As 9 Disciplinas da Oratória

Por: Delirose Ramos

1. INTRODUÇÃO
Fonte: www.desertoresdaescada.com

Figura 1 – Problemas de Comunicação no trabalho

Na atualidade, mais do que necessária, a boa comunicação é imprescindível nas relações, ter conhecimento, habilidade e vontade de fazer é ótimo, porém, ser capaz de divulgar com qualidade tudo isso é extraordinário. A deficiência em opinar ou expor trabalhos em reuniões pode passar a imagem de incompetência e, o que é pior, não raramente essa imagem é absolutamente equivocada. Em regra, nos preocupamos com a nossa oratória quando ela está prestes a ser avaliada, seja nas apresentações de trabalhos acadêmicos, alguma palestra ou mesmo uma entrevista de emprego, porém, o que não sabemos é que nossa capacidade de comunicação é avaliada o tempo todo, seja na conversa com os amigos, no convívio com a família, ou em qualquer outro momento de interatividade, quanto melhor nos expressamos, menos corremos o risco de sermos mal-interpretados.

Fonte:www.desertoresdaescada.com

Figura 2 – Comunicação e Interpretação

A menos que haja intencionalidade, a oratória deve obedecer alguns princípios que vão muito além de boa apresentação, domínio do tema e qualidade vocal. Comunicar-se bem é uma arte e como tal deve prender a atenção do público. O bom orador sobe ao palco para convencer, seduzir e encantar sua platéia.

2. AS 9 DISCIPLINAS
O PMI – Project Management Institute – Relacionou 9 disciplinas essenciais ao andamento de um projeto (conforme figura a seguir). Neste conceito, cada disciplina deve ser monitorada particularmente, porém, cada uma delas tem igual importância no todo de modo que, embora haja primazia no controle de cada uma, o que realmente garantirá o sucesso do projeto será a perfeita sinergia entre todas as disciplinas do processo. Fonte: PMI

Figura 3 – As 9 Disciplinas do PMI

De forma similar, a Oratória também tem alguns aspectos que podem ser reunidos em 9 tópicos. Esses aspectos reúnem vários conceitos que sozinhos não são capazes de levar o Orador ao sucesso, mas que, uma vez reunidos, farão toda diferença na apresentação. Adaptando-se o trabalho do PMI ao campo da Oratória, podemos reunir outras nove disciplinas essenciais, conforme quadro a seguir.

Figura 4 - As 9 disciplinas da Oratória

Assim

como

as

disciplinas

de

projeto,

estas

também

individualmente pouco representam, mas precisam estar harmonicamente interligadas para valorizar o discurso do Orador.

1.LIDERANÇA
Liderar significa dirigir pessoas, na qualidade de líder, para alcançar um resultado, ou seja, na linguagem popular, dar rumo aos processos. A liderança para o Orador consiste em manter a atenção da platéia sobre si do início ao fim da apresentação. Isso pode ser facilitado com o desenvolvimento de algumas características pessoais, quais sejam, empatia, tranqüilidade, segurança, equilíbrio emocional, dentre tantas outras capazes de provocar credibilidade no público ao qual se pretende atingir.

2.ARGUMENTAÇÃO
A boa argumentação tem o hábito da leitura como seu pilar principal. Quanto mais lemos, mais estamos antenados com as pessoas à nossa volta. Ler, não só em quantidade, mas principalmente em qualidade, nos deixa informados, amplia o nosso vocabulário, nos apresenta novos assuntos e diferentes pontos de vista. A melhor maneira de iniciar uma

argumentação é levar o discurso para o mesmo nível de linguagem da platéia, mas sem esquecer de que o Orador não é platéia, e como tal, deve estar atento a um ponto em especial: por mais popular que seja o discurso, ele deve sempre se ater à utilização correta da língua em que se fala.

3.GESTÃO DO TEMPO
Esse conceito resume-se basicamente em dois aspectos: clareza e objetividade. O Orador precisa ter plena consciência do tempo de sua apresentação, e isso só será alcançado se a apresentação for bem planejada, com definição clara do tema e abordagem objetiva. A Objetividade consiste em se comunicar de forma sintetizada, sem grandes floreios, procurando sempre ir direto ao ponto. Porém, ir direto ao ponto não deve se limitar a expor um tópico e apresentar um conceito, o Orador deve se expressar com clareza, em prol do melhor entendimento da platéia, o retorno preciso aos principais temas não deve ser mal visto.

4.MARKETING PESSOAL
É a sua marca pessoal, trata-se da forma como você vende o seu principal produto: Você. E para se vender bem, é necessário que a sua saúde esteja em dia, que você procure melhorar o seu currículo sempre, deve-se ter zelo pela própria aparência, boa postura, boa dicção, um aperto de mãos com intensidade adequada (nada de mão frouxa e nem pensar em quebrar os dedos do outro), entre outras inúmeras qualidades que farão as pessoas se sentirem bem em se relacionar com você.

5.QUALIDADE DA VOZ
É claro que você não precisa ter a voz mais linda do mundo para atender esse requisito. Ter qualidade de voz durante a apresentação começa pelos cuidados com o seu sistema vocal, consultar um fonoaudiólogo, melhorar a dicção, procurar pronunciar corretamente as palavras, trabalhar a leitura correta, fazer exercícios de aquecimento e desaquecimento, dentre outros. Tratar bem a voz fará com que ela não o abandone quando você mais precisar.

6.AUTO-CONTROLE
Ao contrário do que muita gente pensa, o auto-controle não é uma característica inata, uma pequena prova disso está no fato de que as pessoas possuem diferentes níveis de auto-controle no decorrer de suas vidas. Baseiase na preferência psicológica por uma recompensa futura em detrimento de um prazer presente. Por exemplo, encarar um microfone e uma platéia pode até parecer uma tarefa insuportável, mas a expectativa do reconhecimento pelo trabalho bem-feito supera o comodismo de não fazer a apresentação. Autocontrole, para o Orador, significa sobrepor a “frieza” ao medo em prol do objetivo final, ou seja, de uma apresentação bem-feita.

7.EXPRESSIVIDADE
Por que cantamos canções de ninar quando queremos que uma criança adormeça? Porque essas canções possuem ritmo suave e constante, e embora isso até possa soar agradável aos ouvidos, dá sono. Para que o público não adormeça, é necessário muita expressividade. A Expressividade na Oratória consiste no conjunto de artifícios utilizados para quebrar o ritmo. Um desses artifícios é a mudança de entonação da voz para as palavras chaves, outros artifícios bastante utilizados são a variação da expressão facial de acordo com o texto e o uso de gestos e olhares. Por sinal, olhar nos olhos do público faz toda diferença nas apresentações, o público quer ser visto e olhá-lo significa dizer “estou falando para você”. Expressividade é o que mantém o público acordado. Em outras palavras,

8.DOMÍNIO DO TEMA
Nunca, em hipótese alguma, fale sobre um assunto do qual você não tenha absoluto domínio. Evite, sempre que possível, improvisações. Não é à toa que se diz que o treinamento leva à perfeição. Procure sempre falar sobre assuntos que lhe são amigáveis, estude muito sobre o tema e treine, treine bastante, antes das apresentações.

9.INTEGRAÇÃO
Como já dizia o ditado “Uma andorinha só não faz verão”, o mesmo ocorre com as disciplinas da Oratória. O Orador até pode ter maior domínio sobre uma ou outra disciplina, mas jamais poderá abrir mão de qualquer uma delas. A harmonia entre o todo é que fará toda diferença.

3. CONCLUSÃO
A Oratória reúne vários aspectos que, embora possam ser treinados e controlados individualmente, somente farão a diferença quando apresentados em conjunto. A harmonia do todo é o que fará a diferença.

4. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
WWW.desertoresdaescada.com WWW.expressivo.com.br WWW.psicologiaeciencia.com.br WWW.oglobo.com Notas de aula do curso de Oratória

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful