto a Pedro Anes Cota, é dado por natural

da Madeira, tal como sua mulher Maria Afonso Barreto, de onde vieram para a Terceira,

349 Logo em Agosto de 1506. Cfr. BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 1vº.
350 E estante na vila da Praia, como ainda é dado em 1524. Cfr. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 74,
nº 16, fl. 3 vº.
351 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 23, fl. 1.
352 Como consta da respectiva laje tumular, sita à ermida de Santa Catarina, Biscoitos. Cfr. R. D.
Gregório — Os Biscoitos: história e origem (1482-1556). Verdelho. Boletim da Confraria do Vinho
Verdelho dos Biscoitos, ilha Terceira. Ano VII: nº 7 (2002) 6, fot. de Luís Brum; Jorge A. Paulus Bruno
(coord.) — Praia da Vitória, Terceira: inventário do património imóvel dos Açores. Angra do Heroísmo:
Direcção Regional da Cultura / Instituto Açoriano de Cultura / Câmara Municipal da Praia da Vitória,
2004, p. 293.
353 BPARPD. FEC: CPPAC, fls. 15vº-16vº. Testa em 1547, conforme à súmula do testamento nos
apêndices, nº. 146.
354 BPARPD. FEC: CPPAC, nº. 1, fl. 7vº.
355 Respectivamente, AA, vol. I, p. 128 e BPARPD. FEC: CPPAC, nº 9, fl. 54. Cfr. Rute Dias
Gregório — Pero Anes do Canto…, pp. 71, 73.
356 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 59.
357 Vide súmula do respectivo testamento, nos apêndice, nº. 208.
358 Espelho cristalino…, p. 361.
359 Ibidem.
360 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 236, nº 16, fl. 6vº. Este documento está em péssimas condições
de conservação. Veja-se súmula que conseguimos produzir, nos apêndices, nº. 20.
361 TPAC, doc. 23, p. 90 e doc. 19, p. 84.
362 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. IV, nº 101, fls. 29-36vº.

73
de 1520 em diante363. Com eles, e pela data apontada, chegará também o filho Pedro

Cota de Malha, que consta ser vereador de Angra em 1534364 . No ano de 1541

sabemo-lo juiz do Hospital do Santo Espírito365 e conhecemos-lhe o testamento, de

1559, já viúvo de Catarina Vieira366. Por fim, Francisco e Gonçalo Dias do Carvalhal

chegarão à ilha cerca de 1530, tendo ambos casado com filhas de João Álvares Neto367.

Todos foram, também, homens de particular destaque, alguns construtores de

casas familiares e patrimónios de relevo.

4. Elementos de composição social

Feita a resenha possível sobre os mais destacados vultos do povoamento, aqueles

que as crónicas repetidamente invocam como os "primeiros", atentemos genericamente

ao estatuto das gentes que encontramos na ilha nas primeiras gerações.

4.1. Algumas considerações sobre a nobreza inicial

Em resposta a um mal intencionado clérigo, anunciador de […] que estas Ilhas

forão pouoadas com ladrões, o Pe . Maldonado dizia que bastavam os informes

contrários, constantes dos primeiros vinte e cinco fólios de seu trabalho368. Afirmava

ainda que era movido, na sua tarefa, sem outro nenhum enterece, mais que perpetuar, a

honra, nobreza, e fidalguia dos que hoie em dia existem369. Esta prática de referir e

363 BPARAH. Genealogias: FA—PG, fl. 114vº.


364 BPARAH. Genealogias: FA—PG, fl. 114vº.
365 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 64vº.
366 Cfr. 1559, testamento de Pedro Cota de Malha, nos apêndices nº. 208.
367 Cfr. Jorge Forjaz — O "diário" quinhentista de João Dias do Carvalhal e sua família. Angra do
Heroísmo: Instituto Histórico da Ilha Terceira, 1987, pp. 3, 6 e 7.
368 Pe. Manuel Luís Maldonado — Fenix…, vol. I, p. 120.
369 Pe. Manuel Luís Maldonado — Fenix…, vol. I, p. 121.

74
insistir na nobreza dos apelidos das ilhas, povoações e lugares, iniciara-se com

Frutuoso370 e mantivera idêntica tónica com Chagas371.

Façamos, pois, algumas referências prévias à nobreza inicial da ilha. O primeiro

capitão de toda a Terceira, Jácome de Bruges, em 1450 é referenciado por servidor do

Infante D. Henrique372; Diogo de Teive aparece na documentação como escudeiro373; o

primeiro de Angra, João Vaz Corte Real, em 1474 é dado por fidalgo da Casa do Duque

de Viseu; o segundo da Praia, Antão Martins Homem, em 1483 recebe a capitania, na

condição de escudeiro da mesma Casa374; Fernão Dulmo, em 1486, regista-se como

cavaleiro régio375; João de Ornelas, em 1482, é referenciado por escudeiro fidalgo376 e,

no ano de 1488, exerce funções de capitão da Praia por Antão Martins377; almoxarifes

como Álvaro Lopes, em 1482 (Praia), Fernão Vaz e Diogo Matela, em 1488 (de Angra e

Praia, respectivamente) são escudeiros da Casa do Duque Donatário378.

Ora, esta breve resenha mostra-nos bem como o primevo poder na ilha esteve

entregue a uma pequena nobreza, principalmente da Casa do Donatário379 e em boa

parte composta por escudeiros. Perante o estatuto dos principais líderes do processo

inicial, progressivamente agraciados com foros e privilégios — tanto eles como seus

sucessores e homens de confiança —, a realidade é iniludível. Com excepção do segundo

370 Que na descrição dos vários lugares da Ilha sempre refere a nobreza dos moradores, respectivos
apelidos e linhagens, nalguns casos mesmo afirmando que quase todos têm seus brasões de cota de
armas. Por exemplo, no Livro sexto…, nos casos da vila da Praia, pp. 16-17, de S. Sebastião, p. 19, de
Angra, pp. 28-29, de S. Miguel das Lajes, p. 43, de Agualva p. 43 e de Santa Bárbara, p. 38.
371 Que para além do primeiro artigo do capítulo 8º, Dos nobres de que foi povoada esta ilha e que hoje
ainda nela há… (p. 227), ainda dedica o 12º capítulo às genealogias dos primeiros e mais povoadores
da ilha Terceira (pp. 297-454).
372 AA, vol. IV, pp. 207-208.
373 Cfr. Monumenta Henricina…, vol. XII, 1971, p. 321. Vide também José Guilherme Reis Leite —
Nas brumas do povoamentto da Terceira: os Teive… Refira-se ser já falecido em 28 de Janeiro de 1475,
conforme consta da carta de confirmação da venda das ilhas das Flores. AA, vol. I, p. 24.
374 AA, vol. IV, p. 215.
375 AA, vol. IV, p. 441.
376 Doc. transc. em Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 650.
377 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 2, fl. 19vº.
378 TPAC, doc. 5, p. 57.
379 O que se verifica, aliás, nas demais ilhas. Cfr. Maria Olímpia da Rocha Gil — A Sociedade. os
antecedentes da sociedade açoriana seiscentista. In O arquipélago dos Açores no século XVII. Aspectos
sócio-económicos. Castelo Branco: Edição da autora, 1979, p. 45; Avelino de Freitas de Meneses — O
povoamento…, ponto 6.1.1.

75
capitão de Angra, Vasco Anes Corte Real, conselheiro e vedor da fazenda régia380, pese

embora a possibilidade de alguns poderem invocar pergaminhos mais elevados —havê-

los-iam com certeza— a nobreza do início das ilhas será essencialmente de "primeiro

patamar"381 e quanta não seria "nova", ou resultante do próprio esforço expansionista

português382.

Assim, temos que para a Terceira, dos tempos mais recuados e à medida do

próprio desenvolvimento do processo, que o topo da sociedade era constituído por

380 Toma posse da capitania de Angra e de S. Jorge, por morte do pai, em 2 de Junho de 1497. Cfr.
AA, vol. IV, pp.158-161.
381 Em finais da Idade Média, a designação "escudeiro" assume uma dupla conotação: traduz a posição
transitória daquele que aspira ao grau de cavaleiro e, por outro lado, o grupo mais baixo da categoria
nobiliárquica, mais "cristalizado" sobre si e sem aspiração ao grau de cavalaria. Segundo A. H. de
Oliveira Marques, este últumo é um grupo de consideráveis contingentes, já no início do século XV,
fruto do que designa por "'proletarização' de parte da nobreza" e da "ascensão da cavalaria-vilã". Cfr.
Henrique da Gama Barros — História da administração pública em Portugal, nos séculos XII a XV.
Dir. de José Torquato Soares. 2ª edição, Lisboa: Sá da Costa Editora, 1945, tomo II, p. 374 e ss;
Vitorino Magalhães Godinho — A estrutura da antiga sociedade portuguesa. Lisboa: Editora Arcádia,
[s.d.], pp. 82-83; José Mattoso — Escudeiro. In Dicionário Enciclopédico de História de Portugal.
Lisboa: Publicações Alfa, vol. I, p.p. 219-220; A. H. de Oliveira Marques — Portugal na crise dos
séculos XIV e XV. Lisboa: Editorial Presença, 1987, p. 249; e Humberto Baquero Moreno — As Quatro
ordens da sociedade quatrocentista. In António Dias Farinha e outros (coord.) — Uma vida em
História. Estudos de homenagem a António Borges Coelho. Lisboa: Centro de História da Universidade
de Lisboa / Caminho, 2001, p. 201. Para averiguação da realidade açoriana, que se estende a todo o
arquipélago, vide Luís da Silva Ribeiro — Formação histórica do hovo dos Açores. In Luís da Silva
Ribeiro. Obras…, vol. II, p. 47; Avelino de Freitas de Meneses — O povoamento…, ponto 6.1.1. [no
prelo].
382 Cfr. Joaquim Romero de Magalhães — A sociedade. In José Mattoso (dir.) — História de Portugal.
No alvorecer da modernidade. Lisboa: Editorial Estampa, [s.d.] [D.L. 1993], vol. 3, p. 503; Humberto
Baquero Moreno — As quatro ordens da sociedade quatrocentista…, p. 199. Aqui, a questão da
mobilidade ascensional defende-se em termos de "subversão das categorias sociais", iniciada em finais do
século XIV e agravada pela necessidade de abrir quadros nobiliárquicos para as conquistas do Norte de
África. Aliás, esta "nova" configuração da nobreza e de boa parte dela, atesta-se como um movimento
característico, também em Castela, França e Inglaterra, nos séculos XV e XVI. Cfr., entre outros, Marie
Claude Gerbert — La nobleza en la Corona de Castilla: sus estructuras sociales en Extremadura
(1454-1516). Caceres: Institucion Cultural "El Brocense / Disputacion Provincial, 1989, p. 43; Jean-
Marie Constant — La vie quotidienne de la noblesse française aux XVIe-XVIIe siècles. [S.l.]: Hachette,
1985, p. 105; K. B. MacFarlane — The nobility of later medieval England: the ford lectures for 1553
and related studies. Reprinted, Oxford: Clarendon Press, 1980, p. 122. O fenómeno da mobilidade social
e do aumento do número de nobilitados, nos diversos reinos de Espanha, é igualmente atestado por
Teófilo F. Ruiz — Historia social de España, 1400-1600. Barcelona: Editorial Crítica, 2002, pp. 79 e
91. Igualmente uma profunda renovação da nobreza germânica se verifica, conectada com a decadência
—"social degradation or exclusion"— dos respectivos níveis inferiores, no século XV e fruto da crise do
mundo rural, e com a emergência de uma nova nobreza associada ao serviço do Príncipe, principalmente
após 1500. Cfr. Tom Scott — Society and economy in Germany, 1300-1600. Hampshire / N. York:
Palgrave, 2002, pp. 28-29. Relativamente a esta última área, contudo, a questão não fica completamente
esclarecida, face às posições de Joseph Morsel, não só defendendo a "sociogenesis" da nobreza ocidental
por volta de 1450 como, para a região da Germânia, considerando que tal "nascimento" acontece
independentemente da construção do Estado e escapando ao controlo dos príncipes. Joseph Morsel ap.
Martin Aurell — The Western nobility…, p. 265.

76
escudeiros e cavaleiros, alguns ditos fidalgos383 e vários com brasão de armas

conhecido384.

Muita desta gente de destaque encontramos associada aos empreendimentos

náuticos, como Fernão Dulmo385, Diogo de Teive386, Álvaro Martins Homem387, os

Corte Real388, João Martins389 (Merens), Gonçalo Álvares Pamplona390, mas também

383 Para além dos enunciados, e continuando apenas com as referências mais recuadas, partindo da
documentação coeva, refiramos também Fernand'Eanes, tomado por escudeiro régio em 1488, João de
Ornelas da Câmara, em 1490/91 dado por fidalgo, João Borges, em 1492, tido por cavaleiro régio,
Gaspar Corte Real, em 1499, fydallgo da cassa d'el rrey, Baltasar Gonçalves e Vasco Dias Evangelho,
tomados por escudeiros régios, respectivamente, em 1497 e 1498. No primeiro caso, cfr. AA, vol. III, pp.
321-322; no de João Ornelas da Câmara, cfr. AA, vol. XII, p. 407 (Carta régia de confirmação de dada, de
1514.IX.17). Chegou-se a estas datas de 1490/491, porque, pelo pedido de confirmação feito pelo
referido, se dizia possuir a dita terra em sesmaria há mais de vinte e dous anos e que dahi a quatro annos
ou cinco a ilha tinha sido outra vez partida pelo ouvidor Afonso de Matos (idem), o que aconteceu em
Agosto de 1495 (TPAC, doc. 68, pp. 166-168). Logo, a dada só podia ter ocorrido por volta destes dois
anos. Para as últimas referências, respectivamente, cfr. BPARAH. CIM: THSEA, fl. 410, TPAC, doc. 7,
p. 60, e AA, vol. III, p. 192, e pp. 194-195
384 Para citar alguns exemplos: de Gonçalo Mendes de Vasconcelos, de 1511, BPARAH. Famílias:
CCP, mç 112, nº 5; de João de Seuve, de 1530, BPARAH. Famílias: CCP, mç. 112, nº 7; de Simão
Pacheco, filho do povoador João Pacheco, de 1534, AA, vol. V, pp. 144-145; de Pero Anes do Canto, de
1539, BPARPD. FEC: MCMCC, vol. IV, nº 111, 2º doc (Pub. in AA, vol. IV, pp. 131-133).
385 AA, vol. IV, pp. 440-446; João Martins da Silva Marques (pref. e publ.) — Descobrimentos
Portugueses. Documentos para a sua história. Lisboa: Edição do Instituto de Alta Cultura, vol. III,
docs. 205, 212, 213, 215, pp. 317-318, 326-329 e 155-356.
386 AA, vol. I, p. 24. Apesar de João de Teive, seu filho, ser também dado por descobridor das Flores e
Corvo, será muito difícil o testador de 1534 ter tal protagonismo em 1452. Cfr. José Guilherme Reis
Leite — Nas brumas do povoamento…, p. 331.
387 Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 67. Segundo o cronista, ele e João Vaz Corte Real vinham da
Terra do Bacalhau, que por mandado de el-rei foram descobrir. Sobre a figura do dito capitão, remete-
se para I. Veiga — Álvaro Martins Homem. In João Paulo Oliveira e Costa (coord.) — A nobreza e a
expansão. Estudos biográficos. Cascais: Patrimonia, 2000, pp. 73-84; Rute Dias Gregório — Homem,
Antão Martins; 2º capitão da Praia. In Luís Arruda (coord.) — Enciclopédia Açoriana. Centro de
Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa / Universidade Católica Portuguesa [no prelo].
388 Refira-se, entre outros, Ernesto do Canto — Os Corte-Reais. Memória historica. In AA, vol. IV,
pp. 410-432; Eduardo Brazão — The Corte-Real family and the New World. Lisboa: Agência-Geral do
Ultramar, 1965; Dionísio David — Corte Real, Gaspar; — Corte Real, João; — Corte Real, Miguel. In
Luís de Albuquerque (dir. de) — Dicionário de história dos descobrimentos portugueses. [s.l.]: Círculo
de Leitores, 1994, vol. I, pp. 301-302, 303 e 304-305. Gaspar Frutuoso, de João Vaz Corte Real, diz que
foi tão grande aventureiro no mar, que neste reino não teve segundo. Cfr. Livro sexto…, p. 73.
389 Escudeiro, participante no descobrimento da terra annunciada com Gaspar Corte Real. AA, vol. III,
pp. 195-196.
390 Vide o que atrás deixámos escrito sobre este personagem.

77
João Fernandes labrador 391 , Pedro de Barcelos392 , Manuel Pacheco393 , uns mais

célebres do que outros. Outros são intervenientes nas acções do Norte de África, como

Afonso Anes da Costa394, Pero Anes do Canto395, assim como Manuel Fernandes396,

João Dias Ximenes397, Manuel Fernandes Cabral398, Lourenço Ramos399 e Sebastião

Tomé400, havendo igualmente protagonistas no mais território da expansão portuguesa.

Muitos são homens que se dedicam à mercancia, como vimos, e, naturalmente, ocupando

cargos e funções de diversa índole e hierarquia. Todos constituem personagens em busca

das oportunidades e da riqueza que o serviço a um Senhor poderoso poderia permitir,

fosse ele primeiramente o duque de Viseu ou Beja e Viseu, depois o Rei, ou a estes por

outro qualquer401.

391 Cfr. excerto de autos de conflito, pelo qual se atesta Pedro Barcelos ter andado a descobrir com João
Fernandes llavrador (AA, XII, p. 369). Os ditos autos, de 1506, constam da BPARPD. FEC: CPPAC,
nº 1, fls. 9-9vº, como atrás deixámos referido. Vide, ainda, Henrique Braz — Pero de Barcelos e João
Fernandes Lavrador. BIHIT. Nº 12 (1944) 276-283; idem — João Fernandes Lavrador. BIHIT. Nº. 1
(1943) 7-20; José Agostinho — Sobre a viagem de descobrimento de Pero de Barcelos e João Fernandes
Lavrador. BIHIT. Nº1 (1943) 7-20 e 41-49.
392 Vide nota supra e, ainda, Dionísio David — Barcelos, Pêro de. In Dicionário de história dos
descobrimentos portugueses…, vol. I, p. 121.
393 Capitão do navio do descobrimento do regno d'Amgola tee o Cabo da Boa Esperança, que em 1520
o rei envia àquelas partes. Trata-se, ao que se aventa, de Manuel Pacheco de Lima, atrás dito embaixador
do reino do Congo. Cfr. AA, vol. III, pp. 438-444 e o que mais atrás dele dissemos.
394 Referido atrás. Vide AA, vol. IV, p. 129 (1519).
395 Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, pp. 44-47.
396 Tomado por escudeiro régio em 1498, por serviços que ele e antecessores fizeram na gera dos
mouros e outras partes. Cfr. AA, vol. III, p. 194.
397 AA, vol. IV, p. 124 (1514).
398 AA, vol. IV, p. 140 (1542).
399 AA, vol. III, p. 436 (1547)
400 AA, vol. III, p. 444 (1549).
401 Só para emitirmos alguns exemplos: João Martins, tabelião de Angra, é dado por escudeiro do
Conde de Linhares e, Martim Gonçalves, por criado do falecido bispo da Guarda, ambos no ano de 1483
e pelo mesmo documento, Pero Anes do Canto, em 1505, é tido por escudeiro e criado do Vigário de
Tomar D. Diogo Pinheiro, Gonçalo Madureira, até Junho de 1514, escrivão dos contos nas ilhas dos
Açores, era criado de D. Pedro de Castro, também para o arquipélago teria vindo João Afonso, criado do
Prior do Crato, antigo guarda da portagem régia e escrivão da lenha e carvão de Lisboa, como consta de
documento de 1480. Respectivamente, BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº 230; Rute Dias
Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 41; AA, vol. V, p. 115; AN / TT. Chanc. de D. Afonso V, lº 32,
doc. 2, fl. 106vº.

78
4.2. Povoadores de que pouco rezam as crónicas

Mas abaixo destes, e menos lembrado, ficaria o "homem comum", aquele que foi

o principal agente do povoamento dos Açores402, a mole bem mais considerável dos

que, noutros degraus, no amanho da terra, nos ofícios e no pequeno e médio comércio,

constituíam e compunham o grosso da sociedade.

O mesmo é dizer, uma plêiade de "homens trabalhadores"403, mancebos por

soldada 404 , roçadores405 , vaqueiros406 , porqueiros407 , caseiros408 , lavradores409 ,

moleiros410, carniceiros411, marinheiros412, barqueiros413, pescadores414, calafates415,

402 Cfr. Avelino de Freitas de Meneses — O povoamento…, ponto 6.1.1.1. A temática foi objecto de
conferência, do mesmo autor, ao Colóquio "Construção e Dinâmica das Sociedades Atlânticas", Praia da
Vitória, 25 a 27 de Novembro de 2004, intitulada Os protagonistas do povoamento dos Açores.
403 Domingos Leitão e Fernão Álvares (1501), em BPARPD. FEC: CPPAC, fl. 15vº; Pero Fernandes
(1515), em MCMCC, vol. I, nº 38; João de Morais (1518), em AA, vol. XII, pp. 512-515; Sebastião
Vaz (1521), em BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fls. 61-66vº; Sebastião Dias (1526), em Judiciais: AAAH,
maço 130, nº 13, fl. 1-2vº; Francisco Anes e Jorge Pires (1545), em BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V,
nº 130, 1º doc; Baltasar Dias e Pedro Vaz (1545), em MCMCC, vol. V, nº 129.
404 Anterior a 1518 e não nomeado, em BPARAH. Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 146vº-150vº; Diogo
(1528), em CIM: THSEA, fls. 187-189; Domingos Afonso (1537), em THSEA, fls. 218vº-221
405 TPAC, doc. 10, p. 69 (anterior a 19.II.1507).
406 Fernão Solteiro e Diogo Fernandes eram-no nas terras de Gonçalo Álvares Pamplona, em 1504/1507
e também em 1515, na Casa da Salga. Fernão Álvares fora vaqueiro de Afonso Lopes, segundo
testamento de 1538. Respectivamente, BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 23, fls. 6, 19vº e 25vº e
BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 6, nº 4, fl. 13vº.
407 Um, não nomeado, de Gonçalo Álvares Pamplona. BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 12 (1506).
408 Gaspar Dias (1548), em BPARAH. CIM: MP, fls. 37vº-40; Miguel Vaz, caseiro de casas (1548),
em TMP, lº 1, fls. 37vº-40.
409 Jorge Pires (1506), em BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 4, 1º doc., fl. 2. João Anes é dado por
lavrador morador nas Fontainhas, em 1518. Remete para quinze anos atrás, a sua presença numa aceyfa
nos Altares (MCMCC, vol. I, nº 23, fls. 2vº e 17). João Álvares Neto, almoxarife, em processo cuja
sentença era de 1507, dizia estar de posse de uma grande terra per sy e sseus llauradores (TPAC, doc.
10, p. 68). Talvez fossem gente de propriedade, tal como João Dias Linhares, Fernão Luís, Manuel Dias
e João? Rodrigues (1519) (BPARPD. FEC: MCMCC, vol. II, nº 57).
410 Diogo Gonçalves (1517), em BPARPD. FEC: MCMCC, vol. II, nº 50, fl. 32vº; Pero Martins
(1531), em BPARAH. Monásticos: TSFA, fls. 38-39; Francisco Gonçalves (1540); em Judiciais:
AAAH, maço 394, nº 1, fl. 3-17.
411 André Afonso (1504), em TPAC, doc. 15, p. 78.
412 Como Fernão Pires, em 1494. BPARAH. CIM: THSEA, fl. 174.
413 Álvaro Afonso (1513), BPARAH. Judiciais: AAAH, maço 62, nº 13
414 Gonçalo Anes (1518), em BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 23, fl. 9; Diogo Vaz (1536), em
BPARAH. CIM: THSEA, fls. 215-217; Sebastião Luís (1531), em THSEA, fl. 235-236; Domingos
Rodrigues (1547), em BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 151; Nicolau Fernandes (1559) em
BPARAH. Famílias: BCB, maço 1, doc. 13.
415 Diogo Eanes (1510 - 1515), em TPAC, doc. 18, p. 83; João Pires (1539) em BPARAH. CIM:
THSEA, fl. 60; Pantaleão Velho (1547), em THSEA, fls. 281-284.

79
azeiteiros 416 , carreteiros417 , tecelões418 , tosadores419 , pisoeiros420 , cardadores421 ,

alfaiates422, curtidores423, correeiros424, sapateiros425, tanoeiros426, carpinteiros427,

torneiros428, serradores429, pedreiros430, calceteiros431, cabouqueiros432, telheiros433,

416 Como em 1492 o era João Martins e o fora seu pai, Martim Vaz, então falecido. BPARAH. CIM:
THSEA, fls. 50vº-51.
417 João Álvares (1501), em BPARAH. Judiciais: AAAH, maço 266, nº 10, fl. 11. João Fernandes
(1504), em TPAC, doc. 36, p. 115; Tristão Rodrigues e João Martins (1510), idem, doc. 32, p. 109.
418 Pero Esteves, morador nas Nove Ribeiras (1486), em J. Forjaz — Cartas de dadas…, p. 831; Pedro
Fernandes (1504), em BPARAH. CIM: THSEA, fl. 53; Sebastião Rodrigues (1507), em THSEA, fl.
181; João Fernandes (1516), em TMP, lº 1, fl. 76; André Vaz (1519), em BIHIT. Nº 42 (1984) pp. 357-
365.
419 Pero Fernandes (1510), em TPAC, doc. 37, pp. 115-120; Álvaro Eanes (1524), em BPARAH.
CIM: TMP, lº 1, fl. 70.
420 TPAC, doc. 18, p. 83 (1510 - 1515).
421 João Fernandes (1524) na BPARAH. Paroquiais: TISC, lº 1, fls. 71vº-73vº; Gaspar Anes (1531) em
Monásticos: TSFA, fls. 38-39; Álvaro Fernandes (1544) nos Judiciais: AAAH, maço 142, nº 9, fls. 11-
13vº; Jorge Fernandes (1554) em Monásticos: TSFA, fl. 299-300.
422 Martim Gonçalves (1483), em BPARPD. FEC: MCMCC, VIII, nº 230; João Fernandes (1509), em
TPAC, doc. 39, pp. 121-123; Afonso Gonçalves, morador nos Altares (1517), em BPARPD. FEC:
MCMCC, vol. II, fl. 32vº.
423 João Gonçalves (1545). BPARAH. CIM: THSEA, fls. 245-250vº.
424 Domingos Lopes (1551). BPARAH. Famílias: CCP, mç. 2 T, nº 5.
425 João Pires (1494), em BPARAH. CIM: em THSEA, fl. 180vº; João de Lamego [1504 (e 1497?)]
em TPAC, doc. 34, pp. 110-112; João Luís (1506), BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 6, nº 19, fl. 4vº;
João Martins (1518), Paroquiais: TSCP, lº 1, fl. 146vº-150vº.
426 António Fernandes (1519). BPARAH. Monásticos: TSFA, fls. 49-50vº.
427 Gonçalo Afonso (1506), em TPAC, doc. 4, p. 56; Brás Afonso (1507), idem, doc. 19, p. 85; Antão
Garcia (1516), em BPARAH, CIM: MP, fl. 76; Brás Álvares (1545), em BPARPD. FEC: MCMCC,
vol. V, nº 134, fls. 1-9vº; João Gonçalves, carpinteiro da ribeira (1545), em BPARAH. CIM: THSEA,
fl. 240-242; Melchior de Oeiras (1548) em Famílias: CCP, mç 10, nº 10, fls. 30 vº-33.
428 TPAC, doc. 39, p. 122 (1509).
429 Fernão Pires (1505), TPAC, doc. 1, p. 51; Gonçalo Gonçalves, Diogo Fernandes, Duarte Gonçalves
e Pero Anes "o do Porto Santo" (c. 1530), BPARPD. FEC: CPPAC, nº 8, 3º doc., fl. 4vº; André
Fernandes (1531), MCMCC, vol. III, nº 91; João Álvares (1534), BPARAH. CIM: THSEA, fls. 207vº-
211vº.
430 Domingos Lopes (1494), em BPARAH. CIM: THSEA, fl. 181vº; Álvaro Fernandes, em Judiciais:
AAAH, maço 266, nº 10, fl. 11; João Martins e João Afonso (1516), em CIM: MP, fl 76; Pero Adão
(1517), em Monásticos: TSFA, fls. 72-73vº.
431 Pantaleão Martins (1519 e 1534), em BPARAH. CIM: THSEA, fls. 207 vº-211vº e em Monásticos:
TSFA, fls. 49-50vº.
432 Vasco Anes (1538), BPARAH. Famílias: BCB, maço 1, nº 7; Belchior Fernandes (1547), CIM:
TMP, fls. 27vº-30.
433 Afonso Anes, morador em Angra (c. 1530), em BPARPD. FEC: CPPAC, nº. 8, 3ª doc. fl. 4vº; o
telheiro velho, da Praia, já falecido em 31.V.1538, em BPARAH. Famílias: CCP, mç. 10, nº 10, fl.
19vº; Fernão Vaz (1547), em CIM: TMP, fls. 27vº-30.

80
ferradores434, ferreiros435, serralheiros436, cuteleiros437, caldeireiros438, latoeiros439,

picheleiros 440 , violeiros441 , pintores442 , ourives443 , caixeiros444 , mercadores445 ,

boticários446, barbeiros447, físicos e cirurgiões448, gramáticos449 e muitos mestres de

diversas áreas e especialidades450, só para registar os que fomos capazes de compulsar.

434 Francisco Rodrigues (1532), em BPARAH. Monásticos: TSFA, fls. 369-371; Francisco Rodrigues
de Almeida (1543), em CEA, lº. 3, fl. 651.
435 Como o fora João da Barca, falecido antes de 17 de Março de 1507 (TPAC, doc. 24, p. 91) e eram:
Fernão de Eanes (BPARAH. Monásticos: CEA, liv. 3, fl. 651), Gonçalo Anes (1535 e 1538),
respectivamente, em Famílias: CCP, mç. 2.3.4., fl. 171vº e 173 e Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 50-52.
436 João Gonçalves (1523), em BPARAH. Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 201vº-204; Martim Anes (1525),
em Famílias: CCP, maço 4, nº 6; Pedro Afonso (1545), em CIM: THSEA, fls. 245-250vº.
437 Domingos Fernandes (1530 e 1539). BPARAH. CIM: THSEA, fls. 170-174vº e 221vº-225vº.
438 Pero Gonçalves (1510), em BPARPD. FEC: MCMCC, vol. II, nº 50, fl. 21; Martim Fernandes
(1539), em BPARAH. CIM: THSEA, fls. 221vº-225vº; António Anes (1552), em Monásticos: TSFA,
fls. 141-142vº.
439 Pero Afonso (1531). BIHIT. Nº 42 (1984) 369-386.
440 João Gonçalves (1534). BPARAH. CIM: THSEA, fls. 207vº-211vº.
441 Fernão Vaz, da vila da Praia (1506). TPAC doc. 3, pp. 53-54
442 Fernand'Álvares (1517), em BPARAH. Monásticos: TSFA, fls. 72-73vº; João Goares ou Soares
(1547 e 1550), em BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 93, fls. 2-11 e em BPARAH. Judiciais:
AAAH, maço 79, nº 13, fls. 23-35vº. Em 1547, João Goares é indicado para a feitura de um retábulo de
boas tintas, caso o encomendado no Reino, a Simão Pires, se não concretizasse. BPARPD. FEC:
MCMCC, vol. III, nº 93, fls. 2-11
443 António Rodrigues (1519), em BIHIT. nº 42 (1984) pp. 357-365; João Rodrigues (1539), em
BPARAH. CIM: THSEA, fls 221vº-225vº.
444 Diogo Martins (1536), em BPARAH. CIM: THSEA, fls. 215-217; Gonçalo Martins (1545),
THSEA, fls. 245-250vº; Diogo Gonçalves (1549), em Monásticos: TSFA, fls. 116-120; António do
Porto (1552), em Paroquais: TISS, pp. 72-74.
445 Dinis Afonso (1494), em BPARAH. CIM: THSEA, fl. 181vº; Diogo Fernandes (1507), em
THSEA, fl. 181; Jorge Marques (1510), em TPAC, docs. 30 e 37, pp. 105 e 120; João Lopes Biscainho
(1515), idem, doc. 80, p. 188; Pero Garcia da Madalena (1517), em BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fl. 70;
Afonso Garcia da Madalena (1519), em BIHIT. nº 42 (1984) pp. 357-365; Afonso Anes de Nossa
Senhora da Graça (1523), em BPARAH. Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 201vº-204.
446 Manuel Pires, boticário morador no Porto, em 1516 recebe autorizações para assentar botica na Praia
e usar do ofício de físico enquanto aí não houvesse um "examinado". AA/TT, Chancelaria de D. Manuel,
lº 25, docs. 445 e 446, fl. 108vº.
447 Diogo de Pinhel (1508), BPARAH. CIM: THSEA, fl. 410; Francisco Lopes (1521), Monásticos:
TSFA, fls. 85- 87; CIM: Afonso Álvares (1538), TSCP, lº 1, fls. 50-52.
448 Fernão Coelho (1515 - Praia) e Diogo Gonçalves (1515 - Angra) recebem as respectivas licenças.
AN/TT, Chancelaria de D. Manuel, respectivamente, lº 15, fl. 73 e lº 24, fls. 132vº-135. Mestre
Lourenço, bacharel em cirurgia, recebe outra em 1516. AA/TT, Chancelaria de D. Manuel, lº 25, doc.
493, fl. 121vº.
449 Gaspar Barbosa (1532). BPARAH. CIM: THSEA, fl. 205.
450 Mestre Rodrigo (1501 e 1508), em TPAC, doc. 23, p. 90, doc. 19, p. 84 e doc. 36, p. 115; Mestre
João (1513), em BPARAH. Judiciais: AAAH, maço 62, nº 13; André Afonso era mestre de seu nauio
(1517), em CIM: TMP, lº 1,, fl. 70; Mestre Lourenço (1519), em BIHIT. nº 42 (1984) pp. 357-365;
Mestre Coelho (1520), em BPARAH. CIM: TMP, lº, fls. 56-60vº; Álvaro Afonso, mestre de ensjnar
mocos (1532), em Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 12- 15; Brás Fernandes, mestre que emssina
moços (1533), em BCB, maço 1, nº 3; Simão Dias, mestre-escola da Sé (1538), em Monásticos: TSFA,
fls. 56-58vº; Mestre Rato (1538), em TSFA, fls. 56-58vº; João Rodrigues, mestre (1538), em Judiciais:
AAAH, maço 3, nº 16, fls. 22-25; Manuel Machado, mestre de ensinar a ler (1539), em Monásticos:
TCJP, fl. 12vº; Mestre Guilherme da Rocha (1542), em BPARPD. FEC: MCMCC, vol. IV, nº 120;
Diogo Vaz, mestre de moços (1543), em BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 17; Mestre Carlos

81
Ou seja, gente que aportou à ilha munida de seus saberes e ofícios, ou que por cá

os aprendeu com quem então os conhecia. Não reuniam, cada uma das ditas ocupações, o

mesmo número de "praticantes", não tinham igual significado na hierarquia social451

nem, tão-pouco, todas estas especializações profissionais existiriam nos momentos

iniciais do povoamento. Apesar de ser bastante difícil alcançar conclusões definitivas

—ingressando inclusive numa temática que no presente trabalho não está no centro das

nossas atenções—, natural seria que as funções mais elementares e básicas fossem as

primeiras a ocupar o labor dos homens, progredindo-se para as de maior especialização,

à medida do próprio desenvolvimento da ocupação da ilha. Aliás, a observação do

número daqueles que encontramos no exercício de certas funções e da antiguidade da

categoria sócio-profissional, por si só, se primeiramente traduzem as necessidades

básicas de uma sociedade, também poderão mostrar o desenvolvimento das estruturas

profissionais e económicas e, por extensão, permitirem o atestar da própria evolução e

consolidação das populações que se fixavam e da sociedade que se constituía452. Como

as fontes que trabalhámos vão até meados do século XVI, apresentam por isso uma

configuração sócio-profissional complexa e desenvolvida, no quadro do processo de

povoamento já consolidado.

Em suma, para além do potencial da análise acima e voltando um pouco mais

atrás, estes últimos foram os homens que verdadeiramente se ocuparam da arroteia,

desbravaram e cultivaram os campos, produziram e repararam o artesanato essencial,

(1545), em Paroquiais: TISCP, lº 1, fls. 170vº-176; Mestre Carlos que curava com mezinhas (1547), em
BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 93, fls. 2-11; Gonçalo Anes o mestre (1548), que diz ter ajudado
à construção da igreja de Santa Cruz da Praia, em BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fls. 37vº-40; Diogo Vaz,
mestre (1548), em TMP, fls. 37 vº-40; Domingos Machado, Mestre de insignar a sapateiro (1550), em
Judiciais: AAAH, maço 221, nº 13, fls. 1-5vº
451 A. H. de Oliveira Marques — O trabalho…, pp. 136-138; Humberto Baquero Moreno — Ritmos e
desenvolvimento da sociedade portuguesa nos séculos XIV e XV. In H. Baquero Moreno —
Marginalidade e conflitos sociais em Portugal nos séculos XIV e XV. Lisboa: Editorial Presença, 1985,
p. 16.
452 Apenas um registo importante e não concernente à ilha Terceira mas à do Pico. Em 1506, o concelho
das Lajes acorda com o ferreiro Gonçalo Anes, para que residisse na terra por quatro anos, dando-lhe dois
moios de trigo, fazendo-lhe uma casa tamanha como a caza do concelho e mais lhe pagando o seu frete e
dos bens, no valor de 500 reais. Para isso lançou taxa e finta sobre os moradores, porquanto era proueito
da terra, [todos] auerem hum ferreiro (Cfr. documento transcrito por Frei Diogo das Chagas —
Espelho…, p. 518). Esta informação não só nos reforça a ideia da importância económica e social do
ferreiro, num quadro geral e mormente para estas sociedades em formação, como também se transforma
num indício significativo para a avaliação do estado do povoamento da área em causa.

82
construíram e mantiveram os edifícios, prestaram inúmeros serviços, todos necessários e

inerentes a um processo de humanização bem sucedido. Eram eles os que não viviam do

prestígio, nem tão-pouco do privilégio de um estatuto de proeminência, mas

essencialmente do respectivo trabalho. Também eles personificavam uma organização

hierárquica interna, pois que o concessionário de terra, ou detentor de casa e vinha, não

estaria ao nível do mancebo assoldadado, nem muito menos o mestre de seu nauio se

situaria no patamar do barqueiro ou do pescador, por exemplo. Tão-pouco deixariam de

existir clivagens internas no seio dos designados por mercadores, e estes mais do que

todos já que os grandes também estariam envolvidos na mercancia453, por tecelões,

carpinteiros ou outros454.

De qualquer modo, cada um deles de forma diferenciada e em boa parte, como o

sesmeiro Pero Álvares455, talvez se desse por homem proue e jnorante face a um juiz e

escudeiro como Heitor Álvares (Homem?) —de quem aquele suportou foro he

sogeyçam— ou a um escrivão da visitadoria, também escudeiro e terratenente em

esboço, como Pero Anes (do Canto)456.

4.3. Escravos, mouros e judeus

Na construção societária da ilha terão estado outros grupos, como escravos,

mouros e judeus, minoritários na composição humana da Terceira457.

Hoje a questão do "cadinho" homano da ilhas parece ter particular actualidade,

inclusive no quadro do avanço da investigação genética e biodemográfica no arquipélago.

Não só esta tem vindo a dar contributos para o esclarecimento daquilo que os

453 Vitorino Magalhães Godinho — A estrutura…, p. 73; Humberto Baquero Moreno — Ritmos de
desenvolvimento da sociedade…, pp. 14-15; Maria Helena da Cruz Coelho — A sociedade portuguesa
quatrocentista…, pp. 399-400.
454 Sobre as clivagens no interior da base da pirâmide social portuguesa, vide A. H. de Oliveira Marques
— O trabalho. In A. H. de O. Marques — A sociedade medieval portuguesa. Aspectos de vida
quotidiana. 5ª edição, Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1097 pp. 131-150; idem — Portugal na
crise…, pp. 261-278; e V. Magalhães Godinho — A estrutura… , pp. 82-85. Na primeira referência
destaque-se para a hierarquia interna dos mesteirais, definida a partir do Regimento das Procissões de
Évora, de finais do século XV, às pp. 136-138.
455 Recebeu carta de sesmaria em 1486. TPAC, pp. 63-64.
456 TPAC, p. 51 (1505).
457 Avelino de Freitas de Meneses — O povoamento…, ponto 6.1.2.2.

83
historiadores avançavam em termos da composição das gentes, tantas vezes de forma

genérica e com base em estudos incompletos por carência de fontes, como tem trazido

dados que obrigam à necessária fundamentação histórica.

Fazemos esta abordagem prévia, porquanto não podemos permanecer alheios, em

primeiro lugar, aos trabalhos realizados no seio das Unidades de Genética e Patologia

Molecular do Hospital de Ponta Delgada e de Angra de Heroísmo458 e ainda, em

particular, aos desenvolvidos por Manuela Lima e respectiva equipa, na Universidade

dos Açores e no âmbito da Biodemografia459.

Assim, pelos estudos a que tivemos acesso, sabemos terem sido concretizadas

investigações com base no DNA extraído do cromossoma Y (NRY), que marca e traduz

as linhagens masculinas, e no DNA mitocondrial (mtDNA), transmitido apenas pela

linha materna (e existente em homens e mulheres). Deles destaca-se uma caracterização

genética da população açoriana, enquadrável nas populações europeias ocidentais

típicas. Por isso, na análise do mtDNA, os valores dos genes europeus atingem um

máximo de 81,25%460 e, na do cromossoma Y, o tipo mais frequente das populações

europeias atinge os 55,1%461, entre os mais que aqui não consideramos. De qualquer

modo, há diferenças entre os três grupos do arquipélago, cujo respectivo mtDNA

assinala uma maior contribuição de genes não europeus no grupo Oriental (25%) do que

no Central (15%) ou no Ocidental (6,25%)462.

458 Cujos trabalhos conhecemos por comunicações informais ou da comunicação social, tanto os
protagonizados por Luísa Mota Vieira como por Jácome de Bruges Armas.
459 Queremos agradecer a Manuela Lima o ter facultado preciosíssimas informações e esclarecimentos
numa aula pública realizada a 13 de Março de 2005, a convite oportuno da nossa colega Susana Costa e
no âmbito da disciplina de História dos Açores, mas particularmente a disponibilização de dois trabalhos
realizados por investigadores do Centro de Investigação de Recursos Naturais [CIRN], do Departamento
de Biologia da Universidade dos Açores e de outros centros de investigação das Universidades de
Coimbra, Porto e Barcelona, adiante citados.
460 Em que se destacam os partilhados com a Península Ibérica e particularmente com Portugal
continental, mas ainda, com um peso não negligenciável, os de proveniência setentrional europeia. Cfr.
C. Santos, M. Lima e outros — Genetic structure and origin of peopling in the Azores islands
(Portugal): the view from mtDNA. Annals of Human Genetics. 67 (2003) 433, 444, 449 e 447.
461 Cfr. R. Montiel, C. Bettencourt e outros — Analysis of Y-cromosome variability and its
comparison with mtDNA variability reveals different demographic histories between islands in the
Azores archipelago (Portugal). Annals of Human Genetics. 69 (2005) 5.
462 Cfr. C. Santos, M. Lima e outros — Genetic structure…, p. 447.

84
Já relativamente àquele DNA que neste ponto do trabalho mais nos importa,

consonante com grupos de escravos africanos, com mouros e com judeus, não podemos

deixar de relevar os mínimos de 11,25% e de 7,5% para genes associados,

respectivamente, a populações africanas e do Médio Oriente, entre elas judaicas, pela

análise do mtDNA463. De igual modo, e partindo do NRY, os valores atingem os 13%

para o primeiro tipo e 8,6% para o segundo. Tais valores, de acordo com o último

estudo, não estão fora da estatística média encontrada para Portugal continental464, pelo

que se interrogam os estudiosos se a respectiva proveniência é atribuível aos próprios

povoadores portugueses ou, no caso dos africanos, aos fluxos de escravos465.

No entanto, tomando as diferenças detectáveis entre os diversos grupos do

arquipélago, salientemos a forte presença da contribuição africana no mtDNA do grupo

Oridental, 18,2% contra 5% no Central e 6,3% no Ocidental e, ainda, a superior

componente de genes característicos das populações do Médio Oriente, entre elas judias,

no grupo Central, 10% face a 6,1% e a 0 nos grupos Oriental e Ocidental,

respectivamente466 No caso do estudo a partir do cromossoma Y, ou nas linhagens

masculinas, o grupo Central mantém-se no topo quanto aos remissivos às populações do

Médio Oriente e a determinados grupos judaicos: da média de 8,6% para os Açores, os

valores percentuais para os grupos Ocidental, Oriental e Central são, respectivamente,

de 9.1, 3.4 e 14.5467.

Feitas estas sumárias considerações, insista-se que a investigação acima

referenciada versa a população actual468 e que a forma como muitos dos genes —

referenciáveis típicos de populações africanas, provenientes do Médio Oriente,

463 Cfr. C. Santos, M. Lima e outros — Genetic structure …, p. 447.


464 Entre 10,7% e 11,9% para o norte e entre 17,5% e 24,5% para o sul. A ainda significativa variação
destes valores, entre as áreas assim definidas, atribuiu-se ao maior contacto da zona meridional com o
Norte de África. Confiram-se estes valores e considerações, com base noutros estudos que aqui omitimos,
em R. Montiel, C. Bettencourt et all — Analysis of Y-cromosome variability…, pp. 5-6.
465 Cfr. R. Montiel, C. Bettencourt e outros — Analysis of Y-cromosome variability…, p. 5.
466 Cfr. C. Santos, M. Lima e outros — Genetic structure …, p. 447.
467 Cfr. R. Montiel, C. Bettencourt e outros — Analysis of Y-cromosome variability…, p. 6.
468 Não querendo com isto afirmar a impossibilidade de realização de trabalhos sobre a população, com
base em ossadas e a partir do mtDNA. Este constituirá a fonte mais adequada ao estudo recuado no
tempo, porque inclusive permite recolhas/análise de material orgânico com milhares de anos.
Agradecemos a Manuela Lima estes preciosos esclarecimentos.

85
incluindo os ditos grupos de judeus, mas também europeias, como os detectados em

altos valores na Sardenha e sem eco parecido nas demais populações europeias469 —

foram integrados na dita população, ainda não se encontra de todo apurado. Podê-lo-iam

ser através dos próprios povoadores europeus, nomeadamente os de origem portuguesa

e não propriamente trazidos por indivíduos originários das áreas em causa470.

De qualquer modo, o conhecimento histórico, neste sentido, constitui auxiliar

precioso para tais estudos, pois a evidência e a compreensão da presença de africanos,

ou de outros grupos humanos, nos períodos iniciais da ocupação das ilhas, ajuda a

melhor compreender a marca de tais genes. Por isso e porque o nosso ofício implica,

exactamente, contribuir com os informes e raciocínios que conseguimos operar pelas

abordagens e metodologias da "velha" História (ao contrário da "jovem" Genética que

ainda é campo "quase virgem"), partindo das nossas fontes e dados, atentemos no que é

possível trazer para o espaço e tempo que nos ocupam.

No respeitante aos judeus, a primeira referência conhecida reporta-nos a 1501 e

ao naufrágio de uma embarcação com foragidos, expulsos para África471, hebreus que

logo seriam aprisionados e escravizados em benefício do capitão de Angra, Vasco Anes

Corte Real472. Não encontramos vestígios da ocorrência, nem tão-pouco desta gente

conduzida à servidão, nos documentos terceirenses coetâneos.

469 Porque aí raramente são encontrados, à excepção da referida Sardenha, com valores entre 34,6% e
48% e do País Basco com estatísticas entre 4.4% e 9%. Esta tipologia não está estudada para Portugal
continental. De qualquer modo, registem-se os valores de médios de 4.3% para o arquipélago, com 13.6,
2.6 e 3.4 para os grupos ocidental, central e oriental, respectivamente. Cfr. R. Montiel, C. Bettencourt e
outros — Analysis of Y-cromosome variability…, p. 6.
470 Cfr. R. Montiel, C. Bettencourt e outros — Analysis of Y-cromosome variability…, p. 6.
471 Situação vivida pelos hebreus renitentes à conversão, depois da Lei de Expulsão de Dezembro de
1496. A emigração para Marrocos, que também regista movimentos oriundos da Península e anteriores ao
processo de "expulsão geral", entre outros aspectos, foi estudada por José Alberto Rodrigues da Silva
Tavim — Os judeus na expansão portuguesa em Marrocos durante o século XVI. Origens e actividades
de uma comunidade. Braga: Edições APPACDMM Distrital, 1997, pp. 71-88. Para este e os mais
pontos de emigração judia portuguesa vide, entre outros, o trabalho de J. Lúcio de Azevedo — História
dos Cristãos Novos Portugueses. 2ª edição, Lisboa: Livraria Clássica Editora, [s.d.] [imp. 1975] [1ª ed.
1921], principalmente às pp. 360-372, 387, 407, 418, 431.
472 Este registo é feito por António Lourenço da Silveira Macedo — História das quatro ilhas que
formam o distrito da Horta. [S.l.]: Secretaria Regional da Educação e Cultura / Direcção Regional dos
Assuntos Culturais, 1981, vol. I, p. 32, nota 1. A sua fonte diz ser Alexandre Herculano, não
explicitando o lugar. Revisionando o trabalho deste último autor, História da origem e estabelecimento
da Inquisição em Portugal. 9ª edição, dirigida por Davide Lopes, Lisboa: Livraria Bertrand, [s.d.], tomo
I, pp. 162-163, lá encontramos referências à arribada aos Açores e à escravização dos passageiros, dados a
Vasco Anes Corte Real. A fonte do emérito historiador são as Memorias Mss. da Ajuda, 1, fl. 220(?).

86
Consideramos, como outros, que havendo correlação cronológica entre o período

que se designa como de agravamento das hostilidades para com esta minoria (1481-

1484)473, culminado no processo de expulsão dos não conversos que se inicia com o

decreto de Dezembro de 1496 mas com aplicação definitiva a partir de Outubro do ano

seguinte474 e o próprio processo de povoamento das ilhas do grupo Central, em termos

gerais475, que há claras possibilidades de aportagem de cristãos-novos às ilhas e até,

quiçá, de fuga e chegada clandestina por parte de outros. Para mais, apesar da patenteada

"indefinição" geográfica, certo cristão novo, acusado de ter livros em hebraico, foi

perdoado do degredo para as "ilhas" em 1501 e enviado para o couto de Mértola476. Tal

mostra e no âmbito da própria justiça, a possibilidade de envio de tidos por "falsos"

convertidos para espaços insulares, possivelmente os com maiores dificuldades na

ocupação.

Para além disso, embora haja quem tenha afirmado a inexistência de judeus nos

Açores, anteriores à determinação manuelina477, o facto de se registar que só em 1501

esta terá sido implementada nas ilhas478, por um lado, mas também as situações de

fricção e instabilidade verificadas, tanto no Reino como principalmente em Castela e

anteriores a esse período479, são factores que não permitem descartar, totalmente, a

473 Maria José Pimenta Ferro Tavares — Os judeus em Portugal no século XV. Lisboa: Universidade
Nova de Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, 1982 p. 423; Humberto Baquero Moreno —
Movimentos sociais antijudaicos…, p. 88.
474 Manuel Viegas Guerreiro — Judeus. In Joel Serrão (dir.) — Dicionário de História de Portugal…,
vol. III, p. 413.
475 A cronologia aplica-se claramente ao período de humanização da ilha Terceira e ao das demais ilhas
com proximidade geográfica. Para o Pico, em particular, conhecemos documentação publicada por Frei
Diogo das Chagas, datada de 1503 e 1507, dando-nos conta da presença de cristãos-novos na referida ilha.
Cfr. Espelho cristalino…, pp. 512-514. De registar ainda que, segundo H. Baquero Moreno, o período de
acentuação e agravamento das hostilidades contra os Judeus, em Portugal, situa-se entre 1481 e 1506.
Cfr, do dito autor, Movimentos sociais antijudaicos…, p. 88.
476 AN / TT, Chancelaria de D. Manuel, lº 45, fl. 123vº.
477 António Lourenço da Silveira Macedo — História das quatro ilhas que formam o distrito da
Horta. [S.l.] Secretaria Regional da Educação e Cultura / Direcção Regional dos Assuntos Culturais,
1981, vol. I, p. 31.
478 António Lourenço da Silveira Macedo — História das quatro ilhas…, vol. I, p.31.
479 Cfr. Humberto Baquero Moreno — As pregações de Mestre Paulo contra os judeus bracarenses nos
fins do século XV. In H. Baquero Moreno — Exilados, marginais e contestatários na sociedade
portuguesa medieval. Lisboa: Editorial Presença, 1990, pp. 139-140 e 143-146; Idem — Movimentos
anti-judaicos em Portugal no século XV. In Marginalidade e conflitos sociais…, p. 79; Maria José
Pimenta Ferro Tavares — Os judeus em Portugal no século XV…, p. 423; Manuel Viegas Guerreiro —
Judeus. In Joel Serrão (dir. de) — Dicionário de História de Portugal… , vol. III, pp. 412-413.

87
possibilidade da procura, por parte destas gentes e na clandestinidade, dos novos

destinos e oportunidades que ilhas em processo de humanização constituiriam480 .

Apesar dos estudos e das fontes documentarem claramente o movimento destas

populações paragens que já teriam comunidades enraizadas de judeus481, na condição de

conversos ou até de "incógnitos", estas gentes teriam múltiplas possibilidades de

destino482, nos tempos que corriam. Os Açores seriam uma e, não por acaso, em 1521,

da alçada do corregedor dos Açores, António de Macedo, constava capítulo sobre a

citação e demanda dos cristãos-novos483. De qualquer modo, até hoje não detectámos,

no período em causa (1450-1550), provas nem fontes que nomeiem gente da Terceira de

tal condição484. O que já se sabe, isso sim, é que os processos inquisitoriais, da segunda

metade do século XVI revelam vários moradores da Terceira acusados de judeísmo.

Entre 1558 e 1593, Paulo Drummond Braga identifica quarenta e cinco indivíduos nessa

situação485.

Entre estes há uma Inês Maia, dada por cristã-nova, já falecida ao tempo da

denúncia (1575), a qual lhe atribui afirmações "suspeitas", pelos anos de 1556/1557486.

Noutros casos, dois apelidos nos chamam a atenção: Seia e Trigo. O último, Gaspar

Trigo, em 1575, acusado de ter em casa o Josepho de antiquitabus487, tratar-se-á de

480 As palavras de António Borges Coelho, sobre aqueles "que conseguiram entrar, por decreto régio,
por mudança de terra ou de ofício e por esquecimento na comunidade dos cristãos-velhos", deixam a sua
marca, quando aventamos esta possibilidade. Cfr., do autor citado — Judeus e cristãos-novos
portugueses (séculos XVI e XVII). In Cristãos-novos judeus e os novos argonautas. Lisboa: Editorial
Caminho, 1998, p. 73.
481 J. Lúcio de Azevedo regista a presença de judeus portugueses, no século XVII, em Argel, Túnis,
Egipto, Turquia, Marrocos, em várias cidades italianas (Veneza, Bolonha, Nápoles, Ferrara), nalgumas
cidades do sul de França, nos Países Baixos, na Inglaterra com os primeiros registos de inícios do século
XVI e na Alemanha, com dados do século XVII em diante. Cfr. autor citado, História dos cristãos novos
portugueses…, pp. 360-431; e também, ainda com novas localizações, António Borges Coelho —
Judeus e cristãos-novos…, pp. 86-87.
482 As múltiplas situações vivenciadas por aqueles que, de algum modo, se poderiam conectar ao
Judeísmo, estão claramente resumidas em António Borges Coelho — Judeus e cristãos novos
portugueses (séculos XVI e XVII)…, p. 73.
483 AA, vol. IV, p. 41.
484 Isto apesar de, por exemplo, se afirmar — e não sabemos com que bases — que Álvaro Pires Estaço
era de origem hebraica e que o apelido Beleágua/o, entre outras, poderá ter idêntica origem. Cfr. Quadro
B dos apêndices
485 Por nós contabilizados. Cfr. Paulo Drummond Braga — A Inquisição nos Açores. Ponta Delgada:
Instituto Cultural de Ponta Delgada, 1997, pp. 212, 216-219.
486 Paulo D. Braga — A Inquisição…, p. 218.
487 Paulo D. Braga — A Inquisição…, p. 217.

88
alguém conectado ao posterior e conhecido tabelião de Angra, Manuel Jácome de

Trigo488? Já no primeiro caso temos Manuel de Seia, natural de Braga, de 25 anos,

acusado e confesso em 1558489 e, principalmente, Gonçalo de Seia, falecido em 1574. A

este último reputam-se actos de 1557/1558, entre os quais, com um filho e irmão, falar

de Isaac, Jacob, Moisés e mais temas da "Lei Velha"490.

Ora, os apelidos "de Seia", na ilha, remontam a Gabriel de Seia (1519),

registando-se ainda outros, entre eles, Rui Dias de Seia (1520), Gonçalo de Seia e João de

Seia, pai e filho, tabeliães de Angra (1538, 1541, 1548), André Fernandes de Seia,

cavaleiro régio (1554) e João Fernandes de Seia (1557), da mesma cidade491. Sabemos

também que, de 3 de Setembro de 1574, o Pe. Maldonado assegura existir um brasão de

armas de João Fernandes de Seia e que André Fernandes de Seia fora juiz ordinário de

Angra em 1545492 . O que unia estes homens entre si e qual a geração do referido

Gonçalo de Seia, falecido em 1574? Podemos, pelo menos algum deles, talvez familiar do

acusado, conotá-lo como "cristão-novo", já que o referido Gonçalo de Seia não é assim

identificado? Perguntas que ficam sem resposta.

De qualquer modo, atestada está a presença de acusados de judeísmo, alguns

ditos cristãos-novos, na segunda metade do século XVI. Para mais, o alvará de 1558,

pelo qual se estabeleceu finta sobre os da nascão hebreia nestas Ilhas, e os dizeres de

Maldonado no sentido da consequente opressão das gentes, pelos muitos que viram seus

nomes "manchados", fazem-nos percepcionr a presença de conversos na ilha, na dita

época, independentemente de quem, quando e como teriam cá aportado. De qualquer

modo, e embora afirmando que até 1558 nunca ninguém fora tomado por Judeu, a

verdade é que o mesmo Maldonado não deixou de dizer que era bem verdade que muitos

vierão as Ilhas asentar caza no trato da mercancia com suspeitas de oriundos da

nascam Hebrea e que tantos dos acusados não tiveram como se defender, por serem

488 BPARAH. Notariais, 7 lºs, de 1600 a 1619.


489 Paulo D. Braga — A Inquisição…, p. 212.
490 Idem, pp. 212 e 218.
491 Vide Quadro B dos apêndices.
492 BPARAH. Genealogias: FA - PG, fl. 306vº-307.

89
mortos os pais e avós ou aqueles que poderiam esclarecer a respectiva origem493. Tal

apenas nos atestará a possível condição judaica, e conversa, de gente de há uma ou duas

gerações atrás, o que necessariamente nos faz recuar ao período do povoamento. Se a

tudo isto associarmos a apreciável percentagem de genes caraterísticos do Médio

Oriente/incluindo judeus, na população do grupo Central açoriano (com uma incidência

entre 10% e 14,5%), atrás referenciada, apenas nos resta assumir a forte probabilidade

de participação directa de tais grupos.

Quanto aos mouros e mouriscos494 , se a tradição atesta a sua presença nos

momentos mais primevos de Santa Maria e S. Miguel495, o que encontra novos ecos

com João Vasques, oleiro que foi mouro, degredado para S. Miguel na regência de D.

Pedro e em 1453 solicitando o regresso ao Reino (cinco anos volvidos)496 , para a

Terceira as referências não são tão remotas.

Os registos mais antigos, relativamente a mouriscos forros, referem Diogo Vaz,

pescador mouro que em 1536 testava em Angra497 e Francisco, em 1556 "Machado",

baptizado na ilha cerca de 1518. Este último, natural de Safim, chegara na condição de

escravo e, na década de 1550, já homem livre, vê-se acusado e condenado por

islamismo498. E é sem dúvida por aquela via que, inegavelmente, alguns terão chegado

aos Açores e à Terceira em particular.

A presença de escravos no povoamento do arquipélago é atestada pelos cronistas

e remontar-se-á aos tempos iniciais499. Pela documentação coeva, na Terceira apenas os

493 Pe. Manuel Luís Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, p. 210.


494 Designação por que ficaram conhecidos os convertidos aos Cristianismo. Cfr. Manuel Viegas
Guerreiro — Mouros. In Joel Serrão (dir. de ) — Dicionário…, vol. IV, p. 353.
495 Avelino de Freitas de Meneses — O povoamento…, ponto 6.1.2.2.1.
496 AN / TT. Chancelaria de D. Afonso V, lº 3, fls. 41vº-42. Agradecemos esta preciosa informação ao
nosso colega Mário Viana.
497 Vide súmula do testamento nº. 77, nos apêndices.
498 Paulo Drummond Braga — A Inquisição nos Açores…, pp. 260-261. Neste trabalho surgem, apenas,
quatro acusados por Islamismo, entre 1557 e 1575, por oposição aos catorze que aparecem indiciados por
Judeísmo (pp. 260-261 e 212, 216-219, respectivamente). Entre os delatados, assinale-se o dito Francisco
Machado que, por sua vez, em Março de 1558, denunciou Diogo Vaz e Diogo Dias (pp. 260-261). Ainda
no tocante aos processos e suspeitas de Islamismo, nomeadamente sobre libertos conversos, destaque-se o
estudo efectuado para as Canárias, de Manuel Lobo Cabrera — Los libertos en la sociedad canaria del
siglo XVI. Madrid / Tenerife: Consejo Superior de Investigaciones Cientificas / Instituto de Estudios
Canarios, 1983, pp. 116-119.
499 Cfr. Avelino de Freitas de Meneses — O povoamento…, ponto 6.1.2.2.3.

90
conseguimos remontar a 1500 e 1501. Na primeira data foram vendidos dois,

pertencentes ao falecido Lourenço Álvares500. Na segunda são referidos vários, de Nuno

Cardoso (pelo menos quatro), dois deles, foragidos durante cinco dias, encontrados

esfaimados e moribundos foram castigados com o látego, tendo um sucumbido501. Por

fim, outro, Joane, acidentalmente morto pelo dono, o bacharel Pero de Linhares502.

Apesar de referências não tão remotas como gostaríamos, tudo isto definitivamente

confirma, caso dúvidas houvessem, a vinda destes homens para a ilha desde as épocas

iniciais503.

A partir dessas datas, em relação directa com o significativo aumento do número

de fontes, a respectiva presença detecta-se amiúde. Tomando testamentos e inventários

como base de trabalho e perante a inexistência de fontes alfandegárias e notariais, tendo

como suporte trabalho anterior, é possível revelar um pouco melhor este grupo

populacional504.

Com base em duzentos e onze testamentos, ou verbas, compulsados entre 1492 e

1559, identificámos cinquenta e seis proprietários de escravos, o que se traduz em

26,5% do universo considerado. Entre estes, apercebemo-nos que mais de metade

enumera entre um e três escravos e apenas reduzidas percentagens apontam para a posse

de quantitativos superiores. Tudo isto, num esforço de contabilização que, apesar das

500 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 266, nº 10, fl. 11.


501 AA/TT, Chancelaria de D. Manuel, lº 45, doc. 440, fl. 115vº.
502 AA/TT, Chancelaria de D. Manuel, lº 46, doc. 175, fl. 63vº.
503 A presença de mão-de-obra escrava, em Portugal e no mundo agrícola, atesta-se desde datas remotas.
Já de escravos negros, no arroteamento de terras e nos tabalhos dos olivais junto a Santarém, confirma-se
por documentos de 1461 e nas Cortes de 1472-1473, época em que o arroteamento da Terceira se
processava. Também para os inícios da ocupação da Madeira há referências a mão-de-obra escrava,
nomeadamente em meados do século XV e com os Guanches, ocupada na pastorícia e na produção de
açúcar. Cfr. Ana Maria Rodrigues — Esclavage dans les sociétés portugaises avant l'Amérique.
Dissertação de Mestrado apresentada à Universidade de Paris IV, dirigida por Jacques Heers, em Junho de
1979 [texto policopiado], pp. 60-61; A. C. de C. M. Saunders — História social dos escravos e libertos
negros em Portugal (1441-1555). Lisboa: Imprensa Nacional — Casa da Moeda, 1982, p. 84; e Alberto
Vieira — Os Escravos no arquipélago da Madeira. Séculos XV a XVIII. Funchal: Secretaria Regional do
Turismo, Cultura e Emigração / Centro de Estudos de História do Atlântico, 1991, p. 37 e passim. Isto,
apenas para corroborar a real possiblidade de escravos, desde a época mais remota e qualquer que fosse a
proveniência, terem participado no rompimento da ilha.
504 A síntese aqui apresentada tem por base o nosso trabalho, Escravos e libertos da Terceira, na
primeira metade do século XVI, apresentado ao colóquio "Construção e Dinâmica das Sociedades
Atlânticas", Praia da Vitória, 25 a 27 de Novembro de 2004. O mesmo estudo, revisto e desenvolvido irá
ser publicado no Livro de Homenagem ao Professor Doutor Artur Teodoro de Matos [no prelo].

91
manifestas insuficiências, ainda traduz a presença de contingentes com algum

significado505.

Mas para além da cronologia dos registos e do número destes homens e mulheres,

questões nevrálgicas no capítulo que nos ocupa serão, por um lado, o respectivo

enquadramento social e, por outro, as origens étnicas dos mesmos506.

O escravo está, como se sabe, na plena dependência do dono, é tido por

propriedade e arrolado com os demais bens. Não obstante, para além da extrema

violência reflectida nos primeiros registos destes homens na Terceira507 , os laços

afectivos entre proprietários e suas peças também emerge. Frei Pedro Nunes considera

António a mjlhor joja que tem em casa508, Catarina Evangelho não quer que Catarina se

aparte de seus filhos pequenos, pois sabe que ela os seruira e beiara509, João Lopes

Biscainho pede à mulher que faça muito boa companhia a Inês, sua escrava510, Gonçalo

Afonso e Beatriz Álvares mandam alforriar Isabel pello amor que lhe tem511.

Algumas vezes essa ligação, que nasce da domesticidade em que se estabelece,

proporciona uma relação de índole sexual e a consequente procriação. Branca Gonçalves

foi mãe, pelo menos, de quatro filhos de seu senhor, João Gonçalves Piloto, que,

alforriados com a progenitora, constituiram-se herdeiros do referido512. João Pimentel,

criado de João de Teive o Velho, era pai de dois escravos deste último, que igualmente se

505 Este assunto retomar-se-á no capítulo III.


506 A este respeito avultam as dificuldades, porquanto poucas mais referências concretas são dadas pelas
fontes em presença, para além de designações habituais como preto, preto da Guiné, branco, mourisco.
Cfr. Rute Dias Gregório — Escravos e libertos… [no prelo]. Em termos genéricos, a questão retoma-se já
dos estudos de Jacques Heers para Sevilha. Cfr. Jacques Heers — Escravos e Servidão Doméstica na
Idade Média no Mundo Mediterrânico. Lisboa: Publicações D. Quixote, 1983, pp. 77-78.
507 Vide p. 91.
508 Em 1513. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 62, nº 13, fl. 2vº. Vide testamento nº. 10 dos
apêndices.
509 Como consta da respectiva cédula, datada de 1537. BPARAH. Famílias: BCB, mç. 1, nº 7, fl. 14vº.
Vide testamento nº. 11 dos apêndices.
510 Por testamento de 1539. BPARAH. CIM: THSEA, fl. 224. Vide testamento nº. 97 dos apêndices.
511 Por testamento de 1542. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 194, nº 23, fl. 2vº. Vide testamento nº.
114 dos apêndices.
512 Como consta do testamento da referida, datado de 1556. BPARAH. Judiciais: PRC, fls. 15vº-21vº.
Vide testamento nº. 198 dos apêndices.

92
designam para alforria513. Pedro de Cacena, sobrinho de Lucas de Cacena, era pai de

Juliana, escrava deste último514.

Aliás, estas são situações que podem confluir para a alforria, mas não apenas

elas. Entre os escravos que encontrámos referenciados, 49% são designados para a

libertação, muitos deles por invocação do "bom serviço" prestado. Se bem que,

geralmente, antes de se obter a liberdade, muitas outras condições se tenham de

cumprir515, a verdade é que ela pode ser alcançada. Em 1516, Inês, mulata, era forra e

estava na casa de João Martins, pedreiro516. Antes de 1542, Manuel de Vilhegas, que

Pedro Bravo e Maria de Vilhegas criaram, é libertado e casado por sua proprietária517.

Ambos receberam legados, o último de chão518, terras519 e rendimento perpétuo em

trigo 520 . Mas estas são as situações "felizes", porque os espectros da miséria e da

marginalização também se instalam521. Aliás, é nos próprios cuidados dos que concedem

a alforria que se comprova a possibilidade de futuro recurso à Misericórdia522, o estigma

da prostituição523, do crime e da forca524.

Assim, os escravos tanto constituem, de per si, um pequeno grupo da sociedade

que se forma, muito ligado e dependente do proprietário, como podem evoluir para uma

integração social mais ou memos plena. Neste caso, deixam a condição de escravatura e,

513 Como consta do testamento de 1534. BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fl. 92vº.Vide testamento nº. 63
dos apêndices.
514 Testamento de 1538. BPARAH. Monásticos: TSFA, fl. 56-56vº. Publicado por Pierluigi Bragaglia
— Lucas e os Cacenas. Mercadores e navegadores de Génova na Terceira (Sécs. XV-XVI). Angra do
Heroísmo: Secretaria Regional da Educação e Cultura / Direcção Regional dos Assuntos Culturais, 1994,
p. 52. Vide respectiva súmula com o nº. 92, nos apêndices.
515 Cfr. Rute Dias Gregório — Escravos e libertos… [no prelo].
516 BPARAH. CIM: TMP, lº 1 fl. 78.
517 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 177, nº 1, fls. 105-105vº. Vide doc. 13 dos apêndices.
518 BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fl. 214.
519 BPARAH. Judiciais: PRC, fls. 146vº-150.
520 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 177, nº 1, fls. 108vº-110vº.
521 Rute Dias Gregório — Escravos e libertos… [ no prelo].
522 BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fls. 38vº-39 (1548); TMP, lº 1, fl. 109 (1550).
523 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 82, nº 2, fl. 252 (1539).
524 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 82, nº 2, fl. 252 (1539); Monásticos: TSFA, fl. 4 (1551).

93
com maior ou menor sucesso, podem vir a casar, procriar e enquadrar-se cultural525 e

economicamente526.

Por outro lado, a possibilidade da miscigenação também fica atestada. Aliás,

quando passamos à análise étnica e da proveniência do escravos tidos em conta, os

dados são elucidativos.

QUADRO I

ETNIA E PROVENIÊNCIA DOS ESCRAVOS

Designações Frequências Total %


utilizadas na época
Pretos e/ou negros:
. negros 14 50 51,55%
. pretos 24
. pretos da Guiné 12
Mouriscos:
. brancos mouriscos 1
. brancos 3 11 11,34%
. mouros 2
. mouriscos 5
Índios orientais:
. mourisca índia 1 2 2,06%
. negrita 1
Mulatos — 34 35,05%
Total 97 97 100%

Os escravos mulatos representam já 35% da população identificada. Se é bem

verdade que podem resultar da relação entre escravos mouriscos, ou brancos, e escravos

negros 527 , também, como atrás referimos, nascerão das ligações entre elementos

residentes e de origem europeia com os ditos escravos. Aliás, importa frisar que o

cruzamento destes homens e mulheres pode não se ter originado na ilha, mas

525 No âmbito específico da religião e da prática de instituição de legados pios, remeta-se para o
testamento de Branca Gonçalves (nº. 198, dos apêndices) e para as quitações do legado para missas de
Catarina Martins, mulher preta, de 1551, 1552 e 1553, transcritas com o nº. 14 nos apêndices.
526 Sobre as dificuldades de integração do liberto, em Portugal, cfr. A. C. de C. M. Saunders —
História social dos escravos e libertos…, pp. 192-198. Para estatuto do liberto, entre escravo e homem
livre, no contexto geográfico das Ilhas Canárias, remeta-se para o estudo de Manuel Lobo Cabrera — Los
libertos …, p. 9 e ss.
527 Sobre a questão da mestiçagem, aplicada ao caso das Canárias, vide Manuel Lobo Cabrera — La
esclavitud en las Canarias Orientales en el siglo XVI (negros, moros y moriscos). Prólogo de Antonio
de Bethencourt Massieu. [S. L]: Edicones del Excmo. Cabildo Insular de Gran Canaria, 1982, pp. 141 e
155-158.

94
naturalmente que é nela que aquele se vai reflectir, na respectiva população, se o

indivíduo tiver geração.

De qualquer modo, numa análise da proveniência dos elementos, a qual apenas

foi possível apurar em cerca da metade do universo tido em consideração, confirma-se a

esperada raiz africana dos indivíduos com uma forte percentangem de negros528 e/ou

pretos (51%), ainda uma significativa presença dos que são referidos como mouriscos

(11%)529 e talvez já se detectem as primeiras presenças de elementos provenientes do

Índico (2%)530 . Parece-nos com isto provada —independentemente deste legado

cromossomático poder ser transmitido pelos povoadores com origem no continente

português, ou na Europa em geral— a participação de grupos humanos norte africanos e

da África subsariana na composição humana da ilha Terceira.

E esta questão não é de somenos, mesmo tratando-se de grupos minoritários

que, por isso, não serão os mais determinantes na constituição étnica da população,

porquanto também se integra num velho problema do povoamento das ilhas: o das

origens geográficas dos povoadores.

528 É curioso verificar, apesar de tudo, as vezes que estes homens aparecem designados por negros, 14
em 50 referências, já que, geralmente e nos estudos feitos a partir dos registos paroquiais, a utilização do
termo é excepcional. Cfr. Didier Lahon — O Negro no coração do Império. Uma memória a resgatar.
Séculos XV-XIX:. Lisboa: Ministério da Educação / Secretariado dos Programas de Educação
Multicultural, 1999, p. 47.
529 Como sabemos, os mais numerosos em épocas passadas e antes da exploração da costa ocidental
africana. Cfr. Ana Maria Rodrigues — Esclavage dans les sociétés portugaises …, p. 31 e ss.; A. H. de
Oliveira Marques — Portugal na crise…, p. 39; Vitorino de Magalhães Godinho — O mercado da mão-
de-obra e os escravos. In V. Magalhães Godinho — Os descobrimentos e a economia mundial. 2ª edição
correcta e ampliada, Lisboa: Editorial Presença, s.d. (imp. 1983), p. 151 e ss; A. C. de C. M. Saunders
— História social dos escravos e libertos negros…, pp. 21 (remissão para a nota "2") e 25-27.
530 Apenas referidos num testamento de 1547, de Martim Simão e Maria Valadão (testamento nº. 147,
dos apêndices). BPARAH. Judiciais: PRC, fl. 22vº. Já anteriormente encontráramos referenciados
escravos de origem india no testamento de António Pires do Canto, filho de Pero Anes do Canto, de
1564. Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 85, nota 27. Sobre a presença de escravos
indios na Madeira, vide Alberto Vieira — Os escravos no arquipélago da Madeira…, pp. 48-49. Quanto
às Canárias, tanto das Índias Ocidentais como das Orientais, estes últimos provenientes de Portugal, vide
Manuel Lobo Cabrera — Esclavos indios en Canarias: precedentes. Madrid: Conselho Superior de
Investigaciones Cientificas de Historia de America / Instituo Fernandez de Oviedo, 1983, p. 523; idem
— La esclavitud en las Canarias Orientales en el siglo XVI …, pp. 141 e 155-158.

95
5. Origens geográficas dos primeiros habitantes

Se os dados do ADN complementaram e reforçaram as considerações anteriores,

no tocante aos enraizamentos humanos em outras partes do mundo que não a Europa,

também o concretizam quanto ao enunciado de que o povoamento das ilhas contou,

ainda, com mais alguns contingentes estrangeiros mas, principalmente, com

portugueses531 oriundos do Reino ou da Madeira. Por tal motivo, esta é a ideia colhida,

com maior ou menor ênfase, em todos os autores532, residindo as dúvidas, sempre, na

repartição que coube a cada uma das províncias ou regiões533.

As correntes algarvia (por extensão, alentejana e estremenha) e nortenha sempre

encontraram defensores, atendendo a testemunhos tão variados como os linguísticos, a

utensilagem agrícola, a tipologia das construções —nomeadamente da habitação— a

antroponímia, a genealogia e a própria organização do espaço —tanto no âmbito dos

povoados como no dos campos de cultivo534. Face a todos os levantamentos, parece ser

consentâneo admitir-se a probabilidade de, após uma primeira iniciativa com elementos

embarcados no Algarve a destacarem-se, ter-se seguido uma "onda" proveniente,

essencialmente, do Noroeste do País535. De qualquer modo, não se estará longe da

verdade, quando se consideram alforbes humanos do povoamento as zonas litorais536 e

as mais populacionadas do país 5 3 7 , como Entre Douro e Minho, Beira e

531 Vide particularmente os pontos 5.1., 5.2. e 5.3. deste capítulo.


532 Só para referir os trabalhos de síntese sobre os Açores, que naturalmente remetem para estudos de
índole diversa, desta ou daquelas ilhas, cfr. Artur Teodoro de Matos — Povoamento e colonização…, pp.
184-188; Avelino de Freitas de Meneses — O povoamento…, ponto 6.2.
533 Ibidem.
534 Remetemos para os trabalhos de Leite de Vasconcelos, Lacerda Machado, Arruda Furtado, Ernesto
do Canto, Luís Ribeiro, Carreiro da Costa, José Correia da Cunha, Orlando Ribeiro, Raquel Soeiro de
Brito, Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Ferreira, citados por Artur Teodoro de
Matos — Povoamento e colonização…, pp. 184-188 e Avelino de Freitas de Meneses — O
povoamento…, ponto 6.2.1.
535 Joel Serrão — A emigração portuguesa. Sondagem histórica. 2ª edição, Lisboa: Livros Horizonte,
1974, pp. 100-101 [1ª ed. 1972]; Orlando Ribeiro — Evolução e distribuição da população. 1. A
população no passado. In Orlando Ribeiro e Hermann Lautensach — Geografia de Portugal.
Organização, comentários e actualização de Suzanne Daveau. Lisboa: Edições João Sá da Costa, 1989,
vol. III, pp. 761-762 (1ª ed. 1987].
536 Grosso modo, compostas pelas faixas litorais ao norte do Tejo e do Algarve. Cfr. Orlando Ribeiro
— Evolução e distribuição da população…, p. 736.
537 Segundo Orlando Ribeiro, na origem dos movimentos emigratórios estão duas ordens de factores
básicos : "a atracção de terras novas ou a pobreza e aperto com que se vive" que muitas vezes surgirão em

96
Estremadura 538 . Aliás, neste contexto, dar-se-ia como que a continuidade de

movimentos bem anteriores539. Por outro lado, também se poderá reflectir como áreas

de menor ocupação no reino podem ter assegurado a proveniência de alguns grupos ou

indivíduos540, em certas épocas com maior acuidade. É que ambos os movimentos,

concretizam a aparente contradição do curso da arroteia progredir fora do espaço reinol

quando, em contrapartida, muitas áreas do reino estavam incultas e, face ao

"desconhecido", pareceriam ser até bem mais desejáveis541. Naturalmente que, neste

caso, as explicações ultrapassarão o foro do geográfico, demográfico e/ou económico, no

amplo conjunto de factores sempre aduzidos para a explicação do movimento542.

confluência (cfr. Orlando Ribeiro — Evolução e distribuição…, p. 761). E estas nascerão, segundo Pierre
George, de uma causa constante que o autor identifica por "pressão demográfica nas regiões em que o
rendimento local não aumenta tão depressa como a população". Tal origina o processo da deslocação
humana, que pode ser rápido e maciço ou, então, constituir-se numa "tradição" regional de movimentos
temporários e/ou definitivos. Cfr. Pierre George — População e povoamento. Amadora: Livraria
Bertrand, 1974, p. 75. [Trad. da edição francesa da PUF, 1972].
538 Para utilizar as designações das comarcas ou províncias do numeramento de 1527-1532, entre as
quais se destaca a primeira, com 1/5 da população para 8% do território total do Reino (19%). Cfr.
Orlando Ribeiro — Evolução e distribuição da população…, p. 734-736; Hermann Lautensach —
Geografia da população. In O. Ribeiro e H. Lautensach — Geografia de Portugal…, p. 718; e Júlia
Galego e Suzanne Daveau — O numeramento de 1527-1532. Tratamento cartográfico. Lisboa:
Universidade de Lisboa / Instituto Nacional de Investigação Científica, 1986, p. 22. Ainda sobre os
contingentes e as diferenças da densidade populacional portuguesa, nos séculos XIV-XV e nos inícios do
reinado de D. João III, vide as obras citadas, pp. 733-738 e p. 21 e ss; A. H. de Oliveira Marques —
Portugal na crise…, pp. 15 e ss; Vitorino Magalhães Godinho — A estrutura da antiga sociedade…, p.
16; e João José Alves Dias — Gentes e espaços (em torno da população portuguesa na primeira metade
do século XVI). [S.l.]: Fundação Calouste Gulbenkian / Junta Nacional de Investigação Científica e
Tecnológica, 1996, vol. I, pp. 198-199. De qualquer modo, nomeadamente no tocante à comparação
litoral/interior, ressalve-se o registo de que, então, o contraste não seria tão drástico como o que
posteriormente se viria a definir (cfr. V. Magalhães Godinho — A estrutura da antiga sociedade…, p.
16). Esta concepção está em consonância com a ideia de que a repartição da população do país, em geral,
era cinco vezes mais constrastada em 1981 do que na época dos Descobrimentos. Cfr. Suzanne Daveau —
Comentários e actualização aos capítulos de H. Lautensach e O. Ribeiro. In H. Launtesach e O. Ribeiro
— Geografia de Portugal…, vol. III, p. 784 e 786.
539 Orlando Ribeiro — Evolução e distribuição da população…, pp. 733-734; Carlos Alberto Medeiros
— Acerca da ocupação humana das ilhas portuguesas do Atlântico. Finisterra. Revista Portuguesa de
Geografia. Vol. IV (1969) 99.
540 Voltando à ideia de Orlando Ribeiro, pela qual na origem dos movimentos emigratórios estão "a
atracção de terras novas ou a pobreza e aperto com que se vive" (cfr. Orlando Ribeiro — Evolução e
distribuição…, p. 761), pode-se perspectivar um vasto leque de motivações que conduzam a tal condição
de vida e ao consequente abandono das áreas de enraizamento, quer sejam elas naturais, demográficas,
económicas, tecnológicas, como sociais. Do mesmo modo, e na prespectiva da pressão demográfica
constituir a "causa permanente" da emigração, o entendimento do factor em causa — "pressão
demográfica" — variará correlativamente às potencialidades do binómio homem/natureza.
541 Carlos Alberto Medeiros — Acerca da ocupação…, p. 98; Avelino de Freitas de Meneses — O
Povoamento…, ponto 6.2.1.
542 Uma síntese sobre as motivações gerais da ocupação das ilhas atlânticas podemos encontrar em
Carlos Alberto Medeiros — Acerca da ocupação humana das ilhas…, pp. 95-125. Vide também o que
dizemos nas notas 538 e 540.

97
Mas façamos um levantamento das fontes disponíveis e atentemos nos

resultados.

5.1. Os informes das crónicas

Já se considerou, por oposição ao verificado em S. Miguel, que as genealogias dos

povoadores terceirenses são particularmente imprecisas sobre as origens geográficas das

respectivas famílias543. Mesmo assim, se bem que poucos, alguns dados dessa índole

vão surgindo nas partes genealógicas das crónicas dos séculos XVI e XVII.

QUADRO II

ORIGENS GEOGRÁFICAS DOS POVOADORES


SEGUNDO AS CRÓNICAS

Elemento de Referência
naturalidade onomástica Indivíduo Identificado Fonte
/proveniência
— de Aboim Diogo Fernandes de Aboim FA, III, p. 81
Alentejo — Gonçalo ou João de Galhegos FA, III, p. 51; I, p.
110
Gomes Dias Rodovalho, genro
de Afonso Álvares de Antona, EC, p. 400
capitão-mor e ouvidor das Flores
(natural de Viana do Alentejo ou
de Évora)
— de Alenquer Álvaro Anes de Alenquer (1553) FA, III, p. 81
Algarve (morador no) — João Vaz Corte Real, 1º capitão ST, 6º, p. 75
de Angra

Algarve (cavaleiro do) João Borges o Velho HI, p. 321


FA-PG, fl. 259vº
Algarve (natural do) Diogo Álvares Vieira, parente
próximo de Maria de Abarca,
capitoa, pai de João Vieira
Almeida — Afonso Gonçalves Antona FA, III, p. 52
Arzila (prov.) de Arzila João Álvares de Arzila EC, p. 386
Astúrias (antepassados) Gaspar Dias de Arce, irmão de FA-PF, fl. 51vº
Sancha Dias de Arce
— Azedias fulano Azedias, marido de Maria FA, III, p. 78
Valadão
Barcelos de Barcelos Pedro Pinheiro de Maris FA, I, p. 24
Beja (Progenitores) — Guilherme Moniz Barreto, filho FA, III, p. 21
de naturais de Beja
Borba, vila de de Borba Gil de Borba FA, III, p. 80

543 Ou mesmo omissas. Este quadro estende-se a todo o grupo central, segundo Artur Teodoro de Matos
— Povoamento e colonização…, p. 187. Cruze-se, também, com os parcos resultados obtidos a partir
dos trabalhos genealógicos dos cronistas, apresentados no quadro II, que se segue.

98
Castela — Antão Vaz [Gonçalves?] de EC, p. 398; FA, III,
Ávila, fidalgo castelhano p. 55
— Castelhano Antão Gonçalves de Ávila FA, III, p. 52
— de Figueiró João Vaz Nogueira de Figueiró FA, III, p. 57
Flandres de Bruges Jácome de Bruges ST, 6º, p. 12

Flamengo ou francês — Fernão Dulmo ST, 6º, p. 61


Genovês Lucas de Cacena EC, p. 24
genoues Pedro Jácome genoues FA-PG, fl. 259vº
— de Gouveia Tomé Gil de Gouveia FA, III, p. 54
Guimarães do Canto Pero Anes do Canto EC, 416; FA, I, p.
167
do Canto Brás Pires do Canto FA, III, p. 35, 178
do Canto Diogo Pires do Canto
FA, III, p. 35
do Canto Sebastião Monis do Canto
do Carvalhal Francisco do Carvalhal FA, III, p. 38, 24
do Carvalhal Gonçalo Dias do Carvalhal

Guimarães (descende de João Coelho, povoador da EC, p. 311


moradores em) Terceira
— de Lamego Pedro Fernandes de Lamego EC, p. 335
Lamego (progenitor — Henrique Cardoso, irmão de FA, III, p. 59
natural de) Inês Martins Cardoso, mulher do
1º capitão da Praia
Lamego (natural de) de Lamego Gaspar de Lamego FA-PG, fl. 182vº
Lisboa — Gonçalo Anes FA, I, p. 111
Mem Rodrigues de Sampaio EC, p. 361
Madeira (proveniência) — Gonçalo Mendes de Vasconcelos EC, p. 372; FA, III,
(1º para a Graciosa) p. 73; I, p. 112
Francisco de Bettencourt FA, I, p. 40, 113;
Diogo de Teive EC, p. 433
ST, 6º, p. 64
Sebastião Coelho ST, 6º, p. 323
Gonçalo Ferreira de Teive FA, III, p. 71

Pedro Álvares da Câmara EC, p. 366


Catarina de Ornelas

Heitor Álvares Homem, filho da HI, p. 324


irmã do capitão do Machico
João Álvares Homem, irmão do HI, p. 325
anterior
FA, III, p. 60
João de Ornelas

Madeira (naturalidade) D. Beatriz de Noronha, mulher EC, p. 292


do 2ª Álvaro M. Homem
Pedro Anes Cota FA, III, p. 43
Maria Afonso Barreto, mulher do
anterior
a mulher de Gil Fernandes de FA, III, p. 87
Escobar e filha de Adão
Fernandes Teixeira
FA, III, p. 45 e 89
Francisco Gonçalves de Távora FA, III, p. 219
João de Ornelas Savedra
Henrique Coelho, parente de FA-PG, fl. 137
João Coelho "o Velho"
Miranda do Douro — Diogo Pimentel, por homicídio FA, III, p. 66
Olivença — Gil Fernandes de Escobar FA, III, p. 86
Ponte da Barca — D. Maria "a Galega", mulher de HI, p. 251
João Vaz Corte Real
Ponte de Lima — Gonçalo de Pita, que veio à FA-PG, fl. 220vº
(progenitor natural de) Terceira de 1530 em diante

99
Porto (cidadão do) — João Dinis FA, III, p. 85

Porto (naturalidade) — Gonçalo Álvares Pamplona FA, III, p. 41


de Freitas António de Freitas FA-PG, fl. 172vº
Reino — Rui Gil Teixeira EC, p. 346
do Couto Brás do Couto FA, III, p. 85
de Góis Pero de Góis FA, III, p. 21
do Couto Diogo Brás do Couto FA, III, p. 85
— João Quaresma Cardoso, que FA-PG, fl. 138vº
dizem irmão de Afonso Anes
Quaresma (vide Serpa)
S. Miguel — Aires de Oliveira, genro de EC, p. 342
Martim Simão
Brites Afonso da Costa, mulher
de Heitor Álvares Homem, neta HI, p. 314
de algarvio que povoara a
Madeira e filha de povoador de
S. Miguel
ou Beatriz Afonso Columbreira, FA, III, p. 65
mulher de Heitor Álvares
Homem
Inês Afonso Columbreira, mulher idem
de Gonçalo Vaz Homem, irmã da
anterior
Gonçalo Nunes de Arez, filho de
FA-PG, fl. 53vº
homónimo que veio da vila do
dito nome para S. Miguel.
Casou na Terceira com Briolanja
Neta, fª de João Álvares Neto
Serpa (naturalidade) — Afonso Anes Quaresma, veio FA-PG, fl. 137vº
quase no princípio da pouoacão
Viana — Rodrigo Afonso Fagundes (veio FA, III, p. 54, 90
com 2 filhas)
Luís Vaz Fagundes, sobrinho do
anterior (de igual proveniência?)
de Lima António de Lima, genro de Clara
FA, III, p. 82
Gil e Gaspar Gonçalves da
Ribeira Seca
Viana de Alvito — Brás Dias Rodovalho "o Velho", FA-PG, fl. 236vº
marido de Beatriz Merens544

Do Quadro II, atrás apresentado, resultam algumas conclusões.

Primeiramente a proveniência insular, madeirense e micaelense, destacando-se

muito particularmente a madeirense. Como não constituirá novidade, as primevas áreas

de povoamento insular foram, também elas, alforbes do povoamento das ilhas que se

lhes sucederam no processo de ocupação545. Agora, o que nos parece também muito

claro, face aos elementos disponíveis, é a larga participação da Madeira neste

544 O Pe. Maldonado, na parte genealógica do seu trabalho e ao fl. 203vº, dá Brás Dias Rodovalho o
Velho, marido de Beatriz de Merens e genro de João Martins Merens e Maria Luís, apenas como oriundo
de viana. BPARAH. Genealogias: FA-PG, fl. 203vº
545 Cfr. Avelino de Freitas de Meneses — O povoamento…, ponto 6.2.2.

100
povoamento, aqui sem dúvida a área geográfica com o maior número de indivíduos

detectados. Acrescerá ainda dizer, também no contexto da mesma área geográfica, o facto

de alguns não serem dados por "naturais" e antes terem aí constituído elementos de

fixação a tempo curto/médio, envolvidos novamente em movimentos migratórios, estes

ao que parece mais definitivos. De facto, e apesar das várias contradições e dificuldades

de apuramento cabal, os registos à Madeira atinentes parecem querer distinguir os

índivíduos entre "provenientes" e "naturais".

Tudo isto, em suma, chamar-nos-á a atenção para um problema mais global que é,

exactamente, o do lugar de origem não significar, em termos absolutos, o da naturalidade

e/ou o das raízes familiares. E isto aplica-se tanto no caso concreto, como em outras

mais situações546. O caso de João Álvares de Arzila (vide Quadro II), com apelido de

proveniência bem documentado na ilha Terceira, no período que nos ocupa547 ,

constituirá outra ocorrência de natureza similar. Em última instância, tal não faz mais do

que confirmar a mobilidade das gentes e a multiplicidade possível dos circuitos.

Para além das questões abertas, acresce também constatar-se a confirmação da

múltiplice origem dos primeiros homens. Com base no Quadro II, entre os estrangeiros,

constatamos a proveniência flamenga, francesa(?), genovesa, asturiana e castelhana.

Entre a Reinol, detectamos originários do Algarve, sem especificação, do Alentejo, tanto

em termos genéricos como, mais especificamente, de Beja, Borba, Olivença, Serpa e

Viana de Alvito e ainda de várias outras cidades, vilas e lugares do Centro e Norte de

Portugal, como Almeida548, Barcelos, Guimarães, Lamego, Lisboa, Miranda do Douro,

Ponte da Barca, Ponte de Lima, Porto e Viana. Entre estas, o natural destaque vai para

os vários topónimos de Entre Douro e Minho (Barcelos, Guimarães, Ponte da Barca,

Ponte de Lima, Porto e Viana), para a presença do interior transmontano fronteiriço com

Miranda do Douro e do interior beirão, com Lamego, não muito longe do Rio Douro, e

546 Como adiante retomaremos.


547 Vide Quadro B dos apêndices.
548 Vila no distrito da Guarda é, no entanto, topónimo que se detecta em Alvaiázere, Arronches, Borba,
Celorico de Basto, Elvas, Guimarães, Lousada, Montemor-o-Novo, Serpa, Soure e Vidigueira. Cfr. José
Pedro Machado — Dicionário etimológico onomástico da Língua Portuguesa [DOELP]. 2ª edição,
Lisboa: Horizonte/Confluência, 1993, vol. I, p. 104.

101
com Almeida (zona da Guarda). Por fim Lisboa, a capital e naturalmente as áreas

circunvizinhas.

Para mais, é possível concretizar um primeiro registo da associação, entre o lugar

de proveniência e o apelido dos indivíduos. Várias figuras nos surgem identificadas

quanto à proveniência e, em simultâneo, com um elemento antroponímico que aponta

para essa mesma origem. São os casos dos designativos de Arzila, já referido, de

Barcelos, de Borba, de Bruges, Genovês, do Canto, do Carvalhal549, de Lamego, de

Freitas550, do Couto, de Góis e de Lima551. Outros ainda, e fomos particularmente

cuidadosos na selecção, eram portadores de apelidos que podemos, com o mínimo de

dúvidas, associar a uma proveniência geográfica. São os casos de Diogo Fernandes de

Aboim, Álvaro Anes de Alenquer, João Vaz Nogueira de Figueiró, Tomé Gil de

Gouveia, Pedro Fernandes de Lamego e o étnico Castelhano, associado a Antão

Gonçalves de Ávila. De novo, aqui bem presentes apelidos que nascem de topónimos de

Entre Douro e Minho, do Alentejo, da área circundante à capital, do interior beirão e as

habituais referências exteriores ao Reino.

São, pois, estes os dados que apurámos nas crónicas (Quadro II), não passíveis

de muitas mais considerações, os quais têm sido principal sustentáculo das afirmações

no tocante à origem dos povoadores. Naturalmente que a reconstituição genealógica feita

em certificados de nobreza, vários do século XVII, e nas genealogias dos séculos XVIII,

XIX e XX poderão trazer mais esclarecimentos. Não obstante, por manifesta

impossibilidade de concretização do trabalho e porque está no prelo o mais desenvolvido

estudo na área, para a ilha Terceira552, aguardamos expectantes a possível obtenção de

novos informes.

549 Tanto Canto como Carvalhal são no nosso caso associados a Guimarães, o que obsta ao difícil
problema que é identificar topónimos como estes, comuns a todo o país.
550 A conexão ao Porto aproxima o topónimo à dita cidade e excluirá outros mais longevos como os
existentes em Cabeceiras de Basto, Vieira do Minho, Montalegre, Galiza e outros. Cfr. DOELP, vol. II,
p. 671.
551 António de Lima é proveniente de Viana. Cfr. Pe. Manuel Luís Maldonado — Fenix angrence…,
vol. III, p. 82.
552 Referimo-nos à, pelo menos, dezena de volumes de genealogias da Terceira, da origem ao século
XX, da autoria de Jorge Pamplona Forjaz e António Maria Mendes.

102
5.2. Novos dados para a geografia das ligações familiares: heranças e

legados

Tendo os elementos atrás como ponto de partida, tomemos então as informações

das fontes inéditas compulsadas, maioritariamente da primeira metade do século XVI.

Abrimos com o levantamento das referências geográficas constantes

esencialmente de testamentos e que, ou traduziam a naturalidade dos testadores e/ou

outros, ou referenciavam bens possuídos fora da ilha Terceira, ou localizavam familiares

próximos no exterior. Estes foram os tipos de dados compilados, na tentativa de definir

origens e ligações espaciais. É óbvio que, neste sentido, nem todos traduzem com igual

rigor, ou com o mesmo carácter conclusivo, a origem geográfica dos indivíduos. O registo

da naturalidade, identificação rara, será o mais consistente. Não obstante, a localização

dos bens herdados dos progenitores constitui um índice relativamente seguro, pois

configura a possível raiz da família. Para mais, a posse de fazenda, a existência de

famíliares próximos e os legados a determinadas instituições ou pessoas, tudo situado

em localidades definidas e fora da ilha, são também fortes elementos de conexão

geográfica.

As novidades neste âmbito, se bem que permitam certas localizações mais


específicas, não foram, contudo, em número absolutamente satisfatório. De facto, como

seria de esperar, constituiram dados escassos para qualquer tentativa de tratamento

quantitativo, tendo-se detectado, apenas, cerca de vinte e cinco fontes com elementos

deste teor.

Entre elas, para iniciarmos a primeira abordagem, só em três situações se assume

a naturalidade. Uma é no caso de Mestre Rato, morador em Angra, que para além de se

afirmar como natural de ssaona — julgamos nós, Siena—, ainda faz dois legados às

"Casas" de Nossa Senhora e de S. João Evangelista da mesma localidade553. Outra ocorre

com João Martins, homem trabalhador que vivia com André Dias seleiro, em 1520

testemunha do respectivo testamento, dizendo-se natural de Eixo, termo da vila de

553 BPARAH. Famílias: BCB, mç. 1, nº 8, fl. 5vº (testamento de 1540), nº. 105, nos apêndices.

103
Aveiro 554 . Também Lisuarte Simões, testemunha de dote a um freira, feito em S.

Sebastião (1536), é natural da cidade de silves"555.

Para mais, no ano de 1501, Rui Vaz, morador em S. Vicente da Beira, andava

fugido da cadeia da vila da Praia556. Em 1524/25? detectámos uma testemunha de

escritura de compra/venda que dizia ser de paco[…]os [rasgado] de portugall do termo

de vjseu557 e ainda encontrámos gente de Matosinhos em 1507 e 1510/1512558, da

cidade do Porto (1504/1505, 1524559), moradora em Aveiro em 1534560, em 1536 um

natural da ilha de Santa Maria561, e residentes em Viana da Foz do Lima562 e Guimarães

(1545)563. Tirando a figura ligada ao termo de Viseu, Pero Anes de Viseu564, nome que

se reproduz noutros documentos posteriores e levanta a hipótese de poder tratar-se do

mesmo indivíduo, os demais pareceram enquadrar-se no grupo daqueles que circulavam

pelas ilhas, muitos ligados à navegação ou ao trato, com permanência(s) de curta e média

duração. De qualquer modo, sempre comprovando proveniências possíveis.

Já quanto à propriedade possuída fora do arquipélago, quatro são referências à

localização da legítima, herdada de pai e mãe. Fernão de Oliveira, por testamento de

1534, situa-a no lugar onde haviam morado seus pais, em Paços, freguesia de

bouzella565, estando a mesma na posse de um seu sobrinho566. João Lopes Biscainho ou

554 BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fl. 60. Vide testamento nº. 20 dos apêndices.
555 BPARAH. Monásticos, TCJP, fl. 11vº.
556 Cfr. AN/TT. Chancelaria de D. Manuel, lº 45, doc. 445, fls. 116vº-117. Aqui viera, segundo o
documento, em busca de João Fernandes, o qual agredira e por tal motivo fora preso. Seria o próprio João
Fernandes proveniente do mesmo lugar?
557 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 130, nº 13, fl. 2vº. Será Paços de Vilharigues, do concelho de
Vouzela? Vide, ainda, nota 564 e 565.
558 BIHIT. Vol. I: nº 1 (1943) 26; TPAC, p. 162. Registe-se que, no ano de 1520, os moradores e
mareantes de Matosinhos obtiveram o privilégio de poderem levar e comerciar o trigo, que compraravam
nos Açores, para e no respectivo lugar. Cfr. AN/TT. Chancelaria de D. Manuel, lº 44, doc. 41, fl. 8.
559 Remete-se aqui para Gonçalo Álvares Pamplona que, no ano de 1524 e portador do dito apelido, era
dado por morador na dita cidade, mas cujos primeiros registos recuam a 1504/1506. Cfr. BPARAH.
Judiciais: AAAH, mç. 74, nº 16, fl. 3 vº; BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 1vº, 7vº-9, 16 e passim.
560 BPARAH. Famílias: CCP, maço 2T, nº 4..
561 BPARAH. CIM: THSEA, fls. 215-217.
562 BPARAH. Famílias: BCB, maço 1, nº 8, fls. 1- 8 vº; CIM: MA, THSEA, fls. 226-229vº.
563 BPARAH. CIM: THSEA, fls. 245-250vº.
564 Registe-se, aqui, uma situação em que o designativo de proveniência assume a sua plena forma,
registando-se ainda o patronímico, possivelmente utilizado nas verdadeiras funções e a adopção de uma
referência toponímica próxima e mais conhecida do que a da verdadeira origem, Paços de [Vilharigues].
Esta questão interessa-nos para a abordagem antroponímica que faremos no ponto seguinte deste capítulo.
565 A já referida, em nota e a propósito de Pero Anes de Viseu, freguesia de Paços de Vilharigues, do
concelho de Vouzela, a 27 km de Viseu e a 66 Km de Aveiro, povoação mencionada nas Inquirições de

104
Irarragua —e o nome a dizer tudo—, com a mulher, tinha sua legítima em Bilbau567;

Gonçalo Martins Fazenda, estante na Praia, com filhos naturais na Terceira, sepultura

comprada no mosteiro de S. Francisco da referida vila, propriedade nas Lajes, é dado por

morador na cidade do Porto —onde também possuía uma casa na Rua do Souto—

herdara uma quintã dos pais, sita na lagroza, termo de Braga568. Por fim, e apesar da

situação bem diferenciada porque não se trata de um "morador" na ilha, o caso de Vasco

Anes Corte Real, capitão de Angra. Com o pai associado ao Algarve, a mãe, segundo o

P e . Cordeiro, de Ponte da Barca569, entre os bens que declara ter no Reino refere a

legítima que lhe ficou dos progenitores, localizada na Terceira, em Lisboa e na aldeya de

Onhos570, termo da mesma cidade. Também de uma falecida tia herdara certos pardieiros

de casas ao cimo da Calçada de S. Francisco, na mesma cidade de Lisboa571.

Outros registos confirmam apenas posse de propriedade e fazenda fora da ilha,

sem grandes explicitações. Uma das situações é a de Pero Adão, pedreiro, morador em

Angra e filho de Adão da Ponte, proprietário de bens, que em 1517 não conseguia

avaliar, sitos em Alvaiázere572 e também na Madeira. Aliás, dá-se mesmo como

testamenteiro de um frade falecido no mosteiro de S. Francisco do Funchal573 . O

referido André Dias seleiro, em 1520, referencia fazenda sita no Reino. É o testamento

posterior da mulher (1521), Beatriz Gonçalves, que esclarece tratar-se de um

emprazamento em três vidas, de olival e vinha pertenças da Sé de Lisboa e sitos na

comarca d'arois574. João de Teive o Velho detém bens de raiz e móvel em Vila Viçosa e

fizera, em Lisboa, inventário e partilhas da propriedade que possuía do primeiro

D. Dinis. É interessante poder tratar-se da mesma localidade, já que atesta a vinda "em grupos" ou de
gente com alguma ligação próxima. Vide testamento nº. 67 dos apêndices
566 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 209vº.
567 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 222vº. Vide testamento nº. 97 dos apêndices.
568 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 267, nº 2, fls. 1vº e 3-4vº. Vide testamento nº. 98 dos apêndices.
569 Vide ponto 3.2.2. deste capítulo.
570 Unhos, freguesia do concelho de Loures, situada entre Loures e Sacavém.
571 AN/TT. Ordem dos Frades Menores [OFM]: São Francisco de Lisboa [SFL], lº 4, fls. 478-478vº.
572 Sede de concelho do distrito de Leiria.
573 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 25, nº 8, 2º doc., fls. 68 e 68vº. Vide testamento nº. 13 dos
apêndices.
574 Fá-lo ela, porque o dito emprazamento tivera com seu primeiro marido, Álvaro de ceire, sendo ela
segunda vida. Cfr. BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fl. 62vº. Vide testamento nº. 23 dos apêndices.

105
casamento com Leonor Mendes575. Já Afonso Anes, de Nossa Senhora da Graça, em

1550 dava por anexada à sua capela, uma casa sita em Portugall na tera do bispo de

cojnbra576. Aliás, o testamento da filha, Isabel Afonso, de 1523, referindo a intenção

dos pais construírem capela, levantava a possibilidade de o fazerem na Praia ou no Reino

o que, naturalmente, traduzia laços ainda fortes a um espaço exterior à Terceira — então

identificado inconclusivamente577. Também o já citado capitão de Angra, Vasco Anes

Corte Real possuía mais casas, pardieiros, quintas e casais, na cidade de Lisboa, na

Azoia, em Queluz, em Belas, em Vale de Palma e o rendimento de três fornos sitos em

Lagos578.

Quanto aos dados relativos a familiares próximos, refiramos o falecido na vila da

Praia, em 1501, Diogo Rodrigues, com mulher em Lisboa e mãe em Alhandra579 .

Destaque-se Pero Garcia da Madalena, em 1517 referenciando sogros e cunhado na vila

d'alguaua em alaraz (alajaz?), terra do Senhor Rodrigo de Gusmão, onde adoptou e

anulou adopção do referido cunhado580. Para mais, tinha duas irmãs que viviam em

Lisboa, um irmão, Afonso Garcia, morador em Angra, outro nas Canárias e ainda outro

morador em Castela ou em Sevilha581. Podemos claramente vislumbrar-lhe origem no

"país vizinho" e a dispersão a que a família esteve sujeita, naturalmente por via da

actividade que afirma exercer: a mercancia. A mulher de André Dias seleiro, para além do

emprazamento que possuía em Arroios, lega-o à irmã que aí o usufruía e mais refere dois

sobrinhos, Beatriz Dias moradora em Lisboa e Sebastião Dias em Montemor-o-

575 BPARAH. Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 87vº e 90vº-91. Vide testamento nº. 63 dos apêndices.
576 BPARAH. CIM: TMP, fl.1, fl. 106vº. Identificámos o Bispo de Coimbra na figura de D. João
Soares. Também sabemos que D. Afonso V, em 1472, conferia aos ditos prelados da Sé de Coimbra o
título de Condes de Arganil — senhores que eram de Santa Comba Dão — (cfr. Pedro Álvares Nogueira
— Livro das vidas dos bispos da Sé de Coimbra. Leitura, pref. e publicação do original do séc. XVI, por
António Gomes da Rocha Madahil. Coimbra: [s.n.], 1942, pp. 183 e 210, pp. 171-172), já que pelo
menos desde D. João I a vila de Arganil pertencia ao cabido (GELB, 3, p. 187). Na localização da citada
casa do testador, iremos tomar estas referências.
577 BPARAH. Paroquiais: TSCP, lº 1m fl. 203vº (testamento nº. 28 dos apêndices). Vide, no entanto,
nota supra.
578 AN/TT. OFM: SFL, lº 4, fls. 478-478vº.
579 AN/TT, Chancelaria de D. Manuel, lº 45, doc. 403, fl. 105.
580 Por escrituras de 1497 e 1502, segundo dados do respectivo testamento. O que nos pode colocar este
homem na 3ª vaga de povoadores. BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fls. 71vº e 72vº-73. Vide testamento nº.
12 dos apêndices.
581 BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fl. 72vº.

106
Novo 582. Afonso Fernandes da Ribeirinha reitera a não paternidade de uma jovem

moradora em pinella, pois que a mãe confessara-a filha de um clérigo583. Luís Varela lega

seus bens móveis aos irmãos e sobrinhas que viviam no Reino, pedindo que os

notificassem com cartas para Coimbra e Tentúgal584.

Mas não ficam por aqui as referências aos laços com o "exterior". Em 1529,

Afonso Rodrigues, ferreiro e viúvo, mandava pagar, de toda a fazenda que possuíra com

a mulher, 400 reais e dois carneiros a Santo António de Lisboa585 — dívida que mais

parece respeitante à celebração de exéquias. Gonçalo Anes, o mestre, para além de

confrade de inúmeras confrarias da Praia, era-o da Misericórdia de Lisboa586.

Mas talvez ainda mais esclarecedores (ou não) são os informes referentes a

legados. Em 1494, Fernão Pires marinheiro oferecia telha suficiente para a cobertura da

Igreja de Nossa Senhora da Oliveira. Para nosso infortúnio, não a localiza,

provavelmente convencido que de que em qualquer tempo se saberia qual. Tendo como

base que não se conhece nenhuma dessa invocação no arquipélago, atendendo à

referência que se toma por "inconfundível" e pela ligação à Madeira e aos Açores,

aventamos uma hipótese: a de se tratar da de Guimarães. Afinal, D. Diogo Pinheiro,

Vigário de Tomar, o primeiro bispo da Madeira e das Ilhas dos Açores, era prior da dita

igreja e colegiada587. Para além disso, da sua Casa e das áreas de influência, este não era o

único caso de arribado à Terceira588.

Mas fora de conjecturas estão os vários legados do já referido Pero Garcia da

Madalena, a "Santiago da Galiza", à capela de Santa Maria de antiqua, em Sevilha, a

Santa Maria e à confraria de S. Salvador, ambas dalguaua em alaraz (alajaz?)589. Já

Vasco Álvares instituiu um perpétuo, de sete missas anuais, em Nossa Senhora de

582 BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fls. 62vº-63. Vide testamento nº. 23 dos apêndices.
583 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 187vº. Vide testamento nº. 39 dos apêndices.
584 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 173vº. Vide testamento nº. 44 dos apêndices.
585 BPARAH. CIM: TMP, fl. 1, fl. 211vº. Vide testamento nº. 43 dos apêndices.
586 BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fl. 38vº. Vide testamento nº. 155 dos apêndices.
587 Como o próprio Frutuoso o atestaria. Cfr. Livro sexto…, pp. 99-100. O filho do mesmo, D. Rodrigo
Pinheiro, viria a ser Bispo de Angra. Idem, p. 101.
588 Relembremos que Pero Anes do Canto era seu criado. Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do
Canto…, p. 41.
589 BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fl. 71vº (1517). Vide testamento nº. 12 dos apêndices.

107
Vagos, aveyro, anexando para tal um foro que tinha em Angra590. Por fim, Bartolomeu

Dias, mercador, deixa considerável legado a Beatriz Nunes (40$000), moradora em Ponte

de Lima, por descargo de consciência e lhe estar em obrigação591.

Pondo de parte as situações relativas às referências à Madeira, Bilbau (Biscaia,

norte de Espanha), Galiza, Sevilha (sul de Espanha) e Siena? (Toscana, região de Itália),

a visualização cartográfica por tipo de informes mostra-nos que as referências continuam

a apontar, essencialmente, para as áreas da capital e do Noroeste do país (Mapa I).

5.3. Análise antroponímica

Se a documentação já nos identificava algumas naturalidades, a posse de bens em

certas regiões exteriores ao arquipélago e a residência de familiares, em suma, os laços

estabelecidos com determinados lugares do Reino e fora dele, os dados não constituíam,

apesar de tudo, referências suficientemente numerosas para uma conclusão que

queríamos mais fundamentada.

Deste modo, no seio de abordagens mais amplas que além-fronteiras e no nosso

país já têm os seus principais enunciadores592, tomámos a resolução de fazer outro tipo

590 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 394, nº 1, fls. 4vº-5. Vide testamento nº. 104 dos apêndices.
591 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 248 (1545). Vide testamento nº. 132 dos apêndices.
592 O estudo da onomástica, nos ramos da toponímia e da antroponímia, no âmbito da Filologia e com
carácter internacional, assume particular dinâmica por volta dos anos 40 do século XX. Em Portugal,
estudos anteriores, nos quais se destacaram Leite de Vasconcelos, Amadeu Ferraz de Carvalho e Joseph
Piel, acolhem novos impulsionadores na década de 50, dos quais se distingue Manuel de Paiva Boléo.
Nestes movimentos da Filologia histórica, entre outros aspectos, emergia um ambiente que, em parte,
pretendia "collaborer aussi à l'histoire du peuplement, des migrations", com a colaboração da
Arqueologia, Geografia e da História. As principais e pioneiras contribuições desta última disciplina, no
âmbito da antroponímia portuguesa, surgiram na década de 70 com os trabalhos de Iria Gonçalves. Nas
últimas décadas cresceu o interesse na temática, com os trabalhos de Robert Durand, Maria Leonor Ferraz
de Oliveira Silva Santos e os de Isabel Maria Madureira Alves Pedrosa Franco, a par da tendência
traduzida pelo programa francês liderado por Monique Borun e pelo movimento internacional de
pesquisa, franco-italiano, nos quais a antroponímia emerge como "document de l'histoire sociale". Na
apreensão deste breve quadro contextual, cfr. Manuel de Paiva Boléo — Os nomes étnico-geográficos e
as alcunhas colectivas: seu interesse linguístico, histórico e psicológico. Coimbra: [s.n.], 1956, pp. 1-5.
Sep. de Biblos, vol. XXXI; Iria Gonçalves — Amostra de antroponímia alentejana do século XV. In Iria
Gonçalves — Imagens do mundo medieval, Lisboa: Livros Horizonte, 1988 [1ª publ. em Do Tempo e da
História. Vol. IV (1971)] e outros estudos que citaremos; Jacques Delarun — Dis-moi comment tu
t'appelles je te dirai qui tu es. In L'anthroponymie: document de l'Histoire Sociale des mondes
méditerranéens médiévaux. Actes du colloque internacional organisé par l'École française de Rome avec
le concours du GDR 955 du C.N.R.S. "Genèse médiévale de l'anthroponymie moderne. [S.l.]: École
Française de Rome, 1996, pp. 4-5.

108
de levantamento, nunca realizado com profundidade no tocante à análise da componente

geográfica da ocupação dos Açores. Intentámos, pois, o estudo antroponímico da ilha

Terceira, especificamente no âmbito dos nomes tipificáveis como alcunhas e apelidos de

proveniência, ou de origem geográfica.

A documentação de fundo seria a disponível, entre o lapso cronológico a que nos

atemos, novamente com grande predominância das fontes para a primeira metade do

século XVI, constituída tanto por documentos oficiais como —e principalmente—

particulares, muitos nunca trabalhados, alguns conhecidos e vários já publicados.

Possível crítica que se teça, em virtude do carácter de certa maneira tardio das fontes,

leva-nos a recordar que alguns dos testamentos analisados são de figuras, até na tradição,

tidas por povoadoras da 2ª e definitiva "vaga". Por outro lado, se mesmo assentando em

povoadores já de inícios do século XVI593, não é admissível que num lapso de tempo

tão curto, como são os 50 anos da primeira metade do século XVI, no quadro das

realidades populacionais portuguesas de então, as correntes migratórias pudessem ter-se

alterado de forma substantiva594.

5.3.1. Tema, metodologia e problemas: abordagem introdutória

Mas sobre a temática e metodologia agora abertas, teçamos mais

desenvolvidamente algumas considerações prévias.

A antroponímia portuguesa desde cedo adquiririu uma composição dupla,

consolidada no século XII, composta pelo nome próprio e pelo patronímico, ou

referente de filiação paterna595. Na evolução posterior, num quadro antecedente que se

593 Remeta-se para as considerações de cronologia e fases do povoamento da ilha, tratados no ponto 3
deste capítulo.
594 Nesta corrente e para o caso da Madeira, remeta-se para o estudo de Luís de Sousa Melo — O
problema da origem geográfica do povoamento. Revista Islenha. Nº 3 (1988) 19-34. Para o
enquadramento geral das regiões "emissoras" de gente, no nosso país e nos séculos posteriores ao período
que nos ocupa, vide Joel Serrão — A emigração portuguesa…, p. 136 e ss; Orlando Ribeiro —
Evolução e distribuição da população…, pp. 753-756, 761 e ss.
595 José Leite de Vasconcelos — Antroponímia portuguesa. Lisboa: Imprensa Nacional, 1928, p. 103 e
ss; Iria Gonçalves — Amostra de antroponímia alentejana do século XV. In Iria Gonçalves — Imagens
do mundo medieval. Lisboa: Livros Horizonte, 1988, p. 70; Maria Leonor Ferraz de Oliveira Silva
Santos — A onomástica, o indivíduo e o grupo. Arquipélago.História. 2ª série, vol. VII (2003) 230.

109
caracterizaria pela diminuição do número de nomes utilizados596 e pela atestada

"pobreza" onomástica 597, o contexto de crescimento populacional e, nalguns espaços, o

da própria densidade da população, tornará o sistema identificativo ineficaz, pela

crescente situação de homonímia598. Assim, a associação de outras adjunções nominais

culminará na anexação de um terceiro elemento, ou até quarto, aos dois primeiros

designativos 599 . Concomitantemente, emergiria a tendência para a fixação de

sobrenomes, de geração em geração. Nascia, deste modo, um novo sistema

antroponímico, realidade que cresce na segunda metade/finais do século XV e,

definitivamente, se impõe no século XVI600. Na respectiva constituição, tomam-se

patronímicos que entretanto se afirmam como apelidos de família601, mas também

relevam referências diversas, algumas sob a forma de alcunhas, alusivas a características

físicas e psicológicas, elementos da fauna e flora, ocupações profissionais, estatutos

sociais e referências geográficas602. Estas últimas merecem destaque particular, não só

porque se afirma a tendência do predomínio das designações "de origem" sobre todas as

596 Iria Gonçalves — Antroponímia das terras alcobacenses nos finais da Idade Média. In Iria
Gonçalves — Imagens do mundo medieval…, pp. 109 e 122-123; Idem — Amostra de antroponímia
alentejana do século XV. In Ibidem, pp. 72-73; Maria Leonor Silva Santos — A onomástica…, p. 230.
Num quadro mais geral, onde diversidades e tendências unificadoras se salientam, destaque-se o trabalho
de Pascual Martínez Sopena — L'anthroponymie de l'Espagne chrétienne entre le IXe et le XIIe siècle. In
L'anthroponymie: document de l'histoire sociale…, principalmente às pp. 68, 72, 82-85.
597 Cfr. Iria Gonçalves — Amostra de antoponímia alentejana…, p. 73 e passim; idem —
Antroponímia das terras alcobacenses…, p. 109 e ss.; Maria Leonor Silva Santos — A onomástica…,
pp. 232-234.
598 E o que tornará o mundo urbano pioneiro no processo, porque aí a "pobreza" dos nomes se sentiria
com maior acuidade. Cfr. J. Leite de Vasconcelos — Antroponímia portuguesa…, p. 117; Iria Gonçalves
— Amostra de antroponímia alentejana…, p. 70; Maria Leonor Ferraz de Oliveira Silva Santos — A
onomástica,…, p. 230
599 Cfr. Iria Gonçalves — Amostra de antoponímia alentejana…, p. 72; Maria Leonor Silva Santos —
A onomástica…, pp. 235-238.
600 Cfr. J. Leite de Vasconcelos — Antroponímia portuguesa…, pp. 119 e 151; Iria Gonçalves —
Amostra de antroponímia alentejana…, p. 70 e p. 90, nota 14; Maria Leonor Silva Santos — A
onomástica…, pp. 237-238.
601 Em princípios do século XIV já se observam situações esporádicas em que o patronímico, nas suas
formas genitiva ou nominativa, perdem o sentido de sobrenome derivado do nome do pai, sobrenome de
filiação ou referente paterno. Por volta da década de 60 do século seguinte, a incidência do fenómeno
amplia-se e acentuar-se-á significativamente no século XVI, caminhando-se então para "a transformação do
patronímico em apelido de família". Cfr. Iria Gonçalves — Do uso do patronímico…, pp. 350-351 e p.
358 nota 39; J. Leite de Vasconcelos — Antroponímia Portuguesa…, pp. 117, 119 e 151- 154.
602 E outros. Cfr. J. Leite de Vasconcelos — Antroponímia portuguesa…, pp. 150 e ss; Iria Gonçalves
— Amostra de antroponímia alentejana…, pp. 78-81;

110
outras603, mas também por aquelas constituirem fonte privilegiada, ou mesmo única,

para o estudo dos movimentos migratórios de então604.

Deste modo e no particular contexto das movimentações quatrocentistas geradas

pela aventura marítima, constituem, estes, informes que não poderemos ignorar,

principalmente no contexto das áreas de povoamento recente. No quadro da verificada

transformação do sistema antroponímico português, entre os meados dos séculos XV e

XVI, tais espaços poderiam, quiçá —à partida e naturalmente à medida do primeiro

crescimento populacional—, potenciar a afirmação de designativos de proveniência

geográfica. Se não o podemos auscultar de todo, já que o nosso campo de estudo é bem

mais reduzido605, no mínimo detectamos a cristalização de alguns.

Para mais, a análise que aqui perpetramos não é totalmente nova no contexto da

abordagem ao povoamento insular português. No caso madeirense, os estudos de Naidea

Nunes, no âmbito da Linguística, vieram também ao encontro das problemáticas

enunciadas, para o espaço em questão, nomeadamente no que designa por "discussão

histórico-dialectal" do povoamento daquele arquipélago606.

Quanto à nossa análise antroponímica geográfica, incidindo também sobre os

primeiros moradores da ilha Terceira e num lapso de cem anos, foi necessário proceder à

recolha de nomes, sugerindo ou podendo invocar/reproduzir topónimos, que

sintetizámos no Quadro B (dos Apêndices). Entre estes, atendemos a três tipos de

designativos: os identificados de imediato como "estrangeiros", os étnicos e aqueles que

reproduziam topónimos, propriamente ditos607.

603 Cfr. Joeseph Maria Piel — Sobre os apelidos portugueses do tipo patronímico em -ici/-es
(Rodrigues). Boletim de Filologia. T. XXI (1965) 167.
604 Iria Gonçalves — Amostra de antroponímia alentejana…, p. 81
605 Não esboçámos qualquer tentativa de estudo geral da antroponímia terceirense na época, pelo que o
peso dos apelidos de origem naquela não pode ser verificado.
606 Naidea Nunes Nunes — Antroponímia primitiva da Madeira (séculos XV a XVI). Dissertação de
Mestrado em Linguística apresentada à Universidade de Lisboa, 1996. Texto policopiado; idem —
Alguns aspectos da antroponímia primitiva da Madeira (sécs. XV e XVI). Os nomes geográficos e a
origem geográfica e dialectal do povoamento no arquipélago da Madeira. Revista Islenha. Nº 20 (Jan. -
Jun. 1997) 93-102.
607 Os apelidos de origem geográfica e étnica podem traduzir-se no adjectivo — algarvio, beirão, etc—
ou no substantivo, propriamente dito e no nome próprio do lugar. Cfr. J. Leite de Vaconcelos —
Antroponímia portuguesa…, pp. 155-156. De atender que os primeiros são muito menos vulgares.
Ibidem; Manuel de Paiva Boléo — Os nomes étnico-geográficos…, p. 5; Iria Gonçalves — Amostra de
antroponímia alentejana…, p. 94, nota 67.

111
Grande parte dos últimos eram antecedidos pela preposição "de", o que atestava

a possibilidade de tratar-se de um apelido e/ou designação de proveniência geográfica. De

qualquer modo, sabemos ser possível verificar-se o desaparecimento da mesma608, pelo

que também contemplámos os casos em que a omissão ocorria. Estamos conscientes, do

mesmo modo e principalmente à medida que se aproximam os finais do século XV e se

avança no século XVI — "o nosso caso"— que, com o aparecimento e consolidação dos

apelidos familiares, cada vez menos estas designações implicarão a origem geográfica do

indivíduo detectado e talvez mais a do(s) respectivo(s) progenitor(es)609. Mesmo assim,

a análise manterá toda a validade, já que nos pode remeter para uma ou duas gerações

anteriores e, por isso, para eventuais primevos povoadores, exactamente aqueles sobre

os quais a documentação escasseia. Na pior das hipóteses e caso o apelido estivesse

consagrado há mais tempo, remeter-nos-ia para um antepassado ainda mais longínquo,

necessariamente envolvido numa qualquer migração — pois que os nomes geográficos

"marcam" recém-chegados —, e/ou com uma origem que podia já não ter nada a ver com

a daquele que aportou à ilha.

Neste contexto, no das limitações, talvez insuperáveis, de uma tal abordagem,

convém estarmos atentos a problemas de vária ordem. Muito resumidamente,

enunciemos aqueles que, para o nosso estudo, parecem ser fulcrais.

Em primeiro lugar, constata-se que alguns dos elementos antroponímicos

detectados, se bem que de origem geográfica, foram tornados apelidos, tempos atrás, por

algumas famílias constantes dos nobiliárquicos.

— Uns de origem estrangeira, como serão Antona, Bettencourt, Lemos, Paim,

Toledo e Vasconcelos, remetendo para topónimos internacionais, eram já apelidos de

608 Em prol de uma e outra posição, vide J. Leite de Vasconcelos — Antroponímia portuguesa…, pp.
159 e 162-163, respectivamente.
609 Para este problema, principalmente para a 2ª metade do século XV e claramente agravado no âmbito
da periodização do nosso trabalho que abrange o 1º meio século XVI, alertara-nos o estudo de Iria
Gonçalves — Amostra de antroponímia alentejana…, pp. 82 e 83. Aliás, em virtude de na 2ª metade
do século XV já muitas das denominações se terem transformado em apelido de família, há quem entenda
que este tipo de dados não é aproveitável para o século XV. Discorda com tal perspectiva Iria Gonçalves,
que defende a validade dos informes e resultados se tratados com "as devidas cautelas". Idem, pp. 82 e
95, nota 75.

112
linhagens portuguesas que pelo menos recuavam ao século XIV610. Assim, tomá-los

como de referência à origem dos povoadores pode tornar-se um pouco inusitado. Outros

ainda, como Ávila, Badilho, Bivar e Pamplona, também constantes das genealogias

nobres, seriam bem mais recentes em Portugal, de meados do século XV e até século

XVI611, pelo que ainda podem dizer muito sobre a origem geográfica de quem os usa.

Exceptuaremos aqui o apelido Pamplona, já que aquele que o traz para a ilha é

coetaneamente dado por morador no Porto612 e esta referência torna-se mais

significativa do que qualquer outra.

— Por outro lado, tínhamos o caso dos apelidos de antigas famílias portuguesas

de prestígio613, tomados dos respectivos lugares de domínio, como Aboim614 (Boim615),

Almeida, Amorim, Baião, Lima, Maia, Ornelas ou Dornelas, Paiva, Resende, Sousa e

Teive616. Tratavam-se, os indivíduos detectados, de familiares mais ou menos próximos,

ou de antigos servidores/componentes das redes clientelares e respectivas gerações, que

amiúde lhes tomam os nomes? Mais importante, ainda existiriam conexões válidas entre

o apelido e o lugar de origem?

Nalguns casos, talvez as genealogias nobiliárquicas respondam afirmativamente à

primeira questão, mas temos dificuldades em comprová-lo com documentação coetânea.

Num outro plano, poucas vezes atendido, até que ponto tais apelidos, referenciando

topónimos originariamente nortenhos, estavam então já difundidos em ramos das

respectivas famílias, que pertenciam à zona meridional do país? Relacioná-los apenas

com o lugar de origem da família não "perpetuará" a ilação de que do norte do país

vieram tais povoadores, não porque daí fossem originários, mas porque os sobrenomes,

já de gentes do sul, remontavam a recuadíssimas raízes geográficas setentrionais?

610 Cfr. o que a propósito coligimos em nota referente a cada qual, no já referido Quadro B dos apêndices
611 Vide nota anterior.
612 Já referenciámos esta figura no âmbito dos pontos 3.3. e 5.2. deste capítulo. Cfr. BPARAH.
Judiciais: AAAH, mç. 74, nº 16, fl. 3 vº; BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 1vº, 7vº-9, 16 e passim.
613 Sobre a adopção de apelidos geográficos por parte da nobreza, vide J. Leite de Vasconcelos —
Antroponímia portuguesa…, pp. 160-162 e, principalmente, pp. 164-165.
614 Que se diz derivado de Aboim da Nóbrega, concelho de Vila Verde. Cfr. Manuel de Sousa — As
origens dos apelidos das famílias portuguesas. 3ª edição, [s.l.] : SporPress, 2003, p. 8.
615 Ligado à mesma família, mas neste caso um topónimo do sul.
616 Manuel de Sousa — As origens dos apelidos…, respectivamente, pp. 8, 20, 36-37, 149, 160, 189,
193, 215, 235, 239-240.

113
Depois, atendê-los como de referência geográfica, no caso de constituirem verdadeiros

apelidos nobliárquicos e estando eles longe de a indicar, afectaria sobremaneira as

conclusões finais?

Em face do que afirmámos quanto à origem social dos primeiros habitantes da

ilha, não estamos convencidos de que um número tão significativo de apelidos pudesse

abranger, logicamente e sempre, elementos com alguma "forte" ligação às velhas Casas e

Linhagens. Ou seja, que se designavam de bujm, de lima, de resende, porque

descendentes da família que se assinava com tal apelido e não porque originários —eles

ou seus anteriores— das áreas geográficas consignadas. Neste sentido, permitir-nos-

íamos atende-los como de referência geográfica. Agora, no tal outro aspecto da questão,

até que ponto constituíam já apelidos/alcunhas de membros ou famílias, com uma/duas

gerações, do sul do país? Apenas o substantivo e fundamentado estudo prosopográfico

poderia avaliar as respectivas implicações e o mesmo não está feito.

Como segundo ponto, gostaríamos ainda de referir que mesmo tratando-se de

designativos de origem e não apelidos transmitidos de geração em geração617 —ou

tomando-se como tal—, continua a não se poder dar garantias do referido elemento

onomástico atestar objectivamente a "raiz" espacial. Por um lado, porque muitas vezes

estes apelativos tomam, como referência, os topónimos mais conhecidos da área de

proveniência do indivíduo e não propriamente o lugar de origem/naturalidade do

mesmo618. Depois, porque no caso do movimento migratório se ter realizado por fases,

de um qualquer local para outro(s) e só depois para o destino que podemos dar por

"final", é bem possível que a designação de origem tome como referência a penúltima (ou

outra) paragem619. Será o caso do nosso de Arzila? Provavelmente.

Por fim, uma terceira dificuldade. Muitos dos topónimos invocados por estes

apelativos, ou denominações, são difíceis de localizar com precisão, já que remetem para

617 Que, voltamos a insistir, já serão frequentes na 2ª metade do século XV.


618 Este aspecto, por outro lado, pode até ser vantajoso, já que não só se torna mais fácil identificar o
topónimo em causa como, no caso de haver vários, até nos poder ajudar à determinação daquele(s) que
podia(m) ser mais marcante(s) e conhecido(s) na época, constituindo pontos de referência mais
inequívoca. Será sempre arriscado fazer tal selecção, mas doutro modo arriscamo-nos a ficar
completamente manietados perante os dados.
619 Iria Gonçalves — Amostra de antroponímia alentejana…, p. 83.

114
mais do que uma possibilidade620. Tratando-se de nomes como Ponte, Álemo, Torres, e

Mota, que levantavam possibilidades quase infinitas, limitámo-nos a anotá-los, para

assinalarmos os registos mais antigos e coevos dos mesmos e para contemplarmos a

possibilidade de haver relação com topónimos de nomes compostos como Ponte de

Lima e Torres Vedras. Já se verificando a possibilidade de associação a duas ou três

referências geográficas, tentámos, na medida dos nossos conhecimentos e possibilidades,

definir aquela que melhor potenciaria uma referência "conhecida" para a época. Isto

implicou o privilegiar da que teria maior destaque, correndo os riscos inerentes. Na

situação de não conseguirmos perspectivar "uma" localização, então o registo

cartográfico assinalou algumas possibilidades. É claro que o critério implicou a

sinalização de áreas bem distintas. De qualquer modo, entre localizar "a dobrar", ou não

sinalizar, fica a vantagem da visualização das possibilidades. Aliás, para maior

clarificação, tal ocorreu com Aboim/Boim, Alverca (Pinhel e Vila Franca de Xira),

Linhares (de Carrazeda de Anciães e de Celorico da Beira), Monsanto (Alcanena e

Idanha-a-Nova), Alpoim (V. N. de Famalicão e Vila Viçosa) e Amorim (Ponte de Lima e

Porto).

Feitos estes considerandos, precisemos ainda dois últimos aspectos.

Este é um estudo de designativos com origem em topónimos e não do número de

indivíduos que detectamos com este ou aquele apelativo determinado. No actual estado

da nossa investigação e com os informes em presença, pareceu-nos que não teria sentido

considerarmos mais do que o primeiro indivíduo nomeado — ou então o que podíamos

identificar como "povoador"621. A razão prende-se com o facto dos demais, e como o

Quadro B apresentado em apêndice demonstrará, em algumas situações seriam ou

podiam ser seus descendentes, tendo ocorrido a cristalização do elemento nominativo,

tornado apelido de família. Sabemos que isto ocorre, por exemplo, em situações relativas

aos Aboim (Buim), em que Miguel dabujm é filho de Diogo Fernandes dabujm622, aos

620 Para ela também alerta Iria Gonçalves — Amostra de antroponímia alentejana…, p. 82.
621 E aí tivemos que remeter para outras fontes.
622 BPARPD. FEC: CPPAC, nº2, fls. 1-1vº.

115
Amorim, em que Jerónimo e António de Amorim são filhos de Melchior de Amorim623,

mas também aos Barcelos, Merens, Ornelas, Teive e outros624. Tidos por nobiliárquicos

e se de facto são usados na plena acepção, esperemos que as bases territoriais de origem

dos elementos assim nomeados, se tenham mantido.

Em tal contexto, por outro lado, este é também um estudo em que os

designativos são, na sua grande maioria, admitidos como tradutores da proveniência

geográfica daqueles que identificam ou, na pior/melhor625 das hipóteses, da atinente a

uma ou duas gerações anteriores. Aqui, também o que sabemos sobre a alteração do

sistema antroponímico português, entre finais do século XV e o século XVI,

fundamentará a opção.

5.3.2. Os dados

Para a Terceira, destaquemos o levantamento de cento e trinta e quatro apelativos

com remissão geográfica (Quadro B em apêndice626). Entre eles, como referimos atrás,

encontramos designativos étnicos e toponímicos, nomes estrangeiros, tal como alguns

apelativos associados a determinada região/ localidade em particular.

No último grupo destacaremos paariz, ou Páris, nome de estirpe francesa e usado

em Viana do Castelo (séculos XVI e XVII)627, nos anos de 1500 e 1502, com Francisco

623 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. IV, nº 108.


624 Como se comprova pelos dados na coluna "Observações", respeitante aos referidos apelidos,
constante do Quadro B dos apêndices.
625 "Pior" quando as gerações que continuaram o nome, ao contrário do seu "tomador", estavam bem
afastadas da respectiva raiz geográfica e eram elas as protagonistas do povoamento. "Melhor" quando o
antepassado que tomou o designativo — pai ou avô —, tradutor da respectiva origem, era efectivamente
um povoador omisso da Ilha.
626 O quadro e notas que nos servem de base, ocupando 36 pp., é apresentado em apêndice (Quadro B)
por razões óbvias. No seu seio estão compreendidos alguns sobrenomes com remissões desta natureza que
apenas detectámos na documentação coeva, nas ilhas do Faial, S. Jorge e Pico. São os casos de Águeda,
Andrade, Boémia, Caria, Castelo Branco, Gouveia e Tondela. Nenhum destes elementos antroponímicos
foram atendidos no nosso estudo. Contudo, mantivemo-los no referido apêndice, para facultação de dados
tão dispersos e difíceis de detectar.
627 Cfr. J. L. de Vasconcelos — Antroponímia portuguesa…, p. 293 e J. P. Machado — Dicionário
etimológico…, vol. III, p. 1134.

116
e João Páris628 e Estaço, sobrenome associado a Moura, Odemira e Ourique629, na

figura de Álvaro Pires Estaço (1525), a quem alguns atribuem ascendência hebraica630.

Quanto aos denominativos étnicos, encontrámos Algarvio, Almadanho e

Almadaninho(?), para o caso português, mas mais surgem quando as referências vão para

fora de fronteiras: Biscainho, Castelhano, Flamengo, Francês, Galego, Genovês, Inglês,

Escórcio, Mouro, Murano e Murciano. Estes últimos corroboram, sobremaneira, a

identidade dos contributos externos no povoamento da ilha, sendo ainda reforçados por

elementos onomásticos de proveniência, como de Ávila, de Badilho, de Bivar, de Bruges,

de Córdova, de Escobar e de Toledo —mesmo que alguns já remetam para descendentes

portugueses de originários dessas paragens— e ainda por nomes claramente de origem

estrangeira, como Angeli, Cacena, Espínola, Lomelin (genoveses), Dulmo (flamengo) e

Gibrelião (Gibelião, Giberliam?)631.

Quanto aos que referenciam uma origem portuguesa, propriamente ditos,

registámos atrás alguns étnicos, a possibilidade de determinados se poderem integrar em

designativos que apontam para espaços exteriores ao país e ainda tentámos a localização

possível dos topónimos para os quais remetem, no Mapa II.

Assim, as conclusões do levantamento cartográfico vão no sentido de que a

antroponímia de origem geográfica, detectada na ilha Terceira entre 1450 e 1550 e em

termos de espaço reinol, remete para uma maior incidência de designativos associados a

localidades de Entre Douro e Minho, da Beira Alta632 e da área da capital do país, aqui

com incidência na parte norte do Tejo. Ou seja, exactamente as áreas de maior densidade

populacional, segundo o numeramento de 1527-1532633.

628 Todos os casos, aqui referenciados, se remetem para o Quadro B dos apêndices.
629 Cfr. J. P. Machado — Dicionário etimológico…, vol. II, p. 592.
630 Manuel de Sousa — As origens dos apelidos…, p. 101.
631 De qualquer modo, nem sempre pelo nome se consegue identificar o "estrangeiro". Nesta situação
estão, entre os nossos testadores, Mestre Rato, natural de saona (1540) e Pero Garcia da Madalena
(1517), referidos no ponto 5.3.1. deste capítulo.
632 Aliás, não localizado por demasiado genérico, foi ainda detectado o designativo da bejra, que pelo
menos na forma do étnico — Beirão — é hoje concordante com a proveniência da Beira Alta ou da Beira
Baixa. Cfr. M. de Paiva Boléo — Os nomes étnico-geográficos…, p. 6. Outro morador em S. Vicente da
Beira fugira da cadeia da Praia, em 1501 e como atrás já o referíramos. Cfr. AA/TT. Chancelaria de D.
Manuel, lº 45, doc. 445, fls. 116vº-117.
633 Cfr. Júlia Galego e Suzanne Daveau — O numeramento de 1527-1532…, p. 28, fig. 4. Segundo o
mapa apresentado, a área a norte do Tejo, de Lisboa até sensivelmente uma linha que unirá Santarém à

117
Distingue-se também uma pequena concentração de antropónimos "à volta" de

Borba e Vila Viçosa, mas refiramos que tanto Boim como Alpoim, por precaução, foram

assinaladas em "duplicado", nas áreas da origem toponímica (no Entre Douro e Minho) e

depois naquelas que o apelido, bem cedo, acabou por originar (Vila Viçosa).

Ainda terá interesse notar o número significativo de remissões para topónimos

situados nas "proximidades" do curso de todo o rio Douro, onde naturalmente emerge o

sul de Trás-os-Montes, e nas respectivas do Mondego, aqui culminando em Coimbra.

Mesmo não definindo cartograficamente as ditas linhas de água, elas impõem-se

mentalmente, de tão evidentes. Naturalmente, traduziam-se os elementos de hidrografia

como factor de povoamento, associados à antiguidade do mesmo nas zonas mais

nortenhas do país.

Fora isso, todas as regiões aparecem contempladas em termos de antroponímicos

geográficos, incluindo áreas do interior e de fronteira. Este último aspecto desemboca na

ideia de que não são apenas as zonas litorais a afirmarem-se, ao tempo, como alforbes

humanos. E o mesmo enquadrar-se-á, primeiramente, nos próprios movimentos

migratórios internos reinois, acentuados nos séculos XIV e XV634.

Para mais, a proveniência da Madeira, que surge muitas vezes como uma etapa

do processo migratório, que sabemos ter sido uma realidade, fica aqui omissa por falta de

designativos, salvo a possibilidade relativa a Porto Santo que, de qualquer modo, não nos

convence em absoluto, já que existe um lugar com o dito nome à saída de Angra.

costa e o Entre Douro e Minho até ao rio Lima, são as regiões do país que apresentam a mais forte
densidade populacional, com cerca de 36-38 habitantes por Km2. A zona entre os Rios Lima e Minho,
também pertencente à comarca atrás referida e, grosso modo, toda a área da actual Beira Alta, apresentam
o segundo valor mais alto, com entre 16 e 22 habitantes por Km2. Sobre a mesma questão e para épocas
anteriores, vide ainda Maria Helena da Cruz Coelho e Armando Luís Carvalho Homem — Portugal em
definição de fronteiras: do Condado Portucalense à crise do século XIV. Lisboa: Editorial Presença,
1996, pp. 168-178 e 182-183; A. H. de Oliveira Marques — Portugal na crise dos séculos XIV e XV…,
pp. 15 e ss.
634 A. H. de Oliveira Marques — Portugal na crise…, p. 32.

118
6. Motivações e estímulos, em jeito de conclusão

Com origens tão diversas, como ficou atestado (novamente) no estudo atrás, o

que motivaria estas gentes a embarcar com destino ao desconhecido e ao incerto, pelo

menos nos tempos mais recuados e a fixar-se em terra virgem, domínio da natureza?

Abordemos pois, sumariamente, os aspectos que emergiram da abordagem de

todos os tópicos deste capítulo, com mais algumas achegas que importa atender.

Ao longo do nosso estudo, antevimos enquadramentos lógicos à chegada das

gentes, que podemos pressupor também como factor de motivação, estímulo e decisão.

Entre estes, as ligações parentais, pois muitos comprovadamente vêm com filhos,

irmãos, primos e parentes de vária ordem; as "arquitecturas" da construção familiar,

como o casamento (casar fora ou chegar para casar dentro da ilha) e a articulação grupal

mais vasta, onde se integram as relações interpessoais com criados, dependentes e

"braços-direitos", mas também senhores e "agasalhadores"; o desempenho de funções,

ora na sequência das doações e mercês, por exemplo as das próprias capitanias, como no

exercício das mais variadas competências do funcionalismo.

Por outro lado, também se chega à ilha integrado em fluxos migratórios forçados e

coercivos. Levantámos os dados e as hipóteses possíveis acerca da participação de


judeus, mouros e conversos, no contexto das dificuldades agravadas e sentidas por tais

gentes, a partir de finais do século XV; clarificámos um pouco melhor o que as fontes

nos ofereciam sobre a presença de escravos e as formas como se enquadravam no seio

das comunidades. O mesmo é dizer que a perseguição religiosa, a mentalidade e o sistema

esclavagistas também, numa parcela minoritária, motivaram a chegada de gentes.

Ainda neste contexto, de força e imposição, uma outra razão obrigou à

partida/chegada: o degredo. Pelo menos para os primeiros tempos, conhecemos

documentação que revela ou a vinda para as ilhas, ou a pena comutada para outros

lugares, de alguns mal-amados do reino635. Não foi a ilha Terceira povoada de ladrões,

635 Sobre o assunto remeta-se para Avelino de Freitas de Meneses — O povoamento…, ponto 6.1.2.2.4.
e Maria Helena da Cruz Coelho — O Portugal de quatrocentos…, pp. 107-110.

119
como afirmaria o atrás referido "religioso", mas alguns deles, tal como perpetradores de

homicídio, adultério, "sedução", possuidores de livros em hebraico e outros, a ela

aportariam, condenados por práticas e comportamentos social e judicialmente

recriminados. No lapso cronológico entre 1445 e 1501, detectamos sete situações, ora

relativas aos Açores em termos gerais636, ora às indefinidas "ilhas", mesmo que nalguns

casos se trate da carta de perdão e nunca se tenha verificado a vinda do condenado para o

arquipélago 637 . Mais do que isso, pouco podemos apontar, a não ser que "crime e

castigo" constituiriam, bem nos primórdios, um motivo de vinda para alguns casos

pontuais638. De igual modo, poderia ter ocorrido a situação de fuga à justiça. Como

referimos atrás, Gil de Borba, o conhecido povoador, dizia a tradição que à Terceira viera

por estar envolvido num assassinato e João Valadão por ter casado "a furto" e contra a

vontade dos pais da mulher639.

Outra situação, por vezes invocada, é o desprestígio e "desgraça" da família por

virtude de Albarrobeira . Esta é uma das explicações daqueles que procuram engrandecer

as ascendências e justificar o que provavelmente entendem ou entenderam, relativamente

a um dado ascendente, por "despromoção". Sem sermos muitos exaustivos nas pesquisa,

conhecem-se três situações em que a situação de antepassado partidário de D. Pedro é

invocada. Duas constam do texto do Pe. Maldonado: uma pela qual Vasco Afonso do

Canto, avô de Pero Anes do Canto, caira em desgraça e pobre vivera por ter pertencido

às hostes do Infante640; outra remete para o povoador João Borges, filho de Tristão

636 Se tomarmos em consideração os documentos relativos às ilhas de Gonçalo Velho, então o número é
superior. Cfr. Maria Helena da Cruz Coelho — O Portugal de quatrocentos…, p. 105.
637 AN/TT. Chancelaria de D. Afonso V, lº 10, doc. 2, fl. 44vº; lº 13, doc. 1, fl. 75vº; lº 15, doc. 4, fl.
46 (publ. AA, vol. III, 319-320); lº 9, doc. 5, fls. 45vº-46; Chancelaria de D. Manuel, lº 45, doc. 470, fl.
123vº.
638 Sobre o assunto ver, entre outros, Maria Helena da Cruz Coelho — O Portugal de quatrocentos…,
pp. 105-110; Avelino de Freitas de Meneses — O Povoamento…, ponto 6.1.2.2.4. Aliás, remetendo-nos
para uma situação da Graciosa, em 1487 determina-se obrigação de Nuno Martins registar-se no livro dos
homiziados. Como o afirmam José Damião Rodrigues e Rui Cunha Martins, que o caso citam, isto
comprova a existência de estruturas mínimas preparadas para o controlo e vigilângia destas situações. Cfr.
autores citados, A Construção de um espaço: os Açores e o olhar do poder central. In O Faial e a
periferia açoriana nos séculos XIV-XIX. Hosta: Núcleo Cultural da Horta, 1995, p. 77.
639 Cfr. pp. 41-42.
640 Cfr. Pe . Luís M. Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, p. 180, e os comentários e fontes que
tecemos a propósito, em Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, pp. 22-23, e 35-36.

120
Borges, vedor da casa do referido Infante e regente do Reino641; e uma última consta de

um atestado de nobreza da referida família Canto, em que se motiva a vinda à ilha do

também já referido Álvaro Vaz Merens642, por ser afeiçoado de D. Pedro643.

Fora todas as razões e motivações que por último apresentamos, sem dúvida que

as ligações interpessoais, o favorecimento, a necessidade e a oportunidade constituiram o

mote fundamental para a partida/chegada. No quadro das grandes dificuldades, tanto

maiores quanto mais se recua no tempo, também existiam estímulos de monta à vinda

destes homens: as liberdades inerentes às terras distantes e despovoadas, que

exactamente se projectava humanizar, franquias como a isenção da dízima sobre a

mercadorias produzidas nas ilhas, a isenção da sisa mas, em primeiro plano, as

oportunidades de obtenção de terra própria, virgem, neste caso apenas sujeita ao dízimo

a Deus.

641 Cfr. Pe. Manuel Luís Maldonado — Fenix angrence…, vol. II, p. 567.
642 Como dissemos atrás, povoador da Terceira e avô materno de Joana de Abarca, primeira mulher de
Pero Anes do Canto.
643 […] Aluaro Vas Merais, ou Meireles que asim se chamou os annos que viueo nesta Jlha posto que
em Portugal tinha outro sobrenome foi hum particular creado do Infante Dom Pedro, e tam emteresado
nas suas couzas que sucedendo a batalha d'alfarrobeira a vinte dias dos mes de Mayo do anno de mil
quatrocentos quarenta e noue em que o dito infante foi morto e quasi todos os seus, e o conde
d'aBrantes não sesando a furia d'el Rei na persegiçam dos que ficaram este Alvaro vas foi hum dos
Afeiçoados, e asim se pasou as terras do Algarue onde o fauoreceo o Infante Dom Henriqui e outros
creados do Infante Dom Pedro seu Irmam estes Alvaro vas havia sido cazado com Isabel Velho […] [e]
Gonsallo Velho […] hera cunhado do dito Alvaro Vas que neste tempo andava amorado se embarcou
com elle […] em Sagres […]. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. X, nº 275, 5º doc. fls. 4vº-5.

121
CAPÍTULO II

A PROPRIEDADE DA TERRA: FORMAS E PROTAGONISMOS


Entre as múltiplas razões invocadas para a vinda dos povoadores, uma parece

ficar subentendida nas palavras de Pero Anes do Canto, em 1537: ho Infante Dom

Anryque […] descobrio esta ilha […] a povorou de gados e depois a deu lyvremente aos

moradores que em Purtugall nom leyxarom morgados1.

O mesmo será dizer que, independentemente daqueles que acabaram por aqui

receber a terra já a possuirem ou não no Reino, independentemente dos que na ilha foram

ou não visados pela concessão do solo, implícita às palavras do primeiro provedor das

armadas ficava a ideia de que os que para cá vieram eram os excluídos do património

familiar ou gente que não tinha propriedade fundiária para herdar. Significa isto, em

termos globais, que seria gente sem "raiz" ou em busca da necessária, naturalmente

atraída pela miragem de um espaço vazio de gente, onde terra fértil era concedida

livremente2.

1. Mecanismos de obtenção

Se a primeira carta de doação da capitania da Terceira, a Jácome de Bruges, omite

tal desiderato, ao remeter para as de Zarco, Tristão e Perestelo3 comete para os sistemas

do conceder das terras e para a aplicação de um modelo equivalente ao aplicado na

Madeira e no Porto Santo. Já as doações relativas à Praia e a Angra, de 1474, são

explícitas no propósito e no procedimento, implementando o chamado regime das

sesmarias.

