PEDAGOGIA DO DESPORTO

Curso Motricidade Humana

Modelo de Formação Pedagógica
1ª etapa
conhecimentos e competências técnicas, didáctica da especialidade desportiva prática pedagógica em pequenos grupos, em situações condicionadas, na duração e na complexidade

Modelo de Formação Pedagógica
2ª etapa conhecimentos e competências pedagógicas e técnicas, didáctica da especialidade desportiva, prática pedagógica em grupos-classe, em situações condicionadas, ensino real com alunoscolegas

Modelo de Formação Pedagógica
3ª etapa conhecimentos e competências pedagógicas e técnicas, Pedagogia do desporto prática pedagógica em grupos-classe, em situação de estágio profissional, com grupos reais.

Pedagogia do Desporto - Âmbito
Dotar de um conjunto de conhecimentos em pedagogia que lhes permite uma escolha consciente das técnicas pedagógicas, de forma a poderem actuar no processo de treino, utilizando estratégias de intervenção adequadas. Objecto da Pedagogia do Desporto
Educação ou formação desportiva (Homem). Aplicar de diferentes conteúdos disponíveis de diversas áreas científicas, com o objectivo de potenciar o processo de formação desportiva.

Questões sobre a Eficácia
O que é um processo de treino de qualidade (formação desportiva) ? O que é ser um bom treinador/professor de Desporto ? O que é um bom processo de formação de treinadores/professores de Desporto ?

Eficácia Pedagógica
Manifesta a preocupação de todas as decisões e procedimentos que concorrerem para a superação efectiva das necessidades e insuficiências da

população escolar (alunos/atletas) visada, verificando ainda a dimensão e o grau de consecução dos efeitos educativos alcançados.
(Carreiro da Costa, 1995)

7

Sucesso Pedagógico
Existem comportamentos ou estratégias de ensino que permitam identificar a diferença entre os professores ou treinadores com sucesso pedagógico e os que não evidenciam esse sucesso ?

Existem

relações

significativas

entre

os

comportamentos na aula ou treino e as aquisições dos alunos ou atletas?
(Pierón, 1986)

8

Os professores “mais” eficazes
gerir o tempo da sessão, aumentar o tempo de prática motora específica; proporcionar aos alunos instrução de qualidade científica e técnica, utilizando demonstrações frequentes; apoiar a prática motora com feedback focado nos aspectos críticos do desempenho; obter dos alunos maior empenhamento motor e cognitivo durante as sessões. 9
(Carreiro da Costa, 1995)

Indicadores do processo de ensino eficaz
gestão do tempo (total, útil e de aprendizagem efectiva) gestão dos recursos (humanos e materiais) gestão comportamental (técnicos e praticantes) tarefas relevantes taxas de sucesso e de empenhamento feedback pedagógico (positivo, prescritivo e focado) clima da aula (satisfação, motivação, entusiasmo) planeamento (decisões pré-interactivas, objectivos,
programação)

interacção verbal e não-verbal (comunicação, relação pessoal) questionamento (indicador de controlo das aprendizagens) avaliação regular (coerência do plano, reajustamentos) segurança (qualidade, responsabilidade, profissionalismo)

10

Actividade Educativa
ACÇÃO CONSCIENTE ACÇÃO ORGANIZADA ACÇÃO PARTICIPADA ACÇÃO COERENTE INTENCIONALIDADE PREVISIBILIDADE CONTROLO EFICÁCIA ENSINO
(Carreiro da Costa, 1995)

11

Modelo de Análise da Relação Pedagógica em Desporto (Rodrigues, 1997)
Ensino/reino
PRESSÁGIO • formação inicial • exp. profissional • conhecimentos • motivação • inteligência • personalidade • valores PROGRAMA • objectivos • conteúdos PROCESSO Professores/ Treinadores Alunos/Atletas Pais Funcionários/ Dirigentes Massagistas Médicos PRODUTO Aprendizagens Performances Resultados

CONTEXTO • nível dos atletas • condições materiais • envolvimento

12

Modelo de Análise da Relação Pedagógica em Desporto (Rodrigues, 1997)
COMPETIÇÃO
PROCESSO Treinadores Atletas Adversários Juízes Pais Dirigentes Massagistas Médicos Media Público

PRESSÁGIO • formação inicial • exp. profissional • conhecimentos • motivação • inteligência • personalidade • valores

PRODUTO Rendimento Performances Resultados Classificação

PROGRAMA • objectivos • conteúdos

CONTEXTO • nível dos atletas • condições materiais • envolvimento • regulamentos • institucional

13

Modelo de Análise da Relação Pedagógica em Desporto (Rodrigues, 1997)
VARIÁVEIS DE PRESSÁGIO Características do Professor/treinador que podem exercer influência no processo de treino: – Formação inicial; – Formação contínua; – Experiência profissional; – Motivação; – Inteligência; – Personalidade; – Valores, etc…

14

Modelo de Análise da Relação Pedagógica em Desporto (Rodrigues, 1997)
VARIÁVEIS DE PROGRAMA O professor ao decidir acerca dos objectivos e conteúdos, influencia os seus comportamentos e os dos diversos intervenientes no processo de treino.

15

Modelo de Análise da Relação Pedagógica em Desporto (Rodrigues, 1997)
VARIÁVEIS DE CONTEXTO Condições em que o treino decorre: – Envolvimento; – Equipamento; – Instalações; – Características do atletas:
• • • • • Nível sócio-económico; Estatuto de amador ou profissional; Idade; Sexo; Condição física e motora, etc…

16

Modelo de Análise da Relação Pedagógica em Desporto (Rodrigues, 1997)
VARIÁVEIS DE PROCESSO Comportamentos e interacções susceptíveis de ocorrerem no treino ou na competição: – Comportamento:
• • • • Treinador; Atletas; Dirigentes; Pais, etc…

– Interacções:
• Treinador – Pais • Treinador – Atletas • Treinador – Psicólogo, etc…

17

Modelo de Análise da Relação Pedagógica em Desporto (Rodrigues, 1997)
VARIÁVEIS DE PRODUTO Resultado do processo pedagógico: – Aprendizagem dos atletas; – Efeitos educativos; – Melhoria da condição física; – Melhoria da técnica; – Melhoria da táctica; – Melhoria da condição psicológica; – Performances e resultados das competições.

18

Formação de Treinadores
CONCEPÇÕES Comportamental Socializante Reflexiva
COMPETÊNCIAS Científica
Conhecimento

Pedagógica
Técnica

Intervenção
Aprendizagem

Crítica
Social

Eficâcia
manifesta a preocupação de todas as decisões e procedimentos concorrerem para a superação efectiva das necessidades e insuficiências da população escolar (ou atletas) visada, verificando ainda a dimensão e o grau de consecução dos efeitos educativos alcançados

(Carreiro da Costa, 1995)

UNIDADES EXPERIMENTAIS DE ENSINO
- Evolução da prestação dos alunos - Influência do nível inicial - O empenhamento cognitivo - O empenhamento motor - A apresentação dos exercícios/tarefas

Os professores “mais” eficazes
- gerir o tempo da sessão, aumento o tempo de prática motora específica; - proporcionar aos alunos instrução de qualidade científica e técnica, utilizando demonstrações frequentes; - apoiar a prática motora com feedback focado nos aspectos críticos do desempenho; - obter dos alunos maior empenhamento motor e cognitivo durante as sessões. (Carreiro da Costa, 1995)

SUPERVISÃO PEDAGÓGICA
#1 - O ensino eficaz implica manipulação das técnicas de ensino #2 - A supervisão pedagógica é também um processo de ensino #3 - A observação sistemática qualidade da supervisão aumenta a

SUPERVISÃO PEDAGÓGICA

- actividade sistemática e intencional com o objectivo de melhorar as técnicas pedagógicas no ensino da Ed. Física e do Desporto (Metzler, 1990

Indicadores do processo de ensino eficaz
- gestão do tempo
- gestão dos recursos - gestão comportamental - tarefas relevantes - taxas de sucesso e de empenhamento - feedback pedagógico - clima da aula - planeamento - interacção verbal e não-verbal - questionamento - avaliação regular - segurança (Metzler, 1990)

ACTIVIDADE EDUCATIVA
ACÇÃO CONSCIENTE ACÇÃO ORGANIZADA ACÇÃO PARTICIPADA ACÇÃO COERENTE INTENCIONALIDADE PREVISIBILIDADE CONTROLO EFICÁCIA ENSINO (Carreiro da Costa, 1995)

Pedagogia do Desporto - Bibliografia
Bento, J.O. (1995), O outro lado do Desporto, Campo das Letras Editores, Porto Franco, S. & Santos, R. (1999), A Essência da Aeróbica. Edições ESDRM. Rio Maior. Rodrigues, J. (1997), Os treinadores de sucesso, Edições FMH, FMH-UTL,Lisboa Sarmento,P., Veiga,A., Rosado,A., Rodrigues,J. & Ferreira,V. (1998), Pedagogia do Desporto. Instrumentos de observação sistemática da Educação Física e Desporto, F.M.H., Serviço de Edições, Lisboa Sarmento, P., Rosado, A & Rodrigues, J. (2000), A Formação de Treinadores Desportivos, Edições ESDRM, Rio Maior. Desporto.Investigação e Ciência - Revista de Científica da ESDRM – Edições ESDRM sebenta de apoio 03/04

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful