You are on page 1of 31

À imagem e semelhança

De Evana Ribeiro

Capítulo 80
CENA 1 – ESTÚDIO – INT – TARDE
Continuação da cena final do capítulo anterior. Valentina beija várias vezes
o rosto de Angela, e depois a coloca no chão.

VALENTINA – Meu Deus, obrigada! Minha filha tá viva, sem nenhum arranhão!

MILENA – Pois é, ela foi parar em ótimas mãos.

VALENTINA – Mas como ela chegou aqui?

MILENA – Bem, isso eles podem explicar melhor. (indica Karen e Julian)

Valentina senta em uma cadeira de frente para Julian e Karen.

VALENTINA – Bem, eu... Eu não sei como agradecer a vocês por isso! Mas como
foi que ela chegou até vocês?

JULIAN – Bem, a minha mulher estava em Liverpool fazendo compras, passou


mal na volta e acabou sendo socorrida por alguém do orfanato onde Angela
estava. Como queríamos muito ter filhos e Karen gostou muito de Angela...

A conversa continua, fora de áudio. Angela vai para o colo de Leon.

CORTA PARA

CENA 2 – CASA DA FAMÍLIA PRADO/SALA – INT – TARDE


Jerri e Marcelo bebem uísque. Herman chega.

HERMAN – Posso acompanhá-los?

MARCELO – Mas é claro, Herman! (levanta) Vou preparar uma dose pra você.
HERMAN – Não, não precisa! Eu mesmo faço.

Herman prepara uma dose dupla de uísque e senta-se junto com Jerri e
Marcelo.

HERMAN – Para onde Valentina foi?

MARCELO – Saiu com Leon e Milena. É que Milena vai gravar um CD e chamou
eles pra assistir a um ensaio. É bom que ela sai um pouco, tenta se distrair...

HERMAN – É verdade.

MARCELO – Herman, depois que todo esse problema se resolver, você ainda
pretende casar com Valentina?

HERMAN – Claro que sim. O mais rápido possível.

MARCELO – E depois?

HERMAN – Depois vamos voltar para a Inglaterra e continuar de onde tínhamos


parado.

MARCELO – Está mesmo querendo começar uma vida com a minha filha?

HERMAN – Se depender de mim, uma vida muito feliz.

MARCELO – Sempre achei estranho o fato de você nunca ter se casado. Pelo
menos durante o tempo em que mantivemos contato.
HERMAN – Pois é. Algumas coisas me fizeram não ter mais fé no casamento.
Mas agora isso mudou.

MARCELO – Que bom...

JERRI – Eu vou subir pra descansar um pouco.

Jerri sai.

MARCELO – Mais uma dose?

HERMAN – Duplo, por favor. Sem gelo.

Marcelo prepara as doses de uísque.

CORTA PARA

CENA 3
Tomada de Londres.

CORTA PARA

CENA 4 - DELEGACIA – INT – TARDE


Isaac conversa com um colega, Peter.

ISAAC – Hoje de manhã recebi uma ligação muito importante pras investigações!

PETER – Alguém falando sobre o paradeiro da criança?

ISAAC – Não, mas é quase isso. Valentina, a mãe, lembrou de um detalhe meio
bobo, mas que pode levar ao comparsa da falecida Lucille e finalmente à menina.
PETER – Aliás, e o corpo dessa criatura? Encontraram?

ISAAC – Não. A terra deve ter engolido essa mulher, mas é o de menos. O
importante agora é achar a menina, devolvê-la à mãe, e depois a gente acha o
corpo da Lucille. Ou não. (t) Agora vou dar uma saída. Vou à floricultura. (levanta-
se)

PETER – Flores para a esposa?

ISAAC – Eu ia dar uma pesquisada nos registros de entregas... Ver quantos


buquês de rosas foram enviados para o endereço de Valentina aqui em Londres.
Mas já que me lembrou disso, vou levar flores para Amanda também. Acho que
hoje ela está mais calma, depois de tudo o que aconteceu.

PETER – Você não parece ter se abalado muito com a perca de seu filho.

ISAAC – Não sei. Eu sinto pela morte dele, mas não tanto. Nem o vi!

Isaac sai.

CORTA PARA

CENA 5 – APARTAMENTO DE MONIKA/QUARTO DE LIV – INT – TARDE


Liv e Marianne conversam. Monika entra.

MONIKA – Liv, sinto muito, mas tenho que interromper a sua brincadeira.
Marianne, precisamos falar.

Liv sai.
MARIANNE – O que foi?

MONIKA – Agora que você está perfeitamente normal...

MARIANNE – Já sei o que você quer. Quer que eu fale sobre o que aconteceu pra
eu ficar desse jeito.

MONIKA – É.

MARIANNE – Não quero.

MONIKA – Mas minha irmã, é importante que você diga o que aconteceu! Eu
preciso entender...

MARIANNE – Eu já estou bem! Isso não é o suficiente?

MONIKA – Não! Preciso saber o que fez você ficar assim. Por que aquele medo
todo da Marya, que a gente nem conhecia?

MARIANNE – Ela me dava medo. Só isso.

MONIKA – Marianne, por favor. Eu passei tantos anos tentando fazer você voltar
ao normal, tudo porque queria uma explicação pra isso que aconteceu, e agora
você não quer falar?

MARIANNE – Quer respeitar a minha vontade?

MONIKA – Tudo bem… Vou fazer como você quer. Mas a nossa conversa ainda
não acabou!

Monika sai.
CORTA PARA

CENA 6 – APARTAMENTO DE MARIANNE/SALA – INT – TARDE


Michael assiste a um jogo de futebol. Monika entra, aborrecida, e senta ao
lado dele.

MICHAEL – Qual foi o problema? Não conseguiu falar com Marianne?

MONIKA – Não! Ela se recusa terminantemente a falar sobre o que fez ela ficar
muda e sem andar.

MICHAEL – Dá um tempo pra ela.

MONIKA – Mais tempo do que já passei sem saber das coisas? Achei que quando
ela falasse pela primeira vez ia contar tudo o que aconteceu, de uma vez só. Mas
não! A única coisa que disse foi o nome de uma mulher que vivia com a gente mas
que víamos muito pouco, a... Marya.

MICHAEL – Espere mais um dia ou dois, depois você toca de novo no assunto.

MONIKA (levanta, irritada) – Eu não quero mais esperar!

MICHAEL – Então só existe uma opção. (t) Chamar Ian de novo para conversar
com ela. Acho que é o único que pode resolver o problema.

MONIKA – É, você tá certo. Vou ligar pra ele agora mesmo.

Monika pega o telefone sem fio e sai da sala. Michael continua assistindo
ao jogo.
CORTA PARA

CENA 7
Tomada de São Paulo no fim da tarde.

CORTA PARA

CENA 8 – ESTÚDIO – INT – TARDE


Vinícius e Milena se arrumam para ir embora. Karen e Julian se aproximam
para falar com Valentina.

KAREN – Nós ainda vamos ver Angela de novo?

VALENTINA – Claro! Quando quiserem, podem ligar para marcar um encontro; ou


então ir à minha casa... Vocês decidem.

KAREN – Pensei que nunca me separaria dela...

VINÍCIUS – Ah, mas isso não é um adeus. É só um até loguinho! Não vamos
deixar que Angela esqueça de vocês dois.

JULIAN – Claro, ela sempre vai lembrar que nós produzimos o CD de estréia do
pai e da tia! (ri)

VINÍCIUS – É, por isso também.

LEON – Que tal se a gente saísse à noite pra... Pra qualquer coisa que Angela
escolher. E dona Valentina não pense em dizer não, que agora não tem motivos
pra isso!

VALENTINA (sorrindo) – Sim, senhor!


CORTA PARA

CENA 9 – CASA DA FAMÍLIA PRADO/SALA – INT – TARDE


Herman está sozinho na sala, sentado no sofá, embriagado. Alice desce as
escadas e segue em direção à cozinha. Herman a vê.

HERMAN – Alice!

ALICE – Sim?

HERMAN – Não quer parar e conversar um pouco?

ALICE – Conversar? Bem, eu ia preparar um chá.

HERMAN – Só vou tomar cinco minutos do seu tempo.

ALICE – Tudo bem.

Alice vai até onde Herman está e senta-se a uma certa distância dele, em
outro sofá.

HERMAN – Por que não chega mais perto?

ALICE – Mas não estou longe.

HERMAN – Vamos, venha mais pra cá.

Alice, desconfiada, se aproxima um pouco mais.

HERMAN – Assim está bem melhor.


ALICE – Você andou bebendo?

HERMAN – Umas doses de uísque com seu marido, nada demais.

ALICE – Nada demais... Tô sentindo o cheiro de álcool daqui!

HERMAN – Lembra de quando bebíamos juntos? Eu lembro de uma vez em


especial: aquela do aniversário de dois anos dos gêmeos. (t) Fim de festa... Lucille
e as crianças dormindo, Marcelo bêbado do outro lado e nós lá, tomando várias
doses de uísque... Acho que era uísque.

ALICE – Vou buscar meu chá. Você devia tomar um banho e ir se deitar.

Alice levanta. Herman também levanta, segura o braço dela e a puxa de


volta para o sofá, com violência.

HERMAN – Espere, deixe eu terminar!

ALICE – Uma outra hora.

HERMAN – Não, por favor! Fique só mais um pouco.

ALICE (suspira, expressando contrariedade) – Tudo bem, continue...

CORTA PARA

CENA 10 – TÁXI – INT – TARDE


Angela, Leon, Valentina e Milena voltam para casa, alegres.
LEON – Angie, responde uma coisa aqui pro tio. Você lembra do que aconteceu
antes de encontrar a tia Karen lá no orfanato?

ANGELA – Não. Só lembro que eu tava com sono...

LEON – E a Lucille, você viu depois?

ANGELA – Não. Cadê ela?

VALENTINA – Ah, não vamos falar mais nisso por enquanto, tá bom? Quero saber
onde você quer ir hoje à noite, Angie.

ANGELA – Quero ver o Vinícius cantar.

MILENA – Vinícius não, Angela. Papai.

ANGELA – Ele é meu pai?

VALENTINA – É, filha. Ele é seu pai.

ANGELA – E por que eu não vi ele antes?

VALENTINA – Outro dia eu conto melhor a história. Mas você vai chamá-lo de
papai, tá certo?

ANGELA – Tá. (t) Tio Herman não vai ser mais meu papai?

Todos riem.

VALENTINA – Vai, meu anjo! Depois que eu casar com Herman, você vai ter dois
papais. Gosta disso?
ANGELA – Gosto.

A viagem segue. O grupo continua conversando animadamente.

CORTA PARA

CENA 11 – CASA DA FAMÍLIA PRADO/SALA – INT – TARDE


Continuação da cena 9. Alice está entediada, ouvindo Herman.

ALICE – Já posso ir embora ou tem mais alguma coisa pra me dizer?

HERMAN – Você tem certeza que não sente mais nem um pouco de saudades
daquele tempo?

ALICE – Por que sentiria? Aquele foi o pior momento da minha vida! Quase perdi
meu filho.

HERMAN – Mas e do resto?

ALICE – Não tenho por que sentir saudades de nada. O presente me faz feliz.

HERMAN – Às vezes tenho vontade de voltar no tempo. Exatamente para aquela


época das nossas vidas.

ALICE – Já chega...

Herman corta a fala dela beijando-a. Alice começa a se debater para sair,
mas ele a aperta.
Corta para a porta de entrada da casa. Valentina entra primeiro com
Angela, e pára imediatamente ao ver a cena. Corta para Alice, que consegue se
livrar dos braços de Herman.

ALICE (grita) – Você me machucou!

VALENTINA – O que... É isso?

ALICE – Minha filha, deixa que eu explico...

LEON – Gente, o Jerri tava certo.

MILENA – Certo de que?

LEON – Disso aí que a gente tá vendo.

ALICE – Herman, sai daqui. Eu falo com Valentina.

HERMAN – Não, eu...

ALICE – Sai! Você está completamente bêbado, não vai explicar nada.

Herman sobe, com uma certa dificuldade.

MILENA – Também vou subir. Espero que ele não me pegue...

LEON – Vai pegar nada. O problema dele é com mamãe e Tininha. (t) Mãe, posso
ficar pra conversa?

ALICE – Não, Leon. Suba com Milena, por favor.


LEON – Sim senhora.

Leon, Angela e Milena sobem. Alice senta no sofá.

ALICE – Venha cá, minha filha.

Valentina se aproxima e senta ao lado dela.

VALENTINA – O que foi isso?

ALICE – Você deve ter notado que ele estava muito bêbado. Isso não justifica o
que ele fez, mas... Você precisa saber, Herman está usando você.

VALENTINA – Usando?

ALICE – Sim, meu bem. Você deve saber que Herman foi apaixonado por mim na
juventude.

VALENTINA – Ele me disse isso uma vez.

ALICE – É verdade. Ele foi apaixonado por mim, chegamos a nos envolver
rapidamente depois que Leon se recuperou da operação, mas foi loucura e eu me
arrependi, pedi para ele esquecer tudo aquilo, mas ele não esqueceu.

VALENTINA – Quer dizer que ele continua apaixonado.

ALICE – É, Tininha. Quando vocês se conheceram, todos os sentimentos dele por


mim voltaram. Ele viu você como se fosse eu mais jovem. (t) Por isso eu queria
pedir que você rompesse com ele. Ele não ama você!

VALENTINA – Mas...
ALICE – Ele disse que pode amar você pelo que é, mas ele está muito preso ao
passado, ao que viveu comigo. Ele só quer ficar com você porque lembra de mim.
E você não merece isso. Eu nunca pude dar um conselho a você, mas agora vou
dar um: termine com ele, não por mim, mas pelo seu próprio bem.

VALENTINA – Não entendo... Até um tempo atrás, eu achava que a história de


vocês não interferia em nada na minha vida com ele.

ALICE (segura a mão dele) – Não fale nada agora, apenas pense. Pense se você
vê mesmo um futuro ao lado dele. Se você o ama de verdade e se tem certeza do
amor dele. Eu só falo do que eu vejo. Mas você escolhe o que vai fazer. Acredito
que vai tomar a decisão correta.

VALENTINA – Obrigada, mãe.

Alice sorri para Valentina, que levanta e sai.

CORTA PARA

CENA 12 – CASA DA FAMÍLIA PRADO/QUARTO DE LEON E MILENA – INT –


TARDE
Leon e Milena conversam.

MILENA – Nossa, que história louca. Ele tava ficando com a Tina pensando na
sua mãe?

LEON – Pra você ver como são as coisas. (t) Esse negócio não vai pra frente,
ainda mais depois da cena de agora...

MILENA – Mas ele tinha bebido, né...


LEON – Você sabe: a bebida entra, a verdade sai...

MILENA – Será que ainda vai ter clima pra sair de noite?

LEON – Depois eu pergunto pra ela.

CORTE RÁPIDO PARA

CENA 13 – CASA DA FAMÍLIA PRADO/QUARTO DE LEON E MILENA – INT –


NOITE
Valentina abre a porta do quarto, tendo Angela ao seu lado.

VALENTINA – Mas vocês ainda não tão prontos?

Corta para a cama, na qual estão Leon e Milena, totalmente desarrumados.

LEON – A gente achou que você não ia mais querer sair, depois daquilo...

VALENTINA – Ficar trancada em casa? Nada disso! Combinamos que íamos sair
pra comemorar a volta de Angela e vamos sair!

LEON – Já ligou pra polícia lá na Inglaterra pra contar que ela já apareceu?

VALENTINA – Liguei. E recebi uma outra notícia. (t) Lembra daquele sonho das
rosas vermelhas que eu te falei?

LEON – Lembro. O que tem?

CORTA PARA
CENA 14 – LONDRES/DELEGACIA – INT – NOITE
Isaac conversa com Paul.

ISAAC – Meu sogro era o homem que comprava as flores que iam pra casa de
Valentina Prado!

PAUL – Seu sogro?

ISAAC – É. Uma pessoa que eu nunca ia pensar ter algo a ver com a história.

PAUL – Mas você acha que ele tem algo a ver com o seqüestro?

ISAAC – Não, com o seqüestro não. Mas com o sumiço de Lucille ninguém sabe.
Vamos ter que chamá-lo para prestar esclarecimentos.

Os dois ficam em silêncio com alguns instantes.

ISAAC – Agora lembrei de uma coisa.

PAUL – O que?

ISAAC – Layla, minha sogra, uma vez me pediu para investigar Johann, pois
desconfiava que ele tinha uma amante. Pelo jeito, Lucille era a amante!

CORTA PARA

CENA 15 – HOSPITAL/QUARTO DE LAYLA – INT – NOITE


Layla e Isaac conversam, sérios. Ela ainda não pode se mover.

LAYLA – Como eu suspeitava!


ISAAC – Bom, as evidências apontam pra isso. Rosas vermelhas... Mas ainda vou
falar com ele sobre outros assuntos... Agora ele se torna peça fundamental para
descobrir detalhes sobre a morte de Lucille.

LAYLA – Eu já disse uma vez, e digo novamente. Essa mulher não está morta! Se
estivesse de verdade, o corpo já teria aparecido. Além disso, se estou aqui no
hospital com uma perna quebrada, entre outras avarias, a culpa é dela. (t) Saí
perseguindo uma enfermeira daqui muito parecida com ela, apesar dos olhos
verdes, do cabelo ruivo. Algo me diz que era ela.

ISAAC – Eu sei que você estava a perseguindo. (t) Porque eu também estava
perseguindo você. No final das contas, a culpa do acidente é toda minha.

AMANDA (off) – E como se não bastasse não ter ficado ao meu lado quando perdi
meu filho, quase mata a minha mãe!

Isaac olha para trás e vê Amanda na porta.

ISAAC – Amanda, foi um...

AMANDA – Você, com essa obsessão por ser promovido, tem me decepcionado a
cada dia. Eu achei que te amava mesmo, sabia? Aliás, eu amava. (t) Amava
quem você era. Aquele cara despretensioso que eu conheci numa praia em
Recife, que guardou meus sapatos! Eu não imaginava que por trás daquele
homem tão bacana existia essa criatura fria, insensível. (t) Nem pra chorar a morte
do próprio filho!

ISAAC – Mas sua mãe também teve culpa, oras! Onde já se viu se meter a
perseguir uma enfermeira de táxi, só porque acha que é uma mulher que está
morta!
LAYLA – Já disse que ela não morreu! E enquanto não vir o corpo, continuarei
repetindo que ela está viva, e bem viva!

AMANDA – Mãe, quando ele sair daqui, eu volto. (faz menção de ir embora)

ISAAC – Não, Amanda. Eu já estou de saída, preciso falar com o seu pai. Depois
conversamos.

AMANDA – Não pretendo falar mais com você a não ser na presença de um
advogado.

ISAAC – Divórcio?

AMANDA – O que acha?

Isaac sai, deixando a porta aberta. Amanda a fecha.

LAYLA – Filha, você está falando sério? Vai mesmo se divorciar de Isaac?

AMANDA – Não sei nem por que me casei, mãe.

LAYLA – Mas você gostava dele...

AMANDA – Do que ele me mostrou ser quando nos conhecemos. Agora isso não
importa. Meu filho se foi antes que eu pudesse vê-lo, vou me divorciar e depois a
gente vê se a vida volta ao normal.

LAYLA – É... Acho que você não vai ser a única a se divorciar.

AMANDA – Você?
LAYLA – Pois é. Quando eu sair daqui vou acertar as contas com seu pai. (t)
Aliás, ele vai ter que prestar contas a outras pessoas...

CORTA PARA

CENA 16 – CASA DE LAYLA/SALA – INT – NOITE


Isaac e Johann conversam. Clima muito tenso.

JOHANN – Como assim, depoimento? Eu não fiz nada!

ISAAC – Johann, sinceramente. Eu não acredito que você tenha culpa alguma,
mas sua pronunciação é muito importante. Precisamos saber qual é a sua relação
com a senhora Lucille Petrović.

JOHANN – Tudo bem, eu aceito falar. Mas não na delegacia. Conto tudo a você
aqui mesmo, em casa.

ISAAC – Não sei se é aconselhável um depoimento extra-oficial.

JOHANN – Eu não quero me expor, entende?

ISAAC – Sim. Se o problema é esse, pode-se dar um depoimento sigiloso. Assim


sua integridade moral estaria preservada.

JOHANN – Vamos ver. Amanhã eu ligo para você e digo se vou ou não à
delegacia.

ISAAC – Perfeito.

Johann acende um cigarro e começa a fumar.


CORTA PARA

CENA 17
Tomada aérea de Recife.

CORTA PARA

CENA 18 – MATERNIDADE/QUARTO DE AURORA – INT – NOITE


Cristina segura João Paulo no colo. Aurora está pronta para sair. Mateus e
Pietra também estão lá.

MATEUS – E agora, pra onde?

AURORA – Vamos pra Toritama. Tenho umas coisinhas pra resolver lá e quero
fazer isso logo.

CRISTINA – Eu também vou. Querem ir?

PIETRA – Eu adoraria, mas não dá. Consegui um emprego!

AURORA – Sério? Onde?

PIETRA – Bem, conheci um tatuador perto daqui. Conversamos, ficamos amigos e


ele me deu emprego de assistente.

AURORA – Meus parabéns!

PIETRA – Ele me chamou pra morar com ele também. Amanhã tô me mudando.

MATEUS – Assim, eu vou junto. Aproveito e conheço o meu sogro, não é?


CRISTINA – É. Vai conhecer numas circunstâncias não muito legais, mas vai.

MATEUS – Bronca?

CRISTINA – É, mas a gente te conta no caminho.

O grupo sai do quarto, conversando.

CORTA PARA

CENA 19
Tomada de São Paulo à noite.

CORTA PARA

CENA 20 – BAR SACRIPANTAS – INT – NOITE


Vinícius termina de cantar e desce do palco, ovacionado pelo público, que
se concentra em pequeno número. Angela, que está no colo de Valentina, passa a
menina para os braços de Vinícius.

VINÍCIUS – Gostou do show, princesa?

ANGELA – Quero cantar que nem você.

VINÍCIUS – Olhem só, ela já mudou de idéia!

VALENTINA – Pára de influenciar a menina, Vinícius! Ela vai ser o que quiser.

LEON – Ah! Pensei que vocês já iam brigar pra ver se Angie vai ser veterinária ou
cantora...
MILENA – Vou dar uma palavrinha ali com a Ana Paula.

Milena se afasta do grupo, que continua a conversa. Ana Paula, conversa


em outra mesa com Giulia, Lila e Jerri.

MILENA – Posso ficar aqui um pouco?

ANA PAULA – Ora, é claro! Quais as novidades?

MILENA – Bem, acharam Angela! Finalmente...

LILA – Graças a Deus! Imagino a dor que sua cunhada sentiu...

MILENA – É, mas já passou tudo. (t) E vocês, como estão?

ANA PAULA – Ah, tudo bem! Estávamos falando sobre os pais que fazem às
vezes de mãe, sabe?

GIULIA – Daniel ficou em casa, cuidando da Laurinha.

LILA – Até parece outra pessoa, juro. E tudo obra de quem? De quem?

GIULIA – Ah, eu não fiz nada...

LILA – Olha que fez... Essa beleza toda mexeu com a cabeça do Daniel de um
jeito que eu acho que ninguém mais faria! (ri)

MILENA – Quando vai ser o batizado da Laura?

LILA – Só deu pra marcar pra semana que vem. Tava faltando um padrinho, mas
seu Luigi topou na hora.
GIULIA – Falando no papai... Dêem só uma olhada ali no balcão. Vejam que
contatos!

Todos olham na direção para onde Giulia aponta e vêem Meire e Luigi
conversando.
Corta para o balcão.

MEIRE – O que você queria falar comigo? Tá há um tempão aí enrolando e eu


tenho que atender os clientes...

LUIGI – Vá, não tem tanta gente assim. Por isso que te chamei.

MEIRE – Mas toda essa enrolação já tá me dando agonia!

LUIGI – Quer que eu seja direto?

MEIRE – Seria bom.

LUIGI – Então tá. (t) Estou completamente apaixonado pela senhora, dona Meire!

MEIRE – Como?

LUIGI – Você pediu que eu fosse direto, então tô sendo.

MEIRE – E?

LUIGI – E é isso!

MEIRE – Você quer casar comigo?


LUIGI – Quero! Podemos marcar pra quando você quiser.

MEIRE – Ei! Mas eu não disse que queria casar.

LUIGI – Não disse? Mas você me pediu em casamento, mulher!

MEIRE – Não pedi não!

LUIGI – Pediu sim.

MEIRE – Não pedi!

LUIGI – Pediu! (grita) Atenção, todos! Ela me pediu em casamento e agora tá


querendo negar!

MEIRE – Não foi isso! Eu só perguntei se a sua intenção era casar comigo.

VINÍCIUS – Ô, vocês dois! Dá pra parar com isso? Duas pessoas livres,
desimpedidas, vai dar super certo! Quero cantar nesse casamento.

Meire e Luigi se olham por alguns instantes. Depois, Meire volta a olhar
para Vinícius.

MEIRE – Tá certo. (t) Contanto que você não invente de cobrar pela performance
depois...

GIULIA – Isso quer dizer que vocês vão casar mesmo?

MEIRE – É... Acho que vai dar certo.


Giulia e Lila puxam a salva de palmas. Luigi rouba um beijo de Meire.
Depois eles se beijam de novo.

CORTA PARA

CENA 21 – CARRO DE VALENTINA – INT – NOITE


Valentina está só com Vinícius e Angela, que dorme. Ela estaciona na
frente do prédio onde Vinícius mora.

VALENTINA – Pois bem. Tá entregue!

VINÍCIUS – Em segurança. (ri)

VALENTINA – Vinícius, antes de você subir, a gente podia conversar?

VINÍCIUS – Claro. Sobre o que?

VALENTINA – Na verdade quero pedir uma coisa. Que você fique com Angie hoje
à noite. Se tiver condições, é claro.

VINÍCIUS – Claro que tenho. Vou adorar ficar com a pequenininha. (t) Mas por
que?

VALENTINA – É que eu preciso ter uma conversa séria com meu noivo, Herman.
Vai ser uma coisa desgastante e muito chata, o clima vai pesar... Não quero que
Angela esteja lá pra ver isso.

VINÍCIUS – Você não vai bater no cara, não vai? Porque essa sua mãozinha...

VALENTINA (ri) – Não, pode ficar tranqüila que não vou fazer nada do tipo. Nesse
último ano, virei adepta da política da não violência, que nem o Leon.
VINÍCIUS – Ah, bom...

VALENTINA – Mas provavelmente vou romper com ele.

VINÍCIUS – Por quê?

VALENTINA – Pensei bem nas últimas horas e cheguei à conclusão de que não ia
prestar.

VINÍCIUS – E... Não tem ninguém no meio dessa história?

VALENTINA – Não tem ninguém e ao mesmo tempo tem muita gente. Mas depois
a gente fala melhor sobre isso. Agora tenho que ir. Valeu pela noite, a
apresentação foi ótima.

VINÍCIUS – Brigadão... Foi especial pra nossa garota.

Vinícius vai dar um beijo no rosto de Valentina mas se atrapalha e a beija


na boca. Ela sorri, tímida. Ele devolve o sorriso.

VINÍCIUS – Boa noite.

VALENTINA – Boa noite pra você também.

Vinícius sai, abre uma das portas traseiras e retira Angela de lá.

VINÍCIUS – Prometo que amanhã levo Angela em segurança a sua casa!

VALENTINA – Sim...
Vinícius entra no prédio. Valentina sai em seguida.

CORTA PARA

CENA 22
Tomada de São Paulo no começo do dia.

CORTA PARA

CENA 23 – CASA DA FAMÍLIA PRADO/QUARTO DE HÓSPEDES – INT – DIA


Herman se olha no espelho, sério. Ouve batidas na porta.

HERMAN – Pode entrar.

VALENTINA (entrando) – Bom dia, Herman. Podemos conversar agora?

HERMAN – Pode ser, sim. Sobre o que?

VALENTINA – Nós dois. (t) E minha mãe.

Herman e Valentina se encaram, sérios.

CORTA PARA

CENA 24 – LONDRES/CASA DE LAYLA – INT – DIA


Johann conversa ao telefone com Isaac.

JOHANN – Isaac, pensei bastante em nossa conversa de ontem. (t) Resolvi que
vou contar tudo em um depoimento oficial, contanto que o sigilo seja mantido. (t)
Ótimo, estarei aí em meia hora. (t) Até lá.
Johann desliga o telefone. Ao olhar para trás, vê Layla entrando em uma
cadeira de rodas, junto com Amanda, Michael e Darren.

LAYLA – Olá, Johann.

JOHANN – Olá, Layla. Não esperava que você tivesse alta hoje.

LAYLA – Não tinha mais por que permanecer no hospital, posso me recuperar em
casa.

JOHANN – Que bom.

LAYLA – Você está de saída?

JOHANN – Sim.

LAYLA – Não pode ceder alguns minutos para sua esposa?

JOHANN (depois de um instante de silêncio) – Sim, claro.

LAYLA – Meninos, por favor, subam. Preciso conversar a sós com o pai de vocês.

Os três sobem. Layla olha séria para Johann, que mantém uma expressão
razoavelmente tranqüila.

CORTA PARA

CENA 25 – APARTAMENTO DE MICHAEL E MONIKA/QUARTO DE LIV – INT –


DIA
Ian e Marianne estão sozinhos, conversando muito sérios.
IAN – Marianne, eu entendo que você queira enterrar o seu passado e viver uma
vida normal, como se não existisse nenhum trauma na sua infância. Mas se você
quiser realmente que essa história fique enterrada para sempre, seria bom
esclarecer tudo pra sua irmã, não acha?

MARIANNE – Não, não acho! Não quero falar sobre isso.

IAN – Nem comigo?

MARIANNE – Nem com você.

IAN – Mas eu queria saber mais de você. De onde veio... Queria saber sobre a
mulher que eu amo.

Marianne fica muda, chocada.

IAN – Marianne?

MARIANNE – Sim.

IAN – Ficou assustada?

MARIANNE – Mais ou menos...

IAN – Mas é a mais pura verdade. Eu amei você no mesmo instante em que
fomos apresentados. Por isso meu empenho em te fazer falar foi muito maior.

MARIANNE – Puxa... Isso me deixa até constrangida.

IAN – Será que nem em nome desse amor você não falaria tudo?
Marianne fica quieta por um minuto. Suspense.

MARIANNE – Tudo bem, eu falo tudo. Pode chamar Monika e Laurie aqui.

Ian sorri, satisfeito.

********** FIM DO CAPÍTULO 80 **********