1 AA, vol. I, p. 122.


2 Sobre a terra como factor de atracção do povoamento, vide Avelino de Freitas de Meneses — O
Povoamento…, pontos 2.1., 6.2.2., 6.2.3.1. e 7.
3 Da Madeira e Porto Santo. Cfr. Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, pp. 62-64; AA, vol. IV, pp. 207-
208.

123
Aquele foi, pois, o mecanismo inicial de apropriação das terras na Terceira e

demais ilhas dos Açores, que prolongou as acções reinóis de instigação ao

aproveitamento da terra — nomeadamente pela possibilidade de redistribuição do imóvel

não rentabilizado —, implementadas logo no Portugal do século XIV pela chamada Lei

das Sesmarias 4 . Esgotada tal observância, na ilha, pelos primeiros decénios de


quinhentos e como veremos, outras formas se afirmaram no processo de obtenção da

posse. Entretanto, fixemo-nos no mecanismo primordial.

1.1. As sesmarias

1.1.1. Regimentação e práticas

O regime das sesmarias, aplicado aos Açores, conhece os seus primeiros

enunciados, como afirmámos atrás, nas cartas de doação das capitanias.

Para os casos das concessões primitivas, a Jácome de Bruges5 , Álvaro Vaz

Merens6, Diogo de Teive7, Afonso Gonçalves de Antona8 e João Coelho9, entre outros

identificados como homens de primeira vaga, não restam registos coevos, nem tão-pouco

cópias de épocas subsequentes. No entanto, podemos considerá-las terem sido feitas

4 Fonte publicada por Humberto Baquero Moreno — A vagabundagem nos fins da Idade Média
Potuguesa. Lisboa: Academia Portuguesa de História, 1977, pp. 261-269. Sep. de Anais da Academia
Portuguesa de História, vol. 24. Também constante da Ordenações Afonsinas. Lisboa: Edição da
Fundação Calouste Gulbenkian, [s.d.] (imp. 1985), tít. LXXXI, pp. 281-295, com a compilação das
respostas a capítulos de Cortes, por D. João I, D. Duarte e D. Afonso V, respectivamente, pp. 295-297,
297-303 e 303-304; e das Ordenações Manuelinas. Lisboa: Edição da Fundação Calouste Gulbenkian,
[s.d.] [imp. 1984], tít. LXVII, pp. 164-174. No estudo das sesmarias medievais é incontornável o
trabalho de Virgínia Rau — Sesmarias Medievais Portuguesas. Lisboa: [s.n.], 1946.
5 Que para si teria reservado a Serra de Santiago, na Praia, mas que também terá tomado outras mais
áreas, até pela confirmação que temos de propriedades de Sancha Dias de Arce, sua mulher, em
documento de 6 de Setembro de 1482, transcrito em Frei Diogo das Chagas — Espelho cristalino…,
pp. 650-651.
6 Em Angra, no Porto das Pipas. Pe. L. M. Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, p. 113.
7 Na Praia, Serra de Santiago. Pe. L. M. Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, p. 113.
8 Pelo menos a tal área que doou a S. Francisco de Angra, antes de se deslocar para a capitania da Praia
já em tempo de Álvaro Martins Homem, capitão encartado e deste ter recebido sesmaria entre as Ribeiras
dos Pães e da Areia. Cfr. F. F. Drummond —Anais…, vol. I, p. 67.
9 No Porto Judeu, ao pico que depois se chamou de D. Joana. Cfr. Pe. L. M. Maldonado — Fenix…,
vol. I, p. 84.

124
pelo capitão da época, o dito Jácome de Bruges, ou por seu/s lugar-tenente/s e

representante/s.

Mas, igualmente, é-nos permitido atender à significativa expressão das crónicas,

que mais do que referir doações registam "tomadas" de terra. Ou seja, quando toca ao

período anterior a 1474/1475 e até avançando um pouco mais no tempo, é comum

depararmo-nos com a designação de que este ou aquele tomou sua dada em determinado

lugar.

Destacamos tal aspecto, porque entendemos que a prática de "tomada" de terras,

com a respectiva demarcação e consequente legalizar posterior da posse, junto dos

detentores do poder, é prática que podemos considerar em termos de hipótese para os

períodos mais primevos e para um tempo em que a fartura de terra erma se perspectiva.

Isto faz-nos admitir, pelo menos em termos teóricos, a possibilidade de um "pré-

período" de concessão formal das terras no qual os procedimentos, se bem que

naturalmente cumprindo determinadas regras, seriam mais fluidos e menos dependentes

do registo escrito. Afirmamos isto e em primeiro lugar, um pouco por razão de não

terem restado quaisquer vestígios materiais, directos ou indirectos, de cartas de sesmaria

ou regimentos escritos e anteriores a D. Beatriz. De qualquer modo, podemos apresentar

e focalizarmo-nos em situações mais concretas.

Um dos aspectos que não escapa à análise dos documentos sobre a concessão das

terras, posteriores à omissa época inicial, é a determinação de se dar terra a quem a

requeresse10. Detectamo-la tanto em alguns regimentos como nas próprias cartas de


sesmaria. Nesta situação está a concedida a Rui Gonçalves da Câmara (S. Miguel), em

1483, que nasce do pedido de terras previamente tomadas pelo próprio. De qualquer

modo, aqui pode-se invocar o facto de ser este o procedimento sancionado para as dadas

aos capitães11. Por isso, vestígio mais consistente constitui a sesmaria a Pero Álvares,

em 1486 e na actual área dos Biscoitos, bastante elucidativa. O próprio solicitara e o

10 Inserta num designado "regimento régio", s.d. BPARPD. FEC: CPPAC, nº 6, fl. 5vº, publ. no AA,
vol. XII, p. 386
11 AA, vol. XII, pp. 391-392. D. Beatriz, por capítulo do seu regimento, mandava os mesmos capitães
primeiro assinar aquella terra que lhes parecer que poderão aproveitar e depois requerê-la ao almoxarife
ou contador (AA, vol. XII, p. 385). Retomaremos, adiante, a questão das dadas aos capitães.

125
capitão concedera-a, porque ele fora o primeiro morador das ditas terras, que então eram

matos ermos, tendo aí feito caminhos e serventias de que agora outros se serviam12. Há
aqui provas irrefutáveis de uma "tomada", com arroteamento e ocupação pois que o

beneficiário lá morava, que antecedeu a escritura de sesmaria propriamente dita.

Mas ainda para épocas anteriores à acima ilustrada, também nos parece existirem

indícios objectivos. Tomemos o caso da célebre e problemática "carta" de João

Leonardes, um dos primeiros povoadores da Terceira, da qual existem referências

documentais. Estas surgem numa confirmação de sentença de 28 de Janeiro de 1514,

conhecida pela transcrição de Frei Diogo das Chagas (século XVII), incompleta e

interpolada por sínteses e comentários13 . Aqui, fazem-se três alusões a uma dada

protagonizada por Diogo de Teive e, outra, por João de Teive, sendo esta última datada

de 18 de Agosto de 147514. A tendência de interpretação foi, primeiro, considerar-se

lapso a leitura do nome "João" e atribuir-se o protagonismo da concessão apenas a

Diogo de Teive15. Posteriormente, em virtude de se saber falecido, nesta data, o dito

Diogo de Teive16, tomaram-se por impossíveis as referências ao último e atribuiu-se a

acção a João de Teive17.

Quanto a nós, nada obsta que Chagas tenha, de facto, lido correctamente os

nomes e sido rigoroso no registo18. A transcrição está, como é verificável, incompleta e

interpolada por sínteses do próprio Chagas; o original seria, como podemos constatar,

12 TPAC, doc. 9, p. 64. Cfr., também, Rute Dias Gregório — A dinâmica da propriedade nos
primórdios da ocupação dos Açores — Estudo de caso, a terra do Porto da Cruz (ilha Terceira). Ponta
Delgada: Universidade dos Açores, 1997. Sep. de Arquipélago.história. 2ª série, vol. II (1997) 33-60.
13 A partir daí passou, com alterações, a F. F. Drummond — Anais…, vol. I, pp. 496-500 e,
posteriormente, foi publicada no AA, vol. IV, pp. 511-515.
14 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, pp. 733-735.
15 F. F. Drummond, que tomou o texto de Chagas, "uniformiza" todas as referências com o nome
"Diogo". Cfr., Anais da ilha Terceira…, vol. I, 499.
16 Documento de 28 de Janeiro de 1475, que o dá por morto. Cfr. AA, vol. I, p. 24 e AA, IV, p. 513 nt.
173.
17 O que de qualquer modo também coloca problemas, porquanto, na altura, a área da concessão (S.
Sebastião) estava sob a jurisdição de João Vaz Corte Real (1474). Assim, João de Teive só o poderia
fazer mandatado pelo dito capitão, o que é difícil conjecturar porque ele é um "homem da Praia" ou na
qualidade de agente do donatário e, por tal motivo, com alçada sobre toda a ilha. Esta última é tese
defendida por José Guilherme Reis Leite — Nas brumas do povoamento terceirense: os Teive…, pp.
327-328.
18 E os nossos considerandos, saliente-se, partem deste mesmo pressuposto, que é o do cronista ter sido
fiel na transcrição.

126
documento relativo a um demasiado longo processo que recua a 1480/148219 ,
naturalmente composto por muitos fólios e cadernos. A sentença final de 1514 faz, por

isso, um apanhado sumário de todo o processo, referindo os aspectos mais significativos

do que se foi invocando, omitindo muitos dos esclarecimentos e contextualizações que

hoje gostaríamos de conhecer. É perfeitamente natural que se invocasse uma dada mais

antiga, a de Diogo de Teive, porque este teve tais incumbências enquanto lugar-tenente

de Jácome de Bruges, mas no momento da apresentação de prova surgisse a carta de

João de Teive, de 1475, a que existia "de facto"20. No quadro da hipótese de uma prática

anterior à regimentação de D. Beatriz, baseada em sistema menos formal, porventura

sem recurso obrigatório ao documento escrito e mais no âmbito da dita "tomada" de

terras, o caso da sesmaria de João Leonardes e dos registos que possuímos sobre ela,

pode ver justificada a dupla nomeação do concessor e, no motivo que nos move, ser a

confirmação do processo eventualmente praticado nas primícias21.

Mas se as cartas de doação das capitanias, explicitamente as de 1474, referenciam

a forma basilar do dar das terras, para além delas, ao longo do tempo e à medida das

necessidades, foram surgindo outras cartas, alvarás, provimentos e regimentos que

construiram o edifício normativo do processo.

As primeiras haviam definido a concessão como incumbência do respectivo

capitão salvaguardando-se, contudo, o direito do donatário, também ele, poder dá-las a

19 A primeira data é a da carta de sesmaria a Gaspar Corte Real, filho do capitão visado, que assentava
sobre terra pertencente ao dito João Leonardes. A segunda é a da confirmação da carta de João Leonardes,
por Afonso do Amaral e Luís Casado (Frei Diogo das Chagas — Espelho…, pp. 654 e 656), mas
também a da suspeição colocada ao dito Afonso do Amaral, ouvidor, por João Vaz Corte Real. Cfr. AA,
vol. XII, p. 431.
20 Temos casos posteriores que confirmam a possibilidade. Entre outras, como ainda veremos neste
trabalho, as referenciadas para Pero Álvares, que recebe a mesma terra por cartas de 1486 e de 1488
(TPAC, docs. 9 e 6, pp. 63-64 e 58-59) e para Rodrigo Chamorro, nos anos referidos (BPARPD. FEC:
MCMCC, nº 1, fls. 20-21). As renovações do tempo de exploração também ficam atestadas: a João
Álvares Neto (TPAC, doc. 8, pp. 61-63), a Lopo Gil (BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 69, doc.
3), a João de Ornelas e Felix Fernandes (BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 4vº-5) e a Pero Anes do
Canto (Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, pp. 48-49 e passim).
21 É natural que, neste contexto, em termos de conceito e práticas emerja a ideia de "presúria" do período
de Reconquista, realidade com vestígios ainda no século XIII em algumas zonas do Alentejo, próprias de
épocas violentas, consistente com territórios sem delimitações territoriais, nem organizção política forte, e
associáveis a áreas "de fronteira" (cfr. Virgínia Rau — Sesmarias medievais portuguesas…, pp. 24-26).
De qualquer modo, frisemos estar muito longe de querer afirmar um tal modelo na época que nos ocupa,
tanto mais que não se pode falar em "desorganização" política nem, tão-pouco, estamos perante uma área
de ocupação e conquista militar.

127
quem o entendesse. Para além disso, estabeleceram o prazo de cinco anos para a

rentabilização económica da terra concedida, a que acrescia outro tanto tempo no qual

esta devia manter-se produtiva. Aliás, na expressão dos beneficiados, terra dada e

aproveitada que estivesse cinco anos sem dar novidade reentraria novamente no ciclo das

terras disponíveis22. O incumprimento de tais preceitos, em etapas e situações distintas,


conduzia à expropriação e à concessão a outrem da mesma terra23. Não prescrevendo

mais qualquer outra obrigação ao concessionário, que não o estabelecido dízimo à Ordem

de Cristo24, estas terras prefiguram-se com o estatuto de alódios, ou terras livres25, com

certas limitações nos primeiros dez anos, mas com o direito de compra e venda livre

salvaguardado, desde que estivessem aproveitadas26.

Depois das cartas das capitanias, os primeiros ecos escritos dos preceitos a

seguir nesta tarefa emergem do designado "regimento antigo", ou regimento de D.

Beatriz. Dele apenas conhecemos alguns capítulos dispersos, publicados no Arquivo dos

Açores e provenientes do cartório de Pero Anes do Canto27. Sem referência cronológica,

mas datáveis grosso modo entre 1470 e 148228 e mais provavelmente posteriores a

147429, determinam que o capitão dê as terras com o almoxarife, estando presente o

22 [M]andado he em esta jlha do dito senhor [Rei] que se huma terra he dada e aproueytada com
noujdades ha leyxarem estar cinquo anos sem nella semearem e dar noujdade que o dito senhor a pode
tomar e dar nouamente a quem a semee. BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 8.
23 O princípio "de obrigação de cultivo e aproveitamento como condição de posse" está documentado
para épocas bem anteriores ao das sesmarias portuguesas. Cfr. Virgínia Rau — Sesmarias medievais…,
pp. 24, 26, 53-54 e passim.
24 AA, vol. IV, pp. 213-215 e 158-160.
25 Sobre o conceito, etimologia, origem e evolução em Portugal, na Idade Média, cfr. A. H. de Oliveira
Marques — Alódio. In Joel Serrão (dir.) — Dicionário de História de Portugal. Porto: Livraria
Figueirinhas, [s.d.] [imp. 1985], vol. I, pp. 122-123.
26 Cfr. cartas de doações aos capitães, no AA, vol. IV, pp. 214 e 160.
27 Cfr. Regimen primitivo da propriedade nos Açores, in AA, vol. XII, pp. 385, 390, 392, 398 e 408.
De entre eles, o documento editado à p. 385 foi por nós encontrado na BPARPD. FEC: CPPAC, nº 6,
fls. 2-2vº.
28 Período no qual D. Beatriz, como tutora dos filhos, regeu as ilhas. Cfr. João Marinho dos Santos —
Os Açores nos séculos XV e XVI. [S.l.]: Secretaria Regional da Educação e Cultura: Direcção Regional
dos Assuntos Culturais, [s.d.] [DL 1989], vol. I, p. 498; Miguel Jasmins Rodrigues — Organização
dos poderes e estrutura social. A Madeira: 1460-1521. Cascais: Patrimonia, 1996, p. 48; José Manuel
Azevedo e Silva — A Madeira e a construção do mundo atlântico (séculos XV-XVII). Funchal:
Secretaria Regional de Turismo e Cultura / Centro de Estudos de História do Atlântico, 1995, vol. II, p.
789.
29 Data que, pela divisão da ilha em duas capitanias, todo o processo do povamento parece arrancar, com
vimos no capítulo anterior.

128
escrivão do almoxarifado30 e explicitam o procedimento das dadas em favor do dito
capitão. No último caso, aquele teria de as requerer ao almoxarife ou ao contador a quem

cabia notificar o donatário31 sobre o requerimento da terra, com as confrontações, as

aptências de cultivo e o que levaria em semeadura. Ao dito donatário cabia, então, dar

ou não o aval32 . Tais determinações, quanto aos dados a fornecer sobre a terra,

comprovam que os preceitos da redacção e forma das cartas estavam definidos de modo

a objectivar a localização, a dimensão e as potencialidades do aproveitamento

económico.

De qualquer modo, dos mesmos capítulos, ou itens do referido regimento,

ressaltam ainda dois princípios-chave: os capitães apenas podiam tomar aquela terra que

fossem capazes de aproveitar e os moradores, em termos gerais, recebiam as suas como

as cada um merecer33. E se isto traduz uma tentativa de racionalização económica do

processo e de racionamento distributivo das terras, por um lado, também permite

confrontar-nos com diferenças e gradações com base no "merecimento" e, naturalmente,

no estatuto sócio-económico do beneficiado.

Apesar do intuito claro da Infanta, em melhor definir e cristalizar os preceitos da

concessão das terras, em Maio de 1487 o Duque D. Manuel via-se obrigado a intervir.

Sob a justificação das ilhas não estarem melhor povoadas em resultado das terras serem

desadequadamente distribuídas, informa o envio dos seus oficiais para sancionarem o

processo — porventura […] muj çedo —, com funções de as repartirem pelos que as

não possuíam e de expropriação daquelas cujos detentores eram beneficiados maj do que

30 AA, vol. XII, p. 390.


31 Nas terras quatrocentistas da Coroa portuguesa é ao almoxarife, ou contador, que cabe as ditas funções.
Já nas terras de senhorio, desde D. João I, o donatário encontrava-se mandatado para a incumbência e/ou
nomeação do sesmeiro (cfr. Virgínia Rau — Sesmarias medievais…, pp. 41, 47, 49, 50, 69 e passim).
Isto explica a raridade do termo "sesmeiro" nos Açores, pois que verdadeiramente nem se usou, tanto
mais que a concessão das terras cabia a "funcionários" com competências bem mais amplas do que as
assumidas pelos ditos "sesmeiros". Vide, também, nt. 242.
32 AA, vol. XII, p. 385. Uma situação bem conhecida, neste conspecto, é a protagonizada por Rui
Gonçalves da Câmara, capitão de S. Miguel, que em 27 de Julho de 1483 obteve carta, dirigida ao
recebedor, para lhe dar certas terras que solicitara. Sugestivo torna-se também registar a forma como o
dito a recebeu: a tomou em suas mãos e a poz sobre a sua cabeça e com os joelhos em terra dizendo que
lhe obedecia segundo em ello é contheudo. Cfr. AA, vol. XII, p. 391.
33 AA, vol. XII, pp. 392 e 385.

129
he Rezom34. Tal comprovaria como, apesar dos critérios de diferença na distribuição do
solo serem legítimos, estes pareciam ter sido levados longe demais ou, então, ser a força

dos não (ou menos) beneficiados suficiente para tentar inverter a sua situação. Ao

mesmo tempo, perspectivavam-se novos fluxos de recém-chegados que não

conseguiriam concretizar as expectativas ao nível da apropriação da terra35.

No caso da Terceira, assiste-se neste período ao eclodir de célebres dissenções à

volta de terras atribuídas em sesmaria, mas também conectadas com a própria faculdade

de as conceder. De 1480 data a sesmaria feita por João Vaz Corte Real ao filho, Gaspar

Corte Real, que se sobrepôs à referida dada de João Leonardes36. Mas, ainda mais

coincidente, em 1486 assistíamos à indefinição da linha divisória das capitanias de Angra

e da Praia, no termo na área das Quatro Ribeiras, que levara o Duque a suspender as

dadas pelos capitães na zona37. Por fim, no referido ano de 1487, Fernão Dulmo e

Antão Martins Homem confrontavam-se quanto aos direitos de concessão das terras, de

Agualva para diante38.

Como tal, a conjuntura explicava as intervenções e controlo do Duque D.

Manuel, principalmente para definir a forma como as terras atingidas pelas indefinições

de jurisdição seriam repartidas. É neste contexto que os chamados capítulos do

"regimento das sesmarias", em 30 de Junho de 1487 enviado ao almoxarife da Praia39,

assumem particular relevância.

Por um deles, determinava-se que as terras das Quatro Ribeiras fossem

concedidas conjuntamente pelos almoxarifes, com os respectivos escrivães, de ambas as

34 TPAC, pp. 169-170, também publicado no AA, vol. XII, pp. 386-387.
35 Refira-se que o Duque invoca as informações menos positivas do processo, fornecidas ao próprio Rei,
o qual lhe "encomendara" o atalhar do problema. Cfr. TPAC, pp. 169-170.
36 Como consta da sentença do processo, parcialmente transcrita por Frei Diogo das Chagas —
Espelho…, p. 654. Sobre esta demanda referimo-nos sintética e indirectamente no capítulo I, ao traçarmos
os vestígios deste primeiro povoador da ilha, e retomámo-la no início deste ponto.
37 De acordo com carta de 21 de Junho, que desconhecemos, referida por Pero Anes do Canto. Cfr.
TPAC, doc. 68, p. 167.
38 Segundo a carta do ouvidor Vasco Afonso, de 18 de Junho de 1487, perante quem a demanda "ora"
fora movida. Cfr. AA, vol. XII, pp. 388-389.
39 Como consta do AA, seria Diogo Matela (vol. XII, pp. 387-388). De onde terá sido transcrito e da
documentação de Pero Anes do Canto a que tivemos acesso, não se encontra nomeado o oficial (TPAC,
doc. 69, p. 169). Por fonte coeva conseguimos confirmar o dito nome, na respectiva função, apenas em 9
de Junho de 1488. Cfr. TPAC, doc. 6, p. 58.

130
capitanias40, o que de facto aconteceu entre 1488 e Agosto de 1495, quando finalmente
o corregedor Afonso de Matos terminou a divisão das mesmas. Durante este período e

da dita maneira, receberam cartas: Martim Galindo (8 de Maio de 1488), Pero Álvares (9

de Julho de 1488) e João Valadão (30 de Janeiro de 1495)41. Já quanto às de Pedro de

Barcelos, porque concedidas na mesma zona em 19 de Outubro de 1490 e 14 de Abril de

149542, mas pelo capitão da Praia e não na forma mandada, argumentos válidos estavam

por detrás da sugestiva expressão de que nom vallem hum fygo43.

Por outro lado, nos mesmos capítulos, reiterava-se novamente o preceito das

dadas fazerem-se por capitão e almoxarife, na presença do escrivão. Esta insistência, no

preceito definido pelo regimento de D. Beatriz, comprova como o mesmo não se

cumpria, tanto mais que intransigentemente se assumia o momento presente como "o

ponto de viragem", afirmando-se a invalidade das cartas que a partir de então não

cumprissem tal preceito. Para mais, obrigava que as escrituras anteriores fossem refeitas,

com registo da antiguidade, para maior garantia dos concessionários44.

Esta nova regimentação, que nalguns aspectos não constitui novidade, é

exactamente a que, a respeito, consta do Foral dos Almoxarifados da ilha Terceira,

encontrado e transcrito pelo Pe. Maldonado45. Se cruzarmos os capítulos do Arquivo

dos Açores e os artigos 9, 15 e 32 do documento presente na Fenix Angrence46 ,

apercebemo-nos de que se tratam rigorosamente dos mesmos, salvo pequenas diferenças

de transcrição. Esta conclusão não é de somenos, porquanto o dito foral apresenta a

inexplicável data de 2 de Julho de 1437 e nunca foi convenientemente datado. Deste

modo, fazendo corresponder tais capítulos ao documento em causa, prefigura-se o ano

de 1487 como o da respectiva emanação. Ainda a atestar esta identidade, podemos

40 TPAC, doc. 69, p. 169 e AA, vol. XII, p. 388.


41 Informações dadas por Pero Anes do Canto na primeira pessoa (TPAC, doc. 68, pp. 167-168). A carta
a Pero Álvares, de 9 de Junho de 1488, está no TPAC, doc. 6, pp. 58-59. A confirmação da carta a João
Valadão, de cerca de 1506, inserta em autos de demanda, encontrámos na BPARPD. FEC: CPPAC, nº
1, fls. 14vº-15, estando publicada no AA, vol. XII, p. 371 e em M. Velho Arruda — Colecção de
documentos…, pp. 202-203.
42 TPAC, doc. 68, p. 167.
43 Segundo Pero Anes do Canto. Cfr. TPAC, doc. 72, p. 172.
44 AA, vol. XII, pp. 387-388.
45 Também consta em F. F. Drummond — Anais…, vol. I, pp. 481-490.
46 Vol. I, pp. 146, 145 e 149, respectivamente.

131
contar com o nome do escrivão, Jordão Ribeiro e o local em que foi feito, Santarém47. Se
também cruzamos a cronologia dos problemas das Quatro Ribeiras, nele contemplados,

com o facto do foral registar essa mesma situação e constituir-se panaceia para as

dificuldades das dadas na área, não nos oferecerá dúvida a respectiva datação48.

Sem esmiuçarmos o referido foral, cujos preceitos naturalmente ultrapassam em

muito as questões da concessão das terras, salientemos que remete para o da Madeira,

salvaguardando-se os eventuais privilégios concedidos à ilha de Jesus Cristo por D.

Fernando e por D. Beatriz49 . De novo ficava comprovado a aplicação do modelo

madeirense, impregnado pelas particularidades e especificidades da ilha Terceira e as

acções determinantes dos citados Infantes na implementação do respectivo povoamento.

De qualquer modo, com a incorporação da donataria na Coroa, novos documetos

são emitidos ao nível da distribuição da terra. Em termos globais, as regras não serão

novas. Insiste-se na concessão conjunta de capitão e almoxarife com o escrivão do

almoxarifado, nos termos e definições das terras e reforça-se a necessidade do

esclarecimento cabal aos concessionários quanto às condições implícitas, nomeadamente

no tocante ao prazo de exploração50.

Mas os aspectos que mais relevam, daquele que é dado por Regjmento […] de

sua Alteza, não datado e do qual conhecemos apenas parte, prendem-se com duas

redefinições.

A primeira é aquela que regista que a concessão cabe principalmente ao capitão51.

O reforço desta incumbência parece mostrar duas preocupações: a de não negar os

direitos garantidos pelas cartas de doação das capitanias mas, em simultâneo, a de vincar

47 Como consta do foral (Pe. Maldonado — Fenix…, vol. I, p. 148) e de um dos capítulos (TPAC, doc.
69, p. 169 e AA, vol. XII, p. 388).
48 Refira-se, ainda, que a data de iiijc Lxxx bij, por omissão, lacuna ou gralha podia, num qualquer
momento, ter-se transformado em iiijc xxx bij, tanto mais que o Pe. Maldonado já o transcrevera de uma
cópia de 1611, da qual constava que o original era ja tão demunuto [sic], e quazi consumido do tempo
[…] e crejo que sem principio nem fim pello que delle se colhe (Fenix…, vol. I, p. 149). Acresce dizer
que o foral dirigido ao almoxarife da Praia dataria de 30 de Junho de 1487, data dos capítulos publicados
no AA, vol. XII, pp. 387-388 e o enviado ao de Angra apresentaria a dita referência de 2 de Julho. Neste
último conspecto, cfr. Pe. Maldonado — Fenix…, vol. I, pp. 148 e 129, item 32.
49 Cfr. Pe. Maldonado — Fenix…, vol. I, p. 143.
50 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 6, fls. 5vº-6 e AA, vol. XII, p. 386.
51 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 6, fl. 5vº e AA, vol. XII, p. 386.

132
que não apenas a ele cabe tal incumbência. E esta insistência não seria inócua, porquanto

em 1500 e por carta ao contador dos Açores, Martim Vaz, ainda é perceptível o

alheamento dos capitães a este e a outros preceitos das dadas, nomeadamente do capitão

de S. Miguel52. Havia, pois, uma clara tentativa de limitação ao poder, que podia ser
discricionário, dos capitães, ao mesmo tempo que se reforçavam as competências de

outros na matéria. O objectivo era, como se comentava a propósito em 1517, a

incumbência estar em muytas pessoas por se nam fazer maliçias e falsydades e

Roubarem os omens53.

Quanto à segunda, tenta obstar a outro problema que na prática se teria

naturalmente colocado. Estando capitão e almoxarife em desacordo quanto à concessão,

o primeiro fá-la-ia com o contador ou, estando este ausente, com os juízes ordinários,

justificando-se na carta a razão do procedimento54.

Esta reedificação do sistema, com base nas estruturas anteriores, reforçando-as,

integra-se na tendência que se vinha verificando no tempo ducal, à medida do próprio

desenvolvimento dos processos de ocupação e enquadrar-se-á na política reorganizativa

geral deste Rei. Por outro lado, mantém-se a tendência de fincar as competências,

primeiro dos donatários e depois da própria figura régia, na distribuição das terras

através dos seus oficiais. Primeiramente na pessoa do almoxarife, mas também na dos

ouvidor, contador e corregedor. Aliás, desde 1496, segundo se apura, que a reedição de

uma dada, em virtude do incumprimento dos cinco anos, cabia ao Rei e seus

mandatários, apesar de em 1500 o capitão de S. Miguel ainda ser acusado de o fazer sem

legitimidade55.

Avançando um pouco no tempo, de 23 de Agosto de 1518 data o primeiro alvará

que conhecemos sobre a forma da concessão de terrenos urbanos/urbanizáveis, outro

aspecto da questão, pouco ou nada estudado.

52 TPAC, doc. 78, pp. 177-178 e AA, vol. XII, pp. 392-393.
53 Palavras de Pero Anes do Canto, escritas pelo próprio, a seu irmão, no âmbito do processo com o
capitão de Angra, Vedor e conselheiro régio, Vasco Anes Corte Real. BPARPD. FEC: CPPAC, nº 6, fl.
5vº.
54 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 6, fls. 5vº-6 e AA, vol. XII, p. 386.
55 TPAC, doc. 71, p. 171 e AA, vol. XII, pp. 389 e 392-393.

133
Apesar daquele tomar por referência uma antiga anexação de terras aos concelhos,

logo após o povoamento56, os testemunhos de qualquer dos procedimentos são muito


escassos 57 . Não obstante, tal fica comprovado na fundação da vila da Praia, por

iniciativa de D. Beatriz e por carta dirigida ao 2º capitão, Antão Martins Homem, na

qual a tomada das terras para o povoado é feita por acordo entre o dito capitão e os

representantes do concelho, já assente em 6 de Setembro de 148258. Para mais, a quota

parte das câmaras em tais espaços fica também demonstrada na doação de chão para

casas, na Rua do Adro e junto à igreja nova do Salvador, que o município de Angra fez a

Frei Luís Eanes, em 16 de Abril de 150159. Naturalmente que o município só poderia

dispor do que lhe pertencia.

Apesar do que fica dito, a concessão destes terrenos, nas áreas não adscritas aos

concelhos, sob a forma de sesmaria, continuava a pertencer aos capitães. Apenas

conhecemos um testemunho na Terceira, de dada de chão pera casas a Joana de Abarca

em 150460. Os mais casos são de S. Miguel, para onde existe registo sumário de várias

concessões, com todallas clausollas e condicoes nas cartas das dadas. São elas feitas,

umas, a João da Castanheira e, outras, a seu filho João de Matos, todas do ano de 1500,

pelo capitão Pedro Rodrigues61.

56 AA, vol. IV, p. 35. Também recuando ao mesmo período, em 1548 regista-se ainda que os caminhos
e serventias da ilha foram dados pelos capitães, aos concelhos, no quadro da distribuição das sesmarias
(cfr. BPARAH. Administração Local: Câmara Municipal da Praia da Vitória, Livro do Tombo, fl. 15.
Agradecemos a José Guilherme Reis Leite o empréstimo do original transcrito, que prepara para
publicação). Idêntica prática de conceder terras para caminhos, aos povos, vemos remeter para o início da
ocupação em S. Miguel. Cfr. — As Gavetas da Torre do Tombo. Lisboa: Centro de Estudos Históricos
Ultramarinos da Junta de Investigações Científicas do Ultramar, 1974, vol. X (Gav. XIX-XX, mçs. 1-7),
p. 286.
57 Igualmente parece acontecer, no âmbito das sesmarias continentais dos séculos XIV e XV. De
qualquer modo, a concessão de chãos para edificação de moradias está documentada para a área da cerca da
cidade de Coimbra (1378) e para Penela (1457). Igualmente é conhecido capítulo das Cortes de Braga, de
1387, pelo qual D. João II dá seis meses aos proprietários dos pardieiros de Santarém, para que os
reconstruam e habitem, sob pena de os mandar conceder em sesmaria a outrem. Cfr. o "Apêndice
documental" de Virgínia Rau — Sesmarias medievais…, docs. 21, 65 e 24, pp. 140-150 e 182.
58 Transcrito em Frei Diogo das Chagas — Espelho…, pp. 650-651.
59 TPAC, doc. 23, pp. 89-91.
60 TPAC, doc. 15, pp. 77-78.
61 Serviços de Documentação da Universidade dos Açores [SDUAÇ]. Fundo Raposo do Amaral [FRA],
documentação não inventariada, doc. com o nº 50, fls. 1-2vº. Segundo Gaspar Frutuoso, Pedro Rodrigues
da Câmara teve o cargo de capitão na ausência de Rui Gonçalves da Câmara. Cfr. Livro quarto…, vol. II,
pp. 20-21.

134
A atribuição de tal incumbência aos capitães também se depreende do dito

documento de 1518. Aliás, o enunciado do mesmo visava impedir uma prática que

constituia, na concessão destes chãos, o eventual favorecimento aos criados e gente dos

capitães, em claro prejuízo de outros que nas ilhas queriam habitar. Por tal motivo, o

mandado aponta para se determinarem espaços com dimensão suficiente para casa,

quintal e granel, a conceder a pessoas que tencionassem viver nos mesmos e não aforar

ou "parti-los". Para mais, estabelecia-se que os terrenos já concedidos, e ainda sem

construções, fossem sujeitos a uma reavaliação. Deixar-se-ia, ao proprietário, área

suficiente para as edificações e organização da moradia e vivenda, concedendo-se a

demasia a outrem que não ficaria sujeito a qualquer foro62. Parece-nos clara, aqui, a
intenção de organizar a mancha construtiva dos aglomerados, segundo as necessidades da

época e, ao mesmo tempo, melhor racionar a distribuição desses espaços no quadro da

população provavelmente em crescendo63.

Mas para além de todas estas questões relacionadas com os procedimentos das

dadas, uma outra importa ainda abordar: a dos registos oficiais das mesmas.

Não chegaram aos nossos dias quaisquer livros de registo das sesmarias,

sistemático e contínuo, como os que conhecemos, por exemplo, para Tenerife64 e que

em múltiplos sentidos sugerem hipóteses de trabalho para o arquipélago açoriano.

De qualquer modo, estão referenciados o chamado "livro do registo das dadas de

terra do ouvidor Afonso do Amaral" e do almoxarife Álvaro Lopes, nas Quatro Ribeiras,

com concessões documentadas do ano de 148265, o "livro de registos de João Vaz Corte

Real e seus filhos", com sesmarias identificadas entre 1485 e 149766, este naturalmente

pertencendo ao que aparece também designado por "livro da capitania de Angra"67. Da

62 AA, vol. IV, p. 35.


63 Sobre os respectivos procedimentos seguidos em Tenerife, com riqueza de pormenores, vide Elías
Serra Ráfols — Las datas de Tenerife (libros I a IV de datas originales). La Laguna-Tenerife: Instituto
de Estudios Canarios, 1978, pp. 363-367 e passim, onde estas questões são documentadas, inclusive no
âmbito da temática da disposição das ruas e casas.
64 Elías Serra Ráfols — Las datas de Tenerife…
65 F. F. Drummond — Apontamentos …, pp. 284-285 e 305. Cfr., ainda, nt. infra.
66 F. F. Drummond — Apontamentos…, pp. 303-305. Também, em parte baseando-se no mesmo
Drummond, vide AA, vol. IV, pp. 494-495.
67 Cfr. Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 827.

135
dita capitania ainda se conhece documento com treze registos, entre 1482-1497 e

publicados por Jorge Forjaz, com concessões dos mesmos Corte Real e de Afonso do

Amaral 68 , e outro com o arrolamento dos Resystos dos vezynhos da terra chãa da
syllueyra, muito sumário e que naturalmente não reproduz na íntegra o original, que Pero

Anes do Canto registou no seu tombo69.

Todos eles constituem claramente partes, ou sínteses e notas selectivas70 ,

algumas vezes sobrepostas porque referenciando as mesmas dadas71, do que constaria

em livros mais organizados e completos. De qualquer modo, de todos ressalta a prática

de um registo sumário, com os nomes de concessores e concessionários, a data, a

localização e as confrontações e, por fim, a dimensão em moios de semeadura ou braças

craveiras, mas também em côvados no caso dos terrenos para casas. Tais registos, no

original da responsabilidade do escrivão do almoxarifado, serviriam para controlar a terra

concedida e para legitimar a posse aos respectivos proprietários. Aliás, são eles

invocados inúmeras vezes neste último sentido, nomeadamente até para o escrivão poder

colocar obstáculos a uma determinada concessão72. Dos mesmos registos emanariam

então as cartas de sesmaria, entregues aos concessionários, mais completas e obedecendo

a uma fórmula jurídico-burocrática definida, sem bem que alguns matizes

esporadicamente tomassem forma. Entre eles emerge, por exemplo, a justificação da

dada73 e condições particulares de concessão, como a constituição de um cerrado e o

68 Cfr. Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, pp. 827-828 e 830-835.


69 TPAC, doc. 36, pp. 112-115.
70 No mesmo sentido vão as conclusões de Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 825.
71 Por exemplo, a sesmarias de Rodrigo/Francisco Jácome, João Luís da Quatro Ribeiras, Sebastião
Esteves, Pero Fernandes e outros. Cfr. Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, pp. 832, 833, 831, 834 e F.
F. Drummond — Apontamentos…, pp. 284, 285 e 303.
72 Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 257; e TPAC, doc. 67, pp. 161-162.
73 Por protagonizar o arranque do povoamento da área (TPAC, doc. 9, pp. 63-64 - 1486), em virtude da
renúncia do anterior beneficiado (BPARPD. FEC: CPPAC, fls. 20-21 - 1488), por razão de expropriação
ao anterior proprietário (TPAC, doc. 7, pp. 59-61 - 1499; TPAC, doc. 8, pp. 61-63 - 1506), justificado
pela confrontação com propriedades do próprio e por o antigo detentor, que a vendeu, já lograr o espaço
com gado, servindo-se dele como montado e saída das terras (BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 22,
fls. 1-2 — 1507).

136
plantio de vinha e árvores de fruto74, a que se associam certas prescrições de cultivo75,
pese embora o antigo mandado da Infanta para que nelas se explicitasse o perfil das

culturas mais adequadas. Agora, o que também ressalta é a obrigação, comum a todos os

beneficiários, de ceder terra para os necessários caminhos e serventias do concelho76 e os

direitos de vender, doar, escambar e de transmitir as terras aos herdeiros, como próprias

e isentas, forras pello foral da terra77.

Feita esta resenha sobre uma prática de concessão de terra que se queria regulada

e controlada e que dava origem a uma posse plena por parte do concessionário, podemos

dizer que se as definições regimentares básicas, na Terceira, parecem tomar forma escrita

com D. Beatriz, alguns dos respectivos preceitos foram sendo reiterados, naturalmente

em resultado de uma certa inoperância ou resistência. Para além disso, as necessidades e

os problemas do concreto foram-se traduzindo em novas normas, ajustadas algumas

vezes a conjunturas e a situações de curta duração, como foi o caso das Quatro Ribeiras.

1.1.2. Concessores e cronologia das dadas

Vimos atrás que os principais concessores das terras em sesmaria são os capitães

com os almoxarifes, a quem se associa o escrivão do almoxarifado. De qualquer modo,

também salientámos que o mesmo poder, cabendo ao Duque donatário e depois ao Rei,

podia estar nas mãos de outros, como ouvidores, corregedores e contadores. Para além

disso, muitas vezes o capitão, geralmente por ausência, mandatava determinada pessoa

ou podia, excepcional e provisoriamente, ver-se substituído em tais competências.

74 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 4vº-5vº. Uma destas três cartas, todas de 1503, encontra-se
publicada em AA, vol. XII, pp. 403-404.
75 Para semear pão, parte, e outra para criação de gado (BPARAH. Famílias: CCP, mç. 3, nº 5 — 1504
— publ. no AA vol. IV, pp. 218-219; BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 15 — 1506); para vinhas e
pomares (TPAC, doc. 28, pp. 99-101 — 1511),
76 Este preceito consta de todas as cartas de sesmaria. Também em sentença de 1548, sobre um pleito
entre a Câmara da Praia e João Vaz Fagundo/Catarina de Ornelas, regista-se que no tempo inicial do
povoamento todas as serventias do concelho foram dadas pelos capitães, os quais no conceder das
sesmarias davão os caminhos demarcados aos Concelhos. BPARAH. Administração Local: Câmara
Municipal da Praia da Vitória, Livro do Tombo, fl. 15.
77 Como consta da carta de doação a Álvaro Martins Homem. Cfr. AA, vol. IV, p. 214.

137
Neste âmbito, protagonizando as dadas da Terceira encontrámos os capitães

Álvaro Martins Homem, 1º capitão da Praia78, João Vaz Corte Real, 1º de Angra79,
Antão Martins Homem, 2º da Praia80 e Vasco Anes Corte Real, 2º de Angra. O último,

não obstante, fora a concessão de 3 de Março de 1511, feita em Lisboa81, surge-nos

essencialmente em confirmações de dadas82, já que se trata de um capitão absente. Por

motivo de ausência, se nas ditas competências do 2º capitão da Praia, Antão Martins

Homem, detectamos pontualmente Pedro Álvares da Câmara cerca de 148783 e João de

Ornelas em Julho de 148884 , já no caso do 2º capitão de Angra o panorama é

completamente distinto. Miguel Corte Real concedeu sesmarias por Vasco Anes Corte

Real em Maio e Junho de 148885 ; Gaspar Corte Real em Junho de 149386 , tendo

posteriormente feito mais duas concessões de Janeiro e Agosto de 149787 e outra em

Março/Maio de 149988 . João Álvares Neto, com encargo de capitão e também na

condição de ouvidor e almoxarife, fica documentado em oito concessões, entre Abril de

78 F. F. Drummond — Anais…, vol. I, p. 67; BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 6, nº 19, fl. 2.
79 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 654; BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº 230; Jorge
Forjaz — Cartas de dadas…, p. 831 e passim; BPARAH. MA: THSEA, fls. 404-404vº; AA, vol. XII,
pp. 402-403 (remetendo para concessão anterior);
80 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 6, nº 19, fl. 2; Famílias: CCP, mç. 2.3.4., fls. 237-238 [85-86];
BPARPD. FEC: CPPAC, nº1, fls. 4vº-5vº, 19vº-21; MCMCC, vol. I, nº 8; vol. I, nº 15; vol. I, nº 22;
TPAC, doc. 9, pp. 63-64; F. F. Drummond — Apontamentos…, p. 303; AA, vol. XII, pp. 403-404,
407; vol. IV, pp. 218-219
81 TPAC, doc. 28, pp. 99-101.
82 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 12 (1504), com assinatura do dito capitão; vol. III, nº 69, doc.
4 (1515); TPAC, doc. 16, pp. 78-79 (1504); doc. 42, p. 126; doc. 14, pp. 76-77.
83 Sabemos que ocupava funções de capitão, seu genro, em 18 de Junho (AA, vol. XII, pp. 388-389).
Temos notícia de que deu terras, a filhos e genros, pelo respectivo testamento, datado de 1499.
BPARAH. Famílias: CCP, mç. 3, nº 4, 1º doc., publicado no AA, vol. XII, pp. 508-512.
84 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 19vº-21.
85 O registo de Junho, de Pero Anes do Pombal, apresenta os anos de 1488 e de 1487, nas transcrições
de Forjaz e Drummond, respectivamente. Tomámos o ano de 1488, poquanto outra concessão foi feita
pelo mesmo, no dito ano, a 10 de Maio, conforme consta de ambas as fontes enunciadas (Jorge Forjaz —
Cartas de dadas…, pp. 830-831 e F. F. Drummond — Apontamentos…, pp. 303-304). Há também uma
carta de Janeiro, deste ano de 1488, atribuída por Drummond a Gaspar Corte Real. Estamos convictos
que o autor remete, não para a dada de 1488, mas para a posterior renovação, datada de 1497. Cfr. F. F.
Drummond — Apontamentos…, p. 303; e Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, pp. 833-834.
86 Cfr. TPAC, doc. 40, p. 124, publ. no AA, vol. XII, pp. 401-402.
87 Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, pp. 833 e 833-834; TPAC, doc. 36, p. 113, também no registo
de Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 834. Ainda detectamos outra concessão de Gaspar Corte Real,
anterior a 25 de Julho de 1497, a Afonso Gonçalves e Inês Álvares. TPAC, doc. 33, p. 109.
88 As fontes não concordam em relação ao mês e dia, se bem que a data de 23 de Março surja em dois
dos três documentos (TPAC, docs. 7, 10 e 12, pp. 59-61, 64-70 e 71-75). Outra concessão de Gaspar
Corte Real foi detectada, a Joana de Abarca e sem data, em documento de 1506. Cfr. TPAC, doc. 16, p.
80.

138
1504 e Novembro de 151289. Se no caso dos capitães da Praia elas são pontuais, na
situação do 2º de Angra, o dito Vasco Anes, são constantes por virtude do referido

absentismo.

Já mandatados pelo donatário detectaríamos João de Teive (1475)90, o ouvidor

Afonso do Amaral, com cartas assinaladas entre 9 de Janeiro e 11 de Maio de 148291 —

e posteriormente uma de 18 de Agosto do mesmo ano92 —, o ouvidor Garcia Álvares

Farelães, que por suspeitas levantadas ao anterior veio a mando de D. Beatriz93, em 8 de

Junho do dito ano94, e os recebedores Pero e Diogo Álvares em 1490 e 149595. Fora

estes agentes, que na Terceira usaram da competência de distribuir as terras, encontram-

se outros com idêntico poder, mas cujo exercício efectivo apenas está documentado para

S. Miguel96.

No coadjuvar dos capitães, seus representantes, ou do donatário, registam-se os

almoxarifes da Praia: Álvaro Lopes em 148297, Diogo Matela em 148898, João de

89 TPAC, docs. 15, 34, 36, 41, 13, 8, pp. 77-78, 110-112, 115, 125-126, 75-76, 61-63 (1504); AA,
vol. XII, pp. 405-406 (1512).
90 Vide o que dizemos à nota 17.
91 Cfr., respectivamente, Jorge Forjaz — Cartas de dadas… , p. 832; e F. F. Drummond —
Apontamentos…, p. 284.
92 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 654. Daquele que F. F. Drummond dá por livro do registo
das dadas, deste ouvidor, consta a concessão a Pedro Fernandes, de 10.IX.1485. Não obstante, a mesma
é registada como tendo sido feita por João Vaz Corte Real, segundo documento publicado por Jorge
Forjaz (cfr., respectivamente, F. F. Drummond — Apontamentos…, p. 303 e Jorge Forjaz - Cartas de
dadas…, p. 831). Chama-se também a atenção para o facto da dada a Adão da Ponte, nas Quatro
Ribeiras, segundo Drummond, constar do livro de Afonso do Amaral, sem que seja referida a data.
Tomamo-la, pois, deste ano de 1482. Cfr. autor cit. — Apontamentos…, p. 305.
93 Dando conta da intenção, vide carta de D. Beatriz, de 20 de Abril de 1482, ao dito Afonso do Amaral,
no AA, vol. XII, p. 431.
94 TPAC, doc. 5, pp. 56-58.
95 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 20-21, estando publ. no AA, vol. XII, p. 370 e em M. Velho
Arruda — Colecção de documentos…, pp. 200-201. De qualquer modo, registe-se que Pero Anes do
Canto, ao referir-se à carta de 1495, dá Diogo Álvares por almoxarife. Cfr. TPAC, doc. 68, p. 167.
96 Martim Vaz, contador em 1500; Afonso de Matos, corregedor em 1505; Jerónimo Luís, também
corregedor, em 1518 (AA, vol. XII, pp. 392-393 e 398-399; vol. IV, p. 36). Igualmente admitimos que
pudessem tê-lo feito, aqueles que o Duque D. Manuel prometia enviar às ilhas, em Maio de 1487, para
corregimento das dadas (TPAC, doc. 70, pp. 169-170, também publicado no AA, vol. XII, pp. 386-
387). De qualquer modo, não temos registos que o confirmem.
97 Com os ouvidores Afonso do Amaral e Garcia Álvares Farelães. Cfr. Jorge Forjaz — Cartas de
dadas…, pp. 831-832; F. F. Drummond — Apontamentos…, p. 284; TPAC, doc. 5, pp. 56-58.
98 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 19vº-21.

139
Ornelas da Câmara em 1503 e 150499 e João Barbosa em 1506 e 1507100. De Angra
detectamos Luís Casado em 1482101, Fernão Vaz em 1488, 1489, 1493, 1497, 1499102 e

o referido João Álvares Neto que exerce as mesmas competências extravasando as de

mero almoxarife, como vimos atrás. Já António Fernandes, no ano de 1515 e numa

reedição de dada, surge-nos como escrivão do almoxarifado alfamdegua mar103. Quanto

ao período da interdição da jurisdição dos capitães sobre as Quatro Ribeiras (1488 -

Agosto de 1495), protagonizaram as dadas os almoxarifes de Angra e Praia, Fernão Vaz

e Diogo Álvares104. Destaque-se, não obstante, que a carta de Pero de Barcelos, de 19 de

Outubro de 1490, é feita pelo capitão da Praia com o recebedor do Duque, Pero Álvares,

sem que se indique a razão da ausência do almoxarife105. Sabendo nós que o capitão

daria as cartas com o contador ou os juízes ordinários, no caso de discordância na

concessão por parte do almoxarife106, podemos antecipar aqui algum antagonismo, tanto

mais que a dada se localiza na área das Quatro Ribeiras onde, na altura, a jurisdição cabia

apenas, e conjuntamente, aos almoxarifes de ambas as capitanias107.

Quanto aos escrivães que fazem e estão de posse dos registos, o primeiro

referenciado é João Afonso das Cunhas, em 1482, numa dada que regista para si

próprio, na zona depois chamada dos Biscoitos e feita pelos ouvidor e almoxarife da

99 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 2.3.4., fls. 237-238 [85-86] e AA, vol. XII, pp. 403-403 (da
BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 5-5vº); BPARAH. Famílias: CCP, mç. 3, nº 5, pub. no AA, vol.
IV, pp. 218-219.
100 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 15 e nº 22.
101 Também com o ouvidor Afonso do Amaral. Cfr. Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 654.
102 Respectivamente, F. F. Drummond — Apontamentos…, p. 304 e Jorge Forjaz — Cartas de
dadas…, pp. 830 e 831; TPAC, doc. 40, p. 124, também no AA, vol. XII, pp. 401-402; Jorge Forjaz —
Cartas de dadas…, p. 833 e 834; TPAC, doc. 7, pp. 59-61, também no AA, vol. XII, pp. 402-403. Nas
cartas concedidas pelo plenipotenciário João Álvares Neto, de 1504, Fernão Vaz consta como concessor,
sendo designado por amo do vedor e capitão Vasco Anes Corte Real (TPAC, docs. 15, 34, 36, 41 e 13,
pp. 77-78, 110-112, 114, 125-126 e 75-74; BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 12). Aliás, na década
de 40 do século XVI, regista-se que Vasco Anes Corte Real por asj ser seu Amo lhe [Fernão Vaz] dera
poder de sjsmejro (BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 141, fl. 7). Fernão Vaz era já falecido a 3 de
Março de 1511. Cfr. TPAC, doc. 28, pp. 99-101.
103 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 69, doc. 3, fls. 5-5vº.
104 Entre 1488 e Agosto de 1495, como dissemos atrás, segundo notas de Pero Anes do Canto. Cfr.
TPAC, doc. 68, pp. 167-168.
105 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 20-21, publ. no AA, vol. XII, p. 370 e em M. Velho Arruda —
Colecção de documentos…, pp. 200-201.
106 E como mais atrás referimos. BPARPD. FEC: CPPAC, nº 6, fls. 5vº-6 e AA, vol. XII, p. 386.
107 Vide o que dizemos às pp. 128-129.

140
Praia108. Emerge depois na condição explícita de escrivão do almoxarifado de Angra e na
tarefa do assento das dadas da terra, em 1489, 1493, 1495, 1497, 1499, 1504109 e

1512110. Na carta a João Leonardes, de 1482 e na área de S. Sebastião (Angra), aparece-

nos Ambrósio Álvares111. Já Diogo Pires faz registos das dadas pelo capitão da Praia

em 1486 e 1492112, aparecendo ainda, como escrivães do almoxarifado da referida

capitania, e nas ditas incumbências, Manuel Fernandes (1488)113, João Pires barbeyro

(1490)114, João da Fonseca (1503 e 1504)115 e Manuel Furtado (1506 e 1507116).

De tudo isto ressalta, independentemente da identificação dos protagonistas da

concessão, que as referências concretas a cartas de sesmaria na Terceira recuam a 1475,

18 de Agosto (a João Leonardes), sabendo tratar-se da renovação de uma dada mais

antiga117. Para trás no tempo, outras terras teriam sido concedidas e tomadas, como as

de Álvaro Vaz Merens, Diogo de Teive, João Coelho, Afonso Gonçalves de Antona,

entre outros118. Já quanto à última carta de sesmaria que conhecemos, na Terceira, data

de 10 de Janeiro de 1515 (a Afonso Gil) e trata-se da renovação de outra por se ter

ultrapassado o prazo dos cinco anos119.

108 TPAC, doc. 5, pp. 56-58.


109 Cfr., respectivamente, Jorge Forjaz — Cartas de dadas… , p. 830; TPAC, doc. 40, p. 124;
BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 14vº-15, publ. no AA, vol. XII, p. 371; AA, vol. IV, pp. 495-496;
TPAC, doc. 7, pp. 59-61, publ. no AA, vol. XII, pp. 402-403; TPAC, docs. 15, 34, 16, 41 e 13, pp.
77-78, 110-112, 115, 126 e 75-76; TPAC, doc. 8, pp. 61-62.
110 Nesta data foi substituído por Belchior de Amorim (BPARPD. FEC: CPPAC, nº 2, fls. 4-6 —
cartas publicadas no AA, vol. XII, pp. 405-406), tabelião em Angra. Registe-se que a tais dadas, feitas a
Gaspar e Jerónimo Corte Real, filhos de Vasco Anes Corte Real, teria o dito escrivão levantado
obstáculos, segundo Pero Anes do Canto. Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 257;
TPAC, doc. 67, pp. 161-162.
111 Segundo a já várias vezes referida sentença de 1514. Cfr. Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p.
654.
112 Respectivamente, BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 19vº-21 e MCMCC, vol. I, nº 8.
113 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 19vº-21.
114 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 20-21, publ. no AA, vol. XII, p. 370 e em M. Velho Arruda —
Colecção de documentos…, pp. 200-201.
115 Presente em quatro cartas de sesmaria, onde é dado por tabelião e, numa delas (1503.XII.15), por
tabelião e escrivão do almoxarifado. BPARAH. Famílias: CCP, mç. 2.3.4., fls. 237-238 [85-86];
BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 4vº-5vº (uma, de entre três, está publ. no AA, vol. XII, pp. 403-
404).
116 Respectivamente, BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nºs 15 e 22.
117 Vide o que dizemos às pp. 124-125.
118 Pe . Manuel L. Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, p. 113, 80-84; F. F. Drummond —
Anais…, vol. I, p. 67
119 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 69, 3º doc., fl. 5. A confirmação de Vasco Anes Corte Real,
capitão, data de 18 de Junho de 1517 (idem, 4º doc., fl. 6). Também assinala-se confirmação régia da

141
Fichámos, pois, setenta e nove sesmarias pela respectiva carta, registo, ou notas

indirectas, incompletas e mais tardias sobre as mesmas. Isto implicou que algumas

tivessem sido datadas, em primeiro lugar, de acordo com as épocas em que se integrava a

chegada do concessionário. Deste modo, definiram-se as provavelmente anteriores a

1475, mas também diferenciaram-se sesmarias concedidas no século XV e no século

XVI. Outras, e à falta de mais dados, tomámos apenas por anteriores à referência

cronológica que as assinalava pela primeira vez ou, então, estabelecemos o tempo

aproximado em função da identidade do concessor. Um pequeno grupo foi ainda datado

pela remissão no tempo do próprio documento: há 5, 10 ou 20 anos. De qualquer modo,

se quarenta e quatro concessões (56%) não nos oferecem dúvidas porque os registos são

precisos, também noutras treze (16%) a datação parece-nos bastante segura com uma

diferença que não excederá os doze meses. De qualquer modo, há uma margem de vinte e

duas referências (28%) que se situam num tempo mais fluido, quatro com possibilidades

de serem de inícios do século XVI, mas todas as outras enquadráveis no século XV.

GRÁFICO I

A CONCESSÃO DE SESMARIAS

NO SÉCULO XV E INÍCIOS DO XVI

26%

74%
séc. XV
séc. XVI

mesma, de 1528, em pergaminho, solicitada por Pero Álvares, criado de Pero Anes do Canto. BPARPD.
FEC: MCMCC, vo. III, nº 77.

142
Face ao considerado e atendendo ao Gráfico I, 74% das referências remetem-nos

para o século primordial, distribuindo-se as demais pelos primeiros quinze anos do

século XVI.

Na tentativa de melhor visualizar os ritmos da concessão, perante os dados

disponíveis e tomando apenas a cinquenta e sete dadas (44 + 13), constatamos

primeiramente vinte e quatro anos, entre 1480 e 1504, em que a emissão de cartas atinge

os níveis mais altos (Gráfico II). Entre eles destacam-se claramente três "picos" da

concessão: o quinquénio de 1485/89, com um índice de atribuições que não vemos

repetir-se e os primeiros quinquénios de 1480 e de 1500 que se apresentam equivalentes.

A diferença é que o primeiro destes últimos projecta o ritmo em crescendo do

quinquénio seguinte, dando à década de 80 a configuração de período áureo e, o segundo,

se rompe a relativa mas ainda significativa manutenção da década de 90, por outro lado

antecipa o início do fim do processo das dadas.

GRÁFICO II

RITMOS DAS DADAS


Frequências

16
14
12
10
8 Freq
6
4
2
0
1475- 1480- 1485- 1490- 1495- 1500- 1505- 1510- 1515-
1479 1484 1489 1494 1499 1504 1509 1514 1519

De qualquer modo, ainda é visível certo dinamismo das sesmarias entre 1505 e

1510/12, sendo o período subsequente aquele em que o processo se encerra na ilha

Terceira.

É óbvio que de todas estas considerações quantitativas ressalva-se o facto do

período anterior a 1475, e mesmo o 2º quinquénio de 1470, estar "muito vazio" de

143
referências. Justificando-o, invoquemos novamente a carência de fontes escritas para a

época e as considerações tecidas atrás sobre a emergência das cartas de sesmaria,

propriamente ditas, concretizadas no exemplo da antiga dada a João Leonardes120. Para


mais, será oportuno referir que, no grupo das sesmarias datáveis de forma mais flexível

(vinte e dois), e portanto não contempladas pelo Gráfico II, registamos treze concessões

que definimos como anteriores a 1480121. Ora, tal consideração, se mantém as nossas

conclusões quanto ao início da prática efectiva de emissão das cartas, também reforça o

eventual peso do processo de distribuição de terras no período mais inicial.

1.1.3. Considerações espácio-cronológicas

Para terminar esta primeira abordagem à questão das sesmarias, que terão novos

desenvolvimentos nas temáticas da propriedade e da dimensão do solo, adiante,

abordemos a possível evolução no espaço e no tempo do processo inicial de distribuição

das terras. Para o efeito, contaremos com o apoio dos mapas III e IV122.

A determinação das dadas mais antigas e o processo de povoamento inicial são

duas temáticas convergentes, cada qual determinando ou traduzindo a outra. Por isso, as

considerações tecidas no primeiro capítulo, nas quais as áreas das Quatro Ribeiras

(abrangendo Quatro Ribeiras e zona da Agualva), de S. Sebastião (Ribeira de Frei João e

Portalegre), da Praia (Serra de Santiago e demais áreas limítrofes) e de Angra123 são as

primeiras a ser ocupadas, implicam a ocorrência das primevas dadas em tais espaços.

Assim, registam as crónicas que obtêm ou tomam suas terras: o capitão Jácome

de Bruges e Diogo de Teive na área da Praia; João Leonardes, João Coelho e Gonçalo

120 Vide pp. 125-126.


121 Estão incluídas, neste caso, todas as referências explícitas que encontrámos sobre terras concedidas,
sob o regime das sesmarias, aos tidos por primeiros povoadores da Ilha. Todas as dadas referidas com
alguma consistência, a nível da localização e outros, foram fichadas numa base de dados. Sendo a
respectivas fontes cruzadas, optou-se sempre por citar, preferencialmente, aquelas que invocavam
referências mais objectivas, esclarecedoras e antigas sobre cada uma. Neste contexto, a obra de Maldonado
é amiúde tomada como referência central (cfr. Pe. M. Luís Maldonado — Fenix…, vol. I, pp. 17, 63-67,
80-84, 110-111, 112-113; vol. III, pp. 53 e 176; e F. F. Drummond — Anais…, vol. I, pp. 39, 67 e 70-
71). Registe-se, de qualquer modo e porque estamos a falar de concessões cuja cronologia é mais fluida,
que aqui não contemplámos a carta de 1475 a João Leonardes.
122 Entre as pp. 143 e 144 e 147 e 148.
123 Ocupando a metade Oeste da ilha. Vide Mapa IV, entre as pp. 149 e 150.

144
Anes da Ribeira Seca na zona de S. Sebastião; Fernão Dulmo nas Quatro Ribeiras124;
Álvaro Martins Homem (antes de ser encartado capitão da Praia), Afonso Gonçalves de

Antona e Álvaro Vaz Merens em Angra. Estes nomes surgem aqui, e não outros, porque

são aqueles que o cruzamento das crónicas e mais documentação, invocadas no primeiro

capítulo, melhor fundamenta o respectivo pioneirismo125.

Deste modo, com base nos registos que tomámos por mais consistentes, das

sesmarias e respectivos concessionários126 , podemos esboçar uma primeira carta

cronogeográfica das concessões (Mapa III).

Sem surpresas e apesar das muitas lacunas verificáveis, as áreas dos primeiros

assentamentos ficam atestadas. Para mais, o deslocamento da ocupação e das concessões

de terra, bordejando a ilha e nas direcções Noroeste ou Sudoeste, numa faixa litoral,

regista-se a partir da década de 1480, parecendo concluir-se até cerca de 1509127 .

Configurava-se, assim, aquele modelo de ocupação da ilha dito em "anel"128 ou a

124 Para além das crónicas, como já invocámos, sabemos que Fernão Dulmo possui terras nas Quatro
Ribeiras (vide p. 32, deste trabalho, cap. I). Mas para o que não há indicações explícitas na documentação
(como para outros que aqui não invocámos) é sobre a carta ou regime de concessão pelos quais a terra foi
obtida. Se é presumível, pelo predomínio da prática, que fosse em sesmaria, a mal esclarecida condição
"especial" da jurisdição das Quatro Ribeiras — que teria tido um "capitão" estando outro encartado para
toda a ilha — faz pelo menos não excluir a hipótese remota de outras possibilidades.
125 Sobre esta temática remete-se para o 1º cap., ponto 3.1. No tocante às dadas, especificamente, vide
Pe. M. Luís Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, pp. 17, 80-84, 111, 113 e 114; vol. II, p. 17; vol.
III, p. 176; F. F. Drummond — Anais…, vol. I, p. 67; Frei Diogo das Chagas — Espelho…, pp. 652-
653 e 656; BPARPD. FEC: MCMCC, vol. X, nº 289, fls. 2-2vº.
126 Excluímos, por exemplo, a dita concessão a Gonçalo de Linhares no Vale do mesmo nome, da qual
não encontrámos ecos na documentação por nós trabalhada, nem nos primeiros cronistas; a de João da
Ponte, cujo apelido registámos em S. Sebastião e Ribeira Seca, por documentos de 1515 e 1517 (ver
Quadro B dos apêndices), mas não detectámos referências à propriedade; e, principalmente, as referidas
dadas aos Albim, a João de Aguiar e a João Escoto (F. F. Drummond — Anais…, vol. I, p. 15, nt. 13),
para os quais não encontrámos quaisquer informações na documentação coeva, nem tão-pouco nas
crónicas de Frutuoso, Chagas ou Maldonado. Refiramos, ainda, que também não atendemos à dita
sesmaria a Gonçalo Álvares Pamplona, nos Altares, porquanto a posse da Fajã da Salga ele mesmo
justifica por compra e por carta de sesmaria a João Valadão. Cfr. BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls.
14vº-16vº. De qualquer modo, as zonas mais a Noroeste (Folhadais e Serreta) estão pouco documentadas
ao nível da ocupação, pelo que um limite à volta de 1509 não nos surge como despropositado.
127 De 1507 data a última concessão conhecida do intervalo 1500-1509, a qual se localiza no Porto da
Cruz (Biscoitos). BPARPD. FEC: MCMCC, vo. I, nº 22.
128 Eduardo M. Ferreira Dias — Flora e Vegetação Endémica na Ilha Terceira. Trabalho de Síntese
apresentado em Provas de Aptidão Pedagógica e Capacidade Científica, à Universidade dos Açores,
Departamento de Ciências Agrárias, Angra do Heroísmo, 1989, p. 58. Texto policopiado.

145
chamada "roda do capote"129 , pois que até cerca dos 300/350 m de altitude se
implantam as povoações e as principais áreas de exploração agrícola130.

Quanto ao interior terceirense, com base nos registos para as áreas circuncritas ao

relevo designado por Pico Gordo, Pico de Gaspar, Pico das Caldeirinhas e Patalugo,

entre os 400 e os 600 m de altitude131, os dados mais recuados remontam a 1497. Por

essa data, pelo menos uma parte considerável do dito espaço seria apropriado por Maria

de Abarca, a capitoa, numa légua de comprimento por outra de largura, aproveitando-o

para criação de gado132.

Embora remetendo para documentação que recua ao século XV133, cerca de 1506

outros possidentes afirmar-se-iam em zonas das imediações, ou até sobrepostas. Um,

João Álvares Neto com sesmaria de 12 de Março, confrontante a norte com a capitania

da Praia e com as testadas das terras de Pero Álvares, situada ao longo da Serra dos

molhedas ou molhedãs (Serra do Labaçal?)134 mas registando também proximidade à

129 Expressão que na ilha designa a faixa até 300 m de altitude, segundo José Guilherme de Campos
Fernandes — Terceira (Açores). Estudo geográfico. Dissertação de Doutoramento em Geografia,
apresentada na Universidade dos Açores, Ponta Delgada, 1985, p. 277. Texto policopiado.
130 Como já dizia Luís da Silva Ribeiro, até 350 m de altitude acham-se as condições mais favoráveis à
fixação dos homens e à prática de todas as culturas. Entre 350 e 650 m atinge-se a área das pastagens e
acima deste valores a dos matos (cfr. autor cit., Influência das sesmarias…, p. 79). José Guilherme de
Campos Fernandes aponta a faixa de fixação humana, e de maior capacidade agrícola, até cerca de 300 m.
Cfr. Terceira (Açores). Estudo geográfico…, p. 277.
131 Cfr. Carta da ilha Terceira. Edição 4, Lisboa: Instituto Geográfico e Cadastral, 1965, série M 7811,
escala 1:50 000. O Pico das Caldeirinhas só conseguimos localizar a partir da Carta Militar de Portugal.
Biscoitos (Terceira - Açores). Edição I, s.l., 1959, série M 889, escala 1:25 000, folha 22. O Patalugo
Frutuoso designa como as terras de criação, chãs e limpas de mato que iam da caldeira de Guilherme
Moniz para a serreta" (Livro sexto…, p. 50). As referências nos nossos documentos apontam para uma
localização aproximada, acima da Terra Chã e Lombada da Silveira e nas imediações do referidos picos,
do lado da vertente Oriental da Serra Gorda (ou de Santa Bárbara).
132 Como se regista, a terra do Pico Gordo é ha terra do patalluguo e ho piquo das calldeiRinhas e ho
pico de gaspar todo he hu ~a cousa e hu~a soo terra, então de Vasco Anes Corte Real e anteriormente de
sua mãe, da qual não havia memoria de homem que […] ouuesse outro possuidor […] somente a dita
capitoa e o Veador seu filho. BPARPD. FEC: CPPAC, nº 2, fls. 18vº, 19, 21 e 22.
133 Invocam-se cartas de sesmaria de 1493/1499 e 1482/1488, de terras que atingiriam tal área. Cfr. Rute
Dias Gregório — A dinâmica da propriedade…, pp. 43-44.
134 Respectivamente, TPAC, docs. 8 e 12, pp. 61-63 e p. 73. A definição das confrontações e
localização da terra apontam-nos para esta serra, no centro norte da ilha. De qualquer modo, não lhe
encontramos qualquer outra referência, tanto nos cronistas, como na literatura. Apenas José Rodrigues
Ribeiro identifica o lugar de Moledo, não habitado, como zona antes tida para criação de Gado, na área da
Serra do Labaçal e da freguesia das Quatro Ribeiras (Dicionário toponímico, ecológico, religioso e social
da ilha Terceira. Angra do Heroísmo: Direcção Regional dos Assuntos Culturais, 1998, p. 202). De
qualquer modo, a erupção de 1761, "por detrás dos Picos Gordos" e sobre os Biscoitos, provocando
"escoadas lávicas e piroclastos subaéreos", na terminologia vulcanológica, terá alterado o relevo da zona.
O registo da eclosão, na descrição do desembargador José Acúrsio das Neves, podemos encontrar em Pe.
Jerónimo Emiliano de Andrade — Topographia da ilha Terceira. 2ª ed., anotada pelo Vigário José
Alves da Silva. Angra do Heroísmo: [s.l.], 1981, pp. 275-276. Quanto à mancha provocada pelas

146
serra gorda135. Outro, Pero Anes do Canto que, em Dezembro de 1505, comprara as
ditas terras de Pero Álvares (no Porto da Cruz)136 e em 1506 obtivera dada e

prorrogação de tempo para exploração de terra e molledãaes, confrontantes com a

capitania de Angra137.

Claro ficava, pois, o avanço para o interior da ilha na recta final de 1490,

confirmando-se a ocupação mais efectiva na primeira década de quinhentos. Em 1512

eram concedidas as últimas sesmarias deste espaço a Gaspar e Jerónimo Corte Real,

filhos do capitão Vasco Anes Corte Real. Estas, por sua vez, já referem estrada ligando

Angra (sul) aos Altares (norte)138, o que comprovava a penetração destas serranias

interiores (Mapa III).

Para mais, toda a área da Terra Chã à Lombada e Serra da Silveira, circunscrita

entre biscoitos que iam do Pombal ao Pico Gaspar (banda Oeste, e outros que iam das

vinhas de Angra até ao porto santo e dali para a serra chamada ho palluguo139 , a

Leste140, é zona141 cuja ocupação por sesmarias antecede Julho de 1497. As primeiras e

antigas dadas foram a Diogo Pires da Ribeirinha, a Afonso Gonçalves, escudeiro, a

escoadas vulcânicas, ditas da "Fase do Mistério Negro", cfr. Victor Hugo Forjaz, António Serralheiros e
João C. Nunes — Carta vulcanológica dos Açores: Grupo Central. 1ª edição, Ponta Delgada:
Universidade dos Açores / Centro de Vulcanologia.
135 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 9, fl. 11. José Rodrigues Ribeiro, correctamente e pelos dados de que
dispomos, identifica-a com a Serra de Santa Bárbara (cfr, autor cit. — Dicionário toponímico…, p. 310).
Registe-se, de qualquer modo, que cerca de 1516, por altura da demanda entre Vasco Anes Corte Real e
Pero Anes do Canto, ela era nomeada como serra gramde que se ora chama gorda. BPARPD. FEC:
CPPAC, nº 6, fl. 7.
136 Terras do Porto da Cruz, adquiridas em Dezembro de 1505 (TPAC, doc. 1, pp. 49-52). Quanto à
demanda entre Pero Anes do Canto e João Álvares Neto, cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do
Canto…, pp. 249-252 e 256-257.
137 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 15.
138 AA, vol. XII, pp. 405-406 (BPARPD. FEC: CPPAC, nº 2, fls. 4-6). Luís da Silva Ribeiro,
abordando a evolução do povoamento da ilha, tinha já alertado para a cronologia deste caminho, tal como
de outros que adiante referiremos. Cfr. Luís da Silva Ribeiro — Influência das sesmarias no povoamento
da Terceira. Açoreana. VI:1 (1946-49) 93. Também compilado em — Luís da Silva Ribeiro. Obras…,
II, pp. 85-103.
139 Por esta definição de área, de acordo com o documento de 1546, parece apontar-se para a identificação
desta serra com pelo menos parte da actual serra do Morião, acima de Angra. Cfr. nt. 131.
140 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 141, fls. 7-7vº. Curiosa a forma como o espaço é descrito,
por este documento de 1546: ficava entre os ditos biscoitos como podja ser a terra de dentre de hu ~ua
cidade Amtre muros.
141 Que, pelo lado sul, dá acessibilidade ao espaço interior das sesmarias referenciadas no parágrafo
anterior. Cfr. Mapa III.

147
Afonso Gonçalves fanequa 142 e a João Afonso Ramos143, surgindo posteriormente
outros nomes como Fernão Vaz (Agosto de 1497), João de Lamego (1504), João

Fernandes (1504), João Vieira (1508), entre outros144.

Esta sucessão, mas também aumento, dos proprietários, pode verificar-se do

mesmo modo na área dos Biscoitos (Mapa III) — que extravasa até à Ribeira da Lapa e

sobe à serra — e constitui o ponto de acesso, pelo norte, à dita zona da Serra Gorda e

Picos Gordo e de Gaspar. Entre eles, destaquemos João e Pero Afonso das Cunhas

(1482)145, Rodrigo Chamorro e Afonso Eanes (1486)146, Pero Álvares (1486) — o já

por nós referido primeiro morador do mais tarde designado por "Biscoitos"147 —, João

de Ornelas da Câmara (c. 1491)148, Pedro Álvares Biscainho (1492)149, Diogo Marques

(1493)150, João Valadão e filhos (1495)151, Félix Fernandes (1503), Vasco de Borba

(1503)152 e os referidos João Álvares Neto (1506)153 e Pero Anes do Canto (1506)154.

142 Destrinçado parece ficar a origem do topónimo Fonte Faneca, que na documentação coeva surge com
"Fonte da (do?) Faneca", ou explicada fica a do antropónimo. Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do
Canto…, pp. 112, 118, 1122 e passim.
143 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 141, fls. 7vº-8. A data de 1497 apura-se particularmente para
as sesmarias de Diogo Pires e de Afonso Gonçalves escudeiro, porquanto este último vendeu sua terra a
25 de Julho do dito ano e nesta escritura é referenciada confrontação com a de Diogo Pires. Cfr. TPAC,
doc. 33, pp. 109-110.
144 Atente-se nos chamados, por Pero Anes do Canto, Resystos dos vezynhos da terra chãa da syllueyra
em TPAC, doc. 36, pp. 112-115.
145 TPAC, doc. 5, pp. 56-58.
146 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 20-21, segundo outra sesmaria de 1488 da mesma terra e apenas
a Rodrigo Chamorro. Esta terra foi vendida a Diogo de Teive (Ferreira) e o pai deste, João de Ornelas da
Câmara, vendeu-a a Pero de Barcelos que dela recebeu cartas de 1490 e de 1495 (BPARPD. FEC:
CPPAC, nº 1, fls. 19vº-21). A tentativa de localização desta terra no mapa III é bem visível no ponto
azul e círculos concêntricos azul e laranja, tradudores de sesmarias consecutivas, da década 1480-89 e da
seguinte.
147 TPAC, doc. 9, pp. 63-64. Esta terra passará, em 1486 e por carta de sesmaria, a Pero Álvares.
148 Como se apura em AA, vol. XII, p. 407 (confirmação de 1514).
149 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 8.
150 Como se apura na carta publicada no AA, vol. XII, pp. 402-403.
151 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 14vº-15, publ. no AA, vol. XII, p. 371.
152 Ambas na BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 4vº-5. A primeira encontra-se publicada no AA, vol.
XII, pp. 403-403.
153 Para cima, nas testadas de Pero Álvares, em área que se diz dos Altares. Esta, em parte, engloba a de
Diogo Marques, de que João Álvares beneficiou por expropriação e por dada de 1499. Respectivamente,
TPAC, doc. 8, pp. 61-63 (1506) e doc. 7, pp. 59-61 (1499).
154 Apesar do grosso da sua propriedade ter sido obtido por compra (TPAC, docs. 1, 3 e 4, pp. 49-56),
Pero Anes do Canto obteve aqui duas cartas de sesmaria, uma de 1506 e outra de 1507 (BPARPD. FEC:
MCMCC, vol. I, nºs 15 e 22). Sobre esta propriedade vide, entre outros, Rute Dias Gregório — Uma
exploração agro-pecuária terceirense (1482-1550). Ponta Delgada: Universidade dos Açores, 2001. Sep.
de — Arquipélago.História. 2ª série, vol. V (2001) 13-50.

148
O atrás exposto atestará, por um lado, a pressão do número dos homens que

eclode em novos nomes e protagonismos155 e, por outro, o progredir da apropriação do


solo, mesmo em direcção a áreas menos favoráveis à fixação dos homens e acima dos

300/350 m156.

Esta faixa Central/Oeste, que une Sul e Norte da ilha (ver Mapa III), estudamo-la

com mais acuidade graças ao magnífico espólio da Casa Canto, cuja informação extravasa

claramente os limites aparentes de um património particular. Já outras áreas da ilha são

bem menos conhecidas, partindo das fontes coevas ou de períodos posteriores

relativamente curtos.

De qualquer modo, retornando a nossa atenção às áreas mais elevadas e

interiores, registe-se também a ocupação de um espaço mais a Sueste da ilha, pela

invocatória da abertura dos respectivos acessos.

Em 1548, por sentença constante no Tombo da Câmara da Praia, sabemos que

as ligações entre Praia e Angra fazem-se por três vias, com cerca de quarenta ou

cincoenta anos, abertos depois das terras do mato brauo serem descubertas e

rocadas157. Tal implicaria, naturalmente, a concessão prévia das respectivas terras, a

qual estaria na origem de três caminhos: dois por S. Sebastião, um pelo litoral (dos

fanais, com passagem por Porto Martim) e outro por cima da Ribeira Seca e um mais

directo, pelo mato (Mapa IV). No mesmo documento fica referenciado o facto de, até

então, entre 1498 e 1508, a conexão dos principais lugares da Terceira — Angra e Praia

— concretizar-se por caminho pedestre, ao longuo da rocha […] do mar e calhaos,

incompatível com cavalos e carros158 . Isto, não só atesta, até aí, a emergência das

ligações por barco para mercadorias e produções, como ilustra a constituição da tal faixa

de ocupação litoral e circundante à ilha. Por outro lado, comprova que,

155 Se bem que não apenas. Falaremos de outros aspectos inerentes à ocorrência nas pp. 175-176.
156 Estes são os níveis de cota mais elevados dos actuais povoados da Terceira, como atrás referimos.
157 BPARAH. Administração Local: TCP, fl. 15vº.
158 BPARAH. Administração Local: TCP, fl. 15vº. Veja-se também, e para melhor localização no
espaço, o Mapa IV.

149
contemporaneamente à penetração das áreas do Pico Gordo, atravessara-se outro espaço

sertão, se bem que situado a níveis de cota mais baixos e entre os 100 e os 400m159.
Ou seja, nos primódios do século XVI, a ilha era já cruzada por duas vias de

comunicação interna que implicaram penetração e desbravamentos do interior e, em

alguns espaços, o alcance de cotas situava-se entre os 400 e os 600m. Este aspecto

torna-se relevante, porquanto tal altitude está fora das áreas de fixação humana actuais e,

naturalmente, também das da época. Foram elas, pois, áreas exploradas com criação de

gado, por menos favoráveis à agricultura, como a documentação alusiva ao Patalugo e

Pico Gordo não deixa de vincar.

De qualquer modo, em termos de regime de distribuição das terras, o que

acabámos de invocar contradiz, em parte, a noção da inexistência de sesmarias nas zonas

altas e próprias para pastagens160. As terras a Jerónimo e Gaspar Corte Real, de 1512,

situadas acima do Patalugo, confrontando a Norte e Leste com estrada entre Angra e

Altares161, são daquelas que mais apontam para, pelo menos em parte, situarem-se em

áreas bastante elevadas. Para mais, a de João Álvares Neto localiza-se sobre as de Pero

Álvares, sitas ao Porto da Cruz, iam ao longo da Serra dos Moledos (do Labaçal?162) e a

sul partiam com a das Ferrarias163; a de Pero Anes do Canto, nascendo no mar, a norte,

vai ao supé da Serra Gorda164 pela respectiva vertente interior à ilha, a qual vertente

termina a 500m de altitude165; a dos irmãos Afonso das Cunhas, base da anterior, atinge

igualmente ho pee da serra Gorda (1482)166, tal como a de João Pacheco (1488)167 e as

de Pedro de Barcelos (1490) e de João Valadão (1495) sobem pela Ribeira da Lapa e vão

159 Vide Mapa III, entre as pp. 145 e 146.


160 Cfr. Luís da Silva Ribeiro — Influência das sesmarias…, p. 89. Remete o autor para uma nt. 40,
duplicada no texto, que em rodapé não fundamenta a ideia defendida.
161 Vide Mapa III.
162 Como vimos à nt. 134..
163 Não conseguimos determinar este topónimo.
164 Ficava sobre as fajãs do biscoito além das Quatro Ribeiras, que eram suas, confrontando a sul e a
poente com a capitania de Angra. Cfr. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 15.
165 Cfr. José Guilherme de Campos Fernandes — Carta Geomorfológica da Ilha Terceira. Notícia
explicativa. Ponta Delgada: Universidade dos Açores, 1986, p. 26.
166 TPAC, doc. 5, pp. 56-58.
167 Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 831 e F. F. Drummond — Apontamentos…, p. 304.

150
ao cume da serra168. Fora deste espaço Centro/Noroeste da ilha ainda encontramos, a
Sudeste, a sesmaria a Álvaro Lopes da Fonseca (1483) que ia à encumeada da Serra

Maior169 , ou do Cume (com cota máxima de 545m170), a de Pero Rodrigues (1489) nas

Cinco Ribeiras (sudoeste da ilha) que avançava pela serra arriba171 e a de Pedro Anes

Sancho (1504), nas Catorze Ribeiras (banda Oeste), igualmente serra arryba172. Para

mais, a já referida extensa propriedade tomada por Maria de Abarca, se não encontramos

registo que a fundamente numa sesmaria, a verdade é que ela substancia-se em posse

privada, legitimadora de todas as acções de defesa contra "intrusos"173.

Onde é que, perante tal conspecto, fica atestada a reserva das terras altas para

logradouro comunitário?

De qualquer modo, isto não significa defender a tese da inexistência de áreas

nesse sentido salvaguardadas. Em sentido contrário, o próprio Pero Anes do Canto, para

impedir o acesso e usufruto das "suas" matas, obtém mercê régia de coutada (1528)174.

Tal implica, claro está, uma prática anterior que deste modo se obsta. E a primeira

observância, com significado mais determinante, ainda se retira do foral do almoxarifado

(1487), pela referência ao regimento que até então permitira aos moradores irem ao

168 Respectivamente, AA, vol. XII, p. 370 e 371.


169 BPARAH. Judiciais, mç. 6, nº 19 e Famílias: CMD, mç. 1, doc. 1.
170 Que tem cota máxima de 545 m. Cfr. — Carta da Ilha Terceira…, IGC, escala 1:50 000.
171 Cfr. Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 830.
172 TPAC, doc. 41, pp. 125-126. É óbvio que aqui não sabemos bem qual o nível de altitude atingido.
De qualquer modo, tenha-se presente que a vertente ocidental da Serra de Santa Bárbara (ou a Serra Gorda
da nossa época), entre as Cinco Ribeiras e o Pico Matias Simão (nos Altares), caracteriza-se por forte
inclinação, e que parte do nível litoral apresenta-se em escarpas e paredões que podem ultrapassar os 150
m de altura (J. G. de Campos Fernandes — Carta Geomorfológica da Ilha Terceira. Notícia
explicativa…, p. 26). Esta última área, de escarpas e paredões acima dos 100 m de altitude, detectamos,
grosso modo, entre a Ribeira das Onze e a Ponta do Queimado (Carta da Ilha Terceira… IGC, escala
1:50 000) e encontra-se representada no Mapa III (entre as pp. 145 e 146). Registe-se, a propósito, que a
linha de costa Oeste, Noroeste e Norte é, em boa parte, alta e que as costas baixas, com declives mais
suaves, e até com algumas praias, encontram-se a Sudeste e Sul da ilha. Para mais, são exactamente as
primeiras a ser atingidas por mares alterosos e ventos fortes, que boa parte do ano, e com persistência, são
de Oeste, Noroeste e Norte. Cfr. J. G. de Campos Fernandes — Terceira (Açores)…, p. 98, 106 e
passim.
173 Vasco Anes Corte Real, que sucedeu nestas terras a sua mãe, dessa área terá despejado currais e gados
de Guilherme Monis e de Pero de Góis, seus cunhados (BPARPD. FEC: CPPAC, nº 2, fl. 22).
Posteriormente demandou Pero Anes do Canto que, por sua vez, já se tinha envolvido em conflitos na
área com João Álvares Neto e o dito Pero de Góis. Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…,
pp. 249-260.
174 De caça e madeira. Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 186.

151
monte matar gado sem dono175 e que a partir daí se faz depender do aval do capitão176.
Tal comprova o costume de usufruto comum das zonas não arroteadas e, naturalmente,

das de maior altitude. De qualquer modo, não significa a inexistência de dadas

abrangendo ou situando-se em tais territórios. Mais, o que se confirmará é o expandir da

apropriação destes espaços, através de mercês mas também de cartas de sesmaria, no

mínimo pelos mais possidentes, como os atrás referidos. Mas apesar dos bens de

logradouro comum, como o caminho dos fanais e o nos Jumcais, poderem ter andado em

demanda entre concelhos e particulares177, não detectámos conflitos quanto a estas

áreas, nomeadamente para apascentação de gado. A tal não serão estranhos, de todo, os

tardios registos municipais sobreviventes. De qualquer modo, os grandes antagonismos

pelo usufruto de incultos, como o que em 1893 se verificava entre o Povo e a Casa

Canto, na área do morgadio, estando em causa cerca de duzentos moios de terra178, não

deixaram rastos de idêntica emergência na documentação ao nosso dispor.

Feitas estas considerações sobre os espaços e os "tempos" da implantação das

sesmarias, correlativos ao processo de ocupação da ilha e por isso desenvolvidamente

focalizados, avancemos para as demais formas de obtenção da terra.

1.2. Compra e venda

A aquisição da propriedade fundiária por meio de compra é outro dos

mecanismos presente nos nosso documentos.

A primeira escritura conhecida para a ilha Terceira data de 13 de Janeiro de 1483,

pela qual Martim Gonçalves e Senhorinha Domingos vendem a sua sesmaria a Gonçalo

175 Naturalmente fruto dos lançamentos de início do povoamento, numa prática atestada já dos primeiros
tempos do arquipélago, sendo donatário o Infante D. Henrique. AA, vol. I, p. 5 (1439.VII.02).
176 Transcrição em Pe. Manuel Luís Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, pp. 144-145.
177 O conflito pelo primeiro caminho em causa foi sentenciado favoravelmente ao concelho, em
26.X.1548. BPARAH. Administração Local: TCP, fls. 14vº-19vº. Sobre o caminho que ía de Angra para
os Altares, disputado na área dos Juncais, entre Pero Anes do Canto e o concelho de Angra, não
conhecemos os resultados finais. Cfr. R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, pp. 263-264.
178 Notícia dada por uma carta de Eduardo Abreu, testamenteiro da última senhora do morgadio, a
Ernesto do Canto. Cfr. Rute Dias Gregório — Uma exploração…, p. 14.

152
de Linhares e Isabel Pires179. Do século XV apenas encontrámos outra de 1497180,
registando-se ainda na documentação original por nós compulsada, mais duas transações

referentes ao Faial181. Sem conhecermos os respectivos contratos, ainda detectámos dois

actos de 1488 e 1490 para a ilha de Jesus Cristo182, que naturalmente reforçam a prova

de recurso a este tipo de transação, já no período em causa.

Melhor informados estamos, naturalmente, para a primeira metade de

quinhentos, com várias referências a compras/vendas constantes das respectivas

escrituras, de sentenças, de testamentos e de autos de contas de capelas e de órfãos.

Nem todas estas fontes permitem o registo rigoroso dos dados a que procurámos

atender, como data, localização, nomes dos intervenientes, condições do contrato, preços

dos bens transacionados, princípios do direito para que remetem e outros. De qualquer

modo e no conjunto, garantiram-nos uma mole de informes significativos, por vezes

ultrapassando em muito o que habitualmente se espera de escrituras de compra e venda,

como no concernente à origem e à evolução da posse dos ditos bens.

Para contemplarmos a mole de compras/vendas tidas em consideração, o Gráfico

III espelha o número dos registos, num total de oitenta e oito anteriores ao ano de 1556,

entre os quais, cinquenta e três antecipando o de 1543, trinta e quatro o de 1530 e

dezassete o de 1510.

179 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº 230.


180 TPAC, doc. 33, pp. 109-110.
181 TPAC, dos. 47 e 52, pp. 132-133 e 137-139, respectivamente de 1489 e 1492.
182 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 19 vº-21.

153
GRÁFICO III

REGISTOS DE COMPRA E VENDA

100
90
80
70
60
50 Compras
40
30
20
10
0
ant. a 1483 ant. a 1510 ant. a 1530 ant. a 1543 ant. a 1556

Ao atribuir o valor 0 para o período anterior ao ano de 1483, naturalmente não

queremos significar a inexistência deste tipo de contratos/práticas em épocas mais

recuadas, mas a verdade é que natural seria a compra impor-se como processo de

aquisição "num segundo momento", digamos, da história da apropriação das terras na

ilha. Isto mesmo nos diz a comparação entre as linhas de evolução das sesmarias e das

formas de obtenção agora em causa, atestando a respectiva emergência, com níveis de

frequência mais baixos, na última fase da distribuição das terras em sesmaria e também

num percurso irregular que parece afirmar-se a partir da década de 1540.

GRÁFICO IV

CRONOLOGIA E RITMOS COMPARATIVOS DE SESMARIAS E COMPRAS

16
14
12
10
Dadas
8
Compras
6
4
2
0
1475-1479

1480-1484

1485-1489

1490-1494

1495-1499

1500-1504

1505-1509

1510-1514

1515-1519

1520-1524

1525-1529

1530-1534

1535-1539

1540-1544

1545-1549

154
Até que ponto o gráfico reflecte mais o carácter aleatório e fortuito da amostra,

de um universo inatingível, não o sabemos dizer. De qualquer modo, resta-nos o

conforto de que ambas as séries enfermam do mesmo problema e que as cartas de dadas,

porque resultantes de processo com origem mais recuada, poderão estar ainda menos

bem representadas.

De qualquer modo, destaque-se que o mecanismo de compra e venda de terras

concedidas em sesmaria encontra-se atestado, o que assegura "alguma"

contemporaneidade das duas formas de aquisição. Em termos de princípio, as terras para

serem vendidas teriam de se encontrar aproveitadas e, ao que parecia, passado o período

dos cinco anos. Mas esta não é sempre a situação detectada nas fontes.

Um exemplo é a terra dada conjuntamente a Rodrigo Chamorro e Afonso Eanes

"o Grande", em Agosto de 1486. Por renúncia do segundo, o primeiro recebeu outra

carta no ano de 1488, do mesmo espaço que se diz estar em matos maninhos183. Nesse
ano vendeu-o a João de Ornelas, que o adquiriu por seu filho Diogo de Teive (Ferreira).

Aquele, por sua vez, tornou a vendê-lo em Maio de 1490 a Pedro de Barcelos que acaba

a recebê-lo em sesmaria, primeiro em Outubro de 1490 e depois em Abril de 1495184.

Não temos dúvidas de que se trata da mesma terra sita à Casa da Salga, na Ribeira da

Lapa, embora saibamos a carta de 1490 salvaguardar a Fajã da Casa da Salga e o biscoito

que vinha de cima dela, para baixo, pertencentes a João de Ornelas185.

Mas podemos invocar mais casos: a terra na Silveira concedida em sesmaria a

Afonso Gonçalves escudeiro e Inês Álvares, não datada, vendida a João de Lamego em

1497 ainda em matos, depois objecto de cartas de 1502 e de 1504186 e a dada nas

Catorze Ribeiras a Pedro Anes Sancho, de 4 de Maio de 1504 (de terra que se diz

possuir desde 1493), vendida a João Afonso das Cunhas, escrivão do almoxarifado, em

21 de Março de 1509, terra parte arroteada e parte ainda em matos187.

183 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 20-21.


184 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 19vº-21.
185 AA, XII, p. 370 (BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 20).
186 TPAC, docs., 33 e 32, pp. 109-112. Para melhor compreensão da evolução, em termos de posse,
desta propriedade cfr., no mesmo lugar, os docs. 30 a 35, pp. 102-112.
187 TPAC, doc. 39, pp. 121-123.

155
Estas ocorrências, entre outras que poderíamos referenciar188, testemunham-nos
a venda de sesmarias, ao que parece até das terras por explorar e antes de cumpridos os

cinco anos. Para mais, saliente-se como os compradores continuam a ser concessionários

do mesmo regime, ou pela renovação da dada ou pela explicitação de venda com as

comdijcoes da dijta carta189, sem garantirem a salvaguarda da compra/venda no caso de

tyrando(-)lha (ao comprador) ho senhor a terra polla nom aprouejtar190. Ora, isto

merece dois comentários de diferente índole.

O primeiro vai no sentido de alertar para o facto de que a renovação da dada,

noutro beneficiado, pode não ter origem na natural e regimentada expropriação por falta

de cumprimento das condições acordadas, mas é possível decorrer de um processo de

compra e venda entre e o anterior e o agora beneficiado. Tal funcionaria como um

expediente hábil de garantia do benefício por parte do segundo concessionário e de uma

forma do primeiro tirar algum proveito de ter sido primeiro proprietário, ocorrência que

no conspecto da regimentação merece sérias reservas. Naturalmente que estes casos

ocorreriam com o beneplácito dos capitães, o que desde já perspectiva uma realidade que

não atinge, nem todos, nem todas as circunstâncias.

Em segundo lugar, o aspecto da atribuição de nova carta, a quem adquire uma

terra nestas condições, comprova como o regime das sesmarias acabava por definir, ele

sim e nos primeiros tempos, a posse legítima. Este aspecto vem reforçar a ideia do

mecanismo de compra e venda, enquanto impera o regime das sesmarias (até c. de 1515),

não só integrar-se incidentemente num segundo momento cronológico dos modos de

aquisição da terra, mas também subordinar-se ao regime das sesmarias.

Para mais, avançando na análise das nossas escrituras de compra e venda, teçam-

se alguns considerandos sobre as formas de pagamento, os motivos das alienações e

alguns aspectos do normativo jurídico invocado.

188 Um deles é o da terra do Porto da Cruz, vizinha desta, que já tivemos oportunidade de estudar. Rute
Dias Gregório — A dinâmica da propriedade…; também em Uma exploração agro-pecuária….
189 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº 230 (1483). Também com remissão para cartas de semaria,
cfr. TPAC, doc. 4, pp. 54-56 (1506)
190 TPAC, doc. 33, p. 110 (1497).

156
Quanto às primeiras, destaque-se que os pagamentos em dinheiro são os mais

frequentes, determinando 59% das aquisições documentadas neste conspecto. Além

disso, a moeda ainda complementa outras formas de pagamento, surgindo associada,

entre outros, ao saldar de dívidas e contas (13%) e a géneros/bens (11%).

GRÁFICO V

FORMAS DOS PAGAMENTOS

2% 4% Gén/Bens
13% 11%
Gén/Bens e Dinheiro
2% 2% Gén/Bens, Dinh. e Obrig.
7%
Dinheiro

Sald. de Dívidas e Contas

Bens e Sald. de Dívidas

Dívidas, Contas e
Dinheiro
59% Bens, Dinheiro e Dívidas

Para além da moeda, o recurso singular a um só meio de pagamento apenas

acontece relativamente aos géneros/bens, nos quais se destacam gado e trigo. No

primeiro caso está uma aquisição de 1483 (por dois bois)191 e, no segundo, outra de

1504192. De qualquer modo, nas outras formas de embolso "mistas", continua a registar-

se o trigo193 e menos o gado194. Outro tipo de bens que emerge são os imóveis, fazendo-

nos vislumbrar uma quase permuta, que não o é em sentido absoluto porquanto envolve

191 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº 230. Documento 1, transcrito nos apêndices. Para o lado
norte Faial também encontrámos uma aquisição, de terra sita ao Ribeiro Seco e em Dezembro de 1487,
por oito porcos. TPAC, doc. 47, pp. 132-133.
192 BPARPD. FEC: CPPAC,, nº 1, fls. 16-16vº.
193 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 38 (1515); vol. II, nº 66 (1520); vol. III, nº 75 (1525); vol.
II, nº 64 (1534); vol. V, nº 149 (1547).
194 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 75 (1525); vol. III, nº 69 (1525).

157
remuneração complementar, geralmente dinheiro. Em 1505, certa terra é paga por um

cerrado com casa no Fanal, outra casa e chãos em Angra e 27$000 em dinheiro195; em
1509, uma propriedade, entre o mais, é-o por casas palhaças sitas atrás da igreja do

Salvador (Angra)196 e em 1520 a transação é parcialmente paga com o arrendamento de

terra e criação do comprador197.

Já as dívidas e o saldar de contas diversas também se detectam198. Entre elas,

várias situações particulares chamam a nossa atenção, porquanto a forma do pagamento

traduz a possível razão da venda: o endividamento. Não tomámos todos os casos em que

parte do preço dos imóveis salda contas e quantias devidas, mas apenas aqueles em que

tais obrigações se afiguram determinantes. Por escrituras de alienação de imóveis, Pero

Fernandes e sua mulher acertavam contas com os filhos dela e de um primeiro

casamento. Joana Gonçalves saldava dívidas do marido, inclusive da tutoria de que

esteve encarregado199 e João Álvares Batista via cumprir suas obrigações, em cerca de

metade do valor definido para a venda200. Fernão Afonso recebia 9$000 dos 45$000

acordados, porquanto tudo o mais foi pago em dívidas. Catarina Valadão, confessando

não ter outro modo de pagar a dívida do marido (19$945), vende pedaço de terra herdado

do pai, por 16$000. Miguel de Aboim ficou sem dever 30$000 ao carniceiro Simão

Martins, mas do preço de sua terra apenas recebeu 5$000. Roque Homem, e da

propriedade vendida por 100$000, apenas pretendia a possível quantia que restasse, se a

houvesse. João de Barcelos recebia, pela transação acordada em 50$000, menos 29$000

que eram do cumprimento de uma venda a retro, esta significativa só por si201.

Mas outras mais situações podiam verificar-se, como é o caso de Filipa Escobar,

recém viúva e com filhos menores, que vende, em diferentes tempos, dois pedaços da

195 TPAC, doc. 1, pp. 49-52.


196 TPAC, doc. 39, pp. 121-123.
197 Avaliado em 60$000, por seis anos. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. II, nº 66.
198 Vide a propósito, no contexto das operações creditícias, o que dizemos no ponto 2.3 do capítulo IV.
199 Respectivamente, BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 266, nº 10, fls. 12 e 40-40vº.
200 70$750 dos 146$000 acordados. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. II, nº 62
201 Respectivamente, BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 130, nº 13, fls. 1-2vº; BPARPD. FEC:
MCMCC, vol. III, nº 84, 5º doc., fls. 8-9; e 3º doc., fls. 6vº-7“ BPARAH. Famílias: CCP, mç. 5, nº 4;
BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 130, fls. 2vº-3; e vol. V, nº 129.

158
sua terra nas Lajes202 e, claramente, a venda em hasta pública do assento de casas e terra
com pomar, pertencentes ao falecido Pedro Gonçalves de Antona, para pagamento de

dívida à fazenda203.

Isto significa que pelo menos 21,7% das compras e vendas documentadas quanto

à forma de pagamento, no total de quarenta e seis, pressupõem um embolso

caracterizado pelo saldar de dívidas ou visando explicitamente a intenção204 . Tal

proporciona referências relativas ao nível do endividamento dos proprietários e, em

simultâneo, comprovam-nos como esta situação conduz à alienação forçada da terra205.

Mas entre as mais motivações da venda, geralmente omissas, registem-se ainda o

proveito próprio206, a distância em relação à residência207 e os serviços recebidos e/ou

que se esperavam no futuro208. Se as primeiras atestam interesses de índole económica,

individual, organizacionais e de gestão, a última torna-se emblemática porquanto "separa

as águas" entre transações de eminente carácter económico e aquelas que são regidas por

princípios mais de foro pessoal e afectivo209.

Constatando-se que as transações documentadas pelas respectivas escrituras se

referem a terra forra, isenta e de dízimo a Deus e que nos mesmo termos são

vendidas210, a verdade é que outros embaraços caucionam o respectivo aquerimento e

202 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 161, nº 21, fls. 1-3vº.


203 BPARAH. Monásticos: CEA, lº 7, fl. 971.
204 Segundo Ramón Villares, no quadro a dificuldade de apuramento das motivações que levam à venda
da terra, o endividamento será o mais representado nas fontes agrárias europeias. Cfr. do autor cit., La
propriedad de la tierra en Galicia: 1500-1936. Madrid: Siglo Veintiuno de España Editores, 1982, pp.
102-103.
205 A este propósito e na área de Santander, Cantábria, vide Jesus Angel Solórzano Telechea —
Santander en la Edad Media: patrimonio, parentesco y poder. Prólogo de Beatriz Arízaga Bolumbru.
Santander: Servicio de Publicaciones de la Universidad de Cantabria / Ayuntamento de Torrelavega,
2002, pp. 42-55. Aqui o mercado de terras, formado por finais do século XIV e atingindo o seu auge no
segundo quartel do século XV, explica-se por "estratégias de reprodução social de certas famílias e pelo
endividamento campesino" [tradução nossa].
206 Por ssyntyrem que era seu proueyto ou por lhes vir muito em proveito, nas duas situações
tencionando adquirir outra propriedade, mais próxima da respectiva área de residência, ou onde tinham
outra terra. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 69; vol. II, nº 64.
207 Explicitamente, quando se diz que ficava fora de mãao da vjvenda deles vendedores. Nas entrelinhas,
quando herdeiros vimaranenses vendem herdade e casas sitas em Angra. Respectivamente, BPARPD.
FEC: MCMCC, vol. III, nº 75 e TPAC, doc. 27, pp. 97-99
208 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 20 e nº 38; TPAC, doc. 39, pp. 121-123.
209 Remetendo para a respectiva literatura, sobre estas questões já tivemos oportunidade de nos debruçar
em Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, pp 148-157 e passim.
210 Por exemplo, sendo vendidas nos termos das dadas, explicitando-se a condição da terra, abdicando-
se de qualquer direito de posse e domínio sobre a mesma e não referindo qualquer condição de foro e

159
obstam à formação de um mercado de terras no sentido mais pleno211. Um deles, o
principal, tem a ver com a formação do preço das terras. Amiúde se reconhece o maior

valor da terra, relativamente ao acordado na transação e renuncia-se à lei do justo preço

ou à lei da metade do justo preço212.

Pelas Ordenações Afonsinas são protegidos vendedores e compradores da

possibilidade de serem enganados no valor da transação, não permitindo que

recebessem/pagassem menos/mais de metade do que era justo e garantindo-lhes o direito

de virem a renegociar o acordo213. De qualquer forma, ao renunciarem à dita lei, os

envolvidos sujeitavam-se à inalterabilidade do contrato, aceitando incondicionalmente o

preço definido. Para mais, a subsequente doação da mais valia dos bens em causa ao

comprador 214, que definitivamente exclui a aplicabilidade da dita lei, enquandra-se

claramente num espírito que serve mais intuitos pessoais e subjectivos do que outros.

De qualquer modo, registe-se a existência de alguma margem para em alguns casos se

afirmar que aquele era o direjto e justo preço que as terras valyam ao tenpo215.

Ainda ao nível da defesa dos contraentes, sem pretendermos ser exaustivos na

matéria, destaque-se outra lei invocada na nossa documentação. É ela a Lei do Veleiano

que as fontes descrevem como em fauor das molheres, ou que socore as veuvas216

sujeição. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº 230; vol. II, nº 57; vol. II, nº 57A; vol. II, nº 62; vol.
II, nº 64; vol. III, nº 69; vol. V, nº 130; TPAC, doc. 33, pp. 109-110; doc. 4, pp. 54-56; BPARAH.
Famílias: CCP, mç. 5, nº4; mç. 5, nº 9, fl.1.
211 Este será determinado por intercâmbios de cariz económico e, enquanto conceito, não pode ser
aplicado às épocas medieval, tardo-medieval e moderna. Segundo Reyna Pastor, o "mercado de terras"
destes tempos resulta de factores pessoais, comunitários, sociais e sócio-políticos, pelo que a
determinante economicista e individualista não têm o peso nem a importância de épocas bem posteriores.
Por isso, a autora defende que não se pode falar em "mercado pleno". Cfr. Reyna Pastor — El mercado
de la tierra en la Edad Media e Moderna. Un concepto en revisión — Presentación. Hispania: Revista
Española de História. Vol. LV: nº 191 (1995) 817-819; Antoni Furió — El mercado de la tierra en el
País Valenciaon a finales de la Edad Media. Hispania: Revista Española de História. Vol. LV: nº 191
(1995) 817-819. Sobre a origem da discussão da existência ou não de mercado de terras, nas épocas tardo-
medievais e pré-capitalistas, vide Jesus Angel Solórzano Telechea — Santander en la Edad Media…,
pp. 41-55.
212 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 15-15vº; fls. 16-16vº; MCMCC, vol. I, nº 20; vol. II, nº 57;
vol. II, nº 57A; vol. II, nº 62; vol. II, nº 66, 1º doc; TPAC, doc. 3, pp. 53-54; doc. 4, pp. 54-56; doc.
39, pp. 121-123; doc. 27, pp. 97-98; BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 161, nº 21, fls. 1-3vº.
213 Cfr. Ordenações Afonsinas…, lº IV, tít. XXXXV, pp. 167-170.
214 TPAC, doc. 33, pp. 109-110 (1497); doc. 3, pp. 53-54 (1506); doc. 4, pp. 54-56 (1506); doc. 27,
pp. 97-99 (1509); BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 15-16vº (1501 e 1504); MCMCC, vol. I, nº 20
(1507); nº 38 (1515); vol. II, nº 57A (1519); nº 66, 1º doc. (1520).
215 TPAC, doc. 37, pp. 115-120; docs. 30 e 31, pp. 102-106.
216 TPAC, doc. 27, pp. 97-99 (1509); BPARPD. FEC: MCMCC, vol. II, nº 57 (1519); BPARAH.
Judiciais: AAAH, mç. 161, nº 21, fls. 1-3vº (1527). Encontramo-la invocada nas escrituras de compra

160
contra o que as Ordenações designam por fraqueza do entender do género feminino, mas

também da qual excluem múltiplas situações217. Aliás, a condição das mulheres neste
tipo de contratos, a merecer um estudo mais aprofundado, também ecoa noutro tipo de

preceitos. O primeiro é aquele que obriga à respectiva participação nas transações

levadas a cabo pelo marido218, que em certas escrituras obriga ao juramentar e inquirir a

mulher a respeito219 e que pode conduzir ao ritual do cônjuge ter de abandonar o local

onde decorre o contrato220 . O segundo conduz-nos a uma outra prática, pouco

documentada, a do pagamento de çoquos e reuora, ou vice-versa, também designado por

Reuora de çoquos221.

Baseados em Gama Barros, sabemos que o pagamento da rébora nos actos de

compra não é prática generalizada, nem essencial, mas encontra exemplos recorrrentes

nos séculos XIII e XIV, não sendo raridade ainda no século XV. Segundo o mesmo

autor, constitui uma espécie de gratificação a quem vende, expressão do acordo mútuo,

que também aparece noutros tipos de contratos como as doações. Terá caído em desuso

no século XVI222 , mas a verdade é que na Terceira e no Faial encontramo-la bem

documentada, precisamente em escrituras deste período — referentes a imóveis tanto

urbanos como rurais —, entre os anos de 1502 e de 1515223 e, portanto, de inícios de

quinhentos.

O que mais nos intrigou nesta pesquisa, foi o facto de ser invocada como dizendo

respeito às mulheres dos vendedores. Beatriz Eanes, Margarida Fernandes e Isabel

referidas, mas igualmente na aprovação do testamento de Henrique Homem, menor de idade, o qual
obtém autorização da progenitora para dispor de seus bens a favor da irmã. A mãe, que deixaria de ser
herdeira, tudo confirma dizendo renunciar a lej do valljano em fauor das viuuas. BPARAH. Paroquiais:
TSCP, lº 1, fls. 154-154vº.
217 Ordenações Manuelinas…, lº IV, pp. 34-38.
218 Ordenações Afonsinas…, lº IV, tít. XI, pp. 72-75 e Ordenações Manuelinas…, lº IV, tít. VI, pp.
18-23.
219 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 69, 6º doc. (1525); vol. III, nº 75 (1525).
220 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 75 (1525).
221 TPAC, doc. 56, p. 144.
222 Henrique da Gama Barros — História da administração pública…, t. VI, pp. 239-245. Para mais,
vide Iria Gonçalves — Rebora ou Robora. In Dicionário de História de Portugal…, vol. V, p. 240.
223 TPAC, docs. 19 (1508), 22 (1502), 26 (1511, Guimarães), 30 (1510), 37 (1510), 39 (1509), 45
(1506, Faial), 54 (1506, Faial), 55 (1511, Faial), 56 (1505, Faial) e 61 (1511, Faial), pp. 85, 88, 95,
103, 118, 123, 130, 140, 142, 144 e 152; BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 38 (1515).

161
Rodrigues dão-se por satisfeitas de sua Reuora e çoquos224. A Inês Fernandes e Leonor
Rodrigues aquela vem-lhes por djreito225 e em certo preço acordado entrou rébora e

socos de Guiomar Esteves, mulher do vendedor226. É, pois, nestes termos, que o pecúlio

surge referido, nos casos comprovando tratar-se de um "donativo" concedido à dama do

contrato.

Como a última expressão documental ainda nos mostra, o valor da rébora aparece

quase sempre integrado no preço global do bem contratado, mas há dois casos em que

ocorre uma divisão entre o principall he socos e Rebora227. Numa, a referida estabelece-

se pelo valor de 1$000 totalizando o preço em 18$000228. Noutra, aquela salda-se por

quatro varas de pano para uma fraldilha, uma vara e meia para um sainho, umas sapatas

e uma beatilha229. Se a fraldilha era comum no vestuário de homens e mulheres da

segunda metade do século XIV e do século XV230, o mesmo parece acontecer com o

sainho, mas não com a beatilha, como veremos no capítulo seguinte231. Conjugando-se

esta composição da rébora ao enunciado "direito" da mulher, talvez estejamos nas

primícias de uma nova definição/abordagem do conceito.

Serviu toda esta abordagem para mostrar-nos como os contraentes estavam

salvaguardados por lei, do engano ou prejuízo, à qual recorrentemente renunciavam em

nome de "doações" da mais valia e dos serviços e boas obras recebidos. Que margem se

abria, nesta actuação, a processos menos legítimos de apropriação dos imóveis? Até que

ponto, por trás destas transações e renúncias, estariam outro tipo de pressões, não

assumidas, mais de carácter social e político? Esta é questão para uma tentativa de

abordagem.

224 TPAC, docs. 19, 30 e 39, pp. 85, 105 e 123.


225 TPAC, docs. 22 e 45, pp. 88, 130.
226 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 38.
227 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 38.
228 TPAC, doc. 30, p. 103.
229 TPAC, doc. 1, p. 50.
230 A. H. de Oliveira Marques — O traje. In A. H. de O. Marques — A sociedade medieval…, pp. 35 e
51.
231 Vide pp. 205 e 207.

162
1.3. As usurpações

Por um processo de compra e venda, teoricamente, comprador e vendedor

concertam os respectivos interesses, cabendo a cada qual uma parte de valor idêntico.

Em termos economicistas, não o diríamos de uma transação cujo preço do bem se

reconhece não corresponder à respectiva valia. De qualquer modo, a invocação dos bons

serviços, da amizade, do bem querer, relativos ao comprador/beneficiado, traduz

elementos de valoração que nos escapam, em favor do vendedor do imóvel, os quais

entram nos requisitos do contrato e fazem-nos pelo menos perspectivar um sentido de

"justiça".

De qualquer modo, não podemos garantir, de todo, quão pressionados podem

ser, ou não, os alienadores das terras. Neste concernente, os testamentos de eventuais

aquiridores, para além da genérica penitência dos pecados e injustiças cometidos, podem

trazer algumas pistas.

Em 1518, Nuno Homem referia ter "comprado" terra a certo homem, o qual por

sua morte devia ser satisfeito em 3$000. No entanto, se o vendedor afirmasse que do

prensipio nam ouve a venda por feita, a terra dever-lhe-ia ser devolvida232. Ora, isto
desperta-nos para o facto de que, à partida, o dito vendedor não estaria exactamente

concordante com a transação. Mais, João Lopes da Irarregua (1539, conhecido por

"Biscainho") manda pagar certos reais pela compra de um cerrado, porquanto sentia em

sua conçiencia ser em carguo delles233. Tal também nos comprova, num "estilo" bem

diverso daquele que contempla pagamentos por dívida, como outras irregularidades,

nomeadamente na determinação dos preços, poderiam ocorrer.

Mas talvez a situação mais concludente, quanto às pressões sobre os

"vendedores", seja vivida por Catarina Rodrigues, a coelha, que reconhece ter feito

escrituras de compra e venda por conluijo e Escritura desimulada a seus filhos, Salvador

e Baltasar Coelho. Entre elas, ressalta aquela por que alienara dois moios de terra, pelos

232 BPARAH. Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 136-140vº.


233 BPARAH. CIM: THSEA, fls. 221vº-225vº.

163
quais Salvador justificou dinheiro em falta da tutoria de seu irmão Bartolomeu. A

proposta partira do dito filho, justificando-se a mãe: E sendo elle meu filho, E doendome

de o aVexarem e lhe darem fadigas pello Dinheiro do orfão lhe fis aquella escritura234.
As "pressões" foram, aqui, de carácter emocional mas, por injustiçarem as legítimas dos

outros filhos, ela atestava-o em testamento (1521).

Em todos estes casos, convenhamos, de forma mais ou menos escusa criavam-se

as condições para uma verdadeira usurpação, se não dos imóveis, pelo menos de parte

deles e do respectivo valor. De qualquer modo, neste âmbito, outras situações

encontram-se ainda melhor documentadas, principalmente de tomada de terras, ou de

parte delas, perpetradas por vizinhos poderosos.

Em trabalho anterior, tivemos oportunidade de salientar casos atestadores destas

ocorrências, envolvendo figuras como João Álvares Neto (ouvidor do capitão e

almoxarife), Pero de Góis (genro e cunhado, respectivamente, do 1º e 2º capitão de

Angra), Pero Anes do Canto (escrivão da visitadoria, depois provedor das armadas),

Vasco Anes Corte Real (2º capitão de Angra) e Gonçalo Álvares Pamplona (mercador,

cidadão do Porto), todos eles suficientemente proeminentes para verem garantidos os

seus direitos e concertando-se com benefícios para ambas as partes235.

Para além deles, outras situações, estas de final bastante insatisfatório para uma

das partes, ocorreram com João Leonardes e com Pedro de Barcelos. Em ambas, os

lesados queixam-se de lhes serem tomadas terras indevidamente, o primeiro pelo capitão

João Vaz Corte Real e o segundo por João Valadão. Se no caso de Leonardes a sentença

acabou por ser favorável aos herdeiros236, diz a tradição que nunca foi cumprida237. Já a

ocorrida com Pero de Barcelos é bem menos conhecida, mas podemos adiantar que, por

234 BPARAH. Monásticos: TSFA, fl. 85.


235 Esta concertação traduz-se em acordos celebrados, mesmo quando a sentença do Desembargo dava
razão a uma das partes. Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 237 e ss; Humberto
Baquero Moreno — Alguns aspectos do povoamento dos Açores. Uma contenda na Ilha Terceira.
Revista de Ciências Históricas. Vol. X (1995) 111-124.
236 Cfr. a já muito referida sentença constante em Frei Diogo das Chagas — Espelho…, pp. 652-658.
237 Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 327 e o Pe. Manuel Luís Maldonado — Fenix…, vol. I, p.
87 e vol. III, p. 16, que retoma as informações do anterior cronista.

164
1506, demandava Gonçalo Álvares Pamplona pelas terras Fajã da Casa da Salga238. Ora,
esta terra teria sido antes tomada por João Valadão e filhos239, expulsando a jente do

navegador, nos três anos em que esteve ausente nas descobertas, com João Fernandes

Lavrador240.

Aliás, neste contexto e mais no âmbito de processos que nunca foram levantados

por manifesta impossibilidade dos lesados, relembre-se o foro e sujeição de um curral

que o juiz Heitor Álvares impôs sobre Pero Álvares, homem proue e jnorante, ao ver

gorada sua intenção de compra da terra pelas Ordenações régias241. Para mais, as notas

que Pero Anes do Canto deixa sobre a posse de Fernão Vaz, relativamente a certa

propriedade da Silveira, são também bastante elucidativas. Este tomara-a de Diogo Pires

da Ribeirinha, um dos primeiros concessionário na área, invocando o não cumprimento

do prazo das sesmarias. Mas a verdade seria, segundo o primeiro provedor das armadas,

porque, na condição de seismejro242, creceo(-)lhe A cubiça da tera243 e por o anterior

concessionário ser proue e não ter com que se defemder244. Mas não ficara por aqui, o

amo do capitão Vasco Anes Corte Real. Ainda obrigara João de Lamego a aceitar a sua

terra apenas com 100 braças de largura, sendo ela de 120 —o qual ele aceitou com medo

238 Em 1506, no pleito com André Arno e outros, pelos biscoitos da Casa da Salga, Pamplona
invocava sentenças que tinha contra Pedro de Barcelos, decorrendo ainda a demanda. A outra parte, em
nome de André Arno, mandava que ele as guardasse pois que as terras em causa se afyrma serem suas [de
Pedro de Barcelos] majs do que do dito gonçalo allurez pero no fim da demanda se vera (BPARPD.
FEC: CPPAC, fl. 7vº). Os conflitos dos Barcelos por terra que toma a mesma fajã por referência, não
findarão aqui. O filho de Pedro de Barcelos, em data não apurada mas até à década seguinte, também se
envolvia num feito com João Álvares, irmão de Heitor Álvares. Sabemos isto, porque Pero Anes do
Canto intitula certos documentos que transcreve na sequência do feito entre Gonçalo Álvares Pamplona,
Arno e outros (na qual se integra a resposta de Pedro de Barcelos publicada no AA, XII, p. 369): estes
trellados tyrey na jlha do feyto que ho filho de pero de barcellos trazya na jlha com joham allurez
jrmao de eytor allurez. BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 19vº.
239 Parte dela vendida a Gonçalo Álvares Pamplona. Como atrás deixámos referenciado. Vide nt. 126.
240 AA, vol. XII, p. 369, da BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 9.
241 TPAC, doc. 1, p. 51. Vide, também, Ordenações Afonsinas…, lº I, tít. LXI, pp. 216-217 e
Ordenações Manuelinas…, lº IV, tít. XXXVIII, pp. 94-96.
242 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 141, fls. 7 e 8. Este é o único documento, por nós
conhecido, onde encontramos a designação "sesmeiro" atribuída ao concessor das sesmarias. Como se
sabe, tal era o termo mais comum na documentação portuguesa dos séculos XIV e XV. A invulgar
expressão nas ilhas explica-se aqui, porquanto Fernão Vaz, depois de ser almoxarife, teve incumbência
das dadas com o plenipotente João Álvares Neto e apenas com o designativo de amo do vedor. Fora,
assim, ou nomeado pelo próprio capitão, ou pelo seu ouvidor, nestas incumbências específicas. Cfr. nt.
31.
243 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 141, fl. 8.
244 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 141, fls. 7vº-8.

165
de lhe o dito fernão Vaaz tomar ha sua herdade— e o mesmo podia ter feito a Pero

Anes do Pombal, com cuja propriedade a terra também confrontava245.


Todas estas situações mostram-nos, independentemente de eventuais intenções,

processos, justificações e instrumentos legais, nos quais se acabam por fundamentar,

como a apropriação de terras, já pertencentes a outrem, poderia constituir mecanismo de

formação dos patrimónios, naturalmente para os mais poderosos. É óbvio que não se

assumiria nessa condição, sendo antes legitimada por documentos oficiais de índole

diversa, como escrituras de compra e cartas de sesmaria. Por tal motivo, não havendo

outras fontes que o possam aduzir, é sempre difícil contabilizar ou definir o verdadeiro

lugar destas acções na constituição das diversas fortunas. Com base nos dados

disponíveis, também não é legítimo afirmar que as riquezas imobiliárias foram sendo

forjadas por processos violentos e/ou constrangedores dos direitos de antigos

proprietários. De qualquer modo, os indícios parecem-nos suficientes para atestar tais

práticas e/ou tentativas e contemplá-las como mecanismos da realidade concreta.

1.4. Heranças, legados, dotes e doações

Iniciando-se a concessão das sesmarias e apropriando-se os homens das terras,

estas entram então em várias dinâmicas de circulação e transmissão, das quais atrás

analisámos algumas modalidades (compras e usurpações). No quadro da ilha e respectivo

povoamento, dotes, doações, legados e heranças também constituiram um segundo

momento dos processos de aquisição, naturalmente em crescendo de frequência no

quadro das segundas gerações de habitantes246.

Entre esta vasta gama de formas de obtenção dos bens, as heranças são as

melhores documentadas, quer pelos testamentos, como pelos autos de partilhas e de

245 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 141, fls. 8vº-9.


246 Claro está que aqui urge salvaguardar aqueles bens que, fora da Terceira, no continente ou qualquer
outro ponto de origem, os primeiros povoadores haviam recebido por idênticos processos. Aliás, no
primeiro capítulo e visando objectivo distinto, registámos as legítimas e os bens dos habitantes da ilha,
localizados no Portugal continental e até noutras áreas. De qualquer modo, a ideia expressa por Pero Anes
do Canto, com que abrimos este capítulo, permanece como ponto de referência: a grande maioria dos
homens da ilha viera em busca da fazenda que não tinha. Vide p. 123.

166
contas de órfãos. Os filhos legítimos e também os progenitores no caso de filhos e netos

não existirem, de acordo com o regime sucessório da época247 , são naturalmente


herdeiros. Na situação de inexistência de herdeiros "forçados", aparecem designados

cônjuges248, sobrinhos249, irmãos250, um tutor/curador251 e "a alma"252.

É de registar quão raras vezes surgem, nos testamentos, referências à

posse/administração de bens vinculados253. João Martins Merens administra a capela de

Pero Adão em 1518 e a terça de sua mulher no ano de 1531254; entre 1535 e 1546, Pedro

Dias é administrador de uma casa e capela de missas de seu cunhado, Diogo Dias255; por

1539, a Misericórdia da Praia exerce idênticas incumbências relativamente à capela erecta

e instituída por Leonor Fernandes e Vasco Lourenço Coelho, tal como Paulo Ferreira o é

no tocante à terça do pai256; Gonçalo Ferreira administra, em 1547, a capela de S. João

Batista, mandada eregir e instituída por sua irmã Maria de Ornelas, mas também a terça

de Isabel de Ornelas257; Rui Cardoso Evangelho, filho de Nuno Cardoso, é administrador

247 Cfr. Ordenações Afonsinas…, lº IV, pp. 357-369, 371-372; Ordenações Manuelinas…, lº IV, pp.
178-195; Henrique da Gama Barros — História da administração pública em Portugal nos séculos XII a
XV. 2ª edição, dirigida por Torquato de Sousa Soares. Lisboa: Livraria Sá da Costa editora, pp. 392-409,
515 e 522-523. Para mais esclarecimentos, de índole jurídica e técnica, vide Inocêncio Galvão Telles —
Apontamentos para a História do direito das sucessões português. Lisboa: Universidade de Lisboa,
1963. [Sep. da Revista da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, vol. XV].
248 Cfr. BPARAH. CIM: TMP, fls. 51-52vº (1519); THSEA, fls. 277-280 (1529); fls. 332-332vº
(1534); fls. 215-217 (1536); Judiciais: AAAH, mç. 394, nº 1, fls. 3-17 (1540); mç. 113, nº 20, fls. 2-5vº
(1542); TSCP, lº 1, fls. 170vº-176.
249 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 62, nº 13 (1513); mç. 146, nº 17 (1542); Monásticos: TSFA, fls.
38-39 (1531). Vide nt. infra.
250 BPARAH. CIM: TMP, fls. 70-71vº (1517) e fl.s 216vº (1525). E irmãos conjuntamente com
sobrinhos, TSEVN, pp. 487-493 e 504-506 (1547). Não obstante, o deserdar destes colaterais e mais
parentes é também comum. BPARAH. CIM: THSEA, fls. 187-189 (1528); fls. 174-174vº (1530); TMP,
fls. 106-110vº (1550).
251 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fls. 19vº-21vº (1542).
252 BPARAH. CIM: THSEA, fls. 187-189 (1528); fls. 174-174vº (1530).
253 Para S. Miguel, José Damião Rodrigues também constata o número restrito de vínculos em finais de
quatrocentos e início de quinhentos. De qualquer modo, ressalva o aumento progressivo dos mesmos, na
primeira metade do século XVI. Cfr., do autor citado, Nobrezas locais e apropriação do espaço: a
vinculação em S. Miguel no reinado de D. Manuel. [Guimarães]: Câmara Municipal, 2004, pp. 443-444.
Separata das Actas do III Congresso Histórico de Guimarães: D. Manuel e a sua época, de 24 a 27 de
Outubro de 2001, vol. III.
254 Testamentos publicados por Valdemar Mota, no BIHIT. Nº 42 (1984) 347-386, a partir das cópias
do TSFA. Também, e cópias do século XVI, em CJF: AQM.
255 A quem sucede o Hospital de Santo Espírito de Angra, por incumprimento do dito Pedro Dias.
BPARAH. CIM: THSEA, fls. 281-284.
256 Respectivamente, BPARAH. CIM: TMP, fls. 131vº-134; Judiciais: AAAH, mç. 87, nº 2, fls. 248-
257vº.
257 BPARAH. Famílias: CMD, mç. 1, doc. 11.

167
da terça de seu pai, em 1548 e, por 1550, Pero Anes o Amo é-o da metade e terça de sua

mulher258.
Nenhum se dá, contudo, por obrigado a anexar a respectiva terça, ou parte dela.

Todos a têm por quota plenamente disponível259 . De qualquer modo, é óbvio que

outros poderiam exercer idênticas incumbências e obrigações, omissas na nossa

documentação. Mesmo assim, saliente-se que entre cento e sessenta testamentos260, até

ao ano 1550, apenas 4,4% (sete) apontam testadores/administradores de vínculos. Por

oposição, praticamente todos instituem capelas, principalmente de missas e obras pias e

mais raramente morgadios261, anexando para tal suas terças ou parte delas. Os nossos

testadores são, por isso e antes de mais, vinculadores de património, várias vezes numa

quota parte inferior àquela que podiam disponibilizar por direito262. Estamos, portanto,

numa fase em que boa parte dos imóveis está livre das amarras vinculares, neles

sucedendo primeiramente os descendentes directos e em termos jurídicos idênticos aos

dos anteriores possuidores.

Quanto às demais modalidades referidas neste título, a respectiva presença nos

documentos varia bastante, cabendo aos legados a maior representatividade (50%) e às

doações a menor (19%). Entre estas, destaquemos apenas quatro em vida do doador

(Gráfico VI)263.

258 Respectivamente BPARAH. Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 146vº-150vº; CIM: THSEA, fls. 242vº-
244vº.
259 O que não acontecerá já com alguns, muito poucos, administradores dos bens que, por seu lado, irão
estes testadores vincular.
260 Ainda detectados neste lapso cronológico, mas não fichados por impossibilidade física —
inacessibilidade conjuntural — ficaram os testamentos de: Maria Gil (1520), João Mendes (1534),
Catarina Gonçalves (1537), Álvaro Dinis e Catarina Álvares (1540), Filipe Anes (1541), Isabel Lourenço
(1544). BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 274, nº 3; mç. 226, nº 25; mç. 282, nº 15; mç. 225, nº 16;
mç. 291, nº 19; mç. 264, nº 31.
261 O termo morgado, apenas nos surge doze vezes, todos instituídos pelas respectivas cédulas de
testamento, entre os quais três pela de Pero Anes do Canto. Entre elas, só cinco emergem na
documentação até 1550 e uma diz respeito ao do capitão Vasco Anes Corte Real, em termos patrimoniais
dividido entre Lisboa e a capitania de Angra e S. Jorge. Dos testamentos até 1550, vide os nºs. 45 e 48
dos apêndices, a que se juntam os três determinados pelo primeiro provedor das armadas, por cedula de
1543.
262 Vide, entre outros, os testamentos nº. 38, 42, 62, 65 e 72. Também há casos de vínculos por tempo
curto (nº. 56), em que a terça deve ser avaliada em dinheiro, para as terras ficarem aos filhos (nº. 11), ou
se prescreve o benefício do rendimento para a prole até esta atingir 25 anos (nº. 19), entre as mais
situações particulares passíveis de detectar.
263 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 177, nº 1, fls. 105-106; CIM: THSEA, fls. 245-250vº e 306-
307vº; TPAC, doc. 23, pp. 89-91.

168
GRÁFICO VI

REPRESENTAÇÃO NAS FONTES

DE DOTES, DOAÇÕES E LEGADOS

19%

Legados

Dotes
50%
Doações

31%

No tocante ao objecto de concessão (Gráfico VII), só no caso dos legados os bens

móveis, e/ou outros rendimentos, ultrapassam os dos imóveis, havendo ainda uma boa

percentagem para a conjugação dos dois tipos. As doações, na sua maioria, são

claramente compostas por imóveis e os dotes tendem a ser constituídos por bens

imóveis conjugados com outros.

GRÁFICO VII

OBJECTO DE DOAÇÃO, DOTE E LEGADO

30

25 móveis e outros
imóveis
20 ambos
15

10

5 ambos
imóveis
0
móveis e outros
Legados
Dotes Doações

169
Não espantará a composição dos últimos (dotes), porquanto se trata,

essencialmente, de dotações em casamento (70%) e uma percentagem bastante inferior

visa a entrada em instituições religiosas (20%). Já as doações versam geralmente as

referidas instituições (44,4%) e outras, como as de assistência (22,2%), assim como

alguns particulares (33,3%). No tocante aos legados, insistamos que os bens móveis

parecem ter aqui claro predomínio (49%), embora se deva salientar que a componente

dos imóveis (34,7%) adicionada aos que se fazem de bens de raiz conjuntamente com

outro tipo de bens (16,3%), ocupa a outra metade do universo e, por essa razão, acaba

por ter representatividade idêntica.

No quadro desta última tipologia da aquisição de propriedade (legados), registem-

se as nossas cautelas e salvaguardas, porquanto apenas tomámos em linha de conta os

perpétuos 264 . Se estendêssemos a análise aos múltiplos pequenos legados que


detectámos, então a configuração iria mais claramente pender para os bens móveis,

independentemente do real valor que estes pudessem assumir em termos patrimoniais.

1.5. Os contratos de exploração

Uma outra forma de obter imóveis, tanto rurais como urbanos, concretiza-se por

diversos tipos de contratos que garantem a posse plena ao concessor e a útil, mediante

certas condições, ao concessionário. Na ilha Terceira, à imagem de Portugal continental,

tivemos oportunidade de levantar três tipos de contratos: aforamentos, emprazamentos

e arrendamentos265.

Em termos de propriedade e aquisição, estes documentos interessam-nos, em

primeiro lugar, porque traduzem níveis diferentes de posse: o do proprietário pleno e o

264 Vide Quadro C dos apêndices, que arrola cronologicamente todos os vestígios das modalidades de
aquisição aqui abordados. De qualquer modo, salvaguarde-se que apenas os legados perpétuos foram tidos
em consideração, excluindo-se igualmente pequenos legados ou em benefício de confrarias e altares, os
quais aguardam oportunidade de estudo. Ficaram ainda registados: a herança de todos os bens que Isabel
de Teive faz ao Hospital de Santo Espírito de Angra (1534.VI.20) e que não se enquadra nas modalidades
aqui referidas; os bens que Luís Varela e mulher (1530.V.06) e Afonso Fernandes e cônjuge deixam à
administração ao mesmo Hospital, tendo como pressuposto que cada um dos cônjuges, o sobrevivente, é
herdeiro do outro e com obrigações para com a referida instituição.
265 Sobre o assunto, vide ainda cap. IV, ponto 2.2.

170
do usufrutuário. O primeiro é aquele que detém a propriedade eminente da terra, mas

aliena a respectiva fruição. Neste conspecto, emerge uma espécie de "segundos

proprietários", os concessionários, com direitos sobre os imóveis, mas separados entre

si por diferenças significativas. Têm elas a ver, principalmente, com o tempo de duração

da posse, que é bastante distinta nos três tipos de contratos. Os rendeiros possuem as

terras por tempos curtos, renováveis ou não, o que já não acontece com os sujeitos ao

regime da enfiteuse. Estes detêm a terra perpétua e hereditariamente e, nos casos de

emprazamento, o contrato é vitalício e vai até três vidas266. Apesar das diferenças que
podemos encontrar, relativamente ao aqui exposto 267 , tais são as situações

genericamente representadas na ilha Terceira, como no capítulo IV teremos oportunidade

de aprofundar.

À partida, todos estes contratos criariam um leque mais alargado de

proprietários, proporcionando a possibilidade de posse aos não favorecidos (ou menos)

pela distribuição inicial das terras em sesmaria. Mas para melhor esclarecermos a

questão, importa passar ao segundo ponto deste capítulo.

2. Os detentores do solo

Atendendo à problemática enunciada, houve que realizar um esforço minucioso

de identificação social dos proprietários das terras, na maioria das vezes omissa e que

alguns estudos biográficos vieram complementar268.

266 Para primeira abordagem, vide A. H. de Oliveira Marques — Introdução à história da agricultura
em Portugal. A questão cerealífera durante a Idade Média. 3ª edição, Lisboa: Edições Cosmos, 1978,
pp. 100-108; Henrique da Gama Barros — História da administração…, vol. VIII, p. 204; Mário Júlio
Brito de Almeida Costa — Origem da enfiteuse no direito português. Coimbra: Coimbra Editora, 1957,
pp. 184-187. Uma ressalva para o facto deste último autor não diferenciar aforamento de emprazamento (à
p. 141). No âmbito do esclarecimento cabal destes conceitos, cfr. Maria Helena da Cruz Coelho — O
Baixo Mondego nos finais da Idade Média. 2ª edição, [s.l.]: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, [s.d.]
[imp. 1989], p. 295, nt. 2.
267 Vide nota supra. Sobre as formas destes contratos, de outros aqui não contemplados e respectiva
evolução, nas áreas de domínio do cenóbio de Alcobaça e no Baixo Mondego, cfr. Iria Gonçalves — O
património do mosteiro de Alcobaça nos séculos XIV e XV. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa:
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, 1989, pp. 160-161, 183-201; Maria Helena da Cruz Coelho
— O Baixo Mondego…, pp. 274, 279-304.
268 E, também para aqui, um maior desenvolvimento dos estudos prosopográficos seria de particular
utilidade.

171
De qualquer forma fomos cautelosos, porquanto para os primeiros tempos da

apropriação da terra os informes eram escassos e, não raro, a mobilidade e promoção de

alguns indivíduos, num segundo momento das respectivas vidas, podia falsear os dados

dos detentores da propriedade, se tomados em retrospectiva. Neste caso, mesmo

sabendo de que personagem se tratava e do estatuto que tinha em 1530, por exemplo,

preferimos não tomá-lo por certo para épocas muito mais recuadas. Para mais, a

categorização dos indivíduos fazia-se a partir de critérios muito díspares: tomava-se o

estatuto social explicitamente definido, os dados familiares constantes dos documentos,

o exercício de determinadas funções e as actividades económicas em que se ocupavam.

Mesmo assim, aberto o leque dos elementos identificativos, muitos dos detentores do

solo ficaram por integrar na pirâmide sócio-económica.

2.1. Os concessionários das sesmarias

Atendendo aos elementos alcançados no tocante à cronologia da distribuição das

terras 269 e ao tema que agora nos detém, não podemos deixar de os cruzar com as
palavras do ouvidor do Duque, Vasco Afonso, não por acaso de 1487: [C]ometo as

dadas destas terras somente por acreçimento da pouoraçom destas jlhas e por sse a

agasalharem muitos moradores que ora vem de purtugall e doutras partes a morar a

esta jlha270. Tal confirma como, em primeiros lugar, na década de 80, há a percepção do

efectivo incremento do povoamento da ilha. Em segundo lugar, afirma-se a concessão de

terras como estímulo à vinda dos homens. Por fim, pretendem-se satisfazer muitos

moradores.

Mas quem eram eles, os beneficiados das concessões? Qual o seu estatuto sócio-

económico e, para mais, que tipo de relações mantinham com os concessores?

269 Vide Gráfico II, p. 141.


270 TPAC, doc. 71, p. 171 e AA, vol. XII, p. 389.

172
QUADRO III

CONDIÇÃO SOCIAL DE BENEFICIADOS COM CARTAS DE SESMARIAS

Condição Nome Data de Fonte


concessão
.lugar-tenente do capitão Afonso Gonçalves de séc. XV GF, 6º
Álvaro Martins Homem Antona
.lugar-tenente do 1º capitão Diogo de Teive FA, I, pp. 80-83
da ilha ant. a 1475 AA, I, pp. 24-25
.ouvidor
.cavaleiro régio Fernão Dulmo ant. a 1486 AA, IV, p. 441
.capitam na hylha Terceira
por o duque dom Manuel
.filho de João Vaz Corte Gaspar Corte Real 1480 EC, p. 654
Real, capitão de Angra
Adão da Ponte 1482 ATPCE, pp. 284-285 e
.pai de Pero Adão, pedreiro, 305
o qual tinha primo, Simão CCP, mç. 25, nº 8, 2º doc,
Fernandes, da mesma fls. 66-71; e TSFA, fls.
72-73vº
profissão
o cansado 1482 CDIT, p. 832
.almoxarife?271 1482 EC, p. 654
.escrivão João Afonso das Cunhas 1482 TPAC, doc. 5, p. 58
.escrivão do almoxrifado de 1488 CDIT, p. 830
Angra
Álvaro Lopes da Fonseca c. 1483 AAAH, 6, 19
.genro de Pedro Álvares da c. 1487? AA, XII, 508-512
Câmara
.incumbido das funções de 1496 AA, XII, 389-390 e
CPPAC, 1vº-2 e 18
capitão da Praia
.cavaleiro da Ordem de 1506 AAAH, 6, 19
Santiago
. alfaiate Martim Gonçalves 1483 MCMCC, VIII, 230
.tecelão ou filho de tecelão Sebastião Esteves272 1485 ou 1486 CDIT, pp. 831 e 834
Pero Álvares das Quatro 1486 TPAC, doc. 9, p. 63
.homem proue e jnorante Ribeiras TPAC, doc. 1, p. 51
.casou sobrinha com filho de Pero Anes do Pombal 1488 ou 1487 CDIT, p. 830; ATPCE, p.
João de Lamego, sapateiro 303; TPAC, doc. 34, p.
111
.exerce funções de capitão da Pedro Álvares da Câmara ant. a 1487? AA, XII, 388-389
Praia, por seu genro
.recebedor do Duque ? 1490 CPPAC, nº 1, fls. 20-21
.genro de Pedro Álvares da Duarte Ferreira c. 1487? AA, XII, 508-512
Câmara
.irmão do grão-mestre Pero Rodrigues 1489 CDIT, p. 830

271 Luís Casado era o almoxarife que com o ouvidor Afonso do Amaral deu terras nas Quatro Ribeiras
(cfr. Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 654). Jorge Pamplona Forjaz, na análise introdutória que
faz à transcrição do "registo de dadas", regista este concessionário como F. Cansado (autor citado —
Cartas de dadas…, p. 828). Sem definitivamente sabermos se se trata de um cansado ou casado, a
verdade é que a forte possibilidade de erros de grafia nos documentos, a correspondência cronológica e a
forma inequívoca da identificação — registo do cansado —, que nos faz supor um indivíduo bem
conhecido, apontam-nos para este almoxarife.
272 O apelido apurámos nas confrontações da terra de João Pacheco. Cfr. Jorge Forjaz — Cartas de
dadas…, p. 831.

173
Pedro de Barcelos273 1490 AA, XII, 370
.navegador e descobridor CPPAC, 1, fls. 9-9vº
.escudeiro 1507 BIHIT, I: 1, 1943, p. 22
.fidalgo João de Ornelas da Câmara 1490 AA, XII, 407
.fidalgo e almoxarife da Praia 1503 CPPAC, 1, 4vº
.almoxarife Pedro Álvares Biscainho 1492 MCMCC, I, nº 8
.escrivão da câmara do Duque Diogo Marques 1493 AA, XII, 402-403
D. Manuel
.instituição de assistência, Hospital de Santo Espírito 1494274 THSEA, fls. 404-404vº,
fundada, entre os mais, pelo de Angra 405vº e 407vº
1º capitão de Angra
João Valadão 1495 AA, XII, 371
.escudeiro 1501 CPPAC, 1, 15-16vº
.filho de João Valadão, supra Diogo Valadão 1495 AA, XII, 371
.homem proue Diogo Pires ant. a 1497 MCMCC, V, 141, 7vº-8
.escudeiro Afonso Gonçalves ant. a 1497 TPAC, doc. 33, p. 109
.irmão de Fernão Vaz (infra) João Afonso Ramos ant. a 1497 MCMCC, V, 141, 7vº-8
.almoxarife Fernão Vaz 1497 TPAC, docs. 36 e 34, pp.
.escudeiro 1504 11 e 113; CDIT, p. 834
.amo de Vasco A. C. Real 1506 TPAC, doc. 8, p. 61
.escudeiro, criado que foi de João Álvares Neto 1499 TPAC, doc. 7, p. 60
João Vaz Corte Real
.almoxarife 1506 TPAC, doc. 8, 61
Joana de Abarca c. 1499275 TPAC, doc. 17, p. 79

.sobrinha de Maria Corte 1504 TPAC, doc. 13, p. 75


Real, capitoa
TPAC, doc. 17, p. 79
.filha de João de Abarca, 1506
cavaleiro da Casa do Infante
D. Fernando, solteira e sob
autoridade da tia
.mestre mestre Rodrigo ant. a 1501? TPAC. doc. 36, p. 115;
docs. 23 e 19, pp. 90 e 84
.filha de Antão Martins Catarina da Câmara 1503 CCP, mç. 2.3.4., fls. 237-
Homem, capitão da Praia e 238
sob a respectiva autoridade
.primo de João de Ornelas da Félix Fernandes 1503 AA, XII, 403-404
Câmara, que concede a dita CPPAC, 1, 4vº-5vº
carta como almoxarife
.filho276 do capitão da Praia Domingos Homem 1503 CCP, 3, 5
que lhe deu a sesmaria
.carreteiro João Fernandes 1504 TPAC, doc. 36, p. 115:
MCMCC, I, 12
.sapateiro João de Lamego 1504 TPAC, doc. 34, pp. 110-
112
.escudeiro Pero Anes do Canto 1506 MCMCC, I, nº 15
.cavaleiro e fidalgo da casa 1512 TPAC, doc. 29, p. 101
régia
.criado de Miguel Corte Real João Vieira 1508 TPAC, doc. 36, pp. 113-
115, CDIT, p. 833

273 O filho, Diogo de Barcelos, tornou-se vassalo régio em 7 de Julho de 1508, sendo escusado de
peitas, fintas, talhas, pedidos, serviços, encargos do concelho, tutorias e curadorias contra sua vontade e
aposentadoria, tudo por virtude dos serviços do pai na navegação e descoberta da parte do norte. Cfr.
AA, vol. XII, p. 529 e BPARAH. Famílias: BCB, mç. 1, nº 2.
274 Vide considerações tecidas no desenvolvimento do texto.
275 Estabelece-se esta data, aproximadamente, em função dos tempos documentados para as dadas de
Gaspar Corte Real. Vide pp. 138-139.
276 A transcrição desta carta, no AA, vol. IV, 218-219, nt. 1, dá o concessionário por "tio" e não "filho".

174
.filho do capitão Vasco Anes Gaspar Corte Real 1512 AA, XII, 405-406
Corte Real, em 1516 já CPPAC, 2, 3vº
falecido com menos de sete
anos
.filho do capitão Vasco Anes Jerónimo Corte Real 1512 AA, XII, 406
Corte Real

Dos trinta e oito indivíduos para os quais conseguimos compilar dados seguros,

verifica-se que onze (28,9%) exerceram, no tempo da respectiva dada o u

posteriormente, funções com competências da distribuição das terras. Estão neste caso

os capitães, claro está, todos aqueles que por um motivo ou outro os substituiram, os

almoxarifes e pelo menos um escrivão do almoxarifado. Tal significa que o regime de

concessão das sesmarias beneficiou, claramente, os detentores do respectivo poder.

Para mais, outro grupo considerável de beneficiados estabelece laços familiares de

sangue muito fortes com aqueles a quem cabem as dadas. Cinco são filhos de capitães,

um genro, outra é sobrinha, estando sob a responsabilidade da viúva e mãe dos primeiro

e segundo capitão da Praia, e outro é irmão, percentualizando 21% da amostra

considerada. Estes considerandos trazem-nos o dado de que metade (49,9%) daqueles

que são abrangidos pelas sesmarias, ou detêm os poderes da própria distribuição, ou são

descendentes directos e familiares próximos dos mesmos277.

Isto explica muitas das questões regimentares tratadas mais atrás278, insistindo

nas incumbências, neste campo, de outros oficiais como ouvidores, contadores e

corregedores e nos próprios limites da concessão de terras aos capitães. Tal parece

relacionar-se com uma certa apetência destes para, potencialmente, se sentirem também

como principais concessionários.

Para mais, o benefício dos "seus", como os familiares e muito particularmente os

filhos, faria parte da mesma política de engrossar os cabedais próprios, porquanto o

pai, na menoridade dos filhos, seria o gestor e o beneficiado directo279. Se não, como

277 Pendão para os descendentes "directos", porque beneficiar um genro é, naturalmente, favorecer filha e
netos, tal como conceder terras a sobrinha sob encargo próprio se encontra na esfera de laços de tipo
maternal/filial.
278 Vide p. 128 e ss.
279 Cfr. Ordenações Afonsinas…, lºI, p. 76; Ordenações Manuelinas…, lº IV, p. 222. As excepções ao
dito preceito, que as havia, também podem ser esclarecidas nos mesmos títulos.

175
interpretarmos a concessão a Gaspar Corte Real, em 1512, quando no Verão de 1516 era

dado por falecido menor de sete anos? Ou como entendermos a dada a Catarina da

Câmara, em 1503, jovem casadoira que apenas é em 1521280? Em última análise, num
tempo mais longo, garantia-se e providenciava-se, também, a constituição e salvaguarda

patrimoniais dos ditos descendentes e respectivas linhas.

De qualquer modo, a perspectiva de que os poderosos teriam sido os principais

beneficiados já se constatava no teor das regimentações das sesmarias e parecia-nos

natural numa sociedade de privilégio. O mesmo poder-se-á dizer para os 23,7%

apurados para o mais grupo de escudeiros ou criados de figuras proeminentes, que não

detinham competências de concessão (Quadro III).

Agora devemos confessar, apesar da fatia de 73,6% já estar entregue a capitães,

respectivos familiares, almoxarifes, indivíduos com estatuto de escudeiro281 e/ou outro,

o nosso relativo entusiasmo com o peso de 23,7% apurado para o homem dito proue e

para o mesteiral, por vezes pai ou filho de, como o alfaiate, tecelão, sapateiro, pedreiro,

mestre e carreteiro. É que se aos grupos fora da esfera nobiliárquica não era impossível a

posse de propriedade plena, geralmente de pequena ou média dimensão, a verdade é que,

na época e com excepção provável de alguns mercadores mais abastados, suporíamos os

demais trabalhando ou usufruindo as terras de outrem282 . Ora é isto que não se

confirma, em termos absolutos, para a ilha Terceira dos tempos em causa283.

Para mais, repare-se na coincidência percentual entre este grupo de beneficiados e

o anterior, traduzindo um certo equilíbrio das concessões feitas aos "maiores", mas fora

do âmbito familiar dos detentores do poder das dadas. Também constatamos — e

fazendo apenas um breve exercício porque a questão das dimensões das propriedades

vem mais adiante — que as terras concedidas a estes homens não difeririam das de seus

vizinhos mais poderosos: dois moios a de Pero Anes do Pombal e a de Fernão Vaz,

280 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 2.3.4., fls. 227-231vº, ou 76- 79vº
281 Detido por muitos dos "proeminentes" dos primeiros tempos. Vide cap. I, ponto 4.1.
282 Cfr. A. H. de Oliveira Marques — O trabalho. In A. H. de O. Marques — A sociedade medieval
portuguesa. Aspectos de vida quotidiana. 5ª edição, Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1987, p. 132;
Idem — Portugal na crise dos séculos XIV e XV. In Joel Serrão e A. A. de O. Marques — Nova
História de Portugal. Lisboa: Editorial Presença, 1986, p. 90.
283 Confronte-se, ainda, com o que dizemos no ponto 4. do capítulo IV.

176
almoxarife284; 120 braças de largura a Diogo Pires, a Afonso Gonçalves, escudeiro e a
João de Lamego, sapateiro285 . É óbvio que a questão não será tão idilíca, como

constataremos abaixo e adiante. De qualquer modo, estes homens recebem terras livres e

talvez a respectiva percentagem pudesse crescer se contemplássemos muitos anónimos

das dadas como Rodrigo Chamorro, Martim Galindo, Pedro Anes Sancho, Afonso

Eanes o Grande e outros286.

Mas se identificamos tais figuras como os mais "humildes" beneficiados no

processo de distribuição da terra, notemos que não o seriam tanto, porque situados no

patamar intermédio do dito "grupo popular"287 que, por sua vez, é tudo menos

uniforme. No entanto, o que é visto como recuo do respectivo poder e predominância,

nalgumas cidades portuguesas e verificável na segunda metade do século XV288, aqui

parece matizar-se com estes significantes exemplos de poderio terratenente. Para mais,

insista-se no carácter geral do grupo, não exclusivo mas eminentemente urbano, que na

nossa situação específica, talvez não por acaso, faz incidir o fenómeno sobre

beneficiados na área de Angra (Silveira, Porto Judeu e Seis Ribeiras).

Apesar do que acabámos de referir, afigura-se-nos também que a sobrevivência

destes homens, como concessionários das sesmarias, nem sempre parece ter sido fácil. O

caso melhor ilustrado diz respeito à área da Terra Chã e Lombada da Silveira, nos

arredores de Angra, referenciada no ponto 1.1.3 deste capítulo. Se as primeiras e mais

antigas dadas teriam sido feitas a Diogo Pires da Ribeirinha, a Afonso Gonçalves,

284 Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, pp. 830 e 834; TPAC, doc. 36, p. 113.
285 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 83, fls. 1vº e 7vº; TPAC, doc. 33, pp. 109-110.
286 A posse de alódios, apenas sujeitas ao dízimo a Deus, está bastante bem levantada e fundamentada
para Esgueira do século XV. Segundo Maria João Branco Marques da Silva, a partir de tombo do
mosteiro de Lorvão, de 1446, 75% dos moradores da vila possuíam este tipo de propriedades —"podia
ser só uma leira"— no conjunto de várias outras que detinham na condição de foro. Estamos aqui, pois,
perante detentores de pequenas terras livres, as quais escapariam aos omnipresentes domínios senhoriais.
Cfr., autora citada, Esgueira. A vida de uma aldeia do século XV. Redondo: Patrimonia, 1994, pp. 206-
208, graficamente representado às pp. 208-210, e p. 255.
287 A. H. de Oliveira Marques — Portugal na crise…, pp. 263 e 268-272.
288 Cfr. A. H. de Oliveira Marques — Mesteirais. In Joel Serrão (dir.) — Dicionário de História…,
vol. IV, pp. 281-282. O mesmo fenómeno identifica-se fora de fronteiras, na Catalunha e em Aragão da
segunda metade do século XV, mas é um movimento que se detecta mais cedo (2ª metade do séc. XIV)
em várias cidades que designaremos por francesas, belgas, alemãs e italianas (cfr. Teófilo F. Ruiz —
Historia Social de España…, p. 75; Robert Fossier — La société médiévale. 2ª edição, Paris: Armand
Colin Éditeur, 1994, pp. 406-409 e passim).

177
escudeiro, a Afonso Gonçalves fanequa289 e a João Afonso Ramos290, posteriormente
continuaram a chegar homens à zona como os referidos Pero Anes do Pombal, João de

Lamego, sapateiro, Fernão Vaz, Mestre Rodrigo, Álvaro Dias Vieira, João da Costa,

Afonso Gil, João Fernandes, carreteiro, e João Vieira291 . Ainda mais tarde, já por

compra, marcam presença Pero Anes do Canto e André Gomes. Ora estes são homens

estatutariamente diferentes e pelo menos Diogo Pires, João de Lamego e Pero Anes do

Pombal foram afectados pelas acções de Fernão Vaz, almoxarife. Como atrás

registámos292, Diogo Pires ficou sem a sua terra e João de Lamego viu a sua carta refeita

em 1504, pela qual sua dada passou de 120 braças de largura para 100. A explicação,

dada por Pero Anes do Canto, relacionava-se com o facto de Fernão Vaz ter tomado 160

braças na terra que fora de Diogo Pires e, para isso, ter-se apropriado de 20 braças de

cada um dos vizinhos293.

Ainda devemos abordar este crescendo de proprietários sob outro ponto de vista,

tanto mais que o podemos verificar igualmente na área dos Biscoitos e até à Ribeira da

Lapa, as duas zonas melhores documentadas294: o do crescimento da ocupação humana.

Tais dados não só indicam o aumento do número dos homens, que faz entrar em

cena novos nomes e novos protagonismos, como comprova a mobilidade da propriedade

destas terras nos períodos mais iniciais. A esta última não serão alheias as condições de

sucesso/insucesso pessoal no arroteamento e na continuidade de exploração das

respectivas áreas, que conduzem à venda — e que se vê operar de terras parcialmente

arroteadas — ou à perda, pura e simples, da mesma, por incumprimento do prazo de

289 Destrinçada parece ficar a origem do topónimo Fonte Faneca, que na documentação coeva surge como
"Fonte da (do?) Faneca", ou explicada fica, então, a do antropónimo. Aquela referência toponímica,
quinhentista e talvez anterior, tivemos oportunidade de registar em Rute Dias Gregório — Pero Anes do
Canto…, pp. 112, 118, 122 e passim.
290 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 141, fls. 7vº-8. Anteriores a 1497, ano que serve de referência
para as sesmarias de Diogo Pires e de Afonso Gonçalves escudeiro, porquanto este último vende a dita
terra, a 25 de Julho, e na respectiva escritura é referenciada confrontação com a de Diogo Pires. TPAC,
doc. 33, pp. 109-110.
291 TPAC, doc. 33, pp. 109-110.
292 Vide pp. 164-165.
293 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 141, fls. 3vº, 4vº e 7vº-8vº.
294 Não por acaso, áreas onde Pero Anes do Canto tinha propriedades, pelas quais se envolveu nas mais
evidentes demandas. O cuidado com que este proprietário constituiu o seu cartório, instituiu a respectiva
preservação e continuidade e a "sorte" do mesmo ter chegado aos nossos dias foram, sem dúvida,
determinantes para a reconstituição da história da Terceira, nos seus períodos mais remotos.

178
rentabilização económica. Mas casos há, e muitos, em que a renovação do prazo da

sesmaria é possível. Pero Anes do Canto contou inúmeras vezes com a benesse295, mas
também Lopo Gil 296, Pedro de Barcelos297, João Pacheco e Branca Gomes298, João

Álvares Neto299, ora com emanação régia, ora subscrita apenas pelas autoridades locais.

Só que, noutras situações, o mesmo recurso não se conseguia fazer aplicar. O que podia

separar um tipo de ocorrência do outro? Naturalmente, a impossibilidade/incapacidade

de fazer valer eventuais direitos de posse, por insuficiência material e/ou de poder300.

Ora isto comprova como, pressionados por indivíduos socialmente poderosos, os

situados num nível baixo da hierarquia social tinham mais dificuldades em resistir. E tal

não se aplica apenas nos binómio "sapateiro — almoxarife" ou "homem poure e jnorante

— juiz", podendo atingir figuras mais aproximadas na hierarquia social301.

Apenas para finalizar a questão do "perfil" dos beneficiados com cartas de

sesmarias, acresce dizer que outro foi o Hospital de Santo Espírito de Angra, caso único

e vez sem exemplo. A particularidade explica-se sumariamente. A terra em causa fora-lhe

deixada por Gonçalo de Linhares, no respectivo testamento de 1493. Quando a

instituição dela tomou posse, o tempo de cinco anos havia passado, pelo que a sesmaria

em matos foi renovada por João Vaz Corte Real302. De qualquer modo, saliente-se que,

pela natureza da instituição e em termos dos proventos, ela também viria a beneficiar

franjas mais desprotegidas desta mesma sociedade303.

295 Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, pp. 48-50 e passim.
296 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 69, docs. 3 e 4.
297 AA, vol. XII, p. 370.
298 AA, vol. IV, p. 495 e F. Ferreira Drummond — Apontamentos…, p. 303.
299 TPAC, doc. 8, pp. 61-63.
300 Vide o que dizemos às pp. 162-163 e passim.
301 Cfr. Humberto Baquero Moreno — Alguns aspectos do povoamento dos Açores. Uma contenda na
ilha Terceira…, pp. 111-124; e Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, pp. 249-260.
302 BPARAH. CIM: THSEA, fls. 404vº, 405vº e 407vº.
303 Temos o projecto de concretizar um trabalho sobre a fundação deste Hospital, de 1492, data do
respectivo compromisso, a 1556, ano em que se integrou na Misericórdia de Angra. A composição social
do mesmo e respectiva evolução, paralelamente ao estudo do património, serão temáticas a abordar.

179
2.2. Os que dispõem da propriedade por testamento

Ainda na tentativa de melhor esclarecer quem são os possuidores do solo na ilha

Terceira dos tempos que nos ocupam, levantemos o estatuto daqueles que dispõem dos

bens imobiliários, rurais ou urbanos, por testamento.

Entre os testadores, de 1492 a 1556, detectámos elementos que vão de um

extremo da composição social terceirense ao outro: dos capitães Antão Martins Homem

e Vasco Anes Corte Real, aos libertos Marçal Álvares e Branca Gonçalves304, passando
por uma plêiade de fidalgos, cavaleiros, escudeiros, mercadores, mesteirais, tabeliães e

escrivães, clérigos e outros. Se tal nos atesta uma prática corrente de testar305, muito

ligada às questões "da alma"306, também confirma interesses/preocupações comuns aos

dois estratos, no âmbito da resolução/disposição das questões/bens materiais307. É por

intermédio dos testamentos que vários aspectos da herança são determinados, mas

também é a partir deles que muitos testadores fazem um balanço quanto à composição,

principalmente de parte e às especificidades do património. Por isso mesmo, o testador

taduz-se como aquele que dispõe de um certo pecúlio material, que pretende, antes de

mais, colocá-lo ao serviço da sua vida além da morte, mas também salvaguardá-lo e

transmiti-lo a outros.

304 Vide súmulas dos testamentos, em apêndice, nºs. 45, 26, 167 e 198.
305 O que se confirma desde o século XIII, para o Ocidente europeu urbano e, do século seguinte, para os
meios rurais. Cfr. Danièle Alexandre-Bidou — La mort au Moyen Age, XIIIe-XVIe siècles. Paris:
Hachette Littératures, 1998, p. 70.
306 Sobre estas questões, sem enunciarmos bibliografia exaustiva e apenas a mais determinante para as
nossas breves considerações, consulte-se Hermínia Vasconcelos Vilar e Maria João Marques da Silva—
Morrer e testar na Idade Média: alguns aspectos da testamentária dos séculos XIV e XV. Lusitania
Sacra, 2ª série, t. IV (1992) 39-59; Manuel Sílvio Alves Conde — Uma estratégia de passagem para o
além. O testamento de Beatriz Fernandes Calça Perra (Tomar, 1462). Lisboa: Centro de História da
Universidade de Lisboa, 1986. Separata das "Primeiras Jornadas de História Moderna"; Maria Helena da
Cruz Coelho e Leontina Ventura — Vataça, uma dona na vida e na morte. Porto: [s.n.], 1986. Separata
das Actas das II Jornadas Luso-Espanholas de História Medieval. Porto: [s.n.], 1987, vol. I, pp. 159-
194. Um estudo mais desenvolvido, com maior amplitude no tempo, apresentando a evolução das formas
de antecipação e preparação apara o "Além" e que nos serve de referência é o de Samuel K. Cohn, Jr. —
Death and Property in Siena, 1205-1800: Strategies for the afterlife. Baltimore/London: The Johns
Hopkins University Press, 1988; ou o trabalho de Danièle Alexandre-Bidou — La mort au Moyen
Age…, pp. 71-73, 76-77 e passim.
307 O enquadramento europeu geral, desta realidade, pode confirmar-se em Danièle Alexandre-Bidou —
La mort au Moyen Age…, pp. 71-73, 76-77 e passim.

180
Neste sentido, pese o carácter incompleto das fontes em causa, os testamentos

são para nós fonte essencial na compreensão de vários aspectos da gestão patrimonial —

constatá-lo-emos a seu tempo — e, também, da respectiva composição/posse.

O primeiro dado a salientar é que tais fontes são as primeiras a confirmar as

múltiplas modalidades de aquisição possíveis, como dadas, dotes, heranças e compras,

pese embora não se constituam na sistematização necessária para, a partir delas,

podermos contabilizar e comparar o peso de cada qual. De qualquer modo, como não

podia deixar de ser, aqui a forma mais ilustrada da obtenção do património é,

naturalmente, a herança.

M as, retomando o tema do estatuto social deste proprietários, registe-se

primeiramente que os resultados obtidos omitem setenta e nove indivíduos (39,3%), os

quais não fomos capazes de situar socialmente, de entre os duzentos e um tidos em

conta. De qualquer modo, entre aqueles que pudemos estabelecer o respectivo

enquadramento social (Gráfico VIII), destaquem-se os pertencentes ao mundo de uma

pequena nobreza, associada a muitos elementos com o nível de escudeiros e a alguns

cavaleiros (33%). Entre estes, conseguimos dissociar claramente 33,3% de escudeiros e

14,3% de cavaleiros (não destrinçado no Gráfico VIII), ficando os demais por esclarecer.

Os referidos 33%, que percentualizam o grupo de escudeiros e cavaleiros, associados ao

valor de 14% para os fidalgos e aos 2% para os cavaleiros-mercadores, perfazem quase

metade dos dados atendidos (49%). Logo a seguir, encontramos bem representado o

grupo dos mercadores (15%) e, novamente, o dos mesteirais (19%).

181
GRÁFICO VIII

COMPOSIÇÃO SOCIAL DOS TESTADORES (1492-1556)

6% 1%
2%
5%

33%

19%

2% 2%

15% 14%
1%

cavaleiros e escudeiros cavaleiro e mercador fidalgos


cidadão mercadores lavradores
mesteirais tabeliães e escrivães libertos
clérigos eremitão

Numa análise mais genérica, retirando os 6% entregues aos membros do clero,

diríamos que nobreza (49%) e grupos populares (45%) têm aqui uma representação

quase idêntica. Sem qualquer outra intenção que não seja a de identificar os proprietários

na ilha Terceira, destaquemos novamente a forte presença dos grupos populares ao nível

patrimonial e da posse do solo em particular.

2.3. Quem compra e vende

Abordada que ficou a constituição do primeiro leque de proprietários da terra na

ilha, no ponto 2.1. e atendidos aqueles que assim se apresentam pelos respectivos

testamentos, passemos à análise do levantado pelos registos de compra e venda.

Definir o estatuto social de quem compra e vende imóveis é tarefa árdua. Não só

as fontes são bastante lacunares neste conspecto, como a carência de dados pessoais e

familiares —o que geralmente não acontece nos testamentos— dificultam as

reconstruções biográficas dos indivíduos e, assim, qualquer tentativa de integração social

182
dos mesmos. Por outro lado, a forte presença de escrituras de compra e venda

respeitantes a Pero Anes do Canto — em 1546 referido como o majs poderoso fydallgo

que havya hem todas as ylhas308 —, inclusive por surpreendente oposição às (não)
encontradas nos demais fundos e cartórios familiares que pudemos estudar309, poderão

introduzir fortes desequilíbrios nas análises comparativas. Assim, dos registos

considerados, vinte e oito das cinquenta e cinco aquisições são feitas por Pero Anes do

Canto (50,9%)310. Tal explicará, em parte, o peso dos "fidalgos" nos actos de compra,

mas registe-se que nalguns casos a figura engrossou as frequências dos escudeiros,

porque nessa qualidade as realizou311. Resultante desta realidade, se bem que não só, os

estatutos dos compradores foram reconstituídos em número superior aos dos

vendedores (55 para 37).

De qualquer modo, considerámos que, mesmo nas circunstâncias descritas, o

levantamento seria importante, porque configuraria como nenhum os vários aspectos

económico-sociais da evolução da posse312 , de entre eles a eventual variação dos

estatutos de antigos e novos proprietários. Aliás, para a configuração do perfil daquele

que aliena, seria mesmo fundamental.

Na análise de registos datados entre 1483 e 1554, continuámos a percepcionar a

forte concentração da propriedade nos grupos dos enquadráveis na pequena nobreza

308 Por rezam da denydade de sua pessoa e muita vallya e como pella grande Ryqueza que tem de beys
[…] e grandes herdades e Remdas. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 148, fl. 7vº.
309 Aliás, nestes últimos, a documentação de índole económica, para a época que nos ocupa, é assaz
escassa. Independentemente das vicissitudes a que cada qual esteve sujeito, não podemos deixar de
comparar o cartório dos Canto com o dos Condes da Praia, os melhor preservados, no qual as questões
da gestão e a documentação da posse estão bem mais traduzidas e asseguradas no primeiro do que no
segundo. Talvez porque a distinção da última família, que foi a dos capitães da Praia, não o exigisse. Por
oposição, os aspectos da nobilitação, brasões de armas e genealogias, sem autor nem fontes, estão bem
mais presentes neste último.
310 Atente-se que, pela razão de termos tomado 1554 como ano limite, muitas das propriedades
adquiridas por Pero Anes do Canto não foram aqui consideradas. Também não contemplámos aquisições
posteriores, e até à data da morte (1556), nem tão-pouco as que reconhecemos como aquisições no dito
tempo de vida, sem mais nenhuma outra referência. O mesmo aconteceu quanto às aquirições de
propriedades fora da ilha Terceira. Isto atenuou bastante o peso da figura nas compras analisadas, mas
ainda o torna uma figura constante.
311 Sobre a ascensão social de Pero Anes do Canto, vide Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…,
pp. 39-60.
312 Neste contexto, vide considerandos tecidos às pp. 172-174 e 179.

183
(escudeiros e cavaleiros) e na fidalguia (sem esquecer o atrás referido), neste caso tanto

ao nível da aquisição como da venda (Gráfico IX).

GRÁFICO IX

ESTATUTOS DE COMPRADORES E VENDEDORES

35

30

25

20
15

10
5
0
Vendedores
Fidalgos

Escudeiros e

Capelães

Compradores
cavaleiros

Mercadores

Mesteirais

Escrivães

Compradores
Vendedores

Mesmo assim, é interessante destacar um conjunto considerável de alienadores

integráveis na pequena nobreza (escudeiros e cavaleiros), o que não se verifica, de modo

nenhum, ao nível dos dados por fidalgos. Tal indica, muito naturalmente, no âmbito dos

níveis sociais mais elevados desta sociedade, que a base do grupo privilegiado esteve

associada a uma conjuntura significativa de alienação, à partida favorável a alguns de

idêntico estatuto e aos membros de maior destaque da sociedade então constituída (os

fidalgos).

Desequilíbrio parece igualmente detectar-se a partir dos dados obtidos para o

grupo dos mesteirais, onde as aquisições são inferiores à alienações, por oposição ao

verificado no grupo dos mercadores.

Com base nos dados disponíveis, a tendência parece evoluir, pois, no sentido do

reforço da aquisição por parte daqueles que detêm a proeminência sócio-económica. O

mesmo é dizer que os que têm mais, à partida, continuam a crescer ao nível do poderio

184
terratenente. Tal perspectiva e antecipa uma agravada incidência da posse da terra nas

mãos de grupos cada vez mais restritos da sociedade. O processo parece iniciar-se cedo,

mas o facto de o contemplarmos nas primícias ainda dará margens significativas à posse

plena da terra por parte de outros grupos sociais. Não obstante, à luz do que tem sido

dito e verificado pelos estudos na área, talvez estes possam ser detectados, ainda com

maior incidência, no grupo dos usufrutuários por contrato.

2.4. Rendeiros, foreiros e emprazadores

Os registos sobre contratos de aforamento, arrendamento e emprazamento estão

bastante presentes nos nossos documentos. Não exclusivamente através dos repectivos

contratos, antes pelo contrário, mas em referências mais ou menos completas que

descortinamos em testamentos, processos de conflitos e autos de contas de órfãos e

capelas.

Deste modo, conforme ao tocante às sesmarias e compras, a reconstituição dos

dados teve como base uma documentação bastante variada que foi preciso cruzar e

seleccionar. Assim, para o tema em causa, dos cento e noventa e dois registos de

contratos, relativos ao usufruto de imóveis, aqui tanto urbanos como rurais313, apenas
em quarenta e um casos (21,4%) conseguimos identificar sócio-profissionalmente o

respectivo concessionário. Para mais, registe-se que, de entre as situações bem

sucedidas, 61% das contratações visavam imóveis urbanos e 39% rurais, com vinte e

dois registos referentes à capitania de Angra e dezanove à da Praia314.

Sem pretendermos, por agora, prestar grandes esclarecimentos quanto às

condições contratuais e o peso de cada tipo no conjunto geral315, destaquemos que, dos
quarenta e um indivíduos em causa, vinte e dois assumiram contratos de arrendamento,

dezoito de aforamento e um de emprazamento. Estes informes tornam-se significantes,

313 Ver Quadro I dos apêndices.


314 Entre os registos, nos quais existem dados de identificação dos usufrutuários, à Praia circunscrevem-
se doze contratos referentes a imóveis urbanos e sete a terras e vinhas. A Angra, treze e nove,
respectivamente.
315 Questão que deixamos para o último capítulo.

185
porquanto os contratos de curta duração, nomeadamente urbanos, podem estar por trás

de uma população "móvel" que importa não descurar, principalmente em Angra. Neste

caso estão h u~ a molher soltejra, em 1509, arrematou certa casa aos meses e onde

permaneceu apenas dois316, hum homem, em Junho de 1501, também alugou casa para o
mês 317 e outros assumiram contratos anuais que iremos desenvolver no último

capítulo318. Entre os últimos estão "anónimos" como Francisco Páris, que em 1500

vende certa habitação, mas em 1501 e 1502 toma-a de aluguer aos herdeiros de quem lha

comprou319, mas também encontra-se o bem conhecido, fidalgo régio, João de Ornelas

da Câmara320.

Abordado este aspecto da questão, que indicia alguns usufrutuários de curtíssima

duração nos imóveis em causa, avancemos para a reflexão geral sobre os estatutos sócio-

económicos dos detentores de terra de outrem.

Tal como havíamos antecipado, aqui, particularmente reforçado pelo peso da

propriedade urbana, os estratos populares são os mais representados nesta amostra,

cabendo-lhes 88% do protagonismo. Entre eles, a fatia mais larga cabe aos mesteirais,

como cardadores, tecelões, tosadores, alfaiates, sapateiros, picheleiros, gameleiros,

ferreiros, serralheiros, carpinteiros, calafates e pedreiros (54%), seguindo-se os dados

para os lavradores (10%) e para alguns detentores de ofícios (7%)321.

316 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 266, nº 10, fl. 21.


317 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 266, nº 10, fl. 19.
318 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 266, nº 10, fls. 13-15 e 19-22.
319 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 266, nº 10, fls.19-19vº.
320 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 266, nº 10, fls. 21 e 22.
321 Um bacharel, um tabelião e um procurador de número. BPARAH. CIM: THSEA, fls. 345-347; 384,
304vº e 305vº.

186
GRÁFICO X

RENDEIROS, FOREIROS E EMPRAZADORES DE IMÓVEIS

RURAIS E URBANOS

10% 12%

10%

7%

2%
5%

54%

Escudeiros e fidalgos Mesteirais


Mercadores Caixeiro
Detent. de ofício Lavradores
Indefinidos do sector pop.

Comparando a respectiva presença nos contratos, a partir do gráfico XI, destaca-

se a de mercadores/caixeiros e lavradores, cada um dos grupos usufruindo,

exclusivamente, imóveis no mundo urbano e no mundo rural. Para mais, e no que

queríamos realmente salientar, a presença dos mesteirais reflecte-se em ambos os

enquadramentos (contratos urbanos e rurais), mas é mais de duas vezes superior no

usufruto de bens urbanos. Tal reflecte, naturalmente, os espaços privilegiados do

exercício profissional, mas também comprovará a respectiva complementaridade de

actividades produtivas e de rendimentos.

187
GRÁFICO XI

DISTRIBUIÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL COMPARATIVA

DOS USUFRUTUÁRIOS DE IMÓVEIS RURAIS E URBANOS

16

14

12

10

Rurais
Urbanos

2.5. Outros proprietários

Para terminar este capítulo, façamos ainda uma breve referência a outros

proprietários que não deixámos de encontrar referenciados.

Em primeiro lugar o donatário. O foral do almoxarifado de 1487, neste contexto,

documenta bem o âmbito da dita propriedade: o dízimo do pão, do gado e do mar, as

miuças, o gado bravo e não ferrado, éguas e potros ferrados de seu ferro, as minas de

ouro, prata e cobre, tintas e pau de teixo. Pelo mesmo documento o duque mandara,

ainda, tomar terra de vinte moios de semeadura de pão, se não por inteiro em duas, três

ou quatro partes, para que fosse limpa e aí se fizesse uma abegoaria322.

Depois do duque, emerge o donatário que se confunde com o Rei. Como dizia

Pero Anes do Canto, todos os terceirenses viviam no patrymonio régio o que, em última

instância, coloca-nos perante a verdadeira dimensão do que até aqui enunciámos por

322 Doc. transcrito em Pe. M. L. Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, pp.149

188
propriedade da terra, pertença dos moradores da Terceira. Esta noção não tem,

naturalmente e para a época e geografia do nosso estudo, o sentido que hoje lhe

atribuimos. Qualquer terra na posse de um indivíduo, mesmo a alodial, é área de domínio

de alguém. No nosso caso, primeiro do duque donatário, depois do donatário que,

simultaneamente, é Rei. Em nome desse domínio são aplicados direitos sobre os homens

e sobre a produção das terras323 que, no último caso, terão como expressão máxima o
dízimo.

Mas fora este parêntesis que entendemos fazer, apenas para salvaguardar o

perigo do anacronismo da aplicação literal do conceito hodierno de propriedade, saliente-

se que o Rei reclamou para si o senhorio directo, desde 1497, daquelas terras que eram

expropriadas aos concessionários incumpridores dos termos da carta de sesmaria. Por

princípio era natural assim ser, porque nesse caso ela voltaria sempre ao senhor da

terra. No entanto, há aqui a já referida limitação de direitos dos capitães, aos quais

competia a respectiva concessão em nome do donatário. Para mais, fora todas a rendas

que lhe cabiam como senhor da ilha, também constituiam sua propriedade os bens

penhorados por dívidas não saldadas à Fazenda.

Fora desta dimensão de propridade acima, destaquem-se outros detentores,

principalmente de terras, mas não só, que são os concelhos. Há registos de antiga

anexação de territórios às câmaras, conhecedo-se inclusive uma referida doação

perpretada pelo de Angra em 1501324. Também se conhecem reivindicações contra

particulares, nomeadamente sobre certos caminhos, nos fanais e Jumcais325, mas os

informes são muito lacunares e é difícil, por agora, avançar com mais dados neste

concernente.

Por fim, existem dois tipos de instituições que também encontramos

documentadas como proprietárias de móveis e imóveis. São elas os hospitais e as

misericórdias, tal como os mosteiros femininos da ilha.

323 Explicitação clara deste conceito e da ruptura operada pelo nascimento do conceito "propriedade", em
finais do século XVIII, vide Alain Guerreau — El futuro de un pasado…, pp. 21-23, 25-26, 28, 38 e
passim.
324 Vide pp. 133-134.
325 Vide p. 151.

189
No último caso, para a época que nos ocupa, sabemos de alguns dotes de

instituição e ingresso326. Não obstante, a fonte mais antiga data de 5 de Abril de 1529,
pela qual é doado um moio de terra em Porto Martim, justificando-se segundo a razão de

que se fazja orra nouamente hum mostejrro de frejras he que pera sostentamento das

quajs erra necesajro esmollas327. Foi este o primeiro mosteiro feminino da ilha, o

conhecido por mosteiro da Luz da Praia, a que se seguiu a instituição do de Jesus, na

mesma vila, fundado por D. Beatriz de Noronha, viúva de Álvaro Martins Homem, 3º

capitão, em 29 de Março de 1532328. Para além dos documentos referidos, para estes

cenóbios apenas são conhecidos mais onze escrituras de dote329.

Relativamente aos de S. Gonçalo e da Esperança, de Angra, sabemo-los de

fundação por meados do século XVI. O primeiro com balizas cronológicas que o

apresentam posterior a 1542, mas também a 1552330. O segundo datará de 1550 em

diante, ou mesmo já da década de 60331 . De entre estes dois, os primeiros dotes

detectados datam de cerca de 1553 e 1559, sendo relativos ao dito convento da

Esperança332.

Perante os dados atrás e apesar de se remontar a instituição do mosteiro de

Nossa Senhora da Luz (o primeiro) à década de 80 de mil e quatrocentos, tendo como

padroeiro o 2º capitão da Praia, Antão Martins Homem333 , a verdade é que o dito

"novo" mosteiro de 1529 parece indicar um carácter bem mais recente. Tendo em conta

que o referido capitão recebeu carta da capitania em 26 de Março de 1483334 e faleceu

326 Vide Quadro C dos apêndices, a partir da coluna "Beneficiados".


327 BPARAH. Monásticos: TCLP, lº 13, fls. 138.
328 BPARAH. Monásticos: TCJP, lº 1, fl.2; mç. 6 , 2º doc [nº/nossa], fl. 17vº].
329 BPARAH. Monásticos: TCJP, lº 1, fl. 11 (1536); fls. 5-5vº (1537-39); fls. 4vº-5 (1539); fls. 12-12vº
(1539); fls. 3vº-4vº (1539); fls. 6vº-7 (1544); TCJP, lº 9, fls. 250-254vº; lº 10, fl. 653 (1538). Os demais
são posteriores a 1550: TCLP, lº 10, fls. 750-753vº e lº 8, fl. 44 (c. de 1553); TCJP, fls. 25-25vº (1558);
fl. 26 (1558)
330 Ambas as datas encontramos no dito cronista (Pe. M. L. Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, p.
219 e vol. III, pp. 187-188; vol. III, pp. 180-182). O mesmo ainda informa que a Bula da fundação era de
1550 em diante. Idem, vol. III, p. 189.
331 Pe. M. L. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, pp. 169 e 189.
332 Um anterior a 28.III.1553: BPARAH. Monásticos: CEA, lº 6, fls. 87-90; outro anterior a
22.VIII.1559: lº 2, fls. 999-1000.
333 Pe. M. Luís Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, p. 151. Em 1685 foi inaugurada a respectiva
reconstrução, noutro lugar da vila da Praia. Terá sido sua fundadora Catarina de Ornelas, proveniente da
Madeira.
334 AA, vol. IV, p. 215.

190
cerca de 1532335, o ano de 1529, ou os imediatamente anteriores, estão dentro do lapso
cronológico possível de atender no caso do referido padroado.

De qualquer modo, ao carácter tardio das respectivas instituições —nesta época,

pouco documentadas—, acresce ainda o facto dos bens dotados, pelo menos antes da

profissão, não se constituirem de imediato em bens do mosteiro336. Por tal motivo, não

havendo estudos em profundidade sobre a constituição e evolução patrimonial dos ditos

cenóbios 337 , perante os informes que se afiguram para o tempo em questão, é de

concluir um peso patrimonial de menor importância, relativo às referidas instituições.

Por fim, abordemos as misericórdias e os hospitais. Basta uma breve análise do

Quadro C dos apêndices, para percebermos que estas, tanto as da Praia como as de

Angra, são aquelas que mais legados recebem. O Hospital de Santo Espírito de Angra,

cujo compromisso data de 1492, sobressai de entre as referidas, não apenas porque

documentado em tempo mais remoto, mas também pelas doações e legados significativos

que acumulou. Entre as quarenta e seis referências encontradas para as ditas instituições,

Misericórdia da Praia, Misericórdia de Angra, Hospital de Santo Espírito da Praia e

Hospital de Santo Espírito de Angra e entre 1492 e 1547, 54% (vinte cinco338) dizem

respeito ao último. Atrás referimo-lo, inclusive, como beneficiado de carta de

sesmaria339. Outros bens, contudo, como terras e casas, foram sendo paulatinamente

incorporados, de molde a que no período deste nosso trabalho já se havia constituído um

apreciável conjunto patrimonial. Não obstante, porque projectamos concluir um estudo

de fundo sobre a matéria, em trabalho que já decorre, ficaremos por aqui na apreciação.

335 R. D. Gregório — Rendimentos da capitania da Praia…, p. 162.


336 Segundo Maria Margarida de Sá Nogueira Lalanda, é regra de Santa Clara a freira não mais
administrar seus bens depois da profissão. No entanto, são muito frequentes as fontes que comprovam o
contrário. Da autora, A admissão aos mosteiros de Clarissas na ilha de S. Miguel (séculos XVI e XVII).
Trabalho realizado no âmbito das Prestação de Provas de Aptidão pedagógica e capacidade Científica à
Universidade dos Açores, em 1987, p. 50 e ss. Texto policopiado.
337 Como o realizado por Maria Margarida de Sá Nogueira Lalanda — A admissão aos mosteiros de
Clarissas na ilha de S. Miguel (séculos XVI e XVII… e, da mesma autora, Do Convento de Jesus, na
Ribeira Grande (S. Miguel), no século XVII: as cartas de dote para freira. Ponta Delgada: Universidade
dos Açores, 1995. Separata de Arquipélago.história. 2ª série, vol. I: t. 2 (1995) 111-125.
338 Dados provisórios, já que está em curso um trabalho sobre esta instituição hospitaleira.
339 Vide pp. 178-179.

191
Para terminarmos o considerado ao longo deste capítulo, diremos que a

propriedade na ilha Terceira, a do solo em particular, obtida por mecanismos diversos e

uns mais marcantes numas épocas que outras é, ao que se afigura, uma propriedade

essencialmente laica.

Para mais, constatamos logo à partida como a terra se colocou nas mãos dos

grupos/indivíduos mais proeminentes. Como não podia deixar de ser, as formas de

apropriação cumpriam as regras da sociedade, traduzindo os respectivos modelos e

hierarquias340. Contudo, emerge uma abertura, não tão insignificante como isso, para os
situáveis nos grupos populares. A estes cabe uma parte da terra concedida em sesmarias.

De qualquer modo, a evolução da posse continua a favorecer os socialmente mais

destacados, como os fidalgos nas faixas de topo da sociedade e os mercadores nas de

base, que apresentam uma prática e poder aquisitivos superiores aos que lhe estão

abaixo na hierarquia. Isto, relativamente à posse plena, porque no campo da posse pelo

usufruto e a partir dos dados disponíveis, são os grupos populares que marcam uma

presença esmagadora.

340 Sobre a apropriação geral da propriedade, no quadro das sociedades humanas, vide o artigo de
Maurice Godelier — Propriedade. In Enciclopédia Einaudi. Modo de produção / desenvolvimento /
subdesenvolvimento. [S.l.]: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1986, vol. 7, pp. 163-169; ainda sobre
as formas sociais desssa apropriação, para a Madeira, cfr. Jorge Freitas Branco e Miguel Jasmins
Rodrigues — Apropriação da natureza no arquipélago da Madeira. Determinação e parâmetros
analíticos. In Actas do III Colóquio Internacional de História da Madeira. Funchal: Secretaria Regional
do Turismo e Cultura / Centro de Estudos de História do Atlântico, 1993, pp. 598-599.

192
CAPÍTULO III

OS PATRIMÓNIOS: COMPOSIÇÃO E GEOGRAFIA


O capítulo, que agora se abre, tem como objectivo principal o levantamento dos

bens que constituiam os patrimónios individuais e familiares das primeiras gerações da

ilha Terceira. Com ele, pretendemos reconstruir alguns aspectos dos modos de viver

quotidiano e, ao mesmo tempo, permitir o primeiro vislumbre dos níveis da riqueza

patrimonial.

Na prossecussão destes objectivos, vamos tomar os documentos trabalhados até

agora, com particular incidência nos inventários post-mortem1, nos autos de contas da

fazenda de órfãos e nos das capelas —aqueles que chegaram aos nossos dias—

associados aos testamentos.

Os patrimónios terceirenses da época que nos ocupa são constituídos por bens

de diversa índole e significado sócio-económico. Em termos gerais, iremos dividi-los

segundo uma tipologia já estabelecida, distinguindo os móveis dos imóveis e, no seu

interior, iremos abordar os melhor documentados.

1. Os bens móveis

Muito particulamente a partir dos inventários de bens, mas também com base em

alguns testamentos e dotes de casamento — documentação que a este nível patrimonial

apenas nos garante informes de 1506 em diante2 — pudemos reconstruir, parcialmente,

a composição e valores de bens como jóias, vestuário e roupa de casa, alfaias agrícolas e

1 Sobre a importância e a fiabilidade deste tipo de fontes, para a história da cultura material, do
quotidiano das populações e para o conhecimento das sociedades, vide Hortensio Sobrado Correa — Los
inventarios post-mortem como fuente privilegiada para el estudio de la historia de la cultura material
en la Edad Moderna. Hispania. LXIII/3, nº 215 (2003) 825-862.
2 A documentação mais antiga de que dispomos, relativa ao século XV, diz respeito aos vários
documentos oficiais já publicados, às sesmarias, aos poucos registos de compra e venda e a alguns
testamentos. Inventários conhecemo-los de 1501 em diante. De qualquer modo, na análise do património
móvel, apenas a documentação a partir de 1506 nos traz informes significativos.

194
demais utensilagem doméstica, gado, produções agrícolas, foros, rendas e pensões,

escravos e outros.

Não obstante, este tipo de propriedade não é aquela que mais amiúde surge

inventariada, principalmente nos casos das fortunas mais proeminentes, como as de Pero

Anes do Canto, Diogo Paim e Branca da Câmara, ou as dos capitães da Praia e Angra.

Explica-lo-á, quiçá, o relativo menor significado da mesma face ao imobiliário, bem como

a eventualidade de róis demasiado extensos se, peça à peça, fosse registado o número de

cabeças de gado ou do mobiliário diverso.

Os elementos de que dispomos para o caso de Pero Anes do Canto já foram por

nós estudados. Ali, a inventariação dos móveis incidiu sobre os escravos, peças de ouro

e prata e um pequeno rol do apetrechamento e gado da propriedade do Porto da Cruz,

em 1512. Este último teria a sua importância para a época, mas não traduzia todo o

património do provedor neste âmbito, aquando da sua morte, em 15563. Os bens de

Diogo Paim e Branca da Câmara conhecemo-los, satisfatoriamente, na composição e

avaliação dos imóveis, pelo que nos serão apenas de particular utilidade no ponto 2.

deste capítulo4. Sobre os réditos da capitania da Praia, tivemos ocasião de debruçar-nos

anteriormente e para o período entre 1533 e 15375. Traremos novamente os valores à

colação, já que constituídos por rendas em trigo ou dinheiro, a que acrescerão os dados

sobre os bens que ficaram a D. Beatriz de Noronha, viúva do 3º capitão da Praia6. No

que toca ao 2º capitão de Angra, Vasco Anes Corte Real, iremos abordar questões sobre

o respectivo património7, se bem que no âmbito dos móveis os informes apenas se

traduzam em quantitativos monetários.

3 Cfr. Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, pp. 78-89 e 199-201.
4 Conhecemo-los através de vários documentos mas, particularmente, a partir das definitivas partilhas
entre herdeiros, entre 1557 e 1560. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 23, nº 11, fls. 16-54.
5 Cfr. Rute Dias Gregório — Rendimentos da capitania da Praia, ilha Terceira, 1533-1537. Lisboa:
Universidade Nova de Lisboa, 2004. Separata de Anais de História de Além-Mar. Vol. V (2004) 161-
183.
6 BPARAH. Famílias: CCP, mçs. 2.3.3. e 2.3.2.
7 AN/TT. OFM: SFL, lº 4, fls. 458-480. Queremos agradecer, a Maria de Lurdes Rosa, a
disponibilização das suas fichas sobre a capela de Vasco Anes Corte Real, em S. Francisco de Lisboa e a
indicação da fonte cujo estudo permitiu conhecer melhor os testamentos do 2º capitão de Angra, de sua
mulher e o documento de instituição do respectivo morgadio, tal como o acesso a dados fundamentais
sobre o respectivo património.

195
Por tudo isto, para os casos referidos, que são à partida as fortunas

documentadas mais proeminentes que conhecemos, não foi possível estabelecer

cômputos gerais da propriedade móvel. Não obstante, pelo menos parcelarmente, estes e

outros patrimónios poderão ser reconstituídos, de molde à definição de um conjunto de

preocupações e modos de vida característicos.

1.1. Vestuário e outros adereços

As peças do vestir e alguns dados sobre adereços, adornos e afins, são elementos

presentes nas nossas fontes, quer sejam elas inventários, róis, dotes ou testamentos.

Entre os cento e sessenta e três testadores, cujas cédulas vão até 1550, inclusive,

pelo menos cinquenta e cinco (33,7%) legam vestuário ou prescrevem quantias para

aquisição de pano, com o objectivo de vestir pobres e órfãs, membros da família,

serviçais e outros8. Por um lado, é a piedade a manifestar-se pelos mais desprotegidos,

como estratégia para "ganhar" o Além. Por outro, toma assim forma um dos mecanismos

privados do assistencialismo e, por fim, também fica traduzido o condicionar da

transmissão de bens que podiam ser muito valiosos.

Constitui aquela, pois, preocupação comum a testadores masculinos como a

femininos, se bem que com maior pendor para os últimos. Fora os presentes em

testamentos de mão comum, feitos por marido e mulher (15%), este tipo de legados

ocorre com maior frequência em testamentos exclusivamente femininos (53%). A

explicá-lo poderá estar a domesticidade da vida das mulheres, muitas vezes entregues às

tarefas da produção do fio, tecido ou da própria roupa, concomitantemente com um

possível e parcial desconhecimento dos bens que possuem e de que podem dispor fora

dessa esfera. A própria D. Joana da Silva, mulher de Sebastião Monis Barreto, no

quadro das referências ao dote de casamento e à disposição testamentária de seus bens

próprios dizia: moorro sem saber ho que tenho9.

8 Para melhor fundamentação do referido, vide Quadro C dos apêndices.


9 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 2. De qualquer modo, a ausência do marido e as
dificuldades financeiras por que passava, que várias vezes refere e para manter um nível de vida de acordo
com o respectivo estatuto, também podem explicar a afirmação.

196
O vestuário arrolado pode atingir número, qualidade e valores consideráveis,

como é a situação do referente à dita D. Joana da Silva (Quadro V)10, mulher do neto do

primeiro capitão de Angra, mas também fica traduzido na singeleza de peças velhas,

usadas quotidianamente e traduzidas pela vulgar expressão de cote11 e, até, nas usadas

pelos escravos, em 1512 e 151712.

No primeiro caso (D. Joana da Silva), os valores do guarda-roupa e adereços, dos

quais excluímos as jóias, na sua maioria empenhadas13, pelas nossas contas ascendem a

38$000 (QuadroV). São estas estimativas diferentes das alcançadas, em 1533, para a

viúva da capitão da Praia, D. Beatriz de Noronha e num valor de 15$00014. Sem dúvida

que dez anos as separavam, mas o arrolamento da capitoa estava, logo à partida, bem

mais limitado no número de peças e respectiva variedade. Admitimos poder estar

incompleto, mas a verdade é que não se deixou de inventariar um sainho muito velho, por

500 reais15 , antecipando um arrolamento que não se limitava às peças de "maior"

significado material16. De qualquer forma, complementava-se este guarda-roupa com um

valor incomparável em jóias pessoais que, apenas ele, atingia os 48$00017.

Ambos os somatórios atrás opõem-se, claramente, aos obtidos para a falecida

mulher de Duarte Fernandes, cerca de 1530/154018, num valor apurado de 8$53019 e,

ainda mais, aos em 1546 encontrados para Jorge Fernandes e mulher: 2$500 para o

primeiro e 4$160 para a segunda (Quadro VI)20. Só por eles apreendemos, de imediato, a

gradação das próprias fortunas e, naturalmente, dos respectivos estatutos.

10 Segundo inventário de 11.VI.1545. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fls. 11-18 e 27vº.
11 Apenas para referirmos alguns exemplos, que se poderão ampliar no Quadro D dos apêndices:
BPARAH. CIM: TMP, fl. 66 (1521); Monásticos: CSGA, lº 2, nº 75, fl. 12vº (1544).
12 TPAC, doc. 79, p. 185 (1512); BPARAH. CIM: TMP, fl. 71 (1517). O levantamento destas peças e
demais adereços, encontra-se nos quadro D e E dos apêndices.
13 Todas sobre o valor global de 10$480. Vide quadro E dos apêndices.
14 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 2.3.3., fls. 43vº-44.
15 Vide Quadro D dos apêndices.
16 Embora pudesse excluir muitas mais de valores inferiores, pois que o vestuário íntimo, por exemplo,
não se encontra arrolado. De qualquer modo, registe-se que uma só cota, ou "vestido" na nossa acepção,
de D. Beatriz de Noronha, é avaliada em 3$500 pelo mesmo inventário. BPARAH. Famílias: CCP, mç.
2.3.2., fl. 44.
17 Composto por oito manilhas, uma cadeia e uma tira para a cabeça, duas braceletes e três jóias para o
pescoço. BPARAH. Famílias: CCP, mç. 2.3.3, fl. 43vº.
18 O inventário geral da fazenda, incompleto, não apresenta qualquer data. Todavia, é possível enquadrá-
lo nesta época pelo escrivão dos órfãos que redigiu os autos: Afonso Lopes.
19 BPARAH, mç. 146, nº 29, fls. 9-10. Cfr. Quadro D dos apêndices.
20 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 113, nº 16 A /n/nossa), fl. 6-7. Vide p. 206.

197
Desde as épocas mais recuadas que o vestuário e respectivos adereços marcam a

distinção entre os grupos da sociedade. Obedecem a um código que traduz o sistema de

representações sociais e, por isso, o traje funcionaria, no dizer de Jacques le Goff, como

"um verdadeiro uniforme"21. Inclusive, a legislação acabou por fazer eco do fenómeno,

estabelecendo como próprio ou impróprio o uso de determinadas vestes por certos

grupos sociais 22 , principalmente na emergência de alguns e no quadro de uma

mentalidade atraída pelo luxo e pela ostentação23. Traduzindo essa dimensão sociológica

do vestir, nos nossos documentos ficavam as palavras da célebre Bartolesa Rodrigues

Carneira, afirmando que a sua filha trouxera uestida e traiada como quem ella hera24.

Para além do mais, no quadro dos guarda-roupas, ou de parte deles, a que

tivemos acesso, levanta-se uma grande variedade de tecidos, com maior incidência nos

particularmente bem recheados, como é a situação da referida D. Joana.

A proveniência externa de muita da fazenda aplicada à confecção do vestuário

ficava bem atestada. Aliás, no caso português, é fenómeno antigo, já documentado25, que

21 Jacques Le Goff — A civilização do Ocidente medieval. Lisboa: Editorial Estampa, 1983, vol. II, p.
123. A este propósito vide, também, Robert Delort — Le Moyen Âge. Histoire illustrée de la vie
quotidienne. [S.l.]: Seuil, [s.d.] [imp. 1983], p.37; Philippe Braunstein — A emergência do indivíduo:
abordagens da intimidade, séculos XIV-XV. In Philippe Ariès e Georges Duby (dir.) — História da vida
privada: da Europa feudal ao Renascimento. Porto: Edições Afrontamento, 1990, vol. 2, pp. 560-572;
Michel Pastoreau — Practiques et symboliques vestimentaires. Medievales. Nº 29 (1995) 5-7; Yvonne
Deslandes — Le costume, image de l'homme. Paris: Éditions Albin Michel, 1976, pp. 176-182 e passim.
22 Cfr. A. H. de Oliveira Marques — O traje…, pp. 48 e 56; Philippe Braunstein — A emergência do
indivíduo: abordagens da intimidade…, p. 561; Cristina Sigüenza Pelarda — La vida cotidiana en la
Edad Media: la moda en el vestir en la pintura gótica. In José-Ignacio de la Iglesia Duarte (coord.) —
La vida cotidiana en la Edad Media. Logroño: Instituto de Estudios Riojanos, 1998, p. 355 e 358-362.
23 A. H. de Oliveira Marques — O traje, pp. 23 e 25-26; Philippe Braunstein — A emergência do
indivíduo…, pp. 564-565.
24 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 418, nº 1, fl. 13vº. Para mais, em 1558, na dotação de leitos,
hábitos e toucais para entrada em convento, também se dizia que tudo era como conuem a filhas de
semelhantes nomes e Calidade. BPARAH. Monásticos: TCJP, fls. 25-25vº.
25 Sobre a temática da importação textil portuguesa consulte-se Ana Maria Pereira Ferreira — A
importação e o comércio textil em Portugal no século XV (1385 a 1481). Lisboa: Imprensa Nacional -
Casa da Moeda, 1985, pp. 110-123; A. H. de Oliveira Marques — O traje…, p. 52.

198
explica a própria nomenclatura de alguns panos26, detectada nas fontes terceirenses: de

Londres27, de Holanda28, de Ruão29, de Paris30 e de Biscaia31.

Por oposição ao tecido importado, surge o designado pano da terra, mais

acessível e omnipresente na confecção do vestuário legado aos ditos pobres 32, mas

também no dos escravos33 e igualmente constante no dos demais componentes sociais34.

Temos uma referência a pano de lã da terra35, mas não seria de estranhar que sob a

designação da terra pudesse estar tecido de fibra distinta, nem que fosse por

composição dupla ou múltipla da fazenda.

De qualquer modo, está bem atestada a produção de lã na época. Ela emerge no

primevo lançamento de animais na ocupação das ilhas, na presença de rebanhos de

ovelhas, na Terceira, entre os quais destacam-se as 400 de trosquea [sic] de Gonçalo

Álvares Pamplona em 151736, as mais de 200 cabeças do falecido Pero Gonçalves de

Antona em 154637 e as cem cabeças de Violante da Costa e Afonso Simão, dos quais

acrescidamente se arrolavam três pedras de lã fiada (1558)38.

Para além dela, a produção familiar de linho está também documentada. Um bom

exemplo é-nos dado no inventário de Duarte Fernandes onde, para além de 52 varas de

pano de linho e 28,5 de estopa, ainda emergem 14 arráteis de estopa de sedeiro, linho

26 É tradição que recua no tempo, a particularidade de designar os tecidos pelo lugar de origem e/ou
fabricação. Cfr. A. H. de Oliveira Marques — O traje…, p. 58.
27 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 17; mç. 418, nº 1, fl. 12; mç. 146, nº 29, fls. 9-10;
mç. 142, nº 9, fl. 12vº; CJF: AQM, s/nº, fl. 11; BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fls. 11 e 12.
28 Segundo Oliveira Marques, uma espécie de cambraia muito fina. Cfr. autor citado, O traje…, p. 50.
Na nossa documentação é tecido que encontramos amiúde, nomeadamente ao nível de toalhas e de outra
roupa de casa. No vestuário também o detectamos em panos com feição de lenço, em cabeções e em
grojais. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fls. 14-16.
29 CJF: AQM, fl. 13. Também nos surge uma saia ruã que acreditamos indicar o mesmo tecido.
BPARAH. CIM: TMP, fl. 66.
30 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fls. 11-11vº.
31 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fls. 4-5vº.
32 BPARAH. CIM: TMP, fl.s 71vº-72; Judiciais: PRC, fl. 22vº; Monásticos: TSFA, fl. 69vº; 116;
BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 5vº.
33 TPAC, doc. 79, p. 185; BPARAH. CIM: TMP, fl. 39.
34 BPARAH. CIM: TMP, fl. 56vº; fl. 57; fl. 147; Paroquiais: TSCP, lº 1, fl. 199vº; Judiciais: AAAH,
mç. 6, nº4, fl. 19vº; mç. 113, nº 16 A (n/nossa), fl. 6vº; mç. 221, nº 13, fl. 3.
35 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl. 3 (1506).
36 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 23, fl. 25vº.
37 BPARAH. Monásticos: CEA, lº 4, fl. 152vº.
38 BPARAH. Monásticos: CSGA, lº 2, nº 75, fls. 7 e 5.
39 O tratamento do linho passava por várias fases: a do ripanço (separação da baganha das palhas), a da
curtição (por alagamento ou exposição ao sol), a do amaçar (depois de ir ao calor do forno) para

199
assedado39 e mais 400 molhos de linho40. Outro, é o da viúva de João Jorge Carreiro

que, além de linho assedado e meadas da dita fibra e de estopa, ainda apresenta 3/4 de

alqueire de linhaça41, ou mesmo um alqueire como se descortina nos autos de contas das

filhas menores de Lopo Fernandes, em 152942 . Se o tecido pode ter procedência

externa43, a semente, os molhos e as fibras, nas diversas fases da preparação, indicam

matéria-prima local, o que também se pode cruzar com o linhal de João Gonçalves em

150644.

A presença destas fibras locais coadunar-se-á com o eventual tecido dito da

terra. De qualquer modo, para confirmar a eventual predominância da lã neste tecido,

segundo Luís da Silva Ribeiro, o em 1935 assim designado, na Terceira, é um pano

grosso, resistente, áspero e elástico, de lã, em S. Jorge chamado baeta45 e semelhante ao

cheviote inglês, do qual havia dois tipos: o trés, apenas composto por lã e o meio trés,

urdido em linho ou algodão46. De facto, encontrámos nos nossos documentos, entre

1545 e 1558, um tecido chamado tres, pouco documentado, exclusivamente presente na

confecção de roupa doméstica vária47, mas não na do vestuário pessoal. Mais do que

isto, não estamos em condições de poder avançar.

"descascar" o mais grosseiro da aresta, a do corar, a do gramar ou tasquinhar (depois de nova ida ao
forno), a do espadelar e, por fim, a do assedar com sedeiro, última fase do processo anterior à fiação. A
dita estopa de sedeiro, a mais fina e de melhor qualidade, resulta desta última "limpeza" e selecção da
fibra, pela separação do linho propriamente dito. Este processo tivemos oportunidade de reconstituir em
trabalho académico realizado em 1991, na área da Bretanha (S. Miguel), no âmbito da disciplina de
Antropologia Cultural e sob a orientação de Rui Sousa Martins, do Departamento de História Filosofia e
Ciências Sociais (Rute Dias Gregório — O linho na Bretanha. Policopiado. 73 pp.). No âmbito da
Terceira, Luís da Silva Ribeiro regista alguns apontamentos em A indústria popular de tecidos no
distrito de Angra do Heroísmo. In L. da S. Ribeiro — Obras…, vol. I, pp. 110-111. O estudo desta
temática, nas ilhas dos Açores, tem sofrido desenvolvimentos, com trabalhos realizados no âmbito do
Centro de Estudos Etnológicos da Universidade dos Açores, em 2000, 2001 e 2002. Para mais, como
referência incontornável, vide Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira —
Tecnologia tradicional portuguesa: o linho. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica:
Centro de Estudos de Etnologia, 1978, pp. 36-73 e passim.
40 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fls. 6vº-7 e 9-9vº (1530/1540).
41 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 4 (1532).
42 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 391, s/nº (fragmento, 2 fls.).
43 Segundo Luís da Silva Ribeiro, até meados do século XVI a Terceira terá importado pano de linho,
por exemplo, da área de Lamego. Cfr. autor cit., A indústria popular de tecidos no distrito de Angra do
Heroísmo. In L. da S. Ribeiro — Obras…, vol. I, p. 108; Idem — Contribuições à etnografia
açoriana. II. A fiação na ilha Terceira. In L. da S. Ribeiro — Obras…, vol. I, p. 605.
44 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl. 3.
45 Tecido grosseiro e felpudo, de lã. Cfr. João Afonso — O trajo nos Açores. Subsídio para estudos de
vestiaria antiga. Angra do Heroísmo: Instituto Histórico da Ilha Terceira, 1978, p. 137.
46 Cfr. Luís da Silva Ribeiro — A indústria popular de tecidos…, pp. 108, 111 e 113.
47 Como almadraques, um deles cheio de lã (1532); cabeçais, brancos e listrados (1556). BPARAH.
Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl.16 (1532); PRC, fl. 89 (1556); Monásticos: CJP, mç. 2, doc. 28, fl.

200
Para além da questão da proveniência dos tecidos, acima sumária e

incompletamente abordada, queremos ainda referir a sua múltipla variedade, da qual se

destaca: o dito pano da terra, o chamalote, o pano de Londres, o pano de linho, a

palmilha, o pano avincado, o pano de camiseiro, o pano de grã, o burel, o fustão, o pano

de Holanda, a seda, o pano de solia48, o menuim49, o pano de pombinho, o veludo, a

escarlata50, o tafetá, o damasco, o setim, pano d'ostenda e o pano de algodão, entre

outros51. Em suma, uma grande variedade de tecidos, realidade que já se atesta para os

séculos XIII, XIV e XV, no quadro do desenvolvimento da indústria textil europeia52.

Claro que entre eles há enormes diferenças quanto à qualidade e capacidade de

utilização, que nos escusaremos abordar, mas que ficando desde logo patenteados pela

presença ou ausência nos guarda-roupas de determinados indivíduos53 , ainda se

apreendem pelos diversos preços de pano detectados. Infelizmente os dados são raros,

incompletos e dispersos no tempo, pelo que julgamos conveniente referenciá-los.

QUADRO IV

PREÇOS DOS TECIDOS

Preço/avaliação
Data Tecido Características por unidade Fonte
1520 pano da llogea e para vestido 300 rs o côvado TMP, fl. 56vº
de mulher
1530/1540 pano de estopa 50 rs a vara AAAH, mç.
146, nº 29, fl.
7

10vº(1558). Também detectámos, em inventário de 1552, 14 varas de tres bramco, do llistado, avaliado
a 100 reais a vara. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 9, nº 25, fl. 7vº.
48 Solia é um antigo tecido de lã. Cfr. GDLP, de JPM, vol. VI, p. 126.
49 De Menim, na Flandres, pano de lã de qualidade superior? Cfr. Ana Maria Pereira Ferreira — A
importação e o comércio textil em Portugal…, pp. 110-123.
50 Fazenda particularmente apreciada e cara na Idade Média, proveniente da Flandres ou da Inglaterra. Cfr.
A. H. de Oliveira Marques — O traje…, p. 58. No nosso caso, detectamos-lhe proveniência florentina.
Para mais vide, ainda, Ana Maria Pereira Ferreira — A importação e o comércio textil …, pp. 110-111 e
particularmente nt. 10 sobre a questão da "cor" deste tecido.
51 Cfr. Quadro D dos apêndices. Para mais informes sobre alguns destes tecidos, como o burel, o fustão e
o linho de produção portuguesa, a escarlata importada, os damascos, os veludos, os cetins, os tafetás e o
chamalote, vide A. H. de Oliveira Marques — O traje…, pp. 58-59 e passim. Incidindo sobre os panos
de importação, vide Ana Maria Pereira Ferreira — A importação e o comércio textil…, pp. 107-131.
52 Não pretendemos avançar mais na temática, no âmbito deste estudo. De qualquer modo, pela
profundidade, inovação e carácter relativamente recente, queremos aqui referenciar o trabalho de
Dominique Cardon — La draperie au Moyen Âge. Essor d´une grande industrie européenne. Paris:
CNRS Éditions, 1999 e, em relação à importação portuguesa, destacar o tabalho de Ana Maria Pereira
Ferreira — A importação e o comércio textil …
53 Vide Quadro D dos apêndices.

201
1530/1540 pano de estopa cru 40 rs a vara AAAH, mç.
146, nº 29, fl.
6vº
1530/1540 pano de estopa curado, de 4 palmos 40 rs a vara AAAH, mç.
146, nº 29, fl.
6vº
1530/1540 pano de linho curado e de 4 palmos de 70 rs a vara AAAH, mç.
largura 146, nº 29, fl.
6vº
1530/1540 pano de linho delgado e curado, de 4 80 rs a vara AAAH, mç.
palmos de largura 146, nº 29, fl.
6vº
1531 (ant. escarlata de Florença. Um fraldilha 950 rs o côvado AQM, s/nº, fl.
a) de 4,5 cruzados, comprada 11
em Lisboa a
1531 (ant. verde gaija uma fraldilha, assim 550 rs o côvado AQM, s/nº, fl.
a) chamada, de 4 côvados, a 11
1531 (ant. pano de Londres, 2 côvados custaram 1$000 500 rs o côvado AQM, s/nº, fl.
a) branco 11
1531 (ant. veludo 1,5 côvado custou 1$500 1$000 o côvado AQM, s/nº, fl.
a) 11
1534 pano branco para saia 400 rs o côvado THSEA, fl.
209vº
1537 pano 4 côvados para uma saia 300 rs o côvado TSEVN, p.
503
1545 pano 2 côvados a 600 rs 300 rs o côvado TSCP, lº 1, fl.
173
1545 pano de Holanda 3 varas, avaliadas em 600 200 rs a vara MCMCC, V,
rs nº 132, fl. 9vº
1549 pano bom, para saia 300 rs para cima SFA, fl. 116
1549 pano para um manto 400 rs para cima SFA, fl. 116
1550 pano da loje, para vestuário: 1$200 o côvado AAAH, mç.
pelote, calção e gibão 221, nº 13, fl.
3

Como podemos averiguar, pela análise dos dados do quadro IV, as medidas aqui

encontradas para a medição dos tecidos são a vara e o côvado, aliás, as mais utilizadas e

documentadas para a Idade Média portuguesa54. Segundo A. H. de Oliveira Marques, a

última medida utilizava-se para tecidos de melhor qualidade e se bem que por vezes

fosse equiparado à vara, nos séculos anteriores ao XV apresenta um valor inferior.

Assim, uma vara equivaleria a 1,75 côvados, a 5 palmos e a cerca de 1,1m e o côvado a

3,5 palmos e a 0,70 m55. O trabalho de Mário Jorge Barroca, com base no estudo das

medidas-padrão gravadas em monumentos medievais portugueses, destaca a relativa

uniformidade das medidas utilizadas no comércio de tecidos, corroborando a equivalência

54 Mário Jorge Barroca — Medidas-padrão medievais portuguesas. Revista da Faculdade de Letras. II


série, vol. IX (1992) 58-59.
55 Cfr. Pesos e Medidas. In Joel Serrão (dir. de) — Dicionário de História de Portugal…, vol. V, p.
68.

202
da vara atrás apresentada, mas apresentando o valor de 0,66 m para o côvado ou alna56.

A destrinça, para as medidas lineares, entre o sistema de craveira e o sistema de medir

pano trouxeram-nos novos dados. E se apresentam os valores de 1,1 m para a vara e

0,66m para o côvado, no primeiro sistema, já aduzem, respectivamente, 0,917m e

0,550m no sistema utilizado na medição dos tecidos57.

Tudo isto para uma tentativa de aproximação e de conversão ao sistema decimal

que hoje nos rege, no sentido de melhor compreendermos os valores apresentados para

os nossos panos58 . Principalmente para a década de 30 e 40 de mil e quinhentos,

podemos abrir um leque de variação de preços que vai dos 40 reais a vara (1,1m ou 0,

917m) de estopa, ou 50 reais para o linho que é tecido referenciado no nosso vestuário,

aos 1$000 do côvado (0,66 m ou 0,55m) de veludo. De facto, a disparidade dificilmente

poderia ser melhor atestada.

De qualquer modo, o valor do pano de Londres59, documentado nos nossos

guarda-roupas 60 , a 500 reais o côvado antes de 1531 (desconhecemos se muito

anteriormente), contrasta com o valor do pano de Holanda em 1545, também bastante

referenciado, a 200 reais o côvado. Talvez não estranhe, pois, que boa parte dos registos

do último estejam ligados a variadíssimas peças, não de vestuário, mas de roupa

doméstica como lençóis, travesseiros, almofadas e toalhas de cobrir pão, de gente

abastada61. Mesmo assim, poderia haver uma variação da qualidade de tecidos com o

mesmo nome, aplicados em fins diversos. O inventário de D. Joana da Silva, entre os

quatro itens que arrolam peças de Holanda, um deles especifica ollanda pera toalha de

56 Do autor citado, Medidas-padrão medievais ortuguesas. Revista da Faculdade de Letras. II série, vol.
IX (1992).
57 Cfr. Mário Viana — Algumas medidas lineares medievais portuguesas: o astil e as varas.
Arquipélago.História. 2ª série, vol. III (1999) 491.
58 Para a questão das medidas da propriedade fundiária, tomámos a opção de não considerar a vara de
medir pano e respectivo sistema, por razões que adiante aduziremos. Aqui, até na tentativa de
salvaguardar as comparações com estudos que versem ambos os sistemas, "comercial e de craveira,
iremos produzir ambos os cálculos.
59 Que Ana Maria Pereira Ferreira, em termos gerais, designa como pano de lã, dos melhores ditos de
média qualidade. No entanto, no que toca ao chamado para "fino de Londres", que também
documentamos, já estamos perante um tecido de primeiríssima qualidade, adquirido para figuras régias
como D. Afonso V e mais caro do que alguns veludos. Cfr., da autora cit., A importação e o comércio
textil…, pp. 110, 112 e nt. 18.
60 Cfr. Quadro D dos apêndices.
61 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fls. 8, 9vº, 10vº.

203
mãos 62 . Para mais, também detectamos, em 1533, um cobertor de londres, de 6,5

côvados avaliado por 1$300. Ou tratava-se de uma peça velha, que assim não é

designada e ao contrário de outras que no rol lhe estão acima e abaixo, ou então

constituia-se noutro tipo de Londres63.

Passando à análise da composição do vestuário, propriamente dito, uma plêiade

considerável de peças e acessórios se nos deparam. No clímax do fenómeno temos o

extenso, completo e rico guarda-roupa da referida D. Joana da Silva, com quantidades e

variedades de peças que não encontramos em mais nenhum.

QUADRO V

INVENTÁRIO DO GUARDA-ROUPA DE D. JOANA DA SILVA (1545)

Peça Qt Descrição Avaliação Fonte


MCMCC,
cotas 8 . 1, de pano de gram, velha 200 rs V, nº 132,
. 1, de chamalote azul, velha 1$200 fl. 11
. 1, de chamalote preto, usada 1$200
. 1, de chamalote verde, forada de bocaxjm amarello 1$200
e debruada de velludo em preto, quase nova
. 1, de pano pombjnho de parjs, com 3 barras de 2$400 fl. 11-11vº
veludo azul e debruada, com porta
. 1, de pano De llondres azejtonado, debruada de 2$400 fl. 11vº
veludo da mesma cor
. 1, de pano peropjnham arenoza?, debruada de 2$000 fl. 12vº
veludo à roda, com sua porta
. 1, de chamalote branco, com sua porta forada de 1$600
boraxjm amarello
mangas 3 . De cos, de veludo altonado velho 400 rs fl. 11
. de cetim roxo, usadas 300 rs fl. 12vº
. de cetim atanado guallpeados?, usadas 300 rs
saias 2 . 1, de chamallote dondas forada de bacaljm, usada, 800 rs fl. 11vº
com sua porta
. pequena, cor de cravo, debruada a veludo vermelho 800 rs fl. 12
de dous debrus, usada
mantilha 1 . 1, amarela, debajxo de fejsam de mamteo, velha 400 rs fl. 11vº
mantos 2 . 1, de tafetá, preto, debruado com veludo preto 2$000 fl. 11vº
. 1, de solljã, velho 1$200 fl. 12
marlota64 . 1, de tafetá, nova, debruada a veludo por toda, com 3$000 fl. 11vº
seus botões
vasquinha 1 . 1, de pano de llondres, azul, com barra de cetim 3$000 fl. 12
65 amarelo, debruada a veludo verde, com suas
frolldelljzes

62 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 10.


63 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 2.3.3., fl. 43. Vide o que dizemos à nota 57.
64 Capote com capuz, curto, usado entre os mouros. GDLP, de JPM, vol. IV, p. 44.
65 Saia de vestir por cima de toda a roupa, com muitas pregas na cintura e também um casaco curto e
muito justo ao corpo. GDLP, de JPM, vol. VI, p. 541.

204
saio 1 . 1, alto, frisado, debruado a veludo preto, de arbim, 2$000 fl. 12
já usado
sainhos 3 . 1, de pano de Londres, branco e usado 800 rs fl. 12
. 1, de pano aRenozo, debruado a veludo, usado 800 rs fl. 12vº
. 1, hacollchoado das manguas d'alguodam e 200 rs fl. 14vº
djamtejra
corpinho 1 . 1, de veludo preto, velho 300 rs fl. 12
gibões 2 . 1, de mulher, de cetim cinzento, usado 600 rs fl. 12vº
. 1, de cacha amtes talhado, com seus botões 400 rs fl. 13vº
valldjdouro 1 . 1, de pano branco, com barra de cetim branco, 2$000 fl. 13
cortepjzado de veludo em roda
chapéu 1 . 1, de veludo d'anbas fases, com seu cordão D e 800 rs fl. 13
retros e douro e rebaso acajrellado todo de Retros e
preto
bolsa 1 . 1, de veludo azul, guarnecida de seda, com seus 400 rs fl. 13
botões, forrada de cetim pardo, nova
cordão e . cordão branco e umas contas de cristal, também 100 rs fl. 13
contas brancas 200 rs fl. 15vº
. 1 botam de llauequa , umas contas azuis, 5 corais
com um cordão vermelho 50 rs fl. 19
. umas continhas de vidro azul
sombreiro 1 . 1, preto, com a copa forrada de cetim, com seus 120 rs fl. 13-13vº
cordões
coifas 6 . 1, de fases, toda lavrada de fio de prata 800 rs fl. 13vº
. 1, de seda azul, de faces, lavrada de fio de ouro 400 rs
. 1, de faces, lavrada de preto 80 rs
. 1, cham e fases, lavrada de ouro em redor 200 rs fl. 14
. 1, cham de remguo?, nova, lavrada em redor 100 rs fl. 14vº
. 1, de faces de bemguall, toda lavrada de ouro 400 rs fl. 15
panos e 5 . 1, de toucado, de seda de bemguall pela borda, com 3 cruzados fl. 13vº
lenços uma jmagem de nosa senhora
. 1, que tem três quartas de vara, de seda c o m o 120 rs fl. 14vº
Remguo 40 rs fl. 15
. 1, de lavores, de algodão 50 rs fl. 15vº
. 1, d'ollanda como lemço e hum grogall (sic) 60 rs f1s. 15vº-16
. 1, d'ollanda de fejçam de llemço quoadrado
toucado de 1 . 1, com lavor branco pela borda, de seda e seus bicos 200 rs fl. 14
cabeça
cabeções 5 . 1, de desfiado, com seu grojall66 400 rs fl. 14
. 1, de Rede llavrado, com seu grojal 400 rs
. 1, d ' o l l a n d a , lavrado na dianteira de llauor 200 rs fl. 14vº
d'estrellas, branco
. 2 d'ollanda cortados e hum dos panos llaurados de 200 rs fls. 14vº-15
guaisos? pollas bordas
grojall 2 . 1, de lavor d'ouro e azull 300 rs fl. 14
. 1, de pano d'ollanda, lavrado de lavor de grades de
seda e retros 120 rs fl. 120 rs
beatilhas 2 . 2, de seda e de algodão, usadas 300 rs fl. 14vº
abanos 2 . 2, de pena 40 rs fl. 15
soprjnas 2 . 2, de linho 100 rs fl. 15vº
chapins67 2 . 1 par: dourados e usados 200 rs fl. 18
pares . 1 par: de couro, vermelhos e velhos 80 rs
c. 38$000

66 Cabeção é uma espécie de gola ampla. Não detectámos grojall, mas sim "groja" que, no Algarve,
designa uma garganta forte e "grojeira" que em Trás-os-Montes significa, exactamente, colarinho. GDLP,
de JPM, vol. III, p. 266.
67 Calçado de sola alta, antigo, para mulheres. GDLP, de JPM, vol. II, p. 84.

205
Já bastante mais singelo, tanto no número de peças como nos valores que

implicam, surgem-nos os referidos inventários relativos a Jorge Fernandes e sua mulher,

ambos falecidos em 1546. São estes guarda-roupas mais generalizáveis, inclusive pelo

tipo de peças que arrolam.

QUADRO VI

GUARDA-ROUPA DE JORGE FERNANDES E MULHER (1546)68

Marido Mulher
. saio . azul e usado c. 800 rs . 2 camisas . 250 rs
. capa . preta 1$000 . 2 saias . azul e usada . c. de 800 rs
. calças . novas 200 rs . de pano da . 350 rs
. gibão . preto 200rs terra
. barrete . usado 150 rs . 1 manto . usado . 1$000
. camisa . de l l a _ _ _ 150 rs . 3 sainhos: . preto . 300 rs
preta (lã?) . de arbim . 900 rs
frisado
. c. de 100 rs
. 2 cós . de chamalote . 200 rs
e já usado
. de fustão, . 60 rs
branco
. 1 mantilhinha . verde . 100 rs
. 2 coifas . usadas . 100 rs
. 1 lenço
. 1 cordão
2$500 4$160

Assim, na tentativa de definir uma espécie de peças da indumentária-padrão da

época, documentado nas nossas fontes, ensaiemos uma abordagem geral dos mesmos.

Vestir pobres implicava, no caso mulheres e no mínimo, dar uma saia e um sainho

e, no dos homens, uma jaqueta e uns calções, ambos os informes de 154469. Também,

mais completo e um ano adiante, encontramos legado similar que aponta para saia,

sainho e mantilhinha, para as mulheres, e roupeta, calção e carapuça para os homens70.

Temos sérias dúvidas no tocante à antepenúltima peça, porquanto só lhe conhecemos o

significado de batina e questionamo-nos se não se tratará da muitas vezes referenciada

68 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 113, nº 16 A (n/nossa), fls. 6-7vº.


69 BPARAH. Monásticos: TSFA, fl. 69vº. Para o caso das mulheres, encontramo-lo reiterado em 1549,
no TSFA, fl. 116.
70 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 246.

206
jaqueta71. De qualquer forma, o registo de 1545 traz ainda uma novidade, ao avançar

peças para cobertura da cabeça: a mantilhinha e a carapuça.

Já o que é dado por hum vestido feminino, certa vez designado vestido jnteiro

mas sem a respectiva composição72, podia designar uma base elementar de várias peças,

nem sempre convergentes. Por exemplo, em 1520, surge-nos composto por saia, sainho,

camisa e um par de sapatos ou, então, por saia, sainho, um manto e duas camisas73. Em

1547, mantém-se a saia, o sainho e o manto, acrescentando-se a mantilha74 . Mais

completo emerge no legado de Bartolesa Rodrigues Carneira, a uma mulher pobre,

composto por saia, sainho, manto, camisa, beatilha e sapatos75. De qualquer modo,

também é designado por dois vestidos o seguinte arrolamento, constante do dote de

casamento de Marquesa Fernandes, filha de Senhorinha Gonçalves e Fernão d'Eanes, o

Rei: duas fraldilhas, dois sainhos, três mantilhas, um corpinho, três camisas delgadas,

dois pares de camisas de trabalho, um corpinho, um toucado, sapatos e chapys.

Pensamos que este último caso ultrapassa claramente o conjunto de peças

necessário para uma mulher se dar por duplamente vestida mas, em contrapartida,

documenta-se desde as peças mais íntimas — a fraldilha76, o corpinho77 e a camisa78 —

ao sainho79 e à saia80. Depois vêm o toucado e a mantilha sobre a cabeça e os sapatos,

71 Poderia ter-se dado uma leitura incorrecta do original, aquando do respectivo trasladar dos testamentos
para o Tombo do Hospital de Angra.
72 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 5 (1545).
73 Assim os discrimina André Dias Seleiro, ao legá-los a sua criada Catarina. BPARAH. CIM: TMP, fl.
56vº.
74 BPARAH. Judiciais: PRC, fl. 221vº.
75 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 418, nº 1, fls. 15vº-16.
76 Termo que se impõe no nosso país na viragem do século XIV para o XV (A. H. de Oliveira Marques
— O traje…, pp. 35 e 51). Nos nossos inventários e arrolamentos aparecem feitas de tecidos que se
dizem finos, em pano de Londres, em pano de Ruão, mas também de pano da terra (BPARAH. Judiciais:
AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 17; mç. 418, nº 1, fl. 12; mç. 146, nº 4, fl. 17; mç. 418, nº 1, fl. 12; CJF:
AQM, s/nº, fl. 11; mç. 226, nº 25, fl. 3vº). Uma delas é mesmo feita em escarlata. Vide nt. 50.
77 Espécie de corpete que nem sempre se documenta. Para além deste caso, detectamo-lo referenciado por
Maria das Cunhas, em 1528 (BPARAH. CIM: THSEA, fl. 199); por Apolónia Evangelho, em 1540
(Monásticos: TCNSC, fl. 26vº); na legítima da filha de Beatriz Dias, dois avaliados em 30 reais — 1541
(Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fl. 16vº); por Violante da Costa, em 1544 (CSGA, lº 2, fl. 13vº); por
D. Joana da Silva, em 1545 (BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 6; nº 133, fl. 12).
78 Peça de vestuário inferior, muito antiga, presente no guarda-roupa masculino e no feminino. Cfr. A. H.
de Oliveira Marques — O traje…, pp. 27, 30, 35, 38, 49 e 50.
79 É definido como uma espécie de gibão "redondo e sem abas" (vide nt. 86).
80 Que em meados do século XIV veio substituir o brial, se bem que não fosse uma peça essencialmente
diferente. Cfr. A. H. de Oliveira Marques — O traje…, p. 49. De qualquer modo, o que o dito autor
referencia para o vestuário masculino parece ter aqui mais acuidade. Vide nota supra.

207
entre os quais os chapins81. Nos outros exemplos referenciados surge o manto, a peça

mais exterior e de particular importância na protecção contra o frio, ou, nos estatutos

onde tal o exigisse, na apresentação em actos de cerimónia82.

Mas há uma peça feminina, não constante de muitos inventários ou arrolamentos

e que queríamos destacar: a cota. Esta terá substituído a referida saia e emergiu como

uma espécie de antepassado do nosso vestido, no sentido actual83. É curioso verificar

que apenas a identificamos associada a figuras como D. Beatriz de Noronha, a capitoa,

D. Joana da Silva e Grimanesa Homem, filha de Heitor Álvares Homem84. Todas elas,

mulheres pertencentes à família dos capitães da Praia e Angra. Vemos, por isso, aqui e

na época em causa, para não invocar outras peças, uma marca da distinção social

feminina.

Já quanto aos homens, designado por hum vestido surgem as seguintes

composições: em 1550, pelote85, calção, gibão86 e barrete87; em 1544, os mesmos

elementos a que acrescem os sapatos88.

De qualquer modo, outros arrolamentos trazem peças aqui omissas. É o caso das

camisas 89 , que a par da fraldilha serão as peças mais íntimas do homem, e o das

jaquetas 90 . Estas apenas encontrámos arroladas para os designados pobres, para o

81 Já nos séculos XIV e XV, esta designação indicava sapatos de senhora. D. Beatriz, mulher do Duque
donatário D. Fernando, contava no seu enxoval com seis pares de chapins. Cfr. A. H. de Oliveira
Marques — O traje…, p. 53.
82 Idem, p. 52. Talvez o que melhor documente tal perfil seja aquele com que João de Teive o Velho
quer ser enterrado: o seu, branco, que tinha a cruz da Ordem de Santiago. BPARAH. Paroquiais: TSCP,
lº 1, fl. 87vº.
83A. H. de Oliveira Marques — O traje…, p. 51.
84 A primeira tem cinco (1532), a segunda oito (1545) e a terceira lega uma à prima, Francisca Cardosa
(1533). Respectivamente, BPARAH. Famílias; CCP, mç. 2.3.2., fls. 43-43vº; BPARPD. FEC:
MCMCC, vol. V, nº 133, fls. 11-12vº; TESVN, p. 476.
85 Peça que se sobrepunha à saia ou saio, usada a partir do século XIII, desaparecendo em finais do
século XIV e voltando a ser utilizado em meados do XV. Cfr. A. H. de Oliveira Marques — O traje…,
pp. 31 e 39-40.
86 Segundo Oliveira Marques e para o traje masculino, o gibão aparece no vestuário civil por meados de
trezentos e aproxima-se do que hoje chamamos camisa. De qualquer modo, vestia-se sobre a denominada
camisa e por baixo da saia/saio (casaco ou colete de hoje) masculinos. Cfr. autor citado — O traje…, pp.
37-39. Uma imagem de gibão consta da Fig. 41 do dito trabalho.
87 Só que, neste caso, peças feitas com pano custando a módica quantia de 1$200 o côvado. BPARAH.
Judiciais: AAAH, mç. 221, nº 13, fl. 3.
88 BPARAH. Monásticos: CSGA, lº 2, nº 75, fl. 13.
89 TPAC, doc. 79, p. 185 (1512); BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 226, nº 25, fl. 3vº (1534); mç.
113, nº 16 A (n/nossa), fl. 7vº (1546); e CIM: TMP, fl. 39 (1548).
90 Esta peça, ao que parece introduzida na segunda metade do século XIV, substituiu as amplas e túnicas
das épocas predecessoras, sendo bem mais curta e fortemente cintada, de particular predilecção dos mais
jovens (Cristina Sigüenza Pelarda — La vida cotidiana en la Edad Media: la moda en el vestir …, p.

208
eremitão e como peça de vestuário de escravos91, o que parece indicar uma de duas

coisas: ou o carácter provisório e incompleto dos nossos levantamentos ou, então,

estamos perante uma peça que não colhe particular prestígio ao tempo92. É curioso,

também, que as velhas crespinas ou o brial93, entre este uma cota de feiçam de breall,

sejam referenciados na pouco documentada indumentária infantil/juvenil. Em todos os

casos, afigura-se possível que algumas peças tivessem sido então arredadas para estratos

ou grupos etários de menor proeminência social94.

Para além delas, o saio, o gibão, o saião, o gabão, as calças, os calções, a capa, o

manto, barretes, carapuças e capuzes, sapatos e botas. O primeiro, de origem remota95,

é uma peça que se sobrepõe à camisa96 e ao gibão97, assumindo, no final da Idade

Média, uma espécie de função de casaco ou colete (quando sem mangas), com

comprimento até ao joelho98. O saião talvez fosse, como o nome indica, um saio com

uma estrutura mais ampla e forte e o gabão, provavelmente, teria forma idêntica ao

capote com capuz e mangas que nos serve hoje de referência. Destacam-se, ainda,

"calças", muito diferentes das actuais99 e os calções, particularmente importantes à

medida que camisas e saias foram encurtando.

Não é fácil pretender identificar estas múltiplas peças, algumas com funções

sobrepostas, outras marcando a diferenciação social — e não apenas pelos tecidos ou


356). A descrição desta peça assemelha-se à saia referida por A. H. de Oliveira Marques — O traje…, p.
34. Com o passar do tempo, um século depois, impor-se-á o designativo saio ou, então, recorria-se a
galicismos para o designar, pouco frequentes, como jaca e jaque (Idem, p. 38), daí talvez "jaqueta".
91 TPAC, doc. 79, p. 185 (1512).
92 Somos sensíveis à ideia de "desclassificação" de certas roupas, porque usadas, tidas por ridículas ou
ultrapassadas no âmbito do gosto e do entendimento do "bem vestir". A propósito, vide a breve alusão
feita por Charles de La Roncière — A vida privada dos notáveis toscanos no limiar do Renascimento. In
Philippe Ariès e Georges Duby (dir.) — História da vida privada…, p. 199.
93 Segundo Oliveira Marques, a crespina, que desde o 1200/1300 sofreu grandes alterações, "saiu de
moda" no último quartel do século XV. Quanto ao brial (origem povençal), constitui a saia masculina
documentada no século XII. Cfr. A. H. de Oliveira Marques — O traje…, pp. 50, 54 e p. 27.
94 O que está, naturalmente, ligado ao referido nas notas supra (90 e 91).
95 Se bem que apenas se passasse a chamar assim por meados do século XV. Vide o que dizemosàs
notas 85 e 86.
96 Para avaliarmos a evolução da saia/saio, das diversas formas de que se revestiu, no âmbito dos grupos
sociais mais elevados, ou dos mesmos, vide A. H. de Oliveira Marques — O traje…, pp. 27, 29-31,
34, 37-39.
97 Que também se sobrepõe à camisa. Vide nt. 86.
98 Cfr. A. H. de Oliveira Marques — O traje…, p. 39.
99 Cfr. A. H. de Oliveira Marques — O traje…, pp. 32, 34, 36-37; Cristina Sigüenza Pelarda — La
vida cotidiana en la Edad Media: la moda en el vestir …, pp. 356-357.

209
cores associadas100. De qualquer modo, é um contributo para a percepção possível do

que "não é visível", nem constatamos facilmente representado em termos pictóricos ou

escultóricos.

Para mais, a importância da roupa pessoal é aqui invocada como objecto

patrimonial que, naturalmente, reflectirá o estatuto económico-social de quem o possui.

Nâo é por acaso que encontramos tantas discrepâncias ao nível dos guarda-roupas, como

não é insignificante a variação dos preços dos tecidos utilizados nem, tão-pouco, são

irrelevantes as diferenças de valor detectados para aquilo que se dá por hum vestido,

pese embora a diferente composição referenciada mais atrás. Neste último concernente,

para as mulheres registamo-los de 5$000 (1538 e 1540)101, de 1$000 (anterior a 1540) e

de 700 reais para pobres (1539) 102 . De qualquer modo, notemo-lo, também

documentamos peças de vestuário singulares a 3$500, como uma cota de damasco

usada 103 e a 4$000, como um hábito de chamalote, um manto de finamarcha e um

sainho de veludo e damasco104.

Por tudo isto, o vestuário pode constituir um bom testemunho, se bem que não

único, da própria grandeza da fortuna em causa. Pelo rigor com que é inventariado, pelos

valores que pode atingir e pela atenção que merece aos testadores, como vimos, não é de

forma alguma uma componente patrimonial de somenos importância e antes constitui

um precioso indicador no levantamento, compreensão e avaliação dos nossos

patrimónios.

1.2. Apetrechamento doméstico: alfaias e roupa

No quadro da vida doméstica, os homens fazem-se rodear de uma variedade

imensa de elementos, que lhes permitem a satisfação de múltiplas necessidades vitais,

100 As cores do vestuário, que aqui caracterizamos num carácter multicolor, também podem ser factor de
identificação social. Cfr. A. H. de Oliveira Marques — O traje…, pp. 59-60.
101 É curioso notar que ambos foram dotados por gente ligada à mercancia: Lucas de Cacena e Mestre
Rato. Significativo é, também, que a primeira beneficiada fosse uma escrava que o proprietário mandava
alforriar depois de sua morte. BPARAH. Monásticos: TSFA, fl. 56vº; Famílias: BCB, mç. 1, nº 8.
102 Respectivamente, BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 394, nº 1, fl. 7; PRC, fl. 111.
103 Em 1533. BPARAH. Famílias: CCP, m. 2.3.2., fl. 44.
104 CJF: AQM, s/nº, fl. 10vº (antes de 1531).

210
mas também lhes proporcionam conforto, calor e, até, em última instância, podem

igualmente constituir exteriorização e apanágio de um determinado nível social.

Os nossos inventários e arrolamentos ainda são mais completos neste capítulo,

apresentando extensíssimas listas de uma panfernália de objectos, mobiliário e peças de

fazenda para uso quotidiano. Face aos inúmeros dados, não iremos apresentá-los de

forma muito minuciosa, tentando apenas apreender as constantes, algumas variações

significativas e os valores envolvidos.

Entre aquilo que em sentido comum hoje chamaríamos "mobiliário", destacam-se

as inúmeras caixas105. Dos inventários que as arrolam, contabilizamos uma variação que

ocorre entre dois e nove exemplares106, com uma média de cinco por inventário. É, por

isso, a peça de "mobiliário" mais mencionada da época107.

Existem-nas de várias dimensões, ditas pequenas, grandes ou meãs108 , de

dois 109, cinco110, seis111, sete112, oito113, nove114 e dez115 palmos. Designadas por

grandes, encontramos as de nove e dez palmos116. As mais referidas são as de cinco para

cima, pelo que, numa tentativa de aproximação, as de cinco e seis palmos serão

pequenas, enquanto que as médias terão sete e oito palmos. Encontramo-las de madeira

105 Assim designadas na nossa documentação, em parte equivalentes às arcas, mas vindo a originar peças
de mobiliário distintas. Cfr. Francisco Ernesto de Oliveira Martins — Mobiliário açoriano da época do
cedro nos ambientes açorianos. In E. de O. Martins — Ambientes açorianos. Da época dos
descobrimentos à das viagens e da emigração. Ponta Delgada: Signo, 1992, p 189. Sobre as arcas
medievais e respectiva importância, vide A. H. de Oliveira Marques — A casa. In A. H. de O. Marques
— A sociedade medieval portuguesa…, pp. 79-80.
106 Respectivamente, BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 113, nº 16 A (n/nossa), fl. 3vº, de 1546; mç.
146, nº 29, fls. 3vº-4 (1530/40).
107 Como o será noutros períodos, difundido por todos os grupos sociais. Cfr. F. E. de Oliveria
Martins — Mobiliário açoriano…, p. 189.
108 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl. 2; mç. 146, nº 4, fl. 3; mç. 146, nº 29, fl. 3vº; mç.
142, nº 6, fl. 10; mç. 9, nº 25, fl. 5vº.
109 Uma caixa. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 113, nº 16 A (n/nossa), fl. 3vº.
110 Três caixas. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 113, nº 9, fl. 2; maç. 9, nº 25, fl. 6.
111 Quatro caixas. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 3; mç. 113, nº 9, fl. 2; mç. 9, nº 25,
fl. 6; Monásticos: CJP, mç.2, doc. 28, fl. 9vº.
112 Duas caixas. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 9, nº 25, fl. 6; Monásticos: CJP, mç.2, doc. 28, fl.
9v.
113 Três caixas. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 3vº; mç. 113, nº 16 A (n/nossa), fl.
3vº); CJP, mç. 2, doc. 28, fl. 9vº.
114 Três caixas. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 9, nº 25, fl. 6; Monásticos: CJP, mç.2, doc. 28, fl.
9v.
115 Duas caixas. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 3vº; mç. 142, nº 6, fl. 10.
116 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 9, nº 25, fl. 5vº e mç. 142, nº 6, fl. 10.

211
de cedro117, na sua grande maioria, mas também há muitas de castanho, algumas de

sanguinho118, exemplares únicos de castanho e nogueira119 e até de azevinho120, entre

outras mais, designadas somente por "de madeira" ou "de pau".

Como características principais, além das enunciadas, podem ter ou não

fechadura e algumas descrevem-se sem pejs ou com pés121. Para mais, ainda detectamos

uma que veio da Índia122 e outra encourada. Esta última diz-se que é de uma

encargua 123 , que significará ser própria para transporte. Detectamos outra dita de

maar124 e ainda se explicita a utilidade de uma caixa quando se faz servir para guarda do

legado e dote, em roupa e várias peças domésticas125.

Além das caixas, surgem as cadeiras, também referidas por todos os inventários

de propriedade móvel. Quase sempre são caracterizadas como de madeira ou pau, mas

igualmente aparecem cadeiras melhor descritas e também mais elaboradas. Entre estas,

temos as de espaldas, uma dita d'estado emtejra e outras mochas, duas destas últimas

emcjradas, constam do inventário de D. Joana da Silva e do de Grácia Fagunda126,

primeira mulher de Álvaro Martins (Fagundes).

Sem grande investigação neste âmbito, é fácil constatar o desnível social e as

diferenças na fortuna até pelo tipo de cadeiras da casa, realidade que o testamento de

Pero Cota de Malha vem inquestionavelmente corroborar. A propósito do legado,

considerável, que deixa a sua sobrinha Hilária Pires, filha de sua irmã, regista que nele

não se incluíam dinheiro, jóias, a respectiva indumentária, nem as cadejras d'espaldas,

porquanto a sua pecoa nam he pertencente nem conueniente127.

117 Segundo Ernesto de Oliveira Martins, a grande época de utilização do cedro no mobiliário açoriano
vai do povoamento até cerca de 1640. Cfr., do autor cit. — Mobiliário açoriano…, p. 185.
118 Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 199, quadro XI (dois exemplares arrolados em
1512). Também BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, fl. 2 (de cinco palmos, em 1542).
119 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 23 (1545).
120 BPARAH. Monásticos: CJP, mç. 2, doc. 28, fl. 9 vº (dita velha, em 1556).
121 Apenas conhecemos duas referências nestes termos, de 1556, sendo a primeira dita jamsada.
BPARAH. Monásticos: CJP, mç. 2, doc. 28, fl. 9vº.
122 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 19.
123 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 19.
124 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 23.
125 BPARAH. CIM: TMP, fl. 62 (1520). Sentido em que a arca chegou aos nossos dias.
126 Respectivamente, BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fls. 19-19vº; BPARAH. Monásticos:
CJP, mç. 2, doc. 28, fl. 10.
127 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VII, nº 198, fl. 6vº (1559).

212
Para além das referidas e com funcionalidade em parte idêntica, ainda detectamos

bancos128 e dois arquibancos, sendo um de sanguinho129. Este último, bastante valioso

para o ano de 1546 (500 reais), conjugava as funções de assento e de caixa130.

Também duas peças aparecem ainda arroladas: a mesa e a cantareira. A primeira,

bem documentada, cuja referência aos pés e cadeja antecipa um móvel desmontável, é

quase sempre de cedro131, mas também de faia132, ou dita d'engonois(?)133, de goarda

Roupa134, d'estado135 e pintada, sem bordas nos cabos e com suas mjsagras de pao de

bordo136. Uma delas apresenta, inclusive, a dimensão de cinco palmos e outra é dita

pequena137. Quanto à cantareira, menos presente do que a mesa, quando caracterizada

diz-se de madeira de cedro138.

Por fim, o inventário de D. Joana da Silva ainda nos traz algumas peças

incomuns: o camareiro vidrado139, o catre de bordo, uma barra de cama e uma arca que

não se confunde com as caixas, também arroladas. Apesar das camas serem

omnipresentes nestes inventários, bem como em vários legados, o que emerge sob tal

designação é sempre a roupagem. Neste inventário, o registo exclusivo de dois móveis

com a função de cama, na acepção actual, comprova o respectivo carácter excepcional e

raro140. Sobre a barra não há elementos adicionais. Já o catre apresenta-se como de

framdes llaurado de maçanarja e é avaliado pela módica quantia de 1$600 contra os 100

reais da barra de cama141.

128 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fl. 2vº.


129 Respectivamente, BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 23; BPARAH. Judiciais: AAAH,
mç. 113, nº 16 A (n/nossa), fls. 3vº-4.
130 Cfr. F. E de Oliveria Martins — Mobiliário açoriano…, p. 188.
131 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl.2; mç. 146, nº 29, fl. 4; mç. 133, nº 9, fls. 2-2vº; mç.
9, nº 25, fl. 6; mç. 142, nº 6, fl. 4vº.
132 Rute Dias Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 199, quadro, XI.
133 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 4.
134 A descrição desta dita mesa, mais nos faz pensar numa arca ou, como a descrição indica, num guarda-
roupa.
135 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 3vº.
136 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 22vº.
137 Respectivamente, BPARAH. Monásticos: CJP, mç. 2, doc. 28, fl. 9vº; Judiciais: AAAH, mç. 133,
nº 9, fls. 2-2vº.
138 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 4; m. 133, nº 9, fl. 2vº; mç. 113, nº 16 A
(n(nossa), fl. 4; e mç. 9, nº 25, fl. 6 vº.
139 Que seria um bacio de quarto.
140 Sobre o assunto, vide A. H. de Oliveira Marques — A casa…, pp. 76-79.
141 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fls. 22vº.23.

213
São estas as peças do "mobiliário" terceirense de então, minuciosamente

contabilizadas na avaliação dos bens. Face aos valores apontados para as mesmas,

compreende-se o rigor e a minúcia com que são tratadas.

QUADRO VII

VALIAS DO MOBILIÁRIO DA ÉPOCA

Ano Peça/Descrição Valor


CAIXAS
1530/1540 1 de 10 palmos, de cedro, com fechadura 1$500
1 de 8 palmos, de cedro, com fechadura 900 rs
1 de 8 palmos, de cedro, com fechadura 900 rs
1 de 6 palmos 700 rs
1 de 6 palmos, com fechadura 700 rs
2 pequenas, de cedro, com fechadura 1$000
2 pequenas e velhas 400 rs
1545 1 encourada, de encarga e usada 700 rs
de pau, que veio da Índia, com fechadura 800 rs
1 de maar, de cedro 700 rs
1 de castanho de nogueira, usada 600 rs
1546 1 de oito palmos, de cedro e sem fechadura 800 rs
1 de 2 palmos, de cedro e com fechadura 400 rs
1549 1 velha e sem fechadura 400 rs
1 de cedro e com fechadura 600 rs
1 de cedro e com fechadura 400 rs
1 de cedro, velha e sem fechadura 150 rs
1 grande, de 10 palmos, de cedro, nova 1$500
CADEIRAS
1530/40 2, de pau, velhas 60 rs
1545 2, d'estado emtejra e d'espalldas 600 rs
3, de espaldas, velhas 900 rs
1, mocha 100 rs
1549 4, de madeira, velhas 160 rs
ARQUIBANCOS
1546 1, de sanguinho, usado 500 rs
1, velho 100 rs
MESAS
1530/40 1, dengonois, com seus pés e cadeia 300 rs
1545 1, pintada, sem bordas nos cabos e com 600 rs
suas mjsagras de madeira na borda
1, de goarda Roupa, com seus pés 120 rs
1549 1, d'enguões, com pés e cadeia 250 rs
1 pequena, com seus pés 150 rs
1552 1, de cedro, com pé e cadeia quebrados 200 rs
1556 1, de 5 palmos, de cedro, com seus pés 150 rs
suncados
CANTAREIRAS
1530/40 1, de cedro 200 rs
1542 1, de cedro, nova 200 rs
1546 1, de madeira, nova 200 rs
1552 1, de cedro 100 rs

214
Juntas, estas peças, aos demais apetrechos da casa, podiam os respectivos

valores expandir-se significativamente. Contabilizam-se, entre eles e de forma muito

sumária, os mais variados utensílios de cozinha como trempes142 , fogareiros143 ,

caldeiras144, espetos145, assador146, grelhas147, panelas148, tachos149 e louça variada.

Esta última é referenciada como de castella150 e também bacios de Castela151.

Outra, por tigelas152, jarros vidrados ou brancos153, bacios, bacios de cantos, de aguar as

mãos, todos de malegua154 e também bacios de mallegua pjmtada155. Igualmente se nos

deparam bacios de pisa156, dezassete arrolados no inventário de D. Joana da Silva, ditos

de baro de pjza, sete deles covos157 ; tigelas de valenca 158 , jarros de llondres e

porcelanas da Índia159. Cremos que, tal como nos tecidos, esta louça de barro tomaria o

nome da respectiva proveniência, pelo que era comum a louça importada.

Fora o referido, há ainda a destacar: os recipientes da água como um caldeirão de

cobre do poco160, as albarradas de cobre (Quadro VIII) e as célebres talhas e quartas161 e

os utensílios de estanho, bastante presentes nas fontes, muitas vezes arrolados


142 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 4; mç. 146, nº 29, fl. 4 vº; com suas grelhas, ao mç.
142, nº 6, fl. 3vº; BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 20
143 De barro. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 19vº.
144 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 3vº; mç. 146, nº 29, fl. 4 vº; mç.142, nº 6, fl. 4.
Uma deles arrola-se conjuntamente com suas trempes. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl.
16vº.
145 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 4vº mç. 146, nº 29, fl. 4 vº; mç. 180, nº 18, fl. 3vº;
mç. 133, nº 9, fl. 3vº; mç.142, nº 6, fl. 4; um dado por tal designação e outro dito ferro para espeto em
BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fls. 20vº-21.
146 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 20.
147 R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 199, quadro XI; BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V,
nº 133, fl. 20.
148 Verde, BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fl. 3vº; mç.142, nº 6, fl. 4vº.
149 De latão e outro não especificado (1545). BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 19vº.
150 Dez peças avaliadas em 70 reais (1542) e doze em 80 reais (1549). Respectivamente, BPARAH.
Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fl. 16; AAAH, mç. 142, nº 6, fl. 8vº.
151 Avaliados em 200 reais. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fl. 4.
152 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fl. 17.
153 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 23vº.
154 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fls. 23-23vº; BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 13, nº
16 A (n/nossa), fl. 5vº; mç. 142, nº 6, fl. 4vº (dois, avaliados por 50 reais, em 1549).
155 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fls. 24.
156 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 13, nº 16 A (n/nossa), fl. 5vº.
157 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 23.
158 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. nº 9, fl. 3vº.
159 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fl. 18 e 23vº.
160 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç.142, nº 6, fl. 4.
161 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fl. 3vº; mç. 113, nº 16 A (n/nossa), fl. 6; mç. 142, nº
6, fl. 4.

215
separadamente e com alguma parcimónia. Para uma breve ideia dos objectos em causa,

seleccionámos apenas a inventariação avaliada, constante de alguns documentos162.

QUADRO VIII

ALFAIAS DE ESTANHO

1530/40 1530/40 1546 1549 1556


Peça Qt Qt Qt Qt Qt
saleiro 1 1 1 1 1
jarro 1 1$500 700 rs 750 rs 1 300 rs 1 150 rs
pichel 2 1 2 2 3 250 rs
bacio 1 8 5 1 5 600 rs
bacio
grande — — 2 500 rs —
allbarada
163 — — 1 — —

prato — — — — 6 800 rs

Da respectiva análise, ficamos com a ideia da "difusão" tardia dos pratos de

estanho, porque mesmo nos inventários sem avaliação eles não emergem antes de 1556.

Para além disso, os objectos inventariados pressupõem dimensões várias. Os

bacios são pequenos, médios e grandes e os picheis podem ser de canada ou de

quartilho164. Pelos valores apresentados, face aos registados em cerâmica e restantes

materiais, são apetrechos muito mais caros do que outros de uso quotidiano.

Relativamente à produção dos mesmos, admitindo também a respectiva importação,

salientemos que, em 1542, todo o estanho da falecida Beatriz Dias, viúva de Pedro de

Viseu, da Praia, e em favor dos respectivos filhos menores, foi vendido a calldeyreyra

d'angra165. Isto talvez indicie uma indústria emergente, cujos profissionais detectados

remontam a 1510166.

162 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fls. 5-5vº; mç. 133, nº 9; mç. 113, nº 16 A (n/nossa),
fl. 5 vº; mç. 142, nº 6, fls. 4-4vº; Monásticos: CJP, fls. 11vº-12.
163 Noutro inventário, de 1506 e sem avaliação, encontramos um albarado de estanho (BPARAH.
Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl. 2vº). Supomos tratar-se de "albarrada", vasilhame para água. Cfr.
GELB, vol. 1, p. 724.
164 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 2, fl. 1vº; mç. 142, nº 6, fls. 4-4vº; Monásticos: CJP, mç.
2, nº 28, fl. 11vº-12.
165 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fl. 19.
166 Pero Gonçalves (1510), em BPARPD. FEC: MCMCC, vol. II, nº 50, fl. 21; Martim Fernandes
(1539), em BPARAH. CIM: THSE, fls. 221vº-225vº; António Anes (1552), em Monásticos: TSFA, fls.
141-142vº.

216
Fora este tipo de apetrechamento, sobressaiem naturalmente as peças texteis,

muitas delas garantindo o conforto e comodidade das casas. Para não nos alongarmos,

porque muito haveria a considerar, diremos apenas que os homens, de acordo com as

respectivas posses, faziam-se rodear, entre outros, de esteiras, alcatifas, panos de armar,

guarda-portas, colchões, coxins, almofadas, cobertores, almadraques e lençóis. Entre os

escravos de Pero Anes do Canto que, nesse âmbito, em 1512 faziam-se acompanhar por

uma manta e o arrolamento dos texteis de casa de D. Joana da Silva (Quadro IX), por

nós estimado em 64$660, as variações neste tipo de bens são múltiplas, tanto que os

primeiros eram, eles próprios, propriedade de outrem. De qualquer modo, serve bem

para ilustrar os extremos, entre os quais estaria o nível de conforto da casa da maioria

das gentes.

QUADRO IX

TEXTIL DA CASA DE D. JOANA DA SILVA

Textil do Fonte:
movell Descrição Avaliação MCMCC,
de casa V, nº 133
panos de armar . 1, de Feguras, de 20 côvados 5$000 fl. 6vº
. 1, de feguras guarneçjdo, de 24 côvados, usado 5$000 fl. 7
. 1, de feguras, de 20 côvados, usado e com um 5$000
buraco
. 1, de verdura de feguras […] guarnesjdo, de 20 5$000
côvados
cortinas . de pano laramjado, com suas franjas e seo, todo 4$000 fl. 7vº
acabadas: de 5 panos e o seo
. de pano de brjram(?), guarnecidas, com suas 4$000 fl. 8
franjas, com 4 coredises e ho seo, usadas
guarda portas . 1, de guodemjsjll, velha 200 rs fl. 7vº-8
alcatifas . 1, de 9 côvados, usada 1$200 fl. 7
. 1, muito grande 4$000
esteiras . 1, grande, de junco, nova 400 rs fl. 18vº
. 1, de junco 120 rs
. 1, de cabeceira 80 rs
. 1, grande e usada 200 rs
coxins . 2, de guodomesjs, usados 700 rs fl.7
. 4, de feguras, usados 1$500 fl. 7-7vº
guodemesjs . 2, de marqua gramde, usados 2$400 fl. 7vº
. 2, médios 2$000
cobertores . 1, de pano laramjado, usado 1$600 fl. 7vº
. 1 de pano verde paris, usado 2$500

217
lençóis . 2, de pano d'olanda, usados, avaliados assim 1$200 fl. 8
por estarem crjuados?
. 2, dollanda:
- 1 horcaise novo 800 rs
- outro velho 400 rs
travesseiros e . 1 trav. e 4 almofadas d'ollanda todo llaurado 6$000 fl. 8-8vº
almofadas d'ouro, pella borda e jlhargua, quase novo
. 2 meios travesseiros de pano d'ollanda, lavrados 1$200 fl. 8vº
De seda verde por borda e jlhargua
. 3 almofadas pequenas de hollanda, lavradas a 900 rs
verde 1$200
. 1 camisa de travesseiro dollanda, usada e
lavrada de seda azul pella boqua e Jlhargua 600 rs
. 3 camisas de almofadas, lavradas de seda azul
pela borda e ilharga 600 rs fl. 9
. 1 travesseiro de fustão, cheio de frouxell 300 rs
. 1 camisa de travesseiro, lavrado a vermelho
pelas ilhargas e boca, por ser velho avaliado em 120 rs fl. 9
. 1 camisa e um meio travesseiro 200 rs
. o recheio de fustão, usado, cheio de frouxell 120 rs fl. 9vº
. 2 almofadas de fustão, cheias de pena 400 rs
. 1 travesseiro d'ollanda comesado de llaurar De
seda azull, novo 120 rs
. 1 camisa de almofada nova, d'ollanda comesada
De llaurar de seda azull 400 rs
. 4 camisas de almofadas d'ollanda cortadas 300 rs fl.
nouas
. uma camisa de almofada de lavor de seda verde e
outra de lavor de seda azul, usadas
colchões . 3, velhos, de llan dasafim (de Safim?) 800 x 3 = fl. 9
. 1, velho 2$400 fl. 9vº
400 rs
penteador . 1, de pano bejrame, quase novo 200 rs fl. 10
frotejro . 1, lavrado de desfjado nas bordas e no meio 800 rs fl. 10
hu~ a Roza d'ollanda
toalhas de mesa . de lavor de framdes de damasquo, usadas 600 rs fl. 10vº
. outras de framdes de llauor de perdis, usadas 300 rs
toalha de cobrir . 1, com suas franjas brancas na borda, d'ollamda 200 rs fl. 10vº
pão

1.3. Os escravos

São vários os atestados de nobreza, posteriores à nossa época, que invocam,

entre outros, a posse de escravos como indício do estatuto nobiliárquico daqueles que os

detinham167. Não obstante, a posse deste tipo de "bem" confirma-se em níveis sociais

167 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 112, nº 3, fl. 8 (Paim da Câmara, 1561); mç. 113, nº 11, fl. 10
(Teive Lobo, 1591); mç. 113, nº 19, fls. 1vº e 4 (Mendes de Vasconcelos, 1618); BPARPD. FEC:
MCMCC, vol. X, nº 289, fl. 3vº (Abarca, 1621).

218
inferiores, sendo todavia certo que maiores possibilidades de posse terão os

enquadráveis nos mais elevados patamares sócio-económicos168.

Remetendo para tabalho anterior169 e como também afirmámos no capítulo I, a

existência de escravos na ilha Terceira atesta-se, por documentação coeva, a partir de

1500. Nos mesmos estudos deixámos escrito que, entre os duzentos e onze testamentos

referenciados, 26.5% (cinquenta e seis) assinalam a respectiva posse. Para mais, de entre

os vinte e três inventários de bens aqui atendidos170, no lapso de tempo 1500-1558,

cerca de metade (doze) registam escravos. Logo, para metade dos proprietários cujos

arrolamento de bens conhecemos e para cerca de 3/4 dos testadores, não detectamos

informação sobre este tipo de posse.

Ao mesmo tempo, tivemos também oportunidade de discorrer sobre a respectiva

proveniência e até dar algumas indicações sobre os contingentes detectados por

proprietário. Assim, no âmbito da temática específica que neste capítulo nos ocupa,

interessar-nos-á ressaltar, essencialmente, as questões do quantitativo númérico, tanto

dos indivíduos como dos valores que lhes encontramos subjacentes.

Face aos dados e perante as dificuldades, dúvidas e insuficiências que as fontes

nos colocam171, conseguimos detectar dois grandes possidentes: Lucas de Cacena com

doze escravos identificados, em 1538 e Pero Anes do Canto com cerca de vinte, por

altura da sua morte (1556). Para além disso, foi possível elaborar um quadro com base

em cinquenta e seis proprietários172, que nos apresenta 64% deles como possuidores de

um a três escravos.

168 Cfr. Vitorino Magalhães Godinho — Os descobrimentos e a economia mundial. 2ª edição, Lisboa:
Editorial Presença, [s.d.] [imp. 1983], vol. IV, pp. 197-198.
169 Um primeiro esboço, de trabalho nosso sobre o tema dos escravos, foi apresentado ao Colóquio
"Construção e Dinâmica das Sociedades Atlânticas", decorrido na Praia da Vitória entre 25 e 27 de
Novembro de 2004. Em inícios de 2005, mais desenvolvido, o mesmo foi entregue para publicação no
livro de homenagem ao Professor Artur Teodoro de Matos, a editar pelo Centro de História de Além-Mar
[CHAM], da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa [no prelo].
170 Os mais completos e fiáveis, para a avaliação dos escravos que pretendíamos realizar.
171 Entre os quais, salientamos o facto de alguns inventários estarem truncados e a característica dos
testamentos não referirem, na maior parte das situações, todas as peças que um proprietário possui. Sobre
esta temática discorremos com mais pormenor em — Escravos e libertos… [no prelo].
172 Apesar dos ditos 56 testamentos e dos 12 inventários, é de esclarecer que parte dos testadores
coincide com uma parcela dos inventariados, daí os 65 proprietários.

219
QUADRO X

NÚMERO DE ESCRAVOS POR PROPRIETÁRIO

Nº. de
Nº de escravos proprietários %
1 19 29
2a3 23 35
4a5 11 17
6a7 4 6
8a9 3 5
10 e mais 5 8
Total 65 100

Ou seja, um baixo número nos contingentes173 é aquele que caracteriza a maior

parte do grupo dos detentores. Fora isso, 17% regista quatro a cinco indivíduos e

pequenas percentagens (6%, 5% e 8%) vão caracterizando os demais grupos de

possuidores.

É óbvio que é de considerar que os proprietários, principalmente os tomados em

conta a partir dos testamentos, poderão ter escravos em maior número, pelo que os

dados aqui apresentados apresentam várias fragilidades. De qualquer modo, estes são os

informes passíveis de serem traduzidos numericamente. Servem-nos, antes de mais, de

base de estudo e não são díspares dos disponíveis para Portugal continental174 .

Comparados com os da Madeira, à partida pareceria ficarmos um pouco aquém em

termos de números175. No entanto, com base no estudo de Alberto Vieira que, para os

séculos XV e XVI apresenta uma média de três escravos, por proprietário176, os dados

por nós alcançados mantêm linha de conclusão similar.

173 Baixo, quando comparado com a centena e meia, ou mais, possuídos por homens ricos de S. Tomé,
por exemplo. Cfr. Isabel Castro Henriques — O ciclo do açúcar em São Tomé, nos séculos XV e XVI. In
Luís de Albuquerque (dir. de) — Portugal no mundo. Lisboa: Publicações Alfa, 1989, vol. I, p. 274.
174 Cfr. Vitorino Magalhães Godinho — Os descobrimentos e a economia…, vol. IV, p. 198.
175 Em finais do século XV, regista-se proprietário com oitenta escravos. Já a partir de inventário de
1516, ressaltam catorze, avaliados em 122$000 (Manuel Lobo Cabrera — La esclavitud en las islas
atlánticas: Madeira y Canarias. In Colóquio Internacional de História da Madeira…, 1986, vol. I, p.
310).
176 Cfr. Os escravos no arquipélago da Madeira…, Quadro 32, p. 143. Não obstante, para o século XV,
a média final que aparece no dito quadro é de 6, o que não corresponde aos valores, nem cálculos,
apresentados na respectiva coluna.

220
O número dos escravos por proprietário, associado às avaliações atribuídas às

peças, prefigura-nos o significado económico deste tipo de bens, no quadro das fortunas

terceirenses. O valor dos escravos, como sabemos, depende de variadíssimos factores,

como da correlação das leis da oferta e da procura, da origem/etnia, da idade, do sexo, do

estado de saúde, do perfil psicológico e da condição social dos mesmos nas sociedades

de origem177. Nem sempre estes critérios de avaliação, ou pelo menos alguns deles, se

encontram enunciados nas nossas fontes. Para além disso, outros elementos, fora do

contexto do mercado de origem e particularmente implícitos em situações de inventário e

testamento, como por exemplo a ligação do proprietário/família ao escravo e a formação,

competências e responsabilidades dos mesmos, dificilmente são traduzíveis ou

conceptualizáveis em termos de valia. Por isso, a tarefa de discorrer sobre o assunto

ficará sempre comprometida. De qualquer modo, o padrão do escravo negro, do sexo

masculino, saudável e numa faixa etária entre os 18 e os 25 anos, parece tomar-se por

referência na maioria dos estudos178.

QUADRO XI

AVALIAÇÃO DOS ESCRAVOS

Informes Avaliação
Ano Qt Sexo Etários Etnia / Preço Fonte
1500 2 M+M? ____ ____ 13$000 AAAH, mç. 266,
nº 10, fls. 11-12
1521 (ant. 1 F ____ ____ 8$500 MCMCC, vol.
a?) VIII, nº 68, fl. 8
1521 1 F ------ ------ 9$000 MCMCC, vol.
VIII, nº 68, fls. 8
1 F ------ mulata 8$000
1 M ------ mulato 15$000
1 M 12 anos mulato 9$000
1 M ------ ------ 12$000
1 M ------ ------ 12$000
1531 (ant. a 1 F ____ ____ 12$000 CCP, mç. 7, nº 7,
?) fls. 1 e 7vº
1532 (ant. 1 M ____ ____ 10$000 SFA, fl. 369vº
a)
1533 1 F ____ preta da CCP, mç. 2.3.2.,
Guiné 30$000 fl. 44

177 Sem desenvolvermos muito a questão, remetemos para Alberto Vieira — Os escravos no
arquipélago da Madeira…, p. 56 e ss.
178 Ap. Alberto Vieira — Escravos no arquipélago da Madeira …, p. 56.

221
1 M ------ mulato
1 M ------ mulato
1 M muito velha preta da
Guiné 8$000
1 F muito velho preto da
Guiné
1538 1 F ------ ------ 10$000 SFA., fl. 56vº
1530/1540 1 M 24 anos preto d a 30$000 AAAH, mç. 146,
Guiné nº 29, fl.++
1545 1 M 27 anos mulato 16$000 MCMCC, vol. V,
nº 132, fls. 3vº-4
1 M mais de 30 preto d a 10$000 MCMCC, vol. V,
anos Guiné nº 132, fl. 4
1 F moça 12$000
3 F+M+M mãe + filhos preta d a 20$000
de 5 e 1 anos Guiné
1549 1 M 40 anos mourisco 15$000 AAAH, mç. 142,
nº 6, fl. 1vº
1550 (ant. 1 M ____ ____ 20 cruzados TMP, fl. 198
a)
1550 1 F ____ negra 9$000 AAAH, mç. 6,
nº2, fl. 26vº e 29
1552 1 M 45 anos preto da 20$000 AAAH, mç. 9, nº
Guiné 25
1 F 24 ou 25 p r e t a da 20$000
anos Guiné
1 M 2 anos ---- 5$000
1556 1 M 12 anos mulato, 12$000 CJP, mç. 2, doc.
nado da 28, fl. 9 (n/nossa)
terra
2 F+F mãe e filha branca 28$000 PAC, quadro III,
de 6 meses p. 83
1 F mulata 20$000
1 M menino mulato 6$000 PAC, quadro III,
p. 84
1558 1 M ____ mourisco 26$000 CSGA, lº 2, nº 75,
fls. 143-143vº
1 M moço preto d a 15$000
Guiné
1 F ____ preta d a 30$000
Guiné
1 F moça mulata 25$000
1 F 3 anos 6$000

Perante o nosso levantamento, expresso no quadro XI, em primeiro lugar

constata-se uma ampla variação etária, que vai dos seis meses a idade avançada, superior

aos 45 anos. Ressaltam também algumas das origens destes escravos179, pela referência à

Guiné e ao étnico mourisco, mas também ao nado da terra180 que traduz a existência de,

pelo menos, uma segunda geração de escravos.

179 Que desenvolvemos no trabalho citado à nota 169.


180 O tema da origem e da etnia dos escravos foi por nós abordado no capítulo I e no trabalho citado à
nota 169.

222
Em termos de avaliação, verifica-se a evolução da respectiva valia, com o adulto a

orçar entre 20$000 e 30$000, a partir de década de quarenta. Antes disso, os dados

apresentam níveis mais baixos, com o valor máximo de 15$000 para um mulato, em

1521, contra os 13$000 que englobam duas peças, no ano de 1500. Se estabelecermos a

média para cerca de 1521, alcançamos os valores-referência de 10$500 (homens e

mulheres), de 13$000 (homens) e de 8$500 (mulheres).

Já em tempos mais recuados, no dealbar do século, o facto de não existirem dados

de caracterização para os escravos em causa, nem possuirmos outros termos de

comparação para época próxima, constitui maior impeditivo à generalização das

conclusões. De qualquer modo, o valor médio de 6$500, com base nos 13$000 que

englobam dois indivíduos, não estará muito desfasado dos 4 a 6 mil reais apontadados

para o Reino, em inícios do século XVI, valores resultantes da intensificação do tráfico

que fez os preços resvalarem para metade do praticado até então181.

Quando analisamos os informes sobre os mais jovens, percepcionamos que o

escravo de 12 anos pode atingir 60% da valia do que pensamos serem escravos/as

adultos/as, em 1521 e 1556. Já quanto aos meninos/as, alguns de 2 e 3 anos e na década

de cinquenta, podem ser avaliados entre 1/4 (1552) e 1/5 (1556) dos valores atribuídos

aos adultos mais valiosos. Este tipo de correlações, que podem sempre ser

desenvolvidas, servir-nos-á de referência, pelo menos "qualitativa", para as clivagens

com base no critério da idade. Esta, com efeito, afigura-se determinante nos nossos

informes, onde os muito velhos avaliam-se na sétima ou oitava parte dos em pleno vigor

(1533) e um homem com mais de 30 anos pode avaliar-se em metade ou mesmo 1/3 do

atribuível ao valor-padrão (1545).

Relativamente ao género182, as escravas de 1521 emergem com valores fixados

em 65% (8$500) da média das peças do sexo masculino (13$000), o que não podemos

confirmar noutras datas e exemplos constantes do quadro XI.

181 E comparativamente aos levantados para meados do século XV. Fortunato de Almeida, ap. Alberto
Vieira — O escravos no arquipélago da Madeira…, p. 59.
182 Em termos de composição global, 49% foi o valor percentual encontrado para as mulheres e 51%
para os homens. Cfr. o nosso estudo cit. à nota 169.

223
Tudo isto, para confirmar variações de valias com base em critérios diferenciados

e tentar perspectivar algumas correlações entre valores. A maior utilidade do exercício

prende-se com futuras tentativas de avaliação do cômputo de escravos, nos casos em

que aquela é omissa. De qualquer modo, comparativamente às mais avaliações dos

móveis, abordada em tópicos atrás, confirmamos estar perante um elemento constituinte

patrimonial de particular relevância, mesmo quando a posse não ultrapassa uma unidade.

1.4. Utensilagem agrícola e artesanal

A abordagem da utensilagem, em termos gerais, permite-nos o enquadramento

técnico da época e a definição das actividades de produção. Para mais, porque se trata de

instrumental adaptado à especificidade de cada unidade de exploração, descobre

tendências e diferenças ao nível da grandeza e dos propósitos produtivos. Neste

concernente, além de proprorcionar-nos elementos de confronto com outros dados sobre

as espécies, os níveis e os custos de produção, ou de contribuir para a problemática dos

indíces de rentabilização e produtividade —questões contempladas no capítulo IV—,

também complementa o levantamento e categorização das fortunas em causa.

As fontes mais significativas para este estudo foram constituídas por onze

inventários, um auto de partilha e dois testamentos, balizados entre 1494 e 1558. Todas

bastantes lacunares em termos de caracterização técnica e material das peças, mas

permitindo alguns dados quantitativos e de valia.

1.4.1. Alfaias do trabalho da terra

Embora se observe a difusão, mais significativa, da charrua no Reino a partir do

século XVI, documentada que está para os séculos XIII, XIV e XV183, a verdade é que o

termo não surge nas nossas fontes. Surge, sim, o arado, que constituiria a peça base da

lavra184. Apenas uma vez o encontramos arrolado, em referência tardia de 1558, pela

183 A. H. de Oliveira Marques — Introdução à história da agricultura…, p. 97.


184 Segundo Haudricourt e Delamarre, as diferenças entre charrua e arado são técnicas e funcionais,
constituindo-se a primeira num dispositivo dissimétrico, de lados desiguais, pela presença de uma peça

224
qual dois couberam aos herdeiros de João Vaz e outros tantos à respectiva viúva185.

Anteriores, achamos-lhe registos indirectos, por intermédio de elementos de composição

metálica e do respectivo sistema de atrelagem. A diminuta inventariação do instrumento

poderia ser explicada por duas vias: ou não constituía, por si, uma peça de particular

valor económico, o que sugerirá um instrumento muito simples em termos materiais e

técnicos; ou nem todos os nossos proprietários o possuiam, o que apontava na direcção

oposta.

Optámos pela primeira hipótese, pois ao sermos confrontados com inventários

que arrolam uma, duas e três juntas de bois de arado186 e que omitem o instrumento de

lavra per si, não podíamos compreendê-lo de outro modo. Para mais, a ameaça sobre

certos lavradores, cerca de 1554, para que não lavrassem certas terras sob pena femder

os arados em achas187 , comprovava a fragilidade e o material utilizado na sua

confecção. Além disso, vestígios de partes do mesmo sempre foram surgindo, nas cangas

de arado188 e nos ferros d'arados189. Por estes últimos entendemos as relhas, parte do

fundamental, a aiveca, a qual permite o revirar dos torrões levantados à passagem da relha (André G.
Haudricourt e Mariel J.-Brunhes Delamarre — L'homme et la charrue a travers le monde. Pref. de Pierre
Deffontaines e André Leroi-Gourhan. [S.l.]: La Manufacture, 1986, pp. 26-27). Mais esclarecimentos
sobre a temática podemos, ainda, recolher em Georges Comet — Le paysan et son outil. Essai d'histoire
technique des céréales (France, VIIIe-XVe siècle). Paris: École Française de Rome, 1992, pp. 49-51. A
aplicação deste critério classificador, conjugado com o de Jorge Dias, para Portugal continental,
destrinçando os arados simétricos dos dissimétricos, podemos constatar em Ernesto Veiga de Oliveira e
Benjamim Pereira — Tecnologia tradicional agrícola dos Açores. Subsídios para o seu estudo. Lisboa:
Instituto Nacional de Investigação Científica: Centro de Estudos de Etnologia, 1987, p. 16
185 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 3, fl. 4 vº.
186 Respectivamente, BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fl. 2vº (1549); BPARPD. FEC:
MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 5 vº (1545); BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 2 (1530/40).
187 BPARAH. Monásticos: CSGA, lº 2, nº 62, fl. 58vº.
188 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 4vº (1530/1540). São, estas cangas, geralmente
mais pequenas e leves, testemunhando-se actualmente tal divisão das cangas — de carrear e de lavrar —,
nas ilhas da Terceira, Pico Faial e Santa Maria. Cfr. Luís da Silva Ribeiro — Cangas de bois nos
Açores. In Obras…, vol. I, p. 159.
189 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 5 (1530/1540); Monásticos: CSGA, lº 2, fl. fl. 6
(1558).

225
instrumento que cedo pôde assumir forma metálica190. Neste sentido, o termo encontra-

se documentado actualmente em S. Miguel, contra a expressão bico na Terceira, embora

aqui o conjunto das peças na extremidade da rabiça — bico e alvar — seja também

designado por ferro191.

Quanto ao arado típico das ilhas açorianas, do tipo radial e segundo a

classificação de Jorge Dias, mas que na Terceira, S. Jorge, Pico, Graciosa e Santa Maria

pode traduzir algumas influências do de garganta192, sabêmo-lo muito antigo no Reino e

inserido numa área que, grosso modo, vai do Minho ao Tejo193. Já documentá-lo nas

fontes de que dispomos é tarefa que não pudemos cumprir, para além do inerente

vislumbre de um tipo de arado muito simples, cuja peça que rasgava o solo era de ferro.

Para mais, e à parte o valor do gado que o atrelava, registe-se a valia de 60 reais

de três ferros, usados, do ano 1558194, os 200 reais que orçaram seis ferros, d'arados e

lejtos (carros) e os 300 reais que avaliam três cangas de arado e três de carro, em

1530/40195

Excluindo-se esta peça essencial da lavra, emergem então as enxadas, os sachos e

os alviões. O maior proliferar deste tipo de utensilagem tem a ver com três aspectos. O

primeiro diz-nos da importância do esforço humano no tratamento dos campos, em

geral, que se destaca nas explorações onde o arado não é utilizado196. O segundo indica-

nos, face a um instrumento de arar que se perspectiva na sua forma mais simples, que o

trabalho complementar com enxada ou/afins, nos solos da lavra, seria também uma

190 Entre as melhorias técnicas verificadas no Ocidente europeu, nos séculos XI-XIII, conta-se a junção
de peças de metal ao arado, entre elas a relha de ferro. Cfr. Georges Duby — Guerreiros e camponeses: os
primódios do crescimento económico europeu. Lisboa: Editorial Estampa, 1980, pp. 210-211.
191 Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira — Tecnologia tradicional agrícola dos
Açores…, p. 18, nota 11. Segundo Maria Alice Borba Lopes Dias, o ferro do arado terceirense actual é
constituído pelo dito bico (a relha que fende a terra) e o alvar, que está preso à rabiça por pregos, ambos
na extremidade da referida rabiça. Cfr. a cit. autora em, Ilha Terceira. Estudo de linguagem e etnografia.
[S.l.]: Secretaria Regional da Educação e Cultura: Direcção Regional dos Assuntos Culturais, 1982, pp.
186-187.
192 Nomeadamente ao nível do encurvado do temão. Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira
— Tecnologia tradicional agrícola dos Açores…, pp. 17 e 20.
193 A. H. de Oliveira Marques — Introdução à história da agricultura…, p. 96; Ernesto Veiga de
Oliveira e Benjamim Perreira — Tecnologia tradicional agrícola dos Açores…, p. 16.
194 BPARAH. Monásticos: CSGA, lº 2, fl. 6.
195 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 5 e 4vº.
196 Por documento de 1548, caracteriza-se certa terra lavradia como aquela que se pudesse lavrar ou
cauar a enxada. Tal deixa antever as duas hipóteses, em separado, na preparação da terra. BPARAH.
Famílias, mç. 10, nº 10, fl. 32.

226
realidade 197 . O último comprova-nos a evolução e a componente metálica desta

utensilagem, o que a torna sempre presente nos inventários, como peças de valor e de

apreço.

QUADRO XII

ENXADAS E ALVIÕES

Utensílio Qt Descrição Valor Data Fonte


Enxadas 2 1506 AAAH, 1: 8, fl.
2vº
3 1512 PAC, XI, p. 200
3 1530/40 AAAH, 146:29, 5
2 velhas 80 rs 1545 MCMCC, V, 132,
fl. 24
1 com uma alferça/alferce e 1549 AAAH, 142: 6, fl.
um machado, avalia-se 3vº
em 120 rs
1 50 rs 1552 AAAH, 9: 25,
fl.5vº
2 120 rs 1556 CJP, 2: 28, fl. 10
1 nova 100 rs 1558 CSGA, lº 2, fl. 6vº
Sachos 8 de sachar pastel 1512 PAC, XI, p. 200
Enxadão 1 100 rs 1558 AAAH, 133:2, fl.
1vº
Alferces198 1 com uma enxada e um 1549 AAAH, 142: 6, fl.
machado, avalia-se em 3vº
120 rs
1 com um pição, ambos 1552 AAAH, 9: 25,
usados, avalia-se em 100 fl.5vº
rs
Pição199 1 com um alferce, ambos 1552 AAAH, 9: 25,
usados, avalia-se em 100 fl.5vº
rs
Marrão200 1 de ferro 200 rs 1552 AAAH, 9: 25,
fl.5vº

Pelos dados do quadro XII, apesar do que fica dito, facilmente nos apercebemos

da relativa raridade com que cada um destes utensílios aparece, no âmbito de alguns

197 Sobre o assunto e em termos genéricos, vide Georges Comet — Le paysan et son outil…, pp. 118-
119.
198 Encontrados sob a forma de alferce ou alferça, designam o alvião, o enxadão ou a picareta. GDLP,
vol. I, p. 192.
199 Pode ser um martelo de ferro, curvo e terminado em bico, próprio dos cantareiros, mas também uma
picareta. Constante do inventário de um lavrador e avaliado conjuntamente com um alferce, tomamo-lo
no último sentido.
200 Marrão é um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra (GEPB, vol. 16, p. 414). De referir,
também, que um marrão e uma barra, tudo em ferro, em 1549 são avaliados por 600 reais. BPARAH.
Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fl. 3vº.

227
arrolamentos patrimoniais. Salvaguardando os oito sachos para o pastel e as três enxadas

da propriedade do Porto da Cruz, de Pero Anes do Canto, o mais resta em quantitativos

de apetrechamento inferiores. Convencidos que estamos da omissão de uma gama bem

mais variada de instrumental menos valioso, de confecção simples e material mais

disponível, por contraponto aos de maior significado económico201, não estranhará este

cômputo geral por proprietário.

No tocante aos utensílios registados, podemos constatar enxadas, que diremos

usadas, numa valia entre 40 e 60 reais (entre 1545 e 1556), uma nova em 1558 que

custaria 100 reais, o mesmo valor do designado enxadão.

Curioso é que o sacho, que em S. Miguel e em S. Jorge designa a própria

enxada202, apenas nos surge no exemplo apontado e referente à produção específica do

pastel.

Quanto aos alferces, uma espécie de alviões, são hoje com este último nome

muito utilizados na Terceira, no Pico, na Graciosa e em S. Miguel. Têm referências com

a dita enxada, mas possuem uma lâmina mais estreita na extremidade, de vértices

circulares, por vezes mesmo triangular203. Esta espraia-se sob o comprimento e está

associada a um espigão na parte traseira da lâmina. Um misto de enxada e alferce será,

pois, o enxadão. Pelo que sabemos, hoje e na área dos Biscoitos, constitui um alvião sem

o respectivo espigão, o que lhe confere grande proximidade com a enxada204.

Tais características dos alferces/alviões tornam-nos preciosos para as terras

pedregosas, duras e difíceis de trabalhar205, como as de vinha e pomares. Associados a

pições e marrões, utensílios mais poderosos no quebrar da pedra, os alferces terão sido,

como são, importantes no habilitar da terra pedregosa. Partir, arrancar e soltar a pedra
201
202 O que não parece registar-se na Terceira. Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira —
Tecnologia tradicional agrícola dos Açores…, pp. 24-25; Carreiro da Costa — Alfaias agrícolas
micaelenses. Boletim da Comissão Reguladora dos Cereais do Arquipélago dos Açores [BCRCAA]. Nº
5 (1º sem. 1947), pp. 89-90. Na Terceira encontramos sachos e enxadas, com dados e imagens actuais em
Luís Mendes Brum — Ferreiros terceirenses. Verdelho. Boletim da Confraria do Vinho Verdelho dos
Biscoitos, ilha Terceira. Ano VI: nº 6 (2001) 14-15.
203 Como no Pico. Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira — Tecnologia tradicional
agrícola dos Açores…, p. 29.
204 Cfr. Luís Mendes Brum — Ferreiros terceirenses. Verdelho… Ano VI: nº 6 (2001) 14.
205 Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira — Tecnologia tradicional agrícola dos
Açores…, p. 28. Actuais alviões e enxadas da Terceira estão documentados em Luís Mendes Brum —
Ferreiros terceirenses. Verdelho… Ano V: nº 5 (2000), 31 e Ano VI: nº 6 (2001) 14-15.

228
constituem, pois, tarefas referenciadas nos nossos documentos206 e que particularmente

antecipamos por necessárias nas célebres áreas de biscoito207.

1.4.2. Instrumentos de corte, carpintaria e marcenaria

Esta utensilagem supracitada associar-se-ia a muitas mais alfaias, como

pódoas/podões, foices roçadouras, machados e serras, naturalmente importantes e

complementares, nas tarefas do arrotemento e da constituição dos terrenos de cultivo da

ilha.

Só machados, em 1512, uma unidade de exploração detinha em número de doze,

contra duas serras208. De Pódoas ou podões, na dupla designação, encontramos menos

registos 209 e da roçadoura apenas conhecemos uma referência210 . Estes últimos

utensílios completam-se e são estruturalmente muito parecidos, embora as últimas sejam

de maiores dimensões, tanto ao nível da lâmina como do cabo. Em termos gerais, a partir

das recolhas etnológicas, a lâmina da pódoa assemelha-se à da foice, sendo contudo mais

larga e alongada, com o arqueamento na extremidade211. Servem para o desbaste de

matos e arvoredos e, por sua vez, complementam a acção de machados e serras.

Entre os penúltimos ainda detectamos as machadinhas212, mais viradas para o

serviço doméstico, no corte de toros ou outros213. Também nos instrumentos de corte

206 R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 197.


207 Em termos muito genéricos, biscoitos são terrenos em que as lavas petrificadas estão bem presentes,
mas em fase de desagregação e encontram-se mais ou menos acompanhadas e/ou cobertas de terra. Nas
ilhas, em geral, servem hoje em dia para o plantio das vinhas, porquanto a pedra omnipresente, tanto no
chão como nas paredes que formam pequenos currais ou curraletas, contribui para a conservação do calor
que favorece a uva. Na Terceira, entre as mais, destaque-se a área característica da freguesia dos Biscoitos.
208 R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, quadro XI, p. 199.
209 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fl 3vº (1549); Monásticos: CJP, mç. 2, nº 28, fl. 12
(1556); CSGA, lº 2, fl. 6vº (1558). Segundo Mª. Alice B. L. Dias, a pódoa na terceira é um utensílio um
pouco mais pequeno do que o podão. Cfr. autora cit., Ilha Terceira…, p. 191.
210 BPARAH. Monásticos: CSGA, lº 2, fl. 6vº (1558).
211 Para mais esclarecimentos, vide Carreiro da Costa — Terminologia agrícola micaelense…, pp. 86-
87, particulamente as ilustrações; Luís Mendes Brum — Ferreiros terceirenses. Verdelho. Boletim da
Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos, ilha Terceira. Ano VII: nº 7 (2002) p. 26, do qual consta
também uma fotografia da pódoa.
212 BPARAH. Judiciais: PRC, fl. 89.
213 Carreiro da Costa — Terminologia agrícola micaelense…, pp. 86-88.

229
há que considerar as foices214, que encontramos de ceifa e de colher pastel215, a junteira

e o cantil, espécies de plainas para tratamento da madeira216 e as enxós217.

As últimas, associadas às verrumas218 , aos escopros219 , aos martelos220 ,

configuram uma plêide instrumental virada para a construção e manutenção de estruturas

e objectos vários, numa imagem que em muito prefigura uma certa capacidade individual,

das explorações e dos respectivos proprietários, para obstar às principais necessidades.

No cômputo geral, todos estes utensílios também têm o seu peso no conjunto

patrimonial. Muitos deles surgem orçamentados conjuntamente com outros. Uma enxó,

um trado (verruma grande), uma serra, um escopro, dois machados, certos ferros de

cavalo e três enxadas, usados, podiam ser avaliados por 750 reais nas décadas de trinta

ou quarenta221; dois machados, duas serras e uma enxó, em 250 reais; dois escopros e

um trado em 60 reais; uma enxada, um alferce e um machado em 120 reais222.

Mas deixando de lado os valores que se configuram desta forma e tentando

perspectivar as valias de cada tipo de instrumento, podemos contar com algumas

referências, se bem que maioritariamente tardias (1545-1558).

QUADRO XIII

ALGUNS VALORES DA UTENSILAGEM (1545-1558)

Peça Qt Descrição Valor Data


Machados 3 velhos 120 rs 1545
2 150 rs 1552
1 d'aterar? 100 rs 1556
1 de cortar lenha 100 rs 1556
1 200 rs 1558

214 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 21 (1545);


215 R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, quadro XI, p. 200.
216 Ibidem.
217 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº8, fl. 2vº (1506); mç. 146, nº 29, fl. 10 (1530/1540); mç.
133, nº 9, fl. 5vº; mç. 142, nº 6, fl. 3vº (1549); BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 21
(1545).
218 Entre elas, os trados. R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, quadro XI, p. 199.; BPARPD.
FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 21; BPARAH. Judiciais: AAAH, mç 142, nº 6, fl. 3vº, entre outras
referências.
219 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl 2vº; mç. 133, nº 9, fl 5vº; BPARPD. FEC: MCMCC,
vol. V, nº 132, fl. 21; BPARAH. Judiciais: AAAH, mç 142, nº 6, fl. 3vº, entre outras referências.
220 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 9, nº 25, fl. 7.
221 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 9, fls- 4vº-5.
222 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fl. 3vº.

230
1 150 rs 1558
1 50 rs 1558
Serras 1 velha 20 rs 1552
1 desmanchada 20 rs 1552
Pódoas 1 usada 30 rs 1549
1 30 rs 1558
1 60 rs? 1558
Foice 1 80 rs 1558
roçadoura
Foices 1 velha 20 rs 1545
1 de segar 40 rs 1558
Escopro 1 20 rs 1558
Verruma 1 10 rs 1545
3 40 rs 1558
Trado 1 30 rs 1545
1 pequeno 40 rs 1558
1 velho 20 rs 1558
Martelo 1 de orelhas 30 rs 1558

Da leitura do quadro XIII, depreende-se que os machados podem ter múltiplas

funcionalidades, com o tipo mais adequado a cada qual223 e que, dependendo desse

facto, mas também do estado de conservação, têm a maior amplitude de valores

detectada para o instrumental atrás arrolado, entre os 40 e os 200 reais. As serras

documentam-se em 20 reais, as pódoas/podões ente 30 e 60, as foices entre 20 e 40, as

verrumas maiores (trados) à volta de 30 reais e as pequenas de 10. Um escopro pode ser

avaliado em 20 reais em 1558 e, no mesmo ano, um martelo de orelhas por 30 reais.

Entre tais valores andam este tipo de bens que, no conjunto dos intrumentais e

associados às demais alfaias agrícolas atrás referidas, podem atingir cômputos estimados

em 950224, 560225, 1060226, 780227, 560228, 1000229 e 530230 reais, entre arrolamentos

de 1530/1540 a 1558.

223 É já visível no nosso quadro e também pela referência que fazemos à machadinha, mais atrás. Como
complemento ao que aqui fica dito, vide Carreiro da Costa — Terminologia agrícola micaelense…, pp.
86-88.
224 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fls. 4vº-5 (1530/1540).
225 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fls. 21-21vº e 24.
226 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fl. 3vº.
227 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 9, nº 25, fls. 5vº e 7.
228 BPARAH. Monásticos, CJP, mç. 2, nº 28, fls. 10 e 12.
229 BPARAH. Monásticos: CSGA, lº 2, fls. 6-6vº.
230 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 2, fl. 1 vº e 4.

231
1.4.3. Meios de atrelagem, transporte e acondicionamento

De qualquer modo, entre o móvel agrícola e afins, aqueles que ressaltam pelo

respectivo valor e, em alguns casos, até pelos quantitativos presentes nos arrolamentos,

são os carros.

Meios de locomoção fundamentais, pois que permitem o transporte de pessoas e

bens em escala mais ampla, a par da charrua — que não detectámos nas fontes e como

atrás referimos — constituem componentes por excelência do dito "sistema agrário de

cultura atrelada". Este, emergente com a "revolução agrícola" dos séculos XII-XIII,

acabaria por perdurar até à chamada "motorização do século XX"231 . Assim, o

transporte sobre veículos de tracção animal, no mundo rural açoriano, é ainda uma das

modalidades bastante corrente pela década de sessenta do século passado232.

Quando designado, aparece simplesmente como carro 233 ou como carro de

bois234. Não excluímos o recurso a outro tipo de animal de tracção e o arrolamento de

outros animais, passíveis de atrelar aos veículos, podem indiciá-lo. De qualquer modo,

especificados apens temos os ditos carros de bois.

Para mais, ainda emerge o carro com seu Rodejro235, uma sebe de vime236 — tão

comum aos actuais carros de bois terceirensese e não só237 — e um leito de bordo com

suas vaRandas238.

231 Cfr. Marcel Mazoyer e Laurence Roudart — História das agriculturas do mundo: do Neolítico à
crise contemporânea. Lisboa: Instituto Piaget [s.d.] (imp. 2001), pp. 249-250 e 259-260. Edição original
francesa de 1997/1998.
232 Cfr. Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira — Tecnologia tradicional agrícola dos
Açores…, p 41.
233 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl. 2; mç. 146, nº 29, fl. 1vº; mç. 9, nº 25, fl. 4vº; PRC,
fl. 89; Monásticos: CSGA, lº 2, fl. 6; BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 21 vº.
234 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 4vº.
235 BPARAH. Monásticos: CJP, mç. 2, nº 28, fl. 10 (1556).
236 BPARAH. Judiciais: PRC, fl. 89 (1555).
237 Ilustrado em Maria Alice B. L. Dias — Ilha Terceira…, pp. 181 1 184-185; Ernesto Veiga de
Oliveira e Benjamim Pereira — Tecnologia tradicional agrícola dos Açores…, p. 49, às figs. 67-71 e
outras; Carreiro da Costa — O carro de bois micaelense. BCRCAA. Nº 9 (1º sem. de 1949), 93 e 94-
100.
238 BPARAH. Monásticos: CJP, mç. 2, nº 28, fl. 10 (1556).

232
Apostas aos veículos, no âmbito do sistema de atrelagem, ainda surgem as cangas

de carro239, os tamoeiros e respectivas brochas240 —tiras que hoje se apresentam de

couro cru para ligar a canga ao carro e os chifres dos bois à canga241— e os ditos ferros

de llejto 242 . Associando alguns dos termos à nomenclatura actual das várias

componentes dos carros tradicionais, a correspondência é completa e faz-nos ingressar

no grupo daqueles que os remetem para os mais recuados tempos do povoamento243.

Uma nota de interesse, no quadro da funcionalidade destes veículos, provém do

arrolamento de carro da pypa d'augua que consta do inventário e partilhas dos herdeiros

de Pedro Fernandes de Freitas244 e ilustra questões do transporte e acondicionamento da

água245.

Estão presentes, pois, estes veículos de locomoção, por inventário, arrolados em

número de um246, mas essencialmente no de dois247 ou três248. Quanto às respectivas

valias, como referimos, são das mais elevadas nos arrolamentos da utensilagem agrícola

em geral. Assim, o respectivo valor varia em função do estado de conservação do veículo

QUADRO XIV

AVALIAÇÃO DOS CARROS

Descrição Qt Valor Data


ferrados e usados 2 2$500 1530/40
usado 1 800 rs 1545
usado 1 400 rs249

239 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 4vº; mç. 133, nº 2, fl. 4vº; Monásticos: CSGA, lº
2, fl. 6.
240 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fl. 3 vº; mç. 133, nº 2, fl. 4vº; BPARAH. Monásticos:
CJP, mç. 2, nº 28, fl. 10.
241 Cfr. Carreiro da Costa — Alfaias agrícolas micaelenses… BCRCAA. Nº 6 (2ª sem. 1947) 88-90;
Luís da Silva Ribeiro — Notas sobre a vida rural na ilha Terceira… In Obras…, vol. I, p. 118.
242 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 21 vº
243 Geralmente, o trabalho de Frutuoso, de finais do século XVI, constitui o ponto de referência. Cfr.
estudos citados à nota 237 e Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira — Tecnologia tradicional
agrícola dos Açores…, p. 42, particularmente nota 24.
244 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fl. 3vº.
245 De referir que é neste mesmo inventário que nos deparamos com o caldeirão de cobre do poço, dito
depois caldeira, já referido. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fls. 4 e 24.
246 BPARAH. Monásticos: CJP, mç. 2, nº 28, fl. 10 (1556).
247 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl. 2 (1506); mç. 9, nº 25, fl. 4vº (1552); PRC, fl. 89
(1555); BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 21vº (1545);
248 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fls. 1vº e 4vº (1530/40); mç. 142, nº 6, fl. 3vº (1549);
Monásticos: CSGA, lº 2, fl. 6 (1558).
249 Avaliado num cruzado que, somado aos 800 rs do carro anterior, perfazia 1$200. BPARPD. FEC:
MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 21vº.

233
usado 1 1$500 1549
velho e com a p y p a 1 300 rs
d'auguua
muito velho 1 200 rs
velho 1 800 rs 1552
melhor do que o anterior e 1 3$500
já usado
velho 1 300 rs 1558
velho 1 300 rs
melhor do que os dois 1 1$500
supra

se bem que este seja muito subjectivo e possa implicar outros critérios que não podemos

fundamentar. Quanto aos valores em presença, orçam entre os 200 reais de um muito

velho e os 3$500 de um comparativamente melhor, a que acrescerão os custos das

cangas, dos mais elementos da atrelagem e, naturalmente, dos relativos à força de tracção.

Para além dos carros, deparamo-nos ainda com um batel250 e uma barca, a qual se

regista por muito velha e com a respectiva pique251 (ponta da verga da vela). Se a última

invoca a velha embarcação portuguesa252 , utilizada desde sempre na actividade

piscatória, no comércio fluvial e no de cabotagem, naturalmente importante para as

ligações entre as ilhas ou mesmo entre os principais portos da Terceira, o primeiro

constitui uma pequena embarcação que, naturalmente, servia o pescador, seu

proprietário253. Este mundo de mareantes e homens da pesca254 terceirenses ficaria

250 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 215vº (1536).


251 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 4vº (1532).
252 Tipo de embarcação que se encontra em Portugal desde a formação do país. Havendo barcas de
diversas tonelagens e chegando a atingir os 30 tonéis, foram, como se disse, incidentemente utilizadas na
actividade piscatória, no comércio fluvial e no de cabotagem. Aparecem também nas primevas
explorações marítimas, nomeadamente das costas marroquinas e do Saara Ocidental. No contexto
atlântico ficou registada a sua utilização na viragem do Bojador e na primeira aportagem do Porto Santo.
Nestas viagens de prospecção terão dado lugar à caravela, por meados do século XV. Cfr. Luís de
Albuquerque - Barca. In Joel Serrão (dir. de) — Dicionário de História de Portugal…, vol. I, p. 299;
Martin Malcolm Elbl — Barca. In Jhon Blok Friedman e Kristen Mossler Figg (ed.) — Trade, travel,
and exploration in the Middle Ages: an enciclopedia. New York/London: Garland Publishing, Inc.,
2000, p. 45.
253Diogo Vaz. BPARAH. CIM: THSEA, fls 215-218 (testamento 77, em apêndice). Ao capítulo I, p.
+++, nt. 410, damos conta de outros do mesmo ofício.
254 Sobre ele, parcos estudos existem para o arquipélago. Remeta-se para os trabalhos de Luís da Silva
Ribeiro — Notas sobre a pesca e os pescadores na ilha Terceira. In Obras…, vol. I, pp. 133-157; de
Avelino de Freitas de Meneses — Os Marítimos nos Açores em 1770-1771. In Portos, Escalas e iIheús
no relacionamento entre o Ocidente e o Oriente. Actas dos Congresso Internacional. [S.l.]:
Universidade dos Açores / Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses,
2001, vol. I, pp. 431-457.

234
também atestado, nos nossos testamentos, pela referência à confraria do corpo samto

frej pero gomçalluez, de Angra, já existente em 1531255.

Também associado ao transporte das mercadorias, fosse ele de produções

agrícolas ou de quaisquer outras, como à salvagurda de objectos e utensílios vários,

coloca-se a questão do acondicionamento e do vasilhame, para a qual as nossas fontes

abrem algumas pistas.

Constam de róis e inventários, entre outros e talvez os mais significativos, cascos

de pipa256 , pipas257 , toneis, barris258 , quartos259 , quartinhos260 , talhas261 , tinas262 ,

sacos 263 e sacos de lyteiro264, sacas265 e sacas também de liteiro266, cevadeiras267,

barsas 268 , cestos269 e condessas de verga270 , balaios271 , sejros 272 , alcofas273 ,

255BPARAH. CIM: MP, Livro do Tombo, fl. 218vº.


256 BPARAH. CIM: THSEA, fls. 179-180 vº (1494).
257 Cfr. R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, quadro XI, p. 201 (1512); BPARAH. Judiciais:
AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 4vº (1530/40); mç. 142, nº 6, fl. 5 (1549); mç. 133, nº 2, fl. 2 (1558); PRC,
fl. 89; Monásticos: CSGA, lº 2, fl. 6 (1558). Em termos de arrolamento, nenhuma outra referência se
compara à de Gonçalo Anes, mestre, morador na Praia e proprietário de vinhas, que declara dezasseis
pipas de vinho e alguns cascos vazios (vide testamento 151, nos apêndices).
258 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 24 (1545).
259 Referidos atrás, mas apenas os explicitamente usados para a água. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç.
146, nº 29, fl. 4vº (1530/40); mç. 133, nº 2, fl. 2 (1558); Monásticos: CSGA, lº 2, fl. 6 (1558).
260 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 5vº (1530/40).
261Referidas atrás, mas apenas as explicitamente usadas para água. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç.
146, nº 29, fl. 5vº (1530/40).
262 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fls.5 e 23vº (1549).
263 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fl. 5vº (1542); mç. 146, nº 4, fl. 4vº (1532); mç. 146,
nº 29, fl. 4vº (1530/40); mç. 142, nº 6, fl. 6 (1549); mç. 9, nº 25, fl. 6vº (1552); mç. 133, nº 2, fl. 2
(1558); Monásticos: CJP, mç. 2, nº 28, fl. 12vº (1556); BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl.
23 (1545).
264 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl. 2 (1506).
265 Umas ditas assim e outras grossas, entre as quais grandes e pequenas. BPARAH. Judiciais: AAAH,
mç. 133, nº 2, fl. 2 (1558).
266 BPARAH. Judiciais: PRC, fl. 89vº (1555).
267 Ou saco, alforge para a merenda, comida. BPARAH. Monásticos: CJP, mç. 2, nº 28, fl. 11vº (1556).
268 Que se diz com seu cadeado. Em termos gerais, barsa é um termo regional que designa um cesto de
palma, cilíndrico, onde se leva a refeição para o local de trabalho. Curioso é verificar que o objecto em
causa consta do inventário onde também detectámos a cevadeira, ao fl. 10 (vide nota supra). Registe-se,
ainda, que ambas, barsa e cevadeira, cada uma por si é avaliada em 200 reais.
269 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 4vº (1532); redondos e grandes, BPARPD. FEC:
MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 20 (1545).
270 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 20 (1545).
271 BPARAH. Monásticos: CSGA, lº 2, fl. 8 (1558)
272 Tomámos por seiras ou seirões, cestos ou cabazes de junco, esparto ou vime. BPARPD. FEC:
MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 21 (1545).
273 Nome atribuído a cestos que também podem ser de vime ou de esparto. BPARAH. Judiciais:
AAAH, mç. 133, nº 9, fl. 5 (1542); mç. 113, nº 16 A (n/nossa), fl. 6 (1546).

235
açafates274, tabuleiros275 de cedro276, bocetas277, potes278, canastrinhas279, cofres280,

boetas 281 , caixões282 e as próprias caixas, já referidas, duas delas que forão de

asucar283, outra com feRamenta e ainda outra com toalhas e livros284. De materiais

diversos e com mútiplas funcionalidades, podem também atingir valores importantes,

por si ou no somatório de vários.

