You are on page 1of 104

Volume 2.

COLEÇÃO PRÉ-UNIVERSITÁRIO

Matemática I
Professor(a): _____________________________________

Escola: ___________________________________________________

Data: _____/_____/_____

Críticas e Sugestões
__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________
Volume 2.B

Resolução de Exercícios

Matemática I
Volume 2.B

Exclusivo da apostila do professor


professor,, este guia
apresenta a resolução dos exercícios

SUMÁRIO
Capítulo 2: Revisão (Parte II) – Ensino Fundamental ................................................................ 1
Tópico A: Proporcionalidade
Tópico B: Porcentagens
Questões de Aprofundamento .......................................................................................... 9
Capítulo 3: Sequências Numéricas Reais (Parte I) ................................................................ 10
1
Tópico A: Progressão Aritmética
Questões de Aprofundamento ......................................................................................... 14
Exercícios de Revisão ................................................................................................... 16

9 1
→ = → AREAL = 56,25 km2
Capítulo 2 AREAL 6,25 km2

Revisão (Parte II) – Ensino Fundamental Resp: A) 2,5 km;


B) 52,25 km2

2 Sejam a, b e c as partes.

5 cm 1cm a b c a+b+c 3330


1 E= = = = = = = 90
12,5 km 2,5 km 15 12 10 15 + 12 + 10 37
A) 1 cm na fotografia corresponde a 2,5 km. Então: Sirtônio receberá a = 15 x 90 = 1.350
B) Considere a área retangular de dimensões x e y como Berfôncio receberá b = 12 x 90 = 1.080
a área queimada. Nastélia receberá c = 10 x 90 = 900

9 cm2
d
y 3 VM =
t
x d
1o. 80 km/h = → d = 240 km.
Sejam a e b as medidas reais da área queimada 3h

240 km
2o. VM = = 96 km/h
2,5 h
a
Resp: 96 km/h
b

y x 1cm 1m2
I.
a
= = 4 90 g
b 2,5 km
x 60 g
Área queimada na fotografia 9 cm2 y.x
II. = = =
Área real Areal a.b
2 1 90 6 2 2
 1 cm  = → x= m = m2
= 
 2,5 km  x 60 9 3
 
Volume 2.B
5 Obs.: As grandezas são inversamente proporcionais. 9 A) Eraldo ganha R$ 400,00 e obteve dois aumentos
Matemática I
1o. Modo: (Utilizando uma função) sucessivos; a saber:
Seja y o tempo necessário para que x insetos destruam Em maio/2006 → 20% e
uma lavoura, y é inversamente proporcional à x, logo: Em junho/2006 → 30%
k Qual o aumento percentual acumulado pelo
y= onde k é a constante de proporcionalidade.
x funcionário no 1o semestre/2006?
x y Seja “S” o salário inicial.
k
1o. 18 = → k = 54.000
3.000 3.000 18
y Novo salário = (S + 20% . S) + 30% . (S + 20%S) =
3.600 1223224 12223222 4
54.000 54.0 00
2o. →y= = 15h Sal. após o 2o aumento
x 3.6 00 1o aumento

= S + (20% + 30% + 30% . 20%) . S


2o. Modo: Regra Prática 1222223222224
Aumento Acumulado
3.000 18 h

3.600 y Então Aumento Acumulado =


= 20% + 30% + 30% . 20% = 50% = 6% = 56%
18 3.600 Resp.: 56%
= → y = 15h
y 3.000
2 B) Entrei numa concessionária para comprar um carro
Resp: 15 horas no valor de R$ 16.000,00. Achei caro demais, porém
o vendedor me ofereceu 2 descontos sucessivos de
6 D 20% e 30%, respectivamente. Sentei-me um pouco
1o modo: Por função: para calcular o desconto acumulado. Ele era de 50%,
x operários menor que 50% ou maior? Determine-o.
y dias Resposta: 44%
c comprimento Seja V o valor do carro?
Obs.: y é inversamente proporcional a x e diretamente Após o 1o desconto pagaria = (V – 20% . V)
ao comprimento. Após o 2o desconto pagarei = (V – 20% V) – 30% . (V – 20%V)
α.c Logo Vfinal a pagar = V – (20% + 30% – 30% . 20%) . V
Logo: y = onde α é a constante de 1222223222224
x Desconto Acumulado
proporcionalidade y x c Dacumulado = 20% + 30% – 30% . 20% = 44%
α . 20 12 10 20
1o. 12 = →α=6 Resp.: 44%
10 y 16 24
10 D
6.c 6 . 24
2o. y = = → y = 9 dias Dados:
x 16 Salário recebido = x reais
9 3 J.R. = 25% . x
Daí mês = mês Bens e serviços pagos = y reais
30 10
1
Imposto sobre os bens e serviços = . y
2o Modo: Regra prática 3
y x c
12 10 20 1o) Salário mensal líquido = x – 25%.x
= 75%.x
y 16 24

2o) Gastando o líquido todo em bens e serviços pagará


12 16 20
= . → y = 9 dias 1
y 10 24 de imposto sobre os bens um valor de . (75% x) =
3
25%.x ao mês.
20 3o) Em 1 mês os impostos representam 25%.x + 25%x =
7 P= . 54 0 = 108 reais 50% . x, isto é, metade do salário bruto.
100
Então, em 1 ano o trabalhador pagará: 12 . 50%x = 6 .
Resp.: R$ 108,00 x, ou seja, paga o equivalente a 6 salários brutos.

8 V=C+L
40 140 11 B
1.400 = C + . C → 1400 = . C → C = 1000
100 100 Cit
J= → 21. 6 00 = 48.0 00 . i% . 18 →
Resp.: R$ 1000,00 100
Volume 2.B
216 12 1 c
⇒ i% = = =

Matemática I
480 .18 480 40 2a + 2c = 66
a a
12 B a + c = 33
1a parte: Cálculo dos juros
c
3
J = 4 00 . . 6 = 72 reais
1 00 a 4 a c a c 33
= → = → = = =3
2a parte: Montante a Pagar c 7 4 7 4 7 4+7
M = c + j = 400 + 72 = 472
Logo, a = 12 e c = 21
13 5 meses
C.i.t 2 C
J= → 1000 = 2000 . 10 . t → t = 5 meses Dados: Parcelas a e b e a + b = 121 mil
100 100
Sócio A → a
Sócio B → b
14 M(4) = (1,05)4 . 2000 = 2.431,01
Resp.: (1,05)4 . 2000 = 2.431,01 a b 121 mil
= =
204 mil 357 mil 561 mil
15 Suponha que a compra seja de R$ 100,00
A) À vista: 204 x 121
daí a = mil = 44.000 e 3
90 561
Valor a pagar = . (100) = 90 reais
100 357 x 121
90 b= mil = 77.000
561
0
B) 2 prestações iguais
No ato 3 Partes: (M, C, A) Inv. prop. (20,15, 10)
da compra M + C + A = 390
50 50
M C A 390
= = = = 1800
0 1 1 1 1 3+ 4 + 6
Sendo i a taxa de juros cobrada sobre os R$ 50,00 20 15 10 60
restantes, temos na época da compra (época 0) 1
M= . 180 0 → M = 90
(50) 50 5 20
90 = 50 + → 40 = →1+i= →
(1 + i) 1+ i 4

1 4 E
→i= → i = 25%
4 1a parte: Idades dos filhos são x e y.

 x + y = 28
16 B  x y x+ y 28
Seja i a taxa média e P o valor da produção. x 3 → =4→
y = 4
= = =
1a parte: Janeiro = 21% → P(jan.) = (1,21) . P 3 4 3+4 7

Fevereiro = 8% → P(fev.) = (1,08) . (1,21) . P
→ x = 12 e y = 16
= (1,3068) . P

2a parte: Supondo que nos dois meses a taxa de aumento


2a parte: Considere a e b as partes que cada filho irá
seja igual a i, temos:
receber.
P(jan.) = (1 + i) . P
(a, b) é inversamente proporcional à (12, 16) e a + b = 175.
P(fev.) = (1 + i) . (1 + i) . P = (1 + i)2 . P
Daí:
logo (1 + i)2 . P = (1,3068) . P →
a b a+b 175
12a = 16 . b → = = =
→1+i= 1,3068 → i = 1,3068 – 1 16 12 16 + 12 28

Sendo “a” a parte do mais jovem, temos:


a 175 a 175 a
= → = → = 25 → a = 100
16 28 4 7 4

1 E
Dados: Largura = a 5 C
Comprimento = c Sejam c, g e t os preços de uma cesta, uma garrafa e
uma toalha, respectivamente.
Volume 2.B
2 o Álcool
 c 2
Matemática I
I)  = → 8 km /litro
≅ 4,44 km/R$ 1,00
 g 5 1,80 /litro

II)  g = 3 → g = 3 . t É mais econômico abastecer com gasolina, pois o carro
 t 8 8 anda (4,59 – 4,44)km = 0,15 km a mais do que com

III) c + g + t = 183 álcool, a cada R$ 1,00.


10 D
2 1 x 1,50
Colocando c e t em função de g, temos c = g e 1o. Custo gasolina/km = reais/km
5 14
8 1
t = . g. Subistituindo na III equação, tem-se que: 2o. Custo álcool/km = x 0,75 reais/km
3 10
2 8 0,75
g + g + g = 183 →
5 3 14 7
3o. Razão pedida = 10 = =
1,50 20 10
6g + 15g + 40g
→ = 183 → 14
15
61g = 15 . 183 → g = 45
11 D
4 1a parte:
6 A
No horas/dia No peças Tempo (dias)
x z
Dado: = et+z=x+y≠0 5 1200 3
y t
4 y 5
x z (x + y) (z + t)
= → = . Como x + y = z + t, 1200 5 3
y t y y = . → y = 1600 peças em 5 dias.
y 4 5
1 1 2a parte: No 6o dia para completar 1840 peças
= , isto é y=t
y t devem ser produzidas 240 peças. Daí:
No h/dia Tempo
x z
Então, = → x=z →t–z=y–x 5 1200 3
y t
x 240 1
7 F
Sejam H o número de homens e M o número de mulheres. 5 1200 1
= . →
x 240 3
H 7 H+ M 7 +6 M H+ M
= → = → = →
M 6 M 6 6 13 5 400 5 5
= → = → x = 3h/dia
6 . (H + M) x 240 x 3
→ M = . Como M é inteiro e positivo,
13
podemos afirmar que o total de alunos (H + M) é divisível 12 C
Mecânico
Mecânico: (T é a tarefa a ser executada)
por 13.
Regulagem Tempo
8 D 1 automóvel
2
h
3
38 km x 1h
Desempenho de x = = 9,5 km/litro
4l
40 2
Obs.: 40 min. = h= h
63 km 60 3
Desempenho de y = = 10,5 km/litro
6l
2 3
78 km .x=1→ x= = 1,5h
Desempenho de t = = 11,14 km/litro 3 2
7l
9 Calculando a razão entre o desempenho e o preço de logo em 1h o mecânico regula 1,5 automóveis.
1 litro , obtemos:
Auxiliar
1o Gasolina Regulagem Tempo
12 km /litro 1 automóvel 2h
≅ 4,59 km/R$ 1,00
2,61/litro y 1h
Volume 2.B
1 4
2y = 1 → y = automóvel.

Matemática I
x = 7h + h
2 5
1 4
O auxiliar em 1 hora regula automóvel. x = 7h + h . 60min
2 5
Daí, quando os dois trabalham juntos temos: x = 7h e 40min

Produção dos dois


1h (3
+
1 (
= 2 automóveis 17 D
2 2 Capacidade do hall
t 3 automóveis
* Área total: 11 x 10 = 110 m2
1 2 3 área capacidade
= → 2t = 3 → t = h→
t 3 2 20 m2 x
110 m2 90 + 60 + 120 + x
3
→t= . (60 min.) = 90 min.
2
20 x
= → 11x = 540 + 2
110 270 + x
4 cm 10 cm
13 12 km = → 4x = 12 x 10 km → x = 30 km 9x = 540
x
x = 60 5
14 D
Dados: Hangar consumiu = 3 x Y
Hall e depósito III
Acompanhante consumiu = Y
área capacidade
20 m2 60
Sejam a e b os valores que Hangar e o acompanhante
A 120
irão pagar, respectivamente. Daí:
a b a+b 28
= = = → A1 = 40 m2
3y y 3y + y 4y

a 28 Área = comprimento x largura


Então: = → a = 21 reais e b = 7 reais
3y 4y
40 = y . 10 → y = 4 m

15 Sejam a, b e c as medidas dos lados de um triângulo


retângulo. 18 B
a b c a+b+c 36 α.5
= = = = =3 R=
3 4 5 3+ 4+5 12 T
Daí; a = 9, b = 12 e c = 15. Portanto: 3
4 α. 3
7 4 9 3
I) = → x =α. →
15 12 x 9 3 9 3 14 7
12 Área = = 54 14
2

9 4x 3 x7 28
→α= →α= →α=2
14 x 3 14
16 D
Após 8 dias:
11 dias – 8 dias = 3 dias S
Daí: R = 2 . . Substituindo R = 48 e T = 75
T
No Operários No Dias h/dias 2.S
13 3 6 Obtemos: 48 = →
75
10 3 x
16 x 3 . 25 x 3
→S= → S = 30
2 5 1 2
6 10 3
= . → 5x = 39
x 13 3
1
19 No Operários p/dia no de casos tempo
39 30 8 36 6
x= 25 x
5 20 10
Volume 2.B
mercadoria custa R$ 100 reais e que o salário do
6 20 10 36
= . . empregado seja R$ 100 reais.
Matemática I
x 30 8 25 1a parte: Após o aumento de 82%
3 Novo preço = (1,82) . 100 = 182 reais
6 2 5 36 6 2x3 2a parte: Após o aumento de 30%
= . . → = → x=5 Novo preço = (1,30) . 100 = 130 reais
x 3 4 25 x 5
5
O poder de compra do empregado diminui. Supondo
20 1o. 35% + 40% = 75% que x% seja o aumento para que o pooder de compra
seja recuperado, temos:
25
2o. O 3o país receberá . 600 milhões = x 520
100
10 0 . 13 0 = 52 reais → x = 13 = 40
= US$ 150 milhões
Resp.: 150 milhões de dólares
a
27 1 Parte:
Dois aumentos sucessivos:
60
21 V = C + L → V = 6000 + 40% . V → .V=
100 10
Aumento acumulado = 10% + 20% + . 20% = 32%
= 6000 → V = 10.000 10 0
Resp.: R$10.000,00
2a Parte:
22 C
6 15
20 Preço do produto inicialmente = . (salário). Sendo
1o. Aumento aculumado: 20% + 10% + . (10 %) = 10 0
100
x o preço do produto inicial após os dois aumentos ele
= 32%
passará a ser de:
2o. Se as mercadorias valiam V reais, após os 2
aumentos passaram a valer (1,32) . V. 132 15
. x. Como x = . (salário)
3o. Para que o desconto x satisfaça ao problema, 100 100
devemos ter:
0,32 32 Então:
x . (1,32) . V = (0,32) . V → x = = ≅
1,32 132 132 15
Novo preço = . . (salário)
≅ 0,2424 → x ≅ 24,24% 100 100
= 19,80% . (salário)
23 A
Preço: x e consumo y faturamento: xy 28 A
Novo preço: x – 10% de x = 90% de x= 0,9x V = Preço de venda
Novo consumo: y+20% de y = 1,2y C = Preço de custo
Novo Faturamento: 0,9x . 1,2y = 1,08 xy L = Lucro
Aumento de 8% V=C+L
I) V = C + 20% . V
24 A 1
Supondo preço da cesta: 100 II) (V + 20 mil) = C + . (V + 20 mil)
Alimentos: x 3
1,41% de x = 1,03% de 100 1 20 mil
V + 20 mil = C + .V+
1,41x 1,03 3 3
= . 10 0
100 10 0
1,41x = 103 Da I equação obtemos que C = V – 20%V
C = 80% . V. Substituindo na 2a equação; tem-se que:
1,03
x= ≅ 0,73 2 80 2
1,41
V= .V– . (20 mil)
x = 73% 3 10 0 3

2 4 2
25 B 3
. (20 mil) =
5
V–
3
V
Mais 10 reais indicam os 5% que ele não teve
5% — 10 reais 2 2. V
100% — x . (20 mil) =
3 15
5x = 1000 → x = 200 reais V = 100 mil
200 +10% 200 = 220,00
5 00 . 2 . 12
26 A 29 J = 100
= 120 reais
Para facilitar o entendimento admitimremos que uma Resp.: R$ 120,00
Volume 2.B
Como após 3 meses pagarei 400, o juro cobrado foi
30 D de 400 – 360 = 40 reais. Então no sistema de juros

Matemática I
o
1 cálculo dos juros: simples considerado i% a taxa de juros no período de
J = 600 – 500 = 100 reais. t = 3 meses temos que:
2o cálculo da taxa de juros: 360 . i% . 3 = 40
C.i.t i
J= → 100 = 500 . .5→ i
100 100 36 0 . = 3 = 40
100
100 27 . i = 100
→i= →i=4
25 100
i= ≅ 3,7
Logo a taxa foi de 4%. 27

31 R$a 8.000,000 Taxa = 3,7%


1 Aplicação: (Juros J e Montante M)
C . i . 10 C.i
J= →J= reais →
100 10
34 C
C.i Sejam x e (30.000 – x) os capitais utilizados nas duas
→ M = C + J → 10.000,00 = C +
10 aplicações.
1a parte: Capital x aplicado a uma taxa de 8% ao ano.
2a Aplicação: Capital apliado = 10.000,00 x . 8 .1
7
Montante = 13.750,00 J1 =
100

1o Juros
J = 13.750,00 – 10.000,00 = 3.750,00. Daí,
2a parte: Capital (30.000,00 – x) aplicado à 12% ao ano.
10.000 . i 375.000 (30.000 − x) . 12 . 1
3.750,00 = . 15 → i = → J2 =
100 150.000 100
→ i = 2,5

A taxa foi de 2,5% ao mês Se os lucros foram iguais, temos que:

Substituindo, i = 2,5 na 1a equação obtemos: 8x 12 . (30.000 − x)


J1 = J2 → = →
100 100
C . (2,5)
10.000 = C + → 12,5 . C = 100.000 →
10 → 8x = 360.000,00 – 12x → 20 x = 360.000,00 →

100.000
→C= → C = 8.000,00 → x = R$ 18.000,00
12,5
Então, os capitais foram 18.000 e 12.000 de onde
32 D conclui-se que a diferença entre eles é de 6.000,00 reais.
1a parte: Comprando à vista com um desconto de 5%.
95
Pagarei = . (100) = 95 reais. 35 B a
100
1 parte: Comprando à vista ganha um desconto de
10%, que corresponde a 60 reais. O valor à vista seria
2a parte: Imagine que você dispoe dos 95 reias para fazer de 540 reais.
a compra, mas você descobre uma aplicação, cuja taxa
é de i% ao mês, e que vai lhe proporcionar um montante 2a parte: Dado uma entrada de 300,00, o valor a
M após 1 mês. Para que esta aplicação seja vantajosa, financiar será de 540 – 300 = 240. Como você não
dentro do contexto do problema, devemos ter: tem os 240,00 para levar o aparelho à vista, você
95 . i pagará, após 1 mês mais 300,00.
M > 100 → 95 + > 100 → O juros que você pagará será de (300 – 240) = 60,00
100
que corresponde a um percentual de 25%, pois;
95 . i 500
→ >5→i> → i > 5,263. 60 1
100 95 = = 0,25 = 25%
240 4
Entre as alternativas i = 5,3%

36 C
33 E Dados
Dados:
0 1 2
Valor à vista = 800 – 5% . 800 = 800 – 40 = 760 Empréstimo = 8.000,00
Valor a financiar = 760 – 400 = 360 5.000
Juros (taxa) = 5% ao mês
Volume 2.B
1a parte: Após 2 meses, o saldo devedor era de R$ Então
8.820,00, veja os cálculos abaixo: Saldo devedor = (640 – x) e
Matemática I

5 15 0
S(1) = 8.000 + . 8.000 = 8.000 + 400 = 8.400 . (640 – x) = x
100 10 0
5 15 . 64 0 15
S(2) = 8.400 = . ( 8.400 ) = 8.400 + 420 = 8.820
100 – x=x
10 10

3
2a parte: Se Mário pagou R$ 5.000,00 então seu saldo 960 = x + .x
devedor será de 8.820 – 5.000 = 3.820 2
3a parte: Após 1 mês, este saldo passará para: 5x
960 =
5 2
S = 3.820 + . ( 3820 ) = 4.011
100 2 . (960)
x= ⇒ x = 384 reais
Então, como o débito foi liquidado o valor do último 5
pagamento foi de R$ 4.011,00
43 B
Herança: X
37 Seja C o capital inicial.
Total Acumulado
8 M(12) = (1,02)12 . C = 1200 ⇒ C = 1200 → Menor: 10 . (1,10)10 milhões
(1,02)12 Maior: 15 . (1,10)10 milhões
C ≅ 952,38 = 952,38
• partes inversamente proporcionais
10 . (1,10)10 . x1 = 15 . (1,10)10 x2 = k

38 D
1 + i = (1,10)3 → i = (1,10)3 – 1 → i = 0,3310 = k
x1 = 10 . (1,10)10
33,10% ao trimestre.

k
x2 = 15 . (1,10)10
39 A
Montante após t anos = M(t)
k k 3k + 2k
i) M(1) = (1 + 0,10) . 5000 = 1,10 . 5.000 = 5.500 x1 + x2 = + =
ii) M(2) = (1 + 0,10) . 5.500 10 . (1,10)10 15 . (1,10)10 30 . (1,10)10
M(2) = 1,10 . 5.500 = 6.050
5k k
x1 + x2 = +
30 . (1,10)10 6 . (1,10)10
40 D
M = C. (1 + i)t k
M= 50.000 (1+0,0075) x2 15 . (1,10)10 1 2
fração; = = .6=
x1 + x 2 k 15 5
M= 50.000. (1,0075) 6 . (1,10)10

41 A 44 51,36%
Tomaremos uma mercadoria custando R$ 120,00.
• países ricos
I. à vista = 70% . 120 = 84 reais
M1 = c. (1,042) taxa 4,2% II. Em 3 parcelas, iguais, sem desconto, onde a 1a é
no ato da compra.
• Banqueiros à vista
M2 = c. (1,03)12 = 1,42c taxa 42%
40 40 40 84
42%
= 10 0 1 2 0
4,2%
40 40
42 Entrada Após 1 mês 40 + (1 + i%) + (1 + i%)2 = 84
P0 = x P1 = x
onde i% é a taxa mensal. Sendo x = 1 + i%, temos:
Sejam P0 = x o valor da entrada e P1 = x o valor da 2a  1 1
prestação onde estão embutidos um juros de 50% sobre 40 . 1 + + 2  = 84
o saldo devedor.  x x 
Volume 2.B
1 1 84 21 V V
3º) As duas torneiras juntas em 1 hora despejam (
+ )

Matemática I
1+ + 2 = = = 2,1 x x+6
x x 40 10
litros. No entanto como as duas enchem o reservatório
x2 + x + 1 = 2,1x2
em 4 horas podemos afirmar que:
1,1x2 – x – 1 = 0
∆ = 1 + 4,4 = 5,4 1 1 
1h → V .  x + x + 6  litros
1+ 5,4 1 + 5,4  
x= → 1 + i% = →
2,2 2,2 4h → V litros

5,4 − 1,2 Daí:


→ i% = ≅ 51,36%
2,2 1 1
4. V .( + )=1. V
x x+6
x + 6 + x
→ 4 .  x . (x + 6)  = 1 → 8x + 24 = x2 + 6x →
 

x ' = – 4 (não convém)


→ x – 2x – 24 = 0
2

1 E x" = 6
2.430
Tucuruí: P = = 0,57 km2/MW
4.240 Logo x = 6 9
4.214 V
Sobradinho: P = = 4,01 km2/MW 4o) Vazão da 1a torneira = litros/hora, então, para esta
1050 6
torneira encher o reservatório será nescessário 6 horas.
1350
Itaipu: P = = 0,10 km2/MW
126.000
Ilha: P = 0,33 km2/MW
5 D

Furnas: P = 1,10 km/MW Nº de pulseiras Tempo Nº de artesãos

2 A = 25
15 5h 1
Desconto = 20%
Preços da Mercadoria = x reais (sem desconto)
1o) Preço (após o desconto) = 80% . x da mercadoria x 3h 2
2o) Se com o acréscimo de A% o preço volta ao valor
inicial, então:
80% . x + A% . (80% . x) = x →
→ A% . (80% . x) = 20% . x → 15 5 1
= . → 5 . x = 15 . 3 . 2
x 3 2
20% 20 1
→ A% = = = = 0,25 = 25% → A = 25
80% 80 4
x = 18 pulseiras

3 A 6 E
Carga horária/dia Tempo Nº de horas Dados:
Inicialmente a raposa está 60 pulos a frente do cão.
Freqüência: A cada 10 pulos da raposa o cão dá 8 pulos.
8h/dia 12 10
1pulo da raposa = x
10h/dia x 6 
Relação entre os 
comprimentos 1pulo do cão =y
dos pulos  5x
 3. y = 5. x → y=
12 6  3
10
= . → 6x = 12 . 8 → x = 16 dias
x 10 8
1o) Seja n o número de pulos do cão para alcançar a
4 E raposa.
Capacidade do Reservatório = V litros Nº pulos do cão Nº pulos da Raposa
V 8 → 10
1º) Vazão da 1a torneira = litros/hora n → P
x
V 8 10 10n 5n
2º) Vazão da 2a torneira = litros/hora = p →p= → p=
x+6 n 8 4
Volume 2.B
2º) O cão alcançará a raposa quando as distâncias c.i.t 2
percorridas forem iguais. Considere Dcão = distância 2o) J = → 33.6 00 = 150.0 00 . i% .
Matemática I
ano
100 3
5
percorrida pelo cão após n pulos = n . y = n . x i 2
3 → 336 = 15 00 . . →
unidades de comprimento. 100 3
Draposa = distância percorrida pela raposa após (60 + p)
336 = 10 . 1 → i = 33,6
5n 5n
pulos, isto é; (60 + ) pulos = (60 = ).x
4 4 Resposta: 33,6%
Então:
5 5n 10 12 meses
n. x = (60 + ).x→ Seja C a dívida inicial e M o montante da dívida após
3 4
t meses. Sendo 9% a taxa de juros, o montante M
5n 5n triplicará quando:
→ – = 60 → M = 3C → (1 + 0,09)t . C = 3C
3 4
→ (1,09)t = 3
5n (4 − 3) → ln(1,09)t = ln3
→ = 60 →
12 → t. ln(1,09) = ln3
→ n = 144 pulos 1,08 108
→t= = → t = 12 meses
0,09 9
7 A
10 Para facilitar os cálculos considere o preço de tabela
igual a R$ 100,00.
1o) À vista – Desconto de 65%
Valor pago = 35% . 100 = 35 reais
2o) Com 30 dias – Desconto de 55%
Valor pago = 45% . 100 = 45 reais Capítulo 3
Suponha que o consumidor disponha de 35 reais para Sequências Numéricas Reais (Parte I)
comprar o produto. Aplicando, com rendimento de 25% ao
mês, no final de 30 dias ele terá 35 + 25% . 35 = R$ 43,75.
Ora, se ele optou pela segunda alternativa, após a
aplicação ficariam faltando 45 – 43,75 = R$ 1,25, isto
1 1 A) a1 = 3
é, faltaria do preço de tabela.
80 a2 = a1 + 5 = 3 + 5 = 8
a3 = a2 + 5 = 8 + 5 = 13
Obs.: a4 = a3 + 5 = 13 + 5 = 18
1 1
1,25 = . 10 = . 100 2 a1 + a2 + a3 = 3 . 2 0 + 3 . 21 + 3 . 22
8 80
= 3 + 6 + 12 = 21
Resp.: 21
8 25 anos
Tempo = t anos a3 = a2 + a1 = 3 + 2 = 5
3
Capital = C reais a4 = a3 + a2 = 5 + 3 = 8
Taxa = 1% ao ano = 12% ao ano a5 = a4 + a3 = 8 + 5 = 13
Juros = J Resp.: 13

Resolução: Devemos encontrar o tempo t, tal que o 4 A) a1 = 6


montante da aplicação seja 4 . C. a2 = 9
a3 = 12
Então: an = 6 + (n – 1) . 3
M=C+J→ an = 3 + 3 . n ; n ∈ N* = {1, 2, 3, …}
→ 4C = C + J →
12 B) an = 4 – n . 6 ; n ∈ N = {0, 1, 2, 3, …}
→ J = 3C → C .t=3C →
100
5 A
300 P.A. de R = –2 e a1 = 3
→t= = 25 anos. a20 = 3 + 19 . (–2) = –35
12

9 C 6 A
1o) Os números positivos são múltiplos de 2 e de 7
8 2 2 simultaneamente. Então, como 2 e 7 são primos entre
1o) 8 meses ⇔ ano = ano → t = ano
12 3 3 si, os números procurados são múltiplos de 14.
Volume 2.B
Obs.: 11 a7 + a21 = a13 + a15
M (2) ∩ M(7) = M(14)

Matemática I
11x – 4 = 3x + 20
8x = 24 → x = 3
P.A. (14, 28, 42,..., 2002) de razão R = 14, onde
a1 = 14 e an = 2002. Então → a7 + a21 = 33 – 4 = 29
an = 2002 → 14 + (n – 1) . 14 = 2002
(n – 1) . 14 = 1988 Logo a1 + a27 = a7 + a21 = 29
n – 1 = 142 → n = 143

27 . (a1 + a27 )
S27 =
a1 a8 2
7 27 . (29)
P.A . ( 12 , . . . . . , 61 ) S27 =
123 2
6 meios
783
a8 = 12 + 7 . R S27 =
2
61 – 12 = 7R
49 12 B
R= →R=7 S10 – S9 = a10
7
Logo P.A: (12, 19, 26, 33, 40, 47, 54, 61) a10 = 3 . 102 – 3 . 92
a10 = 300 – 243
a10 = 57
11
a + a + a3 + … + a50 50 . (a1 + a50 ) 13 A
8 1o) 1 2 = 100 → =
50 2 15 . (a1 + a15 ) a1 + a15
S15 = = 255 Obs
Obs.: a8 =
= 50 x (100) = 5.000 → a1 + a50 = 200 2 2
15 . a8 = 255
2a Parte: a8 = 17
Observe que a 3 +a 48 =a 5 +a 46 =a 1 +a 50 =200
Logo S46 = 5000 – 200 – 200 = 4.600 14 D
4600 Sabendo que i2 = –1 e i4 = 1, temos:
Logo mART = = 100 2 + 4 . i2 + 6. i4 + 8 . i6 + ... + 98 . i96 + 100 . i98 =
46
= 2 + (–4) + 6 + (–8) + ... 98 + (–100)
= (2 + 6 + 10 + ... + 98) + (–4 – 8 – 12 – ... – 100)
9 B
Observe que: 25 . (2 + 98) 25 [(–4) + (–100)]
= + =
a1 + a22 = a2 + a21 = ... a5 + a18 = ... a11 + a12 = 10 2 2
=1250 – 1300 = –50
Então:
a1 + a2 + a3 + ... + a20 + a21 + a22 =
=(a1 + a22) + (a2 + a19) + ... + (a11 + a12) =
11. (a1 + a22 ) 11. 10
= = = 55.
2 2 1 A) a4 = 192
a1 = 4
10 A a2 = 22 + 2 . a1 = 4 + 2 . 4 = 4 + 8 = 12
f(x) = ax2 + bx + c a3 = 23 + 3 . a2 = 8 + 3 . 12 = 8 + 36 = 44
2 raízes reais iguais: ∆ = 0 a4 = 24 + 4 . a3 = 16 + 4 . (44) = 16 = 186 = 192
b2 – 4ac = 0 ⇒ b2 = 4ac 2.4 − 5 3
B) a4 = =
4 +1 5
(a, b, c) é P.A. de razão 3 ⇒ (b – 3 , b, b + 3)
b2 = 4ac ⇒ b2 = 4(b – 3 ) (b + 3 ) ⇒ 2 A
⇒ b2 = 4b2 – 12 ⇒ 3b2 – 12 = 0 ⇒ 3b2 = 12 ⇒ Considere a P.A. (a1, a2, a3,..., an) de razão R. Então:
E = a1 – 4a2 + 6a3 – 4a4 + a5 =
⇒ b2 = 4 ⇒ b = ±2 E = a1 – 4 . (a1 + R) + 6 . (a1 + 2R) – 4 . (a1 + 3R) + (a1 + 4R)

para b = 2 ⇒ a = 2 – 3 ec=2+ 3 E = a1 – 4a1 – 4R + 6a1 + 12R – 4a1 – 12R + a1 + 4R


E = 8a1 – 8a1 = 0
para b = –2 ⇒ a = –2 – 3 (não convém pois a > 0)
f(x) = (2 – 3 )x2 + 2x + (2 + 3) 3 a1 an
'&" $
P.A : ( 12 , 18, 24, …, 996 )
Corta eixo das ordenadas quando x = 0 ⇒ f(x) = 2 + 3, an = 996 → 12 + (n – 1) . 6 = 996 !& $"
(n – 1) . 6 = 996 – 12 = 984 "
ponto (0, 2 + 3)
n – 1 = 164 → n = 165  
Volume 2.B
4 C a2 = 250 → a1 + R = 250
Matemática I

1 2 3  a5 = 400 → a1 + 4R = 400
 8 , 8 , 8 , ..., 10 
 
 −4a1 − 4R = − 1000
1 ~
P.A. de razão a1 + 4R = 400
8
an = a1 + (n – 1) . R –3a1 = –600 → a1 = 200
1 1
10 = + (n – 1) . 9 A
8 8 P.A (a1, a2, a3, ..., a64) = (3, 6, 9, 12, ..., a64)
1 n 1 Cuidado com o percurso do tabuleiro, pois o termo a64
10 = + – está no canto esquerdo da última linha. Então, o ponto
8 8 8
de interrogação será ocupado pelo termo a57 da P.A,
n portanto, devemos colocar nesta casa a seguinte
= 10 ⇒ n = 80 quantidade de arroz:
8
a57 = a1 + 56 . R →
a57 = 3 + 56 . 3 = 3 + 168 →
79 x 3 = 273s
a57 = 171
Obs.: 79 pois os primeiros 3 segundos foia partir do
2o termo.
12
5 D 10 A
P.A.: (1, 5, 9,...,p) de razão R = 4, onde p < 2004 e P
(1, 3, 5, ...) P.A. de razão 2
é o maior número possível.
a95 = a1 + 94R = 1 + 94(2) = 1 + 188 = 189
1o) Sendo p = 1 + (n – 1) . 4; n ∈ n* então p dividido por
4 deixa resto 1. Como 2004 é multiplo de 4; 2000
6 a73 = 99
também será, daí o maior p que satisfaz é p = 2001.
(a1, a2, a3,...an); a1 = 3
3 . an + 4 4 2a parte
an+1 = → an +1 = an +
2 3 Termo médio
1 + 2001
• a251 =
Se um termo qualquer an+1 é igual ao anterior an mais a 2
4
constante , então a seqüência é uma Progressão a251 = 1001
3
4
Aritmética de razão R = e a1 = 3. Logo 1001 11 1001 11 1001 13
3
a73 = a1 + 72 . R (0) 143 (0) 91 (0) 77
4
a73 = 3 + 72 . → a73 = 3 + 96 → a73 = 99
3 11 P.A.: (9, b, c) → b = 9 + c
2
7 A c 2 = b 2 + 92
(9 + c)2
a2 + a5 = 8
c
a1 + R + a2 + 4R = 8 b c2 = + 81 =
 ⇒ a + 7R = 7 ⇒ 4
 8
a = 7  1
(81+ 18 c + c2 )
9 c2 = + 81
a1 + R + a2 + 4R = 8 4
⇒ a + 7R = 7
 1
→ 4c2 = 81 + 18 c + c2 + 324
2 → 3c2 –18c – 405 = 0
–9R = 6 ⇒ R = – → c2 – 6c – 135 = 0
3
9 + 15
14 35 → c” = –9 ou c = +15 → b = = 12
a1 = 7 + ⇒ a1 = 2
3 3 9.b 9 . 12
a3 + a7 = a1 + 2R + a1 + 6R = 2a1 + 8R = Então, área = = = 54
2 2
 35   2
=2.   + 8  −  = 18 12 B
 3   3 E= 7 + a1 – 2 . (2(a1 + R) – 3 . (a1 + 2R)
+ 2 . (a1 + 3R)) + a1 + 4R
8 A E = 7 + a 1 – 2 . (2a 1 + 2R – 3a 1 – 6R
PA: (a1, a2, a3, a4, a5)
+ 2a1 + 6R ) + a1 + 4R
Volume 2.B
E = 7 + a1 – 2a1 – 4R + a1 + 4R = 7 Fórmula de recorrência de uma progressão aritmética de

Matemática I
razão 2 . Ora, se ƒ(1) = 5, então: a101 = a1 + 100 . R →
13 B 5
a1 an+2 2
ƒ(101) = ƒ(1) + (100) . → ƒ(101) = 5 + 40 = 45
12324
2
P.A : ( 1 , . . ., n ) 5
n meios
an+2 = n → 1 + ((n + 2) – 1) . R = n2
2 17 20
→ (n + 1) . R = n2 – 1 →
 a1 ak + 2

→ (n + 1) . R = (n + 1) (n – 1) → R = n – 1  1 10  de R = 1
P.A  , ...
1 ,  7
 3 k meios 3 
14 B  
Tomando os 91 primeiros números inteiros positivos,
devemos separá-los em conjuntos, de modo que a 1
a(k + 2) = a1 + [(k + 2) – 1] . →
quantidade de elementos em cada um deles forme uma 7
progressão aritimética de razão 1, isto é:
10 1 1
a1 = 1 elemento → = + (k + 1) . →
a2 = 2 elementos 3 3 7
a3 = 3 elementos 1
a4 = 4 elementos → 3 = (k + 1) . → (k + 1) = 21 → k = 20
7
1 13
an = n elementos 18 C
1h = 60 min.
Note que a soma a1 + a2 + a3 + ... + an = 91 → Se a1 = 1, a2 = 5, a3 = 9, e assim sucessivamente o
n . (1 + n) crescimento ocorre em progressão aritmética de razão
→ = 91 → 4. Então, no final de 60 min., teremos:
2
a60 = a1 + 59 . R = 1 + 59 . 4 →
→ n(n + 1) = 2 . 7 . 13
→ n . (n + 1) = 13 . 14 → n = 13
→ a60 = 1 + 236 → a60 = 237 vírus
o
Então, o 13 conjunto tem 13 elementos, onde o de
valor máximo é igual a 91.
19 D
a1
Daí, a6

b13 = 91 → P.A. ( 1km ,..., 8,5 km )


b1 + (12) . 1 = 91 → 6 . (a1 + a6 ) 6 . (1 + 8,5)
S6 = =
2 2
b1 = 79 e a soma dos 13 elementos de U será: S6 = 3 . (9,5)
13 . (79 + 91) S6 = 28,5
S13 = =
2
S13 = 1.105 1 3 5 n −1
20 P.A.: ( 2 , 2 , 2 , ..., 2
,...)
15 78 P.A.: (a1, a2, a13,...,an...)
ƒ(x) = x2 – 5x + 600
1a parte: g(x) = ƒ(x + 1) – ƒ(x) = n2
Sn = ; ∀ n ∈ N*
= (x + 1)2 – 5(x + 1) + 600 – x2 + 5x – 600 2
2
= x2 + 2x + 1 – 5x – 5 + 600 – x + 5x – 600 12 1 1
1o) S1 = a1 = = → a1 =
= 2x – 4 2 2 2
22 1 3
a
2 parte: 2o) S2 = a1 + a2 = =2→ + a2 = 2 → a2 =
2 2 2
an = g(n) = 2n – 4, n ∈ {1, 2, 3, ...} 1
3
a41 = 2 . 41 – 4 = 82 – 4 = 78 3o) Razão R = a2 – a1 = – R=1
2 2
16 A 1 3 5 n −1
P.A.: ( , , , ..., ,...)
2 2 2 2
5 ƒ(n) + 2 2
ƒ(n + 1) = = ƒ(n) +
5 5
21 P.A. (x – R, x, x + R) decresc. (R < 0)
Sendo n ∈ n*, ƒ(n + 1) = ƒ(n) +
2
é equivalente a : I. x– R +x+x+ R =3→x=1
5 II. (1 – R)2 + 12 + (1 + R)2 = 35
2 1 – 2R + R2 + 1 + 2R + R2 = 34
an + 1 = an + 2R2 = 32 → R2 = 16 → R = –4
5
P.A. (5, 1, –3)
Volume 2.B
22 D a1 + a2 + a3 + ... + a29 = x30 – x31
12222322224
Matemática I
an + 1 = an + 2 é uma P. Aritmética de a1 = 1 e R = 2 S29

38 . (1 + a38 ) 38 . (1 + 75) 29 . (a1 + a29 )


Logo S38 = = = x30 – x1
2 2 2
S38 = 1.444
29 . [1 + (1 + 28 . 2)
x30 = + x1
Cálculo auxiliar 2
a38 = 1 + 37 . 2 x30 = 29 . 29 – 742 = 99
a38 = 75
26 17.258
23 A P.A. (1, 2, 3,..., 200)
(1; 1,2; 1,4; …) 1o) Soma dos 200 primeiros inteiros positivos
1 + 1,2 + 1,4 + … = 63 200 . (1 + 200)
(a1 + a2 ) . n S200 = = 20.100
2
I. Sn = 63 ⇒ = 63
2 o
2 ) Soma dos múltiplos positivos de 7 menores que 200
onde an = a1 + (n – 1) . R P.A. (7, 14, 21,..., 196) = (7 x 1, 7 x 2, 7 x 3,...,7 x 28)
an = 1 + (n – 1) . 0,2 28 . (7 + 196)
an = 1 + 0,2n – 0,2 S28 = = 2.842
2
an = 0,2n + 0,8 o
Então (1 + 0,2n + 0,8) . n = 126 3 ) Então, a soma dos números naturais de 1 até 200,
14 que não são divisíveis por 7 sera:
(1,8 + 0,2n) . n = 126
0,2n2 + 1,8n – 126 = 0(x5) 20.100 – 2.842 = 17.258
n2 + 9n – 630 = 0
n = 21 dias 27 B
As árvores plantadas a cada dia depende das outras
24 D derrubadas neste dia, isto é:
* P.A.1 = (8, 12, …) R = 4 D1 = 1 árvore derrubada → P1 = 2 . (1) = 1 árvore
plantada
(a1 + an ) . n D2 = 2 árvores derrubadas → P2 = 2 . (2) – 1 = 3 árvores
S1 =
2 plantadas
an = 8 + (n – 1) . 4 = 4n + 4 D3 = 3 árvores derrubadas → P3 = 2 . (3) – 1 = 5 árvores
plantadas
(8 + 4n + 4) . n
S1 = = 2n2 + 6n 1 1
2
Dn = n árvores → Pn = 2n – 1
P.A.2 (17, 19, …) R = 2
(a1 + an ) . n Então, se o total de árvores derrubadas for 1.275,
II. S2 = teremos:
2
an = 17 + (n – 1) . 2 = 2n + 15 1 + 2 + 3 + ... + n = 1.275 →

(17 + 2n + 15) . n n . (1 + n)
→ = 1.275 →
S2 = = n2 + 16n 2
2
Como S1 = S2, temos: → (n + 1) = 2.550 = 255 . 10 →
2n2 + 6n = n2 + 16n ⇒ n2 – 10n = 0 ⇒ n(n – 10) = 0 ⇒ → (n + 1) = 51 . 5 . 10 = 51 . 50 → n = 50

n = 0 ou n = 10 Conseqüentemente, P50 = 2 . 50 – 1 = 99 e o número


de árvores plantadas será igual a:
n = 10 50 (1 + 99)
P1 + P2 + P3 + ... + P50 = = 2.500
2

25 X30 = 99
Dados: P.A.: (a1, a2, a3,... an,...) de a1 = 1 e R = 2
a1 = x 2 – x1
1 45.045
a2 = x 3 – x 2 Seja M o conjunto dos múltiplos de 11 maiores que 1 e
menores que 1000. 1000 11
a3 = x 4 – x 3 M = {11, 22, 33, ..., 990} 10 90
1o) Número de elementos de M.
1 1 observando que:
1000
a28 = x 29 – x28 –10
{11, 22, 33, ..., 990} =
990
= {11x1; 11x2; 11x3; ...; 11x90}
a29 = x30 – x 29 (somando membro a membro)
podemos concluir que M tem 90 elementos.
Volume 2.B
2o) Soma dos elementos de M.
Os elementos de M formam uma Progressão
4 PA: (2, 5, 8, 11, 14, 17, 20, ..., 29)

Matemática I
Considere a PA: (a1, a2, a3, ..., an), com n par e razão
Aritmética de 90 termos onde a1 = 11 e a razão R. Podemos afirmar que:
também é 11. Daí 1o (a1, a3, a5, ..., an – 1) é uma PA de razão 2R e número
90 . (11 + 990) n
S90 = = 45.045 de termos igual a .
2 2

2 A) 931 1a coluna n
. (a1 + an – 1)
B) 29.791
1
SI = a1 + a3 + a5 + ... + an – 1 = 2 = 70 →
2
3 5 → n . (a1 + an – 1) = 280 (equação 1)
7 9 11
13 15 17 19
2o Analogamente: (a2, a4, a6, ..., an) é uma PA de razão
21 23 25 27 29
. . . . . . n
2R e termos.
. . . . . . 2

1a observação
observação: Na 31a linha teremos 31 elementos em n
progressão aritmética de razão 2. . (a2 + an )
SP = a2 + a4 + a6 + ... + an = 2 = 85 →
2a observação
observação: Os elementos da disposição que estão 2
na 1a coluna 1, 3, 7, 13, 21, ... formam uma sequência
→ n . (a2 + an) = 340 (equação 2)
15
B = (b1, b2, b3, b4, b5, ... b31) onde:
b31 é o primeiro elemento da 31a linha e
Cálculo Auxiliar 3o Sn = SI + SP →
PA (2, 4, 6, 8, ..., a30)
 b2 − b1 = 2 = a1 a30 = a1 + 29 . R n . (a1 + an ) n . (31)
 → = 70 + 85 → = 155 →
 b3 − b2 = 4 a 30 = 2 + 29. 2 2 2
 a30 = 60 → n = 10 . Substituindo nas equações 1 e 2, temos,
 b 4 − b3 = 6
 10 . (a1 + a9 ) = 280
 b5 − b 4 = 8  a1 + a9 = 28
 e ~ 
 1 1 1 10 . (a + a ) = 340 a2 + a10 = 34
  2 10
b31 − b30 = 60 = a30
30 . (2 + 60)  a1 + R + a9 + R = 34
b31 − b1 = 
2 ~  a + a = 28 −
 1 9
b31 − 1 = 930
b31 = 931 2R = 34 – 28
2R = 6 → R = 3
3a) Soma dos elementos da 31a linha: (931, 933, 935, ..., e a1 + a9 = 28 → a1 + a1 + 8R = 28 →
991) → 2a1 + 24 = 28
31. (931 + 991) → a1 = 2
S31 = =
2
S31 = 29.791
5 10
1o) Número de termos de cada sequência
(an) = (2, 5, 8, ..., 332) e (bk) = (7, 12, 17, ..., 157)
3 5 an = 332 bk = 157
2 + (n – 1) . 3 = 332 7 + (k – 1) . 5 = 157
30 7 3
20 0,4285714 = 0,428571428571... 332 − 2 157 − 7
7 n–1= k–1=
3 5
60
40 n – 1 = 110 k – 1 = 30
Estamos diante de uma dízima
n = 111 k = 31
50 periódica cujo período tem 6
10 algarismos. Então, dividindo os
30 2o) Devemos procurar termos tais que:
2008 algarismos em grupos de
2 an = ak → 2 + (n – 1) . 3 = 7 + (k – 1) . 5 →
6 teremos: 334 grupos de 6
→ (n – 1) . 3 = 5 + (k – 1) . 5 →
2008 6 algarismos mais 4 algarismos
→ (n – 1) . 3 = 5k.
restantes. Daí, sabendo que o
20 334 período é 428571 podemos
28 Como (n – 1) é inteiro positivo o valor de k deverá ser
concluir que o 4o algarismo é o
(4) múltiplo positivo de 3. Então, como 1 ≤ k ≤ 31, temos:
número 5.
Volume 2.B
k = 3 → (n – 1) . 3 = 15 → n = 6 → a6 = b3 Os algarismos das unidades formam
31 = 3
k = 6 → (n – 1) . 3 = 30 → n = 11 → a11 = b6 a sequência: (3, 9, 7, 1, 3, 9, 7, 1,
Matemática I
32 = 9
k = 9 → (n – 1) . 3 = 45 → n = 16 → a16 = b9 3, 9, 7, 1, ...).
33 = 27 Então, dividindo 497 em grupos de
1 1 1 1 1
34 = 81 4 elementos, obtemos:
k = 30 → (n – 1) . 3 = 150 → n = 51 → a51 = b30
35 = 24 3 497 = 124 x 4 + 1
A quantidade de valores de k será igual ao número de 36 = 72 9 Daí, o algarismo
497 4
termos comuns. Tomando (cn) = (3, 6, 9, ... 30) = (3 x 1; 37 = 218 7 das unidades do
38 = 656 1 09 124 número 653 497
3 x 2; 3 x 3; ...; 3 x 10) concluímos que as progressões
possuem 10 termos comuns. 17 será 3.
(1)

6 65 9 99 anos
Se 32, 227 e 942 são termos de uma progressão 1o) Múltiplo de 4 entre 1993 e 2401.
aritmética de razão R, então: M = (1996, 2000, 2004, ..., 2400) =
227 – 32 = K . R e 942 – 227 = P . R onde K e P são = 499 x 4; 500 x 4; ..., 600 x 4).
195 715
inteiros. Por, conseguinte K = eP= , isto é, Portanto M tem (600 – 498) = 102 múltiplos de 4
R R dos quais alguns não são anos bissextos.
a razão R é um divisor comum de 195 e 715. Daí, o 2o) Múltiplos de 100 entre 1993 e 2401.
maior valor de R será igual ao mdc (715, 195) = 65. M(100) = (2000, 2100, 2200, 2300, 2400)
16 Observe que 2000 e 2400 são anos bissextos por
3 1 2 serem divisíveis por 400. Então o total de anos
bissextos será igual a:
715 195 130 65 T = 102 – 3 = 99 anos.
–585 130 –130
130 65 (0)
10 Segunda-feira
De 1993 à 2000 temos 8 anos onde dois deles são
bissextos (1996 e 2000), então até o dia 1o de janeiro
de 2001, teremos:
n–1 Total de dias = 8 x (365) + 2 + 1 = 2923 dias
7 x1 + xn Daí:
dividindo 2923 por 7; pois 1 semana tem 7 dias,
(xn) = (x1, x2, x3, ..., xn – 1, xn) é uma progressão aritmética obtemos:
de razão R. Racionalizando os denominadores da 2923 = 417 x 7 + 4 2923 7
expressão abaixo, obtemos: 12 417
1 1 Considere que a semana começa na 53
1
+ + + ... + sexta-feira 01/01/1993. (4)
x2 + x1 x3 + x2 x4 + x3
sex sáb dom seg ter quar quin
1
+ = 1 2 3 4 5 6 7
xn + xn − 1
2923 dias corresponde a 417 semanas, mais 4 dias,
por conseguinte o último dia desta contagem cairá na
x2 − x1 x3 − x2 x4 − x3
= + + + ... + segunda-feira.
x 2 − x1 x3 − x 2 x 4 − x3
1
232 4 1232 4 1232 4
R R R

xn − xn − 1
xn − x1
+ x¨n − xn − 1 = =
12324 R
R

( xn − x1 ) . ( xn + x1 )
= =
R . ( xn + x1 )

xn − x1 x1 + (n − 1) . R − x1 n −1
= = = 1 D
R . ( xn + x1 ) R . ( xn + x1 ) x1 + xn
Desenho 1
E= =
Real 100

8 3 1 x
Algarismos das unidades de potências de 3. 1o ) = ⇔ x = 5 cm
100 500 cm
Volume 2.B
2o. O valor de 1 litro é C reais, com os descontos passou
1 y
⇔ a valer 64% . C = (0,64) . C

Matemática I
e = y = 6 cm
100 600 cm 3o. Aumentando 40% o novo valor será de
(1,40) . (0,64) . C = 0,8960 . C = 89,60% . C.
Logo A = x . y = 30 cm2 Deste modo o preço final diminui de 10,40%

Resp.: Diminui de 10,40%


2 B
4,5 x 109 anos 45 anos
15 x 109 anos x 300
8 Valor à vista = 150 +
(1 + 0,03)
= 150 + 291,26 =

= 441,26
4.5 x 109 . x = 15 x 109 . 45
Resp.: R$ 441,26

x ≅ 150
9 D
Resp.: ≅ 150 anos n = 1 → a3 = 2 . a1 + a2 → a3 = 2 . 1 + 1 = 3
n = 2 → a4 = 2 . a2 + a3 → a4 = 2 . 1 + 3 = 5
3 A n = 3 → a5 = 2 . a3 + a4 → a5 = 2 . 3 + 5 = 11
Dados:
V = volume
10 C
α
P = pressão e V = P = a1 . a2 . a3 . a4 . a5 . a6 17
P
↓ ↓ ↓
α = (1) . a1 . 2 . a3 . 3 . a 5
0,6 dm3 = →α=3
5
3 = 1 . 1 . 2 . 2 . 3 . 3 = 36
Logo V =
P
11 a2 = a1 + 2 . 1 + 1 = 1 + 3 → a2 = 4
a3 = a2 + 2 . 2 + 1 = 4 + 5 → a3 = 9
4 C a4 = a3 + 2 . 3 + 1 = 9 + 7 → a4 = 16
No imagens Tempo a5 = a4 + 2 . 4 + 1 = 16 + 9 → a5 = 25
1 1 seg
10 Logo a5 = 5
x 60 seg
1 12 B
1 10 x  3 17 2 
= → = 60 → x = 600 imagens Seqüência: S =  , , , …
x 60 10  4 24 3 

5 D
G H T 17 3 −1
No gravetos/dia No horas Tempo (semanas) P. Aritmética de R = – =
24 4 24
500 12 3

g 9 2
3  −1 
an = 0 → + (n – 1) .   =0→
4  24 
500 9 2 1
= . = → g = 1000 gravetos
g 12 3 2 (−n + 1) −n + 1
→3+ =0→ = –3
6 6
6 D → –n + 1 = –18 → n = 19
1o) Desconto = 15.000 – 13.200 = 1.800
2o) Seja o desconto x%.
13 1o)a10 = a6 + 4R
x .
15.0 00 = 1.800 5
100 17 = 7 + 4R → 4R = 10 → R =
2
1800 2o)Logo a16 = a10 + 6R
x= = 12
150 5
Logo, o desconto é 12% a16 = 17 + 6 . → a16 = 32
2

20 14 B
7 1o. Desconto acumulado = 20% + 20% –
100
. ( 2 0 %)
50 . (a1 + a50 ) 50 . (160)
S50 = = = 4.000
= 36% 2 2
Volume 2.B
15 1720 metros
Matemática I
Seja an a quantidade de metros percorrido pelo atleta ao pegar a n-ésima caixa e voltar para o ponto de partida, isto é:
a1 = 5 + 5 = 10 m
a2 = 9 + 9 = 18 m
a3 = 2 . (13) = 26 m
1 1
an = 10 + (n – 1) . 8 = 8n + 2
1 1
a19 = 8 . (19) + 2 = 154

Então, até a 19a caixa essa terá percorrido


19 . (10 + 154)
S19 = = 1.558 m e encontra-se no ponto de partida. Para finalizar a prova, isto é, chegar até a
2
20 a caixa, ele terá que percorrer mais 2. (5 + 19 . 4) = 162 m. Portanto, o percursso total do competidor será de
1.558 + 162 = 1.720 m

Anotações

18
Volume 2.B

Matemática II
COLEÇÃO PRÉ-UNIVERSITÁRIO

Professor(a): _____________________________________

Escola: ___________________________________________________

Data: _____/_____/_____

Críticas e Sugestões
__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________
Volume 2.B

Matemática II
Resolução de Exercícios
Volume 2.B

Exclusivo da apostila do professor


professor,, este guia
apresenta a resolução dos exercícios

SUMÁRIO
Capítulo 4: Funções (Parte II) .......................................................................................... 19
Tópico A: Função Quadrática ou Função Polinomial do 2o Grau
Apêndice: Utilizando as Transformações Geométricas para Construir Gráficos de Funções
Tópico B: Função Composta
Tópico C: Funções – Definições Especiais
Tópico D: Função Inversa 19
Questões de Aprofundamento ......................................................................................... 28
Capítulo 5: Equações e Inequações Modulares .................................................................. 30
Tópico A: Função Modular
Tópico B: Equações Modulares em R
Tópico C: Inequações Modulares
Questões de Aprofundamento ......................................................................................... 33
Exercícios de Revisão ................................................................................................... 35

Resumo:
Capítulo 4  25 
1.3 Im =  −∞, 8 
Funções (Parte II)  
* f(x) = 0
x’ = 2
1
x’’ = –
2
1 f(x) = –2x2 + 3x + 2 25
1.1 Calculando os zeros da função: 1.4 Valor máximo:
8
–2x2 + 3x + 2 = 0
2x2 – 3x – 2 = 0
∆ = 9 + 16 = 25 2 I. xv = –2

1 b
3± 5 – = –2
x= 1 2a
4 − b = 4a
2
Calculando x do vértice e o y do vértice: II. f(x) = 0 → x’ = 1
−b 3 25 x’’ = –5
xv = = ⇒ yv = ax2 + bx + c = 0
2a 4 8
a + b + c = 0 (x = 1)
1.2
III. f(–2) = 3
4a – 2b + c = 3
b – 2b + c = 3
–b + c = 3
c=3+b
 4
c = 3 + − 3 
 
5
c=
3
Volume 2.B
IV. a + b + c = 0 III.
Matemática II
a + 2b + 3 = 0
a + 2(4a) + 3 = 0
9a + 3 = 0
1 4
a=– ⇒b=–
3 3
1
Resposta: a = –
3
S = [0; 2] ∪ [5, 6]

a=3 6 4m2 – 4m + 1 – 4m2 + 8m > 0


b=4 4m > –1
3 2
3x + 4x + 2 = 0
c=2 −1
m>
4
−b −4 k = 1 . k2 + 9 = 1 + 9 = 10
1) x1 + x2 = =
a 3
c 2 6−y x
2) x1 . x2 = = 7 = → 3x = 24 – 4y
a 3 6 8
4y = 24 – 3x
20
2 6 − 3x
 −4   2 y=
A) x12 + x22 = (x1 + x2)2 – 2x1x2 =   – 2 3 4
 3   
 6 − 3x  6x − 3x2
16 4 16 − 12 4 A =  4 x → A =
2
x1 + x2 2
= – = =   4
9 3 9 9
 −2 
B) x13 + x23 = (x1 + x2) (x12 – x1x2 + x22) xv = –6 .  3  = 4
 
 −4   4 2   −4   −2  8 yv = 12
x13 + x23 =    −  =  3   9  = 27
 3   9 3    
Área máxima = 12
4 D
O gráfico de ƒ(x + 3) é obtido, efetuando uma translação 8 A
horizontal de 3 unidades para a esquerda. L(p) = R(p) – C(p)
D) L(p) = (800p – p2) – (p2 + 20p + 200)
L(p) = –2p2 + 780p – 200
f(x) L(p)
Lucro máximo (L)
f(x+3)
−∆ yv
(–1,0) (0,0) (2,0) (3,0) L = yv =
4a
−606.800
1 , 1 L=
(– ) −8
2 4
L = 75.850 xv
x

5 A) x2 + 4x – 12 > 0
I. x2 + 4x – 12 = 0 9 f:R→R
x’ = –6 g:R→R
x’’ = 2 h:R→R
f(x) = 2x + 1
g(x) = x2 + x + 4
h(x) = –2x + 3
S = ]–∞, –6[ ∪ ]2, + ∞[
A) f(g(x)) = 2(x2 + x + 4) + 1
B) (x2 – 5x) (x2 – 8x + 12) ≤ 0 f(g(x)) = 2x2 + 2x + 9
I. x2 – 5x = 0
B) g(f(x)) = (2x + 1)2 + (2x + 1) + 4
x(x – 5) = 0
g(f(x)) = 4x2 + 6x + 6
x’ = 0 ou x = 5
C) f(g(h(x))) =
II. x2 – 8x + 12 = 0
x’ = 6 I. g(h(x)) = (–2x + 3)2 + 3 – 2x + 4
x’’ = 2 g(h(x)) = 4x2 – 12x + 9 + 7 – 2x
g(h(x)) = 4x2 – 14x + 16
Volume 2.B
II. f(g(h(x))) = 2(4x2 – 14x + 16) + 1 C) Se ƒ e g são ímpares → ƒ . g é ímpar (falsa)

Matemática II
f(g(h(x))) = 8x2 – 28x + 33 Justificativa
(ƒ . g)(–x) = ƒ(–x) . g(–x) = [–ƒ(x)][–g(x)] = ƒ(x) . g(x) →
→ (ƒ . g)(–x) = (ƒ . g)(x) → ƒ. g é par.
1 D) Verdadeira
10 g(x) = x –
x
15 1a parte: ƒ é par → ƒ(–x) = ƒ(x); ∀ x ∈ D(ƒ)
1
fog(x) = x2 + 2 g é ímpar → g(–x) = –g(x); ∀ x ∈ D(g)
x
f(4) = ? ƒ(x) + g(x) = 2x ƒ(x) + g(x) = 2x

2  −x ~  −x
 1 ƒ(− x) + g(− x) = 2 ƒ(x) − g(x) = 2
I. fog(x) =  x −  + 2
 x
2 . ƒ(x) = 2x + 2− x
II. f(x) = x2 + 2
f(4) = 16 + 2 = 18 2x + 2− x
Resposta: f(4) = 18 ƒ(x) =
2

e ƒ(x) + g(x) = 2x → g(x) = 2x – ƒ(x)


11 E
f(2x + 3) = 4x2 + 6x + 1, ∀x ∈ R. 2x + 2− x 2x − 2− x
I. Chamando y = 2x + 3 → g(x) = 2x – → g(x) =
2 2
f(y) = 4x2 + 6x + 1 21
2
Então
y −3  y −3  y −3
II. x = ⇒ f(y) = 4   + 6 2  + 1 1 1
2  2    21 + 2−1 22 − 2−2 2+ − 4+
f(1)–g(2) = – = 2 4 =
f(y) = y2 – 3y + 1 2 2 2
f(1 – x) = (1 – x)2 – 3(1 – x) + 1
f(1 – x) = x2 + x – 1 3 5
−2 + −
= 4 = 4 =–5
2 2 8
x −1 x −1
12 f(x) = , g(x) =
x x 16 1o) II e IV 2o) I e IV
Resposta: Não são iguais. 3o) IV
x −1
I. ≥0 17 ƒ : R → B = {y ∈ R/y ≥ b}
x y = x2 + 6x + 92
x–1=0 S é sobrejetora se B = 1m(f)
x=1
Determinação da imagem de f
D(f(x)) = ]–∞, 0] ∪ [1, +∞[
−∆ 332
YV = = = 83 e ∆ = 36 – 368 = –332
4a 4
II. x>0 y Se 1m(f) = {y ∈ R/y ≥ 83} =
x–1≥0 = {y ∈ R/y ≥ b}, então
x≥1
b = 83
83
D = [1, +∞[

13 A) ƒ é crescente ↔ x ∈ [0, 10]


B) ƒ é constante ↔ x ∈ [10, 16]
3x + 2
C) ƒ é decrescente ↔ x ∈ [16, 20] 18 1.1 f(x) = , f : R – {4} → B
x+4
14 C 2 − 4x
A) Se ƒ e g são ímpares → ƒ(g(x) é ímpar (verdadeira) A) f–1(x) =
x −3
Justificativa: Seja h(x) = ƒ(g(x)).
h(–x) = ƒ(g(–x)) = ƒ(–g(x)); pois g é ímpar. B) D = R – {3}
Como ƒ também é ímpar, podemos afirmar que C) Im = R – {3}
h(–x) = ƒ(–g(x)) = –ƒ(g(x)) = –h(x). Logo ƒ é uma
função ímpar. 1.2 f : R → R , y = 2x + 3
B) Se ƒ e g são pares → ƒ + g é par. Verdadeiro x −3
Justificativa: Considere ƒ(x) = (ƒ + g)(x) = ƒ(x) + g(x). A) f–1(x) =
2
ƒ(–x) = ƒ(–x) + g(–x) = ƒ(x) + g(x) =ƒ(x). B) D(f–1(x)) = R
Então ƒ é uma função par. C) Im(f(x)) = R
Volume 2.B
A) y + 4 = x2 + 4x + 4 → y + 4 = (x + 2)2 → 2o caso
Matemática II
19
p/x = –y
→x+2= y + 4 → x = –2 + y + 4 y2 + y2 + 1 = 0 ⇒ 2y2 = – 1
1
y2 = – ∉R
2
20 A
f:R→R
 −2 + 2 −2 + 2   −2 − 2 −2 − 2  
f(x) = x3 + 1 S =  ,  ,  ,  
 2 2 2 2
    
4x + 1
g(x) =
3
I. Calculando f–1(x)
y3 + 1 = x → y = 3 x −1 = f–1(x) (x 2 − 3x + 2) . (x − 15)
3 =0↔
x2 + 4

II. f–1(9) = 3 9 − 1 = 3 8 ↔ x2 – 3x + 2 = 0 ou x – 15 = 0 ↔
f–1(9) = 2 ↔ x = 1 e x = 2 ou x = 15
↔ S = {1, 2, 15}
13 146 = 1 + 1 = 9
III. f
2 25 8 8
4 D
13 46
9 Y = px2 + qx + 3; p ≠ 0
22 9 +1
11
IV. g
8
=
2
2 5
3
=
6 XV = –
q
=
5
4
→ –4q = 10p → p =
−2
5
q
79 13 146
= 2 + 11 = 23
2p

8 2 25
e
Resposta: f–1(9) + g f
6 6 −∆ −1 (q2 − 12p) 1 p
YV = = → = → q2 – 12p =
4a 8 4p 8 2
21 D
p = 2q2 – 24p → 25p = 2q2

Então,
−2
25 . ( q) = 2q2 → –10q = 2q2 → 2q2 + 10q = 0
5
1 D → 2q . (q + 5) = 0 → q = 0 ou q = –5
x2 – 2rx + r2 – 1 = 0
m2 + n2 = (m + n)2 – 2mn Observe que se q = 0 temos p = 0 e a função não será
mais do 2o grau, isto é; teríamos p(x) = 3, uma função
b 2 c constante.
= (– ) – 2.( )
a a Logo q = –5 e p = 2. Portanto
= (2r)2 – 2 . (r2 – 1) 5p + 2q + 3 = 10 – 10 + 3 = 3.
= 4r2 – 2r2 + 2
= 2r2 + 2
5 B
= 2(r2 + 1)
y = x2 – 1 + k

∆ = 02 – 4 . (1) (–1 + k) →
 x = y ⇒ x = ± y
2 2

2  2 → 4 – 4k = 0 → k = 1
 x + y + 1 = − 2(x + y)
2

1o caso:
p/x = y ⇒ y2 + y2 + 1 = –4y
6 A
1a parte: Lei de ƒ.
2y2 + 4y + 1 = 0
ƒ(x) = a . (x – x1) . (x – x2)
−4 ± 2 2 : 2
∆ = 16 – 8 = 8 ⇒ y = :2 Sendo x1 = –4 e x2 = 3 as raízes temos:
4
ƒ(x) = a . (x + 4) . (x – 3)
−2 + 2 −2 + 2
y’ = ⇒ x’ = Como (0,–2) ∈ ƒ então:
2 2
a . (0 + 4) . (0 – 3) = –2 →
−2 − 2 −2 − 2 1
y” = ⇒ x” = → –12a = –2 → a = →
2 2 6
Volume 2.B
C) t(x) = –ƒ(x)

Matemática II
1
→ ƒ(x) = . (x + 4) . (x – 3) →
6
1 6
→ ƒ(x) = . (x2 + x – 12) →
6
1 1
→ ƒ(x) = . x2 + .x–2
6 6
–6 t(x) = –f(x)
2a parte: Vértice.
 –b – ∆  D) O gráfico de ƒ sofre uma translação vertical para
V , 
 2a 4a  cima de 3 unidades.

1 1 8 49 g(x) = f(x) + 3
– ( + ) – 9
Xv = 6 = – 1 e Y = – 36 6 = 36 = – 49
2 2
v 4 4 24 6
6 6 6
11 v
4
–1
4
3
23
–4 9 A
– 49
x=5
v 24 x = –2
x=6
49 x=1
O conjunto imagem de ƒ é [– , +∞[.
24 x < –2 ou 1 < x < 5 ou x > 6

7 E 10 A + + +
Se ƒ admite um valor máximo e possui dois zeros reais 1
– + +
iguais, então: a < 0 e ∆ = 0.
-1
∆ = (–4)2 – 4 . a . a = 0 → x ≤ –1 ou x = 1 – + +
→ 16 – 4a2 = 0 → a2 = 4 → a = –2 , pois a < 0. -1 1

A função ƒ é dada por: 11 E


ƒ(x) = –2x2 – 4x – 2 ∆ = 9 + 16 = 25
→ ƒ(–2) = –2.(–2)2 – 4.(–2) – 2 −3 ± 5
→ ƒ(–2) = –8 + 8 –2 x=
−4
→ ƒ(–2) = –2
x’ = 2
8 A) O gráfico de ƒ sofre uma translação horizontal para −1
a direita de 4 unidades. x’’ =
2
x–2<0
x<2
h(x) = f (x – 4)

12 50 e 24
B
13
2 E 100
6 7 k
–1 60
4 G
H x k
B)
C
(x) = f(x + 4) A F
80
I. Cálculo de AE (altura relativa à hipotenusa)
8 0 . 6 0 = AE . 100 → AE = 48

II. ∆AFG ~ ∆ABC


–1 –2 AH GF 48 − k x k x
= → = →1– = →
–1
AE BC 48 100 48 100
9
Volume 2.B
48 . (100 − x )
Matemática II
x k I)  x2 − 4 < 0
→1– = →k= → 
100 48 100 II)  x2 − 3x < 0

12
→ k= . (100 – x) I) + – +
25 x2 – 4 < 0
–2 2

+ – + x2 – 3x < 0
II) 0 3
12 12
III. Área = A = k . x → A = . 100 . x – . x2 → Fazendo a intersecção obtemos:
25 25
12 –2 2 0<x<2
→ A(x) = 48x – . x2
25
S = ]0, 2[
0 3
− 48
A área é máxima quando x = xv = = 50 e
− 24 18 A) 2
25 1
x+ x
= k → x2 – kx + 1 = 0.
12
k= . (100 – 50) → k = 24 1
25 Para que exista x > 0 tal que x + x = k, devemos

24 por: k > 0 e ∆ ≥ 0. Isto é:


13 C k > 0 e k2 – 4 ≥ 0 →
P(x) = (200 – x) (x – 20) k > 0 e K ≤ –2 ou k ≥ 2 → k ≥ 2
P(x) = 200x – 4000 – x2 + 20x
P(x) = –x2 + 220x – 4000 Cálculos Auxiliares
K2 – 4 = 0 ↔ K = ± 2
−220
x= = 110
−2 k2 ≥ 4 +++ ––– +++
–2 2
14 D k>0
0
N(t) = 0, 1t2 – 4t + 90
N(20) = 0,1 . 202 – 4 . 20 + 90 intersecção 0 2
N(20) = 0,1 . 400 – 80 + 90
N(20) = 40 + 10 = 50
Lembre-se!
15 A Obs: A soma de um número
x+2 real positivo com o seu inverso
x +2
ƒ(x) = ≥0 é sempre maior ou igual a 2.
1− x 2 1− x 2
Estudo do sinal – – – – + + + +
x + 2 = 0 → x = –2 –2
e 1 – x2 = 0 → x = ± 1 – – + –
–1 1
+ – + –
B) Im(ƒ) = [6, +∞[.
–2 –1 1 y= x+ 1 +4
x

Solução: D(ƒ) = {x ∈ R/x ≤ –2 ou –1< x < 1} Como x + 1


x
≥ 2; ∀ x ∈ 1*+ então:
y≥2+4
16 h(t) = –2t2 + 8t y≥6
A) h = 0 → –2t2 + 8t = 0
t(–2t + 8) = 0 x–2=k
t = 0 ou –2t + 8 = 0 19 x = k + 2
f(x) = x + 2 + 2
t = 4s f(x) = x + 4
g(x) + 4 = 2x2 + 4 – 4x
∆ g(x) = 2x2 – 4x
B) hmáx = YV = – g(2) = 0
4a
−64
hmáx = =8m
−8 20 B
2 + x, se x < 0
17 C ƒ(x) = 
2 − x , se x ≥ 0
2
Volume 2.B
ƒ(–1) = 2 + (–1) = 1

Matemática II
x +1
ƒ(3) = 2 – (3)2 = –7 2o ƒ3(x) = ƒ3(ƒ(x)) = ƒ(x) =
ƒ(ƒ(–1)) = ƒ(1) = 2 – 12 = 1 x −1
ƒ(ƒ(3)) = ƒ(–7) = 2 + (–7) = –5 3o ƒ4(x) = ƒ3(ƒ(x)) = ƒ(ƒ(x)) = x
Então ƒ(ƒ(–1)) – ƒ(ƒ(3)) = 1 – (–5) = 6
 x; se n é par
Logo ƒn(x) = ƒ(x); se n é ímpar

21 A
ƒ(x) = 3x – 1
ƒ(g(x)) = 2 – 6x Daí
g(–1) = ? 2 +1
ƒ15(2) = ƒ(2) = 2 − 1 = 3
ƒ(g(x)) = 2 – 6x ⇒ 3 . g(x) – 1 = 2 – 6x ⇒
3g(x) = –6x + 3 (÷3)
24 ƒ(x) = 2x – 5
g(x) = –2x + 1 ƒ(g(x)) = x
g(–1) = –2 (–1) + 1 2 . (g(x)) – 5 = x
g(–1) = 3
x +5 33 + 5
22 B g(x) = → g(33) = → g(33) = 19
2 2
ƒ(x) = x
4 8 4(x + 2) + 8(x − 1)
25
g(x) = + = = 25 D
3(x − 1) 3(x + 2) 3(x − 1)(x + 2) ƒ(x) = 2x + 3 e g(x) = 3x + m
ƒ(g(x)) = g(ƒ(x)) → 2 . g(x) + 3 = 3 . ƒ(x) + m →
12x → 2 . (3x + m) + 3 = 3 . (2x + 3) + m →
= 3(x − 1)(x + 2)
→ 6x + 2m + 3 = 6x + 9 + m → m = 6
12x
ƒog = ƒ(g(x)) = 3(x − 1)(x + 2) 26 C
12x 1
Domínio: 3(x − 1)(x + 2) ≥ 0 ƒ(x) = e g(x) = 2x – 4
x −1
D = {x ∈ R/–2 < x ≤ 0 ou x > 1} 1
I. ƒ(g(2)) = ƒ(2 . 2 –4) = ƒ(0) = = –1
0 −1
1o modo: Quadro de Sinais
   
 1    
– – – – ++++++ II. g(ƒ   ) = g  1  = g  1  = g(–2) =
12x 2 1 1
0  − 1  − 
– – – – – – +++++ 2   2
x–1
1 = 2 . (–2) –4 = –8
– – +++++ + + + +
x+2
–2  1
III. ƒ(g(2) g(ƒ   ) = –1 – 8 = –9
– – ++ – – + + + + + 12x  2
≥0
–2 0 1 3(x – 1)(x + 2)
27 B
2o modo: Método Bloch Dados
– – ++ – – + + + + + ƒ(0) = 3
ƒ(1) = 2
–2 0 1
ƒ(3) = 0
x +1 Solução
+1
ƒ(x) + 1 x −1 I. ƒ(ƒ(x + 2)) = 3 → ƒ(x+2) = 0, pois ƒ(0) =3
23 1o ƒ2(x) = ƒ(ƒ(x)) = ƒ(x) − 1 = x +1 II. ƒ(x + 2) = 0 → x + 2 = 3; pois ƒ(3) = 0 → x = 1
−1
x −1

x + 1+ x − 1
28 B
ƒ(–x) = (–x) 4 + 6 = x 4 + 6 = ƒ(x) → ƒ é par e
x −1 2x g(–x) = –3 . (–x) = 3x = –g(x) → g é ímpar.
ƒ2(x) = x + 1 − x + 1 =
2
x −1 29 B
ƒ2(x) = x 1a parte: ƒ(a + b) = ƒ(a) – ƒ(b); ∀ a, b ∈ R
Se a = b = 0 → ƒ(0 + 0) = ƒ(0) – ƒ(0) → ƒ(0) = 0
Volume 2.B
2a parte: Sendo a = x e b = –x, tem-se que:
Matemática II
ƒ(x – x) = ƒ(x) – ƒ(–x) → ƒ(0) = ƒ(x) – ƒ(–x) → 35 D
Traçando retas perpendiculares ao eixo dos x (anos), o
→ 0 = ƒ(x) – ƒ(–x) →
maior segmento compreendido entre os gráficos,
→ ƒ(–x) = ƒ(x).
representará a maior taxa natural de crescimento.
Logo ƒ é par.

30 B 50
Se ƒ: R → R é estritamente crescente então dados 40
a, b ∈ R, ƒ(a) > ƒ(b) implica que a > b. Deste modo:
30
ƒ(7x + 1) > ƒ(6x + 4) → 7x + 1 > 6x + 4 → x > 3 20
10

31 A) g é decrescente para x ∈ ]–∞, 1].


B) ƒ(x) = g(x) ↔ x = 0 ou x = 3. 1955

32 C
36 D
A) ƒ ≠ g, pois ƒ(–1) = 1 = 1 e g(–1) = –1. D = {1, 2, 3, 4, 5}
B) ƒ ≠ g, pois D(ƒ) ≠ D(g), note que ƒ(1) = 2 mas g(1)
não existe. f(1) = (1 – 2) (1 – 4) = 3
f(2) = 0
26 C) ƒ = g, pois D(ƒ) = D(g) e ƒ(x) = g(x); ∀ x ∈ D(ƒ). f(x) = (x – 2) (x – 4)
f(3) = –1
3 f(4) = 0
D) ƒ ≠ g, pois D(ƒ) ≠ D(g), observe que ƒ(–2) = f(5) = (3) . (1) = 3
3
A) Im(f) = {3, 0, –1} ≠ CD(f) = R → f não é sobrejetora.
–1 B) Não é injetora.
mas g(–2) = ∉ Reais.
–3 C) Não é bijetora.
D) VERDADEIRO.
33 C E) falso.
De 5 a 15 minutos, temos 10 minutos de exercício. Se
neste intervalo o consumo é de 1,4 l/min, em 10 minutos 37 A
o consumo será de 10 . 1,4 l = 14 l de oxigênio. 1o) ƒ é bijetora, pois 1m(ƒ) = [p, q] e ƒ(x1) ≠ ƒ(x2) → x1 ≠ x2;
Então: ∀ x1 e x2 ∉ D(ƒ).
1 l ↔ 4,8 Kcal 2o) g não é injetora, pois num determindado intervalo
14 l ↔ x do seu domínio ela é constante. No entanto g é
x = 14 . 4,8 sobrejetora, pois Im(g) = [p, q]
3o) h não é sobrejetora pois Im(h) ≠ [p, q] e não é injetora,
x = 67,2 Kcal
pois num certo intervalo do domínio ela é constante.

34 A) Falso, de abril a junho de 1998 a taxa de inflação diminui 38 C


ƒ é sobrejetora pois, Im(ƒ) = p
e a taxa de desemprego passou de 7,94 a 7,9.
B) Falso, de março a abril de 1998 a inflação aumentou
mas a taxa de desemprego diminui. 39 E
C) Verdadeiro, de setembro a dezembro de 1998 a Taxa
40 A
7,65 + 6,32 Imagem = contradomínio = R
média de desemprego = ≅ 6,98.
2
D) Falso, em maio de 1998 a taxa de desemprego foi 41 E
de 8,2% e a taxa de inflação foi de 0,52, portanto x1 ≠ x2 ⇒ ƒ(x1) ≠ ƒ(x2)
não houve deflação. (Obs: a deflação só ocorre
quando a taxa de inflação é negativa).
E) Falso, pois a razão entre a variação da taxa de
desemprego (∆y) e a variação do tempo (∆t) em que
as taxas acontecem não é constante.
Veja a tabela abaixo:

∆Y ∆T ∆Y/
Y /∆ T
Agosto a
7,65 – 7,8 = –0,15 1 –0,15
42 ƒ: R → [a, +∞[ é sobrejetora, então Im(f) = [a, +∞[.
Setembro Teorema de apoio
Setembro a
6,32 – 7,65 = –1,33 3 –1,33/3 ≅ –0,443
1
Dezembro Sendo K ∈ R, K > 0 temos que K + ≥ 2;
k
Volume 2.B
ƒ(x) = 5x + 5–x + 2

Matemática II
46 E
1 –1 = 3x – 2
ƒ(x) = (5 + x ) + 2, sendo K = 5x
x
5 3x = 1
1 1
tem-se que ƒ(x) = (K + )+2 x=
K 3
ƒ(x) ≥ 2 + 2 → ƒ(x) ≥ 4 → Im(f) = [4, + ∞[ logo a = 4
47 3xy – y = x
x(3y – 1) = y
43 ƒ : [0,2] → R e g : R → [a,b] y
ƒ(x) = x2 + 1 g(x) = x + 1 x = 3y − 1

[0, 2] R [a, b]
f g 1
D=R–  
x f(x) g(f(x)) 3 
0 1 2 Obs.: B = Im(f) = D(f–1)

2 5 6
48 A) y B) y

(gof) (x)

x x
g(ƒ(x)) = ƒ(x) + 1 6 1 27
g(ƒ(x)) = x2 + 1 + 1 -2
g(ƒ(x)) = x2 + 2
2 v(0, 2)
Imagem de (goƒ)
y = x2 + 2 x y y
C) D)
∆ = 02 – 8 = –8 π
XV = 0 e YV = 2 2
x
Obs.: g(ƒ(x)) é sobrejetora → Im(goƒ) = [a, b] x
ora, g(ƒ(0)) = g(1) = 2 e
g(ƒ(2)) = g(5) = 6 –π
2

Daí Im(f) = [1,5] = R e [a, b] = [2, 6] → a = 2 e b = 6


Então, a + b = 8

44 C 49 8
ƒ(g(x)) = 2 . g(x) + 1 = 2(x2 + 3) + 1 ƒ(x) = x2; x > 0 e g(x) = ƒ–1(x)
ƒ(g(x)) = 2x2 + 6 + 1 1o) Lei de ƒ–1
y
ƒ(g(x)) = 2x2 + 7 y = x2 → x = ± y → x = + y , pois x > 0
9 –1
logo g(x) = ƒ (x) = x .
7 2 ) ƒ(4) = 42 = 16 e g(4) = ƒ–1(4) = 4 = 2
o

Então; ƒ(g(4)) = g(ƒ(4)) = ƒ(2) + g(16) = 22 + 16 = 8


–1 1 x

1o (ƒog)(1) = (ƒog)(–1) = 9 → ƒog não é injetora.


2o Im(ƒog) = [7, + ∞[ e contra-domínio de f é R. 1+
x –3
Então ƒog não é sobrejetora.
50 ƒ–1(x) = 2
.

3o (ƒog)(–x) = 2 . (–x)2 + 7 = 2x2 + 7 = (ƒog)(x) → 1a parte: y = x2 – x + 1 → x2 – x + (1 – y) = 0.


→ (ƒog)(–x) é uma função par. ∆ = (–1)2 – 4.(1 – y)
∆ = (y – 3)
45 E
h(x) = 3x – 2 – x – 1 1± y –3
x=
h(x) = 2x – 3 2
y = 2x – 3
2x = y + 3
2a parte: Se ƒ: [ 21 , +∞[ → [3, +∞[ então x ∈ [ 21 , +∞[
y +3
x= e y ∈ [3, +∞[.
2
y+3 1+ y –3
Daí, x = .
h–1(x) = 2
2
Volume 2.B
calcular g(5). A imagem de 5 na função inversa é obtida
Matemática II
1+ y –3 calculando x tal que y = 5, isto é:
ƒ –1
é dada por: ƒ (y) =
–1
ou
2
2x – 1
5= → 5x + 5 = 2x – 1 →
1+ x –3 x +1
ƒ–1(x) = .
2 → 3x = –6 → x = –2

51 B
2x + 1
1a parte: y = → yx – 3y = 2x + 1 →
x –3
→ yx – 2x = 1 + 3y → x . (y – 2) = 1 + 3y →
1 + 3y
→x= →
y –2 1 D
1 + 3y x −3 (x − 3)
→ ƒ–1(y) = → ≤x–1→ – (x – 1) ≤ 0
y –2 x −2 x −2
1 + 3x (x − 3) − (x − 2)(x − 1)
→ ƒ–1(x) = . ≤0
x–2 (x − 2)
3x + 1 3x + 1
2a parte: Se ƒ–1(x) = = → k = 2. x − 3 − x 2 + 3x − 2
x –2 x –k ≤0
28 x −2
52 C
− x2 + 4x − 5
5x + 4 ≤0
Seja y = a Lei de ƒ. Se ƒ–1(y) = –4 → x −2
3x – 2

8 Estudo do sinal
5.(–4) + 4 –16 – – – ––––
y= = = 1o) – x2 + 4x – 5 = 0
3.(–4) – 2 –14 7
x2 – 4x + 5 = 0
–––– + + +
∆ = 16 – 20 = – 4 2
f + –
A B 2o) x – 2 = 0 → x = 2
2
3o) Solução: S = {x ∈ R/ x > 2}

x = –4 y 2 D
∆=0→9–4.5.m=0→
9
B
f–1
A → 20 m = 9 → m =
20

53 B 3 B
2x – 1 1o Conjunto A
ƒ(x) =
x +1 x2 – 1 > 0 → x2 > 1 → x 2 > 1 →
1º modo: Achando a lei de g.
Se ƒ(g(x)) = x → g(x) = ƒ–1(x). → |x| >1 → x < –1 ou x >1

2x – 1 2o Conjunto B
y= → yx + y = 2x – 1 →
x –1 2
– 3x + 2 > 0 → –3x > –2 → x <
→ yx – 2x = –y – 1 → x.(y – 2) = –y – 1 → 3
–y – 1
x= → 3o A ∩ B A
y –2 –1 1

–(y + 1) B
→ƒ–1(y) = . 2
y –2 3

–(x + 1) –(5 + 1) A ∩ B = {x ∈ R/x < –1}


Então g(x) = ƒ–1(x) = , daí g(5) = = –2.
x –2 5–2
2º modo: g(5) = ƒ–1(5) (Lê-se a imagem de 5 na função
4 D(ƒ) = {x ∈ R/x ≥ 2}
inversa).
5f(x) + 3 = 5x – 7
2x − 1
Usando somente a lei de ƒ: y = , podemos 5x − 10
x +1 f(x) = ∴ f(x) = x − 2 ∴ f(x) ∈ Reais ↔
5
Volume 2.B
x–2≥0

Matemática II
17
f(g(x)) = terá um valor mínimo quando
x≥2 2g(x) + 1
D(f) = {x ∈ R/x ≥ 2} 2
g(x) = – x + 2x + 3 assumir o valor máximo. O valor
−∆ −(4 + 12)
máximo de g(x) será = = 4, então
5 D 4a −4
2x + 7 quando g(x) = 4 o valor mínimo de f(g(x)) será igual a
y= → yx – 3y = 2x + 7 →
x −3 17 17
x(y – 2) = 3y + 7 f(4) = = = 1.
24 + 1 17
3y + 7
x=
y −2 10 B
m=3 Dados: ƒ(x) = ax + b, a > 0
n=7 ƒ(ƒ(x)) = 9x + 8 → a . ƒ(x) + b = 9x + 8 →
m2 + n2 = 9 + 49 = 58 → a . (ax + b) + b = 9x + 8 →
→ a2 x + ab + b = 9x + 8 →
6 90 → a2 = 9 e ab + b = 8 →
Dados: 100 lugares → a = ± 3 e b (a + 1) = 8 →
no de passageiros = x
no de lugares vagos = (100 – x) Como a > 0, pois ƒ é crescente, então
1 passageiro paga = 800 + 10 . (100 – x) =
a = 3 e b. (3+1) = 8 → b = 2
= (1800 – 10x) reais.
Então, sendo y o valor total do frete, temos: Daí, ƒ(x) = 3x + 2. Então, 29
y = x . [1800 – 10x] → y = – 10x2 + 1800 x ƒ(2) + ƒ(5) + ƒ(8) + ... + ƒ(44) =
y é máximo quando x = xv =
− 1800
− 20
→ x = 90 passageiros 12222322224
= 8 + 17 + 26 + ... + 134 =
soma de 15 termos em P.A
Resp.: 90
15 . (8 + 134)
= = 15 . (71) = 1065
2

1− 2x 11 B
7 1o) 2x + 4y = 1 → y =
4 cx
2o) E = x2 + y2 → ƒ(x) = ; dx + 3 ≠ 0
dx + 3
(1 − 2x)2 1o) ƒ2(x) = ƒ(ƒ(x)) = x
E(x) = x2 + 2o) ƒ3(x) = ƒ(ƒ2(x)) = ƒ(x) = x
42
3o) ƒ4(x) = ƒ(f3(x)) = ƒ(ƒ(x)) = x
16x2 + 1− 4x + 4x2 4o) ƒ5(x) = ƒ(ƒ4(x)) = ƒ(x)
E(x) =
16
3 3c 3
20x 2 4x 1 Então ƒ5(3) = ƒ(3) = – → =– →
E(x) = – + 5 3d + 3 5
16 16 16
5x 2 x 1 15c = – 9d – 9 → 5c + 3d = –3
E(x) = – +
4 4 16
∆ c.
cx
Valor mínimo = – c .ƒ(x)
4a o
2 ) ƒ(ƒ(x)) = =x→ dx +3 =x→
d . f(x) + 3 cx
d. +3
 1 20  16 dx + 3
− −
16 64  64
Valor mínimo = 
1
= = c2 . x
20 5 20
4 dx + 3
→ =x→
dcx + 3dx + 9
dx + 3
8 A → c2x = dcx2 + 3dx2 + 9x →
→ (dc + 3d) . x2 + (9 – c2) . x = 0 →
g(f(x)) = 5 . f2(x) + 3 = 5x – 7 → f(x) = ± x − 2
→ dc + 3d = 0 e 9 – c2 = 0 →
→ d . (c + 3) = 0
Obs.: f(x) ∈ R ⇔
Obs x–2≥0 ∴ x≥2
D(f) = {x ∈ R/x ≥ 2} 3o) Os valores de c e d devem satisfazer as equações
do sistema abaixo

9 D I. 5c + 3d = −3

17 II. 9 − c = 0
2
f(x) = x e g(x) = 3+ 2x – x2
2 +1 
III. d . (c + 3) = 0
Volume 2.B
Da equação II: 9 – c2 = 0 → c = ± 3.
12x + 2 ; x ≥ −2
Matemática II
O valor c = 3 não convém, pois 2 A) f(x) = |x + 2| =
3−x − 2 ; x < −2
Substituindo na III) d . (3 + 3) = 0 → d = 0.

Entretando c = 3 e d = 0 não satisfazem a equação I


5c = 3d = –3.

Se c = –3 , teremos na (I) 5 . (–3) + 3d = –3 → d = 4.

Valores que satisfazem também a III equação.


Portanto, c2 + d2 = 9 + 16 = 25.

B) f(x) = |x + 2| – 3

Capítulo 5
30 Equações e Inequações Modulares

1 C
3 A) |3x + 1| = 4 ↔ 3x + 1 = 4 ou 3x + 1 = –4
a, a > 0 b, b > 0 c, c > 0
|a| =  |b| =  |c| =  −5
 −a; a < 0 −b; b < 0  −c; c < 0 x=1 ou x=
3
S = {1, –5/3}
abc, abc > 0
|abc| = 
−abc; abc < 0 B) |6x + 2| = 4x – 2
1
1o) C. Existência: 4x – 2 ≥ 0 → x ≥
1o caso: com todos os positivos; a > 0, b > 0, c > 0 → 2
abc > 0 |6x + 2| = 4x – 2 →
→ 6x + 2 = 4x – 2 ou 6x + 2 =–4x + 2
a b c abc
E= + + + 2x = –4 10x = 0
a b c abc x = –2 x=0
E=1+1+1+1=4
S = ∅ ; pois x = –2 e x = 0 não satisfazem a
2o caso: com dois positivos e um negativo
1
Por exemplo a > 0, b > 0 e c < 0 → abc < 0 condição x ≥
2
a b c abc C) |5x – 1| = |4x + 8|
E= + + +
a b −c −abc 5x – 1 = 4x + 8 ou 5x – 1 = –4x – 8
E=1+1–1–1=0 −7
x=9 ou 9x = –7 → x =
9
3o caso: Com 1 positivo e 2 negativos S = {9, –7/9}
Por exemplo a > 0, b < 0 e c < 0 → abc > 0
a b c abc D) ||2x –1| – 6| = 10 →
E= + + + → |2x – 1| – 6 = 10 ou |2x – 1| – 6 = –10
a −b −c abc
|2x – 1| = 16 |2x – 1| = –4
E=1–1–1+1=0
2x – 1 = 16 2x – 1 = –16
4o caso: com todos negativos, isto é:
a < 0, b < 0, c < 0 → abc < 0 17 −15
x= ou x=
2 2
a b c abc
E= + + +
−a −b −c −abc E) |x + 4| = 4 → x + 4 = 4 ou x + 4 = –4
E = –1 – 1 – 1 – 1= – 4 x=0 x = –8
Volume 2.B
A) |3x + 1| ≤ 8 ↔ –8 ≤ 3x + 1 ≤ 8 C) |2x + 2| = 3x – 1

Matemática II
4 +(–1)
↔ –9 ≤ 3x ≤ 7 ÷(3) 1
1o) Domínio de validade: 3x – 1 ≥ 0 → x ≥
7 3
↔ –3 ≤ x ≤
3 1
2o) Sendo x ≥ , temos que:
3
B) |5x| + 10 < –7 ou |5x| + 10 > 7 |2x + 2| = 3x – 1 ⇔
|5x| < –17 |5x| > –3 ⇔ 2x + 2 = 3x – 1 ou 2x + 2 = –3x + 1
∃x ∈ R ∀x ∈ R, x=3 ou 5x = –1
pois |k| ≥ 0 ; ∀k ∈ R 1
S=R x=– ∉ Domínio
5
C) S = ∅
Logo S = {3}
D) x ∈ R ; x ≠ –2
E) x ∈ R.
D) |6x – 1| = |4x + 6| ⇔
⇔6x – 1 = 4x + 6 ou 6x – 1 = –4x – 6
2x = 7 ou 10x = –5
7 1
x= x=–
2 2
1 D 7 1
S=  ,− 
0 ; x < 2 2 2
31
 2
f(x) =  x − 4 ; 2 ≤ x < 3 5 A
5 ; x ≥ 3
 Sabemos que no intervalo 0 < x < 20; x é a quantidade
ingerida/dia. A razão entre a quantidade ingerida e a
f(– 2 ) + f(2) + f( 13) = 0 + (22 – 4) + 5 = 5 18 9
quantidade absorvida é de = mg/dia e no
20 10
2 I. x ≥ 2
ƒ (g(x)) = (2x + 3)2 – 4 . (2x + 3) + 3 18
intervalo x ≥ 20 esta razão passa a ser sendo,
= 4x2 + 12x + 9 – 8x – 12 + 3 x
= 4x2 + 4x portanto, variável.
II. x < 2
ƒ (g(x)) = 2 . (2x + 3) – 3 6 B
= 4x + 6 – 3 1o modo: Pelo gráfico
= 4x + 3
 x − 3 ; x ≥ 3
3 C y = 3 – |x – 3| |x – 3| =  − x + 3 ; x < 3

y = |x2 – |x||
x=0→y=0 3 − (x − 3) ; x ≥ 3 6 − x ; x ≥ 3
x=1→y=0 y = 3 − (− x + 3); x < 3 → y =  x ; x < 3
Então o gráfico está no item C  

4 A) |x + 1| = 5 ↔ x + 1 = 5 ou x + 1 = –5
x = 4 ou x = –6
S = {4, –6}

B) ||4x – 1| –12| = 8 ↔
↔ |4x – 1| – 12 = 8 ou |4x – 1| – 12 = –8
|4x – 1| = 20 ou |4x – 1| = 4

Daí:
2º modo:
I.|4x – 1| = 20 ↔ 4x – 1 = 20 ou 4x – 1 = –20
y = 3 – |x – 3| assume o valor máximo quando |x – 3| = 0,
21 −19 isto é, para x = 3. Daí, se x = 3 então y = 3 é o maior
x= ou x =
4 4 valor de y.

II. |4x – 1| = 4 ↔ 4x – 1 = 4 ou 4x – 1 = –4 7 A
|3x + 3| = |x – 1| ↔ 3x + 3 = x – 1 ou 3x + 3 = –x + 1 ↔
−3 5 ↔ 2x = –4 ou 4x = –2 ↔ x1 = –2 ou x2 = –
1
.
III. x = ou x = 2
4 4
 21 −19 −3 5  −1 5
Daí; x1 + x2 = –2 + ( )=– .
Resp.: S =  4 , 4 , 4 , 4  2 2
 
Volume 2.B
Matemática II
8 – x; x ≥ 0 12 C
8 ƒ(x) = 8 – |x| = 8 + x; x < 0 e g(x) = 2 |x + 3| ≤ |1 – x|
 –x–3 x+3 x+3
|x + 3| –3
1–x 1–x –1 + x
|1 – x| 1
8 A

B c g(x) = 2 I) Para x < – 3


2 H – x – 3 ≤ 1 – x → – 3 ≤ 1 (verdadeira, ∀ x < –3)
–8 8
–6 6
SI = { x ∈ R/ x < –3}
II) Para –3 ≤ x < 1 → x+3 ≤ 1 – x → 2x ≤ –2 → x ≤ –1

1a parte: Pontos de intersecção –3 1


8 – |x| = 2 ↔ |x| = 6 ↔
↔x=±6
–1
2a parte: Área do ∆ABC. Então, – 3 ≤ x ≤ –1
BC . AH 12 . 6 SII = {x ∈ R/ –3 ≤ x ≤ –1}
A∆ABC = = III) Para x ≥ 1
32 2 2
x + 3 ≤ – 1 + x → 3 ≤ –1 (falso), logo SIII = ∅
A∆ABC = 36 Daí: SI ∪ S2 = (– ∞, – 1]

13 A
9 A) |2x – 3| > 5 ↔ 2x – 3 < –5 ou 2x – 3 > 5 Obs.: x2 = |x|2 ; ∀x ∈ R.
2x < –2 |x|2 – 2 . |x| – 8 = 0. Fazendo y = |x|, temos:
x < –1 ou x > 4
S = {x ∈ R/x < –1 ou x > 4} = (–∞, –1) ∪ (4, +∞) y = –2 → |x| = –2 → ∃x ∈ R
y2 – 2y – 8 = 0
y = 4 → |x| = 4 → x = ±4
B) |3x – 5| > –3 ; ∀x ∈ R pois |k| ≥ 0 ; ∀k ∈ R
C) |4x – 7| ≤ –8 ; S = ∅
D) ||x| – 3| ≤ 10 ↔ –10 ≤ |x| – 3 ≤ 10 Então: Soma = 0 e produto = –16
↔ –7 ≤ |x| ≤ 13 ↔ 0 ≤ |x| ≤ 13 ↔
↔ –13 ≤ x ≤ 13
S = {x ∈ R/–13 ≤ x ≤ 13} 14 B
|x – 1| < 3 ↔ –3 < x – 1 < 3 ↔ –2 < x < 4
x −1
|2x − 5| < 11 (I) e 2 <0→x–1<0→x<1
 x +1
10  e Logo:

|2x − 5| ≥ 3 (II)
I. |2x – 5| < 11 ↔ –11 < 2x – 5 < 11 ↔
↔–6 < 2x < 16
↔ –3 < x < 8 S = ]–2, 1[

II. |2x – 5| ≥ 3 ↔ 2x – 5 ≤ –3 ou 2x – 5 ≥ 3
x ≤ 1 ou x≥4 15 C
| x + 2 | ≤ 5

e

| x + 2 | ≥ 1
Logo Stotal = SI ∩ SII 1a parte: |x + 2| ≤ 5 ↔ –5 ≤ x + 2 ≤ 5 ↔
ST = ]–3, 1] ∪ [4, 8[ ↔ –7 ≤ x ≤ 3 e |x + 2| ≥ 1 ↔ x + 2 ≤ –1 ou
x + 2 ≥ 1 ↔ x ≤ –3 ou x ≥ –1
Resp.: ST tem 8 números inteiros.
2a parte: Intersecção.
11 A
Obs.: |k| < 0 ; ∃k ∈ R e |k| = 0 → k = 0
Obs –7 3
Por conseguinte:
2x + 4 2x + 4
x − 2 ≤ 0 ↔ x − 2 = 0 ↔ x = –2 –3 –1
Volume 2.B
S = [–7, –3] ∪ [–1, 3]
2

Matemática II
Como x é inteiro então x ∈ {–7, –6, –5, –4, –3, –1, 0,
1, 2, 3}

16 –84
x – 5 = distância de x até 5.
x – 3 = distância de x até 3.
d+2
d
3 5 x
2
1a parte: Será que existe x > 5 que satisfaça a equação? Im(f) = {y ∈ R/–3 ≤ y ≤ –1 ou y ≥ 2}
Sendo x – 5 = d, temos que: Logo a = –3, b = –1 e c = 2
d + d + 2 = 20 → 2d = 18 → d = 9. –a + b + c = 4
Logo: x = 5 + d → x = 5 + 9 → x = 14.
3 Resp.: 3 soluções
2 parte:
a ||x| – 1| = 1 ↔ |x| – 1 = 1 ou |x| – 1 = –1
|x| = 2 ou |x| = 0
2–d d
x = ±2 ou x=0
3 x 5 33
2 20
4
Não existe 3 < x < 5 satisfazendo, pois 3
x – 5 + x – 3 = 2 |x + 2| = |2x – 4| ⇔
⇔ x + 2 = 2x – 4 ou x + 2 = –2x + 4
3a parte: 2
x=6 ou x=
d 3
2 20
Soma = 6 + =
x 3 5 3 3
d–2 2
5 1a parte: x > 4
Sendo x < 3, temos d+3
x – 5 + x – 3 = 20 →
d
→ d + d – 2 = 20 →
1 4 x
→ 2d = 22 → d = 11
3
Então: x = 5 – 11 → x = –6. Daí o produto das raízes Seja |x – 4| = d.
é igual a –84. |x – 4| + |x – 1| = 12 →
→ d + d + 3 = 12 → d = 4,5
Então: x = 4 + 4,5 → x = 9,5

2a parte: 1 < x < 4.

3–d d
300
1 A) Coef. angular
angular: mr = tgα =
10
= 30 1 x 4
Lei da Função Linear 3
y = 30 . x
onde y = temperatura Não existe raiz, pois d + 3 – d = 3.
x = tempo Se 1 < x < 4 a soma |x – 4| + |x – 1| jamais será 12.

B) 3a parte: x < 1.
d
d–3

x 1 4
3
Volume 2.B
|x – 4| + |x – 1| = 12 → Fazendo a intersecção
Matemática II
→ d + d – 3 = 12 → d = 7,5 2<x≤7 2 7
Logo x = 4 – d = 4 – 7,5 → x = –3,5
7
A soma das raízes é igual a: x< 7
x1 + x2 = 9,5 + (–3,5) = 6 3 3
7
obtemos: SII = {x ∈ R/2< x < }
6 |x – |2x + 1|| = 3 ↔ x – |2x + 1| = 3 ou 3
x – |2x + 1| = –3.
3a parte: Para –2 < x ≤ 2, temos que x – 7 < 0, x + 2 > 0
1a) x – |2x + 1| = 3 → |2x + 1| = x – 3 e x – 2 ≤ 0.

I. Domínio de validade: Então, |x – 7| > | x + 2| + |x – 2| ↔


↔ – (x – 7) > x + 2 – (x –2) ↔
x–3≥0→ x≥3
↔ – x + 7 > x + 2 − x +2 ↔
Sendo x ≥ 3, temos:
|2x + 1| = x – 3 ↔ 2x + 1 = x – 3 ou ↔ – x > 4 – 7 ↔ – x > –3 ↔ x < 3
2x + 1 = –x + 3 ↔
Fazendo a intersecção dos intervalos:
2 –2< x ≤ 2
↔ x = –4 ou x = . Os valores de x não convém, –2 2
3 ex<3
então S1 = ∅.
34 3
2 ) x – |2x + 1| = –3 →
a
Obtemos SIII = {x ∈ R/–2 < x ≤ 2}
→|2x + 1| = x + 3
4a parte: Para x ≤ – 2, temos que
I. Domínio de validade: x – 7 < 0, x + 2 ≤ 0 e x – 2 < 0.

x + 3 ≥ 0 → x ≥ –3 Então |x – 7| > |x + 2| + |x – 2| ↔
↔ – (x – 7) > – (x + 2) – (x – 2) ↔
Sendo x ≥ –3, temos: ↔ −x + 7 > −x – 2 – x + 2 ↔ x > – 7
|2x + 1| = x + 3 ↔ 2x + 1 = x + 3 ou 2x + 1 =
4 Fazendo a intersecção de x ≤ – 2 e x > –7 obtemos:
= –x – 3 ↔ x = 2 ou x = – .
3
SIV = {x ∈ R/–7 < x ≤ –2}
4
S = {2, – }
3 Os n os inteiros que satisfazem a SI ∪ SII ∪ SIII ∪ SIV
são: –1, 0, 1, 2, –6, –5, –4, –3 e –2. Logo, a soma
7 ƒ(x) ∈ R ↔ 2 – |x + 1| ≥ 0 ↔ |x + 1| ≤ 2 ↔ dos inteiros será igual a –18.
↔ –2 ≤ x + 1 ≤ 2 ↔ –3 ≤ x ≤ 1.
D(ƒ) = {x ∈ R/ –3 ≤ x ≤ 1} 9 ƒ(x) = |x – 1| e g(x) = x2 + 4x – 4
ƒ(g(x)) = 0 ↔ |g(x) – 1| = 0 ↔ g(x) – 1 = 0 ↔
8 E ↔ x2 + 4x – 4 – 1 = 0 ↔ x2 + 4x – 5 = 0 ↔
|x – 7| > |x + 2| + |x – 2|
↔ x1 = –5 e x2 = 1.
–2 2 7 10 B
1 parte: Para x ≥ 7, temos que
a
1a parte: Conjunto A.
x – 7 ≥ 0, x + 2 > 0 e x – 2 > 0
x – 1 ≤ 3 ↔ –3 ≤ x – 1 ≤ 3.
Então, podemos afirmar que: x +3 x +3

|x – 7| > |x + 2| + |x – 2| ↔ x – 7 > x + 2 + x – 2 ↔ x −1 x – 1 – 3x – 9
1 o) x – 1 ≤ 3 ↔ –3≤0↔ ≤0
x +3 x + 3 x +3
–x>7↔ x<–7 –2x – 10
↔ ≤ 0.
Fazendo a intersecção dos intervalos obtemos, SI = ∅. x +3
– + –
a
2 parte: Para 2< x < 7, temos que x – 7 < 0, x + 2 > 0 S1 = ]–∞, –5] ∪ ]3, +∞[.
–5 –3
e x – 2 > 0.
Então, x –1
2º) x – 1 ≥ –3 ↔ +3≥0↔
|x – 7| > |x + 2| + |x – 2| ↔ (x – 7) > x + 2 + x – 2 ↔ x +3 x +3
7
– x + 7 > 2x ↔ –3x > –7 ↔ x < x – 1 + 3x + 9 4x + 8
3 ↔ ≥0↔ ≥0
x+3 x +3
Volume 2.B
Daí; k2 + 8k < 0 ↔ k . (k +8) < 0 ↔ –8 < k < 0

Matemática II
+ – +
S2 = ]–∞, –3[ ∪ ]–2, +∞[. Estudo do sinal
–3 –2
– –1– – + + + +
3º) S1 ∩ S2 = ]–∞, –5] ∪ ]3, +∞[. 0
–5 3 – + + + + + + + +
–8
–3 –2 + – +
–8 0
2a parte: Conjunto B
|x| ≤ 8 ↔ –8 ≤ x ≤ 8.

3a parte: A ∩ B 5 k = –2
Dados: ƒ(x) = 2x + k e g(x) = kx + 3
–5 3 1o) g(1) = k + 3
2o) ƒ(g(1)) = ƒ(k+3) = 2 . (k + 3) + k = 3k + 6. Então se

ƒ(g(1)) = 0 → 3K + 6 = 0 → k = –2
8 8
A ∩ B = {x ∈ Z/ –8 ≤ x ≤ –5 ou 3 < x ≤ 8} = 6 E
f(– x) = – x3 + 2x = – (x3 – 2x) = – f(x); ∀x ∈ D(f).
= {–8, –7, –6, –5, 4, 5, 6, 7, 8}
35
7 ƒ(a) = 2 e ƒ(b) = 8, pois se ƒ é crescente, então a < b
→ ƒ(a) < ƒ(b) e se ƒ é bijetora → ƒ é sobrejetora →
Im(ƒ) = [2, 8].
Daí ƒ(a) = 2 e ƒ(b) = 8.

1 E
 3 
81 8 B = Im(f) =  − ,1  ∪ [3, 5[
∆=  4 
16

• ƒ(x) tem um valor máximo igual a – .
4a 9 A
Dados:
−81  −2  27
yv = .  3  → yv = ƒ(x) = ax + b, a ∈ R *+ e b ∈ R.
16   8
ƒ–1(x) = ƒ(x)

2 B
–x2 + 5x – 6 > 0 1o) Cálculo da inversa
x’ = 2 y = ax + b → y – b = ax →
x’’ = 3
]2, 3[ y −b
→x= . Fazendo a troca de varíaveis, temos que:
a
3 A
x −b
y = ax2 + bx + c = a(x – x1)(x–x2) ƒ–1(x) = .
onde x1 = 1 e x2 = 5 são as raízes. Utilizando a forma a
fatorada e o fato do ponto (3,–1) pertencer ao gráfico
x −b
podemos afirmar que: 2o) se ƒ–1(x) = ƒ(x) → = ax + b →
y = a . (x – 1) . (x – 5) → a
→ –1 = a . (3 – 1) . (3 – 5) → → x – b = a2x + ab → a2 =1 e – b = ab
→ –1 = a . (2) . (–2) → → a =1 (pois a ∈ R *+ ) e – b = 1 . b → b = 0
1
→a= Então a2 + b2 = 12 + 02 = 1
4
10 B
4 A Dados: ƒ(x) = –2x + 3 e g(ƒ(x)) = 4x.
y = ax2 + bx + c, a ≠ 0, é estritamente positivo para
qualquer x real se a > 0 e ∆ < 0.
1o) g(ƒ(x)) = 4x → g(–2x + 3) = 4x.
3−k
+ + + + + 2o) Fazendo – 2x + 3 = k → 2x = 3 – k → x = .
2
Na expressão y = x2 – (k + 2) . x – k + 1, temos a = 1 > 0
e ∆ = (k+2)2 – 4 . (1) . (–k + 1) = k2 + 8k. Daí, g(k) = 4 . (3 − k) → g(k) = 6 – 2k.
2
3o) lei da inversa de g
g(x) = 6 – 2x → y = 6 – 2x →
Volume 2.B
12x ∈ R / x > 6 45
Matemática II
6−y 6−x
→ 2x = 6 – y → x = → g–1(x) =
2 2 D(l) =
3 56
Resp.: 14
15 D
 5  −5 
11 g−  = 3 .   + 4 = –1  x − 2 ; x ≥ 2
 3  3  Definição: |x – 2| = 
Definição
− x + 2 ; x < 2
f(2) = –1
g(π) = 4
f(–3) = –4  2 . (x − 2)
 (x − 2) ; x > 2 2 ; x > 2

E = –1 + (–1) – 4 . (–4) y=  → y =  −2 ; x < 2
= –2 + 16  2(− x + 2) ; x < 2 
 (x − 2)
= 14
Resposta:
C
Dados: f(x) = |x – 3| e g(x) = |x + 3| →
12 → g(–5) = |–5 + 3| = 2
f(g(–5)) = f(2) = |2 – 3| = 1

36 B
1a Parte: F = {x ∈ Z/0 < x + 2 < 5}
13 0<x+2<5
–2 < x < 3
F = {–1, 0, 1, 2}
Anotações
2a) G = {x ∈ Z/|x–2| < 2}
|x – 2| < 2 ↔ –2 < x – 2 < 2
↔0<x<4
G = {1, 2, 3}

3a) H = {x ∈ Z/x2 ≤ 1}

x2 ≤ 1 → x2 ≤ 1 → |x| ≤ 1 → –1 ≤ x ≤ 1
H = {–1, 0, 1}

4a) Logo (F – G) ∪ H = {–1, 0} ∪ {–1, 0, 1} =


= {–1, 0, 1}

x +1
A) f(x) ∈ R ↔ ≥0↔
| x − 1|
↔x+1≥0ex–1≠0
14 ↔ x ≥ –1 e x ≠ 1
D(f) = {x ∈ R/x ≥ –1 e x ≠ 1}
B) g(x) ∈ R ↔ ∀x ∈ R*
D(g) = R*
C) h(x) ∈ R ↔ |2x – 1| –10 ≥ 0 ↔
↔ |2x –1| ≥ 10
↔ 2x – 1 ≤ –10 ou 2x – 1 ≥ 10
−9 11
D(h) = {x ∈ R / x ≤ ou x ≥ }
2 2

|3x| +8
D) l(x) ∈ R ↔ ≥ 0 ↔ 5x – 6 > 0
5x − 6
6
↔x>
5
Volume 2.B

Matemática III
COLEÇÃO PRÉ-UNIVERSITÁRIO

Professor(a): _____________________________________

Escola: ___________________________________________________

Data: _____/_____/_____

Críticas e Sugestões
__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________
Volume 2.B

Matemática III
Resolução de Exercícios
Volume 2.B

Exclusivo da apostila do professor


professor,, este guia
apresenta a resolução dos exercícios

SUMÁRIO
Capítulo 2: Geometria Plana II ....................................................................................... 37
Tópico A: Semelhança de Triângulos
Tópico B: Semelhança de Triângulos e as Relações Métricas no Triângulo Retângulo
Tópico C: Ângulos na Circunferência
Tópico D: Semelhança de Triângulos e as Relações Métricas no Círculo 37
Tópico E: Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo
Tópico F: Relações Métricas num Triângulo Qualquer
Tópico G: Polígonos Regulares Inscritos e Circunscritos
Questões de Aprofundamento ......................................................................................... 53
Exercícios de Revisão ................................................................................................... 56

2 A A

Capítulo 2 α
Geometria Plana II
6 C
B
6

8
8 E
D
8
1 A) ∆ADE ~ ∆ABC G
F
AD AE DE 20 24 x
= = → = = 1o) ∆ ABC ∼ ∆ ADE
AB AC BC 38 24 + y 60
AB 6 AB 3
20 x 20 x 60 600 = → = →
Logo = →x= = cm AD 8 AB + 14 4
38 60 38 19
B) ∆DPC ~ ∆APB → 4 AB = 3 AB . + 42 →
→ AB = 42. Então, a altura do cone será igual a
A x B AF = AB + 6 + 2 . 8 = 42 + 22 = 64
θ α
6
P 3 A

14
4

α θ
B C
D 42 C
5

6 x D E
= → x = 18
14 42
Volume 2.B
Matemática III
1o) ∆ABC ~ ∆ADE 6 D
Razão de semelhanças = k
D 4 C
AB 4
k= =
AD 9
n
2
Área ∆ABC  4 16 3 3
2o) = k2 =   = →
Área ADE 9 81
m M
Área ∆ABC 16 A B
= → 4
Área ADE – Área ABC 81 – 16
2
1o) AC = 42 + 32 = 25 → AC = 5
Área ∆ABC 16
= 9
Área trapézio BCDE 65 2o) 32 = 5 . AM → AM =
5

4 Sol
7 C
B
D
400 . x
Lua
D R P
38 –
x 1
Terra x r 1 2
C A M≡C B
E A

∆MPB
r = 1.738 km
2
∆CDE ~ ∆CBA  1
(1 – x)2 = x2 +  
x 1.738  2
= → R = 401 x 1738
401x R 1
R = 696.938 km 1 – 2x + x2 = x2 +
4
1 3
5 A 2x =1 –
4
=
4

θ α 3
x= = 0,375
c b 8
h

8 A)
α m n θ 6x5
B C
4 D 6 6x4
a

6x3
1a parte
Resp.: 18
1o) ∆ABD ~ ∆ADC
B)
h 4
= → h2 = 24 → 3 13 4 13
6 h

→h=2 6
a=5 3
2o) ∆ABD ~ ∆ABC
c 4 C)
= → c2 = 4 x 10 → c = 2 10
10 c 4x7 4 x 24
3o) ∆ADC ~ ∆ABC
b 6
= → b2 = 6 x 10 → b = 2 15 4 x a = 60
10 b
a2 = 242 + 72 = 625
2a Parte:
Perímetro ∆ABC = 10 + 2 10 + 2 15 a = 25
Volume 2.B

Matemática III
9 ∆PCB ~ ∆PAD
PC PB
= → PA . PB = PC . PD
PA PD
P
x . 8 = 6 . 16 → x = 12
x y y A

x C)
100o
B B A
P
V θ β
α

α
1. VB = VP = VA (Teorema dos segmentos tangentes) θ
2. ∆VBP e ∆VPA são isósceles
No quadrilátero BVAP, temos: T
x + (x + y) + y + 100o = 360o
2x + 2y = 260o ∆PTA ~ ∆PTB
PT PA 2
= = PT = PA . PB
x + y = 130o → B 1P A = 130o. PB PT
x2 = 9 . 25
10 4 – 3 < 8 < 4 + 3 (falso, não são secantes). No entanto, x=3.5
se d > R + r as circunferências são exteriores. 39
x = 15
11 A
C
α 13 A)  D2 = l2 + l2
θ D2 = 2l2
β
D=l 2
2
80o
D   
=
D

1 = 80o (Ângulo central)


1 = 80o → DB 45o
1. DOB

80o
2. θ = = 40o (Ângulo inscrito) 1 1
2 2
Sen 45o = = = e
1 2 2 2
80o
3. α = = 40o (Ângulo inscrito) 1 1 2
2 Cos 45o = = =
1 2 2 2
12 A) A 2θ 1
tg 45o = =1
α C 1
α
θ P B)
D
30o
 
h
2α θ
60o
B

∆PAD ~ ∆PCB 2 
PA PD
= → PA . PB = PC . PD
PC PB
12
x.6=4.3 l2 = h2 +
4
x=2 12
h2 = l2 –
4
B) B A
θ P 312
β
2θ h2 =
4
C 1 3
θ h=
2
D
Volume 2.B
Matemática III
3 3
h
1 16 A) Sen 120o = sen 60o = e
2 3 2
Sen 60o = = =
1 1 2
1
cos 120o = – cos 60o = –
1 2
2 1
Cos 60o = = 1
1 2 B) sen 150o = sen 30o = e
2

3 3
1 cos 150o = –cos 30o = –
h 2 2
tg 60o = = 1 = 3
1
2 2
17 2 37
1
A B
2 1
Sen 30o = = 120o
1 2 6 d

h 3 60o
Cos 30o = = D C
1 2 8

40 1 1
1 3 1o) Diagonal menor
tg 30o = 2 = 2 = =
1 1 3 3 3
d2 = 62 + 82 – 2 . 6 . 8 . cos 60o
2
1
d2 = 36 + 64 – 2 . 6 . 8 .
2
14 B
d2 = 100 – 48 = 52 → d= 52
C
d = 2 13

30o 2o) Diagonal maior


h
8
x
120o
6 D 6
30o 120o 60o
60o
D x B 90 A
8

D2 = 62 + 82 – 2 . 6 . 8 . cos 120o
1o) ∆DBC é isósceles → DB = BC = x.
2o) No ∆BAC, temos: 1
D2 = 36 + 64 – 2 . 6 . 8 . (– )
2
90 1 90
Cos 60o = → = → x = 180 m D2 = 100 + 48 = 148
x 2 x

15 375 m2 D=2 37

A
18 28 m

30 m
B
x
A 45o
20 120o
30o 15o
C 40 D
B 50 C

6 = 2,4
1
Área ∆ABC = . 30 . 50 . sen 30o
2 40 20 + x 40 20 + x
= → =
1 sen 45o sen 120o 2 3
Área ∆ABC = 15 . 50 . . 375 m2 2 2
2
Volume 2.B

Matemática III
40 2 20 + x 21 1 rad
→ = → 20 + x = 20 2 . 3 →
2 3
→ 20 + x = 20 6 → x = 20 6 – 20 → 60 40
B 1o) = →
EA r
→ x = 20 ( 6 – 1) = 20 (2,4 – 1) = 20 (1,4) D 60 cm 6 4
→ = →
x ≅ 28 m 40 cm 20 + r r
α → 6r = 80 + 4r →
E
r 20
19 C → r = 40 cm
A 2 M 2 B
A
60o
60o 40 40
m 4
4 4 2o) α = = = 1 rad.
r 40
60o 60o
F C
O 4

E D 1 x = 15
41
9 12 45
= →x= = 15
A) ∆OBC é equilátero → BC = 4 x 20 3
B) Apótema = m.
∆AMO 2 8
w
m 3 Q
Sen 60o = →m= 4. =2 3
4 2 6
x B
42 . 3 A C
20 – x
C) Áreahexágono = 6 . área∆OBC = 6 . → 4
4
P

→ Áreahex = 24 3 cm2 ∆ABP ~ ∆BQC


x 4 2
= = → 3x = 40 – 2x → x = 8
20 – x 6 3
2
20
2
19 A
3
5 x
L
E
F B E y
θ
25
15

R θ α
B 16 D 20 C
R R
A C
O ∆EDC ~ ∆ABC
R 15 20 25
= =
y 25 + x 36
4 5
G D H 20 25
1o) = → 125 + 5x = 144
Seja L o lado do quadrado circunscrito e l a medida do 25 + x 36
lado do quadrado inscrito.
19
5x = 19 → x=
5
1o) l2 = R2 + R2 → l = R 2
2o) L = 2R 3 5
15 25 108
1 R 2 2 2o) = → y=
3o) = = y 36 5
L 2R 2
Volume 2.B
Matemática III
A ∆DEC ~ ∆CBA
4
1 0,6 12
= →h= → h = 20 m
h 12 0,6

30 – x
30
7
y α E
D

x x
α
B y F 20 – y C
20

∆EFC ~ ∆ADE
Considere AC = K, AB = n e BC = m
x 20 – y o
= → 1 ) ∆QBC ~ ∆PAC e ∆AQB ~ ∆ARC
30 – x y
m m n x
= =
x . y = 600 – 30y – 20x + xy k 9 k 7
42 o
2 ) Somando membro a membro as proporções acima
30 y = 60 0 – 2 0 x obtemos:
2 m n x x
y = 20 – x = = + →
3 k k 9 7
m+n 7x + 9x
5 A = →
k 63
M 12 N k 16x
= → 16x = 63
x k 63

T 8 A
1o) Seja D o ponto de tangência
da circunferência com o lado
4 AB. Traçando o raio OD ,
10 = h 5
temos:
(∆ADO) 32 + DA2 = 52 ∴
∴ DA = 4 cm
P H Q O 3 D
20
^ ^
2o) A D O ≡ A M B e OÂD ≡ BÂM,
PQ . h C daí os triângulos AMB e ADO
1o) Área ∆PTQ = = 100 → M
2 são semelhantes.
MB 8
20 . h = MB = 6, logo,
= 100 → h = 10 3 4
2
2o) ∆MNT ~ ∆PTQ BC = 12 cm
12 x
= → x=6
20 10 2 2
Área P 1  40   2 4
3o) Altura do trapézio 9 A) =   =   = →
180 60   3 9
MH = x + h = 6 + 10 = 16
4
Área P1 = x 180 = 80 m2
6 D 9
B) 24
B A 12 B
M x x
D y
E
h 18
1 18 – x
18 – x
12
E 0,6 C A D C
24
Volume 2.B

Matemática III
12 x 12
1o) ∆MIB ~ ∆DIC → = →
24 18 – x

x 1
→ = → 2x = 18 – x → x = 6
18 – x 2
2o) Na figura acima o ∆CIE ~ ∆CMB
CE IE 18 – x y
= → = →
CB BM 18 12
12 y
→ = → y=8
3 2

AFED é losango → FE // AB → ∆CFE ~ ∆CAB


10 C 54 − L L L
A Então: = → 54 – L = → 108 – 2L = L
54 108 2
→ L = 36

h
A 13
8 5 43
D E r

4A

B C

r// BC
∆ADE ~ ∆ABC
Área ∆ADE
1o) = k2
Área ∆ABC

A 1
onde k é a razão de semelhança = k2 → k =
5A 5
360o
1o) = 72o = ângulo central
h 1 5
2o) = → h=8m
8 5 5 ^ ^ ^ 72o
2o) A CB = B A C = A BE = = 36o
2
^

A 3o) A FB = 180o – 72o = 108o →


11
A ^ ^
B F C = 72o = CBF
G X F
4o) DBCF é isósceles → FC = BC = 4
X X 5o) Os triângulos AFB e ACB são isósceles e

B D X E C semelhantes. Sendo AF = BF = y temos que:


y 4
^ ^ = → y2 + 4y = 16
Sejam A B C = β e A CB = α, então, α + β = 90o (∆ABC) 4 y+4
^ ^ y2 + 4y – 16 = 0
• ∆BGD ∴ β + B GD = 90o ∴ B GD = α ∆ = 16 + 64 = 80
^ ^
• ∆CFE ∴ α + C F E = 90o ∴ C FE = β −4 + 4 5
y= = –2 + 2 5
BD GD 2
logo: ∆BGD ~ ∆FCE e: =
FE CE
O menor segmento determinado sobre AC será:
8 X
⇒ = ∴ X2 = 16 ∴ X = 4 cm
X 2 x = 2 5 – 2 = 2 . ( 5 – 1) =
Logo, o perímetro do quadrado é 16 cm. 2 . (5 – 1) = 8
Volume 2.B
Matemática III
14 D C 16 D
β y α
B D C
P
4
x 4
E
α β P
A B
33 h
F T
a
1 parte:
∆APB ~ ∆ PCD
2
Área APB  AP 
=   → A
Área PCD  PC 
∆ATF ~ ∆APE
2
16  AP  AP 4 x 3x 3 AF 3 h − 11
=   → = = →y = = → =
9  PC  PC 3 y 4 4 AE 4 h−4
→ 3h – 12 = 4h – 44 → h = 32
2a parte:
AB . x R
44 A∆APB = 16 → = 16 → AB . x = 32 17
2 1 R
e 1
4
3 R
CD . y
A∆CPB = 9 → =9→ 2
2 1

3x P 1
CD . y = 18 → CD . = 18 → CD . x = 24
4

3a parte: Área do trapézio R é o ponto onde está localizado o robô.


2o Movimento → d(R, P) = 2
(AB + CD) . (x + y) (AB + CD) 3x
AT = = . (x + )=
2 2 4 3o Movimento → d(R, P) = 3

(AB + CD) 7x 7 4o Movimento → d(R, P) = 4


= .( )= . [ AB . x + CD . x] M M
2 4 8
10o Movimento → d(R, P) = 10
7
= . [32 + 24] = 49
8
18 A) A

x y
15 A) ABCD ~ CDEF → = → C b
y x − y h

→ x² – xy = y² → x² – y . x – y² = 0 (÷ y2) →
18 32
2
x x x
B
50
C
→   –  y  – 1 = 0. Fazendo = k, temos
y   y

1+ 5 1o) h2 = 18 x 32
que k² – k – 1 = 0 → k = , pois k > 0.
2 h2 = 2 x 9 x 16 x 2
h=2x3x4
x 1+ 5
Assim = .
y 2 h = 24

2 2 2o) c2 = 50 x 18 → c2 = 2 x 25 x 2 x 9
Área ABCD x 1 + 5 
B) =   =  2  =
Área DEFC y   c = 2 x 5 x 3 → c = 30

1 + 2 5 + 5  3+ 5
=   = . 3o) b . c = a . h → b . 30 = 5 0 . 24 → b = 40
 4  2
Volume 2.B

Matemática III
B) A a
20 E
A H B

 
12
1 x 6
b= =c
9 9 2 5
B D
M
L
12 l2 = 122 + 92
 
1 36 25 + 144 169
l = 15 1o) a2 = + = =
4 25 100 100
C
13
C) 8 a=
10

r 2o) b . c = a . x
1 6 13
x 2r 2r x . = .x
2 5 10
r

5 4 4
5 6 45
x=
13
18

1o) Teorema de Pitot


21
x + x = 8 + 18
2x = 26

x = 13

2o) x2 = 4r2 + 25
132 – 25 = 4r2
4r2 = 144
r2 = 36

r=6

19 A
AB = 2,4 – R

AR
R R

1,2 1,2
1,2 1,2 1,2
C
B
DC = 5 3 - 15 3 = 20 3 .
7 7

3º) Baixando a partir do ponto D uma perpendicular ao


lado AC, como mostra a figura acima, obtém-se que
∆ABC é retângulo em B, logo (1,2 + R)2 = (2,4 – R)2 + ∆CDH ~ ∆CAB, daí:
+ (1,2)2
(1,2 + R)2 – (2,4 – R)2 = (1,44) →
→ 1,2 + R + 2,4 – R  . 1,2 + R – 2,4 + R = 1,44

1,44
2R – 1,2 = = 0,4 → 2R = 0,4 + 1,2
3,6
→ 2R = 1,6

R = 0,8
Volume 2.B
Matemática III
22 C
A

25
C

25

Da 2ª equação encontramos R + r = 8 e resolvendo o


O
7 8
D sistema concluímos que R = 7 e r = 1.
B

OA = x
26 A) C
E
OC = Y
90o
∆AOB ⇒ 252 = x2 + 72 ∴ x2 = 576 ∴ x = 24 dm
∆COD ⇒ 252 = y2 + 152 ∴ y2 = 400 ∴ y = 20 dm
D A
20o
Logo AC = AO – CO ⇒ AC = 24 – 20 = 4 dm 36o B
x
C
F

1E = 360
124o
23 1o) A o – (90o + 36o + 124o + 20o)
1E = 360
1
46 2
L A o – 270o = 90o
30
EAB – 36o
2o) x =
2
2
30m 18m
o o
110 – 36
302 = 182 + h2 x= = 37o
900 = 324 + h2 ∴ h2 = 576 ∴ h = 24m 2

24 B) D A
R x = 40o
70o
35
3 5o
R D
X O
R
35
3 5o 70o
R 35o 70o
B
C
X

1 = 35o =
1o) C AD
1
DC 1 = 70o
→ DC
25 1ª Parte: Considere as circunferência de centros 01 e 02 e 2
d = 10 a distância entre os centros.
1 A = 70o (∆ABC é isósceles)
2o) BC
AB = EO2 = 8 . No∆ E 0102
temos: 3o) x + 70o + 70o = 180o → x = 40o
Observação
100 = 64 + (R – r)2
1 =140o e BCA
x não poderia ser 70o, pois BC 1 = 180o.
1a Parte:
A
Absurdo, pois AB não passa no centro O.
8
B
r
E r 100o
R
(R – r)
8
27
d = 10 02
01

0o
20 0o
20
O
2a Parte:
C
110o
r
01 d = 10 02 50o o
110o
40o
R

6
D
(R + r) r
F
Volume 2.B
1 1

Matemática III
A
1 =
1o) C AD
CD
→ 20o =
CD 1 = 40o
→ CD
31
2 2 60o

1
2o) CBD =
1
CD
=
40o
= 20o
2 2
P 60o 60o Q
3o) 1 A = 50o → AB
BC 1 = 100o 50o
70o
4o) No ∆CAM, temos:
110o + 20o + x = 180o
40o 70o 50o 80o
x= 50o B R C
Resposta: 50o, 70o e 60o.
^ ^
1) ∆BPR é isósceles → BRP = BRP = 70o
28 A 100o
^ ^

55o
2) ∆CQR é isósceles → CR Q = C QR = 50o
^ ^

O 3) ∆PAQ é isósceles → A P Q = P Q A = 60o


75o = y B ^ ^ ^
Daí; RP Q = 50o, P QR = 70o e QRP = 60o
50o 110o
x 47
C 1 , BC
32 Como AB 1 e AC 1 são proporcionais a 2, 9 e 7;

1
podemos dizer que:
1 = AB 100o
1o) A CB = = 50o
2 2 1 = 2K ; BC
AB 1 = 7K.
1 = 9K e AC
1 = 180o – (50o + 75o)
2o) C AB
Daí: 2K + 9K + 7K = 360º K = 20º
1 = 55o → CB
C AB 1 = 110o

3o) x =
1
CB
=
110o
= 55o Logo: α =
1
AB ^
∴ α =20o e β =
AC
∴ β = 70;
1
2 2 2 2

α 2 A
29 daí: =
β 7
4 4 8
P C
O E

12 B

33 E
Resp.: PE = 8 cm
^
1 = 360o – x
Seja B Q C = X BC
30 C
360o − x − x ^
28º = ∴ x = 152o ∴ B O C = 152º
2
A
^ ^
i) ∆BOP ≡ ∆QOP, logo B O C = Q OR = α
^ ^
ii) ∆COR ≡ ∆QOR, logo C OR = Q OR = β
2β D α β B

daí: 2α + 2β = 152º α + β = 76º
^
mas P OR = α + β = 76º
B
C P

2α + 2β = 360o O A
Q 28º
α + β = 180o

α + β = π rad R
C
Volume 2.B
Matemática III
34 E Calcule PA = x
1o Modo: Pitágoras ∆POB: (x + 9)2 = (2x)2 + 92

x2 + 18x + 81 = 4x2 + 81
T
3x2 – 18x = 0
r
2r 3x . (x – 6) = 0
x = 0 (Não convém)
r ou
A
O C
x x=6 → PA = 6 m

Resp.: 6 m
∆OTA: x2 = r2 + (2r)2 = 5r2 →x=r 5
Logo AC = x – r = r 5 – r = r . ( 5 1). 37
C B
2o Modo: Potência de um ponto
E 8
T
2r
6
A
r r D
E P
C x
48 AE 1 1
= → AE = . CE
EC 3 3
2
PT = PC . PE AE . EC = 6 . 8
4r2 = x . (x + 2r) →
→ x2 + 2rx – 4r2 = 0. Resolvendo na variável x. 1
. EC . EC = 48
∆ = 4r2 + 16r2 = 20r2 3
2
 x = –r – 5 . r < 0 (não convém) EC = 144 → EC = 12 e
–2r ± 2 5 . r 
x =  ou AE = 4
2  Resp.: 16 cm
 x = –r + 5 . r > 0.
Logo AC = 12 + 4 = 16 cm
Logo x = ( 5 – 1) . r
38
T
35 E
C 5
2r
r
B
x
A r r r r A
E P
D O O 3

AB . AC = AD . AE
∆POT; O é centro.
x . 2 π = π . (3π)
(3 + π)2 = 52 + π2
3
x= π 9 + 6π + π2 = 25 + π2
2
6π = 16
3
Logo BC = 2π – .π 8
2 π=
3
π 1 Logo 3π = 8
BC = = . AB
2 3 Resp.: 8

36 B

9
2x 39
9 9 A
C P B 18 P
O A x
10

T
Volume 2.B

Matemática III
2o) ∆ADB
40 P
AD 1
S
Cos 60o = → AD = 5 . = 2,5 km e
5 2
0
r T DB 3
Sen 60o = → DB → = 5 .
5 2

3o) Velocidade média

CD AC − AD 7,5 km
Vm = = = 0,5 h = 15 km/h
0,5 h 0,5 h
Então:
01 Verdadeiro
02 Verdadeiro
04 Falso
08 Verdadeiro
16 Verdadeiro
41
44 C Q
B 11 A 5 P
cm
120 49
R 0
P
4 52 cm
R- D C x
2 25 cm
2 F α
12 O
E A B

Seja AÔP = α e OP = x cm
1o) ∆OPA ~ ∆OBQ.
B x 25
x + 120 = 52 → 52x = 25x + 120 . 25 →
42 C
→ 27x = 120 x 25 → x ≅ 111,11
25
h 2o) Sen(α) = ≅ 0,225 → α = 13o
111,11

30o
L A 45 B
200
1,5 P
D 200 C
30o
d
00

AB
1o) tg 30o = → AB = 200 . 0,577 → AB = 115,4
1.0

200 60o
30o
A 1.000 m B E
2o) h = 115,4 + 1,5 → h = 116,9 ≅ 117 m
PE = d, é a mesma distância.
43 V V F V V ∆BEP
C d 3
Sen 60o = → d = 1000 . = 500 3 m.
1000 2
30o
46 25 E
D
o
30

50 x
60o
C 30o
A 5 km B D
F

1o) ∆ACB 50 50
30 o

5 5
Sen 30o = → AC = = 10 km
AC 1 60o
2 B A
Volume 2.B
Matemática III
3º caso: ∆ABF
1) ∆BCE é isósceles → BC = CE = 50
2) No ∆CDE, temos que: 6 6
Cos 30o = → BF = →
x 1 BF 3
sen 30o = → x = 50 . → x = 25 2
50 2
12
47 B → BF = =4 3
3
x
4º caso ∆BFE
x
x h BF 4 3
x Cos 30o = →x= → x=8
x 3
x α
2

1o) a² = 25 + 144 = 169 → a = 13 2


a 5
50 A) Sen 135o = sen 45o = 2
5 sen α =
13 2
α Cos 135o = –Cos 45o = –
2
12
sen 45o
50 h tg 135o = cos 45o = –1
2o) Sen α = → h = 3,25 . sen α
3,25
B) Sen (270o) = –1
5 Cos 270o = 0
→ h = (3,25) . ( ) = 1,25
13 1
o
3 ) Se x é a altura de um degrau, temos que: C) Sen (210o) = – sen 30o = –
2
5 . x = 1,25 → x = 0,25 m
3
Cos 210o = –cos 30o = –
2
48 A
m 3
D) Sen 300o = –sen 60o = –
2
m
0k 1
15 d
Cos 300o = cos 60o =
2
30o
A c
51 C B

1o) V = 50 km / h constante. Após 3h ele terá percorrido


1 cm x
AM = 3 x 50 = 150 km
d 60o
2o) Sen 30o = → d = 75 km
150 A 2 cm C

1o) x2 = 12 + 22 – 2 . 2 . 1 . cos 60o


49 8
1
x2 = 1 + 4 – 4 .
6 2
A B
o
30
x2 = 3 → x= 3
θ=3 o
30 o
0

x 2o) Logo o perímetro do ∆ABC é igual a:

F x + 1 + 2 = ( 3 + 3) cm.
30o
D E C A
52 B
Seja BE = x 30o
8
3
1º caso: Cos θ = → θ = 30o
2
^
^ ^ ^ B
2º caso: EB C = FBE = 30 → FB A = 30 o o
B 6 C
Volume 2.B

Matemática III
8 6 55 16 2
^ 8 . sen 30o
= sen 30o → sen B =
^ →
senB 6 A 16 B
15o
^ 4 1 ^ 2 135o
→ sen B = . → sen B = x
3 2 3
30o
15o
53 5 6 D C

A B
16 x 16 x
45o = → = → x = 16 2
sen 30o sen 135o 1 2
75o
x 10 2 2

45o 60o 56 E
D C
A
^ ^ ^
1o) A B C = 120o → D B C = 75o → B D C = 45o 4
2o) ∆DCB, tem-se que:
10 x 10 x D 120o B 51
o
= → = →
sen 45 sen 60o 2 3
2 2 4

10 3 10 6 C
→x= →x= =5 6
2 2
2
o
AC = 4² + 4² – 2 . 4 . 4 . cos (120o)
54 120
a = 5m e b = 7m e c = 3m 2 −1
AC = 32 – 32 . ( )
2
A
2
AC = 48 → AC = 4 3

7 57 C
3 120o
 

B 5 C
12
Leis dos Cossenos
1o) 72 > 52 + 32 → ∆ABC é obtusângulo 12² = l² + l² – 2l . l cos 120o
2o) De acordo com a figura acima, o maior ângulo é 1
^ 144 = 2l² – 2l² . (– ) → 3l² = 144 → l² = 48
B . Daí 2
^ → l=4 3
72 = 32 + 52 – 2 . 3 . 5 . cos B →
^
Então: perímetro = 8 3 + 12 = 4 . (3 + 2 3 )
→ 49 = 9 + 25 – 30 . cos B →
^ ^ 1 ^
58 l = 10 3 cm, m = 5cm e A = 75 3 cm2
→ 30 cos B = –15 → cos B = – → B = 120o
2
A

60o
120o 60o

1  
2 O
–1 10
2 m
130o
B  C
2 
Volume 2.B
Matemática III
360o → 2πR
OB = 10 cm, m é a medida do apótema e l o lado do 7,20o → 5000
∆ABC.
m 1 2πR . (7,20)o = 5000 x 360
Sen 30o = → m = 10 . → m=5
10 2

1 250.000
R = estádios.
2 1 10 . 3 2π
o
Cos 30 = → = l = 10 3 e
10 2 2
62 B
12 3 300 . 3
Área ∆ABC = = = 75 3 cm2 A
4 4
1 
59 B α
O 1 B
 A

C
r r
R
l = medida do lado do polígono
 O B
r 
52 r
1º) Ângulo central = α
360o
α= = 30o
 12
2º) Lei do cosseno:
l² = 1² + 1² – 2 . 1 . 1 . cos (30o)
r = raio da circunferência inscrita
R = raio da circunferência circunscrita. 3
l² = 2 – 2 .
2
1o) ∆OAB
R2 = r2 + r2 → R = r 2 l= 2− 3

Comprim. da circunscrita 2πR r 2


2o) = = = 2
Comprim. da inscrita 2πr r 63 C
1º) Considere uma circunferência de comprimento C e
raio r.
60 C
C = 2πr

1o) α = 1,5 rad → 3 = 1,5 . OA → 2º) Seja R o raio da nova circunferência de comprimento
D
(C + 4).
B → OA = 2
C + 4 = 2π . R →
3 x 2o) x = 1,5 . OC → 2πr + 4 = 2πR →
α 2πR – 2πr = 4 →
O → x = 1,5 x 3,5
2 A
4 2
1,5 C → x = 5,25 R–r=

=
π

64 E

61 A
B b–
r
7,20o
b–r

A b
c–
r E r
O
500 r r

7,20o A C
c–r
S

Sejam R e r os raios das circunferências circunscrita e


inscrita, respectivamente ao triângulo.
Volume 2.B

Matemática III
1º) b + c = k 2
Usando o teorema dos segmentos tangentes conclui-se CB = (20 + 16) . (20 – 16)
que b – r + c – r = 2R → b + c = 2R + 2r → 2
CB = 36 . 4
→ 2 (R + r) = k CB = 6 x 2 = 12
∆ADO ~ ∆CAB
2º) C1 + C2 = 2πr + 2πR = π . 2 (R + r) = π . k
x 10 20 x 10 25
2o) = →x= → x=
65 B 20 16 16 2

F A
5
5 60o 5
2 B
5
60 o
60

B
o

E 5 A
O 50 D
30 H

D C E

1º) Hexágono Inscrito C


300 cm
AF = R = 5
2º) Comprimento da circunferência: ∆ADE ~ ∆ABC
C = 2π . 5 = 10π 53
3º) Comprimento de 1 arco centrado no ponto E 30 50
= → h = 180 cm → h = 1,80 m
F h 30 0

5
Resp.: 1,80
o5
60
E 5 O 3 A
3
θ θ
3
1 = 1 . (2π . 5) = 5π
T2
FO
6 3 T3
4º) Nas 6 pétalas temos 12 arcos, medindo cada um y
I
4

. Então, a soma de todos os arcos será igual a: B C
3
4 T1 1 S y
5π 5
S = 10π + 12 . = 10π + 20π
3
1o) AS é bissetriz interna, que o centro da circunferência
S = 30π inscrita é ponto de encontro das bissetrizes.
2o) Pelo teorema dos segmentos tangentes, temos:
B T1 = B T3 = 4; A T3 = A T 2 = 3

e C T1 = C T 2 = y.

3o) Se AS é bissetriz interna, então:


1 C 5 y −1
= → 7y – 7 = 5y + 15 → y = 11.
7 y +3
C 4o) Perímetro ∆ABC = 7 + 14 + 15 = 36
16 D 12
x θ C
α θ 4
A 10 O 10 B
G

16

1o) ∆ACB é retângulo em c D4 F


θ x
2 2 2 A α
α
AB = AC + CB θ
E B
2 2 2
20 = 16 + CB
2
CB = 202 – 162
Volume 2.B
Matemática III
1o) ∆AED ~ ∆DBF 1 = 70o
1o) ∆ABC é isósceles; AB = AC → B1 = C
x AD 2 ) ∆BDC
o

=
4 DB 35o + 70o + BD1 C = 180o
2o) ∆DAG ~ ∆DEB 1 C = 180o – 105o
BD
16 AD 1 C = 75o
BD
=
x DB 3o) ∆BEP ≅ ∆BPC → P é ponto médio de EC .
x 16 4o) ∆DPE ≅ ∆DPC → DP é bissetriz → x = 75o
Logo = → x2 = 64
4 x
7 B E
x=8 8o 8o
k
k α k
5 A) E M 2k
k
α D
8o
d A C

A B 1 ) Traçando a mediana relativa a hipotenusa no ∆BDE obtém-


o
16
2k
10 10 se que: BM = DE = = k = AB .
54 2 2
D 24 C
2o) ∆ABM é isósceles → B A 1 =α
1 D = D MB

∆EAB ~ ∆EDC 1 D = D EB
3o) C A 1 = 8o (alternos internos)
d 16 2 4o) ∆MBE
= = → 3d = 2d + 20
d + 10 24 3 α = 8o + 8o (ângulo externo) → α = 16o.

d = 20
8
B) A 12 B
α θ
α P

8 M 8
θ α

θ α

D 8 N C 12 Q
α B
1o) ∆ADN é isósceles, pois N1
AB = α = D 1
NA → A

DN = 8
2o) ∆DMN ~ ∆MAB 1o) 1
QPB =
1
PQ 1 B (Circunferência de raio maior)
= QA
2
MN
MA
=
8
12
2
= .
3 2o) AP1 Q =
PQ 1
= PB1 Q (Circunferência de raio menor)
2
A 3o) ∆AQP ~ ∆PQB
6
PQ 12 2
= → PQ = 8 x 12 → PQ = 4 6
40o
8 PQ

9 E A

5 5
E
x D
55o
M 5 N
P 75o x
5 E
35o 1 o
15 5–x
35o 55o
B C B 10 C 6 D
Volume 2.B

Matemática III
o
1o) Trace MN //BC. N é ponto médio de AC → 1 = 180 = 90o.
1o) ∆FGE é retângulo; FGE
2
AN = 5 e NC = 5. 2o) ∆AEB ~ ∆FAD
2o) ∆MEN ~ ∆ECD.
3 AE
BC 10 = → AE . AF = 39
MN = = = 5 (Base média) AF 13
2 2
3o) ∆MNE ~ ∆ECD 3o) Potência do ponto A
5 x 25 CA . AH = AE . AF ; mas CA ≅ AH ,
= → 6x = 25 – 5x → x =
6 5– x 11
25 80 daí: CA . CA = 39 → CA = 39
Logo AE = 5 + x = 5 + = .
11 11
Teorema de apoio:
C

10 E N
R

M A r
12 O
B
P
R 55
A
4

C H
E F
0 3 9 “π ⊥ CH passando no centro, passa também no ponto
1o) ∆OAE médio da corda CH .”
2
OA = 3 + 4 → 2 2
OA = 5
∆OMF 12 I. ∆PEB: 42 = x2 + y2 → x2 + y2 = 16
2
OM = 92 + 122 → OM = 15 II. ∆PFC: 52 = y2 + (l – x)2
III. ∆PEA: 12 = x2 + (l – y)2
2o) ∆OAC ~∆OMP 2
IV. ∆PHD: PD (l – x)2 + (l – y)2
OA AC 
= = k (razão de semelhança) → –y
OM MP A E y B
5 1
→ =k→ k=
15 3 x x
2 1 4
Área ∆ABC  1 1
3o) = (k)2 =   = y
Área ∆MNP  
3 9 H F 
–y P
8 1
= → Área ∆MNP = 72
Área ∆MNP 9 –x 5 –x

11 39 D C
D 
α
Somando a II com a III equação, obtemos:
G 10 25 + 1 = (y2 + x2) + (l – x)2 + (l – y)2 →
C → (l – x)2 + (l – y)2 = 26 – (x2 + y2) = 26 – 16 = 10
θ 2
Logo PD = 10 → PD = 10
B

3 θ 13 B
θ y
F α 1o) tg θ =
O A E k c

w
y

x k θ
x 3
H k = xy2
Volume 2.B
Matemática III
y y3 y 2o) AB = FE = CD = l.
2o) tg3θ = → 3 = →k= 3 x . y2 3o) Comprimento da correia =
x k x
= 3 . x + 3 . AB = πl + 3l = l . (π + 3).
w3 y y
(x + k)3 = x → w = (x + k) .
o 3
2)
x
3o) c2 = w2 + (x + k)2
2
15
 y 3 E
c2 = (x + k)2 .   + (x + k)2 158o 2 = 18o
x o
49
= 68o
6
 2  1
c2 = (x + k)2 .   + 1
y 3
 x   O
P D
  97o = 4
o 36o
34
3=
(x + 3 xy )2 2
 2 2  18o 79o = 5 6 7
c2 = .  y3 + x3  A
B C F
2
 
x3  
98o
2
 1
2
56  x x3   2 2
2
c =  + . y 3
 
.  y 3 + x3  1
1 1
 1o) 4 = A P1 E = 180o – (34o + 49o) = 180o – 83o = 97o
 x3 x3   
 
1
BD
2 2o) 18o = BE1 C = 1 = 36o.
→ BD
 2 2   2 2  2
c2 =   x3 + y3  .  y3 + x3 
   1
    1D = BD 36o
3o) B A = = 18o
2 2
3
 2 2
 3 + y3  1
2
c =  x 4o) ∆PAB, concluímos que 97o = 18o + A B1 P → A BP =

  1
79o ( 5 )
3
 2 2 2
1 = 158o – 36o 122o 1)
5o) A CD = = 61o ( 6
c =  x 3 + y3 

1
 2 2
 
1 BAE – BE 1
158o – 104o 54o
6o) A FE = = = = 27o
2 2 2
14 A
M

B
120º C

 O1
S 2
60º N
1 C
A 
2 D P
60º 60º
O2 
120º  O3
R 2 120º
2
(8 – x)
P
F Q E

A x B
1o) 1
Comprimento do arco BMC =x

120o  1  1
.  2π .  =
x x
x= . πl.
360  2  3

1
1
Note que BMC 1 = EPD
= ARF 1 =x= πl
Q D C R
3 8
Volume 2.B

Matemática III
∆APB ~ ∆QPR 5 T
8– x x 5
= 9 9
8 8
18
2x = 8 5 13

x=4 15 15

2 A 7 13
(x – 10) C F
E
G H 20
10 J
x 6
10 6 6 ∆TFC é retângulo
x 10 6 2
CT = (24)2 + 72 = 576 + 49
∆AGE ~ ∆EJH

CT = 625 → CT = 25
(x – 10) =
10
=
5
→ 3x – 30 = 20
4 6 3 6 C C
3x = 50
30º 57
50 3 – 2x
x= D
3
x 60º
3
E
A 30 B
y
3 θ α 2x
θ x 60º
20 A B
8 20 1
E 1 C) =
1o) No ∆ ABC, tg (B A 1 C = 60o e
3 → BA
α

D F C 1 B = 30o.
AC
30
x 1
2o) No ∆ CDE, temos que sen 30o = → =
∆AFD ~ ∆AEB 3 − 2x 2
20 8 x
= → x = 12 cm → AE = 12 cm 3
30 x = → 2x = 3 –2x → 4x = 3 →x=
3 − 2x 4
3o) Aplicando o teorema de Pitágoras no ∆ ABE, temos:
4 B
 3
2

y = 1 + (2x) → y = 1 +  2  →
2 2 2 2

 
D
3 7
K → y2 = 1 + = →
4 4
G
2K 7
→y=
2
A C
E

1o) GA = 2 . GD 7 A)

T2
2o) DE // AB (Base média) e ∆ABG ~ ∆GDE e
x
T1 15
GA 2k E 35
= = 2 é a razão da semelhança.
GD k 15
x
20
C1 15
Área ∆BGA 35 C2
3o) = (2)2 = 4.
Área ∆GDE
Volume 2.B
Matemática III
24 - 20 < x < 24 + 20 → 4 < x < 44
Trace a reta C1E // T1T2 . O ∆C1EC2 é retângulo.
(50)2 = x2 + 202 Se x é múltiplo de 9 e 4, então x = 36
x = 10 21
11 B
B) 1o) α e β agudos
2
E
Sen α = sen β → α = β = 45o
T1
x B
3
x

C1
C2 45o = β
2
T2
4
x

Pelo ponto C2 trace uma paralela ao segmento

T1T2 , prolongando C1T1 , em direção a paralela α = 45o


C x A
traçada obtemos o ponto E, intersecção do
12223
prolongamento com a reta C2E . Do ∆C 1 EC 2
x 4. 2
retângulo, obtemos que: 2o) Sen 45o = →x= =2 2
4 2
2 2 2
58 C1C2 = C1E + EC2 →
x.x x2 8
3o) Área ∆ABC = = = = 4 cm2
2 2 2
→ 132 = 52 + x2 → x = 12

8 D 2
A 12 π
cm.

E
Cinicial = 2π . R
B x y
Após o acréscimo de 4 cm no comprimento, temos:
O C1 + 4 = 2π . r, onde r é a medida do novo raio
2x
2y 60o
4 2
2πR + 4 = 2πr → r = R + =R+
2π π
C D
60o 2
Então o raio aumentará em cm.
π
Na figura acima, observe que
2x + 2y – 60o = 360o
2x + 2y = 420o (4π + 6 3)
13 8.
3
x + y = 210o
E
6
C o=α
9 2 30 N
0o

60o 60o
B 240o
24

M A x α P α 16 – x o
2 60
F 6
7 7
D
1
5
1
5 AB = 16
1o) ∆ACP ~ ∆PEB
Resp.: 6, 8 e 12 m. 2 x
= → 32 – 2x = 6x → 8x = 32
6 16 − x

→ x=4
10 20 x
2o) ∆ACP
C1 24
C2
2 1
Sen α = = → α = 30o e
4 2
2 2
24 x2 = 22 + CP → 16 = 4 + CP → CP = 2 3
Volume 2.B

Matemática III
3o) ∆BPD Então:

BP
2
= 62 + PD
2
→ 122 = 36 +
2 2
PD → PD = 108 O1O2 = 3 + 1 → O1P + O2P = 3 +1→

PD = 6 3 r. 2 R. 3
→ + = 3 +1→
Obs.: CD = FE = CP + PD = 2 3 + 6 3 = 2 2

= 8 3 r. 2 3
→ +r 2 . = 3 +1→
2 2
1
4o) Comprimento do arco CMF =l r. 2
240

2
. 1+ 3 ( ) = ( 3 +1 ) →
2 8π
l= . (2π . 2) = . (4π) = e
360 3 3 r. 2
→ =1
1
Comprimento do arco END =L 2

2
L= . (2π . 6) = 8π → r= 2 eR=r 2 = 2 . 2 =2
3
1
5o) Comprimento da correia = CMF 1
+ CD + EF + END R=2

=
3
+ 8 3 + 8 3 + 8π 15 1,884 m
1o) Comp. da circunferência do pneu. 59
C = 2π . (30) = 60 π ≅ 188,40 cm = 1,884 m.
π 
= 8 .  + π + 2 3 =
 3 
16 B
5 . x3 = 9 . 15
 4π + 6 3 
x3 = 27
= 8 .  3

 
x=3

14 r= 2 eR=2
R
P

α
A
17 senα =
R+h
h

r R 60o R senα + h . senα = R T


o o R
45 P 30 h senα = R – R senα
O1 o O2
45 30o R . (1 – senα) = h . senα R
r R θ
B h . senα
R=
(1 − senα)

O1O2 = ( 3 + 1)
A  F
1o) ∆O1 AO2 ≅ ∆O1 BO2 (L.L.L) → 18 D
→ O1O2 e bissetriz de 60o e 90o. 
2o) ∆O1 AP ≅ ∆O1 PB (Caso L.Â.L) →
B E
AB ⊥ O1O2 . θ

3o) ∆O1 AP é isósceles → O1P = PA .
C D
O1P r. 2
4o) Cos 45o = → O1P = = PA . 360o
r 2 1o) Medida de um ângulo externo = = 60o e a
6
5o) ∆O2PA
medida de um ângulo interno é 120o.
PA PA
Sen 30o = →R= → R = 2 . PA → 2o) No ∆ ABC, AC = 2 3 e AB = BC = l. Usando a
R 1 lei dos cossenos temos que:
2
(2 3 )2 = l2 + l2 – 2l2 . cos 120o
r 2 1 
→R= 2. → R= r 2 e → 12 = 2l2 – 2l2 . (– )
2 2
2 3
→ 12 = 2l2 + l2 → 120º
O2P R. 3 → l2 = 4 → l = 2
Cos 30o = → O2P = 
R 2
Volume 2.B
Matemática III
19 B Anotações

A b
B
5 4 2
a
4 2 45º a
5
D b C

BD = 8 2 (maior) e AC = 10 cm (menor)
menor lado = a
a2 = 52 + (4 2 )2 – 2 . 5 . 4 2 . cos 45o →

2
→ a2 = 25 + 32 – 40 . 2 . →
2
→ a2 = 57 – 40 → a2 = 17 → a = 17

20 D
1o) (α, β, θ) são proporcionais à (1, 2, 3)
60 α β θ α + β + θ 180o
= = = = = 30o →
1 2 3 1+ 2 + 3 6
→ α = 30o, β = 60o e θ = 90o, logo o triângulo é
retângulo.
2o) B

30º 30º
2

30º
A D C

AD AB
No ∆ ABD, sen 30o = e cos 30o = →
2 2

→ AD = 1 e AB = 3

No ∆ ABC, temos que:


AB 1 3
sen 30o = → = → BC = 2 3 .
BC 2 BC

Finalmente, o ∆ BDC é isósceles, BD = DC = 2.

Então o perímetro do ∆ ABC é igual a 3+2 3 +


+ 3 = 3 . ( 3 + 1).
Volume 2.B

Matemática IV
COLEÇÃO PRÉ-UNIVERSITÁRIO

Professor(a): _____________________________________

Escola: ___________________________________________________

Data: _____/_____/_____

Críticas e Sugestões
__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________
Volume 2.B

Matemática IV
Resolução de Exercícios
Volume 2.B

Exclusivo da apostila do professor


professor,, este guia
apresenta a resolução dos exercícios

SUMÁRIO
Capítulo 2: Geometria Analítica – Ponto e Reta – Continuação ...................................................... 61
Tópico G: Ângulos Formados por Duas Retas
Tópico H: Inequações do 1o Grau com duas Variáveis
Capítulo 3: ......................................................................................................................... 67
Tópico A: Circunferência – Definição e Equações 61
Tópico B: Posições Relativas e Problemas Envolvendo Circunferência
Tópico C: Exercícios Complementares Sobre Circunferências
Tópico D: Lugares Geométricos I
Questões de Aprofundamento ......................................................................................... 75
Exercícios de Revisão ................................................................................................... 77

Capítulo 2 B)
y
s
Geometria Analítica – Ponto e Reta
r 6
Continuação α

–4 2 x
6
θ
β
–6

1 A) 1o) r: x + y + 4 = 0 →
s → y = –x – 4 →
r → tg α = 1 → α = 135o
3
θ 6
3 2o) tg θ = = 1 → θ = 45o e Ms não existe.
α 6
2 3
3 3
3o) tg β = –1 → β = 135o

C)
s
3 2
1 ) Mr = tg α =
o
= 3 e Ms não existe. r
3
β
3 θ
2o) tg θ = → θ = 30o γ
3 α
1 4
3 2
3o) tg β = tg (180o – θ) = –tg θ = – e β = 150o –1
3
Volume 2.B
Matemática IV
1o) r: y = 2x – 1 → tg α = 2 e 2a parte:
x 1 Mr − Ms −2 + 3 1
s: y = – + 2 → tg γ = – β tg θ = = = →
2 2 1 + Mr . Ms 1+ 6 7
2o) γ = α + θ → θ = γ – α θ
tg γ − tg α  1
→ tg θ = tg (γ – α) = → → θ = arctg   ∈ 1o quadrante .
1 + tg γ . tg α 7

1 5 e
−2 − −
2 2 tg β = tg (180o – θ) = – tg θ →
→ tg θ = = →
 1 0
1+ −  . 2 1  1
 2 → tg β = – e β = arctg  −  ∈ 2o quadrante
7  7
→ tg θ não existe → θ = 90o e β = 90o

Note que: 3 1a parte: 2a parte:


As retas são perpediculares ↔ mr . ms = –1 5x + 20y = 400 10x + 15y = 450

x y x y

0 20 0 30
62 80 0 45 0
y

30
0
D) 20 A B
C
θ 45 80 x
r

β
θ γ
α
x

s 3a parte:
Verificação: 5x + 20y ≤ 400
0(0, 0) → 5. 0 + 20 . 0 ≤ 400 – 0 ≤ 400 (verdadeiro)
Verificação: 10x + 15y ≤ 450
10 . 0 + 15 . 0 ≤ 450 (ok!)
1o) r: y = x – 1 → tg α = 1 e
4a parte:
s: y = (–2 – 3 ) . x + 6 → tg γ = –2 – 3 x ≥ 0 e y ≥ 0 (1o quadrante)

2o) γ = α + θ → θ = γ – α → tg θ = tg (γ – α) Conclusão: Os pontos da região poligonal 0ABC é a


solução do sistema.
tg γ − tg α −2 − 3 − 1
→ tg θ = = →
1 + tg γ . tg α 1 + (−2 − 3) . 1
4 O ponto B é solução do sistema
−3 − 3 3+ 3 3 . ( 3 + 1)
→ tg θ = = = → 5x + 20y = 400 . ( −2)
−1 − 3 1+ 3 ( 3 + 1)  ~
10x + 15y = 450
→ tg θ = 3 → θ = 60o −10x − 40y = − 800
~
10x + 15y = 450 +
3o) tg β = tg (180o – 60o) = tg (120o) = – 3 e β = 120o
–25y = – 350
70
2 1a parte: Coeficientes angulares de r e s. y= = 14 e x = 24
5
r: y = –2x + 16 → Mr = 2 e
s: y = –3x + 12 → Ms = –3 então B(12, 14)
Volume 2.B

Matemática IV
1 3 B
Área polígono = .| | onde
2 s

o
r

45
0 0
2
0 20
= –1110

o
= 24 14

45
45 0 2
0 0 γ α
1
1
1
Logo área = . |–1110| = 555 unid. área
2
2
1o) Ms = tg α = → Ms = 2
1
2o) θ = 45o →
o
1 60  Mr − Ms   Mr − 2 
(r): y = x + 1 → Mr = 1 e tg 45o =  1 + Mr . Ms  → 1 =  1 + 2Mr  →
   
(s): y = (–2 + 3 ) . x + 10 → Ms = (–2 + 3 ).
Daí: Mr − 2 Mr − 2
→ =1 ou = –1 →
1 + 2Mr 1 + 2Mr
1 − (−2 + 3) 3− 3
tg θ = = → → Mr – 2 = 1 + 2Mr ou Mr – 2 = – 1 – 2Mr 63
1 + 1. (−2 + 3) −1 + 3
1
→ Mr = –3 ou Mr =
3 . ( 3 − 1) 3
→ tg θ = →
( 3 − 1)
Pelo gráfico, acima concluímos que a inclinação de r(γ)
é um ângulo agudo, logo Mr = tg(γ) > 0, portanto
→ tg θ = 3 → θ = 60o
1
Mr = .
3
2 A) (r): y = –x + 2 → Mr = –1 e (s): x = 3 → Ms não existe.
1 A equação de r é da forma:
Então: tg θ = = 1 → θ = 45o e β = 135o.
−1 1
y= x+k
2 1 2
3
B) r: 2x – 3y + 1 = 0 → y = x+ → Mr = e e como (1, 2) ∈ r, temos que:
3 3 3
1 1 1 1 5
s: x + 2y – 4 = 0 → y = – x + 2 → Ms = – . 2= .1+k→k=2– →k= →
2 2 3 3 3
x 5
Daí: → (r): y = + → (r): 3y = x + 5
3 3
2 1 4+3
+
3 2 6 7 3 7
tg θ = = = . =
2  1 1 6 2 4 4 A
1+ . −  1−
3  2 3 1 1
(r): x = 3y + 7 → y = x – 7 → Mr =
7 3 3
θ = arctg   ∈ 1o quadrante (agudo) e e
4
7 1 1
β = 180o – arctg   ; β ∈ 2o quadrante (obtuso) (s): x = 13y + 9 → y = x – 9 → Mr =
4 13 13
1
C) r: y = 6x – 1 → Mr = 6 e s: y = – x+4→ Daí; a tangente do ângulo agudo é dada por:
6
Daí: r e s são perpendiculares pois Mr . Ms = –1, 13 − 3
1 1
logo θ = 90o = β. −
39
tg θ = 3 13 = 40 =
1
D) r e s são perpendiculares. 1+
y 39 39
x=6 θ = β = 90o
y=8
10 1
tg θ = = .
40 4
x
Logo cotgθ = 4
Volume 2.B
Matemática IV
Sendo r: ax + bx + c = 0, conclui-se que:
5 E
1 1 c −4
c a = 3, b = –2 e c = –4 por conseguinte = =2
Seja r: x + 2y + c = 0 → y = – x– → Mr = – b −2
2 2 2
A) Falso; pois sendo s: 2x + y + c = 0, o Ms = –2, e
Mr . Ms ≠ –1. As retas são concorrentes não (2x + 3y – 4) (x – 2y + 3)
perpendiculares. 8 ± =0
13 5
1
B) Falso; pois sendo s: 2x – 4y + c, o Ms = , portanto
2
Ms ≠ Mr.
r
1
C) Falso, pois sendo s: 3x + 6y + 2 = 0, o Ms = – e
2 P(x, y)
as retas são paralelas pois Mr = Ms.
D) Falso, para que a distância do ponto (–c, 1) à reta s
bissetriz
seja zero, o ponto (–c, 1) deverá pertencer à reta.
No entanto, substituindo-o na equação da reta r,
verifica-se que (–c, 1) ∉ r. d (p, r) = d (p, s)

Obs.: −c + 2 . 1 + −c ≠ 0 2x + 3y − 4 x − 2y + 3
E) Verdadeiro: = →
4+9 1+ 4
64 Sendo s: 3x + y + c = 0 → Ms = – 3. Daí:

1 5 2x + 3y − 4 (x − 2y + 3)
− +3 π → = →
2 2 13 5
tg θ = = =1→ θ= raio
3 5 4
1+ 2x + 3y − 4 (x − 2y + 3)
2 2 → =±. →
13 5
6 D (2x + 3y − 4) (x − 2y + 3)
→ ± =0
1o) Coeficiente angular de AB ( M AB ) 13 5
∆y 5−3 2
MAB = = = .
∆x 4 −1 3
9 A
r
o
2 ) Coeficiente angular de AC (MAC)
∆y 6−3 3 1
MAC = = =– .
∆x −1 − 1 2
Logo, as retas são perpendiculares pois MAB . MAC = – –2 0 (0,0)
1. O ângulo é 90o.

7 E
1a parte: Equação da reta r
x y
Seja s: + = 1 → 2x + 3y = 6 → x y
3 2
+ = 1 → x – 2y = –2 → x – 2y + 2 = 0
→ 3y = –2x + 6 → −2 1

2
→y=– x+2→ 2a parte: substituindo O(0, 0) na expressão:
3 f(x, y) = x – 2y + 2, temos:
2 f(0, 0) = 0 – 0 + 2 = 2 → f(0, 0) > 0
→ Ms = –
3
3 Então, a região do plano é a solução da inequação
Como r ⊥ s → Mr = . Daí a equação de r da forma:
2 x – 2y + 2 ≥ 0 → x ≥ 2y – 2
3
y= x+k 10 B
2
4
3
Se P (2, 1) ∈ r → 1 = . 2 + k → k = –2 → 3
2
3 O(0,0) 1 4
→ r: y = x – 2 → 2y = 3x – 4 →
2 r

→ 3x – 2y – 4 = 0. s
Volume 2.B

Matemática IV
1a parte: Equação de r ou
y 3o caso: x ≤ 0 e y ≤ 0
x
+ = 1 → 3x + 4y = 12 → 3x + 4y – 12 = 0 (r) –x –y ≤ 5 → x + y ≥ –5
4 3
x ≤ 0 e
2a parte: Equação de s. –5 
y ≤ 0
x y 
+ = 1 → 4x + y = 4 → 4x + y – 4 = 0 e
1 4 –5 x + y ≥ − 5

3a parte: Verificando O(0, 0) nas funções. 4o caso: x ≤ 0 e y ≥ 0
f(x, y) = 3x + 4y – 12 e f(x, y) = 4x + y – 4 –x + y ≤ 5
f(0, 0) = –12 < 0 e f(0, 0) = –4 < 0
Podemos concluir que: x ≤ 0 e
5 
y ≥ 0
A região triangular é o conjunto-solução do sistema: 
 e
4y + 3x ≥ 12 –5 − x + y ≤ 5


 y + 4x ≤ 4 A união das 4 regiões é a representação gráfica de
y ≥ 0
 |x| + |y| ≤ 5, isto é:

5
11 B 65
–5 5
x y

0 5 5
3 A B(2,3) –5
5 0 y=3

C 13 D
θ 2 5 1 a parte:
1a parte: Região 1 (R1)
y
4
x+y=5 y≤4
2a parte:
x
Ponto B é solução do sistema
x + y = 5
 →x+3=5→ x=2
y = 3 y
Região 2 (R2)
B(2, 3) x≤1
1
3a parte: x
(2 + 5) . 3 21
Área (θABC) = (trapézio) = = 10,5
2 2

12 C y
|x| + |y| ≤ 5 Região 3 (R3) (1, 2)
1o caso: x ≥ 0 e y ≥ 0 Y + 2x ≥ 0
2
x+y≤5
1
y x
5 x ≥ 0 e
 Cálculo auxiliar –2
y ≥ 0 e
5
x + y ≤ 5 (1, 2) ∈ R3, pois
x  2 + 2 ≥ 0 → 4 ≥ 0 (ok!)

ou parte: R1 ∩ R2 ∩ R3
2a parte
2o caso: x ≥ 0 e y ≤ 0 y
x + (–y) ≤ 5 → C 4 A
x–y≤5

y
5 x ≥ 0 e 1
6
x  xc = –2
y ≤ 0 e x
x − y ≤ 5
–5  –2
B
Volume 2.B
Matemática IV
Fazendo a interseção das 3 regiões obtemos um triângulo Região 2 (R2)
em A de vértices C e B como mostra a figura acima.
y
O vértice C (xc, 4) pertence a reta y + 2x = 0, então: (1, –1) ∈ R2, pois 1 – (–1) ≥ 0;
1 2 ≥ 0 (ok!)
4 + 2xc = 0 ∴ Xc = –2
1
x
A área do triângulo ABC será: –1
AC . AB 3.6
AABC = = =9
2 2

14 E y Fazendo a interseção das regiões, temos a solução


1a parte:
5 gráfica do 1o caso.
Região 1 (R1)
5x + 2y ≤ 30 y
6
Cálculo auxiliar x
(0, 0) ∈ R1 pois
5 (0) + 2 . (0) ≤ 30 → x
→ 0 ≤ 30

Região 2 (R2) y
66 x≥0
caso: R1: (x + y) ≥ 0 e R2: x – y ≤ 0
2 o caso
x Região 1
y
y (1, 1) ∈ R2 pois 1 + 1 ≥ 0
Região 3 (R3)
0≤y≤5 1

0 x 1
x
–1
2a parte: R1 ∩ R2 ∩ R3 y
1o) Ponto D (Xd, 5) ∈ reta
Região 2
15
r: 5x + 2y = 30
Daí: y (1, 2) ∈ R2 pois 1 – 2 ≤ 0
5 . XD + 10 = 30 5A D 2
5XD = 20
B C 1
XD = 4 0 4 6 x
1
x

2o) a representação gráfica é um trapézio de área igual a:


Logo a representação gráfica do 2o caso será:
(BC + AD) . AB (6 + 4) . 5
AT = = = 25 y
2 2

15 E
(x + y) . (x – y) ≤ ↔ (x + y) ≤ 0 e (x – y) ≥ 0 ou x
(x + y) ≥ 0 e (x – y) ≤ 0, isto é, se os fatores
(x + y) e (x – y) tiverem sinais diferentes.

caso: R1: x + y ≤ 0 e R2: x – y ≥ 0


1o caso
Região 1 (R1) Sendo, assim a solução da inequação (x + y) . (x – y) ≤ 0
y
esta representada na letra (e) isto é:
(–1, 1) ∈ R1 pois –1 – 1 ≤ 0 →
y
→ –2 ≤ 0 (ok!)
–1 1
x

x
–1
Volume 2.B

Matemática IV
B) y
16 C 4
Considere as regiões:

R1 : y ≤ − x + 4 → (0, 0) ∈ R1 –5 1 7
 0 x
R2 : y ≤ x + 2 → (0, 0) ∈ R2 θ (centro)

R3 : y ≥ 2x − 4 → (0, 0) ∈ R3 –2
R : y ≥ 0
 4
R 5 : y ≥ 0

y (x = 0) r3
8
r2
3 P(1, 4)

4 B
 4 6
C(α, β) =  − 2 , 2  = (–2, 3)
4 I
2  
Condição:
–2 4 α2 + β2 – F > 0 → 4 + 9 – K > 0 → K < 13
2 x (y = 0) Resp.: K = 12
67
r1 5 A) (x – 3)2 + (y – 2)2 = 25
→ x2 – 6x + 9 + y2 – 4y + 4 – 25 = 0
–4 → x2 + y2 – 6x – 4y – 12 = 0

Construindo os gráfico das retas num só sistema, temos: B) x2 + (y – 1)2 = 7 → x2 + y2 – 2y + 1 – 7 = 0


r1: y = –x + 4 → x2 + y2 – 2y – 6 = 0
r2: y = x + 2
r3: y =2x – 4 C) (x + 2)2 + (y + 3)2 = 100
r4: y =0 → x2 + 4x + 4 + y2 + 6y + 9 – 100 = 0
r5: y =0 → x2 + y2 + 4x + 6y – 87 = 0

A região escura representa R1 ∩ R2 ∩ R3 ∩ R4 ∩ R5, logo D) x2 + y2 = 16 → x2 + y2 – 16 = 0


o ponto I , interseção das retas r1 e r2 é o ponto de
maior ordenada pertencente a região. Com efeito; 6 04
resolvendo o sistema abaixo encontramos I .
 8 −6 
y = − x + 4 C ,  = (4, –3) e r: 3x + 4y – 20 = 0
2 2 
 +
y = x + 2
 3 . 4 + 4 . ( −3) − 20 −20
2y = 6 → y = 3 e x = 1 → I (1, 3) d(C, r) = = =4
9 + 16 5

7 Secante

Capítulo 3 Raio = R 16 + 9 − (−20) = 45 = 3 5 .


Como d(C, r) < R → r é secante.

8 D
1a parte: C1: x2 + y2 – 2x – 2y = 0
Centro θ1(1, 1)

Raio = R1 = 12 + 12 − 0 = 2
1 A) (x – 2)2 + (y – 3)2 = 62 → (x – 2)2 + (y – 3)2 = 36 C2: x2 + y2 – 2x – 0y – 3 = 0
B) x2 + y2 = ( 5 )2 → x2 + y2 = 5 Centro θ2(1, 0)
Raio = R2 = 12 + 02 − (−3)
2 A) 3
R2 = 4 =2

–3 3
0 2a parte: d(01, 02) = (1 − 1)2 + (1 − 0)2 = 1

Como 2 – 2 < d(01, 02) < 2 + 2 → C1 e C2 são


–3
secantes.
Volume 2.B
Matemática IV
9 12
D
x2 + y2 – 8x + 6y + 29 = 0 →
→ (x2 – 8x + 16 2
... ) + (y + 6y + 9
... ) = –29 + 16 + 9

→ (x – 4)2 + (y + 3)2 = –4
A expressão não representa nenhum lugar geométrico.
D 13
Para que a reta seja tangente à circunferência é preciso Circunferência de equação x2 + y2 = 1.
que o sistema formado pelas suas equações tenha uma (x – 2)2 + (y – 0)2 + (x + 1)2 + (y – 0)2 = 5 →
única, e somente uma solução. → x2 – 4x + 4 + y2 + x2 + 2x + 1 + y2 = 5 →
 x2 + y2 = 20 → 2x2 + 2y2 – 2x = 0 → x2 + y2 – 1 = 0
 → x2 + y2 = 1
 y = 2x + K
A equação representa uma circunferência de centro
Daí: C(0, 0) e R = 1
(2x + K)2 + x2 = 20 → 4x2 + 4xK + K2 + x2 – 20 = 0
→ 5x2 + 4Kx + (K2 – 20) = 0. Então, a equação deverá
apresentar uma única raiz, ou 2 raízes iguais, isto é:
∆ = 0 → 16 K2 – 4 . 5 . (K2 – 20) = 0 →
→ 16K2 – 20K2 + 400 = 0 → K2 = 100 →  6 4
68 → K = ±10 1 C(α, β) =  2 , 2  = (3, 2) centro e raio

R= 9 + 4 − (−23) = 13 + 23 = 6
 2 4t 2
10 x = Resp.: P(3, –4)
 (1 + t 2 )2
Elevando ao quadrado, temos:  8
 y 2 = 1 − 2t + t
2 4

 ((1 + t ) )
22

Somando membro a membro temos: 2 C
4t 2 1 − 2t 2 + t 4 t2 + 2t 2 + 1
x2 + y2 = + = =
(1 + t 2 )2 ((1 + t 2 )2 ) (1 + t 2 )2 –3 3 9

(t 2 + 1)2 –4 P(3,– 4)
= (1 + t2 )2 = 1
2 A
Daí, a equação x2 + y2 = 1 representa uma circunferência 1a parte:
de centro na origem e raio r = 1.
11 M (7,–2) C N (5, 4)
B
As circunferências são tangentes se o sistema
O centro C da circunferência é ponto médio do segmento
 x2 + y 2 = 1 tiver uma única solução, isto
 2  7 + 5 −2 + 4 
 x + y + 4x − m = 0
2 MN . Então C  2 , 
2  = C(6, 1).
é, um único par ordenado.
O raio será igual a R = d(C, N) = (6 − 5)2 + (1 − 4)2
Resolvendo o sistema obtemos:
→R= 1+ 9 = 10
(m − 1)
1 + 4x – m = 0 → x = 2a parte: Equação de C1
4 (x – 6)2 + (y – 1)2 = 10 → x2 + y2 – 12x – 2y + 27 = 0.
Substituindo na 1a equação, temos:
(m − 1)2 (m − 1)2
+ y2 = 1 → y2 = 1 – . 3 A) C(1, 7) e R = 10
16 16
B) C(–4, –2) e R = 18 = 3 2
(m − 1)2
O sistema terá um único par ordenado se 1 – =0  1
16 C) C  0,  e R = 2
 3
(m − 1)2
→ = 1 → (m – 1)2 = 16 → D) C(0, 0) e R = 10
16
→ m – 1 = 4 ou m – 1 = –4 → E) C(2, –3) e R = 4 + 9 − (−3) = 16 = 4
→ m = 5 ou m = –3
Volume 2.B

Matemática IV
I) Da figura temos:
1  5
F) x2 + y2 + 4x – 5y + = 0 → C  −2,  e d(C, B) = d(C, A)
4  2
(2 − 1)2 + (y − 4)2 = (2 − 0)2 + (y − 1)2
25 1
R= 4+ − = 10 → R = 10 1 + y2 – 8y + 16 = 4 + y2 – 2y + 1
4 4 –6y = – 12 ∴ y = 2
G) x2 + (y – 5)2 = 16 → C(0, 5) e R = 4 Logo C(2, 2)
H) (x – 1)2 + (y + 4)2 = 64 → C(1, –4) e R = 8 II) A medida do raio é dada por:
I) x2 + y2 = 1 → C(0, 0) e R = 1
r = d(C, A) = (2 − 0)2 + (2 − 1)2 = 5
4 C III) A equação da circunferência é: (x – 2)2 + (y – 2)2 = 5
x2 + y2 – 4x + 10y + 29 = 0 →
→ (x2 – 4x + 4) + (y2 + 10y + 25) = –29 + 4 + 25
→ (x – 2)2 + (y + 5)2 = 0 → 8 I) x2 + y2 – 9 ≥ 0 representa um círculo de centro na
→ (2, –5) é o único ponto que satisfaz a equação. origem e raio 3.
II) x + y – 3 ≤ 0 é o semiplano que contém a origem,
5 B definido pela reta x + y – 3 = 0.
x2 + y2 = 1 tem centro C1(0, 0) III) A intersecção dos dois conjuntos é o segmento
e circular da figura:
 1 y
x2 + y2 – 2x – y – 1 = 0 tem centro C2 1,  3
 2
69
2
1 
Logo d (C1, C2) = (1 − 0)2 +  − 0  3
2 
x

1 5
(1 + 5
= 4 = 4 = 2

6 A(0, –8) Aseg. menor = Atriângulo – Ssetor.


A(0, –8) 3.3 1 18 − 3π
Aseg. menor = – π. 32 =
2 4 4
C(a, b) 18 − 9π 45π − 18
Aprocurada = π. 32 – =
4 4

B(6, 0) 9 A) 1a parte:
x2 + y2 + 6x – 8y = 0 e 2x2 + 2y2 – 8x + 28y – 22 = 0
x2 + y2 – 4x + 14y – 11 = 0
I) O ponto C(a, b) é o ponto médio de AB . Centro C1(–3, 4) e

0+6 −8 + 0 Raio = R1 = 9 + 16 − 0 = 5
Então: a = =3 e b= = –4
5 5 Centro C2(2, –7)
Logo C(3, 4) 4 + 49 + 11
Raio = R2 =
II) O raio é dado por:
R2 = 8
r = d AC = (3 − 0)2 + (−4 + 8)2 = 25 = 5
III) A equação da circunferência é: (x – 3) + (y + 4)2 = 25
2 2a parte: d(C1, C2) = ( −3 − 2)2 + ( 4 + 7 )2 =

25 + 121 = 146
Logo, como R2 – R1 < d (C1, C2) < R1 + R2
7 y
B As circunferências são secantes.
4

B) 1a parte:
2x2 + 2y2 + 10x – 6y + 9 = 0 e
C(2, y)
y x2 + y2 – 8x – 12y + 43 = 0
9
x2 + y2 + 5x – 3y + =0
A 2
0 1 2 x
 5 3
C1  − , 
 2 2
Volume 2.B
Matemática IV
Então: x = 0 → y = 0 → P1(0, 0)
25 9 9 e x = 8 → y = 6 → P2 (8, 6)
Raio = R1 = + − =2
4 4 2
C2(4, 6) e d(P1, P2) = 82 + 62 = 10.

Raio = R2 = 16 + 36 − 43
11 C
R2 = 9 =3 s
2a parte: r
2 2 P (2,– 3)
 5  3 169 81
d(C1, C2) =  4 +  +  6 −  = + = C
 2   2  4 4

250 52 . 10 5
1a parte:
= = = . 10
4 4 2 x2 + y2 – 6x + 10y + 29 = 0
Como d(C1, C2) > R2 + R1 C(3, –5)
As circunferências são exteriores . Coeficiente angular da reta r que passa pelos pontos C
e P(2, –3).
10 C
−3 + 5 2
70 P (x,y) Mr = 2 − 3 = = –2
B (4,3) −1
A (0,0)
A reta s, tangente à circunferência no ponto P(2, –3) é
1a parte: Equação da reta r.
perpendicular à r, então:
y−3 3−0 3 1
x − 4 = 4 − 0 → 4y – 12 = 3x – 12 → y = 4 x Ms =
2

5 2 Daí, sua equação será:


C (1,7) y +3 1
x − 2 = 2 → x – 2 = 2y + 6 → x – 2y – 8 = 0

2a parte: Equação da circunferência


12 A circunferência x2 + y 2 = 5 tem centro c’(0, 0) e
(x – 1)2 + (y – 7)2 = (5 2 )2 → raio r = 5 . Sendo t a reta AB tracemos, por c’, a
→ x2 – 2x + 1 + y2 – 14y + 49 = 50 →
reta r | t, determinando o ponto c na circunferência.
→ x2 + y2 – 2x – 14y = 0

3a parte: Se r é secante, os pontos P1 e P2 são as 4 r


soluções do sistema: B
3

P2 r
C
P1

C' 2 5 x

 3
y = 4 x

 x2 + y 2 − 2x − 14y = 0

O ponto c é o ponto da circunferência que está mais
9 2 3
x2 + x – 2x – 14 . x=0→ próximo de AB e por isso, torna a área do ∆ABC a
16 4
menor possível.
25 2 50 Se r ⊥ t, então mr . mt = –1.
→ x – x=0→
16 4
 ∆t 3−4 1
 mas mt = = = − , logo mr = 2
25 x   ∆ x 2 − 0 2
→ x .  − 2 = 0 →
4 4  Assim, temos que:
(r)y = mx + n (mas mr = 2)
x
→ x = 0 ou –2=0→ x=8 y = 2x + n passa por c’ (0, 0)
4 0 = 2 . 0 = n ∴ n = 0, daí y = 2x
Volume 2.B

Matemática IV
A abcissa de C é obtida calculando o valor de x no Se a circunferência é tangente aos dois semi-eixos
sistema: negativos, devemos ter x = y.
2x – y + 3 = 0 → x2 – x + 3 = 0 ∴ x + 3 = 0 ∴
 y = 2x
 2 ⇒ x2 + (2x)2 = 5 ∴ x = ± 1
x + y = 5
2
∴ x = –3
Como C está no 1o quadrante, sua abscissa é x = 1 Se x = y, temos C(–3, –3).
(λ') (r)
13 (s) 4x + 3y + 13 = 0 y
–3
(λ) x2 + y2 – 8x – 4y + 4 = 0 x
C(4, 2)
A = –8 –2a = –8 : a = 4
c(4, 2)
B = –4 –2b = –4 : b = 2
C=4 a2 + b2 – r2 = 4
42 + 22 – r2 = 4 ∴ r = 4 C –3

Veja que o centro da circunferênciaa λ’ é o ponto


c(4, 2) e o raio é a distância do ponto c(4, 2) à reta
(s) 4x + 3y + 13 = 0. Portanto a equação da circunferência é
| 4(4) + 3(2) + 13 | 35 (x + 3)2 + (y + 3)2 = 9
R= ∴R= =7
4 +3
2 2
5
71
Logo (λ’) (x – 4)2 + (y – 2)2 = 49
16 Observando a figura, temos que o raio da circunferência
é 4 e o centro é (0, 0)
14 Os pontos de intersecção da reta com a circunferência A equação reduzida da circunferência é x2 + y2 = 16
 x − y = 0 → y = y a 2 a
serão dados pelo sistema  –cos45o = ∴– = ∴ a = –2 2
(x + 1) + (y − 1) = 9
2 2 4 4
2
(x + 1)2 + (x – 1)2 = 9 b 2 b
sen45o = ∴ = ∴ b = –2 2
4 2 4
x2 + 2x + 1 + x2 – 2x + 1 = 9

7 14 Portanto p(–2 2 , 2 2 ).
2x2 = 7 ∴ x = ± ∴ x=±
2 2 Equação da reta tangente t: m pc = tg 135o = –1
 14 14  Como t é perpendicular a PC , temos: mt . m pc = –1,
Como x = y, os pontos de intersecção são P  , 
 2 2  então mt = 1.

 14 14 
e P’  − 2 , − 2  P b
 

2 2
 14 14   14 14  45o
DP, P’ =  +   +  = 28 = a x
 2 2   2 2 

= 2 7

A equação de t é: y = mx + n (mas mt = 1)
15 A distância da reta (r) de equação ax – y + 3 = 0 à y = x + n passa por p(–2 2 , 2 2 )
3 5
origem 0(0 ,0) é . 2 2 = –2 2 + n ∴ n = 4 2
2
| a . 0 − 0 + 3| 3 5 | 3| daí: (t) y = x + 4 2
Logo: d(0, r) = = = =
a2 + (−1)2 5 a2 + 1
y
3 5 5 1 5 1 17 E
= ∴ = ∴ = 2 ∴
5 5 a2 + 1 25 a +1 10
x
∴ a2 = 4 ∴ a = ± 2 R
–6 c
Como a reta (r) forma um ângulo agudo com o eixo x,
temos somente a solução a = 2. Daí, a reta (r) tem
equação (r) 2x – y + 3 = 0.
Volume 2.B
Matemática IV
1a parte: Pelo esboço acima, conclui-se que o raio
mede 10. Logo a circunferência tem equação: 20 –8 < k < 8
(x – 10)2 + (y + 6) = 102 A reta será secante à circunferência se o sistema

2a parte: Os pontos de interseção com o eixo das x tem  x − y + k = 0


 2
 x + y = 32
2
ordenada nula, então:
y = 0 → (x – 10)2 + (0 + 6)2 = 100 → tiver 2 pares ordenados satisfazendo-o.
→ (x – 10)2 = 64 → x – 10 = 8 ou
x – 10 = –8 → x = 18 ou x = 2 Resolvendo o sistema, temos:

18 C  y = (x + k)
 2
 x + y = 32
2
A B
x
2
h
2 Substituindo y = x + k na 2a equação,
x2 + (x + k)2 = 32
O(1, 2) x2 + x2 + 2kx + k2 – 32 = 0
2x2 + 2kx + k2 – 32 = 0

A equação na variável x tem duas raízes reais e distintas se:


∆ > 0 → 4k2 – 8(k2 – 32) > 0 →
y = –x + 1 → x + y – 1 = 0 → 4k2 – 8k2 + 256 > 0 →
72
→ 4k2 < 256 →

1a parte: Altura H do triângulo → k2 < 65 → k 2 < 64 →


→ |k| < 8 → –8 < k < 8
1+ 2 −1 2
H = d (90, r) = →H= → H= 2
1+ 1 2 21 B
x2 + y2 + 4x – 6y + k = 0

2a parte: ∆ AOB é isósceles Centro


Centro: C (– 2, 3)
O
22 = H2 + x2 → 4 = 2 + x2 Raio
Raio: R = 4+9−k = 13 − k
2 2
H → x= 2 → AB = 2 2
A equação representará uma circunferência se
A x x B 13 – k > 0 → k < 13 . Logo k = 12 é o maior inteiro que
satisfaz o problema.
AB . H 2 2. 2
3a parte: Área ∆ AOB = = =2
2 2 22 8
, 4)
P (4 r: y = x

 –1 + 89   –1 – 89 
19  2
, 6 e 
  2
, 6
 R
    s: y = 3x
O (x, 3x)
 x 2 + y 2 + x + y = 62
 +
 2
− x − y − x + y = − 50
2

2y = 12 → y = 6 r: x – y = 0

1o) d (o, r) = d (o, p)


Substituindo y = 6 na 1a equação:
x2 + 36 + x + 6 = 62 → x − 3x (x − 4)2 + (3x − 4)2 →
→ x2 + x – 22 = 0 =
1+ 1
−1 ± 89
x= .
→ | 2 . x| = (x − 4) + (3x − 4) →
2 2
2
→ 2 . x2 = (x – 4)2 + (3x – 4)2 →
Cálculo Auxiliar → 2x2 = x2 – 8x + 16 + 9x2 – 24x + 16 →
∆ = 1 + 88 = 89 → 8x2 – 32x + 32 = 0 →
→ x2 – 4x + 4 = 0 → x = 2 → θ (2, 6)

 –1 + 89   –1 − 89  2o) R = d (O, p) = (2 − 4)2 + (6 − 4)2


Soluções:  , 6 e 
 , 6 .
2  2  4 + 4 → R2 = 8
    R=
Volume 2.B

Matemática IV
1o) Circunferência
23 D x2 + y2 – 2x – 2y = 0
Região 1 Região 2
de centro O (1, 1) e Raio = R = 12 + 12 − 0

y (x = 0) R= 2
3
1 2o) Num triângulo equilátero o centro “O” é baricentro,
C (1, 0)
então:
1
–2 x (y = 0) R
OA = R e OH = . Daí:
2

R 1 ∩ R2 R
AB = R +
3R 3 2
= = .
2 2 2
y
3o) No triângulo retângulo AHC, temos:

3 2
45o AH 3
sen 60o = → = 2 →
C
0 1 x 1 2 1

3 3 2 3 2
→ = →l= →
2 2L 3 73
→l= 6
R1 ∩ R2 é um setor circular de 45o com raio igual a 3. 4o) Área do triângulo
Então:
12 . 3 ( 6)2 . 3 6 3 3 3
45 A= →A= = = →
Asetor = . (π . 32) 4 4 4 4
360
4 .9 .3
1 9π → 4 . A2 = = 27
Asetor = . 9π = 4
8 8

24 4 26 3
) y = ax + b
B(0, 3) ,2
T(2
R A(0, –3)
R
x2 + y2 = 8
R O(a, b)
θ(0, 0)
C(9, 0)

s
Seja O (a, b) o centro e R o raio da circunferência.
I) d2 (O, A) = d2 (O, B) →
1o) T (2, 2) ∈ reta → 2 = 2a + b →
2
→ a2 + (b + 3) = a + (b – 3)2 → → b = 2 – 2a

→ b2 + 6b + 9 = b2 – 6b + 9 2o) Circunferência de centros O (0, 0) e raio 8 .


3o) Seja s a reta que passa por θ e T. O coeficiente
→ 12b = 0 → b = 0
2−0
angular de s é igual a: Ms = = 1. Logo o
II) d2 (O, A) = d2 (O, C) → 2−0
a2 + (b + 3) = (a – 9)2 + b2 →
coeficiente angular de r, é –1, pois Ms . Mr = –1.
2 2
→ a + (0 + 3) = a – 18a + 81 + 02 Daí: a = –1
→ 9 = –18a + 81 → 18a = 72 → a = 4 o
4 ) Substituindo a = –1, obtemos:
Então: a + b = 4 + 0 = 4 b = 2 – 2 (–1) → b = 4 →
→ a + b = –1 + 4 = 3
25 27 A
27 11
 R  1o) Se θ (0, 0) ∈ circunferencia →
R O(1,1) → 02 + 02 + A . 0 + B . 0 + C = 0 → C = 0
2 60o o
B H C(0, 0) 2 ) Reta: 5x + 3y + 15 = 0 (Interseções com os eixos)
 x = 0 → y = –5 → D (0, –5)
Volume 2.B
Matemática IV
e y = 0 → x = –3 → E (–3, 0)
3o) Sendo D (0, –5) e E (–3, 0) pontos da circunferência, 30 C
então:
o2 + 25 + A . O –5B = 0 → 25 – 5B = 0 → B = 5 5
B(2, 5) C

e 9 + 02 – 3A + 0 = 0 → 9 – 3A = 0 → A = 3
2A + B + C = 2 . 3 + 5 + 0 = 11
θ
28 C
6 B 1
A 6 M A D(6, 1)
R
1 2 6
C(–5, 8)
Sendo “θ” o centro da circunferência inscrita, o centro
θ o ponto médio da diagonal BD . Se θ (Xo, Yo) então

1o) x2 + y2 + 10x – 16y – 11 = 0 XB + XD 2+6


Xo = = =4
2 2
Centro C (–5, 8) e R = 25 + 64 + 11 = 10
YB + YD 5 +1
2o) Seja M (XM, YM) as coordenadas do ponto médio Yo = = =3
da corda AB. Pelo teorema de Pitágoras aplicado 2 2
no triângulo BMC, temos: A medida do raio R é igual a:
74
R2 = 62 + d2 (c, M ) →
d (B, D) (6 − 2)2 + (1 − 5)2 16 + 16
→ 100 = 36 + (XM + 5)2 + (YM – 8)2 → R= = = →
→ (XM + 5)2 + (YM – 8)2 = 64. 2 2 2
O lugar que contém todos os pontos médios é uma
→ R = 2 2 e a circunferência tem equação:
circunferência de centro C (–5, 8) e raio 8, cuja
equação geral é: (x – 4)2 + (y – 3)2 = (2 2 )2 →
XM + 10XM + 25 + YM – 16YM + 64 = 64 →
2 2 → x2 – 8x + 16 + y2 – 6y + 9 = 8 →
→ x2 + y2 – 8x – 6y + 17 = 0
→ XM2 + YM2 + 10XM – 16YM + 25 = 0

29 D 31 C
o
1 ) Interseções da reta 2x + y – 4 = 0 com os eixos 1a parte:
coordenados. x−2
x = 2 + 2cos θ → cos θ = e
x = 0 → 0 + y – 4 = 0 → y = 4 → A (0, 4) 2
e y
y = 2 sen θ → sen θ =
y = 0 → 2x + 0 – 4 = 0 → x = 2 → B (2, 0) 2
2o) Se o segmento AB é diâmetro da circunferência, x −2 y
então o centro “O” tem coordenadas: onde –1 ≤ ≤ 1 e –1 ≤ ≤1→
2 2
→ –2 ≤ x – 2 ≤ 2 e –2 ≤ y ≤ 2 →
→ 0 ≤ x ≤ 4 e –2 ≤ y ≤ 2

2a parte: Sen2 θ + Cos2 θ = 1


A R R B
O y2 (x − 2)2
+ =1→
2 4
→ (x – 2)2 + y2 = 4
A equação representa uma circunferência de centro C
(2, 0) e raio igual a 2.
X A + XB 0+2
Xo = = =1e 32 A) Sendo r e s as retas que contêm os catetos
2 2 AB e

YA + YB 4+0 BC do triângulo retângulo ABC, veja que r s,


Yo = = = 2. logo: mr . ms = –1
2 2 B) Note que a circunferência circunscrita a um triângulo
retângulo tem centro P no ponto médio da hipotenusa,
d (A, B) (2 − 0)2 + (0 − 4)2 4 + 16
3o) R = = = → e o raio é a metade desta:
2 2 2 B(0, 2)

R= 5
Então; a equação da circunferência é:
(x – 1)2 + (y – 2)2 = ( 5 )2 →
→ (x – 1)2 + (y – 2)2 = 5. (r) C(c, 0) A(1, 0) (s)
Volume 2.B

Matemática IV
Área do ∆ADE, onde A(2, 2), E(3, 0) e D(6, 0)
  −4 + 1 0 + 0   3 
P 
  2
,  ∴ P − , 0 (Base ) . ( Altura) 3.2
2   2  ∆ADE = = =3
 2 2
 1 − (−4) 5
r = 2
=
2
2 E
Dados: r: 2 3 . x –2y –1 = 0 e
Daí, a equação da circunferência é:
B(0, 2) s: 2 3 . x – 6y – 3 = 0
 3 25
x + 2 + y = 2
2
  r

Bissetriz
C(–4, 0) A(1, 0) P(x,y)
P
s

Seja P(x, y) um ponto qualquer da bissetriz d(P, r) = d(P,

2 3x − 2y − 1 2 3x − 6y − 3
s) → 12 + 4 = 12 + 36 →

2 3x − 2y − 1 2 3x − 6y − 3
→ = → 75
1 B 4 4 3
t
s
|6x –2 3 y – 3 | = |2 3 x – 6y – 3|. Então
A(2,2)
i) 6x –2 3 y – 3 = 2 3 x – 6y – 3
2 . (3 – 3 ) . x + 2 . (3 – 3 ) . y + (3 – 3) = 0
B(0,3) ÷ (3 – 3 ) → 2x + 2y + 1 = 0 ou

Dados: ii) 6x –2 3 y – 3 = – 2 3 x + 6y + 3
Ms . Mt = 1
2 . (3 + 3 ) . x – 2 . (3 + 3 ) . y – (3 + 3) = 0
∆y 2−3 1
1a parte: Ms = = 2−0 =– . ÷ (3 + 3)
∆x 2
2x – 2y – 1 = 0
Ms . Mt = 1 → Mt = –2

2a parte: Equação da reta t e reta s. 3 E x2 + y2 = 4 =22


Sendo P(x, y) um ponto qualquer de t e A(2, 2) ∈ t, Raio = 2
temos que:
R 2
y−2
x − 2 = –2 → y – 2 = –2x + 4 → y = –2x + 6 (reta t)
C1(– 4, 3) C2(0,0)

Sendo Q(x, y) ∈ s e (2, 2) ∈ s, temos:


y −2 1
( −4 − 0 ) + (3 − 0 )
2 2
=– → –x + 2 = 2y – 4 → x + 2y –6 → 1a parte: d(C1, C2) = =
x −2 2
1
→ y=– x+3 16 + 9 = 5 → R = 3. Daí a equação da circunferência
2
de centro C1(–4, 3) e Raio = 3, será:
(x + 4)2 + (y – 3)2 = 32 →
3a parte:
t → x2 + 8x + 16 + y2 – 6y + 9 – 9 = 0
→ x2 + y2 + 8x – 6y + 16 = 0

6 C
s
4 y

B
3
A(2,2)
2
R=2
E D(6,0)
0 23 6 x C (2,– 4)
Volume 2.B
Matemática IV
(x – 2)2 + (y + 4)2 = 22 → Logo α = 60o é o ângulo pedido.
x2 – 4x + 4 + y2 + 8y + 16 = 4 → 3
Sen α = sen(60o) =
→ x2 + y2 – 4x + 8y + 16 = 0 2

7 Centro C(1, 0) e Raio = 2


5 B
1a parte:
2 E
P (7,8)
C (1,0)
A (– 4,0) C B (0, 8)

 −4 + 0 0 + 8 
Centro C  2 , 2  = (–2, 4)
 
d(P, E) = d(P, C) – 2 = ( 7 − 1)2 + (8 − 0 )2 –2

Coeficiente angular da reta r que passa por A e B = 36 + 64 –2


8−0 8 = 10 –2
Mr = 0 + 4 = =2 =8
4

Coeficiente angular da reta s que passa por C(–2, 4) e  x2 + y2 ≤ 9


é perpendicular à r. 
8 x y
1 y −4 1  + ≥1
76 Ms = – . Logo a equação de s será x + 2 = – → 3 3
2 2
→ – x – 2 = 2y – 8 →
3
→ x + 2y – 6 = 0 (reta s)
–3 3
2a parte: Intersecção de s com o eixo dos x. (0,0)
Faça
–3
y = 0 → x + 2 . (0) – 6 = 0 → x = 6 → P(6, 0). Então

d(P, B) = ( 6 − 0 )2 + ( 0 − 8)2 = 36 + 64 = 10
Aescura =
1
π . 32 –
3.3
4 2
9π 9 9
 y = mx (m > 0) = – = . (π – 2).
6  4 2 4
( x − 4) + y = 4
2 2

Substituindo y = mx, na segunda equação: 9 2 2


(x2 – 8x + 16) + m2x2 – 4 = 0 →
(1 + m2) . x2 – 8x + 12 = 0. P(1, 2)
r: x + y + 1 = 0
Para que a reta seja tangente é necessário que a equação d(P, r)
(1 + m2) x2 – 8x + 12 = 0 tenha raízes iguais, isto é:
∆ = 0 → 64 – 48 . (1 + m2) = 0 →
→ 64 – 48 – 48 m2 = 0 →
→ 48 m2 = 16 →
1 3
→ m2 = →m=+ (m > 0) 1+ 2 + 1 4
3 3 d(p,r) = =
1 +1
2 2
2
3 3
Daí, a reta tem equação y = x → Mr = = tgθ ⇒ 4 2
3 3 d(p,r) = = 2 2
θ = 30o 2

3 10 D
reta y = x
3 r: y = 3x → 3x – y = 0

P0
α
θ d

Q (3, 3)
Volume 2.B

Matemática IV
−3
3. 3−3+ 0 6 y= .x+b
d= = 2
32 + 1(−1)2 10
−3
Como P(4, 2) ∈ reta M → 2 = .4+b→b=8
2
6 10 3 10
d= =
10 5 −3
y= .x+8
2
3 10 . 10 3 x 10
Logo d 10 = = =6 B) L: y = 2x + 1
5 5 3 3
N
11 C
| x |; se − 1 ≤ x ≤ 1 P(4, 2)
1a) Parte: gráfico de ƒ(x) = 1; se x < −1 ou x > 1


y 2
N//L → mL = = mN
3
1 2
y= .x+b→
3
2 77
→2= . 4 + b → b = –4
–1 (0, 0) 1 x 3
2
Então y = x–4
3
2a) Parte: região limitada pelo eixo dos x, pelas retas
x = –2; x = 2 e pelo gráfico de ƒ.

x = –2 x=2

1 C B

9
1 7

2 A 2
–2 –1 0 1
(r) 2x – 3y + 6 = 0 → 3y = 2x + 6 → y = x+2
3
−1 4
Área = 2 . Área do trapézio ABCO (s) x + 3y – 4 = 0 → 3y = –x + 4 → y = x+
3 3
 (1+ 2) . 1 Coeficiente angular de r e s são
Área = 2 .   = 3.
 2  2 −1
Mr = e Ms = . Então:
3 3
12 A) 1o) reta L: 2x – 3y +1 = 0 → 3y = 2x + 1 →
2 1 2 1
→y= +
x+ Mr − Ms 3 3
3 3 tg θ = =
1 + Mr . Ms  2   −1
Coeficiente angular de reta L. 1+   .  
3  3 
2
mL =
3
2a) Equação da reta M, onde M ⊥ L 1 1 9
tg θ = = =
2 7 7
M
1−
9 9

P(4, 2)
2 E

r : 2x + y ≤ 6

s : x ≤ 2
−3 
mm .
2
= –1 → mm = t : 0 ≤ x
3 2 m : 0 ≤ y

Volume 2.B
Matemática IV
Regiões do Plano Se x = 2 na equação 2x + y = 6 obtemos
1o) 2x + y ≤ 6 y = 6 – 2 . (2) → y = 2 → A(2,2).
Daí, a área do trapézio retângulo ABOD é igual a:

2x + y = 6 (2 + 6).2
AABOD = = 8 u.a.
2
6
x y

0 6
3 4
R1 = {(x, y) ∈ R2/4x + 5y – 16 ≤ 0}
3
R2 = {(x, y) ∈ R2/4x – 3y ≥ 0}
3 0 R3 = {(x, y) ∈ R2/y ≥ 0}

Verificando se (0, 0) satisfaz a inequação.


r y
2x + y < 6
2(0) + 0 < 6 s
0 < 6 (satisfaz)
16
2)x≤2
a 5 A
y x=2 2 ( ,2 )
B
O 4 x
78
0 2 x

Na região temos todos os pontos (x, y) com x ≤ 2.


1a parte: 4x + 5y – 16 = 0 (reta r)
3a) x ≥ 0
y x y

0 16
5

4 0

0 x
2a parte: Verificação: 4x + 5y – 16 ≤ 0
O(0, 0) → 0 + 0 – 16 ≤ 0 (ok!)

3a parte: 4x – 3y = 0 (reta s)
4a) y y≥0

0 0

4
1
3
0 x
4a parte: Verificação: 4x – 3y ≥ 0
(4, 0) → 4 . 4 – 3 . (0) ≥ 0 →
16 ≥ 0 (ok!)

5a parte: O ponto A é solução do sistema:


Fazendo a intersecção dos 4 regiões obtemos a figura
abaixo:  4x + 5y = 16  4x + 5y = 16
 ~ 
 4x − 3y = 0 . ( −1) − 4x + 3y = 0
x=2
6
D 8y = 16
3
y=2 e x=
2 A 2
2 3 
0 2 B3 x A  , 2  . Então
2 
4.2
Área ∆OAB = =4
2
Volume 2.B

Matemática IV
4 D 1 0
Centros: C1(4, 5) e C2(–6, 1)
–1 2
K = d(C1, C2) = (4 + 6)2 + (5 − 1)2 ∆= = 2 – 2 – 2 – 2 = –4
1 2
= 100 + 16 = 116 1 0
= 2 29
1
Área ∆ AOB = . |–4| = 2 unid. área.
5 B 2
1a parte:
Centro C(x, 0). Se a circunferência passa pelos pontos 7 Circunferência
A(3, 5) e B(–3, 7) então:
d(C, A) = d(C, B) →
C (2, 4)
→ (x − 3)2 + (0 − 5)2 = (x − 3)2 + 49 →
R=4
→ x2 – 6x + 9 + 25 = x2 + 6x + 9 + 49 →
→ 12x = –24 → x = –2 → x
→ C (–2, 0) (x – 2)2 + (y – 4)2 = 42.

2a parte: Raio R = d (C, A) 8 D


1a Parte:
R= (–2 − 3)2 + (0 − 5)2 = 50 Circunfência
x2 + y2 + 2x – 4y = 0
79
R= 5 2
I) Centro
Logo a equação da circunferência será:  A B  2 (−4) 
(x +2)2 + y2 = 50 → x2 + y2 + 4x + 0y – 46 = 0 C  − 2 , − 2  =  − 2 ,− 2 
   
Daí
K1 = 4, K2 = 0 e K3 = –46 → C (–1, 2)
→ K1 + K2 + K3 = –42
II) Raio:
6 C R= (−1)2 + 22 − 0
1a parte: Circunferência (equação)
(x – 1)2 + (y – 2)2 = 22 → x2 – 2x + 1 + y2 – 4y + 4 = 4 R= 5

→ x2 + y2 – 2x – 4y + 1 = 0 2a Parte:
Cálculo auxiliar
120o 120o
2a parte: Resolvendo o sistema
 
 y = − x + 1
 2 2
R R
 x + y − 2x − 4y + 1 = 0 30o
 
2 2
Obtemos A e B.
120o
x2 + (–x + 1)2 – 2x – 4 . (–x + 1) + 1 = 0 1
→ x2 x2
+ – 2x + 1 – 2x + 4x –4 + 1 = 0 cos30o = 2
→ 2x2 – 2 = 0 → x = ± 1. R

3 1
Daí, = →l=R 3
x = 1 → y = –1 + 1 = 0 → A (1, 0) e 2 2R
x = –1 → y = 1 + 1 = 2 → B(–1, 2) Então: l = 5 . 3 →l= 15

1 9 C
3a parte: Área do ∆AOB = . |∆|;
2 1a Parte: Circunferência
A (1,0) x2 + (y – 1)2 = 1 → centro C (0,1) e raio R = 1

2a Parte:

d A R
P (3, 1) C (0, 1)
A (1, 2) B (–1, 2)
Volume 2.B
Matemática IV
d = d (P,C) – R
d= (3 − 0)2 + (1− 1)2 – 1

d= 9+0 – 1 = 3 – 1 = 2

10 A
1a Parte: x2 + y2 = 25
Circunferência de centro (0, 0) e R = 25 = 5

2a Parte: Distância do centro C(0, 0) à reta:


r: 3x + 4y – 25 = 0

3 . 0 + 4 − 25 −25
d(C, r) =
9 + 16
= 5 = 5. Como d(C, r) == raio = R → a reta r é tangente à circunferência.

80 C

Anotações
Volume 2.B

Matemática V
COLEÇÃO PRÉ-UNIVERSITÁRIO

Professor(a): _____________________________________

Escola: ___________________________________________________

Data: _____/_____/_____

Críticas e Sugestões
__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________
Volume 2.B

Matemática V
Resolução de Exercícios
Volume 2.B

Exclusivo da apostila do professor


professor,, este guia
apresenta a resolução dos exercícios

SUMÁRIO
Capítulo 3: Polinômios (Continuação) ............................................................................... 81
Tópico C: Polinômios: Divisão por Binômios do 1o Grau - Método de Briot-Ruffini
Tópico D: Teoremas
Capítulo 4: Polinômios (Parte II) ....................................................................................... 84
Tópico A: Equações Algébricas 81
Tópico B: Pesquisa de Raízes Reais
Tópico C: Transformação de uma equação algébrica (Multiplicativa, Aditiva e Recíproca)
Tópico D: Equações Recíprocas
Questões de Aprofundamento ......................................................................................... 90
Exercícios de Revisão ................................................................................................... 92

Capítulo 3
Polinômios (Continuação)

–28 + 2m + p = 0
1 A
–28 + 2(16) = –p
P(x) B(x)
p = –4
R a(x) • m+p+n=
16 – 4 – 7 = 5
B(x) = 0
3 C
x=3 x+1=0
x=–1
P(x) = x4 + 0x3 – 5x2 + 0x + 5 f(–1) = resto
f(–1) = 4(–1)9 + 7(–1)6 + 4(–1)3 + 3
=–4+7–4+3=2

4 D
Resto = f (– a) = (– a)n + an = 2 . an; pois n é par.

Q(x) = x3 + 3x2 + 4x + 12 5 D
Resto = 41 P(–2) = 0 → – 8 + 16 + 2p + 6 = 0 → p = – 7

2 A 6 C
P(x) x–2 P(– 2) = 0 → 2 . (– 8) + 2h + k = 0 → 2h + k = 16
(0) Q(x) e
P(1) = 0 → 2 – h + k = 0 → – h + k = – 2
Volume 2.B
Matemática V
2h + k = 16 3
 D) raiz =
2
h – k = 2
3h = 18 → h = 6 e k = 4 . Logo |h – 3k| = 6

7 C

p(x) x – 1
p(1) = 3
3 q(x)
p(x) x + 1 2
p(–1) = 1
1 s(x)

p(x) (x – 1) (x + 1)
t(x)
b=4
→ P(x) = (x – 1)(x + 1) . t(x) + R(x)
4a + (–2) = 2 2a + 5 = c
a=1 c=7 e
R(x) é no máximo do 1º grau, então supondo que
82 R(x) = ax + b, tem-se que:
P(x) = (x – 1)(x + 1) . t(x) + ax + b a+d=8
Daí: 7+d=8
d=1
P(1) = 0 →  a + b = 3
 a + b + c + d = 1 + 4 + 7 + 1 = 13
P(–1) = 0 →  – a + b = 1

2b = 4 3 C
b=2ea=1 p(x) = x6
Logo
R(x) = x + 2 onde a soma dos seus coeficientes é igual x6 x+1
a 3.
–x – x
6 5
x5 – x4 + x3 – x2 + x – 1
– x5
+x5 + x4
x4
– x4 – x3
1 A) raiz = 3 – x3
+ x3 + x2
x2
– x2 – x
–x
+x+1
(1)
B) raiz = –2
x5 – x4 + x3 – x2 + x – 1 x+1
–x5 – x4 x4 – 2x3 + 3x2 – 4x + 5
– 2x4 + x3 – x2 + x – 1
2x4 + 2x3
3x3 – x2 + x – 1
1 – 3x3 – 3x2
C) raiz = – – 4x2 + x – 1
3
+ 4x2 + 4x
5x – 1
– 5x – 5
– 6 = R2

4 B
f(x) x2 – 3x + 1
2x + 1 x+1
Volume 2.B

Matemática V
2º P(x) é divisível por (x – 5) → P(5) = 0 →
f(x) = (x + 1).(x2 – 3x + 1) + 2x + 1 → 625 – 500 + 25m + 20 + n = 0 → 25m + n = –145

1
Pelo Teorema do Resto, temos que:
R = f(–1) = (–1+1) . (1 + 3 + 1) + 2(–1) + 1

= –2 + 1 = –1
0
Resolvendo o sistema:
m + n = – 1

25m + n = – 145
 –m – n = 1
5 C 
25m + n = – 145
p(1) = 4 → 1 + a – 1 + a = 4 → a = 2
24m = –144 → m = –6 e n = 5
6 Soma dos coeficientes é P(1)
S = P(1) = (1 + 3 + 4)5 . (1 + 2 + 3)6 = 13 B
= 85 . 66 = (23)5 . 26 . 36 = 221 . 36
p(x) x – 1
p(1) = 2
2S = 2 . 2 .3
21 6
= 2
22
.3
6
= 211 . 33 2 Q(x)
p(x) x – 2
p(2) = 1
7 E 1 s(x)
3 2 –5 0 –10 –1 p(x) (x – 1) (x – 2)
p(x) = (x – 1) (x – 2) . T(x) + ax + b
. + T(x)
2 1 3 –1 –4
83
Q(x) = 2x3 + x2 + 3x –1 e R = –4 R(x) = ax + b
3 2 Daí:
Q(x) = 2x + x + 3x – 1 e R = –4
P(1) = 2 → a + b = 2  –a – b = – 2

8 C  1
P(2) = 1 → 2a + b = 1 2a + b = 1
–3 
2 4 6 –7 8 –7
. + a = –1 e b = 3
37 –139 Então: R(x) = –x + 3
4 0 –7
2 4

14 C
P(x) = x3 –kx2 + kx –1 é divisível por (x –1)2 = x2 – 2x + 1
Logo: Raiz do divisor Efetuando a divisão pelo método das chaves.
37
2.Q(x) = 4x3 – 7x + 2x + 3 = 0
2 x3 – kx2 + kx – 1 x2 – 2x + 1
7 37 3 –x3 + 2x2 – x x + (2 – k)
Q(x) = 2x3 – x+ x=– (2 – k) . x2 + (k – 1) . x – 1
2 4 2
– (2 – k) . x2 + 2 (2 – k) . x – (2 – k)
9 B R(x) = (k – 1 + 4 – 2k) . x – 1 – 2 + k
P(x) = x4 – 3x2 + 2x2 – x + 2
Resto = P(1) = 1 – 3 + 2 – 1 + 2 = 1 Portanto:
R(x) = (–k + 3).x + (–3 + k) = 0, pois P(x) é divisível por (x – 1)2.
Então:
10 D
P(x) = 2x3 + 5x2 – px + 2 R(x) = 0 ↔ –k + 3 = 0 e –3 + k = 0 ↔ k = 3
P(x) é divisível por (x – 2) se P(2) = 0. Então
2 .8 + 5 . 4 –2p + 2 = 0 → 16 + 20 2p + 2 = 0 → 15 B
→ 2p = 38 → p = 19 Suponha que f seja do 5º grau;
f(x) = ax5 + bx4 + cx3 + dx2 + ex + f.
f(1) = a + b + c + d + e + f é a soma dos coeficientes
11 E
F(x) = (x + 2)2.(x + 1) + (1 – 2x) portanto igual a zero. Então, se f(1) = 0 o polinômio é
divisível por (x – 1).
O resto R da divisão de f por (x + 1) é igual a f(–1).
Com efeito: 16 E
R = f(–1) = (–1 – 2)2.(–1 + 1) (1 – 2.(–1)) → Resto = q(0) = (–1).(–2).(–3)...(–n) + b; n ∈ N*.
→R=9.0+3→ R=3 = (–1)n. (1.2.3...n) + b; n ∈ N*.
= (–1)n.n! + b.
12 D
Seja P(x) = x4 – 4x3 + mx2 + 4x + n 17 C
P(x) é divisível por (x – 1).(x – 5) se: Se P(x) = x3 – 5x2 + mx – n é divisível por
1º P(x) édivisível por (x –1) → P(1) = 0 → D(x) = x2 + 3x + 2 = (x + 1).(x + 2) então:
P(–1) = 0 → – 1 – 5 – m – n = 0 → e  – m – n = 6
→ 1 – 4 + m + 4 + n = 0 → m + n = –1 
P(–2) = 0 → – 8 – 20 – 2m – n = 0 →  – 2m – n = 28
Volume 2.B
Matemática V
m + n = – 6 6 –5
~  – 2m – n = 28 A) x1 + x2 = –2 e x1 . x2 =
2

–m = 22 → m = –22 e n = 16  4
 x1 + x 2 + x3 = = 2
 2
B)
 x1x 2 + x1x3 + x2 . x3 = 3

 x1 . x2 . x3 = – 
–7  7
=
  2  2

Capítulo 4 7
Polinômios (Parte II) 2x3 – 4x2 + 6x – 7 = 0
1 1 1 x 2x3 + x1x3 + x1x2 3 –6
A) + + = = =
x1 x2 x3 x1 . x2 . x3 –7 7
2

B) x 12 + x 22 + x 32 = (x1 + x2 + x3)2 –
1 B
– 2 . (x1x2 + x1x3 + x2x3) =
(2x – 1) . (x + 2) . (x2 + 1) = 0
= (2)2 – 2 . (3) = 4 – 6 = –2
1
x= ou x = –2 ou x2 + 1 = 0
84 2 8 E
x = ±i p
Se q for raiz racional de x3 + 5x2 + mx – 2 = 0, então
2 E
p tem que dividir –2 e q tem que dividir 1. Assim,
P(x) = x3 + 4x – 16 é divisível por (x – 2)
Então: p = ±1 ou ±2 e q = ±1.

2 1 0 4 –16 P(x) (x – 2) Logo, as possíveis raízes racionais são: ±1 ou ±2.


0 Q(x)
Se x = 1, então 1 + 5 + m – 2 = 0 → m = –4
1 2 8 0=R Se x = –1, então –1 + 5 –m – 2 = 0 → m = 2
Q(x) = x2 + 2x + 8 Se x = 2, então 8 + 20 + 2m – 2 = 0 → m = –13
P(x) = (x – 2) . (x2 + 2x + 8) = 0 ↔ Se x = –2, então –8 + 20 – 2m – 2 = 0 → m = 5
x = 2 ou x2 + 2x + 8 = 0 E portanto, |–4 + 2 – 13 + 5| = 10
∆ = 4 – 32 = – 28
– 2±2 7
9 1o) Pesquisa das raízes
x= i =–1± 7i p
2 é raíz racional [mdc (p, q) = 1] → p divide 8 e q
q
divide 1 →
3 B
P(x) = 2 .(x – 1) . (x – 2) . (x – x3) p ∈ {± 1, ± 2, ± 4, ± 8} e
→ 
P(– 1) = 2 . (– 2) . (– 3) . (– 1 – x3) = 3
q ∈ {± 1}
3 1 p
(–1 – x3) = = Logo ∈ {±1, ±2, ±4, ±8}
12 4 q
1 1 5 P(1) = 13 – 3 – 6 + 8 = 0 → 1 é raiz → P(x) é divisível por
– 1 – x3 = → x3 = – 1 – → x3 = –
4 4 4 (x – 1)

4 B 1 1 –3 –6 8

1 –2 –8 0=R
Q(x) = x2 – 2x – 8
Daí: x – 2x – 8 = 0 ↔ x = 4 ou x = – 2
2
p(x) = (x – 1)2 . (x2 + 0x + 2)
P(x) = (x – a) . (x – b) . (x – c) = (x – 1) . (x – 4) . (x – (–2)) →
Então a multiplicidade de x = 1 é 2.
→ a = 1, b = 4 e c = – 2.
Logo
a2 . b2 . c2 = 64
5 2 + 3i raiz ⇒ 2 – 3i também é raiz.
–3 – i raiz ⇒ –3 + i também é raiz.
10 D
P(x)= x5 + 4x3 + x2 – x – 4
Assim, as raízes são 4, –3, 2 + 3i, 2 – 3i, –3 – i e
–3 + i no mínimo, e, portanto, o grau dessa equação P(–1) = – 1 – 4 + 1 + 1 – 4 = –7 < 0 e
deverá ser 6, no mínimo.
Resp.: 6 P(1) = 1 + 4 + 1 – 1 – 4 = 1 > 0.
Volume 2.B

Matemática V
Como P(–1).P(1) < 0 pelo teorema de Bolzano podemos +
–1 1 –4 1 6
afirmar que a equação tem um número ímpar de raízes
x 1 –5 6 0
reais entre –1 e 1.
x2 – 5x + 6
11 Resolvido na apostila do aluno. Outras raízes
x2 – 5x + 6 = 0
12 Resolvido na apostila do aluno. x’ = 2 e x“ = 3

13 Resolvido na apostila do aluno. 7 C


Usando o dispositivo de Briot-Ruffini, sucessivamente, temos:
14 Resolvido na apostila do aluno. 1 1 –1 –3 5 –2
1 0 –3 2 0 = R0
15 Resolvido na apostila do aluno.
1 1 –2 0 = R1
16 Resolvido na apostila do aluno. 1 2 0 = R2
1 3
17 Resolvido na apostila do aluno.

18 Resolvido na apostila do aluno. Como obtemos 3 restos iguais a zero, podemos afirmar
que a multiplicidade de x = 1 é 3.

8 E
Se a + bi é raiz, com b ≠ 0, então a – bi também será. 85
daí o polinômio P terá no mínimo 6 raízes.
1 E
Grau de p(x) é 4 então possui 4 raízes. 6
9 A) – = –3
2
2 A
3
1 . (x – 1) . (x – 2) . (x – 3) = 0 → B) –
(x2 – 3x + 2) . (x – 3) = 0 → 2
→ x3 – 3x2 + 2x – 3x2 + 9x – 6 = 0 → 8
C) – = –4
→ x – 6x + 11x – 6 = 0
3 2 2

= x3 + x 2 + x1 =
1 1 1 –3 3
D) + + =
x1x 2 x1x3 x 2 . x3 x1 . x 2 . x3 –4 4
3 x4 – 4x3 + 4x2 – 9 x2 – 2x + 3

− x 4 + 2x3 – 3x2 x2 – 2x – 3 = q 10 S = –1 e p = –4
|5 . S – 3p| = |–5 + 12| = 7
– 2x3 + x2 – 9
+ 2x3 – 4x2 + 6x
11 E
– 3x 2 + 6x – 9 Raízes: x = 0 ; x = –1 ; x = –2 ; …, x = –9.
2
+ 3x – 6x + 9 Logo x1 . x2 . x3 … x9 . x10 = 0.

(0)
12 x1 = x2 = 1
4 C 1
(x3 – x2 + x – 1)18 = 0 → [x2 . (x – 1) + (x – 1)]18 = 0 → I. 1 + 1 + x3 = 8p → 2 = 8p → p =
→ [(x – 1)18 . (x2 + 1)18] = 0 → x = 1 tem multiplicidade 4
18.
II. 1 . 1 + 1 . x 3 + 1 . x3 = 1 → x 3 = 0
5 C
P(x) = a(x – x1)(x – x2)(x – x3), forma fatorada onde x1, x2 III. 1 . 1. x3 = +q → q = 0
e x3 são raízes. 1
P(x) = a(x – x1)(x – x2)(x – x3) Logo p =
4
Como P(0) = 1 ⇒ a . (–1) . (–2) . (–3) = 1 ⇒ –6a = 1 ⇒
1
⇒a=– 13 D
6 P(x) = x2 . (x – 1) + 4(x – 1)
P(x) = (x – 1) . (x2 + 4)
6 E x–1=0
P(–1) = 0 → (–1)3 – 4(–1)2 + (–1) – k = 0 ⇒ k = –6 e x=1
P(x) = x3 – 4x2 + x + 6 → P(x) = (x + 1)(x2 – 5x + 6)
x2 + 4 = 0 ⇒ x2 = – 4 ⇒ x2 = ± 4 ⇒ x = ±2i
Volume 2.B
Matemática V
E, portanto, as outras raízes estão na equação
14 E
P(2) = 0 → 2 + (k – 4) . 2 – 8(2) + 4k = 0 ⇒
3 2 x2 – 3 = 0 ∴ x2 = 3 e x = ± 3.
⇒ 8 + 4k – 16 – 16 + 4k = 0 Logo, as raízes são: – 3, 3 e 2.
8k – 24 = 0 → k = 3
P(x) = x3 – x2 – 8x + 12 é divisível por (x – 2) duas vezes 2 o Modo
Modo: Fatorando por agrupamento.
2 1 –1 –8 12 x2 . (x –2) – 3 (x – 2) = 0 → (x – 2) . (x2 – 3) = 0 →
2 1 1 –6 0 → x = 2 ou x = ± 3
1 3 0
x+3
20 As possíveis raízes inteiras da equação
polinômio x3 + 4x2 + 2x – 4 = 0 são ±1, ±2, ±4.

15 C Veja que –2 é raiz, pois


3 2
x –2x + 3x – 4 = 0 (–2)3 + 4 . (–2)2 + 2 x (–2) – 4 = 0
Sejam x1, x2 e x3 as raízes.
Dividindo x3 + 4x2 + 2x – 4 por x + 2 obtemos:
1 1 1 X2 . X3 + X1 . X3 + X1 . X2 3 3
+ + = = =
X1 X 2 X3 X1 . X2 . X3 –(–4) 4

16 A Assim, as outras raízes estão na equação


x2 + ax + 2b = 0 x2 + 2x – 2 = 0, donde ∆ = 4 + 8 = 12
86 e, portanto, não são inteiras.
Se 1 – 2i é raiz então 1 + 2i também será.
Resp.: A única raiz inteira é –2.
Daí:
21 A) As únicas raízes racionais possíveis são: ±1 e ±3.
(1 – 2i) + (1 + 2i) = –a → 2 = –a → a = –2 Como duas delas devem ser positivas e distintas,
e então 1 e 3 são as raízes procuradas.
3 Se R é a 3 a raiz dessa equação, então:
(1 – 2i).(1 + 2i) = 2b → (1 + 2) = 2b → b = 1. 3 . R = –3 ⇒ R = –1
2
Assim, as raízes são –1, 1 e 3.
17 C
Se X = 2 é raiz de multiplicidade 3 tem-se que X1 = X2 = B) −1 +1 + 3 = –a → a = –3
= X3 = 2. Usando as relações de Girard, –1 x 1 – 1 x 3 + 1 x 3 = b → b = –1
X1 + X2 + X3 + X4 = –(–9) → 6 + X4 = 9 → X4 = 3
Então: S = {2, 3} 22 C
p
Se ∈ Racionais (mdc(p,q) = 1) é raiz então
1 q
18 p divide 8 e q divide 6. Daí
4
p ∈ { ±1, ±2, ±4, ±8} e
1 1 1 1 1 q ∈ {±1, ±2, ±3, ±6}. O conjunto que possui as possíveis
+ + + + =
bcde acde abde abce abcd raízes racionais será:
a b c d e 1 1 1 2 4 8
= + + + + = {±1, ± , ± , ± , ±2, ± , ±4, ± , ±8, ± }
abcde abcde abcde abcde abcde 2 3 6 3 3 3
a + b+ c+ d + e –(–3) 3 1 1 2 4
= = = =
abcde –(–12) 12 4 De onde conclui-se que {1, , , } é um
3 3 3
subconjunto.
19 1 modo
modo: Pesquisando as raízes
o

23 E
p P(x) = x3 – 10x2 + 5x – 1
Se é raiz racional, então p divide 6 e q divide 1.
q P(0) = –1 < 0 e P(3) = 27 – 90 + 15 – 1 = – 49 < 0.
Como P(0).P(3) > 0, podemos afirmar, pelo teorema de
Assim p = ±1, ±2, ±3 e ±6; q = ±1. Logo, as possíveis
Bolzano, que a equação tem um número par de raízes
raízes são:
reais entre 0 e 3.
±1, ±2, ±3, ±6.
Veja que 2 é raiz, pois
23 – 2 . 22 – 3 . 2 + 6 = 0. 24 S = {–1, –10, 2, –31}
Sendo x uma raiz inteira de x3 + 4x2 + mx – 4 = 0, divide
–4. Então:
Dividindo x3 – 2x2 – 3x + 6 por x – 2, tem-se:
x ∈ {±1, ±2, ±4}

Daí:
x =1 → 1 + 4 + m – 4 = 0 → m = –1
Volume 2.B

Matemática V
x = –1 → –1 + 4 – m – 4 = 0 → m = –1 27 A
x = 2 → 8 + 16 + 2m – 4 = 0 → m = –10 Dispositivo Horner-Ruffini
x = –2 → –8 + 16 – 2m – 4 = 0 → m = 2
–2 3 –4 2
x = 4 → 64 + 64 + 4m – 4 = 0 → m = –31
3 –10 22 = R0
x = –4 → – 64 + 64 – 4m – 4 = 0 → m = –1
3 –16 = R1
3 = R2
25 D
p P(x) = 3.(x + 2)2 – 16.(x + 2) + 22
Sendo uma raiz racional p divide 3 e q divide 2.
q
Daí: 28 A
p ∈ {±1, ±3} e q ∈ {±1, ±2} e
Seja y = 1 a relação de transformação
p ∈ {±1, ± 1 , ±3, ± 3 } x
q 2 2 2x4 + 2x3 – 3x2 + x + 1 = 0 →
1
p → 2. 1 + 2. 3 – 3. 1 + 1 + 1 = 0 →
Verificação dos valor es de
valores
q y 4 y y2 y
• P(x) = 2x4 – 5x3 – 2x2 – 4x + 3 → 2 + 2y – 3y2 + y3 + y4 = 0 →
→ y4 + y3 – 3y2 + 2y + 2 = 0
1 2 5 2
• P( )= – – –2+3= 3 2 87
2 16 8 4 29 2y + 11y + 21y + 13 = 0
Dispositivo Horner-Ruffini
2 – 10 – 8 + 16
= =0
16 Seja P(x) = 2x3 – x2 + x – 1
1 2 2 –1 1 –1
Logo é raiz .
2 2 3 7 13 = R0
2 7 21 = R1
• P(3) = 2.(81) – 5.(27) – 2.(9) – 12 + 3 =
2 11 = R2
= 162 – 135 – 18 – 12 + 3 =
= P(3) = 165 – 165 = 0 . Logo 3 é raiz. 2 = R3

Usando as relações de Girard, temos: P(x) = 2.(x – 2)3 + 11.(x – 2)2 + 21.(x – 2) + 13
ou
1 5 P(x) = 2y3 + 11y2 + 21y + 13; y = x – 2
I. 3 + + X3 + X 4 = – (– ) →
2 2  X3 + X 4 = – 1

1
II. 3 . . X3 . X 4 =
3
→  X3 . X 4 = 1 30 y3 + 4y2 – 20y + 48 = 0
2 2 y 3
x3 + 2x2 – 5x + 6 = 0 → ( ) +2.( y )2 – 5.( y ) + 6 = 0 →
2 2 2
Resolvendo o sistema:
I. X3 = –1 – X4 y3 2y 2
→ + – 5y + 6 = 0 → y3 + 4y2 – 20y + 48 = 0
II. (–1 – X4).X4 = 1→ – X 24 – X4 – 1 = 0 → 8 4 2

→ X 24 + X4 + 1 = 0
31 2y4 – 3y3 – 7y2 + y – 5 = 0
–1 ± i 3 1 1
∆ = 1 – 4 = –3 e X = 5x4 – x3 + 7x2 + 3x – 2 = 0. Se y = → x=
2 x y
Substituindo:
26 b =2 –12 e c = 14 5 1 7 3
2x + bx + c = 0 – 3 + 2 + –2=0→
y4 y y y
Se X1 = 3 + 2 é raiz → X2 = 3 – 2 também será:. → 5 – y + 7y2 + 3y3 – 2y4 = 0 →
Daí:
→ 2y4 – 3y3 – 7y2 + y – 5 = 0
b b
I. X1 + X2 = – →3+ 2 +3– 2 =– →
2 2 32 A
b 2 1 –4 4 4
→6=– → b = – 12 1 –2 0 4 = R0
2
c c 1 0 0 = R1
II. X1.X2 = → (3 + 2 )(3 – 2)= → 1 2 = R2
2 2
c 1 = R3
→ (9 – 2) = → c = 14 (x – 2)3 + 2.(x – 2)2 + 4
2
Volume 2.B
Matemática V
a = –3 e b = –5
33 C A equação é –3x4 – 5x3 + 5x + 3 = 0 →
–a 1 0 –1 1 → 3x4 + 5x3 – 5x – 3 = 0. Esta equação admite 1 e –1
1 –a a2 – 1 –a3 + a + 1 = R0 como raízes, daí a equação pode ser fatorada com o
auxílio do dispositivo de Briot-Ruffini:
1 –2a 3a2 – 1 = R1
1 –3a = R2 1 3 5 0 –5 –3
1 = R3 –1 3 8 8 3 0
3 5 3 0
y3 + 9y2 + 26y + 25 =
= y3 + (–3a).y2 + (3a2 – 1).y + (–a3 + a + 1) → 3x4 + 5x3 – 5x – 3 = 0 ↔ (x – 1)(x + 1)(3x2 + 5x + 3 ) =
0↔
 –3a = 9 → a = 3 ↔ x = 1 ou x = –1 ou 3x2 + 5x + 3 = 0 ↔
 2
3a – 1 = 26 → a = ± 3 –5 ± 11.i
 ↔ x = 1 ou x = –1 ou x =
→ e 6
 –a3 + a + 1 = 25
 37 –3
então a = –3
1 1 1
Sendo x + = y → x2 + 2.x. + = y2 →
3 2
34 y – 12y + 46y – 51 = 0 x x x2
Relação da transformação: y = (x + 4)
88 x3 – 2x + 5 = 0 1
→ x2 + = ( y2 – 2)
2
–4 1 0 –2 5 x
1 –4 14 –51 = R0
A equação na variável y fica:
1 –8 46 = R1 y2 – 2 + y = 4 → y 2 + y – 6 = 0 →
1 –12 = R2
–1 ± 5
1 = R3 →y= → y = 2 ou y = –3
2
(x + 4)3 – 12.(x + 4)2 + 46.(x + 4) – 51 = 0 → Daí:

→ y3 – 12y2 + 46y – 51 = 0 1
I. x + = 2 → x2 – 2x + 1 = 0 → x = 1 ou
x
1 ± 3i 9 ± 77 –3 ± 5
35 S = { , } 1
2 2 II. x + = –3 → x2 + 3x + 1 = 0 → x =
x 2
x4 – 10x3 + 11x2 – 10x + 1 = 0 ÷(x2)
Logo as duas menores raízes são:
10 1
2
x – 10x + 11 – + 2 =0 –3 + 5 –3 – 5
x x x= ex=
2 2
1 1 –3 + 5 –3 – 5
(x2 + ) – 10.(x + ) + 11 = 0
x 2
x Cuja soma será igual a: + = – 3.
2 2
1 1
Fazendo x + = y tem-se que x2 + 2 = y2 – 2. 38 E
x x
A equação é recíproca se:
A equação na variável y fica:
y2 – 2 – 10.y + 11 = 0 → 8a = – (b – 2a) b + 6a = 0
→ y2 – 10y + 9 = 0 → y = 1 ou y = 9.  ~  ~
b – 2 = – 2a b + 2a = 2
Então:
1 1 ± 3i  b + 6a = 0

I. x + = 1 → x2 – x + 1 = 0 → x = ~
x 2  – b – 2a = – 2
ou
1
4a = − 2 → a=− e b =3
1 9 ± 77 2
II. x + = 9 → x2 – 9x + 1 = 0 → x =
x 2
1
Então: a = – , b = 3 e c = –1
1 ± 3i 9 ± 77 2
As raízes complexas são x = ou x = .
2 2
39 D3
36 B x + x2 – x – 1 = 0 → x2.(x + 1) – (x + 1) = 0 →
Se a equação é recíproca de grau par e tem 1 como → (x + 1).(x2 – 1) = 0 →
raiz, seus coeficientes equidistantes dos extremos são → x = –1 ou x = ±1.
simétricos, isto é: Logo as raízes são duas negativas e uma positiva.
Volume 2.B

Matemática V
1 1 10
40 S = {–1, 2, 2 } II. x + = → 3x2 + 3 = 10x → 3x2 – 10x + 3 = 0 →
x 3
x = –1 é raiz da equação 2x3 – 3x2 – 3x + 2 = 0.
Daí, fatotrando-o, obtemos: (x + 1).(2x2 – 5x + 2) = 0 10 ± 8 1
→x= → x = 3 ou x =
cujas raízes são: 6 3
5±3 1 S=
1
+
1
→S=
5
→ 12.S = 10
x = –1 ou x = → x = 2 ou x =
4 2 2 3 6
–1 2 –3 –3 2
2 –5 2 0
∞[
43 D(g) = [–2, 1]3 ∪ [3, +∞
f(x) = (x + 2) .(x – 3).(x – 1)
g(x) = f(x) ∈ Reais → (x + 2)3.(x – 3).(x – 1) ≥ 0
41 B
P(x) = x5 – 5x4 + 9x3 – 9x2 + 5x – 1 admite x = 1 como Estudo do sinal de f
raiz, pois P(1) = 0. P(x) é divisível por (x – 1). Então: – + – +
–2 1 3
1 1 –5 9 –9 5 –1
1 –4 5 –4 1 0 D(g) = [–2, 1] ∪ [3. +∞[

x5 – 5x4 + 9x3 – 9x2 + 5x – 1 = 0 ↔ 44 B


↔ (x – 1).(x4 – 4x3 + 5x2 – 4x + 1) = 0 ↔
↔ x = 1 ou x4 – 4x3 + 5x2 – 4x + 1 = 0 x6 + 5x5 + 7x4 + 3x3 x4 + 4x3 + 3x2
Daí: –x6 – 4x5 – 3x4 x2 + x 89
x5 + 4x4 + 3x3
4 1
x4 – 4x3 + 5x2 – 4x + 1 = 0 ↔ x2 – 4x + 5 – + 2 =0 –x5 – 4x4 – 3x3
x x
(0)
1 1 mdc(P, F) = x4 + 4x3 + 3x2. Então:
↔ x + 2 – 4(x + ) + 5 = 0
2
x x
(x 4 + 4x3 + 3x 2 ) 1
1 1 y= =
Fazendo x + = y tem-se que x2 + 2 = y2 – 2 (x 4
+ 4x + 3x ) .(x + x)
3 2 2 (x + x)
2
x x
A equação na variável y será:
y2 – 2 – 4y + 5 = 0 → y2 – 4y + 3 = 0 →
3
→ y = 1 ou y = 3 45 S = { 2 }
Deste modo:
(x – 1) + (x – 2)
1 1 ± 3i
I. x + = 1 → x2 – x + 1 = 0 → x =
2
ou (x − 1)3 (x – 2)3 = 0; x ≠ 1 e x ≠ 2 →
x
1 3± 5 3
II. x + = 3 → x2 – 3x + 1 = 0 → x = → 2x – 3 = 0 → x =
x 2 2

42 B 46 B
6x – 35x + 62x – 35x + 6 = 0 →
4 3 2
x3 – 6x2 + 5x + 12 x3 – 5x2 – 2x + 24
6 –x3 + 5x2 + 2x – 24 1
→ 6x2 – 35x + 62 – 35 + 2 = 0 →
x x x2 + 7x – 12

1 Então mdc(P, F) = –x2 + 7x – 12


→ 6.(x2 + ) – 35.(x + 1 ) + 62 = 0 As raízes comuns de P(x) = 0 e F(x) = 0 são as raízes de
x2 x
–x2 + 7x – 12 = 0, isto é:
1 1 –x2 + 7x – 12 = 0 → x2 – 7x + 12 = 0 → x = 3
Sendo x + = y tem-se que x2 + 2 = y2 – 2
x x
6(y2 – 2) –35.(y) + 62 = 0 → ou x = 4
→ 6y2 – 12 – 35y + 62 = 0 →
→ 6y2 – 35y + 50 = 0 → A soma das raízes comuns é 7.
35 + 5 10
y= =
35 ± 25 12 3 47 S = {2, –2, 3}
→y= Sejam X1, X2 e X3 as raízes, onde X1 = –X2.
12 35 – 5 5
y= = I. X1 + X2 + X3 = –(–3) → –X2 + X2 + X3 = 3 → X3 = 3
12 2 II. X1.X2.X3 = –12 → (–X2).X2.3 = –12 →
Portanto: → X22 = 4 → X2 = ±2
1 5
I. x + = → 2x2 + 2 = 5x → 2x2 – 5x + 2 = 0 Note que:
x 2
se X2 = 2 → X1 = –2 e
5 ± 3 1 se X2 = –2 → X1 = 2.
→x= → x = 2 ou x = ou
4 2 Logo as raízes são –2, 2 e 3.
Volume 2.B
Matemática V
48 S = {1, 4, –3} b = – 2 , pois se b ≠ – 2 , b irracional, implicaria na
x3 – 2x2 – 11x + 12 = 0 existência de uma quarta raiz, o conjugado de b.
Sejam X1, X2 e X3 as raízes, tal que X1 = X2 + X3 Absurdo, pois a equação tem apenas 3 raízes. Então:

b4 = (– 2 )4 = 24 = 4
I. X1 + X2 + X3 = –(–2) = 2 →
→ X1 + X1 = 2 → X1 = 1 → X2 + X3 = 1

II. 1.X2.X3 = 12 → X2.X3 = –12

Resolvendo o sistema
1 D
X2 + X3 = 1 P(x) = (x – 1) . q(x) + 1 → P(x) – 1 é divisível por (x – 1)

X2 .X3 = –12 P(x) x – 1
1 q(x)
Temos: X2 = 4 e X3 = –3
P(x) –1 é divisível por (x – 2)
49 D P(x) x – 2
1º x2 + x – 12 x2 + 4x – 21 1 t(x)
–x2 – 4x + 21 1 P(x) – 1 é divisível por (x – 3)
–3x + 9
90
2º P(x) x – 3
x2 + 4x – 21 –3x + 9
1
–x2 + 3x
–1x
7x – 21 3
P(x) – 1 é divisível por (x – 4)
P(x) x – 4
3º –3x + 9 7x – 21
1 s(x)
3x – 9
–3
(0) 7 P(x) – 1 é divisível por (x – 5)
P(x) x – 5
Logo mdc(f, g) = 7x – 21 = 7.(x –3) 1 l(x)
Se l(x) = 7.(x –3) divide f e g então h(x) = (x –3) também
é divisor. Por conseguinte k = 3, k pertence ao intervalo Logo P(x) – 1 = a. (x – 1) . (x – 2) (x – 3) . (x – 4) . (x – 5)
[1, 3].
P(6) – 1 = a . (5) . (4) . (3) . (2) . (1) →
50 16
f(x) = (x –3).(x – 5).q(x) + 2x – 1 e
g(x) = (x –3).(x – 5). t(x) + x + 2. 1
0 – 1 = a . (120) → a=–
120
Daí:
1º) f(g(3)) = f(0.(–2).t(3) + 3 + 2) = f(5)= Daí:
= (2).(0).q(5) + 2 . 5 – 1 = 1
= 10 – 1 = 9 P(x) = – .(x – 1) . (x – 2) . (x – 3) . (x – 4) . . (x –
120
2º) g(f(3)) = g(0.(–2).q(3) + 6 – 1) = g(5) =
= (2).(0).t(5) + 5 + 2 = 7 5) + 1 e
1
Então: P(0) = – . (– 1) . (– 2) . (– 3) . (– 4) . (– 5) + 1
120
f(g(3)) + g(f(3)) = 9 + 7 = 16 P(0) = 1 + 1 = 2

51 23 2 A
x – 5x2 + x – 1 = 0
3
(x3 – 4x) . (x2 + 2x + 1) = 0 ⇔
Sendo X1, X2 e X3 as raízes.
(X1 + X2 + X3)2 = X12 + X 22 + X32 + 2.(X1.X2 + X1.X3 + X2.X3) x3 – 4x = 0 ⇔ x=0 ou

(5)2 = X12 + X 22 + X32 + 2.(1) x2 – 4 = 0 ou


25 = X12 + X 22 + X32 +2
x = ±2
X12 + X 22 + X32 = 23
ou x2 + 2x + 1 = 0
52 4
A equação x3 + ax2 – 2x – 2a = 0 tem 3 raízes. Se x1 = x2 = –1

2 é raiz então – 2 também será. Por conseguinte


Volume 2.B

Matemática V
+ + +
3 p(x) = 1 . (x – 1) . (x – 2) . (x – x3) f
–2
p(3) = (2) . (1) . (3 – x3) = 30
– – +
g
1
3 – x3 = 15 → x3 = –12 – – +
f. g
–2 1
p(x) = (x – 1) . (x – 2) . (x + 12)
p(–1) = (–2) . (–3) . (11) = 66 S = {x ∈ R/ x > 1 e x ≠ –2} = {x ∈ R/ x > 1}
Resp
Resp.: 66
9 p(x) divisível por x – 1 implica p(1) = 0.
4 P(x) = a . (x + 1) . (x – 2) . (x + 3) Assim, p(1) = a0 + a1 + a2 + … + an = 0 ∴
P(0) = a . (1) . (– 2) . (3) = – 12 → a=2 (a0 + an ).(n + 1)
∴ =0⇒
2
Resp.: P(x) = 2 (x + 1) . (x – 2) (x + 3) (a0 + an )
⇒ = 0 ⇒ a0 + an = 0.
2

5 A
1o) Se (1 – i) é raiz dupla então (1+ i) também é raiz n
O termo médio é o aM, onde M = .
dupla. Então, utilizando a 1o relação de Girard, temos: 2
x1 + x2 + x3 + x4 + x5 = – (– 9) = 9 → Como, a0, a1, …, an formam uma P.A., então
→ (1 – i) + (1 – i) + (1 + i) + (1 + i) + x5 = 9 → 91
a0 + an
aM = a n = =0
2
→ 4 + x5 = 9 → x5 = 5 → K=5 2

E, portanto, a 2M = 0

6 E
Raízes: (x1, x2, x3) = (x – R, x, x + R) P. Aritmética
A) 2  i2 + 2  + 7  i +  + 4 =
1 1
10  i   i
I. x– R +x+x+ R =9→ x=3
 –1 + 1
= 2(–1 – 1) + 7   +4
II. (3 – R) . 3 (3 + R) = 15 → 9 – R = 5 2  i 
= –4 + 0 + 4 = 0.
R = ±2 → R=2 P. A. crescente
Logo i é raiz.
Logo x + R = 3 + 2 = 5 é a maior raiz.
1 1
B) Seja x + = y, assim x2 + = y2 – 2
x x2
7 –1 + 3i raiz ⇒ –1 – 3i também é raiz.
Assim, as raízes são –1, –1 + 3i e –1 – 3i
E, portanto:
Logo
2(y2 – 2) + 7y + 4 = 0 ∴
 –1– 1 + 3i – 1– 3i = –a 2y2 – 4 + 7y + 4 = 0 ∴

 –1(–1 + 3i) – 1(–1– 3i) + (–1 + 3i) (–1– 3i) = b –7
 –1 . (–1 + 3i) (–1– 3i) = –c 2y2 + 7y = 0 → y = 0 ou y =
2

1
e, portanto: x+ = 0 ⇒ x2 + 1 = 0 ∴
x

a=3 x2 = –1 e x = ± i
2
1 –7 x +1 –7
x+ = ∴ = ∴
b = 1 −3i + 1 +3i + 1 + 9 ⇒ b = 12 x 2 x 2
2x2 + 2 = –7x ∴
c=1+9⇒ c = 10 2x2 + 7x + 2 = 0 , ∆ = 49 – 16 = 33
–7 ± 33
Daí, a + b + c = 25 x=
4
Resp.: 25
–7 + 33 –7 – 33
Logo, as raízes são –i, i, e .
4 4
8 C
1o) x1 + x2 + x3 = – 3
– 2 – 2 + x3 = – 3 → x3 = 1. 11 C
2o) P(x) = (x + 2)2 . (x – 1) > 0 Seja r, p e q as raízes onde r + p = 1.
(I) r + p + q = –(–6) = 6 → 1 + q = 6 → q = 5
Volume 2.B
Matemática V
III) r . p . (5) = –30 → r . p = –6 Logo p(x) = (2x – 1) . (x2 – 5x + 6) = 0 ⇔
Daí: r = –2 e p = 3 ou r = 3 e p = –2. Portanto
1
II) rp + r . q + p . q = – m2, para r = –2 e p = 3 e q = 5. x2 – 5x + 6 = 0 ou x =
→ –m2 = –6 + (–10) +15 → 2

→ –m2 = –1 → m = ±1
3 B
I. (V)
p divide –9 → p ∈ {±1, ±3, ±9}
bcd + acd + abd + abc –(–5) 5 e
12 E= = =
q divide 1 → q ∈ {±1}
abcd 7 7
p
∈ {±1, ±3, ±9}.
13 E q
x1 = 1 + i é raiz → x2 = 1 – i também será. Portanto
II. (V)
(I) 1 + i + 1 – i+ x3 = –m
x1 = 2 + i → x2 = 2 – i e
(II) (1 + i) . (1 – i) + (1 + i) . x3 + (1 – i) . x3 = 2 →
x3 = –i → x4 = i e
x5 = 3
2 + x3 . [1 + i + 1 – i ] = 2 → x3 = 0 →
Então, no mínimo, teremos 5 raízes.
→ –m = 2 + 0 → m = –2
92 III. (F)
e substituindo x = 0 na equação x3 + mx2 + 2x + n = 0 Não necessariamente, poderíamos ter 4 raízes
imaginárias, da forma a + bi, b ≠ 0.
já que “0” é raiz, obtemos n = 0.

4 As possíveis raízes inteiras são ±1 e ±3.


14 Sejam r e p as outras duas raízes
• Se x = 1, então 2 – m – 2 – 4 + 3 = 0 →
→ m = –1.
I) –1 + 3 + r + p = 5 → r+p=3
• Se x = –1, então 2 + m – 2 + 4 + 3 = 0 →
IV) (–1) . (3) . r . p = –6 → r . p = 2 então r = 2 e p = 1
→ m = –7.
Daí: S = {2, 1, –1, 3}.
• Se x = 3, então
162 – 27m – 18 – 12 + 3 = 0 →
15 4 . (x – x1) (x – x2) (x – x3) = 0 →
→ 4 . (x – 2) . (x + 2) (x – 1) = 0 → 135
→ 4 . (x2 – 4) (x – 1) = 0 → →m= = 5.
27
→ 4 . (x3 – x2 – 4x + 4) = 0 → 4x3 – 4x2 – 16x + 16 = 0
• Se x = –3, então
162 + 27m – 18 + 12 + 3 = 0 →
–159
→m= ∉ Z.
27

Assim, m = –1, –7 ou 5 e, portanto,


–1 – 7 + 5 = –3
p(2) = 0 → x = 2 é raiz → p(x) é divisível por (x – 2) Resp.: –3
1

5 B
2i é raiz ⇒ –2i também é raiz.
Então: p(x) = (x – 2) . (x + 8x + 15) = 0 →
2
Assim, se a e b são as outras duas raízes, temos que:
2i – 2i + a + b = –2 ⇒ a + b = –2
→ x = 2 ou x2 + 8x + 15 = 0 2i . (–2i)a . b = –12 ⇒ 4ab = –12 ⇒ ab = –3
Donde se conclui que a = –3 e b = 1.
x = –3
x = –5 Logo, as outras duas raízes são reais e sua soma é
S = {2, –3, 5} igual a –2.

2 Se (2x – 1) é fator de p(x) →


 1 6 A) P(1) = (–1)2 . (2) . (2) = 4
→ p(x) é divisível por (2x – 1) → p   = 0 B) P(1) = (8)8 . (0)4 = 0
 2
Volume 2.B

Matemática V
7 1o) P(1) = (5) . (3) . (2) . (1) = a10 + a9 + a8 + … + 11 A
+ a1 + a0 →
P(x) x – 3
(I) a10 + a9 + a8 + … + a1 + a0 = 30 5 q1

2o) P(–1) = (5) (1) (0) . (1) = a10 – a9 + a8 – a7 + + a6 P(x) x – 2 P(x) –5 = a . (x – 3) (x – 2) (x – 1)


– a 5 + a 4 – a 3 + a 2 – a 1 + a0 5 q2

P(x) x – 1
II) a10 – a9 + a8 – a7 + a6 – a5 + a4 – a3 +
5 q3
+ a2 – a1 + a 0 = 0

Somando I e II, obtemos: Daí, fazendo x = 4, temos:


2a10 + 2a8 + 2 . a6 + 2 . a4 + 2 . a2 + 2 . a0 = 30 → P(4) – 5 = a . (1) (2) (3) →
→ a10 + a8 + a6 + a4 + a2 + a0 = 15 5
Resp.: 15 –5 = a(6) → a = –
6
8 D
P(x) = –
5
. (x – 3) (x – 2) (x – 1) + 5
P(x) é do 5o grau 6
P(x) x – 1 5
P(x) –1 = q1 . (x – 1) P(0) = – . (–3) (–2) (–1) + 5 → P(0) = 10
1 q1
6
P(x) x – 2
P(x) –1 = q2 . (x – 2)
93
1 q2 12 Sim, pois

P(x) x – 3
P(x) –1 = q3 . (x – 3) P(2) = 2100 – 2 . 299 + 22 . 280 – 2 . 279 – 24 . 278
1 q3
+ 23 . 277
P(x) x – 4
P(x) –1 = q4 . (x – 4) P(2) = 282 – 280 – 282 + 280 = 0 → P(2) = 0
1 q4

P(x) x – 5 C
1 q5
P(x) –1 = q5 . (x – 5) 13 Soma = P(1) = (3 + 2 – 5)8 = 0
Logo
P(x) – 1 é divisível por (x – 1) (x – 2) (x – 3) (x – 4) (x – 5) e 14 B
sendo do 5o grau é da forma: 1o) –3 + a + b = –5 → a + b = –2 → a = (–2 – b)
[P(x) – 1] = a . (x – 1) (x – 2) (x – 3) (x – 4) (x – 5). Daí: 2o) –3 . (a) (b) = –(–24) = 24 → a . b = –8 →
Se P(6) = 0 → a . (5) (4) (3) (2) (1) = P(6) – 1 → → (–2 – b) . b = –8 → b2 + 2b – 8 = 0

→ 120 . a = –1 → a = –
1 b = − 4 → a = 2
120 → b = 2 → a = − 4

Daí:
1 então a + b = –2
P(x) – 1 = – . (x – 1) (x – 2) (x – 3) (x – 4) (x – 5) e
120
15 Se x1 = 1 – i → x2 = 1 + i, daí:
1
P(0) –1 = – . (–1) (–2) (–3) (–4) (–5) → I) x1 + x2 + x3 + x4 = –4 → 2 + x3 + x4 = –4 →
120
→ x3 + x4 = –6
→ P(0) – 1 = 1 → P(0) = 2
II) (1 – i) (1 + i) . x3 . x4 = –14 → x3 . x4 = –7
Logo: x3 = 1 e x4 = –7.
9 P(1) = (5) . (0) (4) = a7 + a6 + a5 + … + a1 + a0 S = {–7, 1, 1 – i, 1 + i}
P(–1) = (1) . (1) (2) = –a7 + a6 – a5 + a4 – a3 + a2 – a1
+ a0
Somando membro a membro, obtemos:
Anotações
2 . a6 + 2a4 + 2 . a2 + 2 . a0 = 2 →
→ a6 + a4 + a2 + a0 = 1 → a7 + a5 + a3 + a1 = –1

P(x) x (x – 3)
10 ax + b Q(x)
P(x) = Q(x) . x (x – 3) + ax + b

Daí: P(0) = Q(0) . (0) (0 – 3) + a . 0 + b = 2 → b = 2


2
P(3) = Q(3) . (3) (0) + 3a + b = 4 → a =
3
2
Logo R(x) = x+2
3
Volume 2.B
Matemática V
Anotações

94