You are on page 1of 84

Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 3

"O homem é um animal que usa ferramentas.


Fraco por natureza e de pequena estatura,
ele fica em pé sobre uma base quadrilátera
de aproximadamente 15cm quadrados,
têm que se firmar sobre suas pernas afim de
que os ventos fortes não o derrubem.
Contudo, ele pode usar ferramentas, pode
criá-las; com elas a montanha de granito se
transforma em poeira diante dele; os mares
são sua rodovia lisa, os ventos e o fogo seus
infatigáveis corcéis.
Em parte alguma você o encontrará sem
ferramentas. Sem ferramentas ele é nada,
com ferramentas tudo."
Thomas Carlyle (1795 - 1881)
4 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

ÍNDICE
INTRODUÇÃO .............................................................. 5 Cabeças Micrométricas ............................................. 24 Mesas de Medição .................................................... 44
Os Instrumentos e Regras para Micrômetro de Bancada ............................................ 25 Suporte com Relógio Comparador ............................ 44
Medição de Precisão ................................................. 5 Variedade de Micrômetros......................................... 25 Relógios Indicadores com Fixação por
Primitivos Instrumentos de medição.......................... 6 INSTRUMENTOS COM NÔNIO ................................... 26 Rabo de Andorinha .................................................... 45
Instrumentos Modernos de Medição ......................... 7 Como Ler Paquímetros (em polegadas) .................... 26-27 Suportes com Base Magnética ................................. 45
A Jarda e o Metro ...................................................... 7 Como Ler Paquímetros (em milímetros).................... 27 Comparadores Internos com Relógio ........................ 45-46
O Metro e a Polegada Internacionais ........................ 8 Paquímetro, Medições Internas e Externas ............... 28 Medidores com Relógio para Diâmetros ................... 46
Conheça Seus Limites .............................................. 8 Ajuste Fino ................................................................ 28 Medidores Especiais ................................................. 46
Vista e Tato ................................................................ 8 Pontos de Referência para Compassos de Medidor com Relógio para Ranhuras Internas .......... 46
Aproximação ............................................................. 9 Pontas e Cintéis ........................................................ 28 Calibradores de Boca com Relógio ........................... 46-47
Cuidar dos Instrumentos ........................................... 9 Como Cuidar de Paquímetros ................................... 29 Medidores para Chanfros, Furos e
MEDIÇÕES LINEARES................................................ 10 Traçadores Verticais .................................................. 29 Furos Escareados ..................................................... 47
Escalas de Aço e Similares ....................................... 11 Paquímetro de Profundidade..................................... 30 INSTRUMENTOS ELETRÔNICOS .............................. 48-49
Variações da Escala de Aço...................................... 11 Paquímetro para Engrenagens .................................. 30 Calibrador Eletrônico de Altura .................................. 50
Trenas de Precisão .................................................... 12 Espessura da Corda do Dente de Engrenagem Indicadores Eletrônicos de Medição
Calibradores Corrediços ............................................ 13 Baseado em Módulo 1mm......................................... 31 (Amplificadores)......................................................... 51
Paquímetros de Profundidade ................................... 13 Transferidor de Grau com Nônio................................ 32 Calibrador Transferidor de Altura ............................... 51
Esquadro Combinado ................................................ 14 Como Transferir Medidas ........................................... 33
COLETA DE DADOS.................................................... 52
Aplicações do Esquadro Combinado......................... 15 Barras Planas Retificadas ......................................... 33
Coleta de Dados e Programas de CEP ..................... 53
Compassos ............................................................... 16 Escolha de Barra Plana Retificada Ideal ................... 33-34
Programas de CEP.................................................... 53
MICRÔMETROS ........................................................... 17 Preparação da Superfície .......................................... 34
Como Ler um Micrômetro Starrett Graduado Traçagem ................................................................... 34-35 BLOCOS PADRÃO ...................................................... 54
em Milésimos de Polegada (0,001⬙) .......................... 18 Fixação de Peças ...................................................... 35-36 Blocos Padrão Angulares .......................................... 55
Como Ler um Micrômetro STARRETT Graduado Medição de Peças Torneadas.................................... 36 Instrumentos de Medição Ótica................................. 55
em Décimo de Milésimo de Polegada (0,0001⬙) ........ 19 Centragem da Peça ................................................... 36 DESEMPENOS ............................................................. 56
Como Ler um Micrômetro Graduado em MEDIÇÕES DE COMPRIMENTOS E DIÂMETROS .... 37 PROJETORES DE PERFIL .......................................... 57
Centésimos de Milímetros (0,01mm) ........................ 19-20
Calibradores Telescópicos ......................................... 37-38 Sistema de Visão ....................................................... 58
Como Ler um Micrômetro Graduado em
Medição de Roscas ................................................... 38-39 SISTEMAS DE MEDIÇÃO ÓPTICO E
Um Milésimo de Milímetro (0,001mm) ...................... 20
Medição de Ângulos .................................................. 39-40 POR VÍDEO .................................................................. 59
Como Usar, Ajustar e Cuidar de Micrômetros ........... 21
Como Usar um Micrômetro de Profundidade ............ 22 INSTRUMENTOS DIVERSOS ...................................... 40-41 Fatos a Respeito de Ajustagens................................ 60
Como Usar um Micrômetro Interno ........................... 23 RELÓGIOS COMPARADORES ................................... 42-43 Limites ....................................................................... 60
Medições Rápidas ..................................................... 24 Paquímetro de Profundidade com Relógio................ 43 CORTES ESQUEMÁTICOS ......................................... 61
Micrômetros Digitais .................................................. 24 Paquímetro com Relógio ........................................... 43-44
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 5

INTRODUÇÃO Seu distribuidor STARRETT o fornecerá graciosa- Os Instrumentos e Regras para


mente, e se você ainda não o fez, sugerimos que Medição de Precisão
Este livreto é dedicado pr imeiramente aos estu-
não perca esta opor tunidade de adquir i-lo. Você
dantes de escolas v ocacionais e aos aprendiz es A produção em sér ie requer medições precisas .
encontrará nele uma inestimável fonte de informa-
dos cursos de treinamento industrial. Nós espera- Todas as partes de um produto qualquer tem que
ções, não apenas sobre f erramentas, mas sobre
mos com isto aliviar a carga daqueles que com pa- ser substituíveis. A uniformidade é assegurada e
mil e um outros itens que nós fornecemos.
ciência, dedicação e compreensão ensinar am a controlada através de cada operação por equipa-
Por mais de 130 anos de fabricação de ferramen-
muitos jovens estudantes e aprendizes a trabalhar mento de medição preciso.
tas de precisão, a STARRETT tem estimulado a
direito e com precisão.
elevação dos padrões de mão de obr a ajudando Do desenho ao conjunto acabado , a medição de
Este livreto não pretende descrever todos os ins- precisão é o guia da perfeição. Para medições de
aprendizes a conhecer as f erramentas e como
trumentos de medição existentes. Para esta fina- precisão, o mecânico experiente, o ferramenteiro
usá-las eficientemente.
lidade nós podemos dar uma sugestão melhor que e o inspetor devem ter instrumentos precisos, pro-
A STARRETT ajuda os principiantes a aprenderem
é o catálogo STARRETT nº B32, o qual ao longo duzidos com mater iais de qualidade, cuidadosa-
seu ofício através de seus “jogos para aprendizes”
de muitos anos tem sido o guia de compr as e li- mente manufaturados e r igorosamente inspecio-
a preços acessíveis, que fornecem as ferramentas
vro de consultas dos usuários de ferramentas. nados, para assegurar confiança duradoura.
indispensáveis para o seu começo . O prog rama
educacional da STARRETT foi criado para dar ao Instrumentos de medição precisos nas mãos de
instrutor um bom programa global de estudo, que mecânicos experientes resultam num trabalho pró-
pode ser utilizado na sala de aulas, no trabalho ou ximo da perfeição.
em casa. Concluindo, convidamos artesãos mecâ-
nicos, instrutores vocacionais, supervisores de
treinamento industrial e educadores particulares a
utilizarem estes valiosos meios de treinamento em
seus programas de aulas.
Procure seu distr ibuidor STARRETT para outras
informações a respeito do material educacional de
que dispomos, ou escreva-nos:
STARRETT INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA.
Avenida LAROY S.STARRETT, 1880
CAIXA POSTAL 171
CEP 13306-900 - ITU - SP
6 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Primitivos Instrumentos de Graças à concepção de Eli Whitney, o século 19


medição testemunhou o tremendo crescimento da produ-
ção em sér ie de todos os tipos de mercador ias.
Precisão nem sempre f oi associada a medição . Contudo este desenvolvimento só foi possível por
Nos primórdios da civilização, o homem começou causa do emprego em alta escala de máquinas
a usar partes do seu corpo para estimar medidas, operatrizes automáticas de alta potência no lugar
e por volta de 6000 a.C. de tais medições evoluiu- de ferramentas manuais, e de melhores dispositi-
se finalmente par a a polegada, mão , palmo, pé, vos de medição, máquinas e instr umentos de
cubito, jarda e br aça, os pr imeiros padrões de medição aproximando a precisão dos moder nos
medida. padrões que não tinham sido desenvolvidos até o
final da guerra civil americana.
Por volta de 6000 A.C. partes
do corpo eram usadas como os Mesmo antes deste tempo, em 1848 na cidade de
primeiros padrão de medida. China, Estado do Maine um garoto de 12 anos ,
desenvolveu seu interesse por f erramentas, que
anos mais tarde se transf ormou em uma gr ande
empresa que obteve o título de “Maiores Fabrican-
tes de Ferramentas do Mundo”. O nome desse
Os instrumentos do passado não demanda vam garoto era Laroy Starrett. O amor por ferramentas
grande precisão. Muitos produtos eram costumei- e a queda para inventos fez desencadear uma lon-
ramente feitos a mão e uma fr ação de polegada ga carreira que deu continuidade à primitiva idéia
mais ou menos f azia pouca diferença para uma de Eli Whitney sobre a produção em série por meio
operação satisfatória. de ferramentas de precisão.
Foi Eli Whitney quem pr imeiro concebeu a idéia Laroy Starrett trazia “invenção na cabeça” e como
básica de produção em sér ie através de par tes jovem rapaz de fazenda, no inverno e nos dias de
substituíveis e que somente atra vés de métodos tempestade ele ocupava a maior parte do seu tem-
aperfeiçoados de medição e máquinas automáti- po trabalhando com ferramentas e desenvolvendo
cas de alta potência, essa produção ser ia possí- idéias. Sua primeira invenção foi uma máquina de
vel. Em 1800 ele aplicou suas teorias com suces- picar carne que ele começou a f abricar e a v en-
so na fabricação de mosquetes para o go verno der pelo pais af ora. Em 1868 ele se m udou para
dos Estados Unidos e é lembrado hoje como o pai Athol, Massachusetts e recomeçou suas ativida-
da produção em sér ie através de peças de repo- des numa pequena oficina.
sição.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 7

Instrumentos Modernos de Medição Essa grosseira porém prática medida evoluiu para
uma definição mais precisa de comprimento como
“a distância entre as linhas g ravadas sobre dois
pinos de ouro numa barra de bronze, quando me-
dida numa sala com temperatura controlada”. Um
protótipo da jarda é mantida no Bureau of Standard s
em Washington, porém, atualmente este padr ão
não é suficientemente preciso e a e volução da
medição prática, está agora definindo a polegada
internacional em termos de onda de luz.
O metro é a base do sistema métrico aceito como
sistema padrão de medida na maioria dos países,
inclusive o Brasil.
O primeiro esquadro combinado foi inventado em 1887,
por L.S. STARRETT, fundador da STARRETT.
O metro foi originariamente instituído como sen-
do “a décima milionésima parte de um meridiano,
com traçado norte-sul através de Paris, a partir do
O principal interesse de Laro y Starrett, porém, Quase todas as medições com uns a uma oficina Polo Norte até o Equador .” Em pouco tempo isto
estava no desenvolvimento e aperfeiçoamento de implicam em medições de comprimento. Medições se revelou falso pois o metro foi instituído simples-
instrumentos de medição de precisão, e o esqua- lineares são tão n umerosas e de tal impor tância mente baseado n um comprimento arbitrário, e
dro combinado foi o pr imeiro de uma longa sér ie que uma infinidade de instr umentos de medição hoje, da mesma forma como a polegada inter na-
de tais instrumentos. estão disponíveis com o propósito de obtê-las. cional, é também definido em termos de ondas de
A partir de 1887 até o fim de sua vida, ele dedi- luz. O metro é subdividido em centímetros, milíme-
tros e decimais de um milímetro.
cou toda sua energia e habilidade na cr iação e A Jarda e o Metro
aperfeiçoamento de instrumentos. Entre estes se A maioria das oficina que lidam com instrumentos
encontram as escalas de aço temperadas e flexí- Duas unidades de medição linear são com uns: a e trabalhos científicos bem como as de produção
veis, trenas, compassos, paquímetros, micrôme- Jarda Britânica e o Metro. Nos Estados Unidos, a de componentes, são equipadas com instr umen-
tros, traçadores verticais e m uitos outros instr u- jarda, que foi uma vez vagamente definida como tos calibrados no sistema métrico.
mentos, inclusive lâminas de serr a para corte de “a distância entre a ponta do dedo polegar à pon-
metais. Esta foi a contr ibuição de Laroy Starrett ta do nariz do rei Henrique I da Inglaterra” é mais
para a moder na ciência de medição de precisão familiar em suas subdivisões de pés, polegadas e
e para o crescimento da indústria como nós a co- frações de polegada.
nhecemos hoje.
8 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

O Metro e a Polegada Internacionais Conheça Seus Limites ainda dependemos da sensibilidade da vista e do
tato.
Ao longo dos anos o metro inter nacional tem Esforçar-se por obter uma exatidão além dos limi-
A sensibilidade do tato se torna importante quan-
sido definido de dif erentes modos. Atualmente tes prescritos pode resultar desnecessário desper-
do se usa instrumentos de medição sem gradua-
“o metro corresponde à distância percorr ida dício de tempo e empenho , como total f alta de
ção. Um mecânico e xperiente com sensibilidade
pela luz no vácuo durante o intervalo de tempo de exatidão.
de “tato” altamente desenvolvido pode prontamen-
1/299.792.458 do segundo”. Nem mesmo o orgulho de um ar tesanato pode
te detectar uma dif erença ínfima de 0,006mm
Isto, naturalmente, não pode ser usado par a me- justificar um profissional produzindo, componentes
(0,00025⬙) num contato f eito por compar ação.
dições regulares, de modo que a relação física é lenta e esmeradamente dentro de uma exatidão de
Enquanto a sensibilidade de tato v aria de indiví-
traduzida pelo Instituto Nacional de Padrões e Tec- milésimos enquanto seu companheiro de banca-
duo para indivíduo, ela pode ser desenvolvida com
nologia usando lasers e relógios atômicos e trans- da libera outros componentes do mesmo conjun-
a prática e o manuseio apropriado de instrumen-
feridos para blocos padrão. Os blocos padrão são to que meramente atingirá a tolerância especifica-
tos.
os instrumentos que trazem essa tecnologia para da de mais ou menos alguns centésimos. O dese-
Na mão humana o senso de tato é mais notór io
o chão da fábrica aonde, diferentes tamanhos de jável é a habilidade em produzir um trabalho rapi-
nas pontas dos dedos . Desta forma, um instr u-
blocos podem ser combinados para oferecer qual- damente que esteja a altura dos padrões estabe-
mento de medição sem graduação deve ser ade-
quer dimensão necessária. lecidos. É propósito deste livreto rever os meios e
quadamente proporcional à mão e segurado leve
Quando transformar milímetro em polegada e os métodos de alcançar uma exatidão uniforme de
e delicadamente de f orma a per mitir aos dedos,
vice-versa lembre-se: 1⬙ é igual a 25,4mm exatos. acordo com os padrões com umente aceitos nas
mobilidade para manusear ou movimentá-lo. Se o
indústrias de hoje.
instrumento for mal feito ou se for seguro de modo
Vista e Tato grosseiro, a sensibilidade do toque ou tato fica
bastante prejudicada.
Desenvolvimentos recentes no campo da medição
de precisão tem proporcionado instrumentos mo-
dernos mais precisos e mais f áceis de ler. Estes Quando
incluem o acabamento cromo acetinado de leitu- instrumentos
de medição
ra fácil e os nônios com 50 divisões, bem espaça- sem graduação
das, novos instrumentos com toda espécie de são segurados
levemente
adaptação a relógios comparadores, instrumentos
pelos dedos,
eletrônicos, leituras digitais, para citar apenas al- é possível
guns. sentir
Os blocos padrões são usados em qualquer indústria diferenças
como padrão básico e têm e xatidão de centésimos de Entretanto, para desenvolver hábitos de precisão ínfimas de
mícron ou milionésimos de polegadas. consistente em medições, é bom lembrar que nós medidas.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 9

Aproximação estimando subdivisões da menor g raduação em trumentos de elevado grau deve ser regularmen-
frações como 1/2, 1/3, 1/4, etc. te aplicado para lubrificar suas partes.
Vista e tato são frequentementes combinados ,
pelo trabalhador experiente, para aproximar me- Cuidar dos Instrumentos
dições mais estreitas do que os limites da gradua-
ção do instr umento. Por exemplo, na média dos É desnecessário dizer que os instr umentos de
micrômetros graduados para leitura em centési- medição devem ser manuseados com o máximo
mos de milímetro, o espaço entre as menores gra- cuidado. Bons instrumentos suportarão uma vida
duações do tambor é de aproximadamente 1mm. inteira de uso, porém, a e xatidão mesmo de um
instrumento mais fino pode ser f acilmente preju-
A variação da medida abaixo do centésimo de
dicada por um tratamento inadequado . Ao traba-
milímetro que esse espaço representa, pode ser
lhar com instrumentos de medição, evite riscos ou
percebida e julgada visualmente com razoável pre-
cortes que poder ão confundir as gr aduações e
cisão. Evidentemente, é sempre mais pr ático tra-
deformar as superfícies de contato. A ferrugem é
balhar dentro dos limites par a os quais o instr u-
a inimiga de todas as superfícies com acabamento
mento foi desenhado, mas quando circunstanciais
fino. Os instrumentos devem ser limpos das mar-
o tornam necessário, é possível ampliar os limites
cas dos dedos após o uso e guardados em caixas
ou estojos separados. Um óleo especial para ins-
O óleo STARRETT para ferramentas e instrumen-
tos é um ultrafino lubrificante usado em nossa pró-
pria fábrica para lubrificar e proteger os instrumen-
tos STARRETT durante a produção. Outro produ-
to, o lubrificante STARRETT M1 evita ferrugem e
corrosão, deixando uma camada imper meável
super fina que proporciona proteção dur adoura.

Ainda que o “tato” seja importante na ajustagem de um micrômetro Um óleo para instrumentos de elevado grau deve ser regularmente
antes de medir uma peça, a cota é obtida diretamente nas graduações aplicado sobre os instrumentos de precisão.
do cilindro e tambor.
10 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

MEDIÇÕES LINEARES 2 - Medições de precisão com apro ximação de Medições por contato são feitas de duas maneiras:
0,01mm a 0,001mm (um centésimo a um mícron), 1 - Pela pré ajustagem do instrumento (calibrador
Medições lineares sobre superfícies planas são
0,001⬙ a 0,0001 ⬙ (um milésimo a um décimo de de boca com relógio, por exemplo), à cota neces-
talvez as medições mais comuns feitas na prática.
milésimo de polegada) e com instr umentos apro- sária, usando um micrômetro , blocos padrão, ou
Medições lineares podem ser divididas em duas
priados, 0,00003mm (três centésimos de mícron), outro padrão conhecido, para então compar ar a
categorias:
e um milionésimo de polegada (0,000001 ⬙). cota determinada com a real dimensão da peça
1 - Medições grosseiras feitas com instr umentos
O instrumento usado varia de acordo com o tama- medida.
com precisão entre 0,5mm a 0,1mm (meio milíme-
nho ou dimensão, a natureza das peças e o g rau 2 - Pelo método contrário, ajustando as pontas de
tro a um décimo de milímetro), 1/64 ⬙ (0,0156⬙) a
de exatidão necessário. Pode variar de uma trena, contato às superfícies da peça a ser medida e len-
0,010⬙ (um sessenta e quatro ávos a um centési-
escala, compasso, cintél a um micrômetro, paquí- do diretamente a cota em um micrômetro , paquí-
mo de polegada).
metro, relógio comparador ou instrumento eletrô- metro ou calibrador com relógio. O primeiro méto-
nico. do é freqüentemente usado onde repetidos testes
A medição pode ser f eita diretamente com um tem que ser feitos, como no caso da usinagem de
micrômetro ou paquímetro nos quais a leitur a é uma peça numa cota conhecida ou quando con-
feita diretamente n uma escala g raduada com o ferir a mesma cota em um n úmero de peças
instrumento em contato com a peça a ser medida, iguais.
ou pode ser feita indiretamente por comparação a
um padrão conhecido ou a blocos padrão usando
um graminho, traçador vertical ou relógio apalpa-
dor, dependendo da e xatidão necessária, para
transferir a medida.
Muitos instrumentos de referência como as réguas
paralelas, esquadros de aço e tr ansferidores de
grau são usados em conjunto com os instr umen-
tos de medição linear par a determinar planeza,
paralelismo, esquadrejamento e angular idade.
Para Peças Cilíndricas, as medições são usual-
mente feitas por contato usando instrumentos com Medindo peça cilíndrica, em um eixo de
pontas como os compassos, micrômetros, paquí- virabrequim, com um micr ômetro externo.
metros, calibradores de boca com relógio, etc.
Uma larga variedade de instrumentos estão disponíveis
para medições lineares, conforme ilustrado acima.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 11

Escalas de Aço e Similares As escalas de aço são g raduadas no sistema in- Variações da Escala de Aço
glês ou métrico e também em ambos os sistemas
A Escala é o instrumento de medição baseado no Inspetores mecânicos optam pela escala de
numa mesma escala. Podem ser g raduadas em
qual muitos outros instr umentos foram desenvol- 150mm (6⬙) por ser o compr imento ideal para se
cada borda de ambos os lados e também nas ex-
vidos. As escalas são de tal modo impor tantes e carregar consigo. Para tais finalidades, uma escala
tremidades. As graduações do sistema inglês mais
tão frequentemente usadas em uma variedade de temperada é recomendável por ser fina e fle xível
finas são comumente em um centésimo (0,010 ⬙)
aplicações que são of erecidas numa verdadeira- além da ampla rigidez que proporciona garantia de
quando em decimal de polegada, ou em 1/64 ⬙
mente surpreendente seleção par a atender as paralelismo na borda de contato.
quando fracionário. Graduações métricas mais fi-
necessidades de um trabalho de precisão. Pequenas escalas de aço estão disponív eis com
nas são usualmente em meio milímetro (0,5mm).
Elas variam de tamanho, a par tir de uma peque- extremidade afilada para medidas internas de pe-
As escalas STARRETT são graduadas em confor-
na com um quar to de polegada de compr imento quenos furos, fendas estreitas, par tindo de um
midade com padrões calibrados pelo Instituto Na-
para medir rebaixos, recessos e canais de chave- ressalto, etc.
cional de Padrões e Tecnologia.
ta, até as grandes com 12 pés de comprimento. O O detalhe do gancho que é f ornecido em várias
acabamento cromo-acetinado proporciona atual- escalas é decididamente prático. Não só possibi-
mente às escalas uma vida mais longa e maior lita um ponto de apoio preciso na extremidade da
facilidade na leitura. escala para ajustagem de compassos , etc., como
também pode ser usado para fazer medições onde
é impossível assegurar que a extremidade da es-
cala está no mesmo plano da borda da peça a ser
medida.

Escala de aço STARRETT CH604R. Aço temperado com 6 ⬙ de comprimento.


Graduações em 8,16 e leitura rápida de 32 e 64 a vos. O gancho fixo é
Comparação temperado e pode ser re vertido ou completamente removido soltando o
entre escalas parafuso excêntrico.
de aço de bolso
em milímetro
e polegada.

Escala de aço STARRETT C331 é flexível com 150mm de comprimento. É


numerada consecutivamente a cada 10 milímetros com traços de diferentes
A escala de aço é uma f erramenta básica de medição. alturas para leitura fácil. Graduações em milímetros e meio milímetro de um
Vários tipos em milímetr os e polegadas são mostrados. lado, 32 e 64 avos de polegada no verso. Todas as quatro bordas são
graduadas no mesmo sentido.
12 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Trenas de Precisão O padrão de temper atura é 20°C; coeficiente de medição de diâmetros no v erso. Isto possibilita a
dilatação é 0,0065mm por metro cada grau centí- leitura direta de diâmetros na medição de
A trena de precisão proporciona uma lógica de
grado, ou 0,19mm por g rau centígrado em 30 circunferências.
um instrumento de medição gr aduado além dos
metros; o padrão de tensionamento para trenas de As trenas de bolso de precisão Starrett Controlok
práticos limites de uma escala de aço. Apesar de
aço até 30 metros de comprimento, apoiadas ho- com Tough Tip (Ponta firme) e tr ava automática
ser fornecidas em compr imentos até 30 metros
rizontalmente em toda extensão, é 4,5 quilos (10 estão disponíveis com fitas de 19mm e 25mm de
(100 pés), são no entanto , precisas. Toda trena
libras). largura, graduação somente Métrica ou combina-
STARRETT é feita de acordo com padrões cuja
Assim como as trenas de bolso, as trenas longas da Métrica/Polegada. As fitas apresentam ainda
precisão é assegurada pelo NIST do Governo dos
de precisão estão disponíveis numa variedade de Trava-e-Retração-Automáticas. Nossas lâminas
Estados Unidos em Washington.
graduações, normalmente em Milímetros , e sob amarelas, resistentes à corrosão e com camada
encomenda, em Milímetros e Polegadas, somen- de topo ultra-violeta são graduadas em preto e ver-
te em Polegadas, como também com graduações melho com marcas para parafusamento a cada 16
especiais como Decimal e Centesimal de Pé como polegadas (nas fitas gr aduadas somente em po-
também em Polegadas e Decimais consecutivos. legadas). A Starrett disponibiliza ainda uma sér ie
Fitas com acabamento Cromo-Acetinado ou Ama- de trenas em fibra de vidro, as quais, por não ser
relo Esmaltado, com graduações para leitura rápi- condutoras de eletricidade e não corrosíveis pela
da, o número de identificação dos pés e de cada ação da umidade , são especialmente indicadas
16 polegadas em v ermelho para colocação de para a indústria de eletricidade e para agrimensu-
parafusos em constr ução de casas de madeir a, ra. As fitas têm 13mm de largura e são graduadas
tornam a leitura fácil e longa a vida da trena. As de 2 em 2mm. Caixa fechada em plástico ABS
trenas com fita de aço estão ainda disponíveis sob resistente a impactos nos compr imentos de 10 a
encomenda com graduação normal em Polegadas 30m e outr a série com arco aber to também em
de um lado, e graduação de 1/64 ⬙ e 1/100 ⬙ para ABS nos comprimentos de 20 a 100m.

Algarismos de leitura rápida das


trenas de aço eliminam confusão e
erros. Os algarismos de centímetros e
pés são destacados em vermelho
e também aparecem antes de cada
algarismo da polegada. Emblema
vermelho a cada 16 polegadas mostra
o ponto de parafusamento para
construção de casas de
madeira conforme norma americana.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 13

Calibradores Corrediços cos se ajustem perfeitamente à peça a ser medi- Paquímetros de Profundidade
da (Fig. B).
Os calibradores corrediços ou paquímetr os - Para obter a leitura máxima em um diâmetro interno. Paquímetros de profundidade são uma adapta-
são um refinamento da escala de aço, e permitem - Para obter a leitura mínima em um rasgo. ção de um nônio a uma escala par a medir a pro-
assegurar grande precisão ao se alinhar a escala fundidade de furos, recessos, etc. São providos de
Medição de profundidade: Coloque a vareta para
graduada com as bordas ou pontos a ser medidos. uma base corrediça assentada em ângulo reto à
medição de profundidade perpendicularmente ao
Nesses instrumentos, um par de bicos é acrescen- régua e com um sistema de trava da parte corre-
fundo da peça a ser medida (Fig. C).
tado à escala, sendo um bico fixo no começo da diça que fixa a leitura. Um outro calibrador é uma
escala, e outro móvel ao longo dessa escala. Ob- Superfície de traça gem: Apoie a superfície de combinação para medir profundidade e ângulo .
tém-se a medida fixando o bico mó vel pelo para- referência para traçagem sobre a superfície de re- Um gancho opcional par a a régua pode medir a
fuso do cursor. ferência da peça a ser medida, desloque o cursor partir de relevos ou recessos.
para a medida desejada e faça a traçagem (Fig. D).
A parte corrediça é graduada para se obter medi-
das internas e externas.
Estes calibradores tem dois botões recar tilhados
na parte corrediça, o que torna fácil abrir ou fechar
Fig. A
os bicos, e uma porca de fixação recartilhada com Fig. D
rosca à esquerda para fixar a parte corrediça em
qualquer ponto. Fig. C

O botão para a mesma mão que segur a o instru- Fig. B


mento, pode ser usado par a ambos os ajustes ,
portanto, um dispositivo muito prático. A parte cor-
rediça possui também uma par ada positiva que Paquímetros de
impede que ela saia fora completamente. profundidade
com nônio.
Cuidados durante a medição:
Medição externa: Posicione a peça a ser medida
o mais próximo possível da escala e faça com que Paquímetros de
Conferindo
profundidade
as superfícies de medição dos bicos se ajustem digital.
a profundidade
de um furo cego
perfeitamente à peça a ser medida (Fig. A). com um
Medição interna: Posicione os bicos de medi - paquímetro de
profundidade.
ção o mais profundo possível no interior da peça
e faça com que as superfícies de medição dos bi-
14 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Esquadro Combinado mento de medição e traçagem, que pode ser usa- O transferidor de g raus é um cabeçote gir atório
do como esquadro nor mal, meia esquadr ia, cali- com leitura direta e dupla g raduação de 0 a 180
O esquadro combinado básico se constitui de
brador de profundidade , calibrador de altur a e graus, em direções opostas. Isso permite leituras
uma régua graduada temperada e um esquadro
nível.Acrescentando um esquadro de centrar con- diretas de ângulos acima ou abaixo da régua. Os
combinado móvel com meia esquadr ia, bolha e
segue-se um meio fácil de se localizar o centro de transferidores são fornecidos no tipo re versível
riscador. Por si próprio o mais versátil e útil instru-
peças cilíndricas ou quadradas. com apoios de ambos os lados (sob encomenda
o tipo não re versível com um apoio), e são equi-
pados com bolha muito prática.
Um prisioneiro reversível de fixação permite girar
a régua longitudinal ou tr ansversalmente sem a
remoção do parafuso ou da porca e assegura um
preciso alinhamento da régua com os esquadros.
Os esquadros deslizam sua vemente para qual-
quer ponto ao longo da régua e podem ser remo-
vidos de modo que o esquadro principal (que tem
uma bolha) possa ser usado como nível. A régua
pode então ser usada como uma escala avulsa.
O esquadro principal tem uma face precisa a 90°
retificada e outra a 45° com meia esquadr ia, traz
um riscador temperado e bolha. Os esquadros de
centrar tem as faces cuidadosamente usinadas.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 15

Aplicações do Esquadro Combinado

O transferidor combinado O esquadro combinado


com a régua verificando usado como calibrador de
ângulo rápida e profundidade, em aplicação
precisamente. muito prática.

O centro de peças
cilíndricas pode ser
precisamente determinado
Traçando ângulos retos e usando o esquadr o de
linhas paralelas com o centrar combinado com a
esquadro combinado. régua.
16 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Compassos original através da parada positiva para então se


fazer a leitura.
Compassos de ponta são usados para tirar me-
didas entre linhas ou pontos; para transferir medi-
das tomadas de uma escala de aço, e para traçar
círculos ou arcos. As pontas são afiadas , e tem-
peradas e as pernas paralelas permitem que ínfi-
mas medições sejam feitas por comparação visual
em lugar do tato. Os compassos de ponta são li-
mitados em seu alcance por causa da aber tura
de suas pernas, e se tornam menos eficientes em
traçagens e aplicações similares quando as pon-
tas estão decididamente inclinadas em relação à
superfície que está sendo traçada.
Compasso Compasso Compasso de centrar Compasso
externo. interno. (hermafrodita). de ponta. Compassos de centrar (hermafr oditas) combi-
nam uma ponta reta com uma curva e são usados
para traçar linhas paralelas a partir de uma borda
Vários tipos de compassos são f ornecidos para da mola; o tipo de junções firmes no qual a tensão ou para localizar o centro de uma peça cilíndrica.
medições sem g raduação. São par ticularmente de uma porca e prisioneiro proporciona suficiente
úteis para medir distâncias entre superfícies ou pressão para fixar as pernas em qualquer posição
sobre superfícies ou ainda para comparar medidas ajustada, e o tipo de junções com tr ava que tem
baseadas num padrão, como por exemplo escalas uma porca recar tilhada que pode ser solta par a
graduadas. Considerando seu uso eventual na ins- uma movimentação livre das pernas, ou apertada
peção de peças em tor nos, os compassos “nun- para fixar a medida.
ca” devem ser usados enquanto a peça estiv er Compassos com dispositivo de transferência
girando. No mínimo as leituras serão imprecisas e de medidas são uma variação dos compassos de
ilusórias. E há sempre o per igo de se ter a f erra- junções com trava, que possuem um batente ou
menta arrancada das mãos. parada positiva numa perna com movimento livre,
Compassos com pernas chatas tanto para me- encaixada numa ranhura existente numa lâmina
didas internas como externas, são feitos no tipo auxiliar. A perna livre pode ser introduzida em re-
com mola em arco, e trazem uma porca ajustável baixos internos ou externos de anéis, flanges ou
e parafuso que se movimentam contra a pressão outras obstruções e depois retor nar à ajustagem
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 17

MICRÔMETROS
O micrômetro originário na França era um tanto
quanto grosseiro. Laroy S. Starrett (1836 - 1922
fundador da empresa STARRETT) é o responsá-
vel pela maioria dos aperfeiçoamentos que fizeram
do micrômetro o instr umento de medição moder-
no que nós conhecemos hoje.
De fato, um micrômetro combina o contato de duas
pontas de um paquímetro com o ajuste de um fuso
micrométrico que pode ser lido com alta precisão.
Seu funcionamento é baseado no princípio de um
fuso micrometricamente usinado com passo de
0,5mm (ou 40 fios por polegada) que a vança
0,5mm (0,025⬙) a cada volta completada.
Conforme ilustração ao lado , os fios da rosca do
fuso micrométrico giram dentro de uma porca fixa
que está coberta por um cilindro graduado. Em um
micrômetro com capacidade de 25mm (1 ⬙), o ci-
lindro é graduado longitudinalmente com 50 traços
correspondentes ao número de fios do fuso micro-
métrico (ou 40 tr aços no micrômetro em polega-
das).
Nota: veja nas páginas seguintes Como ler.
18 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Como Ler um Micrômetro Starrett Graduado em Milésimos de Para ler o micrômetro em milésimos de polegada,
Polegada (0,001⬙⬙ ). multiplique o número de traços verticais visíveis do
cilindro por 0,025⬙ e ao resultado adicione o núme-
ro de milésimos indicado pelo traço do tambor que
coincide com a linha longitudinal do cilindro.

Exemplo: conforme ilustração ao lado


- o traço “2” do cilindro
está visível ............................................=0,200⬙
- há 2 traços adicionais
visíveis, cada um
representando 0,025⬙ .............2x0,025⬙=0,050⬙
- o traço “0” do tambor coincide
com a linha longitudinal do
cilindro, portanto ...................................=0,000⬙
- a leitura do micrômetro é ......................=0,250⬙
Micrômetro Externo STARRETT 436.1. Uma maneira fácil de memor izar este cálculo é
considerar essas unidades como per tencentes a
Considerando que o passo da rosca do fuso mi- que os outros , que significa a centena de milé- uma conta de 10 reais . Considere cada n úmero
crométrico é 1/40 ⬙ ou 40 fios por polegada nos simo (0,100⬙). Por exemplo: o traço marcado “1” gravado no cilindro como um real, os traços verti-
micrômetros, evidentemente graduados em pole- representa 0,100⬙ - o traço marcado “2” represen- cais como quartos (ou 0,25 reais) e as divisões do
gadas, um giro completo do tambor af z avançar ou ta 0,200⬙ - o traço marcado “3” representa 0,300⬙ tambor como centavos. Some tudo, não use vírgu-
recuar a ponta de contato do fuso micrométrico em etc. la mas apenas o ponto do decimal em lugar do R$
relação à ponta de encosto, exatamente 1/40⬙ ou A face chanfrada do tambor é dividida em 25 par- diante do resultado.
0,025⬙. tes iguais sendo que cada traço representa 0,001⬙
A linha longitudinal no cilindro é dividida em 40 e é n umerado consecutivamente. Girando-se o
partes iguais representadas por 40 traços verticais tambor, cada traço desses atingido significa que
que correspondem ao número de fios do fuso mi- o fuso micrométr ico moveu 1/25⬙ de 0,025 ⬙ ou
crométrico. seja, 0,001⬙; atingindo 2 traços representa 0,002⬙,
Desta forma, cada traço vertical significa 1/40⬙ ou etc. Vinte e cinco tr aços indicam uma v olta com-
0,025⬙ e a cada 4 tr aços aparece um mais longo pleta, ou seja, 0,025⬙ ou 1/40⬙.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 19

Como Ler um Micrômetro A única diferença é que no nônio do micrômetro Como Ler um Micrômetro
STARRETT Graduado em existem dez divisões gravadas no cilindro ocupan- Graduado em Centésimos de
do o mesmo espaço de no ve divisões da f ace
Décimo de Milésimo de Polegada chanfrada do tambor. Desta forma, a diferença
Milímetros (0,01mm)
(0,0001⬙⬙ ) entre a largura de um dos dez espaços do cilindro
e um dos no ve espaços do tambor é um décimo
de uma divisão do tambor.
Considerando que o tambor é g raduado para lei-
turas em milésimos, um décimo de uma divisão
será fatalmente um décimo de milésimo . Para fa-
zer a leitura, primeiro leia os milésimos como num
micrômetro normal, depois veja qual das linhas
horizontais do cilindro coincide com uma linha do
tambor. Adicione à leitur a anterior o n úmero de Micrômetro Externo
décimos de milésimos indicado pela linha do cilin- STARRETT 230MRL.
dro que coincide exatamente com a linha do tam-
bor.
Na ilustração ao lado (“A” e “B”), o zero do tambor
coincide exatamente com a linha axial do cilindro
e o zero do nônio do cilindro é o que coincide com
a linha do tambor . A leitur a é, por tanto, igual a
0,2500⬙. Na ilustração “C”, a linha do zero do tam-
bor está abaixo da linha axial do cilindro, indican-
do uma leitura maior do que 0,2500⬙. Conferindo,
o nônio mostra que sua sétima linha é a que co-
incide exatamente com a linha do tambor, portan-
to, a leitura é 0,2507⬙.

Se você dominou o pr incípio do nônio conf orme Considerando que o passo do fuso micrométr ico
explicado na página 18, v ocê não ter á nenhum é meio milímetro (0,5mm), uma volta do tambor faz
problema em ler um micrômetro com nônio em avançar ou recuar o fuso micrométrico em relação
décimo de milésimo de polegada. à ponta de encosto os mesmos 0,5mm.
20 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

A linha de leitur a do cilindro é gr aduada em milí- Como Ler um Micrômetro


metros (1mm) sendo cada 5 milímetros numer a- Graduado em Um Milésimo
dos de 0 a 25. Cada milimetro é também dividido
ao meio (0,5mm) e são necessárias duas voltas do
de Milímetro (0,001mm)
tambor para avançar ou recuar o fuso micrométri-
co em 1mm.
A face chanfrada do tambor é g raduada com 50
divisões, sendo cada 5 tr aços numerados de 0 a
50. Considerando que uma volta do tambor avan-
ça ou recua o fuso micrométrico em 0,5mm, cada
traço equivale a 1/50 de 0,5mm, ou seja, 0,01mm.
Da mesma f orma, dois tr aços equiv alem a
0,02mm, três traços equivalem a 0,03mm, etc.
Para ler o micrômetro some o número de milíme-
tros e meios milímetros visíveis no cilindro ao nú-
mero de centésimos indicado no tambor que co-
incide com a linha de leitura do cilindro. Micrômetro Externo V230MFL.

Exemplo: verifique o desenho na página anterior:


Os micrômetros com nônio em milímetros são Exemplo (verifique os desenhos A e C):
- a graduação de 5mm do cilindro
usados como outros graduados em centésimo de - a graduação de 5mm no
está visível ........................................... 5,00mm
milímetro (0,01mm), exceto pela leitura adicional cilindro está visível............................. 5,000mm
- um traço adicional de 0,5mm de dois milésimos de milímetro (0,001mm) que é
do cilindro está visível.......................... 0,50mm - nenhum traço adicional está
obtida no nônio localizado no cilindro. visível no cilindro ............................... 0,000mm
- o traço 28 do tambor coincide O nônio consiste de 10 divisões cada uma igual a
com a linha de leitura - o traço (0) do tambor está abaixo da linha de
1/10 da divisão do tambor , por tanto 1/10 de leitura do cilindro, indicando que a leitura do
do cilindro, isto é, 28 x 0,01mm= ......... 0,28mm 0,01mm ou seja 0,001mm. nônio precisa ser acrescida.
- a leitura do micrômetro é ..................... 5,78mm Para ler o micrômetro , obtenha a leitur a de - o traço 5 do nônio coincide
0,01mm da mesma maneira como já foi explicado com o traço do tambor ....................... 0,005mm
anteriormente. Daí veja qual traço do nônio coin-
- a leitura do micrômetro é ................... 5,005mm
cide com o traço do tambor. Se for o traço marca-
do “1”, adicione 0,001mm, se for o traço marcado
“2”, adicione 0,002mm, etc.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 21

Como Usar, Ajustar e Cuidar de ção, usando par a isso a porca da tr ava, puxe o encaixe a chave (fornecida com o micrômetro) e
Micrômetros micrômetro pelo arco fazendo-o deslizar levemen- dê o aper to suficiente para eliminar a f olga. Veja
te. a ilustração. Para ajustar o “zero” limpe toda a su-
Para a maioria das medições o micrômetro é se- jeira ou partículas das pontas de contato, aproxi-
guro conforme mostrado abaixo. A peça a ser me- mando suavemente as pontas com um pedaço de
dida é colocada contra a ponta de encosto com a papel limpo no meio; puxe o papel com a pressão
mão esquerda enquanto você aproxima a ponta de aplicada, fechando a seguir as pontas usando a
contato do fuso micrométr ico girando o tambor fricção ou catraca. Introduza a chave na pequena
com os dedos polegar e indicador. fenda que existe no cilindro, conforme mostrado
Cuidado: não force uma medida - um contato com abaixo a direita, então gire o cilindro até que o tra-
pressão leve assegura uma leitura correta. Depois ço do “zero “coincida” com o tr aço do “zero” do
de alguma pr ática, você desenvolverá um cer to tambor.
“tato” ao medir, que proporcionará leituras automa- Cuidar do seu micrômetro requer pouco esf orço,
ticamente precisas. e compensa por sua vida mais longa e precisa.
Não esqueça de revisar seu micrômetro periodica-
mente para uma garantia de precisão, fazendo os
ajustes necessários conforme recomendado. Uma
gota ocasional do Óleo ST ARRETT Para Instru-
mentos no corpo e na rosca do fuso micrométrico
também propicia movimento livre e rápido. (Não se
trata do M1).
Limpe sempre seu micrômetro antes de guarda-
lo, nunca use ar compr imido que pode forçar en-
trada de sujeira nos fios da rosca do fuso micro-
métrico. Para guardá-los con venientemente a
STARRETT oferece uma v ariedade de estojos
para proteção.

Não remova a peça medida antes de efetuar a lei- A ajustagem de um micrômetro STARRETT pode
tura. Se a leitur a não pode ser f eita sem a remo- ser feita em duas fáceis etapas. A fim de eliminar
ção do micrômetro, trave o fuso ao final da medi- eventual folga no fuso micrométrico, tire o tambor,
22 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Como Usar um Micrômetro de Profundidade emerge da base e a vança de acordo com o giro
do tambor.
A leitura é obtida exatamente da mesma maneira
de um micrômetro e xterno, exceto pelo detalhe
que o cilindro tem a graduação em sentido opos-
to. Ao obter a leitura usando uma haste maior de
0-25mm (ou 0-1 ⬙), é necessár io acrescentar a
medida do compr imento da haste. Por exemplo,
se a haste usada é de 25-50mm (ou 1-2⬙), 25mm
(ou 1⬙) devem ser acrescidos à leitura obtida no ci-
Micrômetro de Pr ofundidade STARRETT Micrômetro de Pr ofundidade Digital
lindro e tambor. Se a haste usada é de 50-75mm
Série 440 e 445. STARRETT Série 749.
(ou 2-3⬙), 50mm (ou 2 ⬙) devem ser acrescidos, e
assim por diante.
Um micrômetro de profundidade , como o própr io cabeça micrométrica. As hastes, são introduzidas Antes de usar o micrômetro de profundidade, cer-
nome indica, foi idealizado para medir a profun- através de um furo e xistente no fuso micrométr i- tifique-se que a base , a ponta da haste e a peça
didade de furos , ranhuras, recessos, canais de co, e assentadas na posição correta por meio de a ser medida estão limpas , e que a haste está
chaveta, etc. Disponíveis com leitura normal e di- uma porca recar tilhada. O fuso micrométr ico é perfeitamente assentada na cabeça micrométrica.
gital. retificado com alta precisão e tem o curso de Segure a base fir memente de encontro à peça a
O instrumento se constitui de uma base tempera- 25mm (ou 1⬙). As haste são f ornecidas com dife- ser medida, conforme mostrado abaixo, e gire o
da, retificada e lapidada, combinada com uma rença de 25mm (ou 1 ⬙) cada uma. Cada haste tambor até que a haste toque o fundo da ranhura
ou recesso. Acione a porca da tr ava e remova o
micrômetro da peça medida para fazer a leitura.
Ajuste para compensar desgaste por causa de uso
é possível através de uma porca localizada no topo
de cada haste. Havendo necessidade de ajustar as
hastes, torça meia volta da porca antes de v oltar
à nova posição, confira então com um padr ão,
como blocos padrão Webber, por exemplo.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 23

Como Usar um Micrômetro máquinas operatrizes são feitas com elevado grau
Interno de exatidão por meio de hastes calibr adas de
medição. Cada jogo se constitui de 2 cabeças mi-
crométricas graduadas em centésimos de milíme-
tros (ou décimos de milésimos de polegadas) junto
com uma série de hastes calibradas, temperadas,
retificadas e lapidadas. (Nº de Catálogo 244)
Micrômetros Internos Fixos - Micrômetros inter-
nos fixos STARRETT são fornecidos tanto com
25mm (ou 1⬙) como 50mm (ou 2⬙) de faixa e tama-
nho até 300mm (ou 12 ⬙). Cabos isoladores mini-
mizam possibilidade de dilatação por causa do ca-
lor das mãos.
Micrômetro Interno 50-200mm Nº 124 MA. Micrômetro Interno de 200-800mm Nº 124MC.

Micrômetros internos são uma aplicação do prin- Considerando que uma ponta de contato é geral-
cípio do fuso micrométr ico em hastes ajustá veis mente mantida em uma posição fixa, a outra pre-
calibradas. A distância entre as e xtremidades ou cisa ser roçada em diferentes direções para se ter
certeza que o instrumento está atingindo o diâme- Micrômetro Interno 824C de 5-6 ⬙ .
pontas de contato é modificada girando-se o tam-
bor da cabeça micrométr ica até o limite de sua tro real de um furo ou a correta largur a de uma
capacidade, nor malmente 13mm (ou 1/2 ⬙) ou ranhura. No lugar da trava, uma banda de fricção
25mm (ou 1⬙). Grandes distâncias são obtidas por aparece no tambor.
meio das hastes de e xtensão e das b uchas cali- As hastes calibradas podem ser individualmente
bradas apropriadas, as quais em suas várias com- ajustadas para super ar desgastes, e a cabeça
binações cobrem a faixa total do instrumento. micrométrica também é ajustá vel por causa de
Os micrômetros internos são um pouco mais difí- eventual desgaste em sua rosca. Um cabo recar-
ceis de usar do que os micrômetros externos. Por tilhado também é fornecido para facilitar medições
causa de suas pontas de contato esf éricas, mais internas em locais de difícil acesso.
prática e precaução são necessários para se “sen- Hastes calibradas de medição - Ajustagem de
tir” o diâmetro efetivo a ser medido. barramentos e mesas de broqueadeir as e outras
24 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Medições Rápidas montado dentro do tambor f ormando um tambor


de fricção que reduz a abertura da palma da mão
Os micrômetros são fornecidos tanto com tambor
e dos dedos, tornando mais fácil o uso do micrô-
de fricção como com catraca, isso para que o fuso
metro com uma única mão. É fornecida uma por- Cabeça Micrométricas STARRETT 263.
não gire mais depois que uma determinada pres-
ca de trava.
são é aplicada. Este detalhe é de g rande valia
quando um número de medidas é f eito ou quan- Micrômetros Digitais
do as medidas são feitas por mais de uma pessoa
com o mesmo micrômetro.
Com o tipo de catraca, quando as pontas de con-
Cabeça Micrométrica Eletrônica Digital STARRETT Nº 762.
tato encostam na peça a ser medida, a catr aca
desliza sobre o pino e nenhuma outr a pressão é
em centésimos de milímetros (ou milésimos de
polegadas) e em dois milésimos de milímetros (ou
décimos de milésimos de polegadas), acabamento
Micrômetro Digital Nº 733MEXFL-25. cromo-acetinado, ou feitos de aço inoxidável. Lei-
A catraca de um turas digitais aparecem no contador com números
micrômetro garante uma brancos em fundo preto, e são fáceis de ler a dis-
pressão de medição
constante.
Micrômetros digitais proporcionam leitur as fáceis tância. Modelos digitais eletrônicos têm função
e rápidas para qualquer mecânico, independente plena, conversão milímetro/polegada, fixação da
de sua experiência. O contador montado no arco medição e saída para CEP, hardware, software, e
economiza tempo precioso visto que pode ser lido micros IBM. Também disponíveis com fuso não
sem tirar seus dedos do tambor, nem mesmo afas- rotativo.
O tambor de fricção tar o micrômetro da peça medida.
permite o uso do
micrômetro com uma
única mão e uma pressão
Cabeças Micrométricas
uniforme no contato.
Aplicações eletrônicas, máquinas operatrizes, dis-
positivos de medição e f erramentaria freqüente-
mente especificam cabeças micrométricas onde a
aplicada. A catraca está incor porada por um pe- precisão micrométrica para ajustagem é necessá-
queno botão auxiliar recar tilhado na extremidade ria. Disponíveis com f aixa de 13mm (ou 1/2 ⬙),
do tambor. O tipo de fr icção é um mecanismo 25mm (ou 1⬙) , e 50mm (ou 2 ⬙), com graduações
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 25

Micrômetro de Bancada para alinhar precisamente a peça a ser medida, secções finas ou de espaço reduzido, micrômetros
através de parafuso de ajuste e trava. O micrôme- tipo lâmina para medir entalhes estreitos e ranhu-
tro pode ser adaptado para medições eletrônicas ras, micrômetros para chapas de metal com arco
usando os instrumentos e apalpadores sér ie 715 em U profundo que per mitem a medição sobre
(ver pag.49), bem como para aplicações do Con- dobras ou bordas, ou em qualquer ponto de uma
trole Estatístico de Processo (SPC). superfície, inclusive per to do centro da chapa,
micrômetros para roscas com uma ponta cônica
Variedade de Micrômetros outra em V para medir os filetes de rosca, micrô-
Micrômetros são fornecidos para aplicações espe- metros com pontas esféricas e micrômetros para
Micrômetro de Bancada STARRETT. ciais tais como: micrômetros Mul-T-Anvil com arco tubos, para medir superfícies tubulares ou curva-
tipo grampo e pontas intercambiáveis para medir das e micrômetros par a papel. Os micrômetros
O micrômetro de bancada é um instr umento de tubos, distância de um furo a uma borda, espes- são também f abricados com capacidade até
precisão fina ideal para uso em bancadas tanto na sura de cabeças de par afusos, micrômetros com 1500mm (ou 60⬙) ou mais. Para uso constante ou
oficina como no laboratório de inspeção e pode ser apoio em V para medir ovalização de peças retifi- em condições abrasivas, os micrômetros são dis-
usado como um comparador com aproximação de cadas como também f erramentas com n úmero poníveis com as duas pontas de contato de metal
0,002mm (ou 50 milionésimos de polegada ímpar de cor te, micrômetros de disco para medir duro de longa vida.
0,000050⬙) por leitura direta no micrômetro. Peças
com comprimento de 0 a 50mm (ou 2⬙) podem ser
medidas. A base tem incorporada em uma das ex-
tremidades, uma ponta de contato móvel que aci-
ona o relógio comparador graduado em 0,002mm
(ou 50 milionésimos de polegada 0,000050⬙). Essa
ponta aciona o relógio através de um mecanismo
de transferência de movimento que tem ajuste de
pressão de contato entre 220 a 1350 g ramas e
pode ser retraída por meio de uma alavanca para
medições repetidas. Uma cabeça micrométr ica
tipo pesado montada a direita da base tem leitura
direta de 0,002mm (ou décimos de milésimos de
polegadas) e tem f aixa de 50mm (ou 2 ⬙). Uma
mesinha de apoio ajustável está centrada abaixo
das pontas de contato e pode ser posicionada
26 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

INSTRUMENTOS COM NÔNIO Como Ler Paquímetros (em


polegadas)
A régua é graduada em 25 milésimos de polega-
das (0,025⬙). Cada quar ta divisão representa um
décimo de polegada e é numerada.

RÉGUA FIXA

O nônio foi inventado por um matemático Francês Os modernos calibradores com nônio master da A placa do nônio convencional está dividida em 25
Pierre Vernier (1580-1637). Outros atr ibuem seu STARRETT se caracterizam por um nônio longo , partes numeradas 0, 5, 10, 15, 20, 25.
invento ao português Pedro Nunes (daí seu nome). aperfeiçoado com 50 divisões em lugar das 25
O paquímetro se constitui basicamente em uma divisões do tipo con vencional. A placa do nônio
régua fixa e um conjunto de nônio corrediço . A com as 50 divisões, com graduações mais espa- 25 DIVISÕES PLACA DE NÔNIO


parte fixa é uma régua temperada e graduada com çadas é de f ácil leitura e em combinação com a


uma ponta de medição fixa. O conjunto do nônio régua com a metade das g raduações, torna pos-
corrediço combina ponta móvel, a placa do nônio, sível leituras mais rápidas, mais exatas e bastan-
parafuso de fixação e porca de ajuste fino. te simplificadas, sem necessidade de lupa.
A parte móvel com o nônio desliza sobre a régua O principio do nônio é aplicado a m uitos instru-
graduada até que as duas pontas de contato to- mentos, tais como traçadores verticais, calibrado-
quem a peça a ser medida. As leituras são feitas res de profundidade, transferidores universais pa-
em dois ou cinco centésimos em relação às g ra- químetros para engrenagens, etc.
duações da régua fixa.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 27

B C Como Ler Paquímetros (em ca também nas leituras em polegadas e tanto na


milímetros) divisão de frações ordinárias como frações deci-
mais.
A régua é gr aduada em 1mm. Cada décima divi-
A -............ 13,00 na régua
são representa, portanto 10mm e é numerada.
B - ............ 10,72 na placa do nônio
A placa do nônio está dividida em 50 par tes de
A 13,72mm é a sua medida
0,02mm e cada quinta par te está numerada de 1
a 10, que significa os decimais.

Ao examinarmos a escala fixa em polegada no


exemplo acima, constatamos que sua g raduação
é em decimais de polegada, estando os décimos
numerados e havendo quatro graduações dentro
de cada décimo, portanto:
0,100⬙ : 4 = 0,025 ⬙. A escala móvel ou nônio tem A
25 divisões, portanto, está dividindo 0,025⬙ por 25 B
que dá a resolução do paquímetro que é 0,001 ⬙
(um milésimo de polegada).
O zero da escala móvel “passou” da primeira gra-
duação posterior ao número 5, portanto 0,525⬙. A
essa medida devemos acrescentar 0,015⬙ (a gra- Examinando o exemplo acima constatamos que o
duação 15 do nônio), que é a única que coincide zero da escala mó vel “passou” da g raduação
exatamente com uma graduação qualquer da es- 13mm. Percorrendo com os olhos a e xtensão da
cala fixa, totalizando 0,540⬙ que é a leitura do pa- escala móvel constatamos que a g raduação que
q u í m e t r o. coincide com uma graduação qualquer da escala
A - ............ 0,500⬙ na régua fixa é 72 (pr imeira graduação não numerada de-
B - ............ 0,025⬙ também na régua pois do 7), por tanto, devemos acrescentar aos
C - ........... 0,015⬙ na placa do nônio 13mm, 0,72mm totalizando 13,72mm que é a lei-
0,540⬙ é a sua medida tura do paquímetro. O pr incípio do nônio se apli-
28 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Paquímetro, Medições Internas e Ao usar um paquímetro STARRETT 123 gradua- Pontos de Referência para
Externas do somente em milímetros ou somente em pole- Compassos de Pontas e Cintéis
gadas, o procedimento é o mesmo para medições
Se você está usando um paquímetro tipo univ er- internas ou externas, usando a escala super ior No lado de trás dos paquímetros STARRETT 123
sal STARRETT série 125, mostrado nas páginas (medições internas) ou a inferior (medições exter- você encontrará ainda dois pontos de centro , um
anteriores, a medição inter na é feita pelos bicos nas). na régua gr aduada, outro na par te corrediça.
superiores. Abrindo-se o paquímetro na medida desejada,
estes dois pontos se tornam referência rápida, efi-
ciente e exata para ajustar seus compassos de
pontas ou cintéis.
Pontos de medição ou dimensões podem ser ob-
tidos por compassos e cintéis e transferidos, ajus-
tando-se o paquímetro até que as pontas de con-
tato dessas ferramentas se encaixem nos pontos
de referência do paquímetro. O usuário pode en-
Ajuste Fino tão fazer a leitura no paquímetro, mais precisa do
Depois de colocar os bicos do paquímetro em con- que se usasse uma escala de aço.
tato com a peça a ser medida, deslizando o bico
O paquímetro STARRETT série 1251 para servi- móvel ao longo da régua g raduada, aperte o pa-
ço pesado não possue os bicos super iores para rafuso do dispositivo de ajuste fino . Gire a porca
medições internas. Nesse caso, há necessidade do ajuste fino até que os bicos se ajustem perfei-
de se adicionar a medida obtida das pontas dos tamente a peça a ser medida. Aperte o parafuso
bicos inferiores quando fechados, para se chegar da trava para fixar o bico mó vel com o nônio na
à medida correta e completa. posição obtida.
A medida mínima “A” é
10mm (0,394⬙) para a faixa
de 300mm (12 ⬙) e 20mm
(0,787⬙) para as f aixas de
500mm (20⬙), 600mm (24⬙) e
1000mm (40⬙).
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 29

Como Cuidar de Paquímetros de são verificados apoiando-se a base sobre um çador vertical é usado sobre um desempeno ou
desempeno e descendo a régua até que toque a mesa de máquina par a delimitar distâncias no
Um paquímetro deve ser manuseado cuidadosa-
superfície. sentido vertical, localizar distâncias entre centros.
mente, porém fir memente e jamais de ve ser for-
Devido ao ajuste de precisão das par tes corredi- Outros acessórios para ampliar seu campo de
çado para se obter as medições . Empurre o bico
ças, uma gota ocasional do Óleo STARRETT Para ação, incluem acessórios de profundidade, risca-
móvel manualmente para o contato com a peça a
Instrumentos (não se trata do M1) proporciona um dores de metal duro, riscadores rebaixados, reló-
ser medida, tão justo quanto for possível antes de
desempenho livre. Nunca use lixa par a polir as gios indicadores, apalpadores eletrônicos e o
usar a porca de ajuste fino.
superfícies de contato ou para tentar reajustar um acessório PT99441 que possibilita o uso de m ui-
paquímetro por motivo de desgaste. tos tipos de relógios.
As graduações da régua e do nônio são idênticas
Traçadores Verticais às da escala externa do paquímetro e as leitur as
Como um paquímetro, o traçador vertical se cons- estão descritas nas páginas 26, 27 e 29.
titui de uma régua fixa ou barr a e de um nônio
corrediço. A régua graduada, temperada e retifica-
da está encaixada em
uma base temper ada,
retificada e lapidada. O Traçador
Vertical
conjunto do nônio cor-
Mantenha as superfícies de contato livres de su- Master
rediço pode ser erguido STARRETT
jeira e par tículas a fim de pre venir imprecisão e ou abaixado para qual- 254.
danos à sua lapidação; limpe o instrumento cuida- quer posição ao longo
dosamente depois do uso e guarde-o em estojo da régua e ajustado em
com os parafusos de fixação soltos. dois centésimos de mi-
Quando o paquímetro fica temporariamente sobre límetros ou milésimos
a bancada, certifique-se de que esteja bem assen- de polegadas atr avés Indicador Universal Last Word montado num
tado e afastado da borda. traçador vertical para comparar medidas de um
de um botão de ajuste bloco padrão com a peça a ser medida.
Verifique seus paquímetros per iodicamente che- fino.
cando o ponto z ero. No caso do paquímetro co- Montado com um risca-
mum e para engrenagens, junte os bicos e verifi- dor de aço temper ado
que o alinhamento dos tr aços zero da régua gra- fixável conforme mos-
duada e do nônio. Os paquímetros de profundida- trado à esquerda, o tra-
30 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Paquímetro de Profundidade parafuso de fixação do dispositiv o de ajuste fino de milímetro ou em um milésimo de polegada. Sua
deve ser girado para se obter a medida e xata, a construção combina em um único instrumento as
O paquímetro de profundidade difere levemente do
qual é então fixada pelo aperto do parafuso loca- funções do paquímetro e do calibrador de profun-
paquímetro e do traçador vertical no ponto que o
lizado na base de apoio , abaixo da placa do nô- didade.
conjunto do nônio permanece fixo enquanto a ré-
nio. A lâmina vertical é ajustada na profundidade por
gua graduada se move para se obter a medida
meio da sua porca de ajuste fino de modo que
desejada em dois centésimos de milímetros e mi- Paquímetro para Engrenagens quando ela tocar o topo do dente da engrenagem,
lésimos de polegada. O conjunto do nônio f orma
os bicos do paquímetro estar ão perfeitamente
também a base que é apoiada sobre a peça a ser
posicionados, para medir o diâmetro pr imitivo do
medida com uma das mãos enquanto a régua é
dente da engrenagem. A lâmina hor izontal é en-
manuseada com a outra.
tão usada para se obter a espessura da corda do
dente da eng renagem através da sua porca de
ajuste fino.
O procedimento para a leitura desses paquímetros
é exatamente igual a dos paquímetros comuns.
Os números para determinar o ajuste na profun-
didade da lâmina v ertical e a leitur a na lâmina
horizontal vem a seguir.

Paquímetro para Engrenagens STARRETT 456.

Calibrador de Profundidade
STARRETT 448.

A obtenção da medida é feita da mesma maneira O paquímetro para engrenagens mede a espes-
que nos calibr adores corrediços. Depois que a sura da corda, ou a espessura do diâmetro primi-
régua toca o fundo de uma ranhura ou recesso, o tivo do dente da engrenagem em dois centésimos
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 31

Espessura da Corda do Dente Nº de


t” s”
Nº de
t” s”
Nº de
t” s”
de Engrenagem Baseado em
Dentes Dentes Dentes

6 1.5529 1.1022 51 1,5706 1.0121 96 1.5707 1.0064

Módulo 1mm 7 1.5568 1.0873 52 1,5706 1.0119 97 1,5707 1.0064

8 1.5607 1.0769 53 1.5706 1.0117 98 1,5707 1.0063

Quando usar o paquímetro para medição de den- 9 1.5628 1.0684 54 1.5706 1.0114 99 1,5707 1.0062

tes de engrenagens comuns, a espessura da cor-


10 1.5643 1.0616 55 1.5706 1.0112 100 1.5707 1.0061
11 1.5654 1.0559 56 1.5706 1.0110 101 1,5707 1.0061

da (t) deve ser conhecida, visto que (t) é menor 12 1.5663 1.0514 57 1.5706 1.0108 102 1.5707 1.0060
13 1.5670 1.0474 58 1..5706 1.0106 103 1.5707 1.0060
que a espessura regular AB medida no diâmetro 14 1.5675 1.0440 59 1.5706 1.0105 104 1.5707 1.0059

primitivo. Com referência a tabela ao lado , note 15 1.5679 1.0441 60 1.5706 1.0102 105 1.5707 1.0059
16 1.5683 1.0385 61 1.5706 1.0101 106 1.5707 1.0058
que a altura do arco (H) foi adicionada ao (S), por- 17 1.5686 1.0362 62 1.5706 1.0100 107 1.5707 1.0058

tanto os n úmeros corrigidos a ser usados ser ão 18 1.5688 1.0342 63 1.5706 1.0098 108 1.5707 1.0057
19 1.5690 1.0324 64 1.5706 1.0097 109 1.5707 1.0057
encontrados na coluna (S). 20 1.5692 1.0308 65 1.5706 1.0095 110 1.5707 1.0056
21 1.5694 1.0294 66 1.5706 1.0094 111 1.5707 1.0056
Para qualquer outro passo , divida o n úmero da 22 1.5695 1.0281 67 1.5706 1.0092 112 1.5707 1.0055

tabela pelo passo necessário. 23 1.5696 1.0268 68 1.5706 1.0091 113 1.5707 1.0055
24 1.5697 1.0257 69 1.5707 1.0090 114 1.5707 1.0054

S = módulo ou addendum, ou distância do topo ao 25 1.5698 1.0247 70 1.5707 1.0088 115 1.5707 1.0054
26 1.5698 1.0237 71 1.5707 1.0087 116 1.5707 1.0053
diâmetro primitivo do dente 27 1.5699 1.0228 72 1.5707 1.0086 117 1.5707 1.0053

S” = S corrigido = H + S 28
29
1.5700
1.5700
1.0220
1.0213
73
74
1.5708
1.5707
1.0085
1.0084
118
119
1,5707
1.5707
1.0053
1.0052

t” = espessura da corda do dente 30


31
1,5701
1.5701
1.0208
1.0199
75
76
1.5707
1.5707
1.0083
1.0081
120
121
1.5707
1.5707
1.0052
1.0051

H = altura do arco 32 1.5702 1.0193 77 1.5707 1.0080 122 1.5707 1.0051


33 1.5702 1.0187 78 1.5707 1.0079 123 1.5707 1.0050
34 1.5702 1.0181 79 1.5707 1.0078 124 1.5707 1.0050
35 1.5702 1.0176 80 1.5707 1.0077 125 1.5707 1.0049
36 1.5703 1.0171 81 1.5707 1.0076 126 1.5707 1.0049
37 1.5703 1.0167 82 1.5707 1.0075 127 1.5707 1.0049
38 1.5703 1.0162 83 1.5707 1.0074 128 1.5707 1.0048
39 1.5704 1.0158 84 1.5707 1.0074 129 1.5707 1.0048
40 1.5704 1.0154 85 1.5707 1.0073 130 1.5707 1.0047
41 1.5704 1.0150 86 1.5707 1.0072 131 1.5708 1.0047
42 1.5704 1.0147 87 1.5707 1.0071 132 1.5708 1.0047
43 1.5705 1.0143 88 1.5707 1.0070 133 1.5708 1.0047
44 1.5705 1.0140 89 1.5707 1.0069 134 1.5708 1.0046
45 1.5705 1.0137 90 1.5707 1.0068 135 1.5708 1.0046
46 1.5705 1.0134 91 1.5707 1.0068 150 1.5708 1.0045
47 1.5705 1.0131 92 1.5707 1.0067 250 1.5708 1.0025
48 1.5705 1.0129 93 1.5707 1.0067 Rack 1.5708 1.0000
49 1.5705 1.0126 94 1.5707 1.0066
50 1.5705 1.0123 95 1.5707 1.0065
32 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Transferidor de Grau com Nônio O mostrador é g raduado em 360 gr aus, sendo dor, anote o número de graus inteiros entre o zero
0-90°, 90-0°, 0-90°, 90-0°. Cada dez g raus é nu- do disco e o zero do nônio. Conte então, na mes-
O transferidor de grau universal com nônio mede
merado, e cada cinco graus é indicado por um tra- ma direção, o número de espaços a partir do zero
qualquer ângulo em 1/12 g raus ou 5 min utos. A
ço mais longo que os demais. A placa do nônio é do nônio, até a linha que coincide com uma qual-
régua e o mostr ador podem ser gir ados em con-
graduada de forma que seus 12 espaços ocupem quer do disco. Multiplique esse número por cinco
junto a uma posição desejada e fixados através de
os 23 espaços do disco. A diferença entre a largura e o resultado será o número de minutos que deve
uma porca de fixação localizada no mostr ador, o
de um desses 12 espaços do nônio e dois dos 23 ser adicionado ao número de g raus inteiros.
dispositivo de ajuste ultra fino permite ajustagens
espaços do disco é, portanto, 1/12 de um grau ou Exemplo: Na ilustr ação ao lado o z ero do nônio
muito precisas. A régua pode ser le vada em am-
5 minutos (5⬘). Cada espaço do nônio é igual a está a esquerda entre o “50” e o “51” no mostra-
bas as direções e fixada contr a o mostrador pelo
1/12 de um grau ou 5 minutos (5⬘) menor do que dor, indicando 50° (graus) inteiros. Continuando a
aperto de uma porca que tem funcionamento in-
2 espaços do disco. leitura à esquerda, a quarta linha do nônio coinci-
dependente da porca de fixação do mostr ador.
de com a graduação “58” no mostrador conforme
indicado pelas estrelas, portanto, 4x5 minutos ou
20 minutos devem ser somados ao n úmero de
graus. A leitura do transferidor é portanto, 50 graus
e 20 minutos (50° e 20⬘). O transferidor universal
pode também ser usado como acessório do traça-
dor vertical quando fixado por seu cor po.

Transferidor Universal Nº 359 Leitura 50° 20’.

O nônio é numerado a cada três espaços . Esses


números representam minutos. Quando a linha do
zero do nônio coincide exatamente com uma linha
graduada do disco, a leitur a é e xatamente em
graus inteiros. Se isso não acontecer, procure qual
a linha do nônio que coincide e xatamente com
umas das linhas do disco. Essa linha do nônio in-
dica o número de doze avos de grau, ou 5 min u-
tos (5⬘) que deverão ser adicionados à leitura dos
graus inteiros. Para se obter leitur as do transferi-
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 33

Como Transferir Medidas Leituras mais precisas podem ser obtidas quando Se bem que é possiv el desta maneir a transferir
um micrômetro ou paquímetro é usado par a me- pelo tato uma medida com dif erença de apenas
Transferir medidas pode ser uma taref a delicada
dir a distância entre as pontas de compasso . É 0,006mm, há ocasiões em que não é pr ático agir
ou não, dependendo do g rau de exatidão neces-
dessa maneira, sem o risco de erros. Por esta ra-
sária. Um dos mais com uns instrumentos para
zão, mecânicos preferem usar instr umentos que
transferir medidas é o compasso. Estes são feitos
podem fazer leituras diretas em centésimos de
com as pernas curvadas para dentro ou para fora,
milímetro (ou milésimos de polegadas) e dois mi-
de acordo com as medições externas ou internas.
lésimos de milímetro (um décimo de milésimo de
Quando os compassos são ajustados à peça a ser polegada), tais como micrômetros ou paquímetros
medida, deve-se tomar cuidado par a não fazer para um trabalho de maior precisão. Aqui também
pressão excessiva com as pontas de contato , o o sentido do tato é impor tante e desen volver o
que poderia expandir as pernas e introduzir erros hábito de usar a mesma pressão ao ajustar as
na medição. A medida é então tr ansferida para pontas de contato em qualquer medição, contribue
uma escala de aço. Neste caso, é possível trans- grandemente para uma precisão uniforme.
ferir comprimentos com um erro inferior a 0,05mm
Depois de estabelecer o diâmetr o do furo com um
Para uma exatidão extrema em tr ansferência de
(0,002⬙).
calibrador telescópico, a medida é determinada pelas medidas, um micrômetro de altura DIGI-CHEK tal
pontas de contato com um micr ômetro externo. como ilustrado na página 49 deve ser usado. Uma
instalação ideal emprega um aparelho eletrônico
e o respectiv o apalpador em conjunto com um
aqui que o sentido do tato se tor na impor tante
calibrador transferidor vertical para inspecionar
para julgar as medições com precisão. Diferenças
altura de peças em (milionésimos de polegadas)
tão pequena de cotas que não podem ser detec-
três centésimos de micron, de vendo o calibrador
tadas pelos olhos, podem ser prontamente perce-
ser previamente ajustado com o micrômetro de
bidas pelo deslizar suave das pontas do compas-
altura.
so sobre a peça ou sobre os contatos de um pa-
drão. Ao ajustar compassos tanto pela peça a ser Barras Planas Retificadas
medida como pelo padrão, um contato firme mas
não inflexível é desejável. A percepção de uma Considerando que um trabalho de traçagem envol-
leve resistência ao movimento das pontas de con- ve a preparação de modelos, gabaritos, ferramen-
tato deve permanecer na memór ia o tempo sufi- tas de corte, peças de máquinas, peças e par tes
Pré-ajustagem de um compasso e xterno com uma ciente para uma comparação precisa entre a peça de dispositivos, etc., é con veniente conhecer as
escala de aço para uma transf erência de medida. vantagens das barras planas retificadas. Trata-se
a ser medida e o padrão.
de aço ferramenta de alta qualidade disponív eis
34 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

em comprimento de 450, 600, e 900mm (18⬙, 24⬙ para trabalhos intricados e trabalhos com secções ou acabadas, uma solução especial deve ser usa-
e 36⬙) e em v ariada combinação de largur as e finas. da.
espessuras. São cuidadosamente retificadas com A barra plana retificada Existem disponíveis no comércio, produtos prepa-
precisão de 0,02mm (0,001 ⬙) nas espessur as e STARRETT 497 é f eita rados tais como a tinta para traçagem STARRETT,
temperadas para usinagem mais fácil. sob análise especial par a a qual pode ser aplicada sobre qualquer superfí-
têmpera a ar. Devido às cie metálica e que proporcionar á traçagem de li-
suas car acterísticas de nhas nítidas e limpas, sem farpas ou escamas. A
não deformável, ela man- tinta azul para traçagem é fornecida em aerossol,
tém uma acurada precisão para aspergir diretamente
de medidas, eliminando sobre o metal, e em forma
distorções e tr incas, por isso o custo da retífica líquida para ser aplicada
para as dimensões finais é substancialmente re- com um pincel. Para me-
duzido. Disponíveis nos compr imentos de 450 e lhores resultados, a super-
900mm (18⬙ e 36⬙). fície deverá ser limpa de
Somente a barra plana retificada STARRETT 498 toda graxa, óleo, óleo solú-
de baixo carbono oferece um aço verdadeiramente vel, etc., antes de aplicar a
Muitas oficinas não tem condições de e xecutar tinta.
fácil de trabalhar, com melhor usinabilidade do que
serviços de retifica com toler âncias apertadas e
qualquer outra barra plana retificada. Tais carac-
mesmo aquelas que podem f azê-lo, optam pela
terísticas proporcionam: vida útil mais longa para Tinta de traça gem
vantagem da economia de tempo mantendo em em aerossol.
suas ferramentas de cor te, melhor acabamento,
estoque as barras com larguras e espessuras mais
produção mais rápida e custo de usinagem mais
freqüentemente usadas. As barras planas retifica-
baixo. Barras plana de baixo carbono são forneci-
das STARRETT estão disponíveis em três tipos:
das com 600mm (24⬙) de comprimento.
para têmpera em óleo, ao ar e de baixo carbono.

Escolha de Barra Plana Preparação da Superfície


Retificada Ideal Preparar a superfície. Para superfícies em bruto
A barra plana retificada STARRETT 496 para têm- como nos casos dos fundidos ou par a trabalhos
pera em óleo é f eita de aço f erramenta com cro- simples onde não é necessár ia grande precisão,
mo, tungstênio, vanádio, dimensionalmente está- passar um giz na superfície de tr abalho servirá
vel e sob rígida especificação da STARRETT. Com como camada par a traçar linhas mais visív eis.
450 e 900mm (18 ⬙ e 36 ⬙) de compr imento. Ideal Para traçagens finas e exatas, em superfícies lisas Tinta azul traça gem sendo aplicada com pincel. (p.35)
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 35

Traçagem Superfícies de peças podem ser fixadas f ácil, rá-


pida e precisamente com o localizador de arestas.
Traçagem é um termo usado em oficinas, que in-
Este é colocado na pinça da máquina ou mandril.
clui o assentamento de linhas , círculos, centros,
A mesa é então mo vimentada para provocar o
etc., sobre uma superfície de qualquer mater ial
contato entre o localizador de arestas gir atório e
para servir de guia para esquematizar a peça aca-
a peça a ser medida. A ponta de contato v ai se
bada. Traçagens finas e precisas são um dos me-
deslocar para uma posição concêntrica relativa ao
lhores exemplos, da habilidade de um profissional.
corpo e através de uma ajustagem adicional mui-
Essas habilidades incluem a escolha e uso ade- to sutil da mesa, se mo verá para fora do centro
quados de riscadores, compassos, traçadores, cin- com um tremor forte. Nesta altura, o centro do lo-
téis, graminhos, réguas, esquadros e transferido- calizador está e xata-
res. É muito importante manter as pontas dessas mente à metade do diâ-
Traçagem de linhas com um Riscador A uxiliar
ferramentas afiadas e sem rebarbas par a poder STARRETT. metro da ponta de con-
fixar com precisão centros, raios, bordas e cruzar tato da borda da peça,
pontos. Quando usar punções de centro, isso deve tável é um enorme recurso, por liberar mão e olho permitindo localização
ser feito com extremo cuidado. para fixar a peça sem desviar o olhar do e xato precisa para outras ope-
Produzir cavidades profundas ou rasas usando um ponto de contato. rações de usinagem re-
punção de centro requer prática, contudo punções Traçagens finas e precisas aumentam de valor na lativas a borda.
automáticos que têm emb utido um mar telo ajus- proporção que cresce a necessidade de produzir
cada vez melhores gabar itos, dispositivos, ferra-
mentas e máquinas.

Fixação de Peças
Muitos tipos de instr umentos são usados par a fi-
xar peças em operações de usinagem, traçagem,
verificação e inspeção, tanto em desempenos ,
cantoneiras, ou em vários tipos de placas e dispo-
sitivos de fixação em máquinas operatrizes. Estes
incluem relógios apalpadores , localizadores de
centro, blocos em V, localizadores de arestas e
outros dispositivos. Posicionar uma peça a par tir de sua bor da usando
Para traçagem precisa de três cír culos idênticos, este localizador de arestas montado no mandril de uma
mecânico usa um compasso de pontas de 6 ⬙ - 150mm. máquina.
36 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Para situar pontos de centro e traçar linhas, a pon- madamente na metade do diâmetro da peça.Três
ta aguda de contato é usada com um lápis ou uma ou quatro arcos traçados a partir de diversos pon-
escala de encontro ao ponto de centro e fazendo- tos da circunferência limitarão a localização de
Ao lado o
o correr concentr icamente. Dai a ponta é tr azida forma que o centro real pode ser estimado com escantilhão
para baixo em direção ao ponto de centro ou ao considerável precisão. Os centros deter minados C391.
cruzamento das linhas traçadas e a mesa é ajus- por ambos os métodos devem ser reforçados com
tada de modo que quando a ferramenta é trazida
para tocar levemente a peça, o alinhamento com
a ponta em questão pode ser deter minado.
balanceamento razoável para tornear diâmetros
Medição de Peças Torneadas uniformes em fundidos e forjados. Peças irregula-
res a ponto de ficar balançando sobre o desem-
Peças feitas em tor nos mecânicos são tão v aria- peno, devem ser assentadas sobre blocos parale-
das que uma considerável lista de instrumentos de los ou régua retificadas.
medição pode ser necessár io para atender a to-
Furos de centros são escareados a 60° para com-
dos os casos. Ordinariamente, porém, as pr inci-
binar com o ângulo dos pontos de centro do tor-
pais medições se referem a centragem da peça no
no. É aconselhável verificar periodicamente esses
torno, medir comprimentos e medir diâmetros.
ângulos para se certificar de que não houve des-
Centragem da Peça gaste ou distorção.
Isto é feito com um escantilhão, que é também útil
Para um tor neamento eficiente com desperdício um punção e depois testados em concentricidade, em retifica e ajuste de ferramentas de abrir roscas.
mínimo, e sem vibração e xcessiva, é necessár io rodando manualmente a peça entre os pontos de
localizar o centro da peça a ser torneada com con- centro do tor no, antes de fur ar e escarear os fu-
siderável precisão. Quando a peça é tor neada a ros de centro. Quando houver dúvidas sobre even-
partir de uma barra cilíndrica comum, isto pode ser tuais distorções ou v ariações no diâmetro das
feito prontamente usando o esquadro de centr ar peças como as fundidas ou forjadas, é convenien-
com a régua de um esquadro combinado e traçar te usar um g raminho ou tr açador vertical e um
linhas na extremidade da peça, gir ando o instr u- desempeno para determinar centros.
mento por volta de 90° g raus de uma linha par a As linhas traçadas nas extremidades com pontos
outra e obter um ponto de centro. de referência em vários pontos da circunf erência
Um compasso de centrar (hermafrodita) pode tam- localizarão o centro com cer ta provisão contra
bém ser usado com aber tura das per nas aproxi- eventuais falhas de superfície , e gar antem um
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 37

MEDIÇÕES DE COMPRIMENTOS Calibradores Telescópicos


E DIÂMETROS
Medições de comprimento e diâmetros são feitas
com escalas de aço , compassos, micrômetros,
paquímetros, calibradores com relógio, etc., de
acordo com o tipo da peça a ser medida e o grau
de exatidão necessário. Complementando-os, o
operador de torno encontra uso considerável para
graminhos, relógios indicadores, calibradores te-
lescópicos e micrômetros internos.
O graminho é útil par a traçar linhas em tor no de
peças cilíndricas ou para traçar círculos concên-
tricos sobre a superfície de uma peça presa a uma
placa. Relógios indicadores são especialmente Para uma verificação rápida de e xcentricidade, o
importantes para centrar uma peça na placa do torneiro usa o relógio comparador univer sal
montado num porta ferramentas.
torno uma vez que podem ser usados para verifi-
car concentricidade interna e externa como tam-
bém alinhamento de superfície.
Medidas de precisão são asseguradas com um
calibrador telescópico. O cabo é automaticamente auto
centrante. Acima o 579F.

Verificando o
diâmetro interno Os calibradores telescópicos são algumas ve-
de um furo zes preferidos aos compassos com uns para me-
profundo com um
micrômetro dir diâmetros internos. O cabeçote dos calibrado-
interno. Um cabo res telescópicos se expande dentro do furo e pode
muito prático
ser travado e verificado com um micrômetro para
está preso ao
centro do determinar a medida correta ou pode ser ajusta-
micrômetro. do a um padrão e usado para fazer ajustes folga-
dos e aper tados. Os calibr adores telescópicos
Verificando o furo de uma peça usando relógio
comparador. Um supor te de relógio tipo por ta
estão disponíveis com cabo de até 300mm de
ferramenta o mantém em posição. comprimento.
38 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Medição de Roscas
Medições dimensionais de roscas são executadas,
por exemplo, quando é necessár io tão somente
determinar o número de fios por polegada (TPI),
o passo de alguns parafusos, porcas, furos ou pi-
nos roscados, acessórios simples podem ser usa-
dos, uma escala de aço comum pode ser suficien-
te. Simplesmente alinhe a linha de gr aduação de
1 polegada na escala de aço com a crista (ponta)
de um filete (v eja diagrama 1) e conte o n úmero
de cristas (pontas) ao longo da extensão dessa 1
polegada de compr imento. Se o n úmero for 12,
então trata-se de rosca com 12 fios por polegada.
Se o compr imento total da rosca f or menor de 1
polegada, conte o número de cristas ao longo de
Os calibradores para fur os pequenos têm contatos Um calibrador de raio montado no cabo permite rápida
esféricos chanfrados que permitem medições em verificação de um raio de 6mm frezado nesta peça.
rasgos. Mostrado o 830D . Acima o 167M-6 com cabo 110.

Os calibradores para fur os pequenos tem a Os calibradores de raios são também muito úteis
mesma finalidade, porém para furos de 3 a 13mm nas operações de usinagem, inspeção e traçagem.
(1/8⬙ a 1/2⬙). Apresentam a ponta de contato es- São feitos de aço ino xidável e verificam raios de
férica fendida, que se expande para obter a me- 0,5 a 15mm (1/64⬙ a 1/2⬙). Cada lâmina serve para
dida, a qual deve ser em seguida transferida para uma medida e têm cinco diferentes faces tanto de
um micrômetro, reproduzindo tão fielmente quan- raios côncavos como convexos. Um cabo é forne-
to possível, o toque do calibrador dentro do furo. cido para medições em locais de difícil acesso.
Medindo fios de r osca com uma escala de aço.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 39

1/2 polegada apenas, então multiplique o número Os diâmetros maior (crista) e menor (raiz) da peça Medição de Ângulos
por 2. Por exemplo, se V. contar seis fios ao longo roscada podem variar dependendo da agudeza e
Transferidores. Medir a relação angular entre
de meia polegada, então 6 x 2 = 12. São 12 fios volume da rosca. As medições são nor malmente
duas ou mais linhas ou superfícies pode ser f eito
por polegada. Se V. contou 5 fios ao longo de 1/4 feitas no flanco da rosca para se determinar o di-
com uma variedade de instrumentos dependendo
de polegada, então a rosca é de 20 fios por pole- âmetro primitivo. Portanto, diâmetro pr imitivo é o
do grau de exatidão e do tipo de tr abalho. Para
gada, e assim por diante. diâmetro de um cilíndro que passa através do perfil
ângulos simples, um transferidor comum ser virá,
O passo da rosca e o número de fios por polega- da rosca, de forma a fazer com que as larguras da
seja de formato semi circular ou retangular , mas
da pode ser r apidamente determinado por um crista e do fundo da rosca sejam iguais ao longo
que seja um semi círculo (180°) graduado de for-
Pente de Rosca (veja diagrama 2) que é um jogo do comprimento da rosca. Micrômetros para Ros-
ma que os ângulos possam ser medidos ou traça-
de finas lâminas de aço . Cada lâmina contém na ca (veja diagrama 3) com a ponta do fuso cônica
dos. O formato retangular têm a vantagem de to-
borda os dentes correspondentes a um deter mi- e a outra em V são usados para medir os diâme-
das as quatro bordas poderem ser usadas como
nado padrão de rosca. As lâminas dos Pentes de tros primitivos. As pontas aguda e em V (ver dia-
referência horizontal ou vertical.
Rosca Starrett vêm gravadas com o passo de ros- grama 3A) são desenhadas de f orma que o con-
ca métrica ou com o n úmero de fios por polega- tato seja feito no flanco da rosca.
da. Por exemplo: 0,25 - 0,30 - 0,35 - 0,40 - 0,45 -
0,50 e assim por diante. Pode-se determinar facil-
mente o passo da rosca ou o n úmero de fios por
polegada encaixando a lâmina correta na rosca da
peça a ser medida.

Transferidor STARRETT
C493M mede ângulos
Medindo o diâmetro de uma rosca com um micr ômetro
de 0 a 180 graus e
apropriado. Leituras diretas em polegadas ou
também pode ser usado
milímetros com as pontas cônicas e em V na posição
como calibrador de
mostrada acima, sendo a linha A-B correspondente a
profundidade.
leitura 0.
Pente de rosca com 54 lâminas para r osca métrica e
inglesa. Acima o 477.
40 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Transferidores universais. Um transferidor e uma INSTRUMENTOS DIVERSOS


suta são combinados par a maior con veniência,
num transferidor universal. Constitui-se de um dis-
co graduado com uma lâmina fixa e uma base
ajustável. Com tal instr umento, qualquer ângulo
pode ser traçado ou medido pela leitura do ângu-
lo da base em relação a lâmina conforme mostra-
do na graduação do transferidor, em graus. Atra-
vés de um nônio e de um dispositivo de ajuste ul-
tra fino, é possível leitura precisas de ângulos com
aproximação de 5 minutos ou 1/12 g raus. Medi-
ções angulares extremamente apertadas com to-
lerâncias de até 1/4 de segundo podem ser atin-
gidas através de blocos padrão angulares.
Calibrador para Ângulos de Br ocas C22MC verifica
Suta Universal S TARRETT 47 tanto o ângulo da ponta da br oca como o
para medição de ângulos. comprimento da estria garantindo con venientemente
afiação de br ocas.
Verificando
ângulo com
transferidor Calibradores para ângulos de br ocas. Furos
Sutas. Para comparar ou verificar ângulos, uma universal
suta têm a mesma finalidade de um esquadro de montado num precisos podem ser f eitos somente quando as
aço para retângulos. São constituídas de uma calibrador pontas estão precisamente retificadas . Quando
traçador de convenientemente afiadas, as estrias de uma bro-
base e uma lâmina centrada fixá vel através de altura 254.
parafuso. As sutas podem ser ajustadas a um ca têm o mesmo comprimento e o mesmo ângulo
transferidor e usadas como calibradores fixos em em relação ao eixo da broca. Um calibrador para
serviços de tor neamento de ângulos , ou podem ângulo de brocas deve ser usado para verificar o
ser fixadas para transferir qualquer ângulo de uma ângulo da estria e o comprimento de todas as bro-
peça para o transferidor. cas não afiadas em retificas de precisão. O calibra-
dor consiste de uma lâmina e um cursor assenta-
do perfeitamente num ângulo de 59° graus e gra-
duada para comparar o compr imento de estr ias
com aproximação de 0,5mm e 1/64⬙.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 41

Calibradores de folga. Calibradores de folga ou mentas de desbaste e acabamento. Calibrador de


de espessuras têm de 6 a 31 lâminas com af ixa de ângulos verdadeiramente economiza tempo, que
0,04 a 5mm (0,0015⬙ a 0,200⬙). São usados prin- em muitas circunstâncias é usado no lugar do
cipalmente por ferramenteiros e modeladores , transferidor.
mecânicos, operadores de máquinas de rosque-
ar, projetista e outros similares , para traçagem e
verificação de folgas, fendas e par alelismo, etc.
Ideal para uso em motores , quando ajustar pis-
tões, anéis e pinos , tuchos, velas de ignição e
pontos do distribuidor. Disponíveis em milímetros
e polegadas, com lâminas retas ou afiladas , em
vários comprimentos no tipo ar ame para uso au-
tomotivo. Calibrador de Raios 178.

Calibrador de Folga ou Espessura


666 vem em estojo rebobinador .

Calibrador de folga em fita. Calibradores de fol-


ga ou de espessur as são fornecidos em tr inta e
uma espessuras em polegadas, de 0,001⬙ a 0,030⬙
e vinte e cinco em milímetro, de 0,03 a 1mm, em
rolos, acondicionados em estojo rebobinador que Calibrador de Ângulos 466.
permite recolher a fita, e vitando danos. As fitas
podem ser cortadas no tamanho desejado e usa-
das com um supor te. Disponíveis também em lâ-
minas com 300mm de compr imento.
Calibrador de Folga 66MA tem 20
laminas de 0,05 a 1,00mm de Muitos outros calibr adores são fornecidos para
espessuras. mecânicos e engenheiros atualizados , em pente
de raios para verificar raios de ferramenta, calibra-
dor para diâmetros de esferas para verificar ferra-
42 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

RELÓGIOS COMPARADORES A ponta de contato é rosqueada na haste de co-


mando, cujo movimento é transmitido para um pi-
Um dos instr umentos mais largamente usados
nhão e dai atr avés de um conjunto de eng rena-
atualmente em traçagem, inspeção e controle de
gens para um ponteiro, o qual v arre o mostrador
qualidade é o relógio comparador. Especialmente
do relógio comparador. Um pequeno mo vimento
desenhado com eng renagens de aço ino xidável
da ponta de contato é , portanto, largamente au-
temperadas e manufaturado sob padrões de relo-
mentado e a leitur a feita diretamente no mostra-
joaria, com mancais de r ubis, o relógio compara-
dor em décimos de milímetro ou milésimos de
dor tem engrenagens, pinhões e outras partes do
polegada, ou em aper tadíssimos milésimos de
mecanismo finamente acabada de forma a tornar
milímetro (50 milionésimos de polegadas), depen-
possível medições desde um décimo até milésimo
dendo do tipo de relógio compar ador usado. Re-
de milímetro (um milésimo até 50 milionésimos de
lógios comparadores de curso longo têm conta-
polegada), dependendo da precisão exigida.
voltas e mostrador duplo. Existem disponíveis com
Manutenção fácil, vida longa e a mais alta preci- graduações para leituras em 0,1mm, 0,01mm e
são pode-se esperar de um moderno relógio com- 0,001mm (0,001⬙-0,0005⬙-0,00025⬙-0,0001⬙ e
parador por causa de sua unidade de construção, 0,00005⬙), com cursos de 125 até 0,5mm (12⬙ até
e desenho simples e intercambiável. Menos peças 0,003⬙). Os mostr adores podem ter g raduações cial, cônicas, e ponta com rolete par a uso em
significam maior eficiência, menos fr icção e des- balanceadas ou contínuas. materiais em movimento.
gaste. Qualquer en- Muitos dispositivos úteis são fornecidos para aten-
Quando o relógio comparador está sujeito a cho-
grenagem isolada e der as necessidades. Os relógios compar adores
ques repentinos, um mecanismo NON-SHOCK
qualquer caixa monta- podem ser fornecidos com marcadores de tolerân-
pode ser fornecido na maior ia dos relógios , em
da podem ser combi- cia; com mostradores especiais; com protetor de
lugar do mecanismo normal. Impactos e choques
nadas para fazer um borracha para isolar poeir a e outr as par tículas,
são completamente absorvidos e isolados do mo-
relógio comparador no com mecanismo antimagnético quando o relógio
vimento das engrenagens. Outros modelos podem
estilo desejado . Os comparador é usado perto de campos magnéticos;
ser também con vertidos em tipo NON-SHOCK
mostradores têm cor com canhão longo até 300mm para uso em furos
pela colocação de uma ponta de contato especial
específica para evitar profundos; com alavanca de controle para erguer
para absorção de choques . A ponta de contato
erros, sendo o branco a haste do comparador.
normal pode ser substituída por pontas de pr ati-
para leituras em pole-
camente qualquer formato ou compr imento para Relógios comparadores com super precisão
gadas e o amarelo
Relógios Comparadores se adaptar a determinados trabalhos. Estas inclu- graduados em 50 milionésimos de polegada e
para leituras métricas.
STARRETT característicos em pontas de contato extra longas, formato espe- precisão de mais ou menos 10 milionésimos po-
em quatro tamanhos padrão
da norma Americana AGD.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 43

dem ambém ser f orneci- comparador foi incorporado a todos os tipos de Paquímetro de Profundidade
dos. Estes são usados equipamentos de medição, quer especiais ou stan- com Relógio
quando extrema precisão dard bem como em div ersas máquinas operatri-
é necessária desde inspe- zes. Alguns calibradores fazem medições diretas Seja com 150mm (6⬙) ou 300mm (12⬙) de faixa, eis
ções na f ábrica a traba- e outros funcionam como comparador mostrando um rápido e preciso método de medir profundida-
lhos em laboratório. Os re- as variações para mais ou par a menos de uma de de furos, rasgos e recessos. Todas as leituras
lógios comparadores com cota. são obtidas diretamente da régua e do relógio .
curso longo de 50 a Para aberturas mais largas pode se adaptar uma
125mm (2⬙, 3⬙, 4⬙ ou 5⬙ e extensão à base 175mm (7 ⬙) ou 300mm (12 ⬙) do
até 12⬙) tornam possíveis paquímetro. Esta extensão pode também ser po-
todos os tipos de grandes sicionada à direita e à esquerda para rasgos fora
calibragens tais como tra- do centro, próximo a saliências e entre obstruções.
balhos de dispositivos e gabaritos, para medição
em máquinas oper atrizes ou como limitador de
precisão. O conta voltas e os mostradores duplos
permitem leitura direta em um centésimo de milí-
metro (um milésimo de polegada).
Tampas traseiras magné-
ticas. Propiciam um modo
rápido e fácil de fixar qual-
quer relógio compar ador
STARRETT a superfícies
metálicas lisas. Realmente Paquímetro STARRETT
Tampa Traseira 450-6 com extensão
economizam tempo na ins- PT22287 para a base .
Magnética
STARRETT 676-1. talação de máquinas , ga-
baritos e dispositivos.
Calibradores com relógio. O princípio de leitura Paquímetro com Relógio
direta a partir de um ponteiro sobre mostrador gra- Modelo 3025-481 com leitura de 0,01mm e cur so Trata-se do instrumento mais versátil e mais fácil
duado, possibilita tanto precisão como rapidez de de 10mm. Nota: os ponteiros dos relógios
de ler. Este paquímetro de aço inoxidável com re-
comparadores vem de fábrica posicionados em
leitura, essenciais hoje par a a maior ia de opera- 9:00 horas a fim de permitir uma pré-carga e lógio para 4 tipos de medições , tem pontas de
ções de inspeção, e conseqüentemente, o relógio remover qualquer f olga antes da leitura. contato tipo faca para medições inter nas e ex-
44 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

ternas, além de uma vareta presa a sua parte cor- Mesas de Medição Suporte com Relógio
rediça para fazer medições de profundidade. Essa Comparador
A mesa de medição é usada par a inspecionar
vareta tem a ponta chanfrada em bico para medi-
peças em série e materiais diversos tanto em sala O suporte com relógio compar ador é um instr u-
ções em pequenas ranhuras e recessos.
de inspeção como na linha de produção . A base mento de aplicações div ersas, usado em tr aça-
retificada de precisão supor ta todos tipos de pe- gem, inspeção e em máquinas operatr izes para
ças bem como blocos em V e outros dispositivos. centrar peças, verificar acabamento, concentrici-
dade, paralelismo, alinhamento de superfície , e
para transferir medidas. Um relógio compar ador
PAQUÍMETRO COM RELÓGIO vem montado na e xtremidade de um br aço hori-
STARRETT 1201M-150
zontal ajustável que é acoplado a uma coluna ver-
tical. Esta coluna é corrediça sobre uma base com
ranhura em T. Um outro tipo disponível é o relógio
ACESSÓRIO DE PROFUNDIDADE
comparador universal com contato no dorso . Vá-
STARRETT PT22431 rios acessórios inclusive o porta ferramentas, pro-
porcionam uma v asta gama de aplicações tais
como a v erificação do acabamento de um furo
usinado num torno.
Colocando a borda tr aseira do bico mó vel contra
a borda de uma peça, linhas paralelas podem ser
traçadas contra a face de contato do bico fixo. To-
das as leituras são obtidas diretamente da régua
graduada e no relógio . As medições podem ser
Acima Mesa de Medição 653J .
feitas com uma única mão, sendo o ajuste fino feito
através de botão em f orma de rolete. Um parafu-
so de fixação tr ava o bico mó vel e o relógio em Um relógio comparador vem montado num braço
qualquer posição. Adaptando-se um acessório de horizontal dotado de dispositiv o de ajuste fino , o
profundidade, o paquímetro com relógio se trans- qual se encaixa numa coluna vertical. Uma alavan-
forma num conveniente calibrador de profundida- ca manual aciona o relógio comparador par a o
de fácil de usar. Estão disponíveis com capacida- contato com a peça a ser inspecionada e as varia-
de de 150mm (6⬙) a 300mm (12⬙). Este último sem ções de medida são lidas no mostrador. Acima o supor te com Relógio 665J usando um
o recurso de medir profundidade. Esta unidade pode ser f ornecida montada numa Acessório para Fur os 670B.
base de granito.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 45

Relógios Indicadores com campo de aplicação do relógio compar ador em Comparadores Internos com
Fixação por Rabo de Andorinha todas oficinas e trabalhos de verificação e inspe- Relógio
ção. O tempo normalmente perdido na fixação de
Os relógios apalpadores das sér ies 3708 e 3709 um relógio na máquina é eliminado, pois sua base Outro instrumento com relógio, neste caso par a
com fixação por rabo de andorinha foram criados magnética é forte, permanente, adere a qualquer medir com precisão furos cilíndricos. Este medidor
para tornar fáceis e posicionamento e leituras exa- superfície plana ou cilíndrica, de aço ou ferro, ho- inspeciona rapidamente diâmetros de furos, detec-
tas. A versatilidade do mostrador inclinado combi- rizontalmente, verticalmente, ou de cabeça par a tando e medindo qualquer v ariação de um furo ,
nado com três possibilidades de fixação por rabo baixo, em eixos usando a superfície em V retifica- tais como conicidade , ovalização e perfis como
de andorinha, elimina a necessidade dos modelos da de precisão. boca de sino, ampulheta e barrica.
horizontal e vertical de relógios apalpadores, e fun-
Um botão liga e desliga a força magnética. Dispo-
cionam com acessór ios de outros modelos e xis-
níveis para vários relógios e dispositivo de fixação
tentes; disponíveis com leitura em milímetros e po-
de acordo com as necessidades da peça a ser
legadas.
medida. Especialmente útil é o supor te FLEX-O-
POST para base magnéticas. Flexibilidade com-
pleta permite o uso de relógios em posições com-
plicadas, de difícil acesso, impossível de ser atin-
gidas por dispositivos convencionais de fixação de
relógios.

Relógio
Apalpador
3809MA. Ao lado
a Base
Magnética
657T com Acima Comparadores de
Suporte Diâmetros Internos com
Flex-o-Post Relógio Séries 3089.
e Relógio
Suportes com Base Magnética Apalpador
Last Word.
Um suporte para relógio compar ador com base
magnética aumenta grandemente a utilidade e o
46 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Basicamente o instrumento consiste de um cabe- com relógio deste tipo é freqüentemente usado. É Abaixo o medidor com Relógio
para Ranhuras Internas 1175.
çote de contato, caixa do relógio e cabo . Um pa- um instrumento extremamente versátil e adaptá-
rafuso de ajuste do curso mais dois pinos centra- vel a uma vasta gama de medições sem a neces-
lizadores proporcionam os três pontos de contato sidade de m uitos e custosos calibr adores espe-
para assegurar centr agem perfeita. A ponta de ciais.
contato aciona um relógio comparador com leitu- Sua aplicação inclui v erificação de diâmetros r a-
ra de um centésimo de milímetro. São fornecidos sos, internos ou externos, ovalização, concentrici-
modelos com capacidade de 6 a 450mm de diâ- dade, ranhuras, recessos, ressaltos e conicidade.
metros e de 300mm de profundidade . Disponíveis em 9 tamanhos para medir diâmetros
Para diâmetros menores uma série de medidores de 25 a 1500mm (1⬙ a 60⬙).
internos com pontas de contato esféricas fendidas
para medições de furos com diâmetros de (0,107⬙ Medidores Especiais
a 1,565⬙) 3 a 40mm com profundidade de 20 a Quando uma peça não pode ser medida com equi- dução do instrumento dentro da peça a ser medi-
125mm e leitura de 0,01mm ou 0,0001⬙. pamento normal em vista do seu padrão, formato da. Alcance máximo 150mm (6⬙).
ou tamanho especial, ou ainda par a eliminar ne- As dimensões da peça são transferidas através de
Medidores com Relógio para gligência do operador, é necessário freqüentemen- mecanismo para o relógio comparador com apro-
Diâmetros te construir instrumentos especiais para a tarefa. ximação de 0,01mm (0,0005 ⬙). O instr umento é
pré ajustado a um padrão conhecido.
Medidor com Relógio para
Ranhuras Internas Calibradores de Boca com
Um modo rápido, preciso de medir diâmetros de
Relógio
ranhuras de qualquer tipo é através deste medidor. Este calibrador de boca também usa um relógio
O instrumento tem ajustagens para alcançar uma comparador para medição direta das variações de
faixa de diâmetros de 9,5 a 150mm (0,375 ⬙ a 6⬙) diâmetros em centésimos de milímetro (décimos
e elimina a necessidade de calibr adores dispen- de milésimo de polegada).
Acima um medidor com Relógio para diosos para cada serviço.
Diâmetros 1101 com Af eridor 1126.
São fornecidos em quatro modelos par a cobrir
Extensões especiais para aumentar os recursos e uma gama de diâmetros até 200mm (8 ⬙). O cali-
a capacidade também estão disponív eis. O apal- brador tem o cor po em forma de C le ve, porém,
Quando o trabalho é variado e envolve muitos diâ- pador sensível é retraído paralelamente através de rígido com cabo isolante e duas pontas de conta-
metros grandes até 1500mm (60 ⬙), um medidor uma alavanca para o polegar, permitindo a intro- to ajustáveis e um batente ajustá vel, para definir
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 47

a profundidade da garganta. A ponta de contato Medidores de Chanfros, medem qualquer furo res vêm com ângulos de 82, 90 e 100 graus numa
superior, sensitiva, transfere as dimensões da chanfrado que tenha um ângulo incluso igual ou faixa de medição de 0,5 a 19,8mm. Um anel pa-
peça, através de mecanismo, para o relógio com- menor do que o ângulo g ravado no mostrador do drão de ajuste é f ornecido com cada medidor . A
parador. Deve ser pré ajustado a um padr ão co- relógio comparador. Esta série de medidores vêm leitura no relógio é “mantida” até o botão de rea-
nhecido. com ângulos de 0-90 e 90-127 graus tanto no mo- juste ser ativado, permitindo ao operador outros
delo interno como externo, nas faixas de 0-9,5mm controles.
até 25-50mm. Esta série de medidores não neces- Medidores de Furos, verifica o diâmetro de furos
sita de padrão de ajuste. em 0,02mm ou 0,001 ⬙. A faixa de medição é de
Medidores de Fur os Escareados, faz leituras 0,25 e 8,35mm (ou 0,010 a 0,330⬙). Anéis padrão
Ao lado o diretas em 0,05mm ou 0,002⬙ de diâmetros de fu- de ajuste podem ser f ornecidos com estes medi-
calibrador ros escareados e chanfros. Esta série de medido- dores. Os mostradores dos relógios métricos são
de boca
com amarelos.
Relógio
Medidor de Chanfros
1150-2. no. 683M-3 de 0-90 graus,
para diâmetros internos
de 0-25mm

Medidor de Furos
no. 690M-4, faixa
O calibrador de boca pode ser usado manualmen- Medidor de Furos de medição 5,85-
Escareados no. 688M-3 8,35mm
te ou, com um supor te, como um comparador de de 90 graus, faixa
de medição 9-14,2mm
bancada ou com apalpador eletrônico 715-2 e lei-
tura digital (indicadores eletrônicos séries 717, 718
e 776) em lugar do relógio compar ador comum.
Trata-se de unidade absolutamente por tátil.

Medidores para Chanfros, Furos


e Furos Escareados
Este grupo de medidores apresenta a qualidade
dos relógios comparadores da nor ma AGD, pro-
porcionando medições rápidas, precisas e de f á-
cil leitura com apenas uma das mãos. Um supor-
te de fixação pode ser fornecido tornando a inspe-
ção de peças ainda mais fáceis.
48 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

INSTRUMENTOS ELETRÔNICOS
Micrômetro
Externo
Digital
Eletrônico
Starrett nº
733.

Micrômetro Externo Digital Eletrônicos nº 733,


com saída, apresenta resolução de 0,001mm (e
0,00005⬙), e exatidão de ⫾0,002mm (⫾0,0001⬙).
Faixa de medição de 0-25mm (0-1⬙) até 575-600mm
(23-24⬙).

Micrômetro Interno Digital


Mostramos acima v ários instrumentos digitais eletr ônicos, com acessórios interfaceando com Eletrônico Starrett nº 780.
sistemas de coleta de dados CEP .

A nova tecnologia trouxe a medição de precisão relatórios para análise e pode ajudar nos proces-
para dentro da era da eletrônica com a introdução sos de controle de mecanismos, bem como diag-
dos instrumentos eletrônicos com leitur a digital. nosticar e prevenir contra os problemas com as
Eles apresentam a vantagem da leitura direta, tan- tolerâncias.
to no sistema métr ico como em polegada. Apre- A família de micrômetros digitais eletrônicos é pro- Os Micrômetros Internos Digitais Eletr ônicos
sentam mostradores com leitura rápida e fácil que jetada com os avanços da eletrônica, resolução de nº 780 significam plenitude na medição de furos
não requerem inter pretação, portanto, estão me- 0,001mm, conversão milímetro/polegada, além de com rapidez, facilidade e exatidão, além da saída
nos propensos a erros. Têm ainda capacidade de construção robusta, funcionamento suave, “tato” e para os per iféricos Starrett par a CEP (Controle
transmitir dados a coletores , por meio de cabos , o balanceamento dos micrômetros mecânicos da Estatístico de Processo e do Nív el de Proteção
para manter um registro per manente ou par a o Starrett. A linha de micrômetros digitais eletrônicos IP65 contra líquidos refrigerantes e umidade. A sé-
Controle Estatístico de Processo (CEP), uma exi- da Starrett inclue os externos, de função especial, rie 780 cobre uma faixa de medição de 2 a 300mm
gência para muitas industrias atualmente. Usada internos e as cabeças micrométr icas. (0,080 a 12⬙). Pontas de contato de metal duro são
convenientemente, a coleta de dados pode emitir fornecidas com os micrômetros acima de 12,5mm.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 49

hora sem uso. Os modelos com função plena tem,


além disso, novos botões de m udança, modos
min/max - usados para reter as leituras máximas
e mínimas de um grupo, e TIR que informa a dife-
rença entre elas; modo de limites de tolerâncias e
saida para análise de CEP e coleta de dados.

Relógio
comparador
digital
Paquímetro Digital Paquímetro de Pr ofundidade eletrônico
Eletrônico Starrett nº 797. Digital Eletrônico Starrett nº 3753. Starrett nº 3600.

O Paquímetro Digital Eletrônico nº 797 tem uma Paquímetro de Profundidade Digital Eletrônico
faixa de medição de 0 a 300mm (0-12⬙); resolução nº 3753 foi desenhado para medir com facilidade Relógio comparador
0,01mm (0,0005⬙); exatidão linear de ⫾0,03mm e exatidão, furos, ranhuras e recessos. O Paquí- digital eletrônico
metro 3753 tem uma faixa de medição de 0-300mm Starrett
(⫾0,001⬙) conforme DIN862. Disponíveis com saí- nº 2700-Wisdom.
da de dados par a periféricos RS232 e Nív el de (0-12⬙); exatidão linear de ⫾0,03mm (⫾0,001⬙) e
Proteção IP65 contr a líquidos refr igerantes e resolução de 0,01mm (0,0005 ⬙).
umidade. Possibilita operação com uma única Relógios Comparadores Digitais Eletrônicos nº Mais avançado, o nº 2700-Wisdom tem todos as
mão, e rolete de ajuste fino par a o polegar; mos- 2600 e 2700-Wisdom, fornecem leituras rápidas, características anteriormente apresentadas, faixa
trador digital LCD de leitura fácil; conversão milí- exatas. Estão disponíveis em duas v ersões: uma de medição até 100mm (4 ⬙) mais resoluções se-
metro/polegada; pode ser zerado em qualquer po- com funções básicas, outra com funções plenas lecionáveis pelo usuár io. De alta e xatidão, os re-
sição; parafuso recartilhado trava o bico móvel em para uma completa compatibilidade com CEP. A lógios nº 2700 podem oper ar em três fontes dife-
qualquer medida ajustada; saida para periféricos série 2600 tem f aixa de medição de 25mm (1 ⬙), rentes de energia e pode ser encomendado espe-
de CEP (Controle Estatístico de Processo); apre- resolução de 0,01mm (0,0005 ⬙). Os modelos bá- cialmente para atender necessidades especiais de
senta bicos tipo faca tanto para medidas internas sicos têm conversão imediata milímetro/polegada, fabricação.
como externas. Oferece ainda o recuros de ajus- zeragem em qualquer posição, controle mais/me-
te de limites de TOLERÂNCIAS. nos e desligamento automático depois de uma
50 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Calibradores Eletrônicos de Os Calibradores de Altura Digitais Eletrônicos da


Altura série 3752 apresentam uma solução versátil e eco-
nômica para a maioria das aplicações normais de
O Calibrador Digital de Altur a “Altíssimo” série medição de altura. Como todos os calibradores de
2000 é pródigo em inovação e facilidade de uso - altura Starrett, a série 3752 vem com um comple-
dotado de funções exclusivas que tornam confiá- to elenco de car acteristicas normais tais como a
veis e diretas suas rotinas de medição , como: construção em aço ino xidavel, riscador tempera-
coordenadas de centro, diâmetro, altura, máximo do e retificado, base à prova de choques, funções
e mínimo, TIR, distância da última car acterística completas para medição de altur a e saída par a
medida e distância entre os dois últimos pontos . análises de CEP. A sér ie 3752 compreende dois
Apresenta sete funções de ajuste como:calibração modelos com mostr ador LCD e resolução de
do apalpador (2 opções), v olume de aler ta sono- 0,01mm (0,0005⬙), gra-
ro (beep), resolução do mostr ador, impressão (li- duação em 1mm
gada/desligada), ajuste eletrônico da f orça do (0,05⬙) ao longo de
apalpador. toda a f aixa de medi-
A base tem formato ergonômico, temperada e re- ção da escala. Estas
tificada, que se ajusta perfeitamente à empunha- faixas são: nº 3752-12/
dura do operador, facilitando a movimentação do 300 de 0-300mm (12 ⬙)
calibrador. e nº 3752-24/600 de 0-
Apresenta ainda “botão de atalho” que per mite 600mm (24⬙).
selecionar os resultados da medição enquanto o
equipamento é movido. Saída de dados para hard-
ware e software SPC PlusTM Starrett (CEP) e para
computador além de con versão instantânea milí-
metro/polegada.

Calibrador Digital de
Altura “Altíssimo”. Calibrador de
Altura Digital
Eletrônico Starrett
nº 3752-24/600.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 51

Indicadores Eletrônicos de Gage-Chek é um indicador eletrônico par a até


TM
Calibrador Transferidor de Altura
Medição (Amplificadores) oito instrumentos. Suas características são: mos-
O calibrador transferidor de altura é um instrumen-
trador visualmente intuitivo, avisos sonoros e fór-
to ideal para uso com os aparelhos eletrônicos na
mulas definidas pelo usuário. Apresenta ainda me-
transferência precisa de medidas de altura a par-
dições dinâmicas de mínimo/máximo, fornece aná-
tir de blocos padrão de altura ou outros padrões.
lise estatística - CEP a partir de uma base de da-
Pode ser usado também com relógios apalpado-
dos integrada, e inclui cone xão para computado-
res.
res e outros instrumentos Starrett. Tem mostrador
de 150mm colorido-plano de cristal líquido; 1, 4 ou
8 canais de entrada; telas que incluem leituras in-
dividuais com capacidade de mostrar até 4 linhas
simultâneamente; permite escolha de apalpadores
digitais Starrett sér ie LVDT ou Heidenhain sér ie
Spectro; medições feitas pelo operador ou semi-
automaticamente; botões grandes permitem fácil
seleção das funções de medição; alto falante e
uma saída para fone de ouvidos e duas telas de
O nº 718 é um compar ador amplificador analógi- 76 x 12mm podem ser programadas como teclas
co básico, econômico e compacto para inspeções de atalho para as funções freqüentemente usadas.
no chão da fábrica. Ele tem três botões de contro-
le: um para mudança milímetro/polegada, um para
resolução fina ou grossa e um para polaridade. O
nº 718 tem controle de ajuste do z ero, pode ser
ajustado com uma chave de fenda para calibração
esporádica e as escalas são separadas por espe-
lho para minimizar o erro de par alaxe na visuali-
zação. Acessórios estão disponíveis para adapta-
ção de apalpadores a calibr adores de altur a, e
grampos para comparadores e indicadores , au-
mentando sua versatilidade.
52 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

O que é a coleta de dados Em que consiste o sistema


wireless? DataSure ? TM

O sistema de coleta de dados wireless consiste de O DataSureTM apresenta tecnologia de ponta e lon-
três elementos primários: mini transmissores que ga durabilidade. Todos os componentes do siste-
são ligados às por tas de saída dos instr umentos ma DataSure TM foram elaborados para atuar de
digitais, um receptor que se conecta ao PC e um forma confiável em diversos ambientes. Seu pro-
roteador que estende o alcance do sistema e tor- jeto robusto que utiliza mater iais reforçados os O Receptor DataSureTM é o ponto central da cole-
na a rede de transmissão mais confiável. ajuda a suportar o uso diário sob condições extre- ta de dados e do gerenciamento dos instrumentos.
O DataSureTM coleta os dados dos instrumentos de mas. O Receptor DataSureTM se conecta ao seu compu-
medição e os tr ansmite ao PC. Os dados podem tador através da porta RS232 ou USB.
ser analisados por seu aplicativ o de controle es-
tatístico de processo (CEP).
O Multiplexador de Dados nº 761 proporciona
Com o DataSureTM você pode dizer adeus aos sis- uma interface de comunicação de dados atra-
temas de coleta de dados manuais ou com cabos vés do RS232C entre os instr umentos de me-
conectados. dição e computadores IBM-PC ou compatíveis.
Ele traduz dados para análises e manipulação.
Por que optar pelo sistema O Transmissor DataSureTM pode ser conectado di-
Este Multiplexador também recebe inf orma-
retamente em quase todos os instr umentos digi-
wireless? ções de indicadores tanto digitais como analó-
tais. Ele envia as medições e indica com uma luz
O sistema de coleta de dados wireless reduz sig- verde quando os dados f oram recebidos no Re- gicos.
nificativamente o índice de erro humano na grava- ceptor DataSure TM.
ção de dados. Este sistema elimina itens relacio-
nados a cabos como: instalação, segurança, dis-
tância e custos. É também mais prático, pois você
pode levar o instrumento de medição ao trabalho
ao invés de levar o tr abalho ao instr umento de
medição.
Se já lhe parece ser útil em sua áf brica, espere até Nº 761 ligado ao
você saber mais sobre o DataSure TM Starrett - a Cada Roteador DataSureTM aumenta o alcance do micrômetro
733MXFL-25 e
última palavra em sistema de coleta de dados sistema em 30 metros . Eles garantem a qualida- paquímetro
wireless. de do sinal através de caminhos alternativos. 797B-6/150.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 53

Adaptador para Interface de Programas de CEP de instrumentos de medição Starrett e coletores


Computador PT61768 de dados diretamente em planilhas eletrônicas e
programas de banco de dados. É fácil de instalar
Este avançado adaptador compatível com Windows e usar, inclui exemplos de configurações para ins-
atua como interface entre instr umentos de medi- trumentos Starrett, e também possui ajuda “on
ção eletrônicos Starrett e computadores ou per i- line”.
féricos que possuam entrada RS232C. Ele propi-
cia uma comunicação rápida e fácil com compu- Tela de
histograma
Software SPC IV Excel ™
tadores IBM e compatíveis. Sua instalação requer nº 739.
Este software é um programa de CEP baseado no
um cabo PT22938 para conexão ao instrumento.
O Programa Starrett SPC Plus II nº 739 é um pro- Excel, que combina o poder de análise do CEP
grama avançado baseado em Windows, rápido, com a simplicidade do Microsoft Excel, controle
versátil e fácil de usar para operações de contro- total das análises e opções de gráfico. Após a in-
le de qualidade “no chão da fábrica” ou virtualmen- trodução do gráfico em uma planilha eletrônica, o
te todas as aplicações de controle de qualidade e usuário pode clicar com o botão direito do mouse
de CEP. Sendo compatível com IBM, os dados sobre o g ráfico para visualizar “Data Range”, e
podem ser introduzidos a par tir de qualquer ins- alterar um par âmetro sem ter que ger ar todo o
trumento eletrônico de medição com saida.O pro- gráfico novamente.
grama permite a manipulação dos dados par a
análise superior e a per muta dinâmica de dados
proporciona introdução de dados em tempo real.

Cabo e Adaptador Peça Única Software Wedge™


PT61963
Peça única, cabo de 3m com adaptador (PT61768
e cabo PT22938 Starrett incorporados à unidade), O SPC IV Excel™ trabalha corretamente todos os
reduz a possibilidade de descone xão durante a tipos de dados, independente de distribuição nor-
coleta de dados com o computador. mal ou não-nor mal. Os dados estatísticos são
mostrados diretamente no gr áfico. Estatísticas
avançadas (estatísticas de subg rupos) são mos-
Programa serial I/O completamente customizado tradas abaixo do gráfico na planilha eletrônica. O
permite ao usuário receber dados em tempo real software possui ajuda “on line”.
54 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

BLOCOS PADRÃO ajustar calibradores por compar ação, usados na Os blocos padrão Starrett-Webber “INSPEÇÃO”
áreas de recebimento, produção e inspeção final. são designados como “AA” e tem uma toler ância
O metro é atualmente definido como “a distância
Os blocos padrão proporcionam o mais acur ado de comprimento de mais ou menos 0,00005mm
percorrida pela luz no vácuo durante o intervalo de
modo de ajustagem de relógios compar adores e (dois milionésimos de polegadas).
tempo de 1/299.792.458 do segundo”. Já a pole-
instrumentos eletrônicos usados em conjunto com Os blocos de grau Working são designados como
gada está estabelecida em termos de comprimen-
desempenos para controle de peças com tolerân- “A⫹” com toler ância de compr imento de ⫹
to da onda da luz monocromática (luz que tem um
cias exatas. 0,0001mm ⫺0,00005mm (⫹4 a ⫺2 milionésimos
único comprimento de onda) emitida pelo gás
Basicamente se constituem de blocos de material de polegada) e a designação “A” e “B” com tole-
Krypton 86. O comprimento de uma onda isolada
duro, estabilizado, com uma superfície de medição rância de ⫹0,0002mm ⫺0,0001mm (⫹6, ⫺2 milio-
desse gás é 0.0000238⬙ e nos fornece um padrão
em cada extremidade. Essas superfícies são reti- nésimos de polegada).
absoluto de nunca muda.
ficadas e lapidadas par a ter dimensão com uma
tolerância tão aper tadas de mais ou menos
0,00003mm ( um milionésimo de polegada). A fim
de se obter o compr imento desejado, blocos de Usando estes
acessórios, os
diferentes comprimentos são selecionados de um
blocos padrão podem
jogo e “torcidos um contra outro” para formar uma ser combinados para
fileira de blocos. criar calibradores
de altura,
Os blocos padrão são fabricados em diversos graus calibradores de boca,
de precisão, INSPEÇÃO, OPERAÇÃO. Blocos riscadores e
traçadores.
“INSPEÇÃO” são usados para controlar a precisão
A luz, evidentemente, não pode ser man useada dos blocos “OPERAÇÃO” os quais são usados nas
como um micrômetro ou um paquímetro , porém, oficinas.
é usada para estabelecer o comprimento físico de
padrões com exatidão de 0,00003mm (um milio-
nésimo de polegada). Esses padrões são chama- Materiais de diversos tipos estão disponíveis. Blo-
dos Blocos Padrão. cos Webber em CROBLOX, os mais finos do mun-
Blocos padrão de precisão são os padrões primá- do, feito de carbureto de cromo, tem longa vida,
rios, vitais para o controle de qualidade dimensio- quase a dureza do diamante e a pro va de oxida-
nal na fabricação de componentes intercambiá- ção (inoxidáveis), a exatidão muitas vezes mais do
veis. Esses blocos são usados para calibrar instru- que os blocos de aço. Os blocos em CROBLOX
mentos de medição. São também usados par a são fornecidos nos graus “AA”, e “A⫹”.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 55

Novos blocos padrão em cerâmica estão disponí- Por exemplo, para obter uma medição de 35 graus locado sobre a superfície a ser v erificada. Dispo-
veis para preencher o espaço entre o aço e Cro- você simplesmente pega o b loco de 30 g raus e níveis com precisão de 0,000025mm, 0,00005mm
blox. Blocos padrão em aço estão disponíveis nas adiciona o bloco de 5 graus, certificando-se de que ou 0,0001mm (0,000001 ⬙, 0,000002 ⬙ ou
classes “A⫹” e “A”. Formatos diferentes - retangu- ambas extremidades “mais” estão juntas. 0,000004⬙) com superfície simples ou dupla, com
lares, quadrados e para serviço pesado. Para obter a medição de 25 g raus você usa os ou sem revestimento de dióxido de titânio.
O uso de blocos padrão é grandemente ampliado mesmos dois blocos, mas juntando-os de manei- 1 - superfície simples significa apenas um lado
por meio dos acessórios que podem ser combina- ra que a extremidade “menos” do bloco de 5 graus acabado com tolerância. Superfície dupla signifi-
dos com os blocos padrão para criar calibradores esteja sobre a extremidade “mais” do bloco de 30 ca ambos os lados com toler ância. Uma seta la-
de altura, calibradores de boca, r iscadores e tra- graus. Isto subtrairá 5 graus dos 30 graus, obten- teral indica a superfície acabada.
çadores. do-se desta forma a medida de 25 graus. Qualquer 2 - A finalidade do re vestimento é ressaltar o pa-
ângulo pode ser obtido dessa maneir a, usando drão das franjas, porém, se aplica somente par a
Blocos Padrão Angulares apenas alguns na combinação apropr iada das os planos com superfície simples.
Blocos padrão angulares possibilitam medições posições “mais” e “menos”. Os polígonos Webber de carbureto de cromo pro-
rápidas, muito simples e e xtremamente precisas Os blocos padrão angulares Webber são forneci- porcionam um método simples e preciso de v eri-
de qualquer ângulo. São absolutamente supe- dos em 3 classes de exatidão: 1/4 de segundo “la- ficar e calibrar ângulos. São desenhados para uso
riores aos métodos boratory Master”, 1/2 segundo “Inspeção” e 1 se- com auto-colimadores na medição de espaça-
de medição das ré- gundo “Ferramentaria”. mento de ângulos. O exclusivo desenho inteiriço
guas de seno , os proporciona padrões compactos, fixos para espa-
quais envolvem fór- çamento de ângulos de 5 a 120 graus. Suas faces
mulas trigonométri- são altamente reflexivas e oticamente planas.
cas e complicadas
combinações de O desenho ilustra como ângulos de 35° e 25° podem
blocos padrão re- ser obtidos usando apenas os mesmos dois b locos
tangulares. Um padrão.
jogo de blocos pa-
drão angulares
Instrumentos de Medição Ótica
Starrett-Webber constituído de apenas 16 peças, Os óticos são também largamente empregados
medirá 356.400 ângulos com v ariações de um em medição de alta precisão. Os planos óticos de
segundo, e com precisão de 1/5.000.000 de um quartzo Starrett-Webber proporcionam um méto- Planos óticos de quartzo Polígonos óticos são
circulo. Isso se deve ao fato de esses micro preci- do simples e preciso de medição do paralelismo fundido proporcionam um usados para verificar e
método rápido e extremamente calibrar ângulos com
sos blocos poderem ser usados em posições para de superfícies através da interpretação visual das preciso de verificar planeza de extrema precisão.
mais ou para menos. franjas que aparecem quando o plano ótico é co- superfícies lapidadas.
56 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

DESEMPENOS
Toda medição linear depende de uma superfície
precisa de referência a par tir da qual as dimen-
sões finais são feitas. Os desempenos de granito
STARRETT proporcionam esse plano de referên-
cia para trabalhos de inspeção e de traçagem pre-
cendente à usinagem. Seu elevado grau de plane-
za, sua qualidade global e acabamento os tornam
também base ideal para montagem sofisticada de
sistema de medição mecânica, eletrônica e ótica.
A STARRETT fabrica desempenos de 2 tipos de
granito: Crystal Pink e Preto Gabbro.
Método prático: quando o desempeno é para uso
como referência e superfície de medição , opte
sempre pelo granito de quartzo; se o uso é funda-
mentalmente para cargas pesadas; deve-se esco-
lher um desempeno sem quartzo ou preto gabbro.
Crystal Pink tira seu nome do f ato de ter o mais
alto grau de cr istais de quar tzo do que qualquer
outro desempeno de granito. É recomendado para
trabalhos genéricos de inspeção dentro da oficina
e para inspeção de peças com proporções of ra do
comum.
Desempenos de granito preto tem um alto coefi-
ciente de r igidez, porosidade compacta e gr anu-
lação muito fina, sendo ideais par a uso com car-
gas pesadas.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 57

PROJETORES DE PERFIL Todos os projetores Starrett-Sigma combinam um


desenho compacto com uma constr ução robusta
Projetores de Perfil (ou comparadores ópticos) têm
e componentes ópticos de alta resolução, a fim de
sido usados pela indústr ia durante décadas. Re-
proprocionar elevados níveis de exatidão na sala
centes avanços no desenho e tecnologia, têm au-
de medidas ou no chão de f ábrica. Os projetores
mentato substancialmente a capacidade destes
de perfil vêm com projeção v ertical ou hor izontal
sistemas de medição sem contato com dois eixos
tanto nos modelos de bancada como nos de piso.
dentro da categor ia de máquinas de medição de
alta precisão que necessitam um mínimo de espa-
ço físico.
Os projetores de perfil são perfeitos para inspeção
e comparação de pequenos componentes que são
de peso leve ou difíceis de ser fixados, como por
exemplo, gaxetas flexíveis, arruelas finas de pres-
são, inspeção de peças retificadas aos pares, pe-
ças de plástico, extrusadas ou de eletrônica. Os
projetores de perfil possibilitam uma v asta gama
de funções, tais como:
- comparar especificações de um desenho sobre-
posto à tela com silhueta projetada.
- medição automática de componentes que neces-
sitem de tolerâncias apertadas para severas es-
pecificações.
- inspeção de peças combinadas a níveis críticos
na fase de retifica final na produção.
- a imagem vertical, tela de gr ande diâmetro e a
capacidade de avanço da mesa, aliada a eleva-
dos graus de exatidão, beneficiam o operador de
máquina eliminando erros e dimin uindo o tem-
po da inspeção. Projetor de perfil Starrett HB400-2 com pr ojeção horizontal.
58 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

SISTEMA DE VISÃO ADAPTADO


A PROJETORES DE PERFIL
Converte seu Projetor de Perfil em um Sistema
de Medição por Vídeo
Os usuários de projetores Starrett têm agora uma
opção de upgrade elegante e econômica para seu
equipamento, através da mais nova tecnologia de
medição por vídeo.
O OV2, um novo produto da Starrett proporciona
uma conversão simples de projetores , simples-
mente substituindo a lente do projetor por uma
câmera especial de vídeo e conectando-se a um
monitor a cores.
Incorporando zoom óptico e uma câmera CCD co-
lorida de 1/2⬙ o OV2 tem capacidade de ampliação
até 240X e é fornecido com um monitor a cores.
Incluídas no sistema estão lentes zoom 6:5:1 com
32mm de distância de tr abalho, propiciando uso
total da mesa de tr abalho do projetor. O gerador
de linhas cruzadas proporciona imagens múltiplas
de linhas cruzadas, inclusive preto ou branco, con-
tínuas ou tracejadas.
O OV2 se adapta à maioria dos projetores de ban-
cada da Starrett que usam o sistema de lentes tipo
baioneta com instalação simples e rápida além do
pré-alinhamento para maior exatidão linear.
Instrumentos e Regras para Medições de Precisão 59

SISTEMA DE MEDIÇÃO POR


VÍDEO GALILEO
A evolução dos sistemas de medição
por vídeo Este software de medição
Com uma combinação insuperável entre mecâni- intuitivo e com uma extensa
ca de precisão, um poderoso e intuitivo software, lista de f erramentas par a
suporte do mais respeitado nome em medição , o medição, utiliza sistema
Sistema de Medição por Vídeo Galileo Starrett operacional MS-Windows®,
representa o mais alto nív el em sistemas de me- com uma arquitetura de da-
dição por vídeo. dos robusta de 32 bits e co-
Apresentando configurações para operação com municação com rede. Esta é
características simples e man ual, até oper ações uma plataforma operacional
complexas e automatizadas, Galileo combina alta muito versátil para aplica-
resolução de imagens com uma estr utura robus- ções de inovação.
ta e mecânica de precisão com excelente exatidão
para uma ampla faixa de aplicações de medição. Ferramentas de Vídeo
Os sistemas Galileo of erecem diferentes opções Detector de bordas: Rapi-
de controle e software, e têm excelente capacida- dez, exatidão e repetitivida-
de de iluminação. São construídos com o mais alto de na detecção de bordas
padrão de qualidade, garantindo excepcional per-
formance e operações consistente e confiável. utilizando um conjunto de modelos de mir as as xima e mais afastada, largura, captura, mira e mé-
Galileo apresenta uma série de vantagens, como quais simplificam medições comple xas. Controle dia.
facilidade no uso, versatilidade, exatidão. Dada sua de iluminação para medição de características na Ferramentas de pr ocessamento de ima gem:
gama de opcionais , o sistema Galileo pode ser Potentes recursos de imagem, tor nando-as mais
superfície da peça ou de perfil.
configurado de acordo com sua aplicação e orça- nítidas e com melhor contraste.
mento disponível. Medição mágica: Ferramenta simples para cria-
ção e manipulação. Para um resultado mais e xa- Modo contínuo de detecção de bor da: Modo
que permite continuamente visualizar pontos na
Sistemas de Controle e Software de to são usados sofisticados algor itmos que filtram
borda, enquanto estiver ajustando as ferramentas,
Medição pontos não representativos. a iluminação e o foco.
Os Sistemas CNC Galileo incluem poderoso sis- Ferramentas de Vídeo: O sistema possue poten- Auto-foco: Permite inspeção completa e automá-
tema computadorizado com dois monitores , utili- tes opções de f erramentas, como por e xemplo, tica da peça, eliminando gasto de tempo desne-
zando o sistema de medição Quadra Chek 5000. barra simples, árca, arco, círculo, borda mais pró- cessário para antes do foco manual.
60 Instrumentos e Regras para Medições de Precisão

Fatos a Respeito de Ajustagens feitamente o mesmo furo a ser f eito em sér ie ou uma base magnética ou, por meio de um grampo,
cabeçotes de corte e eixos de numerosas máqui- a uma barr a de precisão ou régua par alela, ou
Em construção de máquinas muitas peças se ca-
nas para madeira. Um ajuste f orçado é obtido mesmo diretamente sobre o fuso do tor no; tam-
racterizam por manter tão estreita e impor tante
pressionando-se uma peça dentro da outr a. Um bém pode, se necessário e freqüentemente é, ser
relação entre si que uma série de ajustagem ma-
ajuste de contração é obtido pelo aquecimento da fixado na mesa corrediça assentada sobre as guias
nual é essencial no preparo fiel das superfícies de
peça externa, trazendo a cota apropr iada em re- da máquina.
contato. Se essas superfícies de vem se mo ver
lação a peça inter na e dando-lhe uma toler ância Ao fazer ajustes de contração ou forçado, os limi-
uma contra a outra, o ajuste é classificado como
para que se contraia no ponto necessário quando tes são nor malmente aqueles da própr ia cota. O
deslizante ou corrediço. Se o contato deve ser com
fria. montante de pressão necessár io para se colocar
firmeza suficiente par a prendê-las par a usá-las
as duas peças juntas é o coeficiente de limitação
juntas, o ajuste é classificado tanto como arraste, Limites no caso de ajustes forçados.
contração ou forçado.
Nos casos de mancais corrediços e deslizantes , Ao forçar os eixos em rodas de tração de locomo-
Ajuste deslizantes: sob este título podem ser
um certo número de ajustes manuais é necessá- tivas, as especificações podem limitar a força en-
classificados os ajustes deslizantes tr ansversais
rio para se obter os resultados desejados , e em tre 100 e 150 toneladas. Mesmo especificado, este
longitudinais de tor nos, frezadoras, furadeiras,
todos os casos certos requisitos restritivos preva- ajuste está sujeito aos limites da cota e ao uso de
mandriladoras, retificadoras e plainador as. Em
lecem. Em mancais deslizantes e corrediços os instrumentos de medição.
muitos desses ajustes as partes móveis e estacio-
limites são normalmente aqueles de alinhamento
nárias são apoiadas umas contra as outr as por
e de contato, enquanto tanto em extremidades de
meio de barras ajustáveis de contato ou calço. Em
mancais ou em mancais corrediços planos é es-
alguns casos, como as mesas de retificas e plai-
sencial que certos contatos precisos entre as su-
nas, seu peso as mantem em contato suficiente-
perfícies sejam feitos e haverá também um limite
mente justo.
de alinhamento com outras peças da máquina. Por
Ajustes corrediços: Os assentos de rolamentos exemplo, na construção de um torno, as guias ou
em eixos, virabrequins, linha de transmissão, etc, prismas e o corrediço transversal do carrinho porta
são classificados sob este título. ferramenta devem ser paralelos ou em ângulo reto
Ajustes forçados e ajustes de contração: Sob ao eixo do fuso , dentro dos limites do conjunto .
este título estão classificados aqueles ajustes Neste tipo de constr ução o limite do conjunto é
onde as peças isoladas devem funcionar, quando 0,08mm por metro (0,001⬙ por pé) de comprimen-
em uso, como se fossem uma unidade; como por to.
exemplo, uma bucha de guia da broca num gaba- Para o controle dos componentes usa-se o reló-
rito para furação de precisão usado para fixar per- gio apalpador universal. Este pode ser fixado a
Cortes Esquemáticos 61

BASES MAGNÉTICAS PARA RELÓGIOS COMPARADORES ..................... 62


CALIBRADOR TRAÇADOR DE ALTURA ...................................................... 63
COMO FAZER LEITURAS EM INSTRUMENTOS
DE MEDIÇÃO EM MILÍMETROS ................................................................... 64
COMO FAZER LEITURAS EM INSTRUMENTOS
DE MEDIÇÃO EM POLEGADAS ................................................................... 65
ESCALA COM GANCHO ............................................................................... 66
ESQUADRO COMBINADO ............................................................................ 67
GRAMINHO ................................................................................................... 68
MICRÔMETRO EXTERNO ............................................................................ 69
MICRÔMETRO DIGITAL ELETRÔNICO........................................................ 71
MICRÔMETRO INTERNO ............................................................................. 72
MICRÔMETRO DE PROFUNDIDADE ........................................................... 73
PAQUÍMETRO ................................................................................................ 74
PAQUÍMETRO COM RELÓGIO ..................................................................... 75
PAQUÍMETRO DIGITAL ELETRÔNICO ......................................................... 76
RELÓGIO COMPARADOR ............................................................................ 77
RELÓGIOS INDICADORES ........................................................................... 78
TRANSFERIDOR COMBINADO .................................................................... 79
62 Cortes Esquemáticos

Bases Magnéticas para Relógios Comparador es


Cortes Esquemáticos 63

Calibrador Traçador de Altura


64 Cortes Esquemáticos

Como Fazer Leituras em Instrumentos


de Medição em Milímetr os
Cortes Esquemáticos 65

Como Fazer Leituras em Instrumentos


de Medição em Polegadas

MICRÔMETRO EXTERNO COM LEITURA DE .001” PAQUÍMETRO COM LEITURA EM POLEGADA


66 Cortes Esquemáticos

Escala com Gancho


Cortes Esquemáticos 67

Esquadro Combinado
68 Cortes Esquemáticos

Graminho
Cortes Esquemáticos 69

Micrômetro Exter no
70 Cortes Esquemáticos

Micrômetro Exter no
Cortes Esquemáticos 71

Micrômetro Digital Eletrônico


72 Cortes Esquemáticos

Micrômetro Inter no
Cortes Esquemáticos 73

Micrômetro de Pr ofundidade
74 Cortes Esquemáticos

Paquímetro
Cortes Esquemáticos 75

Paquímetro com Relógio


76 Cortes Esquemáticos

Paquímetro Digital Eletrônico


Cortes Esquemáticos 77

Relógio Comparador
78 Cortes Esquemáticos

Relógios Indicadores
Cortes Esquemáticos 79

Transferidor Combinado
80 Cortes Esquemáticos

Anotações
Cortes Esquemáticos 81

Anotações
82 Cortes Esquemáticos

Anotações