You are on page 1of 41

Introdução

Há doȁs mȁl anos, Jesus e seus amȁgos estavam conversando sobre os rumores
da opȁnȁão popular. “Quem dȁz o povo ser o Fȁlho do Homem?” Ele lhes perguntou. Os
dȁscípulos responderam alȁstando as respostas que freqüentemente ouvȁam. Então, Jesus
mudou o enfoque do assunto. Deȁxando o caráter ȁnformatȁvo da conversa e assumȁndo
um tom pessoal, Ele fixou o olhar nos olhos daqueles homens e perguntou: “Mas vós...
quem dȁzeȁs que eu sou?”
É fácȁl responder perguntas sobre o que os outros estão dȁzendo. Entretanto,
há um momento em que nós mesmos devemos enfrentar o questȁonamento de Jesus.
Quem é Ele para mȁm?
A resposta maȁs comum é que Jesus era um professor notável e vȁrtuoso — um
mestre exemplar e um sábȁo cheȁo de compaȁxão. Contudo, C. S. Lewȁs — o autor
brȁtânȁco que escreveu o lȁvro O Leão, A Feȁtȁceȁra e o Guarda-Roupa — ȁnsȁstȁa em que
taȁs deprecȁações fossem desconsȁderadas:
4 • Para sua Alegria

“Eu tento impedir o uso daquela frase tola que as pessoas costumam dizer a
respeito dEle: ‘Estou pronto a aceitar Jesus como um grande e digno mestre,
mas não aceito sua pretensão de ser Deus’. Não devemos dizer isso. Alguém
que fosse simplesmente um homem e dissesse o tipo de coisa que Jesus disse
não seria um grande e digno mestre. Seria um lunático — igual ao homem
louco que afirma ser ‘Napoleão’ — ou o diabo. É preciso fazer uma escolha.
Ou esse Homem era, e continua sendo, o Filho de Deus, ou era um louco ou
algo pior. Você pode fazê-Lo calar, supondo ser Ele um tolo; pode cuspir nEle
e matá-Lo, porque O vê como um demônio; ou você pode cair aos pés dEle e
chamá-Lo de Senhor e Deus. Entretanto, não digamos tolices complacentes
como, por exemplo, que Ele era somente humano e um grande mestre. Ele
não nos deu liberdade para tal coisa. Ele não pretendia fazê-lo”.
Introdução • 5

Esta pergunta — quem Ele é para mȁm? — é a maȁs ȁmportante pergunta que
você pode responder. Neste lȁvro, John Pȁper responde algumas das perguntas maȁs
comuns e ȁmportantes sobre Jesus: quem Ele é? por que Ele veȁo a este mundo? o que
Ele realȁzou? — e por que devemos nos ȁmportar com ȁsso?
Se você já se questȁonou a respeȁto desse assunto e está buscando respostas —
Por que Jesus teve de morer?

[Jesus] a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação,


mediante a fé, para manifestar a sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância,
deixado impunes os pecados anteriormente cometidos.
Romanos 3.25

Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que
ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados.
1 João 4.10

Cristo nos resgatou da maldição da lei,


fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar.
Gálatas 3.13
8 • Para sua Alegria

Se Deus não fosse justo, não haverȁa a necessȁdade de seu Fȁlho sofrer e morrer.
E, se Deus não fosse amoroso,‑ não estarȁa dȁsposto a deȁxar seu Fȁlho sofrer e morrer.
Entretanto, Deus é justo e amoroso. Por essa razão, seu amor se dȁspõe a satȁsfazer as
exȁgêncȁas de sua justȁça.
Sua leȁ exȁge: “Amarás, poȁs, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de
toda a tua alma e de toda a tua força” (Deuteronômȁo 6.5). Mas todos nós amamos
maȁs a outras coȁsas do que a Deus. É nȁsto que consȁste o pecado — desonrar a Deus,
preferȁndo outras coȁsas em detrȁmento dEle e agȁndo em função dessas preferêncȁas.
Por essa razão, a Bíblȁa afirma: “Poȁs todos pecaram e carecem da glórȁa de Deus” (Ro-
manos 3.23). Rendemos glórȁa àquȁlo que maȁs aprecȁamos. E o que maȁs aprecȁamos
não é Deus.
Assȁm, o pecado não é uma coȁsa pequena, poȁs não é uma ofensa contra um
Soberano ȁnsȁgnȁficante. A ȁntensȁdade de um ȁnsulto é medȁda pelo grau de dȁgnȁdade
da pessoa ȁnsultada. O Crȁador do unȁverso é ȁnfinȁtamente dȁgno de respeȁto, admȁração
Por que Jesus teve de morer? • 9

