You are on page 1of 16

AS DUAS ONTOLOGIAS CRÍTICAS DE FOUCAULT:

DA TRANSGRESSÃO À ÉTICA1

Diogo Sardinha2

RESUMO: Sob a inspiração de Bataille, Foucault propõe, em 1963, uma ontologia crítica fundada na
ideia de transgressão. Esta não é nem uma atitude, nem um comportamento, e não pertence por
conseguinte nem ao domínio da ética, nem ao da moral. Pelo contrário: a transgressão é um
acontecimento do ser que ocorre nos limites do ser, acontecimento no qual esses limites são
simultaneamente violados, revelados e abolidos. Vinte anos mais tarde, depois de seu regresso à
antiguidade clássica, Foucault propõe uma outra ontologia crítica, que se apoia desta vez sobre a
ética. Em ambos os casos, trata-se de pensar o ser e os limites. Porém, a transgressão despedaça o
sujeito, ao passo que a ética o molda e o protege.

PALAVRAS-CHAVE: Ontologia. Crítica. Ética. Limites. Sujeito

Os últimos textos de Foucault sobre ética, publicados em 1984,


contrastam profundamente com aquilo que ele havia escrito, durante a
primeira metade dos anos 1960, sob a influência de escritores como Bataille.
No início, em seus textos inspirados na literatura, a transgressão colocava o
sujeito em perigo, talvez mesmo ela o despedaçasse; vinte anos mais tarde,
a busca da medida e as exigências de austeridade contribuíram para formar
um novo sujeito e protegê-lo.
1
Uma primeira versão deste artigo, com o título “L’éthique et les limites de la
transgression”, foi publicada no n° 17 da revista Lignes (Paris, 2005), consagrado a “Novas
leituras de George Bataille”.
2
Universidade de Paris I-Panthéon Sorbonne (NoSoPhi). E-mail: diogo_pt@hotmail.com.
Tradução do francês: Ernani Chaves

Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010 177


Não é de se admirar, pois, que uma leitura dos dois últimos volumes
da História da Sexualidade abra diante de nós um universo tão diferente
daquele que Foucault nos havia oferecido, a partir da experiência literária.
A atenção que, no início dos anos 1960, ele deu às obras de escritores como
Roussel, Blanchot, Bataille e Artaud o levou a considerar o sujeito como
uma instância não mais a formá-lo e a protegê-lo, mas a supliciá-lo e destruí-
lo. Reencontra-se assim, na literatura, a face violenta de uma desaparição
do homem da qual, alguns anos mais tarde, a arqueologia das ciências
humanas nos desvelará a face positiva e serena. Todavia, ao mesmo tempo,
a ética, capital para o último Foucault, era entrevista segundo duas
perspectivas distintas e, até um certo ponto, opostas: ela era compreendida,
por uma parte, como temperança e equilíbrio e, por outra, como escândalo e
subversão. E a primeira característica comum a essas perspectivas estava
no fato de que Foucault recusava ambas.

Os limites do ser e sua relação à ética


Tão estranho quanto isso possa parecer, a experiência literária do
começo dos anos sessenta e o deslocamento para a antiguidade, próprio aos
anos 1980, pertencem a um mesmo universo problemático, que se poderia
chamar de limites do ser e de sua relação à ética.
Com efeito, a atenção do último Foucault a esses três termos (limites,
ser e ética) não é nenhuma novidade, no seu percurso. Sem dúvida, ela
adquire uma forma original nos dois últimos volumes da História da
Sexualidade. Porém, é suficiente invocar a História da Loucura, para constatar
que as crises e os reajustamentos do “mundo ético” tanto quanto as
“experiências éticas” da desrazão e do erro se ligam intimamente, nesse
livro, às partilhas constantes estabelecidas tanto entre os sensatos e os
insensatos, como entre as exclusões e inclusões que, no seu conjunto, não
são mais que um trabalho sobre as fronteiras exteriores e interiores da
sociedade ocidental. Em uma palavra, a curiosidade em relação à ética e à
fixação dos limites está longe de constituir, no trabalho de Foucault, uma
novidade no seu retorno aos gregos.
Se esta análise é exata, isso significará que a ética extraída dos antigos
representa uma ruptura com o mundo literário do despedaçamento do sujeito.
A palavra ruptura talvez não seja ainda a melhor para designar o que se
aparenta mais a um silêncio que caiu sobre os escritores do século XX. De
fato, não se tratou nunca de uma ruptura explícita: Foucault não oporá esses
dois universos, nem renegará o primeiro em proveito do segundo. Em troca,
escrever apenas sobre esses escritores implicava, muito provavelmente,
recusar a ética; pelo menos, tal parece ter sido o caso de Foucault.

178 Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010


Inversamente, interessar-se pela ética conduz talvez à renúncia a uma
experiência, da qual esses escritores foram testemunhas. Distinguem-se,
pois, nitidamente, dois momentos da reflexão foucaultiana sobre a ética: o
primeiro, no início dos anos 1960, que a descarta; o segundo, no princípio
dos anos 1980, que a aceita. Esses dois momentos parecem partilhar uma
preocupação ou um problema comuns, e não podem por isso estar em
contradição. Seria mais justo falar de oposição. Mas, de que maneira
exatamente eles se opõem? Pode-se verdadeiramente compreendê-los como
tomadas de posição sobre o mesmo terreno problemático?
Pode-se formular da seguinte maneira a hipótese que nos guiará aqui:
é verdade que a busca das relações de si a si está na contracorrente da
teoria da transgressão e do suplício do sujeito; isso não quer dizer que tal
busca e tal teoria não se inscrevam, ambas, numa problemática comum.
Para submeter essa hipótese à prova da leitura, será tomado um texto
exemplar sobre Bataille, publicado em 1963 e intitulado “Prefácio à
transgressão”. Foucault esboça aqui uma teoria que separa de modo
peremptório a ética e a transposição de limites.3 Num mesmo gesto, ele
elabora os rudimentos de “um pensamento que seria absolutamente e no
mesmo movimento, uma crítica e uma ontologia, um pensamento que
pensaria a finitude e o ser”.4 Esses dois pontos garantiriam que se está sobre
o mesmo terreno do retorno ao mundo grego, onde a finitude e o ser serão as
chaves de uma ética definida como modo de “fixar o que se é”.
Não obstante, na experiência de Bataille, a ética está descartada com
um gesto da mão, ao mesmo tempo em que os limites são sempre
considerados como fronteiras voltadas para fora. Daí um contraste gritante
entre a transgressão como ultrapassagem para um além-de e a austeridade
antiga como um retraimento para o aquém-de. Vejamos, pois, se uma leitura
do “Prefácio...” nos permite medir exatamente o afastamento entre o início
dos anos 1960 e o começo dos anos 1980. Talvez isso nos ajude a compreender
como a sabedoria antiga responde à voz, neste entretempo tornada muda,
da transgressão moderna encarnada por Bataille.

3
Foucault, “Préface à la transgression” (1963). In: Dits et écrits, t. 1. Paris: Gallimard,
1994. p. 233-250. Edição brasileira: “Prefácio à Transgressão”. Tradução de Inês Autran
Dourado Barbosa. In: Ditos e Escritos III. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2001. p.
28-46. A partir de agora, este texto será referido como “Prefácio…”
4
Idem, p. 239; edição brasileira, p. 35.

Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010 179


A recusa da ética, compreendida como escândalo e subversão
O “Prefácio à transgressão” assinala uma tarefa para a filosofia: ela
deve acolher e levar mais longe a experiência moderna dos limites e sua
ultrapassagem. Kant inaugurou a crítica como estudo dos domínios legítimos
da razão. No mesmo momento, Sade descobriu a sexualidade como
“profanação num mundo que não reconhece mais um sentido positivo ao
sagrado”.5 Conjuntamente, eles nos legaram “uma experiência essencial a
nossa cultura [...] uma experiência da finitude e do ser, do limite e da
transgressão”. 6 Designado como singular e decisivo, 7 esse modo de
experienciar nossas relações ao ser é, para Foucault, o que há nos nossos
dias para pensar, se, em todo caso, queremos explorar as vias do excesso, da
sexualidade e da morte, que Bataille, Blanchot e Klossowsky abriram para
nós.8 Desde que os escritores do século XX nos levaram ao ápice do erotismo,
entendido como “uma experiência da sexualidade que liga, por ela mesma,
a ultrapassagem do limite à morte de Deus”9 , toda a dificuldade da filosofia
consiste, doravante, em encontrar as condições que lhe permitirão prosseguir
em um novo terreno as descobertas da literatura.
Relembremos de passagem que quatro meses antes da aparição do
“Prefácio...” sobre Bataille, no número 195-196 da revista Critique, Jacques
Lacan publicara, no número 191 da mesma revista, seu artigo “Kant com
Sade”. Quase no mesmo momento que Foucault, portanto, Lacan notou a
contemporaneidade dos dois autores iluministas e avançou a tese que tornou
seu texto célebre: “A filosofia na alcova surge oito anos depois da Crítica da
razão prática. Se, depois de ter visto frequentemente que é compatível com
esta, demonstraremos que ela a completa, diremos que ela fornece a verdade
da Crítica”.10
Assim como não separa Kant, pensador por excelência da
legitimidade, de Sade, descobridor exemplar da profanação sem Deus,
Foucault não saberia separar o limite da transgressão: eles só fazem sentido
em conjunto. Eis aqui o ponto de partida do “Prefácio...”, que Foucault enuncia
da seguinte maneira: “A transgressão é um gesto relativo ao limite; é aí, na
tênue espessura da linha, que se manifesta o fulgor de sua passagem, mas

5
Idem, p. 234; edição brasileira, p. 29.
6
Idem, p. 241; edição brasileira, p. 36.
7
Idem, p. 236; edição brasileira, p. 32.
8
Idem, p. 240; edição brasileira, p. 35.
9
Idem, p. 236; edição brasileira, p. 30.
10
LACAN, J. “Kant com Sade”. In: Escritos. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro:
Jorge Zahar, 1998. p. 776-777.

