You are on page 1of 3

02

TEOLOGIA – CAMINHOS PARA O SAGRADO

Religião Tradicional
Antonio Mota

Nas experiências primitivas / primárias de religião, a partir de um esquema mental objetivista e teocêntrico, encontra-se
um Deus absolutamente transcendente, criador e regulador do cosmo – que impressiona o humano nos seus mistérios.
Tal Deus providencia o eterno retorno da ordem natural e social.

PARA ESTUDO: cap. 2 do livro Deus e os homens ( ou então Mo Sung, Jung. Deus, ilusão ou realidade. São Paulo:
Ática, 1996), vídeo Evangelização, quinhentos anos.
PARA PESQUISA: coletar folhetos, fotos e reportagens de celebrações, ou cantos e orações que ilustrem a fé popular
tradicional.

“Este sagrado, presente em toda sociedade antiga mas, terço para Nossa Senhora). Mas uma outra
e mesmo moderna, a seu modo, que consiste relação é a contratual, onde o santo concede uma
numa relação com o divino, mediatizado por um ‘graça’ e o fiel paga uma promessa.
conjunto ritual – sacerdote, templo, cerimônia, Em todo caso, a característica como é o
objetos sagrados, etc – vem sendo gerido pela relacionamento direto e pessoal: o santo está ao
Igreja católica. Mesmo numa sociedade semi- alcance imediato da pessoa. Esse catolicismo
secularizada, como a brasileira, a Igreja continua privatizado, todavia, é suplementado pelas
administrando, se não com exclusividade, ao práticas sacramentais do catolicismo romano,
menos com visível hegemonia, as cerimonias quais o batismo, primeira comunhão, casamentos
religiosas. De fato, permanece ainda vivo na e os funerais, alem das festas dos santos e da
nossa sociedade o desejo de sacralizar os grandes semana santa. (...)
eventos da vida, tais como nascimento, O catolicismo popular se espalhou sobretudo pelo
casamento, funeral, formatura, festas pátrias, interior e na periferia das grandes cidades. No
etc”. (Libânio. Deus e os homens...pg. 44). fundo, é uma herança religiosa dos índios com
seus animismos e superstições, dos portugueses
“A maioria da população, conservando elementos com seu culto aos santos e às almas, dos
da tradição antiga, reinterpretou o catolicismo africanos com suas divindades, orixás e seu culto
romano. Assim, entre setenta e oitenta por cento aos ancestrais. Essa religiosidade sincretiza uma
dos católicos praticam sua religião de modo recorrência ao sagrado sustentador do cosmos, a
privatizado e/ou em comunidades de ‘cura que todos acorrem por meio dos ‘santos’ – sejam
divina’, muito inconstantes e abertas ao eles padroeiros, orixás, espíritos de luz, Espírito
sincretismo (mistura de religiões). O núcleo é a Santo carismático ou o Jesus pentecostal, Nossa
devoção aos santos, não somente os canonizados, Senhora da Conceição...
também as denominações locais e familiares Encontra-se por dentro dessas expressões uma
(crianças assassinadas) e santos anônimos (almas submissão religiosa a um Deus absolutamente
vaqueiras ou benditas). Além do que, em cada transcendente, criador e recriador da ordem
imagem, ainda que do mesmo santo, há um santo cósmica, cujo poder se manifesta nas ‘leis
diferente: carregado com outros poderes de eternas’ da natureza e da sociedade – que se
intermediação para o Deus todo-poderoso. As encontram sob a proteção e o controle dos
relações entre o fiel e os santos podem assumir ‘santos’. Por outro lado, mostra-se também, e
uma modalidade devocional, através de uma paradoxalmente, a reivindicação de dignidade
aliança estabelecida pela consagração no batismo humana – ‘Deus é Pai, não é padastro!’ ”
ou por um voto, em que o santo se apresenta (Aragão, Gilbraz. Encontro de Irmãos:
como ‘padrinho celeste’ e o fiel expressa sua fragmentos de história. Pg. 14).
devoção de acordo com as particularidades do
santo (pão de Santo Antônio, velas para as al- De todo modo, a religiosidade tradi-

1
cional não se limita à esfera do catolicismo e nem todo ● O QUE CARACTERIZA FUNDAMENTALMENTE O
cristão é tradicional, como demonstra esta carta do Frei CAMINHO TRADICIONAL DA RELIGIÃO?
Betto: “Querido Padre Marcelo Rossi. Rezo por você ONDE TAL CAMINHO SE CONFIGURA HOJE EM DIA?

todos os dias. Primeiro, para que o seu trabalho dê Sua pastoral obedece a uma fórmula de sucesso: muita
frutos ’cem por um’, como quer Jesus. Considero-o emoção, pouca razão. Não recomendam as Escrituras
positivo no que concerne ao reavivamento espiritual, darmos ‘as razões de nossa esperança’ (I Pedro 3,15)?
ao consolo dos aflitos, à cura dos enfermos, ao Gosto de ver aquela multidão vibrando com a sua
reencontro da fé. Como é bom ver toda aquela ginástica litúrgica, você com os paramentos mais
multidão em júbilo num momento de graça! brilhantes que os demais concelebrantes, todos
O que me atemoriza é ver um padre pop star. Talvez o cantando com entusiasmo. Mas... Igreja não é
anacrônico seja eu, que jamais aceito os convites para comunidade? Se voltar sua memória um pouco na
aparecer na TV. Prefiro aparecer entre os excluídos, história, encontrará outros movimentos carismáticos
nas comunidades eclesiais de base, na pastoral que, após um período de pique, fracassaram por não
operária, na periferia, entre os sem-terra e sem teto. integrar os fiéis em comunidades. É como um
Sempre me recordo de São Paulo, que pretendeu fazer alucinógeno: passado o efeito, perde-se o ânimo.
sucesso no aerópago de Atenas (Atos dos Apóstolos 17, Centrar a espiritualidade no Espírito Santo é exigência
16-34). Pregou ali com entusiasmo. Foi um fiasco que de nossa fé. Porém, em todas as vezes que se privilegia
o levou a trocar a sabedoria deste mundo pela loucura o Espírito, nossa espiritualidade tende ao subjetivismo;
da cruz. Passou a viver em Corinto, entre gente se o Cristo, tende ao ativismo; se o Pai, tende ao
simples, trabalhando com as próprias mãos. Não conservadorismo. Nossa espiritualidade deve ser
pregava a si mesmo, mas a ‘Jesus crucificado’ (I trinitária, ensina a Igreja. E seu fruto, não arroubos e
Coríntios 2,2). palavras sem nexo, mas o amor ao próximo, sobretudo
Você, Marcelo, rompe o bloqueio eclesiástico frente a aos mais pobres; amor que instaura justiça e engendra
mídia. Nisso você é discípulo de um grande mestre: a paz.
João Paulo II. Preocupa-me ver religiosos que fogem Espero que você não se torne prisioneiro da própria
da imprensa como o diabo da cruz. Não sabem o que imagem. E possa sentar com a sua família num
dizer ou praticam a mera ortofonia, sem idéias restaurante aos domingos ou com os amigos no boteco
próprias, criatividade, alegria. Um apóstolo triste não da esquina. Ao perder o gosto pelas coisas simples da
combina com a imagem que tenho de Jesus, retratada vida — passear num parque, tomar um banho de
no romance Entre todos os Homens (Ática). cachoeira, ir a um cinema — temo que a gente comece
Parecem não se dar conta de que, se o púlpito era o a se dar uma importância indevida.
grande emissor em tempos antanhos, como o alto- Vale o exemplo de João Batista. Ele evitava aparecer
falante da matriz no interior, hoje o púlpito é a mídia. para que Jesus fosse exaltado (João 3,30). Desconfie
Para o bem e para o mal. Mas é preciso saber usá-lo, da mídia que se dobra à sua presença e nem suporta
sem se deixar usar. Você tem sido ‘ibopizado’. Entrou ouvir os nomes de d. Hélder Câmara, d. Paulo Evaristo
no ar, sobe a audiência. Sua imagem vende CDs e Arns e d. Pedro Casaldáliga. Essa mídia não quer o
terços, camisetas e quinquilharias. Mas, lembre-se: Evangelho. Quer uma isca que atraia maior audiência.
quanto maior a altura, maior o tombo. Exaltados E mais audiência significa ampliar a veiculação de
devem ser Jesus e sua Mensagem: a solidariedade, a clipes publicitários. Em suma, formar consumidores e
justiça para com os pobres, a denúncia das injustiças, não cidadãos.
o amor aos excluídos, a utopia de uma nova ordem das E muito menos cristãos. Nunca nos falamos. Espero
coisas, consubstanciada na categoria do Reino de encontrá-lo numa dessas ocasiões em que sem-tetos
Deus. são desalojados, sem-terras expulsos do assentamento,
Qual é a sua teologia? Ouço e leio suas entrevistas. portadores de HIV alijados dos hospitais, favelados
Fica sempre uma pergunta sem resposta: o que você cercados pela polícia. Traga o seu rebanho para as
pensa? A quem, como Jesus, você chamaria de obras de justiça. Para os que têm fome e precisam de
’raposa’ hoje (Lucas 13,32)? O que diria para o quem lhes dê de comer; estão oprimidos e necessitam
homem rico? Como trataria as mulheres adúlteras, os ser libertados; enfim, os excluídos. É neles que Jesus
amasiados, os pecadores confessos? quer ser reconhecido, servido e amado, como ele
próprio ensina no capítulo 25 do evangelho de Mateus.
Reze também por mim, um católico com muita vontade
PARA DINÂMICA DE GRUPO: de se tornar cristão”. (Folha S. Paulo, 20/11/98. Pg.3).

2
● QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS SOCIAIS DA
RELIGIÃO
TRADICIONAL?