You are on page 1of 5

Estas mensagens foram enviadas ao STF, através de seu site

oficial, como MANIFESTAÇÃO:

----------------------------------------------------------------------------------------------
Mensagem 1 Thursday, 07 de August de
2008
----------------------------------------------------------------------------------------------
Prezados,
Reproduzo abaixo mensagem encaminhada à Diretoria, à Assessoria
Jurídica e à Assessoria Parlamentar da Associação dos Magistrados
do Brasil, através de seu site oficial:

Sirvo-me Desta para parabenizar a AMB pela Atitude Dígna, merecedora
de TOTAL Estima, Consideração e Respeito.

Lamentamos que Nossa mais "alta corte" não tenha considerado que o
"IMPEDIMENTO" proposto SERIA TEMPORÁRIO, isto é, enquanto não se
terminasse o(s) Processo(s), algo que LONGE, MUITO LONGE, pode ser
considerado como definição de CULPADO.

Mas, fazer o que ? No Brasil de Hoje, uns poucos, arvoram-se à posse do
Direito Constituído, de tal forma, que presumível, DESONESTIDADE
possa ser tratada como HONRA.

Reconhecendo que minhas Petições, calcadas na Constituição da
república Federativa do Brasil, se quer são avaliadas, me vejo na infeliz
situação de não possuir forças, ou mesmo estômago, para digerir
tamanha desfaçatez, com ares de "justiça".

realMENTE, o Brasil vive um "CAOS JURÍDICO" onde "FAZER DE
CONTAS" é sua premissa base.

Aproveito a oportunidade para renovar meus protestos de Estima,
Consideração, Respeito, e um sentimento ENORME DE ORGULHO, por
pertencer a uma Sociedade que dispõe de uma Estrutura formalmente
organizada com Valores Morais e Éticos à serviço desta mesma
Sociedade Brasileira.
Atenciosamente,
Plinio Marcos Moreira da Rocha

----------------------------------------------------------------------------------------------
Mensagem 2 Thursday, 07 de August de
2008
----------------------------------------------------------------------------------------------
Prezados,
Quando um "ministro da mais alta corte Brasileira", que em passado
recente reconheceu, que o Mandato pertence ao Partido e não ao
Parlamentar, o que nos proporciona, o surrealismo de um Parlamentar,
SEM NENHUM VOTO, SER ELEITO, acho que isto é fato no Piauí.
Temos PLENA CERTEZA de que "FAZER DE CONTAS" que ao Eleitor é
FACTÍVEL o PODER DE REJEITAR CANDIDATOS DESONESTOS.....
?Os valores éticos devem pautar qualquer atividade no âmbito
governamental. Somente os eleitores dispõem sobre o poder soberano
de rejeitar candidatos desonestos, mas essa Corte não pode ignorar o
principio da presunção de inocência?, afirmou Celso de Mello.

Infelizmente, este "FAZER DE CONTAS" é a base de "CAOS JURÍDICO"
em que vivemos, e o pior, é que o POVO BRASILEIRO é VÍTIMA
CONSTANTE de estereotipos INDESEJÁVEIS, INDECOROSOS e
INJUSTOS, como "O POVO NÃO SABE VOTAR", em função desta
situação resultante da OMISSÃO PERVERSA de "nossa mais alta corte!.
Lamento pela VIDA de tantos, que de forma, contundente, são
enxovalhados, aviltados, menosprezados, porque não dizer,
DESMERECIDOS, por atitudes calcadas no próprio "achismo" presunçoso
e abjeto.
Abraços,
Plinio Marcos

----------------------------------------------------------------------------------------------
Mensagem 3 Thursday, 09 de August de
2008
----------------------------------------------------------------------------------------------
Prezados,
Espero que, em função do seu "bom comportamento", "Fernandinho
Beira-Mar", não precise ser humilhado, ou mesmo constrangido, em "usar
algemas", uma vez que o "APARATO POLICIAL", com "toda a certeza",
o coloca como:

- Se o preso for de conhecida periculosidade;

Ele esta preso por "chefe de tráfico", logo, sua "periculosidade" não é
relativa a "sua pessoa", e sim ao "seu comando", portanto, qualquer
"periculosidade" que lhe possa ser imputada é por "MANDAR" e não por
"FAZER", quando então, temos a "certeza" de que "sem seus
comandados", Fernandinho, "não é perigoso".

