Tratamento de Problemas de Sono

Na cidade de Los Angeles, o problema ronda os 52% em adultos. Sendo 41% para as insónias, 11% para os pesadelos e 7% para o sono excessivo. Ainda 5% para o solilóquio e 2% para o sonambulismo. O tratamento que recorre aos fármacos e à psicoterapia é o melhor. Nenhum tratamento é adequando para todas as características de diagnóstico.

1. INSÓNIAS
Etiologia - Activação somática: activações fisiológicas e somáticas muito elevadas dificultam o sono. Aumentam a tensão durante o dia e não possuem capacidades para eliminá-la. - Activação emocional: padrão de personalidade perfeccionista e ansioso. O sujeito somatiza os conflitos sem os resolver. - Ansiedade antecipatória: A pessoa sabe que tem de fazer um esforço suplementar para dormir. Esses, podem ter um efeito controverso e aumentar o nível de actividade autónoma. - Controlo do estímulo: A cama e o quarto podem não ter relação com o começo do sono mas com outras actividades de activação e vigília: são muitas as actividades diárias que se realizam na cama como comer, falar ao telefone, ver televisão, ouvir música, estudar, falar com os amigos, resolver problemas, preocupar-se. - Activação cognitiva: há pensamentos negativos que estão relacionados com a dificuldade de dormir. - Há ainda as dificuldades respiratórias (apneia), hipoventilação alveolar, o “síndroma das pernas inquietas”, entre outros. Intervenções

A- RELAXAMENTO
1- Relaxamento progressivo de Jacobson Leva o sujeito a prestar atenção sobre as pequenas alterações produzidas pela contracção de pequenos grupos musculares. Primeiro passo: explicar o racional e plano de tratamento. Segundo passo: arranjar o local onde realizar as tarefas – deve ser um lugar onde a pessoa se sinta bem, tranquilo, escuro, quente. Deve estar com os olhos fechados, sem pulseiras, anéis e desapertado (cómodo). Pede-se que respire normalmente. Terceiro passo: treino. Pede-se que treine pelo menos uma vez por dia. 2 – Cena ou lugar agradável

Essas distorções cognitivas reflectem sentimentos ou pontos de vista negativos acerca de si. . Praticam a identificação destes pensamentos e registam-nos entre as sessões. . . Examinam as suas crenças sobre o sono e os seus problemas e tentar encontrar alternativas.Aprendem a identificar suposições e esquemas mais profundos. Pode usar-se antes do sujeito ir dormir e em conjunto com o controle do estímulo. .Certos estados psicopatológicos são causados ou mantidos por padrões de pensamento automáticos e distorcidos. . Formulam-se e praticam-se os alternativos. . 3 – Terapia cognitiva Segundo os princípios básicos da terapia cognitiva de Beck. com certos sinais da vida quotidiana (acender um cigarro. regulação da actividade cardíaca e respiratória. olhar para o relógio).As distorções cognitivas são activadas por acontecimentos adversos da vida e mantidas por esquemas ou regras conceptuais. lavar as mãos. pentear-se. . calor abdominal e frio na face. 2 – Terapia racional emotiva Proposta por Ellis. B. calor nas extremidades. não verbalizados. examinar e avaliar objectivamente os seus pensamentos e imagens e a relação destes com os acontecimentos activadores.imaginar que se encontra num local agradavelmente tranquilo enquanto se produzem sensações corporais que facilitam o relaxamento: pesadez. do mundo e do futuro (tríade cognitiva). São as nossas crenças (B) sobre esses acontecimentos que determinam o modo como nós sentimos e actuamos. que são improváveis ou têm pouco apoio empírico de poder vir a acontecer.Os pacientes aprendem a identificar. consiste na ideia que os acontecimentos activadores (A) não provocam directamente consequências emocionais (C).Ensina-se a superar essas cognições mediante a evidência objectiva e a corrigi-las. Assim.Essas cognições podem parecer pouco lógicas aos demais mas são consistentes dentro dos padrões do sujeito. 1 – Paragem do pensamento É um procedimento de autocontrolo que elimina padrões de pensamento disfuncionais. Esta terapia enfatiza a disputa (D) de certas crenças irracionais. . pouco realistas e desencadeadores de ansiedade.COGNITIVAS O seu objectivo é alterar crenças e pensamentos disfuncionais que medeiam as respostas específicas fisico-emocionais.

Não beber álcool pelo menos 2 h antes de ir para a cama. 7 – Relaxamento ocular: Utiliza os movimentos dos olhos para promover “mentes em branco”.Não fumar várias horas antes de ir para a cama. 4 – Intenção paradoxal Instrui-se o cliente para que deve a cabo comportamentos que parecem estar em oposição com os objectivos da terapia: que se tentem manter acordados.Arranjar o quarto para que favoreça o sono: temperatura. . 5 – Imaginação Parecida com a cena agradável (praia). Centramse nas suas propriedades como a forma. analgésicos). cola. A redução dos movimentos oculares produz a supressão da actividade cognitiva.Se acordar de noite evitar comer. . 8 – Dessensibilização sistemática: Consiste numa sequência organizada de acontecimentos activadores de ansiedade junto de uma resposta incongruente com a ansiosa. 3º sensações corporais. Foca-se nos conteúdos físicos de algo externo (ex.Praticam estratégias cognitivas e comportamentais para que as possam aplicar à vida real.Desenvolvem novas e adaptativas cognições sobre a tríade cognitiva. 2º interna como o recordar-se da letra de uma canção ou realizar problemas aritméticos. luz. Introduzem –se seis objectos à vez: vela. ruído. Assim. escada e palmeira. nas novas situações ou acontecimentos inesperados. chocolate.Evitar o exercício físico antes de ir para a cama. . . cacau..MUDANÇAS DO ESTILO DE VIDA 1 – Tratamento didáctico . . relógio de areia. movimento e textura. . durante dois minutos e duas vezes por sessão.: o tic tac do relógio). cor.Não consumir cafeína pelo menos 6 h antes de ir para cama (conhecer quais os alimentos que a possuam: chá. café. Pede-se que pratiquem durante o dia e quando não são capazes de dormir. Consiste num movimento rápido e sistemático com os olhos em diferentes direcções e parando por cerca de 7 segundos. concentram a atenção em estímulos neutros. cometa. . . mas praticá-lo regularmente. bomba.Não utilizar um colchão excessivamente rígido. C. 6 – Focalização intencional: 1º externa.

. B – Terrores nocturnos: tratamento farmacológico. Aprender a evitar situações que provocam narcolepsia ou enfrentá-las de forma adequada. Indicar as implicações a longo prazo.Se não é capaz de dormir levantar-se e fazer outras coisas . Não estar muito gordo. PARASONIAS A – Sonambulismo Não dormir em camas muito altas. SONOLÊNCIA EXCESSIVA A – Apneia Adoptar uma postura lateral em vez de frontal enquanto dorme. . Aparelho que retém a língua. 3. .2 – Controlo do estímulo .Recostar-se só quando tem sono. Atar um corda à volta da cintura e prender ao pé da cama. 2.10mn. . Fechar a porta à chave deixando-a com um responsável que esteja por perto. B – Narcolepsia Fazer sestas curtas e dormir a sesta ao fim do almoço (entidades patronais).Não utilizar a cama para outras actividades que não sejam o sono. .Não dormir a sesta e levantar-se sempre à mesma hora de manhã.Estabelecer um conjunto de dados que favoreçam o dormir. Repetir as rotinas. Eliminar objectos perigosos do quarto.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful