You are on page 1of 5

INTRODUÇÃO:

O presente trabalho tem como objetivo estabelecer as principais e mais


importantes diferenças entre as formas de Governo e os sistemas de Governo.
Assim, a partir de tais ponderações será falado um pouco sobre o plebiscito que
ocorreu em 1993 no Brasil para escolher qual a forma e sistema de Governo que seria
adotado em nosso país.
Importante delinear que tal escolha feita pelo povo brasileiro influenciou em muito
em o que somos hoje e como se governa nosso país. Logo, essa pequena resenha irá
sedimentar tais idéias e assim demonstrar a opinião do acadêmico sobre o assunto.
DESENVOLVIMENTO:

De maneira geral um plebiscito consiste em uma consulta à opinião pública para


decidir questão política ou institucional, não necessariamente de caráter normativo1. A
consulta é realizada previamente à uma formulação legislativa para que povo dê sua
manifestação sobre determinada questão, sendo o plebiscito forma de soberania popular,
conforme estabelece artigo 14, I, da Constituição Federal.
O Plebiscito de 1993, instituído pela Lei 8.624/1993, foi realizado em tal ano para
que o povo brasileiro votasse em qual forma e sistema de Governo gostariam que o Brasil
fizesse parte.
Conforme já estudado, as formas de Governo dividem-se em Monarquia e
República. Tais formas vêm relacionadas à maneira como se institui o poder e a relação
entre governantes e governados.
A monarquia é a forma de Governo em que temos como representante do Estado
apenas uma pessoa, qual seja, o Monarca, onde sua substituição ocorre de forma
hereditária.
Na República, no entanto, o Chefe de Estado é eleito pelo povo e tem o comando
do Estado por um tempo determinado como, por exemplo, no Brasil em que o mandato
presidencial é de quatro anos. Assim, a forma comum de eleição do presidente é feita por
voto direito, secreto e livre.
Desse modo, pode-se notar que a diferença entre uma forma e outra é que na
Monarquia o chefe de Estado é investido por hereditariedade e o cargo é vitalício, já na
República o estadista é eleito periodicamente.
Vale frisar que há casos em que o presidente da República pode também cumular
o poder executivo.
Com relação à eleição para forma de Governo, realizada no plebiscito de 1993,
temos o seguinte resultado:
FORMA VOTOS VOTOS (%)
República 44.528.920 49,2
Monarquia 6.840.551 7,5
Votos brancos 8.868.816 9,8
Votos nulos 7.027.067 7,8
Abstenção 23.265.770 25,7
TOTAL 90.531.124 100

1
Geovani Németh Torres, pg. 6.
Quanto ao sistema de Governo, este refere-se ao modo como os poderes
Legislativo e Executivo relacionam-se no exercício das funções governamentais. Temos
as duas seguintes formas de sistema de Governo: o Presidencialista e o Parlamentarista.
No primeiro caso a característica marcante é que o Presidente da República além
de ser o chefe de Governo é também o chefe de Estado. Tal sistema de Governo é aquele
que traz como forma essencial a separação dos poderes entre legislativo, executivo e
judiciário, sendo composto basicamente pelo Presidente da República e pelo Congresso.
Já o sistema Parlamentarista é aquele no qual o poder Executivo depende do apoio
do parlamento para que seja constituído e possa governar. Com isso, não há nesse tipo
de sistema uma separação nítida entre os poderes, como ocorre noutro.
Tal sistema é constituído por três órgãos: o Parlamento, o Chefe de Estado e o
Chefe de Governo.
No plebiscito temos o seguinte resultado com relação ao sistema de governo:
SISTEMA VOTOS VOTOS (%)
Presidencialismo 37.156.884 41,16
Parlamentarismo 16.518.028 18,3
Votos brancos 3.467.181 3,84
Votos nulos 9.868.316 10,93
Abstenção 23.246.143 25,7
TOTAL 90.256.552 100

Assim, depreende-se do já exposto que o plebiscito delineou o que seria o Brasil


nos anos posteriores, ou seja, qual o sistema e forma de governo que adotaria, segundo a
vontade do povo.
Pelos dados acima transcritos, infere-se que o povo brasileiro optou pela forma de
Governo República e pelo sistema Presidencialista. Portanto, somos a República
Federativa do Brasil, onde temos o Presidente Luís Inácio Lula da Silva como o nosso
chefe de Governo, e somos uma República porque escolhemos o nosso presidente, bem
como nossos representantes, através de voto secreto, direito, livre e universal, nos
moldes do que estabelece nossa Constituição Federal.
Segundo alguns críticos o Plebiscito de 1993 foi um golpe dos políticos brasileiros
que instituíram tal plebiscito sem podê-lo fazer. Acontece que à época, como ainda hoje,
era muito confuso diferenciar as formas e sistemas de Governo, fazendo com que os
brasileiros, que já estavam inclinados para aceitar a República, votassem da maneira que
votaram e escolhessem a República Presidencialista.
CONCLUSÃO:

Diante da explanação acima pode-se inferir que temos duas formas de Governo, a
Monarquia e a República, bem como dois sistemas de Governo, quais sejam,
Presidencialista e Parlamentarista.
Tanto a forma como o sistema de Governo dizem respeito ao modo como um país
será governado, como se dará essa governabilidade e se o Governante será eleito pelo
povo ou então sucederá o trono de forma hereditária.
Essas pequenas diferenças entre um e outro são de suma importância,
principalmente quando se diz respeito ao modo de escolhê-los, como ocorreu no Brasil
em 1993, onde a população à época teve a árdua tarefa de fazê-lo sem, com certeza,
todos saberem o que significa um e outro e no que isso implica.
Com relação ao nosso país, como dito alhures, vivemos em um país que adota a
República como forma de Governo, onde o nosso presidente (a) é eleito pelo povo a cada
quatro anos, e Presidencialista. Ou seja, o nosso chefe de Estado e de Governo é um
Presidente.
Temos também como parte integrante dessa República Federativa nossos
representantes, que são os deputados estaduais, federais e senadores. Todos eles nos
representam em Brasília a fim de defender os nossos direitos, uma vez que nós somos os
titulares do poder, mas eles representam essa titularidade que a cada eleição é
modificada.
Portanto, o plebiscito de 1993 foi importante para o Brasil, pois definiu quem somos
hoje e modo como somos governados.
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAS:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Plebiscito_sobre_a_forma_e_o_sistema_de_governo_do
_Brasil_(1993)

MARQUES, Sebastião Fabiano Pinto. Plebiscito de 1993: a fraude que não


chocou o Brasil. Pesquisado em 29 de novembro de 2010 em
http://www.matutando.com/2010/07/27/plebiscito-de-1993-a-fraude-que-nao-chocou-o-
brasil/

OLIVEIRA, Maérlio Machado de. As formas e os sistemas relacionais de Governo.


Pesquisado em 01 de dezembro de 2010 em www.alumac.com.br/maerlio.htm

TORRES, Geovani Németh. A odisséia monarquista no Plebiscito Nacional de


1993. Pesquisado em 01 de dezembro de 2010 em
http://veredasdahistoria.kea.kinghost.net/edicao1/04_artigo_plebiscito.pdf