180 Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010


talvez também sua trajetória na totalidade, sua própria origem. A linha que
ela cruza poderia também ser todo o seu espaço”.11 E, mais adiante: “O
limite e a transgressão devem um ao outro a densidade de seu ser:
inexistência de um limite que não poderia absolutamente ser transposto;
vaidade em troca de uma transgressão que só transporia um limite de ilusão
ou de sombra”.12 O que é, é limitado. Em consequência, o ser só se desvela
inteiramente no momento em que suas fronteiras aparecem em plena luz.
Porém, Foucault dá mais um passo, que condensa a originalidade de sua
investigação: as próprias fronteiras somente são inteiramente compreendidas
no momento em que rasgadas pela luz e atravessadas. Desse modo, o
atravessamento significa uma violação, mas a violação não é jamais em si,
ela não existe fora do atravessar das fronteiras. Daí porque o conhecimento
das linhas que definem um ser, até mesmo as que definem o Ser, não pode
jamais ser adquirido por um trabalho conduzido unicamente a partir do
interior: ele supõe um passar além dessas mesmas linhas, sua transgressão.
Para o Foucault de 1963, não existe nem um limite intocável nem uma
transgressão fora dos limites. Nem o limite, nem a transgressão são
definitivos, ambos são provisórios. Nenhum possui sentido em si mesmo,
mas apenas em função do outro.
Assinalamos, de passagem, que não se está aqui diante de um
argumento; trata-se de uma constatação. Com efeito, trata-se, no “Prefácio...”,
de encontrar o contexto ou o elemento comum no qual o pensamento e a
literatura moderna encontram sua existência conjunta. Esse texto sobre
Bataille é contrário a uma nostalgia do racionalismo e não se propõe nenhum
retorno a um pensamento puramente crítico. Ao contrário, ele insiste que “o
espaço a partir de então constante de nossa experiência”13 é aquele onde
vivem reunidas as fronteiras e sua violação. Tal concepção de um espaço
comum pode, sem dúvida, parecer duvidosa, para não dizer paradoxal. A
verdade é que para Foucault, assim como para Lacan, a “distância
prodigiosa”14 na qual se encontram formas de pensar tão opostas quanto as
de Kant e Sade, medem “uma profunda coerência”. A nós cabe acolhê-la e
fazê-la falar: “[...] é nela que é preciso fixar nossa atenção”.
Paralelamente, o esforço para encontrar a coerência da experiência
moderna é comandado por um princípio distintivo: o princípio do excesso.
Vê-se isso, de início, na importância concedida ao tema da profanação que,
desde Sade até Bataille, passando por Nietzsche, se confunde com a

11
“Prefácio…”, p. 236; edição brasileira, p. 32.
12
Idem, p. 237; edição brasileira, p. 32.
13
Idem, p. 235; edição brasileira, p. 30.
14
Idem, p. 242; edição brasileira, p. 37.

Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010 181


transgressão, num mundo agora dominado pela ausência de Deus e mesmo
por sua morte. Contudo, isso se constata, em seguida, no lugar concedido à
desmesura de uma ultrapassagem que se “abre violentamente para o
ilimitado”,15 tanto quanto na descrição desse movimento como uma “pura
violência”.16 Além disso, o gesto de passar para além das fronteiras “afirma
o ilimitado, no qual ela se lança”,17 ao mesmo tempo em que se aprende que
“nenhum limite pode retê-la”.18 Enfim, desde que um limite é rompido, outros
o substituem mais longe, porque “a transgressão rompe e não cessa de
recomeçar a romper” novas linhas. Se essa força enfraquece19 , é apenas
temporariamente, até que um rebote a faça rasgar as fronteiras as quais,
nesse meio tempo, se estabeleceram. O trabalho sobre os limites é assim
percebido à luz da violência e do excesso, os únicos princípios que permitem
pensar a interdependência das fronteiras e de sua transgressão.
Tendo compreendido isso, não se pode ainda, entretanto, compreender
inteiramente a natureza da transgressão. Por exemplo, não se sabe em que
medida a travessia violenta dos limites poderia ser tomada como uma tarefa
a ser realizada. Em tal circunstância, quem deveria ou estaria habilitado a
conduzir bem tal tarefa? Nesse ponto, o “Prefácio...” faz uma distinção crucial,
que justifica toda a atenção que se presta a ele aqui: Foucault vai separar,
sem ambiguidade, a transgressão e a ética, para, ao mesmo tempo,
distanciar-se da ética. Consideremos suas palavras:
Essa existência tão pura e tão embaralhada, para tentar pensá-la,
pensar a partir dela e no espaço em que ela abarca, é necessário
desafogá-la das suas afinidades suspeitas com a ética. Libertá-la do
que é escandaloso ou subversivo, isto é, do que é animado pela potência
do negativo. A transgressão não opõe nada a nada, não faz nada
deslizar no jogo da ironia, não procura abalar a solidez dos fundamentos;
não faz resplandecer o outro lado do espelho para além da linha invisível
e intransponível. É justamente porque ela não é violência num mundo
partilhado (num mundo ético) nem triunfa sobre os limites que ela
apaga (num mundo dialético ou revolucionário), que ela toma no âmago
do limite, a medida desmesurada da distância que se abre neste limite
e desenha o traço fulgurante que o faz nascer.20

15
Idem, p. 237; edição brasileira, p. 32.
16
Idem, p. 237; edição brasileira, p. 33.
17
Idem, p. 238; edição brasileira, p. 33.
18
Idem, p. 238; edição brasileira, p. 33.
19
Idem, p. 237; edição brasileira, p. 32: “E a transgressão não se esgota no momento em
que transpõe o limite, não permanecendo em nenhum outro lugar a não ser nesse ponto
do tempo?”
20
Idem, p. 237-238; edição brasileira, p. 33.

182 Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010


Estamos, por conseguinte, num mundo mais puro do que poderíamos
acreditar. No universo da transgressão, tal como Foucault a lê em Bataille,
não há lugar para utopias, nem para sonhos revolucionários, que iluminariam
os gestos realizados por homens ou por mulheres. Não há um outro lado
que, seja como esperança, seja como projeto, daria a lei à imanência e à
brecha das paredes. Mas, não se trata igualmente de valores que dividiriam
nosso mundo entre bem e mal ou entre verdade e delírio, como era o caso na
História da Loucura. Desde esse livro, com efeito, aparece a questão do
destino do “mundo ético”, no qual os indivíduos são classificados segundo
os valores que supostamente refletem sua racionalidade e sobriedade. Toda
a análise feita na História da Loucura se apoia nessa concepção, da qual se
pode dar um exemplo eloquente:
A partir da Idade Clássica e pela primeira vez, a loucura é percebida
por meio de uma condenação ética da ociosidade e numa imanência
social garantida pela comunidade do trabalho. Esta comunidade
adquire um poder ético de partilha, que lhe permite rejeitar, como
num outro mundo, todas as formas de inutilidade social. [O louco]
cruza por ele mesmo as fronteiras da ordem burguesa e se aliena
fora dos sagrados limites da ética.21

Ao contrário do “Prefácio...”, essa passagem compreende o ultrapassar


das fronteiras num mundo partilhado, e isso em um duplo sentido do termo:
um mundo vivido em comum com outros, não obstante quebrado por uma
linha profunda, separando aqueles que trabalham honestamente dos que
por si mesmos se colocam para além de toda atividade produtiva. A ética do
labor se opõe à ociosidade e se encontra, logo em seguida, na base do
enclausuramento: “É numa certa experiência do trabalho que se formula a
exigência, indissociavelmente econômica e moral, do internamento. Trabalho
e ociosidade traçaram, no mundo clássico, uma linha de separação que
substituiu a grande exclusão da lepra”.22

21
Histoire de la folie. Paris: Gallimard, “Tel”, 1996, p. 102.
22
Idem, p. 101. Talvez seja necessário ouvir, na ideia de uma “ordem burguesa” definida
pelos “limites sagrados de sua ética”, os ecos das teses expostas por Max Weber, em
1904-1905, em A ética protestante e o espírito do capitalismo (L’éthique protestante et
l’esprit du capitalisme. Paris: Flamarion, “Champs”, 2002). Na “Observação preliminar”,
de 1920, na Coletânea de estudos sobre sociologia da religião, Weber explica o sentido da
expressão espírito do capitalismo, falando do papel determinante que alguns conteúdos
de crenças religiosas tiveram, na emergência de uma “mentalidade econômica”, do ethos
econômico moderno e da ética racional do “protestantismo ascético”. Sob a perspectiva
foucaultiana da História da Loucura, esse ethos aparece intimamente ligado ao valor do
trabalho e, por seu intermédio, à pretensão de excluir da sociedade toda espécie de ociosos,
até mesmo a figura da ociosidade.

Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010 183


A partir dessa ideia de partilha, alguns indivíduos podem ser
considerados pelos outros como subversivos ou escandalosos. No mesmo
diapasão, o espaço permanece aberto para uma apologia da desobediência
ou do escândalo. No livro sobre a loucura, estava em questão como se julgam
“as condutas do homem social [divididas por uma] patologia dualista, em
termos de normal e anormal, de são e mórbido, que a simples fórmula ‘bom
para internar’ cinde em dois domínios irredutíveis.”23 No “Prefácio...”, em
contrapartida, a violência da transgressão não é mais um rótulo do qual os
homens do bem se servem para classificar os comportamentos desonráveis
ou prejudiciais. O texto sobre Bataille se abre para um mundo bem diferente,
no qual as violações da norma numa sociedade partilhada (o “mundo ético”
da História da loucura) não se confunde com a transgressão tomada, agora,
no seu sentido mais radical, o ontológico.
Liberar a transgressão do que poderia ser escandaloso e subversivo
(para retomar os termos do artigo de 1963) equivale a recusar duas coisas:
primeiro, que a transgressão possa ser o resultado de um julgamento partilhado
que separaria, no seio da comunidade, a ordem e a desordem; segundo, que
ela se torne objeto de um discurso que faria o seu elogio e de uma prática que
tentaria atualizá-la. Dito de outra maneira, a transgressão não serve nem de
acusação, nem de programa; ela não dá lugar, de modo algum, ao anátema
que golpearia aqueles que violam os valores a defender, do mesmo modo que
ela não é dirigida contra os fundamentos da vida em comum que se poderia
pretender minar, talvez mesmo destruir. Esses dois sentidos são recobertos,
nessa época, por uma só palavra: ética. Ao mesmo tempo, a ideia que Foucault
tinha de ética nos aparece com toda sua clareza: ela é o reino dos valores que
só são aprovados pela sociedade, porque eles são, simultaneamente, o que
torna possível dividir em dois o conjunto dos homens e das mulheres, entre
loucos e dotados de razão, entre pessoas normais e anormais, disciplinadas
ou subversivas, honradas ou escandalosas. Aqui, os limites são internos ao
espaço comum e o atravessam como fronteiras. A sua maneira, a ética é
pensada numa relação de forças: força comum que exclui e inclui, a qual se
opõe à força da resposta que vem espezinhar os costumes. Recusando um
caráter ético à ruptura dos limites, é toda essa vertente política, social e moral
que Foucault, resolutamente, isola.