QUADRO XV

VASILHAME E RECEPTÁCULOS

Designação Qt Descrição Valor Ano


toneis 4 para vinho 1$600285 1545
1 abatjdo 200 rs
casco de pipa 1 comprado por 120 rs 1494
pipas 4 velhas e sem fundo 200 rs 1530/40
1 vazia 100 rs 1549
3 sem fundo 150 rs 1558
2 velhas 200 rs
barril 1 de madeira 60 rs 1545
1 de barro, pequenino 5 rs 1545
quartos 2 velhos 100 rs 1530/40
2 velhos 100 rs 1558
2 vazios, a 120 rs cada 240 rs
sacos 2 velhos 40 rs 1545
60 vazios, novos, velhos e 2$500 1530/40
remendados
45 vazios, grande parte deles 800 rs 1549
dados por "muito velhos",
constantes do do rol do
lynho
60 usados, uns avaliados 1$200 1552
pelos outros a 20 rs cada

274 Cestos baixos, redondos ou ovais. Nos nossos documentos, encontramos dois pequenos e um
grande, constantes de rol de bens do dote de casamento, anexado a autos de partilhas. BPARAH.
Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 21vº (1532).
275 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 4vº (1530/40); Monásticos: CSGA, lº 2, fl. 6
(1558); BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 20 (1545).
276 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 113, nº 16 A (n/nossa), fl. 4 (1546).
277 De marmelada de açúcar BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fls. 21vº e 18vº (1545).
278 De mel. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 19vº (1545).
279 Com objectos pessoais, papeis e chejros. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 16 (1545).
280 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fls. 18vº e 21vº (1545).
281 Com cartas, moldes. Também de couro, de fejçam d'estojo, com papeis de grande importância.
BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fls. 16-17 (1545).
282 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fls. 20vº-21 e 22vº (1545).
283 Vide testamento 172, em apêndices (1552).
284 De Pero Adão, pedreiro, que diz estarem em S. Jorge, onde ele também possuia imóveis. BPARAH.
Famílias: CCP, mç. 25, nº 8, 2º doc, fl. 68 (1517).
285 Diz-se 4 cruzados. Pela equivalência estimada no cálculo do valor dos carros, constante do mesmo
inventário, são 4 x 400 rs.

236
55 vazios 2$750 1558
12 a 40 rs o saco 480 rs
sacas 3 270 rs 1558
2 grossas, uma grande e 225 rs
outra pequena
cevadeira 1 nova 200 rs 1558
cestos 3 de verga, redondos e 800 rs 1545
grandes
condessas 2 de verga 120 rs
ceiros 2 velhos 60 rs
balaios 1 usado 40 rs 1558
1 pequeno 20 rs
tabuleiros 3 usados 200 rs 1530/40
2 usados 100 rs 1545
2 de cedro e novos 120 rs 1546
2 velhos 100 rs 1549
2 usados 100 rs 1558
bocetas 4 de marmelada e vazias 120 rs 1545
2 de madeira 2 vinténs
caixões 1 velho e com fechadura 40 rs 1545
1 de cedro e com fechadura 40 rs
cofre 1 da Flandres, usado e de 7 200 rs 1545
ferros
1 de Flandres, velho e na 120 rs
forma de boeta

Um casco de pipa, em 1494, custara 120 reais; quatro toneis de vinho podiam

orçar em 1$600, por 1545; as pipas, a maioria velhas, usadas e sem fundo, eram

avaliadas entre 100 e 200 rs; os quartos podiam andar pelos mesmos valores e os barris

em metade. Os sacos são acondicionamento muito presente, com vários exemplos de

quantitativos acima da meia centena, orçando entre 20 e 40 reais cada. As sacas, talvez

maiores e algumas ditas grossas, estimam-se poderem valer 90 reais por unidade. Nos

receptáculos em verga, de múltiplas dimensões, três grandes podem valer 800 reais e

dois, naturalmente mais pequenos, andarão pelos 120, a que acresciam outros mais

pequenos, como nomes bem definidos, como os balaios286, a 40 reais. Os tabuleiros

estima-se que rondem os 50 ou 60 reais, cada um, e os cofres podem chegar aos 200.

286 Cesto relativamente grande, com o diâmetro da base mais pequeno do que o da parte superior
("formato tronco-cónico de base invertida"), apresentado a forma de um "alguidar" comum e actual.
Segundo E. Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira, em termos de critério tecnológico enquadra-se na
"técnica de espiral cozida", menos corrente nas ilhas do que a cestaria de entrançado. Os balaios são feitos
de palha ou junco muito fino, servindo como medida —de quarto, meio, um e dois alqueires—, para o
transporte de farinha, para o "ventejar" do cereal, entre outros. Cfr. autores citados, Tecnologia
tradicional agrícola dos Açores…, p. 63 e figs. 88, 40 e 87 das ilustrações fotográficas.

237
Isto, para fazermos uma ideia breve dos custos e valores inerentes a tal tipo de bens,

muitos deles absolutamente essenciais como contentores da própria produção agrícola.

1.5. O gado

É óbvio que as questões da locomoção não eram apenas resolvidas por veículos e,

antes, aquela concretizava-se também sobre dorso de equídeos e muares. Estão presentes

selas287, estribeiras288, gafas289, virotes290 e outros, apetrechos que podem chegar a

quantitativos elevados. Para dar um exemplo, a sela de teneta, quase nova, com duas

cobertas e coxim, foi avaliada em 2$400. Já umas estribeiras com esporas, dois pares de

nominas, uma arriata, um freio e uma caixa peitoral, podiam orçar em 4$000291.

No tocante à composição móvel dos patrimónios, os animais ocupam um lugar de

relevo. Não por acaso, na descrição da Terceira, de 1589, Linschoten dizia: consiste a

principal riqueza dos insulares nos seus bois292. No entanto, nem sempre se encontram

arrolados, pensando nós que mais em virtude do carácter lacunar e incompleto de alguns

inventários e do nosso recurso a fontes com objectivos diferencidos do restrito

arrolamento de bens, do que por outro motivo.

Deste modo, o gado constante das nossas fontes é o equídeo e o muar, como

dissemos, mas também o bovino, o ovino, o caprino e algumas aves de capoeira como

galinhas e patos. Associados à respectiva criação, ainda podemos encontrar as comuns

gamelas293 , por vezes ditas de dragoeiro294.

Em termos de espécies, quantitativos e valias, podem-se estabelecer termos de

comparação entre exemplos orçados, como são os dos proprietários João Gonçalves ho

287 De teneta, de mulher e com suas tábuas e de brida, em BPAPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132,
fls. 17vº e 24. Também, BPARAH. Monásticos: CJP, mç. 2, fl. 9vº.
288 BPAPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fls. 7 e 24; BPARAH. Judiciais: PRC, fls. 90-90vº. Ditas
mouriscas em BPARAH. Monásticos: CJP, mç. 2, fl. 13 (1556).
289 BPARAH. Monásticos: CJP, fl. 10; Judiciais: AAAH, mç. 9, nº 25, fl. 5.
290 Animais com suas gafas e virotes. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 9, nº 25, fl. 5.
291 Ambos os exemplos de 1545. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fls. 17 e 17vº.
292 Jan Huygen van Linschoten — História da navegação do holandês João Hugo de Linschoot, às
Índias Orientais. BIHIT. Vol. I: nº 1 (1943) 152.
293 Avaliada em 10 reais. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fl. 16vº (1542).
294 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 6, fls. 3 vº e 16.

238
amo295, Duarte Fernandes296, Sebastião Monis Barreto297, Jorge Fernandes298, Pedro

Fernandes de Freitas299 , Domingos Martins o Ruivo, lavrador300 , Álvaro Martins

Fagundes301 e Afonso Simão, escudeiro régio302 (Quadro XVI).

Entre os animais arrolados, bovinos e equídeos, quer do grupo cavalar quer do

asinino, estão sempre presentes. Tal facto mostra a importância dos segundos no âmbito

da locomoção — e quiçá como força de tração — e apresenta-nos a criação de animais de

grande porte como uma actividade de proeminência na ilha.

Para além deles, os porcinos encontram-se igualmente bem documentados e há

mesmo quem apenas indique possuir este tipo de animais303. Já quanto aos ovinos e às

aves de capoeira, estão mais omissos nos inventários, mas temos referenciados valores

por unidade, no primeiro caso em 150 reais por cabeça (1558) e, no último, as patas, a

40 reais cada (1545).

Outro aspecto de interesse, porquanto nos dá elementos sobre a actividade

apícola, são os dados quanto à posse de colmeias. Duarte Fernandes inventaria uma que

se avalia em 300 reais; do arrolamento dos bens que ficaram por morte de D. Joana da

Silva constam dez colmeias com um enxame, cada unidade avaliada por idêntico preço e

num cômputo geral de 3$000; Aleixo Gomes também tinha colmeias e cortiços em

pomar e vinha sitos aos biscoitos de Angra304.

Para mais, pelos dados constantes no quadro XVI, igualmente é possível

apercebermo-nos de diferentes níveis de riqueza através deste tipo de dados. Não só

podemos ter em conta os valores globais apresentados, quando as datas do arrolamento


295 Da capitania da Praia. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fls. 2-3 e 8vº (1506). Os animais
inventariados não têm total corrrespondência com os que são avaliados ao fl. 8vº. Regemo-nos,
preferencialmente, pelos quantitativos da avaliação, mas tivemos que atender aos dados do inventário das
galinhas.
296 Da capitania da Praia. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fls. 1-3vº (1530/40).
297 De Angra. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fls. 4-6vº (1545).
298 Da capitania da Praia. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 113, nº 16 A (n/nossa), fls. 1vº-2. (1546).
299 Da capitania da Praia. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fls. 1vº-3 (1549).
300 Morador nas Lajes, Praia. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 9, nº 25, fls. 4-5vº (1552).
301 Da capitania da Praia. BPARAH. Monásticos: CJP, mç. 2, nº 28, fls. 8vº-9 (1556).
302 Morador em S. Sebastião, capitania de Angra. BPARAH. Monásticos: CSGA, lº 2, fls. 4vº-5vº
(1558).
303 Do inventário de João Jorge Carreiro e Beatriz Rodrigues, ambos já falecidos em 1532, apenas
constam dois porcos, igual número de porcas e um leitão. O facto de constar uma barca no espólio,
notando-se mesmo a ausência de terras, indica uma área de actividade profissional ligada aos serviços e
um certo arredar das actividades do sector primário. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4.
304 Conforme testamento de seu avô, Afonso Anes do Cabo Verde (nº 86, em apêndice).

239
patrimonial são próximas, como o número de cabeças permite o mesmo tipo de

comparações, quando em causa estão períodos mais desfasados.

Mas, antes de avançarmos na análise dos inventários sob esta perspectiva,

salientemos que, face aos contingentes do património animal, não estarmos aqui perante

as maiores fortunas da Terceira. Em 1512, no arrendamento da terra do Porto da Cruz,

Pero Anes do Canto entrega cento e oitenta bovinos305 — com direitos sobre outros

catorze —, seis equídeos, vinte e oito porcos e noventa cabras306 — gado caprino até

agora ausente — aos respectivos rendeiros. Isto, na fase inicial da constituição do seu

património, porque não foi possível compulsar o total de cabeças possuídas por este

proprietário, aquando da sua morte, em 1556. Outro caso é o de Gonçalo Álvares

Pamplona, vizinho do anterior, em 1517 com mais de cem vacas de ventre, quatrocentas

ovelhas (já referidas) e muitos porcos e egoas nas terras da Casa da Salga307. Ambos

servem de referência para os cômputos globais de patrimónios que constituiam

excepção.

Entre os inventariados (Quadro XVI), em número de cabeças, apenas o

património animal de Afonso Simão (1558) parece aproximar-se dos acima referidos —

cento e cinquenta e oito. No entanto, em valia fica abaixo do de Sebastião Monis

Barreto (1545) — 79$580 — ou do de Duarte Fernandes (1530/40) — 91$000 — e,

ambos, muito aquém (quarenta e um) dos mais de cento e oitenta bovinos de Pero Anes

do Canto.

Por tal motivo, define-se já uma esfera da fortuna a que pertencem muito poucos,

naturalmente os capitães, pelo menos Pero Anes do Canto e que, provisoriamente,

uniremos sob o epíteto de "hiper-fortunas". Depois, seguirão as Casas insulares e os

proprietários que a nossa documentação parece melhor revelar.

No âmbito deste tipo de património em particular, apenas com base nos dados

do quadro XVI e na tentativa de simplificação/síntese, é possível tentar estabelecer uma

305 R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 228, segundo o somatório do arrolamento no TPAC,
doc. 79, p. 183.
306 TPAC, p. 184.
307 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 23, fl. 25vº.

240
hierarquia, essencialmente com base nas cabeças dos bovinos, mas com complemento

dos equídeos, que poderá ser reforçada por valores significativos noutro grupo animal.

Assim, teremos:

— um nível, de "pequenas fortunas", com contingentes de bovídeos inferiores a

vinte cabeças;

— outro nível, de "médias fortunas", com quantitativos entre vinte e trinta e

nove cabeças;

— um terceiro nível, de "grandes fortunas", com contingentes bovídeos acima das

quarenta reses.

Deste modo, para o conjunto dos informes sobre a propriedade animal, é bem

visível o escalão mais baixo do património de Jorge Fernandes (1546), apenas com doze

cabeças de gado inventariadas, entre elas três bovinos. A seguir, poderíamos colocar o de

Álvaro Martins Fagundes (1556). No entanto, entre os dois há uma grande diferença de

composição e valia. O do primeiro incide claramente sobre gado porcino, enquanto o

segundo destaca-se por um grupo bem mais valioso: o bovino. Daqui que os valores

dupliquem, apesar de se esbaterem ligeiramente porque estão separados por uma década

(1546 e 1556). Neste grupo incorpora-se, ainda, o lavrador Domingos Martins o Ruivo,

com apenas oito cabeças de bovídeos, mas cujos valores globais apresentam-se idênticos

aos das quinze de Álvaro Martins Fagundes. Quando comparada a discriminação de cada

inventário, percebemos porquê: o primeiro apenas possui bois adultos, a maioria de

carro 308 enquanto que o segundo apresenta múltiplas vacas, bezerras, gueixas e

novilhas, naturalmente menos valiosas309.

Quanto à categoria "média", podemos aqui inserir o património animal de João

Gonçalves ho amo (1506), de Pedro Fernandes de Freitas (1549) e o de Afonso Simão

(1558). Muitos anos os separam e, por isso, os valores da avaliação são díspares, mas o

elemento bovino aproxima-os. De qualquer modo, o gado ovídeo do último reforça o

respectivo património animal.

308 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 9, nº 25, fls. 4-4vº.


309 BPARAH. Monásticos: CJP, mç. 2, nº 28, fls. 8vº-9.

241
Por fim, como "grandes fortunas" neste tipo de bens, emergem Duarte Fernandes

(1530/40) e Sebastião Monis Barreto (1545), com números iguais ao nível dos bovídeos,

mas com grande discrepância na avaliação. Uma vez mais, a composição macho/fêmea e a

idade pressupõe maiores ou menores valias. De qualquer modo, o contingente cavalar de

Sebastião Monis Barreto também pesa significativamente a seu favor. Por tudo isso, os

valores não deixam de ser similares.

Dito isto, importa desde já ressaltar as dificuldades colocadas à tentativa de

categorização das fortunas. Este é um dos nossos objectivos. Temos tentado trazer

todas as achegas possíveis, com base na mútipla tipologia e valia dos móveis. O gado,

em particular o bovino, afigura-se-nos como um poderoso indicador, desde que usado

com as cautelas necessárias e sempre conscientes das possíveis lacunas e omissões.

1.6. A dispensa e o sustento

Para terminar a abordagem dos bens móveis, uma componente que não é a melhor

documentada, mas enriquece o conhecimento que temos do quotidiano das gentes e da

salvaguarda das suas necessidades básicas: a dispensa dos terceirenses.

Os bens inventariados para sustento nem sempre ser conseguem separarados,

com toda a clareza, daqueles dados que, aqui e ali, são fornecidos sobre as produções

armazenadas em termos gerais. Uns e outros servem intuitos diferentes e, por vezes,

face ao desconhecimento do número de pessoas que compõem a Casa, torna-se difícil

apurar se tais armazenamentos têm ou não outro fim para além do mantimento310.

De qualquer modo, com base nos informes que se nos afiguram seguros,

pretendemos entrar um pouco na dispensa destas gentes e apurar aquilo que necessitam

e salvaguardam para a respectiva manutenção.

A primeira questão a colocar, ao nível do sustento elementar, prende-se com os

quantitativos em géneros ou dinheiro a ter em conta, por pessoa. Esta constitui uma

310 Este é um problema que se levanta na análise dos inventários post-mortem, em termos gerais e entre
outros mais, como o não arrolamento dos bens tidos como de valor "insuficiente". Cfr. Hortensio
Sobrado Correa — Los inventarios post-mortem como fuente privilegiada…, pp. 839-840.

242
questão sempre difícil de apurar311. Mas, considerando muito particularmente os dados

dos alimentos dos órfãos, ou seja, os quantitativos que pessoas juramentadas definem

por necessários à manutenção dos indivíduos, por vezes muito jovens mas noutras nem

tanto e, igualmente, alguns legados para efeito idêntico, podemos tentar apontar algumas

estimativas credíveis.

QUADRO XVII

MANTIMENTOS ANUAIS POR INDIVÍDUO

Anos Visado Mantimento Fonte


1515 a Inês Machada, órfã de . 1 moio de trigo anual AAAH, 169:7, fls.
1520 João Barbosa 7vº, 33vº e 36
1525 órfãos de João Correia . 1 moio e 17 alq. de AAAH, mç. 146,
trigo anuais nº 28, fl. 18vº
1525 Coelho, órfão de João . 1 moio de trigo anual fl. 26vº
Correia . 1$000 para conduto
1528 . 1 moio de trigo anual fl. 49vº
. 1$200 em dinheiro
1526 Isabel, órfã de João . 1 moio de trigo anual fl. 35
Correia . 800 rs para conduto
1528 Leonor Álvares, viúva, . 2$000 para trigo312 , THSEA, fl. 199
filha de Maria das anuais
Cunhas . 1$000 para vestido, de
2 em 2 anos
1533 Antão Martins Homem, . 3 moios de trigo CCP, mç. 2.3.2.,
4º capitão da Praia, . 24$000 para o mais fl. 47
menor de idade, um mantimento e calçado
escravo e outro servidor . 3 moios de cevada
para o cavalo
1533 demais órfãos do 3º . 8 moios de trigo
capitão da Praia, mais . 16$000 para conduto
escrava/mulher, moça e . 12$000 para vestir e
moço: 11 pessoas calçar
1534 quatro escravos de . 3 moios de trigo PRC, fl. 95
António Pires das Cales anuais, vitalícios
1542 Maria, de 10 meses, órfã . sustento do necessário, AAAH, mç. 133,
de Beatriz Dias e Pero por 2 anos: 6$800 nº 9, fl. 14
Anes de Viseu

Tirando a situação de Maria (1542) cujo montante definido para o sustento por

dois anos foi a própria legítima313, em média, os valores em trigo, por cada indivíduo,
311 Sobre esta matéria vide, ainda no quadro da utilização dos inventários post-mortem, Hortensio
Sobrado Correa — Los inventarios post-mortem como fuente privilegiada…, pp. 844-848.
312 Em 1528, na Praia, o trigo vendeu-se a 1$600 e 1$700. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 423, nº 6,
fl. 89vº.
313 Gonçalo Fernandes, que a tinha em casa, dá-se por satisfeito de a criar por dois anos por a legytyma
que lhe cabe […] e o majs lhe qujta por o amor de deus. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fl.
18.

243
rondam o moio. Em termos complementares, pode haver referências ao

acompanhamento e também ao calçar/vestir, para cujos gastos são definidos montantes

em espécie. Os últimos indicadores oscilam mais, dependendo das condições de cada um

e variando de acordo com épocas e custos. De qualquer modo, o moio em trigo, para

além de constituir base elementar de sustento, tanto para o capitão como para seus

servidores, ao definir-se em géneros mantém uma validade mais ampla no tempo. Além

destes aspectos, pelo determinar deste elemento, configura-se mais fácil apreciar

produções e rendimentos na respectiva quota parte do sustento familiar.

De qualquer modo, quando se tenta conhecer a dispensa dos terceirenses de

inícios do século XVI, constata-se uma grande falta de elementos, mas também alguma

frugalidade a par da abundância. Os inventários registam muitas vezes o trigo:

acondicionado em sete sacos314 , dois moios nas covas da casa, quatro moios em

granel 315 e um moio e três quarteiros316 ; mas arrolam também searas de quarenta

alqueires, um e dois moios317, de um moio e três quarteiros318, de quatro e meio319 e

cinco moios e meio320 em semeadura. Álvaro Martins (Fagundes) discrimina, em 9 de de

Abril de 1556, que tem três quarteiros pera seu comer e de seu fjlho e sua gemte e que

fizera seara de três moios e seis alqueires em semeadura, já recolhida321.

Mas ainda se arrola: pouco centeio322, toucinhos, graxa e azeite que se gasta em

casa323, vinho324, mel e marmellada d'asuquer325.

314 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 3 (1532).


315 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fl. 3 (1549).
316 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl 2 (1506).
317 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl. 2vº (1506).
318 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 113, nº 16 A (n/nossa), fl. 2 vº (1546).
319 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 26 (1545).
320 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 1vº (1530/40).
321 BPARAH. Monásticos: CJP, mç. 2, nº 28, fl. 12vº.
322 Vinte ou seis alqueires. Respectivamente, BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 1vº
(1530/40); mç. 142, nº 6 (1549).
323 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl. 3 (1506).
324 Um quarto e uma pipa, cheios de vinho da terra. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fls.
4vº-5 (1549).
325 Respectivamente: três canadas num pote, avaliado em 300 reais; uma boceta avaliada em 400 rs e
outra, já aberta, em 200. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fls. 10vº e 18vº (1545).

244
Para além destes géneros, constatamos que os lares encontram-se abastecidos de

várias fibras texteis326, tecidas ou por tecer, por vezes em teia327, podendo os tecidos

presentes ser designados por pano da terra ou pano de fora328 , entre eles, pano

camjseiro que se fiou na casa de Bartolesa Rodrigues329, panos de linho e de estopa330,

de beirame331, de Holanda, de rede, de retrós, de seda, de chavoll332 e tafetá pardo333.

Também é costume inventariarem-se dívidas e créditos334, alguns montantes de

dinheiro disponível — 1$400335 — ou, na versão oposta, de praticar-se a aplicação do

mesmo a ganços, assunto de que nos ocuparemos no capítulo IV336.

Com estas últimas referências aos bens móveis constantes dos patrimónios

estudados, passemos então aos que estão muito melhor documentados e que, geralmente,

constituem a parte mais significativa dos bens.

2. Os bens imóveis

Para a abordagem dos bens enunciados em epígrafe, abre-se o leque das fontes a

considerar. Não tanto ao nível da tipologia, mas sim do número. De facto, se continuam

a ser escassos os inventários e avaliações completos — relativamente aos que

gostaríamos de poder dispor —, as informações dispersas e episódicas são mais

frequentes. O coligir destas permitiu uma caracterização mais ampla deste tipo de bens e

326 Vide pp. 199-200.


327 De pano de linho, de três palmos e meio e de trinta e nove varas. BPARAH. Monásticos: CJP, mç.
2, nº 28, fl. 19vº (1556).
328 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fls. 3-3vº.
329 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 418, nº 1, fl. 9vº.
330 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 29, fl. 6vº-7 (1530/40); mç. 133, nº 9, fl. 5 (1542); mç.
142, nº 6, fl. 5 (1549); BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fls. 10-10vº e 22.
331 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fl.4vº (1542).
332 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fls.9vº-10vº, 15-15vº e 17 (1545).
333 BPARAH. Monásticos: CJP, mç. 2, nº 28, fl. 11vº (1556).
334 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl. 3 (1506); mç. 113, nº 16 A (n/nossa), fls. 7vº-8
(1546); mç. 142, nº 6, fls. 6vº-7 (1549); mç. 146, nº 29, fl. 10vº (1530/40); BPARPD. FEC: MCMCC,
vol. V, nº 132, fls. 24.26 (1545).
335 Respectivamente, BPARAH, Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fl. 5 (1542).
336 Vide ponto 2.3. do dito capítulo.

245
a análise dos primeiros levou-nos ao esboço de uma hipótese fundamentada, de

categorização das fortunas, sobre a aul nos debruçaremos no capítulo IV.

2.1. Edificações e construções

Um dos itens da inventariação e registo dos patrimónios, constitui-se pelo que

designamos por edifícios e construções de índole e funcionalidade diversa. Entre eles,

salientamos as habitações e respectivos anexos de produção, lugares de armazenamento e

de transformação.

2.1.1. Casas de moradia

Em espaços de residência, ditos assentos como veremos adiante337, emergem as

casas, os graneis, as covas e os elementos de circunscrição da área, ou paredes de pedra.

Em relação às primeiras, conhecemos-lhes o complexo e múltiplo significado, que

abrange não apenas o edifício da moradia como os de apoio à mesma, ditas casas, mas

com funcionalidades que extravazam a habitacional 338 . Assim, encontramos

referenciadas casas dos granejs, casa do forno339 , casa de granar340 e casa […]

d'atafona341 que, sem dúvida, contribuindo para a inequívoca identificação da respectiva

337 Vide ponto 2.2.1. deste capítulo.


338 Nesta temática e aqui particularmente para o conteúdo semântico de casa/casas, atendemos aos
trabalhos de Manuel Sílvio Alves Conde — Sobre a casa urbana do centro e sul de Portugal de finais
da Idade Média. Arqueologia Medieval. Nº 5 (1997), p. 244; idem — Tomar medieval. O espaço e os
homens. Cascais: Patrimonia, 1996, p. 107; Ana Maria Rodrigues — Torres Vedras. A vila e o termo
nos finais da Idade Média. [S.l.]: Fundação Calouste Gulbenkian / Junta Nacional de Investigação
Científica e Tecnológica, 1995, p. 155; Luís Carlos Amaral — S. Salvador de Grijó na segunda metade
do século XIV. Estudo de gestão agrária. Lisboa: Edições Cosmos, 1994, p. 40; Amélia Aguiar
Andrade — Um espaço urbano medieval: Ponte de Lima. Lisboa: Livros Horizonte, 1990, p. 68;
Bernardo Vasconcelos e Sousa — A propriedade das albergarias de Évora nos finais da Idade Média.
Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica / Centro de Estudos Históricos da Universidade
Nova de Lisboa, 1990, p. 66; Maria da Conceição Falcão Ferreira — Uma rua de elite na Guimarães
medieval (1376/1520). Guimarães: Câmara Municipal de Guimarães, 1989, pp. 219-220; Rita Costa
Gomes — A Guarda medieval, 1200-1500. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1987, p. 70; Miguel
Santamaria Lancho — La explotación económica del patrimonio urbano del Cabildo catedralicio de
Segovia en el s. XIV. In La ciudad hispanica durante los siglos XIII al XVI. Actas del coloquio
celebrado en La Rábida y Sevilha del 14 al 19 de septiembre de 1981. Madrid, Universidad
Complutense, 1985, vol. I, pp. 674-675.
339 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 28, fls. 6vº e 13 (1524).
340 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 1vº (1506); MCMCC, vol. VIII, nº 236, fl. 14 (1585).
341 Referência muito tardia, de 1585. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº 236, fl. 14.

246
funcionalidade, também comprovam o leque de realidades que está por detrás do termo

casa. De qualquer modo, como as edificações dos assentamentos constituem aqui a

nossa base de trabalho, em cada unidade atendida parte das construções serve mesmo de

moradia.

A par da grande maioria das casas não estarem documentadas quanto aos pisos,

formas e estruturas, detectamos outras que nos permitem vislumbrar e confirmar certos

modelos habitacionais da época. Assim, regista-se uma torre nova em 1524 na

Agualva342 e uma torre sobradada com casa térrea de morada no rossio da vila da Praia

cerca de 1534343, naturalmente projectando o estatuto privilegiado dos respectivos

proprietários344. Paralelamente e no extremo oposto, documenta-se a choupana345 e a

casinha346 que pode ser de palha347.

Em termos gerais, casas térreas e sobradas configuram-se no espaço, estão

presentes no mundo rural e urbano, mas as últimas destacam-se nos principais

aglomerados: Praia e Angra. Das catorze referências, que não traduzem o número das

casas, doze referem-se a edifícios em ruas das ditas localidades. Para mais e por

documentação um pouco mais avançada no tempo, na então cidade de Angra ficam

registadas casas de dois sobrados atrás do Santo Espírito (1551)348 e de tres na Rua

Direita da Porta de Santa Catarina (1559)349 . Tal prefigurará não só a respectiva

raridade350, como talvez o carácter mais tardio das casas acima dos dois pisos. Mesmo

342 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 28, fl. 13


343 BPARAH. Judiciais: PRC, fl. 101vº.
344 Sobre o assunto, remetendo para a respectiva bibliografia, vide Maria de Lurdes Rosa — Pero
Afonso Mealha. Os bens e a gestão da riqueza de um proprietário leigo do século XIV. Redondo:
Patrimonia, 1995, pp. 101-75; Manuel Sílvio Alves Conde — Sobre a casa urbana…, p. 244; Jesus
Ángel Solórzano Telechea — Santander en la Edad Media…, pp. 120-125.
345 No biscoito da Fajã da Casa da Salga, no extremo dela, uma onde estava o porqueiro de Gonçalo
Álvares Pamplona (1507); no Paul das Vacas, na Praia, onde ficava o escravo que tratava da criação de
Marcos de Barcelos e Brás Luís (1550). BPARPD. CCPPAC, nº 1, fls. 11vº-12 e BPARAH. CIM:
TMP, lº 1, fl. 298.
346 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 266, fl. 19.
347 BIHIT. Vol. I: nº 1 (1943), p. 38.
348 Pertencentes a Roque Simão e sitas por detrás de Santo Espírito. BPARAH. Famílias: CCP, mç.
2T, nº 5, fls. 3vº-4.
349 Do falecido Mem Rodrigues de Sampaio. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VI, nº 188, fl. 7vº.
350 Em termos gerais, a casa menos elevada predominava nos centros urbanos de finais da Idade Média
europeia. A propósito, vide Iria Gonçalves — O património do mosteiro de Alcobaça nos séculos XIV e
XV. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, 1989, p. 110, com
remissão para a nt. 253 e Manuel Sílvio Conde — Uma paisagem humanizada. O médio Tejo nos finais
da Idade Média. Cascais: Patrimonia, 2000, vol. II, p. 412, particularmente nt. 271, notas que remetem
para bibliografia mais exaustiva.

247
assim, a respectiva incidência em áreas urbanas, atestada noutros estudos351 ,

correlacionar-se-á com a exiguidade e o correlativo custo mais elevado do espaço

urbano352.

Quanto aos tipos da casa de residência, tanto a choupana, como a casinha e, em

termos genéricos, a casa térrea353, traduzem-se naquilo que poderemos designar por casa

de uma só divisão, ou de primeiro tipo, segundo Manuel Sílvio Conde354. Num patamar

mais elaborado, registam-se as casas com câmara e cozinha355, com salla e camara356,

que o plural faz pensar em duas divisões térreas justapostas357. Igualmente emergem

casas com logeas358 e uma casa com uma câmara e sotão359, apontando-nos para casas

"de dois pisos e duas divisões"360. No expoente máximo da complexidade, estarão as de

mais de um sobrado e as casas-torre, como atrás referimos, para as quais não alcançámos

outros dados.

Em relação ao espaço funcional que é designado por cozinha, ocorrem ainda

informes que esclarecem, um pouco melhor, estas ditas casas de morada ou morada de

casas. A individualização da mesma pode acontecer, quando a área se designa

explicitamente por casas de cozinha361 ou esta é, em termos de registo, separada da dita

casa362. Aqui, provavelmente a casa terá apenas o sentido de câmara. Para mais, em

1501 regista-se aquisição de casas sobradadas, na Rua Direita da vila da Praia, com chão

atrás para a cozinha363. Tal indica a intenção de quem a adquiriu e pressupõe diferentes

351 Fica também documentada em Tomar e respectiva sub-região. Cfr. Manuel Sílvio Conde — Uma
paisagem humanizada…,vol. II, p. 410.
352 A propósito, vide Iria Gonçalves — Entre o campo e a cidade na segunda metade do século XIV. In
Iria Gonçalves — Um olhar sobre a cidade medieval. Cascais: Patrimonia, 1996, pp. 241 e 244.
353 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 28, fl. 13; CIM: THSEA, fl. 172; Famílias: CCP, mç.
s/nº, pasta 280, 1º doc., fl. 3; Judiciais: PRC, fl. 101vº.
354 Do autor citado, Sobre a casa urbana…, p. 245;
355 BPARAH. Paroquiais: TSCP, lº 1, fl. 48vº.
356 Embora aqui se diga tomar em terça a casa em que habitam a saber a salla e a camara somente com
trjmta covodos de chão pera tras pera qujntal, supomos que o "somente" se aplique ao quintal.
BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 16, fl. 2.
357 O 2º tipo de casa segundo Manuel Sílvio Conde — Sobre a casa urbana…, p. 245.
358 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 87, nº 2, fl. 253.
359 Referência muito tardia (1585). BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº 236.
360 Cfr. Manuel Sílvio Conde — Sobre a casa urbana…, p. 245. Já sobre as divisões ou composição
das casas de morada medievais vide, ainda, Iria Gonçalves — O património do mosteiro de Alcobaça…,
p. 111.
361 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 418, nº 1, fl. 13.
362 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 28, fl. 6vº; mç. 146, nº 16, fl. 2.
363 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 266, nº 10, fls. 11vº-12.

248
funcionalidades para as pelo menos duas divisões implícitas. Por outro lado, aponta para

a localização de um espaço doméstico e comum na traseira do conjunto. Acresce que

Bartolesa Rodrigues Carneira declarava ter feito no seu assento umas casas de cozinha

sobradadas, com a respectiva chaminé364 , o que não deixa de atestar a possível

complexificação destas divisões/espaços.

A construção explícita de uma chaminé e de uma janela d'assento também foi

obrigação assumida por certo foreiro de casas térreas, da vila da Praia, as quais devia

assobradar no prazo de três anos365. Ainda sobre aberturas, registe-se em 1507 umas

casas em paredes com sua porta e lumeyra [sic]366, esta última que supomos tratar-se

da lumieira, bandeira da porta, ou de lumieiro, fresta para deixar entrar a luz. Mais dados

sobre este tema e sobre a organização das partes componentes dos edifícios são difíceis

de alcançar.

Quanto aos materiais367 e formas de construção, documentam-se coberturas de

palha, colmo e telha, em casas por vezes designadas por palhaças368, colmaças369 ou

telhadas370, respectivamente. Existem, também, casas meias de palha e meias de telha,

como fica documentado na Ponta de Santa Catarina em 1546371. Esta telha, como a Rua

do Telhal da Angra de 1534372 e a identificação de vários profissionais telheiros373

comprovam, podia resultar da produção interna.

Na estrutura base das edificações estaria, em termos gerais, a madeira, material

em que se documentaria uma armação de tyrantes e frechaes, de um edifício em

construção374. Ainda em relação às estruturas construtivas, podemos também encontrar

364 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 418, nº 1, fl. 13.


365 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 199, nº 17, fl. 5 (1547).
366 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 11vº.
367 Sintético estudo sobre os mesmos podemos encontrar em Iria Gonçalves — O património…, pp.
113-116; Manuel Sílvio Conde — Uma paisagem humanizada…, vol. II, pp. 420-423.
368 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 79, nº 40, fl. 11vº; mç. 74, nº 7, fls. 2-2vº. Para o início do
povoamento, antes de haver palha, trigo ou telha, testemunhas orais referiam a utilização de uma erva que
nascia às grotas e ribeiras — a carrega —, segundo Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 9. Aquela é
uma planta gramínea que se dá, exactamente, em terrenos pantanosos.
369 TPAC, docs. 24 e 26 pp. 91-93 e 94-97.
370 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 16, fl. 2.
371 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 393, nº 23, fls. 1-5vº.
372 Vide testamento nº. 65, nos apêndices. Para finais do século XVI, Frutuoso contabiliza, só em
Angra, seis telhais. Cfr. autor citado — Livro sexto…, p. 57.
373 Vide cap. I, p. 78.
374 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 23, fls. 7vº-8 e 26.

249
referências a pernas de asnas375, presentes nos ditos cobertos de palha376 e no antigo

telhado de tesoura377. Os herdeiros de João Correia, em 1524, dividiram entre si o que

se arrola como madeyra e que, pela especificidade de alguns dos elementos constantes,

destinar-se-ia à construção de edifícios: vinte e quatro tábuas de cedro, oito pernas de

asnas, dois holjnoes e três tirantes378. André Dias Seleiro, em 1520, também tinha

armazenada madeira que especifica como pera casa e outra adequada à produção de

caixas 379 . Os exemplos comprovam, à saciedade, a presença do dito material nas

construções, com características e tipos diferenciados do utilizado na confecção dos

principais "móveis" e, particularmente, a antiguidade da terminologia e das técnicas

construtivas das casas regionais terceirenses380.

Para além da omnipresença da madeira nas edificações, podia emergir

naturalmente a pedra. Na construção de uma casa para o Hospital de Santo Espírito de

Angra, em 1494, Fernão Pires Marinheiro havia concertado um carreto da mesma, no

valor de 800 reais e pagos por um boi381. A capela fúnebre de Afonso Anes Quaresma,

na igreja de Santa Cruz da Praia382, servindo nas dimensões e formas de referência


375 Armação de madeira, que hoje pode ser de ferro, de forma triangular e sobre a qual assenta o telhado.
376 Luís da S. Ribeiro — "Palheiros" na lha Terceira. BCRCAA. Nº 27/28 (1º e 2º sem. de 1958)
100-101.
377 L. da Silva Ribeiro — A habitação (na ilha Terceira). BCRCAA. Nº 27/28 (1º e 2º sem. de 1958)
102. Sobre o mesmo assunto vide, ainda, Mª. Alice B. L. Dias — Ilha Terceira…, p. 54, com fotografia
actual do tecto de tesoura à p. 56; Frederico Lopes (João Ilhéu) — A casa regional. In F. Lopes —
Notas de Etnografia. Algumas achegas para o conhecimento da história, da linguagem, dos costumes,
da vida e do folclore do povo da ilha Terceira dos Açores. 2ª edição, Angra do Heroísmo: Instituto
Histórico da Ilha Terceira, 2003, pp. 164-165.
378 O documento do qual consta a respectiva avaliação está parcialmente truncado, já que as últimas e
primeiras linhas são praticamente irrecuperáveis. Assim, consta dozentos e trjnta (…) e d(…) foj
avalyada (…). BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 28 fls. 10 e 11.
379 BPARAH. CIM: TMP, fl. 56vº.
380 Para maior desenvolvimento da temática, desde as primeiras casas "de improviso" do povoadores às
fases e construções subsequentes, vide Frederico Lopes — A casa regional…, pp. 161-173; Luís da Silva
Ribeiro — "Palheiros" na lha Terceira…, pp. 99-101; idem —A habitação (na ilha Terceira)…, pp.
101-103; Maria Alice B. L. Dias — Ilha Terceira…, pp. 53-65. Observações alargadas aos Açores, ou a
S. Miguel em particular, destacamos respectivamente em João Marinho dos Santos — Os Açores nos
séculos XV e XVI…, vol. I, pp. 160 164; Raquel Soeiro de Brito — São Miguel, a ilha verde. Estudo
geográfico (1950-2000). 2ª Edição actualizada, Ponta Delgada: Fábrica de Tabaco Micaelense /
COINGRA - Companhia Gráfica dos Açores / EDA - Empresa de Electricidade dos Açores / Universidade
dos Açores, 2004, pp. 190-197.
381 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 180.
382 Sobre esta capela vide Pe. M. L. Maldonado — Fenix angrence…, vol. III, pp. 217-218. A primeira
referência que conhecemos a esta capela é de 1518 e consta do testamento de Branca da Câmara (vide nota
infra). De invocação a Santiago, era administrada por Baltasar Quaresma Cardoso em 1592, natural de
Aveiro e morador na Praia, que recorre ao tabelião da primeira vila para documentar-se sobre certa
anexação de terra feita por seus progenitores, João Quaresma Cardoso e Maria Pais. Por certidão de
Aveiro, os últimos invocam-na como instituição de afomso anes coresma nosso avoo. A certidão com
tais dados apenas pode ser lida com raios ultra-violeta, sendo quase invisível a olho nu (BPARAH.

250
construtiva a Branca da Câmara (mulher de Diogo Paim383) e a Vasco Lourenço Coelho,

seria mesmo feita de pedra de portugual. Já para a do último, por contraposição, admite-

se que possa ser feita de pedra da terra384. Tal documenta a utilização deste material,

importado ou não, nas edificações de maior significado social.

Mesmo assim, sabemos por testamento de 1550 que, nomeadamente para as

capelas fúnebres, nem sempre se recorria à pedra. Afonso Anes instituira duas

capelas/ermidas na Praia, de invocação a Nossa Senhora da Graça385 e ao Salvador, as

quais prescreve que se mantenham Reboquadas he apjnceladas he telhadas, elucidando-

nos sobre o nível técnico da construção. De qualquer modo, prescrevia que, se caso fosse

necessário refazê-las, as edificassem melhor do que antes, ajnda que [houvessem] de ser

de pedra386. Tal indica a utilização de outros materiais e esclarece melhor as razões, a

par da necessidade de inovação/readequação dos tempos posteriores e da acção da

sismicidade, para a quase ausência de edifícos com traça inquestionavelmente

quatrocentista ou quinhentista387: o carácter perecível dos materiais utilizados.

De qualquer modo, conjuntamente com a madeira, nas nossas ditas casas de

morada apenas documentámos a utilização da chamada pedra de barro388, também de

pedra e barro389 —registados inclusive para os tempos iniciais do povoamento390—, o

que não inviabiliza o recurso a outro tipo de materiais e/ou acabamentos. Esta pedra, que

antes aparece designada da terra, seria naturalmente constituída pelo chamado

Famílias: CCP, mç. 11, nº 5, fl. 2vº). Sobre Afonso Anes Quaresma, dado como dos primeiros
povoadores da ilha, ver cap. I, p. 98, Quadro II, onde é dado por originário de Serpa.
383 Que quer a sua tamanha como aquela. Vide testamento 16, nos apêndices.
384 BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fl. 54vº, testamento 25 dos apêndices. Sobre a capela de Vasco
Lourenço Coelho e sua primeira mulher, Leonor Fernandes, remeta-se para as pp. 41-42 deste trabalho e
vide Pe. M. L. Maldonado — Fenix…, vol. III, p. 220.
385 Já está erecta em 1538, data do testamento de Jorge Afonso (testamento 82 dos apêndices), filho do
instituidor. BPARAH. Paroquiais: TSCP, lº 1, fl. 199.
386 [A]jnda que aja de ser de pedra, como consta. BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fls. 107-107vº
(testamento 163 dos apêndices).
387 Cfr. Jorge A. Paulus Bruno (coord.) — Praia da Vitória, Terceira. Inventário do património imóvel
dos Açores. [S.l.]: Direcção Regional da Cultura / Instituto Açoriano de Cultura / Câmara Municipal da
Praia da Vitória, 2004.
388 R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, pp. 94 e 97.
389 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 78 (1527).
390 O proliferar de casas neste material, cobertas da chamada carrega, seria testemunhado por Bartolesa
Rodrigues, mulher de Gonçalo Mendes de Vasconcelos, segundo Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 9.

251
"burgalhau", ou pedra basáltica extraída de certas escorrências de lava391 e que originou o

célebre e antigo palheiro terceirense392.

Ainda mais difícil do que encontrar referências sobre a estrutura das moradias é

detectar as respectivas medidas e avaliações, desenquadradas do contexto do assento ou

não contemplando o respectivo quintal. A partir da composição dos quinhões e terça de

casas de morada e granel na Agualva, de 1524, estimámos a dimensão de um lado das

casas em 53,5 côvados393, ou entre 29,4m e 35,31m (0,55m e 0,66m, para o côvado).
~
Igualmente, Margarida Álvares exigiu a seu foreiro angrense, em 1527, que edificasse hu

as casas […] que sejam de ujmte couados de comprjdam e com de llargo em vaão e

alltura neçeçaria394. Detectámos, também, que certas casas palhaças angrenses tinham,

à face da rua, vinte côvados, contra noventa de comprimento para trás, pelo lado mais

curto395.

Apesar dos últimos objectos de referência serem ditos casas (quantas?), não

estamos certos até que ponto, no primeiro caso, não estaria também envolvido o

quintal 396 . Não obstante, redunda a medida das vinte varas para um dos lados.

Remetendo para as considerações a propósito das medidas do tecido397 e tomando as

equivalências propostas de 0,55m ou 0,66m para o côvado398, encontrámos um primeiro

conjunto de casas/divisões que ocupam uma área de 20cv x 90cv, ou seja, entre 544,5m2

e 784,08m2 e um segundo (1527) de 20cv x 20cv, ou entre 121 e 174,24m2. Apesar da

amplitude considerável das medidas atendidas, em termos comparativos e relativamente

aos informes obtidos para outras áreas urbanas portuguesas, de finais da Idade

391 Dita lava basáltica de tipo aa. Cfr. José Guilherme de Campos Fernandes — Terceira…, p. 287.
392 Em tempos recuados com funções de habitação. Cfr. L. da Silva Ribeiro — "Palheiros" na lha
Terceira.…, pp. 100-101; José Guilherme de Campos Fernandes — Terceira…, p. 287.
393 O total dos quinhões e terça somavam 88,5 côvados, o granel dizia-se de 35 côvados. BPARAH.
Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 28, fls. 9vº e 14.
394 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 78, fl. 1vº.
395 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 79, nº 40, fl. 11vº (1544).
396 O registo toma por sujeito as referidas casas palhaças e nada mais. As dimensões envolvidas e o facto
de não termos mais dados para cruzamento, fazem-nos ser cautelosos.
397 Às pp. 199-200.
398 Mário Barroca e Mário Viana, este último destrinçado o sistema de craveira do de medir pano. Vide
pp. 201-203.

252
Média399, estamos perante valores todos eles bastante elevados, cujo carácter isolado e

lacunar não permite mais considerações. Agora, o que não podemos deixar de relevar, é o

modelo alongado de construção e da organização espacial, claramente mais profundo do

que largo, predominante em centros urbanos como Guimarães e Ponte de Lima, a par do

modelo quadrangular encontrado nas áreas do médio Tejo400 . Se alargarmos estas

considerações à dimensão e forma dos espaços concedidos para construção, apercebemo-

nos desta tendência rectangular que na Terceira detectamos na medida de 23 x 12

varas401 e em S. Miguel encontrámos sete vezes nos 30 cv de comprimento por 15 cv de

largura402.

Por fim, a questão dos valores atribuídos a casas, no mínimo em parte afectas à

função residencial. Se em 1501 certas casas da ruas do Vigário e de Santo Espírito, na

Praia, são adquiridas por 29$000 e outras sobradadas na Rua Direita, no mesmo lugar,

por 28$000403, pelo menos para o último caso fica documentado que incluiriam chão

desocupado. Já para 1521, na avaliação de uma dita quinta do Poço Fundo (capitania da

Praia) separam-se as casas do pomar, sendo o valor daquelas estimado em 8$300 e o do

último em 7$700404 . Se os números não são conclusivos, porque isolados e no

399 Cfr., por exemplo, os valores apresentados em Bernardo Vasconcelos e Sousa — A propriedade das
albergarias de Évora…, pp. 68-74, pormenorizados ao quadro VII; Manuel Sílvio Conde — Uma
paisagem humanizada…, vol. II, pp. 419-420.
400 Cfr. Maria da Conceição Falcão Ferreira — Uma rua de elite…, p. 235, onde o levantamento
realizado em dez ruas vimaranenenses apontam para uma longitude superior em dobro ao valor da largura;
Amélia Aguiar Andrade — Ponte de Lima…, p. 36. A diferença detectada pelos exemplos referidos,
relativamente à predominância de espaços "quadrados", ou mais largos que profundos, nas áreas médio-
taganas, levam Manuel Sílivo Conde a levantar a hipótese de possíveis diferenças regionais na concepção
espacial da casa a este nível (cfr., do autor citado — Uma paisagem humanizada…, vol. II, pp. 414-418,
particularmente nota 283). De qualquer modo, atentos aos conselhos de José Manuel Fernandes, não
queremos aqui entrar na via da correlação directa entre a origem dos povoadores da Terceira e eventuais
modelos de habitação, ainda hoje existentes e datáveis de épocas bem recuadas. Segundo o autor, é
necessário atentar, também, à interferência de factores como a influência inter-ilhas e a "capacidade
autóctone de formação e consolidação" de modelos distintos, reforçada pelo isolamento (cfr. Arquitectura
vernácula e estruturas nos arquipélagos da Macaronésia (Madeira, Açores, Canárias). Similitudes e
contrastes. In Actas do II Colóquio Internacional de História da Madeira. Funchal: Secretaria Regional
do Turismo e Cultura / Centro de Estudos de História do Atlântico, 1989, p. 715). Esta ideia
correlaciona-se, em certo sentido, com a tese de Rui Sousa Martins, pela qual a explicação da cultura
açoriana, entre outros, não deve desvalorizar os "processos internos de recriação social e cultural". Cfr., do
dito autor, Os processos criativos e as origens do povoamento…, p. 66 e passim.
401 TPAC, doc. 15, pp. 77-78.
402 Em dois chãos para granel, outro para casa e os demais não especificados. SDUAç. FRA, nº 50 (doc.
não inventariado), transcrito com o nº 2 nos apêndices.
403 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 266, nº 10, fls. 11-12.
404 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 68, fls. 5vº-6.

253
respectivo registo muito lacónicos, ficam aqui como referência que pretendemos

complementar adiante.

2.1.2. Fornos, graneis e covas

Nas imediações mais próximas de câmaras e cozinhas, outros edifícos emergem

nas nossas fontes: os fornos de pão, os graneis e as covas. Todos se traduzem tanto na

esfera rural como urbana405 , elemento que de novo atesta a comprovada forte

interpenetração/interacção destes dois mundos406.

Como referenciámos no capítulo primeiro, os fornos de poia são detidos pelos

capitães em regime de monopólio407. Não obstante, as pequenas fornalhas domésticas,

para uso próprio, são permitidas aos moradores408. Gonçalo Álvares Pamplona refere

um forno de cozer pão junto a casas de morada, na Casa da Salga (Biscoitos) em

1506409. Também encontrámos outro referenciado nos Altares, em 1524, pelo inventário

de João Correia410. Mas até que ponto ficam documentadas estas fornalhas, ou não, nos

designados por fornos na vila da Praia, em 1542, já não o sabemos411.

O último caso merece-nos particular destaque e dúvidas acrescidas, porquanto

consta do arrolamento dos bens de Beatriz Dias, viúva de Pero Anes de Viseu, o qual

405 A título de exemplo: o assento de casas, quintais, laranjal e graneis junto à Sé de Angra, de André
Gomes; o de casas, quintal e graneis, também em Angra, que ficara de António Lopes de S. Luís; o de
casas, quintal, granel, loja e coval, ao chafariz das covas de Angra; as casas e coval de Afonso Eanes
Neto, no mesmo lugar; o assento com casas, benfeitorias, cerrado, atafona e granel que se diz na Praia, da
capitoa D. Beatriz de Noronha. Respectivamente, BPARAH. Monásticos, CEA, lº 4, fls. 245vº-246;
Famílias: CCP, mç. 7, nº 7, fl. 10vº; Judiciais: AAAH, mç. 180, nº 15, fls. 14-14vº; mç. 79, nº 40, fls.
11vº-13. Famílias: CCP, mç. 2.3.2., fl. 44vº.
406 Para não citar exaustivamente todos aqueles que o documentaram no âmbito dos respectivos
trabalhos, tanto em Portugal como no estrangeiro, destaquemos a pertinência do estudo conjunto destes
dois mundos, não dissociados, defendida e elogiada no prefácio de Jacques Heers ao trabalho de Ana
Maria Rodrigues — Torres Vedras…, pp. 11-13. Atente-se, também, às considerações de Iria Gonçalves
— Entre o campo e a cidade na segunda metade do sécylo XIV. In I. Gonçalves — Um olhar sobre a
cidade medieval. Cascais: Patrimonia, 1996, pp. 237-238. Para os séculos XV-XVIII, no âmbito de um
estudo que não deixa de assentar na demarcação entre estes mundos, destaque-se Fernand Braudel, no que
designa por "diálogo ininterrupto" cidade/campo, respectiva interpenetração e influência. Cfr., do autor
citado, Civilização material, economia e capitalismo, séculos XV e XVIII. Lisboa: Editorial Teorema,
[s.d.], tomo 1, pp. 423, 426-430 e passim.
407 Vide, ainda, o que observamos mais adiante, ao ponto 2.1.4. deste capítulo.
408 Remeta-se para as cartas das capitanias de Álvaro Martins Homem e João Vaz Corte Real, de 1474,
em AA, vol. IV, pp. 214 e 160.
409 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 7vº (1506) e 12 (1507).
410 BPARAH. Judiciais, mç. 146, nº 28, fl. 6vº.
411 BPARAH. Judiciais, mç. 146, nº 28, fl. 6vº (1524) e mç. 133, nº 9, fl. 2vº (1542).

254
sabe-se ter arrendado, em anos anteriores, os fornos do capitão, sitos na mesma vila412.

Os inventariados dizem-se ser dois de cozer pam e foram então tomados por Gonçalo

Vaz no valor de 400 reais413. Infelizmente, do inventário feito por morte do dito Pero

Anes de Viseu, do ano transacto de 1541, não restou mais do que a primeira folha414 e

no de sua mulher os informes restaram demasiado lacónicos. Tal facto impossibilitou-

nos a obtenção de informações mais concretas sobre a respectiva natureza e

propriedade415.

De qualquer modo, de tudo emergia uma realidade que os estudos etnológicos

apontam como próprio da Terceira e que é a localização do forno numa divisão exterior

ao espaço mais íntimo da residência, como indica a designada casa do forno416, anexa às

demais partes da dita casa de morada.

Já quanto às covas e graneis, apesar de tudo, as fontes são um pouco mais ricas.

Desde 1507 que se apresentam dados dimensionais dos segundos, no granel de

Gonçalo Álvares Pamplona, com cinquenta côvados de comprimento417 (entre 27,5m e

33m, pelas equivalências do côvado a 0.55m e 0.66m), em 1506, albergando cem moios

de trigo418. Também o de certa quintã em Agualva, dos defuntos João Correia e Catarina

Simoa 419 , em 1524, tinha trinta e cinco côvados de vão (entre 19,25m e 23,1m),

albergando treze moios e meio de trigo420. Outro, mais tardio, no Cabo da Praia (?) e do

falecido João Vaz (1558), apresenta trinta côvados de vão (entre 16,5 e 19,8m) e nove de

largura (entre 4,95 e 5,94m)421. Este último exemplo permite-nos a configuração mais

completa do espaço de armazenamento, numa área entre 81,7m2 e 117,6m2422.

412 Um desses arrendamentos, tomados na praça pública, transcrevemos em Rendimentos da capitania


da Praia…, doc. 4 (1535), p. 182.
413 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 9, fl. 2vº.
414 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 180, nº 14.
415 Para mais informes sobre os fornos do capitão da Praia, vide ponto que se segue.
416 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 28, fls. 6vº e 13 (1524).
417 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 12.
418 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 7vº.
419 Testaram, ambos, em 16.IX.1519. Ver testamento 19, em apêndice.
420 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 28, fls. 6vº.
421 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 2, fls. 7vº-8.
422 Pelos referidos valores extremos de equivalência do côvado.

255
Para mais e a partir da respectiva capacidade, ainda podemos invocar a casa

térrea de armazenamento das rendas de Pero Anes do Canto, ali ao lado, no Porto da

Cruz, designado por Galeão, em virtude das suas grandes dimensões423.

Todos os graneis referidos se situam em zonas rurais, pelo que dificilmente os

podemos comparar com os localizados em assentos urbanos. Mesmo assim, invoquemos

aqui os graneis —seleyros em que se hagazalhava o pao— de António Lopes de S. Luís,

no assento de Angra, que por concerto bastante tardio são avaliados em 14$000424; ou a

logea grande que Beatriz d'Horta, viúva e segunda mulher de João de Teive o Velho,

indica para recolha de suas rendas e das da filha, sita nas casas da vila da Praia

(1539)425. O estatuto sócio-económico da última família, que os próprios testamentos

indicam 426 , permite estimar rendas consideráveis. De qualquer modo, este tipo de

apreciação qualitativa apenas pretende trazer elementos de referenciação, para a eventual

possibilidade dos espaços de armazenamento urbanos, graneis incluídos, também

poderem ter dimensões apreciáveis.

Claro que os números acima apresentados não têm qualquer correlação com os

típicos graneis das ilhas, da actualidade e servindo para o milho, dimensionados em cerca

de 3 a 4,5m de comprimento por 2,5 a 3 m de largura427. O papel de celeiro de trigo que

o arquipélago açoriano noutras épocas protagonizou, marcava consideravelmente a

diferença.

Outros informes colhidos, para os edifícios de armazenamento, podem merecer

novas reflexões. No caso de Pero Anes do Canto, a tal casa térrea —o Galeão— afasta-

se da concepção restrita de granel, tanto mais que serviria para a recolha do vinho e

outras produções 4 2 8 . Para mais, uma dita logea funciona como local de

423 Pe . M. L. Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, p. 169. Cfr. R. D. Gregório — Pero Anes do
Canto…, pp. 115, nt. 176, e 183.
424 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 7, nº 7, fl. 10vº (1561). Registe-se, de qualquer modo, que António
Lopes de S. Luís era falecido antes de 18 de Agosto de 1545 e, provavelmente, a sua morte ocorreu entre
os anos de 1533 e 1536. Idem, fls. 1vº e 6.
425 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 87, nº 2, fl. 253 (ver testamento nº. 100 dos apêndices).
426 Para além do de Beatriz d'Horta (nº. 100), ver também o do próprio João de Teive (nº. 63), tal como
os mais informes sobre o último, constantes do capítulo I.
427 Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira — Tecnologia tradicional agrícola dos Açores…, p.
74.
428 Pelo menos trigo e pastel, que na propriedade em causa era produzido.

256
acondicionamento do trigo proveniente das eiras, pertencente aos herdeiros de Mem

Rodrigues de Sampaio e já em época mais tardia429. Idêntico espaço, a logea grande de

Beatriz d'Horta, insere-se em concepção similar, tal como a anterior diferenciada da

primeira porque sita no ponto nevrálgico do comércio e exportação da capitania430 e, em

termos de estrutura física, sob um sobrado que naturalmente tinha função distinta. Ou

seja, a par dos graneis, detecta-se outro tipo de espaços amplos para acolhimento e

preservação do trigo, com um perfil plurifuncional, ou pelo menos de polivalência na

armazenagem.

Quanto ao tipo de construção aqui presente, ecos coevos registam o edificar de

graneis em que intervêm, pelo menos, carpinteiro e pedreiro, tanto quanto percebemos

assoldadados431. Tal especialização aponta para uma construção "menos comum", que

pode ser térrea, como para o tipo de materiais utilizados. De 1559 temos mesmo um

granel, na Ribeira Seca, de pedra e barro telhado. O mesmo dá-se por sobradado432, tal

como outro de 1558, o que se infere por janela de grades, de ferro, sita na llogea dos

ditos garnejs433. Em termos estruturais registe-se, por fim, os graneis de hu~ a Agoa,

atrás das casas, mandados edificar por Bartolesa Rodrigues Carneira. A referência

explícita e incomum ao telhado quererá indiciar o carácter excepcional do mesmo?

Ainda quanto aos materiais utilizados, Beatriz d'Horta mandou ladrilhar ou

argamassar a sua "loja grande", para servir à recolha das rendas434. Tal facto atesta o

revestimento possível destes espaços com o habitual preparado de cal, areia e água e de

pequenos tijolos de barro, o que naturalmente se verificaria noutras edificações de "bom

nível" para a época. A possibilidade alternativa estabelecida pela proprietária e o facto

dos ladrilhos estarem hoje também associados a pavimentos, coloca-nos reticências

quanto às áreas que assim seriam arrematadas (paredes, chão ou ambos?). De qualquer

429 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VI, nº 188, fls. 24-24vº (1559).
430 Factor não de pouca monta, por razões óbvias e atendendo aos próprios regimentos dos enviados
régios na aquisição do trigo, de 1519 e 1510. Segundo os mesmos, depois de comprado, havia que o
recolher ho mais perto do mar possível. AA, vol. III, pp. 328 e 331.
431 Pelo menos ao carpinteiro, manda Pero Anes do Canto pagar o devido, por adenda ao testamento.
BPARPD. FEC: CPPAC, nº9, fl. 53 (1554). Cfr., também, R. D. Gregório — Uma exploração agro-
pecuária…, p. 33, particularmente nt. 161.
432 BPARAH. Monásticos: TCJP, fl. 50.
433 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, fl. 8.
434 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 87, nº 2, fl. 253.

257
modo, temos indícios de que em tais lojas podiam existir covas para o armazenamento, já

que o trigo dos referidos Rodrigues de Sampaio, que se diz ter vindo das eiras para o

local, pagou o encovar e o desencovar435.

Isto leva-nos, então, para os mais antigos silos das ilhas436, que hoje designam

especificamente uma conhecida área de Angra —o Alto das Covas. Esta referenciámos

em 1544, por casas de Afonso Eanes Neto, sitas as covas 437 e, em 1553, por

propriedade que ficou de sua filha, sita nesta cidade nas covas ao chafaris438.

Aos ditos silos faz referência tanto o cronista das ilhas como o viajante

estrangeiro439. Em termos gerais, corresponde a uma técnica de conservação baseada na

estanquidade, por contraponto aos graneis que se baseiam no arejamento440. Aliás, neste

último âmbito ficava mesmo documentada a prática do padejar e revolver de hum cabo

para o outro o trigo recolhido nos celeiros441.

No quadro da técnica de construção, as covas eram espaços escavados em área

privilegiadamente rochosa e mais ou menos elevada. De qualquer modo, outras zonas

poderiam ser também utilizadas (de saibro, tufo ou arenosas) e era comum revestirem-se

as paredes e chão de barro e palha ou alternativos442.

435 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VI, nº 188, fl. 24vº. Luís da Silva Ribeiro também regista a
existência de covas em lojas e outras dependências das residências. Cfr. Luís da Silva Ribeiro —
Celeiros subterrâneos. In Obras…, vol. II, p. 434.
436 Segundo João Marinho dos Santos, o recurso aos graneis aumentou no decurso do século XVI, à
medida do desenvolvimento da que chama "economia de mercado" e dos limites à produção que a
covagem representaria. Não obstante, a utilização das covas nunca deixou de ser bem acolhida nos
Açores, com registos da respectiva utilização em 1925, na ilha de Santa Maria. Cfr. Os Açores nos
séculos XV e XVI…, pp. 213-214.
437 Vide testamento 128 (apêndices).
438 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 180, nº 15, fl. 14. Trata-se do inventário de Justa Neta, mulher de
Bento Gonçalves, cidadão de Angra que vyue as covas. No mesmo ainda se refere o cerrado do covall,
com paredes e um granel (fls. 1 e 14vº). Registe-se que Afonso Eanes Neto, pelo respectivo testamento
(nota supra) determina que a dita filha fique com o assento onde o próprio vivia e estava situado o seu
coval.
439 Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 30; o Pe . Cordeiro — História insulana…, p.302; e Jan
Huygem van Linschoten — História da navegação…, p. 152.
440 Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira— Tecnologia tradicional agrícola dos Açores…, pp
68-69.
441 AA, vol. III, p. 320 (1519) e p. 333 (1520).
442 Em termos de abordagem teórica, com base nos estudos sobre esta técnica de armazenamento no
mundo, cfr. Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira — Tecnologia tradicional agrícola dos
Açores…, pp 67-69. Sobre eventuais vestígios e características deste tipo de silos na Madeira vide, ainda,
Luísa Correia — Estruturas escavadas na rocha na ilha da Madeira. Algumas hipóteses de
relacionamento com os começos do seu povoamento. Islenha. Nº 23 (Jul.-Dez. 1998) 83-84.

258
No nosso caso, as crónicas documentam-nas equiparadas a pipas 4 4 3

subterrâneas, fossas ou poços444, com entradas circulares capazes de permitir o acesso a

um homem e que o Pe. Cordeiro diz terem três palmos de diâmetro, tapadas que eram

por pedra de cantaria com marca identificativa do proprietário445 . Para mais, pelo

encovar e desencovar (que o mesmo cronista em Angra diz, no seu tempo, ser realizado

por "oficiais") registado em 1559, sabemos terem sido gastos 200 reais na tarefa de

enpalhaduras e cambios e palha446 , o que demonstra o tipo de revestimento aqui

utilizado447.

Ainda quanto às dimensões e capacidade destes silos subterrâneos, Frutuoso

regista as maiores, de sete, oito, quinze e vinte moios448. Quanto às nossas fontes,

elassão absolutamente lacunares neste conspecto e os registos mais antigos que

detectámos surgem em 1585, no coval de Angra, com capacidades referenciadas de

quatro e seis moios449 e, nos Altares, de três, quatro e cinco moios450. Da mesma época

(1583/1585), João Marinho dos Santos referencia-nos uma cova de dois moios e outra de

um, sitas no dito coval de Angra451. Tal estabelece médias de capacidade abaixo das

referências de Frutuoso e à volta de quatro/cinco moios, mas que podiam variar bastante,

possivelmente de acordo com a aptência do solo e as necessidades dos proprietários.

Quanto aos últimos, sem dúvida que emerge a figura do já referido Afonso Eanes

Neto, cujas referências patrimoniais são as que mais salientam a posse desta estrutura.

Assim, pelo respectivo testamento de 1544, sabemos que junto às casas em que vivia

(Angra) possuia vinte covas grandes, mais sete ou oito no chão que ficara de sua sogra e

443 Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 30


444 Jan Hygen van Linschoten — História da navegação…, p. 152.
445 Jan Hygen van Linschoten — História da navegação…, p. 152; Pe . Cordeiro — História
insulana…, p. 302. Segundo testemunho de José Leite de Vasconcelos, de 1525 e sobre Santa Maria, a
tampa seria calafetada com argamassa, ap. João Marinho dos Santos — Os Açores nos séculos XIV e
XV…, p. 214.
446 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VI, nº 188, fl. 24vº.
447 O citado José Leite de Vasconcelos testemunharia, em 1925 e na ilha de Santa Maria, o forrar das
covas com restolho de trigo. Ap. João Marinho dos Santos — Os Açores nos séculos XV e XVI…, p.
214.
448 Gaspar Frutuoso — Livro sexto…, p. 30.
449 Respectivamente, no número de uma e duas. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº 236, fls.
19vº-20.
450 Duas de três moios e uma com as demais capacidades registadas. BPARPD. FEC: MCMCC, vol.
VIII, nº 236, fl. 20.
451 Os Açores nos séculos XV e XVI…, vol. I, p. 214.

259
ainda três noutro chão vizinho452. Nenhum como ele destaca do mesmo modo tais silos,

nem inumera tantos —justificável pela localização da dita propriedade—, o que nos faz

supô-lo como possível rentabilizador deste tipo de estruturas. Não obstante, seria mais

frequente dispor-se de covas do que de graneis, por virtude da diferença nos custos que

podemos antever e como sugere o armazenamento do trigo dos herdeiros de Pedro

Fernandes de Freitas: dois moios nas covas da sua casa e quatro moios no granel de João

Rodrigues Franco453.

2.1.3. Eiras, lagares e engenhos de pastel

Quanto às infra-estruturas referidas, eiras, lagares e engenhos de pastel, estão

claramente situadas em áreas rurais, no máximo periurbanas.

Os cerrados das eiras454 , onde por vezes também se encontram covas455 ,

registam-se nas proximidades das casas e assentos456. Para além destes elementos e das

referências nos contratos de exploração, tanto as estruturas como os processos de

separar o grão da palha estão bastante ausentes dos documentos.

O que também vai pontuando, para clarificar os sistemas de debulha, são os

arrolamentos de cobras e utensilagem afim. Do inventário de D. Joana da Silva regista-se

uma cobra avaliada em 240 reais, sem collares (…) com seu tamoejro457, do de Pedro

Fernandes de Freitas há referências a cobras velhas458 e do apetrechamento da terra do

Porto da Cruz, de Pero Anes do Canto, em 1512, constam duas, uma de esparto e outra

de linho459 . Já nos autos das partilhas dos bens de João Vaz (1558) se constata a

disputa por uma vaca e da hatafjna que o dito comprara para uma cobra, invocando-se a

452 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 79, nº 40, fl. 13.


453 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fl. 3.
454 Vide testamento 78 (apêndices); BPARAH. Judiciais: PRC, fl. 91vº. O testamento 156 (apêndices),
de Constança Gonçalves (1549), invoca quatro alqueires de terra que esta nas eyras.
455 R. D. Gregório — Um exploração agro-pecuária…, p. 33.
456 Vide testamento 70 (apêndices). Esta propensão e raridade do contraditório, atesta-se também no
estudo de Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira — Tecnologia tradicional agrícola dos
Açores…, p. 33.
457 BPARPD. FEC. MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 21vº.
458 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº6, fl. 4.
459 R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, quadro XI, p. 200.

260
necessidade de ambas para as debulhas460. Para mais, das despesas com a seara de trigo

de Jorge Fernandes, em 1546, constam gastos de vinte e quatro alqueires com a debulha e

de cinquenta no alimento dos bois e de duas éguas, embora estas possam ter tido outra

utilização461. Ainda encontramos joeiras462, entre elas cinco, novas e ditas "do Algarve",

avaliadas em 150 reais pelo ano de 1545463.

Em síntese, não existem dúvidas quanto à prática de uma debulha "a pé de gado

ou a sangue"464, com recurso ao gado bovino, amarrado em cadeia e em linha, numa

acção que encontramos registada como cobrar a seara465 . A utilização de outros

processos, nomeadamente pelo uso do mangual e da força humana ou do trilho, não se

está documentada nas nossas fontes. Não obstante, todos são métodos que a etnologia

regista como prática antiga das ilhas466.

Quanto aos lagares e engenhos de pastel, impera um laconismo ainda maior. Dos

primeiros encontramos registos em áreas de vinha467, sem mais que nos possa elucidar

quanto às estruturas em causa468. No tocante aos engenhos de pastel, onde este depois

de prensado e seco era moido469, somos confrontados com o mesmo vazio informativo.

Frutuoso regista-os, em S. Miguel, nos finais do século XVI, hidráulicos e movidos por

460 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 2, fls. 17vº-18vº.


461 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 113, nº 16A (n/nossa), fls. 2vº-3.
462 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 146, nº 4, fl. 21vº; mç. 142, nº 6, fl.4.
463 BPARPD. FEC. MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 20vº.
464 Ernesto Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira — Tecnologia tradicional agrícola…, p. 34.
465 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 133, fls. 27-27vº.
466 Sobre trilhos e manguais da Terceira vide Luís da Silva Ribeiro — Notas sobre a vida rural na ilha
Terceira (Açores). In Obras…, vol. I, p. 121; idem — O mangual. Ibidem, pp. 347-348. Para mais
informações, relativamente a S. Miguel e ao arquipélago em geral vide, ainda, Carreiro da Costa —
Alfaias agrícolas micaeleneses. BCRCAA. Nº 7 (1º sem. 1948) 96-99; nº 8 (2º sem. 1948) 94; Ernesto
Veiga de Oliveira e Benjamim Pereira — Tecnologia tradicional agrícola…, pp. 34-40, com registos
fotográficos apensos, figs. 25 a 39.
467 Na vinha do biscoito de Porto Martim, de Vasco Fernandes da Serra (1539), na vinha nova dita do
lagar de Afonso Lopes (1554) e na vinha de Angra, de Cristóvão Borges da Costa, onde existia uma casa
de telha com seu lagar (1585). BPARAH. Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 211vº; testamento nº. 183 (em
apêndices); BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº 236, fl. 5vº.
468 Sobre o lagar, na Terceira, podemos atender aos apontamentos de Luís da Silva Ribeiro — Notas
sobre a vida rural na ilha Terceira…, p. 124. Quanto ao de S. Miguel, vide Carreiro da Costa — O
lagar micaelense. BCRCAA. Nº 10 (2º sem. 1949) 98-102. Registe-se ainda, a propósito do
levantamento de vestígios arqueológicos de um lagar dos séculos XVII/XVII, próximo da presa dos
Lagarinhos, nos Biscoitos, o trabalho de Rui de Sousa Martins — Sobre uma antiga adega da freguesia
dos Biscoitos, ilha Terceira. Verdelho. Boletim da Confraria do Vinho Verdelho dos Biscoitos. Ano II:
nº 3, 1998. Sobre este lagar cfr., ainda, Jorge Paulus Bruno (coord.) — Praia da Vitória, Terceira.
Inventário do património imóvel dos Açores…, p. 274.
469 Sobre as fases do tratamento do pastel: recolha, prensagem, preparação dos bolos, secagem, moagem
e granar do pastel, vide, de 1507, o testemunho de Valentim Fernandes — Descripção das ilhas do
Atlântico. In AA, vol. I, p. 148.

261
força animal470. Raros são, contudo, os proprietários a invocá-los, como são os casos de

Pero Anes do Canto471 , de Beatriz Merens472 e, bem mais tardiamente (1585), de

Cristóvão Borges da Costa, com um coberto de palha e sito em terras de pão473 .

Questionamo-nos até que ponto este relativo "vazio" pode relacionar-se, também, com o

carácter não definitivo de alguns, segundo Frutoso construídos pelos produtores para a

colheita do ano474. Tal situação faz vislumbrar um tipologia variada de engenhos mas,

também, níveis e estruturas técnicas bastante distintas.

Para finalizar, refiramos outra construção associada ao pastel: a dita casa de

granar. Documentamos uma em 1506, junto a granel475 e na Casa da Salga, que o

proprietário dizia estar solhada [sic] de tauoado, na qual eram recolhidos e granados

oitocentos quintais por ano476 . Esta infra-estrutura parecia, pois, albergar as

funcionalidades do granar477 e do armazenamento da produção.

2.1.4. Moinhos e fornos dos capitães

Por fim, quanto às edificações, uma referência breve aos meios de produção

monopolizados pelos capitães.

Sobre os fornos de poia apenas encontrámos dados para a vila da Praia,

nomeadamente pelos arrendamentos em praça pública referentes aos anos de 1534/35,

1535/36 e 1536/37, tomados por valores tão distintos como, respectivamente, 3$500,

470 Livro Quarto…, vol. II, p. 207. Para mais dados, por referência ao citado autor, equiparando e
descrevendo os primeiros engenhos do açúcar aos do pastel (os de besta), vide João Marinho dos Santos
— Os Açores nos séculos XV e XVI…, vol. I, p. 222.
471 E apenas nas suas herdades do Capelo (Faial) e junto às Velas (S. Jorge). Cfr. R. D. Gregório —
Pero Anes do Canto…, p. 226.
472 Por inventário de 1556, refere-se o respectivo cerrado do engenho. BPARAH. Judiciais: PRC, fl. 91
vº.
473 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº 236, fl. 7vº. Isto, mesmo numa época que já não seria
áurea nesta produção. Cfr. Maria Olímpia da Rocha Gil — A economia dos Açores nos séculos XV e XVI.
In Luís de Albuquerque (dir. de ) — Portugal no mundo. Lisboa: Publicações Alfa, 1989, vol. 1, pp.
236-237 e 241.
474 Tal fica implícito na "recriminação" que o cronista faz a todos os que, ao contrário de Jorge Nunes
Botelho, de S. Miguel, fazem "engenho a cada ano". Do autor citado, Livro quarto…, vol. II, p. 65.
475 De engenhos sitos na loja de um dito granel, fala-nos Gaspar Frutuoso — Livro quarto…, vol. II, p.
65.
476 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 12 e 7vº (1507 e 1506). Conhecemos outro testemunho de
1585, uma casa de telha, velha, que se dizia servir para o efeito. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº
236, fl. 14. Vide, também, nota supra.
477 Sobre a produção do pastel vide, ainda, a nt. 467 deste capítulo e o ponto 3.1. do capítulo IV.

262
12$000 e 7$2000. Na análise da questão, ainda pudemos atender aos protagonistas dos

actos, os arrematantes —geralmente um—, que podiam assumi-lo em parceria com

outrem. Nesta última orgânica, emergiam os chamados quinhoeiros dos fornos e,

também, o principal Rendejro dos fornos. Fora isto e a respectiva identidade dos

envolvidos, pouco mais conseguimos aferir478 , nomeadamente ao nível da infra-

estrutura.

No tocante aos moinhos, na reconstituição dos valores de arrendamento dos de

Agualva e das Quatro Ribeiras (na mesma capitania), entre 1533 e 1537, apurámos

rendimentos sete vezes superiores dos primeiros relativamente aos segundos479 ,

comprovando bem a proeminência das moendas de Agualva480. Para mais, os únicos

dados relativos à estrutura material foram aferidos pelo contrato trienal de 1535-1537,

pelo qual estabelecemos a existência de dois moinhos, nas Quatro Ribeiras481, fazendo

equivaler um a cada casa referenciada. Outros dados materiais são-nos fornecidos ainda

pela obrigação de reconstrução das mesmas, com noua pedra e madeirames. Entre estes

últimos, estabelecia-se o cedro, o sanguinho ou a ginja, excluindo-se terminantemente a

madeira de louro482. Para mais, como confirma Frutuoso, comprovam os que restaram

até aos nossos dias e indicia a toponímia (moinhos de Agualva e das Quatro Ribeiras),

tratavam-se de moinhos hidráulicos.

Se, para parte da década de trinta, tais moinhos estão documentados na

respectiva laboração e réditos, não somos tão felizes para épocas muito anteriores. Não

obstante, permanecendo na capitania da Praia, para além dos direitos de monopólio

garantidos pela carta da capitania de 1474, sabemos que, em 1487, estavam já

478 R. D. Gregório — Rendimentos da capitania da Praia…, pp. 169-170 e 182. Para mais
esclarecimentos sobre outro tipo de contratos à volta dos moinhos da Coroa, perpétuos ou em vidas, vide
Maria Olímpia da Rocha Gil — Engenhos de moagem no século XVI (técnicas e estruturas). In Obras de
Maria Olímpia da Rocha Gil. Pref. de Artur Teodoro de Matos. [S.l.]: Direcção Regional da Cultura,
[s.d.] [D.L. 1997], pp. 12-13.
479 R. D. Gregório — Rendimentos da capitania da Praia…, pp. 170-173, com apêndice documental às
pp. 180-183
480 Em finais do século XVI, atesta Frutuoso, os de Agualva serviam toda a população que ia desde a
vila da Praia até à dita área, sendo em número de oito e contra os três existentes nas Quatro Ribeiras. Cfr.
Livro sexto…, pp. 41 e 38.
481 Vide nota supra.
482 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 2.3.3., fls. 89vº-90vº.

263
implantadas moendas em Agualva483. Nesse mesmo ano, o ouvidor indiciara o capitão a

construir, até Novembro de 1488, mais quatro moinhos ou duas azenhas copeiras484.

Tal apresenta-nos os dois tipos estruturais de moagem hidráulica que, pelo que se pode

averiguar, existiriam na capitania ou na ilha em geral. De roda horizontal (moinho de

rodízio) ou vertical (azenha), a vantagem da última é não depender da correnteza de um

curso de água e poder accionar-se apenas a partir da queda de um fio de água, conduzido

por cales, sobre a roda hidráulica485. Estes aspectos técnicos não serão de somenos

importância, porquanto a inexistência de rios na ilha e os reduzidos caudais da maioria

das ribeiras no estio, ou mesmo a respectiva cessação, pareciam apontar para a utilização

recorrente da azenha486.

Neste sentido, emerge o registo da construção de uma, em 1510, na terra do Porto

da Cruz, em área pertencente à capitania de Angra. Descreve-se que, então, aí se

construiram hu~ as casas e huum moinho e hu~ ua açenha, tendo-se assentado cales que

conduziam a água, do rego e levada já construídos a partir de fonte mais acima, até à dita

edificação. Como a moenda não chegava a funcionar durante quatro meses, isto nas

épocas de enxurrada487, tentou-se viabilizar um tanque para retenção da força motriz

necessária. Estes informes, não só nos dão conta de algumas componentes técnicas

conhecidas, como registam as soluções possíveis face a cursos de água insuficientes.

Para mais, ainda reconstituem os processos em termos de protagonismos. Pero

Gonçalves, caldeireiro, tomara a agoa de arrendamento aos rendeiros do Vedor e capitão

de Angra, Vasco Anes Corte Real, na condição de fazer a referida azenha. Segundo se

483 BPARAH. Administração Local: Câmara Municipal da Praia da Vitória, Livro do Tombo da Praia,
fl. 8. De qualquer modo, registe-se que pelo foral dos almoxarifados, do mesmo ano de 1487, o duque
determinava a cobrança do dízimo dos moinhos da ilha posto que athe agora se não arecadassem. Cfr.
Pe. M. L. Maldonado — Fenix angrence…, vol. I, p. 143.
484 Ibidem.
485 Cfr. Jorge Dias — Moinhos. In Joel Serrão (dir.) — Dicionário de História de Portugal…, vol. IV,
p. 326. Vide, também Georges Comet — Le paysan et son outil…, pp. 427-429. Para mais informes
sobre sistemas portugueses de moagem hidráulicos, mas também manuais e "a sangue", respectiva
categorização com base no sistema motor e estudos de caso, vide Jorge Dias, Ernesto Veiga de Oliveira e
Fernando Galhano — Sistemas primitivos de moagem em Portugal. Moinhos, azenhas e atafonas. Vol.
I, Porto: Instituto de Alta Cultura: Centro de Estudos de Etnologia Peninsular, 1959.
486 João Marinho dos Santos afirma o predomínio da azenha nas ilhas, baseado nas descrições das
moendas hidráulicas, por Gaspar Frutuoso. Com base nos vestígios actuais das mesmas, Frederico Lopes
apontava no mesmo sentido. Cfr., respectivamente, Os Açores nos séculos XV e XVI…, vol. I, pp. 216-
220; e Azenhas. In F. Lopes (João Ilhéu) — Notas etnográficas…, p. 208.
487 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. II, nº 50, fls. 21, 9vº, 41 e 37vº.

264
diz, não pagaria mais de dois moios de renda ao dado por Rendejro primcypal sciliset a

quem mandara fazer (João Martins Merens).

Não logrou ser bem sucedida a referida iniciativa488, tendo-se invocado, além do

mais, as moendas de todo ho ano existentes nas Quatro Ribeiras e do capitão da

Praia489. De qualquer modo, documentam-se as iniciativas dos capitão de Angra numa

área limítrofe de domínio que, associadas aos moinhos existentes em Angra e S.

Sebastião, parecem tentar um raio de abrangência mais amplo.

De qualquer modo, ou pela carência das águas ou pela distância em relação às

azenhas e moinhos hidráulicos, aos capitães também cabia prover as populações com

atafonas ou moinhos movidos por tracção animal490. Devido ao capitão da Praia não

cumprir o mandado atrás referido, de construção de quatro moinhos ou duas azenhas, os

habitantes da dita capitania foram autorizados a ter e usar atafonas próprias, garantidas

por sentenças de 1487, 1492 e 1517, primeiro restringindo o seu uso aos meses de

Junho, Julho, Agosto e Setembro, depois dilatado a Maio e Outubro. O facto de, numa

segunda fase, existir a propósito um diferendo movido pelo capitão, contra várias figuras

da Praia que detinham tais infra-estruturas — João Gomes, João Correia, João

Gonçalves, Gonçalo Vaz, João Calado, Álvaro Eanes, João de Oeiras e João

Fernandes491 —, mostra que para alguns o preceito não fora letra vã. De qualquer modo,

apenas encontrámos uma atafona referenciada, exactamente na vila da Praia, em 1533,

anexa às casas de residência de D. Beatriz de Horta, viúva do 3º capitão da Praia e mãe

do sucessor492.

Quanto aos moinhos de mão, não documentamos nenhum pelas nossas fontes.

Ali emergem, isso sim, outros sistemas simples de prensagem, invocados por grais

488 Todos os demais aspectos da questão, aqui não abordados, foram desenvolvidos em R. D. Gregório
— Pero Anes do Canto…, pp. 257-260.
489 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. II, nº 50, fl. 21vº.
490 Sobre as terceirenses vide Luís da Silva Ribeiro — Atafona. In Obras…, vol. I, pp. 407-411. Em
termos gerais, com vários tipos assinalados, cfr. Georges Comet — Le paysan et son outil…, pp. 408-
414, antecedido por abordagem aos moinhos de mão, às pp. 398-407.
491 BPARAH. Administração Local: Câmara Municipal da Praia da Vitória, Livro do Tombo da Praia,
fls. 7-9. Esta questão foi assinalada por Francisco Ferreira Drummond — Anais…, vol. I, pp. 78-79.
492 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 2.3.3., fl. 40vº.

265
(arrolado entre joeiras, ceiros e caixões)493, dois deles de madeira e avaliados em 20

reais494 e almofarizes de 200 reais495 ou, com sua mão, de 150 reais496.

2.2. Terras, chãos e assentos

O solo, nas suas diversas formas e adaptações, constitui uma componente

fundamental da riqueza de então. Este é, sem dúvida, o bem mais precioso e aquele que

atinge as valias mais consideráveis nos inventários.

2.2.1. Considerações terminológicas

Para designar a propriedade fundiária na posse dos homens, o termo mais

primitivo na designação do solo que se concede, ainda por explorar, é o de terra a que,

nas cartas de sesmaria, acresce ou não o em matos maninhos. Para além deste termo e no

outro tipo de cartas de dada, que conhecemos mais tardias, surge também o termo chão,

que anda sempre associado a áreas destinadas à edificação e assento497, enquadrável em

espaços urbanos ou periurbanos498.

Com a evolução do arroteamento e da fixação dos homens, a terminologia

complexifica-se. Para categorizar as formas do solo sob domínio/exploração dos nossos

proprietários, houve que tentar compreender as tipificações em causa. Já em trabalho

anterior tivemos oportunidade de avançar com uma aproximação à tipologia dos bens de

raiz da ilha, ao mesmo tempo que esboçávamos, neste conspecto, uma abordagem lexical

e semântica dos textos.

Assim, mais do que uma tipologia, encontrámos tipos de propriedade fundiária

que invocavam critérios de destrinça distintos. Podiam atender a uma noção geral de

"unidades de produção complexa", como as quintas, raríssimos casais e até algumas ditas

493 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 132, fl. 20vº (1545).


494 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fl. 4vº (1549).
495 Um. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 9, nº 25, fl. 15 (1552).
496 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 133, nº 2, fl. 1vº (1558).
497 O que fica presente nas dadas de chão para casas referidas no capítulo II, às pp. 131-133, mas
também nas aquisições em áreas urbanas.
498 R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 119.

266
herdades 499 ; incidiam na organização e controlo dos espaços, como os cerrados;

relacionavam-se com as produções albergadas, como vinhas e pomares; correspondiam à

geomorfologia dos solos: os biscoitos ou biscoitais; atendiam às dimensões da terra

—terrinha, moio de terra, pedaços de terra—; indiciavam modos de exploração e formas

de obtenção —foros, arrendamentos e dadas—; ainda correspondiam a intenções de

abrangência genérica, muitas vezes empregando termos de significado sobreposto ou

equivalente, como fazenda, herdade e terra500.

Não sentimos necessidade, neste contexto, de rever os conceitos então mais ou

menos definidos. Mas emergia agora, nos nossos estudos, uma outra entidade

organizativa que convinha esclarecer: o assento ou assentamento.

À configuração espacial que acolhe as casas de morada dos inventariados, mas

também dos testadores, os documentos costumam atribuir a designação de assento ou

assentamento501. São eles: de casas502; de casas e granel503; de casas e coval504; de casas

e cerrado505; de casas, granel e pomar506; de casas, quintal, granel e loja507. Também há

assentos com casa, granel e cerrado508; com cerradinhos e pomarzinhos em redor da

casa509; com seu cerrado, árvores e benfeitorias510.

Nesta relativa variedade de composição/demarcação, o que fica explícito, em

primeiro lugar, é tratar-se do lugar de moradia, aquele em que se reside ou residiu. Não

obstante, num restrito número de vezes, ele apenas traduz a área circunscrita do casario.
499 Sob o termo herdade colocam-se vários tipos de bens como terras, pedaços de terra, cerrados, casais,
assentos urbanos e verdadeiros centros de exploração como quintãs. Abrangendo realidades urbanas e
rurais, incidem exclusivamente sobre áreas de domínio humano, excluindo áreas por roçar ou em matos.
Tendo também presente a respectiva génese em termos como herdadores ou herdamentos, associados à
herança e à transmissão de pais para filhos, nas nossas fontes a designação parece emergir, essencialmente,
numa expressão de sentido genérico e relativa a espaços de construção/acção humana. Cfr. Pero Anes do
Canto…, pp. 113-115.
500 Idem, p. 112.
501 Este termo é menos comum nos documentos. BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl. 1vº
(1506). Tal realidade já emergira no nosso anterior trabalho — Pero Anes do Canto…, p. 60.
502 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl. 1 vº; mç. 423, nº 6, fl. 140; mç. 267, nº 2, fl. 3; mç.
142, nº 6, fll. 1; CIM: THSEA, fl. 192; Famílis: CCP, mç. 2.3.2., fl. 44vº; Paroquiais: TSCP, lº 1, fl.
77.
503 BIHIT. Vol. I: nº 1 (1943) 28.
504 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 79, nº 40, fl. 11vº.
505 BPARAH. Judiciais: AAA, mç. 1, nº 8, fl. 1vº; Paroquiais: TSCP, lº 1, fls. 52-54.
506 TESVN, pp. 466-470.
507 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 180, nº 15, fls. 14-14vº.
508 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 191.
509 BPARAH. FGC: RV, lº 5, reg. nº 13, fl. 53vº.
510 BPARAH. Monásticos: TSFA, fl. 118.

267
Nesta situação estão os ditos assentos de casas e de casas e granel. No entanto,

exemplos mais frequentes são, como pudemos verificar, os de assentos de casas e

cerrado; de casas, granel e pomar; de casas, quintal granel e loja; com casa, granel e

cerrado; com cerradinhos e pomarzinhos em redor da casa; com seu cerrado árvores e

benfeitorias. Aqui o conceito extravaza o sentido restrito das casas e abrange o primeiro

círculo dos espaços de produção. Isto faz com que ele se afigure, também, como a

primeira ou a mais restrita unidade/círculo de produção familiar.

De qualquer modo, independentemente das duas concepções detectadas,

insistamos que a generalizável é exactamente esta, aquela que invoca a zona de habitação

composta pelos edifícios e pelas áreas de aproveitamento económico mais

especializadas, restritas e anexas: o açento em que hora moro […] com suas benfeitorias

[…] as casas e asento todo conuem a ssaber o quintal detras das ditas cazas com o

serrado que esta detras […] e assi o serrado que esta defronte511.

Para mais e como se pode também verificar, os espaços desta forma designados,

invocam tanto áreas rurais como urbanas. Assim, tanto é designado por assentamento

um espaço com casas na vila da Praia512, na vila e depois cidade de Angra513, como

outros de habitação e terras no Juncal, na Serra de Santiago, na Ribeira da Areia514, nas

Lajes515, em Beljardim, na Ribeirinha, nos Altares516 e mesmo em áreas ermas.

É que, como a própria documentação invoca, antes do emergir de eventuais

aglomerados humanos já esta pequena unidade, ou o acto de a lançar, traduzia a primeira

fixação dos homens. Pero Álvares recebe sesmaria por sse hyr assentar […] em huns
~ hum somente elle517 e Fernão Vaz sse veo asentar no
matos ermos onde nom vyujam ne

Pico da Casa da Salga em Outubro de 1507, fazendo a casa onde agora vive518.

511 BPARAH. Famílias: BCB, mç. 1, nº 7, fls. 5-5vº. Voltaremos a este assunto no próximo capítulo,
ponto 1.3.
512 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 1, nº 8, fl. 1vº; Famílias: CCP, mç. 2.3.2., fl. 44vº.
513 BPARAH. CIM: THSEA, fl. 208vº; Monásticos: CEA, fls. 245vº-246; Famílias: CCP, mç. 7, nº 7,
fl. 10vº; Judiciais: AAAH, mç. 79, nº 40, fl. 11vº; mç. 180, nº 15, fls. 14-14vº.
514 Respectivamente, BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 423, nº 6, fl. 140; CIM: TMP, lº 1, fl. 92; e
Judiciais: PRC, fl. 23vº.
515 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 9, nº 25, fl. 54; mç. 267, nº 2, fl. 3.
516 Respectivamente, BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 418, nº 1, fl. 8; CIM: THSEA, fl. 191;
Monásticos: CEA, lº 4, fl. 152.
517 TPAC, doc. 9, p. 64.
518 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 23, fl. 6vº.

268
Por isso, no quadro do processo de ocupação da ilha, nas terras e chãos

sesmados emergiram as primeiras células do povoamento que foram, inequivocamente,

estes assentos ou assentamentos, núcleos nevrálgicos das vidas dos nossos

proprietários519.

2.2.2. Dimensões das propriedades

Para avançarmos no estudo da composição patrimonial havia, sem dúvida, que

atender à respectiva tipologia. Mas não menos importante seria considerar a dimensão

da propriedade, questão que melhor ilustraria as fortunas em estudo, como traria dados

preciosos na compreensão dos possíveis modelos de rentabilização520.

Quando colocados perante a problemática da dimensão das terras dos nossos

proprietários, entre o lapso de tempo em que nos enquadramos, emergem contrastes

flagrantes, tanto no espaço como no tempo, mas que tenderiam a agravar-se com um

conjunto de práticas que procuraremos destacar. De qualquer modo, antes de

avançarmos na prossecução destes objectivos, tínhamos de tentar homogeneizar os

registos de medida de então e, ainda, para a possível confrontação com a actualidade,

converter os mesmos ao sistema métrico decimal.

2.2.2.1. O sistema de agrimensura e respectiva equivalência

Nos mais antigos registos da medida das terras, as cartas de sesmaria, quando

explicitado, remete-se para algumas unidades de agrimensura antiga: braças craveiras e

moios 521 . O último caso acontece como referência à capacidade de sementeira. O

primeiro remete para uma medida linear propriamente dita, ou de superfíce quando

emerge na fórmula de braça em quadra.

519 Complementamos esta temática no ponto 1.3. do capítulo IV.


520 Que abordaremos no capítulo IV.
521 H. da Gama Barros — História da administração pública em Portugal…, tomo X, pp. 28-29, 48 e
ss.

269
É já documentação da primeira metade de quinhentos que esclarece as respectivas

equivalências522. Na conversão, sabemos que o moio pode ser medido à razão de cento e

dez braças quadradas ou de cento e cinco braças quadradas. Isto significa que lhe

corresponde uma área de 110 x 110 braças523 ou de 105 x 105 (por idêntico critério), que

no primeiro caso também se diz equivaler a 12 100 braças por moio524.

A medida das cento e cinco braças quadradas encontramos referenciada em terras

(Mapa V) sitas nas imediações da vila da Praia525, no Juncal526, na Serra de Santiago527,

em Vale Farto528 , na Agualva529 , em Vila Nova530 e nas Lajes531 , todas áreas

pertencentes à capitania da Praia. Aliás, por documento de 1546, regista-se que tal

medida he uzo e custume da dita vila532. Não obstante, encontramo-la também no lado

de Angra, nas Sete Ribeiras de Santa Bárbara533, ao mesmo tempo que alguns dos

lugares da Praia, referenciados atrás, apresentam igualmente a medida de cento e dez.

Estão, neste último caso, terras sitas às Lajes534, Juncal535, Agualva536, Vale Farto e a

caminho das Fontainhas537.

522 Em Pero Anes do Canto…, pp. 124-127, com síntese ao Quadro VI, explicitámos, passo a passo e
remetendo para as fontes, a forma como chegámos às equivalências. Aqui acrescentaremos outros dados,
desenvolvendo um pouco mais a questão.
523 O moio era medido pella brasa crauejra comvem saber cento e dez braças de larguo e cento e dez
de comprjdo. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 47, fl. 1 vº (1517). O equivalente também se
encontra em MCMCC, vol. II, nº 57 (1519) e vol. I, nº 47, fl. 1vº (1517).
524 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 141, fls. 9vº, 10vº e 11 (1546)
525 Vide testamento 32, em apêndices. BPARAH. Famílias: CCP, mç. 10, pasta 10, fl. 22vº.
526 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 10, pasta 10, fl. 22vº (1546); Judiciais: AAAH, mç. 423, nº 6, fls.
138 e 153; no Poço Fundo, Furna do Juncal, Monásticos: TCLP, lº 9, fl. 250vº (1536); Judiciais:
AAAH, mç. 423, nº 6, fl. 153; ainda no referido Poço Fundo, BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº
68, fl. 4vº (1521).
527 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 10, pasta 10, fl. 22vº, fl. 27 (1546) e fl. 31 (1548).
528 BPARAH. Judiciais: PRC, fl. 147vº (1550).
529 BPARAH. Monásticos: TCJP, fl. 6vº (1544); na dita freguesia de Santo Espírito de Agualva,
BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 129 (1545).
530 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 129.
531 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. II, nº 57A, fl. 2 (1519), cit. em Pero Anes do Canto…, p. 126, nt.
221; BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 68, fl. 4vº (1521); vol. II, nº 62 (1520); BPARAH.
Monásticos: TCJP, fls. 3vº-4vº.
532 Neste exemplo medem-se terras sitas ao Juncal e Serra de Santiago. BPARAH. Famílias: CCP, mç.
10, nº 10, fl. 22vº.
533 BPARAH. Monásticos: CEA, lº 3, fl. 651 (1543).
534 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 161, nº 21, fls. 1-1vº (1527) e fl. 3; mç. 130, nº 13, fl. 1.
535 BPARAH. Monásticos: CEA, lº 10, fl. 443 (1528).
536 BPARAH. TCJP, fls. 6vº-7; Famílias: BCB, mç. 1, nº 7 (test.89); Judiciais: AAAH, mç. 146, nº
28, fls. 12vº e 13-13vº.
537 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 113, nº 16 A, fl. 1 (1546)

270
Para mais, outras áreas da capitania da Praia, como a Ribeira da Areia (Lajes)538 e

a Casa da Ribeira539 , ainda registam a mesma medida das cento e dez braças

quadradas540. No tocante à capitania de Angra, ela aparece-nos explicitamente em terras

da Silveira541 , da Ponta de Santa Catarina (S. Sebastião)542 , da Ribeira Seca (S.

Sebastião)543, do Porto Judeu544, de Entre os Picos545 e de S. Roque dos Altares546.

Tal far-nos-ia concluir que o moio à razão de cento e cinco braças em quadra

acontecia essencialmente na capitania da Praia. Não fora o registo das Sete Ribeiras

(Angra), quase insistiríamos na aplicação exclusiva à capitania praiense que, no entanto e

como afirmámos, via praticada em idêntica escala a de cento e dez braças (vide Mapa V).

Já no ano de 1538, Pero Gonçalves, clérigo de missa da vila da Praia, refere a

equivalência do moio às 110 braças quadradas, asj como ao presemte core547 . A

tendência, mesmo nesta capitania, parecia conformar-se à prática da última medida.

No cômputo geral das referências, registam-se vinte e duas vezes a medida de

cento e dez braças quadradas e quinze vezes a de cento e cinco. Atendendo à

circunscrição restrita da de cento e cinco braças quadradas, à duplicidade de uso com a de

cento e dez braças e à sentença de 1546, onde esta última se considera atinente ao

custume da mjdida dos mojos da tera desa dita jlha terceira548 , parece-nos que a

equivalência do moio em semeadura às cento e dez braças em quadra predominava na

ilha, na primeira metade de quinhentos.

538 BPARAH. Monásticos: TCJP, fl. 32 (1554)


539 BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fl. 11vº (test. 139).
540 BPARAH. CIM: TMP, lº 1, fl. 303 (1542); Judiciais: AAAH, mç. 161, nº 21, fl. 1 (1527).
541 BPARPD, FEC: MCMCC, vol. V, nº 141, fl. 10vº (1546).
542 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 47, fl. 1vº (1517); vol. II, nº 66, fls. 1-1vº (1520)
543 BPARAH. Monásticos: CEA, lº 4, fls. 181vº-188vº.
544 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. II, nº 57 (1519).
545 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 142, nº 6, fl. 1vº.
546 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 5, nº 4.
547 BPARAH. Monásticos: TCLP, lº 10, fl. 653.
548 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 141, fl. 11. Já em 1517, a mesma medida era também
atendida na Ponta de Santa Catarina, termo da vila de S. Sebastião, segundo custume. BPARPD. FEC:
MCMCC, vol. I, nº 47, fls. 1-1vº.

271
Para mais, o mesmo moio de terra também é equivalente a sessenta alqueires549,

como aliás o havíamos confirmado em trabalho anterior550. O grande problema surgia,

agora, na redução a varas, para a equivalência ao sistema decimal em vigor.

Nos casos em que se explicitam, as braças são designadas por craveiras, tanto no

moio de 105 br x 105 br551, como no de 110 br x 110 br552, pelo que constatamos duas

medidas diferentes para o moio em semeadura. A diferença entre elas ainda mais se

confirmava, pela medição de certa terra lavradia à qual se aplicava a medida de 105 x 105

braças, com excepção da respectiva área de arrife que não servia para lavrar ou cavar553.

Caso similar verifica-se em 1520, quando uma courela não podia ser tomada pela dita

medida de 105 braças quadradas, por ser de somenos554. Outra situação emergia em

conflito entre herdeiros, os quais não acordavam na medida do moio a utilizar nas suas

partilhas, se uma ou outra555. Tudo conduzia, pois, à clara percepção de que ao moio de

terra em semeadura correspondiam duas áreas de superfície distintas, uma maior do que

a outra. Ao pressupor-se que ambas as superfícies levavam igual quantidade de semente

(um moio), para obter resultados idênticos, nas terras mensuradas pela medida de 105 x

105 braças acontecia uma cultura mais intensiva, naturalmente conectada com o maior

potencial da terra. Isto explicaria a sua aplicabilidade em ambas as capitanias, porquanto

a determiná-la parecia estar o factor "qualidade" do solo.

549 Que também se diz segundo mjdjdas das terras desta jlha terceira. BPARPD. FEC: MCMCC,
vol. V, nº 134, fl. 1vº (1545). Também em BPARAH. Famílias: CCP, mç. 5, nº 9, fl. 1vº (1538);
Judiciais: AAAH, mç. 266, nº 10, fl. 14 (1504). Encontramos, igualmente, equivalência de quinze
alqueires para o quarteiro de terra. BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 71, fl. 3vº.
550 R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, quadro VI, p. 127.
551 [D]e cento e sinco bracas de medida Em quoadra braças craueira [sic] vzada e praticada.
BPARAH. Famílias: CCP, mç. 10, nº 10, fl. 22vº (1546).
552 [Nouenta e seis mill E ojtoçemtas braças cravejras de tera em que ha copja e camtjdade de ojto
mojos em semeadura […] A Rezam de cemto e dez braças em quadra por mojo (BPARPD. FEC:
MCMCC, vol. V, nº 141, fl. 10v-11º — 1546) e, melhor ainda, em: medjdos pella brasa craveijra
comvem saber cento e dez braças de larguo e cento e dez de comprjdo (vol. I, nº 47, fl. 1 vº —1517).
553 A quoal terra disse elle vendedor que se midiria conuem a saber aquella que se podesse laurar ou
cauar a enxada pera dar nouidade e o arrife […] não entrara na dita midida de Cento e cinco braças
em coadra por moio. BPARAH. Famílias: CCP, mç. 10, nº 10, fl. 32.
554 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. II, nº 62.
555 Afonso Simão, escudeiro régio e morador nos Altares, degladiava-se com seus cunhados, filhos de
Afonso Anes da Costa, porquanto na casa da Ribeira (Praia) fora dotado com 3,5 moios de terra em
semeadura e nunca lhe foram dados mais do que três moios. Dizia ele que corria demanda com os ditos
cunhados porque lhe queria [sic] fazer por mojo a cento, e sinco, elle queria a cento e des. BPARAH.
Monásticos: CSGA, lº 2, nº 75, fl. 142vº (1558).

272
Posto isto, seria ainda certo que a vara a atender na equivalência da braça craveira

havia de ser a do respectivo sistema e correspondente a 1,10m556 . Para mais, a

correspondência da dita braça a duas varas, que registámos em documento de 1520557,

conformaria o valor da braça craveira a 2,20m. Esta equiparação métrica faz Silvano

Augusto Pereira, registando-a como típica dos grupos Ocidental e Central dos Açores,

numa designada vara pequena558. Ora isto leva-nos a considerar, como Mário Viana

salienta, que a designada vara de medir as terras das ilhas correspondia559, de facto, à

unidade braça craveira, ou seja, ao equivalente a duas varas de medir560.

O problema é que o mesmo documento, registando a equivalência da braça

craveira a duas varas, di-las de mjdyr pano561. E aqui surge a dificuldade, porquanto já

foi aferida a existência, por Gama Barros e pelo menos nalgumas regiões na época de mil

e quatrocentos, de duas varas distintas para medir pano ou terrenos562. Actualmente,

este estudo foi desenvolvido por Mário Viana para os campos de Santarém, tendo o

autor destrinçado o sistema de craveira do de medir pano, o primeiro apresentando o

valor de 1,10 m e o segundo o valor de 0,917 m, para as respectivas varas563.

Ora, perante os dados da nossa documentação, não só constatávamos a

interpenetração dos dois sistemas, pela equiparação da dita braça craveira a duas varas

de medir pano —e não aos dois côvados de medir pano como o sistema de craveira

pressupõe564—, como ficávamos na dúvida quanto ao valor de referência métrica a

556 Vide o que adiante se diz sobre o assunto.


557 Tomada para medida de terra no Pico Gordo (BPARPD. FEC: CPPAC, nº 7, fl. 11vº) e que já
invocáramos em Pero Anes do Canto…, p. 126, particularmente à nota 220.
558 Segundo ele e com base na experiência de regente agrícola, nas ilhas existiam essencialmente duas
varas de agrimensura distintas: a pequena, usada em todas as ilhas dos grupos Ocidental e Central e,
ainda, em três freguesias da Ribeira Grande, em S. Miguel. Esta seria de dez palmos e correspondia a
2,20 m, por oposição à vara grande utilizada nas demais freguesias de S. Miguel, de doze palmos e com
valor métrico de 2,64 m. Para mais, ainda se detectava outra vara intermédia, em Santa Maria, de onze
palmos. Cfr. Das medidas antigas dos Açores…, p. 71.
559 Vide nt. supra.
560 Algumas medidas lineares medievais…, pp. 491-492. O que explica as observações de Silvano
Augusto Pereira, pelas quais dá as varas da agrimensura por bem maiores do que a de medir pano,
afirmando-as em dez, doze e onze palmos, contra cinco da última. Do autor referido, Das antigas medidas
dos Açores…, p. 71.
561 [B]raças craueyras que são de duas varas de mjdyr pano em hu ~ a braça. BPARPD. FEC: CPPAC,
nº 7, fl. 11vº (1520).
562 H. da Gama Barros — História da administração pública…, tomo X, p. 39, remetendo para a p.
179 e relativamente a idêntica situação do côvado.
563 Mário Viana — Algumas medidas lineares medievevais…, pp. 490-491.
564 Mário Viana — Algumas medidas lineares medievais…, p. 491.

273
tomar. Desconhecemos se a Terceira, ao tempo, apresentava ou não uma vara de medir

pano distinta da de craveira. Nunca encontrámos enunciada a vara craveira mas antes tão

só a respectiva braça, ou a vara de medir pano.

Perante tudo isto, alicerçados num certo peso da tradição rural que manteve a

vara pequena —ou braça craveira— com o valor de 2,20 m565, fundamentados numa

equivalência da época que confunde sistema de craveira com sistema de medir pano, pelo

qual não são dois côvados deste último que correspondem à braça craveira566, mas sim

duas varas "comerciais" e confrontados com a perspectiva de aplicar dados tão

divergentes à mesma realidade567, iremos tomar a braça craveira pelo valor que lhe é

reconhecido de 2,20 m e apenas atender a este sistema na medição das terras.

Sendo assim, para o estabelecimento das medidas das terras, definimos o quadro

XVIII, no qual o moio, pela medida de 110 braças quadradas, equivale a 5,86 ha e, pela

medida de 105 braças quadradas, a 5,34 ha.

QUADRO XVIII

EQUIVALÊNCIAS DO MOIO EM SEMEADURA

NA ILHA TERCEIRA (1ª metade do séc. XVI)

Medida de Superfície Medida de Superfície Medida Agrária


da Época Actual Actual

110 br x 110 br 242 m x 242 m = 58564 m2 5,86 ha

105 br x 105 br 231 m x 231 m = 53361 m2 5,34 ha

565 Silvano Augusto Pereira — Das medidas antigas…, p. 71.


566 Como conclui Mário Viana — Algumas medidas lineares medievais…, p. 491.
567 No caso do património construído que até agora tivemos ensejo de abordar, ou na questão das
medidas dos tecidos, tivemos em linha de conta um possível sistema comercial divergente do de craveira.
Os dados, então apresentados em simultâneo, não nos ofereceram complexificação de monta, pelo que
podíamos salientar a respectiva divergência. A partir de agora, há mais registos a considerar e apenas com
base no moio já temos duas medidas a atender.

274
2.2.2.2. Áreas das sesmarias

As terras atribuídas em sesmaria, quando as podemos traduzir a este nível,

constituem as propriedades de maior dimensão encontradas na ilha Terceira. Isto indica-

nos que os primeiros tempos, à partida, terão dado origem às maiores propriedades

conhecidas na época de que nos ocupamos.

Para podermos tecer considerações sobre a dimensão das dadas, apenas pudemos

atender a sessenta e três registos, nos quais este tipo de consideração constava ou podia

ser inferida, parcialmente ou no todo. Entre estes, vinte e seis apenas permitiam

considerações genéricas de grandeza, a partir de termos como uma grande dada568, de se

ter tomado em sesmaria, por exemplo, toda a Serra de Santiago569, ou pelas repetidas

delimitações "do mar à serra"570. As restantes permitiam determinar valores parciais,

como o de um dos lados da superfície ou, então, a área total, o que foi possível em vinte

e nove casos571.

Em 1506/1507 encontrámos certo rendeiro tomando terra de 50/60 moios (entre

267 / 293 ha e 320,4 / 351,6 ha) na área do Pico Gordo, pertencente ao capitão de Angra,

Vasco Anes Corte Real572 e em 1543 detectámos outra de 33 moios (176,22 ha ou

193,38 ha) em Agualva, pertença do falecido capitão da Praia, Antão Martins Homem,

2º do nome573. Apesar de quase se impor que constituiam antigas sesmarias, não as

tomaremos em conta enquanto tais, porquanto desconhecemos todos os contornos da

respectiva obtenção e nem sabemos se resultaram do acúmulo de várias cartas574. No

entanto, tratando-se de capitães na condição de beneficiados, cremos que o ponto de


568 F. F. Drummond — Apontamentos…, p. 305.
569 Segundo a tradição, tê-la-ia tomado Jácome de Bruges e, depois, Diogo de Teive, sobre o qual
houve grandes demandas. Na divisão entre os herdeiros, Diogo Paim e João de Teive, o último ficou
com a banda do mar (Pe. M. Maldonado — Fenix…, vol. I, pp. 80-83). Dados sobre o vínculo instituído
pelo dito João de Teive, na propriedade da dita Serra, podemos encontrá-los no testamento 63 (apêndices)
e em BPARPD. FEC: AAAH, mç. 87, nº 2 (1592).
570 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 4vº, 4vº-5, 19vº- 20 e 20-21; TPAC, doc. 9, pp. 63-64.
571 Vide Quadro G dos apêndices, nº 5.
572 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 23, fls. 25vº e 24vº. De registar que a dita terra, numa confusa
interpenetração com certa parcela usurpada a Gonçalo Álvares Pamplona, também se diz de 40 ou 50
moios, 30 ou 40 e, até, de cem moios (com toda a propriedade do dito Gonçalo Álvares?). Vide Quadro I
dos apêndices, R81.
573 BPARAH. Famílias: CCP, mç. 2.3.4., fl. 185 e pequeno papel cozido aos autos, com o registo da
dimensão, entre os fls. 184vº-185 (1543).
574 As propriedades de Vasco Anes Corte Real, do Patalugo (acima de Angra) à área do Pico Gordo,
nasceram da herança que ficou de sua mãe e pelo menos da sesmaria que o próprio deu ao filho, Gaspar
Corte Real, falecido de tenra idade. Sobre o assunto vide pp. 145-146..

275
referência é importante, tanto na apreciação do tamanho da propriedade em geral, como

nos limites mais elevados que esta podia assumir.

Já área explicitamente associada a uma sesmaria, por fonte coeva ou

relativamente próxima no tempo, apresenta-se com 24,5 moios de terra (entre 130,83 ha

e 143,57 ha), nas Contendas — S. Sebastião, cuja concessão recuará a período anterior a

1475575. Trata-se da dada a João de Leonardes, que talvez possa servir como referência

às dos seus também célebres companheiros, Coelho, Bernardes e da Ponte, tal como às

superfícies territoriais dos tempos primevos. Por outra escritura, de 1495 e no limite das

Quatro Ribeiras, atribui-se terra a João Valadão, mulher e filhos, na qual possam ser

semeados vinte moios de trigo (106,8 ou 117,2 ha)576. Outra sesmaria —primeiramente

concedida a Gonçalo de Linhares (1489) e que depois reverteu a favor do Hospital de

Santo Espírito de Angra—, na respectiva testada e na década de 1520, foi dimensionada

em mais de quinze moios de terra (80,1 ou 87,9 ha)577 . Estes são os exemplos das

maiores sesmarias documentadas para a Terceira, tendo tido por beneficiados algumas

das principais figuras do povoamento578.

Logo a seguir, emergem sesmarias com dimensões em semeadura bastante

diferenciadas579, de quinze (80,1 ou 87,9 ha), catorze580 (74,76 ou 82,04 ha), doze581

(64,08 ou 70,32 ha), dez582 (53,4 ou 58,6 ha), sete583 (37,38 ou 41,02 ha), cinco584

(26,7 ou 29,3 ha), quatro585 (21,36 ou 23,44 ha), três586 (16,02 ou 17,58 ha), dois

575 Valor reconstituído a partir da sentença contra os Corte Real, pela qual se regista ser esta a área da
terra em disputa, medida em 1510. Cfr. documento publicado em Frei Diogo das Chagas — Espelho…,
p. 657.
576 BPARAH. THSEA, fls. 404-404vº. Vide, também, verba do testamento nº. 2 (apêndices).
577 BPARAH. CIM: THSEA, fls. 404-404vº.
578 Vide pp. 145-147.
579 Vide Quadro F dos apêndices.
580 De catorze ou quinze moios. BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 9-9vº.
581 AA, vol. XII, pp. 402-403 e TPAC, doc. 7, pp. 59-61.
582 Dez ou doze moios teria a terra concedida a Catarina da Câmara, em 1503 e sita ao Paul das Vacas,
dotada em casamento a Diogo Paim, como consta de partilhas de 1543. BPARAH. Famílias: CCP, mç.
2.3.4., fl. 225vº. A respectiva carta está aos fls. 237-238 (ou 85-86). Também de dez moios foi a carta
concedida a Joana de Abarca, em 1504. TPAC, doc. 13, pp. 75-76.
583 Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 830.
584 Duas cartas com esta medida em TPAC, doc. 36, p. 114; e outra na BPARPD. FEC: MCMCC,
vol. III, nº 69, doc. 3.
585 Dois registos em TPAC, doc. 36, p. 114.
586 Dada de três ou quatro moios, em Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 831.

276
moios587 (10,68 ou 11,72 ha) e de menos de um moio588. À excepção de uma sesmaria

de dois moios, um em cada fajã e de entre as duas concedidas, não confrontantes589,

todas elas se apresentam como blocos unos, o que se determina pelas respectivas

confrontações.

Se pela capacidade de sementeira do trigo podemos ficar com algumas ideias

sobre as superfícies em causa, mais elementos obtemos quando nos são dadas as

medições do comprimento e da largura. Não obstante, apenas conseguimos compilar

treze sesmarias fornecendo-nos tais informes. Tirando um único caso em que largura e

comprimento correspondem e dão origem a uma forma quadrangular590, todas as demais

(doze) apresentam um perfil rectangular. Na maioria das vezes, o comprimento triplica

ou mais591 a dimensão da largura, apresentado-se o terreno dividido em longas faixas na

longitudinal. Noutros casos a desproporção é menor, com o comprimento a duplicar a

largura592 ou a sobrevalorizar-se apenas um pouco mais593.

Em termos de área agrária e para uniformizarmos os valores, convertemos as

medidas em braças pela braça craveira de 2,20m e as registadas em moio pela

equivalência de cento e dez braças quadradas. Assim, as sesmarias passíveis de serem

tratadas a este nível (vinte e nove) atingiam valores que iam dos 4,84 ha594 aos 117,20

ha 595 , concentrando-se de forma diversa nos demais intervalos de área por nós

estabelecidos.

587 Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 830.


588 Apenas encontrámos um caso, a Francisco Jácome, de uma terra que se especifica ser para pastel, em
1482, com 100 x 100 br. Cfr. F. F. Drummond — Apontamentos…, p. 284. Jorge Forjaz, com a mesma
data, no mesmo lugar e igual potencialidade produtiva, apresenta registo do designado por Rodrigo
Jácome, com 6 br x 100 br. Tratando-se da mesma sesmaria, apesar do desacerto do nome, optámos pelo
registo de Drummond, em virtude da "excepcionalidade" da medida das seis braças para um dos lados,
apresentada pelo segundo trabalho. Cfr. Jorge Forjaz — Cartas de dadas …, p. 832.
589 TPAC, doc. 36, p. 113 e Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 834.
590 De 110 br x 110 br. F. F. Drummond — Apontamentos…, p. 284.
591 Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 828 (400 br x 120 br); pp. 831-832 (400 br x 300 br); F. F.
Drummond — Apontamentos…, p. 285 (400 br x 150 br); BPARAH. CIM: THSEA, fl. 405vº (540 br
x 200 br); TPAC, doc. 33, pp. 109-110 (300 br x 120 br); TPAC, dos. 36, p. 115 ( (300 br x 100 br);
doc. 36, pp. 113-115 (400 br x 150 br); BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº 230 (300 br x 100 br).
592 TPAC, doc. 36, p. 115 (400 br x 200 br); TPAC, docs. 28 e 29, pp. 99-102 (500 br x 300 br).
593 Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, pp. 831-832 (140 br x 100 br).
594 Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 832 (1482).
595 Calculados pela medida das 110 braças quadradas. Frei Diogo das Chagas — Espelho…, p. 657
(1475).

277
GRÁFICO XII

DIMENSÃO DAS TERRAS DE SESMARIA

7% 7%
10% até 10 ha
14% 11 a 20
21 a 30
3% 31 a 40
41 a 50
51 a 60
10% 61 a 70
71 a 80
81 a 90
mais de 100 ha
7% 32%
7%
3%

Deste modo, o intervalo que concentra maior número de dadas é o que abrange

superfícies entre os 21 e os 30 ha, destacando-se em segundo plano o grupo que as

engloba entre 11 e 20 ha. Para mais e já num nível superior, as terras com áreas de 61-70

ha e 81-90 ha também serão destacáveis em termos de representação. De qualquer modo,

no cômputo geral é evidente o peso das terras que vão até aos 30 ha, correspondendo a

53% da amostra. Isto significa que a referência de base para as sesmarias da ilha Terceira

vai até 30, talvez 40 ha, encontrando-se o mais dividido pelos outros grupos

considerados.

Vimos, no capítulo anterior, quem foram os beneficiados pelo processo. Aqui

confirmámos a vastidão das terras concedidas aos primeiros povoadores. Resta-nos,

pois, abordar brevemente duas últimas questões: se detectamos reincidentes no benefício

e quais as respectivas implicações e, por fim, qual a correlação entre a dimensão da terra

concedida e o estatuto do respectivo donatário.

No tocante ao segundo ponto, não conhecemos em profundidade o estatuto de

Rodrigo Jácome, beneficiado com a mais pequena dada terceirense conhecida, de 4,84 ha,

278
para além de o conotarmos como entendido no cultivo do pastel596. Já quanto a Martim

Gonçalves, alfaiate, João Fernandes, carreteiro, Pero Anes do Pombal, familiarmente

associado a um sapateiro e Sebatião Esteves, tecelão, recebem terras, respectivamente,

de 14,52 ha (os dois primeiros) de 11/12 ha e de 19/20 ha597. Comparativamente com as

demais dadas, situam-se nos intervalos de dimensão mais baixos que encontrámos,

provavelmente de acordo com a respectiva capacidade económica do detentor. Ou seja,

se apesar de tudo estes grupos detinham uma faixa significativa na apropriação das

dadas598, também ficamos a saber que não lhes eram atribuídas as maiores terras, o que

em termos de posse do solo aumenta consideravelmente a fatia daqueles que já

dominavam este tipo de concessões.

Quanto ao primeiro tópico, o da reincidência das sesmarias, podemos afirmá-lo

pela positiva. Apesar dos registos não serem exaustivos, há algumas figuras beneficiadas

com mais de uma dada na Terceira. Entre eles, detectam-se João Álvares Neto, João

Vieira, Joana de Abarca e Pero Anes do Canto. O último obteve carta de 1506, da

propriedade que comprara no limite das Quatro Ribeiras (Biscoitos), dos biscoitos

confrontantes com a mesma terra, em 1507 e o dito biscoito do Pombal (Angra) que,

com sua primeira mulher, recebeu em Março de 1511599. Esta, Joana de Abarca, antes de

contrair matrimónio fora contemplada com chão da rua principal de Angra, com terra nos

Juncais, ao porto santo600, termo da vila angrense, ambos no ano de 1504 e com outra

terra no Pico das Urzes, em 1506601. João Vieira recebeu duas cartas, uma de terra nas

596 Trata-se de concessão de terra para produção da dita erva tintureira. Jorge Forjaz — Cartas de
dadas…, p. 832 e F. F. Drummond — Apontamentos, p. 284.
597 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VIII, nº 230; TPAC, doc. 36, p. 115 e MCMCC, vol. I, nº 12;
Jorge Forjaz — Cartas de dadas…, p. 830 e F. F. Drummond — Apontamentos…, p. 303; Jorge Forjaz
— Cartas de dadas…, p. 831 e F. F. Drummond — Apontamentos…, p. 303. Vide Quadro F dos
apêndices, nºs. 7, 31, 9 e 8.
598 Vide pp. 176-177.
599 Repectivamente, BPARPD. FEC: MCMCC, vol. I, nº 15; vol. I, nº 22, fº 1-2; TPAC, doc. 28, pp.
99-101 (biscoyto do ponball). Não referenciámos aqui outras dadas do mesmo, fora da ilha Terceira.
600 Não ocorram dúvidas quanto ao dito topónimo, mesmo que hoje se designe por Posto Santo.
TPAC, doc. 13, p. 76: biscoytos do porto santo… lynha djreita a serra e calldeira (1504, Angra);
BPARPD. FEC: MCMCC, vol. V, nº 141, fl. 7vº: terras de sesmaria na Silveira e Terra Chã, uma delas
ia de huum luguar que chamão ho pomball do mar a serra athe hu ~ a sera que chamãao ho pico de
gaspar e o outro biscoito em que estam as vinhas da cjdade d'amgra/ vaj do maar […] a huum luguar
que se chama o porto samto e dalj a sera que se chama o patalluguo (1546). Vide Mapa III, entre as pp.
145 e 146.
601 TPAC, doc. 15, pp. 77-78; doc. 13, pp. 75-76; doc. 17, pp. 79-81. Isto, fora a sesmaria em S.
Jorge, no Portal. TPAC, doc. 43, fº pp. 126-127.

279
Cinco Ribeiras (1497) e outra na Silveira (1508)602. De João Álvares Neto conhecemos

duas sesmarias, de 1499 e 1506, ambas nos Altares, sendo a última a confirmação e

acrescentamento da terra anteriormente concedida603.

De qualquer modo, mesmo admitindo a hipótese de que outros poderiam estar

em idênticas circunstâncias, a ideia com que ficamos é a de que, na primitiva acção de

ditribuição das terras terceirenses, pretende-se fixar o beneficiado a uma área de amplo

domínio, a qual ele conduzirá em termos de fixação humana e aproveitamento

económico, complementada ou não por outras concessões em zonas mais ou menos

distantes. Quando invocamos Pero Anes do Canto, emerge a sua principal área de posse,

obtida por reedição de sesmaria, sita na actual zona dos Biscoitos, área que dinamizou

em termos humanos e económicos. Mas outras figuras de destaque, não tão bem

documentadas como o primeiro provedor das armadas, destacam-se, nas crónicas,

associadas a uma determinada área de implantação, na qual tomaram sua dada: João

Leonardes em S. Sebastião; João Coelho no Porto Judeu604, João Valadão nos Altares,

Álvaro Lopes da Fonseca acima da Fonte Bastardo605, Diogo de Teive na Serra de

Santiago606, Gonçalo Anes Machado na Ribeira de Frei João ou Ribeira Seca607, Álvaro

Vaz Merens no Porto das Pipas608 , Heitor Álvares Homem no Varadouro, Vila

Nova609, Pedro Afonso da Areia na Ribeira de que tomou o nome, nas Lajes610 e outros.

Esta ligação da figura eminente do povoamento a um determinado espaço, parece

confluir numa dinâmica de ocupação com vários protagonistas e outras tantas frentes.

Por outro lado, não apontaria para uma grande dispersão do primitivo património

terratenente.

602 Jorge Forjaz -—Cartas de dadas…, p. 833; TPAC, doc. 36, pp. 113-115.
603 TPAC, doc. 8, pp. 61-63; doc. 7, pp. 59-61, publicado no AA, vol XII, pp. 402-403.
604 F. F. Drummond — Anais…, vol. I, p. 39.
605 F. F. Drummond — Apontamentos…, p. 164.
606 Pe. M. L. Maldonado — Fenix…, vol. I, pp. 80-83. Em 1539, a nora de Diogo de Teive, Beatriz de
Horta, dizia que sua fazenda e de seu defunto marido se localizava toda na Serra de Santiago. Cfr.
testamento nº. 100.
607 Pe . M. L. Maldonado — Fenix…, vol. I, p. 111; vol. II, p. 17, vol. III, p. 176. F. F. Drummond
— Apontamentos, p. 158.
608 Pe. M. L. Maldonado — Fenix…, vol. I, p. 113.
609 Pe. M. L. Maldonado — Fenix…, vol. I, p. 112.
610 Pe. M. L. Maldonado — Fenix…, vol. I, p. 110 e Vol. II, p. 53.

280
2.2.2.3. Outras superfícies fundiárias

A partir das concessões primordiais, a terra passa a ser dividida em função de

critérios organizativos e de exploração. Surgem vários tipos de propriedades, já

referenciados no ponto anterior.

Para mais, sobre as consideráveis superfícies das sesmarias convergiram acções

dote, doação e, particularmente, alienações parciais por escritura de venda, a que se

juntavam as consequências do sistema sucessório, bem documentado nos autos de

partilhas e nos testamentos611.

Neste contexto, caso de venda bastante elucidativo é o de parte da dada de João

Valadão a seu filho, Diogo Valadão que acabou também por vendê-la ao cunhado,

Gonçalo Álvares Pamplona 612 . Outro exemplo, agora sem conexões familiares

conhecidas, é a alienação de Rodrigo Chamorro a João de Ornelas da Câmara —em nome

de seu seu filho Diogo de Teive (Ferreira)— o qual torna a alienar a terra em Pero de

Barcelos, mas ressalvanado um biscoito acima da Casa da Salga613.

Quanto ao regime de herança, mantêm-se os princípios das Ordenações

Afonsinas, reiteradas pelas Manuelinas, pelos quais a mulher é meã nos bens adquiridos

e o casal pode dispôr da terça dos bens, já que o mais herdam os filhos614 . Por tal

motivo, a quinta do Poço Fundo, de Duarte Ferreira, em 1521 foi dividida em três

quinhões de três moios e 50 alqueires e mais um de moio e 40 alqueires615 , que

naturalmente transformaram esta antiga propriedade de 13 moios ou 69,42 ha616. Outros

exemplos podemos tomar, sem sermos exaustivos, na vinha do esquoRegadjo, dividida

611 A questão da prática sucessória e o emergir dos processos de vinculação na Terceira são temas que
pretendíamos ver abordados em capítulo à parte, para o qual procedemos à recolha de dados. As
limitações de tempo útil fizeram-nos adiar a concretização do projecto. Não obstante, o estudo da temática
permite-nos propor algumas linhas explicativas, nomeadamente no tocante ao retalhamento da
propriedade fundiária.
612 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fls. 15-15vº e 16-16vº.
613 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 1, fl. 19vº-20; e TPAC, doc. 68, p. 167.
614 Ordenações Afonsinas…, livro IV, tít. XII, pp. 76-78; tít. LXXXXV, pp. 351-359; tít.
LXXXXVIII, pp. 359-360. Outros mais títulos esclarecem ainda, juridicamente, a prática sucessória,
como os LXXXXV, C; CI, CII; CV e CVII, os últimos abrangendo especificamente questões ligadas às
partilhas dos bens. Quanto à possibilidade de deserdar os filhos, aplica-se o título LXXXXVIIII, pp. 363-
366.
615 Cujas confrontações e descrições confirmam a respectiva unicidade. BPARPD. FEC: MCMCC, vol.
III, nº 68, fls. 4-5, 6 e 10.
616 Era medida pelas 105 braças quadradas por moio.

281
em sete quinhões e a da canaujeijra, em dez, ambas propriedade de Pero Anes do

Pombal617.

Não obstante, a noção dos riscos do "partir e repartir" está presente nos

documentos da primeira metade de quinhentos. Na tentativa de obviar o retalhamento da

propriedade, pode insistir-se que o mesmo se proceda no mais proveito da dita fazenda

e partindo-se em pesas emteiras e não despedacadas618

Havia uma percepção do eventual menor interesse das terras ínfimas, a par do

relativo às propriedades dispersas, neste último caso bem expresso no acto de venda, já

referido, justificado por a terra ser fora de mãao da vjvenda deles vendedores619.

Aliás, a estratégia de aquisição de quinhões de herdeiros, reconstituindo a área de

uma antiga sesmaria picoense, por exemplo, ficou ilustrada com Pero Anes do Canto620.

De facto, a par da muito mais presente acção de retalhar as terras inicialmente sesmadas,

a tendência por vezes também podia ser contrariada, em parte, pelos que detinham

poder económico/político para concentrar, aglomerar e emparcelar621.

Para além disso, na vinculação das terças ou de parte delas —a primeira

remontando a 1499622—, os proprietários determinavam-na muitas vezes em área una,

de molde a garantir a preservação de certas propriedades623. De qualquer modo, tais

exemplos não ultrapassarão, em número, os informes do retalhamento provocado pelas

partilhas entre herdeiros, pelo menos de 2/3 da fazenda do casal (quota dos herdeiros) e

617 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 83, fl.s 3vº-4vº (1529).
618 BPARAH. Monásticos: CEA, lº 4, fl. 426vº (1543).
619 BPARPD. FEC: MCMCC, vol. III, nº 75 (1525). Em 1534, outro casal justificava a venda de terras
por ser proveitosa e por tencionarem capitalizar o valor na aquisição de outra terra, na Praia, próxima da
que dizem "sua". BPARPD. FEC: MCMCC , vol. II, nº 64, 2 fls. (doc. inc.). Noutras mais situações
vislumbraram-se idênticos motivos. Cfr. p. 156 (cap. II).
620 Quatro aquisições para reconstruir a dada de Duarte Pires, na Calheta de Mateus. Cfr. R. D.
Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 166.
621 Uma vez mais, o primeiro provedor das armadas serve o nosso intuito. Cfr. R. D. Gregório — Pero
Anes do Canto…, pp. 165-167.
622 De Pedro Álvares da Câmara e Catarina de Ornelas, sua mulher, por testamentos de 1499 e 1511.
Vide, nos apêndices, testamentos nºs. 5 e 9.
623 Entre os exemplos possíveis, destaquem-se: o de Pero Álvares da Câmara e cônjuge, no Porto
Martim (vide nt. supra); o de Pedro de Barcelos e Inês Gonçalves, três moios nas Lajes, juntos à Caldeira
(testamentos 7 e 71); o de Branca da Câmara, toda tomada nas terras do Juncal (testamento 16); o de
Afonso Rodrigues que a define juntamente no cabo da sua terra (testamento 43); a de Branca Gomes, em
Santa Bárbara na terra do alpalhão (testamento 57). Casos notáveis, de tentativa de salvaguarda da
unicidade da terra concedida em sesmaria, são os de Gonçalo de Linhares e de Álvaro Lopes da Fonseca.
O primeiro constituiu a dita terça toda na respectiva sesmaria das Dez ou Doze Ribeiras (testamento 2). O
segundo, por acordo com a mulher, tomou em terça a terra da Lombada (até à Serra Maior) que lhe fora
dada por Álvaro Martins Homem e, depois, por Antão Martins Homem (testamento 6)

282
muitas vezes até de parte da terça dos progenitores624 . Neste âmbito, é também

significativo o lamento de Maldonado, quando relembra a proeminência perdida de

algumas famílias cabouqueiras por virtude da não instituição de morgadios625.

Assim, no cruzamento da organização económico-produtiva, dos processos de

alienação e, particularmente, dos retalhamentos provocados pelo regime sucessório,

muitas terras assumiram outras e bem diferentes dimensões. Na respectiva análise,

procedemos a um cuidadoso levantamento daquelas que pareciam emergir como blocos

unos626, partindo dos informes das confrontações e da descrição geral das mesmas. Por

esse motivo, muitas outras superfícies foram afastadas dos nossos cálculos, já que

apenas arrolar certos moios ou alqueires de terra, num dado lugar, não constituía garante

da dita unicidade.

Com base neste levantamento, que exclui terras denominadas de sesmaria,

cronologicamente situado entre 1483 e 1550, em termos de dimensões detectámos

propriedades rurais que podiam ser de alqueire, ou alqueire e meia quarta de terra627, até

à légua quadrada da capitoa Maria de Abarca, no Patalugo e entre 1497 e 1514628. A

desproporcionalidade entre unidades espaciais individualizadas na posse dos nossos

proprietários era, pois, flagrante.

624 Temos múltiplas referências aos filhos, todos ou alguns, a herdarem parte não vinculada das terças
dos progenitores, do imóvel ou móvel e a sucederem praticamente em todas as terras, compensando-se a
parte de livre diposição pelo móvel; a sucederem todos e apenas na primeira geração, nas rendas da quota
diponível imóvel vinculada Cfr. testamentos 11, 16, 19, 24, 42, 43, 62, 65, 72, 78, 89, 91, 94, 97, 98,
101, 102, 106, 108, 116, 120, 127, 129, 138, 145, 148 e 155.
625 Fá-lo relativamente aos "Coelho" de João Coelho e aos "Ponte" de João da Ponte: tudo por culpa e
incuria de seos primeiros que só se enleuarão na consideração do que erão, sem ajuizarem o que os
seos verião a ser; e por tão fatuos que tendo os accidentes na nobreza não deicharão, podendo, a
sustancia dos beñes fixos em que se custuma perpetuar. Cfr. Fenix…, vol. I, pp. 84 e 86. A vida do Pe.
Maldonado baliza-se entre 1644 e 1711. Cfr. Jorge de Abreu Arrimar — Cinco cronistas dos Açores
(subsídios para a historiografia açoriana). BIHIT. Vol. XLII (1984) 25.
626 Vide Quadro G dos apêndices, que arrola todas as propriedades passíveis de serem tratadas neste
ponto do capítulo.
627 Respectivamente, em 1546, no Vale Farto, Praia, em BPARAH, Judiciais: AAAH, mç. 113, nº 16
A, fl. 1vº; em 1552, num cerradinho de biscoitos, S. Roque, em BPARPD. FEC: MCMCC, vol. VI, nº
171, fls. 9-9vº.
628 BPARPD. FEC: CPPAC, nº 2, fl. 21vº. Esta terra temos dificuldades em convertê-la para o sistema
decimal, porque a partir das equivalências da légua a 4500 m, 2250 m e 1125 m, de A. H. de Oliveira
Marques, obtemos áreas tão díspares como 20,25 ma, 506,25 ha ou 126, 56 ha. Cfr. autor cit., Pesos e
medidas…, p. 68.

283
GRÁFICO XIII

DIMENSÃO DE OUTRAS SUPERFÍCIES FUNDIÁRIAS EM ha (1483-1549)

35

30

25

20
Series1
15

10

Assim, é notável que os intervalos de medida mais baixos, atendidos no Gráfico

XIII e englobando superfícies até 9 ha, concentrem 65% da propriedade. Os três

intervalos acima, relativos às terras entre 10 e 24 ha, absorvem 23% do conjunto

considerado. Isto faz com que 88% das propriedades aqui atendidas sejam inferiores a

25 ha. Acima destas dimensões, o resíduo percentual distribui-se de forma pouco

homogénea, onde se destacam três propriedades acima dos 80 ha629. Esta disparidade,

visível na análise do património de Pero Anes do Canto630 e atendendo às dimensões

detectadas para as sesmarias (Gráfico XII), comprova um processo já considerável de

parcelamento das terras inicialmente concedidas aos povoadores, ou de parte delas.

Entre os tipos de propriedades, que mais se destacam nesta subdivisão da terra,

convem considerar os cerrados e as vinhas que, a par dos pedaços de terra, representam

superfícies entre as mais pequenas que conhecemos.


629 Uma de 263,70 ha, outra de 193,38 ha e outra de 92,10 ha, no Pico Gordo (Angra), na Agualva e no
Juncal (Praia). Cfr. Quadro G dos apêndices, nºs. 5, 80 e 32.
630 Apesar de não termos conseguido definir as áreas de superfície das suas maiores quintas, S. Pedro e
S. João, encontrámos superfícies com pouco mais de 1 ha e outras que iam além dos 80 ha. Os intervalos
com maior frequência eram os das dimensões mais reduzidas, com mais de 1ha e menos de 10 ha (75%).
Cfr R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 130.

284
As dimensões de vinhas terceirenses só as conhecemos pelos autos de partilhas

dos bens de Pero Anes do Canto, de 1556. Ali, as vinhas entre 0,60 e 89 ha, tal como as

situadas no intervalo entre 0,90 ha e 1,19 ha, eram representadas em cada grupo por 43

%. Apenas 14% das atendidas mediam entre 0,30 e 0,59 ha631. Estas dimensões estavam

de acordo com a concentração das medidas detectadas para Évora de finais da Idade

Média632, em parte com as das áreas de domínio do mosteiro de Alcobaça633 e tinham

também alguma correspondência nas vinhas levantadas para Santarém634. Em termos

gerais, porém, eram maiores do que as apuradas para toda a área do Médio Tejo635.

Acontecia também que, embora não atingissem dimensões de 2 ha ou mais636, não

resvalavam para os valores mais baixos encontrados nestes estudos, ou sequer abaixo de

0,30 ha (30 a).

O único dado novo, que podemos trazer agora à colação, também ultrapassa o

nosso balizamento cronológico (1553), fazendo referência a uma área de 14,65 ha, onde

já estavam estavam feitos 0,39066 ha (39,07 a) de vinha. Sendo este um valor

enquadrável no levantamento anterior, dentro do intervalo de menor frequência, não

haverá muito a acrescentar, para além do destaque a fazer à potencialidade que toda esta

superfície de biscoito (14,65 ha) constituia para o respectivo plantio.

Quanto aos cerrados, encontramo-los também caracterizados por uma diferença

de amplitude considerável, que vai dos 0,89 ha do mais pequeno aos 70,32 ha do maior,

detectados no lapso cronológico que nos ocupa (Quadro XIX)637.

631 R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 134.


632 Entre 0,5 e 1,20 ha. Cfr. Bernardo Vasconcelos e Sousa — A propriedade das albergarias de
Évora…, p. 79.
633 Iria Gonçalves — O património do mosteiro de Alcobaça…, p. 182.
634 Onde uma de 1,5 ha era tida por "grande" e as parcelas abaixo de 0,25 ha eram consideradas
pequenas. De qualquer modo, 23,6% da amostra situa-se entre valores inferiores a 0,05 ha e 0,2 ha. Cfr.
Mário Viana — Os vinhedos medievais de Santarém. Cascais: Patrimonia, 1998, p. 33.
635 Onde 3/4 da amostra concentravam valores entre 0,05 e 0,50 ha e 53% das vinhas atingiam os 2 ha.
Cfr. Manuel Sílvio Alves Conde — Uma paisagem humanizada…, vol. II, p. 220.
636 Atingidos por 34% dos vinhedos de Alcobaça. Cfr. Iria Gonçalves — O património do mosteiro de
Alcobaça…, p. 182.
637 Pelo inventário de Pero Anes do Canto, de 1556, obtivemos valores que confirmam idêntico valor de
amplitude, entre 0,73 ha e 63,48 ha (R. D. Gregório — Pero Anes do Canto…, p. 132). Para mais
informes, podemos ainda analisar o Quadro D dos apêndices, na parte respeitante aos valores detectados
para além do ano de 1550 e até 1559, que tivemos oportunidade de compilar. Aqui encontrámos o valor
mais baixo para o cerradinho: 0,34 ha (nº 132).

285
QUADRO XIX

DIMENSÕES DOS CERRADOS (em ha)

Data Designação Área (ha) Nº638


1527 cerrado 11,72 31
1527 cerrado grande 17,87 31
1527 cerradinho 9,77 31
1527 cerrado grande 61,53 31
1540 cerrado do mato 70,32 66
1540 cerrado 1,66 68
1543 cerrado grande, de 16,41 73
comedia
1543 cerrado de comedia 19,34 76
1543 cerrado de comedia 29,50 77
1543 cerrado de terra lavradia 0,89 78
1544 cerradinho 1,47 82
1544 cerradinho 1,47 83
1544 cerradinho 0,98 84
1547 cerrado 8,79 100

Para mais, além dos divergentes intuitos em termos de exploração/rentabilização

—cultura e criação de gado—, dividem-se os cerrados em três grupos distintos: dos

enquadráveis entre 0,96 e 1,66 ha (muito pequenos), entre 10 e 30 ha e entre 60 e 70 ha

(14,29%), cabendo aos dois primeiros intervalos uma percentagem idêntica no valor de

42,86%.

De entre estes, é possível detectar uma categorização com base nas respectivas

medidas, avultando a designação "cerradinho" para dimensões como 1,47 ha em 1544 e

9,77 ha em 1527. No mesmo ano, outros dados por "grandes" têm dimensões tão

divergentes como 17,87 e 61,53 ha, ainda se podendo detectar outro de 16,41 ha, em

1543. Por estes dados, podemos apurar que os designativos "grande" e "pequeno"

podiam nascer da comparação que o proprietário fazia dos seus próprios cerrados, o que

explicará a divergência para os valores encontrados associados aos ditos adjectivos. De

qualquer modo, ressalve-se que, em 1527, um cerrado com 10 ha podia ainda ser

considerado "pequeno", apesar de na actualidade o valor se encontrar no limite máximo

do intervalo calculado para as explorações médias639.

638 Número atribuído no Quadro G dos apêndices, para confrontação, alguns desenvolvimentos e
identificação das fontes.
639 Pelo levantamento de 1988, para o arquipélago e ao nível da exploração, pequenas são áreas
inferiores a 5 ha, as médias andam entre os 5 e os 10 ha e as grandes explorações têm mais de 20 ha. Não

286
2.2.2.4. Traços evolutivos da superfície fundiária

Atendendo às dimensões encontradas para as propriedades e aos considerandos

sobre factores do parcelamento, queríamos terminar a abordagem das dimensões das

terras com a destrinça da evolução da média das áreas identificadas para sesmarias e

demais superfícies agrárias640.

GRÁFICO XIV

MÉDIAS DA SUPERFÍCIE FUNDIÁRIA (1475-1550)

45
40 41,57
35 35,55
30
25
Series1
20
15
12,49
10
5
0
1475-1500 1501-1525 1526-1550

Assim, contemplando os últimos três quartos do século em causa e perante os

dados disponíveis, é visível o declínio das áreas médias da propriedade, de 41,57 ha para

12,49, o que significa um decréscimo de 72,6%. Se entre os primeiros intervalos

temporais, 1475-1500 e 1501-1526, já se assistia a uma evolução descendente, o período

entre 1526-1550 é aquele em que o parcelamento assume formas derradeiras.

Os elevados valores dos dois primeiros quarteis explicam-se no quadro da

existência de terra por arrotear, o que, até 1512/1515641, permitiu a renovação/concessão

de grandes propriedades. Ao mesmo tempo e nos ditos cinquenta anos, o carácter

relativamente recente das mesmas e do processo de ocupação humana em geral, ainda


se encontram, contudo, quaisquer superfícies de exploração acima dos 50 ha. Cfr. Açores: estrutura
agrária. [S.l.]: Departamento Regional de Estudos e Planeamento, 1988, p. 27.
640 Tomámos, para isso, as dimensões constantes dos Quadros F e G dos apêndices, entre o referido
lapso de tempo.
641 Data das últimas concessões de sesmaria e de uma reedição de dada. Vide p. 141 e passim.

287
não teria permitido atingir "sérias" consequências ao nível das práticas de retalhamento.

Por isso, em virtude do que se lhe seguiria, no segundo quarto de século consuma-se o

povoamento da ilha e atinge-se o limite das potencialidades de expansão territorial

interna. Já nos últimos vinte e cinco anos, fruto de um povoamento consolidado,

assistia-se ao redimensionamento drástico das superfícies agrárias identificadas. No

âmbito familiar e patrimonial, seria do maior interesse correlacionar este processo com

eventuais estratégias de preservação e salvaguarda. Este estudo, contudo, teremos de o

deixar para um tempo futuro.

2.2.3. O valor monetário dos bens imóveis

A avaliação feita ao imobiliário dos nossos proprietários nem sempre está

presente e, infelizmente, não destrinçamos os critérios que lhe subjazem.

De qualquer modo, operacionalizando os dados alcançados, constata-se que a

propriedade rural é, nas suas múltiplas formas, aquela que melhor se encontra

documentada. Sobre ela emergem práticas de avaliação que, geralmente, vão ao encontro

do que a propriedade rende em trigo, do valor por que está contratada em termos de

exploração (geralmente em trigo), mas também podem expressar-se monetariamente e em

função do moio em semeadura.

No caso das compras e vendas, onde os valores das terras se impõem pela

natureza do contrato, o valor traduzido pelos preços, como tivemos oportunidade de

constatar, envolve critérios que não traduzem apenas o significado económico da

terra642. Já as avaliações de bens podem ser mais fiáveis, porquanto está em causa a

distribuição equitativa dos bens pelos herdeiros e recorre-se a avaliadores juramentados

para o efeito643 . Não obstante, mesmo assim nem sempre estas últimas avaliações

acolhem a anuência de todas as partes, o que mostra, ou a tentativa de lesar/beneficiar

alguém, ou a diferença de critérios de avaliação.

642 Vide p. 141 e passim.


643 De qualquer modo, também no caso de venda se pode recorrer a estas figuras. BPARAH. Judiciais:
AAAH, 266, 10, fl. 40 vº (1515).

288
Um caso bem documentado é o relativo aos bens de Diogo Paim e de Branca da

Câmara. Instigado a declarar os bens do casal em 1527, sete anos depois da morte da

mulher, o viúvo apresenta o conjunto das propriedades e respectiva renda, no intuito de

estabelecer a terça da defunta644. Em 1540, a referida terça ainda não estava apartada,

pelo que se procede a nova inventariação e avaliação de bens645. Ao longo da mesma

detectam-se notas de insatisfação perante os valores calculados, relativas às dimensões,

mas também às valias em causa. Os 10,5 moios de terra do Juncal, no caso mais extremo,

considerados a 60$000 por unidade, merecem o comentário: bom aualiar valem dose mil

reais 646 . Talvez por isso, se bem que não só, a divisão e partilhas entre herdeiros,

depois de falecido Diogo Paim, apenas se concretizam a partir de novo inventário e

avaliação de 1560647.

Embora admitindo a vulnerabilidade dos informes obtidos e a respectiva escassez

que não permite o tratamento serial, podemos, no entando, lançar alguns dados que nos

servirão de indicadores.

QUADRO XX

VALIA DAS TERRAS POR MOIO EM SEMEADURA (1519-1547)

Valia por
Data Descrição do imóvel moio Fonte
1519 cinco moios de terra nas Lajes, à razão 24$000 MCMCC, II,
de 105 x 105 br o moio, vendidos por 57 A
120$000
1520 3 moios e 36 alqueires de terra nas 24$000 MCMCC, II,
Lajes, à razão de 105 x 105 br por 62
moio, vendidos por 146$000
1524 moio e meio nas Lajes, à razão de 110 x 30$000 AAAH, mç.
110 br por moio, vendidos por 45$000 130, 13, fls. 1-
2vº
1534 três moios e meio, juntos ao caminho 10$000 CCP, mç. 5, nº
novo para S. Roque, à razão de 110 x 4
110 br por moio, vendidos por 35$000
1540 cerrado grande de dez moios e meio, no 60$000 AAAH, mç.
Juncal 423, nº 6, fl.
138

644 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 423, nº 6, fls. 85-108vº.


645 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 423, nº 6, fls. 133-142vº.
646 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 423, nº 6, fl. 138.
647 BPARAH. Judiciais: AAAH, mç. 23, nº 11, particularmente aos fls. 42-47vº.

289
1540 terra de um moio e trinta e cinco 80$000 AAAH, mç.
alqueires, em Beljardim 423, nº 6, fl.
138
1540 cerrados no mato de 3 moios e 20 12$000 AAAH, mç.
alqueires, onde m o r r e a Serra de 423, nº 6, fl.
Santiago, avaliado em 40$000 por 139vº
serem matos e terras de comedia
1543 dez alqueires em Santa Bárbara, Sete 60$000 CEA, lº 3, fl.
Ribeiras, pela medida de 105 x 105 br o 651
moio, vendidos por 10$000
1545 moio e meio na Ribeira da Lapa, 80$000 MCMCC, V,
vendido por 120$000 134, fls. 1-9vº
1547 dezasseis alqueires na Ribeira da Areia, 100$000 MCMCC, V,
vendidos por 26$673 149

A partir do Quadro XX, para além da evolução dos valores que podemos

correlacionar com factores monetários e subida dos preços no decorrer do tempo,

apresentando-se o moio de terra em 24$000 por 1524 e a 100$000 no ano de 1547, ainda

podemos perceber a menor valia das terras reservadas ao gado. Em 1540, cerrados de

mato e comedia eram apenas avaliados a 12$000 o moio.

Aliás, a menor valia de alguns solos pode emergir imediatamente de critérios de

medição de terra distintos, pelas medidas-padrão de 110 br2 ou 105 br2 por moio, como

por aquele que determina dois alqueires de terra serem tomados por um648. Para mais,

em função das duas medidas de superfície equivalentes ao moio em semeadura, também

importa relembrar que as respectivas avaliações referem-se a áreas distintas e, ao que

julgamos, a terras de diferente qualidade649.

Por tudo isto, com base nas médias de dimensão encontradas para a propriedade,

confirma-se o poder económico e o valor das fortunas assentes na terra. Esta é, sem

dúvida e a partir dos bens inventariados, conjuntamente com as casas e outros imóveis, o

b