You are on page 1of 75

Curso Avançado

Programa :

1- Psicologia dos movimentos:


2- Ondas de Elliot : teoria e utilização pratica:.
3- Operando gaps; gaps escondidos, Dia de exaustão.
4- Identificando topos e fundos. Dias amplos.
5- Padrões Menos conhecidos: Movimento arredondado; BARR; Cup with Handle; Alargamento
Reto; padrão AB=CD;Ondas de Wolfe; Three drives pattern , Megafone
6- Customizando indicadores:
7- Novas técnicas – Linhas de referencia; Ifr : ajustes, medias e outras visões; Divergências:
Reversões Positivas e reversões negativas; Advanced Breakdown; Analise de padrões no
indicadorAvaliando Rompimentos:
8- Táticas de Position
9- As 4 fases básicas do mercado.
10- Avaliando a saúde de uma tendência:
11- Operando tendências: Falsas entradas, apertões, saídas tardias, saídas precoces, suportando
retrações; retângulos dentro de tendências. Estilos de realização. Táticas operacionais de
position – Metodologia Stormer. 1.1 – Tática das duas semanas; 1.2 – tática da barra de
exaustão. 1.3-tática do ponto continuo;1.4 – Tática do Ifr ajustado; 1.4- Tática da latinha
chacoalhada 1.6 –Como entrar depois de atrasado; 1.5 – Setup do retângulo. Táticas de
múltiplos prazos operacionais: 3.1- Tática da media móvel deslocada;3.2-Tática Fechou fora
fechou dentro;3.3- Ponto de cataclismo. .;4.4 – Tática do Harami
12- Realizações parciais

13- Táticas operacionais de swing trade:

1- Conceito de Swing trade;


2- Suportes sólidos ou ponto de cataclismo;
3- Tática de guerrilha;
4- Usando a BB : Barras em escadaria, tobogã, cabeça no teto, pe no chão, fechou fora fechou
dentro.
5- Ciclo 3-5-7;
6- Tática da Sombra Inferior;
7- Tática de contra tendência;
8- Operações Intra-Day:

a- Tática da primeira Hora;


b- Tática do ponto de pivot Expandido;
c- Tática da correção Limpa;
d- Usando as medias moveis no intradia.

Conclusão.
Sábado
1- Psicologia dos movimentos
2- Psicologia do trader. Plano de Negocio.
3- Elliot
4- Conduzindo a operação. 70-30, 50-50 e manejo de estope.
5- Analise de volume e volatilidade.
6- Identificando topos e fundos.
7- As 4 fases básicas do mercado . Operando tendências
8- Operando gaps; gaps escondidos e dias de exaustão
9- Customizando Indicadores : IFR e medias.
10- Reversões positivas e negativas.
11- Avaliando Rompimentos.
12- Rotina Operacional Swing trade
13- Exemplos de metodologia.

Domingo
1- Táticas operacionais de position – Metodologia Stormer. 1.1 – Tática das duas semanas; 1.2 –
tática da barra de exaustão. 1.3-tática do ponto continuo;1.4 – Tática do Ifr ajustado; 1.4- Tática
da latinha chacoalhada 1.6 –Como entrar depois de atrasado; 1.5 – Setup do retângulo.
2- Táticas Operacionais de Swing trade – 1.1- tática da Sombra inferior; 1.2 – tática de Guerrilha;
tática contra tendência.
3- Táticas de múltiplos prazos operacionais: 3.1- Tática da media móvel deslocada;3.2-Tática
Fechou fora fechou dentro;3.3- Ponto de cataclismo. .;4.4 – Tática do Harami
4- Exemplos de metodologia.
Curso Avançado:

Táticas operacionais de position – Metodologia Stormer

O trader precisa operar a periodicidade que lhe é conveniente conforme seu estilo de vida, sua
disponibilidade de tempo , sua personalidade e seus objetivos com o mercado. Dito isso, passo a
apresentar a forma operacional que utilizo para meus trades. Como não desejo e não quero ficar olhando o
mercado todos os dias da semana, como desejo fazer outras coisas da minha vida do que ficar grudado na
tela de um computador e , por entender que para a correta aplicação das táticas de swing trade há
necessidade de acompanhamento full time do mercado, desenvolvi essa forma de operar. Que é rígida em
termos de setups de entrada e de saída, flexível conforme as condições de mercado e puramente tolhida de
emoções. A idéia ao formar esse estilo operacional era de produzir um método replicável por qualquer
pessoa, consistente, isento de emoção, intuição ou qualquer ferramenta individual. Um método que
pudesse ser facilmente compreendido pelas pessoas e que, ao mesmo tempo, detivesse um elevado índice
de acerto. No mesmo sentido, o método precisaria requer mínimo consumo de tempo do trader, para que
este ficasse livre para viver sua vida, atender sua família, trabalhar ou realizar aquilo que tivesse vontade.

Antes, vamos abordar uma ferramenta importante para o position que é o fura teto e o fura chão.

Fura-teto:
Para identificar um rompimento verdadeiro de uma resistência no semanal, marcamos o
suporte da congestão, a resistência da congestão. Calculamos sua amplitude.
Multiplicamos a amplitude da semana por 0,14. Teremos o resultado, que deverá ser
adicionado à resistência. O preço resultante é aquele no qual o mercado precisará fechar
acima em qualquer dia da semana que vem para realmente ter rompido a resistência da
semana previa.

Cálculo: [(Máxima – Mínima) x 0.14] + Máxima da semana.

Assim, fica estabelecido que qualquer dia na semana que se inicia que feche acima do
fura teto calculado poderá estar orientando compra no after-market, ou na abertura
do dia seguinte.Esse é o nosso ponto de ação na semana seguinte. Ficaremos
olhando todos os fechamentos da semana seguinte até que algum dia da semana
feche acima desse preço e nós possamos montar a nossa entrada.

Fura-chão:
O sistema de stop fura-chão é um sistema muito sensível de stop que pode ser
utilizado de duas formas:
1– Calculando a amplitude de uma congestão formada por mais de um candle
semanal (essa forma é mais segura e ao mesmo tempo obtém um stop mais longo);
2– Calculando o fura-chão de uma única semana. A primeira idealmente como stop
de entrada após ter iniciado uma operação. A segunda forma é ideal para deixar um
stop muito curto no ativo que estivermos comprados quando este se aproximar de uma
resistência antecipada.
Stop de posição comprada =
Mínimo – [(Máximo – Mínimo) X 0.14]

O coeficiente 0.14 é o fator de ajuste identificado.

Podemos colocar nosso estope abaixo do fura chão, ou abaixo simplesmente da mínima
da semana. Nosso stop fica nesse ponto ou logo abaixo. Lembre-se: se o nosso stop cair
em cima de um número redondo, não coloque nesse valor. Assim sendo, supondo que
fizemos o cálculo e o resultado foi R$ 5,00. Não coloque o stop exatamente em cima do
valor redondo R$ 5,00, coloque em R$ 4,93. Isso por que? Porque, à medida que os
preços se aproximam de um numero redondo, esse número, psicologicamente, serve de
imã ao mercado. Então, se um preço se aproxima de R$ 5,00, o teste desse número
redondo é muito provável. O mercado segue caindo até bater nesse número e ali
encontrar suporte.
Da mesma forma para cima. O IBOVESPA subindo, se aproximando dos 30.000
pontos, leva todo o mercado a querer “ver” esse teste e ir subindo até ali. Ao atingir esse
valor, entra a força de venda, e o mercado sente o número. Os números redondos,
psicologicamente, funcionam como importantes suportes e importantes resistências.
Por exemplo: Quando vemos um trader pesado ordenar uma compra forte, ele o faz da
seguinte maneira: “Compra tudo até os R$ 50,00!” Não se um trader ordenar: “Compra
tudo até R$ 49,73!” Mesmo quando se trata de um trader menor no mercado, que pensa
em comprar uma ação de valor próximo dos R$ 7,40. Sua idéia de venda é arredondada
para perto de um número redondo tipo R$ 9,00 ou R$ 10,00.
Exatamente por isso, nossos stops não devem ser compostos de números redondos, mas
sim de números fragmentados.

Risco de negócio é quando você perde parte de um capital empregado em uma operação
planejada, estruturada e programada.
Quando um trader compra um ativo, ele entende que ele está fazendo um negócio. E
nesse negócio, como em todos os negócios, existe um risco.
O trader tem que entender que toda a operação iniciada, toda a operação iniciada
sempre inicia no prejuízo. Ou seja, ao abrir uma posição, você já está perdendo. O que
você já está perdendo? Os custos de corretagem com certeza, o custo do stop também
deve ser considerado perdido. Uma vez entendendo que o risco do negócio feito nessa
operação é o valor que existe entre o ponto em que foi efetuado a compra e o ponto
onde se encontra o seu stop, o trader começa a entender o conceito de manejo de risco.
Agora vamos falar de horário:
“Decisões rápidas são decisões inseguras” Sophocles.

Primeiro, procurei remover todas as decisões “rápidas” feitas sem planejamento ou durante o pregão.

Assim sendo, todas, repito TODAS as decisões se vou comprar ou não um papel durante a semana que
vem são tomadas no final de semana. No sábado de manhã, quando realizo minhas analises de preparo.
Sempre as realizo no mesmo horário, criando uma rotina para tal. No meu caso, sempre estudo os gráficos
as 09:30 hs da manha de sábado, para estudar e planejar tudo o que farei ou não na próxima semana. A
decisão é tomada com o mercado parado. Isso me dá tempo de, entre um gole e outro de café, pensar
exatamente no que farei.

Segundo
“ Manifeste objetividade,
Abrace a simplicidade,
Reduza o egoismo ,
Tenha poucos desejos”
Lao Tzu ( 694 BC – 531BC )

Muito bem, segunda rotina que programei busca exatamente o que Lao Tzu preconizava para a vida como
um todo. Objetividade, simplicidade e poucos desejos. Objetividade, ao analisar um gráfico irei buscar
exatamente aquele setup que havia combinado comigo mesmo ( apresentarei eles a seguir) . Se o ativo
não estiver formando nenhum dos setups que adotei, não tenho nada para fazer no mercado na semana
seguinte. Simplicidade, os setups que utilizo são extremamente simples e rapidamente identificáveis a
olhos até mesmo menos treinados. Se o setup não saltar aos olhos de uma criança é porque ele não está lá.
Poucos desejos, em minha rotina somente avalio 5 ativos , para operar. Posso analisar outros papeis, mas
operar, apenas aqueles mesmos 5, que são os mesmos há mais de 5 anos. Isso me dá um poder de análise
muito mais profundo. Aquele que tenta operar todos os ativos, acaba sem conhecer profundamente
nenhum deles. E essa recomendação estenda para vocês, operem a menor quantidade possível de ativos.

Terceiro
“O homem superior é modesto em seu discurso, mas vigoroso em suas ações”
Confucius ( 551 BC – 479 BC)

O terceiro conceito entra no mérito da ação. Uma vez identificado o que tem que ser realizado na semana
que vem, devo agir quando chegar a hora. Assim sendo, se decidi comprar um ativo na semana que vem
se este romper o fura teto da semana anterior. Vou olhar o ativo todos os fechamentos da semana seguinte
, esperando que feche um dia acima do preço que havia estipulado. Quando isso ocorrer, tomarei o ativo
no after market, no leilão de abertura do dia seguinte. Se o rompimento ocorreu durante o pregão e estou
presenciando o termino do dia já com preços indo acima do meu estipulado, posso entrar no leilão de
fechamento mesmo. Aqui resta colocar que a leitura de jornais, revistas e fóruns pode muitas vezes
inadvertidamente nos contaminar com medo ou ganância excessivas, que por sua vez, podem nos impedir
de seguir o plano raciocinado durante o final de semana. Então, a metodologia é esta.
1- Planejamento no final de semana, dos pontos de entrada, do stop e da quantidade de lotes a ser
adquirida.
2- Acompanhamento durante as semanas que estiverem próximas ao acionamento da entrada, de todos os
fechamentos do dia. Para identificar o dia em que será executado o trade.
3- Uma vez identificado o dia que acionou entrada eu observo qual foi o dia da semana em que ocorreu o
sinal.
Se tiver ocorrido na Segunda feira, efetuo entrada com metade da posição que o manejo de risco permitia
e deixo para tomar mais 1/3 na sexta se confirmar a entrada.
Se tiver ocorrido na terça, quarta ou quinta eu compro apenas dois terços do que o manejo de risco
permitiu.
Se ocorrer na sexta feira, é o único momento em que tomo a quantidade integral permitida pelo manejo de
risco.
A planilha operacional que utilizo calcula o fura teto e o fura chão de forma muito efetiva e rápida. Além
disso, ela fornece o manejo de risco e a quantidade de ações que poderia ser adquirida.

Quarto principio: Uso o stop no tempo.


Ao iniciar uma operação, eu executo a entrada, coloco stop loss de 100% do trade, coloco stop gain de
70% da posição. Após entrar, eu sei que o trade vai terminar em três pontos possíveis : 1- no meu stop
loss ; 2- 70% no gain e o resto a conduzir; 3- na terceira semana, se o trade não evoluir.
Se entrar em um trade e o ativo ficar três semanas se enrolando, nem subindo nem stopando, eu no final
da terceira semana saio do ativo na sexta feira.
Durante esse período que estou dentro, não vou mais olhar o ativo, justamente para não atrapalhar o trade.
Ou seja, depois de comprada posição, coloco os stops automáticos (ligo o piloto automático) e não boto
mais a mão no manche para não atrapalhar o vôo.

Visto isso, vamos agora abordar os setups que mais utilizo:

Primeiro alguns conceitos úteis:

O mercado se movimenta basicamente em 4 fases:


Até hoje não consegui encontrar um sistema que operasse bem todas as fases do mercado. Usualmente
alguns sistemas são ótimos para fase 1 e 3 , enquanto outros são ótimos para fase 2 e4.

Operando tendências:
Como position eu gosto muito de operar tendências. São estáveis, auferem excepcionais lucros e são de
facílima identificação. Ao visualizar uma tendência de alta no semanal, eu coloco para mim mesmo o
seguinte compromisso: “vou operar todos os recuos que esse ativo fizer daqui para frente.”

Porém, as tendências parecem fáceis de serem operadas, mas carregam algumas armadilhas bem
maldosas.

“Apertões”
A primeira armadilha que se encontra ao operar uma tendência é o apertão.

Ou seja, logo após uma entrada ter sido acionada o ativo é empurrado para baixo, muitas vezes chegando
a violar fundo anterior, sem ter saído da tendência de alta em si. Nesses momentos de retração do
mercado, normalmente as péssimas noticias estão no ápice para nos fomentar a vender aquele ativo e
cometer o erro de não suportar o período de recuo.

Exemplo: note que mesmo na alta da csna3 de 170% em 220 dias houveram 4 situações de stress, em que
o mercado tentou tirar das nossas mãos o ativo tão duramente conquistado. As setas mostram esses
pontos. Pergunto aos senhores: “vcs teriam stopado nesses pontos?”
A terceira seta é a mais malvada, em que o ativo chega a perder o fundo anterior, em uma enorme barra
de queda. Difícil não estopar ali não é?

Sim e não.

Se o trader está comprado em todo o lote integral, realmente será difícil para ele suportar esse recuo. Mas
se ele utilizou a técnica 70-30 ou a técnica 50-50, ele já teria realizado parcialmente seu lucro. O resto
estaria com o stop extremamente confortável e ele poderia se dar ao luxo de esperar um pivot de baixa no
semanal, algo que ainda não ocorreu no ativo.

E por isso , aqui saliento: meu sistema NECESSARIAMENTE usa saídas parciais. Compra sempre tem
alvo de venda de 70% do trade assim que o ativo tiver uma subida de 8%. O resto fica com o estope
original de entrada até que o papel faça um pivot de baixa no semanal.
“Realizar cedo demais”
Outra dificuldade que operar tendências carrega é o habito de realizar lucros muito precocemente.
Quase impossível ao ser humano não realizar esse erro. Visto o medo, a incerteza e a necessidade de
“garantir o dinheiro” serem inerentes a todos os humanos.

Novamente o sistema 70-30 cobre esse erro e retira ele de pauta. Uma vez comprado o papel,
imediatamente coloco Stop gain e loss de 70% da posição. E stop loss dos outros 30%, sem gain.

“dinheiro parado”
Grande equivoco que ocorre, é justamente após a venda no lucro a necessidade imperiosa de “não deixar
o dinheiro parado”. Essa necessidade, impede que a pessoa espere uma boa oportunidade liquida e com
isso o trader acaba entrando em outro ativo, que quase certamente estará em topo. No momento em que o
papel dele esta no novo ponto de compra ele não tem capital para comprar.

A forma como driblo esse problema é nunca comprar um papel que não esteja no meu setup programado.
Meu setup programado me impede de comprar topos.

Ciclo 3-5-7 :
É condição comum ao mercado corrigir determinada quantidade de candles, para depois mudar o
movimento. Então, muitas vezes vemos o ativo subindo 5 semanas seguidas, para então começar a
corrigir 3 semanas. Dessa forma, no final da terceira semana em seguida em uma direção eu já começo a
esperar uma correção. Se não consegui realizar ainda os 70% ( algo difícil de ocorrer em três semanas de
alta), eu trago o stop desses 70% para a mínima da ultima semana menos o fura chão. Na quinta semana,
provavelmente, já fechei 70%. Mas passo a olhar com atenção esperando a correção. Ativo em alta que
cumpra 3 semanas de baixa, passa a me interessar dramaticamente. 5 semanas , fico ainda mais excitado.
7 semanas, começo a salivar.

Agora vamos ao primeiro Set up que quero apresentar para vocês:

1- Duas semanas de queda.

Esse setup é muito simples. Procuro ativo que estejam em tendência de alta no semanal. Topos e fundos
ascendentes. Preços acima da media de 21 semanas e das 55 semanas. Tendo visualizado isso, eu espero
uma semana de queda. Ao visualizar isso, não faço nada. Mas no sábado de manha ao verificar que a
segunda semana de queda ocorreu, eu pego os dados dessa semana, para calcular fura teto e fura chão
para a semana que vem. Passo a esperar que um dia da semana que vem feche acima do fura teto para
tomar o papel. Com estope no fura chão e com alvo de vender 70% do trade após 8% de alta do ativo. O
Resto fica até pivot de baixa.
Caso a semana que vem não rompa o fura teto, eu pego os novos dados e recalculo o novo ponto de
entrada com os dados da ultima semana. Reajustando entrada, estope, lotes pelo manejo de risco e alvo.

Veja no exemplo da CSNA3. A segunda semana de queda acionou o padrão. Passei a calcular todos os
finais de semana o possível ponto de entrada. O stop, o alvo e os lotes. A compra foi acionada apenas 3
semanas depois do setup ser armado, no primeiro exemplo. No segundo exemplo apenas 4 semanas após.
Mas perceba como valeu a pena esperar pelos setups.
2- Barra de Exaustão

Essa barra ou candle é excelente para reverter um movimento prévio com imenso potencial.
O setup é fácil. O mercado esta fazendo um movimento de direcional agudo. Pode ser para baixo ou pode
ser para cima. Idealmente com barras estreitas. Mas o exemplo que tenho aqui tem barras maiores.
Seqüência no caso de barra de exaustão de venda:
1- Mercado vem em queda aguda.
2- Mercado abre uma semana com um enorme gap de baixa;
3- Mercado fecha a semana próxima da máxima da semana.
4- Volume forte durante essa semana.
5- Ainda deixando um gap aberto na parte esquerda, fortalece o sinal.
6- O romper da máxima dessa semana na semana seguinte aciona minha entrada com meu estope
na mínima dessa semana.
7- Alvo de fechar 70% com 8% no bolso e o resto com um pivot de baixa.
Observe o exemplo na GGBR4 grafico semanal. A abertura em enorme gap de baixa, o volume forte.
Essa tática é interessante para oferecer uma entrada contra a tendência.Ela também funciona bem nos
prazos menores, no gráfico diário.

O padrão é raro.
O mercado estava fazendo um movimento direcional prolongado. O mercado abre em gap muito longo
favorável ao movimento que o mercado vinha fazendo.
O ativo durante esse dia reverte e começa a subir forte, fechando perto da máxima do dia. Não fechando
completamente o gap aberto e de preferência com forte volume.
Esse padrão também recebe o nome de barra de exaustão.

Veja o exemplo na Btow3. o trade é iniciado no dia seguinte ao romper a máxima do candle
que deu o sinal, o stop fica na mínima desse candle. O alvo de swing meu como sempre 3,5%
acima do preço de entrada.
3- Tática do Ponto Continuo

Apresento essa tática no livro, pois é um dos setups mais confiáveis que utilizo. O set up é fácil, imediato
e simples. Consiste em posicionar uma media móvel de 21 semanas exponencial. Aguardar o recuo do
ativo até a media móvel de 21 semanas. Esperar a formação de um candle de reversão no semanal.
Na semana seguinte ao romper o fura teto da semana que se formou em cima da media, efetuo a entrada e
coloco estope abaixo do fura chão dessa mesma semana.

Importante nesse setup esperar o rompimento correto do fura teto. Caso ocorra a perda da media de 21
semanas, o mercado irá deslizar para a próxima media, a de 55 semanas.
1.3 – Tática do Ifr ajustado:

Essa é uma ferramenta altamente interessante, que oferece a entrada nos fundos de cada ano e a venda nos
topos de cada ano. Portanto, é um sistema que uso para trades mais prolongados. Trades que terão em
media 270 dias.
A idéia é observar em que nível de ifr o ativo executa seus fundos no passado, incorporando essa zona
como sobre vendido. Observar em que nível de ifr o ativo executou os topos no passado e incorporar essa
zona como sobre comprado.

Usando esse tático na vale, observe o efeito. Teríamos sobre vendido em 37.00 e sobre comprado em
83.50. Normalmente, eu espero o ativo chegar à zona de sobre-venda e ali eu realizo uma entrada tímida,
com o stop no fura chão da semana previa. Deixo para comprar mais agressivamente no romper do fura
teto da semana que atingiu a zona de ifr sobre vendido.
Essa tática pode ser usada em qualquer prazo operacional .
1.4- Tática da latinha chacoalhada:

Muitas vezes identificamos o mercado dentro de uma congestão. Com barras de lado e indecisão. Logo a
seguir vemos o ativo romper forte para um dos lados. Ou para cima, ou para baixo. Não seria ideal entrar
no inicio daquela enorme barra que usualmente rompe as congestões para um desses lados?
Eu faço, ou tento fazer isso da seguinte forma. Antes de o ativo explodir para um dos lados, arrebentando
a lateralizacao e retornando a um forte movimento direcional, ele precisa cumprir uma atitude. Essa
atitude é diminuir sua volatilidade. Essa diminuição de volatilidade com elevado volume, denuncia que
compradores e vendedores empataram tecnicamente. Esforçaram-se muito, mas não levou o preço a lugar
algum. Uma dessas duas forcas desiste e reverte posição.
Assim sendo, a política é ao verificar o ativo em uma tendência lateral, ou congestão, começar a medir a
distancia entre máxima e mínima de cada candle. Quando tivermos um candle que apresente a menor
distancia entre a máxima e a mínima dos últimos 4 candles dentro da congestão, teremos o sinal esperado.
Podemos esperar para semana seguinte um movimento vigoroso para um dos lados.
A partir disso, marcamos máxima e mínima dessa barra que gerou o sinal. Na semana seguinte, ao romper
para um dos lados, estaremos assumindo posição junto com esse movimento, com o stop na posição
extremidade oposta. ( ex. se a posição foi de compra por ter rompido a máxima da semana da latinha,
estope fica na mínima da semana da latinha)
Observe no índice futuro a tática descrita. Tivemos dentro do retângulo uma semana que teve a menor
amplitude entre máxima e mínima das ultimas 4 semanas. A perda da mínima na semana seguinte aciona
forte venda, com estope de recompra acima da máxima da semana estreita.

1.6 –Como entrar depois de atrasado.

Digamos que você estivesse observando um padrão há varias semanas, esperando o rompimento de uma
zona.
Mas ao chegar no final de semana em casa, você vê que ocorreu um rompimento, mas com uma barra
enorme no semanal. Como proceder?
Comprar a qualquer preço na semana seguinte? Pouco razoável.
O que eu faço ao verificar isso é colocar e marcar a retração de fibonacci da barra enorme da semana.
Marcando a retração de 50%, na segunda feira coloco antes do leilão de abertura uma ordem de compra
nesse preço. Esperando que um recuo do mercado ao longo da semana traga os preços ate a retração de
50% da semana previa.

O stop dessa posição fica na retração de 0,618.

Olhe o exemplo na BBAS3.

Rompeu a congestão, com enorme barra.


Marquei a retração de 50% e deixei a ordem ali. Foi executada, coloquei estope na retração de 0,618%.

Obviamente que alguns centavos abaixo da retração de 0,618.


Quase estopado, mas funcionou muito bem. O trade evoluiu e eu pude comprar por um preço muito bom,
quase a mínima da semana.

1.5- Setup do retângulo em topo.

Esse setup é muito interessante, pena que menos freqüente. Mas enfim, basicamente consiste em
procurar um retângulo formado com fina amplitude ( menos de 10%) e posicionado próximo ao topo
histórico do ativo. Idealmente esse retângulo precisaria de dois meses de formação ( oito semanas).
Marcar a zona de resistência e NÃO perder esse rompimento. Stop fica no fura chão da barra anterior
a semana que rompeu.
Esse é o padrão, simples e gigantescamente efetivo. O trade geralmente em questão de duas semanas
já nos oferece a rentabilidade desejada.

Realizações parciais e Técnica de Prazo Hibrido:

Uma das grandes dificuldades de se capturar grandes movimentos de alta de prazo maior é
justamente o medo de quedas que possam nos inferir prejuízo, ou então tomar muito do nosso lucro
já obtido.
Uma maneira de aliviar esse medo e, ao mesmo tempo, permitir o aproveitamento dos grandes
movimentos é realizar parcialmente as operações.
Então, ao efetuar uma entrada, por algum dos setups que apresentei, eu imediatamente calculo pelo
manejo de risco a quantidade de lotes possíveis utilizando a planilha que apresentei. Depois eu
imediatamente ploto a ultima perna de alta alternadamente, para obter o alvo em que irei VENDER
70% do trade executado. Após entrar no ativo, coloco stop loss da posição integral no local
planejado. E coloco stop gain de 70% do trade no alvo planejado.
Essa venda parcial, permite que depois de executada, o stop loss original dos outros 30% fique
exatamente no local de origem. Posso daqui para frente ficar muito tranguilo , pois esse trade não ira
mais ser deficitário, mesmo que seja acionado meu stop loss original nos outros 30%. Dessa forma,
fico livre para esperar a confecao de um pivot de baixa no semanal.O que pode levar muitos meses,
talvez anos para que ocorra. Enquanto isso, estarei comprado em 30% da posição, sem risco. Se ao
longo do tempo fui realizando outras compras, então terei varias posições de 30% , com múltiplos e
independentes stops, todos eles sem risco, pela realização dos 70% já no alvo.
Dessa maneira, olhe a Csna3 abrindo uma entrada pelo rompimento do fura teto da semana previa.
Note a expansão da ultima perna de alta plotada para cima. O alvo foi preeenchido já na mesma
semana mesmo. O resto do trade fica sem risco.

Outra tática que é possível, é a seguinte: Ao executar a entrada eu marco coloco a venda de 70% do
trade 8% acima do preço de entrada que consegui. Isso automaticamente encerra o risco da operação
ao ser executada essa venda.

Táticas operacionais de Swing trade:


2.1- tática da Sombra inferior; 2.2 – tática de Guerrilha;3.3- Ciclo 3-5-7; 3.4- tática de contra tendência;
3.5- tática do rompimento;
Swing trade consiste em compras e vendas em um prazo operacional que não ultrapasse 5 dias. Ao iniciar
um trade nesse estilo, eu termino a operação em três pontos possíveis: 1- No alvo ( usualmente 3,5%
acima do meu preço de entrada) ; 2- No stop loss ou 3- No quinto dia útil.
Quando opero como swing trade, eu não compro um papel que já subiu. Não entro em barco que já esta
andando. Eu compro MEDO. Compro suporte, de preferência suporte MUITO forte. Então, busco trades
que tenham estopes curtos, com suportes sólidos.
Para isso precisamos ter em mente, muito claramente, quais serão as ferramentas que usaremos como
suporte nítido.

Eu uso:
1- Fundos anteriores respeitados;
2- Topos anteriores rompidos;
3- Retração de 0,38 , 0,50 e 0,618 da ultima alta.
4- Linha de tendência de alta.
5- Media móvel de 21 dias e de 55 dias.
6- Ponto de pivot expandido, com suportes de PPE.
7- Numero redondo.

Assim sendo, meu trabalho como swing trader consiste em examinar o mercado após o fechamento,
procurando por ativos que tenham caído até perto do suporte esperado. Ao visualizar esse ativo nesse
ponto, dentro de uma tendência de alta, eu posso assumir entradas eventuais no after market, ou na
abertura do dia seguinte.

Então aqui a política minha é : “entro rápido, saio mais rápido ainda, não dando tempo para o mercado
pensar o que que eu fiz”

Nesse ponto entra minha primeira tática.

2.1- Tática da Sombra Inferior –

A tática consiste em procurar o ativo em cima de um suporte no diário. Quanto mais forte for o suporte
mais sólido será a tática. Quanto mais longa for a sombra inferior, mais importante será o sinal.
Assim sendo, ao localizar o suporte do gráfico diário sendo perfurado por uma sombra inferior longa,
temos a tática sendo empregada.
Basta então esperar no dia seguinte o rompimento da máxima do candle que furou o suporte com sua
sombra inferior.

A presença de volume forte potencializa o sinal.

Observe no gráfico exemplificado. Temos o ativo no TERCEIRO ( lembra do ciclo 3-5-7) batendo no
suporte dado pelo fundo anterior e terminando o dia como uma sombra inferior furando o suporte.
Volume forte.
Plano agora seria esperar o rompimento da máxima desse candle, no dia seguinte, para então executar a
entrada, com estope na mínima da sombra e alvo de 3,5% ou matar no 5 dia, o que ocorrer primeiro.

A mesma tática pode ser empregada para baixo. Quando temos uma sombra superior furando uma
resistência. Basicamente o conceito por trás da tática é de que o mercado ameaçou perder o suporte, ou a
romper a resistência durante aquele dia, mas houve entrada de forca na direção oposta, que segurou os
preços.

Tática simples e efetiva. Porém, como defeito necessita do trader a identificação da zona de suporte e de
resistência, bem como a parcimônia de efetuar a entrada somente quando ocorrer o rompimento.

Essa tática pode ser empregada no prazo operacional de position. Com a mesma configuração.
2.2- Tática de Guerrilha:

Um bom swing trader procura operar contra uma forca cansada. O swing trader entende que o combate
entre as forcas cansa ambos os lados, mas também entende que empurrar muito a outra forca para longe
também é cansativo.
Essa tática eu derivei do Oliver Vélez, um dos maiores traders vivos atualmente.
Assim sendo, candles muito grandes, com ampla variação entre abertura e fechamento desgastam a forca
que atuou no candle. Se for um candle de alta, desgasta a forca de compra. Se for um candle de baixa,
desgasta a forca de venda.
Dessa forma, ele pode se aproveitar desse cansaço.
Tudo o que ele procura é em um papel com alta liquidez e muitos negócios/dia, encontrar uma Mega-
barra-ultra-astronomica. Essa barra tem seu corpo duas vezes maior que o corpo dos candles anteriores.
Os candles anteriores são da mesma cor que a mega-barra.
Se essa mega barra ocorrer no 3, no 5 ou no sétimo dia consecutivo da direção mais potente ainda.
Note o exemplo no futuro. No 5 dia de queda, ocorreu uma barra que tem mais de duas vezes o tamanho
dos corpos das outras barras.
Essa barra, com enorme volume, chama a atenção do swing trader. Que irá operar na barra seguinte.
A abertura

A idéia dele será olhar a abertura do dia seguinte e atuar na ponta da compra se os pontos forem
acionados.
A abertura seguinte só pode ocorrer em três posições possíveis:
1- Abre abaixo do fechamento do dia anterior.
2- Abre dentro do corpo do dia anterior.
3- abre acima da abertura do candle anterior.

Na primeira hipótese:
A compra começa quando o preços forem subindo e romperem o preço de fechamento da mega barra para
cima. . Nessa situação, compro o ativo, coloco alvo de 3,5% imediatamente de venda acima do meu preço
de compra e stop na mínima desse dia. Se o ativo não chegar no meu preço de venda, nem no meu preço
de stop, no terceiro dia depois da compra eu fecho tudo ao melhor preço possível.
Na segunda hipótese:
Abrindo dentro do corpo, irei esperar e marcar máxima e mínima da primeira hora do pregão. Rompendo
a máxima da primeira hora para cima eu irei comprar o ativo, colocar o alvo 3,5% acima do preço tomado
e estope na mínima da mega barra. Também aqui, se não bater em nenhum dos dois extremos em três dias
eu termino o trade.