- Se o preso oferecer resistência à prisão ou tentar fugir;

Seu "Bom Comportamento", é de tal forma. contundente, que "obrigou"
o sistema prisional a colocá-lo "fora do Regime Diferenciado", logo, é
inquestionável sua "não resistência" e "total falta de intenção de tentar
fugir".

- Se terceiro oferecer resistência à prisão da pessoa que deva ser
legalmente presa;

Como não é um "Terceiro", este tópico apenas "não se aplica".

- Se o preso tentar agredir alguém ou lesionar a si próprio.

Como esta "fora do regime diferenciado", é inquestionável, que
Fernandinho "não tentará agredir alguem", e muito menos, "lesionar a si
próprio".

Gostaria de ressaltar, que em função do fato de que Fernandinho, não
deveria estar usando algemas em suas "transferências prisionais",
"ACREDITO PIAMENETE", que TODOS os seus Julgamentos em que
esteve algemado, DEVAM SER ANULADOS, como foi o Julgamento do
criminoso condenado por crime TRIPLAMENTE QUALIFICADO, uma
vez que, AMBOS foram de forma contundente e inquestionável, sob a
"ótica jurídica" de nossa "mais alta corte" Constrangidos e Impedidos de
exercer AMPLA DEFESA.

realMENTE, estou com "nossa mais alta corte" e "não abro" !
rsrsrsrsrsrsrsrs

Apenas como reflexão, como devem se portar os Policiais e os
Magistrados com relação ao uso de algemas, afinal, Quem será
Responsabilizado pelos possíveis desdobramentos da "falta de uso das
algemas", uma vez que, estando sua utilização "fora dos padrões" de
necessidades, de entendimento de "nossa mais alta corte", TODO O
JULGAMENTO DEVERÁ SER ANULADO.

Tendo em vista, que para "nossa mais alta corte", a utilização de
algemas por um réu, é constrangimento MAIOR que o próprio ESTAR
SENDADO NO BANCO DE RÉUS, bem como, é inquestionável a sua
consequente DEDUÇÂO de direito à ampla defesa, como deve proceder
um Juiz de Primeira Instância, que poderá ter seu julgamento ANULADO,
por entender, de forma diferente da "nossa mais alta corte" ? Bem como,
Quem deverá ser Responsabilizado, por exemplo, se um Réu, em pleno
Julgamento, conseguir ter acesso à uma arma de fogo e dispará-la contra
qualquer pessoa no Julgamento ? A vítima, provavelmente...

realMENTE, a discussão da utilização das algemas, ALGO
IMPORTANTÍSSIMO, chega à termo, não pela discussão em si, uma vez
que é prática ANTIGA e INDISCRIMINADA, mas pela projeção Social,
Econômica, Funcional, Política e até Cultural que alguns "já algemados"
possuem, de tal forma, que um procedimento, necessário a preservação
do próprio preso, é colocado de forma a ser entendido como
constrangimento, isto é, o constrangimento se dá pelo puro uso de
algemas, e não, pela prisão em si.

Se fosse uma Autoridade Policial, ou mesmo um Magistrado, a partir deste
momento NÃO UTILIZARIA, e NEM PERMITIRIA, em qualquer Hipótese
o uso de algemas, isto é, preferiria ERRAR por MENOS, nunca por
MAIS, uma vez que, por MENOS, NUNCA COMPROMETEREI O
JULGAMENTO.
Entendo que um "algemado", quando as mãos estiverem nas costas, esta
impedido de qualquer reação momentânea, de tal forma, que me é
possível, afirmar que a Autoridade não terá JUSTIFICATIVA para usar
de FORÇA DESPROPORCIONAL, sob qualquel plausível Justificativa,
portanto, antes de constranger, efetivamente, PROTEGE, o preso do
possível ABUSO DE PODER, mas, este entendimento, "FERE DE
MORTE" o "constrangimento" de alguns CRIMINOSOS de "Colarinho
Branco", aqueles que possuem algum poder Econômico, Social,
Funcional, Político ou Cultural.

O uso das Algemas deveria estar, reconhecidamente, tratado como
prática normal onde TODOS são IGUAIS PERANTE à Lei, uma vez que,
o Estado é Institucionalmente Responsável pela Integridade Física,
Mental e MORAL de TODO Cidadão. Colocar que algemas é um ataque a
integridade MORAL, é algo "Dantesco", uma vez que, NADA PODE
FERIR MAIS FORTE QUE À PRÓPRIA PRISÃO, quando então, devemos
reconhecer que a mesma DEVA ESTAR CALCADA no Direito
Constituído.
Abraços,
Plinio Marcos