You are on page 1of 3

Interacionismo

Para Vygotsky, as funções psicológicas superiores - que são características do ser


humano - estão ancoradas, por um lado, nas características biológicas da espécie
humana e, por outro, são desenvolvidas ao longo de sua história social. É o grupo social
que fornece o material (signos e instrumentos) que possibilita o desenvolvimento das
atividades psicológicas. Isso significa que se deve analisar o reflexo do mundo exterior
no mundo interior dos indivíduos, a partir da interação destes com a realidade.

Ainda segundo Vygotsky, para que o indivíduo se constitua como pessoa, é fundamental
que ele se insira num determinado ambiente cultural. As mudanças que ocorrem nele,
ao longo de seu desenvolvimento, estão ligadas à interação dele com a cultura e a
história da sociedade da qual faz parte. Por isso, e de acordo com os conceitos
desenvolvidos por Vygotsky, o aprendizado envolve sempre a interação com outros
indivíduos e a interferência direta ou indireta deles.

Esse enfoque é completamente diferente do enfoque de Piaget. Formado em Letras e


em Psicologia, Vygotsky elegeu a linguagem como objeto de estudo. Para ele, a
linguagem tinha papel fundamental na mediação entre as relações sociais e a
aprendizagem. O objeto de estudo de Vygotsky era o desenvolvimento humano, a partir
do processo histórico que o indivíduo estava vivendo.

Dados Biográficos de Vygotsky

Lev Semyonovitch Vygotsky nasceu na Bielorrússia, em 5 de novembro de 1896


(mesmo ano de nascimento de Jean Piaget). Graduou-se em Direito pela Universidade
de Moscou e, mais tarde, dedicou-se à pesquisa literária. Entre 1917 e 1923 atuou
como professor e pesquisador no campo das artes, da literatura e da psicologia.

A partir de 1924, em Moscou, aprofundou suas investigações no campo da psicologia,


encaminhando-se para a educação de deficientes. Entre 1925 e 1934, desenvolveu,
com outros cientistas, estudos de psicologia nas áreas que contemplavam as
anormalidades físicas e mentais. Depois de concluir outro curso, o de Medicina, foi
convidado a dirigir o Departamento de Psicologia do Instituto Soviético de Medicina
Experimental. Faleceu em 11 de junho de 1934.

Vygotsky viveu em plena efervescência da Revolução Comunista. O contexto político


pelo qual passava a Rússia influenciou de forma decisiva seus estudos e os de seus
colaboradores, principalmente Luria e Leontiev. Assim, o foco de suas preocupações foi
o desenvolvimento do indivíduo e da espécie humana, como resultado de um processo
sócio-histórico.

Principais Conceitos da Teoria Interacionista

Para entender a relação entre desenvolvimento e aprendizagem, do ponto de vista


de Vygotsky, é preciso compreender o conceito de zona de desenvolvimento
proximal.

Geralmente, a psicologia avalia aquilo que a criança é capaz de fazer sozinha. Esse seria
o desenvolvimento real do indivíduo, isto é, o nível que indica suas possibilidades de
atuação independente. É a psicologia que se baseia em testes e escalas, que mede o
produto final do processo, sem oferecer qualquer tipo de ajuda.
Do mesmo modo, a escola tende a valorizar apenas o produto final dos alunos, ou seja,
valoriza o que sabem e não o processo que levou à aquisição do conhecimento. Por
isso, ao dar uma tarefa ou uma prova, pede que o aluno não converse, não consulte,
não interaja com ninguém.

Com esta atitude, perde-se a oportunidade de observar que muitas questões não
respondidas, ou que apresentam respostas "erradas", se fossem realizadas com a
mediação do professor, ou até de colegas com mais experiência, teriam tido respostas
positivas.

Vygotsky apontou ainda outro nível de desenvolvimento, além do nível pessoal, que ele
chamou de proximal ou potencial. De acordo com Vygotsky trata-se do nível em que
alguém não consegue fazer determinada atividade sozinho, mas com a ajuda de outra
pessoa é capaz de realizá-la. Isso significa que esse indivíduo não tem total autonomia,
mas já tem elementos que possibilitam a realização da tarefa.

A partir desse conceito, chega-se a determinadas conclusões pedagógicas:

o processo é mais importante que o produto;


o professor desempenha o papel de mediador entre aluno e conhecimento, e não
apenas o de mero transmissor de conhecimentos;
a aprendizagem não é um ato solitário, mas de interação com o outro;
a aprendizagem exige planejamento e constante reorganização por parte da escola;
a reorganização de experiências deve levar em conta quanto de colaboração o aluno
ainda necessita para poder produzir determinadas atividades de forma
independente;
o diálogo deve ser permanente, permeando o trabalho escolar;
a idéia de que a classe deve ser homogênea é abandonada.

Piaget e Vygotsky

Há convergências e divergências entre o pensamento de Piaget e de Vygotsky.

As divergências mais gerais decorrem da diferença de foco dos estudos de cada


pesquisador. O principal interesse de Piaget era estudar o desenvolvimento das
estruturas lógicas, enquanto Vygotsky pretendia entender a relação do pensamento
com a linguagem, e suas implicações no processo de desenvolvimento intelectual.

Enquanto sob a perspectiva piagetiana o conhecimento se dá a partir da ação do sujeito


sobre a realidade, para Vygotsky, esse mesmo sujeito não só age sobre a realidade,
mas interage com ela, construindo seus conhecimentos a partir das relações intra e
interpessoais. É na troca com outros sujeitos e consigo próprio que ele internaliza
conhecimentos, papéis e funções sociais.

A grande divergência entre os dois estudiosos, no entanto, se dá na relação entre


linguagem e pensamento. Para Vygotsky e seu colaborador Luria, a linguagem tem um
papel definitivo na organização do raciocínio, pois age decisivamente sobre este,
reestruturando diversas funções psicológicas, como a atenção, a memória, a formação
de conceitos.
Enquanto para Piaget a aprendizagem depende do estágio de desenvolvimento atingido
pelo sujeito, para Vygotsky a aprendizagem favorece o desenvolvimento das funções
mentais.

Embora Vygotsky concorde que a aprendizagem ocorre muito antes da chegada da


criança à escola, ele também atribui um valor significativo à aprendizagem escolar, que
no seu dizer "produz algo fundamentalmente novo no desenvolvimento da criança".

Entretanto, apesar das diferenças entre a posição teórica dos dois cientistas, ambos
enfatizam a necessidade de compreensão da gênese dos processos cognitivos. Além
disso, eles, igualmente, não consideram os processos psicológicos como resultados
estáticos que se expressam em medidas quantitativas, pois, tanto Piaget como
Vygotsky, valorizam a interação do indivíduo com o ambiente e vêem o indivíduo como
sujeito que atua no processo de seu próprio desenvolvimento.