Na terceira hipótese:
Após sair do leilão acima da abertura da mega-barra, eu imediatamente compro o ativo. Esse é o bear
trap. Coloco estope na retração de 0,61 da mega barra ultra astronômica.

O exemplo a abertura ocorreu um pouco abaixo do fechamento da mega barra. Ao romper para cima
efetuo entrada, estope na mínima do dia que rompeu.
Aqui um exemplo de mega barra que a abertura seguinte foi no cenário 2. O trade resultou no lucro já no
mesmo dia.
Perceba que para que a tática de compra seja mais forte ainda, os dias anteriores tem que ser de queda. Os
vendedores precisam estar cansados.

A mesma tática pode ser empregada para a venda. Sendo que nesse caso, obviamente o candle de aviso é
uma mega-barra-ultra-astronomica de alta, depois de vários dias de alta.
Aqui também os cenários para a abertura do dia seguinte são três:
1- Abre acima do fechamento e perfura de cima para baixo.
2- Abre dentro do corpo, se espera a primeira hora, na perda dessa mínima inicia a venda.
3- Abre abaixo da abertura da mega barra, executo venda imediata, com recompra acima da
retração de 0,61 da mega barra.

Em todas elas também o alvo fica sendo 3,5% de ganho, ou stop loss , ou fechar no terceiro dia após
iniciado o trade.

Tática contra tendência:

Muito bem a idéia aqui é bater no cego cansado, com dor de dente.
Ou seja, operar contra uma forca completamente exausta.
Para isso uso os seguintes artifícios.
Primeiro Ifr, precisa estar abaixo ou perto do nível de sobre vendido ajustado do ativo.
Segundo o ativo tem que ter conseguido formar 8 fechamentos consecutivos um abaixo do outro.
São oito fechamentos em que o ultimo fechamento esta abaixo ou no mesmo nível do fechamento
anterior.
Vendo isso, algo muito raro. O trader agressivo entra comprando na abertura do nono candle. Com estope
na mínima do oitavo candle. Precisa coragem, mas o stop é barato.

Veja o exemplo, oito fechamentos seguidos em queda.


Orientada entrada na abertura do próximo candle.
A entrada tem como vantagem pegar uma turma vendida muito cansada.Um estope barato. A dificuldade
desse setup é que vai contra o sentimento do mercado inteiro, que é de pânico.

5- Táticas de múltiplos prazos operacionais: 3.1- Tática da media móvel deslocada;3.2-Tática


Fechou fora fechou dentro;3.3- Ponto de cataclismo. .;4.4 – Tática do Harami
Táticas multioperacionais:

Com o tempo fui avaliando táticas e percebi que algumas poucas podem ser usadas nos mais diversos
prazos operacionais.
Assim sendo, reuni algumas que uso de rotina em qualquer prazo, semanal, diário ou 60 minutos.

Tática da media móvel deslocada:

Essa tática foi descrita pelo Joe Di Napoli, um excepcional trader. A idéia é usar uma media móvel de 3
periodos, exponencial, deslocada em 3 periodos. Essa media posta dessa maneira, tem tres funções.
Primeira serve de trailing - stop móvel de qualquer operação seja comprada ou vendida. Segunda se os
preços acima da media móvel, configuram tendência de alta e devemos favorecer compra. Preços abaixo
da media móvel, traduzem tendência de baixa e devemos favorecer venda.
Bom, mas agora vem a parte interessante. Ao encontrar um topo, no mesmo nível do topo anterior ( não
necessariamente no mesmo nível, podendo ser um pouco acima.. ou idealmente um pouco abaixo do topo
prévio) vamos procurar por um sinal chamado “dupla penetração”
A seta 1 mostra a primeira penetração dos preços..que vinham acima da media de 3 deslocada e
penetraram para baixo. O próximo dia em que o fechamento for abaixo da media móvel de três deslocada,
irá acionar a venda.

Olhe agora.
Tivemos o fechamento desse dia abaixo da media. Isso aciona minha venda para o próximo dia.
A que preço vender e quando?

Eu normalmente faço o seguinte. Pego a perna de baixa que acionou a segunda penetração. E ploto uma
retração de fibonacci. Deixo uma ordem de venda um pouco abaixo da retração de 0,38. com estope de
recompra acima da retração de 0,618.

Nesse exemplo seria assim:

A venda ficaria dormindo em 42970, a recompra de stop seria acima de 43280. Também deixo
combinado que se a mínima do dia que acionou a venda for perdida a qualquer momento iniciarei a
posição vendida, com metade do manejo de risco permitido, ficando a outra metade para a retração de
0,38 em caso de repique.
Vamos seguir :
Vejam que a queda foi rápida e sem o repique.. Assim sendo tive que vender na perda da mínima, metade
do que planejava.

Meu alvo nesse setup vai depender do prazo em que o visualizei.


Como mencionei esse é um setup que funciona muito bem em todos os prazos.
Portanto uso ele de forma indiscriminada.
Se for para position meu alvo é 8% para cima, ou para baixo.
Se for como swing trade 3,5% para cima ou para baixo.
Se for day trade 0,5%.

Agora detalhe, se o stop meu colocado na retração de 0,61 do movimento for acionado, eu vou recomprar
a venda e dobrar na compra..pois nesse caso o setup se inverte e os vendidos recomprando enfiaram o
mercado para cima.

Agora vamos ver um exemplo para alta:

1- Dois fundos no mesmo nível, ou em níveis próximos.


2- espera a primeira penetração para cima da media, fica parado.
3- Deixa penetrar ( fechando um candle ) de novo para abaixo da media de 3 deslocada, fica parado.
4- No próximo candle que fechar acima da media teremos o sinal de entrada.
5- calculamos retração de 0,38 do movimento que fez a dupla penetração. Colocamos ordem de compra
ali, com estope na retração de 0,618.

No futuro ainda tivemos um duplo fundo, seguido de uma dupla penetração.

Traçamos as retrações, colocamos as ordens.


Os exemplos mostrados são no gráfico diário. No semanal e no 60 minutos funcionam muito bem.

Tática fechou fora fechou dentro.

Essa tática é bem versátil e dá sinais com relativa Constancia., seu índice de acerto é elevado,acima de
80% na petr e na vale. Esse setup independe da tendência corrente do ativo, assim como o anteriormente
descrito.
Funciona da seguinte forma: Colocamos a banda de bollinger. Quando visualizarmos o ativo fechando
dois candles seguidos abaixo da banda inferior da bollinger, vamos esperar um candle que retorne a ter
seu fechamento acima da banda inferior.
Quando tivermos isso, vamos executar a entrada quando o candle que fechou dentro das bandas, tiver sua
máxima rompida pelo candle seguinte. Meu estope fica abaixo da mínima do candle que fechou fora da
banda inferior por ultimo.
O exemplo acima ocorreu na cruz3, fechou fora dois dias, depois um candle fecha dentro. No seguinte
rompe a máxima, entrada, estope e alvo em 3,5% de alta após a entrada.

Ou seja , um setup visualmente fácil de ser identificado e que basicamente opera contra uma forca
cansada.

Também funciona muito bem no semanal.Podendo ser usada a tática da retração para entradas atrasadas,
ou esperar a perda da mínima do candle que fechou dentro de novo.
No gráfico de 60 minutos, temos também o setup aparecendo e sendo muito útil.
Tática do ponto de cataclismo.:

Bom, o conceito de ponto de cataclismo é universal. Ele pode ocorrer em qualquer prazo operacional, nos
permitindo operar esse padrão. A idéia é esperar que o ativo forme um candle de reversão em cima desse
ponto de cataclismo, ou muitas vezes, colocar uma ordem de compra esperando perto daquele preço, com
estope muito próximo.

Assim sendo, como encontrar os pontos de cataclismo?


1- Procure ele sempre perto das medias de 10, 21 ou 55 periodos.
2- Trace Ltas;
3- Trace suportes horizontais;
4- Trace fibonaccis;
5- Procure numero redondos;
6- Suporte 1 ou dois do PPE;
7- Banda inferior da Bollinger;

Olhe a sadia, esta em tendência de alta no diário, fez um recuo que veio ate a retração de 0,38, linha de
alta e suporte 4 do PPe, alem disso no 5 dia seguido de baixa. Um swing trader agressivo pensa em
compra, estope na mínima desse dia.
Essa tática é mais subjetiva, mais complexa e necessita de maior analise, portanto eu que não gosto de
subjetividade, não a utilizo com freqüência. É mais afeita aos swing traders.

6- 4.4 – Tática do Harami

Bom, o harami é uma tática tão simples e ao mesmo tempo tão efetiva. Eu o utilizo-nos mais diversos
prazos operacionais, independente da tendência do papel. Ao verificar um harami tenho três pontos de
compra possíveis: o primeiro quando o candle seguinte romper o preço de fechamento do filhote.; o
segundo quando o candle seguinte romper a máxima do filhote e o terceiro quando o candle seguinte
romper a abertura da mãe. Em todos os stop esta abaixo da mínima da mãe.
O alvo ira depender do prazo operacional.

Para se ter uma rápida idéia, esse setup no semanal tem os seguintes índices de acerto ( alta maior que 8%
após rompida máxima do filhote) de 1997 até 2007:

Petr4 = 93%
Vale5 = 66,67%
Alll11 = 100%
Bbdc4 = 100%
Csna3 = 72,22%
No diário tem as seguintes ( alta de 3,5% após romper máxima do filho) de 2006 ate 2007 :
Petr4= 66.67 %
Vale5 = 83.33%
Bbdc4 = 81.25%
E no intraday seu índice de acerto fica em torno dos 80% também.

Ou seja, usando bom manejo de risco, creio quê se pode ganhar bom dinheiro com ele.

Eles são imensamente potencializados se em cima de um cataclismo, mas a estatística que tenho não
conta isso. Nem tendência.

Tática da Media de 9 períodos:

Colocamos uma media de 9 periodos , exponencial no nosso gráfico.


Esperamos essa media virar para cima. Quando isso ocorrer, marcamos a máxima do candle que produziu
essa virada. Ao romper essa máxima no candle seguinte, tenho minha entrada, estope na mínima do
candle que fez a virada. O mesmo setup pode ser operado para venda. Se espera uma virada da media de
9 para baixo. Marca-se a mínima do candle que produziu essa virada. Quando essa mínima for perdida
nos candles seguintes inicia a operação vendida.

Abaixo temos algumas operações iniciadas por esse padrão:

Tatica da media de 9 modificada:


Com a media de 9 virada para baixo, vamos procurar sinais de venda.
Nesse caso, esperamos um candle que FECHE acima da máxima do candle prévio. Quando isso ocorrer,
marco a mínima desse candle e quando ela for perdida inicio a venda. Se não perder no candle seguinte e
a media de 9 continuar caindo, marco a venda para próxima mínima.
Tatica da media de 9 virada para baixo:
Quando tivermos três fechamentos ascendentes. Com a media virada para baixo, temos venda na perda da
mínima desse terceiro candle. Alvo é a ultima perna de baixa projetada alternada para baixo.

No seguimento:

Esse setup pode ser efetuado na ponta comprada, sendo exatamente o contrario dos setups de venda.
Estrategias de Position:
Utilizamos gráficos semanais, mais confiáveis, estáveis e funcionais em termos de
amplitude.
Manejo de risco recomendado, não ultrapassar 2% de risco em cada operação.
Primeiro setup utilizado é o do IFR e sua virada.
Descrição do setup : Com o índice de forca relativa em 14 caindo eu acompanho todo o
final de semana, para verificar se ele virou para cima. Se no final de semana identificar
que este virou para cima no gráfico semanal, eu coloco minha ordem de entrada assim
que houver um único negocio acima da máxima da semana em que ocorreu a virada.
Meu Estope de perda fica abaixo da retração de 0,61% da semana que o IFR virou para
cima. Meu alvo fica 8% acima do ponto de entrada.

Note que pelo setup outra entrada teria sido feita no mês de Maio de 2007.

Segundo Setup:
Descricão:
O segundo setup utiliza uma seqüência de ocorrências.
São dois candles reunidos. O primeiro candle de baixa com fechamento o mais próximo
possível da mínima. O segundo candle tem que cumprir as seguintes regras para
configurar entrada no próximo candle: 1- Tem que abrir acima do fechamento do candle
1; 2- tem que fechar acima da máxima do candle 1 e 3 – Não pode ter mínima abaixo da
mínima do candle 1.
Uma vez reunidas todas essas regras, temos o setup de entrada.
A minha entrada ocorre no romper da máxima do candle 2. Com estope posicionado na
retração de 0,61% dessa barra rompida. Alvo fica 8% para cima. Importante mencionar
que esse setup normalmente marca fortes viradas de mercado. Podendo ser operado e
visualizado para baixo. Nesse caso, com a situação invertida.

Terceiro setup:

Rompendo a máxima da semana previa, com estope na retração de 0,61 da semana


rompida. Usando alijar o risco calculado pela planilha e o resto tendo alvo de vender em
8% de alta.

Quarto setup:
Iguana : visualizando uma semana que tenha feito a mínima das ultimas 4 semanas e
que tenha fechado acima do percentil 75% da semana. Estabeleco compra imediata na
abertura da semana que vem , na retração de 50% da iguana, com estope na retração de
0,61% dessa semana . Se não conseguir comprar nesse preço, entro ao romper a máxima
da iguana de alta.

Pode ocorrer iguana de baixa.

Quinto setup : fechou fora fechou dentro.


Usando bandas de 20 com 2 desvios..e aritmética. Espero uma semana que feche acima
da BB superior..e a semana seguinte fechando dentro. Ao perder mínima, tenho venda
alugada ou trava de baixa ou lançamento dentro do dinheiro.
Opero Tb o fechou fora fechou dentro para cima. Nesse caso compra acima da máxima
que fechou dentro. Com estope na mínima do candle que fechou fora..usando PAR e ao
bater em 8% vou levantando stop pela mínima de cada semana na sexta feira.

Sexto Setup:

Compra do rompimento da máxima da semana previa, APENAS se IFR de 14 menor


que 50.

Nesse caso, não usa Ponto de alijar risco..e leva todo o trade até os 8% de objetivo.

Setimo Setup: Realizacao Frustrada


Em uma tendência de alta eu espero três candles que tenham a seguinte sequencia:
baixa, alta e baixa.
Marco máxima e mínima desse conjunto. Ao romper a máxima eu compro, estope na
mínima e alvo a amplitude dos três candles para cima.
Oitavo Setup: Fura teto.
Em um ativo em tendência de alta eu espero que o papel cumpra duas semanas de
realização. A partir da segunda semana eu vou marcando o fura teto. Quando tiver um
dia que FECHE acima do fura teto eu compro no after, com estope na mínima e alvo
para fechar todo o trade em 8%.

Nono setup : Segunda penetração.


Media móvel de 3 deslocada. Com os preços vindo abaixo da media, espero que feche
um candle acima da media. Depois fico esperando novo fechamento abaixo da media. ,
desde que não perca o fundo anterior..se o ativo vier a por uma segunda vez fechar
acima da media de 3 eu compro o papel na semana seguinte, tentando comprar perto da
retração de 50% do movimento que fez essa segunda penetração, com estope na retração
de 0,61 e alvo sendo a expansão de 161 da primeira perna que fechou acima da media.
10 setup :
Media de 9.

Coloca a media de 9 no gráfico. Quando ela virar para cima, marca a máxima do candle
que fez isso..quando essa máxima for rompida aciona entrada, stope na retração de 0,61.
Alvo depende do prazo..se diário 3,5% semanal 8% e Day trade 1%.

11 Setup:
Com media de 9 apontando para baixo, espero um candle que feche acima da máxima
do candle prévio.. marco essa mínima , quando ela for perdida aponta a venda. Alvo
ultima perna de baixa alternada para baixo.
12 setup :
Media de 9 caindo... espero três fechamentos um mais alto que o outro..marco a minima
do terceiro candle..e quando ela for perdida toco na venda, estope na máxima. Alvo
ultima perna de baixa alternada para baixo.

13 setup : retângulo diário


Um retângulo que tenha mais de dois meses de duração no diário. Compro no
rompimento. Alvo sendo 1,61 do retângulo para cima.

14 setup ; So no semanal Harami.

Espero um harami se formar e compro o rompimento do filhote com estope na mínima


do conjunto e alvo 8% para cima. Sem Ponto de alijar risco.

Todos os setups admitem uma semana de atraso no acionar do setup.


Exceto o realização frustrada que pode ser acionado MESES depois.

Ultimo setup..
Espero candle de reversão..com longa sombra inferior...furando um dos suportes do
Ponto de pivot expandido.. e marco a máxima dessa semana e ao romper executo
entrada com estope na mínima e alvo 8% para cima.
Sobre o Uso do Estope e de Estopes Moveis:
Muito bem, qual a verdadeira finalidade de um Stop?
Existem basicamente duas funções principais em um Stop. A primeira: “ limitar perdas
em um ativo quando da mudança de tendência do papel”. Esta muitos dizem ser obvia,
mas poucos utilizam de fato dessa forma. Usando dessa maneira, jamais levantaríamos
o stop antes de termos um fundo acima do anterior. Com isso, executaríamos nossa
entrada, depois apenas subiríamos o stop depois de alta e de uma queda que o ativo
fizesse dentro da tendência de alta.Apenas acionando o stop se ocorresse um pivot de
baixa.

Assim sendo, no exemplo, executamos a entrada, colocamos estope loss e esperamos o


movimento a seguir que deve ser de alta, seguida de baixa, sem perda do fundo anterior.
Depois disso, formação de fundo acima do prévio, com consecutiva colocação do novo
estope abaixo desse novo fundo.

Note o novo fundo se formando, podemos colocar nosso estope loss agora nesse novo
fundo.
Quando e se o ativo fizer novo ciclo de alta e depois novo recuo, nosso estope sobe para
esse novo fundo formado.

Novamente, mudamos o estope para esse novo ponto. Lembro aos amigos que um fundo
é um fechamento precedido de dois fechamentos mais altos e seguido de dois
fechamentos acima também.

Aí está nosso estope tendo sido acionado. Note, aqui usamos o conceito de só levantar o
estope se houver um novo fundo formado, com isso sairemos do ativo apenas se esse
fundo for perdido. Um método simples, porém efetivo para nos deixar dentro do papel
enquanto sua tendência for de alta.
A grande dificuldade que existe aqui é agüentar os períodos de recuo, de forma serena,
impassível e observadora. A única forma de conseguir isso é com um adequado uso do
manejo de risco.
Mas a maior parte das pessoas não consegue usar esse principio lhes faltando à
serenidade necessária. A duvida que sempre existiu é : “como levantar o stop na
velocidade e na distancia apropriada para que eu proteja a posição e saia do mercado
apenas quando esse iniciar um processo corretivo maior?”
Buscando essa resposta se criaram ferramentas de stop-movel. Ou seja, ferramentas que
nos indicariam quando levantar o stop e para qual distancia.
A primeira ferramenta existente é o Parabolico ou SAR, criado por J Welles Wilder.
Uma ferramenta que faz parte de inúmeros sistemas automáticos e que tem uma
consistência muito interessante.
O estudo plota pontos abaixo ou acima do preço corrente. Esses pontos são o local onde
o stop deveria estar. A regra de uso sendo muito clara: Quando os preços caem
ABAIXO do SAR, precisamos fechar a posição. Bem como assumir compra quando os
preços forem para acima do SAR.
Detalhe muito importante é que essa ferramenta precisa que o ativo esteja em tendência
direcional para que funcione adequadamente. Ou seja, precisa estar em tendência de
alta ou de baixa.
Vamos ver como o SAR se sairia no exemplo da Petr dado?

Ok, podemos perceber que o ativo estava em tendência de alta, podemos notar também
que o uso do SAR nos possibilitou uma saída cerca de 1,05% melhor do que o modelo
anterior.
O bom desse indicador é que tem boa margem de confiança nos mais diferentes prazos
operacionais. No semanal, seu uso é bem interessante. Note que aqui coloquei o gráfico
em linha e podemos ver que nos momentos de lateralização ele perde eficácia, passando
a assumir enorme importância nos momentos de tendência direcional.
Muitos acusam o SAR de ser relativamente lento. À medida que o movimento vai
perdendo seu impulso direcional, o SAR vai aumentando sua velocidade de subida para
que possa se aproximar dos preços mais rapidamente.
O problema é que em mercados com maior volatilidade, os movimentos mais amplos
não dão tempo suficiente do SAR se aproximar e com isso, torna-se menos efetivo.

Logo, o cenário ideal de utilização dessa ferramenta é em um mercado em tendência


direcional, com volatilidade media ou baixa.
Algo normalmente visto em papeis de segunda linha, como SLCE3 , FJTA4, FFTL4.
Exemplo nesses ativos :
Na Slce3 vemos como a ferramenta capturou boa parte do movimento, nos retirando
apenas quando foi necessário.
Note na FFTl4 abaixo:

Belíssimos movimentos muito bem capturados pela ferramenta.

Novamente é VITAL... muito importante que o ativo esteja em topos e fundos


direcionais. Senão o uso é ruim. Podemos usar o gráfico de linha para decidir se existe
tendência, ou as medias mais curtas.
Outras ferramentas podem ser empregadas: como o HILO, a media de 3 deslocada, o
VSS, o Stop Safe zone e no prazo semanal o Fura Chao. Semana que vem falaremos de
cada um deles com calma.

Tenham todos uma ótima semana,


Alexandre Wolwacz

Paz e Prosperidade.
Three Line Bar – método de identificação de reversão de tendência
Estamos hoje em dia com um mercado mais volátil, instável e complexo que no inicio
do século passado. A quantidade de traders técnicos e de sistemas automáticos e de
métodos desenhados tornaram o mercado uma estrutura diversa daquela vista nos
tempos anteriores.
Em vista disso, precisamos de alguma forma observar mudanças de tendência de uma
maneira mais ágil e precoce do que o clássico pivot de alta.
Sendo assim, um trader americano chamado Joseph B. Stowell desenhou um método
rápido, dinâmico e interessante de identificar a mudança de uma tendência.
Mudando tendência de baixa para tendência de alta:
1- Com o mercado caindo, procure a barra que fez a menor mínima.
Marcar essa como barra número 1. Marcar a máxima dessa barra.

2- Compare essa máxima com a máxima mais recente que encontrar


antes desta. Marcar essa barra como número 2.

3- Procure a máxima imediatamente maior que a máxima da barra


número 2. Essa é a barra número 3. Sendo a máxima dessa barra a
linha que reverte a tendência de baixa para tendência de alta.

Assim que fechar uma barra acima dessa linha tem a virada da tendência.
Desconsideramos qualquer inside Day.
Se fizer nova mínima temos que modificar a linha three.

Temos o exemplo do mercado no momento atual.

No sentido inverso, para mudança para tendência de baixa:

1- Mercado subindo, procuramos a barra que tenha a maior máxima.


Marcamos sua mínima e a chamamos de barra 1.

2- Procuramos a mínima imediatamente inferior e chamamos essa barra


de numero 2.
3- A partir dessa procuramos mínima imediatamente abaixo da barra 2.

4- Essa é a barra 3 e assinalamos em sua mínima a Three Bar line.

Fechando abaixo dessa linha a tendência de alta reverte para baixa.

Método simples e efetivo de localizar um possível momento de mudança de tendência.


Abracos a todos os amigos.
Paz e prosperidade
Alexandre Wolwacz – Stormer
Acumulação e Distribuição:

Vários indicadores existem hoje para nos mostrar o fluxo de volume dentro de um
determinado ativo. A idéia desse tipo de indicador seria perceber momentos em que o
volume se acumula no ativo, antes que os preços se desloquem. Buscando dessa forma
divergências clássicas entre o preço e o indicador.
O primeiro indicador criado foi o OBV em 1963 feito pelo Joe Granville. Esse
indicador é simples. Ele adiciona o volume do período quando o fechamento é positivo
e subtrai quando o fechamento é negativo.

O acumulação e distribuição (AC/DD) foi criado pelo Marc Chaikin. No OBV se


compara o fechamento de hoje contra o de ontem, para se verificar qual deveria ser a
atitude. Se fechar acima de ontem se adiciona. Porem, mesmo que o dia tenha sido de
forte alta, mas fechado abaixo do dia anterior, no OBV o volume seria subtraído.
No Ac/dd se ignora a mudança de um período para o outro. Observa-se a ação do preço
para cada barra. Procurando verificar onde foi o fechamento em relação à máxima do
período.
Utiliza-se essa formula abaixo para verificar o Valor de fechamento:

( ( (Fech - Min) - (Max - Fech) ) / (Max - Min) ) = Valor de fechamento

Assim sendo, se fechar na máxima o resultado seria 1.


Se fechar na mínima temos -1 como resultado.
Se fechar no intervalo terá algum valor entre -1 e 1.
Esse resultado será multiplicado ao volume do período.

Basicamente, ao utilizarmos essa ferramenta procuramos por divergências altistas e


baixistas.
Importante que essas divergências tenham um período mais prolongado de duração. De
preferência, varias semanas a meses.
Exemplos:

Note a Petr4 semanal. Trabalhando de lado e se movimentando em um retângulo nos


preços. Note porem o acumulação sendo cada vez mais alto e já tendo inclusive
rompido o topo anterior.
Esse movimento deve deixar o trader muito alerta para o rompimento da resistência dos
preços e quando isso ocorrer, a idéia seria permanecer junto com o capital.

Observe que interessante:


O gráfico abaixo é um retângulo em topo. Temos o retângulo nos preços e no AC/dd.
Perceba que o Ac/dd perdeu seu suporte. Note qual a sua opinião? Os preços irão
segurar no suporte? Vale uma entrada aqui?
Muito arriscado. Perceba como os preços repicam rapidamente, para depois testar pela
terceira vez o suporte e perder... note o pull back do Ac/dd.

E nesse caso da KLBN4? Observe retângulo em topo bem interessante .. vamos


comprar?
Note o AC/d como esta perdendo suporte. Perceba como o dinheiro já se retirou
rapidamente do mesmo.
A possibilidade desse suporte dos preços segurarem é mínima.

Enfim, essa ferramenta pode e deve ser observada no prazo mais longo para nos dar
uma direção de movimentação para os próximos meses do papel. As divergências de
prazo menor eu costumo desprezar.

Agora olhe no diário essa situação. Temos a PRGA3 no prazo mais longo em queda e
no prazo mais curto subindo. Note porem, o Ac/dd. Uma clara divergência baixista. Não
pretendo entrar no papel quando ele encostar na linha de alta.
Aos amigos, espero que essa rápida explicação tenha sido interessante.
Essa não é uma ferramenta que acione compra ou venda, mas serve de referencial de
conduta no ativo.
Grande abraço,
Paz , Saúde e Prosperidade.
Alexandre Wolwacz
Bandas de Bollinger : Táticas, estratégias e observações.
As Bandas de Bollinger são uma ferramenta criada por John Bollinger. Ao utilizar essa
ferramenta, estaremos operando a VOLATILIDADE do mercado. Não estaremos
dando importância para a tendência deste, mas sim a movimentação volátil que ele
executa nas idas e vindas.
A ferramenta em si tem uma série de utilizações e poucos traders a usam em sua
plenitude.
Primeiro, precisamos descrever em parte sua confeção para que possamos derivar suas
informações desta. A ferramenta é composta por três bandas. Uma superior, uma central
e uma inferior. A central em si normalmente é uma media móvel ( as mais utilizadas
são as de 20 ou 21 ). A banda superior e inferior basicamente são traçadas como desvios
padrões da banda central. Basicamente, elas formam um envelope de movimentação
dos preços.
Procuramos sempre usar de banda central, uma media que descreva um tempo
intermediário.
Uma vez plotadas, as bandas servem para nos orientar quanto a se o preço atual do ativo
esta “caro” ou “barato” em relação ao preço médio usual que se negociou o ativo no
período representado pela banda central.

Veja no exemplo, como as bandas nos mostraram pontos de afastamento critico e


inversão de mercado.

Uma vez que tenhamos o ativo atingindo uma das bandas, a superior ou inferior.
Podemos começar a procurar por sinais de atuação na contra parte.
Logo se vemos um candle de reversão, totalmente acima da banda superior da bollinger,
podemos começar a estruturar ponta vendida, com estope acima da máxima desse
candle. O alvo podendo ser a banda central ou a banda inferior.
A banda pode ser associada ao IFR ou ao estocástico lento para configurar um timing
ainda mais apropriado de topo ou fundo de mercado.
Logo, uso ela para as seguintes situações:
1- Precificar “caro ou barato”.

2- Localizar possível topo ou fundo.

3- Setup operacional de compra ou venda ( Fechou fora / fechou dentro)

4- Prenuncio de fortíssima movimentação.

Vamos direto ao Setup Operacional:


O fechou fora/ fechou dentro é um setup operacional muito simples e altamente efetivo.
Denonimo ele de setup multioperacional, pois pode ser utilizado em qualquer prazo
operacional negociável, com elevada probabilidade de acerto.
Fechou fora/ fechou dentro para compra:
1- Espero um candle que tenha seu fechamento fora da banda inferior
da Bollinger.

2- Se o candle seguinte fechar ACIMA da banda inferior da Bollinger,


marco a máxima desse segundo candle como meu ponto de compra.

3- Stop na mínima que for a menor desses dois candles.

4- Uso a banda central como alvo de vender 70% do trade.

5- O resto eu levo com estope na mínima de cada candle ate se possível


a banda superior, onde fecho o resto.
Fechou fora para venda:
1- Espero um candle que tenha seu fechamento acima da banda
superior da Bollinger.

2- Se o candle seguinte fechar abaixo da banda superior da Bollinger,


marco a minima desse segundo candle como meu ponto de venda
alugada.

3- Stop na maxima que for a maior desses dois candles.

4- Uso a banda central como alvo de vender 70% do trade.

5- O resto eu levo com estope na maxima de cada candle ate se


possível a banda inferior, onde fecho o resto.

Usualmente após o fechou fora ser acionado, o alvo mesmo fica na banda oposta. Sendo
então alvos bem amplos. Na figura anterior em que demonstrei um fechou fora para
cima, temos anteriormente um fechou fora para baixo. Procure ele.

A outra forma importante de observar as bandas reside na observação de seu


estreitamento.
O estreitamento das duas bandas demonstra diminuição da volatilidade. Essa
diminuição implica no preparo do mercado para um fortíssimo movimento explosivo.

Podemos ver na figura 3, os movimentos vigorosos que tivemos após o estreitamento


das bandas na ABYA3.
Existe uma forma que nos permite antever para qual lado será esse rompimento. Se vai
para cima ou se o movimento esperado seria para baixo.
Essa forma, eu explico amanha na Palestra.
Abcs a todos,
Paz, Saúde e Prosperidade
Alexandre Wolwacz.

Sobre ser Trader e os antigos Samurais:


A atividade de trading necessita uma abordagem diferenciada. A complexidade de atuar
como trader é por muitos, subestimada. Não basta sabermos analise técnica, nem
tampouco manejo de risco em si. Precisamos confrontar-nos com situações de stress,
tomada de decisão e a com a habilidade ou inabilidade para lidar com insucessos. As
pessoas se esquecem que esse é um jogo de soma Zero. Ou seja, para alguém ganhar,
alguém perde, necessariamente. Sendo assim, e olhando nossa competição, precisamos
ter ferramentas muito poderosas do nosso lado.
Desta maneira, creio que muito da psicologia adotada pelos samurais no Japão antigo
pode ser reaproveitada nessa profissão. Essas duas profissões têm inúmeros pontos em
comum. O risco, as perdas, o controle emocional e a capacidade de decidir a atitude
certa no momento certo.
Então, vamos analisar como os samurais pensavam sua profissão. Para eles não havia
propósito em si na Luta. O combate não era uma forma de vencer, mas sim um trabalho
de pura Arte. E a profissão de Samurai, não uma profissão, mas a busca pela perfeição
em todas as atitudes.
Essa mesma mentalidade pode ser deslocada para o Trader. O trade em si não é uma
forma de vencer. Não é na realização de inúmeros trades que o trader se foca. Assim
como, não é no resultado financeiro que deve estar o foco do trade. O foco da atividade
deve estar na correta execução do setup de entrada, da colocação do stop, do uso do
manejo de risco e da realização no alvo. Ou seja, o foco deve ser a perfeição correta do
que foi planejado. É nisso que o trader deve se mantiver atento, não no resultado
financeiro daquele trade em si.
Dito isso, os samurais tinham um código. Esse código em si eram normas, regras e
condutas que deveriam ser adotadas frente às inúmeras situações do dia-a-dia. Nós
traders também temos um código. E também devemos ter nossos sistemas de conduta.
Por isso, a correta definição dos setups que serão usados no dia-a-dia é vital. Para que se
possa então, depois de definida a forma de se operar procurar firmemente cumprir os
requisitos e as estratégias anteriormente definidas.
Enfim, trading é um trabalho de ARTE, que deve ser feito com o intuito de tornar o
trade em si impecável. Impecável quer dizer perfeito em sua execução, no ponto da
entrada, no stop-loss ,na saída quando da batida nesse ponto, ou na realização do lucro
quando este atingido. A beleza e a arte do trade residem aí , não no resultado
financeiro de um determinado trade.
Agora vejamos um trader que tenha essa mentalidade, ao executar uma entrada, colocar
seu stop e seu alvo. Ficará IGUALMENTE satisfeito com o termino do trade em um dos
dois alvos, seja no lucro ou no stop. Igualmente..exato... isso porque? Porque o objetivo
dele não era ganhar dinheiro, mas sim fazer o trade CERTO. E se um ativo bate no stop,
qual a conduta é a certa? Estopar. Percebam que nesse trader então, o fato de ter sido
estopado não gera dor, não gera pesar, não gera luto. E não produzindo essas emoções,
que em si destroem a autoconfiança e a auto-estima, acaba não atrapalhando os trades
futuros que virão a seguir.
Percebe-se que um trader que esteja focado no resultado financeiro, fica triste,
angustiado, deprimido quando aciona um stop loss. Isso o impede de executar
corretamente o que Havia planejado nos próximos trades. Com isso, um trade “perdido”
produziu uma perda financeira e ao mesmo tempo uma perda muito maior nos próximos
trades que serão atrapalhados.
O trader Zen nessa situação leva uma enorme vantagem. Pois ele entende que fez tudo
absolutamente correto, entende que não errou e com isso está pronto para retornar à
luta quando for necessário. Ele compreende que aquele estope ocorreu, pela estatística
em si do setup que Ele utiliza. Não há nada de pessoal nisso.
Filosofia : Concentre-se apenas em executar PERFEITAMENTE o que foi planejado.
O ponto de compra, o ponto do stop, o manejo de risco, o alvo. Foque nisso todo o
tempo.

