You are on page 1of 2

CULTURA E DEMOCRACIA

Aluizio Belisário*

No momento em que são apresentados novos Ministros – responsáveis pela definição e condução das
políticas públicas setoriais a serem implementadas no país, parece interessante promover uma reflexão
mais cuidadosa sobre a área da cultura, de importância fundamental em um processo voltado para a
construção de uma sociedade mais justa para todos os seus membros.

Diversos aspectos ligados à cultura contribuem sobremaneira para a reprodução de uma sociedade
dividida pela tecnologia, podendo se dizer que são ao mesmo tempo sua causa e consequência, pois se
não podemos afirmar a existência de revoluções tecnológicas sem transformações culturais, também
não podemos negar o papel da tecnologia na conformação cultural da sociedade.

É possível afirmarmos que as sociedades criam um imaginário através do qual se reproduzem,


identificando o grupo social, distribuindo identidades e papéis, expressando os desejos e objetivos
coletivos, de modo que todas elas se auto referenciam a partir de suas normas e valores fixados
simbolicamente, como diz Pierre Ansart (Ideologias, conflitos e poder. Zahar, Rio, 1978).

Segundo o PNUD/Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, cultura não pode ser
considerada como um conjunto cristalizado de valores e práticas, por recriar-se permanentemente à
medida que as “pessoas questionam, adaptam e redefinem os seus valores e práticas em função da
mudança das realidades e da troca de ideias”.

De qualquer modo, é possível pensar-se em cultura como um conjunto de aspectos, processos, rituais,
hábitos, crenças e valores que garantem o reconhecimento de uma identidade a um determinado grupo
social. Infelizmente, entretanto, a cultura é quase sempre vista como propriedade dos grupos
hegemônicos, que buscam a desqualificação dos setores dominados, classificando suas manifestações
culturais como folclóricas, atribuindo-lhes assim, um cunho depreciativo.

Ainda segundo o PNUD é possível identificar-se duas formas de exclusão social: a do modo de vida,
que nega o reconhecimento e aceitação de um estilo de vida de um grupo, ao insistir em que cada um
viva como toda a sociedade e; a da participação, quando a discriminação das pessoas as coloca em
desvantagem nas oportunidades sociais, políticas e econômicas em função de sua identidade cultural.

Assim, considerando a cultura como um dos elementos fundamentais, no processo de dominação e


entendendo ainda que as ações do aparelho cultural, embora cumpram o papel de garantir a
manutenção e reprodução da ideologia dominante e, consequentemente, da estrutura socioeconômica
dominante, também podem levar ao questionamento desta estrutura de dominação, sendo evidente a
necessidade de se atuar neste campo, em busca da superação das situações de dominação vigentes.

Tais observações nos levam a afirmar a necessidade de se garantir o acesso dos setores dominados ao
seio da cultura da sociedade, como uma das formas de superação da situação de dominação existente,
num processo que pode ser denominado de “alargamento cultural”, no qual é absolutamente
necessário que os aspectos, processos, crenças, etc. destes grupos também sejam levados aos grupos
hegemônicos – ou seja, o processo de alargamento cultural deve ocorrer em via de mão dupla.

O exemplo das Universidades que vem utilizando o sistema de cotas de acesso para negros, que
passaram a sofrer uma explicável e justa pressão para incorporarem em seus currículos conteúdos
sobre a história da África e da participação dos negros no desenvolvimento da cultura do país é um
forte indicativo da importância deste duplo sentido do processo de alargamento cultural.
Gramsci utiliza o conceito de hegemonia para explicar o controle do Estado burguês sobre ideias e
instituições no exercício da dominação política, observando que o controle que as classes dominantes
exercem sobre a classe dominada, no campo da cultura, reduz a necessidade de uso da força física, o
que nos leva à afirmação de que os fatores ligados diretamente ao processo produtivo não são os
únicos responsáveis pelo exercício do poder, daí a importância de se travar uma forte luta pela
superação de uma situação de dominação, ao nível das ideias e das formações culturais.

É possível afirmarmos que este início de século vem se caracterizando pela ocorrência de grandes
transformações de cunho econômico e social, que acenam com uma possibilidade concreta de
superação do quadro de forte exclusão social, gerado por uma sociedade caracterizada por uma cultura
em que as tecnologias de informação e comunicação cumprem um papel de divisoras sociais e não de
integradoras.

Ao observar o mundo através de sua cultura o homem tende a considerar o seu modo de vida como o
mais correto e natural. Esta tendência ao etnocentrismo pode ser responsável pela ocorrência de
inúmeros conflitos sociais ao promover a discriminação dos que são diferentes, pertencem a outro
grupo, etc., levando a que suas práticas culturais sejam tratadas de modo depreciativo.

Pensar em uma sociedade mais justa implica em trilhar um caminho que conduza à modernização, com
base em um sistema produtivo que não se caracterize pela acumulação selvagem de capital, resultante
de um processo violento de espoliação de valor do trabalho e, consequentemente, de desprezo pelo
homem, mas sim, baseado em um sistema produtivo que não apenas respeite o homem como elemento
fundamental desse sistema, mas principalmente, que o trate como o objetivo central do processo.

Para tal, é necessário construir uma sociedade cujo fundamento ético seja o respeito à dignidade
humana, o que implica, obviamente, na adoção de políticas de distribuição de riquezas coerente com o
desenvolvimento produtivo, as quais permitam à sociedade como um todo, e não apenas a uma
reduzida parte desta, se beneficiar do esforço coletivo.

Falar em distribuição de riquezas evoca, inicialmente, a ideia de melhor remuneração do trabalho,


distribuição de lucros e outros mecanismos econômico-financeiros. Entretanto, tais mecanismos
podem ser considerados voláteis, à medida que podem se desvanecer com o tempo, enquanto que
outras formas de distribuição, que se processem através da educação e da cultura tendem a ser
permanentes em seus efeitos.

Daí a importância do desenvolvimento de um processo de “alargamento cultural”, no qual se destaca a


necessidade de se criarem meios de acesso dos grupos oprimidos à cultura do grupo hegemônico e
vice-versa, possibilitando aos primeiros, a partir do conhecimento desta cultura dominante e das
interferências provocadas nesta, pela inserção de sua própria cultura, a realização de transformações
sociais necessárias ao rompimento da dominação política, econômica, social e cultural.

Como, entretanto, em qualquer sociedade não é possível que um indivíduo ou grupo domine todos os
aspectos de sua cultura, a participação dos diversos grupos componentes da sociedade, nas definições
sobre política ou políticas culturais a serem implementadas no país, torna-se imprescindível, não
apenas como garantia da real ocorrência de um alargamento cultural, mas como base de sua própria
articulação com os demais membros da sociedade, o que implica na necessidade de democratização
radical das ações do Ministério da Cultura, através da convocação dos diversos grupos para a discussão
e decisão a respeito das políticas a serem implementadas.

*Aluizio Belisário é Professor Adjunto da UERJ.


Doutor em Educação-PROPED/UERJ, Mestre e
Bacharel em Administração Pública-EBAPE/FGV.