A ontologia crítica: pensamento do ser e da finitude


No entanto, em proveito de que essa operação de isolamento é
realizada? Foucault não nos deixa muito tempo sem resposta, uma resposta

23
Histoire de la folie, p. 174.

184 Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010


que ele formula precisamente com uma outra interrogação. Pode-se ler aí
sua hipótese fundamental: “O jogo instantâneo do limite e da transgressão
seria, nos nossos dias, a prova essencial de um pensamento [...] que seria
absolutamente e, num mesmo movimento, uma Crítica e uma Ontologia,
um pensamento que pensaria a finitude do ser?”24 Toda a sequência do
“Prefácio...” decorre dessa ideia: contra a ética, é urgente pensar uma crítica
e uma ontologia. Por esse motivo, o terreno sobre o qual se coloca a questão
da natureza da transgressão se encontra radicalmente transformado. Ele
não é mais o terreno dos valores, mas bem o do ser, enquanto este se oferece
a nós como limitado. Por isso, a fronteira que é preciso constatar não é mais
aquela que se encontrava no interior de um mundo vivido em comum, de
um mundo partilhado, como se fosse uma linha separando as existências
segundo suas qualidades verdadeiras ou supostas. Ao contrário, a fronteira
é exterior, ela é o limite que informa o ser. Por consequência, se há partilha,
esta é aquela que separa o ser do vazio. De todo modo, nada impede que
esse vazio se torne o lugar de uma nova existência. Entretanto, a conquista
desse (não-)lugar só é possível à força de uma violação, de um excesso do
ser que não se contenta nem com um saber positivo de si mesmo, obtido por
um acompanhamento pacífico de seus limites; nem com um estabelecimento
dos direitos ou da legitimidade no interior desses limites. Isto é, de todo
modo, o contrário da definição de crítica, dada por Kant. Nas primeiras linhas
do “Prefácio” à Crítica da Faculdade do Juízo, lê-se: “Pode-se chamar razão
pura a faculdade do conhecimento a partir de princípios a priori e a
investigação da sua possibilidade e dos seus limites em geral, crítica da
razão pura [...].“ A crítica serve “para refrear as preocupantes pretensões do
entendimento [...]”.25 E Kant acrescenta, mais adiante, que o campo da crítica
das faculdades de conhecer “estende-se a todas as pretensões daquelas para
as colocar nos limites de sua correta medida”.26
A transgressão não pode ser assim uma pura crítica. Ela deve ir
além das extremidades atuais do ser, para acompanhar até o fim o
movimento de ruptura ou a “decisão ontológica”.27 Essa decisão, que deve
24
“Prefácio...”, p. 239; edição brasileira, p.35.
25
Kant, Kritik der Urteilskraft, AA 05: III-IV; Trad. Philonenko, Critique de la faculté de
juger. Paris: Vrin, 1965, “Préface”, p. 17; Crítica da Faculdade do Juízo. Trad. de Valério
Rodhen e António Marques. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1993, “Prólogo”, p. 11-
12.
26
Idem, AA 05: XX; trad. francesa, “Introduction”, § III, p. 25; trad. brasileira, “Introdução”,
§ 3, p. 20.
27
“A contestação não é o esforço do pensamento para negar existências ou valores, é o
gesto que reconduz cada uma delas aos seus limites e, por meio disso ao Limite onde se
cumpre a decisão ontológica: contestar é ir até o centro vazio onde o ser alcança seu
limite e onde o limite define o ser”. Foucault, “Prefácio...”, p. 238; edição brasileira, p. 34.

Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010 185


ser entendida aqui o mais próximo de seu sentido etimológico como ato de
dividir, é o gesto que vem, por sua vez, interromper aquilo que interrompe
a existência. A transgressão é a decisão como ato de passar além, de ir
mais longe do que se crê possível e, por tal ato, prosseguir com as
descontinuidades ou as decisões: “[...] a transgressão transpõe e não cessa
de recomeçar a transpor uma linha que, atrás dela, imediatamente se fecha
de novo em um movimento de tênue memória, recuando então novamente
para o horizonte do intransponível”.28 Talvez a razão mais secreta e a mais
íntima de uma concepção descontínua da história se esconda aqui: é apenas
fixando limites temporais ao modo de ser da ordem e recusando, ao mesmo
tempo, a ideia de progresso, é que se pode propor um pensamento de
ultrapassagem destes limites, evento ontológico que ganha o valor de uma
libertação nossa em relação à maneira de ser que nos mantém cativos.
Radicalizando, em As palavras e as coisas, as articulações temporais que
estavam supostas na História da loucura, Foucault estende a lógica literária
da transgressão ao pensamento do saber? Neste caso, a desaparição
gradual das rupturas radicais do saber (dos anos 1960) à ética (dos anos
1980) teria liberado a ontologia crítica de sua ligação aos modos de ser da
ordem (das Palavras e as coisas) e, fazendo isso, teria permitido a esta
ontologia de retornar à cena (em textos dos anos 1980, como “O que são as
Luzes?”) com a autonomia que Foucault lhe reconhecia, em 1963. É preciso
olhar mais de perto essa possibilidade.
Seja como for, a ontologia crítica foucaultiana inspirada em Bataille
faz muito mais do que separar a transgressão “de seus parentescos ambíguos
com a ética”. Ela reivindica uma atitude polêmica, ao romper
simultaneamente com o apriorismo kantiano e com a dialética hegeliana.
Ela objeta assim a Kant de ter reduzido a crítica à antropologia: se é verdade
que o esforço para articular “o discurso metafísico e a reflexão sobre os limites
de nossa razão” teve o mérito de abrir a via para um pensamento das linhas
que não poderiam ser legitimamente ultrapassadas, não é menos verdade
que “o próprio Kant acabou por fechar novamente esta abertura ao reduzir,
no final das contas, toda interrogação crítica a uma questão antropológica
[...]”.29 Em seguida, a dialética hegeliana tirará partido desse adormecer do
pensamento e substituirá “o questionamento do ser e de seu limite pelo jogo
da contradição e da totalidade”. 30 Nessas condições, se o problema
importante é aquele das relações entre o ser e seus limites, compreende-se
a crítica de fundo endereçada por Foucault a Kant: na sua empresa crítica,

28
Idem, p. 237; edição brasileira, p. 32.
29
Idem, p. 239; edição brasileira, p. 35.
30
Idem, p. 239; edição brasileira, p. 35.

186 Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010


ele substituiu o ser pelo homem e mais exatamente pela razão do homem,
cuja estrutura transcendental ele quis penetrar. É isso que explica a escolha
feita na Crítica da razão pura, quando Kant separa explicitamente a crítica e
a ontologia, para escolher da primeira, nos seguintes termos: “[...] o título
pomposo de uma ontologia que pretende dar das coisas em geral um
conhecimento sintético a priori numa doutrina sistemática (por exemplo, o
princípio de causalidade), deve dar lugar ao título modesto de uma simples
analítica do entendimento puro”. 31 Este excerto do último capítulo da
“Analítica transcendental” condensa o sentido da clivagem que se produzirá
imediatamente entre a analítica e a dialética compreendida como “lógica
da aparência”.32 Assim, a crítica tem o campo livre para denunciar a vanidade
de toda ontologia.
Deve-se assinalar que, ao escrever isso, Foucault se inscreve,
subrepticiamente, na esteira de Heidegger. Foi Heidegger quem tentou o
acordo entre a empresa crítica e a ontologia tornada fundamental, em Kant
e o problema da metafísica. Com efeito, na conclusão dessa obra,
significativamente intitulada “Ontologia fundamental e crítica da razão pura”,
pode-se ler o seguinte:
Temos o direito, ao interpretar a Crítica da razão pura, segundo a
ontologia fundamental, de nos crer mais sábios que nossos grandes
predecessores? [...] Nossa interpretação da Crítica da razão pura,
inspirada pela ontologia fundamental, não precisou a problemática
da instauração do fundamento da metafísica, embora ela não tenha
obtido êxito em penetrar no ponto decisivo?” 33

É Heidegger que nos vem ainda ao espírito, quando está em questão


recusar a ética em proveito da ontologia crítica. Com efeito, a Carta sobre o
humanismo nos ensina que a ontologia fundamental não se confunde com a
ética clássica, tal como não se confunde com a ontologia da metafísica: “[...]
o pensamento que coloca a questão sobre a verdade do ser [...] não é nem
ética nem ontologia. Daí porque a questão da relação entre estas duas
disciplinas é, neste domínio, doravante sem fundamento”.34 A ética, à qual

31
Kant, Critique de la raison pure. Trad. Trémesaygues et Pacaud. Paris: PUF, 1971. p. 222.
32
Idem, p. 251.
33
M. Heidegger, Kant und das Problem der Metaphysik, GA 3, § 45:
“Fundamentalontologie und Kritik der reinen Vernunft”; Kant et le problème de la
métaphysique. Trad. Waehllens e Biemel. Paris: Gallimard, 1981. p. 300.
34
Über den Humanismus (1946), Vittorio Klostermann, Frankfurt am Main. Trad. Munier,
“Lettre sur l’humanisme (Lettre à Jean Beaufret)”, Questions III et IV. Paris: Gallimard,
1990. p. 119.

Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010 187


Jean Beaufret fazia referência – “[...] o que procuro fazer, há muito tempo”,
escrevia o interlocutor de Heidegger, “é precisar a relação de uma ontologia
com uma ética possível”35 – é, pois, descartada, sendo superficial diante da
ontologia fundamental.
A censura segundo a qual Kant teria submetido todo o seu
empreendimento crítico à antropologia não é também original. Ela se inspira,
provavelmente, na mesma obra de Heidegger que Foucault pôde ler, quando
da preparação de sua tese complementar sobre a Antropologia, de Kant.36
Isso diz respeito também ao papel que o “Prefácio...” concede a Hegel, pois
se encontra igualmente, em Kant e o problema da metafísica, uma ligação
do mesmo tipo entre esses dois filósofos alemães:
[...] que significa, com efeito, o combate que se trava no idealismo
alemão contra a ‘coisa em si’”, se pergunta Heidegger, “senão um
esquecimento crescente daquilo que Kant havia conquistado, a saber,
que a possibilidade intrínseca e a necessidade da metafísica, isto é,
sua essência, deveriam, no fundo, ser levadas e mantidas pelo
desenvolvimento original e pelo aprofundamento do problema da
finitude? Que resta dos esforços kantianos, quando Hegel define a
metafísica como lógica [...]?37

Em suma, e sem pretender aprofundar a relação de Foucault a


Heidegger, vê-se como este último é a fonte de uma inspiração múltipla,
que permite ao primeiro reler uma parte da filosofia moderna por ocasião de
suas observações sobre Bataille.

A recusa da ética transmitida pela tradição da sabedoria


Contra Kant e Hegel, Foucault faz então ressurgir Nietzsche.38 O
recurso ao pensador do Além-do-homem traz junto duas outras figuras
maiores, aquelas da loucura e do suplício:
Mas, se a linguagem filosófica é aquilo no qual se repete
incansavelmente o suplício do filósofo e vê lançada ao vento sua

35
Idem, p. 114.
36
Sobre o estatuto da antropologia filosófica kantiana, cf. Martin Heidegger, Kant und
das Problem der Metaphysik (1929), GA 3, IV Parte, notadamente § 36-38.
37
Idem, § 45, p. 244 (trad. francesa, p. 299-300).
38
“Para nos despertar do sono confuso da dialética e da antropologia, foram necessárias
as figuras nietzschianas da tragédia e de Dionísio, da morte de Deus, do martelo do filósofo,
do Além-do-homem, que chega com passos de pomba e do Retorno”. Foucault, “Prefácio...”,
p. 239; edição brasileira, p. 35.

188 Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010


subjetividade, então não somente a sabedoria não pode mais valer
como figura da composição e da recompensa; mas uma possibilidade
se abre fatalmente [...]: a do filósofo louco.39

O suplício do qual se fala aqui é aquele do sujeito do discurso, como,


aliás, o prova igualmente “o exemplar empreendimento de Bataille, que não
parou de destruir nele, obstinadamente, a soberania do sujeito filosofante.
No que sua linguagem e sua experiência foram seu suplício. Esquartejamento
primeiro e refletido daquele que fala na linguagem filosófica”.40 A loucura,
por sua vez, se opõe à sabedoria, como a transgressão à serenidade e a
desmedida à medida. Em conjunto, suplício e loucura representam “o inverso
exato do movimento que sustentou, desde Sócrates sem dúvida, a sabedoria
ocidental”, na qual era prometida “a unidade serena de uma subjetividade”
à partir de agora cortada em pedaços. E podemos dizer que o “Prefácio...” –
e com ele todo o Foucault da primeira metade dos anos 1960 – colocou uma
contra a outra, uma representação de Nietzsche e uma imagem de Sócrates
com os valores que elas encarnam. Contra o sonho do domínio de si colocado
pela sabedoria ocidental, afirma-se a loucura do filósofo. Esse contraste entre
Nietzsche e Sócrates nos deixa, talvez, no ponto mais oposto daquele que
alcançará Foucault vinte anos mais tarde, pois o afastamento entre o começo
dos anos 1960 e o início dos anos 1980 se liga também à impossibilidade de
manter as reduções que tornaram possível de colocar em antagonismo, não
sem desenvoltura, estas duas personagens. Precisamente, Foucault
descobrirá que falar de um movimento contínuo que, desde a Grécia clássica,
sustentaria alguma coisa como “a sabedoria ocidental”, é apenas, como ele
repetirá mais tarde, lançar sobre essa tradição um olhar superficial.
Para resumir o que precede, diremos que a experiência moderna da
sexualidade, de Sade a Bataille, serve de ponto de partida para uma teoria
da transgressão concebida sob o regime do excesso e da violência, teoria
que desemboca no suplício do sujeito e na possibilidade da loucura. Tal
programa se opõe ao da contração dos limites de si-mesmo, construído sobre
a ideia de ética como dimensão de uma relação de si a si que protege o mais
possível o sujeito das coerções provenientes da vida cotidiana conduzida
num mundo partilhado. Dessa forma, encontram-se sintetizados no “Prefácio
à transgressão” os pontos de divergência que separam o suplício do sujeito,
típico dos anos 1960, e o trabalho ético de si sobre si, característico dos anos
1980. De onde a força exemplar desse artigo que, a propósito de Bataille,

39
Idem, p. 243-244; edição brasileira, p. 39-40.
40
Idem, p. 243; edição brasileira, p. 38-39.

Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010 189


recobre finalmente um leque de problemas, com os quais Foucault jamais
deixou de se debater, desde aquele da localização e do estabelecimento dos
limites do ser até os da crítica, da ética, da sexualidade e do sujeito.
Sobretudo, a sexualidade pode ser considerada, de pleno direito, como
o ponto de ancoragem das duas teorias: uma, da transgressão e do excesso,
teoria ontológico-crítica sem ética; outra, da ascese e da medida, teoria
ontológico-crítica com ética. No “Prefácio...”, está em questão uma concepção
de sexualidade desenhada sob o regime do excesso e da morte, que é tanto
a morte de Deus quanto a do sujeito. O que dá forma à experiência moderna
da violenta ruptura das fronteiras atuais do ser e se reflete na definição de
erotismo como “uma experiência da sexualidade que liga, por si mesma, a
ultrapassagem do limite à morte de Deus”.41 Em troca, no mundo antigo da
ética, a “sexualidade” (embora o conceito mesmo ainda não exista) servirá
de ponto de apoio aos discursos e técnicas de abstinência que visam a
proteger a saúde, a excelência ou ainda a tranquilidade da alma de um sujeito
que se dá a si mesmo certos princípios.
Para apreciar conjuntamente a afinidade e o contraste entre essas
duas maneiras de entrever o mesmo aspecto da experiência, tomemos uma
última passagem do “Prefácio...”: “O século XX terá sem dúvida descoberto
as categorias análogas ao gasto, ao excesso, ao limite, à transgressão; a
forma estranha e irredutível desses gestos sem retorno que consomem e
consumam”. 42 Sabe-se bem que não é nada disso. O que o século XX
descobriu nessa matéria não são essas categorias, nem seu parentesco, mas
uma valorização ontológica de sua conjunção. Note-se (e isto com novas
implicações, graças a Foucault) que esses quatro conceitos já estavam no
centro do pensamento antigo e que eles foram a fonte de diferentes formas
de ética. Que se pense simplesmente no título de um capítulo no centro de
O Uso dos Prazeres: “O ato, o dispêndio e a morte”. Como se vê, em suma, ao
longo de toda a sua obra, Foucault se debateu com a sexualidade não como
um conceito nem mesmo como uma questão geral, porém, como uma esquina
onde se cruzam linhas tão divergentes quanto a ética e sua recusa.
Compreende-se melhor em que medida uma busca das relações de si
a si está na contracorrente da teoria da transgressão e do suplício do sujeito.
A transgressão e a ética antiga estão subentendidas por movimentos contrários.
Assim, nas “obras da loucura”, a transgressão visa a um fora, a um espaço
além dos limites do ser. Em contrapartida, para os gregos e latinos,tratava-se
de um trabalho sobre os limites de si-mesmo. Essas duas forças se dirigem
para espaços opostos. Além disso, a transgressão põe o sujeito em perigo, até

41
Idem, p. 236; edição brasileira, p. 31.
42
Idem, p. 248; edição brasileira, p. 44.

190 Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010


mesmo o esquarteja, enquanto a ética o protege. De certo modo, a ética é a
técnica do homem que teme: a velhice, a desilusão, a doença, a morte. Ela é
uma arte para se proteger contra as infelicidades. Quanto a Bataille, ao rir
dessa experiência, exprime o contrário da sabedoria clássica.
Não obstante, ao lado de sua oposição ou de seu afastamento, é
necessário levar em conta a existência de algumas preocupações comuns aos
textos do início dos 1960 e do princípio dos anos 1980. Todos eles, cada um a
sua maneira, têm relações ora à sexualidade, ora ao ser, ora aos limites, três
termos que se cruzam na proposta de uma ontologia crítica. Dito de outro
modo, seus movimentos podem ser divergentes, mas isso não impede que
eles participem da mesma natureza simultaneamente ontológica e crítica.
Ao separar a ontologia crítica da ética, o “Prefácio à transgressão”
toca nas duas linhas de pensamento que acabarão por conhecer destinos
particulares. Assim, a ética reaparecerá nos últimos volumes da História da
Sexualidade, não mais sob o signo do escândalo ou da subversão, mas, muito
mais sob aquele da austeridade e da ascese. A ontologia crítica, por sua vez,
retornará à cena nos textos e cursos contemporâneos da redação desses
dois livros, onde ressurge o interesse por um pensamento dos limites e do
ser de nós mesmos. O que acontecerá muito nitidamente no artigo “O que
são as Luzes?”, em seguida a uma aproximação entre Kant e Baudelaire.43
Desse modo, Foucault retomará a ideia de um pensamento simultaneamente
ontológico, crítico e ético que ele definirá a partir do ethos pensado à maneira
dos gregos. Contudo, o eco da transgressão à la Bataille estará sem dúvida
muito fraco, para que os leitores de Foucault ainda o escutem.

SARDINHA, Diogo. Michel Foucault’s two critical ontologies: from transgression


to ethics. Trans/Form/Ação, (Marília); v.33, n.2, p.177-182, 2010.

ABSTRACT: In 1963, inspired by Bataille, Foucault proposes a critical ontology based upon the idea
of transgression. This one is neither an attitude nor a behavior, and hence it belongs neither to the
field of ethics nor to the one of morals. On the contrary, transgression is an ontological event which
takes place on the limits of being. In this event these limits are simultaneously violated, revealed and
abolished. Twenty years later, after having returned to classical antiquity, Foucault proposes a new
critical ontology, this time founded upon ethics. In both cases it is a question of thinking about being
and limits. However, if the transgression violently disrupts the subject, ethics forms it and protects it.

KEYWORDS: Ontology. Critics. Ethics. Limits. Subject.

43
M. Foucault, “Qu’est-ce que les Lumières?” (1984). Dits et écrits, IV, p. 562-578.

Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010 191


Referências
FOUCAULT, Michel. Histoire de la folie (1961). Paris: Gallimard, “Tel”, 1996.
______. Préface à la transgression (1963). In: ______. Dits et écrits. Paris:
Gallimard, 1994. t. 1, p. 233-250. Edição brasileira: Prefácio à transgressão.
Tradução de Inês Autran Dourado Barbosa. In: Ditos e Escritos III. Rio de
Janeiro: Forense-Universitária, 2001. p. 28-46.
HEIDEGGER, Martin. Kant und das problem der metaphysik (1929). GA 3;
Kant et le problème de la métaphysique. Trad. Waehllens e Biemel. Paris:
Gallimard, 1981.
HEIDEGGER, Martin. Über den humanismus (1946). Vittorio Klostermann,
Frankfurt am Main. Trad. Munier, “Lettre sur l’humanisme (Lettre à Jean
Beaufret)”, Questions III et IV. Paris: Gallimard, 1990
LACAN, Jacques. Kant com Sade. In: ______. Escritos. Tradução de Vera
Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998. p. 775-803.
KANT, Immanuel. Critique de la raison pure. Trad. Trémesaygues et Pacaud.
Paris: PUF, 1971.
______. Kritik der urteilskraft. AA 05. Trad. Philonenko. Paris: Vrin, 1965.
Tradução de Critique de la faculté de juger.; Crítica da Faculdade do Juízo.
Tradução de Valério Rodhen e António Marques. Rio de Janeiro: Forense-
Universitária, 1993.
WEBER, Max. L’éthique protestante et l’esprit du capitalisme (1904-1905).
Paris: Flamarion, 2002.

192 Trans/Form/Ação, Marília, v.33, n.2, p.177-192, 2010