Os resultados virão com o tempo, pois desde que tenha escolhido um setup com índice
de acerto maior que o de erro e usando o manejo de risco, tudo é questão de executar
inúmeras vezes o mesmo padrão.

Persistência era uma forte característica dos samurais. Os traders precisam dela para
poder se manter e vencer no mercado. De onde os samurais retiravam sua persistência?
De onde vinha a sua enorme motivação?

Quatro aspectos nos originam motivação:


A consciência da Mortalidade: saber e sempre ter em mente que hoje pode ser nosso
ultimo dia de vida na terra, nos dá uma firme certeza. A de que temos que fazer cada
movimento, cada ação, cada trabalho, cada plano como se fosse o ultimo que faríamos
em nossas vidas. Essa idéia em si, realizar cada ato como se fosse o ultimo nos força a
realizar tudo da maneira mais perfeita que podemos fazer. Trazendo isso para o
mercado. Cada Plano de trade tem que ser milimetricamente traçado, de forma
cuidadosa, planejada, meticulosa e executado na sua essência perfeita. Para que se um
dia morrermos, quem vier ver nosso diário de trade diga: “que trade perfeitamente
executado!”. Era assim com os samurais, deve ser assim com os traders.
O propósito da vida: Qual o propósito da sua vida? Sem um firme propósito na sua
vida, o trader corre o risco de “passar pela vida” e não de “viver a vida”. Sem um firme
propósito, nossa capacidade de produzir algo firme e duradouro se esvai. Dessa forma,
defina para você mesmo, qual o objetivo maior de sua vida. Depois disso, persiga esse
objetivo com a racionalidade e a persistência de um samurai obstinado, ou se preferir de
um Pitt Bull enraivecido. ( para a maior parte das pessoas o mercado não vai ser o
propósito da vida... mas ele pode ser a alavanca para obter o propósito, que pode ser
altruísta...ou egoista. Exemplo: “quero ser a pessoa física que mais contribuiu para
crianças carentes no meu estado”; ou “quero ser a pessoa física mais rica do meu estado,
para poder gastar no que eu quiser” ; ou ainda “quero construir um hospital em cada
cidade destinado a cuidar de pessoas com câncer”). Propositos de vida amplos, tipo :
“quero ser feliz” não dão motivação... pois não indicam o caminho a ser seguido.
Metas: aqui entra os focos e pontos que realmente aguçam a motivação. Depois de
colocado o propósito, você impõe as metas, a rentabilidade, os ganhos, os prazos. Essas
metas sempre devem ser focadas para a obtenção do item 2.
Paixão- Para se manter motivado em algum aspecto da vida há necessidade de paixão,
amor, gana em cima daquele objeto. É impossível ficar motivado em cima de alguma
coisa que você não seja apaixonado. Nesse quesito o mercado é fácil, pois é fácil ser
apaixonado pelo mercado. Porem é fácil ser apaixonado por “OPERAR o mercado da
forma tecnicamente perfeita”? Aí não é tão fácil, pois operar de forma tecnicamente
perfeita é chato, monótono, burocrático e tedioso. Uma das formas de se manter
apaixonado pelo mercado é se pagar mensalmente com parte dos lucros que obteve no
mês anterior.
Essas formas de se manter motivado, são muito importantes para um bom seguimento
dentro do mercado.

Método CEMANA :

O método CEMANA para mim é muito importante.


Creio que os traders devem atentar para esse método e procurar empregar e utilizar seus
conceitos todo o tempo.
C - O “C” é de CONFIAR , para um trader poder executar sua atividade ele precisa
confiar em si mesmo, confiar na analise técnica, confiar no setup que esta usando e no
ativo que esta operando. A confiança aqui precisa ser absolutamente cega, indubitável,
inequívoca. Para que o trader obtenha uma confiança cega no seu sistema e no seu setup
ele precisa back testar ...e back testar MILHARES de vezes o seu setup. Ele precisa
simular, estudar, rever e estudar seu sistema. Inumeras vezes, tantas que tenha perdido a
conta. Até que ele finalmente se convença, intrinsecamente se convença de que aquele
setup, daquela forma, funciona.
E – O “E”é de equilíbrio. Todo o tempo, o trader tem que estar operando centrado em
um ponto de equilíbrio, que é totalmente isento de emoções, calcado exclusivamente no
estudo feito, centrado e entendendo que naquele trade NÃO reside sua vida, seu valor,
nem tampouco tudo o que tem. Mantendo o foco do que realmente foi sacrificado para
estar dentro daquele trade. Sabendo e tendo a consciência de que não existe como
antever o mercado, apenas reagir ao que ele faz e , dessa forma, agir da maneira correta
a cada situação que ele apresente.
M – O “M” vem de mentalizar o trade, procurando depois de identificado o setup,
reforçar a imagem e o objetivo. Imaginar o trade evoluindo dentro do esperado, sendo
então fechado no ponto planejado, seja no lucro, ou no stop. ( aqui eu normalmente
mentalizo no lucro..obvio..risos..)
O “A” vem de aceitar. Aceitar os riscos, as perdas que podem ocorrer em cada batalha
travada no dia-a-dia, ou a cada semana. Aceitar que uma vez iniciado o trade, aquele
dinheiro do stop lossa acionado JÁ FOI perdido. Foi sacrificado, aquilo é o ingresso que
foi pago. Se der certo, melhor, mas se perder, você já havia antecipado essa perda e com
isso não terá dor.
N – O “N” vem de Nunca . Uma vez iniciado um trade ou estando acionando um setup,
NUNCA HESITE. Nunca olhe para trás. O setup foi acionado, eu executo o trade,
coloco gain, coloco stop, uso manejo de risco e não fico NUNCA PENSANDO “ah mas
e Se” ... Nunca. Uma vez acionado o setup, entro, comprometimento total. Foco total.
No prazo de position, não preciso ficar olhando o trade, pois coloco os gains e os stops e
vou fazer outras coisas, no swing trade, de certa forma tb, mas no caso de Day trade, há
necessidade de imediatez em todos os momentos do trade, para abrir, para fechar.
Acionou pivot de baixa? Vendo. Acionou pivot de alta? Compro. Sem hesitação, sem
me deixar influenciar por noticias.NUNCA questionar o gráfico. Ele manda, basta que
você faça exatamente o que ele esta mandando você fazer, no prazo operacional que
você escolheu.
A – O ultimo “A” vem de Agora. As pessoas não vivem no agora. É impressionante,
mas a mente das pessoas fica a maior parte do tempo tentando jogar nossos
pensamentos ou para o passado, ou para o futuro, projetando coisas..ou mastigando
coisas do passado. Páre com isso. Viva o agora. O exato minuto que você tem, sempre.
Nesse instante. Tudo o que você precisa é viver o presente. Na analise técnica a tentação
de projetar o futuro é enorme. Antecipar fundos e topos, reversões de tendência e outras
coisas. Esqueça isso. Observe o gráfico AGORA, ele te dirá qual a tendência AGORA.
Tb te dirá o que vc tem que fazer AGORA.
Se a tendência mudar, quando mudar e vc estiver focado no AGORA, vc fará o que é
certo, stopar. Se não mudar, vc continuará dentro. ( para esse quesito tem um livro
ótimo, chamado “o Poder do Agora” de uma simplicidade, mas como tudo que é
simples carregando verdades tão eloqüentes que abismam a gente)

Enfim, essas são as características psicológicas mais importantes que vislumbro


rapidamente para um trader. Eu precisaria ainda falar das Leis do Universo dos
orientais e ainda sobre Luto e formas de combater o impacto emocional de uma perda,
mas isso eu deixo para outra Hora.
Aos amigos e inimigos,
Alexandre Wolwacz
Sobre Ser um Trader II – Como lidar com perdas e com o
mercado.
Seguindo aquele artigo já publicado, me faltou comentar ainda alguns pontos que
considero interessantes e determinantes de uma mente vencedora no mercado
financeiro.

“Aquilo que não nos destrói, nos torna mais fortes” – Nietzche.
A frase citada tem seu lado de verdade, mas ao mesmo tempo apresenta uma falha.
Essa falha é citada nos analetos de Confúcio:
“Aprender sem pensar é trabalho perdido, pensar sem aprender é maléfico”
O que Nietzche quis dizer é que as experiências ruins ou terríveis podem nos deixar
mais fortes e mais experientes. E isso é um fato, para as pessoas inteligentes. A pessoa
ignorante erra, não analisa seu erro e o repete, portanto não se tornando mais forte após
uma perda, mas sim mais pobre. De fato, é preciso inteligência para APRENDER com
os revezes da vida. Todo o processo de perda, pode implicar em duas situações: 1-
revolta e dor ( resposta totalmente inútil e infantil) ; 2- Lento e continuado
APRENDIZADO ( resposta produtiva ) .
Primeiro, um trader precisa saber lidar rapidamente com suas perdas.
Elas vão ocorrer, é inexorável. Não existe trader que não tenha sido estopado, não existe
trader que não tenha tido uma perda.
Dessa forma, precisamos entender o luto que se desenvolve quando perdemos algo que
nos é importante.
O luto é um sentimento que apresenta fases de evolução. Nossa vida só retorna ao
normal após termos elaborado completamente o luto. Dessa forma, um trader em “luto”
não esta totalmente capacitado para avaliar e operar o mercado. Por isso mencionei que
uma perda financeira em um trade era pouco se comparado com a perda “psicológica”
que ele produzia e que iria prejudicar os trades seguintes. O luto pode e se desenvolve
nas perdas de metodologia, ou seja , quando saímos do plano, compramos mais que
devíamos, não usamos estope enfim, quando produzimos aquele erro que leva 30-40%
do nosso capital em poucos dias ou semanas.
Basicamente o Luto se desenvolve em 5 fases que se interpõe:
1- Negação – A primeira fase é a Negação. Vemos o mercado
desabando, vemos nosso stop sendo batido, não acreditamos na
queda, não acreditamos que o mercado iria cair. Não estopamos, pois
não cremos no que nossos olhos nos mostram. Não podemos
conceber que aquele nosso setup, tão perfeito falhou. Mesmo depois
de acionado o stop, não conseguimos acreditar que perdemos aquele
dinheiro. Preferimos até não pensar nele. Essa fase é altamente
destrutiva, pois negando não temos nenhuma possibilidade de
afirmar o que esta acontecendo e o que deve ser feito.

2- Raiva – Após a perda e após termos percebido o quanto perdemos,


vem uma sensação de raiva. Raiva do mercado, raiva do mundo, ódio
por ter feito uma burrice tão grande. Nessa fase buscamos algumas
vezes um culpado para que possamos surrar o infeliz até o fim dos
seus dias. Alguns descarregam no cônjuge, outros nos filhos, outros
no trader amigo que ganhou. Essa fase é potencialmente destrutiva.,
pois raiva usualmente nos deixa cegos em relação ao mundo.

3- Culpa – A maior parte chega nessa fase, depois de examinar, pensa


como foi estúpido, idiota e imbecil por ter feito aquele trade. Aceita
que a culpa principal foi dele mesmo, pois percebe que foi ele quem
apertou o botão. Nota que foi a ganância e o desejo de rápido
enriquecimento que o levaram a não utilizar o manejo de risco
adequado. Essa fase, se bem trabalhada é benéfica. Pois se for
utilizada, não de forma recriminatória, mas sim de forma construtiva,
pode impedir novos erros no futuro. Entao, ao passar por essa fase o
trader deve aproveitar para refletir sobre o método empregado, sobre
os erros apresentados, escrever o que foi feito errado, o que não
pode ser repetido. Tudo deve ser registrado meticulosamente. A
escrita é vital para fixar as idéias e não repetir erros. Mas aqui,
durante essa fase de culpa, a raiva pode ressurgir e ela não é
benéfica, mas sim prejudicial, novamente impedindo que o trader
aproveite essa perda para aprender e evoluir. Logo, essa fase tem
que ser bem explorada pelo trader. Pois a culpa pode lhe dar a
motivação necessária para escrever, estudar, repensar e redefinir o
que pode e não pode ser feito no futuro.

4- Depressão - A fase seguinte pode ser a depressão. Se a fase da culpa


não foi bem elaborada, esta é a resposta natural. O sujeito perde a
autoconfiança, desacredita em suas capacidades, se sente injustiçado
pelo mercado e pelo mundo. Entra em uma espiral descendente, que
em si não traz nenhum beneficio. Apenas o conduz pelos vales mais
escuros da mente humana. Passar por essa fase é quase obrigatório
e faz parte do processo natural de resolução de uma perda. Nessa
fase, não é adequado iniciar operações novas. Essa fase é mais
interessante para reflexão e realização de atividades físicas que
possam restaurar o vigor e aliviar a mente. Aqui durante essa etapa,
caminhadas, corridas ou outras atividades que devolvam a
concentração e a autoconfiança são importantes. Poder conversar
com alguém de confiança também ajuda. Não pode ser alguém que
não entende de mercado, pois essa pessoa acabara perguntando
coisas inapropriadas, tipo: “ah mas por que vc fez isso? “enfim, essa
não é a hora de se aumentar culpas.

5- Aceitação - Depois de toda a elaboração, vem a fase mais


construtiva. A aceitação da perda, aceitação de que a perda faz parte
da vida de um trader. A aceitação de que o destino do trader é
calcado nas atitudes e nos métodos que ele emprega, e que
portanto, em si não existe injustiça na perda, mas sim o resultado
inexorável e evidente de uma atitude equivocada ou intempestiva. Ao
aceitar que recebemos exatamente o que merecemos e o que
fizemos por merecer, passamos a entender que devemos nos
esforçar para merecer mais. Devemos seguir nossos métodos, nossos
planos, nossos manejos de riscos, pois assim o fazendo poderemos
evitar outros processos de luto em nossas vidas.

Também é normal desenvolver processos de luto em cima de trades bem realizados e


que foram estopados por movimentações naturais de mercado. Porém, obviamente que
esses lutos serão de menor intensidade, já que a perda em si é menor, se o manejo de
risco foi utilizado e a culpa em si, inexistente, pois o plano foi seguido a risca.
Assim sendo, percebe-se que o trader precisa saber resolver seu luto rapidamente para
poder retornar ao campo de batalha rapidamente.
Ao mesmo tempo, se verifica que o planejamento adequado, meticuloso e rigoroso, com
um manejo de risco eficaz são os melhores preventivos de um luto maior e devem ser
rotina na vida de um trader.

Sobre as Leis Universais:


Estudando as Leis universais que os orientais estudam a tanto tempo, não pude deixar
de refletir em como elas nos afetam e como podem ser utilizadas no mercado.
Lei dos Ciclos:
Essa é uma Lei observada há milhares de anos. Basicamente implica na convicção de
que tudo tem um ciclo imposto. Esse ciclo em si são fases de nascimento, crescimento,
maturação e morte. Repetem-se de tempos em tempos.
Esse efeito no mercado é nítido, basta ao trader procurar qual ciclo o ativo esta
cumprindo. Quais são as fases do ano que marcam altas quais são as fases do ano que
marcam quedas no papel. Enfim, buscar entender qual o período que o papel leva para
cumprir seu ciclo. Um dos ciclos mais fáceis de ser identificados é o de 14 semanas na
Petr4.

Lei da Evolução:
É uma lei fundamental. Afirma que nada permanece igual. Os ciclos mudam de tempo
em tempo, o ativo muda de tempo em tempo. O trader muda de tempo em tempo. De
fato, a lei afirma que é impossível um ser humano pisar duas vezes no mesmo rio. Isso
porque, ao pisar a segunda vez no mesmo rio, ou o rio mudou, ou o trader mudou. Essa
percepção de constante evolução precisa ser a base fundamental de vida de um trader.
Adaptar-se as novas condições, apreciar cada mudança, notar cada mínima alteração do
status quo. Cada trade que fazemos implica em uma mudança que ocorre dentro de nós,
não apenas na nossa conta bancaria. Podemos ficar mais confiantes, mais assustados,
mais pessimistas, mais otimistas. São mudanças, que implicam em fortes alterações na
química existente. Aqui retornamos a citação de Nietzche.
Lei da Inercia:
Uma das leis que eles observaram e que os ocidentais depois também notaram foi a de
que um corpo parado tende a ficar parado. Aqui o trader precisa atentar. Um trader
acomodado, que faz e comete sempre os mesmos erros, terá sempre os mesmos
resultados. Não se pode esperar melhoria de resultados, sem melhoria dos métodos e da
postura empregada.

Lei da Responsabilidade:
Novamente aqui, é afirmado que somos responsáveis por TUDO o que nos ocorre. Não
somos vitimas, mas sim criadores de nossa realidade. Se acertamos, foi porque fizemos
por merecer esses acertos, se perdemos foi por absoluta responsabilidade nossa.

Lei da Sincronicidade :
Afirma que tudo interage de forma sincrônica. Em outras palavras poderíamos dizer que
: “o Universo conspira” podendo conspirar a favor ou contra você. Essa conspiração
contra é atraída por você mesmo, bem como a conspiração a favor. Dessa forma, me
parece ser totalmente indispensável que o trader seja virtuoso em seu coração. Reflita
sobre o mundo, reflita sobre o Universo e sobre a responsabilidade que tem em relação
a ele. É vital a meu ver, que o trader busque diminuir a dor no Universo, posto que ao
realizar isso, passa a ser um agente benfeitor deste e receber a colaboração de todos.

Lei da Dualidade:
Ying e Yang- Afirma que os opostos sempre existirão. Visto que perfaz o todo. Não
pode existir um sem o outro. Note que não pode existir ALTA sem baixa. Não pode
existir baixa sem alta.
A intercalação de um sobre o outro constitui o mais equilibrado desenrolar do mercado.
Podemos identificar em um ativo que uma das partes domina com maior intensidade
( compra em uma tendência de alta). E então operar junto com essa parte. Mas
precisamos perceber que haverá momentos em que a baixa ( venda ) assumira o
controle.
Essa lei é muito importante para a correta interpretação do mercado. Esta intimamente
ligada a simetria e a movimentação sincrônica e dual que o mercado realiza.

Finalizando, sei que esse tema é abstrato e árido em termos de Analise técnica. Semana
que vem postarei um artigo puro de analise técnica para os que estão furiosos comigo
por abordar esse tema, risos. Mas ao meu ver essa área de vida de um trader precisava
ser um pouco explorada, pois o trader em si não é somente a analise técnica que ele
realiza.
A todos,

Alexandre Wolwacz – Stormer.

Conclusão:

Nesses dois dias, apresentamos exatamente aquilo que fazemos no nosso dia-a-dia.Nossa equipe é
formada por pessoas que operam nos mais variados prazos operacionais. Entendemos que nenhum prazo
é superior ao outro, mas sim que todos eles apresentam lados positivos e negativos. Percebemos que as
dificuldades para se formar um bom position trader são bem diversas das dificuldades encontradas pelo
swing trade e pelo day trader. Vital que você reflita a respeito de qual prazo operacional ira adotar para si
mesmo, sendo essa uma decisão que respeito a uma variedade de características individuais: tempo
disponível, personalidade, capital e objetivos.
Em todos os prazos operacionais, procuramos demonstrar a importância do setup de entrada. Mas acima
de tudo a importância do manejo de risco. Sabemos que mesmo com um setup marginalmente positivo, se
utilizarmos manejo de risco, nosso capital cresce. Assim sendo , extremamente importante que você
reflita se tem utilizado o manejo de risco da maneira correta, ou se tem realizado suas operações de forma
irresponsável e imprudente.

Vocês foram apresentados a uma rica variedade de táticas e de técnicas. Não é recomendável que vocês
venham a usar todas ao mesmo tempo. A nosso ver idealmente, o trader precisa escolher qual seu prazo
operacional, depois escolher qual setup utilizara para o resto de sua vida de trader. Feito isso, basta que se
mantenha no firme propósito de usar o manejo de risco em todas as operações e obedecer esses setup
sempre que eles forem acionados. Fazer o plano é fácil, a parte difícil vem em seguir o plano. Essa parte,
infelizmente não temos como fazer por você. E ela ira realmente requerer grande esforço, disciplina e
trabalho sério.

Desejo a todos os amigos,

Paz, Saúde e Prosperidade.

Alexandre Wolwacz - Stormer