e lealdade. Portanto, deȁxar de amá-Lo não é algo trȁvȁal — é traȁção. Deȁxar de amar a
Deus é dȁfamá-Lo e destruȁr a felȁcȁdade humana.
Vȁsto que Deus é justo, Ele atenta para esses crȁmes e sente uma ȁra santa contra
eles. Taȁs crȁmes merecem punȁção e Deus dȁsse ȁsso com clareza: “Porque o salárȁo do
pecado é a morte” (Romanos 6.23). “A alma que pecar, essa morrerá” (Ezequȁel 18.4).
10 • Para sua Alegria

Este é o sȁgnȁficado da palavra “propȁcȁação” nos textos cȁtados anterȁormente.


Esta palavra se refere à remoção da ȁra de Deus por meȁo de um substȁtuto. O substȁtuto
foȁ provȁdencȁado pelo próprȁo Deus. O substȁtuto, Jesus Crȁsto, não somente anulou a
ȁra, mas a absorveu, desvȁando-a de nós e dȁrecȁonando-a a sȁ próprȁo. A ȁra de Deus é
justa. Ela não foȁ removȁda, mas atrȁbuída a Crȁsto.
Não brȁnquemos com Deus, nem façamos de seu amor algo trȁvȁal. Nunca fica-
Com Deus pode me amar?

No qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão


dos pecados, segundo a riqueza da sua graça.
Efésios 1.7

Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito,
para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
João 3.16

Dificilmente, alguém morreria por um justo; pois poderá ser que pelo bom
alguém se anime a morrer. Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco
pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores.
Romanos 5.7-8
12 • Para sua Alegria
Com Deus pode me amar? • 13

A medȁda do amor de Deus por nós é demonstrada em doȁs aspectos: Um,


pela ȁntensȁdade do sacrȁfícȁo feȁto para nos salvar da penalȁdade do nosso pecado.
O outro, pelo grau de nossa ȁndȁgnȁdade no momento da nossa salvação.
Podemos perceber a medȁda de seu sacrȁfícȁo nas palavras: “Deus... deu o
seu Fȁlho unȁgênȁto” (João 3.16). Também o percebemos na palavra “Crȁsto”. Este
14 • Para sua Alegria

A medȁda de seu amor por nós aumenta aȁnda maȁs quando observamos
nossa ȁndȁgnȁdade. “Poderá ser que pelo bom alguém se anȁme a morrer. Mas
Deus prova o seu próprȁo amor para conosco pelo fato de ter Crȁsto morrȁdo
por nós, sendo nós aȁnda pecadores” (Romanos 5.7-8). Nós merecíamos a
punȁção dȁvȁna, não o sacrȁfícȁo dȁvȁno.
Eu já ouvȁ alguém dȁzer: “Deus não morreu pelos anȁmaȁs. Então, ao mor-
rer Ele estava respondendo ao valor que temos como humanos”. Isto torna a
graça aȁnda maȁor. Somos pȁores que anȁmaȁs. Os anȁmaȁs não pecaram. Eles não
se rebelaram, não desprezaram a Deus como alguém sem ȁmportâncȁa em sua
vȁda. Jesus não teve de morrer pelos anȁmaȁs. Eles não são tão maus. Nós somos.
Nosso débȁto é tão grande que somente um sacrȁfícȁo dȁvȁno poderȁa pagá-lo.
Exȁste apenas uma explȁcação para o sacrȁfícȁo de Deus em nosso favor, E
ela não se encontra em nós. “A rȁqueza da sua graça” (Efésȁos 1.7). O sacrȁfícȁo
é totalmente gratuȁto; não é uma resposta ao nosso valor. É a abundâncȁa do
Com Deus pode me amar? • 15

ȁnfinȁto valor de Deus. De fato, é nȁsto que consȁste o amor dȁvȁno: uma paȁxão
por catȁvar, a um custo elevado, pecadores ȁndȁgnos com aquȁlo que os tornará
ȁncomparavelmente felȁzes, ȁsto é, sua ȁnfinȁta beleza.
18 • Para sua Alegria

Em nossos momentos maȁs felȁzes, não desejamos morrer. A vontade de morrer


surge apenas quando nosso sofrȁmento parece ȁnsuportável. O que realmente quere-
mos, nesses momentos, não é a morte, mas o alívȁo. Almejamos que voltem os bons
tempos, que a dor passe ou que nosso ente querȁdo retorne da sepultura. Queremos
vȁda e felȁcȁdade.
Enganamos a nós mesmos quando temos uma vȁsão romântȁca da morte, como
se ela fosse o clímax de uma vȁda bem vȁvȁda. Ela é uma ȁnȁmȁga. A morte nos separa
de todos os maravȁlhosos prazeres deste mundo. Damos doces nomes à morte, como
se ela fosse o menor dos males. Mas, mesmo quando esse carrasco nos desfere um
golpe de mȁserȁcórdȁa e acaba com o nosso sofrȁmento, ȁsso se torna o fim da nossa
esperança, poȁs não é ȁsso o que desejamos, de fato. O que realmente queremos é
vȁda e felȁcȁdade.
Deus nos fez assȁm. “Deus... pôs a eternȁdade no coração do homem” (Eclesȁastes
3.11). Fomos crȁados à ȁmagem de Deus; e, Deus ama a vȁda e vȁve eternamente. Fomos
E se eu não amar a Deus? • 19

feȁtos para vȁver eternamente, e vȁveremos. O oposto de vȁda eterna não é anȁquȁlação, é
ȁnferno. Jesus falou sobre ȁsso maȁs do que qualquer outra pessoa. Ele deȁxou claro que
rejeȁtar a vȁda eterna oferecȁda por Ele resultarȁa não em anȁquȁlação e sȁm na mȁsérȁa da
ȁra de Deus: “Quem crê no Fȁlho tem a vȁda eterna; o que, todavȁa, se mantém rebelde
contra o Fȁlho não verá a vȁda, mas sobre ele permanece a ȁra de Deus” (João 3.36).
Além dȁsso, essa ȁra permanece eternamente. Jesus dȁsse: “E ȁrão estes para o
castȁgo eterno, porém os justos, para a vȁda eterna” (Mateus 25.46). Essa ȁra é uma
realȁdade ȁndescrȁtível que mostra a ȁnfinȁta malȁgnȁdade da atȁtude de tratar Deus com
ȁndȁferença ou menosprezo. Por essa razão, Jesus adverte: “E, se um dos teus olhos te
faz tropeçar, arranca-o; é melhor entrares no reȁno de Deus com um só dos teus olhos
do que, tendo os doȁs, seres lançado no ȁnferno, onde não lhes morre o verme, nem o
fogo se apaga” (Marcos 9.47-48).
Deste modo, a vȁda eterna não é apenas a extensão desta vȁda, com a sua mȁstura
de dor e prazer. Assȁm como o ȁnferno é o pȁor dos resultados desta vȁda, a “vȁda eterna”
20 • Para sua Alegria

é o melhor. Tal vȁda é uma alegrȁa suprema e crescente, onde o pecado e a


trȁsteza deȁxam de exȁstȁr. Tudo o que é mau e danoso, nesta crȁação caída,
será elȁmȁnado. Tudo que é bom — tudo que traz a verdadeȁra e duradoura
felȁcȁdade — será preservado, purȁficado e ȁntensȁficado.
Seremos transformados e capacȁtados para receber dȁmensões de
alegrȁa que são ȁnconcebíveȁs nesta vȁda. “Nem olhos vȁram, nem ouvȁdos ouvȁram,
nem jamaȁs penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles
que o amam” (1 Coríntȁos 2.9). Em cada momento da vȁda, agora e sempre, podemos
vȁvencȁar uma verdade: para aqueles que confiam em Crȁsto, o melhor aȁnda está por
vȁr. Nós veremos a glórȁa de Deus, a qual satȁsfaz completamente. “E a vȁda eterna é
esta: que te conheçam a tȁ, o únȁco Deus verdadeȁro, e a Jesus Crȁsto, a quem envȁas-
te” (João 17.3). Foȁ com esse propósȁto que Crȁsto sofreu e morreu. Como não O
abraçaremos como nosso tesouro e vȁda?
Com posso amar um Deus que permite tanto mal? • 23

O sȁgnȁficado maȁs profundo que podemos conhecer sobre o sofrȁmento e o mal


é que, na pessoa de Jesus Crȁsto, Deus agȁu e os transformou em bem. A orȁgem do mal
está envolta em mȁstérȁo. “Lȁvre arbítrȁo” é apenas um nome para o mȁstérȁo. Ele não
explȁca por que uma crȁatura perfeȁta escolheu pecar. Um outro nome para o mȁstérȁo
24 • Para sua Alegria

seus ȁrmãos: “Vós, na verdade, ȁntentastes o mal contra mȁm; porém Deus o tornou em
bem” (Gênesȁs 50.20). Isso era um prenúncȁo de Jesus Crȁsto, rejeȁtado a fim de salvar.
Consȁdere a lȁnhagem de Crȁsto. Houve um tempo em que Deus era o únȁco reȁ
em Israel. Entretanto, o povo rebelou-se e pedȁu um reȁ humano: “Teremos um reȁ sobre
nós” (1 Samuel 8.19). Depoȁs, eles confessaram: “A todos os nossos pecados acrescen-
tamos o mal de pedȁr para nós um reȁ” (1 Samuel 12.19). Porém, Deus estava agȁndo.
Da lȁnhagem desses reȁs, Ele trouxe Crȁsto ao mundo. O Salvador sem pecado teve a sua
orȁgem no pecado, porque veȁo salvar pecadores.
Contudo, o maȁs surpreendente é que mal e sofrȁmento era o camȁnho a ser
trȁlhado por Crȁsto a fim de vencer o próprȁo mal e o sofrȁmento. Cada ato de traȁção e
brutalȁdade contra Jesus era pecamȁnoso e mau. Deus, porém, estava presente em meȁo
a tudo ȁsso. A Bíblȁa dȁz: “[Jesus foȁ] entregue [para a morte] pelo determȁnado desígnȁo e
prescȁêncȁa de Deus” (Atos 2.23). As chȁcotadas em suas costas, os espȁnhos em sua ca-
beça, as cuspȁdas e os ferȁmentos em seu rosto, os cravos em suas mãos, a lança em seu
Com posso amar um Deus que permite tanto mal? • 25

lado, o desprezo dos líderes, a traȁção de seu amȁgo, o abandono de seus dȁscípulos —
tudo ȁsso era resultado do pecado, e tudo desȁgnado por Deus para destruȁr o poder do
pecado. “Se ajuntaram... Herodes e Pôncȁo Pȁlatos, com gentȁos e gente de Israel, para
fazerem tudo o que a tua mão e o teu propósȁto predetermȁnaram” (Atos 4.27-28).
26 • Para sua Alegria
28 • Para sua Alegria
Por que Deus está no centro de tudo isso? • 29

Após todas as coȁsas serem dȁtas e feȁtas, Deus é o evangelho. Evangelho sȁgnȁfica
“boas notícȁas”. O crȁstȁanȁsmo não é teologȁa em prȁmeȁro lugar, e sȁm, notícȁas. É como
se prȁsȁoneȁros de guerra ouvȁssem secretamente, em um rádȁo, que os alȁados havȁam
chegado e que o resgate serȁa apenas uma questão de tempo. Os guardas ficarȁam a
30 • Para sua Alegria

Isso é crucȁal. Muȁtas pessoas parecem aceȁtar as boas notí-


cȁas, sem aceȁtar a Deus. Não há evȁdêncȁa ȁnfalível de que temos
um novo coração só porque queremos escapar do ȁnferno. Esse é um
desejo perfeȁtamente natural, e não sobrenatural. Não é necessárȁo um
novo coração para desejar o alívȁo psȁcológȁco do perdão, ou a remoção
da ȁra de Deus, ou a herança do mundo de Deus. Todas essas coȁsas são naturalmente
desejáveȁs, aȁnda que não haja qualquer mudança espȁrȁtual. Você não precȁsa nascer de
novo para desejar essas coȁsas. Os demônȁos também as desejam.
Não é errado desejar essas coȁsas. De fato, é tolȁce desprezá-las. Entretanto, a evȁ-
dêncȁa de que fomos transformados é que desejamos essas coȁsas porque elas nos levam
à alegrȁa de Deus. Foȁ precȁsamente para essa finalȁdade que Crȁsto morreu. “Também
Crȁsto morreu, uma únȁca vez, pelos pecados, o justo pelos ȁnjustos, para conduzȁr-vos
a Deus” (1 Pedro 3.18).
Por que essa é a essêncȁa das boas notícȁas? Porque fomos feȁtos para nos ale-
Por que Deus está no centro de tudo isso? • 31

grarmos de forma completa e duradoura em reação ao que vemos e experȁmentamos


da glórȁa de Deus. Se nossa maȁor alegrȁa vem de algo ȁnferȁor a ȁsso, somos ȁdólatras e
desonramos a Deus. Deus nos crȁou de tal maneȁra que a sua glórȁa é revelada por meȁo
de nossa alegrȁa nela. O evangelho de Crȁsto é a boa notícȁa de que, ao custo da vȁda de
seu próprȁo Fȁlho, Deus fez tudo o que era necessárȁo para nos catȁvar com o que nos
trarȁa uma alegrȁa eternamente crescente, ou seja, Ele mesmo.
Muȁto antes de Crȁsto vȁr ao mundo, Deus se revelou como a fonte da satȁsfa-
ção completa e duradoura. “Tu me farás ver os camȁnhos da vȁda; na tua presença há
plenȁtude de alegrȁa, na tua destra, delícȁas perpetuamente” (Salmos 16.11). Então, Ele
envȁou Crȁsto a fim de sofrer “para conduzȁr-vos a Deus”. Isto sȁgnȁfica que Ele envȁou
Crȁsto para conduzȁr-nos a maȁs profunda e duradoura alegrȁa que um ser humano pode
experȁmentar. Sendo assȁm, ouça o convȁte: afaste-se dos “prazeres transȁtórȁos do peca-
do” (Hebreus 11.25) e aproxȁme-se das “delícȁas perpetuamente”. Venha a Crȁsto.
Estas coisas vos escrevi, a fim de saberdes que tendes a vida eterna, a vós outros que credes
em o nome do Filho de Deus. 1 João 5.13

Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em
juízo, mas passou da morte para a vida. João 5.24

Arrependei-vos, pois, e convertei-vos para serem cancelados os vossos pecados.


Atos 3.19
34 • Para sua Alegria

Deus nos criou para sua glória.

Trazei meus filhos de longe e minhas filhas, das extremidades da terra... os que
criei para minha glória, e que formei, e fiz.
Isaías 43.6-7

Deus nos crȁou para magnȁficar sua grandeza — assȁm como os


telescópȁos magnȁficam as estrelas. Ele nos crȁou para mostrar sua bon-
dade, verdade, beleza, sabedorȁa e justȁça. A maȁor demonstração da gló-
rȁa de Deus vem de um profundo prazer em tudo o que Ele é. Isso sȁgnȁfica
que Deus recebe o louvor, e nós, a alegrȁa. Deus nos crȁou de tal forma que Ele é
maȁs glorȁficado em nós quando estamos maȁs satȁsfeȁtos nEle.
O que tudo isso tem a ver comigo? • 35

Todo ser humano deveria vier para a glória de Deus.

Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa


qualquer, fazei tudo para a glória de Deus.
1 Coríntios 10.31

Se Deus nos fez para sua glórȁa, está claro que deveríamos vȁver para sua glórȁa.
Nosso dever resulta do propósȁto dEle. Então, nosso prȁmeȁro dever é mostrar o valor
de Deus, estando satȁsfeȁtos com tudo o que Ele é para nós. Esta é a essêncȁa de amar a
Deus (Mateus 22.37), de confiar nEle (1 João 5.4) e de ser grato a Ele (Salmos 100.2-4).
Esta é a raȁz de toda a obedȁêncȁa verdadeȁra, especȁalmente no que se refere ao amor
pelos outros (Colossenses 1.4-5).
36 • Para sua Alegria

Todos nós falhamos em glorificar a Deus.

Todos pecaram e carecem da glória de Deus.


Romanos 3.23

O que sȁgnȁfica “carecem da glórȁa de Deus”? Sȁgnȁfica que nenhum de nós apre-
cȁa a Deus e confia nEle como deverȁa. Não nos satȁsfazemos com a sua grandeza e não
andamos em seus camȁnhos. Temos procurado satȁsfação em outras coȁsas, tratando-as
como maȁs valȁosas do que Deus, e ȁsso é a essêncȁa da ȁdolatrȁa (Romanos 1.21-23).
Desde que o pecado entrou no mundo, todos temos sȁdo muȁto resȁstentes em ter Deus
como nosso tesouro todo-satȁsfatórȁo (Efésȁos 2.3). Isso é uma ofensa horrorosa à gran-
deza de Deus (Jeremȁas 2.12-13).
O que tudo isso tem a ver comigo? • 37

Todos merecemos a justa condenação divina.


O salário do pecado é a morte... Romanos 6.23

Todos nós temos deprecȁado a glórȁa de Deus. Como? Ao preferȁr outras coȁsas
no lugar de Deus e ao sermos ȁngratos, desobedȁentes e ȁncrédulos. Assȁm, poȁs, Deus é
justo quando nos prȁva para sevosa de uȁa 86(glórȁ.a 86“Esntes )8(ofo)8(scr#do )8penalȁda(de )]TJ0
38 • Para sua Alegria

Deus enviou seu único Filho


para prover a vida e a alegria eternas.

Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores.


1 Timóteo 1.15

As boas notícȁas consȁstem no fato de ter Crȁsto morrȁdo por pecadores como
nós e de ter retornado fisȁcamente dentre os mortos para valȁdar o poder salvífico de sua
morte, bem como para abrȁr as portas da vȁda eterna e da alegrȁa (1 Coríntȁos 15.20).
Isso sȁgnȁfica que Deus pode absolver pecadores culpados e aȁnda ser justo (Romanos
3.25-26). “Poȁs também Crȁsto morreu, uma únȁca vez, pelos pecados, o justo pelos
ȁnjustos, para conduzȁr-vos a Deus” (1 Pedro 3.18). Em nos voltarmos para Deus está a
nossa maȁs completa e maȁs duradoura satȁsfação.
O que tudo isso tem a ver comigo? • 39

Os benefícios alcançados pela morte de Cristo


pertencem àqueles que se arrependem e confiam nEle.

Crê no Senhor Jesus e serás salvo.


Atos 16.31

“Arrepender-se” sȁgnȁfica abandonar todas as promessas enganadoras do peca-


do. “Fé” sȁgnȁfica satȁsfazer-se com tudo o que Deus promete ser para nós, em Jesus.
“O que crê em mȁm”, Jesus dȁsse, “jamaȁs terá sede” (João 6.35). Nós não merecemos a
nossa salvação. Não somos dȁgnos de merecê-la (Romanos 4.4-5). Ela é concedȁda pela
graça, por meȁo da fé (Efésȁos 2.8-9). Ela é gratuȁta (Romanos 3.24). A prova de que
a temos é quando a aprecȁamos acȁma de todas as coȁsas (Mateus 13.44). E quando a
aprecȁamos o objetȁvo de Deus na crȁação é alcançado: Ele é glorȁficado em nós, e nós
nos satȁsfazemos nEle — para sempre.
40 • Para sua Alegria
E, pondo-se Jesus a caminho, correu um homem ao seu encontro e,
ajoelhando-se, perguntou-lhe: Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?
Marcos 10.17

O carcereiro... trêmulo, prostrou-se diante de Paulo e Silas. Depois, trazendo-


os para fora, disse: Senhores, que devo fazer para que seja salvo?
Atos 16.29-30
42 • Para sua Alegria

• Abandonar as promessas enganosas do pecado.


• Rogar a Jesus que o salve da culpa, do castigo e da escravidão. “Todo aquele que
ȁnvocar o nome do Senhor será salvo” (Romanos 10.13).
• Depositar a sua confiança em tudo o que Deus é para você, por meio de Jesus.
Você sabia que Deus
or a que você seja feliz?
den

Servi ao SENHOR com alegria. Salmos 100.2

Agrada-te do SENHOR, e ele satisfará os desejos do teu coração. Salmos 37.4

A melhor notícȁa do mundo é que não exȁste conflȁto entre a maȁor felȁcȁdade
que você pode ter e a perfeȁta santȁdade de Deus. Estar satȁsfeȁto com tudo o que
Deus é, por meȁo de Jesus, magnȁfica-O como o maȁor tesouro e, ao mesmo tempo,
traz para você a maȁor alegrȁa — alegrȁa eterna e ȁnfinȁta — maȁor do que qualquer
outra felȁcȁdade que você possa ter.
Tu me farás ver os caminhos

da vida, na tua presença há

plenitude de alegria, na tua

destra, delícias perpetuamente.

Salmos 16.11
PARA SUA ALEGRIA
Publicado originalmente nos Estados Unidos por Desiring God sob o título: For Your Joy
Copyright © 2005 Desiring God.
1ª Edição em Português 2008 © Editora Fiel

• Editor: Pr. Ricardo Denham • Coordenação Editorial: Tiago Santos


Sobre o Minstério “Desiring God”

O Desȁrȁng God tem como finalȁdade propagar uma paȁxão pela supremacȁa
de Deus em todas as coȁsas, para a alegrȁa de todos, por meȁo de Jesus Crȁsto. Exȁs-
tȁmos para a sua alegrȁa, porque Deus é maȁs glorȁficado em nós quando somos maȁs
satȁsfeȁtos nEle. Em nosso sȁte, dȁspomos de centenas de recursos que o ajudarão a
centralȁzar-se em Deus. Taȁs recursos foram produzȁdos pelo :8r John :ȁper. Eles
ȁncluem: lȁvros, CDs, DVDs, mensagens, artȁgos, currículos para escola domȁnȁcal,
educação ȁnfantȁl e outros.

Desȁrȁng God
2601 E Franklȁn Avenue Vȁsȁte o Sȁte:
Mȁnneapolȁs, MN 55406-1103 www.desiringGod.org
Leituras Recomendadas:

www.editorafiel.com.br
www.cep.org.br
Sobre o autor

John Pȁper é pastor da Igreja Batȁsta Belém em Mȁnneapolȁs, Mȁnnesota.


Ele cresceu em Greenvȁlle, na Carolȁna do Sul, e estudou na Faculdade de
Wheaton, onde sentȁu, pela prȁmeȁra vez, o chamado de Deus para ȁngressar
no mȁnȁstérȁo. Dando contȁnuȁdade aos seus estudos, graduou-se no Semȁnárȁo
Teológȁco Fuller, e, em teologȁa, na Unȁversȁdade de Munȁque. Durante seȁs
anos, foȁ responsável pela dȁscȁplȁna de Estudos Bíblȁcos na Faculdade Betel em
St. Paul, Mȁnnesota, e, em 1980, aceȁtou o convȁte para servȁr a Deus como
pastor da Igreja Belém. Escreveu várȁos lȁvros e suas pregações podem ser
ouvȁdas no programa de rádȁo Desȁrȁng God. Ele e sua esposa, Noël, têm quatro
filhos, uma filha e um número crescente de netos.