O Show de Truman O espetáculo de nossas Vidas.

Autor: Rodolfo José Colombari – Bacharel em Comunicação Social com Habilitação para Publicidade e Propaganda. dorfo_rox@hotmail.com - Orientador: Caio Aguilar Fernandes.

INTRODUÇÃO

O cinema sempre traz filmes que tratam de diversos assuntos e temas, sendo uma ampla fonte de estudo, de análise e reflexão em cima dos temas abordados. Esses filmes, quando bem feitos, trazem consigo conceitos interessantes de serem trabalhados, analisados e discutidos. O filme O Show de Truman foi escolhido, pois permite analisar de maneira simples e direta a forma como nós, indivíduos de uma sociedade, somos cercados de mecanismos que nos guiam por caminhos que, às vezes, não são os que desejaríamos escolher, e o filme retrata muito bem essas relações entre indivíduo, meios de manipulação e controle social. O Show de Truman é um desses filmes que está recheado de conceitos das mais diversas áreas. O filme traz conceitos religiosos, filosóficos, psicológicos, sociológicos entre outros, que se bem analisados e estudados, geram uma boa discussão a respeito, mostrando que mesmo um filme feito para a diversão e o lazer da maioria das pessoas também pode ser utilizado como meio de estudos e discussões sobre diversos temas. A intenção do trabalho é fazer uma comparação entre o mundo do personagem Truman e o nosso mundo real, mostrando que os mesmos meios que manipulam sua vida também são amplamente utilizados para manipular as nossas, prendendo cada um de nós dentro do seu próprio show de Truman. O primeiro capítulo apresentará uma noção básica do filme. Será analisada a parte técnica. Há a apresentação do enredo do filme, de seus atores, além de uma análise das referências com outros filmes que partilham do mesmo tema de O Show de Truman, como, por exemplo, os filmes Matrix e A Ilha; além da referência com obras literárias, como um conto de Machado de Assis e o livro 1984, de George Orwell.

9

Na segunda parte serão levantados os conceitos que aparecem no filme. Serão levantadas teorias religiosas que nos trazem a maneira de ver o mundo, conceitos filosóficos que se encaixam no modo de como o personagem Truman busca a verdade de seu mundo, podendo ser comparado com um filósofo como Sócrates ou Descartes, e ainda a comparação com o mito da Caverna de Platão. A pesquisa foi embasada em textos de livros de autores como Marilena Chauí, Louis Althusser, Durkhein, Platão, entre outros, e para se estabelecer algumas comparações foi utilizada a Bíblia, pois o filme traz várias referências a acontecimentos bíblicos, assim como alguns textos virtuais que trazem informações sobre os filmes que foram utilizados no presente trabalho. Ainda no segundo capítulo serão abordados conceitos sobre ideologia e alienação, amplamente estudados por Karl Marx e a teoria dos Aparelhos Ideológicos de Estado, que é estudada e analisada por Louis Althusser, e é essa teoria que servirá de base para análise das cenas do filme no terceiro capítulo. A função do terceiro capítulo é estudar os meios que fazem com que Truman não tenha conhecimento do mundo fictício em que vive. Serão analisadas as cenas que contemplam a teoria dos Aparelhos Ideológicos de Estado, como a escola, família, meios de comunicação de massa e propaganda ideológica. Será estudado como esses aparelhos ideológicos atuam para a manutenção do interesse do idealizador do reality show. Por fim, no quarto capítulo será analisada a trajetória do nosso personagem Truman rumo à verdade de seu mundo, assim como os discursos do idealizador do programa, que nos traz comentários importantes sobre o mundo em que vivemos e os significados de alguns elementos que aparentemente não fazem sentido nenhum, mas que se analisados com um pouco mais de atenção são importantíssimos para o desenvolvimento da história e entendimento do filme.

10

1 O FILME

1.1 DIREÇÃO/ATORES

O Show de Truman foi um filme escrito por Andrew Niccol, nascido na Nova Zelândia. Já havia sido roteirista de um drama de ficção científica e resolvera escrever O Show de Truman – O Show da Vida, do original inglês “The Truman Show” (1998, Paramount), só que dessa vez o filme se relacionaria muito mais com o estilo dramático do que com ficção científica. Andrew, a respeito do filme, diz: “O que mais me perguntam a respeito do O Show de Truman é de onde surgiu a idéia de escrevê-lo: é porque suspeito de que esta seja a realidade.” (NICCOL, 1998, p ix). Peter Weir, quando procurado por Andrew Niccol, já era um diretor conhecido, tendo sido indicado ao Oscar com os filmes A Testemunha (1985) e Sociedade dos Poetas Mortos (1989), e dirigido vários outros filmes. Peter Weir é conhecido por fazer como que atores de ação e comédia, como Jim Carrey e Robin Willians, interpretem papéis dramáticos com credibilidade. Quando recebeu a proposta, o diretor passou cerca de um ano “refinando” o roteiro, pois o escolhido para ser o protagonista dessa história, Jim Carrey, não estaria disponível antes desse tempo (WEIR, 1998, p. xi) James Eugene Carrey, mais conhecido como Jim Carrey, ficou conhecido no mundo todo por suas atuações em comédias como Ace Ventura (1995), O Máscara (1994), Débi & Lóide (1994), O Mentiroso (1997) entre outros. Em 1996, Carrey assina um contrato milionário com a Sony para estrear o filme O Pentelho, tendo o maior cachê já pago a um ator de comédia. Após maus resultados com o filme, Carrey resolve mudar seu estilo de interpretação, sendo chamado para ser o protagonista do filme O Show de Truman. Demonstrando uma sinceridade não característica, Carrey pegou os cinéfilos de surpresa, ganhando o Globo de Ouro por sua atuação, mas criticou demais os membros da Academia de Cinema por não ter sido indicado ao Oscar. Em 1999, ganhou novamente o Globo de Ouro com o filme O Mundo de Andy.

mas o sucesso foi tão grande que novos patrocinadores quiseram aproveitar a oportunidade e foi se tornando necessária a ampliação dos cenários. No filme. O Grinch (2000). passando para a construção de uma cozinha e. pois este acreditava que daria ao mundo um ator de verdade. Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças (2004). sendo o programa visto por todo o mundo. menos ele.imdb. Todo Poderoso (2003). quando recebeu muitos elogios da crítica – o ator não recebeu nenhum Oscar. acessado em 14/04/2008) 1. Toda história desenrola-se em torno de como Truman vai descobrindo que mora em um mundo falso e descobrindo maneiras para sair dele. sendo este patrocinado por produtos infantis. O problema é que Christof não pode deixar com que a estrela de seu programa saia. posteriormente. foi adotado quando ainda criança para ser o protagonista de um programa do ambicioso produtor Christof (interpretado por Ed Harris).com/name/nm0000120/bio. 24 horas por dia.11 Além dos filmes já citados acima. acabando com seus .2 ENREDO O filme trata dos últimos dias de um programa de televisão que foi apresentado por 29 anos. O programa foi crescendo tanto até que Christof conseguiu um investimento que bancasse a construção do mundo fictício para Truman. mas o filme ganhou na categoria de melhor roteiro original – e Número 23 (2007). Truman Burbank. Eu mesmo e Irene (2000). A primeira idéia de Christof era que o programa durasse apenas o primeiro ano de Truman. um estúdio visível do espaço. Truman foi criado por Christof. Todos que o cercam são atores. Cine Majestic (2001). criado justamente para manter Truman “preso” durante sua vida. Jim Carrey também teve destaque em alguns outros filmes como Eu. (http://www. que fosse espontâneo apesar de viver em um ambiente totalmente controlado. 7 dias por semana. Os atores também foram sendo requisitados para a participação do reality show. O custo era baixo – existia somente o cenário do quarto do bebê –. vivido por Jim Carrey. onde cresceria em uma ilha chamada Seahaven. de uma garagem.

percebe que simplesmente não há elevador e que se trata de um cenário. ao tentar entrar em um elevador de um prédio. Para o rapaz. ela seria Lauren Garland. Entretanto. casaram-se. Christof resolve fazer com que o pai de Truman retorne e. alegando que ela tem um problema de cabeça e a leva para longe dizendo a Truman que a levará para as Ilhas Fiji. onde a moça começa a lhe contar a verdade que o cerca. Pensando nessa possibilidade. Diante da possibilidade de seu reality show acabar e de Truman descobrir toda verdade a cerca de sua vida.12 planos. sua esposa. Truman fica confuso. Com o desenrolar da história. o rádio do carro entra numa freqüência em que o “narrador” diz exatamente o caminho que Truman está fazendo como se o acompanhasse. Um dia. Ao analisar a fotografia com uma lupa. Truman foi percebendo algumas situações que fugiam do normal. diante da desconfiança de que algo está errado. Olhando o álbum da família. a idéia dá certo. além de outros fatos que fazem com que ele desconfie de toda armação. se depara com uma foto do dia em que ele e Meryl. porém. diz que todos mentem para ele e que vive em um mundo artificial. não entende o que realmente Sylvia quer lhe dizer. através dos anos. Christof criara. eles trocam olhares até que Truman acaba indo conversar com ela levando-a para a praia. percebe que ela cruzara os dedos ao beijá-lo. se torna obcecado em sair de Seahaven para encontrar Sylvia e poder tirar toda essa história a limpo. Truman. Por várias vezes. indo para o trabalho. uma mera figurante do programa. Logo após isso. Truman. ela revela a ele que seu nome verdadeiro é Sylvia e não Lauren. . situações que incutiram em Truman um imenso pavor de água. como no episódio em que vê seu pai morrer afogado. Truman consegue sair para o mar navegando em um pequeno veleiro arriscando-se entre as ondas. Neste momento. aparentemente. por isso ele cria várias situações que fazem com que Truman mude de idéia e permaneça na ilha. A única maneira que Truman teria para se libertar da ilha seria através do mar artificial que a cercava. A primeira dela foi o contato com uma atriz que participara do Show quando Truman ainda terminava a faculdade. chega um homem que diz ser pai de Sylvia.

3 PRODUÇÃO O Show de Truman foi filmado em uma cidade real na costa leste da Flórida chamada Seaside. desesperado com a “fuga” de Truman. A escolha da cidade foi de extrema importância para o contexto do filme. Seaside é uma cidade planejada por um arquiteto. fazendo com que ele concordasse com as filmagens. “furando o céu”. O diretor então desiste até que a ponta do barco de Truman se choca contra o cenário. faz uma reverência e retira-se. Essa idéia até foi iniciada. Truman fica perturbado em saber que sempre vivera em um cenário. Quando se prepara para sair ouve-se a voz de Christof que tenta convencê-lo a ficar no mundo fictício criado exclusivamente para ele. Na tela. Truman diz uma frase irônica.13 Christof. de que nada ali era real. mas seus gastos com manutenção eram grandes demais e por isso foi abandonada. Ele abre a porta e lá fora só se vê a escuridão. resta a imagem da porta transposta. um espectador pergunta a outro o que era apresentado nos demais canais. O arquiteto queria um valor absurdo pelo “aluguel” da cidade. Em frente à TV. 1. a idéia de um ambiente extremamente perfeito e controlado pelos produtores do programa. Ele então esmurra o falso horizonte que o prende quando vê uma escada que leva a uma porta e caminha em direção a ela. Diante de tal situação. A idéia inicial do projeto era construir uma cidade cenográfica ou utilizar uma que já tivesse as características desejadas pelos diretores e produtores. cria até uma tempestade que faz com que o barco de Truman vire. mas depois de muita conversa e negociação foi explicado que o filme seria importante para a cidade. talvez sem ela o filme tivesse se tornado menos eficaz num aspecto muito importante que é a sensação de confinamento vivido por Truman. casa por casa. mas o mesmo não desiste da idéia de se ver livre daquele mundo criado para ele. com moradores de verdade que no começo não aceitaram muito bem o fato de que as filmagens seriam feitas lá. esse talvez não tenha sido o fato principal que levou seus produtores a . cria vários artifícios para impedir que ele saia de Seahaven.

4 FILMES RELACIONADOS O que é realidade e o que é ilusão é um tema bastante discutido e é também um tema bastante usado em filmes. MATRIX: Um filme que retrata a existência de um mundo paralelo onde o protagonista (Thomas Anderson). Além de Lincoln.14 abandonar a idéia da cidade cenográfica. Na verdade. sabendo que é só uma questão de tempo até que ele também seja usado. Os diretores queriam alguma locação que tivesse várias casas parecidas para passar a idéia de que se vivia em um local terrivelmente planejado. sonhando em serem escolhidos para irem à Ilha. é atormentado por pesadelos nos quais se encontra preso por fios que compõem um grande sistema computacional. Estados Unidos: Paramount Pictures. (WEIR. 2006. um programador de computadores. último paraíso humano descontaminado. Peter. essa cidade cenográfica era bem parecida com a França e em algumas partes também lembrava Manhatan. um planejamento urbano futurístico e essas características foram encontradas justamente em Seaside. várias outras pessoas também estão confinadas nesse complexo sob a ilusão de que são os últimos sobreviventes de uma catástrofe que aconteceu com a raça humana. essas pessoas nada mais são do que clones criados para a reposição de “peças” para seres humanos que pagam para que aqueles sejam criados. parte para uma ousada fuga em busca de sua liberdade e para que a realidade seja mostrada ao mundo. A ILHA: Um filme de ficção científica que conta a história do personagem Lincoln Six-Echo. que é morador de um complexo rigorosamente controlado. Podemos citar aqui alguns exemplos de filmes que trazem essa discussão à tona.Edição Especial para Colecionadores. Por meio de . Making of de O Show de Truman (Parte I) DVD-VIDEO. NTSC) 1. O Show de Truman . A repetição deste sonho o leva a questionar a realidade. Lincoln.

no filme. O personagem chega a . John Murdoch (Rufus Sewell) acorda sozinho em um hotel e descobre que está sendo perseguido pelo detetive Burnestead (Hurt) por uma série de assassinatos. ou de situações das quais o personagem principal não concorda ou não entende. a escuridão em que a sociedade se encontra. mas Neo não acredita que possa ser o escolhido. CIDADE DAS SOMBRAS: Em uma cidade em que é sempre noite. por mais difícil que essa possa parecer. O filme retrata. mas ele não se lembra de nada do que aconteceu. Daniel Schreber (Sutherland) que afirma poder ajudá-lo na busca por sua identidade fazendo com que John perceba que as coisas não são como parecem ser. Morpheus acredita que Thomas é Neo. Neo quando procurado por Morpheus tem a possibilidade de escolher ver qual é a realidade que vive. poderia ser comparado a Jesus Cristo e vários podem ser os fatos que levam a essa comparação. capaz de enfrentar a Matrix e trazer a liberdade para a humanidade. ninguém vê uma luz para salvá-los de forças estranhas. Neo recebe a ajuda de Morpheus que fora designado para tirá-lo da ilusão e ele tendo idéia do sonho em que vivia poderia livrar-se salvando os últimos seres humanos habitantes de Zion.15 Morpheus (Deus dos Sonhos. integrantes de um grupo de resistência. ou continuar na ilusão de achar que tudo aquilo é real. Neo. e Neo. Além da polícia existem criaturas humanóides que o perseguem tendo o poder de remodelar a realidade. Anderson descobre que foi vítima da Matrix. o salvador da resistência. como o fato de morrer e ressuscitar da mesma maneira que Jesus ressuscitou após ter morrido pelas mãos dos romanos ou quando Neo é tentado pelos agentes a trair Morpheus assim como Jesus foi tentado no deserto. e também o fato de Neo ser o escolhido para salvar os últimos seres humanos. um sistema inteligente que manipula a mente dos seres humanos. da mesma maneira que Truman resolve buscar a verdade. de maneira metafórica. gerando um mundo ilusório enquanto seus cérebros e corpos são usados para produzir energia. na mitologia Grega) e Trinity. Ajudado pelo Dr.

estão todos de olhos fechados. Porém. que agora é o principal suspeito de ter efetuado o crime. Esse filme nos faz pensar em quem seria o arquiteto. O 13º ANDAR: Douglas Hall e seu sócio. mas fica com o rosto bem desfigurado e entra em coma. VANILLA SKY: Em Nova York são narrados em flashback fatos angustiantes da vida de David Aames (Tom Cruise). a miséria. Repentinamente realidade e fantasia se confundem de forma assustadora. David encontra Julie. a fome. uma bela jovem por quem se apaixona. David tem sua vida modificada quando conhece Sofia Serrano (Penélope Cruz). Em um ímpeto de loucura. Ela não resiste ao impacto e morre. Um dia. são todos assuntos para os quais a maioria das pessoas estão vendadas. Fuller é misteriosamente assassinado. a corrupção. um jovem empresário que é dono de um império editorial. não percebendo o que acontece a nossa volta. Ao se ver. antes de passar informações importantes sobre o projeto para Douglas. a violência. Douglas decide por entrar no mundo simulado para investigar a morte de Fuller. ou simplesmente nos observando a todo o momento? Estaríamos fazendo parte de um mundo imaginário criado dentro de outros mundos? .16 dizer que estão todos dormindo. que usando o pretexto de querer conversar com ele o convence a entrar no carro dela. David sobrevive. Tal relacionamento desperta ciúmes em Julie Gianni (Cameron Diaz). dois pesquisadores da área de informática. estão prestes a colher resultados positivos em seu último projeto: desenvolver um mundo simulado utilizando realidade virtual. a falta de educação. David fica traumatizado e oferece qualquer quantia para reconstruírem seu rosto. que quer muito mais do que mero envolvimento sexual com ele. ficando neste estado por três semanas. ela lança o carro por cima de um viaduto. uma "amizade colorida" de Davis. e cega por se sentir preterida. Desorientado e em busca da verdade em torno dos acontecimentos. Hannon Fuller. após sair da casa de Sofia. a manipulação de informação. ou o programador do nosso mundo? Quem estaria controlando nossas mentes e atitudes.

a sua capacidade de interpretar de modo coerente e investigativo os fatos que os rodeiam. 1. 1. Os filmes questionam a relação do homem com a sociedade em que vivem.17 Em O Show de Truman sabemos que o controlador de todo o mundo fictício é Christof e que Truman vai à luta para buscar a verdade. da mesma maneira que Douglas Hall busca no filme. mas todo em busca da verdade do mundo em que vivem. podendo essas forças serem exercidas através dos meios sociais. ou os indivíduos. buscarmos o entendimento do nosso mundo e para onde esse conhecimento nos levará. da visão conturbada que o mundo. Neo. Truman. ou através da realidade virtual ou o controle de corporações privadas. Colocam a difícil percepção do que é real e o que é imaginário. Começam então a questionar o mundo em que vivem buscando pela verdade descobrindo aos poucos o mundo manipulado que os rodeiam. deixando de acreditar no senso comum. ou como diriam os filósofos: começam a ter a atitude científica de questionar o mundo ao seu redor. e isso nos mostra que precisamos buscar a nossa verdade. a distinção do que é realidade e o que é sonho.6 LITERATURA Não é só o cinema que traz a tona às questões de manipulação. são meros objetos de um grande esquema. não tendo eles qualquer conhecimento da manipulação que sofrem. Douglas Hall vivem em um mundo controlado por forças maiores. John Murdoch. mesmo que metafóricas. Lincoln.5 A RELAÇÃO ENTRE OS FILMES Os filmes citados têm uma grande ligação com O Show de Truman sob o aspecto de que todos os personagens principais. nas opiniões já cristalizadas. por meios diferentes e por razões diferentes. David Aames. cada personagem descobre a verdade de um modo diferente. de se quebrar as barreiras que nos cercam em . têm a respeito deles mesmos e de maneiras.

o canário responde ao rapaz.18 busca da verdade.O Mundo (. dizendo que ele está louco. pois lhe dava comida e água todos os dias e que não cobrava por esses serviços. o canário é o senhor da gaiola que habita e da loja que habita. quem era seu dono. tratando em seus romances de temas universais. O canário continua irredutível afirmando que nunca tivera dono e que o velho que cuidava dos objetos da Casa de Belchior nada mais era do que seu criado. o Mundo é uma loja de Belchior. o rapaz começa a argumentar com o pássaro. Sem menos esperar.. os costumes e as máscaras sociais de seu tempo. tentando entender como é que ele foi parar ali.). com uma pequena gaiola de taquara. tudo é ilusão e mentira. o caráter relativo da moral humana. chama-se Idéias de Canário (1899). do azul e infinito e pergunta-lhe o que pensas deste mundo. da liberdade. pasmo diante de tais respostas. Existe um conto Machadiano que retrata bem a visão limitada que temos do mundo que nos rodeia. estudioso de ornitologia. Machado captou na sociedade os grandes temas de suas obras. Fora daí. que ele não possuíra nenhum dono e que também não fora vendido. que poderiam facilmente ser transportados para qualquer tempo e qualquer tipo de sociedade. pendente de um prego. Podemos citar Machado de Assis como o grande representante do Realismo no Brasil. Achando estranho aquele resquício de vida que encontrara ali ele se aproxima da gaiola murmurando para si mesmo como que alguém tivera a coragem de vender aquele pássaro por uns poucos trocados. pergunta-lhe se ele não tinha saudades do mundo. O rapaz. do tom irônico. Espantado. a reflexão filosófica. A Literatura também traz estas questões em muitas obras de autores importantes. os impulsos interiores. em meio a tantas coisas velhas. a normalidade e a loucura. Conta a história de um rapaz. quadrilonga. uma gaiola velha com um canário vivo. que ia por uma rua quando que quase atropelado foi parar em uma casa de Belchior (local que vende objetos usados) e que entre muitas coisas velhas que havia ali ele acaba por encontrar. e o canário com um ar de professor responde: “. o dualismo essência e aparência. às vezes até pessimista. buscava sempre através do psicologismo.” ..

ar claro e um pouco de azul por cima. depois de muito estudar o pássaro. flores.). ele vai se libertando de sua gaiola. Um dia. donde mira o resto.19 O velho.. descobrindo novos horizontes e abandonando velhas idéias. varanda e gaiola branca e circular quando o canário o interrompe dizendo: “. branca e circular. alguma grama.. Para Truman tudo aquilo era o seu mundo.. e o canário finaliza: “-De Belchior? Mas há mesmo lojas de Belchior?” Podemos perceber com esse conto. convidando-o a voltar às velhas conversas naquele mundo composto de um jardim e repuxo. se somos livres ou não e da percepção dos fatos que nos rodeiam é o 1984 de George .” O rapaz. um de seus empregados comprar-lhe uma gaiola maior ordenando que a pusesse na varanda de sua casa. onde o canário pudesse ver todo o jardim. ficou furioso mas logo passou sua raiva e ele pôde terminar seus trabalhos sobre o canário. acaba ficando doente sendo obrigado a se afastar dos seus estudos com o canário. mas o seu ponto de vista vai mudando no decorrer do filme. andando pelas redondezas ele avista o pássaro em um galho de uma árvore e vai conversar com ele.” O rapaz então lhe diz que ele acha que o mundo é tudo. o canário. dono da Casa de Belchior. que cada um tem uma percepção diferente de mundo e como essa percepção muda de acordo com as circunstâncias em que nos encontramos. é um jardim assaz largo com repuxo no meio. O Mundo é um espaço infinito e azul com o sol por cima. Três semanas depois o rapaz pediu ao canário que repetisse a definição de mundo e o canário então respondeu: “. Outro livro que nos coloca essa noção do que é realmente liberdade. dono do canário.). O rapaz. mas depois de passado algum tempo conseguimos perceber todos os fatos que nos cercavam. Tudo o mais é ilusão e mentira. Seu criado continuava cuidando do canário até que um dia o canário fugiu. até já fora uma Casa de Belchior.O Mundo (. habita uma gaiola vasta. acorda e vai falar com o rapaz que decide então levar o pássaro mandando posteriormente.Que Mundo? (. arbustos. mesmo que ainda incompletos. às vezes estamos tão tomados por uma certa situação que não conseguimos entendê-la corretamente.. dono do mundo.

controla o pensamento de todos. existem forças que dominam todos os atos da população. de oprimir e torturar o povo com o objetivo de manter sua estrutura inabalada. Há também o Ministério da Verdade. escondendo a verdade da população. existe a polícia do pensamento que como o próprio nome já diz. o idioma. onde os fatos são modificados em relativas ou relatos falsos. em uma época em que havia sinais de que o mundo partiria para um rumo extremamente totalitário. e como se os fatos anteriores nunca tivessem existido. assim como Truman é dominado pelos apelos de Christof. como eram os regimes fascistas de Stálin e Hitler. com a capacidade de alterar os fatos. O Grande Irmão domina a todos pela mentira e pelo medo. O livro descreve uma sociedade totalmente manipulada. . sabendo de qualquer tipo de oposição ao regime implantado. Orwell escreveu esse livro após a segunda guerra mundial. por meio da propaganda ideológica do partido do Grande Irmão. que domina o espírito da população.20 Orwell que foi publicado em 1948. em que o Estado é onipresente.

Saulo levanta-se e é ajudado por seus companheiros.art.br/aldeia. Saulo sem saber o que estava acontecendo pergunta: “Quem és tu?”.casadaindia.asp?codAldeia=49. Ananias. porque me persegues?”. Ergue-te. o que o senso comum aprova como sendo o correto e o sábio em algum momento consegue romper com esse véu reconhecendo qual a verdadeira natureza da existência despertando do seu estado de dormência. chegando na cidade fica três dias sem ver.21 2. (www. CONCEITOS POR TRÁS DE “O SHOW DE TRUMAN” Para que possamos entender por quais meios de manipulação o personagem Truman passa é importante que seja levantado alguns conceitos que nos esclareçam essas formas de dominação. sabendo que em uma cidade chamada Damasco existiam muitos cristãos. que expliquem suas origens e que para mais tarde possamos detectá-las no filme. a quem tu persegues. sendo esse conhecimento e experiências não pertencentes à Maia. Jesus responde: “Eu sou Jesus. Estava a caminho e já próximo de Damasco quando se sentiu fortemente envolvido por uma luz e caindo ouviu uma voz que dizia: “Saulo. Fora pedido a ele que fosse até a casa de Judas e que encontrasse Saulo que estaria . resolve viajar até lá para capturálos. entra na cidade e te dirão o que fazer”. que recebe um pedido diretamente do próprio Jesus. De acordo com essa filosofia tudo o que é concreto pertence à Maia e acaba quando morremos e o que levamos conosco são apenas as experiências vividas e o conhecimento adquirido nesta vida.1 CONCEITO RELIGIOSO Existe no budismo uma teoria que explica a diferença entre os sábios e os ignorantes: O Véu de Maia e a incapacidade de se enxergar através dele. 2. sem comer e sem beber. acessado em 25/07/2008). Esse véu nos mantém adormecidos em um mundo ilusório onde valorizamos somente o concreto. Também existe uma passagem da bíblia que conta a história de um homem de nome Saulo que perseguia os cristãos e os matava. Saulo. Em Damasco havia um discípulo de Jesus.

C. Estes seres humanos ficam de costas para o feixe de luz sem poder se mover sendo forçadas a olhar para o fundo da caverna onde são projetadas sombras. 1624) Para o catolicismo só há salvação na palavra de Jesus Cristo. Jesus lhe disse que ajudasse o homem. pois só em sua palavra se encontra a verdade. mas quando um desses seres humanos consegue se desvencilhar dos grilhões que o prendiam e . que vive em busca da verdade.2 CONCEITOS FILOSÓFICOS Para falarmos sobre verdade e a busca dela vamos recorrer a um texto escrito por Platão (428/27–347 a. tendo que sofrer em seu nome.) em seu livro A República (séc IV a. ou seja. Chegando à casa de Judas encontrou Saulo e disse que o próprio Jesus tinha o enviado para que ele lhe recobrasse a visão. Ananias não concordou com o fato de Jesus querer salvar um homem que estava ali para prender os que seguiam sua palavra.22 rezando. 2. mas depois da explicação que Jesus lhe dera ele concordou. conversam a respeito do processo da busca do conhecimento em que Sócrates mostra a visão do ignorante. Atos dos Apóstolos 9:1. Sócrates pede para que Glauco imagine uma caverna com uma abertura por onde passa um feixe de luz e no interior dessa caverna existem seres humanos que nasceram e cresceram ali. sua palavra e seguí-la como forma de libertação de um mundo cego.C). Ananias fez o que lhe fora pedido. pois ele perseguia os cristãos. e do filósofo. Nesse instante caíram dos olhos de Saulo as escamas que lhe tampavam a visão. que vive de senso comum. (BÍBLIA. p. Trata-se de um diálogo metafórico onde Sócrates. de ver qual era a verdade. e seus interlocutores Glauco e Adimato. pois ele era instrumento para levar seu nome para os pagãos. Os prisioneiros julgam ser estas sombras a realidade. pois Jesus lhe mostraria o caminho lhe devolvendo a visão. Podemos entender que as escamas que cobriam os olhos de Saulo o impediam de ver o mundo. O que Jesus fez foi retirar as escamas de seus olhos fazendo com que ele pudesse ter contato com a verdade.

de sair da caverna como disse Sócrates. O senso comum: é subjetivo. os ídolos do teatro e os ídolos da tribo. por motivos diferentes e utilizando métodos diferentes desconfiaram do Dogmatismo. Essa atitude de “sair da caverna” pode ser comparada com o conhecimento filosófico e a nossa capacidade de sair do senso comum como forma de superação da ignorância. já feito.23 com muito esforço sai da caverna percebe que existe um mundo bem maior lá fora. os ídolos do fórum. . foi objeto de estudo de dois filósofos. (PLATÃO. são eles: os ídolos da caverna. cada um percebe o mundo como lhe convém. não se surpreende com a regularidade. a constância. é heterogêneo pois percebemos os fatos diferentes entre si porque assim os interpretamos. pois exprime sentimentos e opiniões variadas de pessoas ou grupos sociais. um foi o próprio Sócrates e outro Descartes. a repetição e a admiração e espanto é dirigido ao que é imaginado como único. Esse senso comum possui algumas características próprias que nos fazem acreditar no mundo já dado. nos afastando da consciência de que somos parte desse mundo. Os dois. já transformado. cristalizando-as e impedindo o conhecimento da verdade. que é uma atitude natural e espontânea que já temos desde que somos crianças e são essas crenças que nos mantêm no senso comum. como misterioso. Essa dificuldade de conhecer a verdade. p. quentes ou frias. oculto e incompreensível e por essas características é que cristalizamos preconceitos e passamos a interpretar os fatos ocorridos. Francis Bacon elaborou uma teoria conhecida como crítica dos ídolos em que ele afirma que existem quatro tipos de ídolos ou imagens que formam as opiniões da sociedade. é qualitativo ao percebermos as coisas grandes ou pequenas. etc. trata a atitude científica como magia. 261 – 300) As teorias sobre alienação e ideologia fazem-nos pensar que vivemos em uma sociedade totalmente manipulada por interesses políticos e econômicos e vemos que é difícil fazer com que as pessoas tomem a atitude de desvendar e de buscar uma realidade mais abrangente assim como fez o personagem do mito da caverna que conseguiu sair daquela realidade. pode ser encarada como a passagem do senso comum para o conhecimento filosófico. extraordinário.

24

Ídolos da Caverna são as opiniões que se formam através dos erros cometidos por nossos órgãos dos sentidos assim como os humanos presos na caverna eram “enganados” por sua visão ao acreditar que o que viam era exatamente a realidade; podemos acreditar que o Sol é menor do que a Terra pelo simples fato de vêlo pequeno no céu todos os dias, ou achar que onde há fumaça há fogo. Esse tipo de opinião pode ser facilmente modificado através do nosso intelecto. Ídolos do Fórum são as opiniões que são formadas através da linguagem, através do que nos é dito como verdadeiro, podem ser entendidas como as lendas, os costumes que nos são passadas de geração em geração, as idéias de como o mundo foi criado, etc. São opiniões difíceis de se vencer, mas ainda sim são facilmente modificadas através do intelecto. Ídolos do Teatro são as opiniões em nós cristalizadas através das leis e decretos formados pelas autoridades transformadas em leis inquestionáveis podendo ser mudadas somente com uma transformação social e política. Ídolos da Tribo são as opiniões formadas em decorrência da própria natureza humana e são próprias dessa mesma, só podem ser mudadas se houver uma mudança da própria natureza humana.

2.3 CONCEITOS SOCIOLÓGICOS

Karl Marx (1818 – 1883) interessou-se por um estudo desenvolvido por um filósofo, Feuerbach, que investigava a necessidade humana de buscar respostas para a origem e finalidade do mundo, de onde teria se originado a religião. Nessa busca, Feuerbach descobre que os humanos “inventam” um ser dotado de várias qualidades e que pouco a pouco vão se esquecendo de que foram eles próprios quem criaram a divindade, passando a temê-lo, a adorá-lo e a cultuá-lo, não se reconhecendo neste “outro” que criaram. “Outro” em latin diz-se alienus, dando origem ao termo hoje utilizado: Alienação, onde os seres humanos não se reconhecem como agentes sociais, históricos e culturais submetendo-se às condições impostas como se elas tivessem vida

25

própria, como se tivesse sido sempre daquela maneira como é mostrado. (CHAUÍ, 2000 p. 170) Já Émile Durkheim em sua obra “As regras do método sociológico” (1895) formulou os acontecimentos em que os sociólogos deveriam se debruçar e chamou-os de fatos sociais e dividindo-os em três características que explicam os fatores, externos aos indivíduos, que causam essa separação do sujeito para com a sociedade. A primeira característica levantada por Durkheim é a Coerção Social que é a força exercida sobre os indivíduos, levando-os a conformar-se com as regras impostas, não dependendo da sua vontade, é a cultura de um determinado povo e que o indivíduo está exposto, o idioma, as crenças e o seu grau de coerção se torna evidente de acordo com as sanções aplicadas ao indivíduo quando este tenta rebelar-se. Elas podem ser legais no que diz respeito às leis que regem uma determinada sociedade e podem ser espontâneas no que diz respeito aos costumes, quando um indivíduo vai contra a estrutura social em que está inserido. Sobre isso Durkhein diz:
Se sou industrial, nada me proíbe de trabalhar utilizando processos e técnicas do século passado; mas se o fizer, terei a ruína como resultado inevitável. (DURKHEIN, 1963, p 3)

A segunda característica é que os fatos sociais existem independentemente da vontade do indivíduo ou da sua adesão consciente, ou seja, são exteriores aos indivíduos porque existem antes mesmo do nascimento das pessoas e são impostos através da coerção social. A terceira característica é a generalidade, ou seja, todo fato social é geral e se repete em todos os indivíduos ou em boa parte deles. (COSTA, 1987, p. 51-52) Marx investigou, dentre outras, a alienação social e para isso verificou que qualquer sociedade existe a partir da divisão social do trabalho e a partir dessa divisão organizam-se todas as outras instituições sociais como a família, o comércio, o trabalho servil, o estado, a religião, dentre outras. É partindo da teoria marxista sobre alienação que desenvolveremos o trabalho de agora em diante. Marx deu origem à sua teoria da alienação questionando a relação do homem com o trabalho e as formas que este assumiu no processo histórico. Ao contrário de Hegel, que concebia o trabalho apenas no seu aspecto libertador e criador, Marx o

26

situou historicamente e questionou como se desenvolve o trabalho no modo de produção capitalista:
O trabalhador é relacionado com o produto de seu trabalho como um objeto estranho. O objeto que ele produz não pertence a ele, domina-o, e só serve, a longo prazo, para aumentar a sua pobreza. A alienação surge não só no resultado, mas também na produção e na própria atividade produtiva. O meio para satisfazer outras necessidades. É uma atividade dirigida contra ele próprio, independente dele e que não lhe pertence. (MARX, ENGELS, apud NOGUEIRA, p. 2, 1988)

Podemos citar três tipos de alienação segundo Marilena Chauí:

A Alienação Social: onde a sociedade é o outro (alienus), onde os humanos não se reconhecem como produtores das instituições sóciopolíticas que o governam e podem, a respeito disso, tomar duas atitudes: a atitude dogmática, que é uma atitude muito natural e espontânea que temos, que trazemos desde criança, que acredita que o mundo é exatamente tal como o percebemos, que tudo o que existe é natural, divino ou racional e há os que se rebelam individualmente acreditando que podem mais do que a realidade que os condiciona.

A Alienação Econômica: onde o trabalho é o outro. Os produtores não se reconhecem como produtores e não se reconhecem no objeto produzido, vendem seu trabalho aos proprietários do capital transformando-se em mercadorias e como toda mercadoria recebem um preço: o salário; não percebem, no entanto, que foram desumanizados e coisificados:
A produção produz o homem não apenas como uma mercadoria, como mercadoria homem, como homem em função da mercadoria, mas que o produz, além do mais, de acordo com esta determinação, como um ser desumanizado tanto física como espiritualmente (. . .) Seu produto é a mercadoria com consciência de si mesma e com atividade própria (. . .) a mercadoria humana.

A Alienação Intelectual: que é a alienação resultante da separação social do trabalho material e do trabalho intelectual onde os autores das idéias acreditam que elas são universais, se esquecem que são idéias criadas por eles, acreditam nelas como se sempre tivessem existido e passam a acreditar que as idéias se produzem

1963. 85) A expressão ideologia. o aparelho político. segundo Althusser a “representação da relação imaginária dos indivíduos com suas condições reais de existência” (ALTHUSSER. 172 . sua função principal é ocultar e dissimular divisões sociais e políticas. o aparelho sindical. etc. O “espírito” a que Marx se refere pode ser interpretado como o senso comum social que é “moldado” através de teorias e crenças desenvolvidas por pensadores intelectuais da sociedade. A ideologia age de diversas formas e Althusser as classifica como “Aparelhos Ideológicos de Estado” onde faz uma crítica à teoria funcional das instituições e uma reflexão sobre os mecanismos de sujeição. o aparelho religioso. . criada por Cabanis e Destutt de Tracy em 1801 tinha nos seus primórdios o sentido genérico de teoria das idéias e 50 anos mais tarde Marx reformularia essa teoria dando um outro sentido a ela.75). (CHAUÍ. 1963 p. Vários são os “aparelhos ideológicos” citados por Althusser como: o aparelho escolar. como afirma Louis Althusser: “A ideologia é um sistema de idéias. A ideologia é o sonho. a ilusão onde toda a realidade existente está fora dela.27 umas às outras. Nesse caso as idéias são o outro. 2000. fazendo-nos acreditar que as condições em que vivemos são naturais. o aparelho de informações. onde explicam o mundo a partir do ponto de vista de sua classe tendo sempre o mesmo objetivo: as relações de exploração capitalistas. (ALTHUSSER. o aparelho familiar.173) Falando em alienação não podemos deixar de lado o conceito de Ideologia que coloca tudo isso em prática. Ela assegura que todos entendam a realidade e aprendam a se portar diante dela. tornando-se separadas de seus autores. normais e justas. p. 81). de representações que domina o espírito de um homem ou de um grupo social” (ALTHUSSER. p. p. geralmente da classe dominante. 1963. impedindonos de agir para que algo seja mudado.

cada um na maneira que lhe é própria. e são essas instituições que são chamadas por Althusser de AIE.68) Todos os AIE concorrem para o mesmo fim: a reprodução das relações de produção. à exploração capitalista). os Sindicatos. Diante disso podemos considerar as seguintes Instituições como parte do AIE: AIE Religioso (O sistema de diferentes Igrejas): Foi no período Pré-Capitalista o aparelho ideológico de estado dominante. Já sobre os AIE Althusser diz: Designamos por AIE um certo número de realidades que se apresentam ao observador imediato sob forma de instituições distintas e especializadas. pois reunia tanto as funções religiosas quanto as escolares. Para conceituarmos os AIE é necessário distinguí-lo dos Aparelhos Repressivos de Estado (ARE).) o Estado é explicitamente concebido como um aparelho repressivo. Vejamos o que Althusser nos coloca acerca da concepção marxista de estado: (. p. (ALTHUSSER. 1963. as prisões. os tribunais. Althusser propõe uma teoria correspondente que ele acredita não ter sido tão explorada pelos clássicos marxistas. ou seja. O ARE é formado pela política.. de informação e de cultura. Esse aparelho funciona através da violência. funcionando predominantemente através da repressão (física) e posteriormente é utilizada a ideologia. as Escolas.62) Depois de estudada essa concepção de Estado. etc..28 2. (ALTHUSSER. Após a revolução Francesa e o . o Chefe de Estado. 1963. XIX à classe burguesa e à “classe” dos grandes latifundiários) assegurar a sua dominação sobre a classe operária. relações de exploração capitalistas. mas não sistematizou as instituições da Sociedade Civil como: a Igreja. o Governo e a Administração. p. O Estado é uma “máquina“ de repressão que permite às classes dominantes (no séc. para submetê-la ao processo de extorsão da mais-valia (quer dizer.4 LOUIS ALTHUSSER – APARELHOS IDEOLÓGICOS DE ESTADO (AIE) Althusser formulou sua teoria dos Aparelhos Ideológicos de Estado tendo como base a teoria marxista de estado. o exército. e ele ainda afirma que Gramsci foi o único que avançou nesse caminho.

está ligado diretamente ao AIE Escolar. participando efetivamente da formação cultural e intelectual dos cidadãos. AIE Escolar (O sistema de várias escolas. . o rádio. substitui o antigo aparelho ideológico de estado (A Igreja) em suas funções. AIE de Informação: É o conjunto dos meios de comunicação que nos mantém “informados” do que acontece no mundo ao nosso redor. após a Revolução Francesa. jornal. etc. AIE Familiar: Tem fundamental importância na criação dos indivíduos. É a imprensa em geral. públicas ou privadas): A Escola. mas esses não tomam grande importância no contexto do filme. Político.29 nascimento da burguesa capitalista-comercial os AIE religiosos foram parcialmente quebrados dando origem à outros AIE que veremos mais para frente. a televisão. Além desses AIE também podemos citar o AIE Jurídico. Sindical. Cultural.

o personagem Truman. A “CAVERNA” DE TRUMAN Agora que já estudamos as teorias sobre os meios de manipulação. Vamos observar os Aparelhos Ideológicos de Estado. citados por Althusser (1963). perceber como elas aparecem e qual a função que exercem na vida do personagem Truman Burbank. e que ele fora obrigado a criar situações que mantivessem Truman na ilha. passando pelo início de sua desconfiança de que algo poderia estar errado com o seu mundo e por fim a tomada de consciência de analisar os fatos que o rodeiam e contestá-los como uma forma de “libertação”. De um modo geral analisaremos os meio que mantêm o personagem Truman preso ao seu mundo “imaginário”. no caso do filme. econômicos.1 TRUMAN NA ESCOLA (01h: 04m: 07s) Christof está dando uma entrevista a um programa de televisão e começa a falar sobre o fato de Truman querer ser um explorador desde criança. Dentre a seqüência de . 3. Observaremos também o poder dos meios de comunicação e como as propagandas influenciam ideologicamente a vida das pessoas. ou o mantém longe de descobrir sua real função naquele mundo estritamente manipulado por Christof. e as maneiras que ele utiliza para se desvencilhar das “armadilhas” impostas pelas pessoas que o controlam para a manutenção de seus interesses em cima do astro de televisão. acreditando no senso comum de que tudo que está a sua volta é real e imutável. no caso. alienação e ideologia vamos contextualizá-las ao filme. e observar como eles se expressam no filme. como ele é cercado por interesses.30 3.

puxa um mapa mundi diz a Truman que ele chegou tarde. Todo esse tempo serve para que possamos aprender as ciências humanas.31 imagens que é apresentada. formar cidadãos que debatam. de que o mundo já está pronto e que elas nada podem fazer para mudar essa situação. para sairmos “prontos” para o mercado competitivo. A Escola não nos forma para que sejamos cidadãos críticos. que como o próprio nome já diz nos tratará como produtos. a escola serve para formar cidadãos. para o “mercado de trabalho”. que discutam os problemas referentes à fome. Todos os dias crianças passam pela mesma situação que o personagem Truman passou na cena descrita acima. religião e outros assuntos que nos cercam e que são importantes para nossa compreensão do mundo. cientes do mundo em que vivem. política. serve para aprendermos a nos relacionar com outras pessoas. aprender as leis morais e éticas que regem nossa sociedade. mas talvez o papel mais importante que a escola exerce. Em síntese. provavelmente depois de lhe ser perguntado pela professora o que ele queria ser quando crescer. da falta de educação. compartilhar experiências. A Escola nos forma. de cinco a seis horas por dia. nesse caso o coletivismo se vira para fins pouco humanos. cinco dias por semana. Tudo isso. com a capacidade de interpretar os fatos cotidianos com o mínimo de senso crítico. teoricamente teria que funcionar. ela nos forma para o que o . pois lá seremos mais um produto em meio a uma multidão de outros produtos concorrentes. A professora com um ar de superioridade e com a clara intenção de desmotivá-lo. como o grande Magalhães. mas o que vemos no dia a dia não traduz o papel que a escola deveria exercer. questionadores da exploração capitalista em que vivemos ou viveremos quando fora dela estivermos. Passamos em média entre onze a doze anos na escola. o individualismo não tem espaço para o coletivismo que modela a todos para um mesmo fim: assegurar a reprodução das relações de trabalho. exatas e biológicas. e que não há mais nada a se descobrir. uma delas é a cena da escola em que Truman se levanta. aprender a viver em sociedade. é o de tentar formar cidadãos mais críticos. ele responde que gostaria de ser um explorador. podemos perceber que seus desejos são suprimidos por palavras de ordem ou por ridicularizações.

em que é necessária para a manutenção do sistema capitalista. a ética). Com o passar do tempo. já começamos a nos acostumar com a estrutura escolar moldada de modo hierárquico que reproduz as relações autoritárias existentes fora dela. a educação. É pela aprendizagem de alguns saberes contidos na inculcação maciça da ideologia da classe dominante que. Ela se encarrega das crianças do todas as classes sociais. p. 1963. São os saberes contidos na ideologia dominante (o cálculo. a reprodução da mão de obra “alienada” e a escola exerce esse papel. em grande parte. a “mão de obra”. evitando que os servos se rebelassem contra seus senhores. não os interessa o ser pensante. 80) Durante a Idade Média e o sistema feudal. a Escola assumiu o papel de AIE dominante. ou seja. (ALTHUSSER. a moral. isso garantiria a estamentação da sociedade. são reproduzidas as relações de produção de uma formação capitalista. somos doutrinados por forças simbólicas que nos forçam a pensar e agir de determinada forma que atendam as necessidades da classe dominante. os costumes todos giravam em torno do poder da Igreja.32 mercado necessita. as relações entre exploradores e explorados. a literatura) ou simplesmente a ideologia em estado puro (a filosofia. não querem a “cabeça de obra”. com as revoluções industriais e as formações capitalistas. a história. ou seja. (ALTHUSSER. espremida entre a escola e a família. inculcando-lhes valores durante anos e principalmente durante os anos em que a criança é mais vulnerável. da classe dominante. 79) . 1963. querem apenas a mão. p. pois era ela quem determinava as regras da sociedade. Desde pequenos somos bombardeados pela ideologia escolar. era ela quem assegurava os interesses da classe dominante e podemos perceber isso em um momento em que a Igreja pregava aos seus fiéis que a pessoa que era servo nunca poderia ser um rei ou um nobre porque era da vontade de Deus ela já ter nascido “pobre”. a Igreja exercia o papel de AIE dominante. a fim de garantir mais uma vez os interesses burgueses.

uma última parcela chega ao fim do percurso indo ocupar os cargos médios. por sua maior formação intelectual. dentro do sistema capitalista. cabendo à escola formar as diferentes personas (nome dado às máscaras usadas por atores do teatro antigo na representação de seus diferentes papéis na sociedade). cada um exercendo sua função. Truman aos 7 anos estava ainda formando sua personalidade e já possuía a vontade de se libertar do mundo em que vivia. já preparadas. logo que crescesse não mediria esforços para conhecer o mundo o que destruiria totalmente os planos do idealizador do Reality Show. mas é preciso que fique claro toda a estrutura que há por trás desse mecanismo ideológico. É claro que cada grupo social dispõe da ideologia que deve exercer na sociedade. de ser um explorador mas se essa vontade se desenvolvesse seria complicado mantê-lo preso à ilha por muito tempo. Os mecanismos que produzem esse resultado vital para o regime capitalista são na maioria das vezes disfarçados e dissimulados como aconteceu no filme. O filme em si retrata de maneira bem sutil e quase imperceptível essa relação entre escola e sociedade já que não é a sua intenção aprofundar-se nessas questões. para suprir a necessidade do mercado. . O mecanismo utilizado para “podar” essa vontade de Truman foi justamente a sua ridicularização. caminhando para os cargos pequenos. A professora ao tomar a atitude de ridicularizar a profissão escolhida por Truman garantiu que a partir daquele momento ele começasse a refletir sobre essa escolha e renegá-la por medo de outras repressões ou ridicularizações. e essa ridicularização fez com que ele se sentisse envergonhado perante o seu desejo de ser explorador levando-o a expulsar o desejo de sua consciência assim como afirma a teoria psicanalítica de Sigmund Freud. Podemos então concluir que num primeiro momento a escola foi eficaz no sentido de reprimir os desejos de libertação ou metaforicamente da tomada de consciência do personagem. estão disponíveis para o mercado de trabalho.33 Aos 16 anos essas crianças. Christopher. no papel de explorado ou de agente explorador.

utilizando-se da persuasão para alcançar seus objetivos. em que é cada vez mais necessário vender produtos. Vamos a um primeiro momento analisar o papel da propaganda. A propaganda tem como objetivo principal vender uma idéia ou produto. assim como vemos. em anúncios de produtos . o A necessidade de persuadir o consumidor. Vamos analisar nesta parte do trabalho como os meios de comunicação de massa e a propaganda ideológica influenciam Truman. despertando assim o desejo de ter determinado produto. Os dois são partes de um mesmo todo e servem de base um para o outro. Ela vende seu produto ou serviço ou ainda uma idéia apoiada em três necessidades: o A necessidade de difundir determinada marca ou produto tornando-a reconhecida. É indiscutível que em um mundo capitalista. A todo o momento somos bombardeados por informações que nos levam sempre a comprar mais e mais sem perceber que essas informações estão carregadas de conceitos que vão construindo na sociedade uma série de modelos de comportamento social. e que queremos ter somente para sermos aceitos perante as regras estabelecidas por esse sistema. o A necessidade de motivar o consumidor a efetuar a compra. a publicidade e propaganda exerça um papel fundamental nessas relações de consumo que sustentam esse sistema. para Althusser. Esse conjunto.34 3.2 TRUMAN E A PROPAGANDA IDEOLÓGICA NOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA. é o que constitui o Aparelho Ideológico de Estado de Informação. o fazendo acreditar que aquele produto é a melhor opção para suas necessidades. que às vezes não temos. a propaganda ideológica necessita dos meios de comunicação de massa para divulgar suas idéias e os meios de comunicação de massa necessitam do capital investido pela propaganda para sobreviver. por exemplo. criar novos desejos de consumo na população. criar novos produtos para serem consumidos. em que as pessoas se preocupam mais com o ter do que com o ser. em que cada vez mais temos que passar ao mundo uma imagem.

(BOCK. ela vende uma idéia por trás desse produto. ou que aquele celular que está sendo vendido já vai estar obsoleto daqui uns meses. ela os esconde mostrando somente o que interessa para que seja consumido. pois vivemos em uma sociedade hedonista que busca o prazer imediato. No entanto estamos analisando o ambiente interno do reality show. ou ao andar com o carro “B” você terá sucesso profissional. sem contradições. Meryl aparece várias vezes mostrando produtos. A propaganda não mostra o lado ruim de seus produtos. produtos de limpeza sempre anunciados por mulheres colocando-as sempre como donas de casa que se preocupam com o bem estar da família. as empregadas quase sempre negras exteriorizando o preconceito podre que ainda existe em nossa sociedade escondida atrás de uma ideologia hipócrita de que por aqui racismo não existe. ao falar de cerveja. associando o produto ou serviço a essa atmosfera radiante e perfeita. Apresentam geralmente um mundo idílico. perfeito. assim como Marlon é o garoto propaganda de uma famosa marca de cervejas. Nos anúncios vemos um mundo lindo. cuidam de produzir alguma verossimilhança com a realidade para que as pessoas não se sintam distantes deste mundo que pode ser alcançado. . cheio de alegrias e gente feliz tomando a cerveja “A”. A propaganda não vende o produto em si. carro e desodorante ela está vendendo a idéia de felicidade.35 alimentícios feitos por famílias unidas e sorridentes. nos interessa apenas os estímulos causados pela propaganda na vida do próprio Truman. Ao mesmo tempo. e analisaremos a partir de agora a função da propaganda ideológica mais presente nesse ambiente estudado. p. ou ainda ao usar aquele desodorante “C” seremos um sucesso com as mulheres. sucesso profissional e sucesso amoroso. e a propaganda proporciona um caminho curto à satisfação dos nossos prazeres. sua esposa e seu amigo Marlon são utilizados como garotos propaganda (Truman não sabe dessa situação). o objetivo da propaganda é passar a idéia de que comprando um determinado produto seremos eternamente felizes. ela nunca vai dizer que comprando um determinado tênis você está contribuindo para a exploração da mão de obra quase escrava. 279) O filme traz várias situações em que Truman. 2001. brancas e de classe média.

J. principalmente durante a Segunda Guerra Mundial citando como exemplo o uso do rádio por Adolf Hitler para “divulgar” o nazismo. N. Essa propagação de mensagens ideológicas foi utilizada em larga escala. junto com seu ministro da Propaganda e da Informação Joseph Goebbels. pois percebeu que seus discursos ufanistas afetavam emocionalmente a maioria da população alemã. mas difere-se em alguns aspectos: ela não tem a função de vender um produto ou serviço e é feita de maneira muito mais sutil do que a comercial. O que é propaganda ideológica. (GARCIA. tem pão! Nada mais foi ganho na história sem derramamento de sangue! É melhor um dia de leão do que cem anos de carneiro! A guerra é para o homem enquanto a maternidade é para mulher! Um minuto no campo de batalha vale por uma vida inteira de paz! Ein Völk. As mensagens apresentam uma versão da realidade a partir da qual se propões a necessidade de manter a sociedade nas condições em que se encontra ou transformá-la em sua estrutura econômica. ela cria palavras de ordem.36 A propaganda ideológica traz consigo a maioria das características da propaganda comercial. um Império. o criado pelo regime militar brasileiro: “Brasil – ame-o ou deixe-o” e vários outros podem ser citados para servir-nos de exemplificação como slogans fascistas e as palavras de ordem nazistas: Acredita! Obedece! Luta! Quem tem aço. sendo amplamente amparada pelos meios de comunicação de massa que analisaremos mais à frente. 10 – 11) A propaganda ideológica foi amplamente utilizada por muitos países com regimes ditatoriais para ampliar o sentimento nacionalista do povo. p. Ein Füher. Esse tipo de propaganda difunde apenas o essencial de sua ideologia. por exemplo. (Um povo. Ein Reich. p. regime político ou sistema cultural. um Líder) (CERED. para conseguir apoio aos seus regimes. ou slogans como. fazendo com que eles aderissem às suas idéias. 83) . 2008.

. em seu momento de lazer. No filme. no carro com o rádio ligado. Christof faria o papel desse “patrocinador”. etc. fazerem as pessoas comprar produtos. sendo receptores conscientes ou não delas. Ao ler o jornal de manhã. até a placa de seu carro traz conteúdo ideológico: “Seahaven Island: a Nice place to live” – (Ilha de Seahaven: o melhor lugar para se viver) (O Show de Truman – 00h :47m:58s) Os meios de comunicação de massa veiculam mensagens de acordo com o que o patrocinador estabelece. por exemplo. em seu trabalho. servem de base aos seus interesses. a propaganda ideológica não se sustenta sozinha. cartazes. (ALTHUSSER. assistindo televisão. esse patrocinador pode romper o contrato com a emissora de televisão. moralismo. de um meio para que suas mensagens sejam veiculadas e os meios de comunicação de massa prestam perfeitamente esse serviço. 78) Truman se depara com essas situações a todo o momento. acreditar nas empresas que se dizem preocupadas com o meio ambiente por exemplo. chauvinismo. pois os jornais. é ele quem determina direta ou indiretamente o conteúdo e a forma do programa para que esse conteúdo lhe seja útil de alguma maneira. pelo rádio. ela precisa de uma base. 1963. esse patrocínio influencia o conteúdo veiculado no programa. o que acontece no “mundo real” é que essas informações são usadas para fazer as pessoas acreditarem no consumismo. pois a emissora depende desse investimento.37 No entanto. acreditar nas mensagens veiculadas pelo governo: “o melhor do Brasil é o brasileiro” ou ainda “o brasileiro não desiste nunca”. o que não é interessante. afirmações de que refrigerantes contribuem para a obesidade infantil. Vamos supor que uma empresa de refrigerantes patrocine um programa de televisão. televisão. Althusser nos diz a respeito dos meios de Comunicação de massa que ele considera como Aparelho Ideológico de Estado de Informação: O aparelho de informação despeja pela imprensa. pela televisão doses diárias de nacionalismo. pois ao surgir uma notícia que vai contra o consumo de refrigerantes. liberalismo. p. a todo o momento estamos em contato com essas mensagens. tudo gira em torno de manter Truman preso.

guarda-o no porta mala e vai para o trabalho. No caminho para o trabalho ouve uma notícia no rádio em que o locutor dizendo que a peça que Truman encontrou era de um avião que havia passado por ali e deixado cair algumas peças. ele olha para o objeto estranho sem saber direito o que aconteceu.2. como o jornal de Seahaven ou a programa na televisão. Manter Truman Burbank no mundo ficcional do reality show é o principal objetivo. antipatia pelo conteúdo trabalhado ou acreditar que aquilo é essencial para sua vida. no receptor. elas se apresentam com a intenção de gerar. para difundir o conteúdo ideológico de que Seahaven é o melhor lugar do mundo.38 Christof “encarna” todos esses patrocinadores. criar mecanismos que o impeça de observar a realidade à sua volta de maneira crítica e de ter informações reais do local onde vive. as mensagens chegam até ele de várias maneiras. 3. não há a relação monetária entre ele e os meios de comunicação dentro do Show de Truman. e todas essas mensagens possuem características bem próximas: a de não veicular informações objetivas contra um fato. . sempre que ele tentar se rebelar contra o estado de confinamento será necessária alguma medida que lhe acalme os ânimos. a diferença é que como é tudo “meramente controlado” ele não paga para que essas mensagens sejam difundidas. ou ainda o cartaz na agência de viagens.1 ANÁLISE DAS CENAS o RÁDIO NO CARRO (parte 1) (00h: 03m: 18s) Truman está saindo de casa para ir trabalhar quando um refletor cai perto dele. de maneira subjetiva como podemos observar nas imagens descritas do filme.

que ele continue calmo. em que ele faz perguntas ao Truman. pensando unicamente no retorno que essa mensagem pode proporcionar. impedindo-o de buscar maiores explicações sobre o ocorrido. que se acalme e ouça uma música. seja por meio aéreo ou outro meio qualquer. com toda intenção de persuadir seu ouvinte. se ele está bem e se tem pensado em viajar de avião. A segunda interpretação é de que a informação passada pelo locutor serve para atentá-lo para o fato de que aviões são perigosos. dando a ele uma explicação imediata. . o radialista coloca uma posição pessoal referente à notícia que está sendo passada. o RÁDIO NO CARRO (parte 2) (00h: 04m: 07s) Na seqüência da cena em que o refletor despenca do céu e o locutor da rádio lhe explica o motivo da queda. que podem cair a qualquer momento e que não seria uma boa idéia viajar de avião por esses motivos. forçando Truman a acreditar nessa idéia e não tomar a iniciativa de viajar para fora da ilha. temos quase que um diálogo entre Truman e o radialista.39 Essa cena pode adquirir duas interpretações possíveis: a primeira é a tentativa de enganar Truman convencendo-o de que aquele objeto estranho era realmente uma peça que caiu do avião. Podemos perceber que mesmo Truman não pensando em viajar de avião. sem pensar em viajar. dizendo para que ele esqueça os riscos de voar. é essa atitude que eles querem que Truman tenha. sem a preocupação se aquela opinião está de acordo com a posição de quem as ouve. o radialista lhe coloca sua posição. que soltam peças a todo o momento. Nesse momento.

também com o mesmo intuito de convencê-lo de que a ilha realmente é o melhor lugar para se morar e que seria besteira trocar um lugar tão agradável por qualquer outro lugar do mundo. o JORNAL DA ILHA (parte 2) (00h: 14m: 33s) Truman vai até a banca comprar revistas. atrás dele um homem lê o jornal com a notícia: “Who needs Europe!” (Quem precisa da Europa!) fazendo alusão ao fato de que a ilha de Seahaven é um local agradável e que pensar em ir para Europa é desnecessário. .40 o JORNAL DA ILHA (parte 1) (00h: 05m: 47s) Quando Truman chega ao escritório tenta procurar por Sylvia pelo telefone. em Fiji e um de seus companheiros de trabalho lhe mostra o jornal com a notícia: “Seahaven é o melhor lugar do planeta”.

em que ficaram olhando fotos de infância. discretamente afirmando que Truman estaria perdido. com isso ele não ia querer sair novamente abandonando a todos. fazendo-o refletir se realmente é necessário sair de Seahaven para encontrar a felicidade. Surge então um forte apelo emocional por parte do apresentador do programa em que ele diz frases que tocam profundamente Truman. Ao ligar a televisão se depara com o sugestivo programa “Mostre-me o caminho de casa”. Essa imagem pode ser interpretada como uma referência a Truman e seu pai. sua mãe tenta convencê-lo de que seria uma boa idéia se ele e Meryl tivessem filhos. fotos de seu casamento. como o próprio apresentador diz. Truman continua com a idéia fixa de querer sair da ilha e ir embora para outro lugar do mundo. ficando longe das lembranças de seu pai que ainda se faziam muito presentes em sua memória. além do discurso emocionado e persuasivo do apresentador. ela liga a televisão e as duas saem pela porta. longe de sua própria casa. pois ela se encarrega de levá-la em casa pois o programa favorito de Truman irá começar. . Podemos perceber. uma imagem ao fundo de um pai e um filho olhando para o nome do programa. já que ambos eram muito ligados antes de sua “morte” e Truman ainda se culpava por querer velejar em meio a um temporal. Truman nada contente com a conversa se coloca a disposição para levar sua mãe em casa. se arriscando. prontamente sua esposa pede para que ele não se preocupe.41 o PROGRAMA DE TELEVISÃO (00h: 38m: 18s) Truman após uma conversa com sua mãe e esposa. ele louva a vida na cidade pequena. de seus amigos e familiares.

3 INFLUÊNCIA FAMILIAR EM O SHOW DE TRUMAN “Família é tudo igual”. juram fidelidade. Esse é o tipo de propaganda que cria antipatia no receptor pelo conteúdo trabalhado de forma sutil para que o próprio receptor interprete aquela mensagem e não para que ela já se dê pronta a ele. ou seja. fazendo-o acreditar que viajar de avião é extremamente perigoso e ele não vai querer se arriscar. Provavelmente essa é uma frase que todos nós já ouvimos e que faz um certo sentido se pensarmos e levarmos em consideração que vivemos em uma sociedade que prega a instituição da família monogâmica. garantindo-lhes o direito de herança. Ele procura uma agência de viagens e ao entrar encontra um cartaz com um avião sendo atingido por um raio com os dizeres “Isso pode acontecer com você”. mas para analisar O Show de Truman ficaremos com a definição de família monogâmica que podemos encontrar no filme. 3. entendendo que se ele fizer o contrário do que lhe é dito pode sofrer graves conseqüências. que moram juntas. isto é.42 o AGÊNCIA DE VIAGENS (00h: 42m: 35s) Mesmo depois de várias tentativas de manter Truman na idéia de que Seahaven é um bom lugar ele tenta viajar para encontrar sua amada Sylvia em Fiji. que se funda sobre o casamento entre duas pessoas. Poderíamos fazer um levantamento de outros tipos de famílias que se instauram em outras sociedades. de fazê-lo mudar de idéia através de uma imagem forte. a garantia da propriedade privada. . em que há o controle do homem sobre a mulher e os filhos. se transformando em uma clara tentativa de apavorá-lo.

vamos destacar quais são os personagens que fazem parte da família de Truman. Esses valores e ideologias transmitidas pela família se alicerçam em crenças que muitas vezes encobrem a verdade e que mascaram a realidade fazendo com que não percebamos as contradições existentes na sociedade. Meryl e Marlon. quando cresce casa-se com Meryl e Marlon é seu melhor amigo. nos ensinando a viver em sociedade. as idéias de um determinado grupo social. nos transmitindo valores morais e éticos. a criação da prole que mais tarde serão trabalhadores e continuarão a transmitir as idéias de que o trabalho dignifica. A família é uma instituição social que está presente em nossas vidas desde o momento em que nascemos. tirando-nos a possibilidade concreta de interpretar os fatos ocorridos a nossa volta. protegendo-o do mundo exterior de tal forma a chegar a ponto de esconder as mazelas e “perigos” que nos rodeiam por toda parte. considerando que a família se constitui em um Aparelho Ideológico de estado que visa transmitir valores culturais. fazendo-o mudar de idéia. Ele é criado por dois atores que não são seus pais biológicos. portanto consideraremos sua família seu pai.43 A função da família criada por Christof para Truman é: sempre que ele quiser se libertar. a “família” que o cerca deverá convencê-lo do contrário. sempre criando barreiras para que ele não tome a decisão de ir embora. a transmissão de conteúdos ideológicos pela família vem sempre com a questão do “querer bem” ao filho e que nada de mal lhe aconteça. O que talvez as famílias não se dêem conta é de que esse conteúdo transmitido de geração em geração serve para cumprir sua função social garantindo a reprodução dos meios de produção garantindo a reprodução das forças de trabalho. sendo uma forte transmissora de ideologias. que é necessário arrumar um “empreguinho” para “ir . Antes de analisarmos o papel da família. Mas qual a relação que podemos estabelecer entre a família de Truman e as nossas famílias? Essa é a analise que faremos a partir de agora. sendo responsável pela nossa formação social e psicológica Pela nossa formação social. sua mãe. retirando-nos o direito que todos temos de aprender com os próprios erros e buscarmos nossa própria verdade. ir embora da ilha ou começar a descobrir muito sobre o mundo em que ele vive.

nos desmotivando a buscar respostas. mesmas profissões. 1963. “quero ser ator / atriz”. levando sempre em consideração o que eles acreditam ser a melhor opção para nossas vidas. assim como o próprio Truman. nos igualando a um mundo de pessoas sem rostos. mas essa quebra de barreiras realizada pelo nosso personagem será analisada em outro momento. 68) É muito comum quando somos crianças. que tomemos nossas próprias decisões. pois vão sempre continuar acreditando que esse é o seu futuro e de seus filhos e de que dele não há como escapar. ou que ser astronauta é impossível. pois não vamos querer morrer de fome. Ela intervém na produção das forças de trabalho . todas seguindo um mesmo padrão. nossos familiares nos perguntarem o que queremos ser quando crescermos ao se depararem com respostas como: “quero ser jogador de futebol”. A família desempenha claramente outras “funções” que a de AIE. com os mesmos gostos. que façamos nossas escolhas. Truman bem provavelmente foi uma dessas crianças que foi repreendida quando pequena por querer uma profissão diferente. É claro que existem exceções. unidade de produção. são mais fácies de se conquistar na hora de vender seus produtos. todas iguais.44 sobrevivendo”. Não querem que sejamos diferentes. ela é. ou ainda que músico não é profissão. (ALTHUSSER. que vejamos o mundo com nossos próprios olhos. com afirmações de que temos que estudar e trabalhar em algo que nos dê dinheiro. p. sempre tendem a nos repreender. pois para o mercado padrões são mais úteis. São essas repressões familiares que vão nos cercando desde pequenos. unidade de produção e (ou) unidade de consumo. . o mercado quer enxergar por nós e utiliza a família para nos vedar durante boa parte de nossas vidas. pessoas que quebram barreiras. dependendo dos modos de produção. “quero ser astronauta”. tirando-nos a liberdade de escolher uma profissão que vai nos trazer realização profissional. “quero ser musico”. que não atende aos padrões do mercado.

mas continua com a idéia. de ir para outros lugares.1 ANÁLISE DAS CENAS o Conversa com Marlon (00h: 09m: 50s) Truman e Marlon estão jogando golfe em cima de uma ponte desativada da Ilha de Seahaven. no entanto.3. Truman fala para Marlon a respeito de sua vontade de sair da ilha. Marlon responde qual outro lugar que ele poderia querer ir. que isso sim seria um emprego ruim. Podemos perceber claramente a incapacidade de Marlon de se ver em outro lugar que não seja a ilha em que sempre viveu podendo compará-lo com o canário do conto (Idéias de Canário) de Machado de Assis que nunca se via fora da situação em que se encontrava em determinados momentos. as Ilhas Fiji. chegando a dizer que daria tudo para ter o emprego que ele tem e para que Truman experimentasse ser repositor de chocolates em máquinas. por exemplo. ele chega a comparar seu serviço com o de Truman. Marlon não entende como que Truman. Para ele Truman não precisa de mudança. No entanto. tentando convencêlo a mudar de idéia para que ele não continue querendo sair da ilha. Truman sabe que não é tão simples assim deixar tudo de uma hora para outra e investir tudo em uma viagem. Marlon tenta colocar essas idéias na cabeça de Truman. ele já tem tudo o que é preciso para ser feliz. A mudança de vida é algo que incomoda as pessoas. todos nós somos um pouco conservadores e temos dificuldade em aceitar mudanças drásticas.45 3. reage a essa idéia de Truman de modo desprezível. com o emprego que ele tem não se sente feliz em morar em um lugar como aquele q quando Truman lhe pergunta se ele também não sente essa vontade de mudar. conhecer outros lugares como. Marlon. explorar o mundo. como se Truman não . de abandonar o emprego e viajar. um bom emprego já é o bastante para ser feliz.

Ela compara-o a um adolescente. ter uma casa para se morar. ou da família. ela fala sobre o dinheiro que eles não têm para viajar. Truman reflete e volta para casa onde encontra Meryl lendo um livro. Podemos perceber nesta cena como os nossos sonhos às vezes parecem. mais um meio utilizado para que Truman se sinta desacreditado a levar seus planos para frente.46 fosse conseguir realizar sua vontade. há simplesmente o desprezo pela idéia da mudança. colocando empecilhos para a viagem. Outro fato que podemos perceber nesta cena é a dependência econômica em que nos encontramos atualmente. alguém que compartilho dos mesmos sonhos que ele. sobre a casa e o carro que eles ainda têm que pagar e até sobre um filho que eles estavam planejando ter. e ao invés da compreensão do fato ou do entendimento mútuo do que um entende como sonho e o outro entende como loucura. sonho ou vontade. É esse desprezo repetido várias vezes que nos levam a abandonar uma idéia. Meryl cita como empecilho para a viagem dos dois. que Truman depois de tantas vezes desencorajado a seguir seu sonho. suas obrigações financeiras. por exemplo. esperando encontrar em Meryl um apoio. tentando de qualquer maneira fazê-lo mudar de idéia. as contas que eles ainda têm que pagar. ou simplesmente ter o . seja por uma necessidade útil como. Ela acaba. Vivemos cercados de situações que nos fazem assumir compromissos financeiros. ridículos ou desprezíveis. ridicularizando-o quando ele cita que quer ser um explorador. e isso é o que queriam todos os participantes do reality show. para conhecer lugares diferentes. o Conversa com Meryl (00h: 13m: 22s) Após sua conversa com Marlon. Ele chega cheio de planos em viajar pelo mundo. desistisse. ao modo de ver das outras pessoas. ao invés de apoiá-lo.

mas há também as necessidades fúteis como trocar de celular uma vez por mês. Essa condição pode se tornar um meio de não nos deixar sair de alguma situação que nos incomoda. ou trocar de carro uma vez por ano. ou realmente para fazer-nos acreditar em certas idéias que são passadas de geração em geração e que em sua maioria não tem muito fundamento. Isso mostra como em muitas vezes nossas dúvidas são esmagadas pela nossa família. Um dia estavam na praia e Truman começa a subir em um monte de pedras. Kirk apenas diz que é perigoso e que Truman não deve ir ali e pronto. ou por talvez não estarmos preparados para saber de determinados assuntos. pois não podemos simplesmente deixar tudo para trás. de poder pensar em outros caminhos que não aquele de ter que trabalhar e trabalhar cada vez mais. o Truman nas pedras (01h: 03m: 47s) Kirk. e Truman. . talvez por falta de conhecimento do assunto perguntado. pai de Truman. prontamente Kirk o chama dizendo que ele não pode ir ali. sempre se mostrou muito apegado ao “filho”. sem se preocupar em dar maiores informações ao filho. comprar roupas caríssimas somente para se enquadrar na moda. de algum modo. Truman não entende o porque da recriminação do pai. sente-se preso por essa condição. Seu pai quis recriminá-lo de imediato. Esses compromissos que assumimos são um grande fator que nos prendem.47 que comer. ela nos impede de sermos livres para fazer escolhas. de tomarmos decisões sem ter que considerarmos contas e mais contas a pagar. e Meryl utiliza bem esse fato para convencê-lo a não sair da ilha.

introduzindo um fato que vamos percebendo ao decorrer . deciframos os vários mecanismos que tentaram de todas as maneiras manter Truman preso na ilha de Seahaven. a transição entre o seu mundo fictício e a tão sonhada liberdade. vencer seus medos. comparado com o Deus do mundo de Seahaven. que pode ser facilmente. entretanto. o que tudo sabe. metaforicamente. comparada com a realidade que vivemos no dito “mundo real”. Truman vai nos demonstrando no decorrer do filme como é árdua e sofrida a busca pela verdade. o Christof sobre Truman (00h: 00m: 25s) A idéia inicial do programa era adotar uma criança e acompanhar com milhares de câmeras toda sua vida. abandonar velhas idéias. vamos analisar também qual é a visão do criador do reality show Christof que nos coloca interpretações interessantes a respeito do mundo que Truman habita. Christof foi o idealizador do reality show e esse nome não foi dado ao personagem por um simples acaso. ele consegue decifrar pistas. guardada as devidas proporções. o que tudo vê. interpretar fatos que o leva a descobrir o mundo ilusório em que vive. Christof logo na primeira cena de O Show de Truman fala um pouco sobre o personagem Truman Burbank. podemos compará-lo com Jesus Cristo (Christ = Cristo / of = de fora). mesmo depois de todos esses estímulos contrários à idéia de Truman de sair da ilha. EM BUSCA DA LIBERDADE No capítulo anterior. poderemos ver toda essa transformação pela qual Truman passa. Vamos analisar a partir de agora quais foram esses fatos que o levaram a enxergar o mundo em que vivia. pois ele observa (de fora) todos os movimentos de Truman.48 4. como é necessário fazer sacrifícios. sendo assim.

e talvez seja esse distanciamento misturado com a “realidade” criada por Christof que faz com que as pessoas fiquem dias e dias na frente da televisão para ver sua vida. Não gozamos de total liberdade de escolhas. que não conseguem estabelecer a diferença entre o cotidiano de Truman e o seu próprio cotidiano. e não simplesmente interprete um personagem. diferentemente de outros atores e atrizes que somente interpretam um personagem. mas que passam . mas que sem saber de tal fato se torna o mais real de todos os personagens já criados por qualquer outro programa. no trabalho. Durante nossa vida somos obrigados a interpretar personagens para diferentes situações do dia a dia. pois temos regras a serem seguidas.49 do filme. que sustenta a idéia de Christof de criar um personagem que seja real. somos. O nome de Truman vem da junção de duas palavras em inglês True (verdadeiro) e man (homem). o Marlon sobre o reality show (00h: 02m: 05s) Marlon nos coloca uma informação no início do filme que pode ser comparada com as teorias de Althusser (1963). onde nada é falso. como já analisado. e que as pessoas se identificam com ele por parecer real. na escola. que haja como uma pessoa normal. pois ele não está interpretando um papel e sim sendo ele mesmo. rodeados por aparelhos ideológicos que influenciam o nosso modo de pensar. nossa maneira de ver o mundo. a de que vivemos em um mundo real. de que Truman é realmente um personagem de um programa de televisão. Truman é o próprio personagem. é apenas meramente controlado. e Truman é observado em todos esses seus momentos por milhões e milhões de pessoas pelo mundo todo. em casa. não percebendo que são praticamente idênticos. seja ele um reality show ou não.

Um objeto estranho caindo do céu que para Truman não fazia o menor sentido. Seahaven a noite possuía um grande céu estrelado e quando um dos funcionários da manutenção tentou trocar uma lâmpada que havia queimado. pois atuam de maneira sutil e aos poucos durante uma boa parte de nossas vidas que acabam sendo “meramente controladas”. lhe deixou intrigado.50 desapercebidos a maior parte das pessoas. No entanto essa morte já estava preparada por Christof. o Estrela caindo do céu (00h: 03m: 20s) Talvez seja esse o fato que deu início à desconfiança de Truman. pois o forçou a velejar com Truman em meio a uma tempestade que causou sua morte. e que mesmo com a explicação que lhe fora dado pelo rádio. Se Truman fosse astrônomo teria descoberto logo que se tratava de uma farça. O episódio do . o Truman reconhece seu pai (00h: 15m: 06s) Truman sempre foi muito apegado ao seu pai e sentia-se culpado pela morte dele. Podemos entender também que Marlon é um personagem que está sempre presente na vida de Truman. da mesma maneira que Christof está o observando do lado de fora (of). Marlon acompanha Truman dentro do reality show (Marlon). deixou cair o refletor da estrela Sirius da Constelação Cão maior.

a primeira delas é quando Truman a vê pela primeira vez: ela está na escola sentada debaixo de uma árvore e quando Truman olha pela segunda vez ela já não está mais lá. mas ao vê-lo sendo levado tão abruptamente fica desconfiado de que algo está sendo escondido dele. No entanto. um conselho que a própria Sylvia dá a Truman. Esse foi um fato que mexeu muito com Truman. que eles sejam rápidos pois os dois têm pouco tempo juntos. e como morava em uma ilha não conseguiria atravessar o oceano. logo que ele percebe que é realmente seu pai. Os dois fogem da biblioteca. Desde então começa uma aproximação dos dois. quando percebe que Sylvia está estudando perto dele. e um dia indo para o trabalho Truman vê seu pai vestido como um mendigo. o corpo de seu pai nunca foi achado. a segunda é na festa de formatura em que Truman vê dois rapazes de terno a levando para fora da festa. Ele se aproxima e a convida para sair. Um dia Truman estava estudando em uma biblioteca. onde se encanta pelos seus olhos. Em duas oportunidades Truman vê pessoas retirando Sylvia de perto dele.51 afogamento de Kirk (pai de Truman) foi uma maneira de traumatizá-lo. fazendo com que ele tivesse pavor de água desde então. um homem e uma mulher pegam o mendigo colocando-o em um ônibus e o levando para longe de Truman. pois ele sentia-se culpado pela morte de seu pai e de repente encontra-o vivo. Truman tenta contar à sua mãe o fato de ter visto seu pai mas ela o desacredita. o que contrariava o script criado por Christof. pois Sylvia era apenas um figurante. Após essa cena. o Sylvia e Truman na praia (00h: 26m: 00s) Truman conhece Sylvia ainda no colégio. .

É quando aparece um carro para lavá-la para longe de Truman. não conseguiu manter-se afastada de Truman e também não conseguiu continuar enganando-o. procurando-a em listas de telefone e montando seu retrato a partir de recortes de revistas. o “fruto proibido” no caso do filme seria a verdade que Sylvia poderia revelar a Truman. expulsando-a dele. Esse fato pode ser comparado com Adão e Eva no jardim do Éden. expulsou-os do paraíso como forma de punição. Ela queria libertá-lo desse paraíso artificial e por isso foi expulsa. participando da farça em que todos estavam metidos. Deus irado com a desobediência de Eva ao fazer Adão comer o fruto proibido. mesmo estando casado com Meryl. de que é tudo armação. mantendo-a longe de Truman para que ele se mantivesse na pureza e ingenuidade do paraíso. ao contrário dos outros personagens do reality show. Sylvia tenta alertá-lo de que algo está acontecendo a sua volta. Truman fica confuso sem entender ao certo o que ela quer dizer com aquilo tudo. ou talvez por ter realmente se apaixonado por ele. . O amor que Truman sentia por Sylvia foi um dos fatores mais relevantes para ele tomar a iniciativa de sair da ilha e procurá-la.52 Eles vão até uma praia e então acontece o primeiro beijo de Truman. Esse foi o fato que talvez tenha mais motivado Truman a pensar em sair da ilha. ou talvez por não concordar com a exploração a que ele era submetido. É quando então Sylvia é colocada dentro do carro e pede para que Truman vá atrás dela em Fiji. Christof também pode ser comparado com um Deus irado com desobediência de Sylvia ao quebrar as regras do programa. de é tudo feito para ele e que é um show de televisão. O que ele sentia por Sylvia era uma atração muito forte. e podemos perceber isso ao decorrer do filme. para que ele saia da ilha e a encontre. talvez por dó de Truman. ele nunca perdeu as esperanças. o que contrariava o idealizador do programa como já dissemos anteriormente. Sylvia. mas após esse fato ocorrido na praia ela nunca mais a viu. pois ela foi seu primeiro amor e seu primeiro beijo. Truman continuava pensando em Sylvia.

entra em um prédio e quando está de frente para o elevador e a porta se abre. Ele vai até a loja onde Marlon trabalha com uma séria desconfiança de que o mundo todo está girando em torno dele. Truman pára os carros na rua.53 o Interferência no rádio (00h: 26m: 00s) Truman está dirigindo rumo ao seu trabalho quando ocorre um fato estranho com o rádio de seu carro. o radialista começa a narrar todos os passos de Truman. o Meryl cruza os dedos (00h: 39m: 04s) o Truman “prevê” o futuro (00h: 46m: 03s) . e percebemos no decorrer da cena que Marlon faz de tudo para que Truman não pense nessa hipótese. Ele fica meio confuso sem saber ao certo o que está ocorrendo. que existem pessoas como em um camarim. pára o carro e isso desencadeia uma série de outros fatos. ele vê que não existe elevador.

ou que já estivessem programadas para fazer um determinado movimento. não jurando verdadeiramente seu amor a ele. isso faz com que ele perceba que ela casou-se com ele por algum outro motivo que não o amor que ela sentia por ele. Ele finge que vai embora. Outra situação peculiar vivida por Truman é quando ele resolve ir embora de carro “seqüestrando” Meryl. o Com quem você está falando? (00h: 53m: 16s) . Truman percebe também que Meryl no momento do casamento cruzou os dedos. criando um engarrafamento. e quando volta à rua não existe mais engarrafamento. uma série de carros entram na sua frente. dá algumas voltas na rotatória novamente. como é o caso da cena em que ele presta atenção nas pessoas que ficam andando em voltas.54 o Preso no engarrafamento (00h: 48m: 48s) As três cenas apresentadas acima mostram alguns detalhes fizeram Truman perceber que os fatos que acontecem à sua volta se repetem. Truman no mesmo momento percebe que aquela situação foi forçada por alguém. como se estivessem andando em círculos. Ele fica girando em torno de uma rotatória e quando resolve entrar em uma rua.

sem querermos nos libertar de nossa vida cotidiana e normal. entender melhor o que fazemos . mas dessa vez seu desvio de atenção foi muito acentuado. só que Truman não sabia desse fato). Christof nos coloca uma visão não só da vida de Truman em si. Christof lhe responde que “aceitamos a realidade do mundo que nos é mostrada”. chegando a ser ridículo para uma situação cotidiana de um casal. como se estivesse vendendo um produto (e era realmente isso que ela fazia.55 Meryl tinha atitudes muito estranhas ao ponto de vista de Truman. Várias vezes enquanto eles conversavam sobre algo sério ela tentava lhe desviar atenção com atitudes totalmente desconexas ao contexto da conversa. sem buscar explicações plausíveis. sem procurar um algo mais que nos estimule. sem entendê-lo. fazemos sempre as mesmas coisas todos os dias. o Christof e o mundo em que vivemos (01h: 06m: 00s) Nesta parte do filme o entrevistado pergunta a Christof qual o verdadeiro motivo de Truman nunca ter descoberto qual a natureza real de seu mundo. aceitamos o mundo sem questioná-lo. o que fez com que Truman ficasse extremamente irritado. que nos faça buscar a verdade. Truman já havia desconfiado de que algo estranho acontecia com Meryl nessas situações. mas sim na vida que vivemos.

com pessoas felizes e lindas. o mundo perfeito da propaganda de margarina ou da propaganda de cerveja. Isso tudo nos ilude achando que vivemos em um mundo perfeito. quais são as verdades escondidas por trás dos noticiários de tv. Esse mundo ilusório que nos é vendido nos afasta da verdadeira realidade. não pensamos. simplesmente aceitamos. deixamos que a mídia simule um mundo perfeito para nós. o Christof e o mundo em que vivemos parte 2 (01h: 06m: 30s) . aceitamos sem questionar seus porquês. cedendo espaço para o status social das roupas de marca. ou de anúncios publicitários.56 neste mundo. mas por si próprios. onde o saber muitas vezes é banalizado. Hoje em dia há um esvaziamento intelectual da sociedade. como se não houvesse mais com o que se preocupar. ou ainda do celular última geração com mais de mil funções. ou dos carrões do ano.

ignorar o mundo e continuar vivendo . culpando-o de não deixar Truman sair da ilha de Seahaven. Muitos não querem sair da “cela” em que se encontram. como um pai que protege o filho das verdades do mundo. ignoram a tudo e a todos. sem lutar. refúgio. onipresente e onisciente. onipotente. Para Christof Seahaven é um mundo perfeito.57 Christof ainda estava sendo entrevistado quando recebeu uma ligação de Sylvia. tira o direito de conhecer o próprio mundo. querem de nós. ele pode escolher seu caminho. O que Christof faz é interferir nesse livre arbítrio de Truman. onde Christof seria o Deus que controla a tudo e a todos. com a desculpa de que deu a Truman a oportunidade de viver uma vida normal. A defesa de Christof até faz algum sentido se entendermos que vivemos em um mundo em que se acredita na existência de um Deus soberano. como já dissemos anteriormente. vivendo alienados em suas “meras ambições” como diz o próprio Christof a se referir a Truman. empresas. mas temos o chamado livre arbítrio. Todos nós gostaríamos de viver em um lugar como Seahaven. querem que continuemos em um mundo de fantasia. que tudo sabe e que tudo vê. contudo pela semelhança de sonoridade podemos compará-la com heaven que significa paraíso. Assim como Truman também somos “vigiados” a todo o momento. mas se pararmos para analisar. vários de nós vivemos em lugares assim. pois assim seremos um alvo mais fácil para seu jogo de interesses. como em um paraíso realmente. sem contestar. mas qualquer que seja esse caminho escolhido já está previamente decidido. Haven em inglês significa lugar seguro. limpo. podendo entender assim o nome da ilha em que Truman mora. É isso que os governantes. os meios de comunicação de massa. sem perceber o que há nas entrelinhas do cotidiano monótono. é mais fácil ignorar os fatos. a chance de escolher nossos próprios caminhos. Novamente Christof nos coloca fatos pertinentes não só a vida de Truman. Ele faz referências a um mundo doentio. sem querermos sair da ilha da alienação que nos cerca. planejado e arquitetado por Christof. um mundo totalmente organizado. mas à nossa vida também. recriminando-o por deixar Truman preso por todos esses anos. em um mundo onde não nos preocuparíamos com muitas coisas. perfeito.

assim como fez Deus. Truman resolve ir embora da ilha também. pega um barco e parte rumo a liberdade. e assim como o grande descobridor das Américas. percebendo que seu plano não está dando certo. o Fuga de Truman (01h: 22m: 00s) Após ter sido deixado por Meryl. longe dos problemas do mundo. Podemos perceber que seu barco chama-se “Santa Maria”. Vamos perceber daqui para frente que Truman inverte essa situação. Podemos comparar essa fúria de Christof com o fato de Truman querer fugir do paraíso. seu momento de libertação.58 uma vida tranqüila. No entanto não será tão fácil essa sua passagem. Christof não pára. com a passagem bíblica do dilúvio. ele começa a lutar contra a situação em que vive. Christof precisa de Truman. sem preocupações. desrespeitando sua autoridade. ele não pode se dar ao luxo de expulsar se Adão. é mais fácil viver na escuridão da caverna do que ofuscar os olhos com a luz. mesmo sendo alertado sobre os riscos de Truman morrer frente a um mundo de telespectadores. fazendo uma referência a uma das caravelas de Cristóvão Colombo. em que . é o momento em que ele se dirige para fora de sua caverna. alegando que Truman nasceu frente às câmeras e pode muito bem morrer diante delas. Esse é um momento muito importante na história de Truman. pede para que aumentem a tempestade. ele luta contra todos os meios para buscar toda sua verdade. é a sua passagem da escuridão para a luz. Ele vence seu medo de água. Christof. no entanto Christof não pode matar Truman. Christof não lhe deixará sair tão facilmente e provoca uma grande tempestade para fazer com que Truman fique com medo e desista da idéia. ele vai rumo ao desconhecido.

e o meu deitar. E o Senhor disse: “Eliminarei da face da terra o homem que eu criei”. e me conheces. (. elas tomam banho de chuva.) . Não havendo ainda palavra alguma na minha língua.) O Senhor arrependeu-se de ter criado o homem sobre a terra. (BÍBLIA. em que as pessoas todas ficam cegas e a água aparece com um meio de purificação. de longe entendes o meu pensamento. o Içando a vela (01h: 28m: 00s) Mesmo depois de tantos esforços por parte de Christof. ou ainda no romance de José Saramago Ensaio Sobre a Cegueira (2003) que foi adaptado para o cinema (2008). [Salmo de Davi para o músico-mor] SENHOR. p. a tempestade seria o seu ritual de purificação. Truman após o “dilúvio” estaria pronto para ver o mundo finalmente. e o seu coração sofreu amargamente. 3. manda uma poderosa chuva que extermina a humanidade: (. Quando ele acorda e iça a vela de seu barco podemos perceber um número: 139. ó SENHOR. Tu me cercaste por detrás e por diante.11) De qualquer maneira temos também um elemento de purificação.. Truman não desistiu de seus planos. tudo conheces. 6. e conheces todos os meus caminhos. 2. a água representa em vários mitos a purificação da alma. sapatos e esse “ritual de purificação” precede o retorno da visão das personagens..59 Deus. e puseste sobre mim a tua mão. Tu sabes o meu assentar e o meu levantar. Cercas o meu andar.. tu me sondaste. eis que logo. assim como a água é utilizada no batismo da religião católica.. Gênesis. limpam suas roupas. Ele se amarrou ao barco sobrevivendo à tempestade.6:6. para castigar a humanidade de suas desobediências. Recorrendo novamente aos textos bíblicos encontramos o salmo 139 que diz: 1. 4.

(http://www. Até ali a tua mão me guiará e a tua destra me susterá. e guia-me pelo caminho eterno. ou para onde fugirei da tua face? 8. e conhece os meus pensamentos. se fizer no inferno a minha cama. parece confirmar as crenças da idade média. 10.) possuíste os meus rins.60 7..com. E vê se há em mim algum caminho mau. ó Deus. Se subir ao céu. e conhece o meu coração.) 13. Se tomar as asas da alva.br/acf/sl/139. eis que tu ali estás também. lá tu estás. 24. cobriste-me no ventre de minha mãe. descobrindo o continente da realidade: de que viveu sua vida inteira em um mundo irreal... em que acreditavam que o mar termina em um abismo. o Conversa com Deus (01h: 31m: 40s) . a relação entre criatura e criador. se habitar nas extremidades do mar. ao contrário do que fez o descobridor Cristóvão Colombo que provou que a terra é redonda. 9. Sonda-me. provame..bibliaonline. (. de todas as decisões que fazem a vida de Truman tomar caminhos diferentes a cada momento.. acessado em 08/11/2008) Este Salmo pode ser interpretado com um resumo de toda a relação entre Christof e Truman.) 23. (. do poder que Christof tem sobre a vida de Truman.. Truman bate o barco em um fundo. Truman continua a velejar e de repente. Para onde me irei do teu espírito. (.

e o verdadeiro conhecimento.61 A cena mais importante do filme se dá após Truman bater na parede e ver que seu mundo fictício tinha um fim e de que ele não conseguiria sair velejando. já é tudo planejado e nada de mal poderá lhe acontecer. medo de descobrir a verdade. Truman não tem o que temer. O paraíso. uma voz ecoa por entre as nuvens chamando-o. Christof diz a ele que lá fora o mundo é igual ao que ele criara. Metaforicamente podemos entender essa última cena como o último estágio da sua passagem da “ignorância” em não perceber de maneira crítica o mundo em que vive. A saída de Truman de seu mundo fictício seria o rompimento com a alienação em que se encontrou durante toda sua vida e o que Christof faz é tentar fazê-lo mudar de idéia. porque como já dissemos anteriormente. o Deus de seu mundo que tentará pela última vez convencê-lo a ficar no reality show. Ele então descobre uma escada e sobe por ela até a porta de saída. e principalmente tentará alertá-lo sobre os perigos do mundo real. De uma certa maneira Christof tem razão em dizer que o dito “mundo real” tem suas mentiras. mas muitas vezes temos que saber contornar situações. nós necessitamos de criar personagens para vivermos em sociedade. é Christof. Quando está prestes a sair. suas enganações. o descobrimento da verdade. é claro que não fingimos 24 horas como as pessoas do reality show. só que no paraíso criado por ele. as mesmas mentiras e enganações. para que tenhamos um relacionamento saudável com as outras pessoas. Ele tentará fazer com que Truman sinta medo de sair de sua caverna. ou o .

ou fora da matrix. ele viveria para sempre no seu mundo de ilusões. mas ele rompeu com seus medos. sem descobrir o que há por trás de tudo. Isso acontece no “mundo real”. O que aconteceu com Truman após sua saída é uma incógnita. em Matrix (1999). presos em suas cavernas. desprezando o fato de que o reality show esteve no ar durante 30 anos. Logo após o termino do reality show. é mais fácil e menos doloroso ser passivo de tudo o que o mundo já nos apresenta pronto. . ou fora do nosso Show de Truman. Essa cena traz mais uma crítica ao mundo vazio em que nos encontramos. tendo essa postura passiva. sendo alertado por Morpheus que ao fazer tal escolha não teria volta. muitas pessoas continuam em estado de dormência. que simplesmente mudaram de canal. sem sofrer. era também a vida de uma pessoa que estava sendo exibida para milhões de pessoas em todo mundo. Assim como Neo. é mais fácil se Truman continuasse dentro de seu paraíso artificial. ou para o mesmo mundo em que ele vivia. com as barreiras da ignorância e partiu para um outro mundo. como se tudo aquilo que assistiram fosse banal. não teria como recuar e aceitar toda aquela vida manipulada e já escrita por um roteirista de televisão.62 mundo alienado. Truman chegando até a porta de saída de seu mundo não teria como voltar atrás. dois guardas que estão assistindo ao programa perguntam-se o que estaria passando em outros canais. na visão de Christof. cegos na escuridão da ignorância de não querer saber o que acontece a sua volta. sem questionar. não sabemos o que nos espera fora da caverna. talvez seja melhor. de aceitar tudo o que já é dado pronto. O filme termina em reticências como um modo de mostrar aos que o assistem que não é tão simples quebrar as barreiras do conhecimento. e que mesmo quebrando-as não sabemos o que encontraremos pela frente. como também já discutimos anteriormente. e ao terminar não houve nem um tipo de reflexão por parte dos telespectadores. só que um pouco mais disfarçado. portanto. escolheu a pílula vermelha para saber qual o real mundo em que vivia. sem sofrer com a verdade. para o mundo do conhecimento talvez. pois sem descobrir as verdades Truman não teria com o que se preocupar. afastando-se de qualquer relação com o que foi exibido durante tanto tempo. onde tudo é descartável e substituível. além de ser um reality show.

não acreditando assim como grande parte das pessoas não acreditam que vivem em um mundo que tem suas maneiras de manipulação. A intenção foi discutir como milhões de pessoas em todo o mundo vivem presas a um mundo que elas não têm o menor conhecimento. sendo amplamente estudada e conceituada por Karl Marx na sua análise do capitalismo. continuam querendo acreditar na inocência dos meios de comunicação e que o Estado serve para nos defender e lutar por nossos direitos. que tiram proveito da ignorância da . sem lutar. levava-o a ridicularização. sendo condenadas a ver sombras e tomá-las como verdade. O objetivo do trabalho foi discutir como os meios “produtores” da alienação que nos cercam por todos os lados no mundo capitalista de hoje em dia. passam suas vidas inteiras presas em seus “shows de Truman” sem buscar o conhecimento. nós também sofremos com a alienação provocada por diversos meios. Foram feitas comparações das situações a que o personagem era submetido. sem questionar. acreditando no senso comum geral da população. Percebemos como os familiares de Truman. assim como o modo de enxergar o mundo. é de interesse do governo. partindo do filme O Show de Truman que relata com clareza a passagem do personagem de um “mundo fictício” para um “mundo real”. desde os filósofos gregos. é um tema que já vêm sendo discutidos há muito tempo. dos meios de comunicação de massa e do mercado capitalista que continuemos vivendo na “santa” ignorância. O filme foi utilizado para mostrar que da mesma maneira que Christof prendia Truman e utilizava mecanismos ideológicos para tal fim. pois isso garantirá a manutenção dos interesses da classe dominante. as pessoas não estão preparadas para tomar o choque de conhecer a verdade que as rodeia. passando pelas teorias religiosas.63 CONCLUSÃO A alienação. que continuemos acreditando no que os noticiários dizem. com as situações que presenciamos todos os dias em nossa vida. que ele traz elementos cotidianos totalmente plausíveis de serem abordados. fazendo-nos perceber que o filme não é só uma simples obra de ficção. mesmo sabendo da falsidade do mundo.

64 população. não sabemos o que encontraremos quando sairmos de nossas cavernas ou quando nos libertarmos do nosso Show de Truman. que no filme é retratado por Christof ao querer que Truman não descubra a verdade e continue lhe garantindo lucros bilionários. a maneira de se buscar o conhecimento. assim como os filmes relacionados e o mito da caverna. O filme mostra. mas não sabemos o que realmente encontraremos ao sairmos do mundo das sombras. mostram-nos maneiras de se quebrar as barreiras da ignorância e ter contato com a verdade. . eles nos levam até a porta.

São Paulo. São Paulo: Editora Ática. In: Páginas Recolhidas. São Paulo. 1987. NICCOL. COSTA. . 2ª ed. 1ª ed. O que é propaganda ideológica. ASSIS. 1963. (Coleção Primeiros Passos). As regras do método sociológico.J. São Paulo: Editora Moderna Ltda. 2001. São Paulo: Brasiliense. Émile. BÍBLIA. Psicologias: Uma introdução ao estudo da psicologia. 2002. 1962. Editora Graal – Biblioteca de Ciências Sociais. DURKHEIN. Marilena. Machado de. 1982. roteiro do filme. N.65 REFERÊNCIAS ALTHUSSER. CHAUÍ. 1ª Ed. Maria Lúcia de Arruda. Bíblia Sagrada. 12ª ed. São Paulo: Ed Nacional. 1998. Editora Santuário. 2008. BOCK. Editora Moderna. GARCIA. Ana Merces Bahia. ARANHA. Maria Castilho. Português. 1993. Andrew. Aparelhos Ideológicos de Estado. O Show de Truman – O show da vida. Filosofando: Introdução à filosofia. Editora Saraiva. São Paulo: Editora Manole Ltda. Sociologia: Uma introdução à ciência da sociedade. São Paulo: Editora Brasileira LTDA. CERED. Teoria 3: Curso Objetivo Semi-extensivo. 1963. Convite à filosofia. Louis. Idéias de Canário.

Estados Unidos: Warner Home Video. 137 minutos DVD-VIDEO. O Show de Truman . 120 minutos. Fernando. UNESP 1988. São Paulo. ORWELL. Cidade das Sombras. George. 2008. NTSC CROWE. 2001. Silas. 102 minutos DVD-VIDEO. 1988. 2006. FILMES RELACIONADOS WEIR. 1999. In: A República – Coleção Cultura Clássica. 126 minutos DVDVIDEO.66 NOGUEIRA. São Paulo: Editora Nacional. Larry. Estados Unidos: Paramount Pictures. Matrix. 2005. Josef. NTSC RUSNAK. 96 minutos DVD-VIDEO. NTSC PROYAS. 13° Andar. Ensaio sobre a Cegueira. . 100 minutos DVDVIDEO. Michael. NTSC BAY. 2002. Estados Unidos: Warner Home Video. NTSC MEIRELLES. Alex. Vanilla Sky. 2003. NTSC WACHOWSKI. 29º ed. 136 minutos DVD-VIDEO. PLATÃO. A Ilha. Estados Unidos: Warner Home Video. Estados Unidos: Paramount Pictures.Edição Especial para Colecionadores. Peter. Cidade Ameaçada: Aspectos da violência em Ribeirão Preto. O mito da Caverna. Estados Unidos: Sony Pictures 1999. Cameron. Dissertação de Mestrado. 1984. Estados Unidos: O2 – Fox Filmes. Edições Cultura Brasileira S/A.

com. Disponível em: http://www. Disponível em: www. acessado em 08/11/2008.br/aldeia. acessado em 25/07/2008 IMDB.imdb.art.67 SITES COCCARELLI. Bíblia.bibliaonline. Disponível em: http://www. ONLINE.casadaindia. O eu superior é uma caixinha de supresas.asp?codAldeia=49. . Salmos 139. Editors.com/name/nm0000120/bio. Joana. acessado em 14/04/2008. Biography for Jim Carrey.br/acf/sl/139.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful