INTELIGÊNCIA POLICIAL

Publicação de textos e artigos de natureza policial, inteligência estratégica, tecnologia, operações de informação e monitoração de fontes.

terça-feira, 23 de março de 2010
A APRENDIZAGEM NA ORGANIZAÇÃO POLICIAL
A aprendizagem organizacional tem como pano de fundo a gestão da informação (BEMFICA, BORGES, 1999). Nas organizações modernas, prolifera a construção de modelos de aquisição de conhecimento organizacional baseado em infra -estruturas e sistemas em redes que se tornam fontes básicas de informação acessível por todas as pessoas e setores na busca de significados para a solução de problemas. No contexto da investigação criminal, ou seja, acerca de como obter aprendizagem por meio de um processo cognitivo, é necessária uma abordagem menos fundamentada e mais pragmática do tema da informação como recurso essencial à investigação criminal. Conceitualmente, informações é em larga medida, instrumental, e matéria prima da investigação criminal. A Investigação criminal é um conjunto de procedimentos para o esclarecimento de fato delituoso e descoberta de autoria. É um conjunto de providências informativas desenvolvidas para esclarecer condutas criminosas. Tem como base a instrução, conjunto de dados e informações coletados para formar a convicção. Nesse sentido as organizações policiais não podem prescindir de enormes avanços em infra -estrutura tecnológica em relação ao próprio funcionamento e no tratamento de quantidade imensurável de informações, incrementando áreas específicas de análise e gestão do conhecimento, comunicação formal e informal, administração de redes e logística. A questão básica se refere à efetiva estrutura de gestão da informação, promovendo uma adaptação do sistema e reconstrução de procedimentos para a inovação da investigação criminal, tecnicidade, análise e integração de bases informacionais. Na essência, o processo conduz as organizações policiais para aumento da capacidade investigativa com visão de contexto, global e em rede multidimensional, cujo processo caminha para a multiplicação de de habilidades, gerando aprendizagem contínua. Isso demonstra de forma pragmática a necessidade de alteração de procedimentos investigativos e reestruturação do circuito do método e o fluxo da informação.

A atualização da doutrina da investigação criminal ocorre pelo ciclo de aprendizagem que envolve a crítica de várias regras empíricas, tradicionais, procedimentos e o funcionamento do processo atual. Uma das grandes barreiras é a legislação processual pena l. Entretanto, há uma relevante importância no processo de coleta, armazenamento, interpretação e análise da informação, cujo principal resultado é inovar os procedimentos investigativos. O que muda na organização policial é a perspectiva de visão dos fat os que ocorrem no ambiente social, principalmente em casos complexos. Alguns fatores evidenciam a capacidade de visão ampliada do crime e as vezes preditiva na aplicação da análise de vínculos: ‡ Rápida identificação de relacionamentos, participação, co -autoria e associação; ‡ Capacidade aumentada pela extração de volume de informações e fluxo de comunicações entre criminosos, gerado pela análise dos dados de ligações decorrentes da interceptação telefônica; ‡ Verificação da movimentação financeira e ramifi cações de contas bancárias (lavagem de dinheiro); ‡ Constatação de transferência de bens móveis e imóveis; ‡ Demonstração gráfica do movimento do crime pela análise do posicionamento de sinais nas estações de rádio base das operadoras de telefonia; ‡ Detecção instantânea do vínculo e reatividade de pessoas com fatos e ocorrências armazenadas; ‡ Localização textual de argumentos e palavras nas bases armazenadas em tempo real e associação de documentos e textos referente a assuntos semelhantes; ‡ Visualização de várias entidades num mesmo gráfico, sendo que entidade é uma representação para identificar a natureza das informações no sistema. Além dos aspectos acima, a organização policial ganha em celeridade das demais atividades acessórias, a partir da condição de que todos têm acesso ao conhecimento novo armazenado no ³Cérebro de Informações´ da Organização. No nível estratégico, a memória d e inúmeros casos solucionados, evita -se diligências repetitivas para a busca de informações, ou seja, retrabalho cumulativo. No nível operacional, principalmente pelo exercício do monitoramento, os setores investigativos conseguem detectar uma re-atividade de ações e de criminosos que agem novamente com outros comparsas, podendo-se ainda, pela ação da Inteligência, se antecipar na identificação de conexões de grupos (quadrilhas) com outros grupos e sua atuação interestadual.

Dependendo da massa de informações que o investigador obtém e a complexidade das relações ilícitas possíveis que surgem no caso investigado, ele passa a ter dificuldades de estabelecer as conexões lógicas dos fatos e realizar as associações necessárias entre pessoas, empresas, objetos etc. É nesta situação que um sistema (processo de fluxo de informação) como se fossem neurônios apresenta sua importância, bem como a atuação do analista que interage entre o investigador e a tecnologia. Não é difícil deduzir que em pouco tempo todo inv estigador tornarse-á um analista e fará uso da análise antes da investigação, operando a rede de conhecimento, obtendo uma aprendizagem dinâmica a cada situação nova. De acordo com Choo (2003), o conhecimento reside na mente dos indivíduos, e esse conheci mento pessoal precisa ser convertido em conhecimento que possa ser partilhado e transformado. Quando existe conhecimento suficiente, a organização está preparada para a ação e escolhe seu curso racionalmente, de acordo com os objetivos. As organizações policiais articuladas para a aprendizagem adquirem uma compreensão de que a ação eficaz é devido ao resultado dinâmico de relações entre informações, eficiência potencial e relacionamentos interpessoais, eficiência real, permitindo modificações substanciais n os seus procedimentos. Para Chiavenato (2004) a eficiência potencial compreende as tarefas, instalações físicas, equipamentos e instrumentos utilizados, envolve a tecnologia e a operação das tarefas. A eficiência real compreende as pessoas, sua característ icas físicas e psicológicas, relações sociais entre indivíduos encarregados da tarefa e sua organização formal e informal na situação de trabalho. Na verdade, a soma de habilidades (experiência e análise com tecnologia) torna-se relevante para a organizaçã o, pois estabelece um curso de aprendizagem conjunta. Senge (2006) afirma que habilidades desenvolvidas em equipes podem propagar para outros indivíduos e outras equipes e definir o ritmo da organização, estabelecer um padrão para a aprendizagem conjunta d e toda a organização. BEMFICA, Juliana do Couto; BORGES, Mônica Erichsen Nassif. Aprendizagem organizacional e informação. Ci. Inf., Brasília, v. 28, n. 3, 1999. Disponível em: . Acesso em: 16/07/2007.

Elsevier Editora. já indica um quadro de complexidade. 2006 Ao pensarmos em Atividade de Inteligência. A gestão. Na ótica da lei. Esta condição vem abrindo espaço para uma situação. Desenvolvida por meio de métodos analíticos. avalia conjunturas. tradicionalmente consideras para as atividades criminosas. executa ações operacionais sistemáticas. e . divisas e fronteiras que seriam as barreiras. A Quinta Disciplina: Arte e prática da organização que aprende. Pode-se dizer que o produto da Inteligência (conhecimento) visa principalmente auxiliar na proposição de políticas e formulação de estratégias de uma empresa. M. vencer desafios e identificar oportunidades que se apresentam continuamente. 2004. remetemos-nos imediatamente à idéia da capacidade das organizações em monitorar informações do ambiente para responder aos problemas. resultantes de relações sociais imperfeitas. P. transportes e acesso à informação. A Organização do Conhecimento: Como as Organizações Usam a Informação Para Criar Significado. impulsionando as organizações para um comportamento adaptativo. A Inteligência de Segurança Pública (ISP) permite que as organizações policiais alterem os seus objetivos. Na era da globalização. Editora Senac São Paulo.CHIAVENATO. situação que por si só. são condutas reprováveis. eliminaram de vez. O crime é um fenômeno complexo e em constante mudança. Idalberto. Rio de Janeiro. sem limites territoriais de atuação. São Paulo. Introdução à Teoria Geral da Administração. C. Não poderia ser diferente na Segurança Pública. a rapidez dos sistemas de comunicação. 3ª edição. W. desenvolvam novos métodos para atuar na complexidade e nas mudanças do fenômeno criminal do mundo moderno. integração e a difusão de informação ou conhecimento talvez sejam os aspectos mais importantes a serem discutidos. Tal fenômeno resulta na junção e engrenagem de vários tipos de crimes. Editora Best Seller. SENGE. Construir Conhecimento e Tomar Decisões. que pode ser denominada ³globalização do crime´. CHOO. 2003. a eficiência. realiza diagnósticos e prognósticos.

constituindo-se uma atividade essencial e tendo como objetivo principal desenvolver tarefas analíticas para detectar. identificar. obstruir atividades criminosas.conseqüentemente. coibir e reprimir atos criminosos de qualquer natureza. A Inteligência de Segurança Pública (ISP) ainda caminha para uma definição doutrinária nos Estados da Federação e na Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP). ao planejamento e à execução de políticas de segurança e de ações para neutralizar. Assim é comum usar o termo Inteligência para designar um conjunto de atividades altamente especializadas. Os níveis de criminalidade e violência no Brasil (especialmente a chamada ³criminalidade de massa´) estão direcionando as ações de governo em todos os níveis. Contribui para um aumento da cognição policial e capacidade de antecipação. A ISP impulsiona as organizações policiais para uma nova mentalidade.´ Os últimos acontecimentos. principalmente por meio e incremento da Atividade de Inteligência. No Rio de Janeiro. a ISP é definida como ³o exercício permanente e sistemático de ações especializadas para a identificação. No que tange à segurança pública. para a produção e salvaguarda de conhecimentos necessários à decisão. . Visa o estabelecimento de um processo contínuo par manter um estado de proteção e garantia da ordem pública. acompanhamento e avaliação de ameaças reais ou potenciais na esfera de segurança pública. As ações de ISP estão orientadas. resultantes das ações de comandos organizados no país tem revelado que as organizações policiais necessitam da ISP como um instrumento capaz de prever acontecimentos ou preparar-se para eles. basicamente. realizando investimentos em tecnologias. organizada e analisada para atender a demanda de um tomador de decisões e auxilia neste fim. neutralizar. Podemos considerar como iniciativa pioneira de formação de doutrina no Rio de Janeiro e Distrito Federal. Uma definição ampla diz que Inteligência é toda informação coletada. interatividade. demanda uma compreensão diferenciada daquela observada nos processos ordinários de cognição policial. o emprego de diversos dispositivos tecnológicos e sistemas de informação na construção do conhecimento. gestão da informação. com uso de métodos modernos de produção de conhecimento. vem cobrando a integração dos órgãos policiais. na função de suporte operacional. inovação de métodos e processos para a consecução eficaz do controle da violência e criminalidade.

aliança. e uma melhor unidade entre as organizações policiais pela cooperação e difusão de informações. harmonia. desencadeando um processo de distribuição e disseminação do conhecimento para a tomada de decisões intervindo nos acontecimentos. na disseminação e propagação da informação. impulsionando esforços colaborativos entre os órgãos Estaduais. portanto. polícia comunitária. quando auxilia a administração de sistemas penitenciários. sem amadorismo. A informação também é considerada em muitas organizações como um fator estruturante e um instrumento de gestão. Aplica-se a uma grande variedade de áreas temáticas. constituindo a atividade mais essencial. atua no gerenciamento de crises. De um modo geral. A ISP favorece um ambiente de gestão de segurança pública pela criação de mentalidade em direção à conjunção de ações. A Inteligência de Segurança Pública (ISP) essencialmente monitora informações oriundas do ambiente.Demonstra sua fundamental importância neste campo. situam-se. otimizando uma cadeia de valor do sistema com a propagação do conhecimento. cuja gestão e aproveitamento dos recursos estão diretamente relacionados à estratégia de avanço da organização. Sistemas de informação têm sido desenvolvidos para otimizar o fluxo de informação relevante no âmbito de uma organização. existe um consenso de que um sistema de ISP nacional é necessário para compor um instrumento estratégico fortalecido. as investigações criminais. o policiamento preventivo e o planejamento estratégico. A doutrina de ISP. contextual e global. A importância do monitoramento do ambiente e a produção de informações significativas nas organizações é uma tarefa universalmente preconizada. com elas tendo em comum o fato de estarem relacionadas ao interesse público. com certeza se consolidará tendo como raiz a Inteligência Clássica e pela assimilação e adaptação dos conceitos da Inteligência de Estado. em sintonia com as necessidades das organizações policiais em diagnosticar e prognosticar problemas. as operações policiais. Entre as áreas temáticas de gestão. Uma abordagem metodológica do seu desenvolvimento e implementação deve estar voltada para aplicações específicas e inerentes à Inteligência. a gestão efetiva da informação numa organização requer a percepção objetiva do seu valor e precisão dos sistemas de informação. Nesse .

A ISP caminha para ser uma atividade especializada de monitoramento do ambiente social. Ela interpreta os fatos decorrentes da violência. Abrange por isso. análise e interpretação de dados e informações. imagem e valores institucionais. compartilhando conhecimentos sobre atividades criminosas no país e também articulada com empresas privadas (Inteligência Competitiva) na obtenção de informações que contribuam para o mesmo fim. Para ser efetiva a ISP deve possuir articulação e intercâmbio com os demais órgãos congêneres. Cabe afirmar que não existe . produz conhecimento instrumental. planejamento de obtenção de dados e informações. Já a Contra-Inteligência (CI). bem como bloquear a disseminação de boatos nocivos à organização policial. Atua na implementação de medidas de proteção e detecção das situações adversas como a infiltração. cujo ciclo de ação. atos insidiosos. como um processo da ISP é a atividade responsável pela segurança orgânica das organizações policiais. ameaças e atos de sabotagem contra as instituições públicas. processamento. Pela sistemática análise de fatos e situações que afetam a segurança pública. percorre preliminarmente as fases da identificação e percepção de problemas (demanda). operacionais. pesqui as e s estudos. visando dar proteção à sociedade. para o enfrentamento do crime e a violência. gerenciamento de meios técnicos (especialmente os eletrônicos e os da tecnologia da informação). corrupção. Preocupa-se acessoriamente com atos ilícitos de qualquer natureza e atividades de grupos ou sub-grupos sociais que tenham potencialidade de promover desordem pública. A ISP destina-se também a um incremento significativo de efetividade dos órgãos policiais no exercício das suas atividades administrativas. recrutamento de policiais pelo crime e determinando vínculos de pessoas e autoridades públicas com organizações ilícitas. a realização de ações de segurança ativa. que visa identificar e impedir ações hostis dirigidas à infra-estrutura. e a disseminação do conhecimento.contexto é uma área que revela excelente oportunidade para discussões. violência e crimes. em direção a execução de ações repressivas. investigativas e preventivas. apuração de infrações penais e maior eficácia do policiamento preventivo espacial.

No emprego de ações especializadas (operações de inteligência) e de técnicas de análise com uso de tecnologias modernas.Inteligência sem integração e difusão de conhecimentos e a própria conversão do conhecimento em todos os sentidos. geoprocessamento. . corrupção e narcotráfico. interceptações telefônicas. revelado notoriamente pela atuação de organizações criminosas. quando por meio dos conhecimentos contidos em análises de conjuntura criminal ou em estimativas de evolução da criminalidade. Além de otimizar recursos. por intermédio inclusive das infra-estruturas da Tecnologia da Informação (TI). inteligência de imagens e sinais. aumentando a qualidade da segurança pública no nível tático e estratégico. habilidades. A atuação da ISP percorre dois campos: Uma especial. Isto promove a criação de novas competências (conhecimentos. e diversos outras aparatos de captação de comunicações no exercício da investigação. valores e atitudes) avançadas. e outra no campo consultivo. terrorismo. análise de vínculos. técnicas. O uso de tecnologias destina-se especialmente também ao auxílio do processo investigativo e distribuição de efetivos policiais em áreas de incidência criminal. cuja complexidade vem exigindo a formação de analistas com habilidades específicas na busca de significado da informação. A TI na segurança pública tem contribuído para os surgimento de ferramentas poderosas para a análise criminal. implantação de um novo modelo organizacional. Contribui também para a elaboração. quando desenvolve atividade de natureza eminentemente executiva (inteligência tática) na indicação e assessoramento de produção de provas para a materialidade do delito e autoria de crimes. a ISP tem demonstrado ser o grande diferencial no modelo tradicional de segurança pública. principalmente em razão do emprego de métodos computadorizados e no processamento e interpretação de volume dados e informações. facilita um processo interativo entre policiais e profissionais de Inteligência produzindo efeitos cumulativos de conhecimentos. ambientais. A associação de ISP com Tecnologia da Informação (TI) resulta na aplicação de recursos avançados para a gestão da informação e de diversos outros dispositivos tecnológicos para uma melhor performance e efetividade do trabalho policial. com o papel fundamental do gestor de segurança que posiciona a instituição com capacidade de atuar num mundo de crescente complexidade.

crimes etc) muitas entidades interagem entre si. (cadência ou freqüência de situações no ambiente que mudam com muita rapidez) e isto é muito característico do fenômeno criminal. a partir destas considerações. levando este assunto a nível acadêmico. discussões. a conectividade: todas as coisas vão se conectando eletronicamente (produtos. terceiro. gestão e liderança. condições fundamentais para a consolidação e aprofundamento de conhecimento interdisciplinar. a intangibilidade (referente a facilidade de obtenção e acesso a informação. Podemos afirmar que ISP caminha para ser uma área de acalorados estudos. proporcionando a conversão de diversos saberes que interligados produzem efeitos concentrados em teses e artigos sobre o tema. . Sua aplicação certamente promove a criação de novos conceitos na organização pela constante atuação no cerne de fatores que geram efeitos e conseqüências para a sociedade. e quarto. segundo. críticas. é relevante ressaltar a atuação e iniciativa de Universidades. O primeiro fator é a velocidade: como ocorrem as coisas. sendo que uma entidade é qualquer evento e ocorrência que tenha significado e sofre transformações. inclusive pelos criminosos. Assim sendo. finanças. Finalmente. é importante ressaltar que a ISP como doutrina e disciplina sugerem a formação e capacitação de profissionais especializados na linha de coordenação.assessora autoridades governamentais na formulação de políticas de prevenção e combate à criminalidade (inteligência estratégica). pessoas. a inovação: mudanças estruturais (alterações e modificações no ambiente impulsionam a organização para a inovação e adaptações de suas estruturas) por assimilação ou acomodação. oferecendo suporte teórico e filosófico. opiniões e pesquisas. empresas. Atualmente estes fatores apresentam-se como sinais significativos no ambiente que ensejam uma constante avaliação.

Daí a necessidade das organizações desenvolverem estruturas tecnológicas e. Análise de vínculos. pela atividade de Inteligência. the people's connectivity. Palavras-chave: Inteligência organizacional. agentes ou grupo de investigadores) são disseminadores de informações. The present work analyzes the criminal investigation in the context of the Organizational Intelligence. pois a velocidade dos acontecimentos. Não existe mais um mundo estável. Conclui-se que a inteligência organizacional. Then the police organizations need to transform in a fulfilled brain. onde todos os componentes (setores de investigação. the intangibility growth. Abstract: The modern world complexity addresses the organizations for the development of technological infrastructure with capacity of information processing and knowledge distribution in networks. permite também afirmar que não existe hoje nada mais distribuído e disseminado do que a informação. participam do processo de criação do conhecimento e funcionam como se fossem neurônios de um cérebro. and the criminality complexity come as factors that demand more and more from the criminal investigation. Complexity. Link analysis. aumentar a capacidade de solucionar problemas. O presente trabalho analisa a investigação criminal no contexto da Inteligência Organizacional. because the speed of the events. .Inteligência Organizacional: Identificação das bases doutrinárias para a investigação criminal Organizational intelligence: identification of doctrine bases for the criminal investigation por Celso Moreira Ferro e Eduardo Amadeu Dutra Moresi Resumo: Fatores que caracterizam a complexidade do mundo moderno direcionam as organizações para o desenvolvimento de infra-estrutura tecnológica com capacidade de processamento de informações e distribuição de conhecimentos em forma de redes. As organizações policiais se vêem diante da necessidade de se transformarem em verdadeiros cérebros. que busca explicar os fenômenos de forma empírica e responder todas as questões. baseado somente na troca de experiências individuais. realizar diagnósticos mais precisos em direção à realidade atual e com a visão do contexto. Keywords: Organizational intelligence. Introdução O axioma de que a facilidade de acesso à informação possibilita a interação face a face entre pessoas nos diversos cantos territoriais. apoiado pela aplicação da análise de vínculos e por meio de um modelo organizacional em rede de conhecimento. That¶s concluded that the organizational intelligence. it establishes new criminal investigation doctrine conditions. conectividade de pessoas. where all of the components (investigation sections. agents or investigators group) are information sources of dissemination. by the application of the link analysis and an organizational model in knowledge network. Metáforas organizacionais. Organizational metaphors. estabelece novas condicionantes doutrinárias para a investigação criminal. they participate in the process of knowledge creation and they work as if they were neurons of a brain. supported by the link analysis. As organizações contemporâneas implementam plataformas e processos visando o fluxo da informação por toda organização. de maneira a torná-la disponível e organizada. apoiada pela análise de vínculos. Complexidade. crescimento da intangibilidade e complexidade da criminalidade apresentam-se como fatores que exigem cada vez mais da investigação criminal.

este. edificam infra-estruturas com o objetivo de obter mais rapidamente informações e busca de significado e conhecimento sobre o crime. oriunda de fontes variadas. planejamento e sofisticação. faz-se a integração de atividades de análise de inteligência e investigativa por meio da aplicação de Análise de Vínculos. com resultados em tempo mais curto. efeitos replicadores. fatores determinantes de mudança na sociedade estão associadas à velocidade. 2002). revelando as conexões existentes entre atividades criminosas e realizar prognósticos. cuja técnica possui condições de trabalhar volume de dados e informações. O narcotráfico. temendo mais as conseqüências políticas do que sociais. e conseguindo revelar casos que pareciam insolúveis. As organizações criminosas exercem suas atividades sem divisas ou fronteiras. intangibilidade (DAVIS. Diante desta situação. e por meio de procedimentos específicos que possibilitem a consolidação de informações. causando prejuízo incalculável ao Estado e à sociedade em geral. . entre eles. pirataria. É fundamental que setores. simultaneamente. cuja atuação transcende os limites territoriais de um Estado e de um País. contrabando. planejamento. visando identificar as tendências. decorrente das ações terroristas no mundo. fraudes milionárias são as áreas preferidas. conectividade. e viabilizando o fluxo e a transmissão por toda a rede da organização. por uma inteligência distribuída.Na nova era. a dos crimes cibernéticos. A eficiência e a rapidez dos sistemas de transporte e comunicação facilitam e abrem espaço para um processo que pode ser chamado de globalização do crime. exigindo mais da investigação. padrões de comportamento. investigadores e dirigentes de uma organização policial compartilhem conhecimento. Esses fatores influenciam no modo de interação das pessoas e na eficiência das organizações. de modo que todos tenham acesso (Ferro Júnior. 1999) e a complexidade ambiental (Mintzberg. crimes financeiros. corrupção. atuação sem limites territoriais. Atualmente. No mesmo sentido. bem como a imensidade de outros delitos que assumem uma condição quase imbatível. Cada vez mais a atividade policial defronta com situações complexas. diversificação de atividades. 2003). MEYER. as organizações buscam e fazem uso da tecnologia da informação. A investigação policial empírica está ruindo. o crime adquire novas características de organização. Ações criminosas no Brasil têm se apresentado predominante à capacidade do Estado. evidenciando a necessidade de implementação de novos processos. submetendo as organizações policiais a um confronto desafiador. a evolução tecnológica que abre campo a uma nova característica delitiva. oriundas de diversas fontes. facilidade de comunicação e acesso à informação. A globalização do crime está associada a vários fatores. na Polícia Civil do Distrito Federal. numa maneira tradicional de esclarecê-los. sem falar dos crimes. demonstrando poder de articulação.

Bases pesquisadas: Scirus (http://www. memória. cognição e raciocínio) e sua utilidade estratégica para o funcionamento de um sistema de fluxo de conhecimento. Por meio de componentes integradores de conhecimento e a Análise de Vínculos. 1997). estuda processos organizacionais que geram aprendizado.com).Organizações policiais. A necessidade de gerar informação e conhecimento de forma mais rápida. O assunto análise de vínculos e inteligência organizacional apresentou apenas duas referências. aprendizagem. Prietula. Mais precisamente. A Tabela 1 apresenta uma síntese dos resultados obtidos. especialmente aquelas voltadas à atividade investigativa começam a perceber que a administração da informação é uma condição estratégica. possibilitando a consolidação e propagação de conhecimento produzido em todos os setores policiais. Hsu. desenvolvendo e aplicando um novo conjunto de métricas de . infra-estrutura tecnológica com a edificação de um modelo de gestão policial com suporte na Inteligência da organização.scirus. em razão da complexidade e velocidade que ocorrem os fenômenos criminais. vem impulsionando o trabalho policial para a implementação de novos processos. criando um ambiente cumulativo e acessível por toda a organização policial. A Inteligência Organizacional integra um processo de informação humana e computacional que gera capacidade de solucionar problemas. Este trabalho aborda os elementos de Inteligência Organizacional (comunicação. a gestão policial torna-se eficiente por meio da distribuição da informação.com) e Webofscience (http://isiknowledge. agregando valor significativo e possibilitando a criação de conhecimento para melhores decisões. A primeira apresenta um estudo que analisa o uso da tecnologia da informação na aprendizagem organizacional (Zhu. Referencial Teórico Foi realizada uma revisão de literatura onde evidenciou-se a ausência de trabalhos e pesquisa sobre o tema.

O Sistema de Análise de Vínculos de crimes violentos. Em outro artigo. que incorpora técnicas para uma abordagem espacial conceitual. Os resultados evidenciam que o sistema pode alcançar níveis de precisão na detecção de subgrupos nas redes criminais. Este sistema computadorizado permite aos especialistas treinados criar vínculos entre crimes como homicídios em série e atentados ao pudor em série. Xu e Chen (2004) afirmam que técnicas de análise de vínculos são eficientes e eficazes para as agências de inteligência e de investigação criminal para combater o crime organizado. Eles apresentam a aplicação de um sistema denominado ³CrimeNet´.aprendizagem organizacional para estes processos. ViCLAS representa a aplicação da mais recente tecnologia em análise de vínculos de crimes para ajuda da investigação criminal. identifica membros centrais e padrões de interação entre grupos de forma significativamente mais rápida com ajuda do recurso de análise estrutural que é possível somente com o recurso de visualização. nenhuma das duas referências trata de análise de vínculos no contexto da Inteligência Organizacional. 2004). 1998). Em suma. A outra referência trat de a um modelo de Inteligência Competitiva. No confronto dos termos análise de vínculos e investigação criminal apresentou doze referências no Web of Science. terrorismo. Por outro lado. Uma abordagem sobre um sistema de análise de vínculos da polícia canadense. A Polícia Montada Real Canadense (RCMP) junto com a Polícia Provinciana de Ontário (OPP) introduziram o Sistema de Análise de Vínculos de crimes violentos (ViCLAS). que define a coleta e a análise simultânea de informações por unidades de monitoração e gerenciais (Gibbons. é o resultado de dois anos de pesquisa e desenvolvimento (Collins. Além disso. para identificar as associações mais fortes entre entidades em uma rede criminal. métodos de análise de rede sociais e escalamento multidimensional. as referências encontradas revelam a ausência de estudos que apontem a real contribuição da análise de vínculos para a efetividade da organização . agrupamento hierárquico. tráfico de drogas. Entretanto. Smith e King (2005) corroboram que a informação coletada ao logo do tempo na investigação criminal é de grande importância utilizando uma interface para visualização dos dados como uma rede e a forma em que estão conectados pela análise de vínculos. os crimes de roubo de carro e os conhecimentos especiais gerados pelos vínculos favorecem efetivamente a tomada de decisão neste contexto (Santtila. Eles propõem uma técnica de análise de vínculos que usa algoritmos resumidos. e seqüestro. A análise de vínculos com base em sistemas de suporte de decisão automatizados demonstra em escala multidimensional a criação de vínculos automaticamente entre vários casos. Prescott. 1996). Xu e Chen (2005) mostram a criação de um modelo estrutural de análise de vínculos que permite a extração e formação de conhecimento de redes criminais em grandes volumes de dados. além de sua utilização e adoção por vários países.

o conhecimento e o aprendizado são recursos-chave. Almeida (1995). a rede ou a cadeia como um todo tem condições de se adequar rápida e eficazmente às necessidades: " O fluxo eficaz da informação é o elemento-chave para o sucesso da nova forma de organização". pelo exame das imagens em seus múltiplos níveis de análise. capaz de aprender. aprendizagem. Morgan (2006) afirma que à medida que entramos numa economia baseada no conhecimento. memória. as metáforas facilitam a construção das teorias. sua utilidade estratégica para o funcionamento de um sistema de fluxo e propagação de conhecimento. depoimentos. O armazenamento e o processamento da informação estão em muitas partes ao mesmo tempo. criada a partir de seu funcionamento. Organizações funcionando como cérebro significa dizer que a informação e o conhecimento estão distribuídos por toda a rede da organização. Existe grande quantidade de conteúdos. a inspiração de um cérebro vivo. relatórios de investigação. Na teoria organizacional. laudos técnicos. Prossegue Almeida (1995) explicando que no cérebro humano não existe conjunto de neurônios responsável pela coordenação do trabalho dos outros neurônios. como acontece no caso de estruturas hierárquicas. ocorrências. em que a informação. a análise metafórica contribui para a construção da teoria de diversas formas: 1) articulando as hipóteses ontológicas de diferentes visões das organizações. perfeitamente adaptadas aos requisitos da era digital. criando um ambiente cumulativo. Cada célula é responsável e tem consciência do que deve fazer e do produto que deve gerar. oferece uma imagem poderosa para a criação de organizações ideais. construindo uma atividade e fluxo relacional de informações e conhecimento pela integração global. Cada neurônio exerce autonomamente sua função a partir dos sinais recebidos e envia sinais para os à sua frente. para fora ou para dentro. organizações policiais têm excesso de informações em vez de carências. A metáfora do cérebro trata a organização em forma de redes. Estudos das teorias da administração incentivam as empresas para um modelo neural. A Metáfora do Cérebro e Organizações em Rede De acordo com Putnam. cognição e raciocínio). grupos e sistemas de indivíduos e setores interconectados.abordando os aspectos de Inteligência Organizacional (comunicação. não existindo nenhum ponto de controle e armazenamento fixo. Phillips e Chapman (2004). inquéritos. fazendo uma analogia entre as organizações e o cérebro. e 3) gerando novos constructos. o que obriga o setor de . Hoje. no qual não existe absolutamente coordenação central. Como a informação flui facilmente no interior de cada célula. tais como analogias. e que potencialize a investigação criminal. 2) revelando o fundo assumido dos constructos organizacionais chaves. diz que na ³nova forma de organização não existe mais controle central de atividades". A metáfora do cérebro em organizações direciona a uma construção mental. acessível por toda a organização policial.

Inteligência Organizacional As organizações podem ser vistas como sistemas que processam informação. em última análise. que por sua vez conotam as operações da mente humana que permitem que alguém possa estar ciente da existência de objetos. Os analistas e investigadores freqüentemente suspeitam que o conhecimento que desejam existe em algum lugar. e como o resultado deste processo. pensamento e memória. Aí estão incluídos aspectos da percepção. a inteligência organizacional integra um processo de informação humana e computacional e a capacidade de solucionar problemas por meio de cinco componentes (Kirn. por sua vez. portanto. Outro aspecto que o autor ressalta é que as organizações comportam-se como sistemas adaptáveis. memória organizacional. o que é preciso é criar uma organização em forma de rede de fluxo de conhecimento. decorrentes de interceptações e movimentos bancários. Os negócios não funcionam apenas com dados brutos. Dispõe de sistemas informatizados que permitem acessar uma ampla variedade de bancos de dados. Prosbst. que ela fornece para sistemas receptores ou mercados. 1995): comunicação organizacional. Dependem do conhecimento de indivíduos. um processo pertinente às operações mentais da inteligência humana. transformando-os. acesso a um imensurável volume de informações. Uma organização é um sistema de processamento q ue converte diversas entradas de recursos em saídas de produtos e serviços. conduzida pelo feedback de seu ambiente externo. 2006). Cognição Organizacional Etimologicamente. Nesse sentido. pensamentos ou percepções (Dorlands. Elas coletam dados de fontes internas e externas. muitos sentem que estão mal informados. Apesar de tudo isso. A cognição é. com aplicação de tecnologia da informação. mas é. aprendizagem organizacional. a palavra ³cognição´ deriva das expressões latinas ³cognitio´ ou ³cognoscere´. os processam e os transformam em informações e conhecimentos úteis à organização. De fato. cognição organizacional e raciocínio organizacional. pode ser mais útil colocá-los em uma série contínua. Já a inteligência seria a faculdade de aprender. . que contextualizam e dão significados a esses dados.Inteligência a realizar uma tarefa de seleção basicamente mental. 2005). Cognição é o elemento propulsor da organização na implementação de processos sistêmicos e continuados de coleta da informação. e com a cognição estaria relacionada aos métodos ou processos envolvidos nessa ³aprendizagem inteligente´. sem considerar o vasto mundo da Internet. Raub e Kai (2002) apontam que. informações e conhecimento. em informação e conhecimento pronto para ser colocado em ação (Moresi. O que lhes falta é uma maneira de acessar o ambiente de conhecimento e identificar os tipos específicos de conhecimento. com os dados em uma extremidade e o conhecimento na outra. ao contrário de fazer distinções nítidas entre dados. contribuir para aumentar a capacidade da investigação criminal. tanto interna quanto externamente. que facilitem a interpretação e a construção do conhecimento. A organização é guiada por seus próprios critérios e feedback interno.

assim. combinar. Segundo Hayes e Allinson (1994). mesmo com membros entrando e saindo. reuso. tendo por finalidade preservar o conhecimento. As habilidades e o conhecimento são adquiridos lentamente. São processos desenvolvidos pela organização no tocante à identificação de padrões. realizando diagnóstico e produzindo conhecimento sobre situações complexas no ambiente social. Algumas vezes elas trabalham sincronizadas e na maioria das vezes elas têm um foco e uma visão dos problemas bem diferentes. Portanto. A memória organizacional pode ser considerada como um núcleo de um sistema de conhecimento que fornece motivação para criar. inovação e transformação do mesmo. desenvolvendo-se ao longo do tempo e por intermédio de um processo em que somas de informações são reunidas e interpretadas. A aquisição de conhecimentos na organização pode ser implementada através da aquisição e circulação de registros e capital humano numa rede de comunicação (Stein. passando por informações e até a elaboração do conhecimento. 1995). rejeitar e preservar o conhecimento organizacional (Carvalho. Euzenat (1996) explica que memória organizacional é um repositório do conhecimento e o know-how do conjunto dos indivíduos que trabalham em uma organização. processamento e utilização de informações. a fim de permitir a socialização. 2003).Assim é que sinais esparsos reúnem-se para formar padrões cognitivos sobre os quais as ações podem basear-se. Pode ser comparada a uma rede virtual sobre o ser humano e à experiência dos mesmos (tácita ou representada explicitamente) disponíveis em uma organização. recuperar e utilizar sua experiência (informação sobre sucessos e falhas passadas) e. Tal processo pode ser definido como uma progressão ao longo de um contínuo de dados. que gera um significado efetivo para a organização. armazenam e utilizam o conhecimento. aprender por meio de sua própria história. alcançar. captação de dados e organização de informações em bancos de memória. Cognição é um processo mental humano associado à análise e ao processamento da informação para resolução de problemas e tomada de decisão. Informações e conhecimento novo adquirido pela organização devem estar disponíveis para serem utilizados em decisões futuras. Memória Organizacional A memória é uma condição a ser incorporada para capacitar a organização a preservar. a cognição está relacionada à forma como as pessoas adquirem. adquirir. O autor afirma que pela passagem de mensagens através de redes de comunicação. O conhecimento compartilhado de normas e valores emerge destes contínuos processos de comunicação . uso. a informação pode ser mantida por longos períodos de tempo. cognição é busca. Geralmente a forma como que as pessoas trabalham juntas não é sistemática. sem saber que a solução já pode existir e estar dentro da organização.

Aprendizagem Organizacional A aprendizagem como elemento constitutivo da Inteligência Organizacional não se refere a ensino e a aprendizado em cursos acadêmicos. O processo de aprendizagem. entre outros aspectos. eficiência potencial e relacionamentos interpessoais. a partir de seu contato com a realidade. em considerar um repositório monolítico de informações que proporcione conhecimento como "uma mistura fluida de experiência moldada. na perspectiva da organização. contribuindo para o desenvolvimento de mapas cognitivos compartilhados e cultura. mas também nas rotinas. a partir do modelo desenvolvido por Chris Argirys. O circuito duplo permite que a organização analise e altere princípios que orientam a sua ação. com o ambiente e com outras pessoas. eficiência real. práticas. valores. É a memória presente na cultura da organização. O circuito simples onde os resultados alcançados são utilizados para correção de rumos na ação organizacional. A aprendizagem permitirá que pessoas e grupos possam conduzir as organizações para a mudança e renovação contínuas. Choo (2002).organizacional. informação contextual´. valores. A organização de aprendizagem constrói relações colaborativas para dar força aos conhecimentos e experiências de fazer as coisas que as pessoas devem utilizar. conversas. É o processo pelo qual o individuo adquire informações. . A aprendizagem é o resultado dinâmico de relações entre informações. e uma estrutura para incorporar experiências novas pelo fluxo de informações (Atwood. dinâmica de diálogos e discussão de problemas por equipes multidisciplinares. 2002). O senso mais geral para definir a memória organizacional está dirigido em como poder usar de novo uma experiência da organização. Resulta do relacionamento entre profissionais. De acordo com Chiavenato (2004). envolvendo dois circuitos de aprendizagem: simples e duplo. é apresentado na figura 1. atitudes. Não existe ainda uma definição completa de memória organizacional. processos. apresentando novas idéias. a aprendizagem organizacional desenvolve os conhecimentos e habilidades que capacitam as pessoas a compreender e agir eficazmente nas organizações. também relevante àqueles esforços da organização. definiu um modelo com a visão da organização. habilidades. e normas. Nas organizações está embutido freqüentemente não só em documentos ou repositórios.

realizar uma assimilação e possibilidade de antecipação na solução. a difusão e publicação de estatísticas. Em síntese. dissimulação e tratamento de problemas organizacionais. Refere-se. É um modelo mental no qual se baseiam os processos de relacionamento entre organização e ambiente. e quase todos de caráter verbal. como a propaganda e a divulgação da imagem. é a forma de transmissão de informações e conhecimentos que flui em uma organização. órgãos de governo etc). a postura e vestimenta do policial. É considerado um dispositivo de prevenção. entre atores humanos e em sistemas. além da solução dos mesmos e como a organização usa o conhecimento organizacional para avaliar ameaças e oportunidades. Raciocínio Organizacional O raciocínio refere-se à condição que a organização adquire de prever e resolver situações e problemas organizacionais. os enunciados de suas políticas. além daquelas trocas que ocorrem entre uma organização e seu ambiente (imprensa. também. É a capacidade que surge a partir da interação com os outros quatros elementos para manter a eficiência da estrutura organizacional. a arquitetura das instalações físicas. aos recursos disponíveis. 2002) Comunicação Organizacional A comunicação é um componente da Inteligência Organizacional está além das transmissões em redes de computação e informativos administrativos. comunidade. normalmente não entendidos ou não considerados expressivos. produção do conhecimento. habilidades para a desinformação e contra-propaganda. chefes de polícia. o atendimento e serviço acessível pelo cidadão em delegacias. eficiência na transferência de conhecimento entre pessoas e as organizações sempre que houver alterações no ambiente. contatos com a imprensa. e até aqueles mais sutis. melhorar o desempenho da organização . como os da visualidade da organização e da gestualidade dos dirigentes. discursos formais dos diretores. e a presteza nos atendimentos externos. ter arquitetura e plataformas tecnológicas. Resume-se que Inteligência Organizacional é possuir ferramentas para interpretar o ambiente complexo da organização. Proporciona a definição de novas estratégias em direção à infra-estrutura tecnológica.(CHOO.

semelhante a um cérebro. é preciso reunir qualificação e aptidões. onde características essenciais estão presentes. É a capacidade de julgamento de um problema que surge pelo conhecimento distribuído na organização. agregadora e uma complexa coordenação das inteligências humana e de máquina dentro de uma organização. onde se demonstra um modelo de organização com os elementos de Inteligência Organizacional. formalizar e capitalizar informações de forma efetiva. interagindo no ambiente. conhecimento disponível em todo o lugar. A inteligência humana associada a máquinas nos leva a idéia do sistema cerebral. com possibilidade de visualização do conhecimento pertinente em contexto. dos grupos e da organização como um todo. acúmulo interativo da informação. Para otimizar a gestão informacional. Isto pode ser feito por meio da Inteligência Organizacional que possui elementos geradores de conhecimento global em todas as pontas da organização. grupos e setores que geram significado e conhecimento global. e com característica de organização em rede. Para tanto são utilizadas tecnologias como suporte e adoção de princípios de funcionamento de uma organização em rede. quando se explica os processos de fluxo. Este sistema pode ser explicado pela figura 2. Tudo ocorre sem hierarquia. além de disponibilizar toda a infra-estrutura necessária. com vistas à utilização na consecução de seus objetivos e como principal meta de apoio ao processo decisório em todos os níveis. para tanto. Princípios da Organização em Rede O fluxo interativo de informações na organização é uma confirmação recíproca do estado de relação de comunicações entre pessoas. desenvolver novos processos para selecionar. facilitando um fluxo interativo de conhecimento. formalizar e validar a informação. A maioria das organizações policiais ainda não dispõe de habilidades e ferramentas para organizar. nos níveis individuais.de forma global em sintonia com conhecimento pertinente. avaliar. . onde ocorre a agregação de inteligência em neurônios. A Inteligência Organizacional é interativa. imprescindível a sua implementação com apoio na tecnologia.

.princípio da multiplicidade: a rede se organiza de forma que qualquer conexão pode revelar-se como sendo composto por toda uma rede. gera capacidade de uma Inteligência distribuída por toda a organização.princípio da metamorfose : a rede está em constante construção e renegociação. sua composição e recomposição dependem de fatores indeterminados. e assim por diante.princípio da heterogeneidade: os nós e conexões da rede são heterogêneos. 2004): . . Pode haver adição de novos órgãos. É composto de varias fontes de informações e conhecimentos e o nível de interação entre todos os componentes e o processo de comunicação não é uniforme. pois o fluxo de comunicação favorece seu constante desenvolvimento e estabilidade pela composição e permanente movimento de atores envolvidos.princípio da exterioridade: a rede não possui unidade orgânica. (Levy. . Tudo . talvez a metáfora do hipertexto é válida para verificar de modo sistêmico e dotá-lo de princípios para uma interpretação lógica do funcionamento. ao longo de uma escala maior. interação com outras fontes de conhecimento e conexões com outras redes. Em efeitos de propagação do conhecimento.Para explicar as características do sistema em rede. .princípio da topologia: tudo funciona por proximidade e conexão. Seu crescimento e diminuição. O curso dos acontecimentos e o fluxo de conhecimento ocorrem de forma sincrônica.

. A complexidade é o elemento fundamental da instabilidade. isto é muito característico do fenômeno criminal). O desenvolvimento de sistemas de informações em forma de rede tem um importante papel na gestão do conhecimento. conectividade (todas as coisas vão se conectando eletronicamente: produtos. movimentação financeira. sendo que uma entidade é qualquer coisa que tenha determinado significado porem pode sofrer transformações de acordo com o ambiente). proporcionando uma memória que assimila informações e conhecimento novo adquirido pela organização e disponível para ser utilizado em decisões. Isto encontra semelhança na ³Teoria do Caos´. que segundo . agregando valor na produção para seu uso. O conhecimento se consolida por processos que objetiva identificar. São fatores ligados à velocidade (fatores do ambiente ocorrem e mudam em tempo real e. Numa determinada perspectiva a complexidade sempre acaba demonstrando uma padronização. onde a informação e o conhecimento percorrem todos os nós. intangibilidade (o intangível cresce mais rapidamente referente ao acúmulo de conhecimento pela organização e pelo crime). O mundo contemporâneo é caracterizado por fatores que impõe desafios e impulsiona as organizações policiais para constantes inovações na investigação criminal. A aprendizagem vem por seguinte capacitando as pessoas e setores a compreender e agir eficazmente. crimes etc). criatividade (mudanças de processos impulsionam a organização para adaptações em suas estruturas) pela necessidade de inovar. Capturar efetivamente o conhecimento e disseminá-lo constitui o problema central nas organizações. armazenar e compartilhar o conhecimento. possui permanentemente diversos centros. Na forma de conexões entre um grande número de elementos. a comunicação operacionaliza a função de executar a soma das entradas e saídas.princípio da mobilidade dos centros: a rede não tem centro. administrar. e a complexidade (muitos fatores e entidades interagem entre si. que constituem a aquisição de conhecimentos). Ela faz uma representação distribuída da informação. onde ocorrem processos cognitivos. além de executar uma transformação (linear ou não linear) no sistema. A Complexidade da Investigação Criminal Cada vez mais fazer uso do conhecimento tem se destacado como principal fator de sucesso e eficiência nas organizações do mundo moderno. de acordo com o processo evolutivo da rede como um todo. resultando capacidade de responder eficazmente sobre problemas de ordem funcional e no ambiente em que atua. Assim a rede se apresenta como um modelo semelhante a um cérebro e a suas interconexões. distribuindo ao redor de uma ramificação infinita de pequenas raízes.trafega na rede em conjunto. O centro está em todo o lugar da rede. As organizações em rede são geradoras de capacidade cognitiva (aquelas com potencial de aprender. empresas. pessoas. ou melhor. que permitem a representação do processamento do conhecimento na organização.

Este cenário revela uma característica com grau de incerteza e complexidade cada vez mais elevado. provocando profundas transformações na conduta das pessoas que estão sob o medo.Stacey (apud Paiva. Por outro lado. o caos não significa desordem absoluta ou uma perda completa da forma. O desafio passa a ser gerenciar e otimizar a carga de informações para que o seu uso seja potencializado. Significa que sistemas guiados por certos tipos de leis perfeitamente ordenadas são capazes de se comportar de uma maneira aleatória e. O caos é a variedade individual criativa dentro de um padrão geral de similaridade. Prosseguem os autores referindo que a consolidação e as operações de formação de relacionamentos são executadas em registros de dados transacionais durante investigações de crimes. visando a uma clareza dos problemas percebidos. em que o avanço da tecnologia e o necessário aumento do nível de monitoração ambiental submetem os órgãos policiais a um fluxo cada vez maior de informações. 2002) em sua definição científica. Análise de Vínculos Xu e Chen (2003) explicam que para estabelecer vínculos em uma análise de relacionamento (ou ³de vínculos´). Em razão desta situação. A necessidade de busca de informações e do uso do conhecimento com mais intensidade têm obrigado as organizações policiais a perceber que é preciso ter um sistema organizacional capaz de gerar respostas mais instantâneas. deixou de ser o único objetivo. Este processo será possível a partir da firmação de um novo modelo de investigação que terá melhores condições de estabelecer objetivos e capacidade de resposta. Assim. de crescente hostilidade na vida das pessoas. desta forma. Normalmente. se os dados brutos são registros estruturados de bases de dados ou documentos textuais não-estruturados. as entidades são representadas por pontos centrais ou ³nós´. É preciso também interpretar e criar significados. ou seja. e as associações entre elas são representadas por uma teia ou rede. esse comportamento aleatório também apresenta um padrão ou ordem escondida em um nível mais geral. cada vez é maior a condição de um gerenciamento efetivo das informações sobre o crime. Atualmente não basta só garantir o acesso à informação. na forma gráfica. com acompanhamento sistemático de situações que influenciam na mudança do ambiente social para a implementação de novas estratégias de segurança pública. a tarefa indispensável é a extração de informações sobre entidades e suas associações em grande escala de dados brutos. em um nível específico. convertendo-as em uma representação de rede. a consolidação consiste no processo de ³fazer . Construir conhecimento na segurança pública. completamente imprevisível ao longo prazo. Métodos de construção de diferentes redes são utilizados dependendo da categorização dos dados. com visão de contexto dos fenômenos que afligem a população e exigem a atuação rápida e eficaz.

e que serão analisados detalhadamente. combinando informa ções de identificação em uma única chave referente a indivíduos específicos´. Os relacionamentos causais entre variáveis independentes (causas) e variáveis dependentes (efeitos) são assimilados de um conjunto de casos conhecidos. a Análise de Vínculos pode ser considerada uma técnica de mineração de dados. (ii) o local. (iii) o sexo do criminoso e (iv) o modus operandi. a mentalidade destas organizações ainda está em direção à fragmentação e à estruturação de silos de informação. pode-se perceber a extensão com que determinadas variáveis são passíveis de afetar umas às outras. tal como se os indivíduos dividissem endereços. oferecendo apoio procedimental automático com três diferentes técnicas de determinação de relacionamentos: (i) análise de freqüência de dados. As tecnologias da informação. Na verdade. 1999). especialmente na área policial. observação de convergências e a análise de conjunções que apresentam um padrão da atividade criminosa e o perfil do comportamento criminoso. Temos a informação e o poder da informação nas mãos para solucionar os mais complexos problemas. pela análise de cada parte de um todo de grupos de informações conexas. ainda não se consegue desenvolver um ciclo de gestão.com que os dados deixem de ser ambíguos. A visualização destas formas de relacionamento se faz pormenorizadamente. hoje disponíveis para a Análise de Vínculos. Organizações policiais têm imenso repositório de informações. Esta técnica define indicadores que facilitam o trabalho de análise na observação de freqüência dos fatos. proporcionam uma visão gráfica do ³grande conteúdo´. Relacionamentos ou vínculos entre indivíduos consolidados são formados com base em um conjunto de fórmulas heurísticas. Strano. ainda que as circunstâncias em que o crime ocorreu sejam desconhecidas. captura e disseminação de conhecimento criado por todos. (2003) propõe modelos gráficos que extraiam conhecimento de um determinado sistema de dados empíricos. sem um mecanismo perfeito de transmissão do conhecimento que resultaria em resultados significativos para a antecipação de . É mais aplicada nas investigações de comportamento humano. porém. contas bancárias ou transações relacionadas. quando determinadas ³pistas´ são ligadas entre si para solucionar crimes. com o propósito de desenvolver modelos baseados em padrões de relações. dos quais todas as variáveis da mesma espécie são avaliadas. (ii) análise de redes de contatos e (iii) análise de convergência de ações no caso investigado. de maneira prática e funcional. entretanto. produzindo-se então uma seqüência de novos gráficos. Em uma pesquisa de comportamento humano em crimes violentos. As variáveis podem ser: (i) o objeto do crime. Usando probabilidades condicionantes. mapeando relações de nexo causal (causa e efeito) entre variáveis relevantes de um local de crime. Para Harrison (apud Gonçalves. apesar dos esforços. o analista pode focar em componentes separados. na qual é possível estabelecer conexões entre registros. Da visão geral.

. deve ser buscado.o multidimensional: unidades complexas. O planeta terra é mais do que um contexto: é o todo ao mesmo tempo organizador e desorganizador de que fazemos parte. que é o próprio contexto. Por isso. profunda e grave entre. o psicológico. multidimensionais. princípios para que o conhecimento seja pertinente: . o ser humano é ao mesmo tempo biológico. transversais. as realidades ou problemas cada vez mais multidisciplinares. facilitando o compartilhamento de documentos e dados que estão sendo armazenados em grande volume. É o conjunto das diversas partes ligadas a ele de modo inter-retroativo ou organizacional. . Pode-se dizer que no mundo moderno. o sociológico. globais e planetários.o global: o global é mais que o contexto. Dessa maneira. os saberes desunidos. de um lado.o contexto: o conhecimento das informações ou dos dados isolados é insuficiente. uma sociedade é mais que um contexto: é o todo organizador de que fazemos parte. por mais difícil que seja. colocados à disposição das unidades de investigação. ainda mais quando o contexto atual nos leva a situar tudo no contexto da complexidade. O conhecimento pertinente deve reconhecer esse caráter multidimensional e nele inserir estes dados: não apenas não se poderia isolar uma parte do todo. Complexus significa o que foi tecido junto. e há um tecido interdependente. Morin (2000). sociológica e religiosa. social. as partes e o todo. transnacionais. afetivo e racional.ações (pró-ativo) e no assessoramento às decisões. de fato. a Tecnologia da Informação permite uma visibilidade da complexidade. e o texto necessita do contexto no qual se enuncia. implementando redes corporativas e internet. interativo e inter-retroativo entre o objeto de conhecimento e o seu contexto. o mitológico). divididos. a palavra necessita do texto. É preciso situar as informações e dados em seu contexto para que adquiram sentido. As organizações policiais investem na aquisição de computadores. se estas estiverem isoladas uma das outras e certas qualidades ou propriedades das partes podem ser inibidas pelas restrições provenientes do todo. O Quadro 1 apresenta como a Análise de Vínculos facilita a produção do conhecimento pertinente. Destaca-se nesse sentido. ou a sociedade são multidimensionais: dessa forma. compartimentados e. psíquico. Para ter sentido. o todo e as partes. de outro. cada vez mais ampla. O Conhecimento Pertinente O conhecimento dos problemas e das informações-chave relativas ao mundo. A sociedade comporta dimensões histórica. há complexidade quando elementos diferentes são inseparáveis constitutivos do todo (como o econômico. O todo tem qualidades ou propriedades que não são encontradas nas partes. econômica. o político. . as partes entre si. sistemas dispersos e não integrados estrategicamente não traz eficácia na produção de conhecimento. . entretanto.o complexo: o conhecimento pertinente deve enfrentar a complexidade. a complexidade é a união entre a unidade e a multiplicidade. como o ser humano. o afetivo. O autor nos reporta a uma profunda reflexão da inadequação que existe. mas as partes umas das outras.

ele normalmente é captado pelas organizações. sem a iniciativa do indivíduo e a interação que ocorre dentro do grupo´. constituindo-se de idéias. entre o conhecimento tácito e o conhecimento explícito. processos etc. aquele gerado e utilizado no processo intelectual para a produção do conhecimento formal. artigos. internalização e socialização. Por conter a inteligência. as duas formas de interação. O conhecimento só pode ser amplificado e cristalizado . questões. compartilhado. transmitido e reutilizado. conjecturas. O conhecimento formal (explícito) é aquele que está em inquéritos. estruturado. Segundo Nonaka e Takeuchi (1997). decisões. nos livros.Existem dois tipos de conhecimento. documentos. fatos. apesar de se perder nas organizações policiais ao longo do tempo por falta de mecanismos para que seja coletado. juntos. constituem a criação do conhecimento: externalização. experiências individuais e pontos de vista. e entre o indivíduo e a organização. base de dados. prosseguem os autores dizendo que ³uma organização não pode criar conhecimento por si mesma. realizarão quatro processos principais da conversão do conhecimento que. Por ser um produto concreto. Embora a criação do conhecimento organizacional seja o fundamental. periódicos. O outro tipo é o conhecimento informal (tácito). suposições. combinação. manuais. ele é um ativo patrimonial de imenso valor.

a informação como produto capaz de gerar conhecimento pode ser vista de duas perspectivas: a informação sintática (ou volume de informações) e a informação semântica (ou o significado). Ter uma idéia ou palpite altamente pessoal tem pouco valor. seu significado é construído socialmente. compartilhamento de experiências e observações em atividade. produz fluxos de informação para a cada externa adjacente (figura 3). O conhecimento. De maneira geral. a informação organizacional percorre três arenas de uso da informação: criar significado. permitindo assim que seja compartilhado com outros profissionais. então. Segundo a Escola Superior de Guerra. gerando assim um novo ciclo. a não ser que o indivíduo tenha como repassá-lo na organização e possa convertê-lo em conhecimento explícito. O Significado da Informação na Organização Segundo Choo (2003). diz respeito ao significado e é específico ao contexto relacional. em particular.em nível de grupo. Num nível geral são três camadas concêntricas. Quando existe conhecimento suficiente. A ação organizacional muda o ambiente e produz novas correntes de experiência. incluindo os repositórios informatizados. como a informação.as Informações como Organização: para designar a informação como Estrutura. tem-se uma visão holística do uso da informação. ESG (1997) a informação é designada para aplicação em três diferentes formas: . pessoal e seu funcionamento. internamente. a criação do conhecimento novo sintetiza-se pela conversão do conhecimento tácito em conhecimento explícito. orienta os processos de construção de conhecimento. Já o aspecto semântico da informação é mais importante para a criação do conhecimento. A análise sintática é a realizada no fluxo de informações sem levar em consideração o significado. de modo que. pois se concentra no significado transmitido. compreendendo o .as Informações como Atividade: refere-se à atividade das informações que abrange o conjunto de ações no sistema organizacional. de acordo com os objetivos. construir conhecimento e tomar decisões. a organização está preparada para a ação e escolhe seu curso racionalmente. em que cada camada. é percebida a informação sobre o ambiente da organização. a rede de comunicação. através de discussões. A informação flui do ambiente exterior (fora dos círculos) e é progressivamente assimilada para permitir a ação da empresa. O conhecimento reside na mente dos indivíduos. às quais a organização terá de se adaptar. Isso fornece contexto para toda a atividade da empresa e. . Ainda na ótica da gestão do conhecimento de Nonaka e Takeuchi (1997). Primeiro. analisando como essas três atividades se alimentam mutuamente. e esse conhecimento pessoal precisa ser convertido em conhecimento que possa ser partilhado e transformado em inovação. São de fato processos interligados.

emprestando um valor agregado ao trabalho investigativo que está fora do alcance prático da cognição humana normal. empresas. objetos. dados bancários e registros/dados de qualquer ação que revele padrões de ação e de comportamento (Figura 4). . 2007). . Dantas. Análise de vínculos e investigação policial A técnica da análise de vínculos possibilita ao investigador a visualização de diferentes elementos funcionais e estruturais da investigação correspondente. A qualidade das informações reflete decisivamente no sucesso da decisão resultante e sua importância estratégica. o que de outra forma permaneceria oculto em meio a um grande volume de dados e/ou informações desconectadas (Ferro Júnior. De maneira sintética. armazenamento e diagramação de informações pertinentes aos chamados ³alvos monitorados´. a técnica engloba a captura. Ela permite a visualização gráfica de relações entre pessoas.processo desenvolvido para a produção de conhecimento e apoio a inúmeras atividades na organização.as Informações como Conhecimento: a informação vista como produto. voltado para o conhecimento que deve contribuir para a tomada de decisões na organização.

condutas.Estabelecer vínculos pressupõe associar dados. possibilitando o alcance de resultados efetivos na consecução de operações de Inteligência/investigação policial. eventos. A figura 4 e o Quadro 2 apresentam uma síntese da aplicação da análise de vínculos no contexto da Inteligência Organizacional. entidades ou quaisquer outros elementos de um empreendimento criminal complexo. subsidiando a ação policial no sentido de permitir uma visão esclarecedora de um determinado comportamento ou ação delitiva. .

os inscritos receberiam os resultados da prova antecipadamente ou por meio de equipamentos eletrônicos ou ainda podiam ter os nomes incluídos na lista de aprovados.Em 2005. A investigação começou no final do ano de 2004 e revelou um esquema onde os candidatos pagariam. A investigação evidenciou a fraude em mais de . Em troca do pagamento. em troca de aprovação. a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) desencadeou a Operação Galileu que teve por objetivo investigar fraudes em concursos públicos. A investigação realizada pela Polícia Civil do Distrito Federal consistiu em interceptar negociações mantidas entre os integrantes da quadrilha brasiliense acusada de burlar as provas de diversos concursos públicos. até 20 vezes o valor do que receberiam mensalmente no cargo. A Figura 5 apresenta um diagrama da obtido através do cruzamento de informações provenientes de diversas fontes.

aprendizagem. estabelece novas condicionantes para a investigação criminal: . a capacidade da investigação policial amplia-se por meio da distribuição da informação. apoiada pela análise de vínculos. com o uso da Análise de Vínculos. memória. . Nesse sentido. Conclusão Este trabalho apresentou uma análise dos elementos de Inteligência Organizacional (comunicação. descoberta de ligações ocultas no crime complexo. com aplicação de tecnologia da informação. desenvolver capacidade de análise de volume de informações. por meio de processos sistêmicos e continuados de coleta da informação. criação de significados e .a cognição organizacional possibilita à unidade policial. cognição e raciocínio) no contexto da investigação criminal. compartilhamento de experiências. de fontes variadas. agregando valor significativo e possibilitando a criação de conhecimento para melhores decisões.a memória Organizacional proporciona um repositório da totalidade da informação.dez concursos. constata-se que a inteligência organizacional. Por meio de componentes integradores de conhecimento e o emprego da técnica de análise de vínculos. O resultado foi a prisão dos integrantes do esquema.

ATWOOD. Universidade Federal de Pernambuco. articuladas em rede.46-56. E. n. janeiro/março. Modelagem Organizacional e Gestão do Conhecimento: O Caso da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Butterworth Heinemann.di. Acesso em: 16/10.computer. uso. orientado pela análise de vínculos.ufpe. reuso e transformação do mesmo.p df. M.o aprendizado organizacional permite a evolução da doutrina de investigação criminal pois as unidades policiais. São Paulo. 2003. V30. Organizational Memory Systems: Challenges For Information Technology. integrando inteligências humanas e de máquina.br/~ler/trabalhos/tra_dissertacoes/FranciscoCarvalho_dissertacao. C.pdf>. e pela visão sistêmica da rede de organizações policiais. p. Disponível em: <csdl2.W. que atuam conexos. 1995. S. que proporciona recursos para a solução de situações e de problemas com antecipação. Dissertação de Mestrado. Drexel University College of Information Science and Technology Philadelphia. . F. Revista de Administração. Novo Modelo Organizacional Baseado no Cérebro Humano. CARVALHO.o raciocínio organizacional.org/comp/proceedings/hicss/2002/1435/04/14350104. adquirem compreensão e ação eficaz devido ao resultado dinâmico de relações entre informações (eficiência potencial) e relacionamentos interpessoais (eficiência real) Bibliografia ALLE. Recife. amplia a capacidade de investigação criminal pela visão de contexto de diversos grupos criminosos. The Future of Knowledge: Increasing Prosperity Through Value Networks.construção de conhecimento para tomada de decisões e a fim de permitir a socialização. CHOO. 2003.a comunicação organizacional permite a articulação em rede das unidades policiais o que possibilita adquirir capacidade sistêmica de transmissão e de distribuição da informação. Acesso em: 16/10/2006.2006. Burlington-MA. F. PA. 2002. Information management for the intelligent organization: the art of . . C. ALMEIDA. Verna.1. USA. Disponível em: www. .

Divisão de Assuntos de Inteligência.2006. BLUR: A Velocidade da Mudança Na Economia Integrada. Medford. DANTAS. DAVIDSON. DAVIS.br/senasp/biblioteca/artigos/Descoberta%20e%20Analise%20de% 20Vinculos.. Construir Conhecimento e Tomar Decisões. Franca.merckmedicus. 25. C. e MACKAY. EUZENAT. 2005.mj. R. Disponível em: http://ksi..cpsc.. 277-284. CHOO. 1996. C. 1999. W. P. p. 2003. L. G. São Paulo. 7.gov. Rio de Janeiro: Campus. www. p. M. PhD thesis submitted to the University of Manchester. COLLINS. 1999. Advances In Violent Crime Analysis And Law Enforcement: The Canadian Violent Crime Linkage Analysis System. New Jersey: Information Today. K. Journal of Government Information. . 2002. 3rd Ed. ESG. DORLAND¶S Medical Dictionary.com/pp/us/hcp/thcp dorlands_content. n. Syntactic measures of complexity. G. Nota Complementar de Estudo. C. Departamento de Estudos. Corporate Memory Through Cooperative Creation of Knowledge Bases and Hyper-documents.F. Descoberta e a Análise de Vínculos na Complexidade da Investigação Criminal Moderna. Escola Superior de Guerra.html Acesso em 13/08.jsp Acesso em 06 jul. EDMONDS. I. A. NCE 90/97. A Organização do Conhecimento: Como as Organizações Usam a Informação Para Criar Significado. E. F. T. Editora Senac São Paulo. S. 3. B.. FERRO JÚNIOR.. May-Jun 1998. v.ca/KAW/KAW96/euzenat/euzenat96b. CHOY. MEYER. J.scaning the enviroment. Disponível em: www.ucalgary.pdf Acesso em: 20/10/2006. JOHNSON.

1994. 5. p. Pierre. University of Munster. C. GIBBONS. A. FERRO JÚNIOR. F. Mestrado em Administração de Empresas na Universidade Federal de Santa. 11. Bekerley Brasil. KIRN. M. T. HARRISON. 162-178. International Journal of Technology Management. DE L.53-71. Thomas. C. E.FERNANDES. Cognição Organizacional: Um Estudo da Tecnologia da Informação Aplicada à Análise de Vínculos na Atividade Policial. NEHME. C. G.br/rede/documentos/const_redes_org_terceiro_setor.pdf Acesso em: 20/06/2007. C.trgroup. São Paulo. C. 1995. 1998. C.. J e ALLINSON. Organisational Intelligence and Distributed AI.br/downloads/descoberta_e_analise_de_vinculos. HAYES.pdf Acesso em: 22/10/2006. DANTAS.1. Distrito Federal. Intranet data warehouse. FERRO JÚNIOR. Disponível em: www. e PRESCOTT. vol. n..W. Stefan.. Constituição de redes organizacionais como nova forma de gestão das organizações do terceiro setor. FERRO JÚNIOR.. C. ALVES. Parall el competitive intelligence processes in organizations. O Novo Crime Urbano e a Atuação da Polícia. British Journal of Management.p.inca. Revista Condepol Brasil. In: Anais do Congresso Brasileiro de Gestão do Conhecimento KM Brasil 2005. D.gov. As Tecnologias da Inteligência: O Futuro do Pensamento na Era . 2002. Cognitive style and its relevance for management practice. P. Germany. E. LEVY. H. n. Disponível em: http://www. v. A descoberta e a análise de vínculos na complexidade da investigação criminal moderna.com. M. Institute of Business Informatics. 1996. M. 1-2. F. 2004. MORESI. R. K. J.

fea. pp. 24.br/artigos.embsig. São Paulo. Brasília.asp?07 Acesso em: 24/11/2006. Psychology Crime & Law. SANTTILA. CHAPMAN.gpi. Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. PAIVA. 2004. Acesso em 30/10/2006. 57-76. 1998. 97-112. v.pdf>.. PUTNAM. Annual Review Sociology. ed. n. 10ª Edição. Expertise And DecisionMaking In The Linking Of Car Crime Series. Volume 3. A Teoria do Caos e as Organizações.br/Cad-pesq/arquivos/v08-2art07. 10.gecic.br/pdfs/artigos Acesso em 17/10/2006. PALDONY e PAGE. L. Editora Cortez. P. Volume 8.da Informática. W. . H. Eduardo Amadeu Dutra. Mestrado em Administração da Faculdade de Economia e Contabilidade da Universidade de São Paulo. 2001. n. S. MORIN. MORESI.P. MINTZBERG. Criando Organizações Eficazes: Estruturas em Cinco Configurações. e HAKKANEN. p. MORESI. I Congresso Ibero-Americano de Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva. . Tese de Doutorado em Ciência da Informação. Perspectivas de pesquisa em Inteligência Organizacional. Abril/Junho de 2002. São Paulo. 2000. 2004. Jun 2004.ufrj.com. Metáforas da Comunicação e da Organização. 13ª Edição.ead. Handbook de Estudos Organizacionais: Ação e Análise Organizacionais. Edgar. 2. 2003. 2. Eduardo Amadeu Dutra.. 1988. H. Editora Atlas. Disponível em: http://www. São Paulo.L. Disponível em: <www. N. 2. p. Disponível em: http://www. UNB. Caderno de Pesquisas em Administração. 2006. Editora 34. PHILLIPS. KORPELA.156. Monitoração Ambiental e Complexidade.usp.P.São Paulo: Atlas.

pp. Organizational memory: review of concepts and recommendations for management.. Information Systems Research. Associação Internacional de Analistas Criminais da Itália e da Duke University norteamericana. 16.J. PRIETULA. Modeling of Human Behavior in Violent Crimes. Eric W. W.SMITH. v. Apr 2005. D. p. nº 2. p.duke. Crimenet Explorer: A Framework For Criminal Network Knowledge Discovery. STRANO. 201-226. L. Oxford. J. 60-74. e KING. 3. STACEY. Jan-Mar 2005. Fighting Organized Crimes: Using Shortest-Path Algorithms To Identify Associations In Criminal Networks. H. The Chaos Frontier: Creative Strtegic Control for Business. 2. n. Disponível em: http:://fred. 473-487. 1997.J. 1995. Decision Support Systems. 302 -317. p. A Database Interface For Link Analysis. Journal Of Database Management. 1991. H.doc Acesso em 16/06/2005. n. Marco. 38. 23. International Journal of information Management. Sobre os autores / About the Authors: Celso Moreira Ferro ferro. J. M. When processes learn: Steps toward crafting an intelligent organization. 15. v. 1. 3. XU. D. e CHEN.C. N.com .celso@gmail. n. STEIN. e CHEN.mems. v. ZHU. vol. Dec 2004. Butterworth Heinmann. H. M. R. XU. v.J.edu/projects/crime/Papers/NNPCP_rivista_en. p. 8. 17-32.C. e HSU. P. J. Acm Transactions On Information Systems. n.

Universidade Católica de Brasília.br Doutor em Ciência da Informação. docente em gestão do conhecimento e da tecnologia da informação.Mestrando em Gestão do Conhecimento e da Tecnologia da Informação. UNB. . Eduardo Amadeu Dutra Moresi moresi@ucb. Universidade Católica de Brasília.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful